Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Cruzeiro vence o Atlético-MG e conquista o Mineiro

Wallyson e Gilberto marcaram os gols da Raposa na Arena do Jacaré. Foi a primeira derrota de Dorival no clássico

O Cruzeiro é o Campeão Mineiro de 2011. Neste domingo, os comandados do técnico Cuca conquistaram o 37° título da Raposa na competição – contando com o Supercampeonato de 2002 – ao derrotar o rival Atlético-MG por 2 a 0, na Arena do Jacaré em Sete Lagoas.

O primeiro gol da Raposa veio apenas aos 30 minutos do segundo tempo com Wallyson, dois minutos após Magno Alves desperdiçar grande chance de gol. O segundo veio aos 42, após bela cobrança de falta de Gilberto. A derrota deste domingo foi a primeira de Dorival Júnior no comando do Atlético contra o Cruzeiro.

O jogo:

A necessidade da vitória para conquistar o título fez o Cruzeiro buscar o ataque desde o início do Superclássico. Com Marquinhos Paraná e Leandro Guerreiro alternando na lateral direita e Everton e Gilberto na esquerda, a Raposa – sem Montillo, que cumpriu suspensão automática – pressionou o Atlético nos minutos iniciais da partida sob a batuta de Roger e empolgado pela presença da torcida cruzeirense na Arena do Jacaré.

Explorando a velocidade de Thiago Ribeiro e Wallyson, o Cruzeiro ameaçava o gol de Renan Ribeiro, mas tinha dificuldades para criar uma boa oportunidade de gol, já que o Atlético, além de marcar com eficiência, buscava o ataque, apesar de ter a vantagem do empate para ser campeão. Magno Alves, com muita velocidade era a válvula de escape do Galo, mas tinha de vencer Gil e Victorino. Além disso, camisa 11 do Atlético não tinha a companhia de Mancini no ataque.

As chances de Roger

O Atlético até ofereceu certa resistência no início do clássico. No entanto, o Cruzeiro tomou as rédeas da partida e teve duas boas oportunidades para abrir o placar. Ambas com Roger. Aos 22 minutos, Thiago Ribeiro venceu a marcação de Guilherme Santos e cruzou para o camisa 7 – que não esperava a furada de Serginho – e não finalizou com força, o que favoreceu Renan Ribeiro. Já aos 28, Roger cobrou falta de longe e o camisa 30 do Galo fez boa defesa.

Nada de gols…

O Cruzeiro era o Senhor do jogo,  mas não alcançou o seu objetivo no primeiro tempo. Wallyson, aos 31 minutos, após falha de Renan Ribeiro, teve duas chances de gol, mas não aproveitou. Sem gol e vendo o título de aproximando do rival, a Raposa ainda correu o risco de ficar em situação ainda mais delicada. Aos 32 minutos, Magno Alves só não marcou graças ao corte providencial de Gil. Primeiro tempo sem gols e com o Atlético campeão.

Segundo tempo:

O Galo voltou com duas alterações para os últimos 90 minutos do Campeonato Mineiro. Renan Oliveira e Mancini, que pouco fizeram na primeira etapa, deixaram o clássico para as entradas de Claudio Leleu e Richarlyson, respectivamente. A intenção de Dorival Júnior era nítida: compactar ainda mais o seu setor de marcação e oferecer companhia a Magno Alves no ataque.

Aos 11 minutos, o gol cruzeirense quase veio. Gilberto lançou Thiago Ribeiro que passou para Roger finalizar para a boa defesa de Renan Ribeiro. Já o Atlético teve de mudar o seu esquema tático. Com a saída de Guilherme Santos, com dores na coxa esquerda, Dorival Júnior teve de colocar Richarlyson na lateral esquerda e com isso, o jovem Bernard foi à campo e aumentou o poderio ofensivo do Atlético, que pouco depois quase marcou. Aos 21 minutos, Leandro Guerreiro na saída de bola e Magno Alves finalizou para a grande defesa de Fábio.

Fábio, o paredão e Wallyson, o herói

Aos 28 minutos, o lance que poderia confirmar o título para o Galo. Magno Alves recebeu, sem marcação, e ficou cara a cara com Fábio, que tirou a bola dos pés do camisa 11 do Galo, que tentou lhe driblar. Dois minutos depois, Wallyson recebeu pela esquerda, passou pela marcação de Serginho e finaliza sem chances para Renan Ribeiro. Cruzeiro 1 a 0.

Wallyson ainda desperdiçaria grande chance aos 35 minutos, mas o gol perdido não faria falta. Aos 41 minutos, Serginho foi expulso após cometer falta em Thiago Ribeiro. Na cobrança, Gilberto, com maestria, venceu Renan Ribeiro. Cruzeiro 2 a 0 e título mais que confirmado.

Já nos últimos minutos do jogo, Gilberto e Roger, mesmo do banco de reservas, ainda seriam expulsos.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 2 X 0 ATLÉTICO-MG

Estádio: Joaquim Henrique Nogueira (Arena do Jacaré), em Sete Lagoas (MG)
Data/hora: 15/5/2011 às 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Wilson Luiz Seneme (SP)
Auxiliares: Émerson Carvalho (SP) e Marcelo Van Gasse (SP)
Renda/Público: R$293.414,00 – 17.384 pagantes.
Cartões amarelos: Victorino, Gilberto, Leandro Guerreiro, Gil e Fábio (CRU); Leonardo Silva, Mancini, Serginho e Bernard (ATL)
Cartões vermelhos: Serginho (ATL), aos 41’2T, Gilberto (CRU), aos 45’2T e Roger (CRU), aos 47’2T

Gols: Wallyson, aos 30’1T(1-0) e Gilberto, aos 42’2T(2-0)

CRUZEIRO: Fábio; Leandro Guerreiro, Gil, Victorino e Everton (André Dias, aos 18’2T); Marquinhos Paraná, Henrique (Fabrício, aos 26’2T), Roger (Léo, aos 33’2T) e Gilberto; Thiago Ribeiro e Wallyson. Técnico: Cuca

ATLÉTICO-MG: Renan Ribeiro; Patric, Réver, Leonardo Silva e Guilherme Santos (Bernard, aos 14’2T); Serginho, Fillipe Soutto, Renan Oliveira (Claudio Leleu, intervalo) e Giovanni Augusto; Mancini (Richarlyson, intervalo) e Magno Alves. Técnico: Dorival Júnior

maio 15, 2011 Posted by | Atlético-MG, Cruzeiro | | Deixe um comentário

Atlético vence primeiro jogo da final contra o Cruzeiro

Galo aproveita ressaca cruzeirense pela eliminação na Copa Libertadores e sai em vantagem na decisão do Mineiro

Apoiado pela Massa, o Atlético-MG saiu na frente na corrida pelo título mineiro, ao vencer o clássico deste domingo contra um Cruzeiro ainda de ressaca pela eliminação na Copa Santander Libertadores. O Galo fez 2 a 1 na Arena do Jacaré e leva uma importante vantagem para o segundo jogo da decisão, domingo. Só que no próximo encontro o mando e a torcida serão do Cruzeiro, que precisará de uma vitória por qualquer diferença de gols para ser campeão. O empate é atleticano.

O Galo fez a festa logo aos cinco minutos de jogo. Mancini sofreu falta de Pablo na esquerda do ataque atleticano. Ele mesmo cobrou e abriu o placar, contando com a colaboração do goleiro Fábio, que ficou parado no meio do gol, esperando um cruzamento. Foi o primeiro gol de Mancini desde que retornou da Itália.

Saiba primeiro as notícias do Galo e da Raposa!

Depois do gol, o Galo tirou o pé do acelerador e chamou a Raposa para o ataque. Mas o time cruzeirense não colocou a bola no chão e buscou o gol através do jogadas aéreas. Não teve sucesso, principalmente porque Montillo não deu o ar da graça.

GALERIA DE FOTOS: Veja as imagens da vitória atleticana

O Cruzeiro aproveitou o buraco na marcação atleticana e chegou ao empate aos 27 minutos. Montillo – que resolveu aparecer – arrancou como uma flecha da esquerda para o meio e deu um belo passe na área para Wallyson, que bateu firme e rasteiro no canto direito de Renan Ribeiro.

Um torcedor revoltado com o empate do Cruzeiro atirou uma bateria de celular nas costas de Wallyson e a agressão será relatada na súmula.

Mas a raiva atleticana passou rápido: só dez minutos. Aos 37, em uma jogada parecida com a que originou o gol celeste, o lateral-direito Patric – que estava sendo vaiado – recebeu dentro da área e bateu cruzado para recolocar o Galo em vantagem.

No intervalo, Cuca tentou acertar a marcação no setor direito da Raposa – por onde o Galo teve mais facilidade de atacar -, sacando Pablo e colocando Leandro Guerreiro. A mexida deu resultado. Mais pelo desinteresse do Atlético em atacar por aquele setor, do que pela atuação de Guerreiro.

Só que ofensivamente não houve reação do Cruzeiro, que não conseguiu criar chances para empatar. Enquanto isso, o Atlético ficou na espera de uma brecha na defesa adversária para aumentar o placar. E poderia ter feito o terceiro se o árbitro Paulo César Oliveira tivesse marcado pênalti em Neto Berola, que entrou no lugar de Magno Alves.

Para dificultar a missão de marcar um gol no clássico, Cuca ainda tirou o atacante Ortigoza e colocou o volante Fabrício. Depois de seis meses sem entrar em campo por conta de uma grave lesão, ele só conseguiu um cartão amarelo.

O Cruzeiro só assustou aos 35 minutos da etapa final, quando Gilberto recebeu o passe da esquerda na área e mandou uma pancada na trave. Única chance clara da Raposa, que não conseguiu empatar e vai ter que tentar reverter a vantagem do Galo no próximo domingo, se quiser o título mineiro. Para dificultar a missão celeste, o meia Montillo ainda foi expulso, já aos 46 do segundo tempo, e está fora da finalíssima.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG 2 X 1 CRUZEIRO

Local: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG)
Data/Hora: 8/5/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Paulo César de Oliveira (SP)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (SP) e Roberto Braatz (PR)
Renda e público: R$ 120.640,00 / 17.729 pagantes
Cartões amarelos: Serginho e Neto Berola (ATL); Ortigoza e Fabrício (CRU)
Cartões vermelhos: Montillo 45’/2ºT (CRU)
Gols: Mancini 5’/1ºT (1-0), Wallyson 27’/1ºT (1-1) e Patric 37’/1ºT (2-1)

ATLÉTICO-MG: Renan Ribeiro; Patric, Réver, Leonardo Silva e Guilherme Santos; Fillipe Soutto, Serginho, Bernard (Daniel Carvalho 23’/2ºT) e Giovanni Augusto; Mancini (Wendell 39’/2ºT) e Magno Alves (Neto Berola 18’/2ºT) – Técnico: Dorival Júnior.

CRUZEIRO: Fábio, Pablo (Leandro Guerreiro – Intervalo), Victorino, Gil e Everton; Marquinhos Paraná, Henrique, Gilberto (Dudu 36’/2ºT) e Montillo; Wallyson e Ortigoza (Fabrício 21/2ºT) – Técnico: Cuca.

maio 9, 2011 Posted by | Atlético-MG, Cruzeiro | | Deixe um comentário

Raposa perde jogo, a cabeça, e deixa a Libertadores

Nos acréscimos, Cuca deu uma cotovelada em Rentería. Raposa dá adeus ao tri ao perder para o Once Caldas em casa

O Cruzeiro foi impecável até então, era o dono da melhor campanha na Copa Santander Libertadores 2011. Mas os 90 minutos ruins desta quarta-feira bastaram para arruinar os planos de avançar no mata-mata e tentar o tricampeonato. Na Arena do Jacaré, o Once Caldas fez 2 a 0, com gols de Amaya e Moreno, e conseguiu inverter a desvantagem.

A partida teve dois jogadores expulsos. Roger, no primeiro tempo, para o Cruzeiro, e Carbonero, para o Once Caldas, na etapa final. Curiosamente, os gols colombianos saíram após o número de jogadores se igualar em dez para cada lado.

O primeiro tempo marcou um domínio do Once Caldas sobre o Cruzeiro. Com um futebol de posse de bola e jogadas agudas, a equipe colombiana ainda se aproveitou dos erros de passe dos celestes. Aliado a isso, houve também a expulsão do meia Roger, que cometeu duas faltas em carrinhos por trás e ganhou dois cartões amarelos. Ele deixou o gramado quando o relógio marcava 30 minutos de partida.

Antes, as melhores chances já eram do Once Caldas. Em uma delas, Rentería conseguiu boa finalização no canto de Fábio, que fez a defesa. Mas a melhor oportunidade aconteceu logo após o vermelho de Roger. Aos 34 minutos, o mesmo Rentería fez fila na intermediária mineira e finalizou bonito, tirando de Fábio pelo alto. Mas a bola ficou no travessão, para o alívio dos torcedores da Arena do Jacaré.

Antes do intervalo, a Raposa também teve ótima chance. Em passe de Gilberto, Ortigoza entrou sem marcação na área, mas finalizou para fora. Gilberto passou a jogar no meio de campo, já que Everton substituiu Farías para compor a lateral esquerda.

Na segunda etapa, a promessa de Cuca era de um futebol melhor, apesar de jogar com dez. Aos sete minutos, quase saiu o gol. Gilberto fez linda jogada com direito a chapéu e cruzou da direita. Mas o cabeceio de Ortigoza foi fraco e para o alto.

Aos 11 minutos, o Once Caldas também perdeu um jogador por expulsão. Carbonero subiu para disputar de cabeça com Henrique e usou o cotovelo no rosto do meia celeste. O árbitro presenteou o colombiano com o cartão vermelho.

Os colombianos, contudo, chegaram bem perto de abrir o placar aos 20 minutos. Nuñez fez linda jogada pela direita, deu dois cortes que deixaram três defensores da Raposa no chão mas finalizou para fora.

Aos 21 minutos, saiu o gol do Once Caldas. Em jogada de escanteio, Amaya subiu e Marquinhos Paraná só olhou. O defensor cabeceou no ângulo do camisa 1 Fábio.

Cinco minutos depois, Montoya transformou o jogo em pesadelo para o Cruzeiro. Ele marcou o segundo para o Once Caldas, após jogada pela esquerda dos colombianos. A bola sobrou livre para o atacante finalizar.

Lance polêmico aos 37 minutos. Gilberto recebeu na mesma linha de defesa, fez ótimo drible e marcou um golaço. Mas não valeu. O bandeira já havia levantado o braço e o árbitro apitado.

Em seguida, a pressão da Raposa continuava e Everton aproveitou passe errado do Once Caldas. Mas ele chutou para fora.

Mas o Once Caldas também estava ligado. Aos 42 minutos, Rentería chapelou Pablo e finalizou. Mas Fábio fez ótima defesa na saída do gol.

Nos acréscimos, confusão em campo. Cuca pegou uma bola na lateral e, na hora de devolver para Rentería, acabou dando uma cotovelada no atacante. O colombiano sangrou e os jogadores das duas equipes se desentenderam, mas não houve maiores brigas.

Cruzeiro 0 x 2 Onde Caldas (COL)

Local: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas
Data / Hora: 04/05/2011, às 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Antonio Arias (PER)

Auxiliares: Nicolas Yegros (PER) e Dario Gaona (PER)
Renda / Público: 14.972 / R$ 353.780,89
Cartões amarelos: Farías, Gil (CRU); Henríquez, Rentería (ONC)
Cartão vermelho: Roger, 30’/1ºT (CRU), Carbonero, 11’/2ºT (ONC)

GOLS: Amaya, 22’/2ºT (0-1), Moreno, 26’/2ºT (0-2)

Cruzeiro: Fábio; Pablo, Gil, Victorino e Gilberto; Marquinhos Paraná, Henrique (André Dias, 30’/2ºT), Roger e Walter Montillo; Ortigoza (Dudu, 22’/2ºT) e Ernesto Farías (Everton, 36’/1ºT). Técnico: Cuca.

Once Caldas: Luis Martínez; Elkin Calle, Diego Amaya, Alexis Henríques e Luis Nuñes; Alexander Mejía, Harrison Henao (Pajoy, 10’/2ºT), Claudio Mijabarre (Cuero, 20’/2ºT) e Carlos Carbonero; Dayro Moreno (Micolta, 38’/2ºT) e Wason Rentería. Técnico: Juan Carlos Osorio

maio 5, 2011 Posted by | Cruzeiro | , , | Deixe um comentário

Cruzeiro goleia o América/TO e mira a decisão do Mineiro

Em excelente partida dos meias Roger e Dudu, a Raposa goleou o Dragão novamente e se classificou para a final do Mineiro

A previsão era que o Cruzeiro, com a equipe reserva, se segurasse em campo e o América/TO, ciente da dificuldade que teria para reverter o resultado obtido pela Raposa em Teófilo Otoni (8 a 1), não causasse dificuldades ao time celeste no confronto disputado na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, válido pela semifinal do Campeonato Mineiro.

Entretanto, o que se viu foi bastante diferente. A Raposa, mesmo sem precisar de um resultado positivo, se lançou ao ataque e buscou uma nova vitória em Sete Lagoas. Contudo, desta vez, o placar foi menos elástico, 5 a 1 para o Cruzeiro.

Veja os gols da goleada do Cruzeiro sobre o América-TO

Com apenas dois titulares em campo, o Cruzeiro foi para cima do América/TO. Embora a Raposa tivesse uma ótima vantagem, que a permitia perder por até sete gols de diferença, seus reservas queriam mostrar serviço ao técnico Cuca.

A Raposa dominava as ações no início da primeira etapa, contudo, pecava no momento das finalizações. As melhores jogadas celestes saíam dos pés do meia-atacante Roger e do lateral Diego Renan. Acuado, o América/TO não conseguia sair para o jogo. A equipe cruzeirense conseguia fazer pressão na saída de jogo do Dragão.

Após tentar abrir o placar de todas as formas, o gol da Raposa saiu. Depois de um bom escanteio cobrado por Roger, a bola bateu em Pedro Ken e sobrou para o zagueiro Edcarlos finalizar para o fundo da rede de Fábio Noronha.

E o segundo gol celeste não demorou muito para sair. Roger cobrou falta, colocando a bola na cabeça de Pedro Ken, que deslocou do goleiro e saiu para comemorar com a torcida cruzeirense, que presenciava o confronto na Arena do Jacaré.

Na primeira boa jogada do América/TO na etapa inicial, o Dragão diminuiu a vantagem da Raposa no placar. Depois de bom cruzamento de Wellington Bruno, o zagueiro Rodrigo Sena conseguiu antecipar o goleiro Rafael para estufar a rede.

O panorama da partida não foi muito modificado após os gols. O Cruzeiro manteve o domínio da partida, tendo suas melhores jogadas com Roger, que estava em um bom dia. E o América/TO jogava fechadinho, tentando explorar a velocidade de seus atletas de meio de campo para acertar um contragolpe. O primeiro tempo terminou em 2 a 1 para a Raposa. Embora ambas tivessem bastante espaço no setor de criação, o ritmo do confronto era lento e cadenciado.

O segundo tempo começou quente! O América/TO trocou o goleiro Fábio Noronha, que se lesionou, por Eládio. Com menos de quatro minutos em campo, o novo defensor da meta americana já sofreu um gol. Novamente, Roger deu assistência e Edcarlos afundou as redes, mas, desta vez, um golaço!

Pouco tempo depois, o lateral-esquerdo Bruno Barros perdeu a cabeça após uma falta realizada por Dudu. O jogador jogou a bola no meia-atacante do Dragão e recebeu o cartão vermelho, complicando ainda mais a árdua missão do América/TO.

Após a expulsão de Bruno Barros, o Cruzeiro cresceu em campo. Com Roger e Dudu, a Raposa chegava ao ataque e criava excelentes jogadas, levando perigo ao gol de Eládio. O quarto gol do Cruzeiro saiu após uma excelente triangulação entre Pedro Ken, Farías e Dudu, que ficou com a bola de frente para o gol e estufou a rede de Eládio novamente.

Sem ter muito o que fazer e com bastante facilidade, o Cruzeiro trocava bolas no meio-campo e buscava o gol adversário, levando bastante perigo à meta defendida por Eládio.

Quando tudo parecia acabado, Dudu realizou excelente jogada pelo lado direito e deixou nos pés de Farías, que empurrou a bola para o fundo do gol.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO X AMÉRICA/TO

Local: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas
Data / Horário: 1/5/2011, às 16h
Árbitro: Cláudio Mercante (PE)
Auxiliares: Fábio Pereira (TO); Cleriston Rios (SE)
Público / Renda: 4.037 pagantes / R$ 35.405
Cartões amarelos: Marquinhos Paraná, Dudu e Éverton (CRU); Kássio (ATO)
Cartões vermelhos: Bruno Barros (ATO)

Gols: Ecarlos (17′ do 1ºT) (4′ do 2ºT), Pedro Ken (21′ do 1ºT), Rodrigo Sena (24′ do 1ºT), Dudu (27′ do 2ºT), Farías (44′ do 2ºT)

CRUZEIRO: Rafael; Diego Renan, Edcarlos, Léo e Éverton; Marquinhos Paraná (Leandro Guerreiro – intervalo), Pedro Ken (André Dias – 31′ do 2ºT), Dudu e Roger (Gilberto – 29′ do 2ºT); Farías e Ortigoza. Técnico: Cuca

AMÉRICA/TO: Fábio Noronha (Eládio – intervalo); Osvaldir, Rodrigo Sena, Júnior Pereira e Bruno Barros; Araújo, Luizinho, Kássio (Henrique – 30′ do 2ºT) e Wellington Bruno; Leandrinho (Flavinho – 18′ do 2ºT) e Chrys. Técnico: Gilmar Estevam.

maio 3, 2011 Posted by | Cruzeiro | | Deixe um comentário

No sufoco, Cruzeiro arranca vitória sobre o Once

Sem repetir o bom futebol de outros jogos, Raposa bate o Once Caldas por 2 a 1 e leva vantagem para Sete Lagoas

Foi complicado, mas o Cruzeiro conseguiu vencer o Once Caldas (COL), em Manizales, pela partida de ida das oitavas de final da Copa Santander Libertadores, nesta quarta-feira. O triunfo por 2 a 1, gols de Wallyson e Ortigoza – Nuñes descontou, serviu para deixar a equipe celeste tranquila para a partida de volta, na próxima quarta, na Arena do Jacaré.

Com a vitória, a Raposa chegou à sua décima vitória seguida na temporada, contando a Libertadores e também o Mineiro. Além disso, o time mineiro quebrou a invencibilidade do Once Caldas jogando em casa contra equipes brasileiras.

Mesmo com os desfalques de Thiago Ribeiro e Pablo, os comandados de Cuca souberam segurar o ímpeto dos donos da casa, com ao menos quatro boas defesas de Fábio, destaque do primeiro tempo. Estreante da noite, Brandão até que se movimentou bem, mas sem ritmo de jogo, sentiu falta do entrosamento com os companheiros.

O paraguaio Ortigoza, que entrou no decorrer da segunda etapa, mudou a história do jogo. Primeiramente ele cruzou uma bola na cabeça de Wallyson, que balançou a rede aos 27 minutos e tirou o Cruzeiro do sufoco. Depois, Ortigoza foi lançado com liberdade e deu números finais ao encontro.

No fim, Nuñes se aproveitou de bobeira de defesa e descontou para os colombianos.

Agora, o Cruzeiro volta suas atenções para o Campeonato Mineiro. No domingo, o adversário é o América-TO, em Sete Lagoas, pela segunda partida da semifinal. Na próxima quarta-feira, Cruzeiro e Once Caldas volta a se enfrentar, desta vez na Arena do Jacaré.

PRESSÃO COLOMBIANA

A partida começou muito agitada. Nos primeiros minutos, as duas equipes jogaram soltas e procuraram logo o ataque. O Cruzeiro levou perigo aos três minutos, quando Wallyson lançou Brandão no comando de ataque. O camisa 9 invadiu a área e bateu cruzado, mas Martínez fez grande defesa, impedindo o gol.

O Once respondeu em dois lances incríveis. Aos 11, Moreno arriscou chute da intermediária e acertou o travessão. Três minutos depois, Rentería achou Moreno livre dentro da área. O atacante finalizou fortemente e Fábio defendeu no reflexo, salvando a Raposa.

Depois disso, a partida ficou mais pegada no meio de campo, com domínio dos donos da casa. O Cruzeiro tinha dificuldades para sair jogando e até certa displicência nos passes. Aos poucos, porém, a Raposa foi se acertando em campo.

A cobertura celeste marcava bobeira nos lançamentos e constantemente os atacantes do Once Caldas entravam em velocidade pelos lados, levando perigo ao gol defendido por Fábio. No ataque, Brandão se movimentava bem, mas não se acertava com os novos companheiros.

O setor defensivo do Cruzeiro dava muitos espaços ao Once, sobretudo na cabeça de área. Aos 41, após longa troca de passes na frente da área celeste, Calle arriscou de longe e obrigou Fábio a espalmar para o lado. Dois minutos depois, Moreno recebeu dentro da área, girou para cima de Gil e chutou com força para novo milagre do arqueiro cruzeirense.

No fim do primeiro tempo ficou a impressão de que o Cruzeiro jogava aquém do seu potencial e o empate foi até bom resultado pelo que se viu em campo.

ORTIGOZA MUDA O JOGO

Na volta do intervalo, Cuca reforçou o setor defensivo, promovendo a entrada de Everton no lugar de Roger. Com a mudança, Gilberto passou a jogar no meio de campo, armando o jogo ao lado de Montillo. Aos sete minutos, Brandão arriscou chute com força de fora da área e obrigou Martínez a fazer bela defesa. Na sequência, foi a vez de Gilberto chutar de longe, mas por cima do gol.

A partida perdeu em qualidade técnica, com as duas equipes pouco inspiradas. O Once Caldas tinha mais posse de bola, mas não conseguia acertar o último passe, complicando a vida dos atacantes. Aos 21 minutos, Cuca trocou Brandão por Ortigoza, buscando dar mais mobilidade ao ataque.

Juan Carlos Osorio também fez mudanças, tentando aumentar o poder de ataque do Once Caldas. O atacante Micolta entrou no lugar do meia Mijabarre, enquanto o volante Henao deixou o campo para a entrada de González.

Mas as mudanças de Cuca deram mais retorno. Aos 27 minutos, em boa jogada de Montillo pela meia esquerda, o argentino tocou na linha de fundo para Ortigoza, que cruzou na cabeça de Wallyson. O camisa 16 testou no cantinho de Martínez, abrindo o placar para a Raposa. Foi o sétimo gol do atacante na Libertadores 2011, igualando-se ao argentino Nanni, do Cerro Porteño (PAR), no topo da artilharia do torneio.

Sem muita organização, o Once Caldas foi para cima da Raposa, que se segurou da maneira que conseguiu. O melhor momento dos colombianos foi aos 37 minutos, quando Moreno, dentro da área, finalizou para fora. O troco veio no lance seguinte. Ortigoza foi lançado com categoria por Montillo. O paraguaio invadiu a área e tocou com estilo na saída de Martínez: 2 a 0.

Aos 43 minutos, a defesa celeste marcou bobeira e Nuñes, de cabeça, descontou para o Once Caldas. O sufoco só aumentou, quando aos 45 minutos Fábio fez outra boa defesa em chute de fora da área.

Once Caldas 1×2 Cruzeiro

Estádio: Palogrande, em Manizales (COL)
Data/hora: 27/04/2011 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Victor Hugo Carrillo (PER)
Auxiliares: Cesar Escano (PER) e Jonny Bossio (PER)
Cartões amarelos: Mijabarre, Carbonero e Meijía (ONC); Henrique, Montillo e Gilberto (CRU)

Gols: Wallyson, aos 27’/2ºT, e Ortigoza, aos 38’/2ºT (CRU); Luis Nuñes, aos 43’/2ºT

ONCE CALDAS: Luis Martínez; Elkin Calle, Diego Amaya, Alexis Henríques e Luis Nuñes; Alexander Mejía, Harrison Henao (Mario González, 23’/2ºT), Claudio Mijabarre (Félix Micolta, 8’/2ºT) e Carlos Carbonero; Dayro Moreno e Wason Rentería. Técnico: Juan Carlos Osorio.

CRUZEIRO: Fábio; Marquinhos Paraná, Gil, Mauricio Victorino e Gilberto (Vítor, 37’/2ºT); Leandro Guerreiro, Henrique, Roger (Everton, intervalo) e Walter Montillo; Wallyson e Brandão (José Ortigoza, 21’/2ºT). Técnico: Cuca.

abril 28, 2011 Posted by | Cruzeiro | , | Deixe um comentário

Cruzeiro dá aula de futebol e humilha o América/TO

Montillo dá show e Raposa está com os dois pés na final do Campeonato Mineiro. A Páscoa chegou antes!

O Cruzeiro está praticamente com os dois pés na final do Campeonato Mineiro de 2011. Neste sábado, a Raposa, com show do argentino Montillo, goleou o América de Teófilo Otoni por 8 a 1, fora de casa, no Estádio Nassri Mattar, em Teófilo Otoni e está muito, muito próxima da final do Campeonato Mineiro.

No próximo domingo, as duas equipes voltam a se enfrentar. Desta vez, o confronto será na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, às 16h. Para se garantir na final do Mineiro, o Cruzeiro pode ser derrotado por sete gols de diferença.

Vale lembrar que no último domingo, o mesmo América de Teófilo Otoni foi goleado pelo Atlético-MG, por 7 a 1, também no Nassri Mattar. Na ocasião, as duas equipes já estavam garantidas na semifinal do Campeonato Mineiro.

Os gols da Raposa em tempo real no seu celular!

Jogo:

Jogo truncado, de muitas faltas e muita marcação no Nassri Mattar. Assim foi o início do confronto entre Cruzeiro e América de Teófilo Otoni. Necessitado da vitória, para inverter a vantagem cruzeirense, o América até pressionou o Cruzeiro e teve algumas oportunidades para abrir o placar. No entanto, os comandados de Gilmar Estevam tinham dificuldade para vencer a marcação azul. Jonatas Obina e Rogélio Ávila tinham de deixar a grande área para buscar o jogo e só Wellington Bruno ofereceu real perigo ao Cruzeiro. Aos 13 minutos, o camisa 10 cobrou falta e Fábio teve de fazer a intervenção.

Com o passar dos minutos, o Cruzeiro encaixou o seu jogo e, a partir de então, o que se viu foi uma grande apresentação da Raposa. Aos 19 minutos, em bela jogada trabalhada pela direita do ataque cruzeirense – que começou com Rogélio Ávila e Araújo perdendo a bola ainda no campo de ataque do América – Montillo deixou Henrique à vontade entre a zaga do América. O camisa 8 recebeu e finalizou sem chances para Fábio Noronha: Cruzeiro 1 a 0.

Rasposa amplia com Gilberto:

O América tentou a resposta dois minutos depois. Osvaldir arriscou finalização de fora da área, mas não era tarefa das mais simples vencer Fábio, que fez a defesa sem grandes dificuldades. Exercendo uma marcação sob pressão, a Raposa voltou a ficar a cara a cara com o gol de Fábio Noronha e foi letal. Aos 31 minutos, Gilberto entrou como quis na pequena área americana, tabelou com Thiago Ribeiro e só teve o trabalho de tirar do alcance de Fábio Noronha. Cruzeiro 2 a 0. Uma verdadeira pintura de gol.

Gilberto comemora o segundo da Raposa (Foto: Leonardo Morais/Hoje em Dia/Futura Press)

O América, ciente de que teria de buscar três gols para inverter a vantagem do Cruzeiro, não diminuiu o seu ímpeto ofensivo. No entanto, os espaços eram poucos na pequena área do Cruzeiro e a melhor chance veio já aos 45 minutos, quando Rogélio Ávila cabeceou por cima do gol de Fábio.

Segundo tempo:

O América voltou para a segunda etapa disposto a mudar o panorama da partida. Em menos de quatro minutos, Leandrinho e Jonatas Obina tiveram boas oportunidades para diminuir o prejuízo diante de sua torcida. No entanto, o Cruzeiro não sentiu a pressão da equipe da casa. Aos nove minutos, Roger cobrou escanteio e o zagueiro Léo, sem marcação, cabeceou sem chances para Fábio Noronha. Cruzeiro 3 a 0.

A pressão passou a ser do Cruzeiro, que não diminui o seu ímpeto. A fome de gols da Raposa era grande. Aos 16 minutos, após novo escanteio de Roger, Léo voltou a vencer Fábio Noronha. Cruzeiro 4 a 0.

A situação do América piorou ainda mais aos 18 minutos, quando Gilberto fez grande jogada e tocou para Montillo, livre marcar o quinto da Raposa. Cruzeiro 5 a 0. Estava fácil, estava muito fácil.

Aos 20 minutos, enfim, veio o primeiro – e único – do América. Wellington Bruno arriscou finalização de fora da área, venceu o goleiro Fábio e fez o gol de honra da equipe da casa. Reação à vista? Não foi o que aconteceu.

Ainda Atordoado em campo, o América nada pôde fazer para impedir o poderio ofensivo do Cruzeiro. Aos 22 minutos, essa tarefa ficou ainda mais difícil. O zagueiro Luis Henrique reclamou em demasia e foi expulso pelo alagoano Francisco Carlos Nascimento. 

Cabia mais. Aos 30 minutos, Araújo derrubou Montillo próximo da pequena área e o árbitro marcou pênalti. Montilo cobrou e fez Cruzeiro 6 a 1. Três minutos mais tarde, Montillo marcou o seu terceiro gol após receber cara a cara com Fábio Noronha e encobrir o goleiro do América, que nada pôde fazer. Cruzeiro 7 a 1 no Nassri Mattar.

E ainda cabia mais. Sim, teve mais! Aos 40 minutos, o árbitro Francisco Carlos Nascimento marcou novo pênalti de Araújo, desta vez em Wallyson, que cobrou e fez Cruzeiro 8 a 1. Fim do show azul em Teófilo Otoni.

FICHA TÉCNICA:
AMÉRICA-TO 1 X 8 CRUZEIRO

Local: Estádio Nassri Mattar, em Teófilo Otoni (MG)
Data/hora: 23/4/2011 às 18h30 (horário de Brasília) 
Árbitro: Francisco Carlos Nascimento (AL)
Auxiliares: José Ricardo Maciel Linhares (ES) e Paulo César da Silva Faria (MT)
Renda/Público: R$ 91.910,00 – 3.389 pagantes.

Cartões amarelos: Luis Henrique, Leandrinho, Jonatas Obina e Araújo (AME); Montillo, Fábio e Gil (CRU)
Cartões vermelhos: Luis Henrique aos 22’2T

Gols: Henrique, aos 21’1T(0-1); Gilberto, aos 31’1T(0-2); Léo, aos 9’2T(0-3); Léo, aos 16’2T(0-4); Montillo, aos 18’2T(0-5); Wellington Bruno, aos 20’2T(1-5); Montillo, aos 31’2T(1-6); Montillo, aos 33’2T(1-7) e Wallyson, aos 41’2T(1-8).

AMÉRICA/TO: Fábio Noronha; Osvaldir, Luis Henrique, Junior Pereira e Bruno Barros; Kássio (Leandrinho, aos 36’1T), Felipe Dias, Araújo e Wellington Bruno; Jonatas Obina e Rogélio Ávila (Chrys, aos 32’2T). Técnico: Gilmar Estevam.

CRUZEIRO: Fábio, Pablo (Leandro Guerreiro, aos 24’2t) , Léo, Gil e Gilberto; Marquinhos Paraná, Henrique, Roger (Everton, aos 27’2T) e Montillo; Thiago Ribeiro (Farías, aos 27’2T) e Wallyson. Técnico: Cuca.

abril 23, 2011 Posted by | Cruzeiro | | Deixe um comentário

Montillo marca e Cruzeiro garante primeiro lugar

Raposa vence Uberaba e enfrenta o América de Teófilo Otoni na semifinal

O Cruzeiro não precisou se esforçar para garantir o primeiro lugar na primeira fase do Campeonato Mineiro. Com um gol de pênalti de Montillo, a Raposa venceu o Uberaba fora de casa por 1 a 0. Com o resultado, o time celeste vai enfrentar o América/To na semifinal.

Mesmo já classificado e poupando alguns titulares, a Raposa partiu para cima do Uberaba e quase abriu o placar com Ortigoza no primeiro lance do jogo. Já o Uberaba, que apenas cumpria tabela, não quis saber de ser coadjuvante e tentou atrapalhar os planos do time celes de terminar a primeira fase do Campeonato Mineiro em primeiro lugar.

Felipe, de cabeça, e Cadu, que entrou sozinho após passe de Marcinho, perderam as melhores chances da primeira etapa. Mesmo com o susto, o Cruzeiro era melhor e o gol foi questão de tempo. Aos 44 minutos, Marquinhos Paraná lançou Wallyson, que tocou para Ortigoza. O paraguaio foi derrubado pelo zagueiro Balduíno e o árbitro Emérson de Almeida Ferreira marcou o pênalti. Montillo cobrou com categoria e colocou a Raposa na frente.

Na volta do intervalo o Cruzeiro passou a administrar o resultado e se poupando. Já os donos da casa queriam ao menos um empate em casa. Contudo, esbarrava nos sucessivos erros de passe e chances desperdiçadas. A mais clara aconteceu com Hugo, que de cabeça na pequena área, perdeu a melhor chance do segundo tempo.

O técnico Cuca aproveitou para promover as entradas de jogadores que estavam sendo pouco aproveitados na temporada como Pedro Ken, Fabrício Carioca e Reis. Os dois últimos, inclusive, fizeram suas estreias com a camisa celeste.

FICHA TÉCNICA:

UBERABA 0 X 1 CRUZEIRO

Local: Uberabão, em Uberaba (MG)
Data/hora: 17/4/2011, às 16 horas
Árbitro: Emérson de Almeida Ferreira (CBF/FMF)

Renda e público: Não divulgados

Gols: Montillo (45’/1°T)

Cartões Amarelos: Everton(CRU); Cristiano Brasília, Balduíno e Rodrigão (UBE)

CRUZEIRO: Fábio, Pablo, Gil, Léo, Diego Renan (Fabrício Carioca 36’/2°T); Marquinhos Paraná, Everton, Henrique (Pedro Ken 22’/2°T) e Montillo (Reis 39’/2°T); Wallyson e Ortigoza . Técnico: Cuca

UBERABA: Fernando, Balduíno, Rodrigão, Felipe; Rômulo, Gabriel, Gustavo, Cristiano Brasília (Everton Maradona 20’/2°T) , Bruno Campos; Marcinho e Cadu (Hugo 20’/2°T). Técnico: Nenê Belarmino

abril 17, 2011 Posted by | Cruzeiro | | Deixe um comentário

Cruzeiro vence Estudiantes outra vez e é o melhor da Libertadores

Sem forçar, Raposa aplica 3 a 0 nos arentinos, em La Plata, e chega aos 16 pontos na fase de grupos

Invencível. Este é o Cruzeiro na Libertadores 2011. Nesta quarta-feira, a Raposa não tomou conhecimento do Estudiantes (ARG), em pleno Estádio Ciudad de La Plata, na Argentina, e venceu mais uma: 3 a 0, gols de Thiago Ribeiro, Wallyson e Gilberto.

A vitória leva o Cruzeiro aos 16 pontos, dos 18 possíveis até aqui. O clube mineiro encerra a fase de grupos com a melhor campanha entre as 32 equipes e terá vantagem de decidir sempre em casa nas disputas de mata-mata. O Estudiantes, que já estava classificado, fica com 10 pontos e será um dos melhores segundos.

Mesmo sem Montillo, que ficou em Belo Horizonte acompanhando uma delicada cirurgia de seu filho, o Cruzeiro mostrou um futebol imponente e consistente. Os Pinchas, que atuavam sem cinco titulares, poupados para o Campeonato Argentino, não conseguiram parar a inspirada dupla de ataque celeste.

Com os gols marcados em La Plata, Wallyson e Thiago Ribeiro se credenciam ainda mais à artilharia da competição. O camisa 11, que inaugurou o placar, chegou ao quarto gol, enquanto Wallyson fez seu sexto, um a menos do que Nanni, do Cerro Porteño (PAR).

Jogando em casa, esta foi apenas a terceira derrota da equipe argentina pela Libertadores, ao longo de 41 partidas na história. Além disso, o resultado elástico fez o Cruzeiro atingir outra importante marca. Com 20 gols na fase de grupos, o atual elenco celeste se iguala à própria marca de 1976, além do Blooming (BOL), em 1985, e o América de Cali (COL), em 2000.

Agora, o Cruzeiro concentra suas forças no Campeonato Mineiro, competição na qual também está prestes a garantir a primeira colocação. A Raposa só conhecerá seu adversário nas oitavas de final da Libertadores na próxima semana.

Reclamações do gramado

Antes da bola rolar, Cruzeiro voltou a demonstrar insatisfação com o gramado do Estádio Ciudad de La Plata, muito danificado por conta de três shows da banda U2, na semana passada.

– O estado do gramado está melhor do que no treino de ontem (terça-feira), mas ainda não está em boas condições. Mas o campo é grande e poderemos mostrar nosso melhor futebol – explicou Thiago Ribeiro.

Duas chances, dois gols

Após o apito inicial, o Estudiantes ignorou as cinco ausências no time titular e foi para cima da Raposa. Logo no primeiro minuto, Pereyra aproveitou bobeira de Leandro Guerreiro e invadiu a área com liberdade, mas finalizou em cima de Fábio. No rebote, Barrientos arriscou de fora da área no ângulo e o goleiro cruzeirense voltou a defender.

Aos oito, Nuñez fez fila pela direita, passou por três cruzeirenses, invadiu a área e chutou cruzado, mas mandou pela linha de fundo. A resposta celeste veio em grande estilo. Dois minutos depois, Henrique arrancou pelo meio e lançou Wallyson dentro da área. O camisa 16 bateu cruzado e encontrou Thiago Ribeiro na segunda trave, livre para marcar: 1 a 0.

Em vantagem no placar, o Cruzeiro adotou uma postura mais cautelosa, marcando os argentinos com firmeza e saindo nos contra-ataques. Dominado, o Estudiantes encontrou muitas dificuldades para voltar a levar perigo ao gol de Fábio.

Só aos 30 minutos, Nuñez levantou bola nas costas da defesa e Barrientos finalizou de primeira, mas Fábio, novamente, fez boa defesa. Se por um lado não era ameaçada, a Raposa praticamente não passou voltou a levar perigo ao goleiro Orión.

Isto até uma bobeada da defesa argentina, já nos acréscimos do primeiro tempo. Roncaglia se enrolou com a bola no campo defensivo e foi desarmado por Wallyson. O atacante celeste ganhou a disputa com Ré, driblou Orión e tocou para o gol vazio.

Golaço de Gilberto

O Cruzeiro voltou do intervalo sem mudanças, enquanto os argentinos fizeram uma modificação na zaga: Federico Fenández no lugar de Mercado. O início da segunda etapa foi bastante equilibrado, sem que nenhuma das duas equipes se destacasse mais. A Raposa seguiu sua proposta de marcação firme e subidas em velocidade.

Aos 14 minutos, ‘La Gata’ Fernández se livrou de dois marcadores pelo meio e arriscou chute da meia-lua, que Fábio segurou firme. O Cruzeiro respondeu três minutos depois, quando Thiago Ribeiro tabelou com Gilberto pela esquerda e finalizou da entrada da área, para defesa de Orión.

Já debaixo de chuva, o Cruzeiro relaxou na partida e viu seu adversário crescer, mas sem levar grande perigo. Fábio foi exigido, principalmente nos chutes de longa distância, mas mostrou estar vivendo uma excelente fase.

Cuca promoveu a entrada de Farías, ídolo e revelado pelo Estudiantes, e Everton, nas vagas de Roger e Thiago Ribeiro, deixando a equipe celeste ainda mais cautelosa.

E veio dos pés de um dos substitutos, Everton, um lançamento mágico para Gilberto, que partiu em velocidade pelo meio, totalmente livre. Ele entrou na área, cortou um marcador, driblou Orión e teve calma para empurrar para as redes, fechando o marcador. Cruzeiro 3 a 0, melhor campanha da Libertadores.

FICHA TÉCNICA

Estudiantes (ARG) 0 X 3 Cruzeiro

Data / Hora: 13/04/2011, 21h50 (de Brasília)

Local: Estádio Ciudad de La Plata, Argentina

Árbitro: Roberto Silvera (URU)

Auxiliares: Mauricio Espinosa (URU) e Miguel Nievas (URU)

Cartões amarelos: Pereyra e Leandro Benítez (EST); Pablo e Victorino (CRU)

Gols: Thiago Ribeiro (10’/1ºT), Wallyson (45’/1ºT)

ESTUDIANTES (ARG): Agustín Orión; Gabriel Mercado (Federico Fernández, intervalo), Facundo Roncaglia, Germán Ré e Nelson Benítez; Maxi Nuñez, Darío Stefanatto (Leandro Benítez, 31’/2ºT), Gabriel Peñalba e Pablo Barrientos; Juan Pablo Pereyra e Gastón Fernández (Leandro González, 16’/2ºT). Técnico: Leonardo Berizzo.

CRUZEIRO: Fábio; Pablo, Gil, Mauricio Victorino e Gilberto; Leandro Guerreiro, Marquinhos Paraná, Henrique e Roger (Everton, 31’/2ºT); Wallyson (José Ortigoza, 41’/2ºT) e Thiago Ribeiro (Ernesto Farías, 30’/2ºT). Técnico: Cuca.

abril 14, 2011 Posted by | Cruzeiro | | Deixe um comentário

Cruzeiro vence Guaraní e assegura liderança do grupo

Raposa passa por cima dos paraguaios, em Assunção, e se não se sente ameaçada no topo do Grupo 7 da Libertadores

O Cruzeiro nem precisava entrar em campo na noite desta quarta-feira para se classificar às oitavas de final da Copa Santander Libertadores, mas, mesmo assim, fez sua parte. A equipe mineira venceu o Guaraní (PAR), fora de casa, no estádio Defensores del Chaco, em Assunção, por 2 a 0, com gols de Thiago Ribeiro e o paraguaio Ortigoza.

Antes mesmo de começar a partida no Paraguai, a Raposa já havia se garantido na fase seguinte por conta do empate por 1 a 1 entre Tolima (COL) e Estudiantes (ARG), que eliminou os colombianos. O Guaraní já em entrou na rodada sem chances de classificação.

Dentro de campo, o Cruzeiro não apresentou o mesmo bom futebol de outra partidas. Porém, mesmo assim, logo mostrou sua força e abriu o placar aos 17 minutos, em bela jogada do setor ofensivo, finalizada por Thiago Ribeiro. Os paraguaios até tentaram se aproveitar dos muitos erros de passe da equipe brasileira, mas não conseguiram. No último lance de jogo, Ortigoza invadiu a área em diagonal e balançou as redes em sua cidade natal.

Agora, a “luta” celeste é pela primeira colocação do Grupo 7. Com 13 pontos, o Cruzeiro leva três de vantagem para o Estudiantes, seu adversário no próximo dia 16, em La Plata. Os mineiros ainda têm 16 gols de saldo, contra apenas um dos argentinos, que dificilmente vão tomar a ponta da chave. Apenas uma goleada por 8 gols de diferença para os Pinchas tiraria a primeira posição da Raposa.

Ribeiro abre o placar

Logo nos primeiros instantes o Cruzeiro fez valer sua superioridade técnica e tomou conta da partida. Antes dos dez minutos, a Raposa teve duas boas chances, uma com Thiago Ribeiro, desviando pela linha de fundo um cruzamento de Wallyson, e outra com Montillo, em chute de fora da área, que foi pela linha de fundo.

O Guaraní apareceu pela primeira vez no ataque aos 13 minutos, quando Sosa arriscou de fora da área e Fábio defendeu com tranquilidade. A resposta celeste veio em seguida. Após cobrança de escanteio, Victorino desviou e Thiago Ribeiro, em posição irregular, acertou a trave.

No lance seguinte, no entanto, Ribeiro foi eficaz. Em bela tabela entre os quatro homens de frente, Roger lançou Wallyson, que ajeitou de cabeça para Montillo. O argentino encontrou Thiago Ribeiro livre dentro da área e o camisa 11 só teve o trabalho de empurrar para a rede de Silva: 1 a 0.

Em vantagem no placar, Wallyson se deu ao luxo de perder um gol dentro da área, aos 29 minutos, de frente para o goleiro, após roubada de bola de Ribeiro. Entretanto, dois minutos depois, Ovelar recebeu dentro da área e chutou cruzado, obrigando Fábio a fazer linda defesa, salvando o Cruzeiro.

Errando muitos passes e sem conseguir sair para o ataque, a equipe celeste complicou o final do primeiro tempo. Mesmo assim, levou perigo aos 40 minutos, em chute forte de Montillo, que bateu pelo lado de fora da rede.

O maior susto na torcida cruzeirense foi aos 42, quando Sosa arriscou rasteiro de fora da área e Fábio buscou no cantinho, mandando para escanteio. Na saída para o intervalo, o autor do gol, Thiago Ribeiro, pediu mais capricho ao Cruzeiro.

– Criamos situações, viramos o primeiro tempo com a vitória, mas temos que procurar caprichar mais. Estamos errando mutos passes. Poderíamos estar vencendo por mais. Vamos procurar melhorar para fazer mais gols e sair com a vitória – disse o atacante.

Placar insistente

As duas equipes voltaram sem alterações para a segunda etapa e o Cruzeiro mostrou logo o cartão de visitas. Wallyson lançou Montillo dentro da área, mas o argentino finalizou nas mãos de Joel Silva. O troco veio aos sete minutos, com Marecos, em chute cruzado que Fábio espalmou para longe.

A partida ficou aberta, com o Guaraní chegando mais ao campo ofensivo e o Cruzeiro explorando a velocidade de seu contra-ataque. Porém, o segundo gol celeste teimou em não acontecer e várias chances foram desperdiçadas.

Aos 21 minutos, Cuca mexeu duas vezes no time cruzeirense, colocando Wellington Paulista e Everton, nas vagas de Wallyson e Roger. As alterações não deram resultado e a Raposa continuou sem conseguir ampliar o placar.

Os lances de perigo da segunda etapa saíram dos pés de Montillo. Na melhor das chances, Thiago Ribeiro achou Montillo entrando em velocidade dentro da área. O argentino finalizou por cima do goleiro e mandou pela linha de fundo.

Cuca ainda tentou uma última cartada, com a entrada de Ortigoza no lugar de Thiago Ribeiro e gol, finalmente, saiu. O paraguaio foi lançado na direita, se livrou de dois marcadores e bateu firme, dando números finais ao placar.

Guaraní (PAR) 0 X 2 Cruzeiro

Estádio: Defensores del Chaco, Assunção (PAR)
Data/hora: 30/03/2011 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Enrique Osses
Auxiliares: Patrício Basualto e Carlos Astroza
Renda/Público: Não informado.
Cartões amarelos: Julián Benítez, Fabio Escobar (GUA); Roger (CRU)
Gols: Thiago Ribeiro (17’/1ºT) e Ortigoza (47’/2ºT)

Guaraní (PAR): Joel Silva; Eduardo Filippini, Joel Benítez, Ignacio Ithurralde (Federico Carballo, 33’/2ºT), Elvis Marecos; Cristian Sosa, Miguel Paniagua, Luis De la Cruz e Jorge Mendoza (Osvaldo Hobecker, 20’/2ºT); Julián Benítez e Luis Ovelar (Fabio Escobar, 20’/2ºT). Técnico: Félix León.

Cruzeiro: Fábio; Pablo, Gil, Mauricio Victorino e Gilberto; Marquinhos Paraná, Henrique, Roger (Everton, 21’/2ºT) e Walter Montillo; Wallyson (Wellington Paulista, 21’/2ºT) e Thiago Ribeiro (José Ortigoza, 37’/2ºT). Técnico: Cuca.

março 31, 2011 Posted by | Cruzeiro | | Deixe um comentário

Montillo decide e Raposa derrota o Coelho


Em boa partida de Montillo, o Cruzeiro venceu o América-MG por 3 a 2, em partida válida pela oitava rodada do Estadual

Um belo clássico, cheio de reviravoltas. Assim pode ser definido o confronto entre América-MG e Cruzeiro, que terminou em 3 a 2 para a Raposa, foi disputado em Varginha e era válido pela oitava rodada do Campeonato Mineiro.

As notícias do Cruzeiro chegam antes até você!

Nas duas equipes, dois jogadores poderiam ser destacados. Do lado americano, Leandro Ferreira, autor de dois gols, é o grande destaque. Já pelo lado da Raposa, Montillo, que marcou o gol da vitória, foi o nome da partida.

PRIMEIRO TEMPO

Nos minutos iniciais, o Cruzeiro se projetou ao ataque, principalmente pelo lado esquerdo, com Gilberto e obrigou o América se fechar e buscar os contra-ataques, explorando a habilidade de Luciano e categoria de Irênio.

Na primeira vez que conseguiu encaixar um contra-ataque, a bola sobrou para Leandro Ferreira na intermediária. Após um drible no zagueiro, o volante finalizou de canhota para o fundo do gol de Fábio.

A resposta da Raposa foi imediata. Logo após a saída de bola, o Cruzeiro chegou ao ataque pelo lado direito e, após um cruzamento rasteiro, Thiago Ribeiro dividiu a bola com o goleiro Flávio.

Em cobrança de escanteio do lateral-direito Marcos Rocha, a bola quicou na área e bateu em Gilberto, que fechava na primeira trave. Após um bate-rebate na área, o Coelho tentou finalizar, mas o zagueiro Gil acabou detendo o perigo.

Depois de sofrer o gol, a Raposa tentou impor o ritmo de jogo com a qualidade de Montillo e Roger, seus dois meias de articulação. Entretanto, o Coelho conseguia anular a criatividade celeste com a qualidade de seus três volantes: Dudu, Nando e Leandro Ferreira.

Ao enxergar que teria dificuldades em atuar pelo lado direito da defesa do América – onde Marcos Rocha fazia boa exibição -, a Raposa começou a apoiar pelo lado de Jean Batista, que não fazia uma partida e deixava os jogadores celestes livres.

Em um jogada de falta ensaiada, Roger rolou a bola para Montillo finalizar de frente para o gol. O goleiro Flávio bateu roupa, a bola sobrou no meio da área e o zagueiro Gabriel chutou para escanteio. Na cobrança do corner, Wallyson cabeceou por cima da meta de Flávio.

Embora estivesse com muita posse de bola, a Raposa não conseguia invadir a área do Coelho. O jogo ficou bastante concentrado no meio-campo, o que impedia que saíssem mais gols.

O Cruzeiro tentou, tentou… até que conseguiu. Após a cobrança de um corner, a bola sobrou para Montillo do lado direito do ataque, que cruzou para pequena área, onde estava Thiago Ribeiro para empatar a partida com tranquilidade.

SEGUNDO TEMPO

A primeira jogada de perigo na segunda etapa foi do América. Após uma belo lançamento, Fábio Júnior exerceu a função de pivô e rolou a bola para Irênio finalizar de fora da área. Mas a bola desviou e foi para fora.

Entretanto, o Cruzeiro não se intimidou e foi para cima. Após um cruzamento de Roger pelo lado esquerdo, a bola bate no pé de Dudu, que não conseguiu afastar o perigo, e sobrou para Léo empurrar a bola para o fundo das redes de Flávio.

Se a Raposa não se intimidou e virou a partida, o América-MG também não. Dois minutos após o gol de Léo, Leandro Ferreira encheu o pé de fora da área e a bola entrou no cantinho de Fábio para empatar.

Aos 10 minutos de partida, Thiago Silvy teve a oportunidade de marcar o gol da virada do Coelho. Após receber belo lançamento, ele invadiu a área e tentou deslocar Fábio. Contudo, tirou demais e a bola foi para tiro de meta.

O Cruzeiro insistia em sair para o jogo com Montillo e Roger, que não conseguiam dar tanta qualidade ao setor de criação da Raposa. Enquanto isso, o Coelho prosseguia nas jogadas de contra-ataque.

Com a saída do meia-atacante Roger – para a entrada de Wellington Paulista -, o Cruzeiro se projetou para o ataque com três homens na linha de frente. Com o trio de ataque, a Raposa cresceu no jogo e teve inúmeras oportunidades de passar à frente no placar novamente, sempre com Wellington Paulista, Thiago Ribeiro e Wallyson.

No finalzinho da segunda etapa da partida, aos 39 minutos, aquele que ditou o ritmo da partida para o time celeste a todo instante, Montillo, decidiu a partida após uma belíssima tabela com Wallyson.

Após o terceiro gol celeste, aos gritos de “olé” da China Azul, o Cruzeiro ficou tocando bola e esperando o tempo passar.

FICHA TÉCNICA

AMÉRICA-MG 2 X 3 CRUZEIRO

Estádio: Estádio Dilzon Melo (Melão), Varginha (MG)
Data/hora: 27/03/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Emerson Ferreira (MG)
Auxiliares: Helbert Costa Andrade (MG) e Pablo Almeida Costa (MG)
Renda/público: R$385.850,00 / 13.152 pagantes.
Cartões amarelos: Nando, Jean Batista, Leandro Ferreira, Thiago Silvy, Irênio, Gabriel (AME) Gilberto, Gil, Roger, Marquinhos Paraná (CRU)
Cartões vermelhos: Não houve
GOLS: Leandro Ferreira (4′ 1T) (6′ 2T), Thiago Ribeiro (42′ 1T), Léo (4′ 2T), Montillo (39′ 2T)

AMÉRICA-MG: Flávio; Marcos Rocha, Gabriel, Otávio e Jean Batista; Dudu (Davi Ceará – 34′ 2T), Nando, Leandro Ferreira e Irênio (Netinho – 22′ 2T); Fábio Júnior e Luciano (Thiago Silvy – intervalo). Técnico: Mauro Fernandes

CRUZEIRO: Fábio; Pablo, Léo, Gil e Gilberto (Everton – 22′ 2T); Marquinhos Paraná, Leandro Guerreiro, Roger (Wellington Paulista – 22′ 2T) e Montillo; Wallyson e Thiago Ribeiro (Ortigoza – 38′ 2T). Técnico: Cuca

março 27, 2011 Posted by | Cruzeiro | | Deixe um comentário

Cruzeiro vence e dispara na liderança do Mineiro

Diante de um adversário que pouco lhe ameaçou, Raposa triunfa e se aproxima da classificação para as semifinais

O Cruzeiro fez o seu dever de casa neste sábado e venceu o Funorte por 3 a 0, na Arena do Jacaré, em partida válida pela sétima rodada do Campeonato Mineiro, se distanciando na liderança da competição.

Com o triunfo, a Raposa foi aos 19 pontos e se aproximou da classificação para as semifinais do Mineiro-2011. O América-MG, vice-líder, tem 16. Já a equipe de Montes Claros segue na última posição com apenas dois pontos ganhos.

Próximos compromissos:

Na próximo domingo, dia 27, o Cruzeiro faz o clássico com o América-MG, no Estádio do Melão, em Varginha. Já o Funorte recebe o Tupi, um dia antes, no José Maria Melo.

O jogo:

O Cruzeiro, dono do melhor ataque do Campeonato Mineiro com 21 gols em sete partidas, teve a iniciativa no jogo e com os seus três atacantes (Thiago Ribeiro, Wellington Paulista e Wallyson) pressionou a equipe de Montes Claros. No entanto, a primeira oportunidade de gol
foi do Funorte, após a boa finalização de Stanley, aos três minutos.

Como a partida era um típico ‘ataque versus defesa’, a primeira chance de gol da Raposa não tardou a acontecer. Aos cinco minutos, Dudu
fez cruzamento preciso e Thiago Ribeiro cabeceou na trave direita de Raphael Barrios, que nada poderia fazer.

Apesar do domínio territorial e da maior posse de bola, a Raposa não tinha êxito em sua missão de transpor a marcação do Funorte, que mesmo tendo a pior defesa do Mineiro-2011 (17 gols sofridos em sete partidas) dificultava e muito as ações dos comandados de Cuca, que sentiam a ausência de Roger e Montillo, que foram poupados em razão da Libertadores.

Após muita vontade e pouca qualidade do Cruzeiro, que demostrava certa displicência em campo, eis que no primeiro erro do Funorte, o placar
foi inaugurado na Arena do Jacaré. Aos 37 minutos, o zagueiro Wellington Paulo, de 38 anos e que fazia a sua estreia pela equipe de Montes
Claros, empurrou Wellington Paulista na pequena área. Pênalti que o próprio atacante, muito contestado pela torcida cruzeirense, converteu. Raposa na frente.

Segundo tempo:

O Cruzeiro voltou para a segunda etapa ainda mais ofensivo. Cuca optou por poupar o volante Henrique e com isso promoveu a entrada do também volante Everton, que passou a atuar na lateral esquerda, liberado o experiente Gilberto para a armação.

Assim como em toda a primeira etapa, o Cruzeiro era superior, tinha mais posse de bola, mas seguia tendo dificuldades para vencer a marcação do Funorte. Quando apostou na velocidade e nos toques rápidos, a Raposa alcançou o seu objetivo. Aos dez minutos, Dudu serviu o veloz Wallyson, que como um autêntico garçon passou para Thiago Ribeiro só empurrar para o fundo do gol. Cruzeiro 2 a 0.

Enfrentando um adversário que pouco ameaçava, o Cruzeiro seguia em busca de mais gols para lhe proporcionar ainda mais tranquilidade na partida. Thiago Ribeiro, em boa finalização de fora da área e Léo, após cruzamento de Gilberto, tiveram boas oportunidades para ampliar o triunfo cruzeirense, porém não alcançaram o objetivo.

Na parte final do confronto, o enredo seguia o mesmo: o Cruzeiro em busca de um novo gol e o Funorte apenas evitando uma possível goleada, o que não pode ser evitado. Aos 47 minutos, após cruzamento de Dudu, o zagueiro Wellington Paulo tentou o corte e acertou o próprio travessão. Na sobra, Thiago Ribeiro só teve o trabalho de completar. Goleada azul na Arena do Jacaré.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 3 X 0 FUNORTE

Local: Arena do Jacaré, Sete Lagoas (MG)
Data/horário: 19/3/2011, às 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Átila Carneiro Magalhães (MG)
Auxiliares: Marcus Vinícius Gomes (MG) e Mauro Antônio Ferreira Santos (MG)
Renda/Público: R$ 46.062,50 – 3.671 pagantes.

Cartões amarelos: Wellington Paulista e Leandro Guerreiro (CRU); Stanley, Wellington Paulo e Edenílson (FUN)
Cartões vermelhos: Não houve.

Gols: Wellington Paulista, aos 38’1T(1-0) e Thiago Ribeiro, aos 10’2T(2-0) e Thiago Ribeiro, aos 47’2T(3-0).

CRUZEIRO: Fábio; Pablo; Gil, Léo e Gilberto; Leandro Guerreiro, Henrique (Everton, intervalo) e Dudu; Wallyson (André Dias, aos 20’2T), Thiago Ribeiro e Wellington Paulista (Farías, aos 29’2T). Técnico: Cuca.

FUNORTE: Raphael bairros; Wellington Paulo, Binho e Vinícius; Anderson Toto, Diego Paulista, Marcelino, Stanley (Caio, aos 31’1T) e Cristiano (Fabrício, aos 10’2T); Ualisson Mineiro e Edenílson (Dandão, aos 24’2T). Técnico: Luiz Eduardo.

março 19, 2011 Posted by | Cruzeiro | Deixe um comentário

De novo: Cruzeiro goleia em casa pela Libertadores

Massacre de 6 a 1 contra o Tolima (COL) deixa a Raposa com dez pontos no Grupo 7, praticamente classificado

O Cruzeiro fechou a sua participação em casa na fase de grupos da Libertadores com 100% de aproveitamento. Melhor que isso, sem nenhum susto nos três jogos que fez na Arena do Jacaré. Nesta quarta-feira, goleada por 6 a 1 contra o Tolima e classificação praticamente confirmada com dez pontos conquistados em quatro jogos. Os gols foram de Montillo,Wallyson, Roger (dois), Gilberto e Thiago Ribeiro.

As notícias do Cruzeiro chegam antes no seu celular!

Depois de goleadas contra Estudiantes e Guaraní, o Tolima poderia achar que complicaria para mais um clube brasileiro no Brasil. Mas a Raposa tratou de acalmar as pretensões colombianas logo com três minutos de jogo.

Henrique, convocado para a Seleção Brasileira e analisado de perto por Mano Menezes, que esteve em Sete Lagoas, sofreu falta na intermediária. Esperto, cobrou rapidamente para Montillo. Com a classe habitual, cortou um defensor e bateu no ângulo, de perna esquerda.

Se Mano já admira o meio de campo celeste por Henrique, poderia muito bem pensar em dar a camisa 10 da amarelinha para Montillo, caso fosse possível.

Outro nome que certamente despertaria a atenção seria de Victorino, zagueiro da Seleção Uruguaia. Bem postado na zaga, ele é um dos pontos fortes da melhor defesa da Libertadores.

Se não pode convocar Montillo ou Victorino, Mano pôde analisar de perto o futebol do camisa 1 Fábio. E prometeu dar uma chance para ele.

Como o ataque do Tolima não exigiu muito de Fábio na partida, o ataque continuou brilhando. Aos 31 do primeiro tempo, Wallyson aproveitou falha da defesa colombiana, driblou o goleiro Silva e aumentou o marcador.

No segundo tempo, o ritmo continuou favorável para a Raposa. Roger marcou o terceiro gol aos 16 minutos, após dar um belo corte seco na área e finalizar no canto de Silva.

O Tolima tentou engrenar uma possível reação aos 23 minutos. Marrugo ganhou disputa com Gil e bateu na saída de Fábio. Mas o dia era mesmo celeste. Poucos minutos depois, Wallyson sofreu pênalti, que foi precisamente convertido por Roger no ângulo colombiano.

Em jogo aberto e de bom ritmo, o Tolima voltou a ter chance aos 28 minutos. Foi a vez de Fábio encher os olhos de Mano Menezes com ótima defesa após chute de Marrugo, de dentro da área.

Aos 41 minutos, com a partida se encaminhando para o fim, Noguera fez falta em Roger, recebeu o segundo amarelo, e foi expulso.

Na jogada seguinte, Gilberto, que entrou no segundo tempo após muito tempo se recuperando de lesão, fez boa jogada e marcou o seu. Da entrada da área, o armador bateu no canto do goleiro Silva, de perna direita.

Mas, o Cruzeiro não vê limites para marcar. No final, Thiago Ribeiro ainda achou espaço para decretar a goleada por 6 a 1.

FICHA TÉCNICA:

CRUZEIRO 6 X 1 TOLIMA (COL)

Data/hora: 16/3/2011, às 21h50
Local: Estádio Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG)
Árbitro: Carlos Vera (Fifa/Equador)
Renda/público: R$ 187.880,00 e 8.198 pagantes
Cartões amarelos: Wellington Paulista (Cruzeiro); Noguera (2), Bolívar, Marrugo, Hurtado (Tolima)
Cartão vermelho: Noguera (Tolima)

GOLS: Montillo aos 3min, e Wallyson aos 31min do primeiro tempo; Roger aos 16min, Marrugo aos 23, Roger aos 26min, Gilberto aos 43min, e Thiago Ribeiro aos 47min do segundo tempo

CRUZEIRO: Fábio, Pablo, Victorino, Gil e Diego Renan (Gilberto); Marquinhos Paraná, Henrique, Montillo (Leandro Guerreiro) e Roger; Wallyson e Wellington Paulista (Thiago Ribeiro)
Técnico: Cuca

TOLIMA: Silva, Vallejo, Díaz, Hurtado e Noguera (Acuña); Marrugo, Chara, Bolívar e Murillo; Castillo (Santoya) e Medina (Parra)
Técnico: Hernán Torres

março 17, 2011 Posted by | Cruzeiro | | Deixe um comentário

Com show de Thiago Ribeiro, Cruzeiro goleia o Democrata

Atacante faz três gols e Raposa humilha Democrata. Vitória coloca time celeste na liderança do Mineiro ao lado do América

O Cruzeiro não tomou conhecimento do Democrata e goleou por 7 a 0, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas. Com o resultado, o clube celeste chegou aos 16 pontos e assumiu a liderança do Campeonato Mineiro. No entanto, a Raposa tem um jogo a mais que o América, que também tem 16 pontos.

Fique por dentro antes que todos! Notícias do Cruzeiro no celular!

O Cruzeiro começou o jogo em altíssima velocidade. E com show particular de Thiago Ribeiro. Logo aos 3 minutos, o camisa 11 recebeu cruzamento de Farías e abriu o placar em Sete Lagoas.

O Democrata não se intimidou e quase empatou pouco tempo depois com Ely Thadeu, mas Fábio fez boa defesa. No entando, parou por ai. A Raposa, com três atacantes em campo, começou a imprimir um ritmo alucinante. O segundo gol, com isso, era apenas uma questão de tempo.

Aos 20 minutos, após bola mal recuada, Thiago Ribeiro só teve o trabalho de passar pelo goleiro Vilar para marcar o segundo gol na partida. Com a desvantagem no placar, o time visitante praticamente virou um figurante em campo, que assistia ao passeio dos comandados de Cuca.

O Cruzeiro, percebendo a facilidade, resolveu não tirar o pé do acelerador. Após duas boas chances desperdiçadas por Pablo e Wallyson, o time celeste chegou ao terceiro gol. E novamente Thiago Ribeiro estava no lugar certo, na hora certa. Aos 32 minutos, ele aproveitou passe de Farías e chutou sem chances para Vilar.

A goleada já estava construída, mas quem pensou que iria parar, pelo menos nos primeiros 45 minutos, se enganou. Emerson (contra) e Farías ampliaram o placar para 5 a 0.

No segundo tempo o Cruzeiro passou a administrar a partida. Com isso, o Democrata quase descontou com Fernandão. No entanto, o atacante perdeu duas excelentes chances.

O técnico Cuca cumpriu o que havia dito durante a semana e promoveu a estreia do paraguaio Ortigoza. E ele provou ser pé-quente. Aos 23 minutos, ele aproveitou confusão na área, dominou e tocou por cima do goleiro Vilar.

Quem também aproveitou para deixar o seu foi André Dias, que acertou um belo chute de fora da área e fechou o placar em Sete Lagoas.

FICHA TÉCNICA:

Cruzeiro 7 x 0 Democrata-GV

Data/hora: Domingo, 13 de março, às 16h
Estádio: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas

Árbitro: Renato Cardoso Conceição (CBF/FMF)

Assistentes: Helbert Costa Andrade (CBF/FMF) e Ricardo Junio de Souza (FMF)

Renda e público:R$ 19.587,50 – 1.217 pagantes

Cartões amarelos: Silvio e Ely Thadeu (DEM), Victorino (CRU)

Gols: Thiago Ribeiro, aos 3’/1°T, aos 20’/1°T e aos 31’/1°T, Emerson (contra), aos 39’/1°T, Farías, aos 42’/1°T, Ortigoza, aos 23’/2°T e André Dias, aos 35’/2°T

Cruzeiro
Fábio, Pablo, Gil, Victorino e Everton; Marquinhos Paraná (Leandro Guerreiro, aos 25/2°T), Henrique e Dudu; Wallyson (Ortigoza, aos 18’/2°T), Thiago Ribeiro e Farías (André Dias, aos 24’/2°T).
Técnico: Cuca

Democrata-GV
Vilar, Lúcio, Sílvio e Emerson; Juninho, Cláudio, Taércio, Ernani (Márcio Duarte, aos 14’/2°T) e Renê (Vinny, aos 18/2°T); Ely Thadeu e Fernandão.
Técnico: José Maria Pena

março 13, 2011 Posted by | Cruzeiro | , | Deixe um comentário

Empate em 0 a 0 deixa Tupi e Cruzeiro em melhores posições na tabela

Galo Carijó consegue vaga entre os quatro primeiros da classificação, com 9 pontos. Já a Raposa alcança a vice-liderança, à frente do Atlético-MG, com 13

Tupi e Cruzeiro não saíram do empate em 0 a 0, no Mário Helênio, em Juiz de Fora. A partida foi antecipada da décima rodada do Campeonato Mineiro. As pouco mais de quatro mil pessoas presentes nas arquibancadas do estádio viram um primeiro tempo emocionante, cheio de alternativas e chances de gol. O Cruzeiro, a propósito, chutou duas bolas na traves, ambas com Montillo, uma delas em uma cobrança de pênalti. Porém, na segunda etapa, o futebol foi pobre e quase sem nenhum brilho.
Confira a classificação do Campeonato Mineiro
Com o resultado, o Cruzeiro passou o Atlético-MG e está na segunda colocação, com 13 pontos ganhos. O Tupi também subiu na tabela de classificação e chegou ao G-4 do estadual, com 9 pontos, na quarta posição. O Galo Carijó passou o Villa Nova, que agora é o quinto.
Na próxima rodada, a sexta do Mineiro, o Cruzeiro enfrentará o Democrata, no domingo, às 16h (de Brasília), na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas. O Tupi, na mesma data e no mesmo horário, receberá a Caldense, novamente em Juiz de Fora.
Superioridade e pênalti perdido
Animado pela vitória por 4 a 2 sobre o Uberaba, pela última rodada do estadual, o Tupi não teve a empolgação refletida nas arquibancadas. O fim do feriado de carnaval deixou várias partes vazias no estádio Mário Helênio, em Juiz de Fora.
O Cruzeiro entrou em campo com os desfalques do meia Roger, com dores na panturrilha esquerda, e do lateral-direito Pablo, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Nos lugares, entraram Leandro Guerreiro e Everton, respectivamente.
O jogo começou bastante disputado, e o Tupi marcava forte a saída de bola da Raposa. O equilíbrio no início do jogo logo foi interrompido por um belo chute de Montillo, de fora da área. A bola explodiu no travessão do goleiro Rodrigo. Dez minutos depois, foi a vez do Galo Carijó, como é conhecido o Tupi, dar o troco. Marcel penetrou pela direita, soltou a bomba, mas Fábio espalmou para escanteio, em uma difícil defesa.
Já aos 40 minutos, o Cruzeiro teve a melhor chance do primeiro tempo. Wallyson teve a camisa puxada dentro da área por Paulo Roberto, e o árbitro Alício Pena Júnior marcou pênalti. Na cobrança, Montillo acertou pela segunda vez o travessão e levou os torcedores alvinegros ao delírio.
Futebol pobre
A noite não era de Montillo, que foi substituído pelo atacante André Dias. O meia voltou a sentir uma tendinite no joelho esquerdo e foi poupado para as próximas partidas. O início da segunda etapa foi dominado timidamente pelo time da casa, que, no entanto, não traduziu em grandes chances a pequena superioridade.
Mas foi o Cruzeiro que quase abriu o placar, aos 9 minutos, com Everton. O goleiro Rodrigo fez mais uma brilhante defesa a queima-roupa. Sem seus meias titulares (Montillo, Roger e Gilberto), a Raposa sofria com a falta de criatividade no meio-campo. Aos poucos, o Tupi foi crescendo no jogo e passou a sair perigosamente nos contra-ataques.
O meia Dudu e o atacante Farías tentaram ajudar o Cruzeiro a chegar ao gol da vitória, que daria a liderança da competição, mas a defesa do Tupi soube segurar as investidas do adversário.
No fim, o empate sem gols fez justiça ao futebol apresentado pelas equipes. Tupi e Cruzeiro mereceram o empate, já que nenhum dos dois jogou para conquistar a vitória.
TUPI 0 X 0 CRUZEIRO
Rodrigo; Léo Devanir (Wesley Ladeira), Fabrício Soares e Paulo Roberto; Felipe Cordeiro, Assis, Claudinho Baiano (Evandro Teixeira), Marcel e Michel; Michel Cury (Evandro) e Yan. Fábio; Rômulo (Dudu), Gil, Victorino e Everton; Marquinhos Paraná (Farías), Leandro Guerreiro, Henrique e Montillo (André Dias); Wallyson e Thiago Ribeiro.
Técnico: Leonardo Condé. Técnico: Cuca.
Motivo: décima rodada do Campeonato Mineiro. Data: 9/3/2011. Horário: 21h50m (de Brasília). Árbitro: Alício Pena Júnior. Auxiliares: Guilherme Dias Camilo e Jair Albano Félix.
Público: 4.453 pagantes. Renda: R$ 60.640,00. Cartões amarelos: Leandro Guerreiro, Rômulo, Victorino e Thiago Ribeiro (Cruzeiro); Assis, Yan, Paulo Roberto e Claudinho Baiano (Tupi)

março 10, 2011 Posted by | Cruzeiro | | Deixe um comentário

Fábio defende pênalti e Cruzeiro empata com o Tolima fora de casa

Time celeste começou melhor, foi pressionado na segunda etapa e, graças a Fábio, volta da Colômbia com um ponto na bagagem

O Cruzeiro sofreu nas mãos do Tolima, carrasco do Corinthians, e só não foi derrotado na Colômbia graças ao goleiro Fábio, que defendeu um pênalti. A Raposa volta para Belo Horizonte com um ponto após o empate em 0 a 0, nesta quarta-feira, e segue invicto na Libertadores, mantendo a liderança do Grupo 7 com sete pontos.

A atuação segura, mas sem muita ousadia, da Raposa no primeiro tempo era indício de que a noite não seria de goleada, como aconteceu contra o Estudiantes (ARG) e o Guaraní (PAR). Sem muita força ofensiva, o time de Cuca só chegou com perigo ao gol de Silva no chute forte de Roger, aos 18 minutos.

Atuando com cautela, a equipe celeste insistiu nas jogadas pelo lado direito, principalmente com Wallyson, que abusou das idas à linha de fundo. Porém, o atacante esqueceu o faro de gol em Belo Horizonte. Atrás, sem nenhuma dificuldade, o Cruzeiro conseguiu conter o ímpeto colombiano. Pelo menos nos 45 minutos iniciais.

Se o Tolima não apresentava o bom futebol com o qual eliminou o Corinthians, na volta do intervalo o time da casa acordou. Aos seis minutos, Marrugo driblou Diego Renan na linha de fundo, tocou para Chará – Gil demorou para chegar -, que errou o chute já com o goleiro Fábio no chão.

E foi pelo lado direito, indo à linha de fundo, que os colombianos ameaçavam. Com o fator campo a seu favor, o time da casa voltou melhor do intervalo. Percebendo que precisaria mexer no time, Cuca trocou Wellington Paulista por Thiago Ribeiro e Roger por Dudu. Era a necessidade de ligar o meio de campo ao ataque com mais velocidade.

Porém, antes que as mudanças pudessem surtir efeito, o Tolima seguiu investindo com perigo pelo lado direito. E foi por esse lado que Parra tocou para trás e Pablo acabou derrubando Medina dentro da pequena área. Pênalti marcado e defendido por Fábio, que, confirmando a ótima fase, caiu no lado certo.

A resposta e única boa chance do Cruzeiro no segundo tempo saiu dos pés de Thiago Ribeiro, que soltou uma bomba para ótima defesa de Silva, que espalmou para a linha de fundo. O carrasco do Corinthians quase fez mais uma vítima nesta Libertadores. Quase, pois os colombianos não esperavam encontrar Fábio pelo caminho.

FICHA TÉCNICA
TOLIMA (COL) 0 X 0 CRUZEIRO

Local: Manuel Murillo Toro, em Ibagué (COL)
Data/Hora: 2/3/2011 – 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Jorge Larrionda (URU)
Cartões amarelos: Gil (CRU); Gustavo Bolívar (TOL)
Cartões vermelhos: não houve

GOLS: não houve

TOLIMA: Anthony Silva, Gerardo Vallejo, Yair Arrechea, Julián Hurtado e Féliz Noguera; Gustavo Bolívar, Diego Chará, Cristian Marrugo e Elkin Murillo (Parra, 15’/2T); Danny Santoya e Wilder Medina. Técnico: Hernán Torres.

CRUZEIRO: Fábio, Pablo, Gil, Victorino e Diego Renan (Leandro Guerreiro, 33’/2T); Marquinhos Paraná, Henrique, Roger (Dudu, 25’/2T) e Montillo; Wallyson e Wellington Paulista (Thiago Ribeiro, 16’/2T). Técnico: Cuca.

março 2, 2011 Posted by | Cruzeiro | | Deixe um comentário

Cruzeiro vence América/TO com um gol contra

Raposa, que teve um homem a mais em boa parte do segundo tempo, consegue o triunfo no último minuto

O Cruzeiro derrotou o valente América de Teófilo Otoni por 2 a 1 neste sábado, no Nassri Mattar, no apagar da luzes. A Raposa pula para a segunda colocação e iguala em pontos com o líder Atlético-MG, que joga contra o América-MG no domingo. O Dragão, que perdeu a invencibilidade no Mineiro, é o quinto.

O time celeste mostrou quem era o clube grande e tomou conta dos três setores do campo. Envolvendo o América desde o início, as situações foram aparecendo. Montillo deixou Victorino na cara do gol, mas Fábio Noronha salvou. A Raposa seguiu a tocando bola no campo de defesa do Dragão sem maiores problemas.

Como o gol estava demorando para sair, o adversário até ameaçou a gostar do jogo e começou a criar jogadas a partir de contra-ataques. Mas nada que pudesse tirar a tranquilidade da equipe de Cuca.

O campo reduzido e o calor foram adversários terríveis no primeiro tempo. Mas de tanto insistir, o Cruzeiro chegou ao primeiro gol. Com muita categoria, Montillo tocou por cima da marcação e encontrou Wallyson livre para marcar. Gol com a marca do artilheiro.

A Raposa tentou fazer passar o tempo. Chegou na área do América/TO, mas não concluiu e acabou surpreendido. Não estava nos planos de Cuca levar o gol de empate de Obina aos 13 minutos. Assim como, não estava no roteiro do técnico Gilmar perder Wellington Bruno, expulso, um minuto após sua equipe conseguir o empate.

Com um homem a mais e atrás do prejuízo, o Cruzeiro foi à frente e com três atacantes. Mas as jogadas ora paravam nas mãos de Fábio Noronha, ora nos erros de finalização dos jogadores celestes. A Raposa só marcou o gol da vitória graças a uma infelicidade de Rodrigo Sena, que meteu contra o próprio gol no último lance do jogo.

Valente, o América ainda chegou a ter um gol mal anulado, quando no rebote de Fábio, o bandeira assinalou impedimento de Rogélio.

FICHA TÉCNICA:

AMÉRICA/TO 1 X 2 CRUZEIRO

Local: Estádio Nassri Mattar, em Teófilo Otoni (MG)
Data/Horário: 26/2/2011 às 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Emérson de Almeida Ferreira (MG)
Auxiliares: Márcio Eustáquio Santiago (FIFA) e Celso Luiz da Silva (MG)
Cartão Amarelo: Luizinho, Luiz Henrique, Bruno Barros, Osvaldir (ATO); Gil, Pablo, Victorino, Montillo (CRU)
Cartão Vermelho: Wellington Bruno, 14’/2ºT (ATO)
Gols: Wallyson, 43’/1ºT (0-1); Jonatas Obina, 13’/2ºT (1-1); Rodrigo Sena (contra), 46’/2ºT (1-2)

AMÉRICA/TO: Fábio Noronha; Osvaldir, Luís Henrique, Jadson e Bruno Barros; Júnior Pereira (Chrys, Intervalo)(Rodrigo Sena, 25’/2ºT), Luizinho; Felipe Dias e Wellington Bruno; Jonatas Obina e Rogélio. Técnico: Gilmar Estevam.

CRUZEIRO: Fábio; Pablo, Gil, Victorino e Diego Renan (Farías, 20’/2ºT); Marquinhos Paraná, Henrique, Roger e Montillo; Wallyson e Wellington Paulista (Thiago Ribeiro, 20’/2ºT). Técnico: Cuca.

fevereiro 26, 2011 Posted by | Cruzeiro | Deixe um comentário

Wallyson brilha mais uma vez e Cruzeiro goleia o Guaraní

Com dois gols do novo xodó da torcida, Raposa vence a segunda seguida na Libertadores e dispara na liderança do Grupo 7

Depois de arrasar o Estudiantes por 5 a 0 na primeira rodada da fase de grupos da Libertadores, o Cruzeiro fez mais uma presa na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG). Sem grandes dificuldades, a Raposa goleou o Guaraní (PAR) por 4 a 0, com gols de Wallyson, duas vezes, Farías e Thiago Ribeiro.

Mais uma vez avassalador no ataque, o Cruzeiro não deu chances aos paraguaios, que chegaram a assustar no começo da partida, mas não causaram muitos problemas aos cruzeirenses. As boas atuações de Wallyson, Montillo e Roger facilitaram o trabalho da equipe.

No segundo tempo, apareceu a figura do técnico Cuca. O treinador promoveu a entrada de Farías e Thiago Ribeiro, que balançaram as redes, além de Dudu, que deu uma assistência.

A vitória deixa o Cruzeiro isolado na liderança de seu grupo, com seis pontos, nove gols marcados e nenhum sofrido.

Com os dois gols marcados nesta noite, Wallyson chegou ao quinto na temporada, sendo quatro pela Libertadores. Ainda na segunda partida do Cruzeiro na competição, o atacante já tem metade dos gols do artilheiro do ano passado, Thiago Ribeiro, que fez oito.

Na próxima rodada do grupo 7, o Cruzeiro encara o Tolima, em Ibagué, na Colômbia, enquanto o Guaraní recebe o Estudiantes, no Paraguai.

O JOGO

A partida começou com ritmo intenso. Como esperado, o Guaraní entrou em campo com uma proposta bastante defensiva, priorizando a marcação e saindo nos contra-ataques.

Logo no primeiro minuto, o Cruzeiro deu o cartão de visitas aos paraguaios. Em jogada pela direita, Pablo cruzou para Montillo, que dominou com estilo e bateu de primeira, mandando a bola com perigo sobre o gol de Aurrecochea. Não demorou e o Guaraní respondeu. Em jogada rápida, Julián Benítez foi lançado dentro da área e finalizou por cima do gol de Fábio.

Os paraguaios voltaram assustar antes dos dez minutos. Aos oito, depois de boa troca de passes, Marecos invadia a área e bateu de perna esquerda, mas acabou travado na hora certa por Victorino. No minuto seguinte, Filippini levantou bola na área celeste e Escobar, por trás da defesa, desviou de cabeça, acertando a trave direita de Fábio.

Com o susto, o Cruzeiro acordou e passou a dominar a partida, sempre trabalhando em seu campo de ataque, mas com dificuldades de penetração. Aos 18 minutos, Victorino roubou bola no meio-campo e tocou para Wallyson na área. O atacante cruzou rasteiro na primeira trave para Wellington Paulista, que dividiu com a defesa, mas não conseguiu mandar na direção do gol.

O Cruzeiro abusava das jogadas pela direita, sempre com boas tramas entre Montillo, Pablo e Wallyson. O gol, no entanto, começou em uma jogada do lado oposto. Escanteio cobrado da ponta esquerda, Victorino subiu, mas Filippinni conseguiu tocar de cabeça. A bola sobrou para Wallyson, que dominou e bateu de perna direita, abrindo o placar na Arena do Jacaré.

Aos 35 minutos, nova chegada do Guaraní. Após cobrança de falta na área, a defesa do Cruzeiro fez mal a linha de impedimento e deixou Filippinni livre para cabecear. O defensor mandou a bola à esquerda do gol de Fábio, levando muito perigo.

Na saída para o intervalo, o autor do gol cruzeirense, Wallyson, avaliou a primeira etapa.

– A equipe deles está com duas linhas de quatro jogadores e estão complicando para entrarmos na defesa deles. Mas nós estamos tocando a bola e o gol saiu na hora certa. Precisamos ouvir o que o Cuca vai falar no intervalo para fazermos mais gols para matarmos o jogo – disse o atacante.

Mudanças dão resultado

As duas equipes voltaram do intervalo sem mudanças e a segunda etapa começou debaixo de muita chuva, o que animou a torcida cruzeirense. Os torcedores presentes na Arena do Jacaré cantaram alto e empurraram o Cruzeiro para cima do Guaraní.

A Raposa assustou logo aos quatro minutos, com Wallyson. O atacante arriscou chute cruzado de muito longe, a bola bateu no gramado molhado e ganhou velocidade, passando com perigo à direita do gol de Aurrecochea. Aos nove minutos, Montillo recebeu passe de Roger, invadiu a área e foi ao chão. O árbitro não marcou o pênalti que aplicou cartão amarelo no argentino, que nem reclamou.

Aos 16 minutos, Wellington Paulista deixou o gramado para a entrada de Ernesto Farías e dois minutos depois, o Cruzeiro ampliou o placar. Passe espetacular de Montillo, que encontrou Wallyson livre na pequena área. O talismã celeste dominou com a perna direita e bateu com a esquerda, na saída de Aurrecochea, que não conseguiu defender: 2 a 0.

Após levar o segundo gol, o Guaraní se projetou um pouco mais ao ataque, cedendo espaços ao Cruzeiro. Tentando se aproveitar disto, Cuca promoveu a entrada do velocista Thiago Ribeiro no lugar de Roger, que saiu aplaudido, deixando o Cruzeiro com três atacantes.

A mudança deu resultado. Aos 34 minutos, Montillo tabelou com Ribeiro dentro da área e bateu colocado, mas a bola passou perto do ângulo esquerdo de Aurrecochea. E Cuca queria mais. Dois minutos depois, o técnico tirou Wallyson para a entrada de Dudu. Principal responsável pela vitória celeste, o atacante saiu de campo ovacionado pela torcida.

No ritmo do ‘olé’ da torcida, o Cruzeiro alcançou o terceiro gol. Aos 41 minutos, após longa troca de passes, Dudu recebeu com liberdade pela esquerda, invadiu a área e bateu cruzado. Farías, na segunda trave, só teve o trabalho de empurrar para as redes. Vibrando muito, a torcida celeste imediatamente gritou o nome do técnico Cuca.

Fábio apareceu na segunda etapa ao sair nos pés de Escobar, que entrava com perigo na área cruzeirense. Com 44 minutos, o Cruzeiro respondeu com estilo. Thiago Ribeiro acertou um lindo chute da intermediária e mandou a bola no ângulo de Aurrecochea, dando números finais ao jogo: Cruzeiro 4 a 0.

Ainda deu tempo de Fábio fazer outra boa defesa, em chute de Benítez de fora da área.

Cruzeiro 4 x 0 Guaraní (PAR)

Local: Arena do Jacaré, Sete Lagoas

Data/Hora: 22/02/2011 / 19h14 (horário de Brasília)

Público / Renda: 12.067 pagantes / R$ 275.668,02

Arbitragem: Raúl Orozco, auxiliado por Jorge Calderón e Efraín Castro (todos da Bolívia)

Cartões amarelos: Victorino, Gil, Montillo e Farías (CRU); Escobar, Paniagua e Ortiz (GUA)

Gols: Wallyson (30’/1ºT) e (18’/2ºT); Farías (41’/2ºT); Thiago Ribeiro (44’/2ºT)

Cruzeiro: Fábio; Pablo, Gil, Victorino e Diego Renan; Marquinhos Paraná, Henrique, Roger (Thiago Ribeiro, 30’/2ºT)e Montillo; Wallyson (Dudu, 36’/2ºT) e Wellington Paulista (Farías, 16’/2ºT). Técnico: Cuca.

Guaraní (PAR): Pablo Aurrecochea; Eduardo Filippini, Ignacio Ithurralde (Pedro Chávez, 28’/2ºT) (Tomás Bartomeus, 33’/2ºT), Francisco Benítez e Federico Carballo; Elvis Marecos, Miguel Paniagua, Angel Ortiz e Jorge Mendoza (Osvaldo Hobecker, 14’/2ºT); Julián Benítez e Fabio Escobar. Técnico: Carlos Compagnucci

fevereiro 23, 2011 Posted by | Cruzeiro | | Deixe um comentário

Embalado, Cruzeiro passa pelo Ipatinga: 2 a 0

Raposa domina o jogo do começo ao fim, vence o Tigre sem grandes dificuldades e cola na liderança

Embalado pela vitória sobre o Estudiantes na Libertadores, o Cruzeiro bateu o Ipatinga por 2 a 0, neste sábado, na Arena do Jacaré. Mesmo jogando com uma equipe mista, a Raposa foi superior durante toda a partida e não encontrou muitas dificuldades para passar pelo Tigre.

Com público pequeno na Arena, o Cruzeiro viu o goleiro Raniere ser o grande destaque do primeiro tempo, salvando o Ipatinga em diversas oportunidades. Na segunda etapa, no entanto, Cuca colocou o time para frente com as entradas de Wallyson e Farías, e o resultado apareceu. Thiago Ribeiro, aos seis minutos da etapa complementar, e Wallyson, aos nove, fizeram os gols da vitória celeste.

A vitória leva o Cruzeiro aos nove pontos, no segundo lugar da classificação, ao lado do rival Atlético-MG, que leva vantagem nos critérios de desempate. Amanhã, no complemento da rodada, o Cruzeiro poderá ser ultrapassado pelo América-MG, que encara o Funorte, e pelo Guarani, que tem duelo contra o Galo.

Já o Ipatinga continua na lanterna do Mineiro, com apenas um ponto marcado em quatro rodadas. A equipe, que já na próxima rodada deverá ter a estreia de seu novo técnico, o ex-atacante Guilherme, marcou apenas dois gols na competição, enquanto sofreu 12.

O próximo compromisso da Raposa é pela Copa Libertadores, contra o Guarani (PAR), na terça-feira, também na Arena do Jacaré. O Ipatinga receberá o Democrata-GV na próxima rodada do Mineiro. Confira como foi o jogo.

Fábio assistiu e Raniere trabalhou

A primeira parte do jogo foi totalmente dominada pelo Cruzeiro que, no entanto, não conseguiu transformar sua superioridade em gols. Com uma formação muito cautelosa, o Ipatinga pouco produziu em termos ofensivos, já que Alessandro, o único atacante da equipe, ficava isolado no campo de ataque.

A primeira defesa do goleiro Fábio foi aos 42 minutos, após falta cobrada por Luizinho, que o arqueiro celeste encaixou sem problemas. Do outro lado, Raniere foi a principal figura da primeira etapa, trabalhando bem em todas as vezes que foi exigido.

A primeira oportunidade da Raposa foi logo aos dois minutos de jogo. Depois de boa troca de passes no campo ofensivo, Wellington Paulista achou Thiago Ribeiro dentro da área, que chutou fraco, para a defesa de Raniere. Aos cinco, foi a fez de Marquinhos Paraná disparar chute de longe, que o goleiro segurou firme.

O Cruzeiro seguiu pressionando e criou novas chances de gol. Em investida ofensiva do zagueiro Naldo, a bola chegou até Paulista, que fez o pivô e tocou de calcanhar para Dudu, que chutou colocado, e viu Raniere fazer bela defesa, colocando pela linha de fundo. Aos 13, Everton cobrou falta na área, Wellington Paulista desviou de cabeça e mais uma vez o goleiro defendeu firme.

Quatro minutos depois, Thiago Ribeiro apareceu com perigo pela direita e levantou na área. Diego Renan apareceu de surpresa e tocou de cabeça, mas Raniere fez outra boa defesa. Aos 22, Everton fez boa tabela pela direita com Leandro Guerreiro, que invadiu a área e chutou forte, mas Raniere espalmou.

Só dava Raposa. Aos 25 minutos, belo lançamento de Everton na área para Marquinhos Paraná, que escorou de cabeça para o meio. Wellington Paulista tentou alcançar a bola, mas Marcelinho apareceu primeiro para cortar na hora certa.

Nos minutos finais do primeiro tempo o Cruzeiro diminuiu o ritmo, sentindo o calor. A equipe do Ipatinga esbouçou uma pressão, mas não teve qualidade para penetrar na defesa celeste. Saindo para o intervalo, o atacante Wellington Paulista fez um diagnóstico da etapa inicial.

– Nós precisamos nos movimentar um pouco mais. Está calor e nós estamos tentando trabalhar a bola o mais rápido possível, mas eles estão marcando forte. Vamos ver se no segundo tempo nós conseguimos fazer um gol para sair com a vitória – disse o atacante.

Mudanças e gols

Na volta do intervalo, os dois times efetuaram mudanças. No Ipatinga, Wanderson saiu para a entrada de seu xará, Wanderson Duarte. Já no Cruzeiro, o técnico Cuca colocou Wallyson e Ernesto Farías, nos lugares de Everton e Wellington Paulista, lançando a equipe ao ataque.

O resultado foi imediato, pois logo aos dois minutos a Raposa chegou com perigo. Após cobrança de escanteio, Leandro Guerreiro recebeu passe de Edcarlos na entrada da área e chutou colocado, mas Ranieri espalmou com estilo pela linha de fundo. Na sequência, Wallyson invadiu a área em jogada individual e cruzou rasteiro. Edcarlos finalizou fraco e a defesa cortou.

A pressão celeste não parou. Thiago Ribeiro arriscou chute de fora da área no cantinho e mais uma vez o goleiro do Ipatinga apareceu para defender. No minuto seguinte, Diego Renan foi lançado nas costas da defesa, invadiu a área e chutou forte, para nova defesa de Raniere.

De tanto insistir, o gol celeste saiu. Aos seis minutos, Thiago Ribeiro fez jogada individual pela ponta esquerda, abriu espaço para o meio, cortou a marcação de Luizinho e soltou o pé. Raniere se esticou todo, mas não conseguiu fazer a defesa e viu a bola morrer no fundo da rede.

Três minutos depois, Marquinhos Paraná viu Wallyson livre dentro da área e lançou com categoria. O atacante dominou limpando a marcação e finalizou de perna esquerda, com firmeza, vencendo o goleiro Raniere: 2 a 0.

Aos 18 minutos, o atacante Farías, que estreava na temporada 2011, balançou as redes. Em lance parecido com o do primeiro gol, Thiago Ribeiro cortou a marcação na intermediária, chutou rasteiro e o argentino escorou para o gol, mas em posição irregular. O árbitro prontamente invalidou o tento.

Depois do segundo gol celeste, o ritmo da partida diminuiu drasticamente. O Cruzeiro passou a administrar o resultado, explorando os contragolpes e deixando o Tigre trabalhar a bola mais à vontade. A equipe do Vale do Aço, no entanto, continuou sem levar perigo ao goleiro Fábio, que continuou sendo um espectador privilegiado da partida.

Cruzeiro 2 x 0 Ipatinga

Estádio: Arena do Jacaré, Sete Lagoas

Público/Renda: 1.664 pagantes / R$ 25.108,13

Data/Hora: 19/02/2011 / 17h (de Brasília)

Árbitro: Joel Tolentino Damata Júnior

Auxiliares: Marcus Vinícius Gomes e Flamiron Sócrates da Silva

Cartões amarelos: Edcarlos, Dudu, Naldo (CRU); Leanderson, Leandro Brasília (IPA)

Gols: Thiago Ribeiro (6’/2ºT) e Wallyson (9’/2ºT)

Cruzeiro: Fábio; Pablo, Naldo, Edcarlos e Diego Renan; Leandro Guerreiro, Marquinhos Paraná, Everton (Wallyson, intervalo) e Dudu (Pedro Ken, 36’/2ºT); Thiago Ribeiro e Wellington Paulista (Fárias, intervalo)

Técnico: Cuca

Ipatinga: Raniere; Luizinho (Léo Medeiros, 21’/2ºT), Marcelinho, Max e Marinho Donizete (Chiquinho, 32’/2ºT); Leanderson, Leandro Brasília, Eron, Rodrigo Antônio e Wanderson (Wanderson Duarte, intervalo); Alessandro

Técnico: Wasterdeyle Lima

fevereiro 19, 2011 Posted by | Cruzeiro | , | Deixe um comentário

Na revanche de 2009, Raposa atropela o Estudiantes: 5 a 0

Com show de Montillo, Cruzeiro não dá chances aos argentinos e aplica uma goleada histórica na estreia na Libertadores

Era uma revanche para os cruzeirenses, mas foi tão fácil que não pareceu. No reencontro com o Estudiantes (ARG), algoz da final da Libertadores de 2009, o Cruzeiro não deu chances aos argentinos e goleou o rival nesta quarta-feira: 5 a 0 no Estádio Arena do Jacaré, em Sete Lagoas.

Com a Arena do Jacaré sendo um caldeirão, a pressão começou antes mesmo de a bola rolar. Ao soar o apito, a Raposa massacrou o adversário e com menos de um minuto marcou com Wallyson, que também seria o responsável por fechar placar, no segundo tempo. A noite, no entanto, era de Montillo, que marcou duas vezes e ainda deu uma linda assistência para Roger.

Em campo, quase não se viu os carrascos de dois anos atrás. Verón, Braña, Gastón Fernández e seus companheiros pouco produziram, o que facilitou, e muito, a tarefa cruzeirense. Com a vitória, a Raposa soma seus primeiros três pontos no Grupo 7 da Libertadores e fica ao lado do Deportes Tolima, da Colômbia, que venceu o Guarani (PAR) na estreia, mas leva vantagem nos critérios de desempate (saldo de gols).

MASSACRE CELESTE NO INÍCIO

O Cruzeiro começou o jogo com tudo e com menos de um minuto já se colocou à frente no placar. Em jogada pela esquerda, Wellington Paulista tocou para Wallyson na entrada da área. O estreante em Libertadores não sentiu a pressão, abriu espaço e chutou de perna direita. A bola desviou em Ré, ganhou altura e encobriu o goleiro Orion, morrendo no fundo da rede: Cruzeiro 1 a 0.

A primeira boa chegada do Estudiantes foi ao seis minutos. Após cobrança de falta na área, a bola sobrou para Federico Fernández, que cabeceou na direção do gol, para defesa segura de Fábio. Dois minutos depois o goleiro celeste deu um susto na torcida. O arqueiro deixou a área para cortar lançamento longo na ponta direita do ataque argentino, mas acabou entregando a bola nos pés de Verón, que chutou de primeira. No entanto, Henrique apareceu na hora certa e fez o corte de cabeça, salvando o Cruzeiro.

Nos minutos seguintes a Raposa não conseguiu encaixar seu jogo e cedeu espaços para o adversário, que trabalhava a bola com qualidade, mas sem levar grande perigo à meta do capitão celeste.

Aos 18, a estrela de Montillo começou a brilhar. Em contra-ataque, o argentino aplicou belo drible em Braña, que ficou caído no chão, e fez longo lançamento para Roger na ponta esquerda. O camisa 17 recebeu a bola, limpou Verón com facilidade e bateu com a perna direita, da entrada da área, no cantinho direito de Orion, ampliando o marcador. Na comemoração, Roger saiu mandando beijos para sua esposa Deborah Secco, que prestigiava a partida no estádio.

Verón, “La Brujita”, respondeu no minuto seguinte, em chute forte de fora da área, que Fábio, com segurança, espalmou para o lado. Aos 20 minutos Wallyson recebeu bola longa de Roger pela direita, tentou invadir a área em jogada individual, mas se chocou com Nelson Benítez e foi ao chão. O árbitro mandou o jogo seguir.

Na sequência, duas jogadas rápidas do argentino Montillo quase resultaram em gols. Na primeira, ele puxou contragolpe sozinho, invadiu a área pela direita e chutou cruzado, mas Orion conseguiu fazer a defesa. Depois, o camisa 10 celeste recebeu passe em profundidade de Wallyson e finalizou por cobertura, em lance parecido com o gol que marcou sobre o Flamengo na Libertadores de 2010, mas desta vez a bola foi pela linha de fundo.

Mas a noite era de Montillo. Aos 39 minutos, Roger recebeu lançamento pela ponta esquerda e cruzou rasteiro, na medida para Montillo, que se antecipou a Ré, driblou o goleiro Orion e tocou para o gol vazio. Um golaço e festa na Arena do Jacaré.

A FESTA CONTINUA

As duas equipes voltaram sem modificações na segunda etapa, e o Estudiantes teve as primeiras oportunidades. Primeiramente, Nelson Benítez arriscou chute da intermediária, mas pegou mal na bola, que foi diretamente pela linha de fundo. Depois, Pérez invadiu a área pela esquerda e conseguiu o cruzamento fechado, mas Fábio segurou firmemente.

O início da segunda etapa foi muito nervoso, com três cartões amarelos distribuídos. O primeiro para Desábato, que fez falta no meio de campo, depois para Henrique, por reclamação, e por último Nelson Benítez, também por infração cometida. O clima ficou ainda mais pesado quando um torcedor do Cruzeiro atirou um chinelo no gramado, que pode prejudicar o próprio time na sequência da Libertadores.

O gol mais bonito da noite, entretanto, ainda estava por vir. Aos 14 minutos, Gilberto tentou passe para Wellington Paulista dentro da área e a defesa argentina cortou mal. Montillo, da meia direita, pegou de primeira, sem deixar a bola cair no chão, e acertou um foguete, que Orion não conseguiu segurar: 4 a 0 para a Raposa.

Aos 20 minutos, Gilberto, cansado, pediu substituição, e Diego Renan entrou em seu lugar. O veterano foi muito aplaudido pela torcida do Cruzeiro, que não estava contente com suas últimas atuaçõas. No lance seguinte, sob os gritos de “olé” da Arena do Jacaré, o Cruzeiro trocou passes com calma pelo campo, até que Marquinhos Paraná enfiou bela bola para Wallyson, que recebeu dentro da área e finalizou pela linha de fundo.

E a festa continuou nas arquibancadas, com a torcida celeste gritando o nome do treinador Cuca. Em seguida, foi a vez de Roger ser substituído, também sob aplausos dos torcedores.

Aos 28 minutos, Victorino se desentendeu com Gil e não cortou a bola, que ficou limpa para Enzo Pérez. O argentino invadiu a área pela direita e chutou forte, mas Fábio rebateu. Na sequência, Pérez insistiu na jogada individual, mas foi desarmado por Diego Renan.

Três minutos depois, Wellington Paulista fez bom lançamento na direita para Wallyson, que invadiu a área, passou como quis por Ré, mas chutou por cima do gol. Foi a última participação de Paulista na partida, pois aos 32 ele foi substituído por Thiago Ribeiro.

E a entrada do velocista rendeu frutos. Aos 37 minutos, Thiago avançou com muita velocidade pela direita e cruzou rasteiro para a pequena área. Braña tentou cortar, mas se enrolou com o goleiro Orion, e a bola ficou limpa para Wallyson, que só teve o trabalho de empurrar a bola para o gol vazio.

Depois do quinto gol, com a alma lavada, restou ao torcedor do Cruzeiro esperar pelo apito final, gritando “olé” a cada toque que a equipe celeste dava na bola.

Cruzeiro 5 x 0 Estudiantes (ARG)

Estádio: Arena do Jacaré, Sete Lagoas

Data/Hora: 16/02/2011 / 22h (de Brasília)

Árbitro: Carlos Amarilla (PAR)

Auxiliares: Milcíadis Saldívar e Carlos Cáceres (PAR)

Público/Renda: 10.955 pagantes / R$ 377.266,50

Cartões amarelos: Wellington Paulista, Marquinhos Paraná, Henrique, Gil (CRU); Rodrigo Braña, Desábato, Nelson Benítez, Federico Fernández (EST)

Gols: Wallyson (1’/1ºT) e (37’º2ºT), Roger (18’/1ºT), Montillo (39’/1ºT) e (14’/2ºT)

Cruzeiro: Fábio; Pablo, Gil, Victorino e Gilberto (Diego Renan, 20’/2ºT); Marquinhos Paraná, Henrique, Roger (Dudu, 25’/2ºT)e Montillo; Wallyson e Wellington Paulista (Thiago Ribeiro, 32’/2ºT).

Técnico: Cuca

Estudiantes (ARG): Orion; Mercado, F. Fernández, Desábato e Ré; Braña, N. Benítez, L. Benítez (Núñes, 12’/2ºT)e Verón; Pérez e G. Fernández (López, 35’/2ºT).

Técnico: Eduardo Berizzo

fevereiro 16, 2011 Posted by | Cruzeiro | , | Deixe um comentário

Diante da torcida rival, Atlético-MG derrota Cruzeiro na Arena do Jacaré

Equipe alvinegra vence o time celeste por 4 a 3, com três gols de Tardelli

Pela terceira vez consecutiva, o mandante não consegue vencer o clássico diante de sua torcida. Desta vez, quem riu por último foi o atleticano que ficou em Belo Horizonte e viu, pela televisão, o Galo vencer o Cruzeiro por 4 a 3 na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas.

Com o resultado, a equipe comandada por Dorival Júnior assume a liderança isolada do Campeonato Mineiro. O próximo jogo será no dia 19, contra o Guarani.

Já o Cruzeiro dá um tempo na competição estadual e, na quarta-feira, estreia na Libertadores, contra o Estudiantes, em Sete Lagoas.
As provocações já começaram antes mesmo de a bola rolar. Quando os jogadores do Galo entraram no gramado para o aquecimento, foram xingados pelos torcedores cruzeirenses. O alvo predileto foi o zagueiro Leonardo Silva, que não acertou sua renovação com a Raposa ao final do ano passado e se transferiu para o rival. Os cruzeirenses gritavam ‘o meu Cruzeiro não precisa de você’ e ‘mercenário’ para o defensor.

O jogo começou com as duas equipes se estudando. O primeiro lance de perigo aconteceu somente aos cinco minutos, depois do chute de fora da área de Henrique, que passou a direita do gol de Renan Ribeiro. O Cruzeiro tinha mais posse de bola, enquanto o Atlético esperava o melhor momento para dar o bote. Wellington Paulista, após ter pegado uma bola espirrada depois de um chute de Montillo, só teve o trabalho de tocar no canto direito para abrir o placar, aos 19 minutos.

Mas se não tem lance polêmico, não é clássico. Cinco minutos depois, o árbitro Cleisson Veloso viu falta de Léo sobre Werley dentro da área. Pênalti que Diego Tardelli converteu para empatar.

E o Galo virou o placar pouco tempo depois. Jackson ganhou a dividida de Diego Renan e lançou rasteiro na área. O zagueiro Léo não cortou e Diego Tardelli chutou, Fábio defendeu parcialmente, mas o atacante cabeceou no rebote.
Wellington Paulista abriu o placar em Sete Lagoas
(Foto: Washington Alves/VIPCOMM)
Com a desvantagem no placar, a Raposa foi com tudo em busca do empate. Henrique cabeceou na trave um escanteio cobrado por Montillo. O goleiro atleticano Renan Ribeiro fez duas boas intervenções em chutes de Wellington Paulista e Thiago Ribeiro.

O primeiro tempo acabou com o Cruzeiro pressionando e o Atlético se defendendo como pôde. Quando as duas equipes deixavam o campo os atacante Wellington Paulista e Diego Tardelli protagonizaram cenas de fortes discussões, que começaram após o segundo gol do camisa nove alvinegro.
Segundo tempo

O técnico Cuca preferiu poupar o zagueiro Léo, que havia levado o cartão amarelo e falhado no segundo gol alvinegro. Ele deixou o time para a entrada de Edcarlos. Roger, relacionado pela primeira vez no campeonato, foi para o jogo, na vaga de Gilberto. E entrou sob aplausos da torcida.

O Cruzeiro iniciou a segunda etapa a todo vapor. Pablo lançou Henrique, que tocou na saída de Renan Ribeiro para empatar a partida. Mas, assim como no primeiro tempo, o Galo voltou a marcar logo após o gol celeste. Magno Alves tocou para Diego Tardelli, que da entrada da área, chutou no canto direito de Fábio.

Com o gol, o Galo passou a jogar no contra-ataque, com a velocidade de Tardelli e Magno Alves. E soube ser mortal. Berola lançou Ricardinho na direita e recebeu ótimo passe do meia de dentro da área. O atacante driblou Fábio e tocou rasteiro para fazer o quarto gol.

O Cruzeiro ainda diminuiu com Gil, após rebote de falta cobrada por Montillo e mandou uma bola na trave, na cabeçada de Wellington Paulista, mas a festa acabou, mesmo, sendo da torcida atleticana que não pode ir à Arena do Jacaré.
CRUZEIRO 3 X 4 ATLÉTICO-MG
Fábio; Pablo, Léo (Edicarlos), Gil e Diego Renan (Wallyson); Leandro Guerreiro, Henrique, Gilberto (Roger) e Montillo; Thiago Ribeiro e Wellington Paulista. Renan Ribeiro; Jackson, Leonardo Silva, Werley e Leandro; Zé Luis, Serginho, Ricardinho (Diego Souza) e Renan Oliveira (Wesley); Magno Alves (Neto Berola) e Diego Tardelli.
Técnico: Cuca Técnico: Dorival Júnior
Motivo: segunda rodada do Campeonato Mineiro. Data: 12/02/2011. Horário: 17h (de Brasília). Árbitro: Cleison Veloso. Auxiliares:
Público: 9.793 pagantes. Renda: R$ 267.256,88. Cartões amarelos: Léo , Wellington Paulista, Fábio, Léo, Gil (Cruzeiro); Diego Tardelli, Leandro, Serginho, Leonardo Silva (Atlético-MG). Cartão vermelho: Diego Tardelli.
Gols: Wellington Paulista (Cruzeiro), aos 19 minutos do primeiro tempo; Diego Tardelli (Atlético-MG), aos 25 e aos 27 do primeiro tempo; Henrique (Cruzeiro), aos quatro do segundo tempo; Diego Tardelli, aos seis do segundo tempo; Neto Berola (Atlético-MG), aos 26 do segundo tempo; Gil (Cruzeiro), aos 40 do segundo tempo.

fevereiro 12, 2011 Posted by | Atlético-MG, Cruzeiro | , | Deixe um comentário

Estreante André Dias marca e Cruzeiro vence o Villa Nova


Raposa teve dificuldade para passar pelo goleiro Vagner

Mesmo domindando as ações, o Cruzeiro teve dificuldade para superar o goleiro Vagner e vencer o Villa Nova, neste domingo, por 1 a 0, no Castor Cifuentes, em Nova Lima, pela segunda rodada do Mineiro. O único chute que o camisa 1 do time da casa não conseguiu defender foi do atacante estreante André Dias, já aos 41 do segundo tempo.

Com o resultado, a Raposa chegou aos seis pontos, mesmo número do Atlético-MG. Porém o time celeste só não é o líder porque o Galo tem melhor saldo de gols. Já o Villa continua com um ponto, na oitava posição.

Jogo

O Cruzeiro começou com tudo. Logo no primeiro minuto, por muito pouco a Raposa não abriu o placar. Gilberto desceu em velocidade pela esquerda e cruzou. Thiago Ribeiro acertou um belo chute de primeira, mas Carciano, em cima da linha, estava lá para evitar o primeiro gol celeste.

O Villa respondeu aos 12 minutos. O argentino Martín Palermo mandou um chute forte da intermediária e obrigou Fábio a se esticar todo para fazer a defesa no canto esquerdo.

Apesar do péssimo estado do gramado, o Cruzeiro conseguia ter maior volume de jogo e assustar o adversário. Aos, 22, Thiago Ribeiro, de novo ele, caiu pela direita e disparou cruzado para o gol. Ainda bem para o Villa que o goleiro Vagner estava ligado e evitou que o chute entrasse.

Até então apagado e escondido na forte marcação do Villa, o meia Montillo entrou em ação. O argentino driblou dois e, da entrada da área mandou para o gol. Mas Vagner fez outra bela defesa.

O goleiro do Villa Nova foi o destaque da primeira etapa, salvando seu time em outras três oportunidades. Na terceira delas, aos 42, Wellinton Paulista, à queima-roupa, obrigou Vagner a fazer um milagre. Assim o placar ficou inalterado até o intervalo.

Segundo Tempo

Na volta para a etapa complementar, o Cruzeiro não teve a boa vida do primeiro tempo para criar jogadas. Nos primeiros minutos, a Raposa não ofereceu perigo ao Villa, que – esperando oportunidades para contra-atacar – também não assustou.

Mas aos 18 minutos o time da casa mostrou as garras. Depois do cruzamento da esquerda, Gedeon subiu mais que a defesa cruzeirense e testou firme para o gol. Fabio mostrou o motivo de ser um dos ídolos do Cruzeiro e fez um milagre ao espalmar a bola, que veio forte e no canto.

O Villa Nova se animou. Aos 23, novamente o Leão do Bonfim levou perigo, com Alex Santos, que investiu pela direita e chutou cruzando. A bola passou rente à trave de Fábio.

Aos 25 o Cruzeiro deu o ar da graça no segundo tempo. Em cobrança de falta, Montillo bateu colocado e Vagner fez outra bela defesa, mandando para escanteio.

O tempo foi passando, mas o Cruzeiro não conseguia se acertar na frente para marcar. Mas aos 36 minutos, Carciano foi expulso e cinco minutos depois o Cruzeiro alcançou o gol. Wallyson fez boa jogada pela direita e cruzou para André Dias, sozinho, marcar o gol na estreia com a camisa da Raposa.

Depois disso, o Villa não teve força para reagir e o Cruzeiro só administrou a vantagem. Segunda vitória no Mineiro assegurada.

VILLA NOVA 0 X 1 CRUZEIRO

Local Castor Cifuentes, Nova Lima, (MG)

Data/hora: 6/02/2011, 19h30h (Brasília)

Árbitro: Alício Pena Júnior

Cartões Amarelos: Bruno Lourenço, Palermo, Carciano, Gedeon (VIL); Thiago Ribeiro, Gil, Léo (CRU)

Cartão Vermelho: Carciano (VIL)

Gol: André Dias, 41’/2ºT, 0-1)

Renda: R$ 55.230,00

Público: 4.144 pagantes

VILLA NOVA: Vagner; Alex Santos, Bruno Lourenço, Carciano e Radar; Dudu Araxá, Bóvio (Marquinhos, 32’/2 T), Gedeon e Martín Palermo; Allan e Paulo (Heitor, 32’/2 T). Técnico: Gottardo.

CRUZEIRO: Fabio; Pablo (André Dias, 22’/2 T), Gil, Léo e Diego Renan; Leandro Guerreiro, Henrique, Gilberto e Montillo; Thiago Ribeiro (Wallyson, 29’/2 T) e Wellington Paulista (Dudu, 32’/2 T). Técnico: Cuca

fevereiro 6, 2011 Posted by | Cruzeiro | Deixe um comentário

Cruzeiro supera a Caldense e estreia com vitória no Mineiro

Raposa só venceu a resistência do adversário na segunda etapa do confronto na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas

O Cruzeiro demorou a engrenar, mas confirmou o seu favoritismo e estreou no Campeonato Mineiro de 2011 com vitória. Neste domingo, a Raposa derrotou a Caldense por 3 a 0, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas.

O jogo:

O fato de a Caldense ter iniciado a sua pré-temporada antes do Cruzeiro, o que é normal para equipes de menor expressão, não surtiu o efeito esperada pela equipe de Poços de Caldas no início da partida. Apesar de melhor condicionada fisicamente, a Caldense teve muita dificuldade para impedir o bom toque de bola do Cruzeiro, que envolveu o adversário.

Com posse de bola e toques objetivos, a Raposa ditava o ritmo do jogo e foi assim que criou três boas oportunidades de gol. Aos quatro minutos, Thiago Ribeiro fez boa jogada pela direita e por muito pouco não abriu o placar. Aos 15 minutos, o zagueiro Léo – sem marcação na pequena área – só não marcou, pois finalizou sem direção. No minuto seguinte, mais uma chance. Novamente Thiago Ribeiro obrigou Glaysson a fazer boa defesa.

Diego Renan vibra com gols marcados no início da temporada

No entanto, a blitz do Cruzeiro não intimidou a Caldense, que de acuada em campo passou a ser ofensiva e levou perigo. Aos 23 minutos, após jogada de Mirandinha, Rivaldo, sem marcação, finalizou para fora. No minuto seguinte foi a vez de Mirandinha arriscar finalização contra a meta defendida por Fábio.

Apesar de ter diminuído o seu ímpeto, a Caldense teve grande oportunidade de abrir o placar graças à falha de defesa cruzeirense. Após jogada de Ivo, o zagueiro Gil falhou e Mário Loyola demorou a finalizar. Já o Cruzeiro seguia pressionando o adversário e desperdiçando gols. Aos 41 minutos, Gilberto – que ouvia a torcida do Cruzeiro pedir pela presença do meia Roger – dominou com categoria e finalizou em um belo voleio, que não foi na direção do gol.

Segundo tempo:

O panorama dos primeiros minutos da segunda etapa foi semelhante ao do início da partida. O Cruzeiro começou melhor. O zagueiro Léo teve a primeira chance de gol, após cobrança de escanteio de Montillo. Já a Caldense também ameaçou. Aos 15, Ivo finalizou e Fábio fez boa defesa e impediu que Fabrício chegasse na bola. No minuto seguinte foi a vez de Thiago Ribeiro arriscar de fora da área e a bola passar com perigo.

Raposa engrena e vence o goleiro Glaysson:

O Cruzeiro era melhor em campo. Com três atacantes – Wallyson entrara – a Raposa sofreu, mas alcançou o seu objetivo após boa jogada de Thiago Ribeiro. Aos 19 minutos, o camisa 11 foi derrubado por Ivo na pequena área. Pênalti que Wellington Paulista cobrou e marcou. Cruzeiro 1 a 0.

Dois minutos depois, Diego Renan tabelou com Wellington Paulista e finalizou sem chances para Glaysson. Cruzeiro 2 a 0 e Caldense sem forças para reverter o placar.

Com uma boa vantagem no placar, o Cruzeiro passou a administrar o resultado e quando teve espaços para chegar ao gol de Glaysson, não desperdiçou. Aos 40 minutos, após boa jogada de Wallysson, Dudu marcou o seu primeiro gol em competições oficiais com a camisa do Cruzeiro, após aproveitar rebote do goleiro da Caldense e definiu o placar na Arena do Jacaré.

Próximos compromissos:

Na próxima quarta-feira (2/2), a Caldense recebe o América-MG, no Ronaldão, às 22h. Já o Cruzeiro visita o Villa Nova, às 17h, no Castor Cifuentes.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 3 X 0 CALDENSE

Local: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas
Data/hora: 30/01/2011, 17h
Árbitro: Cleison Veloso
Auxiliares: Celso Luiz da Silva (MG) e Marcus Vinícius Gomes (MG)
Renda/Público: Não divulgados.

Cartões amarelos: Rômulo (CRU); Rivaldo e André Alves (CAL)
Cartões vermelhos: Não houve.

Gols: Wellington Paulista, aos 20’2T(1-0), Diego Renan, aos 20’2T(2-0) e Dudu, aos 40’2T(3-0).

CRUZEIRO: Fábio, Rômulo (Wallyson, aos 9’2T), Gil, Léo e Diego Renan; Pablo, Henrique, Gilberto (Pedro Ken, aos 31’2T) e Montillo (Dudu, aos 36’2T); Thiago Ribeiro e Wellington Paulista. Técnico: Cuca

CALDENSE: Glaysson, André Alves, Anderson Carvalho, Rafael Dias; Ivo (Robson, aos 25’2T), Maxsuel, Mário, Luizinho e Mário Loyola (Flavinho, aos 29’2T); Mirandinha e Rivaldo (Fabrício, aos 12’2T).

janeiro 31, 2011 Posted by | Cruzeiro | | Deixe um comentário

Cruzeiro confirma contratação de Guerreiro

Clube celeste anunciou no seu site oficial o acordo com o Botafogo para ter volante indicado por Cuca

O volante Leandro Guerreiro foi confirmado na tarde desta quarta-feira como novo reforço do Cruzeiro para a temporada de 2011. O clube celeste fez o anúncio no seu site oficial e ainda não divulgou os detalhes da negociação.

Leandro Guerreiro foi indicado pelo técnico Cuca, com quem trabalhou no Botafogo. Além disso, o Cruzeiro já havia tentado contratar o jogador anteriormente com Adilson Batista no comando.

No início da tarde desta quarta-feira o LANCENET! havia antecipado a informação que o Botafogo já tinha aceitado a proposta celeste.

Ficha técnica:

Nome: Leandro Luchese Guerreiro
Posição: Volante
Data de Nascimento/idade: 17 de novembro de 1978 (32 anos)
Local: São Borja (RS)
Altura: 1,83m
Carreira: Internacional-RS (1999-2001), Guarani-SP (2002-2003), Salernitana-ITA (2003-2004), Napoli-ITA (2004-2005), Ponte Preta (2005), Pescara-ITA (2005-2006), Criciúma-SC (2006), Botafogo-RJ (2007-2011) e Cruzeiro (2011)
Títulos: Campeonato Brasileiro Série C (2006) pelo Criciúma-SC; Taça Rio (2007, 2008 e 2010); Taça Guanabara (2009 e 2010) e Campeonato Carioca (2010) pelo Botafogo-RJ

janeiro 12, 2011 Posted by | Cruzeiro | | Deixe um comentário

Loco Abreu passa a ser nome forte no Cruzeiro para a temporada 2011

Atacante poderia não seguir no Botafogo e interessa ao clube mineiro

O diretor de futebol do Cruzeiro, Dimas Fonseca, informa que o clube está conversando ‘com mais de dois’ atacantes para reforçar o time para a temporada 2011. A pequena lista pode ganhar um novo nome a partir desta segunda-feira: o de Loco Abreu, que disputou o Brasileirão pelo Botafogo. O jogador, no entanto, tem contrato com o clube carioca até o fim de 2011, mas poderá vestir uma nova camisa no ano que vem.

No início da tarde, o dirigente foi informado que o atacante Loco Abreu poderia não permanecer no Botafogo.

– É um nome que nem havíamos pensado, pois não imaginávamos que ele sairia do Botafogo. É um bom jogador, mas temos que saber as reais condições dele.

Dimas Fonseca não quis informar quem são os atacantes pretendidos pelo Cruzeiro. Revelou, apenas que Eliandro, que disputou o Campeonato Brasileiro pelo Sport, deverá ser reintegrado ao elenco. E também Sebá, atacante das categorias de base e que está disputando o Brasileiro Sub-20.

dezembro 13, 2010 Posted by | Botafogo, Cruzeiro | | Deixe um comentário

Cruzeiro vence, mas não leva o título brasileiro

Raposa precisava vencer e torcer contra Fluminense e Corinthians, mas a equipe carioca venceu e foi campeã

O Cruzeiro fez a sua parte e venceu, de virada, o Palmeiras por 2 a 1, neste domingo, na Arena do Jacaré, mas não alcançou o seu objetivo: o títulobrasileiro, uma vez que o Fluminense venceu o Guarani, no Engenhão e ficou com o título.

Com o resultado, o Cruzeiro terminou o Brasileirão na segunda posição com 69 pontos e com isso se garantiu na Libertadores sem a necessidade de disputar a fase classificatória da competição.

O jogo:

O confronto entre os ex-Palestras Itália foi movimentado nos primeiros minutos. O Cruzeiro apostava no toque de bola para envolver o time de reservas e juniores do Palmeiras, que tinha dificuldade para chegar ao gol de Fábio. A falta de entrosamento dos comandados de Felipão era grande e nítida. Como o Cruzeiro precisava de gols, além de torcer contra Fluminense e Corinthians, a Raposa fez o que precisava: pressionou o Palmeiras desde o início da partida.

A blitz cruzeirense começou aos 12 minutos. Após sucessivas oportunidades de gol, o volante Henrique recebeu de Diego Renan e finalizou para a defesa de Bruno, que por pouco não alcançou a bola. Já aos 22, após escanteio cobrado pelo argentino Montillo, o zagueiro Léo cabeceou com perigo. A superioridade do Cruzeiro era tanta que a equipe mineira já havia finalizado cinco vezes contra apenas uma dos jovens palmeirenses.

Se o Cruzeiro tinha o toque refinado e as constantes descidas em velocidade de Roger e Montillo, o Palmeiras tinha a vontade de jogadores querendo mostrar serviço para Felipão. Aos 29 minutos, veio a “prova” da disposição palmeirense. Rivaldo cruzou pela esquerda e o jovem atacante Vinícius, de 17 anos, só não marcou pois Gil fez o corte. Já aos 34, o atacante Dinei arriscou finalização da entrada da área e assustou o goleiro Fábio.

Melhor em campo, o Cruzeiro não desistiu de sua missão. Aos 45 minutos, após bela jogada de Thiago Ribeiro, novamente o volante Henrique surgiu na pequena área do Palmeiras e cabeceou. Bem posicionado, Bruno fez grande defesa e frustrou a torcida do Cruzeiro.

Segundo tempo:

O Cruzeiro voltou com o experiente Gilberto atuando na lateral esquerda. Cuca optou por tirar o laterl-direito Rômulo e com isso Diego Renan passou a atuar no setor. O cartão de visitas da Raposa veio logo aos quatro minutos. Montillo cobrou falta e novamente Bruno fez milagre.O camisa 1 do Palmeiras foi de encontro à bola e fez grande defesa.

Palmeiras complica o Cruzeiro

Se bastava um gol para o Cruzeiro ser campeão – Fluminense e Corinthians apenas empatavam com Guarani e Goiás, respectivamente – os comandados de Cuca teriam de fazer dois. Aos oito minutos, Vitor fez boa jogada pela direita passou por Gil e encontrou Rivaldo, na pequena área e sem marcação, que só cabeceou. Palmeiras 1 a 0 na Arena do Jacaré.

Raposa volta a sonhar com o título

O drama cruzeirense durou apenas dez minutos. O Cruzeiro superou o nervosismo e coube a Henrique, sempre presente no ataque, fazer o gol de empate. Após jogada de Diego Renan, que atuava como lateral-direito, o camisa 8 recebeu e finalizou sem defesa para Bruno, que desta vez nada pôde fazer. Cruzeiro 1 x 1 Palmeiras.

O Fluminense abriu o placar sobre o Guarani e com isso o Cruzeiro passou a precisa de mais um gol, além de ficar na torcida pela equipe paulista. A pressão da Raposa era total. O Palmeiras se preocupava apenas em conter o ímpeto cruzeirense, que buscou o gol, mas a disposição palmeirense em evitá-lo era grande.

Na parte final da partida prevaleceu a vontade do Cruzeiro. O atacante Wallyson, que entrara na segunda etapa, arriscou finalização de fora da área e venceu o goleiro Bruno. Wilton Pereira Sampaio apitou pela última vez e o Cruzeiro passou a ficar na torcida por um gol do Guarani, que acabou não vindo. Apesar de não conquistar o título, o Cruzeiro ao menos não terá que disputar a pré-Libertadores.

FICHA TÉCNICA:
CRUZEIRO 2 X 1 PALMEIRAS

Local: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG)
Data e Hora: 5/12/2010 às 17h (horário de Brasília)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (DF)
Auxiliares: João Antônio Sousa Paulo Neto e Kléber Lúcio Gil (ambos SC)
Renda/Público: 941.145,00 / 16. 191 pagantes.

Cartões amarelos: Diego Renan (CRU); Patrick e Leandro Amaro (PAL)
Cartões vermelhos: Não houve.

Gols: Rivaldo, aos 8’2T(0-1); Henrique, aos 18’2T(1-1) e Wallyson, aos 46’2T(2-1).

CRUZEIRO: Fábio; Rômulo(Gilberto, intervalo), Léo, Gil, Diego Renan; Marquinhos Paraná, Henrique, Roger(Farías, aos 15’2T), Montillo; Thiago Ribeiro e Wellington Paulista(Wallyson, aos 22’2T). Técnico: Cuca.

PALMEIRAS: Bruno, Fabrício, Gualberto, Leandro Amaralo; Vitor, Fernando(Jean, aos 21’2T), Bruno Turco(Luiz Felipe, aos 29’2T), Patrick e Rivaldo; Vinícius(Lenny, aos 37’2T) e Dinei. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

dezembro 5, 2010 Posted by | Cruzeiro, Palmeiras | , | Deixe um comentário