Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Flamengo deve R$ 2 milhões aos esportes olímpicos

Vice-presidente afirmou que está buscando novos recursos para o clube

Diego Hypolito ameaçou deixar o Rubro-Negro por causa da criseDiego Hypolito ameaçou deixar o Rubro-Negro por causa da crise (Crédito: Deni Navarro)

LANCEPRESS!

O vice-presidente de esportes olímpicos do Flamengo, João Henrique Areias, revelou nesta quinta-feira, em entrevista ao jornal “O Globo”, que o clube deve uma quantia de R$ 2 milhões aos atletas de ginástica, judô, basquete, vôlei, natação, nado sincronizado e pólo aquático.

– O Flamengo está buscando recursos. Ele e todos os clubes cariocas estão em crise, devido ao abalo global, agravado por problemas de gestão – disse o vice-presidente.

Recentemente, a ginástica do Flamengo passou por uma grande polêmica, com a ameaça de Diego Hypolito, Daniele Hypolito e Jade Barbosa de abandonarem o clube por causa das dívidas rubro-negras. No entanto, um acordo com a Prefeitura de Niterói, que vai destinar R$ 80 mil mensais aos atletas da modalidade, solucionou parte do problema.

fevereiro 19, 2009 Posted by | Flamengo | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Muricy revela a sua terapia: lavar louça

Em entrevista ao jornal ‘O Globo’, treinador do São Paulo diz que adoraria receber um convite para dirigir a seleção brasileira.

No dia-a-dia, Muricy Ramalho acumula estresse ao comandar os jogadores do São Paulo, pensar em estratégias, estudar os rivais… Para relaxar, o técnico recorre à sua terapia particular e peculiar: lavar louça.

– Outro dia, uma moça nova que trabalha lá em casa não entendeu nada quando pedi para deixar a louça que eu lavaria. É uma terapia. Vou pensando, desestressando (sic), me desligando. Gosto do barulho da água – diz o técnico, em entrevista ao jornal “O Globo”.

Muricy, que se acha organizado na cozinha, acrescenta que também gosta de preparar pratos, mas sem receitas complicadas. Um de seus prazeres é preparar churrasco e assar pizza no seu sítio, no interior de São Paulo.

O treinador está a caminho de se tornar o primeiro a ser tricampeão por uma mesma equipe. Na década de 70, Rubens Minelli foi campeão por Internacional (1975 e 76) e São Paulo (1977). O prestígio faz o são-paulino sonhar com a seleção brasileira. E já tem a resposta na língua para o caso de ser convidado.

– Não gosto de cobiçar o que é de outro, mas é óbvio que vou adorar se o convite surgir. Quem não aceitaria uma convocação para representar o país? Quem não gostaria de poder escolher os melhores? Tem vezes que olho no meu banco e não tenho quem colocar em campo. Peço para contratar o Chiquinho, e vem o Luizinho. O desgaste numa seleção é outro – explica.

‘Luxemburgo trabalha para voltar à seleção’

Ele acrescenta, no entanto, que não tem obsessão pelo cargo e cita isso como uma diferença que o separa do palmeirense Vanderlei Luxemburgo.

– O Luxemburgo já disse que é melhor do que eu. Também acho. Ele tem mais experiência. Mas, no confronto direto, nunca perco para ele. Ele trabalha para voltar à seleção, é um aficionado. Eu não sou.

Ampliar Foto arte/GLOBOESPORTE.COM arte/GLOBOESPORTE.COM

O treinador são-paulino na versão atual e na época de ‘música barulhenta’

Ao falar do passado, Muricy lembra a época em que usava tamanco, deixava o cabelo comprido e ouvia “música barulhenta”. E recorda os episódios com o técnico argentino e linha-dura José Poy.

–  Ele não gostava do cabelo comprido. Falava que, se eu não cortasse, não precisava treinar no dia seguinte. Eu respondia que não voltaria e não voltava mesmo! Passava uma semana, e eles me buscavam em casa – diverte-se o são-paulino, para em seguida concluir: – O futebol era mais alegre. Não era lucrativo como hoje, com o peso e a responsabilidade atuais.

novembro 15, 2008 Posted by | São Paulo | , , , , , | Deixe um comentário