Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Presente de grego! No aniversário de Ceni, São Paulo perde para a Ponte


No dia em que o maior ídolo fez 38 anos, Tricolor tem atuação muito ruim e acaba batido por 1 a 0 pela Macaca, nesta noite de sábado, no Morumbi

Rogério Ceni não terá muita coisa para comemorar no dia em que completou 38 anos. Pelo menos, dentro de campo. Com uma péssima atuação, o São Paulo “presenteou” seu maior ídolo na atualidade com uma derrota por 1 a 0 para a Ponte Preta, neste sábado à noite, no Morumbi, e perdeu os 100% de aproveitamento no Campeonato Paulista. Foram os primeiros pontos somados pela Macaca na competição.
O resultado impede que o São Paulo assuma a liderança isolada e expõe os defeitos da equipe, principalmente para a disputa da Copa do Brasil: ataque frágil sem a presença de um centroavante e defesa e meio de campo sem qualquer sintonia. O Tricolor segue com seis pontos, mas deve cair na tabela após os jogos deste domingo. Na quarta-feira, a equipe visita o Americana, às 22h, no estádio Décio Vitta.
A boa notícia da noite foi a confirmação do acerto dos salários e tempo de contrato com o pentacampeão Rivaldo. O São Paulo espera agora que ele resolva o processo que move contra o Bunyodkor, do Uzbequistão, por causa de salários atrasados. O jogador precisa também se afastar do cargo de presidente do Mogi Mirim. Só depois disso será apresentado oficialmente pela direção tricolor.

Aniversariante, Rogério Ceni recebe carinho dos pequenos tricolores (Foto: Wagner Carmo / VIPCOMM)
A Ponte Preta volta para a Campinas com três pontos e uma situação mais cômoda depois de perder nas duas primeiras rodadas.O clube alvinegro está agora em 13º lugar. Na próxima rodada, a Macaca tem outro time da capital pela frente: pega a Portuguesa, também quarta-feira, às 19h30m, no Canindé.

Acorda, São Paulo!
A forte chuva que caiu sobre São Paulo pouco antes da partida fez emperrar a engrenagem montada por Paulo César Carpegiani. Apesar de ter jogadores de velocidade, como Marlos, Fernandinho e Dagoberto, o Tricolor começou o jogo sonolento e com pouca movimentação para explorar a fragilidade da Macaca.

Dagoberto finaliza em primeiro tempo ruim do São Paulo contra a Ponte (Foto: Wagner Carmo / VIPCOMM)
Quando se mexeu, o São Paulo não teve problemas para passar pela defesa rival. Aos seis minutos, Fernandinho parou na perna esquerda do goleiro Bruno depois de girar sobre a marcação na área em passe de Dagoberto. A Ponte também levou perigo nos espaços dados pelos donos da casa, mas pecou nas finalizações com Márcio Diogo, Ricardo Jesus e Renatinho.
Nem mesmo os berros do técnico e a maior liberdade aos laterais fez o Tricolor melhorar. Dagoberto, aos 15, teve boa oportunidade ao pegar de primeira e Bruno pegar. O clube de Campinas não deixou por menos nos contra-ataques. Aos 24, Ricardo Jesus quase marcou chutando rente à trave esquerda do aniversariante da noite.
O São Paulo teve uma leve melhora quando concentrou o jogo pela parte esquerdo ataque. Aberto pela ponta, Fernandinho teve a ajuda de Juan e o gol por pouco não saiu aos 26. O atacante brigou pela bola na entrada da área, o lateral apareceu de frente para o gol, mas carimbou o goleiro, para desespero do companheiro que aparecia livre.
Carpegiani arrisca, mas Ponte marca e vence
A esperança da torcida em ver a equipe melhorar no segundo tempo acabou logo nos primeiros minutos. O time continuou apagado no campo de ataque e dando ainda mais espaços para a Ponte assustar. Rogério Ceni, aos três, fez ótima defesa em chute forte de Renatinho. Dois mais tarde, Mancuso disparou um canhão de fora da área e raspando a trave direita.
Irritado com a atuação da equipe, o técnico Paulo César Carpegiani apostou em duas trocas. Fernandão entrou no lugar de Cleber Santana e Xandão na vaga de Carlinhos Paraíba para aumentar o poder ofensivo na área e dar mais liberdade aos laterais com a colocação de um terceiro zagueiro.

As alterações, contudo, nada modificaram a forma do São Paulo atuar. A equipe continuou errando em demasia no campo ofensivo. Fernandão, mesmo mais centralizado, pouco foi acionado. Marlos, Fernandinho e Dagoberto tentaram, mas nada acrescentaram diante da boa marcação feita pelos campineiros.
Mas o pior ainda estava por vir. Sempre perigosa nos contra-ataques, a Ponte Preta, enfim, aproveitou, aos 30 minutos. Renatinho fez boa jogada pela direita e chutou forte. Rogério Ceni espalmou para cima e Tiago Luis apareceu livre para desviar de cabeça e colocar a Macaca em vantagem no placar.
Atrás no placar, o São Paulo partiu para o desespero, mas nada conseguiu fazer. No abafa, Fernandinho procurou jogar aberto, mas ninguém conseguiu levar vantagem diante dos zagueiros alvinegros. Que presente para Rogério Ceni!
SÃO PAULO 0 X 1 PONTE PRETA
Rogério Ceni, Jean, Alex Silva, Miranda e Juan; Rodrigo Souto, Carlinhos Paraíba (Xandão), Cleber Santana (Fernandão) e Marlos (Marcelinho Paraíba); Fernandinho e Dagoberto.
Bruno, Guilherme, Leandro Silva, Ferron e João Paulo; Gil, Josimar, Mancuso (Gerson) e Renatinho (Xaves); Márcio Diogo (Tiago Luis) e Ricardo Jesus.
Técnico: Paulo César Carpegiani. Técnico: Gilson Kleina.
Gols: Tiago Luis, aos 30 minutos do segundo tempo
Cartões amarelos: Dagoberto (São Paulo); Mancuso, Josimar, Gil (Ponte Preta)
Data: 22/01/2011. Local: Morumbi, em São Paulo. Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza. Auxiliares: Jumar Nunes Santos e Maurício Helder Luiz Alexandrino. Público pagante: 11.743 torcedores. Renda: R$ 275.226,95.

janeiro 22, 2011 Posted by | São Paulo | , , | Deixe um comentário

Sem dificuldades, São Paulo goleia o São Bernardo

Atacantes brilham, e São Paulo vence São Bernardo na volta pra casa

Em noite de Morumbi quase vazio – pouco mais de seis mil torcedores compareceram ao estádio – o São Paulo voltou para casa com uma vitória expressiva sobre o São Bernardo por 3 a 0, pela segunda rodada do Paulistão. Os tricolores que estiveram nas arquibancadas puderam conferir um Dagoberto inspirado e entrosado com Marlos em um ataque leve. E ainda viram Fernandinho fechar o placar e acordar todo mundo na etapa final. O visitante ousou pouco só deu pequenos sustos em Rogério Ceni.
Com o resultado, o Tricolor chegou a seis pontos e 100% de aproveitamento na competição. O Tigre tem três pontos, conquistados na rodada de abertura. O São Paulo volta a campo no próximo sábado, às 19h30m (horário de Brasília), para enfrentar a Ponte Preta, no Morumbi. Já o São Bernardo encara o Paulista em Jundiaí, no domingo, às 17h.
CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO COMPLETA DO PAULISTÃO
Ataque leve funciona: Dagoberto e Marlos marcam

O técnico Paulo César Carpegiani fez uma mudança no time que testou no último treino: tirou Fernandinho e colocou Carlinhos Paraíba pela meia-esquerda. E confirmou o ataque leve, formado por Marlos e Dagoberto. Na primeira jogada da dupla já houve grito de gol. Aos três minutos, Marlos carregou a bola pela ponta esquerda e tocou para a área. Com um pouco de sorte, Dagoberto deu um toque de lado na redonda, que correu para o cantinho ao lado da trave esquerda do goleiro e entrou: 1 a 0 para o dono da casa.
Enquanto o São Paulo seguia com o esquema ofensivo adotado por Carpegiani desde o ano passado, o São Bernardo temeu uma goleada e recuou ainda mais após o gol sofrido. Apostava na velocidade e nos contra-ataques. Mas pouco assustava Ceni. Danielzinho bem que tentou, aos nove, em um chute cruzado, mas o goleiro fez a defesa.
O quarteto ofensivo formado por Ilsinho, Carlinhos, Marlos e Dagoberto tinha um elemento fundamental para Carpegiani: a velocidade. E funcionou bem na maior parte do tempo. O camisa 25, que começou o ano falando em assumir o papel de um dos líderes do time em campo, estava com muita fome de bola. Talvez por ter ficado fora da estreia para aprimorar a parte física. Depois de marcar o primeiro, ele tentou alguns chutes de longe, como um aos 27, que obrigou Pitol e fazer uma defesa sensacional. Mas o grande lance do atacante se deu aos 38: ele recebeu um lançamento sozinho, na frente, e correu para a direção de Pitol. Vendo o goleiro adiantado, tocou por cobertura. Mas a bola, caprichosa, raspou a trave esquerda, arrancando lamentos da torcida, que queria ver a obra de arte se concretizar.
Dagoberto não fez o lindo gol, mas Marlos, a outra ponta leve da dupla, ampliou aos 41. Jean tabelou com Ilsinho, que desceu pela linha de fundo e tocou para trás para Marlos ajeitar e balançar a rede: 2 a 0.
O primeiro tempo ainda teve mais um momento de destaque: em um chute de Júnior Xuxa, a bola bateu na zaga e subiu. Ceni, ao tentar defender, foi derrubado por Acosta, e a bola entrou no gol. Mas o árbitro anulou a jogada e marcou o lance em cima do camisa 1.
Tricolor cochila, mas Fernandinho entra e acorda a torcida

Se no primeiro tempo o São Paulo era só velocidade, no início do segundo o time parecia dormir em campo. O São Bernardo aproveitou a bobeada do dono da casa e começou a pressionar. Chegou a ficar seguidamente na área tricolor rebatendo bolas e dando trabalho para Ceni e para Alex Silva, que salvou uma com as pernas.
Vendo que o time havia caído de produção, Carpegiani fez mudanças. Tirou Ilsinho e colocou Fernandinho para dar um novo gás ao setor ofensivo. Ele também sacou Cléber Santana, que foi muito vaiado, e pôs Xandão fazendo as vezes de um falso lateral, liberando assim Jean para ser volante. As investidas deram certo.
Fernandinho fez o time acordar e levantou a torcida. Aos 31, recebeu um belo passe de Rodrigo Souto e desceu com muita rapidez para a área. Já nela, tocou de perna esquerda por baixo do goleiro Pitol e anotou um golaço: 3 a 0 para o Tricolor.
O São Bernardo, antes mesmo do gol, também mudou peças, mas logo que tomou o terceiro gol desistiu de tentar incomodar o anfitrião. Com tranquilidade, o São Paulo tratou de administrar o jogo e esperar o fim para comemorar a vitória, em noite que começou com Dagoberto – substituído sob aplausos da torcida, já cansado – e terminou com Fernandinho.
SÃO PAULO 3 X 0 SÃO BERNARDO
Rogério Ceni, Jean, Alex Silva, Miranda e Juan; Rodrigo Souto, Cleber Santana (Xandão), Ilsinho (Fernandinho) e Carlinhos Paraíba; Marlos e Dagoberto (Fernandão). Marcelo Pitol, Henrique, Leandro Camilo, Amarildo e Reinaldo, Dirceu (Lucas), Wilian Favoni, Guto e Júnior Xuxa, Diogo Acosta (Romarinho) e Danielzinho (Raul).
Técnico: Paulo César Carpegiani Técnico: Ruy Scarpino
Gols: Dagoberto, aos 3 minutos, e Marlos, aos 41 minutos do primeiro tempo; Fernandinho, aos 31 minutros do segundo tempo
Cartões amarelos: Carlinhos Paraíba (São Paulo); Dirceu (São Bernardo)
Público e renda: 6.398 pagantes/R$ 129.677,13
Local: Morumbi, em São Paulo (SP). Data: 19/01/2011. Árbitro: Robinson José Andréa de Góes. Auxiliares: David Botelho Barbosa e Marcelo Carvalho Van Gasse. Assistentes adicionais: Márcio Roberto Soares e Luciano Monteiro dos Santos

janeiro 19, 2011 Posted by | São Paulo | , | Deixe um comentário

Carpegiani desconhece Coates, mas fica no aguardo: ‘Se for bom vai jogar’

Uruguaio é desejo do Tricolor de imediato, mas pode chegar no meio do ano. Treinador pediu para direção apressar renovação de Alex Silva

O São Paulo ainda aguarda uma posição do Nacional-URU para contratar o jovem zagueiro Coates, de 20 anos. A preocupação da diretoria é justamente buscar um atleta para ser preparado, já que Miranda deixa o clube no meio desde ano. O problema é que o time uruguaio deseja liberar o jogador também neste mesmo período, pois está na Libertadores. O técnico Paulo César Carpegiani admitiu que não sabe muito sobre o possível reforço e não participou da escolha do mesmo, mas confia na avaliação dos dirigentes.

– Não fui informado sobre como está a negociação do Coates, parece que tem gente por trás patrocinando. A direção está pensando que podemos ter problemas no setor e já se previne. Eu não tenho o direito de dizer que não quero. Eu não conheço, mas se joga na seleção uruguaia é porque deve ter qualidade. O que a direção quiser trazer não é problema. Eu sou funcionário contratado e estou aqui provisoriamente. Se ele for bom vai jogar – explicou o comandante.

O treinador aproveitou para esclarecer que esteve envolvido na escolha de William José, jovem atacante que estava no Prudente e foi contratado recentemente. E acrescentou que já pediu à direção para agilizar a tentativa de manter Alex Silva. O zagueiro tem contrato de empréstimo até o meio deste ano, e o Tricolor precisará convencer o Hamburgo a prorrogar o vínculo.

– Outro dia disseram que eu não pedi o William. Eu bati na mesa, pedi o menino e a direção acreditou também. Ele é veloz, toca bem a bola, é rápido, gosto muito disso e insisti pra direção ir atrás. Queria ele sim. Também já pedi à direção para resolver a situação do Alex. E se o Alex ficar e o Coates vier, não tem problema, ficarão os dois, o São Paulo tem que ter um elenco forte – completou.

janeiro 18, 2011 Posted by | São Paulo | , | Deixe um comentário

São Paulo estreia com vitória sobre o Mogi e Rogério se aproxima do 100º

Jogo tem um ritmo lento, mas Tricolor se impõe graças à sua superioridade técnica. Rogério abre o placar marca o 94º gol de sua carreira

Ainda não foi um futebol de grande nível. Mas foi o suficiente para iniciar o Paulistão com vitória. O São Paulo, sem grandes sustos, venceu o Mogi Mirim por 2 a 0, neste domingo, em Mogi. Rogério Ceni abriu o placar, de pênalti, e se aproximou de seu centésimo gol: agora são 94. O goleiro marcou 96 gols, mas dois foram em amistosos e, portanto, não são reconhecidos oficialmente. Marcelinho Paraíba completou o placar. O jogo foi bastante lento, mas o Tricolor se impôs graças a seu elenco mais qualificado. O Mogi, apesar da vontade, não conseguiu se igualar.
O São Paulo volta a campo na próxima quarta-feira, às 22h (horário de Brasília), para enfrentar o São Bernardo, no Morumbi. Já o Mogi, também na quarta, mas às 17h, enfrenta a Ponte Preta em Campinas.

Tricolor comanda
Os são-paulinos sabiam que não poderiam entrar na correria do Mogi Mirim, que entrou em campo tentando pressionar a marcação e até pegando pesado em algumas divididas. Afinal, a equipe tricolor, como os outros grandes paulistas, tiveram muito pouco tempo para se preparar para o estadual. A defasagem física é visível. Por isso, o Tricolor, inteligentemente, optou por trocar passes, valorizando a posse de bola.
E foi assim que o time chegou a seu gol. Aos 4 minutos, Carlinhos Paraíba e Juan, combinando bem pela esquerda, iniciaram a jogada. O meia lançou o ala, que foi à linha de fundo e cruzou para a área. O zagueiro Tiago Alves, enganado pelo quique da bola, cortou o cruzamento usando o braço esquerdo. Pênalti que foi marcado em conjunto pelo árbitro Rodrigo Guarizo Ferreira e pelo auxiliar complementar Robinson José Andréa de Góes. Atrás do gol, Góes viu o lance bem à sua frente e apontou para a marca penal.
Rogério Ceni bateu bem, no canto direito do goleiro João Paulo, e fez seu 94º gol. Está a seis do 100º.
O São Paulo continuou dominando o jogo. O Mogi Mirim errava muitos passes na intermediária. Sempre que tentava se aproximar do gol tricolor, perdia a bola. Tanto que Rogério Ceni não foi exigido.
O Tricolor mostrou um posicionamento interessante, que pode dar resultado neste ano. Se pela esquerda Juan e Carlinhos Paraíba faziam boas jogadas, com ultrapassagens, Jean e Ilsinho faziam o mesmo pela direita, trocando de posição e confundindo a defesa. Numa dessas jogadas, aos 32, quase saiu o segundo gol. Jean caiu pelo meio puxando a marcação e Ilsinho apareceu em velocidade, driblando e chutando forte. João Paulo espalmou.
Jogo cai, mas Marcelinho amplia
Se o primeiro tempo foi movimentado, o segundo foi bem devagar. O São Paulo continuava com a bola sob seu domínio, virando o jogo de um lado para o outro. No entanto, aquelas jogadas laterais pararam de sair. E ficou evidente o problema de armação no meio de campo tricolor. O time se ressente da falta de um camisa 10.
Isolados, Mazola e Fernandinho não tinham muitas chances de fazer algo. E quando a bola chegava, eles tinham dificuldades até para dominá-la. Mazola foi substituído por Dagoberto, mas o panorama não se alterou. A bola continuava longe do ataque tricolor.
Aos poucos, o Mogi Mirim foi tentando se soltar e até chegou a rondar a área do São Paulo, sem, no entanto, conseguir entrar. O jeito era arriscar chutes de fora da área. Mas apenas um foi na direção do gol. Aos 13, Niel arriscou e Ceni pulou para espalmar.
Somente aos 38 minutos o São Paulo criou seu primeiro lance de perigo, em jogada trabalhada, no segundo tempo. Renato Silva apareceu de surpresa pela direita. Bancou o ponta e cruzou para Jean, que vinha acompanhando a jogada. Ele chutou forte. O tiro rasteiro passou raspando a trave direita.

Mesmo num ritmo mais lento, o Tricolor chegou a seu segundo gol. Aos 43, Marcelinho recebeu cruzamento de Fernandinho e completou de cabeça. Fechando o placar. Aos 44, o Mogi assustou. Niel tentou o cruzamento. Ninguém cortou, a bola quicou no gramado e bateu na trave. Nada porém, que ameçasse a vitória são-paulina.
MOGI MIRIM 0 X 2 SÃO PAULO
João Paulo, Niel, Audálio, Tiago Alves e João Paulo; Baraka, Val, Bruno Jesus (Léo Paraíba) e Paulo Isidoro (Geovane); Ricardinho (Paraíba) e Roberto Jacaré. Rogério, Jean, Alex Silva, Miranda e Juan; Rodrigo Souto, Carlinhos Paraíba, Cleber Santana (Marcelinho Paraíba) e Ilsinho (Renato Silva); Fernandinho e Mazola (Dagoberto).
Técnico: Antonio Carlos Zago Técnico: Paulo César Carpegiani
Gols: Rogério Ceni, aos 4 minutos do primeiro tempo; Marcelinho Paraíba, aos 43 minutos do segundo tempo
Cartões amarelos: Tiago Alves (Mogi Mirim), Cléber Santana, Carlinhos Paraíba (São Paulo)
Público e renda: 5.166 pagantes/R$ 196.896,00
Local: Estádio Romildo Vitor Ferreira, em Mogi Mirim (SP). Data: 16/01/2011. Árbitro: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral. Auxiliares: aniel Paulo Ziolli e Maria Eliza Correia Barbosal. Assistentes adicionais: Robinson José Andréa de Góes e Marcio Henrique de Gois

janeiro 16, 2011 Posted by | São Paulo | | Deixe um comentário

Fiorentina quer Miranda, mas Tricolor ainda pensa na renovação do contrato

Se quiser lucrar, São Paulo terá de vender o zagueiro no começo do ano, mas diretor de futebol vai fazer nova proposta em janeiro para que atleta fique 

Depois do Atlético de Madri (ESP), agora é a vez da Fiorentina (ITA) mostrar interesse no zagueiro Miranda, do São Paulo. Segundo o jornal Gazzetta dello Sport, o camisa 5 do Tricolor é um dos alvos para a janela de transferências de janeiro. O time de Florença não faz boa campanha no Campeonato Italiano, ocupa a 13ª colocação na tabela e, por isso, irá às compras no começo do próximo ano. Vale lembrar que o contrato do defensor termina em junho de 2011 e, se quiser lucrar algo, o Tricolor terá denegociar o atleta agora. O clube, no entanto, quer renovar o vínculo do atleta.
O ex-atacante Luizão, que cuida da carreira do defensor são-paulino, disse na noite da última quinta-feira que não existe nenhuma novidade em relação ao futuro do jogador. Miranda recusou a proposta de renovação feita pelo São Paulo e saiu de férias em seguida. Somente em janeiro, quando o elenco se reapresentar é que uma nova negociação acontecerá.
– Outro dia falaram que o Miranda tinha acertado com o Atlético de Madri. Como sou eu que cuido da carreiradele, esqueceram de me mandar o papel para assinar – ironizou Luizão.
O problema é que a pedida de Miranda assustou o São Paulo. O jogador, além de receber um aumento salarial, quer mais 10% dos seus direitos (hoje ele possui 20%, contra 20% do Sochaux-FRA, seu ex-clube e 60% do São Paulo) e ainda deseja um vínculo de quatro temporadas, mas com uma cláusula que o libera em caso de proposta do Exterior. Nessas condições, dificilmente o vínculo do atleta será renovado.
Do lado são-paulino, nenhuma oferta foi confirmada.
– O Miranda tem contrato com o São Paulo até o meio do ano e, se algum clube quiser contratá-lo agora, basta depositar a multa rescisória, que é de US$ 20 milhões (R$ 34 milhões). A cada dia, o Miranda é negociado com um clube, mas posso garantir que o São Paulo, até agora, não foi procurado. E tem mais: a nossa intenção é que ele continue conosco por muito tempo. Vamos buscar o entendimento – afirmou o diretor de futebol, João Paulo de Jesus Lopes, em conversa com a reportagem do GLOBOESPORTE.COM.

dezembro 17, 2010 Posted by | São Paulo | , | Deixe um comentário

Artilheiro do time em 2010, Dagoberto celebra seu melhor ano pelo Tricolor

Atacante quase foi vendido para o futebol da Ucrânia, ficou e renasceu após a chegada de Carpegiani. Ele termina o ano comemorando a gravidez da mulher

A temporada 2010 foi repleta de altos e baixos para Dagoberto. Expulso na partida de estreia equipe na temporada, contra a Portuguesa, o jogador recuperou seu espaço no primeiro semestre mas, após a eliminação da equipe na Taça Libertadores da América, caiu em desgraça. A diretoria tentou a todo custo negociá-lo, chegou a aceitar uma proposta de quatro milhões de euros (R$ 8,4 milhões) do Metalist (UCR), mas o jogador brecou a negociação. Com a chegada de Paulo César Carpegiani, ele voltou a se destacar e terminou o ano em alta.

Os números mostram a evolução do camisa 25. Ele foi o artilheiro da equipe na temporada, com 15 gols, e o segundo maior assistente, com nove passes para gols. Ele ficou atrás apenas de Jorge Wagner, mais uma vez o campeão neste item, com dez assistências.

– Foi meu melhor ano aqui no São Paulo sim. Os números mostram isso. Traçamos objetivos de conquistar títulos e passamos perto. Mas o futebol é assim, nem sempre alcançamos nossas metas. Individualmente foi muito bom. Ficou um aprendizado muito grande de tudo que passamos neste ano – afirmou o jogador, em entrevista ao site oficial do clube do Morumbi.

O camisa 25 fez questão de agradecer o apoio do torcedor que, em muitas ocasiões, deixou claro o apoio ao jogador que, na época em que o time foi comandado por Sérgio Baresi, ficou apenas como opção no banco de reservas.

– Quero agradecer ao torcedor pelas atitudes que eles tiveram comigo. Eles sabem o quanto eu sou grato por esta valorização. Fiquei muito feliz, de coração mesmo. A torcida são-paulina sempre ficará no meu coração – ressaltou o atacante que, já disputou 184 partidas pela equipe do Morumbi e marcou 39 gols.

O jogador promete aproveitar as férias para descansar e entrar com tudo na próxima temporada. Ele ficou sabendo no final do ano que a mulher, Thaysa, está grávida novamente. E o camisa 25, que é pai de Thayná, torce para que agora venha um menino.

– Está vindo mais um herdeiro por aí. Minha esposa (Thaysa) está grávida de três meses. A vontade é de que seja um menininho. Mas o que Deus colocar nas nossas vidas vai ter muita saúde. Tenho uma família abençoada e seu muito feliz – concluiu.

dezembro 13, 2010 Posted by | São Paulo | , | Deixe um comentário

São Paulo atropela o Atlético-MG no Morumbi

Tricolor se despede de 2010 com uma boa apresentação sobre os mineiros, que se garantem na Sul-Americana

O São Paulo terminou o Brasileirão deste ano com a segunda pior campanha na era dos pontos corridos (só melhor que a de 2005, ano do tricampeonato mundial). Mas ao menos, o Tricolor se despediu dacompetição com uma boa apresentação na tarde deste domingo, no Morumbi. Sem dificuldade, o time do Paulo César Carpegiani fez 4 a 0 no Atlético-MG, que mesmo atropelado, termina com vaga para a Sul-Americana do ano que vem.

A defesa do Atlético foi uma verdadeira mãe para o São Paulo. Jairo Campos e Cáceres não se entenderam e o Tricolor teve duas ótimas oportunidades com apenas dois minutos de jogo. Se a defesa do Galo teve um desempenho pífio, o mesmo não se pode dizer do goleiro Renan Ribeiro, que parou Marlos, Ilsinho e Lucas com ótimas defesas assim que a bola rolou.

Com mais volume de jogo e muito mais atrevido do que o adversário, o São Paulo foi envolvendo o Atlético-MG e tomando conta do jogo sem a mínima dificuldade. Com boas trocas de passes, o time foi premiado com o primeiro gol da partida: Marlos foi derrubado na entrada da área, mas a bola sobrou para Ilsinho, que não desperdiçou.

Três minutos depois, foi a vez de Lucas acertar um belo chute no canto de Renan Ribeiro. E mais tarde, Marlos, também de fora da área, ampliou para os donos da casa e do jogo: 3 a 0, placar justo pelo diferença entre o futebol apresentado pelas duas equipes.

A atuação do Galo no primeiro tempo foi medonha. Tardelli errava passes, lançamentos mal feitos, Serginho não chegava na bola… Dorival Júnior deve ter contado os minutos para o fim dos 45 minutos iniciais.

Se o Atlético tinha esperança de voltar com um comportamento diferente após o puxão de orelhas de Dorival Júnior no vestiário, ela veio por água abaixo logo com um minuto de jogo, quando Renato Silva, de cabeça, aproveitou cruzamento de Carlinhos Paraíba e ampliou ainda mais o baile.

O panorama não mudou e Rogério Ceni foi apenas um espectador de luxo. Triste despedida para o Atlético e promessa de um 2011 melhor ao São Paulo, que deve apostar mais na garotada no próxixima temporada.

FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO 4 X 0 ATLÉTICO-MG

Estádio: Morumbi, São Paulo (SP)
Data/hora: 5/12/2010 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa-RJ)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moisés (RJ) e Rodrigo Pereira Joia (RJ)

Cartão Amarelo: Fabiano (ATL)
Cartão Vermelho: Não houve
Gols: Ilsinho, 27’/1ºT (1-0); Lucas, 30’/1ºT (2-0); Marlos, 40’/1ºT (3-0); Renato Silva, 1’/2ºT (4-0)

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Ilsinho, Xandão, Renato Silva e Jorge Wagner (Diogo, 37’/2ºT); Zé Vitor, Jean, Carlinhos Paraíba (Sérgio Mota, 32’/2ºT) e Lucas; Marlos e Lucas Gaúcho (Casemiro, 27’/2ºT). Técnico: Paulo César Carpegiani.

ATLÉTICO-MG: Renan Ribeiro; Rafael Cruz (Neto Berola, 32’/1ºT), Cáceres, Jairo Campos e Leandro; Zé Luis (Fabiano, 29’/2ºT), Serginho, Renan Oliveira e Diego Souza; Diego Tardelli e Obina (Ricardinho, Intervalo). Técnico: Dorival Júnior.

dezembro 5, 2010 Posted by | Atlético-MG, São Paulo | | Deixe um comentário

Dragão e São Paulo apenas empatam em Goiânia

Times fazem partida insossa e ficam no 1 a 1. Atlético-GO conquista, assim, apenas um ponto e ainda corre risco de cair

Atlético-GO e São Paulo não saíram do empate no Serra Dourada: 1 a 1. O empate nada significa para o Tricolor paulista, que não tem mais nenhum objetivono Brasileirão. Para o Dragão, no entanto, o resultado significa a permanência do risco de ser rebaixado para a Série B do Brasileirão em 2011.

O lento começo de jogo, com as duas equipes demonstrando pouco poder criação nada lembrou os últimos anos, em que o São Paulo se acostumou a chegar na penúltima rodada do Brasileirão com aspirações maiores.

Mais interessado no resultado, já que ainda corre riscos de ser rebaixado, o Atlético-GO teve as melhores chances da primeira etapa. A melhor delas veio com Róbston, que, aos 28 minutos, deu lindo drible em Samuel e bateu firme, para boa defesa de Rogério Ceni.

O São Paulo seguiu seu ritmo lento na partida, apenas arriscando chutes de fora da área. Carlinhos Paraíba, Lucas e Cleber Santana conseguiram bons arremates dessa forma. Em duas dessas, no entanto, Márcio conseguiu defender. O chute de Lucas passou à esquerda do goleiro, com grande perigo.

Mesmo com a maior necessidade de conseguir um bom resultado, Renê Simões não mexeu na equipe de Goiás no intervalo de jogo. Carpegiani, diferentemente do companheiro, mudou por duas vezes, colocando Jorge Wagner e Zé Vitor noa jogo.

As substituições poderiam sugerir um Tricolor mais defensivo nos últimos 45 minutos de jogo. Mas não foi o que aconteceu. Lucas arrancou, aos nove minutos de jogo, e foi empurrado por Agenor, dentro da área. Carlos Eugênio Simon não teve dúvidas e apitou a penalidade, duvidosa e muito contestada pelos jogadores do Atlético.

Rogério Ceni cobrou com perfeição, longe do alcance de Márcio. A situação ficara dramática para os goianos.

Renato Silva, que por muitas vezes foi criticado na zaga são-paulina, foi responsável direto pelo lance que deu o empate ao Dragão. Ele falhou após passe de Anaílson para Elias, aos 19 minutos de jogo. O atacante do Dragão teve a frieza necessária para deslocar Rogério e dar esperança à sua torcida.

Com sérias dificuldades de articulação em seu meio de campo – muito em função da retranca imposta pela São Paulo após o gol sofrido – o Rubro-negro não conseguiu virar a partida e, com os resultados nesta rodada, ainda depende de suas próprias forças para escapar do rebaixamento, na última partida do Brasileirão, no próximo domingo.

Na 38ª rodada, o Atlético-GO terá um duríssimo confronto direto com o Vitória, no Barradão. Quem perder terá sua vaga na Série B em 2011. Caso empate, o Dragão permanece na primeira divisão do futebol brasileiro. O São Paulo apenas cumprirá tabela contra o Atlético-MG, no estádio do Morumbi.

FICHA TÉCNICA:
ATLÉTICO-GO 1 X 1 SÃO PAULO

Estádio: Serra Dourada, Goiânia (GO)
Data/hora: 28/11/2010 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Auxiliares: Paulo Ricardo Silva Conceição (RS) e José Javel Silveira (RS)
Renda/público: Não disponíveis.
Cartões amarelos: Cleber Santana e Renato Silva (SAO); Agenor (ATL)
Cartões vermelhos: Nenhum.
GOLS: Rogério Ceni, 9’/2ºT (0-1); Elias, 19’/2ºT (1-1)

ATLÉTICO-GO: Márcio, Adriano, Gilson, Welton Felipe e William; Agenor, Pituca, Robston e Renatinho (Anaílson, 7’/2ºT); Marcão e Elias. Técnico: Renê Simões.

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Jean, Alex Silva, Renato Silva e Samuel; Casemiro (Jorge Wagner, Intervalo), Cleber Santana, Lucas e Carlinhos Paraíba; Lucas Gaúcho (Zé Vitor, Intervalo) e Marlos. Técnico: Paulo César Carpegiani.

novembro 28, 2010 Posted by | São Paulo | | Deixe um comentário

Remendado, São Paulo vai a Goiás enfrentar o Atlético-GO

Tricolor tem vários desfalques para a partida; goianos buscam vitória para permanecer na Série A

Sem mais pretensões no Brasileirão, o São Paulo vai a Goiânia enfrentar o ATlético-GO, no domingo, às 17h. Se a equipe paulista não tem grandes interesses na partida, os goianos vivem um momento decisivo no campeonato. O Dragão precisa dos três pontos para não correr o risco de voltar à zona de rebaixamento.

O Atlético-GO só pensa nos três pontos que podem significar a permanência do clube na Série A do ano que vem. Jogadores e comissão técnica são muito claros em reconhecer que o time precisa da vitória contra o Tricolor paulista a todo custo para não depender do jogo contra o Vitória, na última rodada, no Barradão.

– Eu acho que se vencermos o São Paulo no domingo temos grandes chances de escapar da Série B. Se precisar decidir lá em Salvador, no Barradão, a gente vai ter que estar bem preparado. Agora eu estou concentrado e preocupado apenas em manter o Atlético na elite do futebol brasileiro – afirmou o goleiro Márcio, que conhece o Barradão, já que o Atlético jogou lá nas semifinais da Copa do Brasil e perdeu por 4 a 0.

Conheça os jovens que vão mudar destino do Tricolor

Sem pretensões? Conheça os jovens que vão mudar destino do Tricolor!

A aposta dos rubro-negros é de casa cheia no domingo. Depois de conseguir a liberação do setor de Geral, a expectativa é que 20 mil atleticanos empurrem o time contra o São Paulo. O técnico René Simões confirmou a equipe que inicia a partida no domingo. Thiago Feltri, Jairo e Juninho ficam fora, suspensos, e o treinador opta pela entrada de William, Welton Felipe e Elias, respectivamente. Quem espera se destacar é Marcão, xodó da torcida rubro-negra, que ressalta a importância de não tropeçar em casa.

– É o jogo chave para a gente dentro da competição onde temos que errar menos e acertar mais. Não podemos deixar escapar a vitória, temos que vencer, mas se desespero. Vai ser difícil, mas a gente está focado na partida, estamos muito concentrados – explicou o camisa 19 do Dragão.

O que pode facilitar a vida do Atlético-GO, é que o São Paulo vai a campo com vários desfalques. Xandão e Richarlyson, expulsos na derrota para o Fluminense por 4 a 1, cumprem suspensão automática. Assim como Ilsinho, que tomou o terceiro cartão amarelo. O São Paulo não poderá contar também com a dupla de zaga Alex Silva e Miranda, o volante Rodrigo Souto e os atacantes Fernandão, Fernandinho, Dagoberto e Ricardo Oliveira.

Os desfalques são tantos que obrigaram o técnico Paulo César Carpegiani a recorrer às categorias de base do Tricolor para completar o elenco que viajará para Goiás. O sorte do atacante Alfredo, que ficará pela primeira vez no banco de reservas do time principal do Tricolor.

– Estava muito esperançoso que pudesse contar com todo mundo, mas até as opções acabaram se esvaindo. Mas estou tranquilo com o pessoal que vai entrar – disse Carpegiani.

Com os desfalques, a zaga titular do São Paulo será formada por Bruno Uvini e Renato Silva. Na lateral-esquerda Carleto ganha uma nova chance. Casemiro entrará no meio de campo e, sem atacantes de ofício no elenco, Marlos fará dupla com Lucas Gaúcho na frente.

FICHA TÉCNICA:
ATLÉTICO-GO X SÃO PAULO

Estádio: Serra Dourada, Goiânia (GO)
Data/hora: 28/11/2010 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Auxiliares: Paulo Ricardo Silva Conceição (RS) e José Javel Silveira (RS)

ATLÉTICO-GO: Márcio; Adriano, Gílson, Welton Felipe e William; Agenor, Pituca, Robston e Renatinho; Elias e Marcão. Técnico: René Simões.

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Jean, Bruno Uvini, Renato Silva e Carleto; Casemiro, Cleber Santana, Carlinhos Paraíba e Lucas; Marlos e Lucas Gaúcho. Técnico: Paulo César Carpegiani.

novembro 27, 2010 Posted by | São Paulo | , | Deixe um comentário

Sob a batuta de Conca, Fluminense vence e é o novo líder do Brasileirão

Camisa 11 marcou dois gols e participou dos outros dois da vitória do novo líder do Brasileirão

O Fuminense é o novo líder do Brasileirão. Neste domingo, o Tricolor Carioca venceu o São Paulo por 4 a 1, fora de casa na Arena Barueri, graças a uma grande atuação do argentino Conca e assumiu a liderança da competição, já que o Corinthians apenas empatou em 1 a 1 com o Vitória, em Salvador.

Com o triunfo, o Fluminense chegou aos 65 pontos. O Corinthians foi aos 64 com o tropeço diante do Vitória.

O jogo:

Desde o início da partida o Fluminense partiu em busca do que lhe interessava: o gol. Atuando pelas laterais do campo com Mariano e Carlinhos, só o Tricolor Carioca jogava na Arena Barueri. Aos quatro minutos veio a primeira oportunidade de gol. Conca foi à linha de fundo pela direita e cruzou. Washington, sem marcação, cabeceou para fora.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Aos oito minutos, após escanteio, Alex Silva escorou e o zagueiro Gum, sem marcação, cabeceou para fora. No minuto seguinte mais uma chance Fluminense. Mariano, em jogada individual, partiu em velocidade e finalizou para a defesa se Rogério Ceni, que deu rebote. Washington marcou e acreditou ter colocado um ponto final no seu jejum de gols. No entanto, o camisa 99 da equipe carioca, estava em posição ilegal.

O São Paulo, que até o momento só se preocupava em conter o ímpeto do Fluminense, resolveu ‘entrar’ na partida. Aos 17 minutos, o veloz Lucas partiu em velocidae e finalizou para a defesa de Ricardo Berna. No minuto seguinte foi a vez de Carlinhos Paraíba arriscar de fora da área.

No entanto, a pressão paulista ficou por aí. O Fluminense seguia buscando o ataque, uma vez que o Corinthians vencia o Vitória, em Salvador. Mariano não tinha dificuldades para percorrer a ‘Avenida Richarlyson’ tamanha era a facilidade em vencer a marcação do lateral do São Paulo. Aos 22, o sempre veloz Mariano, partiu novamente em velocidade e passou para Fred. O camisa 9 furou e Washington por pouco não alcnçou. A pressão do Fluminense só continuava. Aos 33, Carlinhos venceu a marcação de Jean e finalizou para a boa defesa de Ceni.

Recompensa para o Fluminense:

De tanto buscar, o Fluminense foi recompensado. Aos 34 minutos, Conca cobrou escanteio pela direita e Gum, vencendo a marcação de Xandão, cabeceou sem chances de defesa para Rogério Ceni. Fluminense 1 a 0 em Barueri.

Mas o São Paulo não estava a passeio. Aos 37 minutos, Jean cruzou pela direita, Lucas Gaúcho cabeceou e a bola caprichosamente tocou em Ricardo Berna deixando as quatro linhas.

Eis que nas arquibancadas da Arena do Barueri tanto a torcida do São Paulo, quanto a do Fluminense comemoravam. O motivo? Viáfara, goleiro do Vitória, empatava o duelo diante do Corinthians, o que fazia Fluminense assumir, provisoriamente, a liderança do Brasileirão. Fred quase ampliaria já na parte final da primeira etapa. Aos 44 minutos, o atacante finalizou com estilo de fora da área e Rogério Ceni se mostrou atento fazendo a defesa.

Segundo tempo:

O São Paulo veio com mudança para a segunda etapa. Ilsinho, lateral-direito de origem entrou na vaga de Marlos. Mostrando mais vontade em campo, o São Paulo chegou a ter a posse de bola, mas não teve a tranquilidade para chegar ao gol de Ceni. Já o Fluminense só não ampliou pois Washington, pecou e muito. Aos nove minutos, Fred recebeu e passou para Deco. O camisa 20 cruzou e Washington, sem marcação, dominou e finalizou para fora.

O castigo para o Fluminense veio na sequência. Aos 11 minutos, após rápdida jogada pela direita, Jean cruzou, Lucas Gaúcho tocou de letra e a bola acabou desviando no zagueiro Leandro Eusébio e entrou. São Paulo 1 x 1 Fluminense.

São Paulo fica com dois a menos em campo:

Ciente da necessidade de voltar a ficar na frente, o Fluminense tinha de driblar a ansiedade. Pecando na hora de finalizar, o Fluminense passou a ficar com boa vantagem numérica em campo. Aos 17 minutos, Xandão fez falta em Fred e como era o último homem da defesa são-paulina, foi expulso. Carpegiani sacou Fernandão e colocou o zagueiro Renato Silva. Mas de nada adiantou a precaução do técnico do São Paulo: aos 24, foi a vez de Richarlyson fazer falta reclamar e ser expulso.

Aos 28, o Fluminense driblou a temida ansiedade e voltou a ficar na frente. Conca recebeu de Carlinhos dominou e finalizou sem chances para Rogério Ceni. O gol do alívio veio na seguida. Com muito espaço para atacar, o Fluminense chegou ao terceiro. Conca arriscou de fora da área, Ceni deu rebote e Fred marcou. Fluminense 3 a 1.

Cabia mais. O Fluminense tinha muita facilidade para chegar ao gol de Rogério Ceni, que nada pode fazer aos 42 minutos, quando Conca recebeu de Mariano e finalizou sem defesa para o goleiro do São Paulo. Segundo gol do camisa 11 do Fluminense, que participou dos quatro gols do Fluminense. Vitória do novo líder do Campeonato Brasileiro.

Próximos compromissos:

No próximo domingo, o São Paulo enfrenta o Atlético-GO, fora de casa, no Serra Dourada, às 17h. Já o Fluminense voltar a atuar fora de seus domínios: enfrentá o Palmeiras, na Fonte Luminosa, no mesmo horário.

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO 1 X 4 FLUMINENSE

Estádio: Arena Barueri, em Barueri (SP)
Data/hora: 21/11/2010 às 17h (horário de Brasília)
Árbitro: Héber Roberto Lopes (Fifa-PR)
Auxiliares: Gilson Bento Coutinho (PR) e José Amilton Pontarolo (PR)
Renda/Público: R$ 169.831.59/14.410 pagantes.

Cartões amarelos: Alex Silva e Ilsinho (SPO); Leandro Eusébio (FLU)
Cartões vermelhos: Xandão, aos 17’2T e Richarlyson, aos 24’2T.

Gols: Gum, aos 34’1T(0-1); Leandro Eusébio(contra), aos 10’2T(1-1); Conca, aos 29’2T; Fred, aos 32’2T e Conca, aos 42’2T.

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Jean, Alex Silva, Miranda(Xandão, aos 7’1T) e Richarlyson; Carlinhos Paraíba, Cleber Santana, Lucas e Marlos(Ilsinho, intervalo); Fernandão(Renato Silva, aos 19’2T) e Lucas Gaúcho. Técnico. Paulo César Carpegiani.

FLUMINENSE: Ricardo Berna; Mariano, Gum, Leandro Euzébio e Carlinhos; Valencia(Tartá, aos 28’2T), Diguinho, Deco e Conca; Fred e Washington(Rodriguinho, aos 15’2T). Técnico: Muricy Ramalho.

novembro 21, 2010 Posted by | Fluminense, São Paulo | , | Deixe um comentário

Sem corpo mole, São Paulo recebe Fluminense

Tricolores se encaram e paulistas prometem dificultar o jogo para cariocas, que disputam liderança com Corinthians

O São Paulo recebe o Fluminense, neste domingo às 17h (de Brasília), querendo fazer a sua parte. Apesar do torcedores dos paulistas pedirem para entregar o jogo, para complicar a vida do rival Corinthians, o discurso no São Paulo é de jogar para ganhar.

Pelo lado do São Paulo, muitos problemas para o técnicoPaulo César Carpegiani. Dagoberto (contratura na coxa esquerda), Ricardo Oliveira (tendinite no joelho esquerdo), Rodrigo Souto (trauma nas costas) e Fernandinho (edema na perna direita) estão vetados.

Assim, o atacante Lucas Gaúcho ganhará sua primeira chance como titular. No meio, a única dúvida. Carpegiani ainda não se decidiu entre Casemiro e Jorge Wagner, que disputam a vaga de Rodrigo Souto.

Mesmo com a torcida são-paulina para o time perder do Fluminense, o discurso no clube é completamente diferente.

– Os jogadores têm de estar conscientes de que têm de buscar o melhor dentro de campo. Nós não podemos entrar e fazer um papel secundário. Temos que nos impor em campo e buscar a vitória. A obrigação nossa é de ganhar – declarou Carpegiani.

SEM EMERSON, FLU DEVE IR COM WASHINGTON E FRED

Vetado para mais uma partida, Emerson está fora da partida diante do São Paulo. Com isso, no último treinamento realizado no Rio de Janeiro, Muricy Ramalho escalou a equipe carioca com dois centroavantes: Fred e Wasdhington. A única dúvida do treinador fica por conta de Deco e Fernando Bob. Com isso, o colombiano Valencia segue na equipe titular ao lado de Diguinho, que ficou no banco diante do Goiás.

Em relação a um possível corpo mole do São Paulo, Muricy Ramalho se mostrou irritado com as insistentes perguntas e cutucou a imprensa.

– As pessoas que estão por dentro do futebol, principalmente vocês da imprensa, precisam entender mais do futebol. Esta pergunta foi feita durante toda essa semana e, sempre quando ouço, me irrita. Talvez eu possa falar aqui algo que vocês não vão gostar. Todos no futebol são profissionais e ninguém vai fazer isso. Tenho certeza que ninguém vai amolecer no jogo e nunca vamos entrar em campo com esse pensamento, vamos entrar pra ganhar, tendo a certeza que vai ser um jogo duríssimo – disparou.

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO X FLUMINENSE

Estádio: Arena Barueri, Barueri (SP)
Data/hora: 21/11/2010 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Héber Roberto Lopes (Fifa-PR)
Auxiliares: Gilson Bento Coutinho (PR) e José Amilton Pontarolo (PR)

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Jean, Alex Silva, Miranda e Richarlyson; Casemiro (Jorge Wagner), Cleber Santana, Carlinhos e Lucas; Fernandão e Lucas Gaúcho. Técnico. Paulo César Carpegiani.

FLUMINENSE: Ricardo Berna; Mariano, Gum, Leandro Euzébio e Carlinhos; Valencia, Diguinho, Deco (Fernando Bob) e Conca; Fred e Washington. Técnico: Muricy Ramalho.

novembro 21, 2010 Posted by | Fluminense, São Paulo | , | Deixe um comentário

Jorge Wagner sobre o amigo Washington: ‘Me mandou tirar o pé’

Em tom de brincadeira, camisa 7 do São Paulo admite troca de ligações com atacante do Fluminense

“Alô, Jorge Wagner? Vê se tira o pé contra o Fluminense, vem devagar!”

A frase acima foi dita por Washington, atacante do Fluminense, ao amigo Jorge Wagner, meia do São Paulo. Companheiros no Tricolor em 2009 e até meados deste ano, os dois já conversaram por telefone sobre o jogo de domingo, decisivo para o time carioca. E com muito bom humor.

– Sempre tem essas brincadeiras, é uma coisa que é normal. Ele vai estar defendendo as cores do Fluminense e eu a minha parte. E quando chegar ali dentro de campo, a amizade existe, mas é cada um fazendo o seu – garantiu o camisa 7 do Sampa.

Mas a dupla de amigos e rivais não é a única que tem conversado por telefone sobre a decisão. Até Fernandinho, vetado para o jogo por dores na perna direita, sofreu “ameaças” de outro ex-são-paulino:

– O Andre Luis já ligou e falou: “Nem joga senão eu te quebro” – disse, aos risos.

Apesar do clima amistoso entre os colegas, o jogo está sendo encarado com muita seriedade pelos atletas do São Paulo. A possibilidade de entrega do jogo, para prejudicar o Corinthians na busca pelo título, está completamente descartada.

– Estamos vendo uma movimentação muito grande para que a gente entregue o jogo. Tenho encontrado torcedores e eles têm pedido isso. Não é legal. O que pode acontecer é o Fluminense pela boa equipe que tem, ganhar do São Paulo – disse Jorge Wagner.

novembro 18, 2010 Posted by | Fluminense, São Paulo | | Deixe um comentário

Perto da despedida, Jorge Wagner sofre com o pedido dos são-paulinos

Meia revela que cansou de ouvir torcedores que gostariam de ver o time perdendo para o Fluminense no domingo para prejudicar o Corinthians

Um dos jogadores mais experientes do elenco do São Paulo, o meia Jorge Wagner sofre com as cobranças da torcida tricolor. Seja no restaurante, na padaria ou quando liga o computador e acessa o seu twitter, o pedido é o mesmo: que ele consiga convencer os companheiros a entregarem o jogo de domingo, para o Fluminense para prejudicar o rival Corinthians, que luta pelo título do Campeonato Brasileiro.

– Não é fácil. Aonde você vai, só se fala nisso. A resposta que eu dou é a mesma, que somos profissionais e não tem como entrar no jogo para entregar. Eu tenho uma história muito bonita no clube, de quase quatro anos no clube, e não vou deixar que nada manche isso. Se nós entregarmos o jogo, a torcida ficará feliz, mas a minha carreira ficará marcada por muito tempo. Vamos atrás da vitória – garantiu o camisa sete do time do Morumbi.

Jorge Wagner diz que é preciso ressaltar que o São Paulo pode perder a partida para o Fluminense porque o adversário tem muita qualidade.

– O Fluminense pode vir aqui e ganhar do São Paulo. O Goiás fez isso e esse resultado está fazendo muita falta para nós que ainda sonhamos com uma vaga na Libertadores. Temos de entrar para vencer, independente de o resultado beneficiar A ou B. Além do mais, o Corinthians já está na frente na tabela, não dependeria apenas do nosso resultado – lembrou o meio-campista.

O meia espera iniciar neste domingo uma série de três vitórias nas rodadas que restam para acabar o Campeonato Brasileiro para que possa se despedir com chave de ouro do clube. No Tricolor desde 2007, Jorge Wagner deixará o time do Morumbi para jogar no Kashiwa Reysol (JAP) na próxima temporada.

– Nossa chance de Libertadores é pequena, mas ainda existe. Eu vou correr atrás de três vitórias para me despedir por cima, já que não estarei aqui no ano que vem. Esses últimos três jogos vão significar muito para mim – concluiu.

novembro 18, 2010 Posted by | São Paulo | , | Deixe um comentário

Site de torcida são-paulina cria campanha pró-Flu

Entrega ou não entrega? Boa parte da torcida são-paulina deve torcer contra o próprio clube no domingo

Apesar dos apelos do técnico Carpegiani em ressaltar a importância de uma vitória sobre o Fluminense, no próximo domingo, boa parte da torcida são-paulina deve mesmo torcer pelo Tricolor carioca. Ou melhor, contra o título do Corinthians.

A situação é tão inusitada que o o Site SPFC Digital, ligado à torcida do clube, criou a campanha “Doce Vigança”, em alusão à polêmica ocorrida na penúltima rodada do Brasileirão do ano passado.

Na ocasião, o Corinthians transferiu a partida contra o Flamengo – que ainda não era o líder da competição – para Campinas, e foi derrotado por 2 a 0. Num dos gols, em pênalti cobrado por Léo Moura, o goleiro Felipe nem esboçou reação, e foi acusado pelos são-paulinos de ter feito corpo mole.

Segundo um dos diretores do site, uma pesquisa realizada verificou que 82% dos torcedores desejam que a equipe entregue o jogo para o Fluminense, contra 18% que não gostariam. Com isso, decidiram divulgar a campanha por diversas redes sociais na internet. Uma charge de Rogério Ceni com a camisa do Fluminense foi criada, e os torcedores já se organizam para levar uma faixa à Arena Barueri.

– Nós temos que pensar em vencer o jogo. A torcida pode pedir o que quiser, mas temos a obrigação profissional de tentar vencer. Vamos com uma equipe forte – disse Carpegiani, após o empate contra o Vasco, por 1 a 1.

novembro 15, 2010 Posted by | Corinthians, Cruzeiro, Fluminense, Palmeiras, São Paulo | | Deixe um comentário

São Paulo empata com Vasco em São Januário e vê Libertadores longe

Faltando apenas três rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro, time paulista está a cinco pontos do G-4. Cariocas seguem em 11º lugar

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

No Brasileiro, um empate fora de casa costuma ser considerado um bom resultado. Mas, nas atuais circunstâncias do São Paulo, a igualdade com o Vasco, neste domingo, em São Januário, foi um mau resultado. O placar de 1 a 1 deixou o Tricolor com 51 pontos, em nono lugar. Faltando apenas três rodadas para o fim do Brasileiro, o time está a cinco pontos do G-4 e vê suas chances de chegar à Libertadores diminuírem drasticamente.

Sem muita aspiração no Brasileiro, o Vasco segue em 11º, agora com 46 pontos. Antes da partida, o torcedor teve uma surpresa desagradável. Com febre alta e dores no corpo, Carlos Alberto foi cortado da delegação. O meia, que não disputa uma partida desde 25 de setembro, fará exames para saber exatamente o que tem. Em princípio, os médicos trabalham com a hipótese de uma virose, mas não está descartada a chance de dengue.

Na próxima rodada, as duas equipes jogam no domingo contra times que ainda lutam pelo título. O Vasco encara o Cruzeiro, no Parque do Sabiá, e o São Paulo recebe o Fluminense, na Arena Barueri.

Primeiro tempo aberto e emocionante, mas placar zerado

O São Paulo precisava atacar para ainda ter chance de chegar à Libertadores. O Vasco jogava sem pressão por não ter muito o que aspirar na competição nacional, a não ser garantir a classificação para a Copa Sul-Americana. Por isso, o jogo entre as duas equipes começou franco e aberto. Com 15 minutos, Prass e Ceni já haviam dado demonstrações do porquê de serem tão queridos por suas tocidas.

O goleiro vascaíno começou trabalhando mais. Fez três defesaças e evitou que o São Paulo abrisse o placar. Lucas recebeu na área e chutou no canto. O remate saiu fraco, e Fernando conseguiu tocar com a ponta dos dedos. Jorge Wagner arriscou de fora da área. A bola iria no ângulo se Prass não defendesse. Dagoberto também tentou um chute forte, mas foi mais um jogador a esbarrar no arqueiro.

Carlinhos Paraíba e Eder Luis em lance: atacante marcou o gol vascaíno (Foto: Alexandre Loureiro/VIPCOMM)

Do outro lado, Ceni também mostrou estar em forma. Principalmente, em um chute cruzado de Diogo. O garoto arriscou de fora da área, quase na lateral do campo. O goleiro tocou na bola, que ainda acertou a trave, antes de sobrar para Eder Luis na área. O atacante chutou fraco e perdeu a chance. Rogério também apareceu bem ao defender um chute de longe de Zé Roberto.

Quando o goleiro tricolor não defendia, contava com a sorte. E com a incapacidade dos jogadores vascaínos. Após cruzamento, Dedé perdeu uma chance com o gol totalmente vazio na sua frente. Eder Luis, irreconhecível no primeiro tempo, recebeu um lançamento perfeito de Felipe, mas, ao invadir a área, olhou para trás em vez de chutar. A zaga tricolor chegou cortando.

O Vasco já dominava as ações quando o São Paulo sofreu uma baixa. Dagoberto sentiu dores na coxa e precisou ser substituído. Marlos entrou em seu lugar. O time da casa aumentou ainda mais seu domínio. Zé Roberto quase marcou após receber na entrada da área e bater com categoria. Rogério Ceni defendeu. O meia voltou a tentar uma jogada ofensiva, mas sofreu falta de Alex Silva. Na entrada da área, Irrazábal cobrou com precisão e obrigou o goleiro tricolor a fazer mais uma difícil defesa.

Dois chutes perigosos, dois golaços

Diferentemente do primeiro tempo, o segundo começou morno. O São Paulo voltou com Cléber Santana no lugar de Zé Vitor. O Vasco mudou, logo no início da etapa, trocando Rafael Carioca por Renato Augusto. Mas os times pareciam anestesiados. De relevante, apenas o cartão amarelo recebido por Felipe. O meia pediu para que o árbitro mostrasse cartão para um adversário, mas ele mesmo foi advertido por reclamação. Com isso, está fora do duelo do próximo domingo, contra o Cruzeiro.

Em meio a tanta pasmaceira, era necessário que alguém acordasse os times. E coube a Eder Luis essa tarefa. Mal na primeira etapa, o atacante recebeu na entrada da área, aos 15 minutos, e mandou uma bomba no ângulo de Rogério Ceni. Golaço.

O São Paulo respondeu na mesma moeda. Dez minutos após o gol vascaíno, Jean avançou pela direita e tocou para o meio da área. Lucas Gaúcho, que havia acabado de entrar, deu um toque de letra para tirar de Fernando Prass. Lindo lance, lindo gol.

Os times ainda procuraram o gol da vitória, mas sem criatividade. De bom, apenas um lance de perigo para cada lado. Fernandão mandou um chute de primeira, após um cruzamento, mas acertou a arquibancada. No último minuto de jogo, um gol perdido de maneira inacreditável. Zé Roberto fez boa jogada pela direita e tocou para Jeferson Silva na pequena área. O meia, sozinho e com tempo, teve a chance de sair consagrado: parou a bola, deu um passo para trás, mas arrematou muito mal e mandou por cima do gol (assista ao vídeo).

vasco 1 x 1 são paulo
Fernando Prass, Irrazábal, Cesinha, Titi e Diogo (Carlinhos); Rafael Carioca (Renato Augusto), Romulo, Felipe e Zé Roberto; Éder Luis e Jonathan (Jeferson Silva) Rogério Ceni; Jean, Alex Silva, Miranda e Richarlyson; Zé Vítor (Cléber Santana), Carlinhos Paraíba, Lucas e Jorge Wagner (Lucas Gaúcho); Dagoberto (Marlos) e Fernandão
Técnico: PC Gusmão Técnico: Paulo César Carpegiani
Gols: Eder Luis, aos 15, e Lucas Gaúcho, aos 25 minutos do segundo tempo
Cartões amarelos: Romulo e Felipe (Vasco); Lucas (São Paulo)
Local: São Januário, no Rio de Janeiro. Data: 14/11/10. Árbitro: Wagner Reway (MT). Auxiliares: Lincoln Ribeiro Taques (MT) e Fábio Rodrigo Rubinho (MT). Público: 5.674 pagantes. Renda: R$ 143.875.

novembro 14, 2010 Posted by | São Paulo, Vasco da Gama | | Deixe um comentário

Vasco recebe São Paulo querendo quebrar tabu

Time cruzmaltino não vence Tricolor há oito jogos e busca vaga na Sul-americana. Paulistas ainda sonham com Libertadores

Oito jogos. Esse é o número de partidas que o São Paulo não perde para o Vasco. Domingo, às 19h30, as duas equipes se enfrentarão em São Januário em situações parecidas: estar no meio da tabela faz com que cariocas e paulistas vejam o jogo de maneira mais fria, embora o São Paulo, mesmo que remotamente, ainda aspire uma vaga na Copa Libertadores de 2011.

Do lado vascaíno, um tabu incômodo. A última vitória aconteceu em 2005, quando a equipe carioca derrotou o time paulistano por 3 a 1, em São Januário.

Para a partida, o Vasco contará com seu Esquadrão Classe A. Enfim, Carlos Alberto, Felipe, Zé Roberto atuarão juntos.

– São bons jogadores e estou feliz por voltar. Não sei de onde tiram que jogadores ficam satisfeitos quando estão lesionados. Quem mais sofre somos nós mesmos. Então, estou feliz pelo retorno e espero não ter nenhum problema e jogar as quatro últimas partidas do ano – disse Carlos Alberto.

Porém, nem tudo são flores. As laterais, armas fortes da equipe, contará com desfalques. O lateral-direito Fagner e o lateral-esquerdo Ramon estão fora da equipe e serão as duas ausências da equipe considerada ideal por todo e qualquer vascaíno.

– Será um compromisso muito difícil. Vimos o jogo do São Paulo contra o Cruzeiro e será o mesmo time que vai jogar contra nós. As dificuldades serão passadas para os jogadores. Vamos fazer o melhor possível – disse PC Gusmão, técnico que tem contrato com o Vasco até julho de 2011.

Já no São Paulo, o técnico Paulo César Carpegiani conta com problemas inesperados. Rodrigo Souto, com dores nas costas, e Ricardo Oliveira, com tendinite no joelho esquerdo, pouco treinaram durante a semana e são dúvidas para o jogo. No entanto, o treinador já tem os substitutos definidos.

– Se não jogar o Rodrigo, entra o Zé Vitor. Se não jogar o Ricardo, entra o Jorge Wagner – revelou.

Com exceção dos dois prováveis desfalques, a base do time será mantida. Jean e Richarlyson vão seguir como laterais.

Seis pontos atrás do quarto colocado Botafogo, o Tricolor vai em busca de uma vitória para manter viva as esperanças de conseguir uma vaga na próxima edição da Libertadores. Uma derrota praticamente antecipará as férias dos jogadores.

Para dificultar, o retrospecto joga contra o São Paulo. Nas três vezes que viajou ao Rio de Janeiro neste Brasileirão, a equipe não conseguiu vencer. Assim como Carpegiani, que dirigindo o Atlético-PR, não teve sucesso na casa dos cariocas.

FICHA TÉCNICA:
VASCO X SÃO PAULO

Estádio: São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
Data e hora: 21/11/2010 – 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Auxiliares: Lincoln Ribeiro Taques (MT) e Fábio Rodrigo Rubinho (MT)

VASCO: Fernando Prass; Irrazábal, Cesinha, Dedé e Diogo; Rafael Carioca, Rômulo, Felipe e Carlos Alberto; Zé Roberto e Eder Luis. TÉCNICO: PC Gusmão.

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Jean, Alex Silva, Miranda e Richarlyson; Zé Vitor (Rodrigo Souto), Carlinhos, Lucas e Jorge Wagner (Ricardo Oliveira); Dagoberto e Fernandão. TÉCNICO: Paulo César Carpegiani.

novembro 14, 2010 Posted by | São Paulo, Vasco da Gama | | Deixe um comentário

Antes protagonista, Fernandão aceita ser coadjuvante jogando na armação

Atacante diz que ainda precisa melhorar alguns aspectos da nova função, mas não se importa em aparecer pouco e não marcar gols há 11 partidas

Fernandão não é mais apontado como referência no ataque do São Paulo. A última vez que marcou um gol foi contra o Palmeiras, no dia 19 de setembro. Desde então, está há 11 jogos sem balançar a rede. Mas o jejum tem explicação: o atacante se machucou contra o Guarani e só voltou a ser aproveitado no time contra o Grêmio Prudente, após quatro partidas. E se afastou da pequena área para desempenhar uma nova função: a de armador. O camisa 15 tem sido usado no meio por Paulo César Carpegiani.
– Fiquei lesionado um tempo e desde que voltei com o Carpegiani joguei mais no meio e sabia que as chances de gol diminuiriam assim. Não me incomoda, o que me incomoda é o fato de não termos vencido a última partida (contra o Corinthians), pois isso era importante para buscar o G-3. Muda um pouco a função, as pessoas estão acostumadas com o Fernandão na área e fazendo gols, e se isso não acontece já pensam que não estou bem. Mas estou me adaptando à nova função – explicou o jogador.
Ele admite que ainda precisa melhorar vários aspectos na criação de jogadas, mas já tem mostrado evolução ao dividir com Lucas a função de municiar o ataque formado por Dagoberto e Ricardo Oliveira. E terá mais uma chance neste domingo, contra o Vasco, em São Januário. Engajado em cumprir a nova tarefa, ele não se importa de passar de protagonista a coadjuvante.
– O grande protagonista é o São Paulo. Sempre penso no grupo, e se o Carpegiani acha que eu rendo ali estarei satisfeito, e se o time vencer também, não importa quem faça os gols. Tenho que melhorar minha chegada, saber compor o meio, entrar na área quando estamos com a bola, mas faz parte de uma adaptação de chegar ao ideal. Não me incomoda o fato de não aparecer tanto em jogadas decisivas – completou o atacante.

novembro 11, 2010 Posted by | São Paulo | , | Deixe um comentário

Carpegiani fala em dois reforços para 2011 e quer seguir com Richarlyson

Treinador diz que base do ano que vem já está montada e deixa claro que o time vai brigar pelos títulos de todas as competições que vai disputar

Embora garanta foca total da equipe nas últimas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro, o técnico Paulo César Carpegiani já está de olho na temporada 2011. O treinador já teve conversas preliminares com a diretoria e deixou claro: o time leva vantagem por já ter sua base montada. O que precisa é reforçá com o que o técnico chamou de “escolhas especiais”

– A diretoria já está consciente do que é necessário fazer para o ano que vem. O time precisa de uma ou duas contratações. É pouco, mas tem de ser especial, escolhido a dedo. O resto eu vou enxertar com a meninada da base. Não nos fixamos sobre nomes ainda, mas já sabemos das necessidades que temos na posição. Especificamente precisamos de um lateral-direito. Quando você tira o Jean da lateral, o time sente. O Ilsinho não joga na posição há muito tempo e é preciso fazer uma readaptação, o que só poderá ser feito no ano que vem. Além disso, preciso mexer um pouco no elenco, que possui muitos atletas com as mesmas características – avisou o treinador.

Carpegiani deixou claro que gostaria da permanência de Richarlyson para a próxima temporada. O contrato do polivalente se encerra no dia 31 de dezembro e Fluminense, Botafogo e Palmeiras já procuraram o empresário do jogador, Júlio Fressato, para demonstrar interesse.

– Eu conversei com a diretoria e com o atleta e coloquei o meu pensamento. Uma coisa é eu querer que ele fique, outra é acertar a renovação de contrato. Mas ele é um atleta importante – lembrou.

O treinador não esconde o otimismo para a próxima temporada.

– Com a sequência de jogos, esse time vai render muito mais. Independente de estar ou não na Libertadores, é preciso pensar em jogadores excelentes. Tenho certeza de que vamos brigar por todos os títulos que iremos disputar – concluiu Carpegiani.

novembro 9, 2010 Posted by | São Paulo | | Deixe um comentário

Com direito a olé, Timão vence rival São Paulo e assume a liderança

Elias e Dentinho marcaram os gols da vitória alvinegra. Derrota complica o Tricolor na briga por uma vaga na Libertadores da América

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O “olé” da torcida no final da partida foi o resumo da euforia do Corinthians. Na tarde deste domingo, com uma vitória incontestável por 2 a 0 sobre o São Paulo, no estádio do Morumbi, o Timão reassumiu a liderança do Campeonato Brasileiro (mesmo que temporariamente). Mas tem mais do que isso a comemorar. Até porque frustrou os planos do rival em relação à vaga na Libertadores e aumentou para 11 o número de jogos sem perder do Tricolor (sete vitórias e quatro empates). Elias e Dentinho foram os heróis.

Os destaques do clássico deste domingo não são novidade para os corintianos. Nem para os são-paulinos. Autor do primeiro gol do triunfo alvinegro, Elias costuma se dar bem contra o rival do Morumbi. Em sete jogos foram cinco gols. Média impressionante. Já Dentinho, que fez o segundo, jamais perdeu para o Tricolor.

A vitória no clássico colocou o Corinthians temporariamente na liderança do Brasileirão com 60 pontos. Agora, a equipe do Parque São Jorge torce por empate ou derrota do Fluminense no duelo com o Vasco, às 19h30m. Já o São Paulo, com os mesmos 50 de antes, não consegue se aproximar do G-4 e ainda pode perder a oitava colocação para o Atlético-PR, que encara o Flamengo esta noite.

Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, a de número 35, o São Paulo joga contra o Vasco, domingo, dia 14, às 17h, no estádio de São Januário, no Rio de Janeiro. O Corinthians, por sua vez, tem um confronto direto na briga pelo título. Recebe o Cruzeiro, no estádio do Pacaembu, às 19h30 do sábado, dia 13.

Era uma decisão. Tanto para o Corinthians, que busca o título, quanto para o São Paulo, na briga por uma vaga na Libertadores. E nos primeiros minutos, as duas equipes mostraram bem a “cara” dos seus treinadores. Do lado de Carpegiani, ataque atrás de ataque. Do lado de Tite, cautela defensiva.

Apesar de a postura tricolor ser mais ofensiva, os donos da casa demoraram a encontrar espaço para finalizar. Quando arriscavam de longe, o goleiro Julio Cesar não tinha com o que se preocupar. Enquanto isso, o Corinthians, que começou com Dentinho na vaga de Iarley, buscava os contra-ataques.

Ajudado pelo São Paulo, que abusava dos erros de passe, o Timão conseguiu criar alguns contragolpes, mas parou nas defesas de Rogério Ceni, como em chute de Dentinho aos 16 minutos. Aliás, os goleiros roubavam a cena no jogo. Julio Cesar, por sinal, salvou o Corinthians em boa finalização de Lucas, o melhor do Tricolor.

Os são-paulinos poderiam até achar que, pelo volume, o time estava melhor em campo. Mas o Corinthians, quando encaixa uma jogada, é muito mais perigoso. Na realidade, fatal. Foi assim aos 30 minutos. Jucilei deu ótimo passe em profundidade para Elias chutar cruzado da direita da grande área, sem chances para Ceni.

O gol marcado pelo volante evitou que os goleiros fossem os únicos protagonistas do primeiro tempo. E mais: mostrou ao Timão que o melhor caminho era mesmo pela direita, nas costas de Diogo, escolhido por Carpegiani para o lugar do titular Richarlyson, suspenso pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva.

Para tentar acabar com a “Avenida Diogo”, o técnico Paulo César Carpegiani mudou o São Paulo. Colocou o experiente Jorge Wagner no lugar do garoto. Mudou também na contenção do meio-campo. Sacou Casemiro e escalou Ilsinho, que assumiu a lateral direita e mandou Jean para ser volante. O Timão não mudou.

Com Jorge Wagner e Ilsinho em campo, o São Paulo passou a aproveitar melhor as jogadas pelas laterais. Uma saída contra a boa marcação dos volantes alvinegros. A mudança promovida por Carpegiani deixou o Tricolor mais rápido também. Melhor para Ricardo Oliveira, que passou a ser mais servido pelos companheiros.

A pressão tricolor em busca do empate foi grande. Mas o Corinthians, quando tinha a bola, se mostrava perigoso. Faltava apenas melhorar a finalização. Em relação ao primeiro tempo, o jogo melhorou. O torcedor pode ver muito mais chances de gol e uma movimentação intensa de todos os setores das duas equipes.

Aos poucos, porém, o Corinthians conseguiu esfriar o jogo e conter a pressão. Perdeu, por outro lado, mobilidade no meio-campo após Tite sacar Bruno César para a entrada de Danilo. Mas o São Paulo só não empatou aos 35 minutos porque do outro lado estava Julio Cesar, que fez linda defesa em chute de Jorge Wagner.

Mas quem conseguiu marcar foi o Timão. Mais eficiente, o time aproveitou o jogo aberto do São Paulo e dez 2 a 0 aos 39 minutos. Alessandro entrou em velocidade pela direita da grande área e cruzou para Dentinho completar: 2 a 0. Em seu segundo jogo após cinco lesões seguidas, o atacante se emocionou com o feito.

No final, a Fiel ainda calou os tricolores com um sonoro “olé”.

SÃO PAULO 0X2 CORINTHIANS
Rogério Ceni, Jean, Alex Silva, Miranda e Diogo (Jorge Wagner); Rodrigo Souto, Casemiro (Ilsinho), Lucas e Fernandão (Marlos); Dagoberto e Ricardo Oliveira. Julio Cesar; Alessandro, Chicão, William e Roberto Carlos; Ralf, Jucilei, Elias (Paulinho) e Bruno César (Danilo); Dentinho (Iarley) e Ronaldo.
Técnico: Paulo César Carpegiani. Técnico: Tite.
Gols: Elias, aos 39 minutos do primeiro tempo.
Cartões amarelos: Alex Silva, Dagoberto, Ilsinho (SPO); Roberto Carlos, Ronaldo, William (COR).
Público: 42.667 pagantes. Renda: R$ 1.262.401,59.
Local: Morumbi, em São Paulo (SP). Data: 07/11/2010. Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS). Auxiliares: Altemir Hausmann (FIFA-RS) e Carlos Berkenbrock (FIFA-SC).

novembro 7, 2010 Posted by | Corinthians, São Paulo | , | Deixe um comentário

Embalados, São Paulo e Corinthians prometem grande Majestoso

Após bons resultados na última rodada, Tricolor e Timão ainda têm muito emjogo no Campeonato Brasileiro

Na última semana, os resultados de São Paulo e Corinthians contribuíram para uma grande expectativa para o Majestoso. O clássico deste domingo, no Morumbi, tem muita coisa em jogo para ambos os time. O Timão briga título enquanto o Tricolor ainda sonha com a Libertadores.

Com a vitória contra o Cruzeiro, o São Paulo entrou de vez na briga por uma vaga na competição sul-americana e vem para o seu segundo duelo decisivo da semana. Com 50 pontos, são apenas quatro de diferença para o quarto colocado Botafogo e a vitória é praticamente uma obrigação para os tricolores.

Mesmo sabendo que se trata de um clássico, o Sampa quer fazer valer o seu mando de jogo com a força da torcida. Com apenas 5% de corintianos, a promessa é de que os são-paulinos lotem o Morumbi. Para Carpegiani agora não é mais hora para errar, já que a medida que o campeonato vai acabando, mais difícil fica chegar no G4.

– Pode ocorrer (tropeço), como ocorreu contra o Ceará, é natural de jogo. A margem de erro se estreitou, não temos escolha ao não ser buscar a vitória. O Corinthians não é nosso adversário direto, mas estamos buscando a Libertadores. São três times que estão lá em cima, estamos brigando um pouco mais com o Cruzeiro, mas até o empate fica ruim, todo mundo está em situação incômoda – analisou.

Para o Majestoso, o treinador do Sampa terá problemas para escalar sua equipe. Carlinhos Paraíba e Richarlyson estão suspensos e Carpegiani ainda não decidiu seus substitutos. Durante o treino fechado desta sexta-feira, o técnico experimentou algumas opções, mas não gostou do que viu. A tendência é que Carpegiani mantenha a dúvida até o domingo.

Pelo lado alvinegro, apesar de toda a rivalidade e a importância da partida, a o discurso é de evitar polêmicas. Após Tite, Ronaldo e William classificarem o jogo apenas como mais um no campeonato, Roberto Carlos também evitou provocações.

– Que seja um grande jogo, que não tenha violência e que o melhor saia vitorioso. Não temos de entrar em polêmica agora. Teve época que eu era de entrar nessa de briguinha, provocação, mas hoje não sou mais disso. Espero que o clássico tenha muitos gols, porque é disso que o torcedor gosta – disse veterano lateral.

Com dez partidas de invencibilidade ante o rival, o Corinthians chega embalado, liderado por Ronaldo. Na vitória por 4 a 0 sobre o Avaí, o Fenômeno balançou as redes duas vezes e já garantiu que vai para o “sacríficio”, em sua quinta partida consecutiva.

Outro corintiano muito querido pela torcida que deve aparecer na partida é Dentinho. Mesmo que não inicie o Majestoso, o jovem atacante deve entrar no decorrer do jogo, assim como aconteceu diante do Avaí e os corintianos foram ao delírio.

Embalados, Corinthians e São Paulo prometem um Majestoso de arrepiar neste domingo!

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO X CORINTHIANS

Estádio: Morumbi, São Paulo (SP)
Data/hora: 7/11/2010 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Auxiliares: Altemir Hausmann (Fifa-RS) e Carlos Berkenbrock (Fifa-SC)

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Renato Silva, Miranda, Alex Silva e Diogo; Rodrigo Souto, Jean (Cleber Santana), Fernandão e Lucas; Dagoberto e Ricardo Oliveira. Técnico: Paulo César Carpegiani.

CORINTHIANS: Julio Cesar, Alessandro, Chicão, William e Roberto Carlos; Ralf, Jucilei, Elias e Bruno César, Iarley e Ronaldo. Técnico: Tite.

novembro 7, 2010 Posted by | Corinthians, São Paulo | , , | Deixe um comentário

Jean se incomoda com jejum contra rival: ‘Passou da hora de vencermos’

Jogador quer encerrar escrita de quase quatro anos sem vencer o Timão

Neste domingo, além de buscar a vitória para seguir na briga por uma vaga na Libertadores, o São Paulo vai também tentar acabar com uma escrita negativa: não vence o Corinthians há três anos e dez meses ou dez jogos. Desde fevereiro de 2007, o Timão acumula seis vitórias. Houve quatro empates. Jean admite: se o Tricolor terminar a temporada sem bater o rival vai ficar incomodado.

– Seria chato ficar mais um ano sem vencer, terminar o ano com derrota contra o Corinthians, ainda mais por ser um clássico tão importante. Vamos fazer de tudo para manter o objetivo da Libertadores, mas com certeza seria chato terminar de forma negativa. Já passou da hora de vencermos, quando há um tabu ficamos um pouco incomodados sim – explicou o volante, que tem se destacado na lateral direita.

Além de tentar vencer o Timão, o São Paulo também tem que ficar de olho em Ronaldo, que está confirmado para o clássico. Jean elogia o Fenômeno e admite que a presença dele causa maior atenção de todos.

– Não há uma preocupação especial com ele na marcação. Claro que é um jogador que não pode ficar sozinho, marca onde estiver, só de estar ali é um peso grande para o adversário, mas quem estiver na zona dele vai ficar atento – acrescentou o jogador.

novembro 6, 2010 Posted by | São Paulo | | Deixe um comentário

Mantendo tabu contra o Cruzeiro, São Paulo vence em Uberlândia por 2 a 0

Tricolor paulista segue firme na luta por uma vaga no G-4, enquanto Raposa cai uma posição e é terceiro no Campeonato Brasileiro

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O equilíbrio aconteceu no campo e nas arquibancadas do Parque do Sabiá, mas apenas no primeiro tempo. Na etapa final, o São Paulo não tomou conhecimento por atuar fora de casa, bateu o Cruzeiro por 2 a 0, gols de Lucas e Rogério Ceni, e segue firma na luta pelo G-4, com 50 pontos, quatro atrás do quarto colocado Botafogo. Já a derrota fez com que a Raposa caísse uma posição na tabela, e agora está em terceiro. Apesar de continuar na briga pelo título, já que está atrás do Fluminense por apenas um ponto, os mineiros viram o Corinthians igualar a pontuação celeste e tomar a vice-liderança no saldo de gols. O São Paulo mostrou ser a pedra no sapato do Cruzeiro na temporada, uma vez que foi o algoz do time mineiro nas quartas de final da Libertadores no primeiro semestre. Na próxima rodada o Cruzeiro pega o Vitória, na Bahia, às 17h (de Brasília). No mesmo dia e horário o São Paulo tem o clássico contra o Corinthians, no Morumbi.

Igualdade no placar e nas ações ofensivas

O equilíbrio entre as equipes começou nas arquibancadas. Apesar de jogar em Minas Gerais, os são-paulinos igualaram as forças e coloriram de vermelho, preto e branco metade do Parque do Sabiá. Os cruzeirenses respondiam do outro lado. Com balões azuis e brancos, a torcida da Raposa ficou ainda mais animada ao ouvir nos alto-falantes do estádio o empate do Fluminense com o Inter. Os celestes vislumbravam a chance de retomar à ponta do campeonato.

O duelo entre Rogério Ceni e Fábio foi revivido logo aos sete minutos. Apesar do goleiro são-paulino já ter marcado cinco gols na carreira no camisa 1 celeste, desta vez a falta na entrada da área parou na barreira.

O São Paulo buscava os contra-ataques, apesar de atuar com Fernandão, Lucas, Dagoberto e Ricardo Oliveira. E chegava com perigo, apesar de pecar no passe final. Já o Cruzeiro tentava buscar espaços na defesa são-paulina. Robert até tentou, aos 18 minutos, mas de letra, colocou para fora. Dois minutos depois o São Paulo deu o troco e Ricardo Oliveira chutou em cima de Edcarlos, após lançamento de Lucas. O equilíbrio era constante.

O placar foi modificado aos 30 minutos, mas impedido, o zagueiro Miranda não pôde dar a alegria para os tricolores. O auxiliar Roberto Braatz acertou na marcação, já que o defensor estava à frente da defesa ao cabecear para o gol falta cobrada por Dagoberto.

No primeiro lance em que o Cruzeiro chegou ao ataque no toque de bola, levou perigo ao goleiro Rogério Ceni. Thiago Ribeiro recebeu passe de Gilberto na direita e chutou rasteiro para o arqueiro tricolor fazer a defesa em dois tempos.

Aos 43, Dagoberto quase repete o gol que marcou contra o próprio Cruzeiro na partida de volta das quartas de final da Libertadores. Na ocasião, o atacante encobriu o goleiro Fábio e decretou a eliminação celeste. No Parque do Sabiá, o zagueiro Edcarlos tirou sobre a linha e o feito foi comemorado como um gol pela torcida cruzeirense.

Superioridade tricolor

O empate não favorecia nem a Cruzeiro, que queria a liderança a todo custo, nem a São Paulo, tentando se aproximar do G-4. O segundo tempo começou da mesma forma que o primeiro, com as duas equipes buscando o ataque.

E foi o São Paulo que abriu o placar, e com categoria. O meia Lucas tabelou com Ricardo Oliveira, penetrou na grande área, driblou o goleiro Fábio e tocou para o gol, aos sete minutos.

O gol fez a torcida são-paulina explodir nas arquibancadas. Com gritos de ‘o campeão voltou’, os cruzeirenses sentiram o golpe. Tanto a torcida quanto o time. Com isso, o São Paulo quase ampliou aos 14 minutos. Ricardo Oliveira rolou para Dagoberto na área, mas o zagueiro Léo cortou e salvou o Cruzeiro.

A partir daí foi a vez de Rogério Ceni aparecer mais uma vez. Aos 16, Montillo cobrou falta da entrada da área e o goleiro fez defesa firme. No lance seguinte, Thiago Ribeiro chutou forte e o goleiro espalmou para escanteio. O Cruzeiro também perdeu uma boa chance com Léo. Dessa vez, Rogério Ceni saiu mal e a bola sobrou para o zagueiro, que chutou e Fernandão tirou embaixo da trave.

Ricardo Oliveira passou a puxar os contra-ataques do São Paulo. Em um deles, o atacante são-paulino deixou o zagueiro Léo no chão na ponta esquerda. Em outro lance, Ricardo Oliveira cavou pênalti ao ser derrubado por Edcarlos. O auxiliar até que tentou mostrar ao árbitro que o lance havia sido fora da área, mas o árbitro Nielson Nogueira Dias chamou a responsabilidade para errar sozinho.

E o duelo Fábio x Rogério Ceni teve mais um capítulo, e mais uma vez o goleiro tricolor levou a melhor. Na cobrança da penalidade, aos 35 minutos, Fábio ainda acertou o canto, mas nada pôde fazer e levou o sexto gol de Ceni na carreira. Rogério ainda brilhou ao espalmar uma cabeçada de Henrique. A torcida tricolor passou a gritar olé.

Com a desvantagem e abatido, o Cruzeiro não teve forças para reagir e continua freguês do São Paulo em campeonatos brasileiros. Não vence um duelo desde 2004.

CRUZEIRO 0 X 2 SÃO PAULO
Fábio; Jonathan (Farías), Léo, Edcarlos e Diego Renan; Henrique, Fabrício, Gilberto (Roger) e Montillo; Robert (Wallyson) e Thiago Ribeiro. Rogério Ceni; Jean, Alex Silva, Miranda e Richarlyson; Rodrigo Souto, Carlinhos Paraíba (Cleber Santana), Lucas (Marlos) e Fernandão (Renato Silva); Dagoberto (Cléber Santana) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Cuca. Técnico: Paulo César Carpegiani.
Gols: Lucas e Rogério Ceni (São Paulo)
Cartões amarelos: Fabrício e Gilberto (Cruzeiro); Miranda e Carlinhos Paraíba (São Paulo).
Estádio: Parque do Sabiá, em Uberlândia (MG). Data: 03/11/2010.Árbitro: Nielson Nogueira Dias (PE) . Auxiliares: Roberto Braatz (PR) e Ubirajara Ferraz Jota (PE).

novembro 3, 2010 Posted by | Cruzeiro, São Paulo | , | Deixe um comentário

Cruzeiro e São Paulo fazem jogo decisivo em Uberlândia

Enquanto o time mineiro briga pela ponta, o Tricolor segue com esperanças de vaga na Libertadores

A noite desta quarta-feira em Uberlândia promete. Se depender de Cruzeiro e São Paulo, que se enfrentarão no Parque do Sabiá, às 21h50, a expectativa é de um jogo aberto e repleto de gols.

Na briga pelo título, o Cruzeiro não quer mais perder pontos em casa na reta final do campeonato. Um bom desempenho no Parque do Sabiá pode ser o diferencial na disputa pelo título.

– O São Paulo vive uma boa fase no Brasileirão. O time cresceu bastante desde a chegada do novo treinador e ainda sonha terminar o campeonato conseguindo uma vaga na Libertadores. Mas nossaequipe também tem um objetivo, que é o título nacional. Estamos focados nisso e sabemos que será necessário um ótimo aproveitamento para levar esse troféu. Seria ótimo se nossa equipe vencesse todas as partidas que tem pela frente, porém sabemos que isso é muito complicado. Então, temos que somar o maior número de pontos possíveis – alerta o lateral-direito Jonathan.

Ele deve retornar ao time titular depois de ser desfalque na rodada passada por fadiga muscular. Mas Rômulo também está no páreo pela camisa 2. Mudança certa é na lateral esquerda. Sai Marquinhos Paraná, pelo terceiro cartão amarelo, volta Diego Renan, que estava suspenso. 

No ataque, Robert vai para a segunda partida seguida, já que ganhou a vaga de Farías e Wellington Paulista só deve retornar no fim de semana. Uma vitória do Cruzeiro pode devolver a liderança do Brasileirão ao time da Toca, dependendo do resultado do jogo do Fluminense.

No Tricolor, com a chegada de Carpegiani, o time finalmente voltou ao caminho das vitórias. Com ele, o time conquistou 12 pontos dos 15 possíveis no Brasileirão, seguindo na briga por uma vaga na Libertadores. Pensando somente em vitória, o comandante jogará com quatro homens avançados, já que Lucas volta de suspensão.

Uma possível mudança poderá ser a entrada de Cleber Santana no lugar de Carlinhos Paraíba. Carpegiani acredita na experiência de Santana em uma partida tão importante quanto a desta quarta-feira.

– É uma semana importante para vencer. Serão dois confrontos diretos (Cruzeiro e Corinthians) com duas equipes que estão brigando pelo título. O campeonato é de regularidade e principalmente depois que o Carpegiani assumiu, a gente tem sido mais regular. A questão de merecedor é só no final. Merecedores serão aqueles que terminarem nas primeiras posições – afirmou.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO X SÃO PAULO

Local: Parque do Sabiá, em Uberlândia (MG)
Data/hora: 03/11/2010, às 21h50 (horário de Brasília)
Árbitro: Nielson Nogueira Dias (PE)
Auxiliares: Roberto Braatz (PR-Fifa) e Ubirajara Ferraz Jota (PE)

CRUZEIRO: Fábio, Rômulo (Jonathan), Léo, Edcarlos e Diego Renan; Fabrício, Henrique, Gilberto e Montillo; Thiago Ribeiro e Robert. Técnico: Cuca.

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Jean, Alex Silva, Miranda e Richarlyson; Rodrigo Souto, Carlinhos (Cleber Santana), Lucas e Fernandão; Dagoberto e Ricardo Oliveira. Técnico: Paulo César Carpegiani.

novembro 3, 2010 Posted by | Cruzeiro, São Paulo | | Deixe um comentário

Montillo: uma joia que o São Paulo deixou escapar

Considerado caro, argentino saiu da mira do clube e, hoje, brilha no Cruzeiro

A vitória contra o Atlético-PR foi celebrada por Paulo César Carpegiani pelo fato de a bola ter passado mais pelo meio de campo, dando ao time maior posse dela. Sem um camisa 10, sente-se a falta de um maestro capaz de cadenciar o jogo e, ao mesmo tempo, proporcionar o “toco y me voy.” Mas essa realidade poderia ser muito diferente.

No primeiro semestre, o nome do argentino Montillo, destaque do Universidad de Chile, semifinalista da Libertadores, constava nas anotações do auxiliar técnico Milton Cruz, maior responsável por indicar contratações à diretoria.

Após as primeiras sondagens, porém, o valor de US$ 3,5 milhões (hoje em torno de R$ 5,9 milhões) o assustou e, ciente da política do clube, nem sequer passou o nome ao presidente Juvenal Juvêncio.

– Sei que aqui não fazem essas loucuras, porque não temos investidores – disse, ao LANCENET!.

Em conversas com o amigo Cuca, Milton fez elogios a Montillo. E, ao contrário do Sampa, o Cruzeiro foi atrás do argentino aproveitando-se da parceria com o banco BMG, que bancou integralmente o valor da compra de 100% dos direitos econômicos do meia, que assinou contrato por cinco anos.

Essa não foi a primeira vez que o Tricolor “fechou a mão” e perdeu um jogador do nível do cruzeirense. Quando estava no clube, o técnico Muricy Ramalho pediu por diversas vezes a contratação de Conca, mas os altos valores também nunca animaram a diretoria.

– Fazemos, eventualmente, investimentos assim. Fizemos um ainda maior com Dagoberto – disse Leco, vice-presidente de futebol.

Cifras como as que foram pagas pela contratação de Cleber Santana, que, por opção técnica, não fez nenhum jogo com Carpegiani. Para tirá-lo do Atlético de Madrid (ESP), foram pagos R$ 3,5 milhões por apenas 50% dos direitos econômicos e contrato até 2012. Já os “caros” Conca e Montillo brigam pelo prêmio de craque do campeonato, com média de nota 6,7 na Seleção do Campeonato do LANCE!.

Na quarta-feira, o Sampa reencontra o cruzeirense Montillo, que estreou pela Raposa contra o Tricolor, no jogo de ida. Aos são-paulinos, a sensação é a de que um grande jogador escapou.

Bate-Bola com Milton Cruz

LANCENET!: Quando observou Montillo?
MILTON CRUZ: Ele começou a me chamar a atenção na Libertadores. Fui atrás dos valores e pediam US$ 3,5 milhões. Nem levei para Juvenal, pois sei que aqui não se faz essas loucuras, não temos investidores. Cuca me ligou e comentei com ele.

LANCENET!: Indicou para o Cuzeiro?
MILTON CRUZ: Cuca disse que também tinha o observado, coincidentemente. Temos um gosto parecido. E o Cruzeiro tem seus investidores.

LANCENET!: Mas como se sente por ter acertado na análise do jogador?
MILTON CRUZ: Fico feliz, tenho bons olhos, não é?! (risos). É bom saber que a minha aposta daria certo.

LANCENET!: E o que está achando do futebol que ele está apresentando? É um dos melhores jogadores do Brasileirão, concorda?
MILTON CRUZ: Montillo é um bom jogador, um meia argentino. Só eles é quem sabem fazer meias. O futebol brasileiro não faz mais. É difícil encontrar meias com muita dinâmica, só o Santos que tem o Ganso, os outros times não têm ninguém. Vai muito de época, de formar vários jogadores da mesma posição. Tem época que se forma vários laterais-direitos, vários laterais- esquerdos. É difícil ter jogadores como Conca e Montillo, meias que sabem armar e que, com a mesma qualidade, tem poder de marcação.

novembro 2, 2010 Posted by | Cruzeiro, São Paulo | | Deixe um comentário

São Paulo vence o Atlético-PR e está de volta na briga pelo G4

Ex-técnico do time paranaense, Carpegiani muda a equipe no intervalo e consegue boa vitória na Arena Barueri. O Jason está de volta?

No reecontro de Carpegiani com o Atlético-PR, o treinador provou que ainda não esqueceu os segredos da equipe que dirigiu por 22 rodadas no Brasileiro. Com gols de Ricardo Oliveira e Miranda, o São Paulo derrotou o Atlético-PR, por 2 a 1, na Arena Barueri, e voltou à briga por uma vaga na Libertadores do ano que vem. Com os três pontos, o Tricolor alcançou o adversário na tabela – com 47 pontos conquistados -, e ficou somente um atrás do Botafogo, primeiro time no G4.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Na próxima quarta-feira, o time paulista vai a Minas Gerais, onde enfrenta o Cruzeiro em mais um confronto direto pela vaga na Libertadores. Já o Atlético-PR recebe o Palmeiras, quinta-feira, na Arena da Baixada.

Primeiro tempo movimentado em Barueri

Os poucos torcedores que decidiram acompanhar a partida da Arena Barueri assistiram a um primeiro tempo movimentado e com boas chances de gol criadas pelas duas equipes. Mesmo com os muitos desfalques enfrentados pelo técnico Sérgio Soares, o Atlético-PR tomou a inciativa e, logo aos dois minutos de jogo, em gol anulado de Bruno Mineiro, balançou as redes do capitão Rogério Ceni.

O susto acordou o São Paulo, e aos 10 minutos a partida já estava equilibrada. Segurando mais a bola no campo de ataque, o Tricolor abriria o placar dois minutos depois.

Em linda jogada de Ricardo Oliveira, o atacante livrou-se de dois defensores, invadiu a área e chutou forte, sem chances para Neto. O jovem goleiro, recém-convocado por Mano Menezes, ainda viu a bola tocar no travessão antes de morrer no fundo das redes.

Ao invés de incentivar o Atlético a buscar o empate, o gol animou ainda mais o time paulistano. Com a vantagem no placar, o São Paulo passou a se arriscar ainda mais, com rápidas trocas de bola entre Fernandão, Carlinhos, Dagoberto e Ricardo Olivera. Por outro lado, passou a expor mais sua defesa.

E justamente numa saída errada de bola de Casemiro, o Atlético chegou ao empate. Depois do erro do volante, Guerrón recebeu pelo lado direito, invadiu a área e, na velocidade, chutou cruzado, certeiro. Dessa vez, validado pelo juíz.

Carpegiani muda e decide

Com a entrada de Marlos no lugar de Casemiro no intervalo, o técnico Paulo César Carpegiani mostrava porque a diretoria Tricolor acertou quando decidiu por sua contratação. Com maior qualidade na saída de bola, o São Paulo começou a segunda etapa sufocando o Atlético em seu campo de defesa.

Logo aos 5 minutos, em falta cobrada por Dagoberto, o zagueiro Miranda subiu livre e cabeçeou para devolver a vantagem Tricolor. Foi o primeiro gol do zagueiro no Campeonato Brasileiro.

O domínio são-paulino após o gol – já que ainda chegava com perigo nos chutes de Ricardo Oliveira -, não assustou o Atlético-PR. Mesmo pressionado, e vendo Marlos movimentar melhor a bola no meio-campo do São Paulo, o time paranaense ainda assustava nos rápidos contra-ataques.

Aos 21 minutos, Chico driblou Alex Silva e arriscou, já desequilibrado. E foi aí que brilhou a estrela do capitão Tricolor pela 700ª vez na carreira. Esticando-se todo, Rogério Ceni tocou a bola com a ponta dos dedos, mandando para escanteio.

Assim como queria Ricardo Oliveira na saída para o intervalo, o São Paulo passou a jogar com mais inteligência. E aos 35 minutos, o próprio atacante quase matou a partida. Depois de cruzamento de Fernandão, cabeçeou livre na pequena área, para grande defesa do goleiro Neto.

Já nos acréscimos do segundo tempo, Ilsinho ainda desperdiçou grande chance. Sozinho na grande área, perdeu o ângulo do chute e bateu para fora. Não havia mais tempo para reação, e o São Paulo permanece na briga. Será que o Jason voltou?

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO 2 X 1 ATLÉTICO-PR

Estádio: Arena Barueri, Barueri (SP)
Data/hora: 28/10/2010 – 21h (de Brasília)
Árbitro: Marcio Chagas da Silva (RS)
Auxiliares: Julio Cesar Santos (RS) e Marcelo Bertanha Barison (RS)
Renda/público: R$ 169.296,59 / 16.480 pagantes

Cartões amarelos: Richarlyson, Carlinhos (SPO); Rafael Santos, Deivid, Guerrón (APR)
Cartões vermelhos: Nenhum

GOLS: Ricardo Oliveira, 12’/1ºT (1-0); Guerrón, 25’/1ºT (1-1); Miranda, 5′ /2ºT (2-1)

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Jean, Alex Silva, Miranda e Richarlyson; Casemiro (Marlos, Intervalo), Rodrigo Souto, Carlinhos e Fernandão; Dagoberto (Ilsinho, 36’/2ºT) e Ricardo Oliveira. Técnico: Paulo César Carpegiani.

ATLÉTICO-PR: Neto; Deivid (Marcelo, 31’/2ºT), Manoel, Rafael Santos e Paulinho; Chico, Vitor, Claiton (Edgar, 19’/2ºT) e Netinho; Guerrón (Nieto, 32’/2ºT) e Bruno Mineiro. Técnico: Sérgio Soares.

outubro 28, 2010 Posted by | Atlético-PR, São Paulo | | Deixe um comentário