Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Salários inflacionados e caixa apertado dificultam ação do Flu no mercado

Contratações em excesso no início da temporada diminuíram o poder de investimento e Tricolor perde jogadores para outros clubes

Editoria de Arte/Montagem

Lúcio, Leandro e Romagnoli: expectativas não cumpridas pela diretoria tricolor

A fonte ainda não secou, mas já não dá mais tantos frutos quanto em outras épocas. Apesar da reconciliação com a diretoria, que resultou nos retornos de Branco e Renato Gaúcho ao clube, o investimento do patrocinador não é mais o mesmo no Fluminense. Após a contratação de mais de 20 jogadores no primeiro semestre de 2009, há precaução no estudo dos nomes para reforçar a equipe na luta contra o rebaixamento do Brasileirão e salários estratosféricos estão descartados.

Talvez por isso, o sucesso do Fluminense no mercado não seja tão grande quanto em outras ocasiões. Apesar de a todo instante pipocarem recados de empresários oferecendo jogadores na caixa postal dos dirigentes tricolores, as pedidas são inflacionadas pelo histórico recente da parceria com o patrocinador e inviabilizam os acertos. A necessidade das chegadas de um zagueiro, um lateral-esquerdo e um meia ofensivo, porém, é unanimidade no clube.

Como se não bastassem os nomes descartados de forma imediata, até mesmo os jogadores que o clube iniciou negociação têm seguido destinos distantes das Laranjeiras: são os casos de Leandro, Lúcio e Romagnolli. O primeiro, que teve as conversas iniciadas ainda pelo ex-coordenador de futebol Alexandre Faria, agradeceu o interesse do clube, que defendeu em 2005, mas está prestes a seguir para o Grêmio, que investiu de forma mais incisiva e conseguiu a liberação junto ao Verdy Tókio, do Japão.

O Olímpico deve ser também o destino de Lúcio. O lateral-esquerdo é o preferido da diretoria para um problema crônico da equipe na temporada, chegou a admitir a proximidade de um acerto com o clube carioca, mas mudou de ideia e colocou o Tricolor gaúcho como primeira opção.

Já o argentino Leandro Romagnolli é o sonho de consumo de Branco para auxiliar Conca na armação de jogadas. Segundo o Diário Olé, entretanto, ele deve oficializar nesta sexta-feira o retorno ao San Lorenzo, clube que o revelou, após acertar a rescisão de contrato com o Sporting, de Portugal.

Diante das dificuldades no mercado, o Fluminense tem apostado em soluções mais baratas, como o atacante Adeílson, apresentado nesta quinta, e o zagueiro Gum, que, apesar de acertar as bases salariais com o clube, pode ter o sonho de jogar em um grande clube adiado também pela escassez de dinheiro para investimento: a Ponte Preta pede R$ 3 milhões por 55% dos direitos federativos do jogador e exige pagamento à vista.

agosto 13, 2009 Posted by | Fluminense | , , , , , , , | Deixe um comentário

Brasil joga diante da desconfiança dos cariocas

Seleção pega a Colômbia, no Maracanã, disposta a reconquistar a torcida

O Brasil enfrenta a Colômbia nesta quarta-feira, às 21h50, no Maracanã, pela décima rodada das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa-2010, disposto a acabar com a desconfiança da torcida carioca. Confira no PORTAL FUTEBOL! o tempo real e AO VIVO a partida.

A Seleção esteve no Rio em setembro e decepcionou. Diante de um Engenhão vazio, os jogadores foram vaiados durante boa parte do empate sem gols com a Bolívia, também pelas Eliminatórias. A situação atual é parecida com aquela.

Nas duas ocasiões o Brasil chegou à Cidade Maravilhosa após uma goleada fora de casa: há um mês, 3 a 0 sobre o Chile; no domingo, 4 a 0 diante da Venezuela. Em ambas as vezes também o público foi fraco – a última parcial indicou que apenas 26 mil ingressos já foram vendidos.

Diferente com certeza será a equipe do técnico Dunga em relação ao tropeço no Engenhão. Na defesa, Luisão dará lugar a Juan. No meio-de-campo, três mudanças: Lucas, Diego e Ronaldinho Gaúcho serão substituídos por Gilberto Silva, Elano e Kaká.

A única dúvida está no ataque. Suspenso após receber o segundo cartão amarelo contra a Venezuela, Adriano deixou uma vaga aberta na frente. Jô é o favorito para ser titular, mas tem a concorrência de Alexandre Pato – que sequer ficou no banco no domingo.

Ciente das cobranças que podem surgir das arquibancadas, os colombianos devem entrar em campo na retranca. Tanto que o técnico Eduardo Lara promoverá as entradas dos laterais Anchico e Casierra, que atuarão praticamente como zagueiros.
FICHA TÉCNICA:
BRASIL X COLÔMBIA

Estádio: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 15/10/2008 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Rubén Selman (CHI)
Auxiliares: Lorenzo Acuña (CHI) e Segio Román (CHI)

BRASIL: Júlio César, Maicon, Lúcio, Juan e Kleber; Josué, Gilberto Silva, Elano e Kaká; Robinho e Jô (Alexandre Pato). Técnico: Dunga.

COLÔMBIA: Julio, Anchico, Perea, Yepes e Casierra; Guarín, Bedoya, Vargas, Toja e Hernández; Rentería. Técnico: Eduardo Lara.

outubro 15, 2008 Posted by | Seleção brasileira. | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Com início arrasador, Brasil vence Venezuela

Adriano volta a marcar pela Seleção após dois anos de jejum

O temor de perder duas vezes seguidas para a fraca Venezuela parece ter motivado os jogadores brasileiros. Com uma atuação de gala, o Brasil derrotou os venezuelanos por 4 a 0, neste domingo, no Estádio Pueblo Nuevo, em San Cristóbal.

Com menos de 20 minutos, a vitória já estava assegurada. Assim como fez o Chile duas rodadas atrás, a Venezuela adotou uma postura inicial ofensiva. No início, quando Guerra perdeu uma boa chance, bem anulada por Júlio César, parecia que esta medida daria certo. Porém, não demorou muito para os donos da casa pagarem pela ousadia.

Aos cinco minutos, Robinho puxou contra-ataque e lançou Kaká, que invadiu a área, deslocou o volante Mea Vitalli e chutou com força, no ângulo de Vega. Apesar da potência da finalização, ficou a impressão de que se o goleiro venezuelano esticasse o braço conseguiria fazer a defesa.

Quatro minutos depois, Robinho marcou um golaço ao acertar um lindo chute, de muito longe, no ângulo de Vega. Desesperados, os venezuelanos não conseguiam entender como aquela mesma Seleção Brasileira havia sido derrotada com facilidade quatro meses antes, em Boston.

E a situação ficou ainda pior para os donos da casa aos 18 minutos: Kaká fez belo lançamento para Elano, que dominou com categoria e tocou para Adriano, livre de marcação, empurrar a bola para o fundo da rede. Foi o primeiro gol do atacante pela Seleção desde a vitória sobre Gana na Copa do Mundo de 2006.

Depois disso, o Brasil começou a administrar a vantagem. Aos poucos, porém, a Venezuela foi se recompondo do susto inicial e passou a ameaçar, principalmente com o lateral-esquerdo Rojas e o apoiador Guerra. Contudo, a defesa da seleção Vinho Tinto mostrava-se vulnerável.

Maicon chegou a levar um elástico desconcertante de Rojas, mas, mesmo assim, era nítida a diferença de categoria entre os dois times. No fim do primeiro tempo, Adriano cometeu uma falta desnecessária no meio-de-campo, recebeu seu terceiro cartão amarelo nas Eliminatórias, e não enfrentará a Colômbia na próxima quarta-feira, no Maracanã.

O Brasil, que voltou do intervalo com Thiago Silva no lugar do poupado Juan, quase foi surpreendido no início do segundo tempo quando Maldonado cabeceou à queima-roupa e obrigou Júlio César a fazer linda defesa. No rebote, o goleiro brasileiro operou novo milagre ao espalmar outro chute do atacante.

A resposta brasileira não demorou a chegar. Robinho e Kaká perderam duas excelentes oportunidades cara a cara com o goleiro venezuelano. O atacante do Manchester City, porém, não perdoou aos 21 minutos, quando Kléber lhe deu um verdadeiro presente, deixando-o na cara do gol, tendo o trabalho apenas de tocar na saída do goleiro.

Com a vitória garantida e o show consumado, o técnico Dunga promoveu duas estréias sob seu comando na Seleção Brasileira. Ele colocou os meias Alex e Mancini nos lugares de Kaká e Josué, respectivamente.

Agora fica a esperança de não se repetir o filme do melancólico empate em casa contra a Bolívia, contra os colombianos. Novamente no Rio, a dúvida que resta é a de qual Seleção os cariocas irão ver, a empolgante ou a desmotivada.

FICHA TÉCNICA:

VENEZUELA 0 X 4 BRASIL

Estádio: Pueblo Nuevo, Sán Cristóbal (VEN)
Data/horário: 12/10/2008 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Victor Hugo Rivera (PER)
Assistentes: Luis Ávila (PER) e Luis Abadie (PER)
Cartões amarelos: Rojas (Venezuela); Adriano (Brasil)
Gols: Kaká, 5’/1ºT (0-1); Robinho, 9’/1ºT (0-2); Adriano, 18’/1ºT (0-3); Robinho, 21’/2ºT (0-4)

VENEZUELA: Vega, Chacón, Rey, Boada e Rojas; Vielma, Mea Vitali (Lucena, 23’/2ºT), Ronald Vargas (Seigas, 9’/2ºT) e Guerra (Moreno, 15’/2ºT); Arango e Maldonaldo. Técnico: César Farías.

BRASIL: Júlio César, Maicon, Lúcio, Juan (Thiago Silva, intervalo) e Kléber; Gilberto Silva, Josué (Mancini, 33’/2ºT), Elano e Kaká (Alex, 25’/2ºT); Robinho e Adriano. Técnico: Dunga.

outubro 12, 2008 Posted by | Seleção brasileira. | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Com volta de Adriano, Brasil encara Venezuela

Imperador jogará ao lado de Robinho, repetindo dupla de título em 2005

A Seleção Brasileira entra em campo neste domingo, às 17h, pelas Eliminatórias para a copa do Mundo, buscando sua afirmação. Depois de um empate com a Bolívia, a equipe do técnico Dunga tenta recuperar os pontos perdidos em casa contra a Venezuela, no Estádio Pueblo Nuevo, em San Cristóbal.

A principal mudança será a volta de Adriano ao ataque, com a lesão de Luís Fabiano. O Imperador jogará ao lado de Robinho. Com esta dupla, o Brasil conquistou a Copa das Confederações de 2005, goleando a Argentina na final por 4 a 1.

Embora ainda não tenha confirmado, o técnico Dunga deve promover no total cinco mudanças, depois do empate no Engenhão. Na lateral esquerda, sai Juan e volta Kléber. Na zaga, Juan retorna, após se recuperar de lesão. No meio, Kaká e Elano devem ser titulares.

– Tem grande possibilidade de o time do coletivo começar jogando contra a Venezuela. Mas treinamos outra alternativa para dar maior velocidade. Mas podemos fazer alguma análise ainda – disse Dunga, sem querer garantir a escalação.

Do lado venezuelano, o técnico César Farías também faz mistério e também não divulgação a escalação que entrará em campo. O volante Tomás Rincón está suspenso e Lucena deve entrar em seu lugar. Na lateral,

Os venezuelanos esperam repetir a vitória por 2 a 0 contra o Brasil, a primeira do país contra os pentacampeões, conseguida em amistoso em Boston, EUA, no dia 6 de junho deste ano. As armas serão os contra-ataques. O atacante Arango, do Mallorca, será o principal responsável pelas jogadas de ataque.

FICHA TÉCNICA:

VENEZUELA X BRASIL

Estádio: Pueblo Nuevo, em Sán Cristóbal (VEN)
Data/horário: 12/10/2008, às 17h (de Brasília)
Árbitro: Victor Hugo Rivera (Fifa/PER)
Assistentes: Lorenzo Acuña (Fifa/PER) e Sergio Roma (Fifa/PER)

VENEZUELA: Vega, Boada, Rey e Rojas; Lucena, Mea Vitali, Ronald Vargas e Guerra; Arango e Maldonaldo. Técnico: César Farías.

BRASIL: Júlio César, Maicon, Lúcio, Juan e Kléber; Gilberto Silva, Josué, Elano e Kaká; Robinho e Adriano. Técnico: Dunga.

outubro 12, 2008 Posted by | Seleção brasileira. | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Kléber Pereira merece ser convocado?

Artilheiro do Santos no Brasileirão segue esquecido por Dunga

Neste sábado, após a vitória por 4 a 0 sobre o Atlético Paranaense, com mais um gol do artilheiro Kléber Pereira, de pênalti, o técnico Márcio Fernandes fez um desabafo:

– Falar do Kléber Pereira é chover no molhado. Ele é realmente fantástico. E vamos falar a realidade: faz tempo que ele merece uma chance na Seleção Brasileira.

Que os números do artilheiro na temporada são fantásticos – principalmente, no Brasileiro – até o torcedor mais desinformado do Santos já está cansado de saber. Abrindo dos concorrentes na artilharia do torneio e tirando o Peixe do fundo do poço, fica a pergunta: por que Kléber Pereira não tem uma oportunidade na Seleção?

Levantamento feito pelo PORTAL FUTEBOL! mostra que os artilheiros dos principais campeonatos europeus foram chamados ao menos uma vez para a seleção de seu respectivo país.

Com 33 anos, o artilheiro santista já ouviu de amigos que não é convocado por conta da sua idade. Nas últimas convocações, Dunga chamou os experientes Gilberto Silva, 32, e Josué, 29, Lúcio, 30, Gilberto, 32, e Mineiro, 33. No exterior, a idade não é vista como grande empecilho. Na temporada passada, Del Piero, 34 anos, foi o artilheiro do Campeonato Italiano pela Juventus e voltou a defender sua seleção.

Kléber Pereira evita falar sobre o assunto. Deixa sempre no ar sua insatisfação pelos métodos utilizados nas convocações. Em entrevista recente ao PORTAL FUTEBOL!, disse que os goleadores do Brasileirão, como ele, Keirrison, Alex Mineiro e Washington, poderiam vestir a amarelinha e substituir os atuais selecionáveis. E ainda disparou:

– Se nem o Rodrigo Souto, jogando um bolão e com o Luxemburgo aqui, foi convocado, imagina eu?

Como mostra outro levantamento, mais uma vez o artilheiro do Brasileirão, um dos campeonatos mais disputados do mundo, não passa nem perto da Seleção Brasileira. E aí, Dunga? Olha o artilheiro aí!

outubro 6, 2008 Posted by | Santos | , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário