Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Dá-lhe Dagol! São Paulo vence Goiás e se classifica na Copa do Brasil

Dagoberto marca aos 19 da primeira etapa e Tricolor vai às quartas de final da competição nacional

A volta do São Paulo ao estádio do Morumbi foi do jeito que o torcedor queria: com vitória. Mesmo sem show, como o que proporcionou a banda irlandesa U2, o palco são-paulino viu o gol solitário de Dagoberto, suficiente para decretar a vitória do Tricolor por 1 a 0 sobre o Goiás, na noite desta quarta-feira. O São Paulo, assim, se classifica às quartas de final da Copa do Brasil.

Sem jogar em seu estádio desde o dia 13 de março, o Tricolor agora disputa uma vaga nas semifinais da competição contra o Avaí, que eliminou o Botafogo.

No resultado agregado, o São Paulo contabilizou 2 a 0, já que na partida de ida a equipe do técnico Paulo César Carpegiani vencera o Goiás no Serra Dourada por 1 a 0.

Durante a partida, o Tricolor mostrou jogadas envolventes pelos lados do campo, com Ilsinho e Marlos tabelando com os laterais e suprindo a demanda de um exigente – e decisivo – Dagoberto, que, à exemplo do jogo de ida em Goiás, marcou o gol da vitória sobre o Esmeraldino.

AZAR VERDE, SORTE TRICOLOR

Antes da partida começar, os são-paulinos temiam pela qualidade do gramado do estádio do Morumbi, que parecia muito prejudicado até a terça-feira. Mas, mesmo depois da maratona de shows e da chuva que atingiu a capital paulista nesta quarta-feira, o gramado apresentou boas condições para o jogo decisivo.

Em campo, o Goiás sonhava em repetir 2003, quando eliminou o Tricolor com um resultado de 1 a 1 no Morumbi (na ida, 0 a 0 no Serra Dourada), no que fora, inclusive, a última participação do clube paulista na Copa do Brasil.

Mas o Esmeraldino se viu diante de uma maré de azar implacável: primeiro, Harlei se contundiu a seis minutos de jogo, ao tentar impedir saída da bola na linha de fundo. No lugar do veterano goleiro, Pedro Henrique entrou, e entrou “numa fria”.

É que treze minutos depois, o volante Zé Antônio reforçou a falta de sorte do time goiano, escorregou no meio campo e facilitou a vida de Carlinhos Paraíba. O volante tricolor tocou para Dagoberto na área, que marcou o primeiro gol de jogo, aos 19 minutos da primeira etapa.

Mesmo contando com a sorte, a superioridade são-paulina era incontestável. O Tricolor abusava das tabelas, seja pelo lado direito com Jean e Marlos, ou pela esquerda, com Juan e Ilsinho. Assim, o time da casa entrava na defesa rival com facilidade. Ilsinho, inclusive, repetiu o desempenho do último domingo, na vitória sobre a Portuguesa no Campeonato Paulista, e “flutuou” pelas duas extremidades do ataque, municiando Dagoberto e Marlos.

Mas o lance mais inacreditável da primeira etapa foi do Goiás: aos 30 minutos, Marcelo Costa cruzou na área, Rogério saiu mal e Ernando, sozinho, viu a bola passar por entre suas pernas.

Ao time do Centro-Oeste, restavam ainda as jogadas pelo lado direito com Oziel, que importunaram a defesa são-paulina. No primeiro minuto da segunda etapa, o camisa 2 do Goiás perdeu lance capital: ele recebeu de Marcelo Costa dentro da pequena área e tocou por cima do gol de Rogério, desperdiçando oportunidade de ouro.

Difícil mesmo era parar a boa atuação de Dagoberto. Decisivo no jogo de ida no Serra Dourada e autor do primeiro gol do jogo no Morumbi, o camisa 25 protagonizou lindo lance aos 12 minutos, tocou para Jean e Ilsinho, na área, finalizou a jogada nas mãos de Pedro Henrique.

As tramas são-paulinas envolviam a defesa esmeraldina, presa fácil para os toques do Tricolor, cada vez mais à vontade para penetrar na área verde.

Dagoberto ainda abusou do preciosismo aos 24 minutos. Livre na área, ele tentou dois cortes antes de ser desarmado por Carlos Alberto. Três minutos depois, Dagol, de novo, quase marcou em dividida com Pedro Henrique.

Com a classificação praticamente assegurada, Carpegiani atendeu a um pedido da torcida no Morumbi e promoveu a entrada de Rivaldo. O experiente armador teve tempo de descolar ótimo passe para Jean aos 40 minutos, lance que o atleta desperdiçou dentro da área. A cena se repetiu quatro minutos depois, em novo passe de Rivaldo para Jean, que, de novo, finalizou mal.

Nos minutos finais, Fernandão ainda voltou ao time, substituindo Ilsinho. O camisa 15 não jogava há 16 jogos, mas teve pouco tempo para mostrar seu futebol.

O São Paulo acabou terminando o jogo sofrendo com algumas investidas do Goiás, que se lançou ao ataque, sem sucesso. Classificado, o Tricolor enfrenta o Avaí nas quartas de finais da Copa do Brasil, em datas ainda não definidas.

Antes, o São Paulo volta as atenções para o clássico contra o Santos, em partida válida pelas semifinais do Paulistão, a ser disputada no sábado (30), no Morumbi.

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO 1X0 GOIÁS

Estádio: Morumbi, São Paulo (SP)
Data/hora: 27/4/2011 – 21h50
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique
Auxiliares: Debert Pedrosa Moisés e Lilian da Silva Fernandes Bruno

Renda/público: R$ 891.747,00 / 32.001 pagantes
Cartões amarelos: Casemiro (SPO); Zé Antônio, Leandro, Assuério (GOI)
Cartões vermelhos: –
GOLS: Dagoberto, 19’/1ºT (1-0)

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Rhodolfo (Xandão, intervalo), Alex Silva, Miranda; Jean, Casemiro, Carlinhos, Ilsinho (Fernandão 44’/2ºT) e Juan; Marlos (Rivaldo 34’/2ºT) e Dagoberto. Técnico: Paulo César Carpegiani

GOIÁS: Harlei (Pedro Henrique 7’/1ºT); Rafael Toloi, Ernando e Valmir Lucas; Oziel, Amaral, Zé Antônio (Leandro 40’/1ºT), Carlos Alberto, Marcelo Costa; Robert e Hugo (Assuério 28’/2ºT). Técnico: Artur Neto

abril 28, 2011 Posted by | Goiás, São Paulo | | Deixe um comentário

Dagoberto decide e São Paulo vence Goiás na Copa do Brasil

Para o jogo de volta, na próxima quarta-feira, no Morumbi, o Tricolor pode empatar que avança às quartas de final

Em 2009, o São Paulo deixou o Serra Dourada com uma derrota por 4 a 2 para o Goiás, que lhe custou o título do Campeonato Brasileiro daquele ano e o fim da hegemonia nacional, que já durava três anos. Quase dois anos depois, o Tricolor pode dizer que conseguiu o “troco”, ao vencer o mesmo Goiás por 1 a 0, no Serra Dourada, em Goiânia, e encaminhar a classificação para as quartas de final de outra competição nacional, a Copa do Brasil

O Tricolor joga a partida de volta contra o Esmeraldino na próxima quarta-feira, no Morumbi. Para avançar às quartas de final da Copa do Brasil e encarar o Avaí, o São Paulo pode até empatar. Uma derrota por 1 a 0 leva o jogo à disputa de pênaltis.

Se o Goiás vencer por 2 a 1, 3 a 2 ou 4 a 3 se classifica pelos gols fora de casa. Ao Esmeraldino, também interessam as vitórias por mais de um gol de diferença. A partida, que será no Morumbi, ainda pode marcar a estreia de Luís Fabiano no São Paulo.

NOVIDADE, EXPULSÃO E RETRANCA VERDE

O Tricolor entrou em campo com uma novidade…no uniforme! A equipe estreou os calções e meiões vermelhos. A última vez que o São Paulo jogou assim foi há 14 anos.

No quesito tático, nada de inovações: as equipes começaram a partida no esquema 3-5-2, mas as defesas pareciam desprotegidas. Com três minutos de jogo, dois lances duvidosos dentro da área, um para cada lado, foram ignorados pelo árbitro Marcos André Gomes da Pena. Primeiro, Alex Silva chegou atrasado em Felipe Amorim. Um minuto depois, Ilsinho caiu após chegada de Harlei, na área goiana. O árbitro capixaba manteve-se firme e não marcou nenhum dos supostos pênaltis.

Na sequência, o Esmeraldino do Centro-Oeste respondeu com Carlos Alberto cabeceando sozinho na área, mas o jogador, que substituiu Diogo, formado pelo Tricolor e que não pode jogar por conta de uma cláusula contratual, estava impedido.

Casemiro, aos 9 minutos, e Marlos, aos 10, arrancaram suspiros no Serra Dourada. Era o Tricolor esquentando a partida! Aos 15, uma falta à distância semelhante do gol 100 de Rogério no clássico contra o Corinthians ouriçou o torcedor são-paulino. O goleiro tricolor foi para a bola e não fez feio: chutou por cima, no mesmo canto de Harlei.

REVIRAVOLTA EM TRÊS MINUTOS

Felipe Amorim estreou no Goiás contra o Corinthians, na última rodada do Campeonato Brasileiro de 2010. Oriundo das categorias de base do Esmeraldino, o jogador ganhou destaque até antes da partida contra o São Paulo. Mas a noite desta quarta-feira definitivamente não foi a dele. Aos 19 minutos, ele dominou bola no braço e recebeu o cartão amarelo. Três minutos mais tarde, ele ajudou a marcação de forma atabalhoada, derrubou Carlinhos e recebeu o segundo cartão amarelo: expulso de campo!

Com um a menos, o Goiás, que ainda estava no páreo e conseguia organizar boas jogadas até a expulsão de Amorim, passou a não frequentar mais o campo de ataque e, assim, se tornou presa fácil para o São Paulo.

Dos pés – ou da cabeçada equivocada – de Carlos Alberto, o time de Paulo César Carpegiani teve uma de suas melhores chances, aos 29 minutos. Dagoberto aproveitou o erro e rolou para Jean chutar cruzado, rente à trave de Harlei. Por pouco…

O São Paulo queria mesmo sufocar o Esmeraldino e sair da primera etapa com um gol. Ilsinho e Dagoberto, explorando as pontas, criaram jogadas de gol, mas a defesa do Goiás repelia as oportunidades do adversário.

ELE TEM A RECEITA

No intervalo de jogo, Carpa parecia saber a receita da vitória. O treinador colocou Henrique no lugar de Casemiro. E foi com um homem a mais na frente que o Tricolor chegou, enfim, ao primeiro gol do jogo. Dagoberto fez o que sabe de melhor, levou a bola em velocidade pelo meio, não encontrou resistência da defesa adversária e chutou do meio da rua.

Com o placar a favor, o time visitante pareceu se acomodar e, por um instante, o Goiás cresceu na partida, mesmo com um a menos. Logo após o gol, Carlos Alberto entrou de surpresa na área e cabeceou por cima do gol de Ceni.

Mas o time esmeraldino não tinha fôlegos para levar mais 40 minutos de igual para igual com o São Paulo e, aos poucos, foi cedendo, cedendo…

Sobrou espaço para Rivaldo, que entrara no lugar de Marlos, e o resto do time são-paulino brilhar. Aos 23 minutos, Dagoberto encontrou llsinho invadindo a área e o camisa 77, na cara de Harlei, perdeu grande chance. Dez minutos mais tarde, Ilsinho recebeu de Henrique na área e, sozinho, tentou driblar o goleiro esmeraldino, perdendo mais uma oportunidade.

Mesmo sem Lucas, expulso na partida anterior contra o Santa Cruz e que vai a julgamento na próxima terça-feira, na armação, o São Paulo manteve o resultado e volta para casa com a vantagem para o jogo de volta.

Agora, o Tricolor tem a Portuguesa pela frente, no domingo, em palco a ser definido. O jogo vale vaga nas semifinais do Campeonato Paulista. O Esmeraldino também tem um clássico no fim de semana. A equipe encara o arquirrival Vila Nova, pelas semifinais do Campeonato Goiano.

FICHA TÉCNICA:
GOIÁS 0X1 SÃO PAULO

Estádio: Serra Dourada, Goiânia (GO)
Data/hora: 20/4/2011 – 21h50
Árbitro: Marcos André Gomes da Pena
Auxiliares: Fabiano da Silva Ramires e José R. Maciel Linhares

Renda/público: R$ 815.610,00 / 28.526 pagantes
Cartões amarelos: Rafael Tolói, Felipe Amorim (GOI); Marlos, Juan (SPO)
Cartões vermelhos: Felipe Amorim, 22’/1ºT (GOI)
GOLS: Dagoberto, 2’/2ºT (0-1)

GOIÁS: Harlei; Ernando, Rafael Tolói (Valmir Lucas 41’/2ºT) e Marcão; Oziel (Robert 36’/2ºT), Amaral, Zé Antônio, Marcelo Costa e Carlos Alberto; Felipe Amorim e Hugo (Guto 21’/2ºT). Técnico: Artur Neto

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Rhodolfo, Alex Silva e Miranda; Jean, Casemiro (Henrique, intervalo), Carlinhos, Ilsinho e Juan; Marlos (Rvivaldo 21’/2ºT) e Dagoberto. Técnico: Paulo César Carpegiani

abril 20, 2011 Posted by | Goiás, São Paulo | | Deixe um comentário

Corinthians frustra torcida e empata com o Goiás

Com empate em 1 a 1 no Serra Dourada, Timão termina o Brasileirão apenas na terceira colocação 

Faltou unha para o torcedor corintiano roer neste domingo. Após uma semana de aflição e esperança, o Corinthians terminou a última rodada da pior maneira possível. O empate em 1 a 1 com a equipe reserva do Goiás colocou a equipe paulista na terceira colocação no Brasileirão. Com as vitórias de Fluminense (campeão) e Cruzeiro (vice), Ronaldo, Roberto Carlos & Cia. vão participar da primeira fase da Copa Libertadores de 2011 – enfrentará uma equipe colombiana para tentar uma vaga na fase de grupo. Nem o mais pessimista esperava tamanha frustração…

O jogo

A ansiedade marcou o início do primeiro tempo do Corinthians. A tentação de entrar em campo e resolver logo a partida tomou conta da equipe. Quando a bola rolou no Serra Dourada, o Fluminense, que enfrentava o Guarani no Engenhão, ainda posava para a foto do título…

Logo aos 6 minutos, Roberto Carlos levou perigo ao goleiro Fábio, com uma pancada da entrada da área. Mas o Goiás também não deixou por menos. Em seguida, Felipe Amorim, com chute rasteiro, também assustou Julio Cesar.

Aos 19 minutos, balde de água fria nos corintianos. Após falha de Julio Cesar, que afastou errado a bola, Felipe Amorim aproveitou e chutou de fora da área. Julio correu para tentar salvar o gol, mas não conseguiu. Goiás na frente no Serra Dourada. Se não bastasse a pressão fora das quatro linhas, o gol esmeraldino complicou ainda mais o Timão e o nervosismo tomou conta dos jogadores, que passaram a errar muitos passes.

Após alguns tentativas frustradas, o torcedor corintiano voltou a sorrir aos 29 minutos. A envolvente tabela entre Bruno César e Elias caiu do céu para Dentinho, que recebeu a bola na entrada da pequena área e tocou para o fundo da rede. Empate!

E o Corinthians teve a oportunidade de virar o placar ainda na etapa inicial. Bruno César lançou Elias em velocidade. A torcida levantou na expectativa da comemoração. O gol parecia certo, mas o camisa 7 errou o chute e a bola saiu lentamente pela linha de fundo.

No intervalo do jogo, Tite pediu tranquilidade ao time. O conselho pareceu ter dado certo, apesar da boa partida realizada pela equipe reserva do Goiás. Aos 6 minutos, Jucilei, de cabeça, por pouco não fez o gol da virada.

Aos 8 minutos, o Corinthians apostou no “tudo ou nada”. Ralf deixou o campo para entrada de Jorge Henrique. O camisa 23 entrou com fôlego extra. Mas quem voltou a levar perigo oi a equipe goiana. Camalho, de fora da área, arriscou chute e assustou Julio Cesar.

Dos 20 minutos até os 30, o Corinthians sufucou ao máximo o Goiás. Jorge Henrique, Dentinho e até mesmo Ronaldo, discreto no jogo, arriscaram. Mas sem sucesso. Com a pressão corintiana, o Goiás aproveitou o espaço e tentou bons contra-ataques. A defesa corintiana trabalhou bastante para evitar o pior.

Aos 31 minutos, toque de Ronaldo para Alessandro. O lateral invadiu a área, mas foi travado pelo zagueiro. No minuto seguinte foi a vez de Dentinho tentar. De bicileta, o camisa 31 por pouco não fez um golaço.

Mas o Goiás não estava morto em campo. Rithelly, aos 34 minutos, quase calou os quase 30 mil torcedores do Corinthians no Serra Dourada. Aos 39, enfim, Ronaldo apareceu. Após bela jogada individual, o Fenômeno chutou forte e acertou a trave. Mas se limitou a essa jogada.

A ansiedade do começo da partida transformou-se em aflição nos minutos finais. Apesar da pressão, o Corinthians pecou nas finalizações e nas jogadas individuais. Aos 43 minutos, após belo toque de Jucilei, Dentinho desperdiçou a chance de virar o placar e garantir a vitória. Aos 47 minutos, o último suspiro corintiano. De falta, Roberto Carlos por pouco não fez o gol. Seguro, Fábio salvou o Esmeraldino.

No centenário do Corinthians, a classificação para a Copa Libertadores de 2011 tornou-se o único presente a ser comemorado. No rebaixado Goiás, a expectativa volta a ficar em cima da Copa Sul-Americana. Nesta quarta-feira, a equipe enfrenta o Independiente (ARG). Na partida de ida, vitória dos goianos por 2 a 0.

FICHA TÉCNICA
GOIÁS 1 X 1 CORINTHIANS

Local: Serra Dourada, em Goiânia (GO)
Data-Hora: 5/12/2010 – 17h (horário de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS)
Auxiliares: Marcelo Barison (RS) e Julio Santos (RS)
Renda e público: R$ 755.200.00 / 28.917 pagantes
Cartões amarelos: Matheus e Rithelly (GOI)
Cartões vermelho: –
Gols: Felipe Amorim 19’/1ºT (1-0), Dentinho 29’/1ºT (1-1),

GOIÁS: Fábio, Wendel Santos, Matheus, Valmir Lucas e Jadílson; Jonílson, Lenon, Camacho (Assuério 37’/2ºT) e Felipe Amorim; Éverton Santos e Wendell Lira (Rithelly 32’/2ºT). Técnico: Arthur Neto.

CORINTHIANS: Julio Cesar, Alessandro, Chicão (Leandro Castán 37’/1ºT), William e Roberto Carlos; Ralf (Jorge Henrique 8’/2ºT), Jucilei, Elias e Bruno César (Danilo 24’/2ºT); Dentinho e Ronaldo. – Técnico: Tite.

Faltou unha para o torcedor corintiano roer neste domingo. Após uma semana de aflição e esperança, o Corinthians terminou a última rodada da pior maneira possível. O empate em 1 a 1 com a equipe reserva do Goiás deixou o Corinthians na terceira colocação.

A ansiedade marcou o início do primeiro tempo do Corinthians. A tentação de entrar em campo e

resolver logo a partida tomou conta da equipe. Quando a bola rolou no Serra Dourada, o Fluminense

ainda estava posando para a foto do título…

Logo aos 6 minutos, Roberto Carlos levou perigo ao goleiro Fábio, com forte chute forte na entrada

da área. Mas o Goiás também não deixou por menos. Em seguida, Felipe Amorim também assustou Julio

Cesar com chute rasteiro.

Aos 19 minutos, balde de água fria nos corintianos. Após falha de Julio Cesar, que afastou errado a

bola, Felipe Amorim aproveitou e chutou forte de fora da área. Julio correu para tentar salvou o

gol, mas não conseguiu. Goiás na frente no Serra Dourada.

O gol esmeraldino pressinou ainda mais o Timão e o nervosismo tomou conta da equipe, que passou a

errar muitos passes.

Após alguns tentativas frustradas, o torcedor corintiano voltou a sorrir aos 29 minutos. A

envolvente tabela entre Bruno César e Elias caiu do céu para Dentinho, que recebeu a bola na entrada

da pequena área e tocou para o fundo da rede. Empate!

E o Corinthians teve a oportunidade de virar o placar ainda na etapa inicial. Bruno César lançou

Elias em velocidade. A torcida levantou na expectativa da comemoração. O gol parecia certo, mas o

camisa 7 errou o chute e a bola saiu lentamente pela linha de fundo.

No intervalo do jogo, Tite pediu tranquilidade ao time. O conselho parece ter dado certo, apesar da

boa partida realizada pela equipe reserva do Goiás. Aos 6 minutos, Jucilei, de cabeça, por pouco não

fez o gol da virada.

Aos 8 minutos, o Corinthians apostou no “tudo ou nada”. Ralf deixou o campo para entrada de Jorge

Henrique. O camisa 23 entrou com fôlego extra. Mas quem voltou a pressionar foi a equipe goiana.

Camalho, de fora da área, arriscou chute e assustou Julio Cesar.

Dos 20 minutos até os 30, o Corinthians sufucou ao máximo o Goiás. Jorge Henrique, Dentinho e até

mesmo Ronaldo, discreto no jogo, arriscaram. Mas sem sucesso. Com a pressão corintiana, o Goiás

aproveitou o espaço e tentou bons contra-ataques. A defesa corintiana trabalhou bastante para evitar

o pior.

Aos 31 minutos, toque de Ronaldo para Alessandro. O lateral invadiu a área, mas foi travado pelo

zagueiro. Aos 31 minutos, foi a vez de Dentinho tentar. De bicileta, o camisa 31 por pouco não fez

um golaço.

Mas o Goiás não estava morto em campo. Rithelly, aos 34 minutos, por pouco não frustrou ainda mais

os corintianos. Aos 39, enfim, Ronaldo apareceu. Após bela jogada individual, o Fenômeno chutou

forte e acertou a trave.

A ansiedade do começo da partida transformou-se em aflição nos minutos finais. Apesar da pressão, o Corinthians pecou nas finalizações e nas jogadas individuais. Aos 43 minutos, após belo toque de Jucilei, Dentinho desperdiçou a chance de virar o placar e garantir a vitória.

Aos 47 minutos, o último suspiro corintiano. De falta, Roberto Carlos por pouco não fez o gol. E o nervosismo do Corinthians só aumentava.

No centenário do Corinthians, a classificação para a Copa Libertadores de 2011 é o único presente a ser comemorado. No Goiás, a expectativa volta a ficar 100% em cima da Copa Sul-Americana.

FICHA TÉCNICA
GOIÁS 1 X 1 CORINTHIANS

Local: Serra Dourada, em Goiânia (GO)
Data-Hora: 5/12/2010 – 17h (horário de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS)
Auxiliares: Marcelo Barison (RS) e Julio Santos (RS)
Renda e público: R$ 755.200.00 / 28.917 pagantes
Cartões amarelos: Matheus (GOI)
Cartões vermelho:
Gols: Felipe Amorim 19’/1ºT (1-0), Dentinho 29’/1ºT (1-1),

GOIÁS: Fábio, Wendel Santos, Matheus, Valmir Lucas e Jadílson; Jonílson, Lenon, Camacho (Assuério

37’/2ºT) e Felipe Amorim; Éverton Santos e Wendell Lira (Rithelly 32’/2ºT). Técnico: Arthur Neto.

CORINTHIANS: Julio Cesar, Alessandro, Chicão (Leandro Castán 37’/1ºT), William e Roberto Carlos;

Ralf (Jorge Henrique 8’/2ºT), Jucilei, Elias e Bruno César (Danilo 24’/2ºT); Dentinho e Ronaldo. –

Técnico: Tite.

dezembro 5, 2010 Posted by | Corinthians, Goiás | | Deixe um comentário

Goiás vence Independiente e se aproxima de título inédito

Após o rebaixamento, Esmeraldino pode salvar o ano com o título da Sul-Americana. Jogo na Argentina acontece no dia 8

“Nada melhor que uma Sul-Americana para curar a ressaca de um Brasileiro”. A faixa com essa frase pôde ser vista nesta quarta-feira, no Serra Dourada, onde o Goiás venceu o Independiente por 2 a 0 pelo primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana. Foi a noite perfeita para a torcida esmeraldina esquecer o rebaixamento no Brasileirão e sonhar com o primeiro título internacional.

VEJA MAIS:
– FOTOS: Confira a galeria com as melhores imagens do jogo
– Goiás já sabe como superar pressão na Argentina
– Rafael Moura: “Precisamos entrar como se estivesse 0 a 0”

Vale lembrar que na final a regra do gol fora de casa para de valer, ou seja, o que vai contar é o saldo de gols ao fim das duas partidas. Assim, o time goiano abre boa vantagem para o duelo na Argentina que está marcado para o próximo dia 8.

Sabendo que a Sul-Americana pode salvar o ano, o Goiás pressionou e não deu espaços para o Independiente. Com muita velocidade, o time da casa, de tanto insistir, abriu o placar logo aos 14 minutos. Carlos Alberto, na disputa com o rival, iria isolar a bola na arquibancada, mas a bola espirrou, sobrando para Rafael Moura, dentro da área, abrir o placar.

A resposta argentina veio dois minutos depois. Cabrera arriscou chute perigoso pela direita, obrigando o goleiro Harlei a fazer linda defesa, espalmando para dentro da área. Na sobra, a defesa goiana afastou para escanteio. Essa foi a primeira e única chance de gol do time argentino.

Aproveitando mais uma bola espirrada, Otacílio Neto ampliou para o Goiás. Depois de arrancar com muita velocidade, Marcelo Costa tocou para Douglas pelo lado direito. O jovem tentou tocar para dentro, mas Mareque tocou na bola e, na sobra, sozinho e sem goleiro, Otacílio Neto fez o seu.

Apesar da vantagem, o Esmeraldino mostrou-se muito ansioso, dando chutões para a frente, se livrando da bola muito rapidamente. E a postura não mudou na volta do intervalo. A sorte, porém, estava do lado dos mandantes. Para tranquilizar os torcedores do Goiás, Silvera aplicou uma cotovelada em Toloi, que deixou o campo com o lábio sangrando, e recebeu o cartão vermelho.

A tranquilidade goiana só não foi maior, pois, mesmo com um homem a mais, o time do técnico Artur Neto não conseguiu retomar o controle total do duelo. Tanto que o Independiente, principalmente com bolas na área, tentou chegar várias vezes, apesar de nenhuma delas ter levado muito perigo a Harlei.

O resultado deixa o Goiás perto da taça. E preocupa Grêmio e Botafogo, equipes que se enfrentam domingo, na última rodada do Brasileirão, lutando pela quarta colocação e a última vaga na Libertadores-2011. Agora, é o Goiás contra o Independiente, os gremistas e os botafoguenses.

FICHA TÉCNICA:
GOIÁS 2 X 0 INDEPENDIENTE (ARG)

Local: Serra Dourada, em Goiânia (GO)
Data/Hora: 1/12/2010 às 22h (horário de Brasília)
Árbitro: Carlos Torres (PAR)
Auxiliares: Nicolás Yegros (PAR) Rodney Aquino (PAR)
Cartões amarelos: Velázquez, Galeano (IND); Otacílio Neto, Carlos Alberto (GOI)
Cartões vermelhos: Silvera 12’/2T
Renda/Público: R$ 912.940,00 – 35.500 pagantes

GOLS: Rafael Moura 14’/1T (1-0); Otacílio Neto 21’/1T (2-0)

GOIÁS: Harlei, Rafael Toloi, Ernando e Marcão; Douglas, Amaral, Carlos Alberto, Marcelo Costa (Felipe, 42’/2T)e Wellington Saci; Rafael Moura e Otacílio Neto (Éverton Santos, 24’/2T). Técnico: Artur Neto.

INDEPENDIENTE (ARG): Navarro, Velázquez, Tuzzio, Galeano; Cabrera (Matheu, 34’/2T), Battión, Fredes (Maxi Velázquez, 42’/2T), Mareque e Godoy (Pato Rodriguez, intervalo); Parra e Andrés Silvera. Técnico: Antonio Mohamed.

dezembro 1, 2010 Posted by | Goiás | | Deixe um comentário

Goiás e Independiente (ARG) iniciam a decisão da Sul-Americana

Equipe brasileira quer salvar a temporada. Já a argentina voltar a ser campeã após jejum de oito anos

Chegou a hora de escrever a história. Esse é um dos pedidos dos torcedores do Goiás para a final da Copa Sul-Americana, que começa a ser decidida nesta quarta-feira, as 22h, no estádio Serra Dourada, contra o Independente (ARG). A expectativa é grande entrejogadores, comissão técnica e diretoria, mas nada de entrar na empolgação promovida pelos torcedores.

O técnico Artur Neto já deu o tom da partida: vai ser um duelo bastante complicado, onde a equipe alviverde vai precisar bastante de equilíbrio e organização. O treinador acredita que, principalmente por ser uma decisão, o lado psicológico vai influenciar bastante, mas garante que a equipe não vai fugir das características que tem mostrado na competição continental: muita luta e garra até o fim dos 180 minutos.

RÁDIO L! Goiás na expectativa para fazer história na Sul-Americana

– Tenho certeza que será um decisão duríssima e muito disputada entre as duas equipes. Todos sabem da dificuldade, mas chegamos até aqui com muita luta e vai continuar sendo assim até o fim. Nosso objetivo é muito grande, o clube nunca chegou nesse patamar e pode ser nosso primeiro título. Temos que ter um equilíbrio muito grande, acho que tudo é possível – afirmou o treinador.

Artur Neto já definiu o time que entra em campo nesta quarta-feira. Com a confirmação de Otacílio Neto no ataque, o time será o mesmo que derrotou o Palmeiras na última quarta-feira, no Pacaembu, e assim, Felipe mais uma vez fica como opção. O volante Amaral, que pode deixar o Goiás no fim do ano (o Santos tem interesse), quer presença total da torcida nesta quarta-feira. Com pouco mais de 40 mil ingressos colocados a venda, a expectativa é de 35 mil esmeraldinos empurrem o time contra os “Rojos”.

– Esperamos que a torcida nos apoie. É um titulo inédito para o clube, para nós jogadores, e o apoio da torcida é muito importante para nos empurrar. Temos que ser melhores dentro de casa e conseguir uma boavantagem para decidir fora. Essa conquista pode amenizar bastante o ano ruim que tivemos – explicou o volante.

Torcida do Goiás apoia o time em último treino na Serrinha

Independiente quer voltar a ser campeão

Heptacampeão da Libertadores da América, bicampeão Mundial e dono de 14 títulos argentinos. Esse é o rival do Goiás na final da Sul-Americana. Apesar do passado vitorioso, a equipe argentina busca voltar a ser o centro das atenções na América do Sul. O último título conquistado foi o campeonato argentino de 2002. Já com relação a títulos internacionais, o jejum é maior: a última conquista foi a Supercopa de 1995, quando derrotou o Flamengo.

A única dúvida do técnico Antonio Mohamed para a partida em Goiânia é no meio de campo. Mohamed ainda não decidiu se irá reforçar a marcação do setor optando pela entrada do volante Godoy ou se arma a sua equipe com três atacantes, o que abriria espaço para as entradas de Gómez ou Rodríguez.

Até chegar à final da Sul-Americana, o Independiente eliminou: Argentinos Juniors (ARG), Defensor Sporting (URU), Deportes Tolima (COL) e LDU Quito (EQU).

FICHA TÉCNICA:
GOIÁS X INDEPENDIENTE (ARG)

Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia (GO)
Data/Hora: 1/12/2010 às 22h (horário de Brasília)
Árbitro: Carlos Torres (PAR)
Auxiliares: Nicolás Yegros (PAR) Rodney Aquino (PAR)

GOIÁS: Harlei, Rafael Toloi, Ernando e Marcão; Douglas, Amaral, Carlos Alberto, Marcelo Costa e Wellington Saci; Rafael Moura e Otacílio Neto. Técnico: Artur Neto.

INDEPENDIENTE (ARG): Navarro; Velázquez, Tuzzio, Galeano; Cabrera, Battión, Fredes, Mareque e Godoy; Parra e Andrés Silvera. Técnico: Antonio Mohamed.

dezembro 1, 2010 Posted by | Goiás | | Deixe um comentário

Atlético-MG vence o Goiás e se garante na

Apoiado por sua torcida, Galo alcançou os 45 pontos na tabela e afastou de vez as chances de rebaixamento

O torcedor do Atlético-MG, pode enfim respirar aliviado. Neste domingo, o Galo vence o já rebaixado Goiás por 3 a 1, na Arena do Jacaré com a presença maciça de sua torcida, e se garantiu a sua permanência na Série A do Brasileirão.

Com o triunfo, a equipe mineira foi aos 45 pontos. Já o Goiás segue com 32 e na vice-lanterna da competição.

O jogo:

A festa da torcida do Atlético-MG era grande nas arquibancadas da Arena do Jacaré. Assim como o calor em Sete Lagoas. Mas o Goiás, já rebaixado à Série B, não se intimidou com a pressão e teve boas oportunidades de gol nos primeiros minutos da partida. Já o Atlético buscava cadenciar o jogo e valorizava a posse de bola. O Galo era pura tranquilidade em campo.

O Goiás queria deixar uma boa imagem nessa reta final de competição. Logo aos dois minutos, Camacho arriscou de fora da área. Renan Oliveira fez a defesa. Aos nove, foi a vez de Jonílson chegar à frente. Mais dois minutos e Leyrielton arriscou finalização pela direita – setor em que o Goiás mais atacava – e por pouco não acertou o gol de Renan.

Com a tranquilidade com a qual iniciou a partida, o Galo apagou o ‘fogo’ do Goiás e abriu o placar na Arena do Jacaré. Renan Oliveira passou para Diego Souza, que venceu a marcação goiana e finalizou de esquerda. A bola bateu na trave esquerda, correu a linha da pequena área e entrou. Atlético-MG 1 x 0 Goiás.

O valente Goiás chega ao empate

Após o gol, o Atlético equilibrou as ações e passou a buscar a melhor oportunidade para chegar à pequena área de Harlei. Mas o Goiás não desistiu em deixar aquela ‘boa impressão’ na reta final. A equipe goiana tinha qualidade e provou isso ao chegar ao empate. Wendell Lira fez boa jogada pela direita, colocando a bola por debaixo das pernas do selecionável Réver, e Éverton Santos só teve o trabalho de empurrar para o gol. Atlético-MG 1 x 1 Goiás.

Uma dupla que decide para o Galo

Após muita conversa conversa entre os atleticanos, o Galo voltou a pressionar o Goiás. E para chegar a mais um gol, novamente a dupla Diego Souza-Renan Oliveira entrou em ação. Após cobrança de lateral pela direita do ataque mineiro, Diego Souza achou Renan Oliveira livre na pequena área. O camisa 16 do Galo não desperdiçou. Finalização de primeira no ângulo esquerdo de Harlei, que nada pode fazer. Atlético-MG na frente.

Werley celebra fim do drama do Atlético-MG

A partir de terça-feira, foco do Galo é a Sul-Americana

Discurso do Atlético-MG é em tom de consciência

Segundo tempo:

O Atlético-MG voltou para a segunda etapa com duas mudanças. Saíram Renan Ribeiro e Obina. O goleiro, em decorrência de dores na região do abdômen. Já o atacante, por opção do técnico Dorival Júnior. Com a entrada de Berola, o Atlético passou a ter ainda mais velocidade em seus ataques e com isso.

Gol da permanência

Foi com essa velocidade que o Atlético amplicou. Aos 18 minutos, Diego Tardelli, recebeu bola – em posição duvidosa – cara a cara com Harlei e não desperdiçou. Atlético-MG 3 a 1 Goiás.

A partir do terceiro gol, o Atlético passou a cadenciar o jogo na Arena do Jacaré e ficou na expecativa por uma oportunidade gerada por um contra-ataque para ampliar o marcador em Sete Lagoas. O veloz Neto Berola deu muito trabalho à marcação do Goiás, que buscou uma reação mas não teve a felicidade de marcar novamente.

Já na parte final da partida, o Galo só esperou o apito final do árbitro Guilherme Cereta de Lima e enfim pode comemorar a sua permanência na Série A de 2010. Ano que vem, o futebol de Minas Gerais terá três representantes na elite: América-MG, Atlético-MG e Cruzeiro.

Próximos compromissos:

No próximo domingo, o Goiás recebe o Corinthians, que luta pelo título, no Serra Dourada, às 17h. No mesmo dia e horário, o Atlético-MG visita o São Paulo.

FICHA TÉCNICA:
ATLÉTICO-MG 3 X 1 GOIÁS

Local: Estádio Arena do Jacaré, Sete Lagoas (MG)
Data/Hora: 27/11/2010 às 17h (horário de Brasília)
Árbitro: Guilherme Cereta de Lima (SP)
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Márcio Luiz Augusto (SP)
Renda/Público: R$ 103.127,50/17.234 pagantes.

Cartões amarelos: Réver (ATL); Leyrielton (GOI)
Cartões vermelhos: Não houve.

Gols: Diego Souza, aos 15’1T(1-0); Éverton Santos, aos 38’1T(1-1); Renan Oliveira, aos 46’1T(2-1); Diego Tardelli, aos 18’2T(3-1);

ATLÉTICO-MG: Renan Ribeiro(Aranha, intervalo); Rafael Cruz, Réver(Lima, aos 29’2T), Werley e Leandro; Zé Luis, Serginho, Renan Oliveira e Diego Souza; Diego Tardelli e Obina(Neto Berola, intervalo). Técnico: Dorival Júnior.

GOIÁS: Harlei; Leyriélton, Danilo Costa(Felipe Amorim, aos 25’2T), Valmir Lucas e Jadílson; Lenon, Jonílson, Wendel Santos e Camacho(Pedro, aos 25’2T); Éverton Santos e Wendell Lira. Técnico: Artur Neto.

novembro 28, 2010 Posted by | Atlético-MG, Goiás | | Deixe um comentário

Goiás cala Pacaembu lotado, assina tragédia do Palmeiras e está na final

Anfitrião começa vencendo, mas sofre dois gols e acaba sem a vaga. Visitante vira e garante decisão em ano de rebaixamento no Brasileiro

Em uma demonstração de reação épica, o Goiás venceu o Palmeiras por 2 a 1 na noite desta quarta-feira, no Pacaembu, e garantiu a vaga na final da Copa Sul-Americana. O time esmeraldino calou o estádio, tomado por cerca de 35 mil torcedores palmeirenses que fizeram uma bela festa durante adecisão da semifinal. Ernando foi o herói goiano, garantindo ao clube um alento após o rebaixamento para a Série B do Brasileiro. Ao time paulista, restou o apoio da torcida até o fim, e que venha 2011.
O Goiás, que havia perdido a primeira partida, no Serra Dourada, por 1 a 0, recuperou a vantagem e agora pega o vencedor da disputa entre LDU e Indepediente. Os times fazem o segundo jogo nesta quinta-feira, na Argentina. Na primeira partida, o time equatoriano venceu por 3 a 2.
Festa palmeirense, supresa goiana
A torcida do Palmeiras fez uma grande festa antes do jogo. Com o Pacaembu lotado, agitou balões vermelhos, verdes e brancos e fez um mosaico com a frase: “Torcida que canta e vibra”, uma referência a um trecho do hino do clube.
Quando a bola rolou, o Palmeiras parecia contagiado pela torcida. Criava mais e assustou Harlei, logo aos seis minutos, em um chute de longe de Danilo que saiu pela linha de fundo. O zagueiro incentivou os torcedores após a jogada. O Goiás precisava vencer, mas o técnico Artur Neto manteve a cautela com três zagueiros e apostou em Otacílio Neto no lugar de Felipe, que está em má fase. Mas o substituto foi constantemente acompanhado por um marcador, dificultando a ligação do meio com o ataque goiano.
Do outro lado, Kleber e Lincoln também tinham sempre um defensor na cola. O Goiás sabia que se sofresse um gol ficaria com muitas dificuldades para conseguir o placar para chegar à final. A estratégia do Esmeraldino era marcar forte e tentar um gol no contra-ataque para levar a decisão pelo menos para os pênaltis.
A opção do Goiás era bastante arriscada. O Palmeiras tinha mais oportunidades e chegou a carimbar a trave aos 12 minutos, com Tinga. A torcida explodiu e começou a acreditar que o gol era questão de tempo. A bobeada do lateral Douglas quase concretizou do desejo dos torcedores quando Luan roubou a bola do adversário e chegou na frente de Harlei para chutar fraco, aos 21. Segundos depois, o troco do Goiás veio em um chute forte de Rafael Moura, que raspou a trave de Deola. Jogo quente no Pacaembu!
O visitante melhorava na partida, aproveitando cada espacinho deixado pelo dono da casa e beneficiado pela eficiente marcação sobre os principais articuladores do Palmeiras. Otacílio Neto fez Deola trabalhar aos 27, com um chute pela esquerda.

Luan celebra gol do Palmeiras
(Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)
Mas mesmo com o crescimento do Goiás, o gol tão esperado pela torcida do Palmeiras saiu aos 33: Edinho fez um belo lançamento para Luan, que tirou de Harlei e tocou para o fundo do gol: 1 a 0, com direito até a dancinha com os companheiros. A situação do Goiás se complicava. O time de Goiânia precisava fazer dois gols para chegar à final.
Quando o jogo já caminhava para o fim do primeiro tempo, com festa da torcida palmeirense, o Goiás deu o primeiro passo para mudar sua condição: aos 47, Marcelo Costa cobrou uma falta no travessão: a zaga afastou, mas Carlos Alberto aproveitou a sobra e, de cabeça, mirou o gol de Deola. A bola ainda bateu em Tinga antes de entrar: 1 a 1. Silêncio no Pacaembu e vibração dos poucos torcedores do Esmeraldino presentes.
Tensão no Pacaembu, e vaga nas mãos do anfitrião
Tentando se recuperar do baque, a torcida do Palmeiras voltou a incentivar o time no segundo tempo, colorindo o Pacaembu com mais balões. No Goiás, Artur Neto tirou Douglas, que não fazia boa partida, e colocou o atacante Felipe improvisado pela ala direita. O treinador tentava tirar proveito do gol feito, que abalou um pouco a equipe do anfitrião em campo. O time goiano crescia nos contra-ataques.
Depois de demorar um pouco a engrenar, o Palmeiras voltou a ameaçar o Goiás com força e mostrar afobação para fazer mais um gol, mesmo estando classificado com um empate. O adversário seguia apostando no nervosismo do anfitrião, mas, apesar de circular pelo campo do Palmeiras, pouco chegava em Deola.
A tensão era grande entre os torcedores do Palmeiras. Eles não acreditaram quando Kleber errou uma tabela com Lincoln, ou quando o árbitro deu vantagem em uma falta frontal sofrida por Marcos Assunção. As unhas eram roídas cada vez que Deola precisava encaixar uma bola. E os xingamentos foram inevitáveis quando Kleber, sozinho na grande área, chutou torto, à esquerda de Harlei, aos 24 minutos.
Felipão tirou Lincoln e apostou em Dinei para tentar o segundo gol e tranquilizar a massa. Mas o que o treinador palmeirense não previa era a tragédia que se anunciava para o seu time. Aos 36 minutos, o Pacaembu se calou pela segunda vez. Marcão cruzou, Rafael Moura ajeitou, e Ernando cabeceou para o gol, fazendo o gol da classificação goiana: 2 a 1 para o visitante.
Depois de um breve silêncio, a torcida do time paulista apoiou até o fim, mas o nervosismo era evidente entre os donos da casa. Artur Neto tirou um atacante e segurou a pressão do anfitrião. O Palmeiras, afobado, tentava empatar. Mas amargou a decepção em casa. Festa para o time goiano, que se superou e agora é o representante brasileiro na final.
PALMEIRAS 1 X 2 GOIÁS
Deola; Márcio Araújo, Danilo, Maurício Ramos e Gabriel Silva; Edinho, Marcos Assunção, Tinga (Ewerthon) e Lincoln (Dinei); Luan e Kleber Harlei, Rafael Toloi, Ernando e Marcão; Douglas (Felipe), Carlos Alberto, Amaral, Marcelo Costa e Wellington Saci; Otacílio Neto (Jonílson) e Rafael Moura
Técnico: Luiz Felipe Scolari Técnico: Artur Neto
Gols: Luan, aos 33 minutos, e Carlos Alberto, aos 47 minutos do primeiro tempo; Ernando, aois 36 minutos do segundo tempo.
Cartões Amarelos: Douglas, Marcão, Carlos Alberto (Goiás)
Público: 34.926 pagantes. Renda: R$ 711.429,00
Estádio: Pacaembu, em São Paulo. Data: 24/11/2010. Árbitro: Heber Roberto Lopes (BRA). Auxiliares: Altemir Hausmann e Alessandro Rocha (BRA)

novembro 24, 2010 Posted by | Goiás, Palmeiras | , | Deixe um comentário

Palmeiras e Goiás se enfrentam por final inédita

Clubes ainda não chegaram à decisão da Copa Sul-Americana. Verdão larga com vantagem!

Palmeiras e Goiás se enfrentam na noite desta quarta-feira, às 21h50, no Pacaembu, pelo segundo jogo da semifinal da Copa Sul-Americana, com dois objetivos. Além de procurar salvar o ano, os dois clubes tentam alcançar um feito inédito: chegar à decisão da competição internacional – que começou a ser disputada em 2002 -, pela primeira vez na História dos clubes.

E o Verdão tem a vantagem nesta corrida. Com um golaço de fora da área do volante Marcos Assunção, o Alviverde venceu o Esmeraldino por 1 a 0, em pleno Serra Dourada, e saiu com a vantagem na briga pela vaga na final. Entretanto, isso não é o suficiente para tranquilizar o técnico Luiz Felipe Scolari.

– Eu tenho falado diariamente para os meus jogadores sobre os perigos dessa partida. 1×0 é um resultado perigoso. É claro que é uma vantagem, mas é pequena. Não podemos perder a concentração – disse Felipão.

E o treinador palmeirense contará, praticamente, com força máxima para este duelo. Apesar de ainda não ter Valdivia, que se recupera de uma lesão na coxa esquerda, Felipão terá todos os outros jogadores da equipe considerada titular à disposição neste jogo de quarta-feira.

Outro forte aliado que o Verdão terá contra o Goiás é a sua torcida. Os palmeirenses compraram todos os 38 mil ingressos colocados à venda pela diretoria alviverde e prometem lotar o Pacaembu. Sabendo da importância do apoio, os jogadores pedem a presença do torcedor.

– O nosso torcedor já provou ser importantíssimo não apenas nesta campanha da Sul-Americana como historicamente. Precisamos da torcida do início ao fim, para conquistarmos um resultado positivo e continuarmos firmes em busca do grande objetivo do ano, que é o título da competição – disse Maurício Ramos

Rebaixado, desestabilizado e entristecido. Esse é o Goiás que encara o Palmeiras nesta quarta-feira no Pacaembu, pelo segundo jogo das semifinais da Copa Sul-Americana. Mas essa não é a melhor definição para o técnico Artur Neto, que busca ainda alcançar o último fio de motivação para repassar aos jogadores a importância de conseguir uma vaga na final do torneio.

– Tive uma conversa com eles e evitei falar sobre o que aconteceu no domingo, porque a gente não pode mudar nada daquilo. Mas o que vem adiante, aí sim a gente pode alterar, nenhum clube tem a possibilidade de ser rebaixado em um dia e logo em seguida, chegar a uma final de competição sul-americana. Não podemos desperdiçar, temos que superar cansaço, tristeza e tudo que se passou para buscar a vitória – explicou o treinador.

Artur Neto não comandou nenhum treino tático com a equipe, até para poupar alguns jogadores que reclamam de dores musculares, como Marcelo Costa, Marcão e Carlos Alberto. Mesmo assim, após o recreativo desta terça-feira, que contou com várias cobranças de pênalti, o treinador confirmou que o time titular será o mesmo que entrou em campo contra o Palmeiras, na primeira partida, e a única dúvida está entre Felipe e Otacílio Neto como companheiro de ataque de Rafael Moura.

O zagueiro Marcão, que foi poupado contra o Santos no domingo, volta ao time nessa partida e dá o tom para os companheiros: é o jogo da vida no ano de 2010. Marcão confessou que ainda não digeriu o rebaixamento e lembrou que isso é inédito em sua carreira. O que não é inédito é o título da Sul-Americana (conquistou pelo Internacional em 2008), e Marcão quer ir em busca do bicampeonato.

– É o jogo da nossa vida aqui no Goiás, contra tudo e contra todos a gente precisa vencer esse duelo. Temos que jogar mais do que contra o Avaí na Ressacada. Eu não queria ter essa mancha do rebaixamento na minha carreira, mas se a gente ficar lamentando e chorando o leite derramado, eles vão nos atropelar na quarta-feira – afirmou o zagueiro.

FICHA TÉCNICA:
PALMEIRAS X GOIÁS

Estádio: Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data/hora: 23/11/2010 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes
Auxiliares: Altemir Hausmann e Alessandro Rocha

PALMEIRAS: Deola, Márcio Araújo, Maurício Ramos, Danilo e Gabriel Silva; Edinho, Marcos Assunção, Tinga e Lincoln; Luan e Kleber. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

GOIÁS: Harlei, Ernando, Rafael Tolói e Marcão; Douglas, Amaral, Carlos Alberto, Marcelo Costa e Wellington Saci; Rafael Moura e Otacílio Neto (Felipe). Técnico: Artur Neto.

novembro 24, 2010 Posted by | Goiás, Palmeiras | | Deixe um comentário

Neymar brilha, e Santos decreta o rebaixamento do Goiás à Série B


Esmeraldino foi goleado em casa e vai disputar a segundona em 2011.Craque santista acabou com jogo, com três gols. Peixe dá fim a jejum

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

 

O Goiás é o segundo clube rebaixado para a Série B do Brasileirão em 2010. Após o Grêmio Prudente, o Esmeraldino caiu neste domingo, após ser goleado pelo Santos, por 4 a 1, em mais uma noite brilhante de Neymar, autor de três gols. Com o triunfo, o Peixe quebra uma sequência de seis jogos sem vitórias. O time verde fica com 32 pontos, na penultima posição. Mesmo que vença seus dois últimos jogos, somará insuficientes 38 pontos, que não bastam sequer para a equipe alcançar o Vitória, 17º colocado. Já o Peixe, com 55 pontos, está em sétimo.
O jogo foi marcado ainda por um atraso de 37 minutos. Uma forte pancada de chuva em Goiânia derrubou aenergia elétrica do estádio.
Goias ameaça, mas para
O Goiás entrou em campo sem seus dois principais atacantes, Rafael Moura e Felipe, poupados para o jogo de quarta-feira, contra o Palmeiras, pelas semifinais da Copa Sul-Americana, Deu a impressão que o técnico Artur Neto já pressentia que o rebaixamento era só uma questão de tempo. Mas mesmo com um ataque reserva, o time esmeraldino tratou de tentar abrir o placar logo no início, cercando o Santos.
Aos sete minutos, Otacílio Neto arriscou um chute de fora e obrigou Rafael a espalmar. O tiro, rasteiro, entraria no cantinho esquerdo do goleiro santista. O Peixe, disperso e desatento, não conseguia sair jogando. Os três volantes, Adriano, Arouca e Rodriguinho não conseguiam iniciar as jogadas, isolando o meia Marquinhos e os atacantes Neymar e Zé Eduardo. Assim, não demorou para o Esmeraldino abrir o placar. Aos 11 minutos, Douglas cobrou escanteio da direita. Hernando ganhou de Edu Dracena e cabeceou firme, para o chão, sem chances para Rafael.

Só depois de levar o gol é que o Santos resolveu começar a jogar. Para isso, adiantou sua marcação, com seus volantes, sobretudo Rodriguinho e Arouca, iniciando a marcação além do meio de campo. O Peixe passou a ter a bola a seus pés. Neymar, como sempre, era o jogador mais insinuante da equipe praiana. Sempre em velocidade, costurando a marcação, só sendo parado com faltas. Aos 19, ele iniciou a jogada pela direita e passou para Danilo, que se livrou de Wellington Saci com um corte seco, e chutou cruzado, rasteiro, sem chances para Harley.

O gol abateu demais o Goiás, que aí passou a jogar como time rebaixado: apático, errando passes, chamando o Santos, que quase ampliou aos 22, numa jogada de zagueiros. Durval apareceu livre pela esquerda e cruzou rasteiro para Edu Dracena. O capitão chegou de carrinho e completou para o gol, mas a bola bateu na trave.
Segundo tempo de Neymar
O Goiás parecia já conformado com o rebaixamento. Não foi para cima de jeito nenhum. Não houve jogadas desesperadas ou discussões típicas de time desesperado. Apatia, apenas. O Santos, por sua vez, tem Neymar. Após um primeiro razoável, com algumas boas arrancadas, o craque desequilibrou no segundo tempo. Fez três gols e acabou com o adversário já combalido.
O primeiro, de pênalti que ele mesmo sofreu, aos 30 minutos. Invadiu a área, levou um rapa de Rafael Toloi e caiu. Na primeira cobrança, ele tentou ser malandro. Antes de o juiz apitar, foi andando para a bola como se quissesse dar uma última ajeitada. Em vez disso, chutou para o gol. A jogada foi anulada, o Menino da Vila levou amarelo e teve de repetir a cobrança. Aí, sim. Uma batida limpa, rasteira, no canto direito de Harley.
Entregue, o Goias apenas assistia Neymar desfilar. Aos 34, ele recebeu bola que veio da direita, ajeitou e apenas colocou no canto direito. Aos 37, uma pintura para fechar o placar e decretar a queda do Esmeraldino. Neymar recebeu pela direita, e, com um leve toque, encobriu Harley.

GOIÁS 1 X 4 SANTOS
Harlei, Rafael Toloi, Valmir Lucas e Ernando; Douglas, Amaral, Carlos
Alberto (Rithiely), Marcelo Costa (Bernardo) e Wellington Saci; Otacílio Neto e Wendell Lira (Everton Santos) Rafael, Danilo (Maranhão), Edu Dracena, Durval e Pará; Adriano, Rodriguinho, Arouca (Roberto Brum) e Marquinhos (Felipe Anderson); Neymar e Zé Eduardo.
Técnico: Artur Neto Técnico (interino): Marcelo Martelotte
Gols: Hernando, aos 11, e Danilo, aos 19 minutos do primeiro tempo; Neymar, aos 30, 34, 37 minutos do segundo tempo
Cartões amarelos: Wellington Saci, Valmir Lucas, Otacílio Neto (Goiás), Rodriguinho, Neymar (Santos)
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia (GO). Data: 21/11/2010. Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa/RJ). Auxiliares: Dibert Pedrosa Moisés (Fifa/RJ) e Rodrigo Pereira Joia (RJ)

novembro 21, 2010 Posted by | Goiás, Santos | , | Deixe um comentário

Goiás encara o Santos em clima de amistoso

Derrota pode confirmar matematicamente o rebaixamento do esmeraldino para a Série B 

Uma partida para cumprir tabela. É assim que o Goiás vai tratar o confronto diante do Santos, que também não tem mais aspirações no torneio, domingo, no estádio Serra Dourada.

O duelo decisivo contra o Palmeiras pela semifinal da Copa Sul-Americana, na próxima quarta-feira, deve até mesmo deixar alguns destaques da equipe esmeraldina de fora do duelo contra o Peixe, a exemplo do que faz o Palmeiras.

O técnico Artur Neto ainda mantém o mistério se vai ou não utilizar os titulares, mas é provável que um time misto entre em campo no domingo. Quem está fora deste e do restante dos jogos do Goiás na temporada é Jones, que sofreu uma contusão no joelho contra o Fluminense e teve detectada uma lesão parcial do ligamento.

Segundo o médico do clube, Marco Antônio Gilabert, a lesão foi mais acentuada do que a do atacante Felipe no 1° semestre e ele deve ficar em tratamento por um mês.

Outro que pode ser poupado é Marcão, que nos últimos jogos também reclamou de dores musculares, assim como o volante Carlos Alberto, que chegou a correr riscos de não jogar contra o Palmeiras na última quarta-feira.

Contra o Palmeiras, Douglas e Amaral também reclamaram de dores e podem crescer a lista dos poupados. Já Rafael Moura, destaque da equipe nos últimos jogos, será preservado.

O certo é que, seja com time reserva ou titular, uma derrota no domingo pode selar, matematicamente, a queda do Goiás para a Série B depois de 11 anos na elite do futebol brasileiro.

No retrospecto atual, o Goiás tem ligeira vantagem contra o Santos. Esse será o 20° jogo entre as equipes em cinco anos: nos outros 19, são sete vitórias esmeraldinas, seis empates e seis vitórias paulistas, inclusive a última, no 1° turno, por 2 a 0, no Pacaembu.

O Santos chega ao estado de Goiás com um time cauteloso. Diante do desespero do rival, que pode ser rebaixado matematicamente se tropeçar novamente, o técnico Marcelo Martelotte voltará a montar a equipe com três volantes. A novidade é o retorno de Arouca, que está
ecuperado de lesão sofrida no empate por 1 a 1 com o Inter, em 30 de outubro, no Beira Rio.

Neymar é outro que volta ao Peixe. A Joia cumpriu suspensão automática no empate sem gols contra o Grêmio e jogará ao lado de Zé Eduardo. No meio de campo, Arouca jogará ao lado de Adriano e Rodriguinho, enquanto marquinhos ficará mais avançado, próximo aos atacantes.

Na defesa, a baixa é Léo, suspenso com três amarelos. Seu reserva imediato, Alex Sandro não treinou nesta sexta-feira por uma amigdalite e pode ser desfalque. Se não jogar, Pará será deslocado para a esquerda e Danilo para a direita.

FICHA TÉCNICA:
GOIÁS X SANTOS

Estádio: Serra Dourada, Goiânia (GO)
Data/hora: 21/11/2010 – 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa-RJ)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moisés (Fifa-RJ) e Rodrigo Pereira Joia (RJ)

GOIÁS: Harlei; Rafael Toloi, Valmir Lucas e Ernando; Douglas (Wendel Santos), Amaral (Rithelly),Jonílson, Marcelo Costa e Wellington Saci;Everton Santos -Felipe. Técnico: Artur Neto.

SANTOS: Rafael; Pará, Edu Dracena, Durval e Alex Sandro (Danilo); Arouca, Rodriguinho, Adriano e Marquinhos; Neymar e Zé Eduardo. Técnico: Marcelo Martelotte.

novembro 21, 2010 Posted by | Goiás, Santos | | Deixe um comentário

Verdão bate Goiás fora de casa e fica perto da final

Marcos Assunção, sempre ele, faz um golaço de fora da área, e garante o 1 a 0 do Palmeiras, que agora joga pelo empate

Com um golaço de Marcos Assunção de fora da área, o Palmeiras venceu o Goiás no Serra Dourada por 1 a 0. Mais: o time paulista deu um grande passo para chegar às finais da Copa Sul-Americana, já que joga apenas por um empate em casa.

Não é exagero dizer que Marcos Assunção carrega o time do Palmeiras nas costas. Do meio para frente, Lincoln, o substituto de Valdivia – que não atuou, machucado – não conseguiu ainda se achar no Verdão. Tinga, por sua vez, é um bom jogador mas tem suas limitações e não pode ser o armador da equipe.

Kleber e Luan, a dupla ofensiva, também ainda não “deu liga” e não enche os olhos da torcida alviverde. Mas, com certeza, os palmeirenses que lotaram sua parte no Serra Dourada tinham convicção de que, a qualquer instante, dos pés de Marcos Assunção poderia sair o gol da vitória.

Na primeira etapa, Assunção começou mal. Aos quatro minutos deu seu primeiro chute, que passou muito longe de meta de Harlei, que teria seu único momento de sossego com os petardos desferidos pelo volante. A partir daí, o que se viu foram tentativas sucesssivas de um jogador que parecia ciente das limitações de criação que o Palmeiras apresentou durante todo o jogo.

O Goiás também se mostrou inofensivo, já que não criava, e não assustou Deola, que pouco trabalhou. O Palmeiras, por outro lado, se não conseguia ter oportunidades de marcar, mostrava que queria cumprir o que havia prometido Assunção um dia antes: fazer ao menos um gol fora de casa, o que é importantíssimo em competições em que o tento fora tem peso diferenciado.

Por três vezes, o volante chegou perto a abrir o placar. Duas em cobranças de falta, aos 20 e 29 minutos, além de um chute aos seis minutos de jogo que passou próximo e assustou Harlei. Entretanto, se na primeira etapa o Esmeraldino escapou, no segundo não houve como fugir da artilharia pesada de Marcos Assunção.

Logo aos dois minutos, ele arriscou de muito longe, e acertou a gaveta do goleirão do Goiás. Curiosamente, este foi o segundo gol de bola rolando que Assunção fez na temporada de um total de dez gols com a camisa do Alviverde. Desta forma, fora premiada a ousadia do time de Felipão, que por muitas vezes foi acusado de colocar o time com muitos volantes em campo, mas que, em momento algum, abdicou de ir à frente e buscar a vantagem fora de casa.

O Goiás, se vendo em situação adversa logo de cara na segunda metade do jogo, ensaiou pressionar o Palmeiras. Entretanto, a única porta aberta pelo time paulista surgiu apenas aos 29 minutos, quando Felipe invadiu a área com liberdade e chutou rasteiro. Deola defendeu e garantiu o resultado para o Verdão, que foi eficiente em conter os chuveiros os quais o time do Centro-Oeste abusou na parte final do jogo.

Aos 47 minutos, o torcedor palmeirense levou um grande susto, quando em cobrança de falta de Marcelo Costa, Otacílio Neto, em posição irregular desviou para o gol. O auxiliar prontamente anotou a infração, o que revoltou a torcida do Goiás, que passou a atirar objetos no gramado do Serra Dourada.

No jogo de volta, a ser realizado daqui uma semana, no Pacaembu, o Palmeiras joga com a vantagem de poder empatar e, mesmo assim, ir à próxima fase. Vitória do Goiás por 1 a 0 leva o jogo para os pênaltis. Qualquer outro resultado favorável aos goianos faz com que eles que avancem à decisão.

FICHA TÉCNICA:
GOIÁS 0 X 1 PALMEIRAS

Estádio: Serra Dourada, Goiânia (GO)
Data/hora: 17/11/2010 – 22h (de Brasília)
Árbitro: Evandro Rogério Roman (Fifa-BRA)
Auxiliares: Roberto Braatz (Fifa-Bra) e Márcio Santiago (Fifa-BRA)
Renda/público: R$: 274.480,00 / 14.129 pagantes
Cartões amarelos: Douglas e Carlos Alberto (GO); Gabriel Silva e Edinho (PAL)
GOLS: Marcos Assunção, 2’/2ºT (0-1)

PALMEIRAS: Deola, Márcio Araújo, Maurício Ramos, Danilo e Gabriel Silva; Marcos Assunção, Edinho, Tinga (Leandro Amaro, 39’/2ºT) e Lincoln (Pierre, 34’/2ºT); Luan e Kleber. Téc: Luiz Felipe Scolari.

GOIÁS: Harlei, Douglas, Rafael Tolói, Ernando, Marcão e Wellington Saci; Carlos Alberto, Amaral e Marcelo Costa; Felipe (Otacílio Neto, 26’/2ºT) e Rafael Moura. Téc: Artur Neto.

novembro 17, 2010 Posted by | Goiás, Palmeiras | | Deixe um comentário

Goiás e Palmeiras tentam salvar ano na Sul-Americana

Enquanto Verdão pensa no título da competição continental, Esmeraldino ainda se preocupa com Brasileirão

Palmeiras e Goiás se enfrentam nesta quarta-feira, às 21h50, no Serra Dourada, pelas semifinais da Copa Sul-Americana naquele que promete ser o “jogo do ano” para as duas equipes. Tudo porque o Verdão está totalmente focado no título e na vaga para a Libertadores da América, e o Esmeraldino, que ainda tenta se livrar do rebaixamento no Brasileirão, quer salvar o ano com uma conquista.

Depois de sofrer o empate contra o Fluminense e praticamente selar o seu rebaixamento para a Série B do Brasileirão em 2011, o Goiás agora foca 100% das atenções na competição. O técnico Artur Neto deixou claro que o time vai em busca da vaga na final e não descartou poupar alguns jogadores nas últimas três rodadas da Série A, já que a missão do Goiás é quase impossível.

O time se reapresentou na segunda-feira e nesta terça-feira fez o último trabalho antes da partida contra o rival paulista, sem exigir muito dos jogadores, já que o fator físico dos atletas tem pesado nesta reta final. Artur Neto deve colocar em campo o mesmo time que enfrentou o Fluminense no domingo. O treinador crê que uma provável conquista.

– Nós temos que investir muito na Sul-Americana, porque ela dá um retorno muito bom ao clube. Pode nos dar a oportunidade de chegar na Libertadores da América e isso nós não podemos abrir mão. Temos sim condições de vencer, mas sabemos que o Palmeiras tem uma grande equipe – apontou o treinador.

A esperança esmeraldina continua nos pés (e cabeça) do centroavante Rafael Moura. Autor do gol contra o Fluminense e da classificação contra o Avaí, o atacante já soma oito gols no último mês. Oito também é o número de gols que o jogador marcou em todas as edições da Sul-Americana, seis deles pelo Goiás nessa edição, um dos artilheiros da competição. O jogador deixa claro que quer alçar voos mais altos.

– Não quero ser apenas o goleador do campeonato, quero ser campeão. Mas, antes de pensarmos em conquista, temos o Palmeiras pela frente, que vai nos exigir bastante. Espero continuar com a boa fase, e com gols, contribuir para o Goiás sair classificado deste duelo – explicou o atacante.

O Palmeiras tem praticamente força máxima para o primeiro duelo da semifinal. A ausência mais importante, além do goleiro Marcos que já vem desfalcando a equipe há algum tempo, é a do Mago Valdivia. O chileno sentiu uma nova lesão na coxa esquerda e pode ser que não volte mais neste ano.

No restante da equipe, Felipão terá todos os jogadores à disposição. Importante em todas as fases da classificação alviverde, o volante Marcos Assunção tem a receita para garantir uma vantagem para o jogo da volta: marcar um gol fora de casa.

Faltas de Marcos Assunção podem fazer a diferença

– O gol fora de casa é muito importante. Nos dá mais tranquilidade, como contra o Sucre, contra o Atlético-MG. Tem de fazer de tudo para não levar o gol. Se não levar, com certeza faremos – garante.

E para parar Rafael Moura, a arma do Goiás, o zagueiro Maurício Ramos pediu atenção ao sistema defensivo palmeirense.

– Ele está em um ótimo momento, preocupa. Temos de ter cuidado porque ele vem sendo artilheiro, já sabemos como ele joga. Não pode perder a concentração os noventa minutos – concluiu.

FICHA TÉCNICA:
GOIÁS X PALMEIRAS

Local: Estádio Serra Dourada, Goiânia (GO)
Data/Hora: 17/11/2010 às 21h50 (horário de Brasília)
Árbitro: Evandro Rogério Roman (Fifa-PR)
Auxiliares: Roberto Braatz (Fifa-PR) e Márcio Santiago (MG)

GOIÁS: Harlei, Rafael Toloi, Ernando e Marcão; Douglas, Amaral, Carlos Alberto, Marcelo Costa e Wellington Saci; Jones e Rafael Moura. Técnico: Artur Neto

PALMEIRAS: Deola, Márcio Araújo, Maurício Ramos, Danilo e Gabriel Silva, Edinho, Marcos Assunção, Tinga e Lincoln; Luan e Kleber. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

novembro 16, 2010 Posted by | Goiás, Palmeiras | , | Deixe um comentário

Confrontos diretos mexem com a zona do rebaixamento

Quatro duelos diretos contra a degola acontecem nas últimas três rodadas do Brasileirão; sete times fogem de três vagas

Faltando apenas três rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro, a luta contra o rebaixamento continua embolada. Somente o Grêmio Prudente já teve sua queda confirmada, após a derrota por 2 a 1 para o Atlético-PR, na Arena da Baixada, no último domingo.

Nada menos que sete equipes ainda brigam para fugir do fantasma da degola, e as rodadas restantes apontam confrontos diretos, que
certamente definirão quem ocupará as três vagas restantes na Série B de 2011. O LANCENET! ouviu um time de especialistas que apontaram as
diferenças entre os candidatos ao descenso e fizeram suas apostas.
Confira os confrontos diretos contra o rebaixamento:

36ª rodada
Flamengo x Guarani
Avaí x Atlético-GO

37ª rodada
Atlético-MG x Goiás

38ª rodada
Vitória x Atlético-GO

Calculadora na mão

A matemática entra em cena na reta final do Campeonato Brasileiro. De acordo com dados do matemático Tristão Garcia, Atlético-GO e Flamengo, que ainda terão duas partidas em casa, têm 12% de chances de cair. O Atlético-MG, que fará seu último jogo como mandante diante do Goiás, na 37ª rodada, tem 21%.

O Vitória tem os mesmos 39 pontos do Galo, mas tem 20% de chances de rebaixamento, por ainda jogar duas vezes no Barradão, uma delas contra o líder Corinthians e outra contra o Atlético-GO, adversário direto.

Sorte do Leão, azar do Bugre

Avaí e Guarani, segundo Tristão, tiveram suas situações invertidas. Os catarinenses, que ainda jogam duas vezes na Ressacada, tinham maior
chance de cair. Agora, a possibilidade de descenso diminuiu para 57% após a importante vitória, por 3 a 2, fora de casa contra o Internacional:

– O Avaí foi o grande vitorioso da rodada, dentre aqueles que brigam contra o rebaixamento. A vitória fora de casa sobre o Internacional foi
importantíssima para as pretensões da equipe – disse o matemático.
Já o Bugre se complicou com o empate, por 1 a 1, em casa diante do Vitória, para quem o resultado não foi tão ruim assim. O Guarani tem 80%
de chances de cair.

Drama esmeraldino

A situação só não é mais crítica que a do Goiás, que tem 98% de possibilidades de rebaixamento. Com a goleada aplicada sobre o Esmeraldino na 34ª rodada, o já rebaixado Grêmio Prudente “puxou” os goianos para a Série B, segundo Tristão:

– A derrota para o Prudente levou o Goiás junto, sem dúvida. Era um confronto direto e o Goiás já se encontrava em situação delicada.

COM A PALAVRA, OS ESPECIALISTAS:

Carlos Alberto Torres, capitão da Seleção Brasileira na conquista dotricampeonato Mundial, em 1970

“Creio que os quatro que estão na zona de rebaixamento devem cair, independentemente dos confrontos diretos. Digo isso em virtude das
campanhas e dos elencos. é importante dar moral, mas quando falta elenco, não há técnico que consiga salvar.”

A aposta de Torres: Grêmio Prudente, Goiás, Guarani e Avaí

Estevam Soares, técnico

“Acho que agora é a hora da verdade. Não deve haver surpresa a esta altura da competição. É hora de fazer valer a qualidade do elenco, do
treinador, e de mostrar uma diferença de postura. Quem tem mais elenco, vai se salvar. O Guarani, por exemplo, está em queda livre no campeonato pois falta elenco, apesar do trabalho do Vagner Mancini, que é indiscutível. Já a vitória do Avaí sobre o Internacional nao pode ser
considerada zebra. O clube pegou uma maré ruim na competição, com trocas de comando. Os jogos em casa influenciam muito, com a torcida apoiando. Sem dúvida, a questão do mando é muito importante. Num momento como esse, a torcida não se opõe ao time, mesmo com a situação incômoda. Pelo contrário, se junta ao time, joga junto. Se houver protesto, acontece no fim do jogo, mas durante os 90 minutos, é só apoio.”

A aposta de Estevam: Grêmio Prudente, Goiás, Guarani e Avaí.

Humberto Perón, colunista do LANCE!

“A situação do Goiás é muito complicada, só com um milagre. A Sul-Americana pode atrapalhar. O Atlético Mineiro tem boa chance de escapar, com o time crescendo. O Flamengo, mesmo com campanha ruim como mandante, é favorito contra o Guarani, que vinha bem em casa, mas não
vem marcando gols. O Atlético-GO vem sabendo jogar no contra-ataque e vem conseguindo resultados importantes. Já o Vitória, forte no Barradão, enfrenta o líder, em um jogo muito importante. A pressão nessa partida é sobre ambos os times, e o Corinthians vai ter de sair para o jogo.”

A aposta de Perón: Grêmio Prudente, Goiás, Guarani e Avaí.

Vitor Birner, colunista do LANCE!

“Acredito que os melbores elencos vão permanecer. O Flamengo e o Galo ficam. Sempre achei que o Avaí fosse cair, mas vem jogando melhor. O Vitória se salva em virtude de sua campanha e suas atuações no Barradão, e também porque seu elenco é melhor que o de Avaí e Guarani. O Bugre vinha bem em casa, mas a estrutura e o elenco não são de primeira divisão. Já o Atlético-GO é uma indefinição constante, não se sabe se
cai ou não, mas, coletivamente, tem mais time que os quatro últimos. O Goiás é outro que tem mais elenco, até mesmo individualmente, que os outros que estão na zona de rebaixamento.”

A aposta de Vitor: Grêmio Prudente, Goiás, Guarani e Avaí.

Benjamin Back, colunista do LANCE!

“O campeonato está desenhado. Já temos dois times rebaixados pois, na minha opinião, o Goiás também já foi. Temos do Guarani até o Atlético-GO brigando para não cair, ou seja, sete times lutando para fugir de duas vagas. Na minha opinião, o Atlético-MG não cai. É outro time desde a chegada de Dorival Júnior. O mesmo acontece com o Atlético-GO sob o comando de Renê Simões. Já o Vitória no Barradão é dificílimo de ser batido, e terá ainda dois jogos em casa…mas o futebol é imprevisível. Para mim, o Guarani não se salva, era fogo de palha com a boa campanha em casa no primeiro turno. O Vagner Mancini é bom treinador, mas escolheu mal ao aceitar comandar o Bugre.”

A aposta de Back: Grêmio Prudente, Goiás, Guarani e Avaí.

novembro 15, 2010 Posted by | Atlético-MG, Avaí, Ceará, Flamengo, Goiás, Grêmio Prudente, Guarani, Vitória | | Deixe um comentário

Flu esbarra na marcação do Goiás, fica no empate e perde a liderança

Conca marca de pênalti, mas Tricolor não passa do 1 a 1 e deixa para o Corinthians a primeira colocação do Campeonato Brasileiro

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

A vitória do Corinthians sobre o Cruzeiro, no sábado, obrigava o Fluminense a vencer no Engenhão para seguir na liderança do Campeonato Brasileiro. Mas, apesar da insistência, o Tricolor esbarrou na falta de pontaria e na forte marcação do Goiás. Assim, o empate por 1 a 1, neste domingo, tirou o Tricolor da primeira colocação. Já o time esmeraldino segue na luta contra o rebaixamento, mas, a três rodadas do fim, passa a depender de uma improvável combinação de resultados.

O Fluminense, que agora está em segundo lugar, com 62 pontos (um a menos do que o Corinthians), volta a campo no próximo domingo para enfrentar o São Paulo na Arena Barueri. No mesmo dia, o Goiás, que segue na penúltima posição, com 32 pontos, recebe o Santos no Serra Dourada. O time está a sete pontos do primeiro time fora da zona da degola.

Goiás faz marcação forte e abre o placar com Rafael Moura

Mobilizada pela importância da partida, a torcida do Fluminense encheu o Engenhão. A ideia era criar um ambiente de pressão sobre o adversário e apoio aos jogadores. No entanto, o esperado ímpeto do Tricolor não veio. E, sem muita dificuldade, o Goiás conseguiu manter a partida equilibrada.

A implacável marcação sobre Conca – principalmente a do volante Carlos Alberto – deixou o Fluminense enfraquecido. Outro responsável por armar as jogadas ofensivas, Deco se mostrava sem ritmo de jogo. Assim, Tartá e Fred pouco podiam fazer. Com a partida defensivamente controlada, o Goiás se lançou à frente e marcou seu gol aos 19 minutos. Após um passe errado de Carlinhos, Jones avançou pela direita e cruzou para Rafel Moura, que subiu para cabecear e fazer 1 a 0.

Dupla formada por Fred e Washington insistiu, mas passou em branco (Foto: Ivo Gonzalez / Agência O Globo)

O ambiente do Engenhão, inicialmente festivo, estava longe de ser um caldeirão. Fechado em sua defesa, o Goiás segurava o Fluminense na base das faltas e tentava sair nos contra-ataques. No entanto, a falta de articulação deixou a torcida tricolor impaciente, vaiando Fernando Bob e pedindo a entrada de Diguinho, que estava no banco de reservas.

Fluminense pressiona e empata em cobrança de pênalti

O pedido foi atendido, e o volante entrou em campo no segundo tempo, no lugar de Deco. O técnico Muricy Ramalho também decidiu dar nova oportunidade a Washington, que substituiu Tartá. Sob o grito de “time de guerreiros”, o Fluminense partiu para cima do Goiás e criou jogadas de perigo, mas a defesa esmeraldina conseguia salvar.

O que se viu no segundo tempo foi um verdadeiro bombardeio do ataque tricolor, enquanto o Goiás se virava como podia para afastar a bola de sua área. Principalmente pelo alto, Fred e Washington es esforçavam, mas não acertavam o alvo. Vivendo longo jejum de gols, o Coracão Valente chegou a desviar para fora uma conclusão de bicicleta do companheiro, que aparentemente levaria perigo ao goleiro Harlei.

Quando a tensão e o silêncio tomavam conta do Engenhão, um lance isolado deu a oportunidade para o Fluminense empatar a partida. Após receber uma bola espirrada, Rodriguinho foi derrubado dentro da área de forma infantil por Ernando. Conca cobrou o pênalti com força, praticamente no meio do gol, e fez 1 a 1 aos 38 minutos.

O Fluminense intensificou sua pressão, mas novamente não conseguiu se livrar da forte marcação do Goiás. A equipe tricolor pressionou, mas foi o time esmeraldino que quase marcou, com Felipe, aos 46 minutos.

Ficha técnica:

fluminense 1 x 1 goiás
Ricardo Berna, Mariano, Leandro Euzébio, André Luis e Carlinhos; Valencia, Fernando Bob (Rodriguinho), Deco (Diguinho) e Conca; Tartá (Washington) e Fred. Harlei, Valmir Lucas, Ernando e Marcão; Douglas (Wendel Santos), Amaral, Carlos Alberto (Jonílson), Marcelo Costa e Wellington Saci; Jones (Felipe) e Rafael Moura.
Técnico: Muricy Ramalho. Técnico: Arthur Neto.
Gols: Rafael Moura, aos 19 minutos do primeiro tempo; Conca, aos 38 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Mariano, Diguinho (Fluminense); Douglas, Marcelo Costa, Ernando (Goiás).
Estádio: Engenhão, no Rio de Janeiro. Data: 14/11/2010. Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa/RS). Assistentes: Marcelo Bertanha Barison (RS) e Tatiana de Freitas (RS). Público: 30.897 pagantes (36.227 presentes). Renda: R$ 984.475,00.

novembro 14, 2010 Posted by | Fluminense, Goiás | , | Deixe um comentário

Com Deco e Fred, Flu quer se manter na ponta

Tricolor encara o Goiás, desesperado na luta contra a degola. Vitória praticamente garante cariocas na Libertadores

Fluminense e Goiás se enfrentam no Enehão, neste domingo às 17h (de Brasília), em situações distintas. O Tricolor busca uma vitória para se amnter na liderança e ficar cada vez mais próximo do título, já o Goiás, com uma derrota, fica muito próximo do rebaixamento. Além disso, um triunfo do Flu coloca a equipe carioca muito próxima da Libertadores.

Para esta partida Muricy Ramalho mantém o suspense sobre a escalção da equipe. A dúvida fica entre Diguinho ou Valencia no meio de campo. A boa notícia é que Deco e Fred finalmente estão de volta. Já Emerson, segue sendo avaliado e tem poucas chances de ir para a partida.

– Futebol é dia a dia. O cara vai mostrando evolução e se tiver bem joga, senão, não. Eu acho que a gente conta com o Emerson, porque ele está bem melhor do que estava. Perdemos Marquinho (machucado), que marcava muito e sabia sair jogando. Contamos com a volta do Deco, que ganhamos na criação, mas perdemos na marcação. O Goiás tem um contra-ataque e uma jogada aérea perigosa, por isso testei Valencia e depois Diguinho no meio de campo. É a grande dúvida na minha cabeça – afirmou.

Caso Emerson não tenha condições, Tartá fará dupla de ataque com Fred. Washington vai para o banco. Na defesa, André Luis entra na vaga de Gum, suspenso.

ÚLTIMO SUSPIRO DO GOIÁS

A classificação para as semifinais da Copa Sul-Americana, feito inédito na história do clube, foi bastante comemorada no Goiás, mas o foco já mudou para o Brasileirão e a necessidade que o Esmeraldino tem de fazer um milagre. O time encara o líder Fluminense no Engenhão e não pode pensar em outro resultado que não seja a vitória. Sem os três pontos, o time praticamente confirma o rebaixamento para a Série B de 2011.

O técnico Artur Neto, recém contratado, ainda não teve tempo para fazer um treinamento mais intenso, por isso deve repetir a mesma formação que derrotou o Avaí pela Sul-Americana, com apenas uma modificação. O zagueiro Rafael Toloi foi expulso na última partida contra o Grêmio Prudente e será substituído por Valmir Lucas. O sistema defensivo, pior dessa Série A, foi muito bem contra o Avaí e Ernando espera repetir a atuação no Rio de Janeiro.

– Cada jogo tem a sua história. Sabemos que o Fluminense é líder, está com um time muito entrosado, mas temos que buscar uma melhor sorte. Sabemos que vai ser um jogo difícil, mas podemos fazer um bom jogo de marcação e dificultar. A torcida deles vai apoiar muito e precisamos ter cautela – apontou o zagueiro esmeraldino.

FICHA TÉCNICA:
FLUMINENSE X GOIÁS

Estádio: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 14/11/2010 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Auxiliares: Marcelo Bertanha Barison (RS) e Tatiana Jacques de Freitas (RS)

FLUMINENSE: Ricardo Berna; Mariano, Leandro Euzébio, André Luis e Carlinhos; Fernando Bob, Diguinho (Valencia), Deco e Conca; Tartá e Fred. Técnico: Muricy Ramalho.

GOIÁS: Harlei, Valmir Lucas, Ernando e Marcão; Douglas, Amaral, Carlos Alberto, Marcelo Costa e Wellington Saci; Felipe e Rafael Moura. Técnico: Arthur Neto

novembro 14, 2010 Posted by | Fluminense, Goiás | , | Deixe um comentário

Prudente goleia Goiás, segue na lanterna, mas afunda mais o rival

Sem dificuldades, último colocado do Brasileirão faz 4 a 1 no penúltimo. Ambos estão cada vez mais próximos do rebaixamento para a Série B

O Grêmio Prudente está muito próximo de cair para a Série B e já até fala como se estivesse lá, mas mostrou neste domingo que não se entregará tão facilmente assim. Mesmo saindo atrás no placar contra o Goiás, o time teve tranquilidade, virou e poderia ter aplicado uma goleada histórica no Esmeraldino, em jogo válido pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro. No fim, o 4 a 1 manteve a equipe da casa na lanterna, bem longe dos outros, mas fez os goianos ficarem em situação ainda mais desesperadora na tabela.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O Prudente já não tem tantas pretensões no campeonato. Com a vitória, subiu para 27 pontos, a quatro do próprio Goiás, que permanece na vice-lanterna com 31, a cinco do Atlético-MG, primeiro fora da zona de rebaixamento. A equipe de Jorginho aumenta sua crise, que explodiu após a derrota para o Grêmio e as fortes declarações de Rafael Moura na rodada passada.
Na próxima rodada, o Esmeraldino enfrenta o Fluminense no domingo, às 19h30, no Engenhão. Na mesma data e horário, o Prudente pega o Atlético-PR, na Arena da Baixada.
Surpresas dos dois lados…

O Goiás começou com uma escalação bem diferente daquela que foi derrotada pelo Grêmio, na quarta-feira. O atacante Felipe, que teria sido alvo das críticas de Rafael Moura na última quarta-feira, ficou fora do jogo. A justificativa oficial é de que o jogador seria poupado para o duelo contra o Avaí, pela Copa Sul-Americana. No meio, Jorginho surpreendeu e lançou Marcelo Costa na armação, numa tentativa de deixar o time mais agressivo.
A tentativa deu certo logo no início, com o Esmeraldino sufocando o rival e imprimindo ritmo intenso de jogo, mesmo com o calor intenso em Presidente Prudente. Logo aos 7 minutos, o prenúncio de um jogo fácil: Marcelo Costa cobrou falta na cabeça de Rafael Moura, que subiu mais do que seu marcador e finalizou com perfeição. Para dar fim às polêmicas, o camisa 9 correu em direção a Jorginho e abraçou o treinador na comemoração.
Praticamente rebaixado, o Prudente tinha tudo para desanimar de vez e “entregar” o jogo para o adversário. No entanto, jogadores com algum talento como Wesley e Willian José tiraram forças sabe se lá de onde para manter a equipe respirando. Aos 21, Willian fez boa jogada e rolou para João Vitor, que bateu seco na bola. Ela foi reta, no ângulo direito de Harlei: 1 a 1 no placar.
O gol só fez animar ainda mais os comandados de Fábio Giuntini, que por pouco não conseguiram a virada. No melhor lance, Willian foi lançado em velocidade e tocou na saída de Harlei. o goleiro se recuperou e fez excelente defesa. Do outro lado, apenas Rafael Moura levava perigo, muito isolado na frente. Nos acréscimos, ele recebeu a bola sozinho dentro da área, teve tempo de ajeitar e pensar, mas chutou nas arquibancadas do Prudentão.
Desequilíbrio total

O Prudente voltou para o segundo tempo com pouca pressão dos menos de 700 pagantes que compareceram ao estádio. E isso fez bem à equipe, que se aproveitou do desespero do Goiás para achar espaços na defesa e buscar os gols. Logo aos 7, em bela trama do trio ofensivo, Wesley rolou para Adriano Pimenta, e este cruzou na cabeça de Willian José. Sozinho entre os zagueiros, o centroavante finalizou com perfeição para virar o jogo: 2 a 1 Prudente.
Logo na sequência, Jorginho tentou uma cartada ao lançar o habilidoso Bernardo no lugar do lateral Wendel. A teoria era boa, mas o técnico do Goiás não contava com o destempero de um de seus jogadores. Depois de uma falta de Diego Giaretta em Carlos Alberto, o zagueiro Rafael Tolói deixou o campo de defesa para esbravejar contra o árbitro Pablo dos Santos Alves. Levou cartão amarelo. Reclamou ainda mais e acabou expulso, praticamente enterrando as chances do Esmeraldino no jogo.
Jorginho teve de rearrumar o sistema defensivo e praticamente abdicou do ataque. Mesmo assim, o Goiás conseguiu tomar o terceiro gol em um contra-ataque fulminante. Aos 21, Willian José disparou pela direita e chutou rasteiro. Harlei espalmou no pé esquerdo de Wesley, que só empurrou para as redes. E aos 43, ainda deu tempo de Rhayner fazer um golaço, após driblar dois e chutar no ângulo. Um 4 a 1 justíssimo, e que ainda mantém o Prudente respirando por aparelhos na Série A.
GRÊMIO PRUDENTE 4 X 1 GOIÁS
Sidnei, Bruno Ribeiro, Anderson Luís, Diego Giaretta e Cleidson (Saldanha); Anderson Pedra, Roberto, João Vitor (Rhayner) e Adriano Pimenta (Renan); Wesley e Willian José. Harlei, Wendel Santos (Bernardo), Rafael Tolói, Ernando e Wellington Saci; Carlos Alberto, Wellington Monteiro, Marcelo Costa (Valmir Lucas) e Jones; Rafael Moura e Éverton Santos (Wendell Lira).
Técnico: Fábio Giuntini Técnico: Jorginho
Gols: Rafael Moura, aos 7, João Vitor, aos 21 do primeiro tempo; Willian José, aos 7, Wesley, aos 21, e Rhayner, aos 43 do segundo tempo.
Cartões amarelos: Adriano Pimenta (GPR); Rafael Tolói (GOI). Cartão vermelho: Rafael Tolói (GOI)
Estádio: Prudentão, em Presidente Prudente (SP). Data: 7/11/2010. Árbitro: Pablo dos Santos Alves (ES). Auxiliares: José Ricardo Maciel Linhares e Adaílson Alves Pereira (ambos do ES). Público: 674 pagantes.

novembro 7, 2010 Posted by | Goiás, Grêmio Prudente | , , | Deixe um comentário

Grêmio Prudente x Goiás no ‘duelo dos desesperados’

Em Presidente Prudente, só a vitória interessa para as duas equipes

Grêmio Prudente e Goiás se encontram neste domingo, às 17h, em Presidente Prudente, pela 34ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro, precisando com urgência de uma vitória, já que ambas as equipes se encontram na zona de rebaixamento.

A situação é alarmante para o time da casa, que está em último na classificação, com 24 pontos ganhos, 12 a menos que o Guarani, primeira equipe fora do grupo da degola. Já os esmeraldinos ocupam a 19ª posição e necessitam de um bom resultado para continuar sonhando em permanecer na elite do futebol brasileiro.

Em busca de cinco milagres nas cinco últimas partidas de 2010, o técnico Fábio Giuntini escala sua equipe de forma muito parecida com a que entrou em campo na derrota para o Vasco, por 2 a 1, no Rio de Janeiro. Uma mudança em relação a última escalação fica por conta do retorno do volante Anderson Pedra, que cumpriu suspensão em São Januário, e agora está pronto para ocupar seu lugar na cabeça de área ao lado de Sasha, outro a voltar.

– Cada jogo é uma história. É um confronto direto, ganhamos o primeiro jogo e vamos tentar ganhar este também. Até para dar uma moral a mais para o nosso grupo – disse o camisa 5 do Abelha.

Outro ajuste será o deslocamento de João Vitor do meio-campo para a lateral direita, no espaço que foi ocupado anteriormente por Bruno Ribeiro.

O lateral-esquerdo Marcelo Oliveira e o volante Rodrigo Mancha estão liberados pelo departamento médico e já treinaram com bola. Embora ainda não tenham condições de jogo contra o Goiás, ambos foram reintegrados o elenco e, inclusive, participaram do treino recreativo.

Ainda em renegociação contratual, o goleiro Giovanni não participará da partida. A camisa 1 será de  Sidney.

Goiás acredita que a reação é possível:

Duas derrotas consecutivas não foram suficientes para desanimar os jogadores do Goiás, que acreditam que o time irá se salvar da Série B e que pode começar uma arrancada já contra o Grêmio Prudente neste domingo, fora de casa. Depois das declarações polêmicas de Rafael Moura, os jogadores se mostraram unidos e não houve qualquer retaliação ao jogador. Muito pelo contrário, a confiança é de que o time irá conseguir as vitórias que precisa na reta final.

– Eu não acho que estamos perto da Série B. Nós acreditamos e vamos buscar os resultados até a última rodada. Ainda temos cinco jogos pela frente e vamos ganhar os cinco para sair dessa situação. Eu prometo – garantiu Carlos Alberto.

O time que enfrenta o Grêmio Prudente terá duas alterações em relação ao que foi derrotado na quarta-feira para o Grêmio. O zagueiro Marcão e o volante Amaral estão suspensos e não enfrentam o time paulista. Em compensação, Rafael Toloi e Jonílson voltam a ser opções. O Segundo será reserva.

Um dos mais experientes da equipe, o goleiro Harlei, também garantiu que o time está empenhado e não vê a falta de comprometimento de alguns jogadores, como citou Rafael Moura após o jogo contra o Grêmio. O goleiro acredita que o atacante não vai ser isolado pelo grupo e que vale mais lutar pela grandeza do Goiás no cenário nacional

– A situação não envolve o Harlei e o Rafael Moura, mas sim um clube do tamanho do Goiás e os milhares de torcedores esmeraldinos no país. A rapazeada treina sempre forte, mesmo após algumas derrotas doloridas. Não vejo nenhuma falta de comprometimento, mas é normal ficar fragilizado em alguns momentos – apontou Harlei.

Goiás e Grêmio Prudente se encontraram no dia 21 de agosto, em Goiânia. A partida foi vencida pelo Prudente, que fez 2 a 1.

FICHA TÉCNICA:
GRÊMIO PRUDENTE X GOIÁS

Estádio: Eduardo José Farah, Presidente Prudente (SP)
Data/hora: 7/11/2010 às 17h (horário de Brasília)
Árbitro: Pablo dos Santos Alves (ES)
Auxiliares: José Ricardo Maciel Linhares (ES) e Adaílson Alves Pereira (ES)

GRÊMIO PRUDENTE: Sidney; João Vitor, Anderson Luis, Flávio e Diego Giaretta; Anderson Pedra, Sasha Adriano Pimenta e Rhayner; Willian e Wesley. Técnico: Fábio Giuntini.

GOIÁS: Hareli; Ernando, Rafael Toloi, Valmir Lucas; Douglas, Wellington Monteiro, Carlos Alberto, Jones e Wellington Saci; Everton Santos e Rafael Moura. Técnico: Jorginho.

novembro 7, 2010 Posted by | Goiás, Grêmio Prudente | , | Deixe um comentário

Grêmio exorciza maldição do Serra Dourada e vence o Goiás

Com Renato Gaúcho, gremistas já venceram cinco partidas fora de casa

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Antes de Renato Gaúcho chegar ao Grêmio, na 14ª rodada do Brasileirão 2010, a equipe era considerada caseira em campeonatos nacionais. Desconhecia vitórias longe do Estádio Olímpico. Rótulo que não se justifica mais. Nesta noite de quarta-feira, o Grêmio chegou à quinta vitória fora de casa, com gols de André Lima e Diego, nos 2 a 0 sobre o Goiás. A partida foi disputada no Estádio Serra Dourada, em Goiânia, pela 33ª rodada.

Em dez jogos como visitante sob comando de Renato, o Grêmio venceu Corinthians, Avaí, Atlético-MG, Vitória, e agora o Goiás. Conquistou ainda três empates, e perdeu apenas para Ceará e Fluminense – um aproveitamento de 60%.

Com a vitória, o Grêmio soma 50 pontos, em oitavo, e mantém esperanças de se classificar à Taça Libertadores 2011 – .tem quatro a menos que o quarto colocado, o Botafogo. Já o Goiás permanece na penúltima posição, com 31. Pela 34ª rodada, o Grêmio volta a jogar às 19h30m do próximo sábado, no Estádio Olímpico, contra o Ceará. No domingo, o Goiás visita o Grêmio Prudente, às 17h.

Xô, maldição!

O retrospecto recente do Grêmio no Serra Dourada contra o Goiás é muito ruim. Em 20 jogos – 18 pelo Brasileirão, 2 pela Copa Sul-Americana – os gremistas foram derrotados pelos esmeraldinos oito vezes. Houve ainda outros oito empates, e apenas quatro vitórias tricolores.

André Lima, aos 31 do primeiro tempo, exorcizou o que já se configurava uma maldição sobre o Grêmio. Foi o sétimo gol do centroavante na competição. No final, Diego deu fim à sequência de maus resultados no estádio goiano.

Dois na rede, um no placar

Mantida a estrutura tática predileta de Renato Gaúcho, o Grêmio também repetiu estratégia comum aos jogos fora de casa: comportar-se como se estivesse no Olímpico. Mesmo no Serra Dourada, o 4-4-2 gremista foi tão ofensivo quanto costuma ser em Porto Alegre.

No 3-5-2, o Goiás tentou jogar às costas dos laterais tricolores – com Felipe sobre Gabriel, e Jones no setor de Fábio Santos. Sem a bola, Amaral vigiou individualmente o artilheiro Jonas.

Com o goleador do Brasileirão bem marcado, o Grêmio contou com os bons serviços prestados pelo centroavante André Lima. Aos 4 minutos ele marcou, mas teve o gol anulado sob suspeita de impedimento. Milímetros colocam em dúvida a marcação do auxiliar Ciro Chaban Junqueira.

André Lima, entretanto, não esmoreceu. Mais tarde ele voltaria à cena. Novamente na entrada da pequena área ele concluiu com nota 10 uma aula prática de contra-ataque: Victor interceptou cruzamento, acionou Gabriel, que rapidamente lançou Lúcio, autor do cruzamento para André Lima.

Mais contra-ataque

Do vestiário, o Goiás retornou diferente. Ainda no sistema tático 3-5-2, mas com os ingressos de Wellington Saci e Everton Santos, respectivamente substituindo Douglas e Felipe. E os anfitriões tentaram pressionar.

Bem posicionado sem a bola, o Grêmio bloqueou os espaços do Goiás e ainda se mostrou mais perigoso nos contra-ataques. Harlei, duas vezes, parou André Lima e Jonas com defesas espetaculares.

No final, o Grêmio catimbou. Fez o cronômetro correr alheio ao jogo. Fábio Santos e Adilson pediram atendimento médico, atirando-se ao gramado. Renato recorreu ao banco de reservas para fazer trocas. E sem sujar o uniforme branco do goleiro Victor, comemorou mais uma vitória fora de casa.

Aos 46, Diego teve tempo de encerrar outra lição de transição ofensiva. Após tabela de Douglas e Jonas, recebeu na área e fechou o placar em 2 a 0.

GOIÁS 0 X 2 GRÊMIO
Harlei; Amaral, Ernando e Marcão; Douglas (Wellington Saci), Wellington Monteiro, Jones, Marcelo Costa (Wendell Lira) e Carlos Alberto; Felipe (Everton Santos) e Rafael Moura. Victor; Gabriel, Paulão, Rafael Marques e Fábio Santos; Fábio Rochemback, Adilson (Ferdinando), Lúcio (Neuton) e Douglas; Jonas e André Lima (Diego).
Técnico: Jorginho. Técnico: Renato Gaúcho.
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia. Data: 03/11/2010. Árbitro: José de Caldas Souza (DF), auxiliado por Marcia Lopes Caetano (Fifa-RO) e Ciro Chaban Junqueira (DF).
Gols: André Lima (Grêmio), aos 31m do primeiro tempo. Diego (Grêmio), aos 46m do segundo tempo.
Cartões amarelos: Amaral e Marcão (Goiás); Gabriel (Grêmio).
Público: 2.235 torcedores. Renda: R$ 45.715,00.

novembro 3, 2010 Posted by | Goiás, Grêmio | | Deixe um comentário

Goiás e Grêmio se enfrentam com técnicos em altos e baixos

Em julho, Jorginho era auxiliar técnico da Seleção Brasileira. No mesmo período, Renato Gaúcho comandava o Bahia, 10º colocado na Série B. Nesta quarta-feira, quando se encontrarem no duelo das 19h30, no Serra Dourada. 

Enquanto Jorginho luta para evitar o rebaixamento do Goiás, Renato sonha em classificar o Grêmio para a Libertadores-2011. Esperança esmeraldina, o comandante goiano explica o motivo do sobe e desce na carreira.

– Vida de treinador é assim mesmo. Este ano eu estou vivendo situações diversas. É a nossa vida, é preciso se acostumar, pois esses tipos de experiência é que nos fazem crescer e enfrentar as situações – disse Jorginho.

O duelo também marcará o reencontro de ex-companheiros. Jorginho e Renato foram campeões brasileiros pelo Flamengo em 1987. O técnico do Goiás relembra as características do gremista.

– O Renato continua com o jeitão engraçado e brincalhão. Ele era um atacante muito decidido, com poder de definição enorme, um dos melhores da época. Era muito fominha também, não passava a bola nas minhas decidas – lembrou Jorginho, torcendo para que Renato siga vencendo, mas não nesta quarta:

– Renato está tendo sucesso e tem em uma longa caminhada, com boas experiências. Espero que ele possa continuar esse sucesso, mas não neste jogo.

Em campo…
Jorginho ainda não definiu o time que entra em campo, mas confirmou que vai deixar o esquema com três zagueiros e jogar com mais um homem no meio de campo. Bernardo, titular das duas últimas partidas, sequer foi relacionado; já Rafael Toloi e Jonílson estão suspensos.

Na defesa, Marcão deve ser o lateral-esquerdo, no lugar de Saci. No meio, Carlos Alberto e Marcelo Costa são os mais cotados. Na frente, Felipe pode perder a posição para Everton Santos.

No Grêmio, o artilheiro Jonas foi poupado do treino desta terça por causa de uma gripe – choveu muito em Goiânia durante os trabalhos. Apesar disso, o atacante não deve ser problemas para o jogo.

Além dele, Vilson também não trabalhou e continua como dúvida. Seu substituto deve ser Adilson. Souza, suspenso, é o outro desfalque gremista. Fábio Rochemback, capitão do Tricolor gaúcho, retorna 54 pontos.

FICHA TÉCNICA:
GOIÁS X GRÊMIO

Local: Estádio Serra Dourada, Goiânia (GO)
Data/Hora: 3/11/2010 – 19h30 (horário de Brasília)
Árbitro: José Caldas de Souza (DF)
Auxiliares: Márcia B. Lopes Caetano (Fifa-RO) e Ciro Chaban Junqueira (DF)

GOIÁS: Harlei, Ernando, Rafael Toloi, Marcão; Douglas, Amaral, Wellington Monteiro, Bernardo e Wellington Saci; Felipe e Rafael Moura. Técnico: Jorginho.

GRÊMIO: Victor, Gabriel, Paulão, Rafael Marques e Fábio Santos; Fábio Rochemback, Vilson (Adilson), Lúcio e Douglas; Jonas e André Lima. Técnico: Renato Gaúcho.

novembro 3, 2010 Posted by | Goiás, Grêmio | | Deixe um comentário

Apesar do sufoco no fim, Palmeiras vence o Goiás em Barueri

Em jogo morno até o final do segundo tempo, Palmeiras derrota o Goiás e fica mais próximo do G4

No duelo dos Alviverdes na Arena Barueri, o Palmeiras mostrou que sabe deixar a Sul-Americana de lado e derrotou o Goiás, por 3 a 2. Com gols marcados por Tinga, Márcio Araújo e Dinei, o Verdão voltou a sonhar com o G4 e a vaga na Libertadores pelo Campeonato Brasileiro. O time goiano – que também disputa as quartas-de-final do torneio continental – sofreu a 17ª derrota no Nacional e segue lutando contra o rebaixamento.

Pela 33ª rodada, o Palmeiras volta a campo só nesta quinta-feira, contra o Atlético-PR, na Arena da Baixada. Na quarta-feira, o Goiás recebe o Grêmio, no Estádio Serra Dourada.

Primeiro tempo morno…

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Com Lincoln novamente incumbido de suprir a ausência de Valdivia na armação palmeirense, o primeiro tempo começou morno e com poucas chances de gol. Nos primeiros vinte minutos de jogo, o goleiro Deola só teve trabalho na cobrança de um tiro de meta, e o principal atrativo foi mesmo a estreia da nova terceira camisa do Verdão.

O Goiás apostava nos contra-ataques, mas o Palmeiras dominava a partida e sufocava o time visitante no campo de defesa. O meia-atacante Bernardo, sempre perigoso, era completamente dominado pela marcação de Pierre.

Aos 21, o domínio do Palmeiras se transformou em gol. Tinga driblou Wellington Saci, carregou a bola e arriscou forte chute. A bola ainda desviou em Rafael Tolói antes de morrer no fundo da rede.

E sem Marcos Assunção, suspenso, quem levou perigo nas cobranças de falta foi o Goiás. Na primeira boa chance do time goiano, aos 27 minutos, Bernardo cobrou falta com categoria no canto direito e quase surpreendeu o goleiro Deola.

Não demorou para aparecer a resposta do Verdão. Aos 32, numa falta cobrada pelo lado esquerdo, Lincoln tentou o cruzamento e a bola foi direto, no ângulo. O goleiro Harlei esticou-se todo e fez grande defesa, salvando o Goiás do segundo gol.

Um velho problema que parecia superado voltou a aparecer. Em falha da defesa palmeirense, Felipe encontrou Amaral livre na entrada da área. O volante ainda teve tempo para dominar e chutar, obrigando Deola a evitar o empate.

Já no fim do primeiro tempo, outra chance do Palmeiras. Luan invadiu a área com a bola dominada e bateu cruzado. Wellington Monteiro furou e a bola ainda desviou na perna de Tinga, antes de Harlei fazer outra defesa.

Final quente!

O Goiás voltou do intervalo com Jones no lugar de Bernardo, e passou a impor mais velocidade no ataque. Logo aos 5 minutos, já tinha criado duas boas chances com Amaral. Aos 12 minutos, Danilo recuou na fogueira para Deola, que afastou no reflexo.

Sem criatividade em ambos os lados, o jogo se arrastou até a metade do segundo tempo. O Palmeiras mantinha a bola no campo de ataque a maior parte do tempo, mas não conseguia ampliar a vantagem. Nos contra-ataques, o Goiás obrigava Deola a trabalhar tudo que não havia trabalhado na primeira etapa.

Aos 20 minutos, Tinga teve três boas chances invadindo a área pela lado direito, mas a finalização teve sempre o mesmo destino: a linha de fundo. Aos 30, Kléber ajeitou para Lincoln de frente para o gol. O meia foi fominha e não tocou para Gabriel Silva, livre pelo lado esquerdo. O chute desviou no zagueiro e passou longe do gol.

O caminho parecia ser mesmo pelo lado direito. Márcio Araújo recebeu de Lincoln, aos 35 minutos, e chutou cruzado, de longe. A bola saiu com muita força e estufou as redes da equipe goiana pela segunda vez na partida.

A vantagem no placar incendiou o final do jogo na Arena Barueri, para a surpresa da pouca torcida presente. O gol do Goiás aos 38 minutos foi suficiente para ameaçar o domínio do Palmeiras, que se desesperou. Carlos Alberto tocou de cabeça e, na dúvida se a bola entrou ou não, Jones mandou para dentro do gol.

Já no final, o Palmeiras parecia sepultar qualquer possibilidade de reação do Goiás com Dinei. Na cobrança de falta de Luan, o atacente se antecipou à marcação e cabeçeou para ampliar o placar. 3 a 1 para o Verdão e tranquilidade no placar, certo? Errado. Aos 44, o improvável: em rebote de Deola no chute de Rafael Moura, Éverton Santos só teve o trabalho de empurrar para o gol e marcar o segundo do Goiás.

Mesmo com o sufoco no final, o Palmeiras venceu a 11ª partida no Brasileiro e colou no G4. Caso não vença a Sul-Americana, o Verdão está de volta na briga pelo G4 do Campeonato Brasileiro…

FICHA TÉCNICA:
PALMEIRAS 3 X 2 GOIÁS

Estádio: Arena Barueri, Barueri (SP)
Data/hora: 29/10/2010 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Djalma José Beltrami Teixeira (RJ)
Auxiliares: Altemir Hausmann (Fifa-RS) e João L. Coelho de Albuquerque (RJ)
Renda/público: R$ 136.815,00 / 5.811 pagantes
Cartões amarelos: Kléber, Luan (PAL); Douglas, Rafael Tolói, Jonílson, Amaral (GOI)
GOLS: Tinga, 21’/1ºT (1-0); Márcio Araújo, 35’/2ºT (2-0); Carlos Alberto 38’/2ºT (2-1); Dinei, 42’/2ºT (3-1); Everton Santos, 44’/2ºT (3-2)

PALMEIRAS: Deola, Márcio Araújo, Danilo, Fabrício e Gabriel Silva; Edinho, Pierre, Tinga e Lincoln (Patrik, 42’/2ºT); Luan e Kleber (Dinei, 35’/2ºT). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

GOIÁS: Harlei, Douglas (Carlos Alberto, 33’/2ºT), Rafael Tolói, Ernando e Wellington Saci; Jonílson (Everton Santos, 10’/2ºT), Amaral, Wellington Monteiro, Bernardo (Jones, Intervalo); Felipe e Rafael Moura. Técnico: Jorginho.

outubro 30, 2010 Posted by | Goiás, Palmeiras | , | Deixe um comentário

Verdão e Goiás tentam voltar as atenções ao Brasileirão

Com a cabeça na Sul-Americana, equipes se enfrentam no campeonato nacional neste sábado

O Palmeiras tenta deixar a partida de volta das quartas de final da Copa Sul-Americana de lado neste fim de semana. Pelo Campeonato Brasileiro, o Verdão encara o desesperado Goiás neste sábado, às 18h30, na Arena Barueri. O Esmeraldino, também classificado na competição internacional, está na zona de rebaixamento e também busca voltar o foco para o nacional.

Para conseguir voltar a “levar o Brasileirão a sério”, o técnico luiz Felipe Scolari terá alguns importantes desfalques. Um deles é o volante Marcos Assunção, que suspenso, ficará fora da equipe após uma sequência de 12 jogos no time titular e cinco gols marcados nesta série.

O outro é o Mago Valdivia, que após sofrer alguns jogos com uma fibrose na coxa esquerda, finalmente irá parar de atuar e dar um tempo para se recuperar. O chileno só deve voltar á equipe do Verdão no dia 10 de novembro, em partida válida pelas quartas de final da Copa Sul-Americana.

Para a vaga de Assunção, Pierre deve entrar. Já no lugar do Mago, Rivaldo e Lincoln são os principais candidatos à escolha de Felipão. O restante do time permanece o que vem atuando nos jogos do Brasileirão e da Sul-Americana.

Cinco vitórias em sete jogos. Esse é o pensamento fixo no Goiás, que já quer começar a colocar isso em prática na partida deste sábado contra o Palmeiras. Para o time esmeraldino, que luta para sair da zona de rebaixamento a todo custo, qualquer resultado que não seja a vitória na Arena Barueri é considerado ruim. Derrota é termo jamais mencionado pelos lados do alviverde goiano.

– Agora precisamos focar no Brasileiro e tentar conseguir cinco vitórias, que só assim a gente consegue sair dessa situação. Não podemos nem pensar em empate nessa partida, precisamos sim de uma vitória. A gente precisa tentar de todas as maneiras conseguir um bom resultado – declarou o volante Amaral, que já viveu situação semelhante no clube em 2007 e ajudou o time a se salvar na última rodada.

Amaral é um dos jogadores intocáveis do técnico Jorginho e do Goiás nesta Série A. Ele é o jogador que mais entrou em campo com a camisa esmeraldina, somando 26 jogos dos 31 disputados. O volante está confirmado para a partida, mas o time ganhou um desfalque de último hora. O zagueiro Marcão, ex-Palmeiras, sentiu uma lesão na região da costela, desde o jogo contra o Avaí no último domingo, e está vetado. Valmir Lucas fica com a vaga.

Outra mudança que pode acontecer é a saída do camisa 10 da equipe esmeraldina, o meia Bernardo, que foi um dos mais vaiados na última partida pela Copa Sul-Americana, e pode perder espaço para Carlos Alberto, a quem Jorginho considera um meia, e não volante. Mesmo se ficar fora dos onze iniciais, Bernardo espera poder ajudar a equipe de alguma maneira e aponta: o time não pode mais errar.

FICHA TÉCNICA:
PALMEIRAS X GOIÁS

Estádio: Arena Barueri, em Barueri (SP)
Data/hora: 29/10/2010 – 18h30 (de Brasília)
Árbitros: Djalma José Beltrami Teixeira (RJ)
Auxiliares: Altemir Hausmann (Fifa-RS) e João L. Coelho de Albuquerque (RJ)

PALMEIRAS: Deola, Márcio Araújo, Danilo, Fabrício e Gabriel Silva; Edinho, Pierre, Tinga e Lincoln (Rivaldo); Luan e Kleber. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

GOIÁS: Harlei, Valmir Lucas, Rafael Tolói e Ernando; Douglas, Amaral, Wellington Monteiro, Bernardo e Wellington Saci; Rafael Moura e Felipe. Técnico: Jorginho.

outubro 29, 2010 Posted by | Goiás, Palmeiras | , | Deixe um comentário

Goiás bate o rival direto Avaí e fica a três pontos do primeiro fora do Z-4

Gol de pênalti de Bernardo garante o triunfo do time goiano, que ultrapassa o adversário catarinense na tabela de classificação (31 pontos contra 30)

O Goiás recebeu neste domingo o Avaí, no Serra Dourada, e conseguiu vitória muito importante em sua luta contra o rebaixamento. Bernardo, de pênalti, fez o gol do triunfo por 1 a 0. A partida foi válida pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Com o resultado, ambas as equipes seguem na zona de rebaixamento. O Goiás, entretanto, ultrapassou o Avaí e tem agora 31 pontos, um a mais que o rival. O esmeraldino passou a ficar três pontos abaixo da primeira equipe fora da zona da degola.

O confronto foi o primeiro de três que os dois clubes vão travar num curto espaço de tempo. Os outros dois, válidos pela Copa Sul-Americana, acontecem nesta quartas-feira (27) e no dia 11 de novembro.

Avaí começa bem nos contra-ataques

A duas equipes optaram por esquemas com três zagueiros para o início do jogo. O Goiás, desde o apito inicial, demonstrou mais volume de jogo, mas foi o Avaí, nos contragolpes, que levou perigo primeiro. Em duas oportunidades, Roberto foi lançado nas costas da zaga e saiu na cara do goleiro Harlei, que em ambas as situações fez grandes defesas e salvou o esmeraldino.

Aos poucos, o Goiás conseguiu transformar o maior volume em chances. Explorando o lado direito de seu ataque, o time da casa criou oportunidades por meio de Éverton Santos, o substituto do suspenso Rafael Moura (fez dupla com Felipe no ataque). Primeiro, o atacante serviu Bernardo, que perdeu gol incrível na pequena área. Depois, ele mesmo chutou forte e obrigou Zé Carlos a espalmar para fora com dificuldade.

Pênalti bobo dá vantagem ao Goiás

Quando o primeiro tempo já caminhava para o fim, o Goiás encontrou seu gol. Aos 42, após cruzamento da direita, Marcos se enroscou com Bernardo dentro da área e a arbitragem marcou pênalti. O próprio Bernardo bateu firme e pôs o Verdão do Cerrado em vantagem.

Depois do intervalo, o Avaí voltou com Válber no lugar de Robinho não função de ligação com o ataque. O time catarinese mostrou-se ligeiramente mais ousado, embora não tenha tido facilidade para ameaçar o gol do rival.

No Goiás, aos 8 minutos, Valmir Lucas entrou na vaga do zagueiro Marcão, que além de já ter um cartão amarelo, reclamava de dores nas costelas. Precisando do resultado, o Avaí chegou a ameaçar o Goiás, principalmente em jogadas aéreas. Válber e Diogo Orlando chegaram a perder chances em cabeçadas.

Goiás se fecha e segura o resultado

Preocupado, o técnico Jorginho resolveu fechar o meio do campo e trocou Bernardo por Carlos Alberto. Ao contrário do primeiro tempo, foi o Goiás quem passou a atuar explorando os contra-ataques, principalmente depois que Vagner Benazzi lançou o atacante Vandinho na vaga do ala Marcos.

O jogo ficou mais movimentado, com chances de gol para os dois lados. Wellington Monteiro acertou a trave avaiana com um chute de fora da área que desviou na zaga. Pouco depois, aos 28, Roberto teve a chance do empate, mas a bomba foi em cima de Harlei, que fez grande defesa.

Aos 34, Jorginho armou de vez o ferrolho esmeraldino: tirou o atacante Felipe para lançar o volante Jonílson. O expediente deu certo, e o Goiás segurou o resultado positivo. Pouco antes do apito final, Bruno Silva fez falta violenta em Jonílson e levou o vermelho direto. Foi o último suspiro dos avaianos.

GOIÁS 1 X 0 AVAÍ
Harlei; Ernando, Rafael Tolói e Marcão (Valmir Lucas); Douglas, Amaral, Wellington Monteiro, Bernardo (Carlos Alberto) e Wellington Saci; Éverton Santos e Felipe (Jonílson). Zé Carlos; Emerson Nunes, Leo San e Bruno Silva; Marcos (Vandinho), Diogo Orlando (Danielzinho), Rudnei, Caio e Eltinho; Robinho (Válber) e Roberto.
Técnico: Jorginho. Técnico: Vagner Benazzi.
Gol: Bernardo, aos 42 minutos do primeiro tempo.
Cartões amarelos: Marcão, Valmir Lucas, Amaral (GOI), Marcos e Eltinho (AVA). Cartão vermelho: Bruno Silva (AVA).
Data: 24/10/2010. Estádio: Serra Dourada, em Goiânia. Árbitro: Leandro Vuaden (Fifa-RS). Assistentes: Ednílson Corona (Fifa-SP) e Paulo Ricardo Silva Conceição (RS).

outubro 24, 2010 Posted by | Avaí, Goiás | | Deixe um comentário

Goiás e Avaí fazem prévia da Copa Sul-Americana

Equipes, que vão se enfrentar pelas quartas de final da competição latina, lutam contra o rebaixamento no Brasileiro

Goiás e Avaí fazem neste domingo, às 16h, no Serra Dourada, uma prévia do confronto pelas quartas de final da Copa Sul-Americana.

Assim como na competição latina, a partida terá um caráter decisivo. Explica-se: tanto Avaí (30 pontos) quanto Goiás (28), estão na zona de rebaixamento e precisam da vitória para respirar e seguir com chances de escapar de uma queda para a Segunda Divisão.

O Goiás teve uma má notícia na última sexta-feira: a suspensão de Rafael Moura em julgamento do STJD por dois jogos. O jogador já cumpriu um, mas fica fora do confronto de seis pontos contra os catarinenses.

O técnico Jorginho lamentou o desfalque, principalmente por não ter mais nenhum atleta com as mesmas características de Rafael. Mesmo assim, o treinador confirmou que vai Éverton Santos, expulso na quarta-feira contra o Peñarol, será o substituto do camisa 9 ao lado de Felipe.

– Vamos entrar com o Éverton e o Felipe, eu queria ter um jogador de referencia, mas não consegui contratar e por isso vamos ter que explorar a velocidade dos dois. São dois jogadores que jogam muito pelas laterais, mas é importante que eles não fiquem muito distantes um do outro. Não podemos perder de forma nenhuma dentro de casa, ainda mais contra um adversário direto – ressaltou o treinador.

Jorginho deve manter a mesma base da equipe que enfrentou o Peñarol, mas deixou a possibilidade de fazer algumas modificações, como a entrada de Rafael Toloi e Carlos Alberto no time titular. Quem permanece com moral é Marcão, que quer quebrar o tabu contra o Avaí: nos quatro jogos oficiais entre a equipe, o Goiás não venceu nenhum. Marcão acredita que a partida será tensa e que o adversário é muito perigoso, mas que o Goiás não pode pensar em errar.

Avaí

Animado pela heroica classificação na Sul-Americana, diante do Emelec (EQU), na última quinta-feira, o Avaí espera conseguir uma vitória em Goiânia para tentar deixar a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. A partida deste domingo vai servir também para o Leão conhecer melhor o Goiás, seu próximo adversário na competição latina.

– Vamos respeitar o Goiás, mas iremos atrás da vitória. Sabemos que é um adversário difícil, mas queremos para vencer – avisou o meia Caio.

Em campo, o técnico Vagner Benazzi não vai poder repetir a escalação do segundo tempo contra os equatorianos, quando o time alviceleste jogou seu melhor futebol. Isso porque o zagueiro Emerson e o meia Jeferson se machucaram durante o último jogo e nem viajaram com a delegação catarinense.

Na defesa, Benazzi deve optar pela entrada do zagueiro Léo San. No meio, Valber, que entrou muito bem contra o Emelec é o mais cotado para jogar no lugar antes ocupado por Jeferson. Por conta dos diversos problemas de lesão (Rafael, Gabriel, Patric, Marcinho Guerreiro, Rodrigo Thiesen, Leandro Bonfim e Sandro), alguns atletas das categorias de base podem aparecer.

FICHA TÉCNICA:
GOIÁS X AVAÍ

Estádio: Serra Dourada, em Goiânia (GO).
Data/hora: 24/10/2010, às 16h (de Brasília).
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS).
Auxiliares: Ednilson Corona (SP) e Paulo Ricardo Silva Conceição (RS).

GOIÁS: Harlei, Valmir Lucas, Ernando (Rafael Toloi) e Marcão; Douglas, Amaral, Wellington Monteiro, Bernardo e Wellington Saci; Felipe e Everton Santos.
Técnico: Jorginho.

AVAÍ: Zé Carlos, Marcos, Emerson Nunes, Léo San e Eltinho; Bruno, Rudnei, Caio e Valber; Robinho e Roberto.
Técnico: Vagner Benazzi.

outubro 24, 2010 Posted by | Avaí, Goiás | , | Deixe um comentário

Goiás perde de virada para o Peñarol, mas deixa crise de lado e avança

Em momento complicado no Campeonato Brasileiro, Esmeraldino é batido por 3 a 2, mas se classifica para as quartas de final da Copa Sul-Americana

O Goiás deixou a crise de lado, nesta quarta-feira, e deu um importante passo na direção de uma vaga na Taça Libertadores de 2011. Mesmo derrotado por 3 a 2 pelo Peñarol, no Centenário, em Montevidéu, o Esmeraldino – que amarga a penúltima colocação do Campeonato Brasileiro – conquistou a inédita classificação para as quartas de final da Copa Sul-Americana, já que venceu a partida de ida, no Serra Dourada, por 1 a 0. Após abrir o placar, com Rafael Moura, na etapa inicial, os brasileiros viram os donos da casa virar o jogo antes do intervalo. Mas um gol heroico de Carlos Alberto, no segundo tempo, deixou o time do técnico Jorginho mais perto da vaga, que nem a bomba de Martinuccio, nos minutos finais, foi capaz de tirar.

O próximo adversário do Goiás será o vencedor do duelo entre Avaí e Emelec, do Equador, que se enfrentam nesta quinta, na Ressacada – no primeiro jogo, a equipe catarinense perdeu por 2 a 1.

goiás comemora gol contra o penarolJogadores do Goiás comemoram no estádio Centenário, em Montevidéu (Foto: AFP)

He-Man faz gol de placa; uruguaios viram

Apesar do previsível início, com os donos da casa pressionando por conta da derrota em Goiânia, a primeira etapa foi repleta de surpresas para as duas equipes. Com o Peñarol se lançando à frente, o Goiás teve boas oportunidades em contra-ataques. Logo aos dois minutos, Rafael Moura se impôs em disputa pela bola no meio de campo, passou para Douglas, livre pela direita, mas a conclusão foi nas mãos do goleio Sebastián Sosa. Aos 12, em jogada semelhante, Bernardo avançou pelo meio, mas, com Rafael Moura aberto na esquerda e Felipe na direita, demorou a se decidir e acabou desarmado na entrada da área.

Aos uruguaios, faltava qualidade nas investidas ao gol de Harlei. Tanto que, aos 13, Ramis recebeu pela direita e tentou o chute da entrada da área, mas a bola saiu pela lateral esquerda. A primeira surpresa da partida veio aos 16, no lançamento na medida de Marcão para Rafael Moura, dentro da área uruguaia. O He-Man dominou no peito, fintou de uma só vez dois marcadores e o goleiro e, de canhota, estufou as redes. Um gol de placa para deixar os esmeraldinos confortáveis e confiantes na classificação.

Sem outra opção, o Peñarol foi atrás dos três gols necessários para seguir vivo na competição. E antes do apito final, completou boa parte da tarefa. Aos 37, Ramis recebeu na direita, e Valmir Lucas cortou de cabeça. Da entrada da área, Dario Rodriguez fez o domínio e chutou. A bola desviou no meio do caminho, e mesmo assim Harlei defendeu, no susto. Caído no chão, o camisa 1 pouco pôde fazer quando Corujo apareceu por entre os defensores e aproveitou o rebote para empatar.

A pressão dos mandantes só fez aumentar. Aos 40, Solari invadiu a área pela esquerda e chutou cruzado, para nova defesa de Harlei. Dois minutos depois, Dario Rodriguez bateu forte, e Valmir Lucas salvou com o pé direito. Mas no lance seguinte, não teve jeito. Após cobrança de lateral para a área, Ernando rebateu muito mal, para a entrada da área, e deu a Marcelo Sosa a oportunidade perfeita para mandar uma bomba rasteira, no canto esquerdo de Harlei, e virar o jogo.

Expulsão e gol heroico no contra-ataque

O técnico Jorginho fez apenas uma alteração no intervalo: Everton Santos no lugar de Bernardo. Mas o jogador só ficou em campo por 11 minutos. Com três minutos de bola rolando, o meia recebeu o cartão amarelo por falta na intermediária, e aos 11 foi imprudente em disputa de bola com Guillermo Rodriguez, atingindo o rosto do zagueiro uruguaio com um chute: segundo amarelo e expulsão.

Por conta do cartão vermelho, provavelmente pensando em reforçar a marcação, o técnico Jorginho chamou aquele que seria o herói da partida e trocou Felipe – em noite de atuação apagada – por Carlos Alberto.

sosa e douglas, penarol x goiásMarcelo Sosa disputa a bola com Douglas: time
uruguaio venceu de virada (Foto: EFE)

Com um a mais e precisando de um gol para se classificar, o técnico Manuel Keosseian pôs outros três atacantes em campo. Mejía, Diego Alonso e Palácios. Mas a falta de qualidade voltou a segurar o ímpeto dos uruguaios.

Aos 31, saiu o lance decisivo do jogo. Harlei cobrou tiro de meta com um chutão para frente, Rafael Moura desviou de cabeça, e a bola foi parar nos pés de Carlos Alberto, pela esquerda. O volante deixou Guillermo Rodriguez para trás, invadiu a área e bateu cruzado para deixar tudo igual no placar: 2 a 2.

O Peñarol não se entregou. Precisando de mais dois gols para avançar, o time chegou à metade do caminho, aos 39. Após levantamento na área goiana, Martinuccio aproveitou a sobra e chutou forte no canto esquerdo de Harlei. O terceiro gol uruguaio incendiou o fim da partida e obrigou os esmeraldinos a redobrarem as atenções. Aos 45, Alonso subiu mais que a defesa, em  cruzamento da direita, e cabeceou, tirando tinta do travessão de Harlei. Mas não passou de um susto, e o apito final do árbitro Carlos Amarilla fez nascer novo ânimo no time do Centro-Oeste para o restante da temporada.

PEÑAROL 3 X 2 GOIÁS
Sebastián Sosa; Corujo (Diego Alonso), Alcoba, Guillermo Rodríguez e Darío Rodríguez; Marcelo Sosa, Arévalo Ríos, Ramis (Mejía) e Solari (Palacios); Martinuccio e Pacheco. Harlei; Ernando, Valmir Lucas e Marcão; Douglas, Amaral (Jonílson), Wellington Monteiro, Bernardo (Everton Santos) e Wellington Saci; Felipe (Carlos Alberto) e Rafael Moura.
Técnico: Manuel Keosseian. Técnico: Jorginho.
Gols: Rafael Moura, aos 16, Corujo, aos 37, e Marcelo Sosa, aos 43 minutos do primeiro tempo. Carlos Alberto, aos 31, e Martinuccio, aos 39 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Arévalo Rios (Peñarol). Everton Santos e Rafael Moura (Goiás). Cartões vermelhos: Everton Santos (Goiás).
Estádio: Centenário, em Montevidéu-URU. Data: 20/10/2010. Horário:19h30m (de Brasília). Árbitro: Carlos Amarilla (Paraguai). Assistentes:Nicolás Yegros (Paraguai) e Rodney Aquino (Paraguai).

outubro 20, 2010 Posted by | Goiás | , | Deixe um comentário

Goiás visita o Peñarol e busca uma classificação inédita

Time esmeraldino jamais passou da primeira fase internacional da Copa Sul-Americana e terá pela frente uma verdadeira batalha no Uruguai

O Goiás esquece o Campeonato Brasileiro e volta suas atenções para o difícil jogo, contra o Peñarol, nesta quarta-feira, às 19h30m (de Brasília), no estádio Centenário, em Montevidéu. O confronto vale uma vaga nas quartas de final da Copa Sul-Americana e o Esmeraldino, que venceu o primeiro jogo por 1 a 0, joga pelo empate ou por derrota por um gol de diferença, desde que balance a rede do adversário. O classificado para a próxima fase enfrentará o vencedor do confronto entre Avaí e Emelec

Nos anos anteriores em que disputou a Sul-Americana, o esmeraldino não teve sucesso com rivais não-brasileiros. Em 2007, o Goiás parou diante do Arsenal (Argentina) e, em 2009, caiu para o Cerro Porteño (Paraguai).

Para a partida, o técnico Jorginho terá a volta do meia Bernardo, que cumpriu suspensão pela Série A do Brasileiro, e pode reaparecer na vaga de Wellington Saci, que deve voltar à lateral esquerda. Rafael Toloi é outra opção. O zagueiro está recuperado de lesão muscular e foi reserva na derrota de 1 a 0 para o Atlético.

O lateral esquerdo Júnior ficou em Goiânia por opção de Jorginho, que tem poupado o veterano em alguns jogos. Outro ala, Douglas, terá de se recuperar de contusão no pé. Wendel Santos é opção.

A equipe do Peñarol conta com o apoio de sua calorosa torcida no estádio Centenário. O atacante Estoyanoff é a grande esperança de gols do técnico Manuel Keosseian. No meio, o volante Arévalo Ríos, que esteve na Copa do Mundo, tem a responsabilidade de comandar o sistema defensivo uruguaio. A diretoria uruguaia espera casa cheia nesta quarta-feira.

PEÑAROL X GOIÁS
Sebastián Sosa, Corujo, Alcoba, Guillermo Rodríguez e Albín (Darío Rodríguez); Arévalo Ríos, Marcelo Sosa, Aguirregaray e Martinuccio; Estoyanoff e Pacheco.. Harlei, Wendel Santos, Valmir Lucas, Ernando, Jadilson(Wellington Sacci), Amaral, Wellington Monteiro, Carlos Alberto, Bernardo, Jones e Everton Santos
Técnico: Manuel Keosseian. Técnico: Jorginho.
Data/Hora: 20/10/2010, às 19h30m (de Brasília). Estádio: Centenário, Montevidéo-URU. Árbitro: Carlos Amarilla (Paraguai). Assistentes: Nicolás Yegros (Paraguai) e Rodney Aquino (Paraguai).
O SporTV transmite a partida ao vivo. O GLOBOESPORTE.COM acompanha em Tempo Real.

outubro 20, 2010 Posted by | Goiás | , | Deixe um comentário