Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Vozão segura o empate e tira o Fla na Copa do Brasil

Rubro-Negro abriu 2 a 0, mas Ceará empatou e usou vantagem conquistada no Rio para assegurar a vaga para as semifinais

E a Carroça Desembestada freou o Bonde do Mengão mais uma vez. Em jogo emocionante, lá e cá, o Flamengo deu adeus à Copa do Brasil ao empatar em 2 a 2 com o Ceará na noite desta quarta-feira, no Presidente Vargas. Após abrir dois gols de diferença, com Thiago Neves, no primeiro tempo, o time carioca sofreu o empate ainda nos 45 minutos iniciais, com dois de Washington, o que bastava para o Vozão carimbar a vaga após vitória no jogo de ida.

Com o resultado em casa, o Ceará se classifica para a semifinal da Copa do Brasil, na qual enfrenta o Coritiba, que mesmo com a derrota para o Palmeiras no jogo de volta por 2 a 0, passou de fase por causa da goleada no Couto Pereira.

Receba primeiro as notícias do Mengão no seu celular!

Pura emoção: Fla abre 2 a 0 e Vozão corre atrás do placar

O jogo começou com o Flamengo se sentindo em casa. Ronaldinho, com um semblante sério, parecia querer mostrar aos que o vaiaram na última quinta-feira que ainda é tem um grande futebol a mostrar ao distrubuir boas jogadas para o ataque.

O Rubro-Negro pressionou. Ainda antes dos vinte minutos, já eram sete finalizações contra o gol de Fernando Henrique. Tragédia anunciada. Aos 19, Thiago Neves recebeu passe milimétrico de Ronaldinho, aquele que queria calar a boca dos críticos. O camisa 7 dominou livre dentro da área e teve trabalho apenas de escolher o canto para abrir o placar.

O time carioca não diminuiu o ritmo. O bombardeio contra o gol cearense continuava e Willians, como um paredão, não deixava a bola ultrapassar a linha do meio campo. E Thiago Neves decidiria novamente.

Nove minutos depois de abrir o placar, o meia, em jogada individual, bateu de canhota de fora da área no cantinho, sem chances para Fernando Henrique. Era o segundo do Fla, que com o gol, se classificava às semifinais.

O Ceará partiu para o desespero e uma substituição do técnico Vagner Mancini mudou o rumo do primeiro tempo. No Vozão, que já tinha perdido o lateral-direito Boiadeiro aos nove, machucado, – Diego Macedo foi o escolhido par a vaga -, entrou o atacante Osvaldo no lugar do lateral-esquerdo Vicente. E o baixinho que vestiu a camisa 17 mudou o estilo dos donos da casa.

Aos 35, ele sofreu e bateu a falta que Washington cabeceou para diminuir, 2 a 1. Três minutos depois o próprio conseguiu a expulsão de Ronaldo Angelim, que após falta na entrada da área recebeu o segundo amarelo, com a ajuda do juiz. O Ceará se animava cada vez mais.

E o empate não demorou muito. Após cobrança de escanteio, Thiago Humberto disputou no alto com Willians e a bola sobrou para Washington, novamente, chutar meio torto e deixar tudo igual aos 41.

E um lance no finalzinho da primeira etapa descreveria as emoções dos 45 minutos iniciais. Léo Moura para Wanderley, que devolveu de cabeça e deixou o lateral-direito cara a cara com Fernando Henrique. O chute, por cima do goleiro, saiu fraco e Michel conseguiu desviar. Mas no desespero do volante, a bola acabou acertando o travessão e, mais impressionante, sobrou para Wanderley, que, livre, cabeceou novamente na trave. Os times foram para o vestiário.

Mas as emoções não pararam por aí. Após o apito de Sandro Meira Ricci, os jogadores rubro-negros foram tirar satisfação com o árbitro. A polícia entrou em ação e um deles acertou Ronaldinho com um escudo. O técnico Vanderlei Luxemburgo, indignado, tirou seus jogadores de perto e continuou reclamando. Resultado, o treinador foi expulso.

Jogo perde em velocidade, mas não em emoção

O segundo tempo começou em marcha um pouco mais lenta que o primeiro. Mas isso não quis dizer que não houve emoção. O Fla, precisando de mais um gol, mesmo com um homem a menos, tomava a iniciativa dos ataques.

E Fernando Henrique, experiente em confrontos contra o Rubro-Negro em sua época de Fluminense, entrou em cena. Depois de Wanderley acertar uma meia bicicleta perigosa no início da etapa, Thiago Neves teve a melhor chance dos 45 minutos finais. Cara a cara com o goleiro após passe do próprio Wanderley, o camisa 7 bateu, mas o camisa 1 do Vozão fez grande defesa.

O Ceará usou as substituições. Aos 28 minutos do segundo tempo, já queimava a terceira, com a entrada de Eusébio no lugar de Thiago Humberto. E o camisa 17 entrou bem. Aos 28, de fora da área, ele obrigou Felipe a fazer grande defesa.

O Fla dependia de Ronaldinho que, cansado, não era o mesmo do primeiro tempo, assim como Thiago Neves. Errando muitos passes, o time carioca não conseguia finalizar com tanta frequência.

O técnico Vanderlei Luxemburgo resolveu apostar no jovem Negueba. Aos 31, ele tirou Willians e colocou o Fla todo para frente.

Já o Ceará apostava em Iarley e Osvaldo. O segundo, inclusive, quase liquidou a fatura aos 38. Após passar por David, ele só não marcou pois o goleiro Felipe fechou bem o ângulo.

Cansado, o time do Flamengo não conseguia mais criar. Experiente, os jogadores do Vozão, seguravam a bola no ataque quando tinham oportunidade. E assim foi o jogo até o final.

FICHA TÉCNICA:
CEARÁ 2 X 2 FLAMENGO

Local: Estádio Presidente Vargas, Fortaleza (CE)
Data/Hora: 11/5/2011 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Sandro Meira Ricci (DF)
Cartões amarelos: Diego Macedo, Michel (CEA); Ronaldo Angelim, Felipe, Egídio, Willians (FLA)
Cartão vermelho: Ronaldo Angelim (FLA)

GOLS: Thiago Neves, 19’/1ºT (0-1); Thiago Neves, 28’/1°T (0-2); Washington, 35’/1ºT (1-2); Washington, 41’/1ºT (2-2);

FLAMENGO: Felipe, Léo Moura (Fierro, 13’/2ºT), David, Welinton e Ronaldo Angelim; Willians (Negueba, 31’/2ºT), Renato, Bottinelli (Egídio, 40’1ºT), Thiago Neves; Ronaldinho e Wanderley – Técnico: Vanderlei Luxemburgo

CEARÁ: Fernando Henrique, Boiadeiro (Diego Macedo, 9’/1ºT), Erivelton, Fabrício, Vicente (Osvaldo, 32’/1ºT); João Marcos, Michel, Thiago Humberto (Eusébio, 14’/2ºT), Geraldo; Iarley e Washington – Técnico: Vagner Mancini

maio 12, 2011 Posted by | Ceará, Flamengo | | Deixe um comentário

Santos vence o Once Caldas por 1 a 0 e fica perto da semifinal da Liberta

Com gol de Alan Patrick aos 42 minutos do primeiro tempo, Peixe conquista bom resultado fora de casa

No jogo de ida das quartas de final da Copa Santander Libertadores, o Santos venceu o Once Caldas por 1 a 0 na noite desta quarta-feira, no Estádio Palogrande, em Manizales, na Colômbia.

Com o resultado, o Peixe joga a partida de volta, no Pacaembu, pelo empate. O Once Caldas precisa vencer por dois gols de diferença para avançar direto às semifinais da competição sulamericana. Caso o Santos abra o placar, o time colombiano terá de fazer três. Em caso de vitória do Once Caldas pelo mesmo placar do jogo de ida, haverá decisão por pênaltis.

O Santos faz o jogo de volta diante do Once Caldas pela Libertadores na próxima quarta-feira, dia 18, no Pacaembu. Antes disso, o Peixe se prepara para a decisão do Campeonato Paulista no próximo domingo, às 16h, diante do Corinthians, na Vila Belmiro – o primeiro jogo entre as duas equipes terminou 0 a 0.

O primeiro tempo mostrou certa equivalência tática entre as duas equipes, e, após grande falha da defesa colombiana, o Peixe abriu o placar com Alan Patrick, justamente o substituto do meia Ganso, que com uma lesão na coxa direita, só deverá voltar a jogar em 45 dias.

Equilíbrio e falha mortal

O que se viu na primeira etapa foi um grande equilíbrio tático. As duas equipes se postaram muito bem defensivamente e conseguiam se sobrepor sobre os ataques. Ambos os times pecavam nos últimos passes e finalizações.

Sem a bola, o Once Caldas lembrava o “estilo Muricy” do São Paulo, principalmente no ataque pelo excesso de bolas alçadas na área da intermediária. A equipe contou com três meias versáteis que se revezavam na marcação e nos contra-ataques para servir Rentería.

O Santos, por sua vez, também não demonstrou postura muito diferente. Bem fechado, a equipe evitou a aproximação em sua área e neutralizou os ataques. Ofensivamente, o time foi superior, mas faltou acertar o último passe.

E, finalmente, aos 42 minutos, o Peixe acertou a assistência – e contou com grande falha da defesa colombiana. Neymar fez boa jogada, puxou toda a marcação e deu bom passe para Alan Patrick, livre, entrar na área pelo lado esquerdo e colocar no canto de Martínez para abrir o placar. E o jogo então se encaminhou para o final.

Nova postura, expulsão e predomínio santista

Se o torcedor santista esperava um time mais cauteloso no início da segunda etapa, se enganou. O Peixe subiu ao ataque e adiantou sua marcação, sufocando o adversário. O Once Caldas mal conseguiu passar da intermediária.

Com a pressão, o Santos passou a manter mais a bola no ataque e acelerar um jogo. Aos 14, Neymar foi para cima de Calle, que fez falta, recebeu o segundo amarelo e saiu expulso. Com um a menos, o time colombiano teve ainda dificuldade para organizar a marcação e ofensivamente levou pouquíssimo perigo ao gol de Rafael.

Após errar uma série de finalizações, a partir dos 30 minutos de jogo, o Once Caldas subiu ao ataque e tentou pressionar. Rentería obrigou Rafael a uma grande defesa e o time da casa se animou.

Contudo, logo o Santos equilibrou a partida e assegurou sua vitória, após pressionar o time colombiano, mas não conseguir chegar ao segundo gol.

FICHA TÉCNICA:
ONCE CALDAS 0 X 1 SANTOS

Estádio: Palogrande, em Manizales (COL)
Data/hora: 11/5/2011 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Juan Soto (VEN)
Auxiliares: Luis Sánchez (VEN) e Jorge Urrego (VEN)
Renda/público: Não disponível.
Cartões amarelos: Calle, Palacios (ONC); Edu Dracena, Rafael (SAN)
Cartões vermelhos: Calle, 14’/2ºT
GOLS: Alan Patrick, 42’/1ºT (0-1)

ONCE CALDAS: Martínez; Calle, Amaya, Henriquez, Nuñez; Hárrison Henao, Mejia, Mirabaje (Palacios, 16’/2ºT) e Pajoy (Gonzales, 7’/2ºT); Moreno e Rentería. Técnico: Juan Carlos Osório.

SANTOS: Rafael; Jonathan, Edu Dracena, Durval e Léo (Alex Sandro, 13’/2ºT); Adriano, Danilo, Alan Patrick (Felipe Anderson, 29’/2ºT) e Elano (Bruno Aguiar, 44’/2ºT); Neymar e Zé Eduardo. Técnico: Muricy Ramalho.

maio 12, 2011 Posted by | Santos | | Deixe um comentário

Não deu! Verdão vence, mas Coxa fica com a vaga na Copa do Brasil

Sob aplausos da torcida, Palmeiras até faz bom segundo tempo, mas fica apenas no 2 a 0 com o Coritiba no Pacaembu

Melancólico na primeira etapa e digno o suficiente para se despedir da Copa do Brasil de maneira honrosa na segunda etapa. Este foi o Palmeiras na noite desta quarta-feira, que, diante de apenas 6 mil torcedores, venceu o Coritiba por 2 a 0. Apesar da derrota, que quebrou uma sequência de 24 vitórias seguidas, o Coxa ficou com a vaga para a semifinal da competição nacional.

Emerson, contra, e Marcos Assunção marcaram, mas não impediram a eliminação do Verdão paulista, que não conseguiu devolver os 6 a 0 da última quinta-feira, no Couto Pereira e se despede da competição.

Agora o Coritiba encara o Ceará na próxima fase. O time nordestino empatou com o Flamengo em 2 a 2, em Fortaleza, e também se classificou para as semifinais.

PALMEIRAS ABATIDO

Antes da partida, o clima era tenso no Pacaembu. Nas imediações do estádio, na avenida Dr. Arnaldo, vândalos quebraram vidros do ônibus que conduzia a delegação alviverde ao palco desta quarta-feira. Não bastassem as janelas quebradas, já em frente à entrada principal do Pacaembu, uma das facções uniformizadas do Verdão protestou usando faixas com as mensagens “Acorda, Tirone!”, “Safados” e “Baladeiros”.

Dentro do Pacaembu, pouco mais de 6.500 torcedores compareceram para assistir ao Verdão, apesar da “missão impossível” que o time precisava. Ainda não recuperado do baque da última quinta-feira, quando perdeu por 6 a 0, o Palmeiras não teve criatividade para atacar. Por diversas oportunidades, o repertório alviverde se resumiu às bolas paradas de Marcos Assunção no primeiro tempo.

Mas o camisa 20 não estava com o pé calibrado. Quando o time da casa resolveu trocar o batedor, Lincoln cobrou escanteio com perigo e o Verdão quase aproveitou dentro da área.

Um dos mais acionados em campo foi Márcio Araújo. Através do camisa 8, o Verdão se lançou ao ataque, mas de maneira atabalhoada. Na maioria das vezes, a solução foi buscar uma falta para Assunção bater.

Sem a menor inspiração, o Palmeiras não dava sinais de que iria se despedir da Copa do Brasil de forma digna.

Pelo lado do Coxa, a equipe do técnico Marcelo Oliveira se postou bem na defesa e aproveitou a velocidade dos homens da frente para levar muito perigo. O Coritiba não queria sair de campo com uma derrota – queria, sim, tentar ampliar a marca de 24 vitórias seguidas no ano. No melhor lance da equipe paranaense, coube a Bill receber na área após boa troca de passes para marcar. Só que Marcos salvou o Verdão.

EMBALOU!

No intervalo, o público mostrou criatividade para manifestar sua insatisfação com a performance palmeirense. Torcedores se colocaram atrás do banco de reservas trajando uniforme completo do Verdão. Irreverentes, eles se aqueciam e pediam para entrar na partida.

A “brincadeira” surtiu efeito dentro de campo e o Verdão começou a segunda etapa com tudo. Logo aos 30 segundos, Gabriel Silva cruzou rasteiro, Adriano Michael Jackson, que substituíra Wellington Paulista no intervalo, disputou com a zaga, mas foi Emerson quem tocou para o fundo do gol.

Com 1 a 0 no placar, o Verdão se animou. E o motor alviverde foi Adriano Michael Jackson. Por mais duas oportunidades, o atacante levou perigo à defesa do Coxa. Aos 10 minutos, iluminado, Michael Jackson fez corta-luz e Kleber girou em cima da zaga curitibana.

Felipão notou o bom momento palmeirense e colocou Patrik no lugar de João Vítor. Só que o segundo gol saiu da maneira que o time tanto tentou na primeira etapa… Marcos Assunção cobrou falta, a bola bateu na barreira e enganou Edson Bastos.

Mas ainda faltavam quatro gols para levar a disputa para os pênaltis. Em seguida, Assunção mostrou que a má sequência na primeira etapa era coisa do passado e exigiu boa defesa de Edson Bastos, aos 32.

Sem tempo hábil para chegar ao placar necessário, o Verdão tocou a bola, levantou a torcida – que gritou “olé” em troca de passes palmeirense e aplaudiu a equipe nos minutos finais – e, se não devolveu a goleada da semana anterior, ao menos deu ao seu torcedor um panorama um pouco melhor para as competições que têm pela frente.

O Palmeiras, agora, volta as atenções para o Campeonato Brasileiro. A estreia da equipe de Luiz Felipe Scolari será no dia 22, contra o Botafogo carioca, em São José do Rio Preto.

FICHA TÉCNICA:
PALMEIRAS 2X0 CORITIBA

Estádio: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 11/5/2011 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Nielson Nogueira Dias
Auxiliares: Márcia B. Lopes Caetano e Jossemmar J. Diniz Moutinho

Renda/público: R$ 219.374,00 / 6.541 pagantes
Cartões amarelos: Kleber (PAL); Bill, Lucas Mendes, Marcos Paula (COR)
Cartões vermelhos: Bill, 15’/2ºT (COR)
GOLS: Emerson (gol contra), 30 segundos’/2ºT (1-0); Marcos Assunção, 20’/2ºT (2-0)

PALMEIRAS: Marcos, João Vitor (Patrik 18’/2ºT), Danilo, Thiago Heleno e Gabriel Silva; Chico, Márcio Araújo, Marcos Assunção e Lincoln (Tinga 29’/2ºT); Kleber e Wellington Paulista (Adriano Michael Jackson, intervalo). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

CORITIBA: Édson Bastos, Jonas, Emerson, Demerson e Lucas Mendes; Leandro Donizete, Willian, Davi (Leonardo 19’/2ºT) e Éverton Ribeiro (Marcos Paulo 11’/2ºT); Anderson Aquino (Maranhão 30’/2ºT) e Bill. Técnico: Marcelo Oliveira.

maio 12, 2011 Posted by | Coritiba, Palmeiras | , | Deixe um comentário