Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

De virada, Avaí vence São Paulo e vai às semis da Copa do Brasil

Leão da Ilha saiu perdendo por 1 a 0, mas conseguiu a vitória por 3 a 1 e se prepara para enfrentar o Vasco nas semis

No jogo de volta das quartas de final da Copa do Brasil, o Avaí venceu o São Paulo por 3 a 1 na noite desta quinta-feira, na Ressacada. Com isso, a equipe de Santa Catarina avança às semifinais da competição nacional. E vai enfrentar o Vasco na sequência do torneio.

O Leão da Ilha entrou em campo precisando de uma vitória por dois gols de diferença, já que perdeu o primeiro jogo por 1 a 0. O São Paulo marcou gol logo aos 15 minutos e deixou o Avaí na posição de ter de fazer três gols. E o time da casa assim o fez.

Na sequência da Copa do Brasil, o Avaí enfrenta o Vasco nas semifinais. O Alvinegro carioca empatou em 1 a 1 com o Atlético Paranaense. O jogo de ida das semis será no próximo dia 18. Já a partida de volta acontece no próximo dia 25.

O São Paulo agora se prepara para a sua estreia no Campeonato Brasileiro, no próximo dia 22, diante do Fluminense, em São Januário.

No jogo, o São Paulo sofreu com os cruzamentos do Avaí em direção à área. Apesar de sair ganhando no primeiro tempo, em 15 minutos o Tricolor levou a virada. Na segunda etapa, o Avaí marcou logo aos 30 segundos de jogo, o São Paulo então pressionou, mas não conseguiu diminuir.

Só na bola aérea

No primeiro tempo, o jogo foi de muita marcação e velocidade. Sem a bola, a equipe do Avaí ficou apenas com William à frente, e o meio de campo com seis jogadores, congestionando as ações ofensivas do São Paulo. Os dois homens de frente do Tricolor – Dagoberto e Fernandinho – foram contidos pelos alas catarinenses e Lucas foi seguido de perto por Marcinho Guerreiro.

Para acompanhar a velocidade são-paulina, contudo, o Avaí teve que recorrer às faltas. E foi uma delas que gerou o gol de cabeça de Casemiro, aos 15 minutos. A desvantagem maior “acordou” o Leão, que foi para cima.

No minuto seguinte ao tento tricolor, William empatou após bom cruzamento de Estrada pela esquerda. O time se lançou ao ataque e passou a ter mais volume de jogo que o São Paulo. Aos 30, com Bruno, veio a virada avaiana.

Sempre nas bolas aéreas as duas equipes tentavam chegar. Pelo lado do Avaí, o meia Marquinhos, que jogou após obter efeito suspensivo, infernizou a área são-paulina com cobranças fechadas de escanteio. O camisa 10 do time catarinense foi o melhor em campo.

Susto e pressão são-paulina

Logo aos 30 segundos da segunda etapa, o Avaí chegou ao terceiro gol, com Marquinhos Gabriel.Tento que daria a classificação à equipe comandada por Silas.

Após o “gol da eliminação”, o São Paulo se lançou ao ataque e teve duas chances claras de gol. Carpegiani abriu mão dos três zagueiros e substituiu Xandão por Henrique. Deu certo: o Tricolor passou a pressionar mais o time do Avaí, que recuou no jogo e passou a apostar nos contra-ataques.

Taticamente, os alas avaianos demonstraram muita disposição. Sem a bola, eles ficavam ao lado da grande área e davam combate aos jogadores são-paulinos. O São Paulo trocava passes na intermediária, mas teve dificuldade em criar chances concretas. A marcação avaiana estava sempre em cima.

A pressão são-paulina acabou por arrefecer na sequência do segundo tempo e o Avaí conseguiu segurar o resultado e a classificação. Carpegiani ainda substituiu Marlos, que entrou no segundo tempo, por Willian, mas sem resultado prático.

No fim da partida, Acleisson cobrou falta com muita força e a bola explodiu na trave de Rogério Ceni. O Tricolor tentou pressionar, mas o time catarinense se segurou bem e garantiu a vaga.

FICHA TÉCNICA:
AVAÍ 3 X 1 SÃO PAULO

Estádio: Ressacada, em Florianópolis (SC)
Data/hora: 12/5/2011 – 21h50
Árbitro:  Marcio Chagas da Silva
Auxiliares: Marcelo Bertanha Barison e José Eduardo Calza 

Renda/público:  Não disponíveis
Cartões amarelos: Estrada, Romano e Diogo Orlando (AVA); Juan (SPO)
Cartões vermelhos: Nenhum.
GOLS: Casemiro, 15’/1ºT (0-1); William, 16’/1ºT (1-1); Bruno, 30’/1ºT (2-1); Marquinhos Gabriel, 30”/2ºT (3-1)

AVAÍ: Renan; Revson, Bruno, Gustavo Bastos; Diogo Orlando, Marcinho Guerreiro, Estrada (Acleisson, 8’/2ºT), Marquinhos (Maurício Alves, 28’/2ºT) e Romano (Marquinhos Gabriel, 31’/1ºT); Julinho e William. Técnico: Silas

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Xandão (Henrique, 5’/2ºT), Alex Silva e Rhodolfo; Jean, Casemiro, Carlinhos Paraíba, Lucas e Juan; Fernandinho (Marlos, intervalo) (Willian, 37’/2ºT) e Dagoberto. Técnico: Paulo César Carpegiani.

maio 13, 2011 Posted by | Avaí, São Paulo | , | Deixe um comentário

Tricolor Jason vence Bota e encosta na ponta

Equipe vence de virada no Morumbi e obtém quarto triunfo consecutivo no Campeonato Brasileiro

São Paulo joga o suficiente para vencer o Botafogo

São Paulo joga o suficiente para vencer o Botafogo

LANCEPRESS!

Em uma partida de boas alternativas, o São Paulo, ou Tricolor Jason , mostrou que realmente está em recuperação e venceu o Botafogo por 3 a 1, de virada, nesta quarta-feira, no Morumbi, pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro. A vitória foi a quarta seguida do time paulista na competição e de quebra acabou com a invencibilidade de sete jogos que o adversário obtinha. Os gols do jogo foram marcados por Dagoberto, Washington e Jorge Wagner para os donos da casa e Lucio Flavio descontou para os cariocas.


O jogo começou com o Botafogo melhor, apesar da evidente superioridade técnica do São Paulo. O time carioca abusava das jogadas pelas laterais, principalmente, pelo lado direito com Alessandro ou Renato, que flutuava na frente da defesa paulista. Já o Tricolor insistia em jogadas pelo meio com Washington, que tinha muita dificuldade para dominar as bolas.

O melhor volume de jogo do Glorioso era evidente e não demorou muito para ele se transformar em gol. Aos 19 minutos, Batista achou Lucio Flavio próximo a área. O maestro alvinegro dominou, girou e acertou um belo chute no canto esquerdo de Denis, abrindo o placar. Com o gol, parecia que a vitória seria mesmo do time carioca, mas quatro minutos depois dois fatos mudaram a cara do jogo. O primeiro foi a contusão de Renato, melhor jogador do Bota em campo até o momento, obrigando o técnico ney Franco a colocar Jean Coral em seu lugar. O segundo, o técnico Ricardo Gomes vendo que o Botafogo era perigoso pela direita, colocou Dagoberto aberto pela esquerda, atuando nas costas do ala alvinegro.

Aos 36 minutos, Washington, agora melhor, carregou a bola sozinho pelo meio e deu um belo passe para Hugo. O meia invadiu a área e foi derrubado por Castillo. Jorge Wagner se apresentou para bater o pênalti e não deu chance para o goleiro do Botafogo, empatado a partida. Após o gol, o Botafogo se destruturou e nove minutos depois acabou sofrendo a virada. André Dias ganhou na raça de Eduardo, pela direita, invadiu a área e rolou para Washington, sozinho, marcar o gol da virada, no último lance do primeiro tempo.

A segunda etapa começou com o São Paulo um pouco mais recuado, apostando na velocidade de Dagoberto e dos alas para armarem os contra-ataques. Porém, foi só quando Ricardo Gomes tirou Washington e colocou Borges, que as jogas começaram a sair. O Botafogo tentava criar com Lucio Flavio e Victor Simões, mas o segundo tempo era todo dos tricolores.

Aos 26 minutos, Dagoberto recebeu lançamento de cabeça, dominou e colocou com categoria por cima de Castillo fazendo o terceiro gol e decretando a vitória do hexacampeão brasileiro. Com dois a menos no placar, o Botafogo sentiu e não conseguiu mais assustar os donos da casa. No finalzinho, Hernanes ainda teve duas oportunidades de ampliar o placar. A primeira passou bem perto e a segunda explodiu na trave.

Na próxima rodada o São Paulo volta a jogar em casa e recebe o Goiás. Já o Botafogo, tem um duelo complicado contra o Atlético Paranaense, que venceu o cruzeiro por 2 a 0 nesta quarta-feira, no Engenhão.

FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO 3 X 1 BOTAFOGO

Estádio: Morumbi, São Paulo (SP)
Data/hora: 05/08/2009 – 21h (de Brasília)
Árbitro: Elmo Alves Cunha (Asp.Fifa/GO)
Auxiliares: Fabrício Vilarinho (GO) e Cristhian Passos Sorence(GO)
Renda/Público: R$ 423.115,00/ 19.182 pagantes

GOLS: Lucio Flavio, 19’/1°T (0-1); Jorge Wagner, 36’/1°T (1-1); Washington, 45’/1°T (2-1); Dagoberto, 26’/2°T (3-1)

São Paulo: Denis, Renato Silva, André Dias e Miranda; Jean, Hernanes, Richarlyson, Hugo (Júnior César, 23’/2ºT) e Jorge Wagner; Dagoberto (Marlos, 42’/2ºT). e Washington (Borges, 20’/2ºT). Técnico Ricardo Gomes.

Botafogo: Castillo, Wellington (Túlio Souza, 29’/2ºT), Juninho e Eduardo; Alessandro, Leandro Guerreiro, Batista, Renato (Jean Coral, 23’/1ºT), Lucio Flavio e Michael (Léo Silva, 10’/2ºT); Victor Simões. Técnico: Ney Franco.

agosto 6, 2009 Posted by | Botafogo, São Paulo | , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Grêmio vence Santo André de virada no Olímpico

Com um golaço e duas assistências, Souza é o destaque do jogo

Souza foi o dono do jogo: golaço na virada em cima do Santo André (Crédito: Ricardo Rimoli)

Souza foi o dono do jogo: golaço na virada em cima do Santo André

LANCEPRESS!

O Grêmio contou com uma grande atuação do meia Souza e venceu o Santo André por 3 a 2, de virada, no Olímpico, neste domingo. Com a vitória, a sexta do Grêmio em casa, a equipe gaúcha chegou aos 21 pontos e ocupa a sexta posição até o complemento da rodada. O Santo André permanece com 17 pontos e agora ocupa a décima primeira posição.

O Jogo:

Primeiro tempo:

A partida começou com o Grêmio tendo o domínio de bola. A primeira chance foi da equipe gaúcha com Tcheco em um chute que passou perto do gol de Neneca.

A marcação do Grêmio muito forte nos minutos iniciais, o que dificultou o setor de criação do Santo André. Uma boa trama do ataque gremista com Herrera dando belo passe para Jonas, que chutou para a zaga do Santo André cortar, assustando os paulistas. Na sequência, foi a vez de Jonas servir Herrera, que recebeu a bola em impedimento.

A partida seguiu com o Santo André sem conseguir criar oportunidades de gol. A primeira chance foi em uma cobrança de falta de Marcelinho Carioca, mas o chute subiu muito e não ofereceu perigo para Victor.

Souza, em jogada individual, tocou para Jonas, que chutou sem perigo aos 15 minutos. O Santo André assustou a defesa do Grêmio com um chute cruzado de Antônio Flávio, logo em seguida.

Aos 19 minutos, a defesa do Grêmio, em especial Rafael Marques, se descuidou e apenas olhou o sempre perigoso Marcelinho Carioca em grande lance deixar a bola livre para Antônio Flávio, que recebeu sem marcação cara a cara com Victor. O atacante chutou, a bola tocou no goleiro e entrou bem devagar na rede da segunda defesa menos vazada da competição: 1 a 0 Santo André.

Procurando a reação, Souza usou toda a sua velocidade e arrancou com a bola. Ricardo Conceição só pode parar o camisa 8 com falta e recebeu o primeiro cartão amarelo da partida. Souza cobrou, a bola bateu na barreira e voltou para Souza, que chutou mais uma vez para longe do gol.

O Santo André voltou a assustar o Grêmio em nova cobrança de falta de Marcelinho Carioca. O camisa 7 da equipe paulista cobrou para dentro da área do Grêmio, houve bate e rebate e foi marcado impedimento do ataque do Santo André.

Aos 33, Elvis fez falta em Tcheco e recebeu o seu sétimo cartão amarelo neste Campeonato Brasileiro. Tcheco cobrou a falta sem perigo para a defesa da equipe paulista. E o Grêmio teve grande chance aos 35. Tcheco foi a linha de fundo e cruzou para Souza, que sozinho bateu para fora.

O principal nome do Grêmio na partida, Souza fez boa jogada, foi a linha de fundo, mas a defesa do Santo André cortou a investida gremista. Em seguida, após cobrança de escanteio de Tcheco, o zagueiro improvisado na lateral direita, Mário Fernandes cabeceou e o goleiro Neneca fez grande intervenção.

E o Grêmio chegou ao gol de empate na sua sétima cobrança de escanteio. Souza cobrou, o zagueiro Rafeal Marques se antecipou à marcação de Cicinho e se redimindo do erro no gol do Santo André, de cabeça, empatou a partida: 1 a 1 no Olímpico.

E a chance de ampliar veio logo em seguida com o lateral-esquerdo Jadílson, que chutou de longe, mas a bola pasou perto da meta do goleiro Neneca.

Aos 45 minutos, Souza confrimou porque era o melhor jogador da partida. Levou a bola sozinho, olhou o goleiro Neneca adiantado e chutou. A bola foi no ângulo, um golaço de Souza: 2 a 1 Grêmio de virada em apenas 3 minutos.

Segundo tempo:

Logo com um minuto do segundo tempo, Souza voltou a ser um tormento para Neneca. O camisa 8, de cabeça, após cruzamento tirou o goleiro da jogada e a bola caprichosamente bateu na trave, para sorte de Neneca.

O Grêmio foi rápido e logo deu o troco. Após boa jogada de ataque, Tcheco foi a linha de fundo e quase ampliou para a equipe da casa.

O Santo André teve mais uma oportunidade. Aos sete minutos, Gustavo Nery chutou cruzado, Victor defendeu e zaga cortou.

Após cobrança de escanteio do Santo André, o Grêmio puxou bom contra-ataque. Herrea dominou, tocou para Jonas, que de frente para o gol, chutou sem força para a tranquila defesa de Neneca.

O árbitro Alício Pena Junior entendeu que houve um toque intencional de Nunes em Herrera e expulsou o camisa 9 do Santo André na metade do segundo tempo.

E o Grêmio se empolgou ainda mais com a expulsão de Nunes. Jadílson com extrema categoria fez ótimo cruzamento e Herrera quase ampliou para a equipe da casa.

E o Grêmio continuou como dono do jogo e criando as melhores oportunidades. Adílson, Herrera e Souza tiveram oportunidades de ampliar o marcador.

Souza continuou sendo a grande atração do jogo Aos 33 minutos, sofreu falta e cobrou na cabeça de Rafael Marques. que não teve dificuldades para fazer: 3 a 1 para o Grêmio.

O Grêmio continuou atacando e criando as melhores oportunidades. Aos 41 mais uma vez ele, Souza, quase ampliou em jogada individual.

O Santo André com um jogador a menos, ainda conseguiu diminuir aos 48 minutos da etapa final. Ricardo Goulart fez o segundo do Santo André. Nada que impedisse a vitória do Grêmio e prejudicasse a grande atuação de Souza. Placar final Grêmio 3 x 2 Santo André.

Na próxima rodada, Grêmio e São Paulo fazem o duelo de tricolores, no Morumbi. A partida está marcada para quinta feira, às 21h. O Santo André recebe o Corinthians no Bruno José Daniel. O duelo paulista será na próxima quarta feira, às 21h50.

FICHA TÉCNICA:

GRÊMIO 3 X 2 SANTO ANDRÉ

Estádio: Olímpico, Porto Alegre (RS)
Data/hora: 25/7/2009 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Alício Pena Junior (MG)
Auxiliares: Helberth Costa Andrade (MG) e Jair Albano Felix (MG)
Renda/Público: R$ 149.385,00/11.180 presentes

Gols: Antônio Flávio (19’/1ºT), Rafael Marques (42’/1ºT), Souza (45’/1ºT), Rafael Marques (33’/2ºT), Ricardo Goulart (48’/2ºT).

Cartões Amarelos: Ricardo Conceição, Elvis, Fernando, Gustavo Nery(STA); Souza, Mário Fernandes (GRÊ)

GRÊMIO: Victor, Mário Fernandes(Thiego 44’/2ºT), Léo, Rafael Marques e Jadílson; Adilson, Túlio, Souza e Tcheco (Joílson 18’/2ºT); Herrera e Jonas (Isael 25’/2ºT). Técnico: Paulo Autuori.

SANTO ANDRÉ: Neneca, Cicinho, Marcel, Cesinha e Gustavo Nery (Vinicíus Simon 23’/2ºT); Fernando, Ricardo Conceição, Marcelinho Carioca (Ricardo Goulart 23’/2ºT), Elvis (Pablo Escobar 37’/2ºT); Antônio Flávio e Nunes. Técnico: Sérgio Guedes.

julho 25, 2009 Posted by | Grêmio, Santo André | , , , , , , , , , | 1 Comentário

Em jogo eletrizante, Atlético-PR vence o Inter de virada

Colorado perde a liderança e Furacão se afasta da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro

Atlético e Inter eletrizante na Arena da Baixada, no Paraná (Crédito: Felipe Gabriel)

Atlético e Inter eletrizante na Arena da Baixada, no Paraná

LANCEPRESS!

Quem esteve na Arena da Baixada, neste domingo, viu a eletrizante vitória por 3 a 2, de virada, do Atlético-PR em cima do Internacional. Velocidade, disposição e muita qualidade dos dois lados. O placar faz o Inter perder a liderança. Já o Furacão se afasta da degola.

A partida foi de muita movimentação e marcação forte no meio-de-campo. Com tamanho equilíbrio, o gol do Internacional saiu de um lance de sorte. Nilmar arriscou da entrada da área, a bola desviou em Rhodolfo e enganou o goleiro.

E o gol não diminuiu a velocidade das equipes. Pela esquerda, Taison entrou na área, mas foi desarmado pela defesa. A resposta atleticana veio com Wallyson, que alçou bola pela direita e Paulo Baier, atrasado, perdeu ótima chance.

Em vantagem, o Inter abusou da bola esticada, já que Andrezinho foi bem marcado por Valencia. Os colorados viram o volante Guiñazú assumir a distribuição do jogo. Fechada, a equipe do técnico Tite se fechou no campo defensivo e buscou sair nos contra-ataques.

A partida não parou e a qualidade das equipes era visível. Em tarde inspirada, Marcinho, de letra, tocou para Paulo Baier, que parou no goleiro Lauro. Após ótima jogada de Wallyson pela direita, o próprio entrou na área, cruzou rasteiro para que Marcinho apenas desviasse para a rede.

Com muita disposição, Taison fez belo passe para Nilmar, mas o atacante chutou cruzado para a excelente defesa de Vinícius. A movimentação colorada diminui perto do intervalo. Mas o Atlético seguiu com disposição. Raul cruzou da direita, Wesley furou o arremate e Márcio Azevedo finalizou muito perto da trave direita.

A partida seguiu eletrizante na segunda etapa. Paulo Baier bateu falta pela esquerda, Chico desviou de cabeça e Lauro espalmou para fora da área. O Inter diminuiu a velocidade e ficou sem poder ofensivo na volta do intervalo.

Antes que o Colorado pudesse se reencontra, Bolívar empurrou Wallyson na área. Marcinho cobrou pênalti no canto esquerdo para a virada atleticana. Em sua melhor partida neste Brasileirão, o Atlético viu Marcinho cruzar para Wesley domingar na risca da área e finalizar no canto direito de Lauro para marcar o terceiro.

O Inter mudou três peças. Mas elas não foram suficientes para que o Colorado retomasse o bom futebol da primeira etapa. Alecsandro até diminuiu a vantagem após cobrança de falta de Andrezinho. Mas ficou assim: 3 a 2.

O Atlético dá esperanças aos torcedores de que a recuperação no campeonato é questão de tempo. Ótima partida e excelentes atuações de Marcinho, que teve chance de marcar o quarto nos acréscimos, mas o chute parou na trave, e Wesley.

FICHA TÉCNICA:
ATLÉTICO-PR 3 X 2 INTERNACIONAL

Local: Arena da Baixada, Curitiba (PR)
Data/Hora: 11/07/09 – 16h10 (de Brasília)
Árbitro: Sandro Meira Ricci (DF)
Auxiliares: Ênio Ferreira de Carvalho(DF) e Fábio Gonçalves (DF)
Renda/Público: R$ 352.640 – 16.747 pagantes
Cartões amarelos: Sorondo, Indio, Danilo Silva, Bolívar, Giuliano (INT); Raul, Nei (APR)
GOLS: Nilmar (9’/1T), Marcinho (31’/1T e 14’/2T), Wesley (25’/2T), Alecsandro (43’/2T)

ATLÉTICO-PR: Vinícius, Raul (Ney, 20’/2T), Rhodolfo, Rafael Santos e Márcio Azevedo; Valencia, Chico, Paulo Baier (Rafael Miranda, 31’/2T) e Marcinho; Wésley e Wallyson (Patrick, 21’/2T). Técnico: Waldemar Lemos.

INTERNACIONAL: Lauro, Bolívar (Danilo Silva, 29’/2T), Indio, Sorondo e Marcelo Cordeiro; Glaydson (Giuliano, 17’/2T), Guiñazú, Magrão e Andrezinho; Nilmar e Taison (Alecsandro, 21’/2T). Técnico: Tite.

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)

julho 12, 2009 Posted by | Atlético-PR, Internacional | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Verdão derrota Cruzeiro em noite de Keirrison

Artilheiro marca duas vezes no Palestra Itália e ganha moral para o jogo de contra o Nacional-URU

Keirrison teve boa atuação na vitória do Palmeiras sobre o Cruzeiro (Foto: Reginaldo Castro)

Keirrison teve boa atuação na vitória do Palmeiras sobre o Cruzeiro (Foto: Reginaldo Castro)

LANCEPRESS!

O Palmeiras derrotou o Cruzeiro por 3 a 1, de virada, na noite deste domingo, no Palestra Itália. O atacante Keirrison, que há tempos devia um bom futebol á torcida, foi o destaque do jogo, válido pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro. O resultado colocou a equipe na terceira colocação da competição.

O Palmeiras começou o jogo pressionando o adversário mineiro. Porém, quem abriu o placar foi o Cruzeiro, por meio de Bernardo, revelação da equipe. Aos 23 minutos, ele bateu falta com força. A bola desviou na barreira do Palmeiras e tirou o goleiro Marcos da jogada.

Antes do intervalo, o técnico Adílson Batista teve que mexer duas vezes no time por causa de problemas físicos. Gustavo e Sorín deram lugar a Leonardo Silva e Jonathan.

A partir daí, a tarefa ficou mais fácil para o Verdão. Aos 32, Cleiton Xavier lançou para Marcão, que cabeceou. A bola bateu no travessão e quicou no chão. O auxiliar não assinalou impedimento e deu o gol do Verdão. Porém, a bola não entrou totalmente De qualquer maneira, o jogo estava empatado.

Seis minutos depois, o artilheiro Keirrison marcou um golaço. Da entrada da área e entre três marcadores, ele acertou um voleio que entrou no ângulo esquerdo do goleiro Fábio, colocando o Palmeiras na frente do placar.

No segundo tempo, o desenho da partida mudou um pouco. O Verdão se continha um pouco mais e, ao tomar a bola, apostava na velocidade de Willians e Diego Souza, ambos caindo pelas pontas.

Em uma dessas jogadas, Wendell recebeu livre pela direita, e apenas rolou para Keirrison marcar seu segundo gol e definir a partida. Detalhe: a última vez que o K9 havia balançado a rede duas vezes na mesma partida tinha sido no distante dia 17 de março, na vitória de 2 a 0 sobre o Noroeste, ainda pela primeira fase do Campeonato Paulista.

A torcida do Palmeiras, que nos últimos jogos vinha vaiando seu camisa nove, rendeu-se aos gols do artilheiro e, ao vê-lo ser substituído por Ortigoza, gritou seu nome no Palestra.

As duas equipes voltarão a campo durante a semana, ambas em partidas decisivas pelas quartas-de-final da Copa Libertadores. Na quarta-feira, o Palmeiras irá até o Uruguai precisando da vitória sobre o Nacional para chegar ás semifinais. Caso empate por 1 a 1, a definição será nos pênalti. O time também poderá obter a vaga se chegar a uma igualdade por dois ou mais gols. Pela mesma competição, um dia depois, o Cruzeiro enfrentará o São Paulo, no Morumbi. Os mineiros precisam apenas de um empate, já que venceram o jogo de ida por 1 a 0, no Mineirão.

FICHA TÉCNICA:
PALMEIRAS 3 X 1 CRUZEIRO

Estádio: Palestra Itália, São Paulo (SP)
Data/hora: 14/06/2009 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS)
Auxiliares: Altemir Haussmann (Fifa-RS) e Roberto Braatz (Fifa-PR)Renda/público: R$ 356.776,24 / 11.214 pagantes

GOLS: Bernardo, 23’/1ºT (0-1), Marcão, 32’/1ºT (1-1), Keirrison, 38’/1ºT (2-1) e Keirrison, 13’/2ºT (3-1)

Cartões amarelos: Marcão e Mozart (PAL); Wanderley, Leonardo Silva e Henrique (CRU)

PALMEIRAS: Marcos; Maurício Ramos, Danilo e Marcão; Wendell, Pierre, Cleiton Xavier, Diego Souza (Mozart, 43’/2ºT) e Pablo Armero; Willians (Deyvid Sacconi, 15’/2ºT) e Keirrison (Ortigoza, 40’/2ºT). Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

CRUZEIRO: Fábio; Jancarlos, Léo Fortunato, Gustavo (Leonardo Silva, 29’/1ºT) e Sorín (Jonathan, 31’/1ºT); Henrique, Elicarlos, Marquinhos Paraná e Bernardo; Wanderley (Dudu, 21’/2ºT) e Wellington Paulista. Técnico: Adílson Menezes.

junho 14, 2009 Posted by | Cruzeiro, Palmeiras | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Barueri vence de virada e deixa o Avaí na lanterna do Brasileirão

Placar de 3 a 1 na Arena Barueri tira a equipe paulista da zona de rebaixamento. Time catarinense ainda não ganhou uma

Pedrão fez um dos gols da vitória do Barueri sobre o Avaí

Barueri e Avaí entraram em campo, neste domingo, na Arena Barueri, como os dois únicos times sem vitória no Campeonato Brasileiro. Após 90 minutos de futebol, só os catarinenses continuam com a sina. O placar de 3 a 1, de virada, tirou o Barueri da zona de rebaixamento – é o 15º colocado – e deixou o Avaí com a lanterna.

Na próxima rodada o Avaí receberá o Fluminense, sábado, em Florianópolis, enquanto o Barueri vai até Belo Horizonte enfrentar o Cruzeiro no domingo.

Gol no início

A rede balançou logo aos sete minutos de jogo. Marquinhos cobrou falta, mas a bola saiu sem direção. Só que Xandão e Renê trataram de ajudar o meio-campista do Avaí. O zagueiro, na tentativa de desviar, colocou novamente na rota do gol. E o goleiro também colaborou, ao não conseguir parar um lance que parecia fácil de ser evitado.

O time do Sul continuava melhor. Aos 31, Muriqui teve chance de ampliar, mas foi atrapalhado pelo árbitro Willian Marcelo Souza Nery. Após jogada de Michel e Luís Ricardo, pela direita, a bola foi rolada para o meio da área. Quando Muriqui se preparava para completar, o juiz passou na sua frente. Aí, quando tentou retomar o lance, perdeu o domínio.

O Barueri tinha dificuldade para sair jogando. Com os alas Éder e Márcio Careca apoiando pouco, a equipe da casa se via limitada a arriscar subidas pelo meio-de-campo. Aos 36 minutos, o Avaí teve um jogador expulso. Émerson derrubou Fernandinho na entrada da área e recebeu cartão vermelho. Depois de muita discussão, Ewerton bateu forte, mas a bola foi em cima de Eduardo Martini.

Com um a mais em campo, o Barueri tentou compensar a superioridade que era do Avaí. Apesar de ter mais posse de bola, o time paulista pouco criava. Isolado no ataque, Pedrão precisou sair da área para buscar jogo. Aos 46, o camisa 9 arriscou de longe, mas sem muito sucesso.

Barueri faz três gols no segundo tempo

Na volta do intervalo, com duas substituições, o Barueri continuou pressionando. Marcos Pimentel e João Vitor, que entraram nas vagas de Éder e Xandão, melhoraram o futebol do time de Estevam Soares. Silas, com um a menos, trocou Michel por Ânderson. Aos 9, Marcos Pimentel quase empatou, mas Eduardo Martini se esticou todo para defender.

Aos 17, porém, o goleiro do Avaí não segurou. João Vítor achou Ewerton livre dentro da área. Ele só teve o trabalho de dominar, girar e mirar para igualar o marcador.

O gol serviu para animar o Barueri. Após mais pressão, a virada veio aos 38. Fernandinho avançou pela ponta esquerda e cruzou. A zaga do Avaí se atrapalhou, e Pedrão completou para a rede. No minuto seguinte, Marcos Pimentel recebeu de Ewerton, invadiu a área e tocou sem chance para Eduardo Martini: 3 a 1. Vitória de bom tamanho.

junho 14, 2009 Posted by | Avaí, Grêmio Prudente | , , , , , , , , | Deixe um comentário

De virada, Brasil supera algoz Paraguai

Após sofrer gol de Cabañas, equipe de Dunga foi à frente e assumiu liderança das Eliminatórias

Kaká sofre marcação na partida contra o Paraguai (Foto: Reuters)

Kaká sofre marcação na partida contra o Paraguai (Foto: Reuters)

Caio Carrieri

De virada, o Brasil venceu o Paraguai nesta quarta-feira, por 2 a 1, no Arruda, em Recife, e assumiu o primeiro lugar isolado na disputa por uma vaga na Copa do Mundo de 2010, na África do Sul. De quebra, a equipe vingou-se da única equipe que a derrotou até aqui nesta edição – 2 a 0, em Assunção.

Como era esperado, a Seleção Brasileira tomou a iniciativa da partida e foi para cima do Paraguai, que começou o jogo com forte marcação no campo de defesa. Em menos de dois minutos de bola rolando, Robinho e Kaká já tinham feito o goleiro Villar trabalhar, mesmo que sem dificuldades.

Nilmar, que substituiu Luis Fabiano, expulso contra o Uruguai, bem que tentou tabelar com Kaká e Robinho, mas a falta de entrosamento ficou evidente na construção das jogadas, que tiveram origem em sua maioria nos longos lançamentos de Felipe Melo.

Apesar de o Brasil ter o domínio do duelo, foi o Paraguai quem chegou mais perto de marcar. Aos nove minutos, Riveros soltou uma bomba do bico da área, e a bola passou perto da meta verde-amarela.

Com a ineficiência do ataque canarinho, o selecionado paraguaio passou a ocupar o campo de ataque, e o arqueiro brasileiro voltou a trabalhar aos 22 minutos. Martínez recebeu de Cabañas e bateu para grande defesa de Julio Cesar.

Passados três minutos, Cabañas cobrou falta da intermediária, a bola desviou em Elano e enganou Julio Cesar. O último tento sofrido pelo Brasil havia sido em novembro de 2007, na vitória por 2 a 1 de virada em cima do Uruguai, no Morumbi.

Depois do baque, a equipe brasileira se mostrou desorganizada e Felipe Melo quase proporcionou lance perigoso ao adversário. O camisa 5 tentou inverter a jogada do lado esquerdo para o direito, mas Cabañas não dominou.

A cinco minutos do intervalo, Daniel Alves cruzou no segundo poste, e Robinho aproveitou falha de Véron para, de canhota, empatar o placar.

Logo na volta para a segunda metade, Nilmar virou o marcador e jogou uma ducha de água fria nos paraguaios. Aos quatro minutos, Felipe Melo deu belo lançamento para o atacante do Internacional, que tentou ajeitar de primeira para Robinho, mas a bola bateu em Victor Cáceres e o camisa 9 aproveitou para fazer seu primeiro gol nas Eliminatórias.

Com a vantagem, a amarelinha deu espaços para o Paraguai e passou a jogar nos contra-ataques puxados pela velocidade de Kaká.

Embora Daniel Alves, de falta, e Robinho, em chute de fora da área tenham assutado Villar, os comandados de Dunga não ampliaram e asseguraram o terceiro triunfo seguido na competição.

O próximo compromisso do Brasil será contra o Egito, na segunda-feira, pela estreia da Copa das Confederações, competição na qual o Brasil busca o bicampeonato.

FICHA TÉCNICA

BRASIL 2 X 1 PARAGUAI

Estádio: Arruda, Recife (PE)
Data/hora: 9/6/2009 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Óscar Ruiz (COL)
Auxiliares: Abraham González (COL) e Wilson Berrío (COL)

Cartões amarelos: Lucio, Felipe Melo e Ramires (BRA); Julio Cáceres e Victor Cáceres (PAR)

Público/renda: 55.252 pagantes/ R$ 4.322.555,00

GOLS: Cabañas, aos 25’/1ºT (0-1); Robinho, aos 40’/1ºT (1-1); Nilmar, aos 4’/2ºT (2-1)

BRASIL: Julio Cesar; Daniel Alves, Lucio, Juan, Kléber; Gilberto Silva, Felipe Melo, Elano (Ramires – 14’/2ºT), Kaká; Robinho (Kleberson – 39’/2ºT) e Nilmar (Pato – 29’/2ºT). Técnico: Dunga

PARAGUAI: Villar; Verón, Julio Cáceres, Da Silva, Caniza; Bonet (Benitez – 24’/2ºT), Ledesma (Aquino – 17’/2ºT), Victor Cáceres, Rivero; Martínez (López – 33’/2ºT) e Cabañas. Técnico: Gerardo Martino

junho 11, 2009 Posted by | ABC de Natal, America-RN, Atlético-MG, Atlético-PR, Avaí, Bahia, Botafogo, Ceará, Corinthians, Coritiba, CRB, Criciuma, Cruzeiro, Figueirense, Flamengo, Fluminense, Fortaleza, Futebol Sulamericano, Goiás, Grêmio, Internacional, Juventude, Náutico, Palmeiras, Paraná, Ponte Preta, Portuguesa, Santos, São Caetano, São Paulo, Seleção brasileira., Sport, Vasco da Gama, Vila Nova, Vitória | , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Santos aproveita a má atuação do Fluminense e goleia no Maracanã

Tricolor tem dois jogadores expulsos no segundo tempo. Madson e Neymar ajudam o time a construir o placar

Madson comemora o gol da virada santista sobre o Flu no Maracanã

O Santos não quis saber do abatimento do Fluminense por conta da eliminação na Copa do Brasil e, mesmo jogando no Maracanã, goleou por 4 a 1, de virada, com excelentes atuações de Madson e Kleber Pereira, na terceira rodada do Campeonato Brasileiro. O time tricolor fez uma de suas piores atuações na temporada e o técnico Carlos Alberto Parreira enfrentará problemas durante a semana.

Na próxima rodada, o Flu vai ao Recife enfrentar o Náutico, no domingo, às 16h, nos Aflitos, enquanto o Peixe terá o clássico contra o Corinthians, no mesmo horário, na Vila Belmiro.

Ouça os gols do jogo narrados por José Carlos Araújo

O primeiro tempo começou com o Fluminense perdido dentro de campo. O Santos dominou as primeiras ações da partida e sempre buscava o ataque pelo lado esquerdo, explorando a velocidade de Madson nas costas de Mariano. Mesmo pior em campo, o Tricolor chegou ao gol. Aos nove minutos, Conca chutou pelo lado esquerdo, a bola desviou na defesa e sobrou para Mariano, que bateu no canto direito de Fábio Costa e abriu o placar.

A vantagem fez bem ao Fluminense. No minuto seguinte, Dieguinho fez um ótimo lançamento para Fred, que matou a bola e chutou rasteiro, assustando o goleiro santista. Aos 11, novamente Fred finalizou e quase aumentou o placar. Depois dessa pressão tricolor, o nível técnico da partida caiu.

A torcida santista passou a cantar mais alto no Maracanã, que não recebeu um grande público, e o Santos cresceu em campo. Aos 29, Domingos cabeceou a bola depois de cobrança de falta, e Fernando Henrique salvou o time do empate. Mas, aos 37, não teve jeito. Mariano errou na saída de bola e, no contra-ataque, Madson sofreu falta na entrada da área. Molina cobrou à meia-altura, Roberto Brum se agachou e enganou Fernando Henrique: 1 a 1.

Flu desatento permite a virada

Na volta para o segundo tempo, um detalhe curioso. O atacante Fred trocou a camisa e vestiu uma da coleção passada, diferente da que os seus companheiros de time estavam usando. O Fluminense começou desligado ,e o Santos se aproveitou disso para marcar o segundo gol e virar o placar.

Aos seis minutos, Edcarlos cortou a bola de cabeça para a entrada da área. Roberto Brum matou e lançou para Madson. Ele teve a tranquilidade para driblar Fernando Henrique e chutar para o gol vazio. Mesmo depois de sofrer a virada, o Fluminense não conseguiu equilibrar o jogo. Parreira colocou Maurício e Alan, nas vagas de Marquinho e Maicon

E a situação ficou ainda pior aos 20 minutos. Dieguinho fez falta em Madson e, como era o último jogador da defesa, acabou recebendo o cartão vermelho. Com um a menos, o time tricolor se perdeu completamente em campo. O Santos dominou o Fluminense, e a goleada foi construída naturalmente.

Aos 39 minutos, o técnico Vagner Mancini colocou Neymar em campo. No seu primeiro toque na bola, ele encontrou Madson livre na ponta esquerda. O baixinho cruzou para área, e Kleber Pereira entrou de carrinho para marcar o terceiro. Depois do gol, a torcida do Fluminense começou a vaiar os jogadores e chamar o time de sem-vergonha.

O abatimento tomou conta do time de Parreira, e o quarto gol saiu dois minutos depois. Neymar chutou forte da entrada da área, e Fernando Henrique espalmou para o lado. Kleber Pereira ganhou na corrida da defesa e fez o quarto gol, fechando a goleada santista.

FICHA TÉCNICA:
FLUMINENSE 1 X 4 SANTOS

Estádio: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 24/5/2009 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS)
Auxiliares: José Antônio Chaves Franco (RS) e Júlio César Rodrigues Santos (RS)
Renda/público: R$ 164.071,50 / 11.953 pagantes e 13.274 presentes
Cartões amarelos: Luiz Alberto (FLU); Léo, Molina (SAN)
Cartões vermelhos: Dieguinho, 21’/2ºT, Eduardo Ratinho, 40’/2ºT (FLU)
GOLS: Mariano, 9’/1ºT (1-0); Molina, 37’/1ºT (1-1); Madson, 6’/2ºT (1-2); Kléber Pereira, 39’/2ºT (1-3); Kléber Pereira, 41’/2ºT (1-4)

FLUMINENSE: Fernando Henrique; Mariano (Eduardo Ratinho, 45’/1ºT), Edcarlos, Luiz Alberto e Dieguinho; Wellington Monteiro, Marquinho (Maurício, 9’/2ºT), Conca e Thiago Neves; Maicon (Alan, 9’/2ºT) e Fred. Técnico: Parreira.

SANTOS: Fábio Costa; Luizinho, Fabão, Domingos e Léo; Roberto Brum, Rodrigo Souto, Madson e Molina (Neymar, 38’/2ºT); Kléber Pereira e Paulo Henrique (Paulo Rodrigues, 30’/2ºT). Técnico: Vágner Mancini.

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)

maio 24, 2009 Posted by | Fluminense, Santos | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

De virada, Náutico bate o Furacão na Arena: 3 a 2

Anderson Lessa faz dois gols e garante a segunda vitória no Brasileirão

Wallyson marcou dois para o Furacão, mas Náutico conseguiu a virada no segundo tempo (Crédito: Felipe Gabriel)

Wallyson marcou dois para o Furacão, mas Náutico conseguiu a virada no segundo tempo

Numa grande partida e com a estrela do atacante Anderson Lessa, o Náutico bateu o Atlético Paranaense por 3 a 2, neste domingo à tarde, em plena Arena da Baixada. O Furacão chegou a fazer 2 a 0, mas na etapa final os pernambucanos chegaram à vitória com dois gols do jogador, que entrou no intervalo da partida.

Com o triunfo, o Náutico chega aos sete pontos, conquistando duas vitórias nas três partidas do Brasileirão. Já o Furacão sofre a sua segunda derrota em casa e tem apenas um ponto na Série A.

Furacão domina a primeira etapa; Anderson Lessa vira para o Náutico nos 45 minutos finais

Pressionado por ainda não ter vencido no Brasileirão, o Atlético Paranaense sabia que um novo tropeço jogando em casa poderia ser o início de uma crise na Baixada. Com a equipe no 4-4-2, o Furacão explorava bem as jogadas pelas laterais, principalmente com Márcio Azevedo e Wallyson.

O Náutico, como não poderia se diferente, jogava nos contra-ataques. E mesmo com um volume de jogo bem inferior, teve a primeira grande chance da partida. Rafael Santos foi desarmado na intermediária por Dinda. O meia-armador cruzou e Gilmar, sem goleiro, conseguiu chutar para fora.

Com o susto, o rubro-negro acordou. Márcio Azevedo lançou Wallyson na ponta esquerda, que, com categoria, aproveitou bobeada da zaga pernambucana e encobriu o goleiro Eduardo, aos 24. A partir desse lance o Náutico se perdeu em campo e começou a apelar com algumas faltas desleais. Nada que abalasse o Furacão. Wallyson, mais uma vez, saiu livre dentro da área e anotou aos 35.

Waldemar Lemos voltou para o segundo tempo com Anderson Lessa no lugar de Eduardo Eré. O Náutico melhorou e descontou logo aos dois minutos num belo gol do zagueiro Gladstone, que tocou com categoria, de fora da área, após uma saída ruim do goleiro Galatto. Preocupado, Geninho colocou em campo o zagueiro Gustavo, passando o rubro-negro para o 3-5-2.

Não deu tempo para saber se funcionaria. Assim como aconteceu contra o Goiás, o Náutico foi buscar a igualdade. Após cobrança de escanteio, Galatto, que já havia falhado no primeiro, soltou a bola na pequena área. Anderson Lessa não perdoou, empatando a partida aos 11, de cabeça.

A paciência da torcida foi para o espaço e com isso o Furacão passou a errar passes fáceis, não acertando mais nenhuma jogada. Tirando um chute no travessão de Rafael Moura, a equipe paranaense nada fez na etapa final. Já o Náutico explorava apenas os contra-ataques, esperando uma falha da zaga rubro-negra para chegar à virada.

E ela aconteceu. Carlinhos Bala, que jogou livre no meio-de-campo, puxou a marcação e deu belo passe para Anderson Lessa. O jogador, que mudou a história da partida, saiu cara a cara com o goleiro Galatto e com um simples toque deu números finais a partida, aos 37. Festa do Náutico que chega a sua segunda vitória em três partidas disputadas.

