Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Muricy: indefinição entre três volantes ou dois atacantes

Técnico não divulga escalação para pegar o Botafogo, mas defende meio de campo preenchido com três jogadores à frente da zaga

Souza é uma das opções de Muricy para o meio de campo palmeirense (Crédito: Ari Ferreira)

Souza é uma das opções de Muricy para o meio de campo palmeirense

LANCEPRESS!

Muricy Ramalho não divulgou a escalação do Palmeiras para o jogo deste sábado, contra o Botafogo, no Palestra Itália, mas deu dicas de que pode colocar no meio de campo Souza ao lado de Pierre e Edmílson, que volta de suspensão, deixando a equipe apenas com Obina como atacante de ofício.

– A única vez que escalamos dois jogadores na frente, criamos muito pouco. Não devemos pensar que se você escala três volantes, o time fica defensivo – declarou o treinador, em referência ao empate com o Grêmio em 1 a 1 na última semana, em casa.

Contudo, o técnico fez a ressalva de que, diferentemente do duelo com os gaúchos, Armero vai a campo. O colombiano desfalcou o Alviverde nas duas últimas partidas, e por ter características mais ofensivas do que Marcão, fora do duelo de sábado pelo terceiro cartão amarelo, os avantes podem ser mais municiados.

– Se a gente olhar pelo jogo contra o Grêmio, não é bom escalar o Obina e o Ortigoza no ataque. Eles ficaram muito presos na marcação naquela partida. Mas agora é outra história, tenho os dois laterais à disposição – completou o técnico.

agosto 14, 2009 Posted by | Palmeiras | , , , , , , , | Deixe um comentário

Palmeiras vence e chega à liderança

Verdão faz 1 a 0 no Santo André, assume o topo do Brasileirão e espera por resultados de domingo

Diego Souza comemora gol da vitória do Verdão (Crédito: Eduardo Viana)

Diego Souza comemora gol da vitória do Verdão

O Palmeiras é o novo líder do Brasileirão. Pelo menos até o complemento da rodada, neste domingo. O Alviverde jogou bem, fez 1 a 0 no Santo André, no Palestra Itália, somou 25 pontos a chegou à ponta da tabela do campeonato. Se Atlético-MG não pontuar e Internacional não vencer, o Verdão termina a 12ª rodada do campeonato no topo.

Com o triunfo, Jorginho segue invicto no comando do clube: quatro vitórias e um empate, e o Verdão acumula 12 jogos sem revés.

Liderado por Edmílson e Diego Souza, o Verdão teve domínio total na primeira metade da partida. Com ótimos lançamentos e extrema qualidade na saída de bola com inversões de jogada tanto para Armero, bem marcado por Cicinho, e Wendel, mais insinuante do que o colombiano, o camisa 3 palmeirense, que ainda atua com uma proteção no cotovelo direito devido à cirurgia pela qual passou em abril e o deixou afasto dos campos por três meses, foi soberano no campo defensivo ao lado de Pierre.

Os volantes não permitiram que Élvis e Marcelinho Carioca, abertos pela esquerda e direita, respectivamente, jogassem. O ex-corintiano, aliás, não teve atitude digna de seus 37 anos de idade e enorme experiência, quando Diego Souza fez ótima jogada pelo lado direito do ataque, colocou a bola entre as suas pernas e Marcelinho derrubou o palmeirense com um pontapé. O cartão amarelo aplicado a Marcelinho por Marcelo de Lima Henrique ficou barato para o atleta do time do ABC.

Na cobrança da falta, Cleiton Xavier colocou na área, Obina dividiu com Marcel, e a bola sobrou para o camisa 7, que completou de voleio para o gol, sem deixar a bola cair. O Palmeiras só não desceu para os vestiários com maior vantagem no marcador por falta de sorte de Obina. O atacante, que teve Ortigoza ao seu lado na linha de frente, acertou o travessão antes do apito final e havia escorregado cara a cara com Neneca. O único lance em que o Ramalhão assustou Marcos foi em cabeçada para fora de Nunes, livre na marca do pênalti.

Com a entrada de Pablo Escobar no lugar de Élvis no intervalo, o Santo André voltou melhor para o segundo tempo. Com a velocidade do boliviano, os comandados de Sérgio Guedes pressionaram a saída de bola do Verdão, que passou a não ser tão eficiente como anteriormente.

Logo aos cinco minutos, Marcelinho Carioca fez os palmeirenses suarem frio nas arquibancadas do Palestra. Pelo lado direito, o camisa 7 bateu escanteio com efeito, e a bola explodiu na trave de Marcos. Gustavo Nery ainda obrigou Marcos a fazer grande defesa em chute cruzado, mas o Verdão retomou a soberania do embate aos poucos. E o Ramalhão assustava a conta gotas em bolas paradas no pé de Marcelinho e em cruzamentos tendo como Nunes a referência.

O próximo compromisso do Santo André é com o Cruzeiro, na quarta-feira, no ABC, e o Alviverde vai a Goiânia enfrentar o Goiás.


FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 1 X 0 SANTO ANDRÉ

Estádio: Palestra Itália, São Paulo (SP)
Data/hora: 18/7/2009 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa-RJ)
Auxiliares: Anderson Jose de Moraes Coelho (SP) e Celso Barbosa de Oliveira (SP)
Renda/público: R$59.0526,00/19.041 pagantes
Cartões amarelos: Armero, Maurício Ramos, Pierre, Willians e Ortigoza (PAL); Marcel, Gustavo Nery, Dionísio e Marcelinho Carioca (STA)
Cartões vermelhos: não houve
GOL: Diego Souza 23’/1ºT (1-0)

PALMEIRAS: Marcos, Wendel, Maurício Ramos, Danilo, Armero; Pierre, Edmílson (Sandro Silva 38’/2ºT), Cleiton Xavier, Diego Souza (Deyvid Sacconi 43’/2ºT), Ortigoza (Willians 21’/2ºT) e Obina. Técnico: Jorginho

SANTO ANDRÉ: Neneca; Cicinho, Cesinha, Marcel e Gustavo Nery; Fernando, Dionísio, Élvis (Pablo Escobar/intervalo) e Marcelinho Carioca; Antônio Flávio (Rodrigo Fabri 33’/2ºT) e Nunes (Rodriguinho 40’/2ºT). Técnico: Sérgio Guedes.

julho 18, 2009 Posted by | Palmeiras, Santo André | , , , , , , , , , , | 1 Comentário

Ainda com interino, Palmeiras recebe Náutico buscando encostar no líder

A quatro pontos do Inter, time esquece assunto treinador e pensa na ponta contra os desesperados pernambucanos

Obina no treino do Palmeiras. Atacante é a esperança de gols

Novamente com Jorginho no banco de reservas, depois da desistência da diretoria em acertar com Muricy Ramalho, o Palmeiras enfrenta o Náutico, às 18h30m deste sábado, no Palestra Itália, sem mudanças de pensamento. Apesar de ainda manter seu técnico interino no comando do time desde que demitiu Vanderlei Luxemburgo, há duas semanas, o objetivo da equipe é o mesmo: ficar mais próximo do Internacional.

Quarto colocado do Campeonato Brasileiro com 16 pontos, o Palmeiras espera vencer o Náutico e ainda torce pelos tropeços de Atlético-MG e Vitória para conseguir alcançar o segundo lugar ao fim da rodada. Ao Náutico, resta a esperança de conseguir bater os donos da casa para se livrar da situação incômoda em que se encontra no Brasileiro. Na 17ª posição com somente oito pontos, o time de Márcio Bittencourt precisa vencer para abandonar a zona de rebaixamento.

– O Márcio está me deixando um pouco mais careca e com cabelos brancos. Somos amigos, jogamos juntos no Paulista, torço por ele, mas não neste jogo. Temos de pensar somente no Náutico e em conseguir uma vitória – salientou Jorginho.

O GLOBOESPORTE.COM acompanha a partida ao vivo, em Tempo Real, a partir das 18h30m.

Willians deve voltar ao ataque ao lado de Obina

Para o jogo com os pernambucanos, o Palmeiras terá o retorno de Wendel, que esteve suspenso contra o Avaí, na lateral direita. A diferença para o time que venceu os catarinenses fica no ataque. Como Ortigoza precisa de uma autorização na CBF por ter renovado seu empréstimo no clube, Willians deve voltar a formar a frente alviverde com Obina, sensação do time no momento.

No resto, o time segue no esquema que Vanderlei Luxemburgo vinha utilizando, com somente dois defensores. Sistema que deu resultado nas duas partidas de Jorginho à frente da equipe. Até agora, em seis pontos disputados, ele somou quatro e recolocou o Palmeiras na zona de classificação para a Libertadores (empatou com o Santos e superou o Avaí).

Márcio Bittencourt em busca da vitória

Desde que chegou ao Náutico, o treinador Márcio Bittencourt não conhece outro resultado que não seja derrota. Porém, o comandante não acredita que a culpa seja dele, e sim do fato de o grupo de jogadores do Timbu não ser de Série A do Campeonato Brasileiro.

– Nós temos uma boa equipe com alguns jogadores de qualidade, mas não temos uma equipe de primeira divisão. Precisamos de reforços, seja eu ou outro treinador, o Náutico tem que ter reforços – disse Márcio.

A delegação do Timbu embarcou para São Paulo na manhã desta sexta-feira. Dudu Araxá está confirmado no meio-campo. Douglas Maia aguarda apenas a regularização junto à CBF para poder atuar. No caso de nova derrota, este deverá ser o último jogo de Márcio no comando do Alvinegro. Kuki acredita que a culpa pelos resultados ruins deve ser compartilhada.

– Eu acho que essa é uma responsabilidade que tem que ser dividida porque não é só um jogador que está dentro de campo, nem um só jogador no gol ou criando jogadas a semana toda – disse o atacante.

O jogador do Timbu ainda mostra otimismo.

– No Brasileiro não existe jogo fácil. O negócio é ter concentração, se aplicar e aproveitar a chance pra ganhar do Palmeiras – completou Kuki.

julho 11, 2009 Posted by | Náutico, Palmeiras | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Prazo para Muricy aumenta um em dia

Diretoria palmeirense aguardará até esta terça-feira

Muricy quer um tempo para pensar (Foto: Reginaldo Castro)

Muricy quer um tempo para pensar (Foto: Reginaldo Castro)

Após o jogo entre Palmeiras e Santos (1 a 1), no último domingo, no Palestra Itália, o vice-presidente do Verdão, Gilberto Cipullo, chegou a afirmar que o clube esperaria por uma resposta de Muricy Ramalho até esta terça-feira.

Nesta segunda, porém, o discurso da diretoria alviverde mudou. O novo prazo aumentou em um dia. Os dirigentes querem uma definição do ex-comandante do São Paulo até a próxima quarta.

Em contato com a reportagem do LANCENET!, no início da tarde dessa segunda-feira, Muricy pediu para não dar entrevistas e alegou ser um momento em que precisa ficar calado.

Preocupada com uma possível resposta negativa do treinador, a diretoria do Palmeiras já busca novas alternativas. Mas as dificuldades em contar com Abel Braga ou Dorival Júnior também cresceram.

Abel admitiu que o interesse demonstrado pelo Verdão mexeu com ele. Mas o técnico crê que o xeque Mansour bin Zayed Al-Nahyan dificilmente vai liberá-lo do clube.

– Treinar o Palmeiras seria uma grande oportunidade para a minha carreira. Fiquei honrado com o interesse demonstrado. Mas acho muito difícil que me liberem, e minha multa rescisória é muito alta (R$ 4,5 milhões) – afirmou Abel.

Dorival Júnior, por sua vez, negou-se a falar sobre o Palmeiras na tarde desta segunda. Ele não quer atrapalhar o seu trabalho atual no Vasco.

junho 29, 2009 Posted by | Palmeiras | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Verdão x Peixe: sem carrasco e sem técnico

K9 está fora da partida e pode ajudar Santos e prejudicar Palmeiras. Luxa é demitido e não dirige o Verdão

LANCEPRESS!

O clássico deste domingo, entre Palmeiras e Santos, no Palestra Itália, às 18h30, terá menos brilho que o habitual. Além dos desfalques do time da Baixada, o Verdão também não terá em campo o atacante Keirrison, principal carrasco do rival. Em cinco jogos foram dez gols contra o Peixe.

O artilheiro da equipe alviverde, com 24 gols, deve ser vendido para o Barcelona e com a transação em andamento, a diretoria preferiu retirar o K9 do restante dos treinos desta semana e também do jogo deste domingo.

Pelo lado do Verdão, além da saída de Keirrison, outra bomba estorou na Academia de Futebol antes do clássico. Na madrugada deste sábado, a diretoria do Palmeiras, em reunião que se arrastou por horas, decidou demitir o técnico Vanderlei Luxemburgo.

O motivo alegado pela cúpula palmeirense foi de que o treinador não respeitou a hierarquia do clube, ao dizer que não Keirrison não jogaria mais com ele, mesmo que o negócio com o Barcelona não se concretizasse. Jorginho, técnico da equipe B, comandará o Alviverde no clássico interinamente.

Para apimentar um pouco mais o time alviverde quer apagar as derrotas na semifinal do Campeonato Paulista. Em contrapartida, o rival da Baixada quer manter o ótimo desempenho contra o Verdão e por consequência voltar a se aproximar dos líderes do Brasileirão.

Durante a semana, o técnico Vanderlei Luxemburgo aproveitou para focar em coletivos e testar a equipe. O ex-comandante alviverde surpreendeu alterando o esquema tático que utilizou mais vezes nesse ano, o 3-5-2. Luxa optou por deixar um time mais leve com dois zagueiros. E ainda promoveu a entrada de Mozart na equipe titular. A tendência é de que Jorginho mantenha o time treinado durante a semana.

Já o rival santista quer a vitória para afastar a crise que ronda a Vila Belmiro. Com a equipe na décima colocação e exibindo a segunda defesa mais frágil do Brasileirão, média de dois gols por jogo, o elenco do Peixe sente-se na obrigação de vencer o clássico.

– Se eu disser que a pressão não existe, estarei mentindo. Esse jogo é muito importante, porque nos últimos três jogos não conseguimos o nosso objetivo. Então temos que reverter a situação e vencer para buscar novamente o topo da tabela – afirmou o meia Madson.

Com o trabalho cada vez mais questionado, o técnico Vagner Mancini estuda modificar a formação do Santos para o clássico. A dúvida é se Mancini escala Neymar, mantendo a equipe ofensiva, ou se opta pelo zagueiro Paulo Henrique, numa tentantiva de reforçar o sistema defensivo.

– Ainda não está definido. A entrada dele (Paulo Henrique) me dá a chance de ter, dentro do jogo, uma alteração interessante, que é a entrada dele como o terceiro homem na zaga, com a subida dos alas, ou como mais um volante -garantiu o treinador.

Para a partida, o Santos não poderá contar com o goleiro Fábio Costa, lesionado, nem com o lateral-esquerdo Léo e o zagueiro Fabiano Eller, suspensos. Pará e Domingos serão os substitutos.


FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS X SANTOS

Estádio: Palestra Itália, São Paulo (SP)
Data/hora: 28/6/2008 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Leonardo Gaciba da Silva (Fifa-RS)
Auxiliares: Márcio Luiz Augusto (SP) e Carlos Augusto Nogueira Junior (SP)

PALMEIRAS: Marcos; Wendel, Maurício Ramos, Danilo e Pablo Armero; Pierre, Mozart, Cleiton Xavier e Diego Souza; Obina e Willians. Técnico: Jorginho.

SANTOS: Douglas, Wagner Diniz, Fabão, Domingos e Pará; Roberto Brum, Paulo Henrique Rodrigues, Rodrigo Souto, Madson e Paulo Henrique Ganso; Kéber Pereira. Técnico: Vágner Mancini.

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)

junho 27, 2009 Posted by | Palmeiras, Santos | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Palmeiras não supera o Nacional e está eliminado da Libertadores

Equipe fica no 0 a 0 com o Nacional, que avança por causa do gol marcado fora da casa. Árbitro não marca pênalti para o Alviverde no primeiro tempo

Ampliar Foto Agência/Reuters Agência/Reuters

Diego Souza tenta deixar o adversário para trás e levar o Palmeiras ao ataque em Montevidéu

Fim do sonho do bicampeonato. Apesar de muita luta, o Palmeiras ficou no 0 a 0 com o Nacional nesta quarta-feira, em Montevidéu, e está eliminado da Libertadores. Como empatou por 1 a 1 no jogo de ida, no Palestra Itália, a equipe brasileira precisava ao menos repetir este resultado para levar a partida para os pênaltis. Os uruguaios, desta forma, se classificam para a semifinal da competição por causa do gol marcado fora de casa. Aos palmeirenses ficou ainda a sensação de que a história poderia ter sido diferente se o árbitro não tivesse ignorado um pênalti ainda no primeiro tempo.

Na próxima fase, o Nacional terá pela frente o vencedor do confronto entre Estudiantes e Defensor, que se enfrentam nesta quinta. No jogo de ida, os argentinos venceram por 1 a 0 fora de casa e estão com a vantagem.

Bola no travessão e pênalti não marcado

Apesar da pressão da torcida local, que lotou o Centenário para empurrar o Nacional, os jogadores palmeirenses não se acuaram no campo de defesa. Nos primeiros minutos da partida, as duas equipes erraram muitos passes e o jogo ficou preso no meio-de-campo. A primeira boa oportunidade foi dos brasileiros, aos oito minutos. Cleiton Xavier bateu escanteio da esquerda e quase fez gol olímpico. O goleiro Muñoz chegou a desviar a bola, que bateu no travessão e ficou bobeando dentro da área, mas nenhum palmeirense conseguiu aproveitar o rebote.

Com dificuldades de penetrar na defesa adversária, o Nacional passou a apostar nos chutes de longa distância para abrir o placar. A mais perigosa aconteceu aos 16 minutos. Dominguez mandou uma bomba em cobrança de falta e Marcos, no centro do gol, espalmou para o lado. Aos 24 minutos, foi a vez de Romero subir ao ataque e, com um chute forte, assustar os palmeirenses. A bola, no entanto, subiu demais.

Mais efetivo com os avanços pelas laterais, o Palmeiras chegou perto do gol aos 30 minutos. Diego Souza recebeu bom passe dentro da área e finalizou, Keirrison desviou a bola, que foi por cima do gol com o goleiro Muñoz já batido. Dois minutos depois, os uruguaios reclamaram que a bola bateu na mão de um defensor alviverde após um bate-rebate na área, mas o árbitro não viu irregularidade e mandou o lance seguir.

Aos 43, foi a vez de os brasileiros reclamarem, e pelo mesmo motivo. Armero desceu pela esquerda e fez o cruzamento, cortado com a mão por Coates, do Nacional. O árbitro assinalou somente o escanteio. Revolta geral na equipe alviverde.


Obina perde grande chance perto do fim


O Palmeiras voltou do vestiário com a pressão ainda maior de chegar ao primeiro gol, mas encontrou um jogo amarrado, cheio de faltas e poucas oportunidades. O tempo corria e os brasileiros só conseguiam entrar na área adversária com bolas aéreas, o que facilitava a vida dos defensores do time uruguaio. Vendo a dificuldade da sua equipe, Luxemburgo aumentou o poder ofensivo com as entradas de Ortigoza e Obina nos lugares de Willians e Marcão.

O primeiro lance de real perigo do Palmeiras aconteceu somente aos 25 minutos, justamente com os jogadores que entraram no segundo tempo. Ortigoza tocou boa bola para Obina dentro da área, o atacante girou e bateu, mas o chute saiu torto, à esquerda do gol de Muñoz.

Jogando sem se expor muito, o Nacional quase não fez o goleiro Marcos trabalhar. Em raro lance de ataque bem trabalhado, aos 30 minutos, Lodeiro recebeu um cruzamento da direita e, de entrada da área, mandou uma bomba. A bola, no entanto, subiu demais. O lance de mais perigo do Palmeiras aconteceu aos 39. Ortigoza desceu pela esquerda e cruzou na medida para Obina, que desviou de cabeça e a bola passou rente à trave do Nacional.

No minuto seguinte, os uruguaios se aproveitaram bem do desespero alviverde e puxaram um rápido contra-ataque. Garcia ficou de frente para Marcos e tocou na saída do goleiro, mas a bola saiu mansamente à esquerda do gol. Ainda havia tempo para mais emoção. Aos 45, Cleiton Xavier tentou encobrir o goleiro, que havia saído errado. O arqueiro do Nacional, no entanto, se recuperou e fez a defesa. Aos 46, após cruzamento para a área, o goleiro Marcos foi tentar o gol e quase se torna o herói após tentativa de cabeça.

Ficha técnica:

NACIONAL 0 x 0 PALMEIRAS
Muñoz, Romero, Victorino, Coates e Dominguez; Matias Rodriguez, Arismendi, Oscar Morales e Lodeiro; Medina (Angel Morales) e Biscayzacú (Garcia). Marcos, Maurício Ramos, Danilo e Marcão (Obina); Wendel, Pierre, Cleiton Xavier, Diego Souza e Armero; Willians (Ortigoza) e Keirrison.
Técnico: Gerardo Pelusso. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.
Cartões amarelos: Medina, Lodeiro (NAC); Diego Souza, Mauricio Ramos (PAL).
Estádio: Centenário, Montevidéu. Data: 17/06/2009. Árbitro: Carlos Vera (Equador). Auxiliares: Juan Cedeño e Luis Alvarado (ambos equatorianos).

junho 17, 2009 Posted by | Palmeiras | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Palmeiras recebe o Cruzeiro no Palestra Itália

Antes de semana decisiva na Copa Libertadores da, paulistas e mineiros duelam por uma vaga no G4

Palmeiras e Cruzeiro se enfrentam às 18h30 de domingo, no Palestra Itália.

Palmeiras e Cruzeiro se enfrentam às 18h30 de domingo, no Palestra Itália.

LANCEPRESS!

Antes dos jogos decisivos pelas quartas-de-final da Copa Libertadores da América, no meio de semana, Palmeiras e Cruzeiro se enfrentam às 18h30, deste domingo, pela sexta rodada do Brasileirão, no Palestra Itália.

Com um ponto a mais do que os mineiros, o Verdão quer deixar uma boa impressão para o torcedor antes de ir para a batalha com o Nacional (URU), em Montevidéu, no dia 17.

Além disso, Vanderlei Luxemburgo traçou para o grupo a vitória contra o concorrente direto ao título nacional e o G4 como meta neste final de semana.

– Precisamos vencer agora contra o Cruzeiro para que consigamos chegar ao G4 do Brasileirão. Vencê-los também será importante porque é um adversário direto ao título e por isso a necessidade da vitória – declarou o técnico do Alviverde.

O Palmeiras deve ir a campo no esquema 4-4-2. Confirmado na lateral direita, Wendel volta de suspensão, e Armero retorna à equipe depois de servir a seleção da Colômbina nas Eliminatórias da Copa de 2010. Keirrison e Obina forma a dupla de ataque pela quarta vez na temporada. A novidade fica por conta de Willians, que voltou a ser relacionado para uma partida depois de ficar de fora dos últimos cinco jogos.

Pelo lado da Raposa, Kleber, expulso contra o Internacional e Gerson Magrão, com terceiro cartão amarelo, não jogam por suspensão. Já Athirson, Fernandinho, Soares, Thiago Ribeiro seguem fora, machucados.

De olho no jogo de quinta-feira com o São Paulo, no Morumbi, ainda podem completar essa lista Fabrício e Wagner com dores musculares. O volante Fabinho não fará sua estreia por falta de documentação.


PALMEIRAS X CRUZEIRO

Estádio: Palestra Itália, São Paulo (SP)
Data/hora: 14/6/2009 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS)
Auxiliares: Altemir Hausmann (Fifa-RS) e Roberto Braatz (Fifa-PR)

PALMEIRAS: Marcos, Wendel, Maurício Ramos, Danilo, Armero, Pierre, Mozart, Cleiton Xavier, Diego Souza, Keirrison e Obina. Técnico: Vanderlei Luxemburgo

CRUZEIRO: Fábio, Jonathan, Thiago Heleno, Leonardo Silva e Sorín; Henrique, Elicarlos, Marquinhos Paraná, Bernardo; Wellington Paulista e Zé Carlos. Técnico: Adílson Batista

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)

junho 14, 2009 Posted by | Cruzeiro, Palmeiras | , , , , , , , , , , | 2 Comentários

Pelo fim do jejum, Palmeiras recebe Vitória

Na História do Brasileirão, o Alviverde nunca foi superado pelo Leão da Barra no Palestra Itália

(Crédito: Arte de Allex Ximenes)

LANCEPRESS!

Palmeiras e Vitória se enfrentam neste domingo, no Palestra Itália, pela quinta rodada do Brasileirão.

O Verdão quer acabar com o jejum de vitórias, que perdura desde o dia 9 de maio, quando venceu o Coritiba em casa no primeiro jogo do campeonato nacional. De lá para cá, foram três empates (dois em casa) e duas derrotas – 1 a 0 contra o Sport pela Copa Libertadores e 2 a 0 diante do Internacional no Beira-Rio.

Mesmo com a relação com a torcida palmeirense estremecida, depois de declarar que o time não foi incentivado no 1 a 1 com o Nacional (URU) no Torneio Continental, o retrospecto de Vanderlei Luxemburgo no Palestra é animador. Em todas as suas passagens pelo clube, o treinador nunca completou três jogos sem triunfar no estádio.

Além disso, o Leão da Barra jamais superou o Alviverde no Palestra na História da competição. Na única oportunidade em que o fez, foi pela Copa do Brasil de 2003 – goleada por 7 a 2. No números gerais, são 29 triunfos do Palmeiras , cinco do Rubronegro baiano e nove empates.

Com os desfalques de Wendel, suspenso por expulsão na última partida contra o Barueri, e Armero, que serve a Seleção da Colômbia contra a Argentina nas Eliminatórias da Copa de 2010, Jefferson entra na lateral esquerda e Henrique faz a sua estreia pela direita. Danilo e Maurício Ramos são os prováveis titulares na zaga, o que deixa o Verdão no 4-4-2, com Keirrison e Obina no comando do ataque.

No Vitória, o técnico Carpeggiani tem problemas para montar a equipe. O artilheiro Neto Baiano foi suspenso pelo STJD e o clube não conseguiu o efeito suspensivo. Já o meia Jackson, sentiu dores na coxa direita durante os treinamentos e também não estará na partida.

FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS X VITÓRIA

Estádio: Palestra Itália, São Paulo (SP)
Data/hora: 7/6/2009 – 16h
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa-PR)
Auxiliares: Gilson Bento Coutinho e Marcia Bezerra Lopes Caetano (Fifa-SP)

PALMEIRAS: Marcos, Henrique, Maurício Ramos, Danilo, Jefferson, Pierre, Mozart, Cleiton Xavier, Diego Souza, Keirrison e Obina. Técnico: Vanderlei Luxemburgo

VITÓRIA: Viáfara, Bosco, Wallace, Victor Ramos e Robson; Uellinton, Vanderson, Carlos Alberto e Ramon; Adriano e Washington. Técnico: Paulo César Carpeggiani

junho 7, 2009 Posted by | Palmeiras, Vitória | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Em clássico equilibrado, goleiros garantem o 0 a 0 no Choque-Rei

Marcos, do Palmeiras e Denis, do São Paulo, brilham no Palestra Itália num jogo cheio de oportunidades

Hernanes e Mozart disputam a posse de bola

O São Paulo dominou o primeiro tempo e o Palmeiras tomou conta do segundo. No equilibrado clássico deste domingo, no Palestra Itália, o empate de 0 a 0 foi metade culpa da falta de pontaria dos atacantes e metade mérito dos goleiros. O resultado acabou sendo pior para o Tricolor, que segue sem vencer após três rodadas deste Campeonato Brasileiro.

O São Paulo começou bem mais perigoso. Seguro no sistema defensivo, com Eduardo Costa com forte marcação e com os três zagueiros – André Dias, Miranda e Richarlyson – bem postados, o Tricolor tinha tranquilidade e espaços para sair jogando e armar contra-ataques. Nos primeiros minutos, só o visitante jogou.

Marcos faz mais uma boa defesa

Aos sete, a primeira chance. Hugo chutou de longe e o tiro nem foi dos mais difíceis, mas Marcos soltou a bola e assustou a torcida palmeirense. Aos oito, mais uma investida são-paulina. Após cruzamento de Hugo, Washington dividiu com Marcão pelo alto e a bola sobrou para André Dias. O zagueiro cabeceou e Marcos defendeu. Na sequência, Washington mandou para a área novamente e Jorge Wagner errou o alvo na cabeçada.

Só dava São Paulo. O Verdão parecia pedir para tomar o gol. Aos 12, depois de um erro da zaga palmeirense na saída de bola, Dagoberto foi lançado e ficou cara a cara com Marcos, que, de novo, fez grande defesa. O Palmeiras, que não conseguia espaço para jogar e tinha dificuldade para brecar o adversário, só foi reagir aos 20 minutos. A primeira chance de gol, ainda que remota, foi num chute de longe de Diego Souza, que Denis defendeu.

As duas melhores oportunidades do primeiro tempo, porém, estavam guardadas para os minutos finais. Do lado verde, Keirrison completou um cruzamento de Wendel e chutou, à queima roupa, para Denis pegar. No ataque do Tricolor, Washington finalizou ainda mais de perto, dentro da pequena área, de voleio, e Marcos fez mais um dos seus milagres.

Ao sair para o intervalo, os dois técnicos foram para cima do árbitro Rodrigo Braghetto. Muricy Ramalho cobrava um segundo cartão amarelo – seria o vermelho – para Jumar, que brecou um contra-ataque são-paulino com falta. Vanderlei Luxemburgo não queria deixar o rival pressionar o juiz e ficou marcando os passos do treinador tricolor.

Segundo tempo palmeirense

Na volta para o segundo tempo, vendo que seu time estava em desvantagem, foi Luxemburgo quem mexeu: trocou Danilo e Mozart por Lenny e Souza. E o Palmeiras dos últimos 45 minutos foi completamente diferente. Agora, de fato, jogando como o verdadeiro dono da casa.

Aos três, Cleiton Xavier testou Denis de fora da área. Aos oito, Miranda derrubou Diego Souza dentro da área, mas o juiz mandou seguir o lance. Logo depois, foi a vez de Lenny desperdiçar oportunidade quase debaixo do travessão. Aos 11, Keirrison também chutou para fora a sua chance.

Ao contrário da primeira etapa, o São Paulo mal conseguia ficar com a posse de bola e raramente passava da linha do meio-de-campo. Para tentar mudar o cenário, Muricy tirou o apático Hernanes para a entrada de Arouca. Mas o Verdão não deixava o Tricolor respirar.

Muricy ainda substituiu Hugo por Junior Cesar e Jorge Wagner por André Lima. Já Luxemburgo mandou Ortigoza para o lugar de Keirrison. Em má fase com o gol, o K9 saiu de campo sob vaias. A sorte dele é que o público do Palestra Itália foi decepcionante – 12 mil pessoas – e o protesto não foi mais sonoro.

A exemplo do primeiro tempo, quando o São Paulo pressionou e recuou, o Palmeiras também diminuiu o ritmo com o passar do tempo. Depois que Maurício Ramos foi expulso, aos 30 minutos, e o time não tinha mais direito a fazer nenhuma substituição, o 0 a 0 passou a ser um placar interessante. E ninguém conseguiu balançar a rede até o juiz apitar o fim do jogo. Bem que os são-paulinos tentaram no finalzinho, só que Marcos não deixou: aos 43 pegou chute de Dagoberto e aos 46 evitou gol certo de Washington. Por falta violenta, Richarlyson ainda recebeu cartão vermelho. E, aos 49, Denis fez bela defesa ao defender cabeçada de Diego Souza.

Agora, os dois times voltam as suas atenções para as quartas de final da Taça Libertadores da América (se é que não estavam pensando nisso durante o clássico também). Na quarta-feira, o São Paulo encara o Cruzeiro no Mineirão. Na quinta, o Palmeiras recebe o Nacional (URU) no Palestra. Pelo Campeonato Brasileiro, as equipes só voltam a jogar no próximo domingo: o Tricolor repete o duelo com a Raposa no Morumbi e o Verdão visita o Barueri.

FICHA TÉCNICA
Palmeiras 0 X 0 São Paulo

Estádio: Palestra Itália, São Paulo (SP)
Data/hora: 24/05/09, às 16h00
Árbitro: Rodrigo Braghetto (SP)
Assistentes: Ednílson Corona (Fifa-SP) e Emerson Carvalho (Fifa-SP)

Renda e público: R$ 47.220.124 / 12.000 pagantes

Cartões amarelos: Jumar e Maurício Ramos (Palmeiras) e Zé Luís (São Paulo). Cartão vermelho: Maurício Ramos (31’ / 2ºT) e Richarlyson (47′ / 2ºT)

PALMEIRAS: Marcos, Maurcio Ramos Danilo (Lenny / Intervalo) e Marcão ; Wendel, Jumar , Mozart (Souza / Intervalo), Cleiton Xavier e Armero; Diego Souza e Keirrison (Ortigoza / 27’ 2ºT). Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

SÃO PAULO: Denis, Zé Luís, André Dias, Miranda e Richarlyson, Eduardo Costa, Hernanes (Arouca / 15’ 2ºT) e Jorge Wagner (André Lima / 38′ 2ºT), Hugo (Júnior César / 25’ 2ºT), Dagoberto e Washigton. Técnico: Muricy Ramalho

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)

maio 24, 2009 Posted by | Palmeiras, São Paulo | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Choque-Rei movimenta início de Brasileirão

Palmeiras quer quebrar pequeno tabu, e São Paulo a reabilitação após tropeços nos primeiros jogos

Clássico paulista movimenta terceira rodada do Brasileirão (Crédito: Allex Ximenez)

Clássico paulista movimenta terceira rodada do Brasileirão (Crédito: Allex Ximenez)

LANCEPRESS!

O Choque-Rei deste domingo, no Palestra Itália, pela terceira rodada do Brasileirão, é movido pela vontade dos times de voltar a triunfar na temporada. Do lado do Palmeiras, a equipe quer vencer sob os olhares da torcida após um desempenho ruim e derrota para o time misto do Inter no último domingo, no Beira Rio. Já o São Paulo, que vem de empate com o Atlético-PR, no Morumbi, busca sua primeira vitória na competição.

O Verdão recebe o Tricolor e tenta se aproveitar da pouca experiência do goleiro Denis, que substituirá Bosco, para quebrar um pequeno e indigesto tabu para os torcedores palmeirenses: a última vez em que o Alviverde superou o Tricolor no Campeonato Brasileiro foi em 2006 (3 a 1, em Presidente Prudente). De lá para cá foram quatro partidas entre os rivais pela competição: duas vitórias dos comandados de Muricy e dois empates.

No retrospecto geral, a última vez em que o Palmeiras bateu o São Paulo em casa foi na semifinal do Paulistão do ano passado, no polêmico jogo do ‘gás’ – no intervalo do jogo, jogadores do São Paulo reclamaram da existência de um gás no vestiário do visitante. No único duelo de 2009, Washington fez o gol da vitória do clube do Morumbi e os são-paulinos deixaram os rivais sem balançar a rede pela primeira oportunidade no ano.

Com os desfalques de Pierre, suspenso por cartão vermelho no jogo de Porto Alegre, Willians, em fase final de recuperação de lesão no púbis, além de Edmílson, que reiniciou os trabalhos físicos nesta semana depois da cirurgia em abril, Vanderlei Luxemburgo deve escalar Jumar e Souza como volantes, assim como fez no último treino antes do clássico, e adiantar Diego Souza para ficar mais próximo de Keirrison no ataque.

Das muitas ausências do São Paulo, André Dias, Dagoberto e Jean treinaram normalmente neste sábado pela manhã. O zagueiro e o volante ainda não estão confirmados no time, mas o atacante formará a dupla de ataque ao lado de Washington, já que Borges ainda está afastado pelo departamento médico em função da pancada que levou na cabeça no jogo contra o Atlético-PR.

Palmeiras x São Paulo

Estádio Palestra Itália, São Paulo (SP)
Data: 24/05/2009 às 16:00
Árbitro: Rodrigo Braghetto
Auxiliares: Ednilson Corona (Fifa-SP) e Emerson Augusto de Carvalho (Fifa-SP)

Palmeiras: Marcos, Maurício Ramos, Danilo e Marcão; Fabinho Capixaba, Jumar (Mozart), Souza, Cleiton Xavier e Armero; Diego Souza e Keirrison. Técnico : Vanderlei Luxemburgo.

São Paulo: Denis, Zé Luis, Miranda, Richarlyson (André Dias) , Jorge Wagner, Eduardo Costa (Jean) e Arouca; Hernanes, Hugo, Dagoberto e Washington. Técnico: Muricy Ramalho.

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)

maio 24, 2009 Posted by | Palmeiras, São Paulo | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Cleiton Xavier diz que time deve esquecer a Libertadores e pensar no São Paulo

Meia pede concentração total no clássico de domingo, no Palestra Itália

Ampliar Foto Marcelo Prado/Globo Esporte Marcelo Prado/Globo Esporte

Meia estará em campo no clássico contra o São Paulo

Ninguém esconde no Palmeiras que a prioridade da equipe é a Taça Libertadores da América , competição na qual o time volta a jogar no próximo dia 28, contra o Nacional (URU), no Palestra Itália, pela fase de quartas de final. Mas isso será momentaneamente deixado de lado nessa semana, já que, no próximo domingo, o Verdão terá o clássico contra o São Paulo pela frente, em jogo válido pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro .

O meia Cleiton Xavier deixou claro que agora é hora de pensar no rival paulista. Só a partir de segunda-feira é que o foco deverá voltar a ser o torneio sul-americano.

– Se trata de um clássico, e todos sabem que ninguém gosta de perder um jogo como esse. Entraremos preparados para buscar a vitória – disse o camisa 10.

O fato do adversário estar sem alguma de suas principais peças não transforma o Palmeiras em favorito na partida do próximo final de semana.

– Favoritismo não existe em clássico. Um time pode estar em um momento melhor que o outro mas, quando a bola rola, fica tudo igual. Antes do jogo, nada garante a vitória. O São Paulo, mesmo desfalcado, é uma grande equipe e merece o nosso respeito – concluiu.

maio 19, 2009 Posted by | Palmeiras | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Verdão aperta e vence o Coritiba no fim

Palmeiras entra com os reservas, mas vira com titulares e larga bem no Campeonato Brasileiro

Ortigoza apreensivo em vitória heroica do Palmeiras

Ortigoza apreensivo em vitória heroica do Palmeiras (Crédito: Tom Dib)

O Palmeiras saiu atrás, pressionou e no instantes finais conseguiu emocionante virada sobre o Coritiba. A vitória por 2 a 1 deste sábado, no Palestra Itália, fez o Verdão largar bem no Brasileirão e chegar motivado para pegar o Sport na Copa Libertadores.

O Palmeiras jogou com os reservas, que começaram a partida melhor que os titulares. Explorando a velocidade dos alas, de Willians e Marquinhos, a equipe colocou Ortigoza em boas condições por algumas vezes. Os outros dois atacantes também tiveram boas chances, mas falharam nas finalizações.

A torcida apoiava o time, que estava cada vez mais perto do gol, até que Jefferson fez pênalti infantil em Márcio Gabriel. O palmeirense errou o chute e acertou o adversário com o pé. Marcelinho Paraíba bateu e abriu o placar.

O Verdão voltou para o segundo tempo com Keirrison e Diego Souza, que quase empataram no começo do jogo, se não fossem duas grandes defesas de Vanderlei.

Depois foi a vez de Cleiton Xavier entrar, quando o Palmeiras já era só ataque em busca do gol. Já o Coritiba, satisfeito com o placar, ficou postado na defesa apostando nos contra-ataques.

De tanto insistir, veio o empate. Em bela jogada pela direita, Willians recebeu cruzamento e empurrou para o gol.

O Coxa ainda esboçou uma postura mais ofensiva, mas foi o Palmeiras que ficou mais perto do segundo gol, que só aconteceu nos últimos minutos, quando o empate já era admitido. Em bela trama, Diego Souza deixou Keirrison na cara do gol, que tirou do alcance de Vanderlei para sacramentar a vitória.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 2 X 1 CORITIBA

Estádio: Palestra Itália, São Paulo (SP)

Data/hora: 09/05/09, às 18h30

Árbitro: Arilson Bispo de Anunciação (BA)

Assistentes: Alessandro Álvaro da Rocha de Matos (BA/FIFA) e Adson Marcio Lopes Leal (BA)

Renda/público: R$ 391.941,24/ 19.105 pagantes

Gols: Marcelinho Paraíba, 33’/1ºT (0-1), Willians, 24’/2ºT (1-1), Keirrison, 44’/2ºT (2-1)

Cartões amarelos: Jumar, Willians, Cleiton Xavier e Jefferson (Palmeiras); Pereira, Marcelinho Paraíba, Pedro Ken e Márcio Gabriel (Coritiba)

Cartões vermelhos: não houve

PALMEIRAS: Bruno, Wendel, Maurício Ramos, Marcão e Jefferson; Jumar (Cleiton Xavier, 11’/2ºT), Mozart (Diego Souza, intervalo), Souza e Marquinhos (Keirrison, intervalo); Willians e Ortigoza. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

CORITIBA: Vanderlei, Rodrigo Mancha, Pereira e Felipe; Márcio Gabriel, Pedro Ken, Donizeti, Marcelinho Paraíba (Ramon, 38’/2ºT) e Carlinhos Paraíba; Marcos Aurélio (Dirceu, 8’/2ºT) e Ariel (Marlos, 18’/2ºT). Técnico: Renê Simões.

maio 9, 2009 Posted by | Coritiba, Palmeiras | , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Com gol de Ortigoza, Verdão bate o Sport

Equipe agora tem a vantagem de jogar por um empate na partida de volta, semana que vem na Ilha

Ortigoza faz seu primeiro gol na Libertadores (Crédito: Reginaldo Castro)

Ortigoza faz seu primeiro gol na Libertadores (Crédito: Reginaldo Castro)

O Palmeiras não vencia o Sport em casa desde 2003. Além disso, o Alviverde tinha vencido apenas uma vez dentro Palestra Itália nesta Libertadores, contra a LDU, do Equador. Mas, quando o empate parecia certo, o paraguaio Ortigoza resolveu roubar a cena e fez o gol da vitória do Verdão, que bateu a equipe pernambucana por 1 a 0, nesta terça-feira, no Palestra Itália, pela primeira partida das oitavas-de-final da Libertadores.

No sufoco, como tem sido durante toda a competição sulamericana, os comandados de Vanderlei Luxemburgo venceram, conseguiram uma importante vantagem e, de quebra, ainda quebraram uma escrita. O Palmeiras não vencia uma partida de mata-mata contra equipes brasileiras na Libertadores desde 2001, quando bateu o São Caetano, também pelas oitavas.

Vanderlei Luxemburgo esperou até poucos minutos antes da partida para divulgar a escalação de sua equipe. Quando os nomes foram revelados, surpresas: Além da confirmação de Pierre, que era dúvida, três atacantes, com Marquinhos e Willians fazendo companhia a Keirrison.

No campo, no início da partida, as surpresas ficaram um pouco de lado e o que se viu foi a mesma ansiedade de sempre do Verdão em decidir o lance, fato que vem prejudicando o Palmeiras quando atua em sua casa.

Marquinhos, a maior surpresa, não surpreendia ao errar um passe atrás do outro. Aos cinco minutos, Keirrison até que tentou fazer diferente de seus últimos jogos. Mas a finalização na trave mostrou a mesma falta de sorte que tem acompanhado o atacante.

Apesar de ter começado melhor, como de costume, o Palmeiras deixou o adversário crescer. Em cobranças de faltas, Paulo Baier levou perigo em duas oportunidades e o Sport passou a ficar mais tempo com a bola.

No segundo tempo não foi diferente. Com Willians e Marquinhos pouco inspirados, cabia a Keirrison, raramente, e a Diego Souza tentar criar alguma jogada, sempre sem sucesso. Na melhor delas, o camisa 9, inteligentemente, roubou bola na intermediária e cruzou para trás. Diego Souza chegou chutando de primeira e mandou por cima.

Mas foi aí que a maior surpresa da partida entrou em cena. Aos 19 minutos, Luxa colocou Ortigoza em campo, junto com Mozart, estreante da noite.

Em uma de suas primeiras participações, o paraguaio ganhou na corrida de Hamilton e sofreu falta feia, que causou a expulsão do jogador. Na cobrança, Cleiton Xavier levantou na área e quando a zaga do Sport parecia que cortaria mais uma vez, Ortigoza, para a surpresa do palmeirense, desviou de cabeça. A bola morreu no canto esquerdo de Magrão.

Depois do gol, o Verdão continuou no ataque e se preocupou para que o Sport não surpreendesse. A pressão resultou em uma cabeçada de Diego Souza, que, caprichosamente, acertou a trave.

Agora, o Palmeiras precisa de um empate na Ilha do Retiro. O torcedor palmeirense ainda guarda na lembrança os 2 a 0 da fase de grupos. Já os pernambucanos lembram dos 4 a 1 pela Copa do Brasil no ano passado.

Promessa de jogão na próxima terça-feira, em Recife.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 1 X 0 SPORT
Estádio: Palestra Itália, São Paulo (SP)
Data/hora: 05/05/2009, às 21h15 horas
Árbitro: Sergio Pezzota (ARG)
Assistentes: Francisco Rocchio e Horacio Herrero (ARG)
Renda/público: R$ 1.246.726,24 / 23.991 pagantes
Gols: Ortigoza, 29′/2ºT
Cartões amarelos: Danilo, Pierre (PAL); Hamilton, Paulo Baier, Wilson (SPO)
Cartões vermelhos: Hamilton, 28′/2ºT

PALMEIRAS: Marcos; Wendel, Maurício Ramos, Danilo e Armero (Jefferson, 34′/2ºT); Pierre, Cleiton Xavier, Diego Souza e Marquinhos (Mozart, 19′/2ºT); Willians (Ortigoza, 19′/2ºT) e Keirrison. Técnico: Vanderlei Luxemburgo

SPORT: Magrão; Igor, César, Durval; Moacir, Hamilton, Daniel Paulista (Luciano Henrique, 20′/2ºT), Paulo Baier e Dutra: Wilson (Andrade, 31′/2ºT) e Vandinho (Ciro, 18′/2ºT). Técnico: Nelsinho Baptista

maio 6, 2009 Posted by | Palmeiras, Sport | , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Embalado, Verdão pega o Sport pelas oitavas

Equipes voltam a se enfrentar na Liberta. Em casa e após classificação épica, Alviverde vai com tudo

LANCEPRESS!

É verdade que a campanha do Palmeiras na primeira fase da Libertadores não foi das melhores. O início, principalmente, foi ruim e a eliminação parecia iminente. Mas, graças ao gol de Cleiton Xavier, contra o Colo Colo (CHI), aos 42 minutos do segundo tempo, em Santiago, no Chile, o Verdão está vivo na competição e vai com tudo para a fase de mata-matas. E o primeiro desafio é nesta terça-feira, pelas oitavas-de-final às 21h15, no Palestra Itália, contra o Sport, velho conhecido do Alviverde nesta Libertadores.

Palmeiras e Sport caíram no grupo 1 da competição sul-americana, considerada a chave da morte. E, apesar da campanha irregular na primeira fase, o Verdão pelo menos não perdeu para o adversário desta terça. Vitória na Ilha do Retiro e empate no Palestra Itália. Os pernambucanos foram os únicos do grupo que não conseguiram vencer o Alviverde.

Por outro lado, há seis anos o Palmeiras não vence o Sport atuando no Palestra Itália. A última vitória foi em 2003, pela Série B do Brasileirão. Além disso, ano passado, pelas oitavas-de-final da Copa do Brasil, o Sport eliminou o Verdão, com uma goleada na partida de volta na Ilha do Retiro, por 4 a 1. Mas desta vez os palmeirenses prometem que será diferente, mesmo o time ainda sendo um azarão na competição, como afirmou o goleiro Marcos.

– Vamos muito forte porque resgata uma uma confiança muito boa. E vamos jogar a primeira partida em casa, vamos com tudo – disse o zagueiro Marcão, logo após a classificação no Chile.

Para o confronto decisivo, o técnico do Palmeiras, Vanderlei Luxemburgo, ainda não sabe se poderá contar com o volante Pierre. O jogador deixou a partida contra o Colo Colo com uma entorse no tornozelo. Caso não se recupere a tempo, Luxa terá que quebrar a cabeça para escalar sua equipe já que perdeu dois volantes, também por contusão.

Sandro Silva e Edmílson devem passar três meses fora. Assim, Luxa pode promover a estreia do volante Mozart, recém-contratado do futebol russo. O jogador está entre os 23 relacionados para o confronto.

Assim como Marquinhos, que volta após cumprir suspensão pela expulsão contra a LDU. O meia-atacante, porém, deve ficar como opção no banco de reservas, já que Luxa gosta de contar com um jogador para incendiar o jogo. O zagueiro Marcão também está fora. Ele foi expulso contra o Colo Colo.

Com o possível desfalque de Pierre, abre-se a possibilidade de o treinador palmeirense voltar a escalar a equipe no esquema 4-4-2. Willians, que voltou de contusão, pode pintar na equipe no ataque, com Diego Souza voltando a compôr o meio-de-campo.

No Sport, que leva a vantagem de decidir o confronto em casa, o técnico Nelsinho Baptista ganhou os reforços do volante Hamilton e do meia Paulo Baier, que não enfrentaram a LDU. Hamilton volta no lugar de Andrade, autor de dois gols contra a equipe equatoriana, enquanto que Fumagalli deixa o time para entrada da Baier.

O vencedor do confronto entre Palmeiras e Sport encara o vencedor de Nacional (URU) e San Luis (MEX) nas quartas-de-final.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS X SPORT

Estádio: Palestra Itália, em São Paulo (SP)
Data/hora: 5/5/2009, às 21h15 (horário de Brasília)
Árbitro: Sergio Pezzota (ARG)
Assistentes: Francisco Rocchio e Horacio Herrero (ARG)


PALMEIRAS: Marcos; Wendel, Maurício Ramos, Danilo e Armero; Pierre (Mozart), Souza, Cleiton Xavier e Diego Souza; Willians e Keirrison. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

SPORT: Magrão, Igor, César e Durval; Moacir, Hamilton, Daniel Paulista, Paulo Baier e Dutra; Vandinho e Wilson. Técnico: Nelsinho Baptista.

maio 4, 2009 Posted by | Palmeiras, Sport | , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Apesar dos tropeços, palmeirenses voltam a pedir apoio da torcida

Jogadores usam dificuldade do duelo decisivo contra a LDU, nesta terça, para sensibilizar torcedores

Agência/Estado

Diego Souza confia que os torcedores não abandonarão a equipe agora

Acompanhar os últimos jogos do Palmeiras pela Libertadores e a semifinal do Campeonato Paulista, contra o Santos, no Palestra Itália, não foram tarefas das mais fáceis para o torcedor alviverde. Os fanáticos fazem a sua parte, lotando as arquibancadas e incentivando a equipe. Mas o time…

Pelo torneio continental, o Palmeiras somou apenas um ponto jogando em seu domínio, no empate com o Sport em 1 a 1, semana passada. Antes disso, a equipe foi derrotada pelo Colo Colo por 3 a 1. No último sábado, novo baque para o torcedor palmeirense, desta vez pelo Campeonato Paulista. Depois de ter sido derrotado na Vila Belmiro por 2 a 1 pelo o Santos, o time paulistano caiu novamente diante do Alvinegro pelo mesmo placar. E, desta vez, não escapou da vaia de alguns fãs.

Apesar dos tropeços recentes, os palmeirenses esperam contar com o apoio dos torcedores na partida desta terça-feira, às 20h15m, contra a LDU, pelo torneio continental

– Sei que a torcida está decepcionada, e eu, se fosse torcedor, também estaria por tudo o que aconteceu. Mas o palmeirense é apaixonado e fanático, e sei que ele não vai abandonar o time nesse momento. O perde e o ganha é algo do futebol, mas vamos fazer de tudo para buscar a vitória. É a nossa grande chance de recuperarmos o moral para tentar a classificação na última rodada – afirmou o meia Diego Souza.

Com quatro pontos em quatro jogos, o Palmeiras precisa vencer a partida contra os equatorianos para seguir com chances de classificação à fase de mata-mata da Libertadores, sem depender de combinação de resultados. A LDU, adversária no Palestra Itália, tem o mesmo número de pontos do time brasileiro, mas perde no saldo de gols, primeiro critério de desempate (-1 a – 4).

– Mesmo nos momentos de dificuldade, o torcedor palmeirense costuma estar do lado da equipe. Vaiar no final ou cobrar é normal e nós temos que entender. Mas durante os 90 minutos, sempre vi a torcida apoiar bastante. Contra o Sport e o Santos foi assim. E desejamos muito ver o estádio lotado nesta terça-feira, pois será o jogo mais importante do ano – comentou o volante Pierre.

abril 21, 2009 Posted by | Palmeiras | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Luxa compara momento de Keirrison com o que Kaká viveu no São Paulo

Treinador sai em defesa do atacante, criticado pela torcida do Verdão

Ampliar Foto Agência/Reuters Agência/Reuters

Keirrison comemora gol contra o Sport

Mais uma vez, Keirrison teve apenas uma atuação discreta, na derrota do Palmeiras para o Santos por 2 a 1, sábado, no Palestra Itália, resultado que eliminou o Verdão do Campeonato Paulista. Mas, para o técnico Vanderlei Luxemburgo, a oscilação apresentada pelo atacante nos últimos jogos é igual ao que aconteceu com Kaká, melhor do mundo em 2007, no São Paulo.

– O que acontece com ele não é diferente do que foi com o Kaká. Uma hora vai bem, outra vai mal. A tendência é passar por esse momento de dificuldade. Não posso execrar o meu jogador. As pancadas vão acontecer para crescer porque o futebol não é só coisa bonita. Estamos trabalhando para que ele tenha um crescimento – afirmou.

Keirrison se transformou em um dos alvos da torcida palmeirense. Produzindo bem menos em comparação com o que fez quando desembarcou no clube, o jogador vem sendo constantemente vaiado, sobretudo em jogos em casa.

Apesar das críticas, o K9 é artilheiro nas duas competições em que o Palmeiras disputa. No Paulistão, foram 13 gols, um a mais que Washington, do São Paulo. Na Libertadores, torneio no qual o Verdão ainda tem chances de avançar à segunda fase, o centroavante anotou seis.

– Ele é artilheiro da Libertadores e do Estadual. Está indo muito bem, mas agora com uma marcação mais forte – completou Luxa.

abril 20, 2009 Posted by | Palmeiras | , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Suspensão de Diego Souza deverá ser branda

Últimos casos de agressão mostram que punição alta é utopia

Diego Souza acerta Domingos durante o clássico do último sábado (Foto: Tom Dib)

Diego Souza acerta Domingos durante o clássico do último sábado (Foto: Tom Dib)

LANCEPRESS!

A rasteira dada pelo meia Diego Souza no zagueiro Domingos, no último sábado, na vitória do Santos por 2 a 1 sobre o Palmeiras, no Palestra Itália, pode render longa suspensão ao camisa 7 do Verdão.

De acordo com o artigo 253 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (praticar agressão física contra o árbitro ou seus auxiliares, ou contra qualquer outro participante do evento desportivo), a pena do atleta pode ser de 120 a 540 dias.

O procurador do Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo, Antônio Carlos Meccia, fará a denúncia contra Diego Souza na próxima quarta – o TJD está em recesso até terça, devido ao feriado.

– Vi as imagens e vou denunciá-lo. Mas não posso dizer ainda em qual artigo ele será julgado – disse.

Diego será julgado pelo TJD de São Paulo, mas, caso sua punição seja em dias, terá de cumprir também no Brasileirão. Ele só ficaria livre para atuar pela Libertadores.

Casos recentes de agressões, porém, mostram que a suspensão do jogador pode ser mais branda. Nos últimos anos, os tribunais aliviaram.

O último que sofreu maior pena foi o volante Gavilán, em duelo contra o Palmeiras, pelo Brasileirão de 2007. Na ocasião, o então gremista desferiu um soco no chileno Valdivia e pegou 120 dias de suspensão. O paraguaio teve de cumprir a pena.

No ano passado, entretanto, houve casos de punições que foram diminuídas após novos julgamentos.

O corintiano Morais chegou a ser suspenso por 125 dias por agredir com um soco o meia Marquinhos, do Avaí. Depois, sua pena caiu para 120 e, após outra decisão do tribunal, foi reduzida pela metade. Coube ao jogador pagar 40 cestas básicas.

No campeonato nacional de 2007, Obina também foi suspenso por 120 dias, devido a uma cotovelada no zagueiro Índio, do Internacional. Cumpriu apenas 29 e, depois, teve a pena diminuída para apenas cinco jogos.

abril 20, 2009 Posted by | Palmeiras | , , , , , , , | Deixe um comentário

Santos acaba com o Verdão e é finalista

Em duelo marcado por brigas e expulsões, Peixe é valente e consegue valente classificação

Madson faz a festa com os companheiros. Ele fz um dos gols que levou o Peixe para a final. (Crédito: Reginaldo Castro)

Madson faz a festa com os companheiros. Ele fz um dos gols que levou o Peixe para a final. (Crédito: Reginaldo Castro)

Marcio dos Santos

Em uma partida muito tensa, com confusão, agressões e três expulsões, o Santos acabou com o Palmeiras. Assim pode-se dizer após a valente vitória por 2 a 1, no Palestra Itália, na noite deste sábado. Além de conseguir a vaga na final do Paulistão, o Peixe acabou com um tabu que durava 40 anos. Desde 1969, a equipe não batia o rival jogando no Palestra Itália em campeonatos paulistas.

Assista aos gols da partida

Não obstante, os gols de Madson e Kléber Pereira também acabaram com Vanderlei Luxemburgo. Em todas as vezes que o treinador assumiu o Palmeiras, ele havia conquistado o título do Campeonato Paulista. Para completar, pela primeira vez o treinador perdeu um jogo do Paulistão no Palestra Itália dirigindo o Verdão.

O Santos conseguiu a vaga para a final entrando em campo com uma postura ofensiva, mesmo precisando apenas de um empate. Com Madson e Neymar caindo pelas pontas, e Paulo Henrique distribuindo pelo meio, o Peixe encurralou o Palmeiras nos primeiros minutos.

A atitude incomodou os palmeirenses, que não conseguiam fazer valer o fator campo. A torcida não parava de apoiar, assim como Fabinho Capixaba e Cia. não paravam de errar passes.

Agressivo, o Santos chegou ao gol aos 17 minutos, num contra-ataque rápido, como era de se esperar. Neymar, com um belo passe, adiantou a bola para Madson, que ficou na cara do gol. O baixinho apenas tocou na saída de Marcos e fez a festa.

Depois do gol, o nervosismo tomou conta do Palmeiras. Desorganizado, a equipe não conseguiu criar e ainda ficou com a defesa vulnerável. O Santos se aproveitou.

Logo no início do segundo tempo, Neymar recebeu em profundidade, sozinho, e, no momento do chute, foi empurrado por Maurício Ramos. O zagueiro recebeu cartão vermelho e Kléber Pereira a chance de marcar seu décimo gol na competição. Ele não desperdiçou.

O segundo gol aumentou ainda mais o nervosismo do Verdão. Com um a menos, a impotência era clara e o Santos assumiu de vez o comando da partida. Nem o fraganço de Fábio Costa, em chute de Pierre, atrapalhou a festa santista. Era só esperar o apito de Salvio Spinola e comemorar a vaga na final. Mas, antes, um episódio lamentável.

Diego Souza, do Verdão, e Domingos, do Santos, se estranharam. Na confusão, os dois jogadores foram expulsos. Não contentes com a confusão que parou a partida, o palmeirense voltou ao gramado e aplicou uma rasteira no Santista, que desabou.

A torcida do Palmeiras gritou o nome de Diego Souza, mas quem ficou com a vaga foi a santista, que espera o duelo deste domingo entre São Paulo e Corinthians para conhecer seu adversário na final. Caso o confronto seja empate, o Peixe vai para a decisão com a vantagem sobre o Corinthians. Venceu quem jogou mais.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 1 X 2 SANTOS

Estádio: Palestra Itália, em São Paulo (SP)
Data/hora: 18/04/2009 – 18h10 (de Brasília)
Árbitro: Salvio Spinola Fagundes
Auxiliares: Vicente Roman Neto e Giovani Cesar Canzian
Renda/público: Não disponíveis.
Cartões amarelos: Maurício Ramos , Diego Souza, Marcão (PAL); Fabão, Roberto Brum, Germano, Neymar (SAN)
Cartões vermelhos: Maurício Ramos, 5’/2ºT, Diego Souza, 36’/2ºT (PAL); Domingos, 36’2ºT
GOLS: Madson, 17’/1ºT (0-1); Kléber Pereira, 6’/2ºT (0-2); Pierre, 29’/2ºT (2-1).

PALMEIRAS: Marcos; Fabinho Capixaba, Maurício Ramos, Danilo e Armero; Pierre, Jumar (Deyvid Sacconi, Intervalo), Evandro (Marcão, 8’/2ºT) e Diego Souza ; Lenny (Ortigoza, Intervalo) e Keirrison. Técnico: Vanderlei Luxemburgo

SANTOS: Fábio Costa; Luizinho, Fabão, Fabiano Eller e Triguinho; Germano, Roberto Brum (Pará, 11’/2ºT), Paulo Henrique e Madson; Neymar (Domingos, 33’/2ºT) e Kléber Pereira. (Roni, 33’/2ºT) Técnico: Vagner Mancini

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)

abril 19, 2009 Posted by | Palmeiras, Santos | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Diego Souza se diz pronto para enfrentar marcação santistas

Destaque dos últimos jogos do Palmeiras, meia aponta seu físico como aliado na busca por espaço em clássico do Paulistão

Ampliar Foto Agência/Estado Agência/Estado

Diego espera marcação cerrada dos santistas no clássico

Principal nome dos últimos jogos do Palmeiras, o meia Diego Souza afirma estar preparado para a marcação dos volantes santistas. Apesar de viver uma verdadeira maratona de jogos com o alviverde por conta das disputas do Paulistão e da Taça Libertadores, o atleta acredita que na partida deste sábado, às 18h10m, no Palestra Itália, ele terá no físico um aliado para se desvencilhar de Roberto Brum ou Germano.

– Estou vivendo um bom momento e preparado. A marcação vai existir e tem de estar bem fisicamente. Tenho me sentido bem nos jogos para superar essas barreiras – comentou o camisa 7 alviverde.

Derrotado na primeira partida por 2 a 1, realizada no último sábado, na Vila Belmiro, o Palmeiras precisa de uma vitória simples para avançar à final do Campeonato Paulista.

– O momento nosso é bom porque a gente está decidindo jogos e isso só acontece com elenco de qualidade. Temos totais condições de dar volta por cima. E contamos com o apoio da torcida.

abril 18, 2009 Posted by | Palmeiras | , , , , , , | Deixe um comentário

Últimos campeões fazem semifinal

Palmeiras e Santos venceram os últimos três estaduais

Keirrison e Neymar podem decidir o duelo deste sábado

Keirrison e Neymar podem decidir o duelo deste sábado

LANCEPRESS!

Palmeiras e Santos venceram os três últimos campeonatos paulista. Em 2006 e 2007, deu Santos. Em 2008, Verdão. No banco, o mesmo técnico: Vanderlei Luxemburgo. Porém, neste sábado, às 18h10, no Palestra Itália, um dos dois ficará pelo caminho. O confronto decidirá uma das vagas na final da Paulistão.

No Palmeiras, o discurso é de superação. Após perder por 2×1 na Vila Belmiro, a equipe alviverde precisa da vitória para continuar na disputa pelo bi-campeonato paulista.

O Verdão vem de um empate contra o Sport, pela Libertadores, no Palestra Itália, na última quarta-feira. O resultado complicou as pretensões do time na competição sul-americana. Além do tropeço, a equipe ainda perdeu Edmílson, no mínimo, pelos próximos três meses.

Além de não poder contar com o zagueiro, Vanderlei Luxemburgo terá mais quatro desfalques. Seu camisa 10, Cleiton Xavier, recebeu o terceiro cartão amarelo na partida de ida, na Vila Belmiro e está fora do clássico. Sandro Silva e Marquinhos também estão suspensos. Já Willians, se recuperando de uma lesão no púbis, deve ficar pelo menos mais uma semana fora.

Entretanto, o Palmeiras conta com a força de sua torcida para a sequência de decisões que começou na última quarta-feira, contra o Sport. O fator campo pode ser preponderante já que, pelo Campeonato Paulista, o Verdão não perde para o Peixe há 40 anos jogando em sua casa. A última derrota foi em 1969.

No entanto, o tabu pode não valer de nada, mesmo se for mantido. Isto porque o Santos, para se garantir na final, não precisa vencer, um empate já basta. Mas, mesmo com o regulamento a seu favor, Vagner Mancini não pretende abdicar do esquema ofensivo, com Paulo Henrique, Madson e Neymar na armação das jogadas, além do artilheiro Kléber Pereira de referência na frente.

A única baixa para o jogo decisivo no Alvinegro é o volante Rodrigo Souto. O camisa 8 já estava suspenso para a partida e, para piorar, sofreu um estiramento muscular na coxa direita e está fora das finais, caso o Santos se classifique. O jogador já havia jogado a primeira partida das semifinais no sacrifício e deve desfalcar a equipe por cerca de 20 dias. Germano deve ser o substituto.

Em compensação, Mancini terá o retorno de Fabiano Eller à zaga. O jogador ficou fora do duelo na Vila por suspensão e volta a fazer dupla com Fabão. A única dúvida do Peixe está na lateral direita. O titular Luizinho volta de suspensão, mas Pará foi bem na primeira partida e pode permanecer.

Se vencer, o Santos reedita 2000, quando as equipes se enfrentaram pela última vez em uma semifinal de Paulistão. Na ocasião, a equipe santista, comandada por Giba, eliminou o rival com um gol aos 44 minutos do segundo tempo, marcado por Dodô.
FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS X SANTOS

Estádio: Palestra Itália, em São Paulo (SP)
Data/hora: 18/04/2009 – 18h10 (de Brasília)
Árbitro: Salvio Spinola Fagundes
Auxiliares: Vicente Roman Neto e Giovani Cesar Canzian

PALMEIRAS: Marcos; Maurício Ramos, Danilo e Marcão; Fabinho Capixaba, Pierre, Jumar, Diego Souza e Armero; Lenny (Ortigoza) e Keirrison. Técnico: Vanderlei Luxemburgo

SANTOS: Fábio Costa; Pará (Luizinho), Fabão, Fabiano Eller e Triguinho; Germano, Roberto Brum, Paulo Henrique e Madson; Neymar e Kléber Pereira. Técnico: Vagner Mancini

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)

abril 18, 2009 Posted by | Palmeiras, Santos | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Para Fabiano Eller, palmeirenses não devem reclamar de desgaste

Semana de descanso pode ter sido boa para o Peixe, mas zagueiro lembra que todos na Vila gostariam de estar no lugar do rival, disputando Libertadores

Reprodução/SporTV

Eller afirma que semana não foi apenas de descanso para os alvinegros

O zagueiro Fabiano Eller, do Santos, não vê o Palmeiras em desvantagem por causa do jogo que disputou na última quarta-feira, contra o Sport, pela Taça Libertadores. Ele afirma também que não há motivo sequer para reclamação dos palmeirenses, que poderiam lamentar o fato e terem disputado uma partida decisiva enquanto o Peixe apenas treinou e descansou para o confronto deste sábado, semifinal do Paulistão, às 18h10m (horário de Brasília), no Palestra Itália.

Apesar de achar importante uma semana inteira apenas para treinar, ele preferia não ter descansado.

– Eu achava melhor estar jogando a Libertadores, mesmo tendo a semifinal do Paulista em cima. Às vezes, o pessoal reclamam que tem muito jogo, mas, na verdade, todos querem estar jogando. É sinal de que o trabalho está sendo bem feito. Se o Palmeiras está na Libertadores, é porque foi bem no ano passado – explica Eller.

Eller reconhece que o Verdão pode até chegar mais desgastado para o jogo deste sábado, mas afirma que, apesar de não ter jogado, o Santos também trabalhou forte.

– Nosso time não descansou, não, gente! Quem ouve essas coias pensa que ficamos parados. Mas não é assim. Claro que não é como num jogo, mas a gente trabalhou bastante também.

Como venceu o jogo de ida, sábado passado, na Vila Belmiro, por 2 a 1, o Santos joga por um empate neste sábado. O GLOBOESPORTE.COM acompanha todos os lances em Tempo Real, com vídeos exclusivos. O SporTV transmite ao vivo.

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)

abril 17, 2009 Posted by | Santos | , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Na véspera do clássico, Peixe se apressa em treino

Vagner Mancini ordena embarque imediato para São Paulo, após o treinamento desta sexta, no CT Rei Pelé

LANCEPRESS!

O Santos utilizou a semana livre para intensificar os treinamentos visando duelo contra o Palmeiras, sábado, às 18h10 (de Brasília), no Palestra Itália, mas na atividade que antecede o clássico, nesta sexta-feira, o elenco realizou apenas o tradicional rachão, e em seguida rumou para São Paulo, onde inicia a concentração em um hotel da cidade.

A pressa foi tanta que os dois jogadores designados para conceder entrevista coletiva, Fabiano Eller e Germano, não responderam a mais que cinco perguntas dos jornalistas presentes.

Sabedor de que o embarque para São Paulo precisava ser feito rapidamente, o treinador Vagner Mancini já havia antecipado sua entrevista para quinta-feira.

Durante a semana, o técnico trabalhou em dois períodos apenas na terça-feira, mas saiu satisfeito com o resultado apresentado pelo grupo e ciente de que isso poderá fazer a diferença em favor do Santos no clássico.

– Com a semana livre para treinar pude me concentrar em alguns aspectos necessário de posicionamento. O Palmeiras jogou e está desgastado emocionalmente. Isso é fato – comemora Mancini.

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)

abril 17, 2009 Posted by | Santos | , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

‘Rachão’ no último treino mantém clima de suspense no Palmeiras

Atletas só fazem atividade em campo reduzido, e Vanderlei Luxemburgo não dá pistas sobre a equipe que pega o Santos na semifinal do Paulista

Ampliar Foto Julyana Travaglia/GLOBOESPORTE.COM Julyana Travaglia/GLOBOESPORTE.COM

Luxemburgo não deu pistas sobre o time que jogará contra o Santos no Palestra Itália

Com cinco desfalques na equipe, o técnico Vanderlei Luxemburgo ajudou a manter o clima de mistério no Palmeiras na tarde desta sexta-feira. Sem poder contar com Cleiton Xavier, Sandro Silva e Marquinhos, suspensos, além de Edmílson e Willians, lesionados, o treinador comandou apenas um rachão no último dia de preparação antes do clássico com o Santos, pela segunda semifinal do Paulista, e não deu pistas sobre quais serão os substitutos de suas peças. O jogo acontece neste sábado, às 18h10m, no Palestra Itália.

– Não estou sabendo de nada – disse o meia Diego Souza, um dos principais atletas da equipe na atualidade.

Líder em assistências na equipe com dez passes para gols, Cleiton Xavier é a baixa mais sentida. Evandro deve ser o seu subsitututo na partida do Campeonato Paulista com o Alvinegro.

No lugar de Edmílson, que não jogará pelos próximos três meses por conta de uma fratura no cotovelo direito, Jumar deve ter nova oportunidade no time.

Derrotado na partida da Vila Belmiro por 2 a 1, o Palmeiras precisa de uma vitória simples para avançar na competição e ser o primeiro semifinalista do Campeonato Paulista.

window.google_render_ad();

abril 17, 2009 Posted by | Palmeiras | , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Contra a tática da paciência, Diego Souza pede ‘loucura’ contra o Santos

Meia palmeirense diz que time tem de ter posse de bola, mas precisa entrar ligado na semifinal do Paulista, neste sábado, no Palestra Itália

Ampliar Foto Assessoria e Imprensa do Palmeiras/Divulgação Assessoria e Imprensa do Palmeiras/Divulgação

Diego Souza prega a loucura por vitória diante do Santos no Palestra Itália

Jogador mais experiente do time, o goleiro Marcos pregou que o Palmeiras terá de ter calma e paciência no clássico deste sábado, às 18h10m, contra o Santos, no Palestra Itália. Mas o meia Diego Souza foi exatamente na contramão do que disse o camisa 12 alviverde. Ao invés de pedir um time paciente, o camisa 7 do Verdão prefere a “loucura” que conheceu quando defendeu a camisa do Grêmio.

– Fico meio tenso quando falam em paciência. Joguei no Grêmio e aprendi algumas coisas, como viver de loucura. A gente entrava em campo para matar o adversário, com bola na área, trombava. Não consigo ter essa paciência. Tem de entrar ligado e com tudo. Diante da nossa torcida,  vamos para cima do Santos para vencer – analisou Diego Souza, meia do time gaúcho em 2007.

abril 17, 2009 Posted by | Palmeiras | , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Mancini acredita que clássico contra o Verdão pode ser decidido no início

Por isso, treinador tem trabalhado a cabeça de seus jogadores para que time entre em campo ligado desde os primeiros segundos

Ampliar Foto Agência/Agencia Estado Agência/Agencia Estado

Mancini conversa com seus jogadores: ele quer se precaver contra apagão no início

O técnico Vagner Mancini, do Santos, acredita que a disputa entre sua equipe e o Palmeiras, neste sábado, no Palestra Itália, semifinal do Paulistão, pode ser decidida nos primeiros minutos da partida. Por isso, o treinador tem conversado muito com seus jogadores nos últimos dias. Ele quer o time ligado e motivado desde o apito inicial.

– Os 15, 20 primeiros minutos podem decidir muita coisa. Muitos atletas precisam desse início bom para se definir em campo.

Para o treinador, um time só entra ligado em campo se estiver com a cabeça boa. Por isso, explica que, mais do que trabalhar a parte física e técnica dos jogadores, tem dado muita ênfase ao aspecto psicológico de seus jogadores.

– Eu diariamente trabalho a parte mental dos jogadores. Não mando nunca a campo um time que esteja com a autoestima baixa. Estou passando para eles que essa é uma partida que coloca à prova meses de trabalho, reputação, ser colocado no mercado de uma maneira diferente – comenta.

Como venceu o jogo de ida, sábado passado, na Vila Belmiro, por 2 a 1, o Santos joga por um empate neste sábado. O GLOBOESPORTE.COM acompanha todos os lances em Tempo Real, com vídeos exclusivos. O SporTV transmite ao vivo. O jogo começa às 18h10m (horário de Brasília).

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)


abril 17, 2009 Posted by | Santos | , , , , , , , , , | Deixe um comentário