Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Santos vence Cerro e renasce na Libertadores

Com atuação tranquila, Peixe domina o Cerro Porteño, em Assunção (PAR), vence por 2 a 1 e está a uma vitória da vaga

O clima de desconfiança gerado pela mudança de técnico e os resultados recentes do Santos na Copa Santander Libertadores eram tudo que o clube não precisava para enfrentar o Cerro Porteño (PAR), nesta quinta-feira, em seu momento decisivo na primeira fase da competição. Dentro de campo, no entanto, o time montado por Muricy Ramalho jogou tranquilo e ciente do que precisava fazer para encerrar as críticas. Com um golaço de Danilo e outro de Maikon Leite, o Santos venceu o Cerro Porteño, por 2 a 1, em Assunção (PAR), e segue vivo na Liberta.

Seja o primeiro a saber as notícias do Santos!

Desfalcado de Elano, Neymar e Zé Eduardo – os três expulsos na partida contra o Colo Colo (CHI) na última semana – Ganso resolve! Com uma ótima atuação, Paulo Henrique deu bons dribles e ainda foi o garçom de Maikon Leite no segundo gol. O primeiro, um chutasso de Danilo, deu ao time a tranquilidade necessária para superar o delicado momento na competição. No fim, Pedro Benítez ainda descontou, mas não havia mais tempo para o empate.

No dia em que completa 99 anos de história, o Peixe não poderia ter encontrado melhor maneira de presentear sua torcida. Se a classificação ainda não foi garantida, ao menos o clube depende só de suas forças para garantir uma vaga nas oitavas de final. Com a vitória, chegou a oito pontos conquistados no grupo, na terceira posição, e um novo resultado positivo no último jogo da primeira fase, contra o Deportivo Táchira (VEN), próximo dia 20, no Pacaembu, é o bastante para acabar com o sufoco e classificar-se aos mata-matas.

Para o Cerro, que também passa por um momento turbulento no torneio nacional, a pressão sobre o técnico Leonardo Astrada deve aumentar ainda mais. O clube paraguaio permanece com oito pontos conquistados, na vice-liderança do grupo.

DOMÍNIO E INTELIGÊNCIA SANTISTA

Até pela importância da partida, o primeiro tempo começou nervoso e muito estudado. Os importantes desfalques do Peixe preocupavam a torcida, que não confiava plenamente no ataque formado por Diogo e Keirrison. Graças à qualidade de Danilo, no entanto, o nervosismo logo transformou-se em tranquilidade.

Aos 11 minutos de jogo, o lateral improvisado volante limpou a marcação paraguaia e mandou um foguete da intermediária, indefensável para o goleiro Barreto. Um golaço para lavar a alma! A partir daí, o início de jogo que parecia complicado ficou fácil para o time santista. Valorizando a posse de bola, o Peixe passou a trocar passes no campo de defesa, para desespero da fanática torcida portenha. Inspirado, Ganso ainda deu dois chapéis desconcertantes nos marcadores…

O gol sofrido e a postura do Santos mexeu com os ânimos do Cerro Porteño, que já estaria mais do que feliz com um empate sem gols. Lançando-se ao ataque com um certo desespero, o time paraguaio errava jogadas aparentemente fáceis, enquanto o time santista aguardava uma nova oportunidade num contra-ataque. A lesão de Diogo ainda na primeira etapa – que forçou a entrada de Maikon Leite -, no entanto, tirou um pouco do ímpeto da equipe.

Após receber ótimo lançamento de Keirrison, o jovem atacante perdeu uma chance inacreditável já no fim da primeira etapa. Mesmo driblando o goleiro Barreto, foi displicente na hora do chute e o zagueiro Cardozo se jogou na bola, salvando o chute e o que poderia ser o segundo gol santista. Depois dessa, era melhor descer para o intervalo…

Na segunda etapa, a redenção… Logo aos dois minutos, Ganso roubou ótima bola na intermediária e encontrou maikon leite em ótima situação, com a zaga do Cerro toda desarrumada. Foi chorado, mas desta vez a bola entrou! No chute, Barreto desviou e Formica ainda tentou salvar em cima da linha, mas a bola entrou.

Muito caçado em campo, Ganso sofreu com a dura marcação paraguaia, mas permanecia como um maestro na meia. Nos contra-ataques, o Peixe levava perigo, mas parecia satisfeito com a vantagem por dois gols. Maikon Leite, sempre pelo lado direito, também criou boas e rápidas jogadas, e por pouco não ampliou.

Apesar da pressão do Cerro, os atacantes paraguaios não conseguiam ser efetivos nas finalizações. Nem mesmo a entrada de Iturbe, chamado de “novo Messi” pela torcida, foi suficiente para resolver e empatar a partida. Nos acréscimos da segunda etapa, Pedro Benítez ainda aproveitou-se de falha do goleiro Rafael, escorou de cabeça e marcou o gol de honra do Cerro. Que presentão no aniversário de 99 anos santista!

O Santos volta a campo às 16h deste domingo, contra o Paulista, pela última rodada da primeira fase do Paulistão. Para o Peixe, o jogo vale somente para decidir se o clube se classifica na terceira ou na quarta colocação. Para o clube de Jundiaí, no entanto, vale pela classificação.

FICHA TÉCNICA:
CERRO PORTEÑO (PAR) 1 X 2 SANTOS

Estádio: General Pablo Rojas (La Olla), Assunção (PAR)
Data/hora: 14/4/2011 – 20h30 (de Brasília)
Árbitro: Martín Vázquez (URU)
Auxiliares: Carlos Pastorino (URU) e William Casavieja (URU)
Renda e público: Não disponível
Cartões amarelos: Burgos e Cardozo (CER); Adriano, Arouca e Edu Dracena (SAN)
Cartões vermelhos: –
GOLS: Danilo, 11’/1ºT (0-1); Maikon Leite, 2’/2ºT (0-2); Pedro Benítez, 48’/2ºT (1-2)

CERRO PORTEÑO (PAR): Barreto, Piris, Pedro Benítez, Cardozo e Formica (Iturbe, 19’/2ºT); Burgos, Villarreal, Rojas (Nuñes, Intervalo) e Torres (Lucero, Intervalo); Fabbro e Nanni. Técnico: Leonardo Astrada.

SANTOS: Rafael, Jonathan, Edu Dracena, Durval e Léo; Adriano, Danilo, Arouca (Pará, 38’/2ºT) e Paulo Henrique Ganso; Diogo (Maikon Leite, 31’/1ºT) e Keirrison (Alex Sandro, 30’/2ºT). Técnico: Muricy Ramalho.

abril 15, 2011 Posted by | Santos | | Deixe um comentário

Grêmio leva ‘olé’ do mistão do Oriente Petrolero

Bolivianos devolvem o placar do jogo de ida e Tricolor gaúcho termina a fase de grupos na segunda posição do Grupo 2

Com atuação muito ruim, o Grêmio foi goleado por 3 a 0 pelo Oriente Petrolero, nesta quinta-feira, na Bolívia, pela última rodada da fase de grupos da Copa Santander Libertadores. Com a derrota, o Tricolor gaúcho, que já estava classificado, manteve-se na segunda posição do Grupo 2, com dez pontos.

O Tricolor Gaúcho poderia terminar a chave na liderança, uma vez que o Junior Barranquilla, líder do grupo, ficou apenas no empate com o León de Huánuco, jogando em Barranquilla, por 1 a 1. Com a derrota, o Grêmio pode terminar com uma das piores campanhas entre os segundos colocados.

MAIS LIBERTADORES:
– SIMULADOR: Confira como podem ficar os duelos das oitavas
– TABELA: Veja os resultados e a classificação das chaves
– Santos vence Cerro no Paraguai e renasce no Grupo 5
– Universidad Católica e Vélez Sarsfield avançam no Grupo 4

O JOGO

O técnico Renato Gaúcho surpreendeu ao escalar o zagueiro Mário Fernandes na direita, deslocando Gabriel para o meio de campo. Mas a opção pouco interferiu na maneira como o Grêmio já vinha jogando, no 4-4-2, sempre em busca do ataque.

A ofensividade característica do Tricolor pôde ser reconhecida rapidamente. Porém, com o passar do tempo, não tornou-se objetiva e, com poucas finalizações, o time gaúcho acabou sofrendo pressão da equipe boliviana.

Depois dos 30 minutos, o goleiro Victor foi constantemente ameaçado. Saucedo, com chute de muito longe, fez o camisa 1 tricolor espalmar para escanteio. Na sequência, outra grande defesa de um chute de fora e depois, no rebote, mais trabalho.

Escudero, após pisar na bola em lance no qual sairia cara a cara com o goleiro, mostrava como o Grêmio estava nervoso com a pressão do Oriente Petrolero. O time tricolor sentia muito a falta do maestro Douglas, que ficou em Porto Alegre por causa de uma gripe.

Ao contrário do que se esperava, Renato Gaúcho não modificou a equipe. E, com a mesma postura na volta do intervalo, o Grêmio viu o time boliviano abrir o placar. Rodolfo deu muito espaço para Arce pela direita e o atacante cruzou para dentro da área. Fernández, que se antecipou a Rafael Marques, cabeceou sem chances para Victor.

Mesmo já eliminado da Libertadores, mas jogando bem e dominando o Grêmio, o Oriente Petrolero foi agraciado com gritos de “olé” pelos torcedores na metade do segundo tempo. O time gaúcho não acertava os passes, o que prejudicava a continuidade das jogadas. Borges, sem goleiro, acertou a trave direita, na melhor chance tricolor.

Mas a noite não era brasileira. Depois de se lançar ao ataque em busca do empate e da virada, o Grêmio deu espaços e foi castigado com dois gols. No contra-ataque, Arce lançou da direita o companheiro Saucedo, que estava na esquerda, dentro da área. Ele chutou sem chances para Victor. Na sequência, Arce mandou uma bomba e deixou o dele. Aos 40, Rodolfo foi expulso. E mais gritos de “olé”.

Os gremistas, agora, querem esquecer o vexame na Bolívia. A notícia boa é que o “Neymarzinho” Leandro, xodó tricolor, poderá ser inscrito, tornando-se a maior esperança tricolor nas próximas fases da Libertadores. Resta agora aguardar quem será o adversário nas oitavas de final.

FICHA TÉCNICA
ORIENTE PETROLERO 3 X 0 GRÊMIO

Local: Ramón Tahuichi Aguilera, em Santa Cruz de la Sierra (BOL)
Data-Hora: 14/4/2011 – 22h45 (de Brasília)
Árbitro: Omar Ponce (EQU)
Auxiliares: Juan Cedeño (EQU) e Christian Lescano (EQU)
Cartões amarelos: Fábio Rochemback (GRE)
Cartões vermelhos: Rodolfo 40’/2T (GRE)
Gols: Fernández 5’/2T (1-0), Fernando Saucedo 30’/2T (2-0) e Arce 34’/2T (3-0)

ORIENTE PETROLERO: Etulain, Hoyos, Schiapparelli, Caamaño e Gutierrez; Fernando Saucedo, Terrazas, Aguirre e Veizaga (Campos 20’/2T); Fernández (Peña 20’/2T) e Arce (Melén 35’/2T) – Técnico: Ariel Russo.

GRÊMIO: Victor, Mário Fernandes (Diego Clementino 11’/2T), Rafael Marques, Rodolfo e Bruno Collaço (Fernando 31’/1T); Fábio Rochemback, Adilson (Vinícius Pacheco 11’/2T), Lúcio e Gabriel; Escudero e Borges – Técnico: Renato Gaúcho.

abril 15, 2011 Posted by | Grêmio | | Deixe um comentário