Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Flu sofre, mas bate o Resende na estreia

Na volta de Emerson, Tricolor sua para vencer o Resende e espata a crise, por hora, das Laranjeiras

No fim de semana de Carnaval, o Tricolor apostou no “Bloco do Mistão” para encarar o Resende, neste sábado, pela Taça Rio. Preocupado com o desgaste físico do grupo, Muricy Ramalho preservou cinco titulares e não se arrependeu. Julio Cesar, Souza, Araújo… Todos aproveitaram a oportunidade na sofrida e suada vitória de 2 a 1 sobre Resende, em São Januário.

Para espantar a crise que ronda o clube desde a eliminação para o Boavista, na semifinal da Taça Guanabara, o Tricolor entrou em campo determinador a mudar esse panorama. Logo nos primeiros minutos a equipe tomou a inciativa e criou chances reais com Araújo, Rafael Moura e Souza. Faltou capricho em alguns lances, como na tentativa de Souza de encobrir o goleiro Eduardo. Em outros, foi a bola que caprichou, exemplificado na cabeça de Rafael Moura na trave.

A escalação não foi a única mudança do Fluminense. A equipe teve uma postura mais agressiva, porém, organizada. Assim, conseguiu superar a marcação do Resende, com três volantes à frente da defesa. Pela mudança de postura, o Tricolor merecia sorte melhor. Araújo, que entrou bem contra o América (MEX), estava motivado na busca pelo primeiro gol. No entanto, apenas aos 40′ do primeiro tempo conseguiu vencer a disputa com o goleiro Eduardo.

Mariano roubou a bola de Kim e cruzou. O camisa 10, livre, tocou por cima do goleiro. Mas o lance causou uma certa polêmica. Os jogadores do Resende reclaram de uma falta cometida por Mariano na jogada que originou o gol, mas nada foi marcado pelo árbitro Rodrigo Nunes de Sá, que pouco depois do gol expulsou Fernando Bob em outro lance muito questionado. Ele, que já tinha amarelo, dividiu uma bola com Gabriel e acabou sendo expulso. Com um a menos, o Fluminense segurou a vantagem até o apito final.

Mas a vantagem do Fluminense duraria muito pouco. Exatamente, mais dois minutos. Foi o tempo que o Resende precisou para empatar o jogo no segundo tempo. Edinho cortou mal o cruzamento na área, Léo Silva ajeitou a bola no rebote para Kim acertar um belo chute. O susto, entretanto, não desequilibrou a equipe.

Muricy Ramalho recorreu ao banco de reservas para corrigir os problemas causados pela expulsão de Bob. Com isso, Souza acabou sacado para a entrada de Diogo, que entrou para reforçar a marcação e liberar Marquinho. Emerson também entrou, no lugar de He-Man e fez a tão esperada estreia em 2011, depois de uma grave torção no tornozelo esquerdo.

Dois minutos depois, o Fluminense marcou o segundo gol. Marquinho cobrou falta da esquerda na cabeça de Leandro Euzébio, que acertou o canto esquerdo de Eduardo. O Tricolor era mais perigoso, mas o Resende não havia desistido do jogo. Aos 25′, Elias arriscou de longe, Berna desviou, mas a bola ainda tocou na trave. No rebote, Fábio insistiu, mas o goleiro tricolor voltou a fazer outra boa defesa na sequência.

A equipe de Muricy Ramalho, com um jogador a menos, perdeu um pouco de fôlego. No entanto, o teste serviu para Emerson, peça-chave no processo de recuperação da equipe na Libertadores, ganhar ritmo e confiança. O Sheik correu, acertou bons passes e arriscou seus dribles.

Quando o Resende decidiu partir para cima do Fluminense com repertório de chutes de longa distância e tabelas, Ricardo Berna apareceu bem e fez ótimas defesas. Mas a tal falada falta de sorte que estava prejudicando o Tricolor, segundo os jogadores, parece ter mudado. Haja visto, as bolas que passaram rente à trave de Berna. Fechado, o Fluminense conseguiu segurar a pressão do Resende e garantir sua primeira vitória na Taça Rio.

FICHA TÉCNICA
RESENDE X FLUMINENSE

Local: São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 5/3/2010 – 18h30 (de Brasilia)
Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá (RJ)
Cartões amarelos: Léo Silva, Ramon (Resende) e Souza, Emerson e Edinho (Fluminense)
Cartao vermelho: Fernando Bob (Fluminense)
Gols: Araújo 40′ (1º T); Kim 2′ (2º T), Leandro Euzébio 7′ (2º T)
Renda e público: R$ 12.165,00 e 508 torcedores pagantes
Resende: Eduardo, Wellington, Anderson, Rogério (Fábio – intervalo) e Kim; Ramon, Léo Silva (Fábio Azevedo 27′ 2/T), Gabriel e Léo (Elias 20′ 2/T); Marcel e Alexandro
Técnico: Paulo Campos
Fluminense: Ricardo Berna, Mariano, Gum, Leandro Euzébio e Julio Cesar; Edinho, Fernando Bob, Marquinho e Souza (Diogo 5′ 2/T); Araújo (Tartá 20′ 2/T) e Rafael Moura (Emerson 5′ 2/T)
Técnico: Muricy Ramalho

março 5, 2011 Posted by | Fluminense | , | Deixe um comentário

Flu sofre, mas inicia luta pelo título carioca com vitória: 1 a 0 no Bangu

Com estreante Souza expulso no 1º tempo, Tricolor leva sustos e garante três pontos graças a gol de Fred após bela jogada de Tartá

Um mês e 15 dias depois da vitória sobre o Guarani que garantiu o título brasileiro, o Fluminense voltou ao Engenhão, para encarar o Bangu, pela primeira rodada da Taça Guanabara. A importância da partida desta quinta-feira não era a mesma, o estádio não estava lotado, o craque da equipe, Conca, não estava presente, mas em campo o desenrolar da história foi parecido com o de 5 de dezembro. Tenso e afobado em campo, o Tricolor sofreu, criou poucos lances e venceu: 1 a 0.
Na mesma trave em que Emerson se transformou herói e também no segundo tempo, Fred foi o autor do gol salvador. Com três pontos, o Tricolor é o terceiro colocado do Grupo A, atrás de Macaé e Botafogo nos critérios de desempate. O próximo rival é o Olaria, domingo, às 19h30m (de Brasília), novamente no Engenhão, pela segunda rodada. Já o Bangu é o sexto colocado e tem pela frente o Madureira, também domingo, às 17h, em Conselheiro Galvão.
Confira resultados e classificação da Taça Guanabara
Provocação alvinegra; celebração tricolor
A noite tricolor no Engenhão começou com provocação alvinegra. Após a vitória por 2 a 1 sobre o Duque de Caxias, parte da torcida do Botafogo permaneceu no estádio para o jogo de fundo e não perdoou um torcedor que apareceu com a camisa do Flu na ala oeste (destinado aos botafoguenses). Muito xingado, o tricolor se viu obrigado a trocar de camisa para ter paz.
Minutos depois, foi a vez da equipe de Muricy Ramalho entrar em campo e as vaias botafoguenses darem lugar ao incentivo tricolor. Pela primeira vez no gramado do Engenhão após o título do Brasileirão, o Fluminense foi recebido aos gritos de “tricampeão”. E além de todos os jogadores escalados, Conca e Washington foram ovacionados. Uma semana depois de anunciar a aposentadoria dos gramados, o Coração Valente foi homenageado no campo durante o intervalo.
Flu em ritmo lento. Bangu ousado

As lembranças da partida contra o Guarani, porém, ficaram nos gritos de campeão em todo o primeiro tempo. Em ritmo lento e sem inspiração, o Tricolor se mostrou sem inspiração diante de um adversário ousado. Errando muitos passes, o Flu não conseguia levar a melhor no meio-campo e as ações ofensivas ficaram restritas às jogadas de bola parada, que saíam do pé direito de Souza. Fosse em faltas ou escanteios, o estreante cobrava com precisão.
O mesmo não aconteceu nas conclusões de Deco, duas vezes, e Fred. Enquanto isso, o time de Moça Bonita não se intimidava, tocava bem a bola e chegava com perigo muitas vezes no mano a mano com Gum, Leandro Euzébio e Valencia. Vaiado pelos botafoguenses, Diguinho não era o mesmo, e o time da Zona Oeste pressionava.
Após a parada técnica, só deu Bangu, e ficaram faltando centímetros para que Ricardinho abrisse o placar em duas oportunidades em chutes da entrada da área. Na beira do campo, Muricy Ramalho não gostava do que via e gritava bastante, principalmente com o setor defensivo.
Destaque da pré-temporada, Souza começou a partida dando indícios de que teria uma estreia empolgante. Melhor em campo, tentava levar o Flu ao ataque com bons passes e era certeiro nas bolas paradas. O excesso de vontade, porém, abreviou sua primeira exibição com a camisa tricolor. Ao tentar ajudar a defesa, o apoiador mostrou que não tem muito cacoete para marcação e, com dois cartões amarelos em um intervalo de três minutos, foi expulso aos 38.
Fred garante o sorriso tricolor
Com uma bela cabeçada, Fred garantiu a vitória do
Flu no Engenhão (Foto: Agência Photocâmera)
O panorama da partida não mudou no segundo tempo: o Fluminense dependente de bolas paradas, e o Bangu sem medo de se arriscar. Do lado tricolor, Marquinhos, que substituiu Mariano, que saiu com um problema na coxa, assumiu faltas e escanteios. E foi bem. Fred e Gum, porém, não mostraram boa pontaria e desperdiçaram as oportunidades.
Na base da velocidade, o Bangu levava (muito) perigo. Ricardo Berna e a sorte evitaram o pior. Se o goleiro parou Pipico e Leandro Costa, a bola no travessão após cabeçada de Thiago Galhardo representou o melhor lance alvirrubro. E o maior susto para os tricolores.
Entretanto, a expulsão do zagueiro Raphael freou o ímpeto do Bangu. Em igualdade numérica, a equipe reduziu o ritmo. Foi quando o Fluminense se soltou e abriu o placar. Fazendo valer das jogadas pelas laterais, o Tricolor virava o jogo de um lado para o outro, até que Tartá encontrou o espaço que precisava pelo lado esquerdo, aos 36.
O atacante foi a linha de fundo, levantou a cabeça e cruzou para Fred no segundo pau. O atacante cabeceou como manda o figurino, para o chão, e venceu Thiago Leal: 1 a 0. Era o suficiente para garantir os três pontos e satisfazer o torcedor, que deixou o Engenhão cantando: “É tempo de sorrir. Sorria”.

BANGU 0 X 1 FLUMINENSE
Thiago Leal, China, Diego Padilha, Raphael e Fabiano Silva; Joziel, Thiago Galhardo (Thiago Neiva), André Barreto e Ricardinho (Abílio); Somália (Leandro Costa) e Pipico. Ricardo Berna, Mariano (Marquinhos), Gum, Leandro Euzébio e Julio Cesar (Carlinhos); Valencia, Diguinho, Souza e Deco (Rodriguinho); Tartá e Fred.
Técnico: Gabriel Vieira. Técnico: Muricy Ramalho.
Gols: Fred, aos 36 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Joziel, Diego Padilha, China, Abílio e Raphael (BANG) Leandro Euzébio, Julio Cesar e Souza (FLU). Cartão vermelho: Souza (FLU) e Raphael (BAN).
Público presente: 19.206. Público pagante: 15.454. Renda: R$ 315.170,00
Estádio: Engenhão, no Rio de Janeiro. Data: 20/01/2011. Arbitragem: Péricles Bassols Cortez, auxiliado por Ricardo Maurício Ferreira e Eduardo de Souza Couto.

janeiro 20, 2011 Posted by | Fluminense | , | Deixe um comentário