Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Dagoberto decide e São Paulo vence Goiás na Copa do Brasil

Para o jogo de volta, na próxima quarta-feira, no Morumbi, o Tricolor pode empatar que avança às quartas de final

Em 2009, o São Paulo deixou o Serra Dourada com uma derrota por 4 a 2 para o Goiás, que lhe custou o título do Campeonato Brasileiro daquele ano e o fim da hegemonia nacional, que já durava três anos. Quase dois anos depois, o Tricolor pode dizer que conseguiu o “troco”, ao vencer o mesmo Goiás por 1 a 0, no Serra Dourada, em Goiânia, e encaminhar a classificação para as quartas de final de outra competição nacional, a Copa do Brasil

O Tricolor joga a partida de volta contra o Esmeraldino na próxima quarta-feira, no Morumbi. Para avançar às quartas de final da Copa do Brasil e encarar o Avaí, o São Paulo pode até empatar. Uma derrota por 1 a 0 leva o jogo à disputa de pênaltis.

Se o Goiás vencer por 2 a 1, 3 a 2 ou 4 a 3 se classifica pelos gols fora de casa. Ao Esmeraldino, também interessam as vitórias por mais de um gol de diferença. A partida, que será no Morumbi, ainda pode marcar a estreia de Luís Fabiano no São Paulo.

NOVIDADE, EXPULSÃO E RETRANCA VERDE

O Tricolor entrou em campo com uma novidade…no uniforme! A equipe estreou os calções e meiões vermelhos. A última vez que o São Paulo jogou assim foi há 14 anos.

No quesito tático, nada de inovações: as equipes começaram a partida no esquema 3-5-2, mas as defesas pareciam desprotegidas. Com três minutos de jogo, dois lances duvidosos dentro da área, um para cada lado, foram ignorados pelo árbitro Marcos André Gomes da Pena. Primeiro, Alex Silva chegou atrasado em Felipe Amorim. Um minuto depois, Ilsinho caiu após chegada de Harlei, na área goiana. O árbitro capixaba manteve-se firme e não marcou nenhum dos supostos pênaltis.

Na sequência, o Esmeraldino do Centro-Oeste respondeu com Carlos Alberto cabeceando sozinho na área, mas o jogador, que substituiu Diogo, formado pelo Tricolor e que não pode jogar por conta de uma cláusula contratual, estava impedido.

Casemiro, aos 9 minutos, e Marlos, aos 10, arrancaram suspiros no Serra Dourada. Era o Tricolor esquentando a partida! Aos 15, uma falta à distância semelhante do gol 100 de Rogério no clássico contra o Corinthians ouriçou o torcedor são-paulino. O goleiro tricolor foi para a bola e não fez feio: chutou por cima, no mesmo canto de Harlei.

REVIRAVOLTA EM TRÊS MINUTOS

Felipe Amorim estreou no Goiás contra o Corinthians, na última rodada do Campeonato Brasileiro de 2010. Oriundo das categorias de base do Esmeraldino, o jogador ganhou destaque até antes da partida contra o São Paulo. Mas a noite desta quarta-feira definitivamente não foi a dele. Aos 19 minutos, ele dominou bola no braço e recebeu o cartão amarelo. Três minutos mais tarde, ele ajudou a marcação de forma atabalhoada, derrubou Carlinhos e recebeu o segundo cartão amarelo: expulso de campo!

Com um a menos, o Goiás, que ainda estava no páreo e conseguia organizar boas jogadas até a expulsão de Amorim, passou a não frequentar mais o campo de ataque e, assim, se tornou presa fácil para o São Paulo.

Dos pés – ou da cabeçada equivocada – de Carlos Alberto, o time de Paulo César Carpegiani teve uma de suas melhores chances, aos 29 minutos. Dagoberto aproveitou o erro e rolou para Jean chutar cruzado, rente à trave de Harlei. Por pouco…

O São Paulo queria mesmo sufocar o Esmeraldino e sair da primera etapa com um gol. Ilsinho e Dagoberto, explorando as pontas, criaram jogadas de gol, mas a defesa do Goiás repelia as oportunidades do adversário.

ELE TEM A RECEITA

No intervalo de jogo, Carpa parecia saber a receita da vitória. O treinador colocou Henrique no lugar de Casemiro. E foi com um homem a mais na frente que o Tricolor chegou, enfim, ao primeiro gol do jogo. Dagoberto fez o que sabe de melhor, levou a bola em velocidade pelo meio, não encontrou resistência da defesa adversária e chutou do meio da rua.

Com o placar a favor, o time visitante pareceu se acomodar e, por um instante, o Goiás cresceu na partida, mesmo com um a menos. Logo após o gol, Carlos Alberto entrou de surpresa na área e cabeceou por cima do gol de Ceni.

Mas o time esmeraldino não tinha fôlegos para levar mais 40 minutos de igual para igual com o São Paulo e, aos poucos, foi cedendo, cedendo…

Sobrou espaço para Rivaldo, que entrara no lugar de Marlos, e o resto do time são-paulino brilhar. Aos 23 minutos, Dagoberto encontrou llsinho invadindo a área e o camisa 77, na cara de Harlei, perdeu grande chance. Dez minutos mais tarde, Ilsinho recebeu de Henrique na área e, sozinho, tentou driblar o goleiro esmeraldino, perdendo mais uma oportunidade.

Mesmo sem Lucas, expulso na partida anterior contra o Santa Cruz e que vai a julgamento na próxima terça-feira, na armação, o São Paulo manteve o resultado e volta para casa com a vantagem para o jogo de volta.

Agora, o Tricolor tem a Portuguesa pela frente, no domingo, em palco a ser definido. O jogo vale vaga nas semifinais do Campeonato Paulista. O Esmeraldino também tem um clássico no fim de semana. A equipe encara o arquirrival Vila Nova, pelas semifinais do Campeonato Goiano.

FICHA TÉCNICA:
GOIÁS 0X1 SÃO PAULO

Estádio: Serra Dourada, Goiânia (GO)
Data/hora: 20/4/2011 – 21h50
Árbitro: Marcos André Gomes da Pena
Auxiliares: Fabiano da Silva Ramires e José R. Maciel Linhares

Renda/público: R$ 815.610,00 / 28.526 pagantes
Cartões amarelos: Rafael Tolói, Felipe Amorim (GOI); Marlos, Juan (SPO)
Cartões vermelhos: Felipe Amorim, 22’/1ºT (GOI)
GOLS: Dagoberto, 2’/2ºT (0-1)

GOIÁS: Harlei; Ernando, Rafael Tolói (Valmir Lucas 41’/2ºT) e Marcão; Oziel (Robert 36’/2ºT), Amaral, Zé Antônio, Marcelo Costa e Carlos Alberto; Felipe Amorim e Hugo (Guto 21’/2ºT). Técnico: Artur Neto

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Rhodolfo, Alex Silva e Miranda; Jean, Casemiro (Henrique, intervalo), Carlinhos, Ilsinho e Juan; Marlos (Rvivaldo 21’/2ºT) e Dagoberto. Técnico: Paulo César Carpegiani

abril 20, 2011 Posted by | Goiás, São Paulo | | Deixe um comentário

Santos vence o Táchira e se classifica em segundo na Libertadores

Vitória do Peixe combinada com os 3 a 2 do Cerro Porteño sobre o Colo Colo, deixa o Peixe no segundo lugar do Grupo 8 e aguardando os jogos do Grupo 3 para conhecer adversário das oitavas

O Santos derrotou o Deportivo Táchira (VEN) por 3 a 1 na noite desta quarta, no Pacaembu, e garantiu sua classificação às oitavas de final pelo Grupo 5 da Copa Santander Libertadores.

Com a vitória do Cerro Porteño sobre o Colo Colo por 3 a 2, no Chile, o Peixe terminou a primeira fase como segundo colocado de seu grupo na competição continental, pelo saldo de gols (. Agora o Santos aguarda os jogos do grupo 3, ao qual pertence o Fluminense, para conhecer seu adversário na próxima fase da competição continental. São quatro os possíveis rivais: LDU, América-MEX, Argentinos Junior ou Nacional-URU. A única certeza é que o Peixe definirá a vaga fora de casa. 

Receba primeiro as notícias do Peixe no seu celular!

Os últimos jogos da primeira fase da competição serão entre Nacional (URU) e América (MEX), além de Argentinos Jrs. (ARG) e Fluminense – ambos os confrontos ocorrem às 21h50.

O jogo

O Santos começou arrasador no primeiro tempo. Com a bola, apenas Arouca ficava preso na marcação, enquanto o restante do meio de campo se lançava ao ataque. As chegadas de Danilo e a velocidade do ataque santista infernizavam a defesa do time venezuelano.

Em três minutos de jogo, o Peixe teve três chances de gol. Na terceira, abriu o placar. Léo cruzou pela esquerda para Danilo, que não teve domínio, mas a bola sobrou para Neymar, que chegou à área e abriu o placar após chute desviado.

Nos minutos seguintes, a pressão do Peixe seguia. O Táchira oferecia pouco perigo: os cinco jogadores do meio campo tinham pouca vocação ofensiva e tentavam os passes longos para os atacantes, o que facilitava para a zaga santista. Aos 13, o Peixe ampliou com Jonathan, após bom passe de Danilo.

No restante do primeiro tempo, o jogo esfriou e o Santos não correu risco algum, com exceção de um chute de longe de Herrera. Neymar fazia boa partida e era muito marcado. Aos 41, levou tapa no rosto de Zafra, que já tinha amarelo, mas o árbitro nada marcou. E o jogo seguiu para o intervalo.

No começo do segundo tempo, o Peixe freou um pouco suas ações defensivas. Ficava a maior parte do tempo com a bola, mas não sofria marcação dura do Táchira. Com exceção de um bom chute de Elano e outro de Jonathan, até os 15 minutos não houve grandes chances de gol.

O jogo só saiu do marasmo com o gol de Chacón, de falta. O lance foi resultado da postura santista, que se acomodava e permitia a chegada do time venezuelano. Após o susto, porém, o Santos empatou com Danilo, após grande jogada de Neymar pela esquerda.

CLIQUE AQUI E CONFIRA IMAGENS DA VITÓRIA ALVIVERDE

A partir daí, a partida ganhou em emoção nos minutos derradeiros. O gol serviu para acender o time da Vila Belmiro, que começou a criar mais oportunidades, mas sem sucesso.

Danilo voltou a ter uma boa atuação na partida desta quarta-feira.

Antes de iniciar a disputa na segunda fase da Libertadores, o Santos volta a campo no fim de semana. E terá um jogo decisivo, pelas quartas de final do Paulistão, contra a Ponte Preta, às 16h, na Vila Belmiro. 

Arbitragem permissiva

Como destaque negativo da partida, fica a atuação do árbitro Nestor Pitana, que permitiu que os jogadores do Táchira abusassem das faltas durante a partida, com vários lances sendo passíveis de expulsão.

FICHA TÉCNICA:
SANTOS 3 X 1 DEPORTIVO TÁCHIRA

Estádio: Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data/hora: 20/4/2011 – 19h30
Árbitro: Nestor Pitana (ARG)
Auxiliares: Gustavo Esquivel (ARG) e Diego Bonfa (ARG)
Renda/público: R$ 1.327.265,00 e 36.091 pagantes.
Cartões amarelos: Yegüez, Zafra, Fernández e Chacón (DEP)
Cartões vermelhos: Nenhum.
GOLS: Neymar, 3’/1ºT (1-0); Jonathan, 13’/1ºT (2-0); Chacón, 24’/2ºT (2-1) e Danilo, 27’/2ºT (3-1)

SANTOS: Rafael; Jonathan, Edu Dracena, Durval, Léo; Arouca, Danilo, Elano (Adriano, 33’/2ºT) e Paulo Henrique Ganso (Pará, 47’/2ºT); Neymar e Zé Eduardo (Maikon Leite, 28’/2ºT). Técnico: Muricy Ramalho.

DEPORTIVO TÁCHIRA: Sanhouse; Moreno, Zafra e Rouga; Chacón, Guerrero (Del Valle, 28’/2ºT), Fernandéz, Hernandéz (Gutiérrez, 13’/2ºT) e Yegüez; Pérez Greco (Parra, 28’/2ºT) e Herrera. Técnico: Jorge Luis Pinto.

abril 20, 2011 Posted by | Santos | | Deixe um comentário

Botafogo empata e é eliminado da Copa do Brasil

Alvinegro vencia até os 42 minutos do segundo tempo. Após apito final, houve briga generalizada entre os jogadores

Na noite desta quarta-feira, o Botafogo empatou em 1 a 1 com o Avaí, em Florianópolis, e está eliminado da Copa do Brasil. A equipe vencia por 1 a 0 até os 42 minutos do segundo tempo, mas cedeu o empate após um pênalti cometido por Lucas. Após o apito final, houve uma confusão generalizada entre os jogadores, que chegaram às vias de fato.

O JOGO

Mesmo podendo empatar em 0 a 0 ou 1 a 1, o Avaí mostrou que não estava para brincadeira: logo aos cinco minutos de jogo, Marquinhos deu uma caneta em João Filipe pela esquerda, e cruzou para Rafael Coelho, que cabeceou mal, e por cima do travessão.

O Fogão respondeu pouco depois com Herrera. O atacante alvinegro invadiu a área pelo lado direito, levou a bola para a perna esquerda, mas chutou para fora, desperdiçando boa chance de abrir o marcador na Ressacada.

A partir daí, o Botafogo cresceu na partida, e passou a criar mais chances de perigo. Aos 25, Cortês progrediu pelo lado esquerdo e tentou cruzar. A bola bateu na defesa e carimbou a trave direita de Renan.

No minuto seguinte, Marcelo Mattos soltou uma bomba de longe, e a bola passou por cima do gol. Os donos da casa reagiram, e William quase encobriu Jefferson com uma cabeçada, mas o goleiro do Botafogo apareceu bem.

O Avaí voltou a levar perigo em um chute de longa distância, de Marquinhos, mas a bola saiu por cima. Já mais perto do intervalo, novamente o Botafogo criou boa oportunidade. Após cobranã rápida de falta, Abreu lançou Cidinho, que bateu para fora.

Logo na volta do intervalo, Abreu concluiu mal após bela jogada de ataque que passou pelos pés de Cidinho e Herrera. O uruguaio teve liberdade pela direita da área, e bateu cruzado, mas muito desviado. Os donos da casa, por sua vez, não criavam oportunidades muito claras, mas souberam ter a posse de bola.

Aos 28 minutos, o torcedor alvinegro finalmente conseguiu soltar o grito de alívio: Herrera recebeu livre pela direita da área, o goleiro Renan saiu em seus pés, e o derrubou. Na sobra, Loco Abreu apenas tocou para o gol vazio, abrindo o marcador para o Botafogo.

Mas o sofrimento alvinegro estava só começando, e os botafoguenses ainda teriam que passar sufoco nos minutos seguintes. Logo após o gol, Fahel falhou e permitiu que Rafael Coelho ficasse sozinho na pequena área. O atacante avaiano bateu, com pouco ângulo, e Jefferson fez uma bonita defesa, já caído.

O time da casa foi para o desespero, e chegou a ter um pênalti não marcado. Arévalo Rios derrubou Julinho na grande área, e o árbitro Ricardo Marques Ribeiro nada marcou, mesmo com os protestos dos jogadores do Avaí. Pouco depois, a defesa alvinegra voltou a cometer o mesmo erro, quando Lucas derrubou o colombiano Estrada na área. Desta vez, pênalti marcado.

Na cobrança, William bateu com categoria, deslocando Jefferson, e empatou a partida. Na sequência, o técnico Caio Junior reclamou da marcação do pênalti, e acabou expulso pelo árbitro. Despedida melancólica do Botafogo na Copa do Brasil. Depois do jogo, os jogadores das duas equipes trocaram agressões, protagonizando cenas lamentáveis. O alvinegro Herrera e o avaiano Marquinhos eram os mais exaltados. Este último teria provocado os alvinegros após o fim do jogo, o que teria motivado a confusão.

FICHA TÉCNICA
AVAÍ 1X1 BOTAFOGO
Data/horário: 20/4/2011 – 19h30min
Estádio: Ressacada, em Florianópolis (SC)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)

Gols:
Loco Abreu, 28’/2ºT (0-1), William, 42’/2ºT (1-1)

Avaí: Renan; Bruno, Cássio, Gian e Felipe (Evando, 36’/2ºT); Marcinho Guerreiro, Diogo Orlando (Marquinhos Gabriel, 30’/2ºT), Marquinhos e Julinho; Rafael Coelho (Estrada, 41’/2ºT) e William. Técnico: Silas.
Botafogo: Jefferson; Lucas, Fahel, João Filipe (Everton, 17’/2ºT) e Cortês; Arévalo Ríos, Lucas Zen, Marcelo Mattos e Cidinho (Caio, 28’/2ºT); Herrera (Somália, 32’/2ºT) e Loco Abreu. Técnico: Caio Junior.

Cartões amarelos:
Avaí – Diogo Orlando, Julinho, Bruno e Estrada
Botafogo – Herrera e Lucas

abril 20, 2011 Posted by | Avaí, Botafogo | | Deixe um comentário

Inter bate Emelec e carimba vaga e liderança do Grupo 6

Gols de Rafael Sobis e Leandro Damião só chegam na segunda etapa na estreia de Falcão na Copa Libertadores

Não foi o espetáculo sonhado por Falcão e pelos torcedores do Inter. Mas o 2 a 0 sobre o Emelec (EQU), nesta terça-feira, no Beira-Rio, foi suficiente para o Internacional garantir a classificação para as oitavas da Copa Santander Libertadores como líder do Grupo 6, com 13 pontos. Alívio que veio só na última rodada.

O primeiro lance de perigo Colorado surgiu logo no primeiro minuto. Andrezinho cobrou falta com força, o goleiro Klimowicz espalmou e no rebote quase o zagueiro Rodrigo abriu o placar.

O arrojo do Inter no início do duelo assistou os equatorianos, que armaram um ferrolho, dificultando, e muito, as ações do time de Falcão na etapa inicial.

Outro obstáculo para o Inter foi a visível falta de engrenagem da equipe por causa do novo esquema tático – duas linhas de quatro. Só que o Emelec passou a tomar coragem para atacar e chegou a assustar em jogadas de bola aérea.

Veja os gols da vitória do Internacional sobre o Emelec

A notícia de que o Jaguares (MEX) tinha aberto o placar sobre o Jorge Wilstermann (BOL), na Bolícvia, e com isso assumindo a liderança da chave, aumentou a tensão. Um gol do Emelec seria o suficiente para eliminar o Inte.r Nervoso, o Colorado abusou dos passes errados e foi para o vestiário sem conseguir mexer no placar.

Receba primeiro as notícias do Inter no seu celular!

Mas o Colorado voltou para o segundo tempo disposto a mudar o panorama. O time de Falcão parou de aceitar a marcação equatoriana, partiu para cima e foi premiado aos cinco minutos. Bola alçada na área e Damião escorou para Sobis, livre na pequena área, concluir. Klimowicz ainda defendeu, mas não conseguiu encaixar e a bola morreu nas redes: 1 a 0 Inter, festa colorada, vibração de Falcão.

Sem a pressão nas costas, o Inter se soltou e a superioridade tornou-se ainda mais nítida. Do outro lado, o Emelec, precisando da vitória, se abria e dava espaços ao Colorado. Andrezinho quase marcou o segundo de falta, D’Alessandro também chegou perto ao emendar de primeira.

A virada do Jorge Wilsterman sobre o Jaguares deixou o time brasileiro ainda mais tranquilo. Talvez até demais, já que as chances perdidas se sucediam. Mas Leandro Damião aproveitou ótima jogada de Cavenaghi para dar fim ao sufoco da primeira fase. Inter classificado em primeiro.

FICHA TÉCNICA
INTERNACIONAL 2 X 0 EMELEC

Local: Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)
Data-Hora: 19/4/2011 – 20h15 (de Brasília)
Árbitro: Oscar Ruiz (COL)
Cartões amarelos: Leandro Damião (INT); Achilier (EME)
Gols: Rafael Sobis 5’/2ºT (1-0) e Leandro Damião 37/’2ºT (2-0)

INTERNACIONAL: Renan, Nei, Bolívar, Rodrigo e Kleber; Bolatti, Guiñazu, Andrezinho e D’Alessandro; Rafael Sobis (Cavenaghi 31’/2ºT) e Leandro Damião (Zé Roberto 41’/2ºT) – Técnico: Falcão.

EMELEC: Klimowicz; Carlos Quiñonez (Valencia 17’/2ºT), José Quiñonez, Achilier e Bagüí; Gaibor (Strahman 39’/2ºT), Pedro Quiñonez, Quiroz e Giménez; Iza (Caicedo 27’/2ºT) e Menendez – Técnico: Omar Asad.

abril 20, 2011 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário