Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Nos pênaltis, Internacional é campeão dentro do Olímpico

Após jogo eletrizante no tempo normal, Renan se redime de falha e pega três cobranças

Grêmio e Internacional decidiram neste domingo, no Estádio Olímpico, o título do Campeonato Gaúcho de 2011. Com a vitória colorada por 3 a 2 no tempo normal, a decisão foi para os pênaltis, já que o Grêmio vencera o primeiro jogo pelo mesmo placar. Nas penalidades, brilhou a estrela do goleiro Renan, que pegou as cobranças de William Magrão, Lúcio e Adílson.

A partida começou com os donos da casa impondo seu ritmo. Mesmo tendo batido o rival no Beira-Rio, o Grêmio imprensou o seu adversário em seu campo de defesa, e contou com o meia Douglas em tarde inspirada.O Inter, por sua vez, viu seu esquema com três zagueiros ruir logo aos 15 minutos da etapa inicial. Douglas deu lançamento milimétrico para Lúcio, que tocou por baixo do goleiro Renan. Incrédulos, os defensores colorados pediam impedimento inexistente.

O gol acentuou ainda mais o predomínio azul, que seguia de posse do meio de campo e criava as oportunidades mais concretas. Viçosa e Douglas, por exemplo, desperdiçaram chances que praticamente selariam o bicampeonato do Gaúcho. O rumo da partida mudou quando o técnico Falcão decidiu abandonar o desenho tático inicial.

Com o meia Zé Roberto na vaga de Juan, o Colorado foi um time mais envolvente e equilibrou as ações e a posse de bola. E foi dos pés de Zé Roberto que nasceu o empate dos visitantes. O apoiador fez jogada pela esquerda e cruzou. Leandro Damião, bem colocado, girou sobre o zagueiro e bateu para reacender as esperanças da minoria colorada presente ao jogo.

Necessitando de mais um gol para levar a decisão para os pênaltis, o Internacional não tinha outra alternativa a não ser buscar o ataque. Aos 45 minutos, Zé Roberto bateu o escanteio, a zaga rebateu e Andrezinho, de fora da área, colocou fogo no clássico.

A etapa final deixou os torcedores com a respiração presa, deixando no ar a sensação de que um gol de qualquer uma das partes resolveria a parada. Impulsionado pelo gol obtido quase nos acréscimos, o Inter partiu para cima do rival, que voltou um tanto mais cauteloso para a decisão.

Aos poucos, porém, o reequilíbrio voltou a ser a tônica do jogo. Aos 11, Leandro Damião isolou o que poderia ser o gol do título. Um minuto depois, Viçosa não marcou o gol que representaria o alívio tricolor.O suspense permaneceu. O desenho aparentemente definitivo da decisão aconteceu aos 28 minutos, momento em que Victor derrubou Zé Roberto na área. O argentino D’Alessandro, que não vinha em grande jornada, teve calma para colocar a bola no fundo da rede.

O apelido Imortal, no entanto, cabe bem ao Grêmio. Aos 36, o goleiro Renan soltou novamente um cruzamento na área e Borges, bem colocado, teve o trabalho de marcar e levar a decisão para os pênaltis. Antes do apito de Leandro Vuaden, entretanto, Inter e Grêmio tiveram chances claríssimas de liquidar.

Nos pênaltis, vitória colorada por 5 a 4. Bicampeonato e festa da metade vermelha do Rio Grande do Sul.

FICHA TÉCNICA:
GRÊMIO 2 (4) X 3 (5) INTERNACIONAL

Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre (RS)
Data/Hora: 15/5/2011 às 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Leandro Vuaden
Auxiliares: Altemir Hausmann e Júlio Cesar dos Santos
Cartões amarelos: Juan, D’Alessandro, Zé Roberto, Guiñazu (INT); Vílson, Fábio Rochemback (GRE)
Cartões vermelhos: –

Gols: Lúcio, 15’/1ºT (1-0); Leandro Damião, 31’/1ºT (1-1), Andrezinho, 46’/1ºT (1-2), D’Alessandro, 29’/2ºT (1-3), Borges, 36’/2ºT (2-3)

GRÊMIO: Victor, Mário Fernandes, Vilson, Rodolfo e Gilson (William Magrão, 32’/2ºT); Fábio Rochemback, Adilson Lúcio e Douglas; Leandro (Lins, 31’/2ºT) e Júnior Viçosa (Borges,30’/2ºT) Técnico: Renato Gaúcho.

INTERNACIONAL: Renan, Bolivar, Índio, Juan (Zé Roberto, 28’/1ºT) e Nei; Bolatti, Guiñazu, Andrezinho (Oscar, 4’/2ºT), D’Alessandro e Kleber; Leandro Damião. Técnico: Falcão.

maio 15, 2011 Posted by | Grêmio, Internacional | , | Deixe um comentário

Grêmio vence o Inter no primeiro jogo da decisão

Jogo foi movimentado no Beira-Rio, Tricolor consegue virada e sai na frente do rival no primeiro jogo da final do Gauchão

Internacional e Grêmio começaram neste domingo a decidir o Campeonato Gaúcho. E quem se deu melhor foi o Tricolor que, numa partida muito movimentada, venceu por 3 a 2 no Beira-Rio e, agora, pode empatar e até perder de 1 a 0 ou 2 a 1 no Olímpico para levantar a taça de campeão.

Mesmo jogando fora de casa, o Grêmio começou melhor a partida, encurralando o Internacional em seu campo de defesa nos minutos iniciais. Mas o domínio territorial não foi transformado em gols e o Colorado aproveitou para sair na frente logo em sua primeira oportunidade, com Andrezinho mandando bola no cantinho de Grohe após bom passe de Leandro Damião.

Veja os gols da vitória do Grêmio sobre o Inter

Com a vantagem do Inter, inverteu-se também o domínio do jogo, agora totalmente Colorado. Jogando bem, o time comandado por Falcão ficou perto de chegar ao segundo em oportunidades de Andrezinho e Kléber, defendidas por Marcelo Grohe. Mas o Grêmio não estava morto e chegou ao empate com Júnior Viçosa, que havia desperdiçado duas chances antes. Desta vez, o atacante tricolor contou com saída ruim do goleiro adversário Renan e mandou de cabeça para o fundo da rede.

Se o primeiro tempo foi bem movimentado, o segundo não começou atrás. Com 38 segundos, o Grêmio já marcou o segundo. Leandro tabelou com Viçosa e mandou de bico mesmo para dentro, virando o marcador.

Em destantagem, nada sobrava ao Inter a não ser ir para cima. O jogo, então, ganhou em movimentação com as duas equipes alternando bons momentos no ataque. De tanto insistir, o Colorado chegou ao empate com Leandro Damião. Quando parecia que tudo terminaria igual, Renan voltou a sair mal e Júnior Viçosa, mais uma vez, cabeçou encobrindo o goleiro, dando à vitória por 3 a 2 ao Tricolor.

No finzinho, Escudero ainda foi expulso, mas o Internacional não tinha tempo para mais nada. Resta, agora, correr atrás no Olímpico.

FICHA TÉCNICA:
INTERNACIONAL 2 X 3 GRÊMIO

Estádio: Beira-Rio, Porto Alegre (RS)
Data/hora: 8/5/2011 – 16h
Árbitro: Jean Pierre Gonçalves Lima (RS)
Auxiliares: Marcelo Bertanha Barison (RS) e José Javel Silveira (RS)

Cartões amarelos: Tinga, Rodrigo, Bolatti, Bolívar, Nei (INT); Fernando, Neuton (GRE)
Cartões vermelhos: Escudero, 44’/2ºT (GRE)

Gols: Andrezinho, 8’/1ºT (1-0); Júnior Viçosa, 38’/1ºT (1-1); Leandro, 1’/2ºT (1-2); Leandro Damião, 36’/2ºT (2-2); Júnior Viçosa, 41’/2ºT (2-3)

INTERNACIONAL: Renan, Nei, Bolívar, Rodrigo e Kléber; Bolatti, Tinga, Andrezinho e D’Alessandro (Oscar, 14’/2ºT); Rafael Sóbis (Cavenaghi, 14’/2ºT) e Leandro Damião. Técnico: Falcão

GRÊMIO: Marcelo Grohe, Mário Fernandes, Vilson, Rodolfo (Neuton, 15’/2ºT) e Gilson; Fábio Rochemback, Fernando, Escudero e Douglas (Lúcio, 23’/2ºT); Leandro (Lins, 33’/2ºT) e Júnior Viçosa. Técnico: Renato Gaúcho.

maio 9, 2011 Posted by | Grêmio, Internacional | | Deixe um comentário

Com gols-relâmpago, Inter é eliminado da Libertadores

Colorado levou dois gols em cinco minutos, cedeu virada e deu adeus ao sonho do tricampeonato

O inesperado aconteceu. Com dois gols-relâmpago na volta do segundo tempo, o Internacional cedeu a virada e foi derrotado pelo Peñarol por 2 a 1 no Beira-Rio, nesta quarta-feira, dando adeus ao sonho do tricampeonato da Copa Santander Libertadores. Agora o Colorado terá de focar na disputa da final do Campeonato Gaúcho, neste domingo, quando encara o Grêmio.

Receba primeiro as notícias do Inter no seu celular!

Vai aos jogos do Inter? Mande o seu vídeo de amor ao clube

A vitória colorada parecia desenhada logo no primeiro minuto, quando Oscar recebeu bom passe pela meia esquerda e bateu no canto para abrir o placar. Contudo, o Peñarol não sentiu o baque e aos pouco começou a se organizar. Mesmo com a vantagem, o técnico Falcão estava agitado na beira do campo, parecendo que previa o pior.

Os visitantes ganharam terreno de jogo e criaram mais oportunidades de ataque, enquanto o Inter não conseguia mais trocar passes pelo meio como fizera nos primeiros minutos. A solução foi abrir o jogo e explorar as laterais, o que fez aumentar o ritmo da partida.

O segundo gol colorado quase saiu em uma bela tabela entre Bolatti e Leandro Damião, que encontrou Kleber na esquerda livre. Mas o lateral pegou muito mal na bola e isolou. O erro custaria caro minutos depois.

Na volta para o segundo tempo, a surpresa. Em cinco minutos o Peñarol virou a partida. Aos 15 segundos, Martinuccio aproveitou o cochilo da defesa colorada e empatou. Ainda sem entender o que havia acontecido, o Colorado levou o segundo golpe: Oliveira de cabeça virou.

De nada adiantou as mudanças de Falcão, que colocou Ricardo Goulart e Tinga, sacando Andrezinho, que pouco fez, e Oscar, autor do gol. O desespero bateu, e aquele Inter que tocava a bola ficou no vestiário, dando lugar a uma equipe desordenada, que não teve forças para reagir. Rafael Sóbis ainda entrou no lugar de nei para tentar um milagre, mas a primeira derrota de Falcão veio em hora errada. O Inter se despediu da Libertadores.

FICHA TÉCNICA

INTERNACIONAL 1 X 2 PEÑAROL (URU)

ESTÁDIO: Beira-Rio, Porto Alegre (RS)
DATA E HORA: 19h30
ÁRBITRO: Enrique Osses (CHI)
CARTÕES AMARELOS: D’Alessandro, Nei (Internacional), Freitas, Domingo (Peñarol);
GOLS: Oscar (1-0), ao 1’/1ºT; Martinuccio (1-1), ao 1’/2ºT; Oliveira (1-2), aos 5’/2ºT

INTERNACIONAL: Renan, Nei (Rafael Sóbis), Bolívar. Rodrigo e Kleber; Bolatti, Guiñazu, Andrezinho (Ricardo Goulart) e D’alessandro; Oscar (Tinga) e Leandro Damião.

PEÑAROL: Sosa, González, Valdez (Albín), Rodriguez, Dario Rodriguez, Freitas, Aguiar, Corujo, Mier (Domingo), Martinuccio (Torres) e Olivera.

maio 5, 2011 Posted by | Internacional | Deixe um comentário

Inter vence nos pênaltis, ganha returno e força dois superclássicos


Colorado empata por 1 a 1 com o Grêmio no tempo normal, mas vence nas cobranças, por 4 a 2, e ganha o returno

O Inter teve o poder da multiplicação ao superar o Grêmio nos pênaltis na tarde deste domingo, no Beira-Rio, após empate por 1 a 1 no tempo normal. Foi múltiplo em campo, com um time mais bem distribuído, mais criativo, mais agrupado. Pluralizou seu bom momento e a instabilidade do rival, consequências naturais de um clássico sem igual – não tente convencer um gaúcho do contrário. E, acima de tudo, transformou um Gre-Nal em três. A conquista do título do returno pelos colorados assegurou a realização de dois superclássicos para a definição de quem manda no Rio Grande do Sul.
O gol do Inter foi marcado por Leandro Damião, no primeiro tempo, em lance polêmico. Júnior Viçosa empatou no segundo tempo. Mas o Inter levou a melhor nos pênaltis, por 4 a 2, com gols de D’Alessandro, Damião, Kleber e Rodrigo. O Grêmio fez com Rochemback e Adílson, mas errou com Borges, que chutou por cima, e Fernando, que parou na defesa de Renan.
A partida reuniu pela primeira vez os maiores ídolos da história dos dois clubes, ambos agora treinadores. Paulo Roberto Falcão e Renato Gaúcho travaram um duelo de estratégia. Os dois modificaram a forma habitual de suas equipes jogarem. O comandante colorado levou a melhor. O Inter foi superior em campo. Só perdeu o controle do jogo com a expulsão de Guiñazu na etapa final.
Os Gre-Nais decisivos serão nos dois próximos domingos, primeiro no Beira-Rio, depois no Olímpico. Antes, é preciso pensar na Libertadores. Na quarta-feira, os colorados recebem o Peñarol, e os tricolores visitam o Universidad Católica.
Euforia vermelha se confunde com ira azul: 1 a 0 pro Inter no primeiro tempo
Aos 23 minutos do primeiro tempo, em um Beira-Rio quase tomado de vermelho e azul, enquanto Leandro Damião fazia festa, todos os jogadores do Grêmio tentavam dar um jeito de pegar o árbitro pelas orelhas e arremessá-lo no fosso do estádio. Um segundo antes, o centroavante do Inter havia vencido Rodolfo no corpo, havia visto o defensor se espatifar no gramado, havia recuperado a bola, havia concluído com um toque precioso por cima de Marcelo Grohe. Antes mesmo de a bola cruzar a última linha tricolor e ir beijar a rede, os atletas do time visitante urravam um pedido de falta do camisa 9 rival. Márcio Chagas da Silva nada marcou. A euforia vermelha se confundiu com a ira azul. Era o gol do Inter.
Era um gol que, separada a polêmica do lance, o Inter mereceu. Os colorados foram bastante superiores aos rivais no primeiro tempo. Paulo Roberto Falcão montou sua equipe em um esquema diferente do habitual, com três criadores – Andrezinho pela esquerda, Oscar pela direita e D’Alessandro livre para circular pelo meio. No Grêmio, Renato Gaúcho foi precavido. Criou um 3-6-1, com Vilson na zaga e três volantes acompanhando Douglas no meio.

Leandro Damião comemora gol do Inter contra o Grêmio (Foto: Jefferson Bernardes / VIPCOMM)
Os primeiros instantes foram de supremacia do Inter. Com dez minutos, o time colorado chegou três vezes na frente com relativo perigo. Damião chutou fraco. Rodrigo cobrou falta para fora. Andrezinho cabeceou por cima.
O Grêmio, quando respondeu, o fez bem. Gilson apareceu pela esquerda e mandou uma pancada em diagonal. Renan espalmou.
Mas o lance não abalou o time da casa. O Inter seguiu superior. Criou chances repetidas vezes, embora elas não tenham sido das mais ameaçadoras. Andrezinho infernizou pelo lado esquerdo. A zaga do Grêmio deve ter pensado em levantar uma daquela plaquinhas com o rosto do jogador, um valor de recompensa embaixo e um recado na parte de cima: procurado. Aos 21 minutos, ele chutou por cima. Aos 34, bateu falta, e Grohe pegou. Aos 46, bateu colocado, novamente com perigo. E foi dele o passe para o gol de Damião.
Renato Gaúcho mexeu em sua equipe ainda no primeiro tempo. Tirou Willian Magrão e colocou o atacante Leandro. Assim, transformou o 3-6-1 em 3-5-2. A mudança não teve força para dar controle ao Grêmio, mas ao menos rendeu uma chance. O guri de 17 anos recebeu lançamento de Rodolfo, entrou na área pela direita e quase empatou. O chute foi parar na rede, mas por fora.
Grêmio equilibra jogo e busca o empate
O início do segundo tempo manteve a supremacia vermelha. Renato Gaúcho se viu obrigado a fazer mais uma mudança, já que Gabriel se lesionou. O volante Fernando foi a campo, e Vilson passou para a lateral direita. Enquanto se reorganizava, o Tricolor viu seu rival criar novas chances de gol. Tinga errou conclusão dentro da área. D’Alessandro mandou pancada de fora, e Grohe espalmou.
Aos poucos, o Grêmio conseguiu dominar o calor do Inter na partida. E equilibrou de vez as ações ao ver Guiñazu ser expulso. O argentino deu um de seus tradicionais carrinhos e levou o cartão amarelo. Já tinha um. Foi para a rua.
Falcão teve que reconstruir seu sistema de marcação. Primeiro, entrou Wilson Matias no lugar de Oscar; depois, Juan na vaga de Andrezinho. O Inter se encolheu. Virou a hora de o Grêmio forçar a barra em busca do gol.
Foi fundamental a entrada de Júnior Viçosa. A ousadia de Renato foi determinante. O treinador tirou Vilson e colocou o atacante. Aos 41 minutos, após confusão dentro da área, o atleta saído do banco completou para o gol. Era o empate. Era o renascimento do Grêmio. Era a chance de o Tricolor ser campeão gaúcho já neste domingo.
O jogo explodiu em tensão. Leandro Damião fez fila na zaga gremista e só parou em Marcelo Grohe. Na resposta, Viçosa ficou livre para virar, mas a zaga abafou. Jogaço!
Mas passou o tempo, acabou o jogo. Restavam os pênaltis, o drama em seu nível máximo, a situação mais inadjetivável para um gaúcho – e tente dizer a algum deles que existe algo superior a um Gre-Nal.
INTERNACIONAL 1 X 1 GRÊMIO
Renan, Nei, Bolívar, Rodrigo e Kleber; Guiñazu, Tinga, Andrezinho (Juan) e D’Alessandro; Oscar (Wilson Matias) e Leandro Damião. Marcelo Grohe, Rafael Marques, Vilson (Júnior Viçosa) e Rodolfo; Gabriel (Fernando), Fábio Rochemback, Adílson, Willian Magrão (Leandro), Douglas e Gilson; Borges.
Técnico: Paulo Roberto Falcão Técnico: Renato Gaúcho
Gols: Leandro Damião, aos 24 minutos do primeiro tempo; Júnior Viçosa, aos 41 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Gilson, Rafael Marques, Adílson (Grêmio); Guiñzu (Inter). Cartão vermelho: Guiñazu (Inter).
Estádio: Beira-Rio, em Porto Alegre (RS). Data: 01/05/2011. Árbitro: Márcio Chagas da Silva. Auxiliares: Altermir Hausmann e José Antônio Chaves Franco Filho. Público: 33.634.

maio 3, 2011 Posted by | Grêmio, Internacional | Deixe um comentário

Leandro Damião salva o Inter de derrota no Uruguai

Colorado saiu em desvantagem, mas empatou com o Peñarol, no primeiro encontro entre as equipes pelas oitavas da Libertadores

O Internacional encontrou muita dificuldade diante do Peñarol, no Estádio Centenário, em Montevidéu (URU). Nesta quinta-feira, o Colorado saiu em desvantagem no placar, mas Leandro Damião marcou o gol de empate na segunda etapa e salvou o time de uma derrota no primeiro confronto entre as equipes, que terminou em 1 a 1, pelas oitavas de final da Copa Santander Libertadores.

Agora o time de Falcão pode empatar por 0 a 0 na partida de volta, no Beira-Rio, para se classificar. O reencontro com os uruguaios acontece na próxima quarta-feira.

A vida do Internacional não começou tranquila. O Peñarol adiantou a marcação e, com ajuda do péssimo estado do gramado, impediu que o Colorado saísse jogando com tranquilidade. Os donos da casa foram no embalo da torcida e poderiam ter aberto o placar em pelo menos duas oportunidades claras. Sorte do Inter que Renan estava bem colocado para evitar o pior (em uma delas à queima roupa).

Falcão prometeu que o Inter iria ter uma postura ofensiva, apesar de jogar no imponente Centenário. Só que o treinador não entra em campo e o Colorado passou a primeira metade do primeiro tempo em busca do contra-ataque perfeito.

Em um deles Leandro Damião recebeu em velocidade e foi derrubado quando ia entrar na área. O atacante deu um susto ao sair com dores no ombro direito, mas retornou. No mesmo lance, o árbitro foi econômico e não expulsou o zagueiro Valdez. Preferiu dar o amarelo.

O acerto da equipe veio com o passar do tempo e o Inter tomou conta das principais ações do jogo.

Mas o Colorado deu espaço para o contra-golpe dos uruguaios. E foi através dele que o gol do Peñarol saiu. Martinuccio escapou pela esquerda e deixou Corujo na boa, na marca do pênalti, para abrir o placar. Ele não desperdiçou: 1 a 0, aos 36 minutos.

Impotente diante da retranca do Peñarol, o Inter chegou ao intervalo sem conseguir diminuir o prejuízo. E ainda continuou a dar espaço nos contra-ataques.

Na volta para a etapa final, Falcão resolveu abandonar de vez as duas linhas de quatro: tirou Sobis e colocou Oscar. Mas o efeito não foi o esperado. A partida ficou morna, sem lances de perigo para ambos os lados.

O Inter tentou acionar Leandro Damião com cruzamentos, mas não achou brecha. O camisa 9 era mesmo a melhor solução para o Colorado. Ele provou isso aos 20 minutos de jogo, quando recebeu na intermediária e mandou para o gol. A bola desviou no meio do caminho e encobriu o goleiro Sosa. Euforia do time brasileiro e silêncio entre os torcedores uruguaios presentes no Centenário.

Depois do gol, o Inter até se animou e manteve o controle da partida. Mas a velocidade nas jogadas estava baixa, o que facilitou a neutralização da defesa uruguaia. O confronto em Montevidéu terminou empatado. Não era o que o Inter esperava, mas a classificação está bem encaminhada.

PEÑAROL (URU) 1 X 1 INTERNACIONAL
LOCAL: Estádio Centenário, Montevidéo (URU)
DATA: 28/4/11
CARTÕES AMARELOS: Valdez, Freitas, D. Rodríguez e Martinucci(PEN); Tinga (INT)
GOLS: Corujo, 36’/1ºT (1-0); Leandro Damião, 20’/2ºT;

PEÑAROL: Sosa; González, Valdez, Guillermo Rodríguez e Darío Rodríguez; Matías Corujo, Freitas, Luis Aguiar e Matías Mier (Estoyanoff, 24’/2ºT); Pacheco (Alonso, 33’/2ºT) e Martinuccio. Técnico: Diego Aguirre.

INTERNACIONAL: Renan; Nei, Bolívar, Rodrigo e Kleber; Bolatti, Guiñazu, Andrezinho (Tinga, 33’/2ºT) e D’Alessandro; Rafael Sobis (Oscar, intervalo) e Leandro Damião.

abril 29, 2011 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário

Em jogo de golaços, Inter bate Ju e confirma Gre-Nal

Colorado faz 2 a 1 no time da casa e está na final da Taça Farroupilha 

Mais um grande jogo no Gauchão. Após o Grêmio se classificar para final em embate com o Cruzeiro, o Inter passou pelo Juventude com um a menos e confirma o Grenal na decisão da Taça Farroupilha. A vitória em Caxias do Sul por 2 a 1 deixa o Colorado em condições de definir a competição dentro do Estádio Beira-Rio, a princípio no próximo domingo. O clássico será o primeiro da maratona de cinco que podem acontecer. 

Se Grêmio e Cruzeiro fizeram um jogo eletrizante pela primeira semifinal, Juventude e Inter parecem ter ficado com ciúmes. A vaga para a final parecia o prato de comida dos jogadores do time do interior gaúcho. E a fome era grande. Cinquenta segundos de partida e duas faltas cometidas pelo Ju. Pelo lado colorado, Falcão surpreendeu e escalou Oscar como substituto de D’Alessandro.

A primeira chegada mais forte do jogo aconteceu aos seis minutos, também do time da casa. Júlio Madureira, artilheiro da equipe com 11 gols, recebeu cruzamento na área colorada e cabeceou à direita do gol defendido por Renan. Apesar do lance, o Inter era melhor no jogo e dominava as ações. Só que não conseguia transpor a marcação forte caxiense.

Os meias colorados erravam muitos passes e complicavam a criação colorada. Era preciso a presença dos volantes passando da linha da bola. Até o momento, o Ju apenas marcava. Na primeira jogada armada, Nei e Oscar tabelaram. O lateral direito acionou Bolatti, pelo meio, como necessário, chegando na frente. O argentino dominou no peito aos 19 minutos, na meia direita, e soltou a bomba. Sem chance alguma para Jonatas, a bola dormiu no ângulo direito do goleiro. Golaço.

Dono da casa, o Juventude evidentemente não queria deixar a classificação para a final escapar tão facilmente. Se jogou a frente e passou a marcar a saída de bola do adversário com mais afinco. E empatou após o autor do gol colorado fazer uma falta na intermediária. Fred, zagueiro, bateu forte e no ângulo. Oito minutos depois o Juventude igualou tudo.

O gol desesperou os jogadores do Inter. E o Juventude cresceu. Tentou de fora da área com Cristiano e teve chance clara com Júlio Madureira, impedido. Mas o final do primeiro tempo teve o Colorado melhor no jogo, desperdiçando chances com Andrezinho, bloqueado dentro da área, e Rafael Sobis, em cobrança de falta por cima.

No vestiário, a orientação de Falcão foi de o Inter se postar mais ofensivamente. Kleber se desgarrou da primeira linha de quatro jogadores e auxiliava Oscar sobre Anderson Pico. O meia, mesmo sem ritmo, era o melhor do Inter na partida e passou em diversas oportunidades pelo lateral direito alviverde no segundo tempo.

Com a postura vermelha, o Ju se acuou em seu campo. Em chance aos nove com Leandro Damião, sua primeira finalização na partida, depois aos 11 e 12, o Colorado levou perigo ao dono da casa. O contra-ataque era a arma alviverde, mas o Inter se defendia bem. Aos 14, um lance inacreditável. Oscar cobra escanteio, o goleiro divide com Damião e a bola sobra para Rodrigo, que acerta o travessão. No rebote, Bolívar cabeceou e Ramiro, de bicicleta, tirou sobre a linha. Surreal.

A pressão colorado continuava. Em outra jogada sobre Anderson Pico, Oscar rouba bola, dribla dois marcadores e com açúcar chuta. A bola ruma o ângulo, mas toma algum vento da Serra Gaúcha e se choca com o travessão. No lance seguinte, aos 20, Bolatti complica as coisas para o Colorado. Tenta driblar o marcador sobre a linha do meio-campo, perde e põe a mão na bola. Cartão vermelho.

Imediatamente, Falcão recompôs o meio-campo e colocou Tinga no lugar de Rafael Sobis. Oscar foi quem continuou sendo o motor do time do Inter e até cansar e ser substituído era o principal jogador da partida. O Juventude se soltou um pouco mais, e passou a dominar o jogo.

Só que aí apareceu Leandro Damião. Ele correu atrás de lançamento no fundo do campo, pela direita, sozinho contra a zaga do time caxiense. Na frente do marcador, o centroavante deu uma lambreta e, antes do goleiro, conseguiu dar toque para Tinga. O volante dividiu com o goleiro e a zaga e fez o segundo para o Colorado em partida que se tornava muito complicada. Outro golaço, agora aos 33 minutos do segundo tempo. 

Os minutos finais do decisão foram de um time da casa tentando romper a barreira formada pelo adversário, enquanto Inter se defendia e tentava passar o tempo com a bola nos pés. Aos 41, Cristiano quase fez para o Ju. Mas a pressão não deu resultado, e o Inter segurou a vitória. 

FICHA TÉCNICA

JUVENTUDE 1 X 2 INTER

Data/hora: 24/04, às 16h

Local: Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul

Árbitro: Jean Pierre Gonçalves, auxiliado por Marcelo Bertagna Barison por Tatiana Jacques de Freitas

Gols: Bolatti, aos 19 minutos do primeiro tempo e Tinga, aos 33 minutos do segundo tempo; Fred, aos 27 minutos do primeiro tempo

Cartões amarelos: Bolatti (I) Fred (J)

Cartão vermelho: Bolatti (I)

Juventude: Jonatas; Anderson Pico, Rafael Pereira, Fred e Alex Telles; Umberto, Jardel, Ramiro(Celsinho 42’/2ºT) e Cristiano; Júlio Madureira(Rafael Aidar 29’/2ºT) e Zulu. Técnico: Picoli

Inter: Renan; Nei, Bolívar, Rodrigo e Kleber; Bolatti, Guiñazu, Andrezinho e Oscar(Zé Roberto 30’/2ºT); Rafael Sobis(Tinga 22’/2ºT) e Leandro Damião. Técnico: Falcão.

abril 24, 2011 Posted by | Internacional, Juventude | , | Deixe um comentário

Inter bate Emelec e carimba vaga e liderança do Grupo 6

Gols de Rafael Sobis e Leandro Damião só chegam na segunda etapa na estreia de Falcão na Copa Libertadores

Não foi o espetáculo sonhado por Falcão e pelos torcedores do Inter. Mas o 2 a 0 sobre o Emelec (EQU), nesta terça-feira, no Beira-Rio, foi suficiente para o Internacional garantir a classificação para as oitavas da Copa Santander Libertadores como líder do Grupo 6, com 13 pontos. Alívio que veio só na última rodada.

O primeiro lance de perigo Colorado surgiu logo no primeiro minuto. Andrezinho cobrou falta com força, o goleiro Klimowicz espalmou e no rebote quase o zagueiro Rodrigo abriu o placar.

O arrojo do Inter no início do duelo assistou os equatorianos, que armaram um ferrolho, dificultando, e muito, as ações do time de Falcão na etapa inicial.

Outro obstáculo para o Inter foi a visível falta de engrenagem da equipe por causa do novo esquema tático – duas linhas de quatro. Só que o Emelec passou a tomar coragem para atacar e chegou a assustar em jogadas de bola aérea.

Veja os gols da vitória do Internacional sobre o Emelec

A notícia de que o Jaguares (MEX) tinha aberto o placar sobre o Jorge Wilstermann (BOL), na Bolícvia, e com isso assumindo a liderança da chave, aumentou a tensão. Um gol do Emelec seria o suficiente para eliminar o Inte.r Nervoso, o Colorado abusou dos passes errados e foi para o vestiário sem conseguir mexer no placar.

Receba primeiro as notícias do Inter no seu celular!

Mas o Colorado voltou para o segundo tempo disposto a mudar o panorama. O time de Falcão parou de aceitar a marcação equatoriana, partiu para cima e foi premiado aos cinco minutos. Bola alçada na área e Damião escorou para Sobis, livre na pequena área, concluir. Klimowicz ainda defendeu, mas não conseguiu encaixar e a bola morreu nas redes: 1 a 0 Inter, festa colorada, vibração de Falcão.

Sem a pressão nas costas, o Inter se soltou e a superioridade tornou-se ainda mais nítida. Do outro lado, o Emelec, precisando da vitória, se abria e dava espaços ao Colorado. Andrezinho quase marcou o segundo de falta, D’Alessandro também chegou perto ao emendar de primeira.

A virada do Jorge Wilsterman sobre o Jaguares deixou o time brasileiro ainda mais tranquilo. Talvez até demais, já que as chances perdidas se sucediam. Mas Leandro Damião aproveitou ótima jogada de Cavenaghi para dar fim ao sufoco da primeira fase. Inter classificado em primeiro.

FICHA TÉCNICA
INTERNACIONAL 2 X 0 EMELEC

Local: Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)
Data-Hora: 19/4/2011 – 20h15 (de Brasília)
Árbitro: Oscar Ruiz (COL)
Cartões amarelos: Leandro Damião (INT); Achilier (EME)
Gols: Rafael Sobis 5’/2ºT (1-0) e Leandro Damião 37/’2ºT (2-0)

INTERNACIONAL: Renan, Nei, Bolívar, Rodrigo e Kleber; Bolatti, Guiñazu, Andrezinho e D’Alessandro; Rafael Sobis (Cavenaghi 31’/2ºT) e Leandro Damião (Zé Roberto 41’/2ºT) – Técnico: Falcão.

EMELEC: Klimowicz; Carlos Quiñonez (Valencia 17’/2ºT), José Quiñonez, Achilier e Bagüí; Gaibor (Strahman 39’/2ºT), Pedro Quiñonez, Quiroz e Giménez; Iza (Caicedo 27’/2ºT) e Menendez – Técnico: Omar Asad.

abril 20, 2011 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário

Inter vence o Santa Cruz na estreia de Falcão

Colorado assegura vaga nas semifinais do returno do Gauchão. Mais de 16 mil colorados ovacionam o novo treinador

O técnico Falcão estreou com vitória no comando do Internacional, na noite deste sábado, no Beira-Rio. O placar de 1 a 0 em cima do Santa Cruz assegurou a classificação colorada para as semifinais do segundo turno do Gauchão.

Desde a chegada da delegação colorada ao Beira-Rio, Falcão foi ovacionado pelos torcedores, que cantavam seu “Ô, o Falcão voltou!”. Na entrada em campo, o treinador foi cercado por muitos jornalistas. E, durante o jogo, foi alvo dos cliques dos fotógrafos.

O JOGO

O Inter não jogou como o Barcelona – que mais cedo empatou com o Real -, mas causou nos colorados a mesma reação que os catalães têm quando vão ao Camp Nou: satisfação pelo futebol apresentado e pela entrega em campo.

Falcão, nos quatro dias que teve para trabalhar, disse que queria muita movimentação, toque de bola e conversa entre os jogadores. Ainda não foi possível ver todos esses itens, mas o Inter mostrou-se empenhado a dar ao treinador o que foi pedido.

Com muitos toques de bola, as chances foram criadas desde os dois minutos de bola rolando. Como fora treinado, Andrezinho atuou pela direita, mais perto dos volantes, e D’Alessandro, pela esquerda, procurou sempre a linha de fundo.

Damião cumprimenta Falcão após o único gol do jogo (Foto: Vipcomm)

Empenhado em abrir o placar, o time colorado teve o trabalho facilitado com a expulsão de Rodrigo Rizo, que fez duas faltas seguidas em Rafael Sobis. O Santa Cruz até melhorou um pouco com um homem a menos, mas não impediu o gol colorado.

D’Ale recebeu de Guiñazu no campo de defesa e fez um lançamento preciso para Andrezinho. O meia correu mais que o marcador pela ponta direita e tocou para o meio da área, onde Leandro Damião apenas tocou para a rede.

Apesar de ter voltado um pouco mais ousado, o Santa Cruz seguiu sendo ameaçado pelo Inter, que tinha em Andrezinho uma das melhores opções de criação de jogadas. O meia, que não vinha tendo chances com Roth, aproveitou muito bem a chance recebida. E tem tudo para permanecer entre os 11, acirrando a briga com Oscar.

Com o jogo sob controle, o Inter esteve muito perto de ampliar aos 24. César soltou a bomba de Sobis e Damião, no rebote, viu a bola sair caprichosamente por cima do travessão. E outras chances foram criadas, de pé em pé. Mas, bem postado defensivamente, o Santa Cruz impediu que a rede balançasse novamente.

O placar foi mínimo. Mas as mudanças, em relação ao time que era montado por Celso Roth, puderam ser notadas. E, a julgar pelos aplausos ao fim do jogo, a torcida parece ter aprovado o trabalho de Falcão.

PRÓXIMO DESAFIO

Depois da estreia com o pé direito, o próximo desafio de Falcão é na terça-feira. Nesse dia, o Internacional encara o Emelec, no Beira-Rio, na última rodada da fase de grupos da Libertadores. Mais uma decisão para o treinador, já que o Colorado ainda não assegurou vaga nas oitavas de final da competição continental.

FICHA TÉCNICA:
INTERNACIONAL 1 X 0 SANTA CRUZ

Local: Beira-Rio, em Porto Alegre (rs)
Data/hora: 16/4/2011 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Vinícius Costa
Auxiliares: Altemir Hausmann e José Silveira
Cartões amarelos: Rodrigo Rizo, Alejandro, Paulo César Vinícius (STC); D’Alessandro, Guiñazu (INT)
Cartões vermelhos: Rodrigo Rizo (STC)

GOL: Leandro Damião, 32’/1T (1-0)

Inter: Renan, Nei, Bolívar, Rodrigo e Kleber; Bolatti, Guiñazu, Andrezinho (Ricardo Goulart, 37’/2T) e D’Alessandro; Rafael Sobis (Zé Roberto, 42’/2T) e Leandro Damião. Técnico: Falcão.

Santa Cruz: César, Anelka, Rodrigo Rizo e Luís Henrique; Régis, Alejandro, Uillian (Maico Gaúcho, 33’/2T), Paulo César Vinícius; Juari (Osmar, 26’/2T) e Leonardo (Cecel, 33’/2T). Técnico: Edson Porto.

abril 17, 2011 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário

Inter bate Canoas por 6 a 2 em tarde de atacantes

D’Alessandro, Rafael Sobis, Cavenaghi e Leandro Damião marcaram na goleada colorada

Após um início conturbado, e sem ter uma grande atuação de sua defesa, o Inter virou a partida ainda no primeiro tempo e aplicou uma goleada de 6 a 2 sobre o Canoas, no Beira-Rio. A vitória classificou o Colorado como o líder da chave 1 da Taça Farroupilha. A grande notícia da tarde, apesar da classificação, foi o retorno do bom futebol de Rafael Sobis, autor de dois gols. Falcão, novo treinador colorado, ganha um grande reforço. Cavenaghi também tirou a zica e marcou seu primeiro gol com a camisa colorada.

O início da partida foi em ritmo alto. D’Alessandro quase marcou aos 30 segundos de jogo, em grande jogada pela direita envolvendo Oscar e Nei. Da entrada da área, onde recebeu o cruzamento do lateral-direito, o argentino bateu de direita e quase acertou o ângulo esquerdo de Anderson. Vinte segundos depois, Kleber racha Gian e leva o cartão amarelo. Tudo com menos de um minuto de jogo.

A marcação do Inter não se acertou. Cleiton acha Galvão às costas de Kleber. O atacante do Canoas corre até a frente de Lauro, mas o goleiro colorado faz estupenda defesa. Aos 12 minutos, a rotação continuava alta. Sempre pela direita, o Canoas envolvia o Inter. Gian recebeu livre na direita, sem marcação de Guiñazu ou Kleber, geralmente atuantes no setor. Lauro cortou mal o cruzamento, e Fábio Alemão abriu o placar no Beira-Rio.

Aos 16 minutos, Cirilo ainda ampliou. A defesa colorada parecia perdida em campo. Falcão terá muito trabalho. Após falta de Índio na meia direita, o cruzamento de Jé saiu na pequena área. Cirilo pulou mais alto que todos os zagueiros colorados, parados, e cumprimentou Lauro. 2 a 0.

Só que como havia ficado claro nos primeiros segundos, o jogo seria frenético. Mesmo com as vaias que surgiam em alguns momentos, como para Kleber, responsável pelo setor por onde saíram os gols do Canoas, o Inter foi à frente. Leandro Damião correu atrás de cruzamento alto de Nei. Dentro da área, o centroavante dominou e viu Rafael Sobis no segundo poste. A bola levantada por Damião encobriu Anderson e Sobis só escorou para o gol. Um alento para o ídolo colorado.

Só que o gol não só diminuiu a vantagem do time visitante. A atuação do Colorado melhorou. O Canoas, que antes assustava em lances esporádicos, passou apenas a marcar muito bem. Com o domínio da posse de bola, o Inter tentava furar o bloqueio de dez jogadores atrás da linha da bola com muito toque de bola. E teve resultado: aos 40 minutos, Rafael Sobis, o segundo atacante, aquele que a torcida cobrava Celso Roth, recebeu passe de D’Alessandro e marcou seu segundo gol na partida.

E a melhora na atuação foi brindada com uma virada, no primeiro tempo ainda. D’Alessandro recebeu na entrada da área e soltou a bomba. Anderson nem se mexeu, e o Colorado virou a partida aos 41. Só que não satisfeito, os colorados pareciam querer responder às vaias. Kleber apareceu na esquerda, Damião, como pivô, serviu o argentino dentro da área. Com categoria, o camisa 10 deslocou Anderson e fez o quarto aos 43: 4 a 2 em primeiro tempo de seis gols.

O início do segundo tempo também manteve a velocidade. Logo aos três minutos Leandro Damião esteve cara a cara com Anderson, mas o goleiro conseguiu espalmar a finalização do centroavante colorado. Aos cinco minutos, em outra saída ruim de Lauro, Jé pegou o rebote e acertou o travessão.

Com o placar já garantido, os colorados trocavam bolas e ameaçavam o gol de Anderson em chutes de longa distância. Rafael Sobis e Leandro Damião assustaram. A posse de bola continuava com o Inter, que se defendia desse modo.

A partir da metade do segundo tempo, quando Cavenaghi entrou no lugar de Rafael Sobis – ovacionado no Beira-Rio – a atração se tornava o argentino. Já em sua primeira participação, sofreu falta perigosa. Depois, em lance com Damião, quase recebeu em condições de marcar. Dois minutos depois, em mais uma tentativa solidária de Leandro Damião, a zaga cortou a tentativa de passe para o argentino. Aos 35, a chance mais clara. D’Alessandro e Andrezinho tabelaram, e o conterrâneo, amigo, frente a frente com Anderson rolou para Cave. Mas o argentino outra vez desperdiçou.

Se dependesse dos jogadores colorados, a zica não continuaria mais. E Cavenaghi tratou de colaborar, finalmente. Depois de enfiada de bola sensacional de Andrezinho, o argentino girou na área e fuzilou Anderson. O gol levou abaixo o Beira-Rio, que esperava essa situação desde a chegada do atacante.

Se todos os jogadores de frente colorados já haviam marcado, Damião estava com ciúme. Pois em cruzamento preciso de Kleber, o centroavante se antecipou ao goleiro adversário e esticou a perna para também deixar sua marca.

FICHA TÉCNICA:

INTER 6 X 2 CANOAS

Data/hora: 10/04, às 16h

Árbitro: Leandro Vuaden, auxiliado por Júlio César dos Santos e Renata Schaefer

Gols: Fábio Alemão, aos 12 minutos do primeiro tempo e Cirilo aos 16 minutos do primeiro tempo. Rafael Sobis, aos 26 e 39 minutos do primeiro tempo e D’Alessandro, aos 41 e 43 minutos do primeiro tempo, Cavenaghi aos 36 minutos do segundo tempo e Leandro Damião aos 40 minutos do segundo tempo

Cartões amarelos: Kleber, D’Alessandro, Cavenaghi (I) Fabio Alemão, Washington, Marciel, Cirilo, Gian

Cartões vermelhos:

Público total: 11.345

Renda: R$ 126,420,00

Inter: Lauro; Nei, Bolívar, Índio e Kleber; Wilson Matias(Glaydson, intervalo), Guiñazu, Oscar(Andrezinho, 24’/2ºT) e D’Alessandro; Rafael Sobis(Cavenaghi 27’/2ºT) e Leandro Damião. Técnico: André Döring(interino)

Canoas: Anderson; Gian, Ricardo e Cirilo, Marciel; Washington, Anderson Ijuí(Carlos Alberto, intervalo), Jé e Cleiton; Rodrigo Galvão(Leandro, 7’/2°T) e Fabio Alemão(Eraldo 18’/2ºT). Técnico: Rogério Zimmermann.

abril 10, 2011 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário

Jaguares cumpre promessa de vingança e vence o Inter

Com gol de Hulk, time mexicano devolve derrota no jogo de ida e ainda evita classificação antecipada do Colorado

O Jaguares prometeu revanche e conseguiu. O time mexicano venceu o Internacional por 1 a 0, nesta quarta-feira, em Tuxtla Gutiérrez, e se vingou da goleada de 4 a 0 do jogo de ida. E, de quebra, ainda impediu que o Colorado garantisse vaga nas oitavas de final da Copa Santander Libertadores com antecedência.

SIMULADOR: Faça as suas apostas e veja quem avança na Libertadores

Apesar de jogar fora de casa, foi o Internacional que teve o domínio da posse de bola no primeiro tempo, tocando bem a mesma de pé em pé. Já o Jaguares, com uma postura recuada, apostava nos contra-ataques.

Com mais qualidade técnica, o Colorado, sempre que quis, acelerou o jogo, criando as melhores chances. Porém, mesmo dominando a etapa inicial, o Inter levou um enorme susto. Em chute de Andrade, Lauro acabou sendo encoberto. Mas, por capricho, a bola carimbou o travessão. Foi a primeira chance efetiva do time mexicano.

Perto do intervalo, o time colorado diminuiu o ritmo e, em um descuido da defesa, pricipalmente do lateral-esquerdo Kleber, o Jaguares assustou novamente. Torres pegou o corredor e avançou na área pelo lado direito, batendo cruzado para defesa de Lauro.

Assim que a bola voltou a rolar, o Inter foi castigado com um gol de Hulk. Mas não o atacante do Porto, campeão português esta semana. Nei perdeu a bola na defesa, Duran cruzou rasteiro e Salazar, apelidado de Hulk, recebeu na pequena área, girou em cima de Índio e balançou a rede.

O empate quase saiu no lance seguinte. Guiñazu desarmou na saída de bola, entrou na área e chutou fortemente. O goleiro espalmou e, no rebote, o argentino foi derrubado, mas o árbitro mandou seguir.

Foi a entrada de Andrezinho que deu esperança aos colorados. Isso porque o meia quase marcou duas vezes. Na primeira, ele quase fez o o gol que Andrade não fez. Mas, ao invés de a bola bater no travessão, ela foi espalmada para fora por Villaseñor. Depois, em cobrança de falta pela esquerda, Andrezinho obrigou o goleiro do Jaguares a outra ótima defesa.

Mas a noite não foi mesmo do Internacional, que, agora, vai para a última rodada com a obrigação de conseguir a vaga nas oitavas. O adversário é o Emelec, dia 19, no Beira-Rio.

FICHA TÉCNICA:
JAGUARES 1 X 0 INTERNACIONAL

Local: Estádio Victor Manuel Reyna, em Tuxtla Gutiérrez (MEX)
Data/hora: 6/4/11 – 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Wilmar Roldán
Auxiliares: Humberto Clavijo (COL) e Javier Camargo (COL)
Cartões amarelos: Bolatti, Leandro Damião (INT); Villaseñor (JAG)
Cartões vermelhos: não houve

GOL: Salazar, 9’/2T (1-0)

Jaguares: Villaseñor, Martínez, Flores, Razo, Durán; Zamora (Mansur, intervalo), Torres (Valdéz, 21’/2T), Ruiz, Andrade e Hernández (Salazar, intervalo); Rodríguez. Técnico: José Guadalupe Cruz.

Internacional: Lauro, Nei, Bolívar, Índio e Kleber; Bolatti (Wilson Matias, 30’/2T), Guiñazu, D’Alessandro e Oscar (Rafael Sobis, 13’/2T); Zé Roberto (Andrezinho, 24’/2T) e Leandro Damião. Técnico: Celso Roth.

abril 7, 2011 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário

Inter empata com Lajeadense e adia classificação

Leandro Damião e Ramos marcaram os gols da partida, que foi disputada no Estádio Florestal, que teve superlotação

O Internacional perdeu a chance de assegurar antecipadamente a classificação para as quartas-de-final do Gauchão ao apenas empatar em 1 a 1 com o Lajeadense, neste sábado, no Estádio Florestal, em Lajeado. Damião e Ramos foram os autores dos gols. O estádio em Lajeado teve superlotação.

Nos primeiros minutos da partida, o Inter, por pouco, não foi surpreendido com gol. Paulo Rangel recebeu com liberdade após escorregão do zagueiro Rodrigo. O atacante chutou rasteiro, mas ao lado do gol, desperdiçando ótima chance.

Antes de outras jogadas de perigo, Bolatti levou uma batida no rosto, não gostou e revidou. Quando a bola parou, foi outro argentino, D’Alessandro, que cobrou veementemente uma atitude do áribitro Fabrício Neves Correa.

Após a confusão, o Inter balançou a rede. A bola sobrou na frente da grande área e Leandro Damião matou no peito, deixando dois marcados para trás. Ao se livrar do goleiro, o atacante chutou de esquerda. A bola ainda bateu na trave antes de morrer no fundo da rede.

O desempenho colorado caiu e, ao não aproveitar as chances que teve, o time de Celso Roth foi castigado. Depois de Saleti salvar em cima da linha o que seria o segundo gol de Damião, Marquinhos cobrou falta para a área. A defesa do Inter bobeou e Ramos completou de cabeça.

Depois do intervalo, o Inter não conseguiu se impor, principalmente nas chegadas ao ataque e nas finalizações. E ainda viu Oscar receber uma pancada forte no quadril e deixar o campo chorando, precisando ser carregado para o vestiário. Preocupação colorada.

Percebendo que poderia ser mais ousado, o Lajeadense foi para o ataque. Paulo Rangel chutou da entrada da área buscando o canto esquerdo, mas a bola saiu pela linha de fundo em ótima chegada.

Sem gols para os dois lados, o que mais chamou a atenção foi a torcida do time da casa que não parou de reclamar do argentino D’Alessandro, que, constantemente, chamou a responsabilidade para si, reclamando até mesmo do trio de arbitragem.

Agora, o Inter viaja para o México, onde enfrenta o Jaguares, quarta-feira, e só retorna a Porto Alegre na sexta-feira, dois dias antes da última rodada da primeira fase Campeonato Gaúcho.

FICHA TÉCNICA:

LAJEADENSE 1 X 1 INTERNACIONAL

Local: Estádio Florestal, em Lajeado (RS)
Data/hora: 2/4/11 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Fabrício Neves Corrêa
Auxiliares: Alexandre Kleiniche e Carlos Henrique Selbach
Cartões amarelos: Daniel, D’Alessandro (INT); Tiago Saletti, Bindé (LAJ)
cartões vermelhos:

GOLS: Leandro Damião, 13’/1T (0-1); Ramos, 38’/1T (1-1)

LAJEADENSE: Fernando, Bindé, Tiago Saletti, Gabriel e Baroni; Rudiero, Ramos, William (Serginho, 33’/2T) e Marquinhos (Bruninho, intervalo); Ronaldo Capixaba (Maicon, 23’/2T) e Paulo Rangel. Técnico: Benhur Pereira.

INTER: Lauro, Daniel, Bolívar, Rodrigo e Juan; Bolatti, Wilson Matias, Oscar (Andrezinho, 18’/2T), D’Alessandro e Zé Roberto (Sobis, 27’/2T); Leandro Damião. Técnico: Celso Roth.

abril 3, 2011 Posted by | Internacional | Deixe um comentário

Trio ofensivo brilha, Inter goleia e lidera Grupo 6

Vitória sobre o Jorge Wilstermann por 3 a 0 deixa os Colorados isolados na liderança de seu grupo na Copa Libertadores

A torcida pediu, o treinador atendeu e os jogadores corresponderam. O tão esperado trio formado por Oscar, D’Alessandro e Leandro Damião foi escalado e não decepcionou, comandando a goleada por 3 a 0 em cima do Jorge Wilstermann, nesta quarta-feira, no Beira-Rio. O resultado mantém o Colorado na ponta do Grupo 6 da Copa Santander Libertadores.

Receba primeiro as notícias do Inter no seu celular!

Dizer que o primeiro tempo foi todo disputado apenas no campo de ataque do Inter não é exagero. Enquanto Lauro tocou duas vezes na bola, Bolívar e Índio não tiveram trabalho algum com os quase inexistentes avanços bolivianos.

E a razão para tamanho domínio colorado tem duas explicações. A primeira delas foi a postura do Wilstermann, que se fechou atrás, explorando os contra-ataques. A segunda foi a escolha de Celso Roth, que escalou D’Alessandro, Oscar e Leandro Damião juntos.

E todas as peças desse trio infernizaram a defesa boliviana. Em noite inspirada, Oscar armou jogadas, cobrou faltas, finalizou e, claro, marcou gol. Após Damião disputar pelo alto, Wilson Matias arriscou e, na sobra, Oscar chutou. A bola bateu na defesa e voltou para o meia, que, meio de peito, meio de barriga, a viu morrer na rede.

De volta à Liberta após desfalcar a equipe na goleada sobre o Jaguares e passar mais de um mês sem jogar por lesão, D’Alessandro recebeu passe preciso de Oscar da direita e chutou colocado. Como prometido, a comemoração foi com os roupeiros.

Sem correr riscos, a facilidade colorada aumentou com a expulsão de Fernández, que deu carrinho criminoso em D’Alessandro. Rapidamente, o Inter ampliou com Zé Roberto.

A vitória pode ser colocada na conta da torcida, que convenceu Roth a ousar. E a ousadia encaminha a classificação para as oitavas.

FICHA TÉCNICA:
INTERNACIONAL 3 X 0 JORGE WILSTERMANN

Local: Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)
Data/Hora: 30/3/2011 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Dario Ubriaco (URU)
Auxiliares: Carlos Pastorino(URU) e Miguel Nievas(URU)
Cartões amarelos: Leandro Damião (INT); Fernández, Zapata e Machado (WIL)
Cartões vermelhos: Fernández (WIL)

GOLS: Oscar 18’/1T (1-0); D’Alessandro 11’/2T (2-0); Zé Roberto 26’/2T (3-0)

INTERNACIONAL: Lauro, Nei, Bolívar, Índio (Rodrigo, 31’/2T) e Kleber; Wilson Matias, Guiñazu, Oscar (Andrezinho, 37’/2T), D’Alessandro, Zé Roberto (Rafael Sobis, 28’/2T); Leandro Damião. Técnico: Celso Roth.

J. WILSTERMANN: Mauro Machado, Juccellio, Brown e Carvalho; Fernández, Zapata, Machado (Toscanini, 14’/2T), Rodríguez, Garcia (Sanchez, intervalo); Abregú (Ojeda, 22’/2T) e Fabio Mineiro. Técnico: M. Neveleff.

março 31, 2011 Posted by | Internacional | , | Deixe um comentário

Inter empata com São Luiz na volta de D’ale no Gauchão

Meia argentino retorna aos gramados mas não impede resultado ruim

A volta de D’alessandro não foi como o torcedor queria. Em uma tarde chuvosa, o Inter não saiu do 0 a 0 com o São Luiz com um a menos, e perdeu chance de se isolar na liderança do grupo 1. Com o empate, o Colorado chega a nove pontos e pode ser ultrapassado pelo Lajeadense, que joga neste domingo com o Ypiranga, no Estádio Florestal, e tem sete pontos. Já o time de Ijuí ganhou duas posições e agora é terceiro na chave 1, com seis pontos.

Receba primeiro pelo celular as notícias do Colorado!

As primeiras impressões do jogo para a torcida não foram boas. O Inter iniciou com a mesma formação de cinco jogadores no meio-campo, mas em um ritmo lento. O São Luiz, pelo contrário, começou em alta voltagem. Aos dois minutos, Baiano roubou bola e tocou em Nicolas. O atacante encontrou Sharlei no meio da área, e o centroavante parou em grande defesa de Lauro. A resposta colorada chegaria apenas dez minutos depois, em mais um gol perdido por Cavenaghi dentro da área.

Focado, o time de Ijuí marcava com 10 jogadores atrás da linha da bola, o que complicou bastante as ações do Inter. Como os laterais não passavam – Kleber ficou mais preso, e Nei era bloqueado com frequência, o jogo ficou engessado pelo meio. De boa atuação, Oscar assustou em dois chutes de fora da área. Andrezinho também tentou em falta, assim como Xaro também obrigou Lauro a trabalhar.

Além dos lançamentos às costas da zaga, o Colorado se mostrou viciado em Leandro Damião. Isso mesmo. Kleber, em diversas oportunidades, levantou bola na intermediária, como se o centroavante estivesse em Porto Alegre e não em Londres. Bem no final do primeiro tempo, ainda que não criasse chances claras, o Inter ganhou um presente: Márcio Chagas advertiu Daril com o segundo amarelo, e expulsou o volante.

No intervalo, Celso Roth promoveu a volta tão esperada de D’alessandro. O argentino substituiu Andrezinho, assim como Rafael Sobis entrou no lugar de Zé Roberto. A tão aclamada dupla de Cabezón com Oscar estava em campo, e começou muito bem. Com intensa movimentação, os meias participavam de todas as jogadas ofensivas coloradas.

Depois de muito tempo, um lance que agitou a tarde e carimbou a volta de D’alessandro. Alex fez boa jogada pela direita e achou o argentino na intermediária. Com um toque, levantou a bola, e no movimento seguinte, bateu no gol. A bola explodiu no travessão, tocou nas costas de Vanderlei, e depois Alex cabeceou para fora. Em seguida, Cavenaghi abusou e desperdiçou de letra.

A pressão seguiu até os instantes finais do duelo. Com um a menos, o São Luiz apenas se defendia, sem nenhuma pretensão de atacar. Até Sharlei, o centroavante, ajudava atrás. Já nos acréscimos, Alex perdeu a última oportunidade, de dentro da pequena área, após cruzamento de Oscar.

FICHA TÉCNICA:

INTER 0 X 0 SÃO LUIZ

Data/hora: 26/03, às 16h

Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre

Árbitro: Márcio Chagas, auxiliado por João Lúcio Júnior e Marcelo Oliveira e Silva

Gols:

Cartões amarelo: Danilo, Daril, Carlos(SL) Nei(I)

Cartões vermelhos: Daril

Público pagante: 4.407

Público total: 5.396

Renda: R$ 52.250

Inter: Lauro; Nei, Índio, Rodrigo e Kleber; Wilson Matias(Alex 29’/2ºT), Guiñazu, Andrezinho(D’alessandro, Intervalo), Oscar e Zé Roberto(Rafael Sobis, Intervalo); Leandro Damião. Técnico: Celso Roth.

São Luiz: Vanderlei; Danilo(Bronzatti 32’/2ºT), Jésum, Neguetti e Xáro; Daril, Glauber, Baiano e Alexandre; Nícolas(Carlos, Intervalo) e Sharlei. Técnico Paulo Porto

março 26, 2011 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário

Mistão do Inter não sai do zero no Beira-Rio

Mesmo com Rafael Sobis e Cavenaghi, ataque do Colorado não funciona e time é vaiado em casa

Com time misto, o Internacional ficou no 0 a 0 contra o Novo Hamburgo na tarde deste sábado, pela terceira rodada do segundo turno do Gauchão.

Apesar do bom início, em que pressionou a equipe do interior durante boa parte do primeiro tempo, o Colorado não balançou as redes defendidas por Eduardo Martini.

O desentrosamento era nítido. Andrezinho pouco conseguia encontrar Cavenaghi, que, apesar da expectativa criada em Porto Alegre, nada fez até o momento pelo clube.

Rafael Sobis também estava apagado, assim como a própria equipe colorada como um todo, que, na segunda metade do primeiro tempo, passou a levar sufoco do time visitante.

Apesar das mudanças, a postura do Inter foi a mesma no segundo tempo. Pouca criatividade, poucas chances de gol e muitos erros levaram à insatisfação da torcida, que vaiou o time em diversos momentos.

Nem o jovem Eduardo Sasha, que entrou na etapa final no lugar de Daniel, foi poupado da revolta dos torcedores. O técnico Celso Roth foi ainda chamado de burro por trocar Cavenaghi pelo artilheiro Leandro Damião – isso porque a torcida queria a saída de outro jogador.

Na próxima rodada, o Inter encara o São José, às 21h50 da próxima quarta-feira, no estádio Passo D’Areia. Mais cedo, às 20h, o Novo Hamburgo recebe o Ypiranga no Estádio do Vale.

FICHA TÉCNICA
INTERNACIONAL 0X0 NOVO HAMBURGO

Estádio: Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)
Data/hora: 19/3, às 16h
Público: 11.872 pagantes
Árbitro: Ronaldo Santos da Silva
Auxiliares: José Antônio Filho e Sedenir Martins
Cartões amarelos: Rodrigo (INT), Fabinho (NOV)

INTERNACIONAL: Lauro; Daniel, Rodrigo, Índio, Juan; Matias, Glaydson, Guiñazu e Andrezinho; Rafael Sobis e Cavenaghi. Técnico: Celso Roth.

NOVO HAMBURGO: Eduardo Martini; Bosco, Cláudio Luiz, Lino e Fabinho; Márcio Hahn, Russo, Eduardinho e Rodrigo Mendes; Michel e Juba. Técnico: Julinho Camargo.

março 19, 2011 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário

Apesar do susto, Inter goleia o Wilstermann de virada

Colorado sai atrás no placar, mas adversário erra muito e permite a virada colorada. Time gaúcho assume a ponta da Grupo 6

Apesar do susto nos primeiros minutos, o Internacional goleou o fraco Jorge Wilstermann por 4 a 1, de virada, nesta quarta-feira, no Estádio Félix Capriles, na cidade boliviana de Cochabamba. A vitória faz o Colorado assumir a liderança do Grupo 6 da Libertadores, com sete pontos ganhos.

As notícias do Inter chegam antes no seu celular!

O Inter viveu um pesadelo nos sete minutos iniciais, sendo castigado na jogada pelo alto, assim como ocorreu no empate com o Emelec. Após falta cometida por Zé Roberto, Lucas Fernández cobrou pela direita e Brown escapou da marcação para desviar de cabeça, deixando Lauro batido no lance.

Irreconhecível em campo, o Colorado não reagiu com as próprias pernas. Oscar cruzou para a área pela direita para a conclusão de cabeça de Tinga. Porém, Brown se adiantou ao volante para desviar para a rede e marcar outra vez, agora, contra.

A partir do erro da equipe boliviana, o Inter se encontrou e passou a jogar o futebol digno do atual campeão da Libertadores. E percebeu que não tinha motivos para tropeçar fora de campo, já que enfrentava um time da Segunda Divisão da Bolívia.

A virada colorada aconteceu com Leandro Damião. Guiñazu – talvez inspirado pelo companheiro Bolatti, que se arrisca sempre no ataque – levantou na área. O centroavante subiu mais que o zagueiro para marcar de cabeça. Na comemoração, a homenagem ao pai ao fazer o bigode com os dedos.

E Damião fez mais do que o gol. Na sequência, foi solidário a Zé Roberto, que, até aquele momento, não estava nos seus melhores dias. Ao invés de chutar para o gol, o atacante apenas rolou a bola para que o meia-atacante balançasse a rede.

Com o domínio da partida, o Internacional optou por puxar o freio na etapa final, vendo que não seria mais assustado pelo Wilstermann. Jogando com cautela, o time do técnico Celso Roth, curiosamente, não pareceu sofrer os efeitos da altitude de 2,5 mil metros, correndo a mil por hora.

E quem mais parecia não sentir os efeitos da altitude era Zé Roberto, que, pela direita, tocou para Andrezinho, que deu passe açucarado para Kleber, que vinha de trás. Com chute colocado, o lateral-esquerdo ampliou o placar para os colorados. Goleada esperada, goleada confirmada. Apesar do susto inicial…

FICHA TÉCNICA
JORGE WILSTERMANN 1 X 4 INTERNACIONAL

Local: Estádio Félix Capriles, em Cochabamba (BOL)
Data/hora: 16/03 – 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Enrique Cáceres (PAR)
Auxiliares: Nicolás Yegros (PAR) e César Franco (PAR)
Cartões amarelos: Zé Roberto (INT); L. Fernández, Machado (J.WIL)
Cartões vermelhos: nenhum

GOLS: Brown 7’/1T (1-0); Brown 15’/1T (1-1) (contra); Damião 19’/1T (1-2); Zé Roberto 25’/1T (1-3); Kleber 36’/2T (1-4)

Jorge Wilstermann: Mauro, Lucas Fernández, Brown, Juccelio da Silva e Ojeda (Mosquera, 17’/2T); Melgar (Sanchez, intervalo), Fernández (Fábio Mineiro, 10’/2T), Machado, Abregú; Garcia e Toscanini. Técnico: Marcelo Neveleff

Internacional: Lauro, Nei, Rodrigo, Sorondo e Kleber; Bolatti, Guiñazu, Tinga (W. Matias, intervalo), Oscar (Andrezinho, 22’/2T) e Zé Roberto; Leandro Damião (Cavenaghi, 20’/2T). Técnico: Celso Roth.

março 17, 2011 Posted by | Internacional | , | Deixe um comentário

Damião faz três, dá empate ao Inter contra o Caxias e provoca o Grêmio


Centroavante faz o Colorado ficar no 3 a 3 com o Caxias na Serra. No terceiro gol, referência aos oito minutos de acréscimo do Grêmio

Das chuteiras de Leandro Damião sai o milagre da multiplicação dos gols. Neste domingo, ele marcou mais três vezes e assegurou ao Inter o empate por 3 a 3 contra o Caxias na Serra Gaúcha, pela Taça Farroupilha, o returno do Estadual. O jogador já havia feito três gols na última quinta-feira, contra o Ypiranga. Os números dele em 2011 são de assombrar qualquer zagueiro: 12 bolas na rede em apenas sete jogos. Incrível.
Alem de goleador, o atacante mostrou que pode criar polêmica. Ao comemorar seu terceiro gol na partida, começou a fazer uma contagem com os dedos. Parecia estar enumerando seus feitos, mas não foi exatamente isso. O jogador estava era ironizando os oito minutos de acréscimos da final do primeiro turno do Gauchão, entre Grêmio e Caxias, na última quarta-feira. Minutos depois, os tricolores Douglas e Carlos Alberto responderam à provocação pelo Twitter.
saiba mais
Damião faz três e provoca o Grêmio
Pelo Twitter, Douglas e Carlos Alberto respondem à provocação de Leandro Damião
Veja a classificação da Taça Farroupilha
O jogo foi quente no primeiro tempo, com dois gols para cada lado, e morno na etapa final, com a última ferida aberta por Damião na zaga grená, mas também com a reação derradeira do Caxias. Itaqui, Waldison e Everton marcaram para o time da casa.
Com o resultado, o Inter subiu para quatro pontos, na liderança momentânea do Grupo A. O Caxias, treinado interinamente por Ricardo Cobalchini, de apenas 25 anos, fez seu primeiro ponto na Taça Farroupilha – foi sua estreia no returno. O Colorado volta a campo quarta-feira, na Bolívia, pela Libertadores, contra o Jorge Wilstermann. No sábado, recebe o Novo Hamburgo pelo Gauchão.

Jogão no primeiro tempo: 2 a 2

Tudo pode mudar em um minuto. Pipoca um exemplo em Caxias x Inter. Aos 24 minutos do primeiro tempo, o jogo estava empatado por 1 a 1, e Zé Roberto se ajeitava para cobrar um pênalti. Os colorados tinham a faca, o queijo, a mesa, tudo nas mãos para ganhar vantagem no placar. O meia-atacante vermelho partiu para a cobrança e chutou com a delicadeza de quem embala um recém-nascido. A bola engatinhou até o gol e foi defendida pelo goleiro serrano. Menos de dois minutos depois, o Caxias fez 2 a 1 com Waldison.
A reviravolta foi apenas mais um elemento da composição de um jogaço no Centenário. Logo com três minutos, o Caxias encaixou um contra-ataque impecável. Lima acionou Itaqui, que recebeu na entrada da área e bateu colocado, no canto direito de Lauro, para colocar o time da casa na frente.
O Inter estava pesadão em campo. Demorou a se encontrar. O Caxias poderia ter ampliado com Everton, em chute defendido por Lauro. Os visitantes responderam com Leandro Damião, que logo viraria o protagonista dos primeiros 45 minutos. Ele bateu cruzado, e André defendeu.
Mas o oposto aconteceria poucos minutos depois. Em vez de defender, o goleiro soltou; em vez de lamentar, Damião comemorou. Oscar, novamente muito bem, cruzou da direita. André não conseguiu encaixar a bola, que saltitou na frente de Tinga. O meia desviou, e o centroavante mandou uma patada para dentro do gol. O jogo estava empatado.
Aí teve o pênalti em Zé Roberto, a cobrança exageradamente delicada, a recuperação de André, o gol de Waldison. O time da casa voltou a ter chances. Mas não fez, e acabou punido. Aos 45 minutos, Massari cruzou muito bem da esquerda, Zé Roberto desviou de cabeça, o goleiro salvou e Damião completou para o gol. O centroavante estava em impedimento ao concluir, o que só aumentou a irritação do Caxias, que já havia resmungado por pênalti de Lauro em Everton.

Damião, sempre Damião. E empate do Caxias

O segundo tempo não teve a mesma dose de empolgação do primeiro. Sem as reviravoltas de antes, sem a troca constante nas idas ao ataque, sem tantas falhas, as chances de gol viraram artigo raro. Celso Roth contribuiu com o maior equilíbrio ao colocar Juan no lugar de Massari, fortalecendo o sistema defensivo vermelho.
Oscar caiu de rendimento, e a bola chegou menos a Damião – menos, mas o suficiente para mais um gol. Tinga foi esforçado, correu muito, chegou com força ao ataque, mas teve pouca vitória pessoal. O Caxias, no mesmo compasso do adversário, deixou de criar o envolvimento com Itaqui, Waldison, Everton e Lima.
Mesmo com o jogo menos intenso, Damião seguiu como principal fonte de perigo. Aos 27 minutos, ele quase marcou, de cabeça, seu terceiro gol na partida. A bola saiu por cima do gol defendido por André. Ficou guardada para minutos depois. Na sequência, Celso Roth mandou Rafael Sobis a campo, e o jogador logo mandou chute forte de longe. O goleiro caxiense espalmou.
O jogo tinha pinta de empate. E o Inter tem Damião. Foi de cair o queixo o quanto o centroavante subiu aos 30 minutos para mandar cabeceio precioso no canto direito de André. A bola beijou a trave antes de entrar. O centroavante marcou seu 12º gol em apenas sete jogos em 2011.
Mas a partida não tinha acabado. Everton, aos 40, ainda buscou o empate – quando o Caxias tinha um jogador a menos, depois da expulsão de Lima, por chute em Índio. Tinga e Damião ainda perderiam chances que poderiam ter mexido ainda mais em um placar já cansado de tanta movimentação.
Santa vence em Santa Maria
Em outra partida realizada no mesmo horário, o Santa Cruz-RS derrotou fora de casa o Inter de Santa Maria, por 3 a 0. Esta foi a segunda vitória na Taça Farroupilha do Santa, que se iguala em pontos (seis) ao líder do Grupo B, Cruzeiro-Poa, mas com desvantagem no saldo de gols. Osmar, Leonardo e Alê Menezes marcaram para a equipe visitante.
CAXIAS X INTERNACIONAL
André Sangalli, Patrício, Vanderlei, Gerethes e Gerley; Marcos Rogério, Itaqui, Dê (Zé Carlos) e Waldison (Pedro Henrique); Everton e Lima. Lauro, Daniel, Rodrigo, Sorondo (Índio) e Massari (Juan); Wilson Matias, Bolatti, Tinga, Oscar e Zé Roberto (Rafael Sobis); Leandro Damião.
T: Ricardo Cobalchini T: Celso Roth
Estádio: Centenário, em Caxias do Sul (RS). Data: 13/03/2011. Árbitro: Fabrício Neves Corrêa. Auxiliares: Alduíno Mocelim e Rafael da Silva Alves.
Gols: Itaqui, aos três, Leandro Damião, aos 20 e aos 45, e Waldison, aos 26 minutos do primeiro tempo; Leandro Damião, aos 30, e Everton, aos 36 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Massari, Tinga, Rodrigo (Inter); Itaqui (Caxias). Cartão vermelho: Lima

março 13, 2011 Posted by | Internacional | , | Deixe um comentário

Oscar cria, Damião faz: Inter larga com goleada no returno do Gaúcho

Colorado faz 4 a 0 no Ypiranga no Beira-Rio, com três gols do centroavante e grande atuação do meio-campista

A soma da criatividade que chacoalha a mente de Oscar com o cheiro de gol que emana do corpo de Leandro Damião dá goleada como resultado. Em grande noite de suas promessas, o Inter estreou no returno do Campeonato Gaúcho com vitória de 4 a 0 sobre o Ypiranga, nesta quinta-feira, no Beira-Rio. O meio-campista foi o condutor de um time que teve o centroavante, com três gols, como arma letal. Zé Roberto fez o outro.
Foi a segunda goleada seguida do Inter. Há duas semanas, em sua última partida, o Colorado havia aplicado o mesmo placar sobre os mexicanos do Jaguares, pela Libertadores. A vitória desta quinta-feira é o primeiro passo na luta vermelha pela conquista da segunda metade do Estadual, após a frustração do time B no primeiro turno. O jogo, realizado sob forte chuva no primeiro tempo, também marcou o retorno de Rafael Sobis, recuperado de lesão muscular, à equipe.
O Inter volta a campo pelo Gauchão no domingo, fora de casa, contra o Caxias. O Ypiranga, na quarta-feira, recebe o São Luiz em Erechim.
Gurizada faz chover

Se Oscar fez tudo aquilo com chuva, imagina em campo seco… Foi um tal de drible para lá, finta para cá, lançamento de um lado, infiltração de outro, chute daqui, movimentação acolá. O jovem meia colorado, maior destaque vermelho nos treinos desde o ano passado, justificou o número 10 que carregou em substituição ao quase insubstituível D’Alessandro, lesionado. Ele acabou com o primeiro tempo. Fez chover, em parceria com o goleador Leandro Damião, em noite de aguaceiro no Beira-Rio.
Oscar arriscou a gol. Duas vezes. Em uma, a bola desviou na zaga; em outra, o goleiro espalmou. Oscar também encontrou espaços. Deu passe precioso para Leandro Damião, abafado pelo goleiro do Ypiranga na hora de concluir. E fez jogada de craque, como promete ser, no segundo gol do centroavante colorado na partida. Ele pegou a bola pela direita, deslizou com ela pelo campo encharcado do Beira-Rio, como se tivesse uma prancha de surfe sob as chuteiras, levou dois defensores ao constrangimento com dribles e mandou o cruzamento. Damião subiu bonito e marcou. Marcou de novo.

O lance de maior brilho da gurizada colorada, o do segundo gol, aconteceu aos 31 minutos. E aí o Inter já vencia o jogo por 1 a 0, graças a outro gol de Damião. Com 13 minutos, Daniel bateu cruzado da direita, e o centroavante se jogou na bola de carrinho para colocar o time vermelho na frente.
O Inter foi superior nos 45 minutos iniciais. Mas soberano, não. O Ypiranga, já em desvantagem, também incomodou. Lauro precisou trabalhar repetidas vezes, especialmente em chutes de longe, para evitar que o time de Erechim também deixasse sua marca no Beira-Rio.

Goleada no Beira-Rio

Os ponteiros do relógio completavam sua primeira volta na etapa final quando o Inter ampliou o placar. E de novo com participação de Oscar. Bolatti, outro destaque da partida, acionou o garoto, que logo encontrou Zé Roberto livre na esquerda. O camisa 11 mandou o chute e aumentou a vantagem para o Colorado, já certo da vitória naquele momento.
Restou pouco a fazer para o Ypiranga. No meio-termo entre evitar um goleada e tentar a sorte no ataque, o time de Erechim ficou perdido. E o Inter seguiu superior. Zé Roberto recebeu mais um passe de Oscar e mandou outro chute, mas desta vez para fora.
Não fez falta. Damião logo marcaria mais um. Kleber cruzou da esquerda, com aquele precisão que poucos têm, e o centroavante mandou para o gol. A vitória se transformava em goleada.
E ela poderia ter ficado ainda mais gorda. As boas entradas de Cavenaghi e Rafael Sobis deram vivacidade ofensiva ao Inter. Sobis perdeu gol em um lance e reclamou pênalti em outro. Zé Roberto também teve chance. Leandro Damião, em outras duas oportunidades, esteve em vias de aumentar sua poupança de gols em 2011 – já são nove em seis partidas.
INTERNACIONAL 4 X 0 YPIRANGA
Lauro, Daniel, Rodrigo, Sorondo e Kleber; Bolatti, Guiñazu, Tinga, Oscar (Andrezingo) e Zé Roberto (Cavenaghi); Leandro Damião (Rafael Sobis). Bruno, Glauco, João Lima (Frede) e Matheus, João Paulo (Vítor Hugo), Emerson, Giovani, Gilvan (Peter) e Branco, Rafael Santiago e Thiago Pereira.
T: Celso Roth T: Agenor Piccinin
Local: estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS). Data: 10/03/2011. Árbitro: Roger Goulart. Auxiliares: José Javel Silveira e Maurício Coelho Silva Penna.
Gols: Leandro Damião, aos 13 e aos 31 minutos do primeiro tempo; Zé Roberto, a um, e Leandro Damião, aos 22 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Branco, João Paulo, Emerson, Frede (Ypiranga); Tinga, Sorondo, Guiñazu, Rodrigo (Inter).
Público: 7.127. Renda: R$ 69.760,00

março 10, 2011 Posted by | Internacional | , | Deixe um comentário

Inter bate Jaguares e lidera grupo 6 na Libertadores

Bolatti, Leandro Damião e Oscar marcaram os quatro gols colorados

A atuação não foi como a torcida queria. Mas o resultado, ah, esse com certeza foi. Com dificuldades, e se valendo da bola parada, o Inter bateu o Jaguares por 4 a 0 com gols do volante artilheiro Bolatti, duas vezes, e Leandro Damião e Oscar. Dos quatro gols na Libertadores, três são do argentino. Pelo saldo de gols e número de gols feitos, o Colorado lidera o grupo 6, com quatro pontos. Volta a jogar pela competição apenas dia 16 de março, contra o Jorge Wilstermann, na Bolívia.

O JOGO

Como a semana do Inter, o início foi tenso. Os primeiros cinco minutos foram absolutamente dominados pelo Jaguares, que marcava com sua linha no campo do Inter e explorava a indefinição entre Nei, Bolatti e Índio.

Aos poucos, o Colorado ia ajeitando-se em campo e no jogo. Chegou em um chute de Kleber de longe, na primeira finalização do jogo, e em giro de Damião dentro da área, aos oito minutos. Só que o Jaguares também não parou de assustar. Aos 13, Bolatti errou no campo ofensivo, e deu o contra-ataque ao time mexicano. A jogada acabou em milagre de Lauro, em cabeçada de Frias no chão e no canto direito do goleiro colorado.

Se Bolatti errou e quase deu o gol para o Jaguares, o volante ainda protagonizaria o jogo de forma contrária. Sem uma boa articulação no meio – Zé Roberto e Guiñazu não supriram a falta de D’alessandro – o Inter abusava dos chutões. Chance de marcar, apenas na bola parada.

Em escanteio batido por Zé Roberto, aos 19 minutos, Bolatti marcou pela segunda vez com a camisa colorada. Se havia dito para a torcida não se acostumar com isso, se contradisse. Em rebote de dividida na bola aérea de Damião, o volante argentino girou e marcou o primeiro gol colorado.

Mesmo com o gol, o Jaguares não deixou de dar suas estocadas no Inter. Frias, em giro aos 24, quase marca em chute de fora da área. O Colorado continuava sem reter a bola no meio. Com a baixa produção, outra vez a bola parada salvou o Inter.

Em falta batida da intermediária, a estrela brilhou outra vez. Depois de linha de passe pelo alto entre Sorondo e Cavenaghi, Bolatti meteu a cabeça na bola e ampliou para 2 a 0 a vantagem colorada. E, de quebra, fez o terceiro dele na Libertadores. Sem sofrer sustos maiores, o Inter terminou o primeiro tempo vencendo, sob aplausos, mas com atuação abaixo do esperado.

Na segunda etapa, o Inter ajustou sua marcação, principalmente com Bolatti e Nei, e segurou os mexicanos. Logo aos sete, Zé Roberto escapou pela esquerda, mas falhou no cruzamento. O Jaguares ameaçou o Inter em cruzamento de Rojas – sempre ele – mas Lauro afastou. Diferente do primeiro tempo, o Colorado prendeu um pouco mais a bola, e visilmente tentou trabalhar melhor as jogadas. Mas a bola parada continuou assustando mais.

Pelo lado mexicano, só um jogador era acionado: Rojas. Nei sofreu durante toda a partida com o lateral-esquerdo, e dali saíam as melhores jogadas, como as 10, quando o jogador foi ao fundo e Sorondo salvou o Inter. Se a partida não caminhava em um bom caminho para o Inter, a bola parada mudou a tendência, outra vez. Em cobrança de falta frontal de Zé Roberto, Villapando soltou, Cavenaghi acertou a bola e no rebote, Leandro Damião jogou para as redes aos 20 minutos: 3 a 0.

Se já estava recuado antes do gol, o Inter se retraiu mais, e esperou o Jaguares. Mas não como contra o Emelec, quando chamou o adversário para cima. Ficou com a bola, tentou estocadas, levou perigo a Villapando, mas o principal de tudo, controlou o jogo. O time de Celso Roth cresceu no segundo tempo, mesmo atacado pelo time mexicano, em relação ao primeiro tempo.

Com o fim do jogo próximo, Roth aumentou o gás do seu time, para não faltar forças nos minutos finais. Chamou Oscar, Alecsandro e Andrezinho, e mudou sua estratégia. Apostou na velocidade nos contra-ataques para bater em uma defesa já cansada.

E a medida deu certo. Depois de grande Sul-Americano com a Seleção Brasileira, Oscar arrisca um chutaço de fora da área e surpreende Villapando. 4 a 0 aos 46 minutos. O apito final foi mera formalidade.

FICHA TÉCNICA:

INTER 4 X 0 JAGUARES

Data/hora: 23/02, às 21h50

Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre

Árbitro: Roberto Silvera, auxiliado por William CAsavieja e Marcelo Costa, todos uruguaios.

Cartões amarelos: Zé Roberto, Bolatti, Kleber, Sorondo (I) Martinez, Rodriguez, Cabrera (J)

Cartão vermelho: Rodriguez

Gols: Bolatti, aos 19 e aos 43 minutos do primeiro tempo e Leandro Damião aos 20 minutos do segundo tempo e Oscar aos 46 minutos do segundo tempo

Público: 26.337

Renda: R$ 643.780,00

Inter: Lauro; Nei, Índio, Sorondo e Kleber; Wilson Matias, Bolatti, Guiñazu e Zé Roberto; Cavenaghi(Alecsandro) e Leandro Damião(Oscar). Técnico: Celso Roth.

Jaguares: Villapando; Martinez, Sanchez e Fuentes(Flores); Cabrera, Hernandez, Torres(Salazar), Rodriguez, Manso(Zamora), Rojas; Frias. Técnico: Guadalupe Cruz.

fevereiro 24, 2011 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário

Inter B perde nos pênaltis e está fora do Gauchão

Time empata em 1 a 1 com o Cruzeiro e desperdiça a vaga nas cobranças

Com dificuldades e um futebol raso, o Inter B empatou em 1 a 1 no tempo normal com o Cruzeiro no Beira-Rio e perdeu do time Estrelado nos pênaltis. Nas cobranças, o Inter desperdiçou duas cobranças e está fora do Gauchão. Agora, o Cruzeiro espera o advesário da semifinal, que pode ser o Grêmio, se o Tricolor passar do Ypiranga neste domingo.

Em uma tarde quente em Porto Alegre, parece que o Inter B foi acometido pela moleza que a temperatura acima dos 30°C sempre traz. O jogo iniciou lento, com muito toque de bola, mas sem jogadas de ataque agudas por parte dos garotos colorados. Com o maior domínio da bola, evidentemente que o Inter não correu riscos durante a primeira etapa.

Mesmo com as duas semanas de inatividade, o destaque do time suplente colorado continua o mesmo: Ricardo Goulart. Ainda que ele não tenha conseguido o gol, foi ele que criou as melhores jogadas e mais se movimentou na linha de três meias ofensivos colorados.

Só que o meia também não estava em tarde inspirada, e perdeu chance de abrir o placar aos 18 minutos. Em lançamento de Juliano da intermediária, Goulart não alcançou e a chance saiu quicando pela linha de fundo. Na melhor chance do Inter no jogo, foi do camisa 11 o passe: Marquinhos recebeu cara a cara com o goleiro, mas ao tentar encobrir o goleiro Fabio perdeu a chance de dar alguma emoção no jogo.

Até os 33 minutos do segundo tempo, Agenor poderia ter tirado uma soneca dentro da grande área, se ali houvesse um ar-condicionado que o livrasse do calor. Só trabalhou quando Jô partiu para cima de Kleber, e adiantou demais a bola. O camisa 1 colorado saiu para recolher a bola.

Parece que ao ir para o intervalo, ambas equipes perceberam que o jogo valia vaga na semifinal da Taça Piratini do Gauchão. O Cruzeiro voltou do vestiário com uma postura mais ofensiva, tentando surpreender o Inter. Mas faltava qualidade, como por exemplo faltou a Faísca quando ele chegou à linha de fundo e errou o cruzamento. Com a postura mais a frente, o Cruzeiro deu espaços. E na primeira chegada do Inter, o destaque colorado abriu o placar. Aos oito, em contra-ataque rápido, Elton deu grande lançamento para Ricardo Goulart. O meia, cara a cara com Fabio, não perdoou: 1 a 0 Inter.

Só que o gol não mudou a postura do Cruzeiro. A procura pelo gol de empate agora parecia como o prato de comida do Cruzeiro, e o jogo ganhou em emoção. Sufocando o Inter, o Estrelado não abriu o placar por um detalhe: Agenor. O goleiro, que assistira à primeira etapa, fez grande defesa. Diego Torres bateu escanteio na primeira trave, e no bate-rebate entre Adriano e a zaga colorada, a bola escapava para dentro do gol, rasteira. Agenor em uma demonstração de agilidade voou e salvou o Inter.

Procurando pressionar ainda mais, o Leocir Dall’astra colocou um atacante a mais no lugar de Faísca. Logo em sua primeira participação, o jogador entrou livre pela esquerda e acertou o poste, não sem antes Agenor tocar na bola. No rebote, Diego Torres, com o gol vazio, perdeu da entrada da área. A cada chegada do Cruzeiro, Agenor gritava mais com a sua defesa.

No entanto, Agenor teria que gritar muito ainda. O Cruzeiro continuou em cima do Inter, que só tinha o contra-ataque como opção. Em mais uma chance, Léo cabeceou perto da meta do goleiro colorado. Na sequência, Marinho puxou ataque e Marquinhos finalizou por cima do gol.

Só que o Estrelado chegava com muito mais força. E foi premiado pela insistência aos 37. Diego Torres limpou a jogada na entrada da área e bateu. Agenor, até então bem na partida, falhou e o Cruzeiro empatou a partida. O jogo seguiu com o Cruzeiro pressionado e o Inter não conseguindo sair ara o ataque até o apito final.

Nas cobranças, Guto, Juliano, Marinho e Thiago humberto converteram. Mas Marquinhos chutou fraco e Fabio pegou. Pelo lado do Cruzeiro, Alberto, Leo Maringá, Zadda e Juninho fizeram e Rafael desperdiçou. Nas batidas alternadas, Agenor perdeu e o goleiro Fábio marcou e garantiu o Cruzeiro na semifinal.

FICHA TÉCNICA:

INTER 1(4) X 1(5) CRUZEIRO

Data/hora: 19/02, às 17h

Local: Estádio Beira-Rio

Árbitro: Jean Pierre Lima, auxiliado por Marcelo Oliveira e João de Souza

Cartões amarelos: Alberto(C) Massari (I)

Gols: Ricardo Goulart, aos8 minutos do segundo tempo e Diego Torres, aos 37 minutos do segundo tempo

Público: 5.157

Renda: R$ 97.550

Inter: Agenor; Kleber Silva(Milton), Rodrigo Moledo, Romário e Massari(Dalton); Juliano, Élton, Marquinhos, Thiago Humberto e Ricardo Goulart(Marinho); Guto. Técnico: Enderson Moreira.

Cruzeiro: Fabio; Márcio Lima, Léo, Sandro e Zadda; Alberto, Almir, Diego Torres(Léo Maringá) e Faísca(Rafael); Jo e Adriano(Juninho Botelho). Técnico: Leocir Dall’astra.

fevereiro 19, 2011 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário

Em batalha sofrida, Inter cede empate ao Emelec

Gol equatoriano saiu aos 49 minutos da etapa final, em bola levantada na área

Foi uma batalha digna de Libertadores. O Internacional empatou com o Emelec quando tinha a vitória nas mãos, e após ter melhor atuação durante grande parte da partida, recuou e amoleceu diante da pressão do time equatoriano. O Colorado não conseguiu repetir 2010 e vencer o mesmo Emelec.

Se a atuação dos times pintasse a etapa de jogo da cor de uma das equipes, o primeiro tempo seria vermelho. Ainda que o início da partida tenha assustado um pouco os torcedores colorados, a partir da metade do primeiro tempo o Inter dominou os trabalhos.

A primeira finalização do jogo foi equatoriano, o Inter ainda não tinha se achado em campo. Bolatti iniciou entre os titulares, porque Tinga sentiu dores no tendão de Aquiles. Os onze jogadores ainda tentavam ajustar a marcação quando Achilier aproveitou cobrança de escanteio ensaiada e finalizou nas mãos de Lauro.

Aos poucos, os colorados conseguiam fechar os espaços dos Elétricos. Aos 16 e aos 18, as últimas jogadas ofensivas do Emelec. Na primeira jogada, Mena fintou Kleber no lado esquerdo da área colorada e cruzou na pequena área. Sorondo afastou o perigo. No outro lance, Gimenez arriscou da intermediária e Lauro agarrou a bola sem problemas.

Na segunda metade do primeiro tempo, o Inter demonstrou sua força, mas não chegou ao gol. Muito por incompetência de Zé Roberto. Na melhor chance do jogo, aos 25 minutos, Leandro Damião desviou chutão da defesa e a bola para D’alessandro na esquerda. O meia rolou para Zé. Livre, da marca do pênalti, o meia-atacante bateu longe do gol.

Com o fim do primeiro tempo próximo, o Inter aumentou sua pressão. Kleber tinha liberdade pela esquerda e aproveitou isso com sua canhota qualificada. Aos 39 e aos 40, o lateral olhou para a área e visualizou onde colocaria a bola: na cabeça de Leandro Damião. O centroavante na primeira tentativa encobriu o goleiro e na seguida como em cartilha, cabeceou para o chão. Ambas foram pela linha de fundo.

E o início da segunda etapa se manteve igual. Em falta lateral, aos dois minutos, D’alessandro bateu direto e o goleiro Klimowicz espalmou para linha de fundo. Na cobrança do escanteio, Sorondo foi puxado claramente na área e o juiz nada marcou. Aos quatro, nova chance do Inter. Damião continuou com seu duelo áereo com a defesa equatoriana: D’ale fez grande jogada na meia esquerda e lançou na cabeça do camisa 9 colorado. Outra vez para baixo, o centroavante cabeceou e o goleiro fez grande defesa.

Para se ter alguma noção da mediocridade do Emelec, aos 13, o Inter deu o gol para o time equatoriano. Em saída errado de Wilson Matias e Bolatti, Menéndez teve total liberdade para avançar às costas de Kleber. O jogador cruzou e Nei, ao tentar tirar de peito, ajeitou para Quiñónez. O volante finalizou, a bola bateu em Índio e ficou na grande área. Lauro abafou chute de Quíroz e Strahman, sozinho, bateu com o pé de apoio na bola e furou.

A jogada estremeceu o Inter no jogo. A confiança diminuiu, e o Emelec cresceu na partida. Com mais posse de bola, o time equatoriano tentava sem grande qualidade. Mas como dono da casa e aproveitando o contexto, os Elétricos assustaram o Colorado. Aos 22, em falta frontal e muito próxima a área, Quíroz jogou a bola sobre o ângulo esquerdo de Lauro.

Aos 28 minutos, no entanto, o Inter retomou as rédes da partida. Leandro Damião, em jogada individual, quase marcou um golaço. Depois de driblar dois zagueiros, o centroavante colorado encobriu o goleiro equatoriano e Bagüí, salvador, tirou a bola de cima da linha. No lance seguinte, aos 29, Damião bateu de longe e obrigou Klimowicz a se esticar todo para evitar o gol. Aos 30, mais uma defesa do goleiro equatoriano em nova cabeçada de Damião.

Só que o Emelec não desistiu. Aos 31, Lauro foi obrigado a fazer grande defesa. Strahman recebeu às costas de Nei e parou no goleiro colorado. A chance não arrefeceu o Inter. Cavenaghi, recém entrado, deu grande passe para Guiñazu. O volante adentrou a área como quase nunca faz, bateu de direita e o Colorado parou outra vez Klimowicz. Escanteio para o Inter.

E o gol, que amadurecia durante toda a partida, saiu dos pés de um estreante aos 34 minutos. Merecedor da vantagem, D’alessandro colocou na cabeça do argentino Mário Bolatti. Ele, que em sua apresentação garantiu não ser a bola áerea seu forte, testou no ângulo e finalmente superou o goleiro equatoriano.

Após o gol, o Inter recuou suas linhas e apostou nos contra-ataques. Com essa postura, o time colorado passou por maus momentos nos minutos finais, sofrendo grande pressão do Emelec. E nos últimos minutos da partida, aos 49, Giménez rompeu a barreira colorada e de cabeça, livre, desviou o cruzamento de Méndez e empatou a partida.

FICHA TÉCNICA:

EMELEC 1 X 1 INTERNACIONAL

Data/hora: 16/02, às 22h

Local: Estádio George Capwell, em Guayaquil, no Equador

Cartões amarelos: Mendéz, Pedro Quiñónez, Fleitas (E) Zé Roberto, D’alessandro, Bolatti, Lauro (I)

Gols: Bolatti, aos 34 minutos do segundo tempo(I) Giménez, aos 49 minutos do segundo tempo (E)

Inter: Lauro; Nei, Índio, Sorondo e Kleber; Wilson Matias, Bolatti(Rodrigo), Guiñazu e D’alessandro; Zé Roberto(Cavenaghi) e Leandro Damião. Técnico: Celso Roth.

Emelec: Javier Klimowicz; Marcelo Fleitas(Carlos Quiñónez), Gabriel Achilier e Oscar Bagüí; Pedro Quiñónez(Wila), Fernando Giménez, David Quíroz(Torres), Ángel Mena e Edison Méndez; Christian Menéndez e Eial Strahman. Técnico: Omar Asad.

fevereiro 16, 2011 Posted by | Internacional | , | Deixe um comentário

Com três gols de Damião, Inter vence o Pelotas e garante classificação

Nas quartas-de-final da Taça Piratini o Inter enfrentará o Cruzeiro-Poa

De virada, graças aos três gols marcados por Leandro Damião, o Inter venceu o Pelotas por 3 a 2 neste domingo. A partida foi disputada no Estádio Beira-Rio, pela última rodada da fase classificatória da Taça Piratini – o primeiro turno do Campeonato Gaúcho.
Com o resultado, os colorados terminam na segunda colocação do Grupo 1, com 15 pontos. O Pelotas fica de fora da fase eliminatória – com 8 pontos, a equipe da Zona Sul do Estado não passou da quinta colocação no Grupo 2.
No próximo final de semana, em jogo único, o Inter disputa com o Cruzeiro de Porto Alegre, no Estádio Beira-Rio, a classificação à semifinal da Taça Piratini.
Reprisando problemas
Celso Roth repetiu o sistema tático 4-2-3-1 por ele utilizado no ano passado. Tinga atuou como articulador central, com D’Alessandro e Zé Roberto pelos lados, e Leandro Damião sozinho no ataque.
No 4-4-2 em duas linhas, o Pelotas recuou estrategicamente, abrindo campo ao contra-ataque. E na primeira oportunidade, executou com perfeição o planejamento tático: aos 3, Tiago Duarte recebeu na área após rápida transição ofensiva, com tamanha liberdade que teve tempo até para escolher o canto, fazendo 1 a 0 para o Lobão.
Pouco inspirado, o Inter recorreu à bola aérea, aproveitando-se da boa fase de Leandro Damião. Aos 24 Kleber fez o cruzamento, e o centroavante decolou, cabeceando para o chão: 1 a 1.
Despertando irritação em alguns torcedores, o Inter repetiu atuações criticadas do ano passado. Muitas trocas de passes, pouca objetividade, e raras conclusões a gol
Virada, pelos pés de Damião
Do intervalo, o Inter retornou modificado. Roth trocou o meia Tinga pelo centroavante Cavenaghi, estreante da tarde, alterando também o sistema tático para o 4-4-2. Mas uma fórmula se manteve intacta.
Aos 7, de novo pela esquerda, saiu cruzamento – desta vez com D’Alessandro – que encontrou Leandro Damião dentro da área. E o centroavante colorado providenciou a virada batendo de primeira: 2 a 1 para o Inter.
Com dois atacantes, o Inter enfim empolgou os torcedores. Cavenaghi participou de boas triangulações, enquanto D’Alessandro seguiu protagonizando os movimentos mais qualificados da equipe – de pé direito, embora canhoto, quase marcou um golaço de fora da área.
Leandro Damião fez o terceiro, para pedir música no Fantástico, aos 32. Um minuto depois, entretanto, a tranquilidade conquistada logo se desfez quando João Paulo descontou para o Pelotas. Apesar da pressão, o Pelotas não conseguiu chegar ao empate que também seria insuficiente – só a vitória colocaria o Lobão nas finais do primeiro turno.
Próximo jogo
O Inter estreia na Taça Libertadores às 22h de quarta-feira, dia 16 de fevereiro, contra o Emelec. A partida, pela primeira rodada do Grupo 6, será disputada em Guayaquil, no Equador.
INTER 3 X 2 PELOTAS
Lauro; Nei, Índio, Sorondo e Kleber; Wilson Matias, Guiñazu, Tinga (Cavenaghi), D’Alessandro e Zé Roberto (Andrezinho); Leandro Damião (Alecsandro). Adinam; Johnathan, Jonas, Fernando Cardozo e Robinho (Alan); Gavião, Makelele (Léo Dias), Cléber e Maicon Sapucaia; Tiago Duarte (Clodoaldo) e João Paulo.
Técnico: Celso Roth. Técnico: Armando Desessards.
Data: 13 de fevereiro de 2011. Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre. Árbitro: Fabrício Neves Corrêa, auxiliado por Julio César Espinoza de Freitas e Sedenir Martins.
Gols: Tiago Duarte (Pelotas), aos 3m; Leandro Damião (Inter), aos 24m, no primeiro tempo. Leandro Damião (Inter), aos 7m e aos 32m, e João Paulo (Pelotas) aos 33m, no segundo tempo.
Cartões amarelos: Tinga, Guiñazu e Sorondo (Inter); Fernando Cardozo, Robinho, Gavião e Alan (Pelotas).
Público: 11.110 torcedores. Renda: R$ 131.545,00

fevereiro 13, 2011 Posted by | Internacional | , | Deixe um comentário

Em jogo com pinta de Libertadores, Inter perde para o Veranópolis

Time colorado sai vencendo, mas cede virada em teste para Libertadores

Na segunda partida com os titulares, o Inter foi derrotado pelo Veranópolis por 2 a 1 e deixou escapar a chance de classificação antecipada. A partida faz parte do cronograma colorado de testes para a disputa da Libertadores, até devido às condições do gramado, com dimensões pequenas e irregular. Com o resultado, o Colorado fica com 12 pontos, na segunda colocação. A atuação não foi boa, e o Inter recuou e tomou a virada do time do interior.

O próximo compromisso do Inter ainda tem data indefinida. Inicialmente marcada para o dia 13, a partida contra o Pelotas pode ser no sábado, para que o Colorado tenha mais tempo para viajar ao Equador. Já o VEC enfrenta o Ypiranga, no domingo, às 17h, em Erechim.

Muita disputa e faltas

Típico jogo de Gauchão. O início foi truncado, com faltas e muita marcação no meio campo. Só assim que os times do interior do Rio Grande do Sul podem parar os times da capital. A diferença técnica se impõe facilmente. Aos três minutos, D’alessandro recebeu passe de Andrezinho na meia direita. Se livrou facilmente da marcação e cruzou rasteiro para Leandro Damião desviar e abrir o placar.

Após o gol, no entanto, o Inter se retraiu. Pareceu time do interior ao abrir o placar contra a Dupla Gre-Nal, e o Veranópolis cresceu. Levou perigo em três oportunidades antes dos 24 minutos de jogo. Aos 22, Luiz Carlos avançou pela direita e bateu. A bola quicou na frente de Lauro, e o goleiro espalmou para escanteio.

A parada técnica que o árbitro Márcio Coruja fez aos 25 minutos foi providencial. Tanto para os jogadores hidratarem-se, como para o Inter retomar as rédeas do jogo. A partir desse momento, encaixou a marcação e sofreu menos perigo. Se o campo irregular dificultava o toque de bola, o levantamento na área virou a arma principal colorada.

Aos 32, depois de grande jogada coletiva, D’alessandro cruzou bola na área e Carlos Alberto tirou para escanteio. Na sequencia, foram mais dois escanteios desperdiçados pelo Inter. Mas o primeiro tempo terminou com pouco futebol do time principal colorado. No entanto, faltava qualidade ao Veranópolis para chegar mais perto da meta do adversário.

A conversa com Celso Roth, fora do vestiário devido ao calor, fez bem ao Inter. O Colorado voltou mais elétrico no segundo tempo, e logo aos sete minutos criou chance clara de gol. Na meia esquerda, Andrezinho encontrou Kleber dentro da área. Ao invés de bater no gol, o lateral rolou para Tinga, que adentrava pela direta, e o volante chutou nas pernas de Luiz Muller.

Outra vez após um primeiro instante bom, o Inter caiu de rendimento. Não conseguia arquitetar jogadas de ataque com qualidade e abusava de bolas levantadas. O Veranópolis, ainda que também sem grande brilho, se jogava cada vez mais a frente. Aos 13, não fosse Sorondo o Inter tinha tomado o empate. Raulen viu Gilson por trás da zaga e lançou o atacante. Na recuperação, o defensor vermelho deslizou na gramado e bloqueou o chute, facilitando a vida de Lauro.

Os lampejos colorados continuavam, mas o Inter não consegui marcar. Aos 20 Leandro Damião ficou cara a cara com Luiz Muller e não concluiu. Perdeu a chance e irritou Celso Roth. Na sequencia do lance, o golaço da partida. Um minuto após a chegada do Inter, Gilson recebeu de Carlos Alberto e ajeitou para Luiz Carlos, na intermediária. O meia, contratado junto ao Novo Hamburgo, estreou com um petardo no ângulo direito de Lauro.

Roth, insatisfeito com o desempenho do time, resolveu trocar. Colocou Glaydson no lugar de Tinga e Alex no de Andrezinho. As substituições melhoraram o Inter, um pouco também pelo recuo do time do interior, e trouxeram à tona Luiz Muller. Aos 31 D’ale perdeu chance dentro da grande área. Aos 32, Glaydson entrou livre pela direita e cruzou rasteiro. Luiz Muller em outra boa intervenção salvou com os pés. Aos 34, Nei sofreu falta na ponta direita da área. D’alessandro bateu rente ao chão para outra boa defesa do goleiro do Veranópolis.

O time do interior gaúcho apostava nos contra-ataques. O Inter se jogou a frente e deixava espaços para o avanço do adversário. Aos 38, Raulen recebeu bom passe de Luiz Carlos e bateu colocado. Lauro agarrou firme sem problemas.

Querendo a vitória, o Inter pressionou até os últimos instantes. Aos 43 e 44, Luiz Muller salvou duas vezes em bolas pelo alto. Sem outra alternativa na partida, o Colorado não conseguiu marcar outra vez. E o Veranópolis foi atrás do resultado. Na base da pressão e do coração, o time do interior chegou ao empate. Rodrigo Ninja foi a linha de fundo e cruzou. No bate-rebate, a bola sobrou para Raulen, que finalizou em gol. No meio do caminho, Ale desviou e virou a partida para o Veranópolis.

FICHA TÉCNICA:

VERANÓPOLIS 2 x 1 INTERNACIONAL

Data/hora: 06/02, 17h

Local: Estádio Antônio David Farina, em Veranópolis

Árbitro: Márcio Coruja, auxiliado por Paulo Conceição e Jorge Silva

Gols: Leandro Damião, aos 3min do primeiro tempo(I) Luiz Carlos, aos 22min do segundo tempo e Ale aos 48 do segundo tempo (V)

Cartões Amarelos: Anderson Lobão, Sananduva, Carlos Alberto (V) Tinga (I)

Inter: Lauro; Nei, Índio, Sorondo e Kleber; Wilson Matias, Guiñazu, Tinga(Glaydson), Andrezinho(Alex) e D’alessandro; Leandro Damião. Técnico: Celso Roth

Veranópolis: Luiz Muller; Anderson Bill, Sananduva e Fred; Raulen, Ale, Neto, Carlos Alberto(William) e Rodrigo Ninja; Luiz Carlos(Júlio Maranhão) e Anderson Lobão(Gilson). Técnico: Leandro Machado.

fevereiro 6, 2011 Posted by | Internacional | , | Deixe um comentário

Titulares do Inter batem Juventude por 3 a 1 pelo Gauchão

Meia D’alessandro marcou dois gols na partida

O Inter bateu o Juventude na noite desta quinta-feira por 3 a 1 e iniciou a caminhada na temporada de 2011. Na primeira partida diante do seu torcedor depois da derrota para o Mazembe, D’alessandro marcou dois gols e a torcida saiu satisfeita com o resultado da equipe colorada. O Colorado está com 12 pontos, na segunda posição da chave 1, atrás apenas de Caxias. Por outro lado, o Ju está continua na primeira colocação da Chave 2, também com 12 pontos ganhos.

Na próxima rodada, os titulares colorados pegam o Veranópolis, fora de casa, dia 06, como continuação na preparação para a Libertadores. Já o Juventude volta a jogar também no dia 06 recebe o Novo Hamburgo em Caxias do Sul

No início do jogo, o ritmo das equipes estava nitidamente diferente. O Inter começou prezando a posse de bola, e tentava controlar as ações a partir disso. Já o Juventude marcava forte e esperava a chance de contra-atacar. Foi o que fez logo aos cinco minutos,

O Inter tinha mais posse de bola, iniciou o jogo tentando controlar o ritmo do time de Caxias. Mas o Juventude está claramente em outra frequência no campeonato, está na liderança da chave 2 e voando. No primeiro contra-ataque que teve, marcou. Cristiano recebeu passe de Jardel às costas de Ronaldo Alves e chutou fraco. Lauro falhou e espalmou a bola nos pés de Zulu. Livre, o centroavante rolou para Jardel abrir o placar.

Aos 9 minutos, outra demonstração de ritmo diferente no jogo. D’alessandro perdeu bola no meio campo para Cristiano. O camisa 10 do Ju avançou pela direita e finalizou cruzado, mas Lauro conseguiu jogar a bola para escanteio. Na cobrança, o goleiro ficou no meio do caminho e Edson Boirges quase marcou de cabeça.

Mas aos 12 minutos o Inter já havia tirado o início de temporada do corpo. Ofensivamente o time colorado estava bem. Em grande jogada pela esquerda, D’alessandro recebeu de Guiñazu após triangulação com Kleber e cruzou na área. A bola passou por Zé Roberto e espirrou para Leandro Damião dar uma voadora e empurrar a bola para as redes.

A partir do gol de empate, o Inter tomou as rédeas da partida. Conseguiu dominar o Juventude e não sofrer tantos riscos defensivamente e ao mesmo tempo agredir o adversário. Aos 23, em boa trama entre Zé Roberto, Tinga e Guiñazu, o volante argentino entra livre na área, mas conclui na trave. Na resposta, aos 24, Júlio Madureira tentou sem sucesso encobrir Lauro.

Do meio do primeiro tempo para o final, as emoções escassearam e o ritmo diminuiu. Zé Roberto, em sua estreia,sentiu uma lesão no músculo adutor e teve de ser substituído por Andrezinho. No reinício da partida, Roth também escolheu tirar Ronaldo Alves e colocar Sorondo, já que o zagueiro do Inter B estava inseguro na partida. Já Picoli tirou um atacante e colocou o volante Gustavo.

A mudança do Juventude mostrou claramente a que veio o time de Caxias no segundo tempo. Se retraiu mais ainda, a espera de mais chances para contra-atacar. O Inter manteve o controle do jogo e chegou forte aos oito minutos. Tinga tabelou com Guiña pela esquerda e colocou na cabeça de Damião. Jonatan voou e segurou com firmeza.

O Juventude passou a gostar mais do jogo a partir dos 20 minutos. Aos 13 já havia levado perigo em jogada anulada por impedimento. D’alessandro em um dos lúcidos momentos, aparou bola espirrada na entrada da área e chutou para defesa de Jonanta aos 23. Um minuto depois, Nei errou passe na saída de bola e Cristiano teve a chance de marcar para o Ju. Lauro agarrou firme.

Aos 36, o jogo teve seu fim. Gustavo recebeu o segundo cartão amarelo por entrada em Andrezinho e foi expulso. Na cobrança da falta, D’alessandro pegou a sobra, tabelou com Alex e, do lado direito da pequena área, colocou em curva sem chances para Jonatan.O 3 a 1 sacramentou a vitória colorada.

INTER 3 X 1 JUVENTUDE

Data/hora: 03/02, 19h30

Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre

Árbitro: Luiz Teixeira Rocha, auxiliado por Vilmar Burini e Tatiana de Freitas.

Cartões Amarelos: Wilson Matias, Ronaldo Alves, Kleber (I) Julio Madureira, Bruno Salvador, Fred (J)

Cartão Vermelho: Gustavo

Gols: Jardel, aos 5min do primeiro tempo(Juventude); Leandro Damião aos 12 minutos do primeiro tempo, D’alessandro 29min e aos 36 do segundo tempo(Inter)

Público: 13.347 (11.683 pagante)

Renda: R$ 155.585

Inter: Lauro; Nei, Índio, Ronaldo Alves(Sorondo) e Kleber; Wilson Matias, Tinga(Alex), Guiñazu e D’alessandro; Zé Roberto(Andrezinho) e Leandro Damião. Técnico: Celso Roth.

Juventude: Jonatas; Fred, Bruno Salvador e Edson Borges(Rafael); Anderson Pico, Umberto, Tiago Silva, Jardel e Cristiano; Julio Madureira(Gustavo) e Zulu. Técnico: Antonio Picoli

fevereiro 3, 2011 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário

Grêmio bate Inter no Gre-Nal ‘uruguaio’ do Gauchão

Em Rivera, no Uruguai, Tricolor sai atrás na primeira etapa, mas chega à virada e segue invicto na temporada

No primeiro Gre-Nal disputado fora do Brasil, quem levou a melhor foi o Grêmio, que derrotou de virada o Internacional por 2 a 1 neste domingo, no estádio Atílio Paiva Oliveira. em Rivera (Uruguai). Guto abriu o placar para os colorados no primeiro tempo, mas Bruno Collaço, cobrando falta, e Lins, viraram o placar na etapa final.

Com o resultado, o Colorado perdeu a liderança do Grupo A para o Caxias, que venceu o Veranópolis fora de casa por 3 a 0. Já o Grêmio segue invicto na temporada, mas é apenas o segundo colocado no Grupo B, atrás do Juventude.

Mesmo sem contar com os titulares de ambos os lados, o Gre-Nal começou quente. Com apenas oito segundos de jogo, Maylson recebeu cartão amarelo por uma falta dura. A primeira boa chance de gol foi gremista: Diego Clementino recebeu sozinho na entrada da área, mas bateu mal. Mesmo assim, Muriel foi obrigado a fazer grande defesa, logo aos sete minutos.

No entanto, o jogo esfriou, ao longo do primeiro tempo. Com muitos jovens em campo, o jogo tinha ritmo acelerado, mas com muitos erros de passe.

O Grêmio voltou a ter boa chance aos 26, quando Bruno Collaço bateu falta com força, e o zagueiro colorado Rodrigo Moledo desviou contra o próprio gol, obrigando Muriel a espalmar para escanteio.

Mas quem abriu o placar foi o Colorado. Aos 39 minutos, Marquinhos cobrou escanteio e o centroavante Guto cabeceou forte, sem chances para Marcelo Grohe. O gol animou o Inter, que criou boas chances ainda no fim do primeiro tempo, como no chute de Guto, que passou raspando a trave aos 43.

O Grêmio mexeu no intervalo: o zagueiro Vílson saiu para dar lugar ao volante Willian Magrão. Com isso, Mário Fernandes passou para o centro da defesa, com Maylson na lateral.

Melhor na volta do intervalo, o Grêmio perdeu chance incrível aos dez minutos. Wesley cabeceou após o cruzamento e Muriel fez milagre. Na sobra, Clementino mandou na trave.

O empate era questão de tempo. Bruno Collaço bateu falta aos 14 minutos e colocou no canto direito de Muriel. Depois da nova igualdade, o jogo ficou aberto, com os dois lados disperdiçando chances claras.

Aos 29, veio a virada do Grêmio. Marcelo Grohe deu um chutão para a frente, e o garoto Lins aproveitou a indecisão na defesa colorada, entrou livre na área e tocou na saída de Muriel.

O Colorado foi para o desespero no fim do jogo, e até o goleiro apareceu na área gremista para tentar o gol de empate, mas não adiantou. O Tricolor sai vitorioso do primeiro Gre-Nal de 2011.

GRÊMIO 2 X 1 INTERNACIONAL

Local: Atílio Paiva Oliveira, em Rivera (Uruguai)

Data/Hora: 30/1/11 – 19h30 (de Brasília)

Árbitro: Márcio Chagas da Silva.

Público: 7.000 pessoas.

Grêmio: Marcelo Grohe; Mario Fernandes, Vilson (Willian Magrão, intervalo), Neuton e Bruno Collaço; Adilson, Mateus Magro, Maylson e Mithyuê (Lins, 20’/2ºT); Diego e Wesley (Dener, 31’/2ºT). Técnico: Roger.

Internacional: Muriel; Daniel, Rodrigo Moledo, Ronaldo Alves e Massari; Juliano, Augusto (Wagner Libano, 17’/2ºT), Nathan (Marinho, 37’/2ºT), Ricardo Goulart (Thiago Humberto, 31’/2ºT) e Marquinhos; Guto. Técnico: Enderson Moreira.

Cartões amarelos: Maylson, Marcelo Grohe (GRE).

janeiro 31, 2011 Posted by | Grêmio, Internacional | | Deixe um comentário

Inter B joga bem e bate xará de Santa Maria por 4 a 1

Marquinhos retomou futebol e deu assistência para três gols

Mesmo fora de casa, a partida contra o Inter-SM acabou sendo a melhor apresentação do Inter B na temporada. Com espaços deixado pelo Inter-SM, os garotos colorados puderam criar mais chances e estabelecer o 3 a 1 no placar. Marquinhos fez um ótimo primeiro tempo, e retomou um pouco do prestígio que tinha com os torcedores. O Inter agora tem nove pontos e lidera momentaneamente a chave 1 da Taça Piratini, e pode ser ultrapassado por Lajeadense e Caxias. O time de Santa Maria briga contra o rebaixamento, com um ponto, na última posição da chave 2.

Em menos de dois minutos de jogo, o destaque do Inter no Gauchão já havia dado dois chutes contra o goleiro Fábio. Apesar de não exigir muito, mostrou o que o Inter iria querer na partida. Logo aos 10 minutos de jogo, o time de Porto Alegre surpreendeu os santamarienses em cobrança de escanteio. Marquinhos cruzou fechado, e Rodrigo Moledo subiu mais alto que a zaga para desviar e abrir o placar.

Com o 1 a 0 favorável, os garotos do Inter continuaram a tocar a bola e aproveitar os espaços. Por oito minutos, foram trocas de bolas e estocadas, mas sem sucesso. O Inter de Santa Maria levou perigo duas vezes antes de empatar a partida. Sempre segura, a defesa do time de Porto Alegre falhou. Aos 18, Mineiro escorregou e Faguinho ficou livre para cruzar da direita nos pés de Dinei. Na cara de Muriel, o centroavante só desviou e empatou o jogo.

Apesar do gol, o Inter continuou na frente. Aos 26, Ricardo Goulart soltou um petardo da intermediária, cheio de curva. Fábio teve dificuldades para mandar para escanteio. Era a dica para que algo estava por vir. Marquinhos recebeu passe de Guto, e rolou dentro da área aos 29. Ricardo Goulart veio de trás e chutou. A bola não ia no gol, mas desviou no zagueiro Flávio e matou Fábio. Sorte de artilheiro, que fez Inter 2 a 1.

Após, em duas ocasiões, Muriel foi o protagonista. Primeiro aos 31, em cruzamento da esquerda de Felipe, que Dinei completou e o goleiro do Colorado de Porto Alegre se esticou todo e salvou. Depois, aos 33, em escanteio do Inter de Santa Maria. Na cobrança curta, Faguinho cruzou e a bola pararia nas mãos de Muriel, que não segurou. A partir daí, a polêmica se instaura. Vidinha veio no embalo, e tocou a bola para dentro do gol. O árbitro André Cieslak, porém, interpretou como falta em cima do arqueiro colorado e anulou o empate.

Três minutos depois do lance, um golaço do Inter, para selar a recuperação do meia Marquinhos. A zaga do Inter-SM errou no quique de bola, e Marquinhos ficou com a bola na ponta da grande área, pela esquerda de ataque. Olhou e viu o ex-jogador do Barueri entrando por trás da zaga: não titubeou e, de três dedos, deu o passe. Thiago Humberto, de chapa, bateu de primeira e completou o 3 a 1, encerrando as ações do primeiro tempo.

O segundo tempo começou lento. Superior no placar, o Inter diminuiu o ritmo e trocava passes laterais, sem muita objetividade. Cozinhava o jogo desde o início. O Inter-SM mostrou um ímpeto inicial, mas sem assustar Muriel. Depois dos quinze minutos iniciais, a equipe de Santa Maria pareceu perder o fôlego. Até os 22 minutos da segunda etapa, o técnico Luiz Carlos Winck já havia queimado as três substituições.

Sem precisar atacar, o Inter esperava os contra-ataques, como aos 26, quando Augusto antecipou e roubou bola na meia cancha. Avançou com a bola e lançou o centroavante Guto, cara a cara com Fabio. Mas o camisa 9 do Colorado tentou encobrir o goleiro e jogou a bola pela linha de fundo. A resposta do Inter-SM veio logo em seguida, aos 29, em chute de longe de Jonantan. Dinei desviou no meio do caminho e quase surpreendeu Muriel, mas o lance foi parado por impedimento.

Aos 35, Felipe tentou o cruzamento e a bola acabou tomando a direção do gol. Muriel deu um tapa e colocou a bola para escanteio. Na cobrança, mais uma vez o goleiro colorado foi soberano pelo alto. O Inter-SM esboçou uma pressão, mas faltava qualidade para concluir as jogadas com precisão. Marcando bem, o time de Porto Alegre segurou o ímpeto do Inter-SM.

No apagar das luzes, o Inter conseguiu uma falta na meia direita. João Paulo cruzou, aos 47 minutos, e Mineiro desviou para marcar o quarto gol na partida e fechar o placar.

FICHA TÉCNICA

INTER-SM 1 X 4 INTER

Data/hora: 26/01, 20h

Local: Estádio Presidente Vargas, em Santa Maria

Árbitro: André Cieslak, auxiliado por José Antônio Filho e Júlio Cesar dos Santos

Gols: Rodrigo Moledo, Ricardo Goulart e Thiago Humberto (I) Dinei(SM)

Cartão Amarelo: João Paulo(I)

Inter-SM: Fábio; Faguinho(Jonatan), Deurick, Flávio, e Felipe; Rincon, Michel(Wends), Vidinha(Ronni) e Thiago Correa; Edilson e Dinei. Técnico: Luiz Carlos Winck.

Inter: Muriel; Kléber Silva(Daniel), Ronaldo Alves, Rodrigo Moledo e Mineiro; Juliano, Augusto, Ricardo Goulart(Natan), Thiago Humberto (João Paulo) e Marquinhos; Guto.Técnico: Enderson Moreira.

janeiro 26, 2011 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário