Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Vasco e Olaria empatam e se classificam para a semifinal

Com os resultados da rodada, times se pegam novamente na fase decisiva da competição

Vasco e Olaria empataram por 2 a 2 em Macaé, neste domingo, mas os dois times se classificaram para as semifinais da Taça Rio. O Alvianil terminou em segundo lugar do Grupo B e eliminou o Botafogo. Já o Vasco terminou na primeira colocação do Grupo A. As equipes se enfrentam novamente na fase decisiva da competição.

OLARIA SAI NA FRENTE COM WALDIR

O empate classificava os dois times para as semifinais da Taça Rio, mas o jogo começou bastante movimentado. O Vasco tinha maior posse de bola e trocava bons passes no campo do adversário. O time de São Januário estava melhor, tanto que o primeiro lance de perigo foi mesmo do Vasco.

Leandro dominou a bola na área e rolou para Diego Souza, que vinha de trás. O camisa 10 chutou bem, mas o zagueiro desviou e tirou a força da bola. Mesmo assim ela saiu bem perto da trave esquerda do goleiro Henrique.

O Olaria se preocupava mais em se defender, então suas principais jogadas eram na base do contra-ataque. Após algumas tentativas fracassadas, o Alvianil conseguiu chegar ao gol. Waldir invadiu a área pela direita de seu ataque e chutou cruzado no canto. O goleiro Fernando Prass ainda tentou alcançar a bola, mas não adiantou.

A partir daí, o Cruz-Maltino pressionou ainda mais em busca do gol do empate. Tentou diversas vezes, mas a zaga do Olaria estava levando a melhor em todas as jogadas e o Vasco não conseguia penetrar na área adversária. Por isso, o Gigante da Colina começou a arriscar chutes de longe.

Diego Souza, de falta, soltou uma bomba no ângulo, mas o goleiro Henrique espalmou para a lateral. Na sequência, foi a vez de Fellipe Bastos cobrar falta venenosa para mais uma defesa do goleiro adversário. Anderson Martins arriscou um chutaço da intermediária, mas a bola passou por cima do travessão.

Tava complicado para o Vasco conseguir fazer seu gol. Mas o time não desistia. Felipe cobrou escanteio, a bola foi disputada de cabeça e subiu. Leandro, de costas para o gol, tentou de bicicleta e a bola chegou a tocar no travessão. Apesar do ímpeto vascaíno, o primeiro tempo terminou com o placar de 1 a 0 para o Olaria.

VASCO EMPATA, MAS OS DOIS SE CLASSIFICAM

O segundo tempo mal começou e o Olaria tratou logo de ampliar a vantagem. Aos 4 minutos, Renan Silva partiu em velocidade pela linha de fundo e cruzou rasteiro para a área. Felipe, artilheiro do Alvianil, só teve o trabalho de empurrar a bola para o fundo das redes.

Para tentar empatar a partida, o técnico Ricardo Gomes colocou o meia Bernardo no lugar do atacante Leandro. A substituição acabou dando certo. Eder Luis fez excelente jogada e tocou para Diego Souza entrar sozinho e ser derrubado pelo goleiro Henrique. Bernardo, que acabara de entrar, bateu e diminuiu.

A pressão do Vasco era grande. O melhor ataque da Taça Rio tentava mostrar que poderia empatar a partida, mas o gol não chegava. O Olaria, por sua vez, não queria entregar a classificação. Então o jogo ficou completamente emocionante.

O Alvianil teve o primeiro lance de perigo com Waldir. Felipe invadiu a área, driblou o goleiro Fernando Prass e cruzou para o companheiro, que chutou fraco. A bola iria entrar, mas o zagueiro Anderson Martins se atirou nela e salvou em cima da linha.

Na sequencia foi a vez de Bernardo, do Vasco, levar perigo. O meia recebeu na entrada da área, ajeito e bateu para o gol. Mas o goleiro Henrique apareceu novamente para espalmar. Logo na jogada seguinte, Elton tentou de bicicleta após cruzamento de Allan.

Depois de mais algumas chances para cada lado, o jogo terminou mesmo 2 a 2. Com os resultados da rodada, ambos os times se classificaram para as semifinais da Taça Rio.

FICHA TÉCNICA
OLARIA 2 X 2 VASCO

Estádio: Moacyrzão, Macaé (RJ)
Data/hora: 17/4/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Felipe Gomes da Silva (RJ)
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa (RJ) e Wendel de Paiva Gouvea (RJ)
Gols: Waldir 1-0 (16’/1ºT), Felipe 2-0 (4’/2ºT), Bernardo 2-1 (17’/2ºT) e Rômulo 2-2 (45’/2ºT)
Público/Renda: 4.619 presentes / R$ 69.670,00

OLARIA: Henrique, Ivan, Thiago Eleutério, Rafael e Amarildo; David, Danilo, Victor e Renan Silva (Renato) ; Felipe e Waldir (Boniek). Técnico: Cleimar Rocha

VASCO: Fernando Prass, Allan, Dedé, Anderson Martins e Márcio Careca; Rômulo, Fellipe Bastos, Felipe (Elton) e Diego Souza; Leandro (Bernardo) e Eder Luis (Enrico). Técnico: Ricardo Gomes

abril 17, 2011 Posted by | Vasco da Gama | | Deixe um comentário

São Paulo empata com o Oeste, vira líder e pega Lusa nas quartas

Com o 1 a 1, a equipe de Itápolis enfrenta o Corinthians na próxima fase; São Paulo retomar mando de campo para o mata-mata

São Paulo e Oeste empataram em 1 a 1 no jogo de despedida da primeira fase, neste domingo, no estádio Romildo Ferreira em Mogi Mirim. Com o resultado e com a derrota do Palmeiras para a Ponte Preta por 2 a 1, o Tricolor assume a liderança da competição e enfrenta a Portuguesa nas quartas de final. O Oeste, por sua vez, permanece no quinto lugar e enfrenta o Corinthians na próxima fase.

O jogo ocorreu em Mogi, a 70 quilômetros da capital, por conta da perda de dois mandos de campo do São Paulo determinada pelo STJD, por conta de objetos atirados no gramado no clássico contra o Corinthians na Arena Barueri. Com a decisão, a equipe do Morumbi ainda não sabe onde jogará as quartas e tenta obter efeito suspensivo.

Na próxima fase do Paulistão, as oito equipes classificadas se enfrentam entre si. A classificação será disputada em apenas um jogo na casa da equipe de melhor campanha. Em caso de empate, haverá pênaltis. O mesmo critério se repete nas semifinais. Apenas na final haverá jogos de ida e volta.

No duelo particular dos grandes de São Paulo, o Tricolor pode cruzar com o Corinthians numa possível semifinal e decidir, numa eventual final, o título com Santos ou Palmeiras.

O jogo

Até os 15 minutos do primeiro tempo, parecia que o São Paulo venceria o Oeste com facilidade. O Tricolor vinha com uma marcação acertada no meio de campo e uma boa troca de passes no ataque, o que sufocava o time do Oeste.

Principalmente com as subidas pelo lado direito, com a participação de Lucas e quando os meias se apresentavam para receber os passes das laterais apareciam boas jogadas. O time criou mais oportunidades na primeira etapa, mas faltou ao Tricolor acertar nas finalizações. O time misto que entrou em campo dificultava o entrosamento, e muitos passes errados se seguiam.

A partir dos 20 minutos, a marcação são-paulina afrouxou e o Rubrão começou a acelerar o jogo ofensivamente. Wellington e Cleber Santana não exerciam uma marcação efetiva na cabeça de área. Os defensores ficavam expostos e, à base de faltas, paravam os ataques.

Aos 41, o Oeste conseguiu transformar a pressão em gols. Roger fez boa jogada, passou por Rhodolfo e passou a bola para Reinaldo, livre, abrir o placar para o Oeste.

No começo do segundo tempo, o jogo esfriou. Contudo, o São Paulo seguia sem marcação efetiva no meio de campo e cedendo alguns espaços ao time do Oeste, que não soube aproveitar.

O Tricolor também tinha dificuldade para atacar. Em campo, muitos jogadores de movimentação – Marlos, Lucas, Ilsinho – e poucos na criação das jogadas.

Faltava um centroavante e, por isso, Carpegiani substituiu Willian por Henrique. Em uma de suas primeiras participações, aos 27 minutos da segunda etapa, o atacante recebeu belo passe de Lucas, cortou a marcação e empatou a partida.

O São Paulo seguiu no ataque e o time do Oeste não conseguia reagir na partida. E assim o jogo se encaminhou para o final, sem maiores chances de gol.

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO 1 X 1 OESTE

Estádio: Romildo Ferreira, em Mogi Mirim (SP)
Data/hora: 17/4/2011 – 16h
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza
Auxiliares: Jumar Nunes Santos e Mauricio Helder Luiz Alexandrino
Renda/público: Não divulgado.
Cartões amarelos: Júnior César (SPO)
Cartões vermelhos: Nenhum.
GOLS: Reinaldo, 39’/1ºT (0-1); Henrique, 27’/2ºT (1-1)

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Xandão, Rodrigo Souto, Rhodolfo; Edson Santos (Ilsinho, 12’/2ºT), Wellington, Cleber Santana,Rivaldo (Marlos, 12’/2ºT) e Junior César; Lucas e Willian (Henrique, 23’/2ºT). Técnico: Paulo César Carpegiani

OESTE: Gabriel; Dedê (Serginho, 45’/2ºT), Rafael Caldeira, Paulo Miranda e Fernandinho; Adriano, Dionísio, Márcio Passos, Roger e Marino; Reinaldo (Alex William, 19’/2ºT). Técnico: Nenê Belarmino.

abril 17, 2011 Posted by | São Paulo | , | Deixe um comentário

Reservas decidem e Corinthians vence Santo André por 2 a 0

Gols de Paulo André e Edno mantêm Timão na terceira colocação da primeira fase; adversário agora é o Oeste

Se o time titular não vinha mostrando um bom futebol, o “mistão” alvinegro, ao menos, apresentou o mesmo estilo de jogo eficiente, mas longe de empolgar o corintiano. Com uma equipe recheada de reservas, Corinthians venceu o Santo André por 2 a 0, jogando no estádio Bruno José Daniel, no ABC paulista, na tarde deste domingo, e se despede da primeira fase do Campeonato Paulista com vitória. 

Os gols foram marcados por dois reservas de Tite: Paulo André e Edno. Com o resultado, o Corinthians chega aos 38 pontos, e mantém a terceira colocação. O Santos, que venceu o Paulista por 3 a 0 e tem os mesmos 38 pontos do rival, não passa o Timão por causa do critério de saldo de gols (20 contra 21 do Corinthians).

O próximo adversário do Corinthians nas quartas de final do Paulista será o Oeste, que terminou a primeira fase na 6ª colocação. O Alvinegro paulista tem a vantagem do mando de campo, em partida única, mas não a vantagem do empate. Na primeira fase, o confronto entre as duas equipes acabou em 3 a 0 para o Timão, em jogo disputado no Pacaembu, pela 15ª rodada. 

O Ramalhão, por outro lado, termina a primeira fase do Campeonato Paulista na lanterna, com 15 pontos. A equipe do ABC, rebaixada para a série A2 desde a última rodada, agora volta as atenções para o duelo com o Verdão pela Copa do Brasil, na próxima quinta-feira, no Pacaembu. O jogo de ida, na última quarta-feira, terminou em 2 a 1 para o Palmeiras, no ABC. Agora, o Ramalhão precisa vencer por pelo menos dois gols de diferença para chegar às quartas de finais da competição continental. O empate dá a vaga ao Palmeiras; uma vitória simples dos andreenses por 1 a 0 também, pelo critério dos gols fora de casa (o Verdão fez 2 no ABC). 

LEVE E SOLTO

Como o Timão entrou em campo com uma equipe recheada de jogadores reservas, os “novos titulares” tiveram a oportunidade de mostrar a Tite que podem se firmar no time. O primeiro a mostrar serviço foi Edno. Mas o lance não saiu do jeito que o atacante gostaria: aos 16 minutos, após boa troca de passes entre Danilo e Ramírez, o camisa 9 ficou na cara de Neneca e viu boa defesa do goleiro adversário. 

E o Timão estava animado! Sufocando o Santo André no campo de defesa, o Corinthians não dava chances para ser surpreendido por uma equipe já rebaixada. Danilo, outro reserva a ganhar oportunidade neste domingo, também queria jogar bem sob os olhos de Tite. Bruno César, seu companheiro na armação, por pelo menos duas vezes assustou o gol do Ramalhão, seu ex-time, com perigosos chutes de longe.

Mas a estrela que brilhou mesmo foi de Paulo André, recuperado de lesão no joelho esquerdo e voltando ao time depois de 196 dias afastado. O zagueiro foi oportunista ao aproveitar cruzamento de Willian na esquerda e, de cabeça, mandar no contrapé de Neneca, aos 21 minutos da primeira etapa.

O gol deu tranquilidade ao Timão, mas acendeu a inquietude do Ramalhão, que perdeu a timidez e se lançou ao campo de ataque. Aos 34 minutos, um pênalti poderia ser marcado em Rychely, após contato de Moradei, mas o lance exigia interpretação do árbitro, e Aurélio Sant’anna Martins não marcou.

Para a segunda etapa, o Corinthians voltou ainda mais empolgado, mas faltava maior capricho no passe final. Bruno César, por exemplo, deu bom passe para Marcelo Oliveira, mas não forte o suficiente para que o lateral-esquerdo, outro “reserva” em campo, ganhasse a dividida com Iran. Em seguida, Ramírez fez boa jogada e Edno dominou de canela, para desespero de Tite e da torcida corintiana que compareceu em peso no ABC.

1 a 0? Placar magro. O Corinthians queria mais. A superioridade era tão latente que realizou até uma blitz com seis homens rondando a zaga andreense, aos 17 minutos. Depois de muita troca de passes, Danilo foi o responsável por furar a muralha adversária ao dar um corte no marcador e servir Willian, mas o camisa 7 não conseguiu a finalização.

Mas quando teve a bola limpa para arriscar o arremate, Willian não fez feio. Aos 27, o atacante, que vinha sendo titular com Tite, dividiu com a zaga e chutou com efeito, à esquerda da trave de Neneca.

Mas os donos da casa, diante de tamanha superioridade corintiana, não tinham “sangue de barata”. Depois de ver, em menos de uma semana, ser consumado o rebaixamento para a série A2 e uma derrota em casa para o Palmeiras na Copa do Brasil, o Santo André intensificou as tentativas para marcar o gol de empate. Aos 18 minutos da etapa final, Aloísio recebeu na área e chutou torto. Seis minutos depois, foi a vez do ex-corintiano Anderson quase marcar de cabeça. Por fim, aos 39 minutos, Célio Codó tocou com estilo e tirou tinta da trave de Rafael Santos.

Para os poucos torcedores do Santo André presentes no estádio Bruno Daniel poderia ser a chance de redenção do Ramalhão, mas a tarde era mesmo corintiana.

Já no fim da partida, Bruno César cruzou na cabeça de Edno, que não vinha fazendo bom jogo. O camisa 9 se redimiu e desviou de Neneca de cabeça. 2 a 0 e fim de papo no ABC paulista.

A vitória dá confiança ao Timão, que mostra que mesmo os reservas podem dar conta do recado. O duelo com o Oeste ainda não tem data definida. 

FICHA TÉCNICA:
SANTO ANDRÉ 0X2 CORINTHIANS

Estádio: Bruno José Daniel, Santo André (SP)
Data/hora: 17/4/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Aurélio Sant’anna Martins
Auxiliares: Reinaldo Rodrigues dos Santos e Osny Antonio Silveira

Renda/público: Não divulgados
Cartões amarelos: – (STA); – (COR)
Cartões vermelhos: – 
GOLS: Paulo André, 21’/1ºT (0-1); Edno, 43’/2ºT (0-2)

SANTO ANDRÉ: Neneca; Iran, Anderson, Sandoval e Dênis; Magno, Walax (Mika 32’/2ºT), Juan Felipe (Edílson 27’/2ºT) e Aloísio; Rychely e Borebi (Célio Codó 18’/2ºT). Técnico: Sandro Gaúcho.

CORINTHIANS: Rafael Santos; Moacir, Wallace, Paulo André e Marcelo Oliveira; Moradei, Luis Ramírez, Danilo e Bruno César 
(Nenê Bonilha 46’/2ºT); Edno e Willian. Técnico: Tite.

abril 17, 2011 Posted by | Corinthians, Santo André | | Deixe um comentário

Ponte Preta vira contra o Palmeiras, que perde a ponta

Verdão sai na frente, mas leva a virada em Campinas. Mirassol é o adversário das quartas. Macaca enfrenta o Santos

Na tarde deste domingo, a Ponte Preta recebeu o Palmeiras no Moisés Lucarelli, em Campinas, e venceu de virada, por 2 a 1. Márcio Diogo e Renatinho marcaram para o time da casa. Max Santos fez o gol do Verdão.

Com o resultado, o Palmeiras deixou a primeira colocação, sendo ultrapassado pelo São Paulo no número de vitórias (13 a 12), com os mesmos 41 pontos. Já a Ponte Preta, que era sétima colocada, subiu para quinto, com 32. Assim, o Alviverde enfrenta o Mirassol nas quartas de finais, no Pacaembu. A Macaca pega o Santos, na Vila Belmiro. As decisões serão no próximo fim de semana, em jogo único. Caso haja empate, os classificados serão definidos nas penalidades.

HOMENAGEM

Ídolo da Ponte Preta, o ex-atacante Washington, que se aposentou neste ano, foi o responsável pelo pontapé inicial na partida. Autor de 82 gols em 102 jogos com a camisa alvinegra, o Coração Valente foi ovacionado pelos torcedores e se confessou emocionado:

– Estou com o coração a mil, batendo muito, emocionado com a homenagem. Espero que traga sorte para a Ponte Preta. Parece que vou fazer o meu primeiro jogo, tamanho o meu nervosismo – disse, antes do jogo, à Rádio Estadão/ESPN.

O JOGO

Já classificados, Ponte Preta e Palmeiras foram a campo completamente desfigurados. Dona da casa, a Macaca tinha dez desfalques (entre suspensos e machucados), enquanto o Alviverde jogou sem seis titulares por opção de Luiz Felipe Scolari.

Transparecendo o desentrosamento, os dois times não demonstraram no primeiro tempo o bom futebol que as levaram para a segunda fase do Paulistão. Aos 20 minutos, em chute de Max Santos que poderia ficar apenas na estatística de finalizações certas, o goleiro Bruno encaixou mal e viu a bola passar por entre as suas pernas. No reflexo, ainda tentou tirá-la de dentro da meta, mas a arbitragem deu, acertadamente, o gol – um frangaço!

Mas bastou cinco minutos para a falha do goleiro ficar em segundo plano. Em bola recebida no lado esquerdo do ataque, Márcio Diogo girou bem em Leandro Amaro e estufou a rede defendida por Deola, empatando a partida e dedicando o gol ao companheiro.

PITACOS DO PALESTRA: Derrota sem traumas em jogo que não valia nada

O intervalo veio e, no vestiário, Felipão decidiu dar folga a Kleber, que voltou ao gramado de tênis de passeio e bermudão. Vinícius entrou em seu lugar, mostrando vontade e rapidez nos contra-ataques.

A virada, porém, quase veio para o time da casa aos 10 minutos. Em bola mal afastada por Rivaldo, Guilherme encheu o pé e acertou a trave esquerda de Deola, assustando o Verdão. Quatro minutos depois, em contra-ataque, Lucas deu bom chute colocado, exigindo boa defesa do goleiro palmeirense.

De tanto insistir, o gol saiu aos 30 minutos. Após rebote em cobrança de escanteio, a bola sobrou livre para Renatinho na esquerda. O camisa 10 acertou lindo chute no canto direito de Deola e virou o jogo.

Com o resultado, a Ponte Preta termina a primeira fase com ótimo retrospecto contra os grandes. Além do Verdão, venceu Corinthians e São Paulo, fora de casa, além de ter empatado por 2 a 2 contra o Santos, em Campinas.

FICHA TÉCNICA:
PONTE PRETA 2 X 1 PALMEIRAS

Estádio: Moisés Lucarelli, Campinas (SP)
Data/hora: 17/04/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Salvio Spinola Fagundes Filho
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Anderson Jose de Moraes Coelho
Auxiliares de linha: Paulo Roberto de Sousa Jr e Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza
Renda/público: R$ 223.156,00 /9.956 pagantes
Cartões amarelos: Josimar, Renatinho, Tiago Luís e Eduardo Arroz (PON); Rivaldo, Chico e Luan (PAL)
GOLS: Max Santos, aos 20’/1ºT (0-1); Márcio Diogo, aos 25’/1ºT (1-1); Renatinho, aos 30’/2ºT (2-1)

PONTE PRETA: Bruno, Eduardo Arroz, Ferrón, Wellington e Uendel; Guilherme, Josimar, Lucas (Renan, aos 35’/2ºT) e Márcio Diogo (Charles, aos 29’/2ºT) ; Renatinho (Mateus, aos 39’/2ºT) e Tiago Luís. Técnico: Gilson Kleina.

PALMEIRAS: Deola, Cicinho (Luís Felipe, aos 16’/2ºT), Leandro Amaro, Maurício Ramos e Rivaldo; João Vitor, Chico e Tinga; Max Santos (Luan, aos 22’/2ºT), Kleber (Vinícius, Intervalo) e Adriano. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

abril 17, 2011 Posted by | Palmeiras, Ponte Preta | , | Deixe um comentário

Ronaldinho perde pênalti no fim e Fla empata com Macaé

Placar de a 1 a 1 em Volta Redonda garante Fla-Flu nas semifinais da Taça Rio

Ronaldinho jogou pelos ares, nos acréscimos, as chances do Flamengo de fugir de um clássico nas semifinais da Taça Rio. O Rubro-Negro teve dificuldades para arrancar o empate em 1 a 1 com o Macaé, no Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, neste domingo, e terminou na segunda colocação do Grupo A e vai encarar o Fluminense nas semifinais da Taça Rio.

Sem Leonardo Moura e com Thiago Neves no banco, o Flamengo não transformou o domínio em boas jogadas e gols. Os laterais Rodrigo Alvim, na esquerda, e Rafael Galhardo na direita, se apresentaram para o jogo, mas sem a qualidade necessária. Nem mesmo o meia argentino Botinelli foi eficaz na função de levar o time ao ataque. Tanto que a grande ameaça ao goleiro Everton, do Macaé, aconteceu aos seis minutos de partida.

Mantendo a pressão nos primeiros minutos, o Flamengo apostava em Ronaldinho. Com seus passes, ele criou boas situações para Rodrigo Alvim, que acertou a trave ao tentar cruzamento para Deivid aos 19 minutos. No minuto seguinte, o camisa 10 aproveitou sobra em chute de Renato e mandou rasteiro para o gol, assustando Everton.

Já Felipe assistia à partida tranquilamente até os 35 minutos, quando espalmou de forma estranha a bomba de Johnatan. O mesmo pulo ele repetiu sete minutos depois, em chute perigoso de Robson.

Pouco ativos no jogo, o atacante Deivid e Botinelli foram substituídos no intervalo por Diego Maurício e Thiago Neves. Com eles, o Flamengo e a partida ganharam em dinamismo. Com um minuto em campo, o camisa 7 encobriu o arqueiro Everton e só não marcou porque o zagueiro Ciro estava no lugar certo e na hora certa. Mas aos 12, não teve jeito. Ronaldinho cobrou escanteio e Jean escorou para o gol. Ainda houve toque de um adversário, mas o árbitro anotou tento para o defensor da Gávea.

Em seguida, o Macaé ganhou motivos para reclamar. Bruno Luiz recebeu passe de cabeça antes de completar para as redes. No entanto, sem ver que Galhardo dava condições, o árbitro assinalou impedimento.

As falhas de marcação do Flamengo e a queda de produção deram chances ao Macaé. Aos 33, Robson avançou como quis na grande área do Flamengo e chutou. Felipe até fez a defesa, mas Hyantony pegou o rebote de cabeça: 1 a 1. Daí em diante, a equipe do técnico Luxemburgo deu espaços aor ival e, por pouco, não levou a virada.

No último minuto de partida, porém, Ronaldinho podia enfim tirar o Flamengo do sufoco, depois de o árbitro marcar pênalti sobre Diego Maurício. Cobrador do time, o camisa 10 isolou a oportunidade do gol da vitória e a possibilidade de enfrentar o Olaria nas semifinais da Taça Rio. O Rubro-Negro terá de pegar Fluminense.

FICHA TÉCNICA
FLAMENGO 1 X 1 MACAÉ

Local: Raulino de Oliveira, Volta Redonda (RJ)
Data-Hora: 17/4/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Philip Georg Bennett (RJ)
Auxiliares: Luiz Cláudio Regazone (RJ) e Diogo Carvalho Silva (RJ)
Renda e público: Não divulgados.
Cartões amarelos: Maldonado, Fierro e Felipe (FLA); Bruno Luiz (MAC)
Cartões vermelhos: –
Gols: Jean 12’/2ºT (1-0) e Hyantony 33’/2ºT (1-1)

FLAMENGO: Felipe, Rafael Galhardo (Fernando 29’/2º), Jean, Ronaldo Angelim e Rodrigo Alvim; Maldonado, Fierro, Renato Abreu e Bottinelli (Thiago Neves – Intervalo); Ronaldinho Gaúcho e Deivid (Diego Maurício – Intervalo) – Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

MACAÉ: Everton, Johnatan (Marcos Tamandaré 29’/2º), Eduardo Luiz, Ciro e Bill; Gedeil, Osmar, André Gomes e Danilo; Robson (Marcelo 40’/2º) e Bruno Luiz (Hyantony 32’/2ºT). Técnico: Toninho Andrade.

abril 17, 2011 Posted by | Flamengo | | Deixe um comentário

Com gols-relâmpagos, reservas do Peixe batem o Paulista

Em tarde inspirada de Maikon Leite, Peixe derrota o Galo por 3 a 0 e agora encara a Ponte nas quartas de final

Querendo mostrar serviço para Muricy, os reservas do Santos jogaram bem e venceram o Paulista por 3 a 0, na Vila Belmiro, em partida válida pela última rodada do Paulistão. A vitória começou a ser construída logo no começo de jogo, com gols relâmpagos de Keirrison e Alan Patrick, que marcaram antes dos dois minutos de jogo. Maikon Leite, o melhor em campo, liquidou a fatura no segundo tempo.

Apesar da vitória, o Peixe permaneceu na quarta colocação do Campeonato Paulista, por ter menor saldo de gols do que o Corinthians, e irá encarar a Ponte Preta nas quartas de final da competição, em casa, no próximo final de semana, em data ainda não definida. Na fase de classificação, as duas equipes empataram em 2 a 2, no Moisés Lucarelli.

Mesmo já estando com a cabeça no jogo da próxima quarta-feira, pela Copa Santander Libertadores, contra o Deportivo Táchira (VEN), o Santos fez uma grande partida e não teve trabalho para bater o Galo. O grande destaque da partida foi Maikon Leite, que participou dos dois primeiros gols e ainda fez o seu no final.

O JOGO

O Santos começou o jogo com tudo e fez com que o torcedor que chegou à Vila Belmiro um pouco atrasado perdesse os dois primeiros gols do time. Em apenas um minuto e meio de jogo, o placar já anotava 2 a 0 para o Peixe.

Com somente 48 segundos, Maikon Leite recebeu passe na entrada da área, avançou e chutou cruzado. A bola passou pelo goleiro Cristiano e, quase em cima da linha, Keirrison apareceu para dar um leve toque e abrir o marcador.

O Paulista não teve nem tempo para se recuperar do susto e, após recuperar a bola na saída errada do time de Jundiaí, Maikon Leite cruzou da direita para Alan Patrick, livre, tocar para o fundo das redes e marcar o segundo do Alvinegro.

Os gols relâmpagos foram um balde de água fria nas esperanças do Galo de conquistar uma vaga na fase final do Paulistão. A equipe do interior precisava vencer e torcer por um tropeço do São Caetano, mas a desvantagem logo no início diminuiu o ímpeto do time.

A única boa chance dos visitantes no primeiro tempo foi com o ex-santista Baiano. Aos 18 minutos, ele cobrou falta da entrada da área e mandou a bola no ângulo. O goleiro Vladimir se esticou todo e fez uma excelente defesa.

Já o despreocupado Santos que, classificado, encarou o duelo como um “amistoso de luxo”, trocava passes com tranquilidade e, apesar de não ter grandes ambições, fazia uma boa partida, criando várias oportunidades de gol.

As principais jogadas do ataque santista saiam do pé de Maikon Leite. O camisa 7 infernizou a vida da defesa do Paulista e deu trabalho para o goleiro Cristiano. Aos 12 minutos, ele recebeu passe dentro da área e pegou de primeira, quase marcando o terceiro. Jogada parecida aconteceu aos 26, e dessa vez Cristiano fez boa defesa.

O atacante estava impossível e, aos 30, quase fez um golaço. Róbson deu ótimo passe por elevação para Keirrison, que escorou de cabeça para Maikon Leite. Sem dominar, o baixinho arriscou da entrada da área e mandou por cima do gol.

Com o marcador a seu favor, o Peixe se dava ao luxo de desperdiçar diversas oportunidades. No final do primeiro tempo, o zagueiro Bruno Aguiar perdeum grande chance. Após bate e rebate na área do Galo, a bola sobrou para o zagueiro que, de frente para o gol, chutou mal e mandou para fora.

No segundo tempo, o domínio santista persistiu. O time da casa poderia, inclusive, ter aplicado uma goleada, mas pecou nas finalizações e, assim como na primeira etapa, Maikon Leite brilhou e criou diversas oportunidades.

Aos seis minutos da etapa final, Alan Patrick quase marcou o terceiro do Peixe. Ele fez fila na defesa do Paulista e chuta colocado, mas o goleiro Cristiano saltou e fez ótima defesa, evitando o que seria um golaço.

O Santos ia perdendo gol atrás de gol, e aos 14, foi a vez de Maikon Leite desperdiçar chance incrível. O camisa 7 fez boa jogada individual, invadiu a área e mandou no poste esquerdo do gol do Paulista.

Mas sorte melhor estava reservada para ele e, aos 34, finalmente o merecido gol de Maikon saiu. O atacante avançou pelo lado direito, invadiu a área e bateu cruzado, dando números finais ao placar.

O Santos volta a jogar pelo Paulistão no próximo final de semana, contra a Ponte Preta, na Vila Belmiro, em partida válida pelas quartas de final. Antes disso, porém, o Peixe encara o Deportivo Táchira (VEN), quarta-feira, no Pacaembu, em partida decisiva da Libertadores.

SANTOS 3 X 0 PAULISTA

Estádio: Vila Belmiro, Santos (SP)
Data/hora: 17/4/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Luiz Vanderlei Martinucho (SP)
Auxiliares: Bruno Salgado Rizo (SP) e Risser Jarussi Corrêa (SP)
Renda e público: Não disponíveis
Cartões Amarelos: Róbson, Vladimir e Moisés (SAN); Guigov e Fabiano (PAU)
GOLS: Keirrison, 49”/1ºT (1-0); Alan Patrick, 1’/1ºT (2-0); Maikon Leite, 34’/2ºT (3-0)

SANTOS: Vladimir; Pará, Vinicius Simon, Bruno Aguiar e Alex Sandro; Adriano, Danilo, Alan Patrick (Dimba, 39’/2ºT) e Róbson (Moisés, 17’/2ºT); Zé Eduardo e Keirrison (Emerson, 42’/2ºT). Técnico: Muricy Ramalho

PAULISTA: Cristiano; Weldinho, Eli Sabiá, Henrique e Guigov; João Paulo (Bruno Formigoni, Intervalo), Fábio Gomes, Baiano e Barboza; Mike (Juninho, 23’/2ºT) e Fabiano (Carlão, 15’/2ºT). Técnico: Wagner Lopes.

abril 17, 2011 Posted by | Santos | , | Deixe um comentário

Galo pinta o sete e aplica goleada no América/TO

Em dia bastante inspirado, o Atlético-MG mostrou bom futebol e muita vontade, garantindo a segunda colocação na primeira fase do Mineiro

De fato duas das melhores equipes da primeira fase do Campeonato Mineiro, o duelo entre Atlético-MG e América/TO, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, era apontado como um dos mais equilibrados desta 11ª rodada do Estadual. No entanto, não foi bem isso que se viu no jogo ocorrido na tarde deste domingo.

Em um dia bastante inspirado, o ataque do Alvinegro passou por cima do Colorado de Teófilo Otoni, fez 7 a 1 e garantiu a segunda colocação do Campeonato Mineiro, o que lhe dá a vantagem de ter dois resultados iguais e definir o último confronto da semifinal como mandante. Agora, o Galo começa a se preparar para enfrentar o América-MG na segunda fase do torneio regional.

PRIMEIRO TEMPO
A partida começou com as duas equipes criando boas oportunidades. O Atlético-MG utilizava da qualidade e velocidade de seus atacantes, Mancini e Magno Alves. Já o América/TO se aproveitava das jogadas aéreas, ponto fraco da defesa alvinegra.

A primeira grande chance de gol do confronto saiu dos pés de Mancini, que após carregar a bola pelo meio-campo, deu um belo passe para Magno Alves finalizar e obrigar o goleiro Eládio a colocar a bola para escanteio. Depois da cobrança do corner, a bola ficou com Renan Oliveira, que bateu forte de fora da área e exigiu elasticidade do defensor da meta do Dragão.

Sem um grande jogador no setor de criação, Mancini era obrigado a deixar a função de segundo atacante e trabalhar pelo meio-campo. Em uma dessas trocas de posição, Mancini buscou a bola, passou para Magno Alves, driblar três jogadores da retaguarda americana e finalizar para o fundo das redes de Eládio, abrindo o placar aos 14 minutos da primeira etapa.

Logo em sua primeira jogada dentro de campo, Giovanni Augusto fez uma belíssima jogada, exímia de um camisa 10, e deixou Mancini na cara do goleiro. Sem titubear, o atacante afundou a rede de Eládio e fez o segundo gol da partida.

Na sua segunda jogada dentro de campo, o jovem Giovanni Augusto driblou o zagueiro do América/TO e ficou de frente para Eládio, mas, ao tentar deslocar do goleiro do Dragão, não conseguiu marcar o gol. Logo depois, o América/TO deu o troco. Após driblar Réver, Rogélio levou para a intermediária e bateu cruzado, mas a bola passou ao lado do gol de Renan Ribeiro.

O garoto Giovanni Augusto entrou e colocou fogo na partida. Além de dar uma assistência para o gol de Mancini e ter oportunidades de marcar gols, o jogador dava velocidade e qualidade no setor de criação do Atlético-MG.

Apagado em campo, o garoto Renan Oliveira conseguiu aparecer em uma excelente jogada, que se concretizou em gol. Após driblar o volante Luizinho, o meia-atacante finalizou bem colocado no cantinho direito do goleiro Eládio.

Devido a falta de organização no meio-campo do América/TO, a dupla de ataque, formada por Rogélio Ávila e Jonatas Obina, não conseguia aparecer bem em campo, como fizera em outras partidas do Campeonato Mineiro. Entretanto, na primeira oportunidade que tiveram, os dois obrigaram Renan Ribeiro a realizar uma defesa de puro reflexo.

SEGUNDO TEMPO
O Galo retornou ao segundo tempo com o mesmo ritmo do início do confronto. Após uma boa jogada de Renan Oliveira, o meia-atacante Mancini finalizou por cima do goleiro e fez um golaço, mas o assistente assinalou posição irregular do jogador.

Cheio de confiança em campo, Macini driblou o goleiro Eládio e poderia rolar para o companheiro, mas o jogador preferiu finalizar sem muita força e perdeu a chance de fazer o quarto gol do Atlético-MG.

Os meninos do Galo estavam demais. Após boas jogadas de Magno Alves, Renan Oliveira e Giovanni Augusto marcaram o quarto e o quinto gols do Atlético-MG, respectivamente, e demonstraram a força da base alvinegra.

Após substituir Renan Oliveira, Daniel Carvalho, em sua primeira jogada dentro de campo, tentou encobrir o goleiro Eládio e acertou o travessão.

Com uma goleada desenhada, o Alvinegro tocava a bola no meio-campo e o América/TO não conseguia sequer chegar perto do gol de Renan Ribeiro. A falta de criatividade do Dragão impossibilitou que seus atacantes tivessem chances de mostrar o melhor de seu futebol.

Em busca de um gol de honra, o América/TO criou duas oportunidades com sua dupla de ataque. Após boas jogadas de Jonatas Obina e Rogélio Ávila, a defesa atleticana foi obrigada a desempenhar seu papel. Entretanto, o sistema defensivo alvinegro não conseguiu segurar. Em bom cruzamento de Osvaldir, o centroavante Obina cabeceou para o fundo da rede de Renan Ribeiro, sem chances para o goleiro.

Embora tenha sofrido um gol, o Atlético-MG não se intimidou e continuou pressionando. Querendo dilatar o placar da goleada, o Galo foi para cima e teve oportunidades de marcar, no entanto, não obteve êxito na maioria das conclusões.

Depois de uma excelente jogada do lateral-esquerdo Guilherme Santos, o camisa 6 passou a bola para Magno Alves, que driblou o zagueiro Júnior Pereira apenas com o domínio e afundou as redes de Eládio, aumentando o placar da goleada.

Mais uma vez ele deixou sua marca na partida: Magno Alves. Com muita classe e tranquilidade, o Magnata marcou o sétimo gol e fechou o resultado: 7 a 1 para o Galo, que fez sua melhor partida no primeiro semestre da atual temporada.

FICHA TÉCNICA

ATLÉTICO-MG 7 X 1 AMÉRICA/TO

Motivo: 11ª rodada do Campeonato Mineiro
Estádio: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG)
Público/renda: 6.300 pessoas/R$
Data/hora: 17/4/2011 – 16h
Árbitro: Cleisson Veloso Pereira (MG)
Auxiliares: Márcio Eustáquio Santiago e Wesley Moreira de Carvalho (MG)

Cartão amarelo: Patric, Mancini (CAM)

GOLS: Magno Alves (14′ do 1ºT, 31′ e 43′ do 2ºT), Mancini (22′ do 1ºT), Renan Oliveira (36′ do 1ºT, 10′ do 2ºT), Giovanni Augusto (11′ do 2ºT)
Jonatas Obina (24′ do 2ºT)

ATLÉTICO-MG: Renan Ribeiro; Patric, Réver, Leonardo Silva e Guilherme Santos; Fillipe Soutto, Serginho, Renan Oliveira (Daniel Carvalho – 12′ do 2ºT) e Jackson (Giovanni Augusto – 22′ do 1ºT); Mancini (Neto Berola – 25′ do 2ºT) e Magno Alves. Técnico: Dorival Júnior.

AMÉRICA/TO: Eládio; Osvaldir, Luis Henrique, Jádson (Junior Pereira 38′ do 1ºT) e Bruno Barros; Luizinho, Leandrinho (Chrys – 19′ do 1ºT), Felipe Dias e Wellington Bruno (Araújo – 13′ do 2ºT); Jonatas Obina e Rogélio Ávila. Técnico: Gilmar Estevam.

abril 17, 2011 Posted by | Atlético-MG | | Deixe um comentário

Montillo marca e Cruzeiro garante primeiro lugar

Raposa vence Uberaba e enfrenta o América de Teófilo Otoni na semifinal

O Cruzeiro não precisou se esforçar para garantir o primeiro lugar na primeira fase do Campeonato Mineiro. Com um gol de pênalti de Montillo, a Raposa venceu o Uberaba fora de casa por 1 a 0. Com o resultado, o time celeste vai enfrentar o América/To na semifinal.

Mesmo já classificado e poupando alguns titulares, a Raposa partiu para cima do Uberaba e quase abriu o placar com Ortigoza no primeiro lance do jogo. Já o Uberaba, que apenas cumpria tabela, não quis saber de ser coadjuvante e tentou atrapalhar os planos do time celes de terminar a primeira fase do Campeonato Mineiro em primeiro lugar.

Felipe, de cabeça, e Cadu, que entrou sozinho após passe de Marcinho, perderam as melhores chances da primeira etapa. Mesmo com o susto, o Cruzeiro era melhor e o gol foi questão de tempo. Aos 44 minutos, Marquinhos Paraná lançou Wallyson, que tocou para Ortigoza. O paraguaio foi derrubado pelo zagueiro Balduíno e o árbitro Emérson de Almeida Ferreira marcou o pênalti. Montillo cobrou com categoria e colocou a Raposa na frente.

Na volta do intervalo o Cruzeiro passou a administrar o resultado e se poupando. Já os donos da casa queriam ao menos um empate em casa. Contudo, esbarrava nos sucessivos erros de passe e chances desperdiçadas. A mais clara aconteceu com Hugo, que de cabeça na pequena área, perdeu a melhor chance do segundo tempo.

O técnico Cuca aproveitou para promover as entradas de jogadores que estavam sendo pouco aproveitados na temporada como Pedro Ken, Fabrício Carioca e Reis. Os dois últimos, inclusive, fizeram suas estreias com a camisa celeste.

FICHA TÉCNICA:

UBERABA 0 X 1 CRUZEIRO

Local: Uberabão, em Uberaba (MG)
Data/hora: 17/4/2011, às 16 horas
Árbitro: Emérson de Almeida Ferreira (CBF/FMF)

Renda e público: Não divulgados

Gols: Montillo (45’/1°T)

Cartões Amarelos: Everton(CRU); Cristiano Brasília, Balduíno e Rodrigão (UBE)

CRUZEIRO: Fábio, Pablo, Gil, Léo, Diego Renan (Fabrício Carioca 36’/2°T); Marquinhos Paraná, Everton, Henrique (Pedro Ken 22’/2°T) e Montillo (Reis 39’/2°T); Wallyson e Ortigoza . Técnico: Cuca

UBERABA: Fernando, Balduíno, Rodrigão, Felipe; Rômulo, Gabriel, Gustavo, Cristiano Brasília (Everton Maradona 20’/2°T) , Bruno Campos; Marcinho e Cadu (Hugo 20’/2°T). Técnico: Nenê Belarmino

abril 17, 2011 Posted by | Cruzeiro | | Deixe um comentário

Grêmio garante nos pênaltis a vaga na semifinal

Fora de casa, Tricolor eliminou o Ypiranga e pega o Cruzeiro

Foi sofrido, mas o Grêmio conseguiu a classificação para a semifinal do returno do Gauchão, neste domingo, contra o Ypiranga, no Colosso da Lagoa, em Erechim. Após o empate em 1 a 1 no tempo normal, vitória só veio na disputa de pênaltis, por 4 a 2. Com o resultado, o Grêmio vai enfrentar o Cruzeiro na próxima fase da competição.

O jogo

O Grêmio começou animado. O jovem Leandro colocou fogo na partida com jogadas ofensivas. Em uma deles, aos sete minutos, o placar quase foi aberto a favor do Tricolor. Leandro deixou Borges na boa para marcar, mas o atacante não conseguiu chegar na bola e empurrar para o gol.

O time de Renato Gaúcho continuou em cima, buscando o gol, principalmente nas tabelinhas pela direita, entre Gabriel, Douglas e Leandro.

O esforço gremista foi premiado aos 23 minutos, quando Douglas recebeu de Rodolfo e mandou um míssil no ângulo do goleiro. Golaço!

Após o gol, o ritmo do Grêmio diminuiu e o Ypiranga não se arriscou. Panorama que se manteve até o segundo tempo.

A vida do Grêmio estava tranquila, mas Douglas deu bobeira no meio, perdeu a bola para Saulo, que passou para Geovani. O jogador do Ypiranga, mesmo sem ângulo, chutou forte para o gol e empatou a partida. Bobeira do goleiro Victor.

Com a igualdade, o jogo ganhou emoção. Renato Gaúcho surpreendeu e tirou Leandro e Douglas do jogo. Quem entrou para armar o Grêmio foi Carlos Alberto e no ataque a aposta foi Lins.

O Grêmio sufocou o Ypiranga. Foram várias chances criadas. Teve chute no travessão e Borges e defesas de Luiz Carlos. Mas o time da casa não deixou por menos e colocou até bola na trave de Victor na cabeçada de Silvestre.

Mas os dois times ficaram no quase e a definição do classificado teve que ir para as penalidades. Victor pegou duas e deu a vaga para o Tricolor.

YPIRANGA 1 (2) X (4)1 GRÊMIO
LOCAL: Colosso da Lagoa, em Erechim (RS)
DATA: 17/4/2011
CARTÕES AMARELOS: Frede, João Paulo, Glauco (YPI); Gabriel, Fernando (GRE)

GOLS: Douglas, 23’/1ºT (0-1); Geovane, 17’/2ºT (1-1);

PÊNALTIS:
Fizeram: Borges, Fabio Rochemback, Carlos Alberto e Gabriel (GRE) Cleiton, Frede (IPY)

Perderam: Lúcio (GRE); Saulo e Branco (YPI).

YPIRANGA: Luiz Carlos; Gasparino, Frede, Glauco e Branco; Saulo, João Paulo, Geovani e Bodini (Sylvestre, 5’/2ºT); Cleiton e Tiago Pereira. TÉCNICO: Agenor Piccinini.

GRÊMIO: Victor; Gabriel, Rafael Marques, Rodolfo e Neuton; Fábio Rochemback, Adilson (Fernando, 38’/1ºT), Lúcio e Douglas (Carlos Alberto, 18’/2ºT); Leandro (Lins, ‘/2ºT) e Borges. TÉCNICO: Renato Gaúcho.

abril 17, 2011 Posted by | Grêmio | | Deixe um comentário

Fred quebra o jejum e Flu assegura a liderança

Camisa 9 marcou o gol da vitória por 1 a 0 do Tricolor sobre o Nova Iguaçu, neste domingo, no Engenhão

Se Fred estava desesperado por não balançar as redes, neste domingo, contra o Nova Iguaçu, ele extravasou: fez o pano estremecer por quatro vezes, mas apenas uma delas valeu. E foi justamente o gol da quebra do jejum do artilheiro que deu a vitória por 1 a 0 ao Fluminense, no Engenhão. O resultado assegurou a liderança do Grupo B ao Tricolor, que chegou aos 17 pontos.

Além do reato do camisa 9 com o gol, Darío Conca também teve atuação de destaque, com passes arrojados e lançamentos que por pouco não fizeram o triunfo ser por um placar mais elástico.

Com o dever cumprido no Carioca, agora o Flu vai voltar as atenções para a Copa Santander Libertadores. Quarta-feira, tem a decisão contra o Argentino Juniors, em Buenos Aires. O Tricolor tem uma tarefa bem difícil para avançar às oitavas-de-final da competição.

No domingo, será a vez do clássico com o Flamengo, confronto em que estará em jogo a vaga na semifinal da Taça Rio.

FRED VOLTA A MARCAR APÓS CINCO JOGOS

Mesmo praticamente classificado, o Fluminense encarou a disputa contra o já desinteressado time do Nova Iguaçu com postura de decisão. Partiu para cima desde o início. Primeiro, com Conca, que, logo no primeiro minuto, fez fila pela direita, mas errou na hora do cruzamento. Foi um prenúncio do que seria o argentino na primeira etapa: solto, arrojado, mas que acabou pecando no último toque.

Em 45 minutos, foram um toque de calcanhar, um de letra, e um levantamento de ‘cavadinha’ do camisa 11. Nenhum desses lances terminou em gol, mas mostraram que o craque do último Brasileirão está bem à vontade nas quatro linhas. Tanto que ele teve tudo para ser o nome da primeira etapa, não fosse por um jejum quebrado pelo capitão.

Sem marcar há cinco jogos, Fred estava decidido em por fim à seca neste domingo. Quase o tempo todo dentro da área, ele brigava com a marcação, e teve algumas boas chances de marcar. Na melhor delas, chegou a sentir o gosto do alívio, ao concluir com categoria belo lançamento de Valencia. O camisa 9, no entanto, estava em posição irregular, e teve seu gol anulado pelo bandeira.

Mas, aos 27 minutos, não teve jeito. Após bate-rebate na área do Nova Iguaçu, o camisa 9 chutou de primeira, a bola desviou no braço do zagueiro Leonardo e o árbitro assinalou pênalti. Na cobrança, o artilheito foi frio, bateu forte, no ângulo, e a abriu o placar para o Tricolor. A comemoração discreta, com um leve suspiro, de quem põe fim a uma sina que o perseguia até ali.

FLU PUXA O FREIO, MAS ASSEGURA A LIDERANÇA

Na volta do intervalo, o time de Enderson Moreira conseguiu manter seu ritmo: toque de bola com calma e defesa segura, sem avançar demais. Da mesma forma, o Nova Iguaçu seguiu atrás, tentando aproveitar o erro adversário. E, por duas vezes, ele quase aconteceu, em roubadas de bola na saída do volante de Diguinho, mas os contra-ataques acabaram bem interceptados pelos zagueiros do Flu.

Na frente, o destaque seguiu com a dupla Conca-Fred. Aos 3 minutos, o camisa 9 teve seu segundo gol anulado. Antes de finalizar para o fundo da rede, ele fez falta no zagueiro Leonardo, marcada pelo árbitro.

Em outras duas oportunidades, o argentino serviu com categoria o artilheiro, que por pouco não ampliou. Para a torcida, no entanto, ficou a esperança de que a dupla está recuperando o entrosamento.

Com o resultado, o Tricolor cumpriu seu primeiro objetivo na semana. Na quarta-feira, tenta completar a semana com chave de ouro contra o importante jogo contra o Argentinos Juniors, pela Libertadores.

FICHA TÉCNICA:
FLUMINENSE 1 X 0 NOVA IGUAÇU

Estádio: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 17/4/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Philip Georg Bennett (RJ)
Auxiliares: Leonan Cardoso Berute (RJ) e Flávio Manoel da Silva (RJ)

Gol: Fred, aos 28’/ 1ºT (FLU)

Cartões amarelos: Valencia (FLU)

FLUMINENSE: Ricardo Berna; Mariano, Gum, Edinho e Julio Cesar; Valencia, Diguinho, Marquinho (Fernando Bob, aos 34’/ 2ºT) e Conca (Willians, aos 21’/ 2ºT); Araújo (Emerson, aos 24’/ 2ºT) e Fred. Técnico: Enderson Moreira.

NOVA IGUAÇU: Diogo; Foca, Alex Moraes, Leonardo e Arthur; Amaral (Marquinhos, aos 42’/ 2ºT), Dieguinho (Nelinho, aos 30’/ 2ºT) e Luan; Lukian, Willian Barbio e Maicon (Vinícius, aos 20’/ 2ºT). Técnico: Zinho.

abril 17, 2011 Posted by | Fluminense | | Deixe um comentário

Botafogo vence o América, mas está eliminado

Com o empate de Olaria e Vasco, Glorioso fica em terceiro lugar no grupo B e sonho do bicampeonato vira pesadelo

Uma vitória em vão em São Januário. O Botafogo fez o seu papel e derrotou o América por 3 a 1, mas como em outros jogos não correspondeu, e terá de ver o restante do Campeonato Estadual pela televisão. O sonho do bicampeonato está encerrado, com o empate entre Olaria e Vasco por 2 a 2, que classificou ambos para as semifinais da Taça Rio. Agora é pensar na Copa do Brasil.

COMEÇO FRACO E COM GOL DE SORTE DE LUCAS

O início de jogo em São Januário foi sonolento. Os dois times tocaram a bola, mas sem muita ousadia. Pelo lado alvinegro, o apoiador Cidinho junto com Somália tentaram dar mais dinamismo ao time, procurando um burocrático Herrera e o uruguaio Loco Abreu. Pelo lado do Mecão, Bruno Reis arriscou alguns chutes e Wellington em velocidade, eram os mais perigosos, mas sem muita objetividade.

Aos 13 minutos, Lucas tenta cruzar para Loco Abreu, mas pega de forma estranha na bola, que engana o goleiro Paulo Wanzeler. Lá dentro. Fogão 1 a 0.

Mesmo com a limitação de seu time, o América até tentou, e em bom chute de Paulo Roberto, Jefferson fez boa defesa. No mais, duas boas chances desperdiçadas por El Loco. Em uma delas, ele driblou dois jogadores adversários, colocou de perna direita, mas a bola caprichosamente foi para fora. Na outra, bateu de esquerda cruzado, mas saiu à direita do gol americano.

CAIO JUNIOR FAZ DUAS ALTERAÇÕES NO INTERVALO

Insatisfeito com o desempenho de seu time no primeiro tempo, o técnico Caio Junior resolveu colocar Bruno no lugar de Everton, que teve atuação apagada, e Lucas Zen no de Guilherme. Deu certo. Com a companhia de alguém mais presente na armação das jogadas, Cidinho e Bruno criaram boas chances logo no início. Em uma delas, Herrera cruzou e o apoiador de 18 anos acabou chutando em cima do goleiro do América. Depois, foi Bruno que fez a jogada pela direita e serviu Loco Abreu, que tocou para o fundo das redes. 2 a 0 Fogão.

Com o Olaria vencendo do Vasco, os jogadores do Glorioso vieram mais devagar após a parada técnica realizada aos 20 minutos. Com isso, o América voltou a assustar em chute de Paulo Roberto, mas o sempre ligado Jefferson defendeu. Na tentativa de reanimar o Alvinegro, Caio entrou no lugar de Loco Abreu. A substituição visou poupar o uruguaio para a partida de quarta, na Copa do Brasil, contra o Avaí. Aos 36 minutos, Lucas em cobrança de falta, coroou sua grande atuação. Bola na gaveta, e o terceiro gol alvinegro.

Cidinho ainda infernizou o Diabo, e fez com que Ruy fosse expulso em entrada violenta. Ainda deu tempo para o América diminuir, aos 46, também em bola parada. Bruno Reis cobrou com perfeição e deu números finais à partida.

O domingo não foi bom para o Botafogo. O time foi eliminado do Estadual e o sonho do bicampeonato virou pesadelo com o empate do Vasco com o Olaria. De bom, as atuações de Lucas e Cidinho, que deixam o torcedor alvinegro com a esperança de que poderá reverter a situação frente ao Avaí, na próxima quarta, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. É o que restou para salvar o semestre, até aqui nada glorioso.

FICHA TÉCNICA
AMÉRICA 1 X 3 BOTAFOGO

Estádio: São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 17/4/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá (RJ)
Auxiliares: Ediney Guerreiro Mascarenhas (RJ) e Marco Aurélio dos Santos Pessanha (RJ)
Gols: Lucas 13’/1°T, Loco Abreu 10’/2°T e Lucas 37’/2°T (BOT); Bruno Reis, 46’/2°T (AME)
Cartões Amarelos: Guilherme (BOT); Allan, Bruno Reis, Michel, Wellington (AME)
Cartões Vermelhos: Ruy (AME)

AMÉRICA: Paulo Wanzeler; Michel, Allan, Arcelino e Assis; Léo Oliveira (Emerson, 16’/1°T), Leandro, Bruno Reis e Paulo Roberto; Wellington e Guilherme (Ruy, 27/2°T). Técnico: Marcelo Buarque.

BOTAFOGO: Jefferson, Lucas, Antônio Carlos, João Filipe e Guilherme (Lucas Zen – Intervalo); Arévalo, Somália, Everton (Bruno – Intervalo) e Cidinho. Herrera e Loco Abreu (Caio, 27/2°T). Técnico: Caio Junior.

abril 17, 2011 Posted by | Botafogo | , | Deixe um comentário

Inter vence o Santa Cruz na estreia de Falcão

Colorado assegura vaga nas semifinais do returno do Gauchão. Mais de 16 mil colorados ovacionam o novo treinador

O técnico Falcão estreou com vitória no comando do Internacional, na noite deste sábado, no Beira-Rio. O placar de 1 a 0 em cima do Santa Cruz assegurou a classificação colorada para as semifinais do segundo turno do Gauchão.

Desde a chegada da delegação colorada ao Beira-Rio, Falcão foi ovacionado pelos torcedores, que cantavam seu “Ô, o Falcão voltou!”. Na entrada em campo, o treinador foi cercado por muitos jornalistas. E, durante o jogo, foi alvo dos cliques dos fotógrafos.

O JOGO

O Inter não jogou como o Barcelona – que mais cedo empatou com o Real -, mas causou nos colorados a mesma reação que os catalães têm quando vão ao Camp Nou: satisfação pelo futebol apresentado e pela entrega em campo.

Falcão, nos quatro dias que teve para trabalhar, disse que queria muita movimentação, toque de bola e conversa entre os jogadores. Ainda não foi possível ver todos esses itens, mas o Inter mostrou-se empenhado a dar ao treinador o que foi pedido.

Com muitos toques de bola, as chances foram criadas desde os dois minutos de bola rolando. Como fora treinado, Andrezinho atuou pela direita, mais perto dos volantes, e D’Alessandro, pela esquerda, procurou sempre a linha de fundo.

Damião cumprimenta Falcão após o único gol do jogo (Foto: Vipcomm)

Empenhado em abrir o placar, o time colorado teve o trabalho facilitado com a expulsão de Rodrigo Rizo, que fez duas faltas seguidas em Rafael Sobis. O Santa Cruz até melhorou um pouco com um homem a menos, mas não impediu o gol colorado.

D’Ale recebeu de Guiñazu no campo de defesa e fez um lançamento preciso para Andrezinho. O meia correu mais que o marcador pela ponta direita e tocou para o meio da área, onde Leandro Damião apenas tocou para a rede.

Apesar de ter voltado um pouco mais ousado, o Santa Cruz seguiu sendo ameaçado pelo Inter, que tinha em Andrezinho uma das melhores opções de criação de jogadas. O meia, que não vinha tendo chances com Roth, aproveitou muito bem a chance recebida. E tem tudo para permanecer entre os 11, acirrando a briga com Oscar.

Com o jogo sob controle, o Inter esteve muito perto de ampliar aos 24. César soltou a bomba de Sobis e Damião, no rebote, viu a bola sair caprichosamente por cima do travessão. E outras chances foram criadas, de pé em pé. Mas, bem postado defensivamente, o Santa Cruz impediu que a rede balançasse novamente.

O placar foi mínimo. Mas as mudanças, em relação ao time que era montado por Celso Roth, puderam ser notadas. E, a julgar pelos aplausos ao fim do jogo, a torcida parece ter aprovado o trabalho de Falcão.

PRÓXIMO DESAFIO

Depois da estreia com o pé direito, o próximo desafio de Falcão é na terça-feira. Nesse dia, o Internacional encara o Emelec, no Beira-Rio, na última rodada da fase de grupos da Libertadores. Mais uma decisão para o treinador, já que o Colorado ainda não assegurou vaga nas oitavas de final da competição continental.

FICHA TÉCNICA:
INTERNACIONAL 1 X 0 SANTA CRUZ

Local: Beira-Rio, em Porto Alegre (rs)
Data/hora: 16/4/2011 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Vinícius Costa
Auxiliares: Altemir Hausmann e José Silveira
Cartões amarelos: Rodrigo Rizo, Alejandro, Paulo César Vinícius (STC); D’Alessandro, Guiñazu (INT)
Cartões vermelhos: Rodrigo Rizo (STC)

GOL: Leandro Damião, 32’/1T (1-0)

Inter: Renan, Nei, Bolívar, Rodrigo e Kleber; Bolatti, Guiñazu, Andrezinho (Ricardo Goulart, 37’/2T) e D’Alessandro; Rafael Sobis (Zé Roberto, 42’/2T) e Leandro Damião. Técnico: Falcão.

Santa Cruz: César, Anelka, Rodrigo Rizo e Luís Henrique; Régis, Alejandro, Uillian (Maico Gaúcho, 33’/2T), Paulo César Vinícius; Juari (Osmar, 26’/2T) e Leonardo (Cecel, 33’/2T). Técnico: Edson Porto.

abril 17, 2011 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário