Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Fluminense bate Atlético-GO e vence a primeira na era Muricy

Flu acerta uma no alvo e derruba o Dragão (Marino  Azevedo/Photocâmera)

Gol de Marquinho no segundo tempo dá primeiro triunfo do técnico em quatro partidas no comando do Tricolor

Depois de três partidas e três derrotas, Muricy Ramalho pôde, finalmente, comemorar. Mesmo ainda sem apresentar um futebol convincente, o Fluminense venceu por 1 a 0 o time misto do Atlético-GO, neste sábado, no Maracanã. O resultado, em partida válida pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro, representou o primeiro triunfo do técnico à frente do Tricolor.

A partir de agora, o Atlético-GO volta a se concentrar na semifinal da Copa do Brasil, competição pela qual enfrenta o Vitória, nesta quarta-feira, em Salvador, e precisa vencer por dois gols de diferença. Semana passada, perdeu por 1 a 0. No próximo domingo, recebe o Santos, em Goiânia, pela terceira rodada do Brasileirão. No mesmo dia, o Fluminense enfrenta o Corinthians no Pacaembu.

Desde o início ficou claro que o Fluminense estava disposto a ir com tudo para vencer. Mas o que era disposição transformou-se em afobação. À beira do campo, Muricy Ramalho não demorou a se indispor com seus jogadores, principalmente com os zagueiros, que abusavam da displicência e proporcionavam oportunidades ao Atlético-GO. E a torcida tricolor também não mostrou paciência e começou a vaiar a equipe antes da metade do primeiro tempo.

Mas o Fluminense conseguia chegar ao ataque aproveitando os espaços deixados pela defesa adversária. Conca mandou a bola no travessão aos seis minutos, e André Lima, de frente para o gol e dentro da área, chutou em cima do zagueiro Jairo após grande jogada do argentino e cruzamento de Marquinho, aos 29. Pouco antes, o time da casa balançou a rede com Leandro Euzébio, mas o árbitro Carlos Eugênio Simon anulou o lance, marcando falta de Rodriguinho no goleiro Edson. Um dos destaques do vice-campeão Santo André no Campeonato Paulista, o atacante, em sua noite de estreia, incomodou muito a zaga do Atlético-GO, que deixou o técnico Geninho irritado.

Marquinho comemora, Fluminense x Atlético-goMarquinho comemora o gol da vitória do Flu.
(Foto: Marino Azevedo/Photocâmera)

Mas o time goiano poderia ter aberto o placar se não tivesse se precipitado ao chegar mais perto da meta adversária. Após um contra-ataque puxado aos 43 minutos, Elias recebeu dentro da área e chutou rasteiro. Rafael defendeu com o pé direito, salvando o Flu.

O panorama não mudou após o intervalo. O Fluminense retornou a campo com maior domínio, apesar de cometer incríveis erros de passe, e voltou a levar perigo com o argentino Conca. Em menos de um minuto, o meia teve duas grandes oportunidades. Primeiro, acertou novamente o travessão numa cobrança de falta. Depois, arriscou de dentro da área, obrigando o goleiro Edson a fazer uma defesa com os pés.

Com os minutos passando, e a impaciência da torcida aumentando, o Fluminense passou a partir para cima do Atlético-GO de maneira intensa, mas desorganizada. No entanto, foi na base da velocidade que o Tricolor abriu o placar, aos 24 minutos. Mariano puxou o contra-ataque pela direita e, com um passe, deixou Marquinho em boas condições. O jogador chutou rasteiro, e a bola passou por baixo do goleiro Edson, entrando mansamente no gol.

Com a desvantagem, o Atlético passou a atuar mais ofensivamente, deixando muitos espaços para o Fluminense, que teve a tarefa facilitada com a expulsão do zagueiro Welton Felipe, aos 30 minutos. Mas a falta de coordenação entre os setores continuava a irritar Muricy Ramalho, que se agitava e gesticulava no banco de reservas.

Até o fim, o Fluminense seguiu pressionando o Atlético, mas continuou falhando em passes decisivos e deixando sua defesa exposta. A equipe goiana levou perigo nos contra-ataques, mas não teve a competência suficiente para alcançar o empate.

Fluminense 1 x 0 atlético-go
Rafael, Mariano, Digão, Leandro Euzébio e Julio César (Everton); Diogo, Diguinho, Marquinho e Conca; Rodriguinho (Wellington Silva) e André Lima. Edson, Ayrton, Welton Felipe, Jairo e Chiquinho; Erandir, Pituca (Agenor), Robston e Elias (Anaílson); Rodrigo Tiuí (Keninha) e Marcão.
Técnico: Muricy Ramalho. Técnico: Geninho.
Gol: Marquinho, aos 24 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Leandro Euzébio (Fluminense); Welton Felipe (Atlético-GO). Cartão vermelho: Welton Felipe. Público: 6.318 pagantes (9.839 presentes). Renda: R$ 141.495.
Estádio: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ). Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa/RS). Auxiliares: José Javel Silveira (RS) e Paulo Ricardo Silva Conceição (RS).

maio 16, 2010 Posted by | Fluminense | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Frustrado por não estrear, Eduardo Costa aguarda chance diante do Mirassol

O são-paulino esperava ser utilizado durante o duelo com o Mogi Mirim, mas resultado da partida adiou o momento tão esperado pelo atleta

Ampliar Foto Agência/Diário de São Paulo Agência/Diário de São Paulo

Eduardo Costa está ansioso para estrear com a camisa do São Paulo

O volante Eduardo Costa, contrato no início de 2009, esperava estrear, finalmente, no São Paulo no último domingo na partida contra o Mogi Mirim. Porém, a oportunidade acabou por não acontecer. O atleta, que ficou afastado por causa de uma lesão no joelho direito, confessou a decepção em não entrar, mas espera ser utilizado no jogo desta quinta-feira contra o Mirassol, pelo Campeonato Paulista.
– Seria meu primeiro jogo defendendo o Tricolor, mas infelizmente não deu. É normal porque eu criei uma expectativa e fiquei um pouco frustrado com a situação. Espero poder estrear na próxima partida nesta semana.

Para o meio-campista, o que importa neste momento é adquirir ritmo de jogo e, assim, ficar à disposição do técnico Muricy Ramalho. Eduardo Costa afirmou que está desacostumado com o banco de reservas, já que nunca havia sofrido uma lesão séria e na maioria dos times onde passou começava como titular.

– Fiquei muito tempo parado e agora tenho que ir com calma, cada coisa no seu tempo. Meu objetivo é voltar a ter meu ritmo de acordo com os jogos. É uma situação nova para mim, estava acostumado a iniciar a partida, mas quando o Muricy me colocar vou entrar com a maior felicidade do mundo.
O horário de alguns confrontos não tem agradado aos torcedores, que tem mantido baixa média de público nos jogos à noite. Atuar com o estádio cheio ou vazio, não faz diferença, de acordo com Eduardo Costa. O fundamental é focar no trabalho e continuar a recuperação.
– O que vai me dar 100% de condições é ir atuando em cada jogo. Apesar de dar um ânimo a mais, não posso pensar em atuar diante torcida ou com poucas pessoas, eu tenho é que fazer meu papel para ajudar o São Paulo.

março 9, 2009 Posted by | São Paulo | , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Peixe vence o São Paulo, quebra jejum em clássicos e volta ao G-4 do Paulistão

Tricolor perde o jogo e a invencibilidade em jogos fora de casa

Finalmente, o Santos consegue vencer um clássico. O Peixe bateu o São Paulo por 1 a 0, neste domingo, na Vila Belmiro, e quebrou um jejum que durava quase um ano. Desde o dia 26 de março de 2008, quando derrotou o Corinthians por 2 a 1, o Alvinegro Praiano não levava a melhor em cima de um de seus principais rivais. Com a vitória, o Santos vai a 20 pontos e volta para o G-4. Já o São Paulo, com 23, segue em terceiro lugar, mas perde os 100% de aproveitamento em jogos fora de casa.

Os dois times entraram em campo com esquemas táticos parecidos. O são-paulino Muricy Ramalho poupou Miranda, mas manteve o time com três zagueiros: André Dias, Renato Silva e Rodrigo. Já o santista Vagner Mancini optou por também jogar com três zagueiros, mas com seis jogadores no meio-de-campo e apenas Roni no ataque – o São Paulo entrou com dois jogadores mais à frente: Dagoberto e Washington.

Com formações que privilegiaram a força, as duas equipes estavam mais preocupadas em cortar as jogadas adversárias. O Peixe começou melhor, dominando o jogo no meio-de-campo, evitando as subidas de Hernanes e controlando as jogadas aéreas do São Paulo. No entanto, foi o Tricolor quem criou primeiro, justamente pelo alto, seu ponto forte. Jorge Wagner cobrou escanteio da esquerda e Washington completou de cabeça. A bola entraria se Leo não salvasse em cima da linha.

CLIQUE AQUI E OUÇA O GOL SANTISTA NA RÁDIO GLOBO

Essa foi o único susto que o Santos passou no primeiro tempo. Com boas descidas de Madson pela esquerda, o Peixe foi abrindo aos poucos a defesa são-paulina, até que chegou a seu gol aos 40. Pará, que entrou no lugar de Leo (o titular sentiu o joelho esquerdo e só ficou 35 minutos em campo), cobrou lateral para Roni. O substituto de Kléber Pereira, de bicicleta, jogou a bola para o meio da área. Molina ganhou de Jorge Wagner, dominou e chutou rasteiro, estufando as redes.

