Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Botafogo e Grêmio dominam um tempo cada e ficam no empate

Alvinegro abre dois gols de vantagem até o intervalo, mas Tricolor gaúcho reage na segunda etapa e chega ao 2 a 2


Quando cada equipe leva a melhor nas duas metades da partida, o resultado mais provável é o empate. E deu a lógica no Engenhão, onde Botafogo e Grêmio ficaram no 2 a 2, neste sábado, pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Alvinegro abriu dois gols de vantagem no primeiro tempo, e o Tricolor gaúcho dominou o segundo, igualando placar aos 40 minutos.

O resultado manteve o Botafogo na terceira posição, agora com 31 pontos. No entanto, pode perder sua vaga no G-4 dependendo dos resultados deste domingo. O Grêmio, por outro lado, soma 20 pontos, ocupa o 16º lugar e tem chance de retornar à zona de rebaixamento se seus adversários diretos vencerem. O Alvinegro volta a campo na próxima quinta-feira para enfrentar o Santos na Vila Belmiro. Já os gaúchos recebem o Atlético-GO em Porto Alegre na quarta-feira.

A partir do momento em que a bola rolou, o Botafogo mostrou que estava disposto a resolver a parada o mais rapidamente possível. Com um Maicosuel inspirado, o Alvinegro sufocou o Grêmio, que se mostrava nervoso e mal posicionado na defesa. Depois de uma troca de empurrões entre Rafael Marques e Alessandro, os lances bonitos apareceram.

Aos 13 minutos, o Maicosuel quase marcou um golaço após dar um lençol num adversário e colocar a bola próxima ao ângulo de Victor. Mas pouco tempo depois, o Mago fez o papel de garçom. Ele cobrou escanteio com precisão para Antônio Carlos, que, sozinho, cabeceou para abrir o placar aos 16 minutos.

Mesmo antes de o Grêmio assimilar o golpe, o Botafogo ampliou a vantagem, aos 20 minutos. Da entrada da área, Marcelo Mattos, encontrou Herrera em boa condição, e o argentino colocou a bola com precisão no canto esquerdo do goleiro Victor, fazendo 2 a 0. Assim, o técnico Renato Gaúcho não hesitou em fazer sua primeira modificação, substituindo o volante Gilson por Roberson.

Com o placar confortável, o Botafogo aos poucos foi diminuindo o ritmo e deixando espaços para o Grêmio. A equipe gaúcha acertou seu posicionamento e passou a chegar ao ataque com certa facilidade e poderia ter diminuído a diferença aos 43, quando Borges recebeu dentro da área e chutou, obrigando Jefferson a fazer uma grande defesa.

O merecido gol do Grêmio saiu, sim, depois do intervalo. Mais precisamente aos oito minutos, aproveitando a ainda desatenta equipe do Botafogo. Leandro Guerreiro errou na saída de bola na entrada da área, e Jonas chutou, fazendo 2 a 1. Joel Santana não perdeu tempo e trocou o volante Fahel pelo atacante Caio.

O gol acordou o Botafogo, que voltou a atacar o Grêmio, mas pecava nas finalizações. Caio encontrou Herrera livre, mas o argentino, em boa condição, chutou mal e colocou a culpa no gramado. Revoltado, arrancou um tufo de grama. Em seguida, Marcelo Cordeiro fez cruzamento açucarado para Loco Abreu, que furou o chute e fez Joel Santana levar as mãos à cabeça.

Aos 22 minutos, Loco Abreu foi substituído por Edno. Na saída, o uruguaio foi aplaudido pela torcida e por Joel Santana, com quem se desentendeu na última quarta-feira, quando deixou o campo durante a partida contra o Grêmio Prudente.

Mas o treinador alvinegro logo em seguida perdeu a compostura quando o Botafogo perdeu gols em sequência aos 34 minutos. Renato Cajá acertou a trave, Maicosuel tentou no rebote, e a bola sobreu para Renato, que cabeceou rente ao travessão de Victor. Do outro lado, o Grêmio mantinha a tranquilidade e chegava com perigo.

E a insistência do Grêmio foi finalmente premiada aos 40 minutos, quando Lucio cobrou falta na área e encontrou Jonas, que cabeceou com precisão, empatando a partida. O Botafogo tentou pressionar até o fim, mas não teve a tranquilidade para chegar à vitória.

OTAFOGO 2 X 2 GRÊMIO
Jefferson, Antônio Carlos, Leandro Guerreiro e Fábio Ferreira; Alessandro, Fahel (Caio), Marcelo Mattos, Maicosuel e Marcelo Cordeiro; Herrera (Renato Cajá) e Loco Abreu (Edno). Victor, Gabriel, Vilson, Rafael Marques e Lucio; Gilson (Roberson), Fábio Rochemback (Leandro), Adilson e Souza (André Lima); Jonas e Borges.
Técnico: Joel Santana. Técnico: Renato Gaúcho.
Gols: Antônio Carlos, aos 16, Herrera, aos 20 minutos do primeiro tempo; Jonas, aos 8 e aos 40 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Herrera, Maicosuel, Alessandro, Edno (Botafogo); Souza, Adilson, Borges, Jonas, Lucio (Grêmio). Público: 16.921 pagantes (20.593 presentes). Renda: R$ 430.390.
Estádio: Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ). Data: 04/09/2010. Árbitro:Sandro Meira Ricci (DF). Auxiliares: Márcio Eustáquio Sousa Santiago (Fifa/MG) e Ênio Ferreira de Carvalho (DF).

setembro 4, 2010 Posted by | Botafogo, Grêmio | , , , , , , , | Deixe um comentário

Sem dificuldade, Botafogo vence e aumenta a crise no Atlético-MG

Maicosuel, Somália e Herrera marcam os gols da vitória alvinegra. O Galo pode acabar a rodada na laterna do Campeonato Brasileiro

Com um futebol rápido e bem postado taticamente, o Botafogo venceu sem dificuldade o Atlético-MG por 3 a 0, neste sábado, no Engenhão, pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro. Maicosuel, Somália e Herrera, de pênalti, marcaram os gols alvinegros.

Com a vitória, o Botafogo, que há duas rodadas estava na zona de rebaixamento, pula temporariamente para a oitava colocação, com 18 pontos.

A situação do Atlético-MG é complicada. Penúltimo colocado, com apenas dez pontos, o Galo corre o risco de terminar a rodada na lanterna. Se derrotar o Ceará, neste domingo, no Castelão, o Atlético-GO ultrapassa o time mineiro, que há cinco jogos não vence no Brasileirão, além de registrar um jejum de quatro partidas sem balançar a rede adversária.

Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, o Botafogo vai encarar o Atlético-GO, no Serra Dourada, em Goiânia. Já o Atlético-MG pega o Guarani, no Ipatingão. Os dois confrontos vão ocorrer no sábado, dia 14, às 18h30 (de Brasília). Mas antes disso, o Galo enfrenta o Grêmio Prudente, na quarta-feira, pela Copa Sul-Americana.

Maicosuel e Somália deixam o Botafogo em vantagem

Com o Engenhão recebendo um bom público (mais de 27 mil presentes), o Botafogo entrou em campo com o goleiro Jefferson puxando a fila, com um uniforme todo amarelo. O camisa 1 se apresentaria à Seleção Brasileira logo após a partida para viajar para os Estados Unidos, onde a equipe disputa o primeiro amistoso da Era Mano Menezes. Era um dia de festa. Maicosuel reencontrava a torcida alvinegra após a volta ao clube carioca. E logo no primeiro minuto, o Mago partiu para cima de Zé Luis, mas chutou por cima do travessão.

O Botafogo tomou a iniciativa da partida, tentando pressionar o adversário. Entusiasmada, a torcida tentava empurrar o time carioca. Aos 23 minutos, Jobson fez uma linda jogada pela esquerda, cortou para o meio, passou por dois marcadores e chutou rasteiro. Fábio Costa se esticou todo para espalmar para escanteio.

Apesar de ter maior posse de bola no primeiro tempo, o Atlético-MG não conseguia criar jogadas de perigo. Diego Souza era o jogador que mais assustava a defesa do Botafogo. Mas faltava mais objetividade ao meia atleticano. Obina, que jogava pela primeira vez como titular desde que se lesionou em 1º de abril, no jogo com a Chapecoense, pela Copa do Brasil, estava sumido entre os zagueiros alvinegros.

Aos 31 minutos, Herrera dominou na entrada da área e chutou cruzado. O goleiro Fábio Costa largou a bola, e Maicosuel chegou para dar um sutil toque para o fundo do gol. Festa no Engenhão. O torcedor foi ao delírio. O Mago também, que não parava de comemorar. Era um momento de alegria, mas longo demais para o técnico Joel Santana. O treinador saiu correndo pela pista de atletismo, em um pique digno de corredor, e foi até perto da arquibancada buscar Maicosuel pelo braço e empurrá-lo para o campo. A preocupação era evitar um cartão amarelo

Enquanto a torcida alvinegra cantava “Oh, o Maicosuel voltou!”, Vanderlei Luxemburgo parecia ter perdido a paciência com o time mineiro. Depois do gol, o treinador cansou de reclamar e foi sentar-se no banco de reservas. As muletas ficaram jogadas no chão. Sem falar mais uma palavra, Luxemburgo assistiu o Botafogo dominar a parte final do primeiro tempo.

O segundo gol quase saiu aos 37 minutos. Diego Souza perdeu uma bola boba no meio-campo. Somália, esperto, lançou Herrera. Em velocidade, o atacante argentino disparou e chutou quando entrava na área. Mas a bola foi para fora. Mas aos 41 minutos, o Botafogo aumentou a vantagem. Somália aproveitou uma sobra da defesa e soltou a bomba da intermediária. A bola desviou no braço de Herrera, que estava caído na área, e enganou o goleiro Fábio Costa, que ficou observando, sem reação, a bola entrar mansamente no canto direito.

Após o gol, os jogadores do Atlético-MG cercaram o árbitro Leonardo Gaciba no meio-campo. Eles reclamavam o fato de a bola ter atingido o braço do atacante alvinegro. Mas o argentino não teve a intenção de tocar a mão na bola. Em conversa com os atleticanos, captada pelas câmeras de TV, o árbitro explicou que “a bola bateu no braço… não foi braço na bola”.

Herrera amplia para o Botafogo no segundo tempo

O Atlético-MG veio com duas mudanças para o segundo tempo. Ricardinho entrou no lugar de Serginho. E Ricardo Bueno substituiu Obina. O time mineiro melhorou. Mas, novamente, pecava por não conseguir concluir a gol. Os chutes saiam sem direção, longe do gol de Jefferson. Foram um, dois, três, quatro, cinco… antes dos 20 minutos. Dois deles foram parar lá na torcida do Galo.

O Botafogo passou a jogar no contra-ataque, tentando explorar a velocidade de Jobson. Mas não conseguia encaixar uma boa jogada. Aos 20 minutos, Joel Santana surpreendeu ao tirar o volante Marcelo Mattos, que fez uma boa partida, e colocar o atacante Caio.

O time carioca melhorou. E aos 25 minutos, Jobson entrou na área e foi derrubado por trás por Ricardinho. Pênalti marcado por Leonardo Gaciba. Herrera pegou a bola e cobrou forte, no canto esquerdo de Fábio Costa. Botafogo 3 a 0! Quatro gol do atacante argentino no Campeonato Brasileiro.

O Atlético-MG quase diminuiu três minutos depois. Ricardinho fez boa jogada pela esquerda e acertou a trave direita. Na sobra, Diego Souza chegou batendo de primeira, mas sem direção.

O jogo estava resolvido. E a torcida fez nova festa quando viu o uruguaio Loco Abreu sair do banco de reservas e entrar na partida aos 33 minutos no lugar de Maicosuel. Um momento emocionante, com muitas palmas e gritos. Foi o primeiro jogo do atacante depois da Copa do Mundo de 2010. Mas ele pouco tocou na bola.

Quase no final da partida, Diego Tardelli recebeu livre na área e chutou cruzado. Mas Jefferson fez uma difícil defesa e evitou o gol. Assunto para os dois jogadores durante a viagem para os Estados Unidos com a Seleção Brasileira.

BOTAFOGO 3 X 0 ATLÉTICO-MG
Jefferson, Danny Morais, Fábio Ferreira e Leandro Guerreiro; Alessandro, Marcelo Mattos (Caio), Somália, Maicosuel (Loco Abreu) e Marcelo Cordeiro; Herrera (Edno) e Jobson. Fábio Costa; Diego Macedo, Cáceres, Werley e Fernandinho; Zé Luís, Serginho (Ricardinho), João Pedro e Diego Souza (Jackson); Diego Tardelli e Obina (Ricardo Bueno).
Técnico: Joel Santana Técnico: Vanderlei Luxemburgo
Gols: Maicosuel aos 31 e Somália aos 41 minutos do primeiro tempo; Herrera aos 25 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Danny Morais (Botafogo) Zé Luís, Diego Macedo e Diego Souza (Atlético-MG);
Árbitro: Leonardo Gaciba da Silva (RS)
Auxiliares: Alessandro Alvaro Rocha de Matos (Fifa-BA) e Julio Cesar Rodrigues Santos (RS)
Local: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ). Público: 24.154 pagantes / 27.576 presentes. Renda: R$ 552.710,00

agosto 7, 2010 Posted by | Atlético-MG, Botafogo | , , , , | Deixe um comentário