FICHA TÉCNICA:

ATLÉTICO-PR 2 X 3 NÁUTICO

Estádio: Arena da Baixada, Curitiba (PR)
Data/hora: 24/05/09 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
Assistentes: Cristhian Passos Sorence e Fabrício Vilarinho da Silva (GO)Cartões amarelos: Asprilla e Wellington (NAU)
Renda/Público: R$ 264.980 / 14.172 pagantes
Gols: Wallyson, 24’/1ºT (APR) – 1×0 e Wallyson, 35’/1ºT – 2×0 (APR), Gladstone, 2’/2ºT – 2×1 (NAU), Anderson Lessa, 11’/2ºT – 2×2 (NAU) e Anderson Lessa, 37’/2ºT – 2×3 (NAU)


ATLÉTICO-PR: Galatto, Raul, Rafael Santos, Antonio Carlos e Márcio Azevedo (Patrick, 30’/2ºT); Chico, Rafael Miranda, Marcinho (Gabriel Pimba, 19’/2ºT) e Wesley (Gustavo, 7’/2ºT); Wallyson e Rafael Moura. Técnico Geninho.

NÁUTICO: Eduardo; Gladstone (Negretti, 15’/2ºT), Vágner e Asprilla; Eduardo Eré (Anderson Lessa, intervalo), Derley, Johnny, Dinda e Wellington; Carlinhos Bala e Gilmar (Juliano, 35’/2ºT). Técnico: Waldemar Lemos.

maio 24, 2009 Posted by | Atlético-PR, Náutico | , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

De virada, mistão vascaíno bate o Tricolor em amistoso

Vitória por 3 a 2 aumenta a confiança para partida contra o Icasa

Ivo Gonzalez/O Globo Ivo Gonzalez/O Globo

Completamente desconfigurado, o mistão do Vasco teve de suar a camisa para vencer o Santa Cruz por 3 a 2, neste sábado, em partida realizada no Arruda. Marcio Barros abriu o placar para o Tricolor Pernambucano, enquanto Léo Lima e Gian alcançaram a virada, ainda no primeiro tempo. Na etapa final, Neto Maranhão empatou para o time da casa. Edgar, que entrou depois do intervalo, fez o gol da vitória do Vasco.

A história do amistoso no Arruda pode ser dividida em duas partes. Na primeira, o Vasco contou com apenas quatro titulares – Tiago, Ramon, Amaral e Rodrigo Pimpão, e foi para o intervalo vencendo por 2 a 1. Na segunda, Dorival Júnior fez sete alterações, colocou em campo o goleiro Fernando Prass e o lateral-esquerdo Bruno Gallo, que ainda não haviam jogado este ano. Mesmo assim, o time mostrou futebol suficiente para vencer o adversário da Série D.

Apesar do caráter amigável da partida, Santa Cruz e Vasco protagonizaram duelo aguerrido. O time da casa abriu o placar aos 21 minutos. Marcio Barros aproveitou falha da defesa para chutar: 1 a 0 Santa Cruz. O empate do Gigante da Colina aconteceu aos 39 minutos. Léo Lima deu lindo passe de calcanhar para Ramon, que cruzou em direção à área. A bola bateu na mão de Bilica e o árbitro assinalou pênalti. O volante, muito criticado pela torcida na partida contra o Icasa, quinta-feira passada, cobrou a penalidade com categoria: 1 a 1.

Perto do fim do primeiro tempo, o Cruzmaltino ainda conseguiu a virada. Aos 42 minutos, Gian subiu muito bem na área e marcou de cabeça: 2 a 1 Vasco.

No segundo tempo, o técnico Dorival Júnior abdicou de dar ritmo aos jogadores que atuarão em Juazeiro do Norte, na partida de volta das oitavas-de-final da Copa do Brasil. Bom para o Santa Cruz, que chegou a sonhar com a virada. Aos 13 minutos, Neto Maranhão cobrou falta e contou com as falhas da barreira e do goleiro Fernando Prass, totalmente fora de ritmo: 2 a 2.

A gentileza da defesa vascaina foi retribuída pouco tempo mais tarde. Bilica erra o passe bizonhamente e a bola sobra livre para Edgar. Aos 24 minutos, o atacante domina no peito e manda por cima do goleiro: 3 a 2 Vasco.

O Santa Cruz ainda pressionou, mas não conseguiu novo gol. Bom para o Vasco, que, se não conseguiu desempenhar grande futebol, pelo menos aumentou a confiança para o jogo decisivo contra o Icasa.


FICHA TÉCNICA:

SANTA CRUZ 2 X 3 VASCO

Estádio: Arruda, Recife (PE)
Data/hora: 2/5/2009 – 16h10min (de Brasília)
Árbitro: Gilberto Castro Júnior (PE)
Renda/público: Não disponíveis
Cartões amarelos: Leandro Camilo, Bilica (STC); Fágner, Alan Kardec, Paulinho, Milton Benítez, Léo Lima (VAS).
Cartões vermelhos: Leandro Camilo, 12′/2ºT (STC).

GOLS: Marcio Barros, 21′/1ºT (1-0); Léo Lima, 39′/1ºT (1-1); Gian, 42′/1ºT (1-2); Neto Maranhão, 13′/2ºT (2-2); Edgar, 24′/2ºT (2-3)

SANTA CRUZ: Gustavo, Parral, Leandro Camilo, Bilica (Vagner – 30′/2ºT) e Marcos Tamandaré (Adílson – 15′/2ºT); Anderson, Fabinho, Neto Maranhão e Leandro Gobatto (Pedro Henrique – 18′/2ºT); Marcio Barros e Roger (Gilberto – 36′/2ºT). Técnico: Marcio Bittencourt.

VASCO: Tiago (Fernando Prass – Intervalo), Fágner, Vilson, Gian e Ramon (Bruno Gallo – Intervalo); Amaral (Leonardo – Intervalo), Mateus (Paulinho – Intervalo), Enrico (Milton Benítez – Intervalo) e Léo Lima; Rodrigo Pimpão (Edgar – Intervalo) e Alan Kardec (Elton – 9′/2ºT). Técnico: Dorival Júnior.

maio 2, 2009 Posted by | Vasco da Gama | , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Dagoberto decide e Sampa é primeiro

Atacante marca duas vezes e vira o jogo no Morumbi. Tricolor garante a liderança do grupo 4

Dagoberto marcou os dois gols do Sampa no Morumbi (Crédito: Reginaldo Castro)

Dagoberto marcou os dois gols do Sampa no Morumbi (Crédito: Reginaldo Castro)

Longe de ser brilhante, mas mostrando vontade e disposição no segundo tempo, o São Paulo venceu, de virada, o América de Cali nesta quarta-feira, no Morumbi, por 2 a 1, e garantiu o primeiro lugar do grupo 4 da Copa Libertadores. Dagoberto fez os dois gols do Sampa e Parra descontou.

Errando muito, e longe de apresentar um futebol de hexacampeão, o Tricolor por pouco não perdeu a quarta partida seguida, fato que não ocorria desde 2002. Naquele ano, Palmeiras, São Caetano, Corinthians (Rio-São Paulo) e o Figueirense (Copa do Brasil) superaram o Tricolor seguidamente. Neste, duas derrotas para o Corinthians na semifinal do Paulistão e mais um tropeço para o Independiente de Medellín.

Mais uma vez apático e sem criatividade alguma, os comandados de Muricy começaram apresentando um mau futebol e, pior, sem garra e qualquer poder de reação.

Logo aos oito minutos do primeiro tempo, Parra, com liberdade, abriu o placar e silenciou o Morumbi. A partir daí, vieram as jogadas aéreas, o futebol previsível e os erros constantes, que tem marcado o São Paulo nos últimos jogos.

Dagoberto, mais uma vez escalado na direita, tentava criar, brigava, mas a inspiração era pouca. Assim como a da dupla de atacantes. Borges e Washington se revezaram na tarefa de perder gols. Inexplicável.

Difícil de explicar também a queda de produção de Hernanes, cada vez mais longe do futebol brilhante do ano passado. A defesa tricolor, tida como a melhor dos últimos anos no Brasil, voltou a jogar abaixo do rótulo que ganhou.

No segundo tempo, o São Paulo voltou com mais atitude, mas ainda com pouca inspiração. Empurrado pela torcida, o Tricolor chegou ao gol. Aos 12 minutos, Jean fez grande jogada e rolou para Dagoberto. O atacante tirou do goleiro e foi premiado pela garra demonstrada.

Nove minutos depois, Dagoberto usou novamente de sua determinação e conseguiu virar o jogo. A zaga recuou para o goleiro Meza, que tentou afastar. O goleiro, porém, vacilou e chutou em cima do atacante são-paulino, que acreditou na jogada. Virada no Morumbi, com gol de costas.

Depois disso, o São Paulo administrou e agora espera a definição dos grupos para saber o adversário das oitavas-de-finais da Libertadores. Ufa!

FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO 2 X 1 AMÉRICA DE CALI (COL)

ESTÁDIO: Morumbi, em São Paulo (SP)
DATA/HORÁRIO: 22/04/2009 às 21h50
ÁRBITRO: Carlos Torres (PAR)
AUXILIARES: Nicolas Yegros (PAR) e Oscar Viera (PAR)
Renda/público: R$ 472.815, 00 / 23.221 pagantes
Cartões amarelos: Lenny (PAL); Arango, Valdés (AME)
Cartões vermelhos:
GOLS: Parra 8’/1ºT (0-1); Dagoberto 12’/2ºT (1-1), Dagoberto 21’/2ºT (2-1)

SÃO PAULO: Bosco; Rodrigo (Aislan, 42’/2ºT), Renato Silva, Miranda e Júnior César; Jean, Hernanes, Jorge Wagner e Dagoberto; Borges (Hugo, 39’/2ºT) e Washington. Técnico: Muricy Ramalho.

AMÉRICA DE CALI: Meza, Ângulo, Valdés, Viáfara e Távima; Banguero, Chara, Arango (Casañas, 41’/2ºT), Alex Del Castillo e Restrepo (Otálvaro, 32/2ºT); Parra (Morelo, 38’/2ºT). Técnico: Alex Escobar

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)

abril 23, 2009 Posted by | São Paulo | , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Embalado e desgastado, Corinthians busca classificação contra o Misto-MS

Mano vai poupar jogadores para o Paulistão, mas sonha eliminar adversário logo no primeiro jogo da segunda fase da Copa do Brasil

Ampliar Foto Marcos Riboli/GLOBOESPORTE.COM Marcos Riboli/GLOBOESPORTE.COM

Mano Menezes prega respeito ao Misto

Depois da dramática vitória por 2 a 1, de virada, sobre o São Paulo, o Corinthians tenta esquecer momentaneamente a possibilidade de chegar à final do Campeonato Paulista. Sonhando em aproveitar o caminho mais curto para disputar a Taça Libertadores em seu centenário, o Timão enfrenta o Misto-MS, nesta quarta-feira, às 21h50m, no estádio Morenão, pela segunda fase da Copa do Brasil. A Rede Globo transmite a partida, e você acompanha também, em Tempo Real, no GLOBOESPORTE.COM.

Na estreia, o Alvinegro fez 2 a 0 sobre o Itumbiara, em Goiás, e eliminou a necessidade do segundo duelo, na capital paulista. A estratégia, aliás, é a mesma que o técnico Mano Menezes pretende colocar em prática diante dos sul-mato-grossenses. Sem o duelo da volta, marcado para o dia 23, no Pacaembu, o Timão ganharia uma semana a mais para trabalhar.

– Sabemos que uma vitória aqui nos dá uma tranqüilidade maior para treinar a equipe. Mas, primeiramente, temos que pensar em fazer o resultado positivo e depois tentar atingir a meta de anular a segunda partida. Não podemos inverter a ordem das coisas porque isso pode nos atrapalhar dentro de campo – explicou o comandante alvinegro.

Apesar da preocupação, o adversário do Timão não faz grande campanha no Estadual. O Misto é apenas o quinto colocado do Grupo B, com 23 pontos, 11 a menos do que o líder Itaporã. Mesmo assim, está classificado para a segunda fase (os cinco melhores avançam).

– Assisti três jogos do Misto. É uma equipe que possui dois meias rápidos e que se movimentam bastante. Com certeza, o time vai se posicionar atrás da linha da bola para marcar e vamos precisar de paciência e velocidade para criar situações aos nossos atacantes – acrescentou.

Ampliar Foto Carlos Augusto Ferrari/GLOBOESPORTE.COM Carlos Augusto Ferrari/GLOBOESPORTE.COM

Torcida do Timão comparece em grande número ao treino de terça-feira

Assim como acontece em boa parte dos jogos, o Corinthians terá maioria nas arquibancadas. Dos 29.170 ingressos colocados à disposição, mais de 20 mil haviam sido vendidos até terça-feira. Curiosamente, o Misto não deve levar muita torcida. O clube tem sede em Três Lagoas, cidade localizada a 337km de Campo Grande.

O vencedor deste confronto enfrentará Atlético-PR ou ABC-RN nas quartas-de-final. No primeiro jogo, em Natal, os times empataram por 2 a 2. Agora, o Furacão joga por uma simples igualdade sem gols para avançar.

Timão vai jogar modificado

Ampliar Foto Marcos Ribolli/GLOBOESPORTE.COM Marcos Ribolli/GLOBOESPORTE.COM

Souza fica com a vaga de Ronaldo

Por conta do clássico contra o São Paulo no próximo domingo, Mano Menezes vai poupar alguns titulares. O primeiro foi Ronaldo, que ficou na capital paulista descansando. Souza, muito criticado pela torcida e autor de apenas um gol desde que chegou ao Parque São Jorge, vai ocupar o lugar dele.

– O Ronaldo terá um substituto para a mesma função. Alguém que fique mais preso na área – revelou o treinador.

Outros jogadores que poderão ser poupados são o volante Elias e o atacante Dentinho. Mano, contudo, não confirmou as trocas. Os volantes Túlio e Fabinho podem entrar. Assim, a equipe voltaria a jogar no esquema 4-4-2 e abandonaria o 4-4-3. O capitão William é outro cotado a sair. Diego entraria.

– Vão jogar os atletas que tiverem em melhores condições físicas. E quase todo o grupo está – completou.

No Misto, o técnico Amarildo de Carvalho, ex-zagueiro do Palmeiras e do Porto-POR, vai manter a formação que vinha atuando pelo Estadual. As apostas são o meia Gustavo Bianchini e o atacante Hodirley.

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)
Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)
MISTO-MS CORINTHIANS
Alexandre, Giordan, Cléber, Raphael e Adriano; Itamar, Elton, Jean e Gustavo Bianchini; Rodrigo Goiano e Hodirley. Felipe, Alessandro, William (Diego), Chicão e André Santos; Cristian, Elias (Túlio), Fabinho (Morais) e Douglas; Jorge Henrique e Souza.
Técnico: Amarildo de Carvalho Técnico: Mano Menezes.
Estádio: Morenão. Data: 15/04/2009. Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa-RJ). Auxiliares: Marco Aurélio dos Santos Pessanha e Rodrigo Pereira Jóia (ambos RJ)
Transmissão: Rede Globo
Tempo Real: O GLOBOESPORTE.COM acompanha a partir de 21h50m (de Brasília).

abril 14, 2009 Posted by | Corinthians | , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Fred marca e Flu vence, de virada, o Bangu

Tricolor bate o Alvirrubro por 3 a 1 e mantém os 100% de aproveitamento

Fred comemora seu gol. O terceiro com a camisa do FluminenseFred comemora seu gol. O terceiro com a camisa do Fluminense (Crédito: Júlio César Guimarães)

Mais uma vez coube ao artilheiro Fred decidir o jogo para o Fluminense. Assim como fez em sua estreia, contra o Macaé, o jogador deixou o seu e foi decisivo para a vitória do Tricolor por 3 a 1 sobre o Bangu, no Engenhão. Maurício, Luiz Alberto e Bruno Luiz, para o Alvirrubro, marcaram os outros.

Veja os gols da vitória do Fluminense

O Fluminense iniciou o jogo tentando comandar as ações mas encontrava um Bangu bem postado e que oferecia poucos espaços. O Tricolor tinha dificuldades de penetração na defesa do time de Moça Bonita e Fred ficava muito isolado na frente.

Não demorou muito para a equipe das Laranjeiras começar a errar muitos passes e irritar a torcida. Com isso, o castigo acabou vindo “à cavalo”. Após tentar espanar uma bola, Maurício chutou em cima do adversário banguense e a bola sobrou para Tiano que, da linha de fundo, cruzou para Bruno Luiz abrir o placar para os visitantes.

Confira as melhores fotos da partida!

Após sofrer o gol, o Fluminense acordou e foi para cima. Mariano e João Paulo começaram a ser mais efetivos nas laterais e o Tricolor ganhou fôlego. No fim do primeiro tempo, Thiago Neves cobrou falta da direita com perfeição, na cabeça de Maurício, que empatou a partida.

O segundo tempo começou morno. As duas equipes passaram bastante tempo se estudando e o jogo não teve maiores emoções. Parreira então resolveu apostar em Maicon no lugar de Everton Santos e se deu bem. O jovem atacante fez bela jogada pela linha de fundo e Fred, com seu faro de artilheiro, somente escorou para o fundo das redes, fazendo a virada para o Tricolor.

No fim, ainda deu tempo do zagueiro Luiz Alberto deixar o dele após bate-e-rebate na zaga do Bangu. O 3 a 1 fez o Fluminense chegar aos 12 pontos e permanecer com 100% de aproveitamento na Taça Rio.

BANGU 1 X 3 FLUMINENSE

Estádio: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 21/03/2009 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: João Batista de Arruda (RJ)
Auxiliares: Jackson Lourenço Massarra dos Santos (RJ) e Fabio Torres de Souza (RJ)
Renda/público: R$ 191.239,50 / 11.284 pagantes
Cartões amarelos: Uilian, André Oliveira, Douglas Silva, Tiano (BAN); Jaílton, Marquinho (FLU)
Cartões vermelhos: Não houve.
GOLS: Bruno Luiz, 25’/1ºT (1-0); Maurício, 38’/1ºT (1-1); Fred, 29’/2ºT (1-2); Luiz Alberto, 38’/2ºT (1-3)

BANGU: Diogo, Uiliam, Abílio (Márcio Cleick, 21’/2ºT), Edinho e Rodrigo Melo; Marcão, Douglas Silva (Paulo Roberto, 26’/2ºT), André Oliveira e Tiano (Fábio Saci, 33’/2ºT); Somália e Bruno Luiz. Técnico: Mazolinha.

FLUMINENSE: Ricardo Berna, Mariano, Cássio, Luiz Alberto e João Paulo; Jaílton, Maurício (Marquinho, intervalo), Conca (Romeu,32’/2ºT) e Thiago Neves; Everton Santos (Maicon, 19’/2ºT) e Fred. Técnico: Parreira.

março 19, 2009 Posted by | Fluminense | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Fenômeno faz mais e Timão cola no líder

De virada, com direito a golaço e outro fenomenal, Corinthians vence com estádio lotado e empolgante

Corintianos comemoram gol no PacaembuCorintianos comemoram gol no Pacaembu

O Corinthians venceu de virada o São Caetano por 2 a 1, virada na noite de quarta-feira que foi fenomenal. Com outro gol de Ronaldo, o Timão conseguiu mais três pontos diante de um Pacaembu lotado e deslumbrado ao ver o Fenômeno mais uma vez em campo.

Não faltou disposição para as duas equipes no começo do jogo. Se já era previsível a vontade do Corinthians no estádio cheio e com Ronaldo de titular, a postura ofensiva do São Caetano foi sim uma surpresa. Com quatro jogadores bem avançados, não permitiu que o Timão se aventurasse no ataque em peso.

E o time visitante ainda levou mais perigo que o rival na primeira etapa, mas em quase todas as jogas o quarteto defensivo levou a melhor. Menos quando o zagueiro Marcelo Batatais se aventurou ao ataque e de cabeça abriu o placar para o Azulão.

Ronaldo quase marcou ao receber com espaço na área, mas bateu fraco e Luiz se posicionou bem para defender. Só que aos 35, André Santos acertou um daqueles chutes no ângulo que a Fiel está acostumada a ver, para empatar o placar.

O Corinthians voltou mais ofensivo no segundo tempo e ainda com Ronaldo. E o Fenômeno fez o seu mais uma vez. Ao recbeer cruzamento da direita, bateu de primeira no canto do goleiro e fez o segundo gol do Timão.

Ronaldo ainda fez outra boa jogada com Dentinho e saiu mais tarde para a entrada de Escudero, que assim que entrou, levou cartão amarelo. O susto no Timão foi a contusão de Elias, que saiu de campo na maca.

O Azulão também tentava levar perigo, mas esbarrava no Corinthians bem postado na defesa, que com a vantagem no placar, tratou de administrar os três pontos na noite chuvosa de São Paulo.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 2 X 1 SÃO CAETANO

Estádio: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 11/03/2009, às 21h50
Árbitro: Sálvio Spínola Fagundes Filho (SP)
Assistentes: Vicente Romano Neto (SP) e Giovani César Canzian (SP)
Renda/público: R$ 981.734,00 / 29.802 pagantes
Gols: Marcelo Batatais, 22’/1ºT (0-1), André Santos (35’/1ºT (1-1), Ronaldo, 6’/2ºT (2-1)
Cartões amarelos: William, Elias, André Santos e Escudero (Corinthians); Tobi, Everaldo, Luan e Aloísio (São Caetano)

CORINTHIANS: Felipe, Fabinho, Chicão, William e André Santos; Cristian, Elias (Túlio, 12’/2ºT), Boquita (Dentinho, intervalo) e Douglas; Jorge Henrique e Ronaldo (Escudero, 30’/2ºT). Técnico: Mano Menezes.

SÃO CAETANO: Luiz, Iran, Everaldo, Marcelo Batatais e Vando; Tobi (Aloísio, 35’/2ºT), Ademir Sopa, Vandinho e Marcinho (Cascata, 26’/2ºT); Luan e Tuta (Edinho, 30’/2ºT). Técnico: Osvaldo Alvarez

março 12, 2009 Posted by | Corinthians | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Atlético-MG vira para cima do Democrata e mantém a vice-liderança do Mineiro

Tardelli marca dois gols nos minutos finais e chega a dez no Estadual

Ampliar Foto Agência/Estado Agência/Estado

Éder Luís (à dir.) comemora o gol de empate do Galo em Governador Valadares

Foi sofrido, mas o Atlético-MG manteve a vice-liderança do Campeonato Mineiro. O time acabou com a invencibilidade do Democrata no Mamudão ao vencer por 3 a 1, de virada, neste domingo. Mais uma vez, foi a dupla Éder Luís e Diego Tardelli que garantiu os três pontos. O primeiro empatou o jogo, e o segundo marcou duas vezes, chegando a dez gols e disparando na artilharia.

O resultado levou o Galo a 17 pontos, dois a menos do que o líder Cruzeiro, que enfrenta o Tupi às 19h10m. O Democrata, com 13, caiu para a quarta colocação, ultrapassado pelo Ituiutaba.

Confira a classificação e a tabela de jogos do Mineiro

Na próxima rodada, o Atlético joga no sábado contra o Guarani, fora de casa, às 16h. No mesmo dia, mas às 11h, o Democrata encara o Uberaba, também fora de casa.

Ouça os gols da partida pela Rádio Globo

O Atlético foi para o intervalo com um empate por 1 a 1. E tem de agradecer por isso – aos jogadores do Democrata pela falta de pontaria, ao goleiro Juninho, que fez uma boa defesa, e ao árbitro Joel Tolentino Damata Júnior, que deixou de dar um pênalti claro aos donos da casa. Na segunda etapa, explorou o cansaço do adversário, tocou mais a bola e foi superior, virando o jogo.

Democrata encurrala o Galo

Com exceção dos minutos finais, em que o Galo enfim chegou ao ataque, o primeiro tempo foi de domínio do Democrata. Mais acostumado ao forte calor em Governador Valadares, o time impôs um ritmo forte no começo do jogo e envolveu os atleticanos, que abusaram das faltas.

As melhores chances aconteceram pelo lado esquerdo da defesa, onde Júnior sofreu com Allan, e pelo meio da zaga. As chances se sucediam. Hugo apenas raspou de cabeça na bola, na entrada da pequena área; Fabiano tabelou com Thiago Pereira e, cara a cara com Juninho, concluiu para fora; Allan deu chapéu em Welton Felipe, mas pegou mal na bola e chutou para longe.

O árbitro parou o jogo por três minutos, aos 26, para dar um descanso aos jogadores. Não foi o suficiente para o Atlético se organizar. Aos 31, aconteceu o lance mais incrível do primeiro tempo: Allan driblou Welton Felipe – mais uma vez – e sofreu falta grotesca. O árbitro ignorou. Três minutos depois, o mesmo Allan fez 1 a 0 ao desviar de cabeça uma cobrança de escanteio, acabando com uma invencibilidade de três partidas do goleiro Juninho.

A situação estava tão complicada para os visitantes, que até o habilidoso Diego Tardelli pisou na bola e foi ao chão, ao tentar um drible. Nos minutos finais, entretanto, o Atlético acordou e chegou ao empate na primeira bola ao gol. Foi preciso que os três atacantes concluíssem.

Após jogada pela esquerda de Carlos Alberto, Diego Tardelli chutou em cima da zaga, Kléber bateu na trave e Éder Luís não perdoou, mandando para a rede. Aos 48, Éder Luís poderia ter virado o jogo, mas, sozinho na área, cabeceou para fora.

Atlético se impõe na segunda etapa

Para o segundo tempo, Emerson Leão trocou o atacante Kléber, que mais uma teve atuação apagada, por Chiquinho, repetindo a alteração que havia feito contra o Uberlândia. Logo no primeiro minuto, o Atlético teve boa chance, mas Tardelli bateu mal na bola, permitindo a defesa de Alex.

Aos dez, o Democrata também teve uma boa oportunidade. Thiago Pereira recebeu cruzamento da esquerda, mas concluiu de canela. E a partir daí o time da casa parou de assustar o goleiro Juninho. O Atlético passou a tocar mais a bola, controlando a partida. O Democrata, cansado, já não marcava em cima.

Percebendo o melhor momento do Galo, Emerson Leão tornou o time mais ofensivo ao colocar Pedro Paulo no lugar de Márcio Araújo. Aos 30 minutos, Júnior levou perigo com um chute de fora da área.

O Atlético chegou à virada aos 38 minutos. Éder Luís chutou mal, dentro da área, e a bola sobrou para o oportunista Tardelli concluir. Nos acréscimos, aos 48, novamente o atacante balançou a rede, aproveitando cruzamento de Carlos Alberto, um dos destaques da partida.

Ficha técnica:

DEMOCRATA 1 x 3 ATLÉTICO-MG
Alex, Geilson, Riso, Weldes (Fernando) e Fabiano; Leandro Leite, Zé Maria, Sandro Manoel e Hugo; Thiago Pereira (Márcio) e Allan (Saulo). Juninho, Marcos Rocha (Werley), Leandro Almeida, Welton Felipe e Júnior; Renan, Márcio Araújo (Pedro Paulo), Carlos Alberto e Éder Luís; Kléber (Chiquinho) e Diego Tardelli.
Técnico: Moacir Júnior. Técnico: Emerson Leão.
Gols: Alan, aos 34, e Éder Luís, aos 40 minutos do primeiro tempo; Diego Tardelli, aos 38 e aos 48 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Leandro Leite, Sandro Manoel (Democrata); Diego Tardelli, Welton Felipe (Atlético).
Estádio: Mamudão. Data: 08/03/2009. Árbitro: Joel Tolentino Damata Júnior. Auxiliares: Guilherme Dias Camilo e Jair Albano Féli

março 8, 2009 Posted by | Atlético-MG | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Kléber Pereira faz dois, Peixe vira em cima do Rio Branco, mas não elimina volta

Na estreia de Vagner Mancini, time perde muitas chances, mas vence a partida. Na volta, Alvinegro pode até perder por 1 a 0

No embalo de Kléber Pereira, o Santos venceu o Rio Branco, do Acre, por 2 a 1, de virada, nesta quarta-feira à noite, em Rio Branco, pela primeira rodada da Copa do Brasil.Foi a estreia do técnico Vagner Mancini, que assumiu o comando do Alvinegro após a saída de Márcio Fernandes. O Peixe saiu atrás, jogou com um a mais desde os 11 minutos do segundo tempo, pressionou muito, e teve chances para golear e eliminar o jogo de volta. Mas abusou das chances perdidas.  O jogo de volta será disputado no dia 18 de março, na Vila Belmiro. O Peixe pode até perder na volta por 1 a 0 que, ainda assim, avança.

Rio Branco assusta

Empolgado, o Rio Branco partiu para cima do Santos logo que o árbitro apitou o início da partida. Tanto que não deu tempo nem para o adversário se assentar em campo. Logo aos cinco minutos, Ananias acertou uma bomba da entrada da área. Douglas não conseguiu segurar. No rebote, Juliano César ganhou a dividida de Paulo Henrique e cabeçeou para o gol, abrindo o placar.

O Santos conseguiu se recuperar do susto e passou a tocar a bola, chamando o adversário e se lançando em rápidos contra-ataques. A estratégia era perigosa, pois o Estrelão chegou a sufocar a equipe santista e quase chegou ao segundo. No entanto, o Alvinegro conseguiu segurar a pressão e empatar a partida. Aos 19, Pará fez boa partida pela direita e cruzou para Kléber Pereira, que emendou de primeira e tirou a bola do alcance de Acosta.

O Rio Branco não conseguiu manter o ritmo forte até o fim e o Peixe passou a jogar melhor, tentando até chances para virar a partida, como quando Róbson, aos 41, Robson desce em velocidade e ajeita para Madson chutar forte. Acosta defendeu.

Peixe pressiona, e consegue a virada

O Santos começou melhor no segundo tempo, dominando a posse de bola e se aproveitando dos erros de passe do adversário.  Com a pressão santista, o Rio Branco ficou acuado, apenas fazendo faltas. Tanto que Bruno acabou expulso aos 11 minutos. Ele já tinha cartão amarelo e acabou acertando o lateral-esquerdo santsita Triguinho.

Curiosamente, quando passou a ter um jogador a mais, o Peixe tirou o pé e o Estrelão chegou até a ameaçar, mas sem conseguir acertar o alvo. Aos poucos, porém, o Alvinegro foi se acertando novamente e rondando a área do Rio Branco. Molina e Wesley, que entraram nos lugares de Róbson e Bolaños, respectivamente, fizeram o Peixe crescer e criar muitas chances. Os chutes vinham de todo o lado. Ora, Kléber Pereira, ora Molina, ora Madson. Faltava, no entanto, acertar o gol.

O técnico do Rio Branco, por outro lado, estava satisfeito com o empate. Tanto que tirou os dois melhores jogadores do time para reforçar a marcação. Tirou Juliano César, autor do gol, e Testinha. Foi muito vaiado pelos torcedores. Todo fechado, o Estrelão limitou-se a ficar preso atrás, tentando segurar a pressão santista.

O bloqueio da equipe acreana caiu aos 41, quando Kléber Pereira recebeu de Molina e virou a partida.

Ficha técnica:

RIO BRANCO-AC 1 x 2 SANTOS
Acosta, Bruno, Rodrigão, Fábio Silva e Ananias (Esquerdinha); Zé Marcos, Nilton Melgar, Nenem e Ismael; Testinha (Jajá), Juliano César (Pery). Douglas, Pará, Fabão, Paulo Henrique e Triguinho (Paulinho Henrique Lima); Roberto Brum, Rodrigo Souto, Róbson (Molina) e Madson; Bolaños (Wesley) e Kléber Pereira.
Técnico: Ulisses Torres. Técnico: Vagner Mancini.
Gols: Juliano César, 5, e Kléber Pereira, aos 19 do primeiro e aos 41 do segundo tempo
Cartões amarelos: Triguinho, Roberto Brum, Rodrigão (Santos), Bruno, Nilton Melgar (Rio Branco). Cartão vermelho: Bruno (Rio Branco).
Estádio: Arena da Floresta, em Rio Branco (AC). Data: 18/02/2009. Árbitro: Arnoldo Vasconcelos Figarela (RO). Auxiliares: Márcia Bezerra Lopes Caetano (Fifa /RO) e Wilson Gonçalves de Aquino (RO).

fevereiro 19, 2009 Posted by | Santos | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

De virada, Vasco derrota o Resende e já é líder do grupo

Com gols de Nilton, Tiago e Pimpão, time de Dorival Júnior faz 3 a 1 em ótimo segundo tempo

Jogadores comemoram com o goleiro Tiago o segundo do Vasco, o gol da vitóriaJogadores comemoram com o goleiro Tiago o segundo do Vasco, o gol da vitória (Crédito: Paulo Sérgio)

Na noite em que Bruno marcou de falta para o Flamengo, o goleiro Tiago não quis ficar para trás e, de pênalti, fez o gol da virada do Vasco sobre o Resende, na noite desta quarta-feira, em Volta Redonda. Após um início irregular, o time de Dorival Júnior soube ter calma e fez 3 a 1 em ótima atuação no segundo tempo.

Agora, o Clube da Colina tem nove pontos e assumiu a liderança do Grupo A. Já o adversário estacionou nos quatro e caiu para sexto lugar.

Longe de casa, o Vasco deu a impressão de que, com um ritmo intenso, além de um time mais qualificado tecnicamente, faria valer a condição de vice-líder do grupo A. Porém, aos poucos, aproveitando-se de uma marcação cerrada, o Resende inibiu as melhores jogadas cruzmaltinas e tomou conta do jogo.

O efeito da pressão não demorou muito a ser visto. Ao contar com a sorte, o zagueiro Leandro bateu falta de longe, a bola desviou na barreira, enganou Tiago e morreu no ângulo direito. A desvantagem, no entanto, não fez a equipe de Dorival Júnior acender no jogo. Com Pimpão mais isolado do que nunca, Fernandinho e Jéferson sofriam para dar continuidade às tramas.

Tanto que, aos 26, no rebote de um cruzamento, Taercio acertou a trave vascaína, do bico direito da grande área. A apatia cruzmaltina só teve fim quando o Resdende recuou para esperar o adversário sair jogando. Com um pouco mais de espaço, o Vasco começou a explorar as laterais com frequência, cujas insistências, depois, deram resultado.

Paulo Sérgio, após alguns cruzamentos errados, desta vez acertou e achou o volante Nilton, que, livre, cabeceou no meio do gol e marcou seu terceiro na competição, tornando-se o artilheiro do Carioca. O empate acalmou o time, que quase virou nos acréscimos.

Da mesma maneira que terminou o primeiro, o Vasco começou o segundo tempo. Mais ágil e aproveitando-se da formação muito defensiva do time do técnico Roy, logo criou boas chances, como a que Rodrigo Pimpão completou na trave passe de Paulo Sérgio.

À essa altura, o Resende não representava mais qualquer perigo e limitava-se a rebater as investidas de Ramon, Alex Teixeira & cia. A satisfação com o empate era tão grande que, mesmo com o mando de campo, as substituições foram sobretudo defensivas.

O poderio ofensivo do Vasco era tamanho que até Tiago se aventurou ao ataque e tentou cobrar uma falta. Se não deu na primeira, de mais perto, o goleiro acertou. Em pênalti mal marcado sofrido por Pimpão, ele virou o jogo em Volta Redonda.

A partir daí, foi um show de oportunidades perdidss do time de Dorival Júnior. Faioli e Élton – que entraram no decorrer da partida – e Alex Teixeira quase marcaram. Antes que o Resende pudesse reagir, no entanto, Pimpão surgiu entre os zagueiros para concluir boa bola de Faioli.

O terceiro gol, aos 32, encerrou a disputa, que já não era mais tão justa, uma vez que o time do Sul Fluminense recebera dois cartões vermelhos – para Naílton e Breno. A luta do Resende, então, foi somente para não sofrer uma goleada, que, com méritos, conseguiu evitar.

Na próxima rodada, a equipe de Antônio Carlos Roy recebe o Duque de Caxias em casa, domingo. Já o Vasco faz o primeiro clássico da temporada, contra o Fluminense, no mesmo dia, no Maracanã.
FICHA TÉCNICA:
RESENDE 1 X 3 VASCO

Estádio: Raulino de Oliveira, Volta Redonda (RJ)
Data/hora: 4/2/2009 – 22h (de Brasília)
Árbitro: Felipe Gomes da Silva (RJ)
Auxiliares: Eduardo de Souza Couto (RJ) e Flavio Manoel da Silva (RJ)
Renda/público: R$ 67.470,00 / 4.786 pagantes (5.522 presentes)
Cartões amarelos: Fábio Azevedo, Sousa, Breno, Naílton e Leandro (RES); Amaral, Jéferson e Titi (VAS)
Cartões vermelhos: Breno, 27’/2ºT e Naílton, 34’/2ºT
GOLS: Leandro, 18’/1ºT (1-0), Nilton, 42’/1ºT (1-1), Tiago, 25’/2ºT (1-2) e Pimpão, 32’/2ºT (1-3)

RESENDE: Cleber, Leandro, Nailton e Breno; Taercio, Marcio Gomes, Fred (Roberto, 34’/2ºT), Fabio Azevedo (Sousa, 42’/1ºT), Léo (Vinícius, 19’/2ºT) e Felipinho; Bruno Meneghel – Técnico: Antônio Carlos Roy.

VASCO: Tiago, Paulo Sérgio, Fernando, Titi e Ramon; Amaral, Nilton, Jéferson (Faioli, 18’/2ºT) e Fernandinho (Élton, intervalo); Alex Teixeira (Fernando Galhardo, 35’/2ºT) e Rodrigo Pimpão – Técnico: Dorival Júnior.

fevereiro 5, 2009 Posted by | Vasco da Gama | , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

De virada, Juventude derrota Santo André

Gáuchos estão próximos do G4. Ramalhão permaneceu no grupo

O Juventude derrotou o Santo André por 2 a 1, de virada, nesta terça-feira,
no Estádio Alfredo Jaconi, pela 33 rodada da Série B. O time gaúcho chegou aos 52 pontos, no quinto lugar, e ficou próximo do G4. Já o Ramalhão permaneceu com 55, na quarta posição.

A partida começou agitada e, antes dos 15 minutos, as redes já haviam balançado duas vezes. E foi o time visitante que saiu na frente. Elton fez boa jogada e tocou na saída do goleiro Michel Alves, abrindo o placar.

O Juventude não se impressionou com a vontade do Santo André e foi ao ataque. Após jogada confusa na área, a bola sobrou para Ivo, que empatou o jogo. Após o gol, o jogo esfriou e as equipes passaram a se arriscar cada vez menos.

Deste forma, o primeiro tempo terminou empatado e com a torcida da casa cobrando seu time por uma apresentação mais vigorosa.

No reinício, o Juventude resolveu atender o pedido de seus torcedores e foi logo ao ataque. E a conseqüência da mudança de postura foi a marcação do gol da virada. Mendes, após um belo voleio, colocou os gaúchos em vantagem no placar.

O gol animou os donos da casa e a partida ficou mais movimentada. O Juventude manteve o seu ímpeto e quase ampliou o placar em duas oportunidades. Na primeira, Egídio acertou um chute no travessão, assustando o goleiro Neneca. Na segunda, o atacante Maycon desperdiçou na área, chutando para fora.

Aos poucos, a equipe gaúcha se retraiu e acabou segurando o resultado que garantiu o o triunfo sobre os paulistas.
FICHA TÉCNICA

JUVENTUDE 2 X 1 SANTO ANDRÉ

Local: Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul (RS)
Data/hora: 28/10/2008, às 20h30min (de Brasília)
Árbitro: Evandro Rogério Roman (Fifa-PR)
Auxiliares: Gilson Bento Coutinho (PR) e Moisés Aparecido de Souza (PR)
Gols: Elton, 5’/1ºT (0-1); Ivo, 11’/1ºT (1-1); Mendes, 6’/2ºT (2-1)
Cartões: Murilo, Egídio (JUV); Jéferson, Jaílson, Fernando, Maycon (STA) Vermelho: Tata, 38’/2ºT

JUVENTUDE: Michel Alves; Luiz Felipe, Juan Pérez, Dirley e Murilo; Walker, Lauro, Marcelo Costa e Egídio (Maycon, 23’/2ºT); Ivo (Alan, 23’/2ºT) e Mendes (Luís, 38’/2ºT). Técnico: Ivo Wortmann

SANTO ANDRÉ: Neneca; Cicinho (Alexandre, 27’/2ºT), Cesinha, Marcel e Jaílson; Fernando, Willians, Jéferson (Osny, 20’/2ºT) e Marcelinho Carioca; Elton (Tata, 38’/2ºT) e Márcio Mixirica. Técnico: Sérgio Soares

outubro 28, 2008 Posted by | Juventude | , , , , | Deixe um comentário

São Paulo vence Vitória e agora ‘seca’ rivais

De virada, Tricolor consegue bater time baiano debaixo de tempestade. É hora de secar Palmeiras e Cruzeiro

Se o São Paulo fosse líder do Brasileirão, dificilmente perderia o título. Jogando sem brilho, mas com autoridade, o Tricolor bateu o Vitória por 2 a 1 de virada, no Morumbi, e alcançou a vice-liderança do campeonato pela primeira vez. Nesta quinta-feira, o time ainda completou 11 jogos sem perder. O problema é ter de secar três adversários que estão acima na tabela…

O Grêmio, atual líder, também fez sua parte e venceu o Sport. Mas o Sampa é vice-líder com 56 pontos, três a menos do que o time gaúcho. A tarefa para o fim-de-semana é secar Palmeiras e Cruzeiro. Derrotas de ambos, para Fluminense e Atlético-PR, respectivamente, mantêm o São Paulo na segunda posição.

O time de Muricy Ramalho já começou pressionando, como era esperado. O técnico optou por escalar André Lima no ataque, que tem função parecida com a do suspenso Borges. Na primeira oportunidade, Dagoberto recebeu sozinho um passe de Miranda e chutou cruzado, à direita de Viáfara.

O gol parecia questão de tempo. O Vitória, assim como a maioria dos adversários que atuam no Morumbi, retraiu-se na marcação e apostou em bolas aéreas.

Assim surgiu o primeiro gol dos baianos. Após cobrança de escanteio de Marquinhos, Leonardo Silva subiu sozinho na pequena área e completou de cabeça. Falha incomum da zaga são-paulina. Coincidência ou não, uma tempestade tomou conta da região do Morumbi logo após o lance.

A chuva, porém, beneficiou o São Paulo. Esperto, o Tricolor passou a arriscar chutes de longe para surpreender o goleiro Viáfara, que não passa muita segurança à sua defesa. Dagoberto e Rodrigo tentaram de longa distância, sem sucesso. Já Hernanes foi certeiro. Em cobrança de falta, o camisa 15 bateu colocado, a bola passou no meio da barreira, quicou no gramado e morreu no canto direito do gol do Vitória.

O time baiano perdeu o fôlego e passou a jogar pelo empate. A tática, no segundo tempo, foi por água abaixo já no começo. Jorge Wagner cobrou falta, a linha de impedimento foi mal feita e Hugo entrou sozinho para completar e decidir.

O meia, que já tem 11 gols no Brasileirão, comemorou no símbolo do clube à beira do gramado e selou de vez a paz entre time e torcida. Mesmo com o excesso de gols perdidos e os vacilos da defesa no final.

Na próxima rodada, o São Paulo enfrentará o Botafogo, na quarta-feira, às 21h50, no Engenhão. Na mesma data e horário, o Vitória receberá o Flamengo, no Barradão.

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO 2 X 1 VITÓRIA

Estádio: Morumbi, São Paulo (SP)
Data/hora: 23/10/2008 – 20h30 (de Brasília)
Árbitro: Héber Roberto Lopes (Fifa-PR)
Auxiliares: Aparecido Donizetti Santana (PR) e José Carlos Dias Passos (PR)
Renda/público: R$ 320.795,00 e 17.173 pagantes
Cartões amarelos: Zé Luis, Richarlyson, Jean (SAO); Marcelo Cordeiro, Vanderson (VIT)
Cartões vermelhos: Não houve
Gols: Leonardo Silva, 14’/1T (0-1); Hernanes, 29’/1T (1-1); Hugo, 8’/2T (2-1)

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Rodrigo, Miranda e André Dias; Zé Luis, Jean, Hernanes Hugo e Jorge Wagner; Dagoberto e André Lima (Richarlyson, 17’/2T). Técnico: Muricy Ramalho

VITÓRIA: Viáfara, Marco Aurélio, Anderson Martins, Leonardo Silva e Marcelo Cordeiro; Wallace, Vanderson, Marco Antônio (Ramón, 17’/2T) e Jackson (Willians, 22’/2T); Marquinhos e Rodrigão. Técnico: Vágner Mancini.

outubro 23, 2008 Posted by | São Paulo, Vitória | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário