Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Goleiro Felipe acusa torcedores e STJD promete apurar caso

Devido à ofensas racistas, Juventude pode até ser excluído da Série B

A menos de uma semana do Dia da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro, uma denúncia de racismo no Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, envergonha o futebol brasileiro.

A acusação partiu do goleiro do Corinthians Felipe e foi contra torcedores do Juventude, após a vitória por 2 a 1, na quarta-feira:

– Já tinha jogado no estádio e vivido algo parecido. Infelizmente, as pessoas se escondem e repetem esse tipo de coisa. Não foi a primeira nem será a última vez.

A declaração repercutiu rapidamente e fez a promotoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva apurar o caso. O procurador-geral Paulo Schmitt solicitou imagens e áudios às redes de TV e rádios para analisar se cabe denúncia contra o Juventude.

Pelo Código Brasileiro de Justiça Desportiva, tratam do assunto os artigos 187 – “ofensa moral” – e 213 – “(…) A entidade cuja torcida manifestar ato discriminatório (…) será punida com a pena prevista [multa de até R$ 200 mil e perda de mando de campo de uma a dez partidas] e perda do dobro do número de pontos previstos (…) em caso de vitória, sendo, na reincidência, excluída do campeonato ou torneio”.

– A denúncia é gravíssima, claro. Mas é preciso ter provas contundentes do caso – afirma Schmitt.

Acusações de racismo são recorrentes no Alfredo Jaconi. Em outubro do ano passado o volante Júlio César, do Juventude, registrou queixa no 1 Distrito Policial de Caxias do Sul contra ofensas raciais de que teria sido vítima após um jogo contra o Atlético-MG, em 5 de agosto. Em julho de 2006, o volante Tinga, ainda no Internacional, também acusou torcedores do clube gaúcho.

À reportagem do LANCENET!, o coordenador municipal da Igualdade Racial de Caxias do Sul, José da Rosa, disse que não havia tomado conhecimento das acusações de Felipe, mas que a prefeitura repudia e lamenta qualquer ato de racismo.

O presidente do Juventude, Sérgio Florian, soltou nota oficial, informando que “o clube se coloca à disposição, inclusive através do sistema interno de câmeras (…), para apurar qualquer problema, seja contra o goleiro ou do mesmo provocando a torcida”. E reitera que o Juventude reprime qualquer atitude ofensiva à raça, sexo ou origem.

Relembre outros casos de racismo no futebol

Multa a clube espanhol
Em agosto de 2008, torcedores do Sporting de Gijón (ESP) insultam o atleta equatoriano Joffre Guerrón, do Getafe. O árbitro suspende o jogo e por meio dos alto-falantes do estádio pede que se pare com os gritos. O clube foi multado em três mil euros (cerca de R$ 7 mil).

Processo contra presidente
Na época em que jogava pelo Vitória, em 2005, Felipe foi chamado de macaco pelo então presidente, Paulo Carneiro. O goleiro chegou a processá-lo.

Argentino sai preso de campo
Na Libertadores de 2005, o zagueiro argentino Leandro Desábato, do Quilmes (ARG), recebe ordem de prisão no Morumbi após ser acusado pelo são-paulino Grafite. Ele fica quase 40 horas detido no Brasil e é liberado após pagar fiança de RS 10 mil. Dias depois, no entanto, Grafite volta atrás e retira a queixa-crime.

Antônio Carlos é punido
Em 2006, ainda zagueiro do Juventude, o atual diretor técnico do Corinthians é acusado de ofender o volante Jeovânio, do Grêmio, logo após ter sido expulso. Antônio Carlos sinaliza a cor da pele do adversário, esfregando os dedos em cima do braço. O árbitro Leandro Vuaden relata o caso na súmula. O ato gera revolta do Movimento Negro Unificado de Caxias do Sul. Semanas depois, Antônio Carlos é condenado a 120 dias de suspensão pelo STJD.

Primeira e única no Brasil
Em novembro de 2005, o Juventude é o primeiro clube brasileiro punido por racismo. O clube de Caxias do Sul leva multa de R$ 200 mil e perde o mando de campo de duas partidas por causa da denúncia de ofensas racistas de sua torcida contra o volante Tinga, na época do Internacional.

Eto’o: vítima constante
O atacante camaronês, do Barcelona, é vítima de gritos racistas em 2004, da torcida do Getafe, e em 2006, dos fanáticos do Zaragoza. No primeiro caso, o Getafe foi multado em três mil euros (cerca de R$ 7 mil) pela Federação Espanhola de Futebol.

novembro 15, 2008 Posted by | Corinthians | , , , , | Deixe um comentário