Ampliar Foto Agência/Vip.com Agência/Vip.com

Domingos disputa bola com Dagoberto

Tentando brecar as decidas de Madson, Muricy Ramalho fez sua primeira mudança já no início do segundo tempo. O São Paulo voltou com Zé Luís no lugar de Wagner Diniz. No entanto, o Peixe continuava melhor. Madson e Molina, com movimentação constante, confundiam a marcação tricolor. Além disso, Luizinho passou a descer constantemente pelo lado direito, às costas de Jorge Wagner.

Em uma dessas descidas, quase sai o segundo gol santista. O lateral cruzou rasteiro, André Dias tentou cortar e mandou a bola para o travessão. A partir desse lance, o São Paulo se acertou. Muricy tirou Hugo, que mal pegou na bola, e colocou o ala Júnior César, passando Jorge Wagner para o meio. O Tricolor passou a dominar o jogo no meio-de-campo e a rondar a área santista.

Como num jogo de xadrez, Vagner Mancini respondeu à mexida do adversário e reforçou a marcação no meio, tirando Molina e colocando volante Germano. O São Paulo tinha mais campo para jogar e pressionava o Santos, que tinha espaço para contra-atacar. Faltava ao Peixe, porém, alguém para sair em velocidade. Percebendo isso, Mancini aproveitou que Domingos se machucou e colocou o meia Róbson em campo.

O São Paulo seguia apertando e teve boa chance para empatar aos 36, em uma cobrança de falta na entrada da meia-lua. Rogério Ceni bateu colocado, mas mandou por cima. Foi o último lance de perigo do jogo.

FICHA TÉCNICA

SANTOS 1 x 0 SÃO PAULO
Fábio Costa, Fabão, Fabiano Eller e Domingos (Róbson); Luizinho, Roberto Brum, Rodrigo Souto, Molina (Germano), Madson e Leo (Pará); Roni. Rogério Ceni, Andre Dias, Renato Silva e Rodrigo (Arouca); Wagner Diniz (Zé Luís), Jean, Hernanes, Hugo (Júnior César) e Jorge Wagner; Dagoberto e Washington.
Técnico: Vagner Mancini. Técnico: Muricy Ramalho.
Gols: Molina, aos 40 minutos do primeiro tempo.
Cartões amarelos: Dagoberto, Washington (São Paulo); Fabiano Eller, Molina, Domingos, Fabão, Roberto Brum (Santos).
Estádio: Vila Belmiro, em Santos. Data: 1/3/2009. Árbitro: Wilson Luiz Seneme. Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Everson Luquesi Soares. Público e renda: 9.299 pagantes/R$ 281.535,00

CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO E OS PRÓXIMOS JOGOS DO PAULISTÃO

março 1, 2009 Posted by | Santos, São Paulo | , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Flu contrata Leandro Bomfim, ex-Vasco, e Conca, finalmente, se apresenta

Meia argentino parte com o novo jogador para Águas de Lindóia

Ampliar Foto Marcia Feitosa/VIPCOMM Marcia Feitosa/VIPCOMM

Leandro Bomfim (dir.) em treino do Vasco

O coordenador de futebol do Fluminense, Alexandre Faria, viaja para Águas de Lindóia nesta sexta-feira com dois presentes para o técnico René Simões: Conca, que finalmente está liberado para se apresentar, e Leandro Bomfim, que rescindiu seu contrato com o Vasco e assinou por um ano com o Tricolor.

– Está confirmado. Leandro Bonfim é jogador do Fluminense. Ele já fez exames no clube e segue junto comigo e o Conca para Águas de Lindóia nesta sexta-feira. É um jogador que já estávamos observando há muito tempo e rescindiu contrato com o Vasco. Estamos felizes com mais esta contratação – confirmou Faria.

Dois lados curiosos sobre a contratação de Bomfim: um fica por conta de seu primeiro nome. Isso porque o elenco já contava com três Leandros: Amaral, o lateral-esquerdo, que veio do Palmeiras, mais o meia Leandro Domingues. O outro é que nesta quinta ele completa 25 anos. É bom lembrar que na quarta, o atacante Roger completou 23 e comemorou como presente sua contratação.

E o acerto foi fechado no dia em que o jogador completa 25 anos. O mesmo ocorreu com o atacante Roger. A confirmação da contratação do ex-jogador do São Paulo e Sport foi anunciada na quarta, quando o atleta comemorou o 23º aniversário.

Conca já era esperado por todos desde quarta-feira, mas teve problemas com a assinatura de seu contrato e teve que adiar sua apresentação. Ele assinou por três anos e se transferiu de vez do River Plate, da Argentina.

janeiro 8, 2009 Posted by | Fluminense | , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário