Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Palmeiras joga para o gasto, vence e avança na Copa do Brasil

Verdão bate o Santo André por 1 a 0 e garante classificação para as quartas de final da competição nacional

O Palmeiras não jogou bem, mas fez o suficiente para vencer o Santo André e garantir a classificação para as quartas de final da Copa do Brasil. Jogando no Pacaembu lotado, o Verdão venceu a equipe do ABC por 1 a 0, com gol de Danilo, e agora volta suas atenções para o Paulistão, onde enfrenta o Mirassol, no domingo.

A classificação já havia sido encaminhada no primeiro jogo, quando a equipe venceu o Ramalhão por 2 a 1, fora de casa. Com a vantagem, o Palmeiras não precisou de muito esforço no jogo desta quinta-feira e mesmo jogando apenas para o gasto, garantiu vaga na próxima fase.

Apesar da vitória, o torcedor palmeirense não deve ter gostado do que viu em campo. O time errou muitos passes, teve dificuldades na criação e não levou muito trabalho ao goleiro Neneca. Além do mau futebol, mais uma vez a equipe desperdiçou um pênalti e novamente com Kleber, que já havia errado duas cobranças no primeiro jogo contra o Ramalhão.

Nas quartas de final o Verdão enfrenta o vencedor de Coritiba e Caxias. O mais provável é que o Palmeiras pegue o Coxa, que na primeira partida contra os gaúchos goleou por 4 a 0.

O JOGO

Na bela e ensolarada tarde de sol da capital paulista, a torcida palmeirense aproveitou o feriado de Tiradentes e lotou o Pacaembu, esperando assistir não só a classificação palmeirense para as quartas de final, como também uma boa atuação do Verdão. Entretanto, o primeiro tempo de jogo foi frustrante.

O Palmeiras tinha dificuldades na armação e criava muito pouco. Os erros de passe no meio de campo dificultava a chegada da bola para Kleber e Luan, que apesar de se esforçarem bastante, quase não apareceram na primeira etapa.

Do outro lado, o Ramalhão apresentava o mesmo futebol do Campeonato Paulista, no qual encerrou a sua campanha na lanterna e foi rebaixado para a Série A2. O Ramalhão cometia erros de fundamento e, mesmo buscando o ataque, já que precisava de uma vitória por dois gols para se classificar, quase não levava perigo ao gol de Deola.

A partida também começou nervosa. Com as duas equipes marcando muito e tendo problemas para atacar, alguns jogadores perderam a paciência e deram trabalho para o árbitro Raphael Claus, que só nos 45 minutos iniciais teve que distribuir seis cartões amarelos.

Com o jogo trucado, o Verdão quase não levou perigo ao gol de Neneca. A principal oportunidade apareceu aos 23 minutos, quando Cicinho fez ótima jogada pela direita e cruzou, na medida, para Luan, que marcado pelo zagueiro Alex Silva, não conseguiu concluir. Entendendo que Alex havia cometido falta, os jogadores alviverdes pediram a marcação do pênalti, mas o árbitro mandou o jogo seguir.

Na etapa final, os erros persistiram, mas a primeira chance clara de gol foi do Ramalhão. Aos 2 minutos, Gilberto pegou o rebote da zaga e cruzou para Célio Codó, que de frente para o gol, cabeceou forte. Deola fez grande defesa, salvando o Palmeiras.

Apoiado pela torcida, o Verdão tentou sair mais para o jogo e aproveitou o cansaço do Santo André. Contudo, mesmo passando a maior parte do segundo tempo no campo de ataque, a equipe não conseguia transformar as chances em gol.

Porém, aos 31 minutos, finalmente o gol do Verdão saiu. Marcos Assunção cobrou escanteio pela direita, Danilo subiu mais alto que a zaga adversária e deu um leve desvio de cabeça, no primeiro posto, para abrir o placar.

O gol deu tranquilidade ao Palmeiras, que passou a trocar passes ao som de olé. A atitude irritou o zagueiro Anderson, que deu carrinho violento em Valdívia e foi expulso.

Com um a mais e o jogo sob controle, o Verdão ainda se deu ao luxo de perder um pênalti. Aos 39, Kleber foi derrubado dentro da área e ele mesmo cobrou, mas mandou no travessão.

Assim, o placar persistiu em 1 a 0, o suficiente para o Alviverde avançar na Copa do Brasil.

O Palmeiras volta à campo no próximo domingo, contra o Mirassol, às 18h30, no Pacaembu, em confronto válido pelas quartas de final do Paulistão. Já pela Copa do Brasil, o duelo contra o vencedor de Caxias e Coritiba deve ser apenas no dia 4 de maio.

PALMEIRAS 1 X 0 SANTO ANDRÉ

Estádio: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 21/4/2011 – 16h
Árbitro: Raphael Claus (SP)
Auxiliares: Carlos Nogueira (SP) e Anderson Coelho (SP)
Público e renda: 33.614 pagantes / R$985.018,00
Cartões amarelos: Luan, Thiago Heleno, Valdívia (PAL); Alex, Mario Jara, João Paulo, Magno, Neneca (STA)
Cartões Vermelhos: Anderson, 36’/2ºT (STO)
Gols: Danilo, 31’/2ºT (1-0)

PALMEIRAS: Deola; Cicinho (João Victor, 22’/2ºT), Danilo, Thiago Heleno (Leandro Amaro, Intervalo) e Rivaldo; Márcio Araújo, Marcos Assunção, Tinga (Wellington Paulista, 32’/2ºT) e Valdivia; Luan e Kleber. Técnico: Felipão.

SANTO ANDRÉ: Neneca; Alex Silva, Anderson e Sandoval; João Paulo, Gilberto (Borebi, 10’/2ºT), Magno, Mario Jara (Chiquinho, 28’/2ºT) e Célio Codó (Luciano Fonseca, 23’/2ºT); Aloísio e Rychely. Técnico: Sandro Gaúcho

abril 21, 2011 Posted by | Palmeiras, Santo André | , | Deixe um comentário

Em casa, Flamengo apenas empata com Horizonte (CE)

Equipe rubro-negra não joga bem e sai do Enegnhão com um resultado ruim nas oitavas da Copa do Brasil

O Flamengo recebeu o o Horizonte (CE), na noite desta quarta-feira, em Engenhão, pelo primeiro jogo das oitavas de final da Copa do Brasil, e ficou apenas no empate em 1 a 1. Em partida sem grandes emoções, Wanderley marcou o gol rubro-negro e Elanardo fez o cearense.

Agora, a equipe carioca precisa de uma vitória ou empate por 2 ou mais gols no Ceará, na próxima quarta-feira. Já a igualdade no placar sem gols é favorável ao Horizonte (CE)

Pressão rubro-negra e pênalti para o Horizonte

Como esperado, o Flamengo começou a partida indo para o ataque. Logo com um minuto de jogo, Thiago Neves recebeu próximo à área e chutou cruzado, mas a bola passou perto da trave direita do goleiro Alex. Três minutos depois, a zaga cearense levou mais um susto. Após cobrança de falta ensaiada, David cruzou para a área e Léo Moura apareceu para cabecear, mas a zaga afastou o perigo quase em cima da linha.

Depois de muita insistência, o Flamengo chegou ao seu gol. Aos 17 minutos, Negueba cruzou da esquerda, Wanderley dominou dentro da área, girou e bateu forte. Apesar do gol, a equipe do Horizonte conseguiu melhorar em campo e chegou mais ao ataque. Porém, o rubro-negro quase fez o segundo, em uma finalização de Willians, aos 28 minutos. O goleiro Alex espalmou para longe.

Como se diz no mundo do futebol, o time cearense passou “a gostar do jogo” e a criar jogadas de ataque, sempre apostando na velocidade. Até que, aos 38 minutos, Siloé arrancou do campo de defesa, driblou dois marcadores e foi derrubado por David na área: pênalti. Na cobrança, Elanardo deixou tudo igual.

Sem grandes oportunidades, placar é mantido

O segundo tempo começou assim como o primeiro: com a equipe do técnico Vanderlei Luxemburgo no campo de ataque. Aos quatro minutos, Rodrigo Alvim cruzou para Ronaldinho Gaúcho, que estava sozinho na área. Mas o assistente já havia marcado impedimento. Pouco tempo depois, Renato assustou o goleiro do Horizonte em boa cobrança de falta.

Aos 13 minutos, porém, o susto foi da torcida do Flamengo, quando Elanardo cobrou escanteio cheio de efeito e por pouco não fez um gol olímpico.

A partir dos 20 minutos da etapa final, as oportunidades de gol para ambos os lados ficaram escassas. Diego Maurício, que entrou no segundo tempo, ainda tentou algumas jogadas pela direita, mas sem sucesso. Thiago Neves também tentou ampliar o marcador com chutes de longa distância, porém, sem grandes sustos para o goleiro Alex.

Nos minutos finais de jogo, Ronaldinho Gaúcho desperdiçou duas boas chances de gol. Fierro avançou pela direita e cruzou para o camisa 10, que chutou de dentro da área e obrigou ao goleiro Alex fazer a defesa. No rebote, novo cruzamento do chileno e Ronaldinho cabeceou por cima da meta. Nos acréscimos, Thiago Neves cobrou falta e a torcida rubro-negra quase tirou o grito de “gol” da garganta. A bola passou muito perto da trave esquerda, mas bateu na rede pelo lado de fora.

Agora, o Flamengo vai ao Ceará precisando vencer ou empatar com por dois ou mais gols. Para o Horizonte (CE), o empate sem gols é necessário para passar às quartas de final da Copa do Brasil.

FICHA TÉCNICA
FLAMENGO 1 X 1 HORIZONTE

Data: 19/4/2011
Horário:21h50 (de Brasília)
Estádio: Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Auxiliares: Paulo César Silva Faria (MT) e Fabio Rodrigo Rubinho (MT)

Cartão amarelo: Maldonado, Ronaldinho Gaúcho, David, Thiago Neves, Wellinton (Fla); Valter, Alex, Régis (HOR)
Cartão vermelho: Régis, 48’/2ºT
Gols: Wanderley, 17’/1ºT (1-0); Elanardo, 38’/2ºT (1-1)

FLAMENGO: Felipe, Léo Moura, Welinton, David, Renato; Maldonado (Rodrigo Alvim – Intervalo), Willians (Fierro – Willians, 32’/2ºT), Negueba (Diego Maurício – 12’/2ºT), Thiago Neves, Ronaldinho; Wanderley. Técnico: Vanderlei Luxemburgo

HORIZONTE (CE): Alex, Éderson (Régis – 29’/2ºT), Hércules (Da Silva – 23’/2ºT), Douglas , Zezé; Valter, Junior Cearense, Diego Palinha (Jackei Chan – 40’/2ºT), Siloé; Isaac e André Luiz. Técnico: Roberto Carlos

abril 21, 2011 Posted by | Flamengo | , | Deixe um comentário

Flu consegue vitória heróica e segue vivo na Libertadores

Fred marcou o gol da heróica vitória por 4 a 2 sobre o Argentinos Jrs, nesta quarta-feira, em Buenos Aires

Quando tudo conspirava contra, o “Guerreiros” Fluminense ultrapassavam mais uma barreira do impossível. Em jogo dramático, o Tricolor derrotou o Argentinos Juniors por 4 a 2, nesta quarta-feira, em Buenos Aires, e, com o empate sem gols entre Nacional-URU e América-MEX, em Montevidéu, a milagrosa classificação às oitavas-de-final da Copa Santander Libertadores se tornou realidade.

Fred, com dois gols (o último, a dois minutos do fim), encarnou o espírito de capitão e conduziu o Flu ao histórico resultado. Julio Cesar e Rafal Moura completaram o placar. Enquanto que Salcedo e Oberman fizeram os gols de honra da equipe argentina, que, com sete pontos, acabou em terceiro no Grupo 3 e está eliminada da competição.

Já o Fluminense mantém ainda mais vivo o sonho da conquista da América. Nas oitavas de final, irá enfrentar os paraguaios do Libertad. O primeiro jogo será no Engenhão.

Após o apito final, uma batalha campal manchou o brilho da partida. Mas não impediu a comemoração dos brasileiros ainda no gramado do estádio Diego Armando Maradona.

FLU AGUERRIDO ABRE VANTAGEM

O clima no Flu já estava tenso antes mesmo da bola rolar. Ainda à tarde, o técnico Enderson Moreira era comunicado que não poderia contar com um de seus jogadores mais importantes: o atacante Emerson, afastado por indisciplina.

Informações davam conta de que ambiente na concentração estava conturbado e que isto pesaria contra na hora da decisão. Mas, assim que o árbitro Wilmar Roldan deu início à disputa, o pessimismo foi rapidamente deixado de lado.

Mostrando muita disposição em campo, a equipe brasileira logo tomou conta do terreno adversário. Marquinho, que ganhou a vaga de titular na última hora, após o veto do meia Deco, foi o símbolo da vitalidade tricolor. Ele correu, abriu espaços, e, dos seus pés, originou-se o lance que reacendeu de vez as esperaças da equipe brasileira.

Aos 17 minutos, ele passou de forma precisa para Julio Cesar, que, avançando como um trator, chutou cruzado de esquerda. A bola passou pelo goleiro Navarro e estufou as redes argentinas. Sim, era possível! Com o empate momentâneo entre Nacional-URU e América-MEX, o Flu precisaria de apenas mais um gol para alcançar a “milagrosa” classificação.

Mas, pouco tempo depois, uma bobeira de Gum deu um banho de água fria na empolgação tricolor. Aos 25 minutos, após cruzamento da esquerda, o camisa 3, desnecessariamente, derrubou Salcedo na área. Pênalti. Na cobrança, o próprio atacante colocou no canto oposto de Ricardo Berna igualando o placar.

Nos minutos seguintes, ficou nítido o abatimento nos jogadores. Principalmente da defesa, que, em erros de saída de bola, quase pôs tudo a perder.

Mas a soberania dos tricolor foi voltando aos poucos. Aos 40 minutos, numa falta em cima de Marquinho, os jogadores sentiram-se prejudicados pelo árbitro, já que Salcedo, que merecia receber o segundo amarelo pelo lance, foi apenas repreendido. A resposta brasileira, porém, foi com estilo. Na batida, Fred soltou a bomba, contou com a colaboração do arqueiro argentino, e colocou o Flu, outra vez, a um passo da classificação.

Com 2 a 1 a favor, e o empate em Montevidéu, a equipe brasileira desceu para o vestiário precisando de apenas mais um gol.

FLU FAZ 4 A 2 E “MILAGRE” ACONTECE

Com a desvantagem, o técnico Pedro Troglio tirou o zagueiro Tórren para a entrada do meia Oberman. A alteração não poderia ser mais eficiente. Aos nove minutos, após bola mal rebatida pelo volante Valencia, o camisa 10 pegou o rebote de primeira e teve ainda outra colaboração do colombiano, que desviou o chute e encobriu o goleiro Berna. Era o empate do Argentinos Juniors.

O retrato do jogo, a partir daí, passou a ser o oposto em relação à primeira etapa. Enquanto a equipe da casa girava a bola no campo de ataque, o Tricolor mal conseguia ameaçar.

Só que a disputa tinha muitas emoções reservadas. E, numa das poucas escapolidas do Flu à frente, conseguiu um escanteio. Na cobrança, Valencia cabeceia a queima-roupa, Navarro rebate mal e, no rebote, Rafael Moura (até então, nulo no ataque) só completou para a meta, marcando seu terceiro gol na competição e o terceiro do Flu na partida.

Corações a mil. Agora, as duas equipes precisavam ir ao ataque, já que o resultado eliminava ambos. Enderson relutava em introduzir mais um homem de frente. Enquanto isso, o técnico argentino fez outra mexida ousada: mandou o lateral-esquerdo Gillieti para o banco para a entrada do atacante Sanchez.

Os ponteiros ainda marcavam 40 minutos quando, em Montevidéu, terminava em empate o confronto entre Nacional e América. A responsabilidade ficou com eles: quem fizesse, ficava com a vaga.

Aos 43 minutos, o último suspiro. Edinho avança livre pela esquerda e é derrubado por Navarro. Pênalti! O milagre nunca esteve tão perto. Cabia ao capitão Fred convertê-lo e manter o Flu vivo no sonho continental. E o artilheiro não decepcionou. Bateu com força, no ângulo. O ‘Sobrenatural de Almeida’ mostrou as caras.

ARGENTINOS JUNIORS 2 X 4 FLUMINENSE
Data: 19/4/2011
Horário: 22h (de Brasília)
Local: Estádio Diego Armando Maradona, em Buenos Aires (ARG)
Árbitro: Wilmar Roldan
Auxiliares: Abraham Gonzalez e Javier Camargo

Cartões amarelos: Escudero, Prósperi, Basualdo (ARG); Gum, Diguinho (FLU)

Gols: Salcedo, aos 25’/ 1ºT, Oberman, aos 9’/ 2ºT (ARG); Julio Cesar, aos 17’/ 1ºT, Fred, aos 40’/ 1ºT, Rafael Moura, aos 23’/ 2ºT (FLU)

ARGENTINOS JRS.: Navarro; Sabia, Torrén (Oberman, intervalo), Gentiletti (Sanchez, aos 30’/ 2ºT); Prósperi, Mercier, Basualdo (Laba, aos 14’/ 2ºT) e Escudero; Rius, Salcedo e Niell. Técnico: Pedro Troglio.

FLUMINENSE: Berna; Mariano, Gum, Edinho e Julio Cesar (Tartá, aos 37’/ 2ºT); Valencia, Diguinho, Marquinho e Conca; Rafael Moura (Fernando Bob, aos 44’/ 2ºT) e Fred. Técnico: Enderson Moreira.

abril 21, 2011 Posted by | Fluminense | | Deixe um comentário