Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Sem inspiração, Corinthians fica só no 0 a 0 com Paulista

Liedson tentou, mas não conseguiu ajudar o Timão a sair de Jundiaí com uma vitória no fim

Sob o forte calor de Jundiaí, o Timão ficou só no empate com o Paulista no estádio Jayme Cintra, na tarde deste domingo: 0 a 0, e fim da sequência vitoriosa do Timão – que havia vencido Palmeiras e Ituano.

O resultado mantém o Corinthians na sexta colocação, com 13 pontos. Já o Galo da Japi continua no meio da tabela, com 9 pontos, na 12ª colocação.

JOGO QUENTE

Mesmo há cinco jogos sem vencer – três empates e duas derrotas -, o Paulista começou melhor a partida. Em uma série de lances perigosos, o time da casa esbanjou ofensividade e encurralou o Timão em seu campo de defesa. Aos 13 minutos, com Baiano, aos 15, com Rone Dias carimbando a trave de Julio Cesar, e aos 18, quando Guigov escapou e cruzou com perigo, o Paulista mostrou maior qualidade para abrir o placar.

Mas o Timão respondeu com Danilo, aos 24. Jucilei, aos 25 minutos e Liedson, aos 31, recolocaram o Corinthians na partida. Luís Ramírez, o Cachito, também mostrou seu futebol, arriscando com perigo de fora da área.

Dos pés do peruano, saiu a melhor jogada do Timão na primeira etapa, aos 41. Ele tocou por cima, enganando a zaga, e Alessandro, livre, errou dentro da área.

Quando o Paulista de Jundiaí dava demonstrações de que seria mero espectador, Rone Dias fez grande jogada aos 44. Deixando Chicão e Leandro Castán para trás, o atacante do Galo da Japi ficou cara a cara com Julio Cesar, mas exagerou no toque por cobertura.

Sobrou também para o goleiro Cristiano, do Paulista, que aproveitou os holofotes para dar o ar de sua graça. Ele tomou cartão amarelo aos 34 minutos do primeiro tempo depois de sair jogando perigosamente, perder para Jucilei e derrubar o volante corintiano. Pouco depois, o goleirão driblou Liedson dentro de sua própria área. Cristiano passou a ser chamado de Higuita pela torcida. Que figura!

Barboza já incendiou o segundo tempo, logo no primeiro minuto, fazendo fila e chutando na trave de Julio Cesar.
Mas o forte calor impediu que as equipes tivessem mais ímpeto ofensivo. A parada técnica foi realizada aos 22 minutos, para que os jogadores pudessem beber água.

A entrada de Willian no lugar de Danilo deixou o Timão mais veloz – e agressivo. Logo que entrou, o camisa 17 deu um chapéu no adversário e emendou para fora. Lindo lance!

Morais também entrou e causou furor na zaga adversária. Ele iniciou o lance dos 30 minutos do segundo tempo, quando serviu Alessandro em profundidade. O lateral achou Liedson, que finalizou fraco.

Mas o Timão não tinha armas para furar o bloqueio do time do interior e teve uma baixa significativa no fim do segundo tempo: aos 39, teve fim a pequena partipação de Paulinho no jogo. O volante, que entrara no lugar de Jucilei, foi expulso depois de carrinho perigoso.

Diante do forte calor e das dificuldades para penetrar na área, o Timão se jogou à frente como pode e não saiu de Jundiaí com uma vitória por pouco. A blitz do Timão teve início com Liedson, de cabeça, aos 44, cabeceando rente ao gol de Cristiano. Dois minutos depois, Willian ainda chutou à queima-roupa e Cristiano, o figurão, salvou o time da casa.

Liedson, de novo, dividiu com o goleiro e tocou na trave, no último lance da partida, aos 48. Mas o Timão não conseguiu passar pela muralha do time da casa.

Sem inspiração e com um a menos, o Corinthians empatou pela primeira vez em 0 a 0 na temporada e brecou a sequência de vitórias consecutivas depois do vexame na Libertadores.

O Paulista agora visita o Santo André no próximo sábado (19), em partida no estádio Bruno Daniel. Já o Timão joga antes, na quinta-feira (17), contra o Mogi Mirim no estádio do Pacaembu, em partida atrasada válida pela 4ª rodada do Campeonato Paulista.

FICHA TÉCNICA:
PAULISTA 0X0 CORINTHIANS

Estádio: Jayme Cintra, em Jundiaí (SP)
Data/hora: 13/2/2011 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Marcio Henrique de Gois
Auxiliares: Caio Mesquita de Almeida e Vitor Carmona Metestaine
Renda/público: R$ 343.343,00 / 8.770 pagantes
Cartões amarelos: Cristiano, Fabiano (PAU)
Cartões vermelhos: Paulinho, 39’/2ºT (COR)

PAULISTA: Cristiano; Weldinho (Sidnei, 28’/2ºT), Rodrigo Sabiá e Eli Sabiá e Guigov; Fábio Gomes, João Paulo, Baiano e Rone Dias (Vanderlei, 15’/2ºT); Barboza e Hernane (Fabiano, 21’/2ºT). Técnico: Wagner Lopes.

CORINTHIANS: Julio Cesar; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Marcelo Oliveira; Ralf, Jucilei (Paulinho, 24’/2ºT), Danilo (Willian, 13’/2ºT) e Luis Ramírez (Morais, 30’/2ºT); Jorge Henrique e Liedson. Técnico: Tite

fevereiro 13, 2011 Posted by | Corinthians | , | Deixe um comentário

Na estreia do garoto Neymar, Santos derrota o Oeste e se consolida no G-4

Roni e Madson foram os heróis da vitória no estádio do Pacaembu

Sem inspiração, mas com muita vontade, o Santos conquistou sua sétima vitória no Campeonato Paulista neste sábado.

Com um gol do atacante Roni, aos 20min do segundo tempo, e outro de Madson, no fim do jogo, o Peixe venceu o Oeste de Itápolis por 2 a 1, no estádio do Pacaembu, e ratificou sua condição entre as melhores equipes do Campeonato Paulista . Já o time do Interior, que estreou o técnico Luciano Dias, completou o seu sexto jogo sem vitória na competição.

Com a vitória, o Peixe alcançou o São Paulo na tabela de classificação. Ambas as equipes têm 23 pontos. Mas o time do Morumbi leva vantagem nos critérios de desempate. Já o Oeste estacionou nos 11 pontos.

Confira a classificação do Campeonato Paulista

Quem esperava ver o Santos atacando e Oeste apenas se defendendo no início da partida, se surpreendeu com a postura do time de Itápolis, que resolveu encarar o Peixe de igual para igual. A partida no estádio do Pacaembu começou em altíssima velocidade.

Para mostrar o equilíbrio inicial, cada time teve uma grande chance nos primeiro cinco minutos. Primeiro foi o Santos que, aos 4min, chegou com Roni. Ele recebeu cruzamento de Luizinho da direita e, de pé direito, exigiu bela defesa de Weverton. Na sequência do lance, o Oeste saiu para o contra-ataque e pegou a defesa do Peixe exposta. Nei Paraíba arrancou pela direita, invadiu a área e rolou para Caíque que, cara a cara com Fábio Costa, dominou errado e permitiu o corte salvador de Fabiano Eller. Nesse lance, o Santos perdeu Adaílton, machucado.

O técnico Vagner Mancini, então, resolveu mudar o esquema tático, saindo do 3-5-2 para o 4-4-2 com a entrada do volante Germano. O Oeste voltou a assustar aos 8min, quando Mazinho fez jogada individual e, na hora do chute, foi travado por Fabiano Eller.

O Santos sofria para escapar da marcação adversária. O time de Itápolis, quando não tinha a bola dominada, se defendia com até nove homens e congestionava o meio-campo. O Peixe, então, abriu o jogo pelas pontas. Aos 17min, Germano cruzou da esquerda, a bola desviou em Mazinho e quase enganou Weverton, que conseguiu espalmar. Sete minutos depois, Madson cruzou da esquerda e Molina cabeceou à esquerda do gol adversário, com muito perigo.

Nas arquibancadas, a torcida santista fazia sua parte e não parava de gritar um só instante. O time lutava em campo, mas faltava inspiração. Como a bola não chegava, Roni praticamente não pegava na bola. Madson tentava compensar com muita vontade. Foi dele, aos 43min, o último lance de perigo do primeiro tempo. O camisa 10 santista chutou cruzado pela direita e Weverton fez firme defesa.

Etapa complementar

Na etapa complementar, o panorama da partida não se modificou. O Santos buscava o ataque, tinha volume de jogo, mas não conseguia criar jogadas de perigo. E o Oeste seguia satisfeitíssimo com o empate. O primeiro lance de perigo veio aos 9min, com Molina, em cobrança de falta. Weverton defendeu.

Dois minutos depois, a torcida santista perdeu a paciência com o fraco futebol apresentado pela equipe e começou a gritar o nome do garoto Neymar, que estava no banco de reservas. E o técnico Vagner Mancini resolveu atender. Aos 14min, a maior promessa das categorias de base do Peixe, que acabou de renovar o seu contrato até 2014, entrou no lugar de Molina.

Dois minutos depois, o garoto levou o estádio do Pacaembu ao delírio. Ele desceu pela direita, fintou seu marcador e, ao tentar cruzar, mandou direto para o gol. A bola encobriu o goleiro Weverton e acertou o travessão.

Aos 20min, finalmente saiu o gol. Roni dominou na direita e tentou tocar tabelar com Madson. O zagueiro Adriano afastou errado para trás e o próprio Roni avançou e, dentro da área, disparou uma bomba, de pé direito, no canto direito de Weverton. A bola bateu na trave antes de entrar. Na comemoração, o camisa 9 fez questão de ir ao banco de reservas e abraçar Molina.

Com a vantagem no marcador, o Santos se tranquilizou em campo. No Oeste, o técnico Luciano Dias partiu para o tudo ou nada e colocou mais dois atacantes em campo. De nada adiantou. O Peixe foi consistente atrás e, nos contra-ataques, ainda buscou o segundo gol. Aos 35min, Neymar deu passe açucarado para Triguinho que, dentro da área, bateu à esquerda de Weverton. Aos 44min, veio o segundo gol. E foi um golaço: Madson, o melhor em campo, disparou uma bomba de fora da área e mandou no ângulo direito de Weverton.

Já nos descontos, Dezinho fez o gol de honra do time de Itápolis. Mas nada que estragasse a festa da torcida santista no Pacaembu.

Ficha técnica:

OESTE 1 x 2 SANTOS
Weverton; Dedê, Dezinho, Adriano e Mazinho; Dias, Athos (Luizinho), Vander (Mirandinha) e Dionísio; Nei Paraíba e Caíque (Leandro Love). Fábio Costa; Domingos, Adaílton (Germano) e Fabiano Eller; Luizinho (Pará), Roberto Brum, Rodrigo Souto, Madson, Molina (Neymar) e Triguinho; Roni.
Técnico: Vagner Mancini. Técnico: Luciano Dias.
Gols: Roni, aos 20min, Madson, aos 44 min e Dezinho, aos 46min do segundo tempo.
Cartões amarelos: Dionísio (Oeste); Roberto Brum (Santos).
Estádio: Pacaembu. Data: 07/03/2009. Árbitro: Marcelo Prieto Alfieri (SP). Auxiliares: Sérvio Antonio Bucioli (SP) e Márcio D’Ávila Tragante (SP).

março 7, 2009 Posted by | Santos | , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário