Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Cabeçada de Elton põe o Vasco nas semifinais da Copa do Brasil

Atlético-PR sai na frente, mas time carioca consegue o empate em 1 a 1 e garante vaga pelo maior número de gols marcados na casa do adversário

Foi sofrido, sem vitória, mas o Vasco se aproveitou bem do regulamento e eliminou o Atlético-PR nas quartas de final da Copa do Brasil com um empate de 1 a 1, nesta quinta-feira, em São Januário. Como fez dois gols na casa do adversário, no empate da semana passada em Curitiba, o time carioca garantiu sua vaga nas semifinais da competição. O herói da classificação foi Elton, que começou no banco e foi o autor do gol de cabeça que deu a igualdade no marcador num momento crítico da partida, aos 34 minutos da etapa final. Nieto havia feito o do time paranaense, seis minutos antes.

O Vasco agora enfrentará o Avaí, que derrotou de virada o São Paulo, por 3 a 1, na Ressacada, também nesta quinta.. O primeiro jogo na luta para chegar à final será em São Januário e o segundo em Florianópolis.

elton vasco x atlético-pr (Foto: FOTOCOM.NET)Elton comemora o gol que deu a classificação ao Vasco (Foto: FOTOCOM.NET)

Em desvantagem por ter levado dois gols em casa, o Atlético-PR tomou a iniciativa de atacar e logo com 1 minuto assustou Fernando Prass em periogoso e forte chute de Guerrón. A resposta veio logo depois em chute cruzado de Márcio Careca, que Renan Rocha defendeu parcialmente. Após esses dois lances, o jogo ficou equilibrado, com leve predomínio do time da casa, mas sem chances boas de gol, porque as duas equipes cometiam muitos erros de passe e de domínio de bola.

Somente aos 15 minutos houve outro lance de perigo: após bom passe de Felipe, Diego Souza penetrou no meio da zaga atleticana e bateu de canhota, na meia-lua, mas o chute saiu fraco e facilitou a defesa do goleiro adversário. Um minuto depois, Paulo Baier bateu falta da intermediária e obrigou Fernando Prass a fazer complicada defesa. Aos 20, Fellipe Bastos também cobrou bem uma falta e a bola passou raspando o travessão de Renan Rocha.

Articulação de jogadas não foi o forte dos dois times, então, as chances foram surgindo em lances originados de bola parada. Em três lances seguidos, uma cobrança de falta e dois escanteios, Paulo Baier deu muito trabalho a Fernando Prass, que conseguiu defender em todos jogando a bola pela linha de fundo.

No entanto, a melhor chance de gol apareceu aos 33, para o Furacão. Eduardo Costa falhou, Branquinho pegou a bola e deixou Guerrón livre na área. o equatoriano driblou Prass e conseguiu o mais difícil: perder o gol, chutando para fora. A cada ação, uma reação. Aos 36, após cruzamento alto na área, Eder Luis jogou a bola no pé da trave esquerda de Renan Rocha, que parecia perdido no lance, assim como toda defesa do seu time. Dois minutos depois, Bernardo bateu bem falta, Renan Rocha jogou a escanteio. O mesmo meia cobrou fechado e a bola bateu no travessão.

Gols e muita emoção surgem na etapa final

A segunda etapa começou num ritmo morno, mas aos 4, Eder Luís deu uma arrancada pela direita e cruzou para Felipe, que dentro da área deixou Bernardo livre para marcar, mas o meia jogou a bola longe do gol. O Vasco passou a dominar o jogo e levantou a sua torcida, que lotava São Januário. No entanto, os muitos erros no ataque impediam os vascaínos de criarem mais chances. Enquanto isso, o Atlético-PR dependia das cobranças de falta e escanteio de Paulo Baier para ameaçar o adversário, já que seus contra-ataques eram muito mal articulados.

A partir dos 15 minutos, o Furacão adiantou sua marcação e deixou o Vasco mais acuado. Adilson Batista tentou dar mais velocidade ao seu ataque com a entrada de Madson no lugar de Branquinho, e Ricardo Gomes cinco minutos depois, aos 23, tirou o perdido Diego Souza para colocar um centroavante de ofício, Elton. Imediatamente quem levou a melhor foi o treinador do time paranaense: aos 28, Madson deu um ótimo passe no meio de vários vscaínos e Nieto só teve o trabalho de tocar por baixo de Prass para anrir o marcador.

O Vasco se lançou ao ataque e aos 31 Bernardo cobrou em uma falta, mas Renan Rocha espalmou no seu canto esquerdo. Três minutos depois, a estrela de Ricardo Gomes brilhou por último e brilhou melhor: Fagner cruzou alto na área, Elton foi na cobertura e cabeceou no ângulo esquerdo do goleiro adversário para empatar a partida e colocar a classificação de novo nas mãos vascaínas.

Mesmo com o gol, o time da casa não abdicou do ataque. Aos 40, Fellipe Bastos cobrou bem uma falta, mas Renan Rocha defendeu a escanteio no seu canto direito. Um minuto depois, porém, por muito pouco Nieto não faz mais um para o Atlético-PR, após um belo toque de Paulo Baier na área. Um susto que fez o Vasco se resguardar e segurar o resultado que lhe interessava para o delírio dos seus torcedores.

Ficha técnica:

 VASCO 1 X 1 ATLÉTICO-PR
Fernando Prass, Allan (Fagner), Dedé, Anderson Martins e Marcio Careca; Fellipe Bastos, Eduardo Costa, Felipe e Bernardo (Jumar); Diego Souza (Elton) e Eder Luis
.
Renan Rocha; Rômulo, Manoel, Rafael Santos e Paulinho; Deivid, Robston (Wendel Santos) e Paulo Roberto; Paulo Baier, Branquinho (Madson) e Guerrón (Nieto).
Técnico: Ricardo Gomes Técnico: Adilson Batista
Gols: Nieto, aos 28 minutos, e Elton, aos 34, do segundo tempo.
Cartões amarelos: Robston, Renan Rocha, Paulo Roberto (Atlético-PR); Eduardo Costa e Elton (Vasco).
Data: 12/05/201. Local: São Januário (Rio de Janeiro).  Árbitro:Elmo Alves Resende Cunha (GO). Auxiliares: Cristhian Passos Sorence (GO) e Márcio Soares Maciel(GO). Renda: R$ 427.725 Público pagante: 17.478. Público presente: 21.206.

maio 13, 2011 Posted by | Atlético-PR, Vasco da Gama | | Deixe um comentário

Vasco fica na frente duas vezes, mas Furacão empata

Cruz-Maltino consegue importante resultado na Arena da Baixada e decidirá classificação para as semifinais em casa

O Vasco visitou o Atlético-PR, nesta quarta, na Arena da Baixada e, apesar de ter ficado duas vezes à frente no placar, saiu com importante empate por 2 a 2 em Curitiba, válido pelas quartas de final da Copa do Brasil. Os gols cruz-maltinos foram marcados por Alecsandro e Diego Souza. Pelo Furacão, balançaram as redes Guerrón e Paulo Baier.

Com o resultado, o Vasco pode empatar por 0 a 0 ou por 1 a 1 em São Januário para se classificar para a semifinal da Copa do Brasil. O Furacão precisa da vitória ou um empate por três gols ou mais.

Antes do duelo, uma cena pouco comum. O auxiliar Marrubson Melo sofreu uma queda de pressão e caiu no gramado. Os médicos do Furacão rapidamente entraram em ação e o bandeirinha foi encaminhado ao hospital mais próximo do estádio. O substituto foi Bruno Boschilia.

VASCO É MELHOR E ABRE VANTAGEM NO 1º TEMPO

O jogo começou movimentado. Logo aos dois minutos Dedé escorregou e a bola sobrou para Guerrón dentro da área. Porém, o equatoriano, em ótima situação, demorou a chutar e Allan chegou para afastar de carrinho.

Pouco depois, a resposta vascaína. Eder Luis ganhou da marcação pela direita e cruzou. Alecsandro tentou de letra, a bola passou e Diego Souza, quase na pequena área, chegou dividindo com Manoel, que conseguiu tirar.

Aos nove, Diego Souza apareceu. O meia roubou a bola no meio de campo e levou sozinho. Após passagem de Eder Luis o camisa 10 rolou na frente. O atacante até dominou, mas a bola escapou e a defesa chegou rapidamente cortando boa chance dos visitantes.

Ficou claro que o Atlético-PR sentia falta de um homem de referência dentro da área. Apesar dos bons cruzamentos de Paulo Baier, a principal jogada dos donos da casa, não havia ninguém para completar.

Após início ruim, o Furacão começou a gostar do jogo, esbarrando, porém, na falta de um atacante de ofício. Só Guerrón, em um lance isolado, conseguiu cabecear uma bola alçada, mas esbarrou na ótima defesa de Fernando Prass, que espalmou para fora a melhor chance da equipe de Curitiba no primeiro tempo.

Se o Atlético-PR gostava do jogo, o Vasco tratou de frear os ataques do adversário. Mais ofensivo, o Cruz-Maltino chegou com Alecsandro aos 34. O atacante chutou fortemente de fora da área e o goleiro Renan Rocha foi obrigado a fazer grande defesa.

Mas três minutos depois a eficiência do ataque vascaíno falaria mais alto. Após receber mais um passe pela direita, Eder Luis entrou livre na área, ganhou no corpo do adversário e bateu. A bola acertou a trave direita e, no rebote, Alecsandro estava lá para conferir. 1 a 0 para o Vasco, que era bastante superior àquela altura.

Como prometido, o atacante imitou o pai, Lela, que marcou época no Coritiba na década de 80, na hora da comemoração. Após fazer careta para a torcida adversária, ele recebeu o terceiro cartão amarelo e está fora do jogo de volta, em São Januário.

Daí para a frente o Vasco apenas administrou e foi para o vestiário com boa vantagem.

VASCO MARCA, MAS PÊNALTI DUVIDOSO DEIXA TUDO IGUAL

A conversa com o técnico Adilson Batista nos vestiários mudou a postura do Furacão. Com o apoiador Branquinho na vaga do volante Robston, a equipe voltou mais animada e pressionou muito nos dez minutos iniciais.

Aos sete, a insistência surtiu efeito. Após cruzamento, a defesa vascaína não conseguiu afastar e, no meio da confusão, a bola sobrou para Guerrón empurrar de cabeça da pequena área, deixando tudo igual no placar.

Depois do gol de empate, o Vasco se tranquilizou e o jogo voltou a ficar igual. As chances, porém, pararam de surgir.

Mas aos 25, Guerrón teve grande oportunidade. O equatoriano recebeu livre pelo lado direito da área e, na hora de bater, acertou a rede pelo lado de fora. Era o Furacão voltando a pressionar e o Vasco tendo que se segurar atrás.

Porém, nada melhor que um momento de pressão para alguém se consagrar. E foi Diego Souza quem chamou a responsabilidade. Após bom primeiro tempo, o meia, que vinha sendo contestado em virtude das atuações apenas regulares, tirou a igualdade do placar. Aos 28, Ramon cruzou da esquerda, a defesa afastou e o camisa 10, de primeira, colocou no ângulo de Renan Rocha.

Aos 37, três cartões amarelos em apenas um lance. Após falta cometida por Eduardo Costa na entrada da área, o volante, Felipe e Allan foram penalizados por reclamarem.

No desespero, o técnico Adilson Batista tirou o lateral Rômulo e colocou o atacante Lucas. A substituição não foi primordial, mas o Atlético-PR conseguiu empatar no fim. Aos 41, Ramon fez pênalti duvidoso em Branquinho. Paulo Baier bateu bem e deixou tudo igual.

Mesmo com o empate no fim, o Cruz-Maltno traz um bom resultado de volta para o Rio de Janeiro. A decisão da vaga nas semifinais será em São Januário, na próxima quarta-feira.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-PR 2 X 2 VASCO

Local: Arena da Baixada, em Curitiba (PR)
Data/Hora: 4/5/2011 – 21h50 (de Brasília)
Renda/Público: R$ 276.600 / 15.969 pagantes
Árbitro: Wilton Pereria Sampaio (DF)
Auxiliares: Bruno Boschilia (DF) e Fábio Pereira (TO)
Cartões amarelos: Alecsandro, Fellipe Bastos, Felipe, Allan, Eduardo Costa e Ramon (VAS)

GOLS: Alecsandro, 37’/1ºT (0-1); Guerrón, 7’/2ºT (1-1); Diego Souza, 28’/2ºT (1-2); Paulo Baier, 42’/2ºT (2-2)

ATLÉTICO-PR: Renan Rocha; Rômulo (Lucas, 36’/2ºT), Manoel, Rafael Santos e Paulinho; Deivid, Robston (Branquinho, intervalo), Paulo Roberto e Paulo Baier; Guerrón e Madson – Técnico: Adílson Batista.

VASCO: Fernando Prass; Allan (Fagner, 42’/2ºT), Dedé, Anderson Martins e Ramon; Rômulo, Fellipe Bastos (Eduardo Costa, 15’/2ºT), Felipe e Diego Souza; Eder Luis e Alecsandro – Técnico: Ricardo Gomes.

maio 5, 2011 Posted by | Atlético-PR, Vasco da Gama | Deixe um comentário

Atlético-PR faz 3 a 1 no Rio Branco e avança na Copa do Brasil

Guerrón e Lucas marcaram os gols do Furacão, que espera o classificado de Paulista-SP e São José-RS

O Atlético-PR venceu o Rio Branco-AC por 3 a 1, na noite desta quarta-feira, na Arena da Baixada. Com o resultado, o Furacão afastou a zebra e avançou na Copa do Brasil. Guerrón e Lucas, duas vezes, fizeram os gols do Rubro-Negro; Anselmo descontou.
Na próxima fase, o Rubro-Negro encara Paulista-SP ou São José-RS. No jogo de ida, o time gaúcho venceu por 1 a 0. Antes, o Furacão pega o Arapongas, em Paranavaí, às 16h20m de sábado, pelo Estadual. Já o Rio Branco volta a campo apenas no dia 13, quando estreia no Campeonato Acriano contra o Nauás.
Furacão domina e abre o placar
O Furacão – que precisava vencer por 1 a 0 ou diferença de pelo menos dois gols – partiu para o ataque logo no início, mas parava na defesa adversária. O Rio Branco, com espaço para contra-atacar, foi o primeiro a assustar, em cobrança de falta do meia Anselmo.
Para fugir da marcação, os jogadores do Rubro-Negro se movimentavam na frente. Lucas recuava, Kleberson avançava pela direita e Guerrón trocava de lado com Madson. Isso confundiu a defesa acriana e o equatoriano abriu o placar. Ele recebeu de Lucas e bateu no canto do goleiro para colocar o Atlético em vantagem.
Depois do gol, o jogo ficou equilibrado. O Atlético ameaçou com Paulo Baier em cobrança de falta, Paulinho em chute de fora e Lucas na área. O Rio Branco respondeu com Anselmo e Paulinho Pitbull.
Lucas faz dois e Atlético avança
O equilíbrio do fim do primeiro tempo permaneceu até os 15 minutos do segundo. O Atlético melhorou e passou a criar as melhores chances. Héverton quase marcou de cabeça. Lucas foi mais eficiente. Aos 20, ele aproveitou cruzamento de Guerrón e só desviou para o gol. Aos 24, Lucas fez mais um. Ele recebeu livre no meio e acertou o canto do goleiro André – Furacão 3×0 Rio Branco.
O Rio Branco – que passou a precisar de dois gols para se classificar – descontou aos 37 minutos, com Anselmo após rebote do goleiro Sílvio. O time acriano passou a pressionar o Furacão em busca do segundo gol. Porém, parou na marcação rubro-negra – que garantiu a vitória por 3 a 1 e a classificação para a segunda fase da Copa do Brasil.
ATLÉTICO-PR 3 X 1 RIO BRANCO-AC
Sílvio; Manoel, Gabriel e Rafael Santos; Kleberson, Alê, Paulo Baier, Madson (Héverton) e Paulinho; Lucas e Guerrón (Claiton). André; Jonas (Kléber), Rodrigão, Rafael e Wagner; Paulinho Pitbull, Ismael, Wendell (Paulista) e Anselmo; Juliano César (Leonardo) e Araújo.
Técnico: Geninho Técnico: Ico
Gol: Guerrón aos 13 minutos do primeiro tempo; Lucas aos 20 e 24 minutos do segundo tempo e Anselmo
(Rio Branco) aos 37 minutos do segundo tempo
Cartões amarelos: Manoel, Paulinho, Alê, Héverton, Lucas (Atlético-PR), Jonas e Rafael (Rio Branco-AC)
Estádio: Arena da Baixada, Curitiba. Data: 02/03/2010. Árbitro: Paulo Henrique Godoy Bezerra (SC) Auxiliares: Kleber Lucio Gil (SC) e Hélton Nunes (SC

março 2, 2011 Posted by | Atlético-PR | | Deixe um comentário

Coritiba vence o Atlético-PR e conquista o primeiro turno

Alviverde paranaense triunfa com extrema facilidade e, com uma rodada de antecedência, é campeão do turno

Dez jogos, oito vitórias e dois empates. Vinte e cinco gols marcados e apenas cinco sofridos. Com uma campanha perfeita e o triunfo por 4 a 2 em cima do Atlético-PR, neste domingo, no Couto Pereira, o Coritiba assegurou o título do primeiro turno do Campeonato Paranaense com uma rodada de antecedência.

Os gritos de “Olé” da torcida coxa-branca aos 30 minutos do primeiro tempo refletiram a incrível superioridade do Coritiba no maior clássico do estado. Foram três gols em oito minutos e a certeza de título antes do intervalo.

O chocolate alviverde começou com Bill, que recebeu lançamento de Marcos Aurélio, cortou o zagueiro e bateu aos 17. Cinco minutos depois, Jonas completou de cabeça o escanteio. Aos 24, Davi, também de cabeça, aproveitou cruzamento de Eltinho para marcar o terceiro.

Nesse momento, a torcida atleticana esqueceu completamente o jogo e virou-se para os camarotes, onde estava a diretoria do Furacão, cobrando uma explicação. Vale lembrar que o Atlético está sem técnico desde o dia 3 deste mês. O gol de Nieto, nos acréscimos, não serviu para amenizar a bronca rubro-negra.

Mas, na volta do intervalo, uma soberba coxa-branca permitiu a reação do Atlético. Com o pentacampeão Kleberson em campo, o Furacão diminuiu de novo. Nieto, de cabeça, fez mais um gol.

Na volta do intervalo, uma pequena soberba coxa-branca permitiu a reação do Atlético. Com o pentacampeão Kleberson em campo, o Furacão diminuiu de novo. Nieto, de cabeça, fez mais um gol, o milésimo da História do Atle-Tiba.

Melhor na etapa final, o Furacão, porém, seguia com erros defensivos. E, por isso, foi castigado com mais um gol de Davi. A situação atleticana complicou-se ainda mais após a expulsão de Guerrón, que ficou apenas cinco minutos em campo. Bom para o Coxa, que só comemorou.

FICHA TÉCNICA:
CORITIBA 4×2 ATLÉTICO-PR

Local: Couto Pereira, em Curitiba (PR)
Data/Horário: 20/2/2011 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (PR)
Cartões amarelos: Marcos Aurélio, Léo Gago, Leandro Donizete, Pereira, Rafinha, Eltinho (CTB); Marcos Pimentel, Vitor (APR)
Cartões vermelhos: Guerrón (APR)

GOLS: Bill 17’/1T (1-0); Jonas 24’/1T (2-0); Davi 24’/1T (3-0); Nieto 46’/1T (3-1); Nieto 2’/2T (3-2); Davi 26’2T (4-2)

CORITIBA: Edson Bastos, Jonas, Emerson, Pereira, Eltinho; Leandro Donizete, Léo Gago (Tcheco, 38’/2T), Rafinha e Davi (Anderson Aquino 38’/2T); Marcos Aurélio (Marcos Paulo 20’/2T) e Bill. T: Marcelo Oliveira,

ATLÉTICO-PR: Sílvio, Marcos Pimentel (Kleberson, intervalo), Manoel, Rafael Santos e Paulinho; Vitor (Héracles, 14’/2T), Fransérgio, Paulo Baier (Guerrón, 26’/2T) e Madson; Nieto e Lucas. T: Leandro Niehues.

fevereiro 20, 2011 Posted by | Atlético-PR, Coritiba | | Deixe um comentário

Empate contra o Ceará tira Atlético-PR da Libertadores

Chances de alcançar o G4 caem bruscamente com os resultados da rodada; Vozão está na Sul-Americana

Em partida movimentada e cheia de alternativas, Ceará e Atlético-PR empataram em 1 a 1 neste domingo, no Castelão, pela 37ª rodada do Brasileirão. Com gols de Rafael Santos para os paranaenses e Manoel contra, o Furacão está fora da briga pela Libertadores, visto que Grêmio e Botafogo se enfrentam na última rodada. Enquanto isso, o Alvinegro comemorou a confirmação da vaga na Sul-Americana.

A partida começou disputada, mas com poucas chances de ambos os lados. A concentração era muito grande no meio de campo, apesar da formação ofensiva do Furacão, com três atacantes.

Pouco a pouco, o Atlético começava a chegar mais ao ataque, avançando mais pelo lado direito, por meio de Guerrón e Wagner Diniz. Os cearenses também exploravam mais o setor direito, com o lateral Boiadeiro. O Ceará trabalhava melhor a bola, mas não conseguia criar lances de perigo.

Passados os quinze primeiros minutos, o jogo ganhou em movimentação e velocidade. Os paranaenses tentavam pressionar, mas a resposta do time da casa vinha logo em seguida, sempre com Boiadeiro. Magno Alves também fazia das suas, mas todos os chutes paravam no goleiro Neto.

Apesar da grande presença da torcida no Castelão, o Ceará, nos primeiros minutos, esperava o Atlético em seu campo e apostava na velocidade para encaixar os contra-ataques, mas logo procurava manter a posse de bola para organizar jogadas ofensivas.

No entanto, foi o Rubro-Negro que chegou mais perto do gol, aos 28 minutos, com chute de Maikon Leite no travessão. Na sequência, Wagner Diniz acertou cruzamento preciso para Bruno Mineiro, que mandou pela linha de fundo. Aos 36, a pressão deu resultado: após cruzamento de Paulinho em cobrança de falta pela esquerda, Rafael Santos abriu o placar para o Furacão: 1 a 0.

Sete minutos depois, em um dos contra-ataques cearenses, Magno Alves levou a bola em velocidade e cruzou pela direita. O zagueiro Manoel desviou e a bola morreu lentamente no fundo das redes do goleiro Neto. Era o empate dos mandantes.
Mesmo com um a menos, Vozão para para cima

A etapa final começou com a expulsão de Diego Sacoman logo no primeiro minuto, após falta sobre Guerrón. O zagueiro era o único da equipe de Dimas Filgueiras que tinha sido advertido com o cartão amarelo. Logo em seguida, o técnico alvinegro tirou o atacante Marcelo Nicácio, sem oportunidades na partida, para colocar o volante Camilo, recompondo o meio de campo.

Mesmo com um jogador a menos, o Ceará tentou partir para cima, como sempre, com velocidade. Geraldo, principal homem de criação, era muito acionado, mas esbarrava na forte marcaçãoparanaense, que fechava o cerco com zagueiros, laterais e também com os volantes Vítor e Deivid.

Precisando do segundo gol, o técnico rubro-negro Sérgio Soares tirou o volante Vítor para colocar Netinho, meia de armação, para ajudar Branquinho a articular as jogadas de ataque. E a alteração deu resultado: o Furacão passou a explorar melhor os espaços deixados pela equipe cearense.

Com isso, o jogo ficou aberto, com chances de ambos os lados. As principais chances do time da casa aconteciam em lances de bola parada, mas as jogadas terminavam sempre nas mãos de Neto, que fez boas e importantes defesas ao longo do jogo, como aos 37 minutos, em cobrança de falta de Reina.

Apesar disso, nem os espaços deixados pela ausência de Diego Sacoman tornaram o jogo mais movimentado. Não houve trocas rápidas de passes nem jogadas criativas como nos primeiros 45 minutos. No entanto, o Ceará crescia pouco a pouco, administrando a posse de bola, ciente da desvantagem numérica. Com isso, Sérgio Soares trocou volantes: Deivid por Claiton, aos 30 minutos. A busca pela vaga no G4 parecia ter ficado em segundo plano.

Nas substituições, mérito para o técnico Dimas Filgueiras, que não deixou o Ceará perder seu poder de marcação, mesmo com um jogador a menos. Já o time de Sérgio Soarews não conseguiu recuperar avantagem. O time pagou com a vaga à Libertadores. O preço acabou sendo alto demais.

FICHA-TÉCNICA
CEARÁ 1X1 ATLÉTICO-PR

Local: Estádio Castelão, em Fortaleza (CE)
Data e hora: 28 de novembro, às 17h (horário de Brasília)
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)
Assistentes: Ednilson Corona (SP) e João Bourgalber Nobre Chaves (SP)
Cartões amarelos: Diego Sacoman, Geraldo (CEA); Deivid, Guerrón (APR)
Cartões vermelhos: Diego Sacoman (CEA)
Gols: Rafael Santos 36’/1°T (0-1), Manoel contra 43’/1°T (1-1)

CEARÁ: Michel Alves ; Fabrício, Erivelton e Diego Sacoman; Boiadeiro (Luizinho 31’/2°T), Michel, Careca, Geraldo e Eusébio (Reina, 33’/2°T); Magno Alves e Marcelo Nicácio (Camilo, 3’/2°T) . Técnico: Dimas Filgueiras.

ATLÉTICO-PR: Neto, Wagner Diniz (Marcelo, 27’/2°T), Manoel, Rafael Santos e Paulinho; Vitor (Netinho, 12’/2°T), Deivid (Claiton 30’/2°T) e Branquinho; Guerrón, Bruno Mineiro e Maikon Leite. Técnico: Sérgio Soares.

novembro 28, 2010 Posted by | Atlético-PR, Ceará | | Deixe um comentário

Com ajudinha de Sálvio Spínola, Grêmio vence e entra no G4

Árbitro assinalou um pênalti inexistente no segundo tempo. Atlético-PR cai para a quinta colocação

Com uma ajudinha de Sálvio Spínola, que assinalou um pênalti inexistente, o Grêmio venceu o Atlético-PR por 2 a 1, neste sábado, no Olímpico. Neuton, Douglas e Diego fizeram os gols gremistas. Paulo Baier descontou. Com essa vitória, o Grêmio chegou aos 57 pontos e entrou no G4. Já o Atlético caiu para a quinta colocação.

Empurrado pela torcida, que compareceu em bom número ao Olímpico, o Grêmio começou o jogo a mil por hora. Só nos dez minutos iniciais, o time da casa criou três oportunidades claras: duas com André Lima e uma em um belo chute de Fábio Rochemback na entrada da área.

A pressão continuou nos minutos seguintes e em grande jogada o Grêmio abriu o placar. Aos 13 minutos, Douglas fez belo lançamento para André Lima, que só escorou para Neuton. O zagueiro dominou a bola, driblou o defensor atleticano e bateu no canto esquerdo do goleiro Neto.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Mas, se Neuton mostrou extrema categoria no ataque, o mesmo não pode se dizer do trabalho do zagueiro no setor defensivo. Aos 17 minutos, ele cometeu pênalti infantil em Guerrón. Paulo Baier cobrou com categoria para empatar a partida, no Olímpico.

Após o gol do Furacão, a partida ficou mais equilibrada com as duas equipes se revezando no ataque. O lateral gremista Lúcio se aproveitou de uma bobeada da defesa atleticana e acertou uma bomba no travessão. Por sua vez, o Atlético explorava com maestria os contra-ataques.

Em um deles, Paulo Baier deixou Guerrón de frente para o goleiro Neto, mas o atacante acabou chutando para fora. O segundo tempo começou da mesma maneira que terminou o primeiro: equilibrado. O Grêmio, ligeiramente melhor, chagava com mais frequência ao ataque, mas errava o toque final.

Confira imagens do duelo no Olímpico

No entanto, o árbitro Sálvio Spínola resolveu dar uma mãozinha para o time da casa. Após tabelar com Júnior Viçosa, Edilson se jogou dentro da área, mas o árbitro viu pênalti de Rhodolfo no ala. Na cobrança, Douglas deslocou o goleiro Neto para colocar o Grêmio, de novo, na frente, aos 13 minutos.

Depois de sofrer o gol, o Furacão se lançou de vez ao ataque, tentando garantir pelo menos o empate, mas foi o Grêmio que voltou a marcar, aos 43 minutos. Diego fez fila na defesa do Atlético e acertou o canto esquerdo do goleiro Neto. Vitória do Grêmio, que está cada vez mais próximo da Libertadores. Na próxima rodada, o Grêmio encara o Guarani, no Brinco de Ouro. Já o Atlético-PR enfrenta o Ceará, no Castelão.

FICHA TÉCNICA:
GRÊMIO 3 X 1 ATLÉTICO-PR

Local: Estádio Olímpico, Porto Alegre (RS)
Data/Hora: 20/11/2010 às 17h (horário de Brasília)
Árbitro: Sálvio Spínola Fagundes Filho (Fifa-SP)
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Vicente Romano Neto (SP)
Cartões amarelos: Neuton (GRE); Nieto, Manoel, Branquinho, Wagner Diniz, Rhodolfo, Paulo Baier, Chico, Deivid, Guerrón (APR)
Gols: Neuton, 13’/1ºT (1-0), Paulo Baier, 19’/2ºT (1-1), Douglas, 13’/2ºT (2-1), Diego, 43’/2ºT (3-1)

GRÊMIO: Victor; Edilson(Ferdinando, 29’/2ºT), Paulão e Neuton e Fábio Santos; Adilson, Fábio Rochemback, Lúcio e Douglas(Gilson, 45’/2ºT); Júnior Viçosa(Diego, 25’/2ºT) e André Lima. Técnico: Renato Gaúcho.

ATLÉTICO-PR: Neto, Wagner Diniz(Maikon Leite, 18’/2ºT), Manoel, Rhodolfo e Paulinho; Chico, Deivid, Branquinho(Ivan Gonzales, 27’/2ºT) e Paulo Baier; Guerrón e Nieto. Técnico: Sérgio Soares.

novembro 20, 2010 Posted by | Atlético-PR, Grêmio | , | Deixe um comentário

Grêmio e Atlético-PR se enfrentam em ‘final’ pelo G4

As duas equipes são postulantes à quarta vaga do Brasileirão. Vantagem, no momento, é paranaense

Grêmio e Atlético-PR se enfrentam neste sábado, às 19h30, no estádio Olímpico em partida que vale a quarta vaga no Brasileirão, o que garante a presença na Libertadores de 2011, caso Palmeiras ou Goiás não conquistem a Sul-Americana.

Atual quarto colocado, o Atlético-PR soma os mesmos 56 pontos do Botafogo, quinto colocado, mas supera a equipe carioca no número de vitórias. Já o Grêmio, sexto com 54, precisa dos três pontos para ‘roubar’ a posição do Furacão.

O Grêmio tem mudanças para a sua ‘final‘. Gabriel, Rafael Marques e Jonas estão fora da partida contra a equipe paranaense. O primeiro, apesar de ter participado do treino de quinta-feira, ficou fora da atividade de sexta e ainda está sem confiança, apesar de recuperado da lesão. Os dois últimos estão suspensos pelo terceiro cartão amarelo e pela expulsão, respectivamente.

O zagueiro Neuton substitui Rafa Marques, enquanto no ataque a indefinição vai até o último minuto. Apesar de Diego Clementino ter treinado ao lado de André Lima na quinta-feira, ele não foi confirmado por Renato Gaúcho. Júnior Viçosa também pode aparecer, além de Souza, com a mudança de esquema para o 4-5-1.

Por outro lado, o Tricolor Gaúcho ganha o reforço de dois jogadores de Seleção Brasileira. Victor e Douglas retornaram ao Estádio Olímpico nesta sexta-feira e irão para a partida decisiva.

Sobre seu maestro, já elogiado diversas vezes por Renato Gaúcho, o técnico afirmou que não há nenhuma preocupação a respeito do que aconteceu na Seleção Brasileira. No final do jogo, Douglas foi desarmado e Messi, no contra-ataque, marcou o gol da vitória dos argentinos.

– Muita gente teve culpa, não foi só o Douglas. Alguém vai perder a bola alguma hora. Eu já dei carinho para ele. Ele não precisou jogar o rachão hoje(sexta) para estar 100% amanhã – explicou Renato.

Atlético-PR reforçado:

Se do lado gaúcho existem desfalques, o Atlético Paranaense, que conta com os retornos do goleiro Neto, que estava com a Seleção Brasileira, e do lateral-esquerdo Paulinho, suspenso, deve ir com força máxima para a decisão. A única dúvida está no ataque, entre Nieto, que está em fase final de recuperação de uma lesão no tornozelo, e Bruno Mineiro.

Porém, independentemente de quem for escalado, a promessa no Furacão é de um time ofensivo, que, mesmo jogando fora de casa, vai para cima do adversário. Desde o término da sofrida vitória por 2 a 1 sobre o Prudente, que colocou a equipe dentro do G-4, o discurso é de um time aguerrido em Porto Alegre.

E para provar que esta disposição não é apenas da boca para fora, o volante Chico lembrou que quando o Rubro-negro apenas se defendeu, não conseguiu a vitória. Além disso, o fato de o Grêmio também precisar da vitória, fará com que o adversário dê espaços para o Atlético-PR conseguir atacar.

– Será um grande jogo, com as duas equipes atacando e buscando o gol. Não vamos para lá para nos defedermos. Sempre que só nos defendemos, não saímos com o resultado positivo, então por isto temos que buscar a vitória. Sabemos da dificuldade que será lá, mas também sabemos do nosso momento, da nossa qualidade e vamos buscar a vitória – ressaltou o jogador.

FICHA TÉCNICA:
GRÊMIO X ATLÉTICO-PR

Local: Estádio Olímpico, Porto Alegre (RS)
Data/Hora: 20/11/2010 às 17h (horário de Brasília)
Árbitro: Sálvio Spínola Fagundes Filho (Fifa-SP)
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Vicente Romano Neto (SP)

GRÊMIO: Victor; Edilson, Paulão e Neuton e Fábio Santos; Adilson, Fábio Rochemback, Lúcio e Douglas; Diego(Júnior Viçosa) e André Lima. Técnico: Renato Gaúcho.

ATLÉTICO-PR: Neto, Wagner Diniz, Manoel, Rhodolfo e Paulinho; Chico, Deivid, Branquinho e Paulo Baier; Guerrón e Nieto (Bruno Mineiro). Técnico: Sérgio Soares

novembro 19, 2010 Posted by | Atlético-PR, Grêmio | , | Deixe um comentário

Atlético-PR faz 2 a 1 no último minuto e joga pá de cal sobre o Prudente

Estrela de Paulo Baier brilha e Furacão chega ao G-4. Time paulista luta, mas é o primeiro matematicamente rebaixado para a Série B 2011

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O Atlético-PR fez sua torcida sofrer na noite deste domingo na Arena da Baixada. Foram necessários mais de 120 minutos para que a equipe paranaense conseguisse sair de campo com a vitória sobre o Prudente por 2 a 1, em jogo marcado por uma paralisação de dez minutos para atendimento médico ao árbitro Renato Cardoso da Conceição. Paulo Baier fez os dois gols do Furacão, que tomou o lugar do Botafogo no G-4. Willian José descontou para os paulistas, matematicamente rebaixados para a Série B. (Veja os gols no vídeo ao lado)

A agonia dos atleticanos durou até os segundos finais. Os torcedores do Furacão tiveram que esperar até os 47 minutos da segunda etapa para comemorar o gol da vitória. O Atlético-PR agora soma 56 pontos. É o quarto lugar e leva vantagem no número de vitórias sobre o Botafogo, igual no número de pontos. Já o Prudente, com 27 pontos, vai fazer três ‘amistosos’ na reta final.

Gols, expulsão e atendimento ao árbitro

Como já era esperado, o Atlético-PR iniciou o jogo pressionando o adversário, sempre com a bola parada de Paulo Baier e as arrancadas pelas pontas de Guerrón como as principais armas. O Prudente, armado num 4-4-2 com três volantes, tentava coibir os avanços do Furacão.

Paulo Baier comemora o gol do Atlético-PR, agora no G-4, contra o rebaixado Prudente (Foto: Ag. Estado)

A partir dos 10 minutos, os laterais atleticanos passaram a ser boas opções. Com arrancadas de Wagner Diniz, pela direita, e de Márcio Azevedo, pela esquerda, o rubro-negro tentava superar o ferrolho armado pelo técnico Fábio Giuntini. Mas a primeira boa chance foi do Prudente. Após troca de passes, Roberto saiu na cara de João Carlos, mas o camisa 1 chegou primeiro para abafar o chute.

Após o susto, a resposta do Furacão veio em forma de gol. Numa bela trama pelo meio, Branquinho recebeu na área, resolveu dar o corte em João Vítor que, no embalo, não teve como parar sem trombar no adversário: pênalti.

O experiente Paulo Baier pegou a bola e bateu no canto direito alto de Sidney, que até acertou o lado, mas nada pôde fazer. A situação do time paulista piorou aos 25. Após lançamento errado para o ataque, Manoel fez proteção para a bola sair pela linha de fundo. Wesley chegou para pressionar e, em um lance patético, desferiu um pontapé contra o adversário. O árbitro não teve dúvidas e colocou o jogador para fora.

Mesmo em desvantagem numérica e no placar, o que parecia impossível aconteceu. Em um dos raros ataques do Prudente, Willian José se aproveitou de uma linha de impedimento que não deu certo, recebeu lindo passe e tocou de perna esquerda, na saída de João Carlos: 1 a 1 no placar.

Árbitro pede atendimento médico: jogo parado por dez minutos

Poucos minutos após o empate do Prudente, o árbitro Renato Cardoso da Conceição sentiu um problema no ombro direito e pediu atendimento médico. Após os primeiros socorros ainda dentro de campo, Renato foi até o vestiário receber um diagnóstico mais detalhado. Enquanto isso, o quarto árbitro Fábio Filipus (PR) fazia seu aquecimento. Após dez minutos de paralisação, o juiz retornou ao gramado. Segundo os médicos que realizaram o atendimento, ele havia sentido uma luxação no ombro, mas poderia dar continuidade a seu trabalho (assista ao vídeo ao lado).

Com o reinício do jogo, o Atlético-PR voltou com força para fazer o segundo gol. A primeira chance veio em lance iniciado com Paulo Baier. Ele deu passe preciso para Guerrón que, pressionado, deu um leve toque para o meio. A bola percorreu toda a pequena área, sem que Bruno Mineiro chegasse para conferir.

Novamente pela direita do ataque, Wagner Diniz foi ao fundo e cruzou. A bola encobriu Sidney e mais uma vez ninguém apareceu para concluir. Por fim, aos 55 minutos, Bruno Mineiro raspou de cabeça na frente do goleiro, que viu a bola explodir em sua trave.

Gol de Paulo Baier no apagar das luzes

O empate não era um bom negócio para nenhum dos times. Enquanto os donos da casa perdiam a chance de entrar no G-4, o Grêmio Prudente dava adeus à Série A.

Com o apoio da torcida, o Furacão partiu em busca do segundo gol. Com Guerrón de um lado e Ivan Gonzalez de outro, o time criava jogadas pelas pontas. Em má fase, Bruno Mineiro não conseguia concluir. Após mais um erro do atacante, a paciência de Sérgio Guedes e dos torcedores chegou ao fim. No mesmo momento em que chamava Marcelo para o jogo, os atleticanos vaiavam Mineiro.

A pressão aumentava a medida que o tempo ia passando. Indo com muita gente ao ataque, o espaço na defesa do Furacão também apareceu. Em um lance que começou despretensioso, Willian José quase virou o placar. Após cruzamento, João Carlos ficou no meio do caminho, mas o camisa 9 acreditou na jogada e, quase sem ângulo, acertou a trave. Susto e saudades nas arquibancadas do titular Neto, ausente para defender a seleção brasileira.

Com o passar do tempo o jogo ganhava em emoção. Com muita raça, o Grêmio Prudente tentava alguns contragolpes com Juan e Rafael Martins. E no embalo da torcida, o Furacão tentava principalmente com Paulo Baier, Guerrón, Marcelo e Branquinho. Aos 38, o Prudente mostrou mais uma vez que estava no jogo. Com liberdade, Roberto carregou e da intermediária resolveu arriscar. A bola viajou rápido e mais uma vez encontrou o poste de João Carlos.

Quando a torcida já se preparava para ir embora frustrada, a estrela de Paulo Baier voltou a brilhar. Ivan Gonzalez cruzou bola na área aos 47 minutos e encontrou a cabeça do camisa 10, que saltou pouco para fazer o segundo, decretar o placar final e colocar o Atlético-PR no G-4.

atlético-pr 2 x 1 grêmio prudente
João Carlos; Wagner Diniz, Rhodolfo, Manoel e Márcio Azevedo (Heracles); Chico, Deivid (Ivan Gonzalez), Paulo Baier e Branquinho; Guerrón e Bruno Mineiro (Marcelo). Sidney; Bruno Ribeiro, Anderson Luis, Leonardo e Diego Giaretta; Anderson Pedra, Roberto, João Vitor (Rafael Martins) e Renan (Rhayner); Wesley e Willian José (Juan).
Técnico: Sérgio Guedes Técnico: Fábio Giuntini
Gols: Paulo Baier duas vezes (Atlético-PR) e Willian José (Prudente)
Cartões amarelos: Anderson Luís e Bruno Ribeiro (Prudente); Bruno Mineiro e Guerrón (Atlético-PR). Cartão vermelho: Wesley (Prudente)
Data: 14/11/2010. Local: Arena da Baixada (Curitiba). Árbitro: Renato Cardoso da Conceição (MG). Auxiliares: Jair Albano Félix (MG) e Flamarion Sócrates da Silva (MG)

novembro 14, 2010 Posted by | Atlético-PR, Grêmio Prudente | | Deixe um comentário

Atlético-PR enfrenta o Grêmio Prudente pensando no G4

Clube paranaense pode terminar a rodada entre os classificados para a Libertadores. Prudente tenta última cartada contra degola

Desde 2005 o Atlético-PR não disputa a Taça Libertadores da América. No entanto, com boas chances de voltar à competição sul-americana em 2011, o clube paranaense encara o Grêmio Prudente neste domingo, às 19h30, na Arena da Baixada, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro. Em quinto lugar na tabela e podendo entrar no G4, o Furacão soma 53 pontos, apenas três a menos que o Botafogo, último clube que está no grupo da Libertadores, porém com um jogo a mais e menos vitórias (13 a 15).

Por isto, uma vitória será fundamental para deixar a equipe ainda mais viva nesta disputa por uma vaga no torneio continental do ano que vem. Entretanto, o fato de enfrentar o lanterna da competição não faz os jogadores acreditarem que terão vida fácil. Pelo contrário, uma vez que o adversário luta desesperadamente contra o rebaixamento.

– As posições de Prudente e Atlético pouco importam no jogo, pois apesar de o nosso adversário ocupar a última colocação, é um time que merece nosso respeito e que tem bons jogadores. Eles mostraram isso ao virar uma partida praticamente perdida contra o Santos. Será um jogo complicado e que exigirá muito da nossa equipe. Eles não têm nada a perder e virão para cima – afirmou o atacante Guerrón.

Para facilitar a vida atleticana, o técnico Sérgio Soares conta com os retornos do zagueiro Rhodolfo, do volante Chico e do armador Branquinho, que se recuperaram de lesões musculares. Por outro lado, o goleiro Neto, servindo a seleção brasileira, e o lateral-esquerdo Paulinho, suspenso, estão fora e serão substituídos por João Carlos e Márcio Azevedo, respectivamente. Já no ataque, Nieto sentiu dores musculares no último treino e passou a ser dúvida.

Prudente luta até o fim

A quatro jogos do encerramento da competição, o Grêmio Prudente já está com um pé na Série B. Na lanterna do Brasileirão, com 27 pontos e a nove de distância do Atlético-MG, primeira equipe fora da zona do rebaixamento, só um milagre salvaria o clube da degola.

No entanto, a importante vitória conquistada no confronto direto contra o Goiás, por 4 a 1, no último domingo, deu um último ânimo à equipe, que tenta embalar com mais um resultado positivo. Segundo o atacante Wesley – destaque e artilheiro do time, com 10 gols – a partida contra o clube paranaense é encarada como a última chance para permanecer na elite.

– É um jogo muito importante para nós, já que matematicamente não estamos rebaixados. O Fábio Giuntini (treinador) tem passado para nós não desanimarmos, para que mantenhamos o foco – afirmou.

O atacante Wanderley, que sofreu um estiramento no joelho direito, de ficar de fora dos gramados por três a quatro semanas e é desfalque. Julgado de punido pelo STJD, o zagueiro Flávio Boaventura pegou nove partidas de suspensão e não enfrenta o Atlético-PR. O zagueiro Leonardo, também julgado, foi punido com uma partida, que já foi cumprida. Confirmado no time, o atleta campeão brasileiro pelo Santos também prometeu lutar até o fim para salvar o Prudente.

– Homens lutam até o fim. Nunca deixei me abalar na carreira. E não é hora para desistirmos. Não podemos trabalhar em cima de combinações e resultados de outros. Fazer nossa parte é o que temos de real e de tentar como profissionais – declarou.

FICHA TÉCNICA:

ATLÉTICO-PR X GRÊMIO PRUDENTE

Local: Arena da Baixada, em Curitiba (PR)
Data/Hora: 14/11 – 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Renato Cardoso da Conceição (MG)
Auxiliares: Jair Albano Félix (MG) e Flamarion Sócrates da Silva (MG)

ATLÉTICO-PR: João Carlos, Wagner Diniz, Manoel, Rhodolfo e Márcio Azevedo; Chico, Vitor, Branquinho e Paulo Baier; Guerrón e Nieto (Bruno Mineiro). Técnico: Sérgio Soares

GRÊMIO PRUDENTE: Sidney; Bruno Ribeiro, Diego Giaretta, Leonardo e Cleidson; Anderson Pedra, João Vitor, Roberto e Adriano Pimenta; Wesley e Willian José. Técnico: Fábio Giuntini.

novembro 14, 2010 Posted by | Atlético-PR, Grêmio Prudente | , | Deixe um comentário

Atlético-PR vence o Fla, cola no G-4 e quebra a invencibilidade de Luxa

Furacão fica a dois pontos do Botafogo e continua na batalha pela Libertadores 2011. Cariocas não se afastam da zona de rebaixamento

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

A eficiência superou a vontade e a persistência. Neste domingo, o Atlético-PR provou que continua firme na briga por uma vaga na Libertadores da América. Aplicado em sua proposta, o time do técnico Sérgio Soares soube suportar a pressão do Flamengo, fora de casa, e conquistou uma vitória que o consolida como postulante ao G-4 do Brasileirão. No estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, distante 120 km do Rio, o Furacão derrotou os cariocas por 1 a 0, gol de Paulo Baier, de pênalti. Placar simples, magro, mas com sabor de goleada. Na 34ª rodada, a equipe paranaense assume a quinta posição e chega a 53 pontos, dois a menos que o Botafogo, que é o quarto.

Vanderlei Luxemburgo conhece a primeira derrota dele no comando do Rubro-Negro. Antes, havia conquistado duas vitórias e empatado quatro vezes. Sorte dos cariocas que os adversários que o perseguem tropeçaram na rodada. O rebaixamento ainda ronda o Fla. A equipe não consegue se afastar do Z-4. Continua em 13º, com 40 pontos, quatro a mais que o Guarani, o 17º.

O Flamengo volta a jogar no próximo sábado, contra o Atlético-MG, às 19h30m, em Sete Lagoas. No dia seguinte, o Atlético-PR recebe o Grêmio Prudente, no mesmo horário, na Arena da Baixada.

Foi quase uma briga de foices. Os jogadores de Flamengo e Atlético-PR por pouco não trocaram mordidas no campo do Raulino de Oliveira. Partida de muito contato físico e vontade que às vezes passava da conta. Mas também houve futebol. Futebol com cara nova. O técnico Vanderlei Luxemburgo apostou em Guilherme Negueba, 18 anos, para mexer com o time dele. O garoto, descoberto chutando latinhas em Piedade, Zona Norte do Rio, se apresentou aos rubro-negros. Veloz, arisco, abusado. No primeiro lance dele como profissional, chutou a bola longe do gol, mas pediu o apoio da torcida. Sinal de personalidade. Deu boas arrancadas, encarou a marcação, fez Luxa sorrir no bando de reservas.

O time do técnico Sérgio Soares investiu nos contra-ataques. O quarteto ofensivo do Furacão deu trabalho. Paulo Baier, sempre perigoso na bola parada, Ivan González, Guerrón e o grandalhão Nieto incomodaram. Aos 7, Nieto recebeu cruzamento na área, cabeceou de peixinho, mas Marcelo Lomba fez boa defesa. Em ótima jogada de Vitor, aos 16, o goleiro teve de trabalhar novamente. O volante invadiu a área pela direita e disparou. Lomba pegou.

A bola aérea foi uma das melhores alternativas dos cariocas. A equipe teve mais volume de jogo, Léo Moura e Juan buscaram Val Baiano, que tentou algumas cabeçadas. Na melhor delas, aos 20, parou no goleiro Neto. Distante da área, aberto pela ponta direita, Deivid novamente não esteve bem. Se esforçou, mas abusou dos erros de passe.

Negueba tornou o Flamengo mais veloz, se movimentou por todo o campo, mas a zaga paranaense esteve segura e bem postada para conter as investidas do camisa 36, que caíra de rendimento. Renato brigou muito no meio-campo, mas esteve apagado. Os torcedores de Volta Redonda tentaram ajudar o time, incentivaram, mas o clima foi de frustração ao fim do primeiro tempo. Em nova jogada do Atlético pela direita, Maldonado derrubou Nieto na área, e o árbitro José Henrique de Carvalho, alvo de muitas reclamações dos torcedores, jogadores do Fla e de Luxemburgo, acertou e marcou pênalti. Na cobrança, Paulo Baier deslocou Lomba e abriu o placar: 1 a 0. Fla melhor, e Furacão eficiente.

Fla martela, mas Atlético-PR se segura

Luxemburgo fez duas mudanças no intervalo. Tirou Willians e Deivid e lançou Correa e Diego Maurício, respectivamente. O Flamengo foi todo ataque, mas deu murro em ponta de faca. Cada investida era prontamente bloqueada pela defesa do Furacão. Sérgio Soares trancou a retaguarda e jogou a chave fora. Luxa deu mais 13 minutos a Guilherme Negueba, que não conseguia mais empolgar. Marquinhos foi chamado.

Sem conseguir invadir a área adversária, o Flamengo começou a chutar. Renato tentou, aos 17, e assustou Neto. Correa arriscou, mas esbarrou na zaga do Furacão. Pela direita, o volante, Léo Moura e Marquinhos se apresentaram bem. Num bom cruzamento, Léo achou Renato na área, mas a cabeçada tocou na trave, aos 24.

Diego e Val Baiano encontraram muitas dificuldades, tocaram pouco na bola. Quando foram acionados, erraram. Sérgio Soares lançou o ataque Bruno Mineiro para tentar prender a bola no ataque. Paulo Baier usou a experiência para fazer o jogo girar. O tempo passava rápido para os torcedores rubro-negros. Ainda assim, empurraram, tentaram jogar com a equipe. Fizeram isso até perder a paciência. Nos dez minutos finais, pediram raça.

O Flamengo ainda tentou. Aos 40, Diego Maurício bateu quase da pequena área, mas o goleirão Neto fez belíssima defesa. Pouco depois, o atacante cabeceou bem perto do gol. Pela esquerda, Marquinhos deu boas arrancadas, encarou a marcação, mas foi sempre travado pelos zagueiros Manoel e Rafael Santos. No duelo de rubro-negros, o de Curitiba foi mais eficiente. A torcida que apoiou quase todo o tempo, também soube vaiar no fim.

FLAMENGO 0 X 1 ATLÉTICO-PR
Marcelo Lomba, Léo Moura, Welinton, Ronaldo Angelim e Juan; Maldonado, Willians (Correa), Renato e Guilherme Negueba (Marquinhos); Deivid (Diego Maurício) e Val Baiano. Neto, Wagner Diniz, Manoel, Rafael Santos e Paulinho; Deivid (Olberdam), Vitor, Paulo Baier e Ivan González (Bruno Miniero); Guerrón (Márcio Azevedo) e Nieto.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo. Técnico: Sérgio Soares.
Gols: Paulo Baier, aos 39 do primeiro tempo.
Cartões amarelos: Guilherme Negueba, Maldonado e Deivid (Flamengo); Paulinho, Deivid, Nieto e Ivan González (Atlético-PR).
Estádio: Raulino de Oliveira, em Volta Redonda/RJ. Data: 07/11/2010.Árbitro: José Henrique de Carvalho (SP). Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (SP) e Márcia Lopes Caetano (RO).
Renda: RS: 151.680,00 Público: 6.585 (presentes: 9.026)

novembro 7, 2010 Posted by | Atlético-PR, Flamengo | Deixe um comentário

Fla e Atlético-PR duelam por objetivos opostos

Cariocas querem vitória para se ver livre da degola e paranaenses esperam continuar na luta pela Liberta

Quando Flamengo e Atlético-PR entrarem no Estádio Raulino de Oliveira, neste domingo, às 19h30, as duas equipes lutarão em busca de objetivos opostos. Enquanto os cariocas precisam da vitória para afastar o perigo do rebaixamento, os paranenses esperam o triunfo para dar continuidade à boa campanha no Brasileiro, que possibilita o Furacão estar na briga por uma vaga na Libertadores.

Apesar do bom início sob o comando do técnico Vanderlei Luxemburgo, o Clube da Gávea não vem de bons resultados e não vence há três partidas. Ainda ameaçado pela degola, o Fla ainda precisa somar no mínimo quatro pontos para afastar de vez a possibilidade. Prova da insatisfação do desempenho do time foi a barração do ataque 3D, formado por Deivid, Diogo e Diego Maurício.

No coletivo da manhã deste sábado, véspera do confronto, o treinador sacou Diogo e Diego Maurício do time titular e promoveu o retorno de Val Baiano e do jovem Guilherme Negueba, tido como o grande talento da base do clube. Surpreso com a oportunidade repentina, o apoiador de 18 anos explica o porquê da chance dada diante do Atlético-PR.

– Fiz um bom treino contra o profissional, e o Luxemburgo me deu a oportunidade. Ele está me dando muita força, está falando para eu ir com calma, minha hora vai chegar, sou muito novo ainda. Os companheiros me ajudam bastante – disse.

Humilde, Negueba, que atuará ao lado de Renato no meio de campo, reconhece que não esperava pela chance tão rapidamente. Apesar disso, o prata da casa se diz pronto para fazer a sua estreia pelo time profissional do Rubro-Negro.

– Estou pronto. Não esperava porque estava há pouco tempo nos juniores, jogando a OPG – explicou.

Empenho para seguir na luta da Libertadores

A vitória por 1 a 0 sobre o Palmeiras na última quinta-feira, manteve o Atlético Paranaense na briga por uma vaga na Libertadores. Com 50 pontos, o Furacão ocupa a oitava colocação, com quatro pontos a menos que o Botafogo, que fecha o G-4.

Porém, para seguir nesta briga, é preciso vencer também fora de casa, o que vem sendo uma árdua tarefa para a equipe. Em 16 partidas neste Campeonato Brasileiro como visitante, o Atlético-PR obteve quatro vitórias, dois empates e dez derrotas.

Para complicar ainda mais a situação, o técnico Sérgio Soares segue sem poder contar com o lateral-direito Elder Granja, o zagueiro Rhodolfo, o armador Branquinho e o atacante Maikon Leite, todos por lesão muscular.

Entretanto, o treinador contará com o retorno do atacante Guerrón, que cumpriu suspensão na rodada passada. E o equatoriano, que volta animado, não mostra preocupação com o mau retrospecto fora de casa e quer o Furacão partindo para cima, buscando a vitória.

– O Atlético está lutando por uma classificação para a Libertadores e precisa vencer essa partida. Não importa se jogaremos dentro ou fora de casa e qual seja o adversário. Precisamos entrar em campo para vencer e, por isso, será necessário muito empenho e dedicação para sairmos com os três pontos da partida de domingo – afirmou Guerrón.

FICHA TÉCNICA

FLAMENGO X ATLÉTICO-PR

Estádio: Raulino de Oliveira, Volta Redonda (RJ)
Data/hora: 7/11/2010 – 19h30h (de Brasília)
Árbitro: Jose Henrique de Carvalho (SP)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (SP) e Marcia Lopes (RO)

FLAMENGO: Marcelo Lomba; Léo Moura, Welinton, Ronaldo Angelim e Juan; Maldonado, Willians, Renato e Guilherme Negueba; Deivid e Val Baiano. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

ATLÉTICO-PR: Neto, Wagner Diniz, Manoel, Rafael Santos e Paulinho; Chico, Vitor, Paulo Baier e Iván González; Guerrón e Nieto. Técnico: Sérgio Soares.

novembro 7, 2010 Posted by | Atlético-PR, Flamengo | , | Deixe um comentário

Sem querer voltar ao Atlético-PR, Antônio Carlos quer seguir no Bota

Zagueiro revela que terá reunião com diretoria do Furacão e afirma que sucesso do Alvinegro no Brasileiro pode facilitar permanência

Por mais que esteja envolvido na luta do Botafogo pelo título nacional e por uma vaga na Libertadores, Antônio Carlos não deixa de pensar no futuro. Emprestado pelo Atlético-PR até 31 de dezembro, o zagueiro ainda não sabe qual será seu destino na próxima temporada, mas acredita que o sucesso do Alvinegro no Brasileirão poderá ser determinante para sua possível permanência em 2011.

– Nunca escondi que não tenho vontade de voltar ao Atlético, mas são eles que vão decidir. Todos sabem que quero ficar no Botafogo, mas a gente só pode cobrar quando consegue os objetivos.

Antônio Carlos também revelou já ter agendado um encontro com os dirigentes do Atlético-PR durante o período de férias. Seu contrato com o clube rubro-negro vai até 2012.

– Não sei para aonde vou. Tenho que voltar a Curitiba para uma reunião no dia 15 de dezembro para saber se vão me emprestar ou me vender. Meu pensamento é fazer minha parte, terminar o ano bem e depois pensar no futuro.

novembro 6, 2010 Posted by | Atlético-PR, Botafogo | , | Deixe um comentário

Atlético-PR bate Palmeiras na Arena

Resultado deixa atlético vivo na briga pela Libertadores; Verdão fica sem pretensões na competição

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Quando o jogo se arrastava de forma melancólica para um 0 a 0 sem graça, depois de dois gols legítimos anulados pela arbitragem, ele resolveu aparecer. Jeitinho marrento, bem argentino, Nieto foi o responsável por movimentar o placar na noite desta quinta-feira, na Arena da Baixada, e dar a vitória magrinha de 1 a 0 para o Atlético-PR sobre o Palmeiras, nos minutos finais. E esbravejou contra a torcida do Furacão, que o criticou muito nos últimos meses.

O gol solitário faz uma diferença grande para o Furacão após 33 rodadas do Campeonato Brasileiro. Com o resultado, o time de Sérgio Soares pode continuar sonhando com uma vaga na Taça Libertadores de 2011 – é o oitavo colocado, com 50 pontos, a quatro do Botafogo, último integrante do G-4.

Já o Palmeiras vê suas chances cada vez mais escassas. Com 47 pontos e na décima posição, o time de Luiz Felipe Scolari, que ficou muito encolhido no segundo tempo, se apega à Copa Sul-Americana, competição que leva o campeão ao mais famoso torneio continental.

Na próxima rodada, o Palmeiras recebe o Guarani, às 19h30 de domingo, na Arena Barueri. Já o Atlético-PR joga no mesmo dia e horário contra o Flamengo, no Raulino de Oliveira.

Embora estivessem bem desfalcados para o encontro, Atlético-PR e Palmeiras fizeram um primeiro tempo movimentado na Arena da Baixada. O time paranaense fazia o seu papel de dono da casa e ditava o ritmo da partida,. Prova disso foi a chance que Bruno Mineiro teve logo aos quatro minutos. Deola, porém, fez boa defesa.

Mais fechadinho, o Alviverde apostava nos contragolpes em velocidade. Aos 22, Marcos Assunção levantou bola da esquerda e Danilo ajeitou de cabeça para Tadeu completar contra a meta de Neto. Mas a arbitragem assinalou de forma equivocada impedimento do atacante

Nas batidas de faltas, arma das duas equipes, igualdade. Paulo Baier teve mais chances, como aos 39 e aos 42, quando esbarrou no goleiro Deola. Assunção também teve a oportunidade, aos 33, mas parou na barreira do Furacão.

Nos critérios adotados pelo trio de arbitragem comandado por Wallace Nascimento Valente, as duas equipes saíram para os vestiários insatisfeitas. O Palmeiras pelo gol anulado de Tadeu. Já o Atlético-PR reclamava de um pênalti duvidoso não marcado em Bruno Mineiro e de um gol mal anulado de Paulo Baier.

Nieto decreta o fim do marasmo

O jogo ficou mais morno no tempo final, pelo menos nas chances de gol. De quente ficaram somente as disputas de bola, mais acirradas no meio-campo, e os passes errados – 41 até os 10 minutos. Aos poucos, a velocidade começou a sumir pelo lado palmeirense. O contra-ataque, que antes era veloz e perigoso, aparecia mais cadenciado. O Atlético-PR também não tinha mais a mesma força. E dependia dos chutes de longa distância de Chico para ameaçar o goleiro Deola.

Os dois técnicos resolveram então apostar nas mudanças no ataque. Sérgio Soares sacou Bruno Mineiro, que não marca há oito jogos, enquanto Luiz Felipe Scolari apostou em Ewerthon, que voltava de lesão. Mas foi Nieto quem acabou com o marasmo: Marcelo fez boa jogada nas costas de Gabriel Silva, e o argentino arrematou bem contra Deola, fazendo 1 a 0 para o Atlético-PR, aos 39.

Assim, o Furacão mantém vivo o sonho da Libertadores. Já o Palmeiras fica cada vez mais distante da disputa pela América… pelo menos no Brasileirão.

ATLÉTICO-PR 1 X 0 PALMEIRAS
Neto, Wagner Diniz, Manoel, Rafael Santos e Paulinho; Chico, Vitor (Claiton), Netinho (Nieto) e Paulo Baier; Ivan González e Bruno Mineiro (Marcelo). Deola; Márcio Araújo, Danilo, Fabrício e Gabriel Silva; Edinho, Marcos Assunção, Tinga (Vinícius) e Lincoln (Pierre), Luan e Tadeu (Ewerthon).
Técnico: Sérgio Soares. Técnico: Luiz Felipe Scolari.
Gol: Nieto, aos 39 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Tadeu e Lincoln (Palmeiras).
Local: Arena da Baixada, em Curitiba. Árbitro:Wallace Nascimento Valente (ES). Auxiliares: Dibert Pedrosa Moises (Fifa-RJ) e Fabiano da Silva Ramires (ES). Público: 19.749. Renda: R$ 334.410,00

novembro 4, 2010 Posted by | Atlético-PR, Palmeiras | | Deixe um comentário

Sem astros, Furacão e Verdão se enfrentam na Arena

Enquanto paranaenses não têm Branquinho e Guerrón, Alviverde não conta com Kleber e Valdivia

A partida entre Atlético Paranaense e Palmeiras, que acontece nesta quinta-feira, às 21h, na Arena, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro, pode ser um divisor de águas para o Furacão. Em oitavo lugar, com 47 pontos, o time está a quatro do G-4. Por isto, uma vitória será fundamental para a equipe se manter na briga pela Libertadores. Entretanto, o treinador Sérgio Soares terá problemas.

Apesar de contar com as voltas do lateral-direito Wágner Diniz e dos armadores Paulo Baier, que estava lesionado, e Iván González, que cumpriu suspensão, Soares segue sem o zagueiro Rhodolfo, o lateral-direito Elder Granja e o meia Branquinho, com lesões musculares, além de ter perdido o atacante Guerrón, suspenso com três amarelos.

Porém, uma derrota não só deixa o Rubro-negro ainda mais longe do sonho, como também faz o adversário paulista encostar na pontuação. Sabendo disto, o técnico Sérgio Soares encara o duelo como uma decisão, além de não esconder a torcida contra os concorrentes.

– O Botafogo já abriu quatro pontos, então precisamos da vitória, até para eliminar um adversário direto. Então estamos encarando o jogo como uma decisão, além de torcer para o Botafogo perder e a vantagem diminuir – afirmou o treinador, que mais uma vez terá problemas para montar o Atlético.

Sem Kleber, suspenso, e Valdivia, lesionado, o Verdão aposta em uma dupla de ataque inédia na partida contra o Furacão. Tadeu e Luan vão jogar juntos pela primeira vez com a camisa palmeirense, já que Dinei, primeira opção para substituir o Gladiador, não poderá jogar por uma multa contratual.

Tadeu, que tem três gols no ano, vinha sendo constantemente preterido até mesmo do banco de reservas, mas, com a falta de opções, ganhou a confiança do técnico Luiz Felipe Scolari. O treinador, em coletiva de imprensa durante esta semana na Academia de Futebol, afirmou que o jogador tinha respaldo por salvar o Verdão na Copa SUl-Americana, quando marcou dois cotnra o Vitória, no Pacaembu.

O camisa 20, inclusive, já projetou a dupla que formará com Luan, que parece ter conquistado a vaga na equipe titular de vez.

– Vamos fazer de tudo para vencer. Ele é um jogador de velocidade, que se movimenta bastante, tem feito boas assistências. Tomara que faça de novo, agora para mim, e a gente possa vencer – disse Tadeu.

Um importante retorno para o técnico Luiz Felipe Scolari é o do volante Marcos Assunção, que desfalcou a equipe na partida contra o Goiás por ter levado o terceiro cartão amarelo.

FICHA TÉCNICA:
ATLÉTICO-PR X PALMEIRAS

Estádio: Arena da Baixada, Curitiba (PR)
Data/hora: 4/11/2010 – 21h (de Brasília)
Árbitro: Wallace Nascimento Valente (ES)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Morais (Fifa-RJ) e Fabiano da Silva Ramires (ES)

ATLÉTICO-PR: Neto, Wagner Diniz, Manoel, Rafael Santos e Paulinho; Chico, Vitor, Paulo Baier e Netinho; Iván González e Bruno Mineiro. Técnico: Sérgio Soares

PALMEIRAS: Deola, Márcio Araújo, Danilo, Fabrício e Gabriel Silva; Edinho, Marcos Assunção, Tinga e Lincoln; Luan e Tadeu. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

novembro 4, 2010 Posted by | Atlético-PR, Palmeiras | , | Deixe um comentário

São Paulo vence o Atlético-PR e está de volta na briga pelo G4

Ex-técnico do time paranaense, Carpegiani muda a equipe no intervalo e consegue boa vitória na Arena Barueri. O Jason está de volta?

No reecontro de Carpegiani com o Atlético-PR, o treinador provou que ainda não esqueceu os segredos da equipe que dirigiu por 22 rodadas no Brasileiro. Com gols de Ricardo Oliveira e Miranda, o São Paulo derrotou o Atlético-PR, por 2 a 1, na Arena Barueri, e voltou à briga por uma vaga na Libertadores do ano que vem. Com os três pontos, o Tricolor alcançou o adversário na tabela – com 47 pontos conquistados -, e ficou somente um atrás do Botafogo, primeiro time no G4.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Na próxima quarta-feira, o time paulista vai a Minas Gerais, onde enfrenta o Cruzeiro em mais um confronto direto pela vaga na Libertadores. Já o Atlético-PR recebe o Palmeiras, quinta-feira, na Arena da Baixada.

Primeiro tempo movimentado em Barueri

Os poucos torcedores que decidiram acompanhar a partida da Arena Barueri assistiram a um primeiro tempo movimentado e com boas chances de gol criadas pelas duas equipes. Mesmo com os muitos desfalques enfrentados pelo técnico Sérgio Soares, o Atlético-PR tomou a inciativa e, logo aos dois minutos de jogo, em gol anulado de Bruno Mineiro, balançou as redes do capitão Rogério Ceni.

O susto acordou o São Paulo, e aos 10 minutos a partida já estava equilibrada. Segurando mais a bola no campo de ataque, o Tricolor abriria o placar dois minutos depois.

Em linda jogada de Ricardo Oliveira, o atacante livrou-se de dois defensores, invadiu a área e chutou forte, sem chances para Neto. O jovem goleiro, recém-convocado por Mano Menezes, ainda viu a bola tocar no travessão antes de morrer no fundo das redes.

Ao invés de incentivar o Atlético a buscar o empate, o gol animou ainda mais o time paulistano. Com a vantagem no placar, o São Paulo passou a se arriscar ainda mais, com rápidas trocas de bola entre Fernandão, Carlinhos, Dagoberto e Ricardo Olivera. Por outro lado, passou a expor mais sua defesa.

E justamente numa saída errada de bola de Casemiro, o Atlético chegou ao empate. Depois do erro do volante, Guerrón recebeu pelo lado direito, invadiu a área e, na velocidade, chutou cruzado, certeiro. Dessa vez, validado pelo juíz.

Carpegiani muda e decide

Com a entrada de Marlos no lugar de Casemiro no intervalo, o técnico Paulo César Carpegiani mostrava porque a diretoria Tricolor acertou quando decidiu por sua contratação. Com maior qualidade na saída de bola, o São Paulo começou a segunda etapa sufocando o Atlético em seu campo de defesa.

Logo aos 5 minutos, em falta cobrada por Dagoberto, o zagueiro Miranda subiu livre e cabeçeou para devolver a vantagem Tricolor. Foi o primeiro gol do zagueiro no Campeonato Brasileiro.

O domínio são-paulino após o gol – já que ainda chegava com perigo nos chutes de Ricardo Oliveira -, não assustou o Atlético-PR. Mesmo pressionado, e vendo Marlos movimentar melhor a bola no meio-campo do São Paulo, o time paranaense ainda assustava nos rápidos contra-ataques.

Aos 21 minutos, Chico driblou Alex Silva e arriscou, já desequilibrado. E foi aí que brilhou a estrela do capitão Tricolor pela 700ª vez na carreira. Esticando-se todo, Rogério Ceni tocou a bola com a ponta dos dedos, mandando para escanteio.

Assim como queria Ricardo Oliveira na saída para o intervalo, o São Paulo passou a jogar com mais inteligência. E aos 35 minutos, o próprio atacante quase matou a partida. Depois de cruzamento de Fernandão, cabeçeou livre na pequena área, para grande defesa do goleiro Neto.

Já nos acréscimos do segundo tempo, Ilsinho ainda desperdiçou grande chance. Sozinho na grande área, perdeu o ângulo do chute e bateu para fora. Não havia mais tempo para reação, e o São Paulo permanece na briga. Será que o Jason voltou?

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO 2 X 1 ATLÉTICO-PR

Estádio: Arena Barueri, Barueri (SP)
Data/hora: 28/10/2010 – 21h (de Brasília)
Árbitro: Marcio Chagas da Silva (RS)
Auxiliares: Julio Cesar Santos (RS) e Marcelo Bertanha Barison (RS)
Renda/público: R$ 169.296,59 / 16.480 pagantes

Cartões amarelos: Richarlyson, Carlinhos (SPO); Rafael Santos, Deivid, Guerrón (APR)
Cartões vermelhos: Nenhum

GOLS: Ricardo Oliveira, 12’/1ºT (1-0); Guerrón, 25’/1ºT (1-1); Miranda, 5′ /2ºT (2-1)

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Jean, Alex Silva, Miranda e Richarlyson; Casemiro (Marlos, Intervalo), Rodrigo Souto, Carlinhos e Fernandão; Dagoberto (Ilsinho, 36’/2ºT) e Ricardo Oliveira. Técnico: Paulo César Carpegiani.

ATLÉTICO-PR: Neto; Deivid (Marcelo, 31’/2ºT), Manoel, Rafael Santos e Paulinho; Chico, Vitor, Claiton (Edgar, 19’/2ºT) e Netinho; Guerrón (Nieto, 32’/2ºT) e Bruno Mineiro. Técnico: Sérgio Soares.

outubro 28, 2010 Posted by | Atlético-PR, São Paulo | | Deixe um comentário

Pelo São Paulo, Carpegiani reencontra o Atlético-PR

Tricolor e Furacão disputam vaga no G4 e sofrem com os desfalques

São Paulo e Atlético-PR não estão no topo da tabela, mas fazem uma decisão nesta quinta-feira, às 21h, na Arena Barueri. As duas equipes brigam diretamente para entrar no G4. O Furacão (sétimo colocado, com 47 pontos) está na frente do Tricolor (nono colocado, com 44 pontos).

E os holofotes estarão voltados para o reencontro entre Paulo César Carpegiani e o clube paranaense. Antes de ser contratado pelo São Paulo, o treinador comandava o Furacão. Conhecedor da equipe, ele prevê dificuldades:

– O Atlético continua forte. Vi o último jogo contra Fluminense, tinha todas as possibilidades de vencer. Joga compacto e do goleiro ao ponta esquerda é a mesma escalação. O jogo será muito difícil, como todos. A partir de agora nossa tabela é dificílima, a obrigação é de vencer dentro e fora – afirmou Carpegiani.

O treinador tem problemas para armar o time. Lucas está suspenso e Fernandinho, com dores na panturrilha direita, também deve ficar fora. O meio de campo será mais reforçado porque Casemiro volta à equipe. A outra vaga continua indefinida. Ilsinho, Fernandão e Marlos estão na disputa.

Depois de empatar em casa com o Fluminense, vencer fora de casa passou a ser obrigação para o Atlético-PR. Sabendo disso, o técnico Sérgio Soares admitiu que o Furacão irá com uma postura ofensiva, atacando o São Paulo.

– Temos que procurar jogar, porque o São Paulo, dentro de casa, vem pra cima. O Atlético, quando tiver posse de bola, vai atacar. Será um jogo no qual a equipe que tiver mais tranquilidade, atenção e mais concentrada vencerá. O Atlético jogará para atacar o adversário – afirmou o treinador.

Entretanto, a missão será complicada. Não só pelo jogo em si, mas pelos vários desfalques na equipe, nada menos do que cinco desfalques: O armador Iván González, suspenso, o lateral-direito Wágner Diniz, que por pertencer ao Tricolor não pode enfrentá-lo e o lateral-direito Elder Granja, o armador Paulo Baier e o atacante Maikon Leite, lesionados.

Assim, Sérgio Soares se viu obrigado a improvisar o volante Deivid na lateral e dar uma nova oportunidade ao armador Netinho, que mal vinha ficando no banco de reservas.

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO X ATLÉTICO-PR

Estádio: Arena Barueri, Barueri (SP)
Data/hora: 28/10/2010 – 21h (de Brasília)
Árbitro: Marcio Chagas da Silva (RS)
Auxiliares: Julio Cesar Santos (RS) e Marcelo Bertanha Barison (RS)

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Jean, Alex Silva, Miranda e Richarlyson; Casemiro, Rodrigo Souto, Carlinhos e Fernandão (Ilsinho ou Marlos); Dagoberto e Ricardo Oliveira. Técnico: Paulo César Carpegiani.

ATLÉTICO-PR: Neto, Deivid, Manoel, Rhodolfo e Paulinho; Chico, Vitor, Branquinho e Netinho; Guerrón e Bruno Mineiro. Técnico: Sérgio Soares.

outubro 28, 2010 Posted by | Atlético-PR, São Paulo | , | Deixe um comentário

Washington tem tarde para esquecer, e Flu empata com Atlético-PR

Há nove jogos sem marcar, Coração Valente faz gol contra em 2 a 2 na Baixada. Resultado coloca cariocas na liderança e tira Furacão do G-6

O placar pode até levar a imaginar que o confronto entre Atlético-PR e Fluminense, neste domingo, na Arena da Baixada, pela 31ª rodada do Brasileirão, foi daqueles de tirar o fôlego e mostrar por que as duas equipes ocupam a parte de cima da tabela. Mas não foi bem assim. Com muita catimba e erros de passe, o duelo foi pautado no meio de campo, e o 2 a 2 se deu mais pela disposição na reta final do que pela inspiração dos jogadores . Um deles, no entanto, teve uma tarde para esquecer: Washington.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Além de chegar a nove jogos sem fazer gols pelo Tricolor – o maior jejum de sua carreira -, o Coração Valente relembrou os velhos tempos e fez a alegria da torcida do Furacão, com um gol contra. Wagner Diniz, Marquinho e Conca completaram o placar. Os episódios negativos para Washington, no entanto, não param por aí. No gol do argentino, ele pegou a bola para cobrar pênalti, para desespero da torcida tricolor, que àquela altura já imaginava mais um erro do atacante. Mas Conca mostrou personalidade, pegou a bola, bateu e empatou o jogo.

Com o resultado, o Fluminense voltou ao primeiro lugar da competição, com 54 pontos, e torce contra o Cruzeiro no clássico com o Atlético-MG, às 18h30m (de Brasília), para se manter nesta colocação. O próximo compromisso está marcado para a próxima quinta, às 21h, no Engenhão, contra o Grêmio de Renato Gaúcho.

Já o Atlético-PR não tem muito o que comemorar. Os dois pontos perdidos em casa tiraram a equipe da zona de classificação para a Libertadores. Com 47, agora o Furacão é sétimo e encara o São Paulo, também quinta às 21h, na Arena Barueri.

A partida tinha peso decisivo para atleticanos e tricolores no Brasileirão, mas, antes de a bola rolar, a competição ficou em segundo plano. Ambos entraram em campo preocupados em reverenciar o rei. Como forma de homenagear Pelé, que completou 70 anos no sábado, o Furacão exibiu uma faixa com os parabéns pela data, enquanto o Fluminense fez com que duas de suas principais estrelas usassem a camisa 10 com o nome do craque: Muricy Ramalho e o argentino Conca, que deixou a idolatria a Maradona de lado.

Após o apito inicial de Wilson Luiz Seneme, no entanto, o futebol apresentado foi digno de envergonhar o maior jogador de todos os tempos. Burocráticos, Fluminense e Atlético-PR fizeram uma partida marcada por jogadas no meio de campo e muitas faltas. Conca e Paulo Baier não estiveram em seus melhores dias, e os goleiros Ricardo Berna e Neto se transformaram em meros espectadores.

Mesmo fora de casa, o Tricolor suportou bem a pressão do “caldeirão” da Baixada e foi quem mais permaneceu no campo ofensivo. Faltava, porém, qualidade para Washington e Rodriguinho, que não conseguiam finalizar na direção do gol. Apoiado pelo torcedor, o Furacão se mandou de forma objetiva para o ataque somente nos 20 minutos finais, apostando na velocidade de Guerrón e Branquinho. Nada muito eficiente e que resultou em apenas uma boa oportunidade desperdiçada pelo equatoriano.

Bolas paradas ‘acordam’ Neto e Berna

Apesar de o espetáculo em campo não ser dos mais empolgantes, a torcida do Atlético-PR não perdia o pique e gritava incessantemente o nome do clube. Contagiados, os jogadores resolveram se mandar para o ataque a partir do 40 e fizeram, enfim, com que os goleiros trabalhassem. Paulinho para os paranaenses e Washington para os cariocas cobraram faltas com precisão para voos certeiros de Ricardo Berna e Neto. Foi o único acerto de Washington na partida.

Washington ‘encerra’ jejum

Na volta para o segundo tempo, o panorama mudou pouco: as duas equipes continuavam errando bastante no meio e atuavam com uma displicência que não condizia com a importância da partida. Na arquibancada, o torcedor também permanecia inquieto e apoiando o Atlético-PR.

Sonolento, o Fluminense passou a dar espaços na defesa, principalmente pelo lado direito. Foi por ali que Paulinho levou perigo em jogadas de linha de fundo e Branquinho conquistou o escanteio que tirou o primeiro zero do placar, aos 15. Após cobrança fechada de Paulo Baier, Marquinho afastou o perigo, mas a bola voltou para os pés do meia, que  levantou mais uma vez na área. A bola voou e encontrou a cabeça de Washington, maior artilheiro da história do Brasileirão com 34 gols, em 2004, com a camisa do Furacão. O desvio mandou contra o patrimônio: 1 a 0 no placar e gritos irônicos dos torcedores paranaenses para o ex-artilheiro.

A fase do Coração Valente realmente não é das melhores. Como se não bastasse o gol contra, ele completou nove jogos sem balançar a rede a favor do Flu, maior jejum de sua carreira.

A vantagem fez com que o torcedor do Atlético ficasse ainda mais inquieto e o grito de “uh, caldeirão” tomou conta da Arena. Para piorar, o Fluminense aumentou sua lista de lesionados e perdeu Diogo, com uma torção no joelho. Mas foi exatamente com tudo contra que os cariocas mostraram força e conseguiram o empatar, aos 24, quando Diguinho tentou passe para Rodriguinho e a bola sobrou limpa para Marquinho. Com a perna direita (que não é a boa), o apoiador acertou um chutaço no canto esquerdo de Neto.

A igualdade fez com que a partida voltasse ao ritmo morno do início, com toques para o lado e pouca objetividade. Até que, aos 38, Wagner Diniz avançou pela direita e cruzou rasteiro para Nieto. O argentino se enrolou todo, mas a bola voltou para os pés do lateral, que estufou as redes de Ricardo Berna: 2 a 1 e mais gritos enlouquecidos na Arena.

Conca ‘briga’ com Washington, chama a responsabilidade e empata

Sete minutos para o fim, vantagem no placar, torcida apoiando. Tudo estava a favor do Atlético-PR. O Flu, por sua vez, não desistiu e foi buscar a igualdade mais uma vez quatro minutos depois. Em jogada rápida, Tartá, dispensado pelo Furacão no início do Brasileirão, aproveitou descuido da defesa, invadiu a área e recebeu uma trombada do paraguaio Ivan Gonzalez. Pênalti assinalado corretamente, mas que revoltou o torcedor, que trocou o “uh, caldeirão” por “vergonha”.

Enquanto isso, uma dúvida no Flu: quem cobraria o pênalti? Washington abraçou a bola, mas foi impedido por Conca, que chamou a responsabilidade para si e decretou o empate.

– Pedi, sim. A gente tem um bom diálogo – confirmou o argentino, após o jogo.

ATLÉTICO-PR X FLUMINENSE
Neto, Elder Granja (Wagner Diniz), Manoel, Rhodolfo e Paulinho; Chico, Vítor (Nieto), Paulo Baier e Branquinho (Ivan Gonzalez); Guerrón e Bruno Mineiro. Ricardo Berna, Thiaguinho, Gum, Leandro Euzébio e Carlinhos (Julio Cesar); Diogo (Fernando Bob), Diguinho, Conca e Marquinho; Rodriguinho (Tartá) e Washington.
Técnico: Sérgio Soares. Técnico: Muricy Ramalho.
Gols: Washington contra, aos 15, e Marquinho, aos 24, Wagner Diniz, aos 38, e Conca, aos 42 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Paulinho e Bruno Mineiro (ATL-PR) Rodriguinho e Carlinhos (FLU).
Local: Arena da Baixada, em Curitiba. Data: 24/10/2010. Árbitro:Wilson Luiz Seneme (Fifa-SP) . Auxiliares: Marco Antônio Martins (SC) e Angelo Rudimar Bechi (SC).

outubro 24, 2010 Posted by | Atlético-PR, Fluminense | , | Deixe um comentário

Beneficiado pelo ‘G-6’, Atlético-PR recebe o Flu, que mira a liderança

Último time na zona da Libertadores, Furacão tem o Grêmio na cola e precisa vencer. Já o Tricolor seca o Cruzeiro para reassumir o primeiro lugar

 

Um mira a Libertadores, o outro o título, mas para ambos já é decisão. Povoando a parte de cima da tabela do Brasileirão, Atlético-PR e Fluminense escrevem neste domingo, às 16h (de Brasília), na Arena da Baixada, em Curitiba, mais um capítulo de uma história de rivalidade que inclui pancadaria generalizada nas Laranjeiras, em 1996, e disputa de vaga na final do Brasileirão, cinco anos depois. A partida é válida pela 31ª rodada do Brasileirão.

Sexto colocado, com 46 pontos, o Furacão foi o maior beneficiado com o retorno do G-4 ao Campeonato Brasileiro. Como Santos, campeão da Copa do Brasil, e Internacional, vencedor da Libertadores, estão a sua frente, a equipe paranaense tem hoje a última vaga brasileira na maior competição de clubes das Américas. Na sua cola, com a mesma pontuação e uma vitória a menos, porém, está o Grêmio, e despachar o Tricolor em casa é fundamental.

Já o Fluminense busca voltar para a primeira colocação. Com 53 pontos, a equipe de Muricy tem um a menos que o Cruzeiro, e assume temporariamente a liderança em caso de triunfo, uma vez que o rival joga às 18h30m. Para isso, precisa ignorar um jejum de vitórias que já dura quatro partidas.

Atlético-PR: falar em título pode parecer exagero, mas, na sexta colocação, com 46 pontos, o time rubro-negro é o último da zona da Libertadores – onde tentará se manter pelas próximas oito rodadas. Uma vitória é fundamental para o Furacão, já que a equipe paranaense tem Grêmio, Botafogo, São Paulo e Palmeiras em sua cola.

Fluminense: com um ponto a menos que o Cruzeiro, o Fluminense entra em campo para reassumir a liderança do Brasileirão. Nem que seja por algumas horas. Como joga antes da Raposa, a equipe tricolor retoma a ponta em caso de vitória e seca o adversário direto no clássico contra o Atlético-MG, às 18h30m (de Brasília), para se manter nesta posição..

Atlético-PR: a principal novidade no time do Atlético-PR aparece no ataque. Após ficar fora de três jogos, Bruno Mineiro volta à equipe, para formar dupla com o equatoriano Guerrón. No meio campo, Vitor deve atuar ao lado de Chico. Ivan González e Claiton ficam como opções. O Furacão deverá ter: Neto; Élder Granja, Manoel, Rhodolfo e Paulinho; Vítor, Chico, Paulo Baier, Branquinho; Bruno Mineiro e Guerrón.

Fluminense: sem Deco, Fred e Emerson, lesionados, e Mariano, suspenso, o Fluminense perde muitas de suas principais referências ofensivas e fica praticamente refém de Conca. Na vaga do luso-brasileiro, Marquinho permanece na equipe, enquanto Washington e Rodriguinho formam o ataque titular. Já na lateral direita Thiaguinho reaparece. O Flu vai a campo com Ricardo Berna, Thiaguinho, Gum, Leandro Euzébio e Carlinhos; Diogo, Diguinho, Marquinho e Conca; Washington e Rodriguinho.

Atlético-PR: o departamento médico rubro-negro anda ocupado. Raul, Márcio Azevedo, Deivid e Maikon Leite, lesionados, desfalcam o time neste domingo.

Fluminense: Fred, com uma lesão na panturrilha esquerda, Deco, estiramento na coxa direita, Emerson, edema no pé direito, e Mariano, suspenso, são os principais desfalques do Tricolor. Marquinhos, que se recupera de um estiramento na coxa direita, e Equi Gonzalez, estiramento na panturrilha esquerda, também estão vetados.

– Apesar de estar atrás na tabela, o Atlético-PR tem campanha melhor que o Flu no segundo turno do Brasileirão. O Furacão somou 19 pontos e só perdeu duas das últimas 11 partidas disputadas. O Tricolor fez 15, com apenas quatro vitórias em 11 jogos.

– O técnico Sérgio Soares precisou de três partidas para conquistar sua primeira vitória à frente do Atlético-PR – Furacão 2 x 1 Goiás. Antes disso, o time empatou em 0 a 0 com o Vasco e perdeu de 2 a 0 para o São Paulo.

– Na luta para voltar à ponta da tabela, o Fluminense é a equipe que mais vezes apareceu na liderança. O time ocupou o primeiro lugar em 16 das 30 rodadas disputadas, mas não vence há quatro jogos, desde o dia 29 de setembro quando derrotou o Avaí, por 1 a 0, em Volta Redonda.

outubro 24, 2010 Posted by | Atlético-PR, Fluminense | , , , | Deixe um comentário

Com a volta do G4, nove times buscam vaga na Libertadores

LNET! mostra caminho das equipes para a classificação à competição continental

O disputado G4 (grupo dos quatro times classificados para a Libertadores) do Campeonato Brasileiro voltou. Nesta segunda-feira, a Conmebol aprovou mais uma vaga para times brasileiros no torneio, permitindo ao quarto colocado do Brasileirão se classificar para a competição continental. Como Santos e Internacional já estão classificados, nove equipes entram na briga pela vaga a partir de agora.

A decisão reavê a medida tomada no mês passado, quando a entidade retirou uma das vagas do Brasil na competição por conta de o campeão da edição de 2010 ter sido um clube brasileiro (Internacional).

Com isso, a briga por um lugar no torneio sul-americano deve pegar fogo. Times como Cruzeiro, Fluminense e Corinthians, que ocupam as primeiras posições neste momento, terão maiores chances matemáticas de classificação. A Raposa tem 97% de chance de se participar do torneio, e o Tricolor Carioca possui 95%. Já o Timão tem 78% de chances de disputar a Libertadores pelo segundo ano seguido. Outras equipes que estão na intermediária também ganham mais fôlego por uma vaga, como o Palmeiras e o São Paulo.

Se o Brasileiro acabasse hoje, a quarta vaga ficaria com o Atlético-PR, time que ocupa a sexta posição atrás de Internacional e Santos, que estão garantidos na Libertadores por conta dos títulos conquistados esse ano (Libertadores e Copa do Brasil, respectivamente). No entanto, o Grêmio (40%) tem mais chances de se classificar do que o Furacão (36%), segundo dados do matemático Tristão Garcia.

Confira aqui os últimos jogos de todos os candidatos a uma vaga na Libertadores de 2011 e a situação de cada um no Campeonato Brasileiro, além das chances matemáticas de cada equipe:

1º – CRUZEIRO – 54 pontos
Chances de classificação: 97%

Próximos jogos

24/10 – Atlético-MG – João Havelange
30/10 – Grêmio-PP – Eduardo José Farah
3/11 – São Paulo – João Havelange
7/11 – Vitória – Barradão
14/11 – Corinthians – Pacaembu
21/11 – Vasco – João Havelange
28/11 – Flamengo – Engenhão
5/12 – Palmeiras – João Havelange

Mesmo com a derrota para o Grêmio, no domingo, o Cruzeiro vive a sua melhor fase no Brasileirão. É líder da competição a duas rodadas e tem um dos melhores jogadores da competição: o argentino Montillo. Dificilmente ficará de fora da Libertadores do ano que vem.

2° – FLUMINENSE – 53 pontos
Chances de classificação: 95%

Próximos jogos

24/10 – Atlético-PR – Arena da Baixada
28/10 – Grêmio – Engenhão
3/11 – Internacional – Beira-Rio
7/11 – Vasco – Engenhão
14/11 – Goiás – Engenhão
21/11 – São Paulo – Morumbi
28/11 – Palmeiras – Pacaembu
5/12 – Guarani – Engenhão

Liderou o campeonato durante muito tempo, mas as lesões de Emerson, Fred e Deco diminuíram o aproveitamento do time. No domingo, tinha a chance de chegar na liderança novamente com a derrota do Cruzeiro, mas empatou com o Botafogo. Com o G4 novamente, deve ficar com uma das vagas.

3° – CORINTHIANS – 50 pontos
Chances de classificação: 78%

Próximos jogos

24/10 – Palmeiras – Pacaembu
27/10 – Flamengo – Engenhão
3/11 – Avaí – Pacaembu
7/11 – São Paulo – Morumbi
14/11 – Cruzeiro – Pacaembu
21/11 – Vitória – Barradão
28/11 – Vasco – Pacaembu
5/12 – Goiás – Serra Dourada

Até sete rodadas atrás era o favorito ao título, mas as lesões de jogadores como Jorge Henrique e Chicão, além da saída do técnico Adilson Batista resultaram em um jejum de vitórias que dura até hoje. Com isso, o clube entrou em crise, e a torcida que apoiou o time no ano todo, protestou contra vários jogadores. Com o G4, fica com chances enormes de classificação.

4° – SANTOS – 48 pontos
CLASSIFICADO (Campeão da Copa do Brasil)

Próximos jogos

24/10 – Grêmio Prudente – Vila Belmiro
30/10 – Internacional – Beira-Rio
3/11 – Vitória – Vila Belmiro
7/11 – Atlético-MG – Sete Lagoas
14/11 – Grêmio – Vila Belmiro
21/11 – Goiás – Serra Dourada
28/11 – Avaí – Ressacada
5/12 – Flamengo – Vila Belmiro

Passou por uma grande turbulência após a saída de Dorival Júnior, mas retornou a briga com o interino Marcelo Martelotte. Porém, já tem a vaga para a Libertadores garantida por causa do título da Copa do Brasil.

5° – INTERNACIONAL – 47 pontos
CLASSIFICADO (Campeão da Libertadores 2010)

Próximos jogos

24/10 – Grêmio – Olímpico
30/10 – Santos – Beira-Rio
3/11 – Fluminense – Beira-Rio
7/11 – Atlético-GO – Serra Dourada
14/11 – Avaí – Beira-Rio
21/11 – Botafogo – Engenhão
28/11 – Vitória – Beira-Rio
5/12 – Grêmio Prudente – Eduardo José Farah

Corre por fora na briga pelo título. No entanto, já conquistou a Libertadores esse ano, o que lhe garante a vaga do torneio continental de 2011. No final deste ano, ainda disputa o mundial em Dubai.

6° – ATLÉTICO-PR – 46 pontos
Chances de classificação: 36%

Próximos jogos

24/10 – Fluminense – Arena da Baixada
28/10 – São Paulo – Arena Barueri
4/11 – Palmeiras – Arena da Baixada
7/11 – Flamengo – Engenhão
14/11 – Grêmio Prudente – Arena da Baixada
24/11 – Grêmio – Olímpico
28/11 – Ceará – Castelão
5/12 – Avaí – Arena da Baixada

Cresceu de um tempo para cá e já está colado nos primeiros colocados. É muito forte jogando em casa, mas não mantém a regularidade longe de Curitiba. Com o G4, se torna um candidato forte também.

7° – GRÊMIO – 46 pontos
Chances de classificação: 40%

Próximos jogos

24/10 – Internacional – Olímpico
28/10 – Fluminense – Engenhão
4/11 – Goiás – Serra Dourada
7/11 – Ceará – Olímpico
14/11 – Santos – Vila Belmiro
21/11 – Atlético-PR – Olímpico
28/11 – Guarani – Brinco de Ouro
5/12 – Botafogo – Olímpico

O Grêmio cresceu depois da chegada do técnico Renato Gaúcho. O time, que estava beirando a zona de rebaixamento do campeonato, arrancou na tabela e já começa a colar nos líderes. Com a vitória sobre o Cruzeiro, no domingo, empatou em número de pontos com o Atlético-PR. Tem duelos diretos e em casa, o que pode ajudar a classificar para a Libertadores.

8° – BOTAFOGO – 45 pontos
Chances de classificação: 21%

Próximos jogos

23/10 – Vitória – Engenhão
30/10 – Atlético-MG – Arena da Jacaré
3/11 – Atlético-GO – Engenhão
7/11 – Avaí – Ressacada
14/11 – Ceará – Castelão
21/11 – Internacional – Engenhão
28/11 – Grêmio Prudente – Engenhão
5/12 – Botafogo – Olímpico

O Botafogo também esteve flertando com a liderança até algumas rodadas atrás, no entanto, uma sequência de empates fez com que o time caísse na tabela. Ainda está vivo na briga pela Libertadores.

9° – SÃO PAULO – 44 pontos
Chances de classificação: 16%

Próximos jogos

24/10 – Ceará – Castelão
28/10 – Atlético-PR – Arena Barueri
3/11 – Cruzeiro – João Havelange
7/11 – Corinthians – Morumbi
14/11 – Vasco – São Januário
21/11 – Fluminense – Morumbi
28/11 – Atlético-GO – Serra Dourada
5/12 – Atlético-MG – Morumbi

Como acontece nos últimos, reacordou na reta final do Brasileirão após uma crise intensa. Desde a chegada de Paulo César Carpegiani o time se reencontrou e vem mantendo boas atuações. Domingo, quebrou um jejum de vitórias sobre o Santos e é um dos candidatos fortes a uma vaga na Libertadores.

10° – PALMEIRAS – 44 pontos
Chances de classificação: 14%

Próximos jogos

24/10 – Corinthians – Pacaembu
30/10 – Goiás – Arena Barueri
4/11 – Atlético-PR – Arena da Baixada
7/11 – Guarani – Arena Barueri
14/11 – Atlético-GO – Serra Dourada
21/11 – Atlético-MG – Pacaembu
28/11 – Fluminense – Pacaembu
5/12 – Cruzeiro – João Havelange

Embora desminta publicamente, o Palmeiras já pensa sim em participar da Libertadores do ano que vem. O time não perde a sete jogos e cresceu muito de qualidade nas últimas rodadas. No entanto, não tem elenco suficiente. Sem Kleber, Valdivia e Marcos Assunção, a equipe fica sem peças de reposição. Talvez consiga a vaga por causa da Sul-Americana, já que Felipão é tradicionalmente um técnico copeiro.

11° – VASCO – 41 pontos
Chances de classificação: 2%

Próximos jogos

24/10 – Flamengo – Engenhão
30/10 – Vitória – Barradão
3/11 – Grêmio Prudente – São Januário
7/11 – Fluminense – Engenhão
14/11 – São Paulo – São Januário
21/11 – Cruzeiro – João Havelange
28/11 – Corinthians – Pacaembu
5/12 – Ceará – São Januário

É o time que tem menos chances. Empatou em muitos jogos que poderia ter vencido, como contra o Grêmio, em São Januário, semana retrasada. A tabela também não ajuda, já que enfrenta equipes do porte de Fluminense, Cruzeiro, São Paulo e Corinthians.

*Números do matemático Tristão Garcia

outubro 18, 2010 Posted by | ABC de Natal, America-RN, Atlético-MG, Atlético-PR, Avaí, Bahia, Botafogo, Ceará, Corinthians, Coritiba, CRB, Criciuma, Cruzeiro, Figueirense, Flamengo, Fluminense, Fortaleza, Futebol Europeu, Futebol Sulamericano, Goiás, Grêmio, Grêmio Prudente, Guarani, Internacional, Juventude, Náutico, Palmeiras, Paraná, Ponte Preta, Portuguesa, Santo André, Santos, São Caetano, São Paulo, Sport, Vasco da Gama, Vila Nova, Vitória | , | Deixe um comentário

Gol no início e lance polêmico dão ao Atlético-PR a vitória sobre o Goiás

Branquinho e Ivan González marcam e mantêm o Furacão na briga por uma vaga na Libertadores. Rafael Moura desconta para o ameaçado Esmeraldino

Com um gol logo no início e um lance polêmico, o Atlético-PR conseguiu garantir a vitória por 2 a 1 sobre o Goiás, neste sábado, na Arena da Baixada, pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os rubro-negros, que seguem acreditando em uma vaga na Taça Libertadores, abriram o placar com apenas três minutos de jogo, com Branquinho. Na segunda etapa, a arbitragem validou gol de Ivan González, mas os esmeraldinos reclamaram que a bola não entrou. Rafael Moura descontou para os visitantes, nos minutos finais.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O Furacão é o sexto na tabela, com 46 pontos – três a menos que o terceiro colocado Corinthians. O Goiás segue em penúltimo, com 28.

O Atlético-PR volta a campo no domingo, dia 24, quando recebe o Fluminense, na Arena, às 16h. No mesmo horário, o Goiás pega o Avaí, no Serra Dourada.

Gol no início

Paulo Baier é um velho conhecido do torcedor do Goiás. Justamente por isso, os esmeraldinos devem ter ficado especialmente apreensivos quando, com apenas um minuto de bola rolando, Branquinho foi derrubado na entrada da área, dando ao especialista ótima chance de abrir o placar. Mas Baier bateu fraco, e Harlei defendeu.

A festa na arquibancada da Arena da Baixada, no entanto, começou logo em seguida. Novamente pela esquerda, Branquinho recebeu passe na intermediária, avançou e mandou uma bomba, fora do alcance do goleiro goiano – 1 a 0.

Com esse início, era de se esperar uma partida repleta de lances emocionantes. Mas o Furacão deixou o ritmo cair, e o Goiás não conseguia se encontrar em campo. A primeira investida dos visitantes ao ataque só aconteceu aos 25 minutos. Douglas fez jogada individual pela direita, cortou a marcação e chutou forte, mas Neto fez a defesa. Antes do intervalo, aos 31, Paulo Baier ainda obrigou Harlei a se antecipar, em cobrança de escanteio fechada na primeira trave.

Lance polêmico

Na tentativa de deixar a equipe mais ofensiva, o técnico Jorginho fez uma alteração nos vestiários – Carlos Alberto entrou na vaga do veterano Júnior. A postura do time de fato se transformou. Os goianos partiram em busca do gol de empate, mas os atleticanos souberam ser firmes na marcação.

Aos nove, Douglas se preparava para chutar cruzado, de dentro da área, mas Branquinho apareceu na hora certa e fez o corte. Na sequência, Carlos Alberto pegou o rebote e mandou uma bomba à queima-roupa, para boa defesa de Neto.

Para a evidente insatisfação de Paulo Baier, o técnico Sérgio Soares tirou o camisa 10 do jogo, aos 20 minutos, e pôs Claiton em seu lugar. Porém, se Baier não gostou de sair de campo, os rubro-negros tiveram que aplaudir a mexida aos 23, quando Claiton recebeu na área pela direita e fez o cruzamento para Ivan González, que subiu mais que a zaga e, de cabeça, encobriu Harlei. Ernando ainda chegou para tentar salvar em cima da linha, mas a arbitragem apontou que a bola entrou e validou o segundo gol do Furacão.

Com Jorginho muito irritado à beira do campo, o Goiás ainda conseguiu descontar, aos 37. Marcelo Costa, em cobrança de falta, levantou na área para a cabeçada certeira de Rafael Moura, no canto direito de Neto.

ATLÉTICO-PR 2 X 1 GOIÁS
Neto; Élder Granja, Manoel, Rhodolfo e Paulinho; Chico, Vitor, Paulo Baier (Claiton) e Branquinho (Mithyuê); Guerron e Maikon Leite (Ivan González). Harlei; Valmir Lucas, Ernando, Marcão (Éverton Santos); Douglas, Wellington Monteiro (Marcelo Costa), Amaral, Wellington Saci e Júnior (Carlos Alberto); Felipe e Rafael Moura.
Técnico: Sérgio Soares. Técnico: Jorginho.
Gols: Branquinho, aos três minutos do primeiro tempo; Ivan González, aos 23, e Rafael Moura, aos 37 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Paulinho (Atlético-PR); Wellington Saci e Marcão (Goiás).
Estádio: Arena da Baixada, em Curitiba. Data: 16/10/2010.  Árbitro:Carlos Eugênio Simon (FIFA-RS). Auxiliares: Marcelo Bertanha Barison (RS) e Jorge Antônio Pinheiro Lobato (AP).

outubro 16, 2010 Posted by | Atlético-PR, Goiás | | Deixe um comentário

Embalado, Peixe deixa Furacão para trás e segue sonhando com o título

Santos venceu o Atlético-PR, neste sábado, na Vila Belmiro, e agora torce por tropeços dos primeiros colocados. Furacão cai para o sexto lugar

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O Atlético-PR não conseguiu brecar o embalo do Santos. Após atropelar o líder Fluminense na última quarta-feira, vencendo por 3 a 0, no Rio, o Peixe bateu mais um concorrente direto na briga pelo título do Brasileirão. Fez 2 a 0 no Furacão, neste sábado à noite, na Vila Belmiro, pela 29ª rodada da competição, e mantém vivo o sonho da Tríplice Coroa). A diferença para o time carioca caiu momentaneamente para sete pontos (52 a 45). O time santista, que subiu para o quarto lugar, tem um jogo a mais para cumprir que o rival das Laranjeiras. Já o Atlético cai para o sexto lugar, com 43.

Os dois times entraram em campo sonhando encostar nos ponteiros do Brasileirão, mas tiveram dificuldades para criar jogadas. O Santos dependia de algum lampejo de Neymar, que até criou jogadas interessantes, como no lance em que tabelou com Alex Sandro, recebeu na frente, passou no meio de dois zagueiros com rapidez estonteante e chutou. João Carlos defendeu com o pé esquerdo, aos 27 minutos. O problema do Peixe é que os outros jogadores não acompanhavam o camisa 11. Alan Patrick não acertou nenhum passe na primeira etapa. Zé Eduardo ficou mais preocupado em reclamar da arbitragem do que em jogar futebol. Ele deixou o gramado, no intervalo, reclamando que foi derrubado por Paulinho na área aos dez minutos de jogo. O juiz ignorou.

Pelo lado do Furacão, jogadas de perigo só quando Branquinho aparecia. O meia, muito liso, conseguiu levar vantagem sobre a marcação na maioria dos lances. Só que, assim como Neymar, o meia do Atlético não tinha com quem jogar. Ivan Gonzalez não conseguia concluir as jogadas e Nieto apresentava sérios problemas de relacionamento com a bola. Nem as jogadas de falta, que costumam ser armas importantes, sempre com as batidas precisas de Paulo Bayer, saíram com correção. Dessa forma, restou a Branquinho tentar resolver sozinho, principalmente em chutes de fora, como aos 26 minutos, quando ele quase surpreendeu o goleiro Rafael.

O Santos começou melhor o segundo tempo. Teve mais a posse, cercou o Atlético-PR, mas começou a bater no paredão rubro-negro. A equipe paranaense se segurava bem lá atrás, brecando as investidas santistas. Aos 16 minutos, o técnico Marcelo Martelotte resolveu mexer na equipe. Ele já havia tirado Danilo no primeiro tempo, por problema médico. Agora, era uma questão tática. Maranhão entrou no lugar de Pará. A esperança do treinador era tornar as saídas pelo lado direito mais velozes, uma tentativa de surpreender a boa defesa adversária. O que talvez Martelotte não esperasse era que a mudança desse resultado tão rápido.

Em seu primeiro lance, aos 17, Maranhão arrancou pela direita, tabelou com Neymar, recebeu na frente e chutou cruzado, abrindo o placar. A bola ainda bateu na trave antes de morrer na rede. O gol deixou o Atlético atordoado. Quando ainda tentava entender o que estava acontecendo, o Furacão levou o segundo, aos 20. Neymar recebeu de Maranhão e partiu em velocidade pela direita. O camisa 11 invadiu a área e foi derrubado por Paulinho. Pênalti, que Zé Eduardo bateu e converteu.

Após levar o segundo gol, o Atlético parou. Não chegou mais perto do gol do Santos, que passou a gastar o tempo, segurando o resultado.

O Santos volta a campo na próxima quarta-feira, quando enfrenterá o Internacional, mais um confronto direto, às 22h, na Vila Belmiro. Trata-se de um jogo atrasado da 13ª rodada, adiado a pedido do Colorado. Já o Furacão, pela 30ª rodada, recebe o Goiás, sábado, às 18h30m, na Arena da Baixada.

SANTOS X ATLÉTICO-PR
Rafael, Pará (Maranhão), Vinícius, Durval e Léo; Arouca, Danilo (Alex Sandro), Roberto Brum e Alan Patrick (Breitner); Zé Eduardo e Neymar João Carlos; Elder Granja, Rhodolfo, Manoel e Paulinho; Chico, Olberdan (Claiton), Paulo Baier (Thiago Santos)  e Branquinho, Ivan Gonzalez e Nieto (Netinho).
Técnico: Marcelo Martelotte Técnico: Sérgio Soares
Gols: Maranhão, aos 17, Zé Eduardo, 20
Cartões amarelos: Rhodolfo (Atlético-PR), Neymar, Maranhão, Arouca (Santos)
Renda e público: R$ 230.165,00/8.417 pagantes
Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos (SP). Data: 09/10/2010. Árbitro: Felipe Gomes da Silva (RJ). Auxiliares: Rodrigo Pereira Joia (RJ) e Ediney Guerreiro Mascarenhas (RJ)

outubro 9, 2010 Posted by | Atlético-PR, Santos | , | Deixe um comentário

Santos e Atlético-PR fazem duelo de seis pontos na Vila

Equipes encontram-se praticamente juntas na classificação e vitória manterá um deles na caça aos líderes

LANCEPRESS!

A Vila Belmiro receberá neste sábado, às 18h30, uma partida decisiva para duas equipes neste Brasileirão. Santos e Atlético-PR estão praticamente colados na tabela. O Furacão se encontra apenas um pontinho à frente do Peixe no quinto lugar. A briga pela vitória promete, já que para continuar sonhando com título, ambas as equipes necessitam dos três pontos.

No Santos…

Apesar de sempre usar o alçapão da Vila Belmiro para conseguir vitórias importantes, o Santos já não vence em seu estádio há dois jogos. Nos últimos confrontos, derrota para o Corinthians e empate com o Palmeiras.

Depois de aplicar um chocolate para cima do líder Fluminense em pleno Engenhão, a garotada comandada por Marcelo Martelotte, vem embalada e já pensa em encostar nos líderes. Aliás, os santistas terão agora duas partidas consecutivas dentro de casa contra adversários diretos no Brasileirão. Para Roberto Brum, em caso de vitórias nestes dois duelos, o Peixe entra de vez na briga.

– Nós vencemos o líder e o Corinthians perdeu. Os próximos jogos são contra Atlético-PR e Inter. Se vencermos, estaremos bem na briga – disse o volante.

Para escalar a sua equipe, o treinador Marcelo Martelotte segue com uma enxurrada de desfalques, todos entregues ao Departamento Médico. Ao todo são dez baixas: Felipe, Bruno Rodrigo, Bruno Aguiar, Edu Dracena, Rodriguinho, Marquinhos, Madson, Ganso, Keirrison e Marcel.

Em caso de descuido, o técnico poderá ter mais problemas para a sequência da competição. Dos onze que deverão começar a partida, cinco deles estão pendurados com dois cartões amarelos: Rafael, Durval, Léo, Pará e Roberto Brum.

Apesar dos vários lesionados, Martelotte deverá repetir a equipe que venceu o Fluminense no meio de semana.

Em quinto lugar, com 43 pontos, o Atlético Paranaense viajou a Santos com números positivos na bagagem. Vem de sete jogos sem perder (quatro vitórias e três empates), sendo três partidas invictas fora de casa, com um triunfo e dois empates, além de já não sofrer gols há três rodadas. Campanha que deixa o Furacão vivo na briga por uma vaga no G-3.

Porém, se a campanha é positiva, dentro de campo a lista de desfalques para esta partida é grande: Além do goleiro Neto e do atacante Guerrón, que seguem servindo as seleções brasileira e equatoriana, respectivamente, o volante Deivid e o atacante Bruno Mineiro, lesionados, e o atacante Maikon Leite, suspenso com três amarelos, são os novos problemas.

Por outro lado, o armador Branquinho, recuperado de lesão muscular, está de volta. E o jogador, que defendeu o Santo André no Campeonato Paulista e enfrentou o Santos duas vezes na final do torneio, tem a receita para o time sair com a vitória e seguir próximo do pelotão de cima.

– Faltam dez jogos apenas, perdemos dois pontos importantes em casa e agora temos que recuperar fora. Para isto, temos que atacar. Não podemos ficar no nosso campo de defesa porque eles têm um time de qualidade e de muita velocidade. Com isto, eles deixam espaços na defesa e temos que aproveitar para buscar a vitória e não nos afastarmos do grupo de cima – afirmou.

FICHA TÉCNICA:
SANTOS X ATLÉTICO-PR

Estádio: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Data/Hora: 9/10/2010 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Felipe Gomes da Silva (RJ)
Auxiliares: Rodrigo Pereira Joia (RJ) e Ediney Guerreiro Mascarenhas (RJ)
SANTOS: Rafael; Pará, Vinicius Simon, Durval e Léo; Arouca, Roberto Brum, Danilo e Alan Patrick; Neymar e Zé Eduardo. Técnico Marcelo Martelotte.

ATLÉTICO-PR: João Carlos, Elder Granja, Manoel, Rhodolfo e Paulinho; Chico, Olberdam, Branquinho e Paulo Baier; Iván González e Nieto. Técnico: Sérgio Soares.

outubro 8, 2010 Posted by | Atlético-PR, Santos | , | Deixe um comentário

Atlético-PR e Vasco escorregam na Arena e ficam apenas no 0 a 0

Em uma partida de poucas emoções, defesas dominam os ataques e goleiros trabalham pouco. Gramado molhado complica os jogadores

Correria não faltou, mas Atlético-PR e Vasco viveram uma noite de quarta-feira de pouco brilho, na Arena da Baixada, e ficaram em um 0 a 0 de poucas emoções. A torcida do Furacão não voltou para casa muito satisfeita, mas a equipe chegou ao sétimo jogo de invencibilidade no Campeonato Brasileiro. Está em quinto lugar com 44 pontos, ainda com o sonho vivo de chegar ao G-3. O duelo foi a estreia do técnico Sérgio Soares, que entrou no lugar de Carpegiani, que foi para o São Paulo.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Os cruzmaltinos, que vinham de duas vitórias em casa, sofreram com os desfalques, como Felipe. A equipe, que segue sem vencer na Arena em Brasileiros, chega a 38 pontos e está na 11ª posição.

Suspenso, o técnico Paulo César Gusmão nem foi para o estádio. Assistiu ao jogo no hotel. O responsável por comandar o time cruzmaltino à beira do campo foi o auxiliar Acácio. PC passou instruções através do goleiro Tiago, que ficou com um celular no banco de reservas.

Em um primeiro tempo de muita transpiração e pouca inspiração, o Atlético-PR tentou pressionar e encurralou o Vasco nos primeiros 15 minutos. Apesar da maior posse de bola, o Furacão pouco incomodou o goleiro vascaíno Fernando Prass. A equipe carioca adotou uma postura mais defensiva e apostou na rapidez de seus homens de frente, como Eder Luis e Zé Roberto, mas não produziu muito.

Com o gramado molhado, o que mais se viu foram, além de passes errados, encontrões entre os jogadores e derrapadas. Quem se machucou, mas em um lance isolado, foi o lateral-esquerdo vascaíno Max. Ele precisou ser substituído por Ernani.

O saldo da primeira etapa foi uma boa jogada de ataque para cada lado. Aos sete minutos, Ivan González cruzou na direção de Federico Nieto, que desviou de cabeça e a bola saiu rente à trave direita de Fernando Prass, que nada poderia fazer. O susto dado pelo Vasco no Furacão aconteceu aos 12 minutos. Zé Roberto recebeu de Fágner, girou e finalizou. Ele, no entanto, falhou na pontaria. E foi só.

A ida para o vestiário não mudou muito o panorama da partida. Assim como na primeira etapa, o Atlético ensaiou uma blitz no campo do Vasco mas errava reiteradamente o último passe. Quem mais incomodou a defesa carioca foi o rápido Maykon Leite, que lutou muito. Dentro da área, entre os zagueiros, quem se esforçava era o atacante Nieto, que levou vantagem na maioria das bolas aéreas.

A dificuldade do Rubro-Negro de criar já deixava impaciente a torcida do Furacão, que mesmo assim não deixou de apoiar. Uma das armar encontradas pela equipe da casa foi tentar levantar bolas na área. Em uma delas, aos 23, Rodolpho subiu bem e mandou rente ao travessão de Fernando Prass.

A esta altura, o Vasco já não tinha Rafael Coelho, que errou tudo o que tentou e foi substituído pelo meia Allan. Acuado até então, o time da Colina teve sua melhor chance em um contra-ataque, aos 26. Fellipe Bastos avançou e arriscou de fora da área de perna esquerda. João Carlos, que substituía Neto, que está com a Seleção Brasileira, fez boa defesa.

O Atlético ainda teve duas boas chances, as duas com Rodolpho. A primeira em um chute de fora da área bem defendido por Prass e a outra em uma cabeçada que passou rente à trave. Até o fim o Furacão tentou pressionar, mas a zaga vascaína, em grande noite, conseguiu se virar bem. O momento de mais desespero dos atleticanos foi quase no último minuto, quando Nieto, de cabeça, perdeu de cara para o gol.

As equipes voltam a campo no próximo sábado. Em São Januário, às 18h30m (de Brasília), o Vasco recebe o Grêmio. O Atlético-PR, no mesmo horário, vai até a Vila Belmiro medir força com Santos.

ATLÉTICO-PR 0 X 0 VASCO
João Carlos, Elder Granja (Marcelo), Manoel, Rhodolfo e Paulinho; Deivid (Wagner Diniz), Chico, Paulo Baier e Iván González; Maikon Leite (Thiago) e Federico Nieto. Fernando Prass, Fagner, Dedé, Cesinha e Max (Ernani); Rafael Carioca, Jumar, Fellipe Bastos e Zé Roberto; Eder Luis (Nunes) e Rafael Coelho (Allan).
Técnico: Sérgio Soares Técnico: PC Gusmão
Cartões amarelos: Fagner, Eder Luis (VAS); Maykon Leite, Paulo Baier (ATL)
Estádio: Arena da Baixada, Curitiba. Data: 06/10/2010. Árbitro: Paulo César de Oliveira (SP/Fifa). Auxiliares: Ednilson Corona (SP/Fifa) e Emerson Augusto de Carvalho (SP/Fifa)
.

outubro 7, 2010 Posted by | Atlético-PR, Vasco da Gama | | Deixe um comentário

Vasco tenta quebrar escrita contra o Furacão, na Arena

Cruzmaltino, que venceu o adversário apenas uma vez no estádio, tenta a terceira vitória seguida no Brasileirão. Paranaenses querem o G3.

LANCEPRESS!

O Vasco vai até Curitiba enfrentar o Atlético-PR na tentativa de vencer pela segunda vez na História dentro da Arena da Baixada. O time do Rio de Janeiro busca a terceira vitória consecutiva no Brasileirão, enquanto o Furacão quer o triunfo para entrar de vez na briga por uma vaga na Taça Libertadores 2011.

O técnico Paulo César Gusmão realizou mudanças na equipe titular do Cruzmaltino. Depois de erros consecutivos, o zagueiro Titi foi barrado e Cesinha, que entrou bem na última rodada, fará dupla com Dedé. Fellipe Bastos, suspenso na última rodada, substitui Felipe, com uma entorse no joelho esquerdo.

Para Zé Roberto, a saída de Paulo Cesar Carpegiani, que foi para o São Paulo, não vai influenciar no rendimento do Furacão. O camisa 10 prevê dificuldades.

– Não influencia. O time já tem um padrão e os jogadores, que já se conhecem. A dificuldade para o Vasco pode até aumentar pois eles querem mostrar que vem com mais motivação. Não teremos moleza – disse.

O técnico PC Gusmão tem a mesma opinião de Zé Roberto. Para ele, o Furacão não sentirá falta do treinador, até porque Sérgio Soares já foi contratado pela diretoria do clube paranaense.

– O time do Atlético-PR é perigoso, principalmente jogando na Arena da Baixada. Eles costumam manter uma comissão técnica fixa, só mudando o treinador, por isso acho que os jogadores não vão sentir tanto a saída do Carégiani – afirmou.

O Atlético Paranaense, por sua vez, quer provar que a boa campanha não era mérito apenas de Carpegiani. Em quinto lugar na tabela, com 42 pontos, o Furacão está a seis do Cruzeiro, último colocado no G-3 e que iria para a Libertadores.

Sérgio Soares assinou com o clube na segunda-feira, comandou um coletivo na terça e ficará à beira do gramado para comandar a equipe. Com pouco tempo para trabalhar, o treinador optou por praticamente manter a mesma escalação que vinha sendo feita, alterando apenas o posicionamento de alguns atletas, principalmente no meio-campo. Mas nada que fuja das características da equipe.

– Não vamos mudar quase nada do que o Carpegiani vinha fazendo, até porque tivemos apenas um dia de trabalho e não temos porque mudar. No decorrer dos trabalhos é que vamos observar melhor o grupo, mas para agora daremos apenas continuidade – explicou.

Mas logo na estreia, ele já terá dificuldades na escalação. Isto porque o goleiro Neto e o atacante Guerrón, convocados para as seleções brasileira e equatoriana, respectivamente, e o atacante Bruno Mineiro, suspenso pelo terceiro amarelo, desfalcam o Rubro-negro. Além disso, o armador Branquinho, com dores musculares, ainda é dúvida. Iván González foi quem treinou em seu lugar.

FICHA TÉCNICA

ATLÉTICO-PR X VASCO

Estádio: Arena da Baixada, Curitiba (PR)
Data/hora: 5/10/2010 – 22h (de Brasília)
Árbitro: Paulo Cesar de Oliveira (SP – Fifa)
Auxiliares: Ednilson Corona (SP – Fifa) e Emerson Augusto de Carvalho (SP – Fifa)

ATLÉTICO-PR: João Carlos, Elder Granja, Manoel, Rhodolfo e Paulinho; Chico, Deivid, Branquinho (Iván González) e Paulo Baier; Maikon Leite e Neto. Técnico:Sérgio Soares.

VASCO: Fernando Prass, Fagner, Cesinha, Dede e Max; Jumar, Rafael Carioca, Fellipe Bastos e Zé Roberto; Eder Luis e Rafael Coelho. Técnico: PC Gusmão

outubro 5, 2010 Posted by | Atlético-PR, Vasco da Gama | , , | Deixe um comentário

No embalo dos rivais na briga pelo título, Raposa só empata com Furacão

Cruzeiro poderia terminar a rodada em segundo, dois pontos atrás do
líder Fluminense, mas times ficam no 0 a 0 em Sete Lagoas

O Cruzeiro desperdiçou a chance de encostar de vez nos líderes, e assim como seus concorrentes diretos apenas empatou na rodada. O Atlético-PR foi competente em sua proposta de segurar a Raposa e saiu da Arena do Jacaré comemorando o 0 a 0, mas por pouco não saiu com a vitória nos minutos finais. Com o empate, o Cruzeiro chegou aos 48 pontos, se manteve em terceiro, quatro pontos atrás do Fluminense. Já o Furacão chegou aos 42 pontos, na quinta posição.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Na próxima quarta-feira o Atlético-PR recebe o Vasco, na Arena da Baixada, às 22h (de Brasília), e a Raposa vai até Goiânia enfrentar o Goiás, na quinta-feira, às 21h.

Nada de gols em Sete Lagoas

O primeiro lance de perigo da partida veio dos pés da grande sensação do Cruzeiro no campeonato. Montillo cobrou falta da entrada da área e o goleiro Neto espalmou.
E o segundo lance também foi oriundo de uma bola parada. O meia Paulo Baier cobrou falta da intermediária e Chico, livre, cabeceou para fora, com perigo.
Enquanto o Cruzeiro exercia uma pequena pressão por ter maior posse de bola, o Atlético-PR apostava nos contra-ataques com Branquinho, Bruno Mineiro e Paulo Baier.
Aos 20, Farías quase abriu o placar para a Raposa, após boa cabeçada que o jovem goleiro Neto agarrou firme.
E foi Montillo quem agitou as arquibancadas novamente, cinco minutos depois, com um chute rasteiro forte para boa defesa do arqueiro paranaense.
O Furacão conseguia impor uma forte marcação sobre o meio-campo celeste, o que dificultava a criatividade dos donos da casa. Apenas Bruno Mineiro ficava no ataque. Com cinco jogadores no meio-campo, o técnico Paulo César Carpegiani conseguiu segurar o ímpeto celeste na primeira etapa.

Alguma emoção só nos minutos finais

O empate deixava a torcida cruzeirense impaciente, já que Corinthians e Fluminense, concorrentes diretos pelas primeiras colocações, empataram na rodada. A cada jogada desperdiçada, passe errado ou chute para fora, a torcida reclamava bastante.
Mas aos 8 minutos, um lance sem perigo de gol quase calou toda a Arena do Jacaré. O atacante Ivan González chocou-se com Fábio e caiu sobre a perna do arqueiro cruzeirense. Mas para a alegria dos mineiros a contusão não passou de um susto, já que o camisa 1 se levantou após atendimento médico.
O Cruzeiro seguia buscando o ataque a todo momento mas esbarrava na defesa paranaense. Thiago Ribeiro não conseguia dar sequência às jogadas. O tempo ia passando e das arquibancadas se ouvia gritos de ‘raça, raça’.
Como a pressão não era tanta grande, o Atlético-PR se arriscou no ataque e quase marcou em cobrança de falta de Paulinho, que bateu no travessáo, aos 38 minutos.

Como o empate não era bom para nenhum dos lados, o jogo ganhou em emoção nos minutos finais. Mais uma vez o ídolo celeste fez a diferença e impediu gol certo de Maikon Leite. E no finalzinho, o goleiro Neto justificou a sua convocação para a seleção brasileira. Em cruzamento direita, Robert subiu livre e com estilo, mas o arqueiro paranaense fez uma linda ponte para evitar o gol celeste.

Com a falta de inspiração dos meias Montillo e Paulo Baier, o placar foi mesmo o de 0 a 0.

CRUZEIRO 0 X 0 ATLÉTICO-PR
Fábio; Rômulo (Jonathan), Caçapa, Edcarlos e Pablo; Fabinho, Henrique, Everton (Roger) e Montillo; Farías (Robert) e Thiago Ribeiro. Neto; Elder Granja, Manoel, Rhodolfo e Paulinho; Chico, David, Branquinho, Ivan González (Guerrón) e Paulo Baier (Nieto); Bruno Mineiro (Maikon Leite).
Técnico: Cuca Técnico: Paulo César Carpegiani
Cartões amarelos: Caçapa e Jonathan (Cruzeiro); Bruno Mineiro, Chico e Guerrón (Atlético-PR)
Local: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas. Data: 2/10/2010. Arbitragem:Paulo Henrique Godoy Bezerra (SC) Auxiliares: Kléber Lúcio Gil e Luiz Alberto Kallenberger (SC)

outubro 2, 2010 Posted by | Atlético-PR, Cruzeiro | , | Deixe um comentário