Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Clássico quente! Corinthians vence Palmeiras nos pênaltis


Depois de primeiro tempo conturbado, Verdão empata com Alvinegro na etapa regulamentar e Julio Cesar salva nos pênaltis

Não faltou emoção! O Dérbi deste domingo teve de tudo: expulsões, bate-boca entre técnicos, muita confusão e, para relembrar os velhos tempos, até disputa de pênaltis. O Palmeiras, que perdeu Danilo, Felipão, Valdivia e Cicinho na primeira etapa, ainda conseguiu empatar com o Timão na etapa regulamentar, em 1 a 1, no Pacaembu, mas não foi páreo para o arquirrival na disputa de pênaltis. Julio Cesar defendeu a sexta cobrança palmeirense, de João Vítor, e o Timão está classificado às finais do Campeonato Paulista.

Durante a partida, Valdivia, que começou bem o clássico mas sentiu a coxa esquerda – justamente após um célebre “chute no vácuo” – deu lugar à Leandro Amaro. A estrela do Mago acompanhou o zagueiro reserva, que foi o responsável pelo gol palmeirense, de cabeça, aos 9 minutos do segundo tempo. Dez minutos mais tarde, outro reserva, Willian, substituiu Dentinho e empatou para o Timão, também pelo alto.

O Palmeiras teve que atuar quase 70 minutos com um jogador a menos, já que Danilo foi expulso ainda no primeiro tempo.

Nos pênaltis, as duas equipes acertaram suas primeiras cinco cobranças, mas, nas batidas alternadas, João Vítor desperdiçou para o Verdão. Julio Cesar, que fez grande partida, garantiu a classificação alvinegra.

O Verdão, que venceu duas disputas de pênaltis heróicas nas Libertadores de 1999 (quartas de final) e 2000 (semifinal) contra o mesmo Corinthians, não teve melhor sorte desta vez. Deu Timão, graças a Julio Cesar!

Timão vence Palmeiras nos pênaltis e está na final

DÉRBI DISPUTADO

As expectativas durante a semana se confirmaram. No que diz respeito à rivalidade acirrada, os torcedores tiveram prato cheio. Dentro de campo, porém, o resultado não foi dos melhores.

Felipão foi expulso após fazer gesto de roubo (Foto: Tom Dib)

Ao contrário do San-São do sábado, que teve grandes lances, o Dérbi ficou marcado pelas confusões.

Com cinco minutos de Palmeiras e Corinthians, nove faltas já haviam sido marcadas. Em uma delas, Kléber pecou pelo excesso de vontade e derrubou Leandro Castán com violência, levando o cartão amarelo com apenas três minutos de partida.

Faltas à parte, as primeiras finalizações do jogo foram do Verdão. Contando com o apoio de 30 mil palmeirenses no Pacaembu, Marcos Assunção, de falta, e Valdivia, de fora da área, contabilizaram os primeiros arremates da equipe no jogo. O Palmeiras mostrava superioridade, ainda que tímida, no começo da partida.

Aos 9, Valdivia chutou de fora da área mais uma vez e Julio Cesar deu o rebote. Na sobra, Luan finalizou torto e a bola passou rente ao gol corintiano. Foi a melhor chance do Alviverde na partida.

E o Mago estava mesmo impossível: aproveitando falha de Fábio Santos, Valdivia lançou Cicinho e o lateral devolveu para o chileno, que chutou com força da entrada da área. De novo, o goleiro corintiano espalmou e evitou o perigo.

Com 15 minutos de partida, o Palmeiras já tinha 7 finalizações, contra nenhuma do Corinthians. Mas o Timão precisava aflorar seu bom futebol na partida. Dentinho e Bruno César, cobrando falta fechada, trataram de mostrar a um Pacaembu lotado de palmeirenses que o Corinthians estava ali e queria a vaga!

CONFUSÃO, CARTÃO VERMELHO E DISCUSSÃO ENTRE OS TÉCNICOS

Se o jogo não empolgava no aspecto técnico, os minutos seguintes voltariam a lembrar que se tratava de um Dérbi muito quente. Uma sucessão de acontecimentos mudou o panorama do clássico e jogou o Palmeiras na lona.

Aos 20 minutos, Valdivia arriscou o famigerado “chute no vácuo” e sentiu a coxa esquerda. O Mago, que fazia boa partida, não suportou continuar no jogo e Felipão armou a alteração do camisa 10 por Lincoln. O problema é que, simultaneamente dentro de campo, Danilo chegou duro em Liedson, de carrinho, e foi expulso. Em vez de trocar o chileno por Lincoln, a entrada do zagueiro Leandro Amaro se fez necessária.

Com um a menos, Felipão ainda trocou farpas com Tite: o técnico corintiano acusou o colega palmeirense de “falar muito” e atentou o juiz para um gesto de Felipão alusivo a “roubo” no futebol. Resultado: Luiz Felipe Scolari acabou também expulso de campo, deixando o Verdão sem comando no Pacaembu.

Sem Danilo, sem Mago e sem Felipão em um intervalo de seis minutos, o Palmeiras passou a se tornar presa fácil do Timão e o jogo mudou, pendendo para o lado alvinegro.

Mas a má fase verde não parava por aí. Um dos destaques do Verdão na temporada, Cicinho sentiu lesão na coxa e teve de dar lugar à João Vítor. Era a segunda alteração do Palmeiras ainda no primeiro tempo, as duas em função de contusões. Que fase!

Atônito, o time mandante viu o Corinthians crescer e tomar conta do jogo, mantendo o Palmeiras em seu campo de defesa.

No intervalo, Kleber deu entrevista rápida às rádios e limitou-se a dizer que o jogo foi “ridículo” e que o árbitro prejudicou o clássico. Só que a segunda etapa, que prometia ser ainda mais nervosa, teve futebol bem jogado pelas duas equipes, sem lances ríspidos, diferentemente dos primeiros 45 minutos.

Extremamente fragilizado depois das perdas de Danilo, Valdivia, Felipão e Cicinho, o Palmeiras voltou a confiar na bola parada de Marcos Assunção.

E não é que a “nova” tática deu certo? Aos 7 minutos, o Verdão superou as adversidades e marcou o gol! Parecia até cena de filme. Assunção cobrou escanteio fechado e, justamente o substituto de Valdivia, Leandro Amaro, mostrou estrela para estufar as redes de Julio Cesar.

O problema é que o Corinthians ainda tinha um jogador a mais. Como de praxe, o Verdão fez o gol e se postou na defesa. Tite trocou Alessandro por Ramírez e Dentinho por Willian, e foi justamente a segunda substituição, à exemplo do que aconteceu com o Palmeiras, que mudou a cara da partida.

Aos 19, Willian, depois de escanteio na área, cabeceou por baixo de Deola. Leandro Amaro ainda tirou a bola, mas de dentro do gol. O bandeirinha correu para o meio-campo e os corintianos não tiveram dúvidas: era o empate redentor no Pacaembu.

Willian comemora com Chicão o gol de empate (Foto: Tom Dib)

Com 1 a 1, o jogo melhorou e os times foram ao ataque, visando evitar a disputa de pênaltis. O Palmeiras, surpreendentemente, se motivou a buscar o gol primeiro. Em vez de se retrair na defesa, o Verdão levou perigo com Luan, aproveitando lançamento de Assunção aos 25, e Kléber, aos 27.

Aos 38, a torcida esfregou as mãos antes de falta de Marcos Assunção, perto da área. O camisa 25 palmeirense chutou por cima do gol, com muito perigo. A bola passou tão perto que Julio Cesar permaneceu imóvel embaixo da linha.

Mas, ao fim da segunda etapa, não houve escapatória: os dois times tiveram de se preparar para a disputa de pênaltis. Os torcedores do Palmeiras, otimistas, lembravam-se das vitórias nos clássicos nas Libertadores de 1999 e 2000, ambas contra o Corinthians. Os corintianos, por sua vez, confiavam na estrela de Julio Cesar, um dos melhores em campo.

E os corintianos levaram a melhor! Depois de cinco cobranças bem sucedidas para cada lado, o goleiro alvinegro confirmou a boa fase e defendeu a sexta cobrança do Verdão, do volante João Vítor. Ramírez ainda bateu o último pênalti e colocou o Timão para buscar o 28º título paulista.

Assim, o Corinthians encara o Santos na final do Campeonato Paulista, no próximo domingo, em um repeteco da partida de dois anos atrás, que também decidiu o Estadual. A segunda final, no entanto, será na Vila Belmiro, já que o Peixe passou o Corinthians no saldo de gols, na segunda fase.

Antes, durante a semana, o Timão não tem mais com o que se preocupar, já que o time não participa da edição deste ano da Copa do Brasil e foi eliminado na primeira fase da Copa Santander Libertadores. Já o Verdão vai ao Paraná encarar o Coritiba na próxima quinta-feira, em partida válida pelas quartas de final da Copa do Brasil.

FICHA TÉCNICA:
PALMEIRAS 1 (5) X1 (6) CORINTHIANS

Estádio: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 1/5/2011 – 16h
Árbitro: Paulo Cesar de Oliveira (Fifa-SP)
Auxiliares: Vicente Romano Neto (SP) e Alex Alexandrino (SP)

Renda/público: R$ 949.238,00 / 33.861 pagantes
Cartões amarelos: Kleber (PAL); Alessandro, Fábio Santos, Bruno César, Ralf, Leandro Castán (COR)
Cartões vermelhos: Danilo, 23’/1ºT (PAL)
GOLS: Leandro Amaro, 7’/2ºT (1-0); Willian, 19’/2ºT (1-1)

Pênaltis: Kleber, Marcos Assunção, Marcio Araujo, Luan, Thiago Heleno (PAL); Chicão, Willian, Fábio Santos, Leandro Castán, Morais, Luis Ramírez (COR). Erraram: João Vítor (PAL).

PALMEIRAS: Deola, Cicinho (João Vitor 39’/1ºT), Danilo, Thiago Heleno e Rivaldo; Márcio Araújo, Marcos Assunção, Tinga (Patrik 28’/2ºT) e Valdivia (Leandro Amaro 25’/2ºT); Luan e Kleber. Técnico: Felipão

CORINTHIANS: Julio Cesar, Alessandro (Luis Ramírez 11’/2ºT), Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Bruno César (Morais 31’/2ºT); Jorge Henrique, Dentinho (Willian 14’/2ºT) e Liedson. Técnico: Tite

maio 3, 2011 - Posted by | Corinthians, Palmeiras

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s