Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Grêmio vence o Junior e assegura vaga nas oitavas da Libertadores

Tricolor gaúcho derruba o último time 100% e garante classificação com uma rodada de antecedência

O Grêmio venceu o Junior Barranquilla por 2 a 0, nesta quinta-feira, no Olímpico, assegurando vaga nas oitavas de final da Libertadores. E, de quebra, o Tricolor gaúcho ainda derrubou o último time com 100% de aproveitamento na competição continental.

Após um minuto de silêncio em homenagem às vítimas da tragédia ocorrida no Rio de Janeiro nesta quinta-feira, o jogo começou com reclamação da torcida gremista no Olímpico. Isso porque Douglas dividiu bola com o goleiro e ficou no chão. Mas a imagem da televisão não mostrou infração.

Apesar de ter mais a posse de bola e de ser o time que mais criava, o Grêmio quase permitiu que o Junior abrisse o placar. Bacca apostou corrida com Rafael Marques e levou a melhor. Mas esbarrou em Rodolfo, que fez o corte antes do chute do adversário.

De tanto insistir, o time tricolor, finalmente, marcou. Depois de cruzamento de Borges para dentro da área, a bola desviou na defesa e cruzou todo o campo até o lado esquerdo, onde Lúcio, sem marcação, apenas arrumou para bater e estufar a rede.

Nos minutos finais da primeira etapa, Bacca driblou o goleiro Victor mais uma vez e tocou para o gol. Quase em cima da linha, Bruno Collaço deu um carrinho e mandou para escanteio.

Ainda dono do jogo após o intervalo, o Grêmio quase ampliou aos quatro minutos. Douglas cruzou pela esquerda na cabeça de Rafael Marques, que, cara a cara, obrigou Viera a realizar ótima e incrível defesa de puro reflexo. E, de tanto insistir, o time da casa voltou a ser premiado. Borges aproveitou cobrança de escanteio da direita para apenas, de costas, tocar sutilmente na bola, empurrando-a para a rede.

O jogo, que deveria ter ficado ainda mais tranquilo para o Grêmio, pois Romero fez falta em Borges e recebeu o cartão vermelho, complicou. Com um a mais, o Tricolor gaúcho pecou na marcação, obrigando Victor a fazer duas defesas importantes. Mas, com um goleiro de Seleção embaixo das traves, o Grêmio não foi vazado.

Com classificação assegurada, o Grêmio encara o Oriente Petrolero, dia 14, fora de casa, pela última rodada da fase de grupos da Libertadores.

FICHA TÉCNICA:

GRÊMIO 2 X 0 JUNIOR

Local: Olímpico, em Porto Alegre (RS)
Data/hora: 7/4/11 – 19h15 (de Brasília)
Árbitro: Héctor Baldassi
Auxiliares: Ricardo Casas (ARG) e Diego Bonfa (ARG)
Cartões amarelos: Otálvaro, Macías, Romero, Barahorna (JUN); Fábio Rochemback, Borges, Adilson, Rodolfo (GRE)
Cartões vermelhos: Romero (JUN)

GOLS: Lúcio 32’/1T (1-0); Borges 15’/2T (2-0)

Grêmio: Victor, Gabriel, Rafael Marques, Rodolfo e Bruno Collaço; Fábio Rochemback (Vinícius Pacheco, 24’/2T), Adilson, Lúcio (Fernando, 36’/2T) e Douglas; Escudero (Diego Clementino, 30’/2T) e Borges. Técnico: Renato Gaúcho.

Junior Barranquilla: Viera, Otálvaro, De Almeida, Macías (Amaya, 44’1T), Fawcett; Romero, García, Valencia, Barahorna, Hernández (Cortés, 34’/2T); Bacca (Caneda, 41’/2T). Técnico: Oscar Quintabani.

abril 7, 2011 Posted by | Grêmio | | Deixe um comentário

Santos vence o Colo Colo e segue vivo na Libertadores

Neymar, Zé Eduardo e Elano foram expulsos e desfalcam o Peixe na partida contra o Cerro Porteño

Em um jogo muito nervoso, o Santos venceu por 3 a 2 o Colo Colo, nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, e se manteve com chances de se classificar para as oitavas de final da Copa Santander Libertadores.

Com um primeiro tempo arrasador, o Peixe abriu 2 a 0 e foi para o intervalo pensando em goleada. Porém, no segundo tempo, após o gol de Neymar e a expulsão do atacante – que recebeu o segundo amarelo por comemorar com uma máscara -, Zé Eduardo e Scotti, nervosos, se desentenderam e também receberam o vermelho.

Com um a mais, o Colo Colo se mandou para o ataque e chegou a encostar no placar, mas o time da Vila Belmiro conseguiu suportar a pressão e saiu com a vitória.

Com o resultado, o Santos chegou aos cinco pontos ganhos, no terceiro lugar, e encostou no Colo Colo, vice-líder, com seis. O Peixe volta a campo no próximo dia 14, contra o Cerro Porteño, na casa do adversário. Para a partida, o Santos não vai poder contar com Neymar, Zé Eduardo e Elano, que foi expulso no banco de reservas.

O JOGO

O Santos começou nervoso no jogo. Em um dos primeiros lances, Ganso chegou duro e cometeu a falta. Na sequência, Neymar parou um contra-ataque com falta e recebeu o cartão. Logo depois, a primeira chance do clube da baixada. Aos 12 minutos, Elano cobrou falta que bateu na rede externa do gol e assustou Castillo.

Os escanteios eram a arma do Peixe. No primeiro, Neymar não conseguiu a jogada. No segundo, Durval subiu bem e testou firme, mas a bola subiu e passou por cima do travessão.

Sem criatividade no ataque do Santos, as jogadas individuais e os lançamentos começaram a ser a tônica da partida. Os atacantes do Peixe não recebiam a bola com condições de ficar cara a cara com Castillo. Da mesma forma que o Colo Colo abusava dos passes longos. Miralles, isolado na frente, brigava sozinho diante da bem postada defesa alvinegra.

E quem quase abriu o placar foi o visitante. Em cobrança de falta da esquerda, Wilchez bateu fechado e quase surpreendeu Rafael, adiantado. A resposta do Santos veio logo na sequência. Aos 28 com um cruzamento de Ganso, que quase Zé Eduardo marcou, e em um chute de Danilo, que Castillo mandou pela linha de fundo.

O gol não demorou a sair. E logo em dose dupla. O primeiro em cobrança de falta perfeita de Elano, que colocou no ângulo, e o segundo, aos 36, três minutos depois do primeiro, de Danilo, que driblou Castillo e deixou a torcida do Santos tranquila. O Peixe quase marcou o terceiro com Zé Eduardo, mas o goleiro do Colo Colo mandou pela linha de fundo.

Depois dos gols e da chance perdida, o jogo equilibrou. Os dois times começaram a brigar muito pela bola e não conseguiram mais criar as jogadas. No intervalo, Elano já comemorava o resultado que deixou o Santos vivo na Libertadores.

– Isso é espírito de Libertadores. Por enquanto estamos de parabéns, mas temos que continuar assim – disse o autor do primeiro gol do Peixe.

Para tentar mudar a cara do jogo, o técnico Américo Rubén Gallego voltou para o segundo tempo com Cabión, volante de marcação, no lugar de Mena, que joga mais adiantado. A substituição surtiu efeito. O camisa 17 logo no primeiro lance mandou de longe e quase diminuiu para o Colo Colo.

E MAIS: SIMULE OS PRÓXIMOS JOGOS DA LIBERTADORES

Mas foi o Santos que ampliou. E com um golaço de Neymar. O atacante dominou na entrada da área, saiu do primeiro, chapelou Scotti e bateu por cobertura, sem chances para Castillo. Na comemoração, o camisa 11 colocou uma máscara, recebeu o segundo amarelo e o vermelho. Nervoso, Zé Eduardo e Scotti se desentenderam 3 minutos depois. Após uma pequena confusão, o ambos foram mandados para o chuveiro.

O Colo Colo quase diminuiu com uma bola na trave de Miralles, que bateu de fora da área. Logo depois, duas modificações. O atacante Gazele entrou no lugar de Salcedo e Ganso, com cartão amarelo, deu lugar a Alex Sandro.

Depois das expulsões e das modificações, o jogo perdeu muito a qualidade. Os dois times não criaram mais jogades e abusaram ainda mais dos lançamentos e dos chutes de fora, que saiam todos pela linha de fundo. Na única jogada de troca de troca de passes no segundo tempo, Miralles deixou Jerez na cara de Rafael. O camisa 16 bateu por cobertura e diminuiu o placar.

Em mais uma jogada semelhante, desta vez pela direita, Rúbio recebeu dentro da área, driblou Rafael e marcou o segundo. Após o gol do clube chileno, Elano, que já havia sido substituído, jogou uma toalha dentro do campo e também recebeu o vermelho. No fim, o jogo ficou muito mais pegado entre os próprios jogadores do que na bola.

FICHA TÉCNICA:
SANTOS 3 X 2 COLO COLO

Estádio: Vila Belmiro, Santos (SP)
Data/hora: 6/4/2011 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Roberto Silvera (URU)
Auxiliares: Mauricio Espinosa (URU) e Marcelo Costa (URU)

Renda/público: R$ 537.295,00 / 11.871 pagantes
Cartões amarelos: Neymar, Elano, Léo, Ganso, Rafael (SAN); Wilchez, Cabión, Cabrera e Magalhães (COL)
Cartões vermelhos: Neymar, 7’/2ºT (SAN); Zé Eduardo, 10’/2ºT (SAN); Elano, 44’/2ºT (SAN) Scotti, 10’/2ºT (COL); Jorquera, 46’/2ºT (COL)
GOLS: Elano, 33’/1ºT (1-0); Danilo, 36’/1ºT (2-0); Neymar, 7’/2ºT (3-0); Jerez, 36’/2ºT (3-1); Cabión, 41’/2ºT (3-2)

SANTOS: Rafael, Pará (Bruno Aguiar, 38’/2ºT), Edú Dracena, Durval e Léo; Adriano, Danilo, Elano (Maikon Leite, 32’/1ºT) e Paulo Henrique Ganso (Alex Sandro, 19’/2ºT); Neymar e Zé Eduardo. Técnico interino: Marcelo Martelotte.

COLO COLO: Castillo, Magalhaes, Scotti, Cabrera e Jerez; Mena (Cabión, intervalo), Salcedo (Gazele, 17’/2ºT), Fuenzalida (Rúbio, 23’/2ºT), Wilchez e Jorquera; Ezequiel Miralles. Técnico: Américo Rubén Gallego.

abril 7, 2011 Posted by | Santos | | Deixe um comentário

Vasco vence o ABC-RN no sufoco e se classifica: 2 a 1

Cruz-Maltino saiu atrás no placar, mas Alecsandro e Bernardo garantiram o equipe nas oitavas de final da Copa do Brasil

Ufa! Certamente a expressão mais escutada em São Januário após a vitória suada, por 2 a 1, na noite desta quarta-feira, sobre o ABC-RN. Após ser surpreendido com um gol dos visitantes, marcado por Cascata, no início do jogo, o Vasco superou as adversidades no segundo tempo e virou com Alecsandro e Bernardo, carimbando sua vaga para as oitavas de final da Copa do Brasil.

Vasco domina a posse de bola, mas ABC-RN surpreende

O estádio lotado pareceu ter animado os jogadores do Vasco. O time começou a partida com o domínio da posse de bola e parecia que não levaria muito tempo para inaugurar o marcador. Apenas parecia.

Aos 18 minutos, ABC-RN, que demonstrou qualidades na partida de ida, surpreendeu. Após contra-ataque, Cascata driblou Allan pela direita, Dedé demorou na cobertura, e o camisa 10 potiguar teve caminho livre até entrar na área e chutar colocado no canto de Fernando Prass. Os visitantes calaram São Januário.

Depois do gol do ABC-RN, os famosos cinco minutos de desespero atrás do gol de empate tomaram conta dos vascaínos e foram o bastante para que a torcida começasse a perder a paciência. Allan, por exemplo, foi a primeira vítima e as vaias começaram a ecoar já na metade da primeira etapa.

Contando apenas com a inspiração de Felipe, o único lúcido do time, o Vasco não conseguia chegar. Aos 36, após chute do maestro, a bola desviou na defesa e o empate quase saiu. Mas a melhor chance do Cruz-Maltino aconteceu no minuto final. No último ataque, o meia Diego Souza cortou o marcador já dentro da área e, cara a cara com o goleiro Wellington, chutou na rede pelo lado de fora.

Na descida para o vestiário, algumas cobranças da torcida e jogadores desanimados.

Pênalti iguala no início e Bernardo arranca o grito da torcida

Na volta do intervalo, o mesmo panorama da primeira etapa, Vasco dominando, mas não conseguindo chegar ao gol adversário. Mas para a sorte dos donos da casa, aos sete, em um lance duvidoso, Ramon foi derrubado e o juiz Emerson de Almeida Ferreira marcou pênalti e expulsou o zagueiro Tiago Garça. Alecsandro bateu no meio e deixou tudo igual.

Com um homem a menos, o time potiguar recuou. Ricardo Gomes tratou de colocar o time mais para frente promovendo a entrada de Bernardo no lugar de Fellipe Bastos aos 21 minutos.

O tempo foi passando, Ramon também saiu para a entrada de Márcio Careca, e nada de o Vasco criar chances de virar a partida. Felipe, já cansado, sumiu e a criação ficou orfã.

Mas uma faixa no campo chamava a atenção no alambrado desde o início da partida. Com os dizeres “Guerreiros no campo e nas arquibancadas”, ela serviu de inspiração aos 32 minutos. Após tabela com Allan, Eder Luis entrou na área em velocidade e cruzou para trás. Bernardo dominou e chutou. A bola estufou as redes.

São Januário quase foi abaixo na empolgação do meio, que tirou a camisa e correu como um louco na direção da torcida. A tranquilidade tomou conta dos guerreiros, tanto no campo quanto na arquibancada.

Daí para frente, o Vasco lutou para segurar a bola ao máximo. Com um homem a menos, o ABC-RN não tinha muita capacidade para criar. Com o apoio da torcida de volta, o Cruz-Maltino conseguiu manter a vantagem e assegurou a classificação para as oitavas de final da Copa do Brasil, para enfrentar o Náutico.

FICHA TÉCNICA
VASCO 2 X 1 ABC-RN

Local: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Data/Hora: 5/4/2011 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Emerson de Almeida Ferreira (MG)
Auxiliares: Guilherme Dias (MG) e Fabiano da Silva (ES)
Renda/Público: R$ 241.500 / 19.009 presentes
Cartões amarelos: Allan, Bernardo e Alecsandro (VAS); Tiago Garça, Alessandro Lopes e Irineu (ABC)
Cartão vermelho: Tiago Garça (ABC)

GOLS: Cascata, 18’/1ºT (0-1); Alecsandro, 7’/2ºT (1-1); Bernardo, 32’/2°T (2-1)

VASCO: Fernando Prass; Allan, Dedé, Anderson Martins e Ramon (Márcio Careca, 27’/2ºT); Rômulo, Fellipe Bastos (Bernardo, 21’/2ºT), Felipe e Diego Souza; Eder Luis e Alecsandro (Leandro, 42’/2ºT) – Técnico: Ricardo Gomes

ABC-RN: Welligton, Pio, Tiago Garça, Irineu e Renatinho Potiguar; Basílio, Bileu, Cascata (Gabriel, 28’/2ºT) e Reinaldo (Alessandro Lopes, intervalo), Éderson (Jackson, 10’/2ºT) e Leandrão – Técnico: Leandro Campos.

abril 7, 2011 Posted by | Vasco da Gama | | Deixe um comentário

Flu perde para o Nacional e se complica na Libertadores

Atacante Santiago García marcou os dois gols da vitória dos uruguaios; resultado deixa o Tricolor na lanterna do Grupo 3

Santiago García, 20 anos, uma das maiores promessas do futebol uruguaio. Na última temporada, foi artilheiro do campeonato nacional com 15 gols. Nesta quarta-feira, o atacante foi apresentado à torcida brasileira, mais especificamente, à do Fluminense. Com dois gols, Garcia foi o carrasco do Tricolor na derrota por 2 a 0 para o Nacional-URU, no Estádio Centenário.

O resultado deixa a equipe brasileira em situação delicadíssima na Copa Santander Libertadores. Outra vez, os ‘Guerreiros’ terão que invocar as forças superiores por um milagre para conseguir a classificação à próxima fase. Com cinco pontos, o Flu é o lanterna do Grupo 3, com cinco pontos.

E a torcida tricolor começa logo mais. Na partida entre América-MEX e Argentinos Juniors, que começa às 23h50 (de Brasília), o ideal seria uma vitória dos mexicanos, para, assim, depender de suas próprias forças no confronto derradeiro com o time argentino, no próximo dia 20, em Buenos Aires.

Enquanto esse dia não chega, o Fluminense volta suas atenções para o Campeonato Carioca. No domingo, enfrenta o Americano, precisando da vitória na briga por uma vaga nas semifinais da Taça Rio.

Também no dia 20, o Nacional, que, com sete pontos, passou o Flu na tabela, recebe o América-MEX, mais uma vez, no Estádio Centenário. A vitória garante a classificação da equipe uruguaia.

FLU DOMINA PRIMEIRO TEMPO, MAS NÃO AMEAÇA

Nem parecia que o Fluminense jogava em território inimigo, nem que enfrentava a tradicional equipe do Nacional no histórico Estádio Centenário. O árbitro Oscar Ruíz deu o apito inicial e o time brasileiro já se colocou para frente.

Logo aos cinco minutos, Fred fez ótima jogada pelo meio, arrumou um lançamento preciso para Souza, que acabou finalizando em cima do goleiro Muñoz. A partir de então, os uruguaios percebram a superioridade adversária, e, mesmo com três atacantes na sua formação inicial, se posicionaram com os 11 jogadores no campo de defesa.

E a postura prejudicou o Tricolor, que quase não encontrou espaços na sólida defesa do Nacional. O ex-vascaíno Jadson Vieira e a revelação Sebastián Coates fizeram de sua alta estatura uma barreira impenetrável para o atacante Fred, que ficou perdido em meio à defesa. Já Emerson, seu companheiro de ataque, também não conseguia se acertar.

Assim, o Fluminense desceu para o vestiário com mais de 60% de posse de bola; sem ser ameaçado, mas com apenas três finalizações ao gol adversário. Pouco para um time que precisava da vitória.

SANTIAGO GARCÍA FAZ DOIS E GARANTE A VITÓRIA

A equipe brasileira voltou para a segunda etapa sem nenhuma alteração. Do lado uruguaio, a mudança foi na postura. Depois de 45 minutos totalmente na defesa, os donos da casa, a quem também só a vitória interessava, resolveram ir para cima.

E o resultado foi quase imediato. Aos seis minutos, Cabrera levantou para García, que, em posição duvidosa, se antecipou a Edinho e tocou por cima do goleiro Berna. A fanática torcida dos ‘Tricolores’ levou o Centenário abaixo.

Logo em seguida, o técnico Carrasco promoveu duas substituições para fechar ainda mais o time uruguaio. Mas o Flu, ainda abatido com o revés sofrido, continuou sendo atacado. E, por pouco, aos 10 minutos, não levou o segundo; mas o atacante Viudez chutou para a lua cruzamento preciso do veterano argentino Gallardo.

Mas os brasileiros tinham apagado de vez. Aos 21 minutos, Gallardo lançou Santiago García. O camisa 20 ganhou de Gum na corrida, tocou na saída de Berna e se tornou o grande carrasco tricolor da noite.

Ainda dava tempo para a reação do Flu. O técnico Enderson Moreira partiu para o tudo ou nada: colocou Araújo e Rafael Moura para reforçar o ataque. Mas, com excessão de um chute mal executado por Emerson, o Tricolor não ameaçou o goleiro Muñoz.

Mesmo com a derrota, o Fluminense ainda tem chances de classificação. Daqui a duas semanas, busca a vitória sobre o Argentinos Juniors, em Buenos Aires. Até lá, cabe aos tricolores fazer as preces para que outro milagre aconteça.

NACIONAL-URU 2 X 0 FLUMINENSE

Data: 6/4/2011, às 22h (de Brasília)
Local: Estádio Centenário, em Montevidéu (URU)
Árbitro: Oscar Ruíz
Auxiliares: Rafael Rivas e Eduardo Díaz

Gol: Santiago Garcia, aos 6’/2ºT e aos 21’/ 2ºT (NAC)

Cartões amarelos: Edinho, Rafael Moura (FLU)

Cartões vermelhos: Gallardo (NAC)

Fluminense: Ricardo Berna; Mariano, Edinho, Gum e Julio Cesar (Araújo, aos 25’/ 2ºT); Valencia, Diguinho (Rafael Moura, aos 33’/ 2ºT), Souza (Deco, aos 10’/ 2ºT) e Conca; Emerson e Fred. Técnico: Enderson Moreira.

Nacional: Muñoz; Godoy, Jadson Viera, Sebastián Coates e Gabriel Marques; Cabrera (Calzada, aos 25’/ 2ºT) , Píriz e Pereyra (Gallardo, aos 8’/ 2ºT); Viudez, Santiago García e Charquero (Dutra, aos 8’/ 2ºT). Técnico: Juan Ramón Carrasco.

abril 7, 2011 Posted by | Fluminense | | Deixe um comentário

Em jogo tumultuado, São Paulo vence Santa Cruz e avança na Copa-BR

Partida teve quatro jogadores expulsos, pênalti perdido por Rogério Ceni e gol salvador de Ilsinho: 2 a 0 para o Tricolor paulista

O São Paulo até sofreu, é verdade, mas fez a lição de casa e venceu o Santa Cruz por 2 a 0, jogando na Arena Barueri, na noite desta quarta-feira, e se garantiu nas oitavas de final da Copa do Brasil. Os gols de Rhodolfo e Ilsinho classificaram o time paulista, que agora enfrenta o Goiás na próxima fase da competição. E o melhor: com o atacante Luis Fabiano, que estará apto para os duelos contra os goianos.

Os mais de 21 mil são-paulinos que viram a partida, além do Fabuloso, que também acompanhou o jogo, não tiveram uma noite fácil. Diante de um aguerrido Santa Cruz, o torcedor ainda assistiu a Rogério Ceni perder um pênalti na primeira etapa, quando a partida estava “apenas” 1 a 0, resultado que não garantia a classificação. O goleiro tentou a “cavadinha”, mas o goleiro Tiago Cardoso conseguiu a defesa.

No segundo tempo, o Tricolor paulista também sofreu. O técnico Carpegiani teve de ousar, colocando Ilsinho e Willian nos lugares de Casemiro e Alex Silva e conseguiu a classificação graças a uma boa jogada da dupla, com conclusão do camisa 77.

COPA DO BRASIL OU LIBERTADORES?

O clima na Arena Barueri era de decisão total. Consciente de que eram necessários dois gols – desde que não tomasse nenhum – para seguir em frente na Copa do Brasil, 21 mil torcedores compareceram à Arena Barueri para empurar a equipe de Carpegiani.

Parecia até Libertadores! Sendo assim, a partida foi repleta de jogadas mais duras. E, durante toda a primeira etapa, vários duelos foram travados em campo. Além do já “habitual” confronto entre Lucas e Everton Sena, que foi a tônica da partida de ida entre as equipes, Fernandinho e André Oliveira também protagonizaram uma “batalha”. O vencedor foi André – ao menos em matéria de deslealdade. Foram necessários 15 minutos e duas faltas para o defensor pernambucano tirar Fernandinho de combate. O camisa 12 teve de ser substituído precocemente por Marlos. No segundo tempo, Lucas e Everton Sena levaram cartões vermelhos em um dos capítulos entre o duelo particular.

Em meio a tanta violência, a primeira conquista na bola foi mesmo paulista. Aos 9 minutos, Dagoberto cobrou falta e Rhodolfo, de costas, tocou de cabeça para o fundo do gol.

Mesmo com o placar favorável, ainda faltava calma para o Tricolor paulista botar a bola no chão e colocar a superioridade em prática. E isso só aconteceu a partir dos 30 minutos, quando o São Paulo emplacou uma sequência de quatro lances de perigo, que poderiam ter escancarado o marcador ainda na primeira etapa. Primeiro, Lucas ficou na cara de Tiago Cardoso e tocou em cima do goleiro do Santa Cruz. Em seguida, Marlos disparou e foi travado na hora H por Jeovânio. Pouco depois, foi a vez de Rhodolfo perder chance dentro da área. Jean, aos 34, e Marlos, aos 35, fecharam a blitz são-paulina.

Mas o lance mais marcante da primeira etapa aconteceu aos 42 minutos. Dagoberto entrou na área e André Oliveira, o mesmo que tirou Fernandinho de jogo e substituía o zagueiro Leandro Souza, expulso no jogo de ida no Arruda, parou o são-paulino com o braço. Resultado: pênalti para o São Paulo e cartão vermelho para André.

O torcedor são-paulino só não esperava por um lance esquisito de Rogério Ceni, que chegara à marca de 100 gols há apenas 10 dias. O goleiro-artilheiro foi para a cobrança e ao tentar uma “cavadinha” acabou tendo o lance defendido por Tiago Cardoso.

Mesmo após o pênalti desperdiçado, o Tricolor voltou à segunda etapa disposto a mudar o panorama do jogo. Quando o Santa Cruz começou a assustar com Gilberto, no começo da segunda etapa, Carpegiani promoveu a entrada de Ilsinho, para explorar as jogadas ofensivas pelos flancos, e de Willian, no lugar de Alex Silva.

E a estrela de Carpa brilhou! Foram justamente estes dois jogadores, apostas do treinador são-paulino na segunda etapa, quem decidiram a partida, para alívio da torcida em Barueri. Aos 27 minutos, Ilsinho tabelou com Willian, saiu na cara do gol e decretou o 2 a 0. Era o gol da classificação!

Agora o Tricolor voltará a campo pelo Campeonato Paulista. O time vai a Bauru, onde enfrentará o Noroeste, no próximo domingo, no Estádio Dr. Alfredo de Castilho.

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO 2X0 SANTA CRUZ

Estádio: Arena Barueri, Barueri (SP)
Data/hora: 6/4/2011 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Gutemberg de Paula Fonseca
Auxiliares: Márcia B. Lopes Caetano e Wagner de Almeida Santos

Renda/público: R$ 529.051,00 / 21.066 pagantes
Cartões amarelos: Casemiro, Rhodolfo, Dagoberto (SPO); André Oliveira, Landú, Gilberto, Everton Sena, Thiago Matias (SCR)
Cartões vermelhos: André Oliveira, 42’/1ºT (SCR); Renatinho, 38’/2ºT (SCR); Everton Sena, 42’/2ºT (SCR); Lucas, 42’/2ºT (SPO)
GOLS: Rhodolfo, 9’/1ºT (1-0); Ilsinho, 27’/2ºT (2-0)

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Rhodolfo, Alex Silva (Willian, 22’/2ºT), Miranda e Juan; Casemiro (Ilsinho, 7’/2ºT), Jean, Carlinhos Paraíba e Lucas; Fernandinho (Marlos, 15’/1ºT) e Dagoberto. Técnico: Paulo César Carpegiani

SANTA CRUZ: Tiago Cardoso, Cléber Goiano, Thiago Matias, André Oliveira e Renatinho; Éverton Sena, Jeovânio (Mário Lúcio, 31’/2ºT), Weslley e Natan (Marcus Vinícius, 22’/2ºT); Landú (Thiago Pereira, intervalo) e Gilberto. Técnico: Zé Teodoro

abril 7, 2011 Posted by | São Paulo | , | Deixe um comentário

Atlético-MG dá adeus ao sonho da Copa do Brasil

Com lances polêmicos e mau futebol, o Atlético-MG dá adeus a conquista da maior competição nacional do primeiro semestre

Um jogo muito pegado: isso foi o que se viu no confronto entre Atlético-MG e Grêmio Prudente, válido pela segunda fase da Copa do Brasil, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas. O empate em 0 a 0 foi o retrato do duelo. Apesar da vontade, o time alvinegro não conseguiu marcar um gol e sequer conquistar uma vaga nas oitavas de final da competição nacional.

O jogo foi muito complicado, mas a situação piorou com a expulsão de dois jogadores do Atlético-MG na segunda etapa: Leonardo Silva e Serginho. Além disso, em lance bastante polêmico, o árbitro anulou o que poderia ser o gol da vitória atleticana.

PRIMEIRO TEMPO

O Atlético-MG iniciou a partida com muita vontade. Precisando garantir um resultado positivo, o Alvinegro partiu para cima do Grêmio Prudente e, logos aos 30 segundos de partida, o primeiro chute a gol saiu com Ricardo Bueno, que tentou finalizar de fora da área.

Aproveitando-se de Guilherme Santos, novo lateral-esquerdo do time, o Atlético-MG investia em jogadas naquela faixa do campo. Aos três minutos, após uma boa jogada, Renan Oliveira finalizou de fora da área, mas a bola desviou em Douglas e saiu para escanteio. Depois da cobrança do corner, Leonardo Silva cabeceou e obrigou o goleiro Márcio a realizar excelente defesa.

Esboçando muita vontade, o centroavante Ricardo Bueno dava alternativas ao setor de criação da equipe alvinegra. Mas quem chegou com perigo ao gol de Márcio, foi o companherio de Bueno: Magno Alves. Após receber de costas par o gol, o camisa 11 girou sobre o marcador e finalizou rasteiro, obrigando o goleiro prudentino a realizar grande defesa.

Os primeiros minutos de partida tiveram duas cores: preto e branco. Impedindo que o Prudente chegasse ao seu gol, o Galo pressionava a saída de bola dos paulistas e mantinha o jogo em seu campo de ataque. A todo instante, Guilherme Santos era acionado no setor ofensivo e, por seu lado, apareciam as principais jogadas do Atlético-MG.

A primeira grande jogada do Grêmio Prudente saiu dos pés do meia-atacante Saldanha. Após driblar o zagueiro Réver, o camisa 8 finalizou por cima do gol de Renan Ribeiro.

Por volta dos 20 minutos de partida, o ritmo atleticano caiu e o jogo ficou bastante equilibrado. Com o empate, que insistia em continuar no placar da partida, os paulistas se garantiam nas oitavas de final da Copa do Brasil.

Ao término da primeira etapa, o setor de criação do Atlético-MG não conseguiu manter o ímpeto do princípio de partida e deixou o Grêmio Prudente crescer na partida. Aos 37 minutos, o atacante Eraldo teve oportunidade de cabecear sozinho. Contudo, a bola passou por cima da meta defendida por Renan Ribeiro.

Insistindo demais nas jogadas aéreas, o Atlético-MG não conseguia finalizar com perigo ao gol de Márcio. As oportunidades apareciam, entretanto, o bloqueio do Grêmio Prudente não era furado pelos alvinegros.

Cobrando uma falta da intermediária, Serginho levou muito perigo ao gol de Márcio. O jogador tentou deslocar do goleiro, que conseguiu fazer boa defesa e afastar para escanteio. Um minuto depois, foi a vez de Guilherme Santos fazer boa jogada pela esquerda e cruzar para o meio da área. Mas o camisa 1 do Grêmio Prudente saiu bem e agarrou a bola.

No fim do primeiro tempo, os atleticanos pediram a entrada de Neto Berola. E foram prontamente atendidos. O jogador entrou, durante o intervalo, no lugar de Renan Oliveira.

SEGUNDO TEMPO

Logo aos dois minutos, o Grêmio Prudente levou perigo ao gol de Renan Ribeiro com uma bola alçada na área. Entretanto, o árbitro assinalou falta no goleiro.

Com três atacantes em campo (Neto Berola, Magno Alves e Ricardo Bueno), o Atlético-MG ganhou mais movimentação no setor ofensivo e buscou o gol no princípio da segunda etapa. Enquanto Berola caia pelo lado direito e tinha o apoio de Patric, que substituiu Rafael Cruz, Magno Alves jogava pela esquerda, tendo o auxílio de Guilherme Santos.

Como de costume, o atacante Neto Berola entrou e incendiou o jogo. A todo instante, o baiano chegava com perigo ao gol de Márcio. Porém, não conseguia afundar a rede do time adversário.

Logo aos dez minutos da segunda etapa, o técnico Dorival Júnior abriu mão do esquema com três homens na linha de frente e colocou Mancini no lugar de Ricardo Bueno. O Galo perdeu a referência no ataque, mas ganhou em qualidade no meio de campo.

Em sua primeira jogada no segundo tempo, aos 15 minutos da etapa, Mancini dominou uma belíssima bola fora da área e finalizou rasteiro, no cantinho direito do goleiro Márcio, mas a bola acabou indo para fora.

Alex Maranhão teve a oportunidade de inaugurar o placar da partida aos 19 minutos da etapa complementar. Com uma boa cobrança de falta, o meia-atacante exigiu que Renan Ribeiro defendesse em dois tempos.

Mostrando muita vontade em campo, o atacante Neto Berola dominou uma boa bola na intermediária e finalizou, contudo, com muita força e por cima do gol de Márcio. Aos 23 minutos de partida, foi a vez de Mancini chegar ao gol de Márcio. Após um bate-rebate, o meia-atacante finalizou mas o arqueiro do Grêmio Prudente fechou muito bem o chute de Mancini.

O Grêmio Prudente chegou com bastante perigo ao gol do Atlético-MG, em boa jogada do Raí, lateral-esquerdo do time do interior paulista. Após boa jogada nas costas de Patric, o camisa 6 chegou à linha de fundo e bateu, tentando deslocar de Renan Ribeiro, mas acabou acertando a rede pelo lado de fora.

Por volta dos 30 minutos de partida, o Atlético-MG perdeu dois atletas. Leonardo Silva e Serginho, respectivamente, foram expulsos e complicaram a forma de jogar da equipe. Logo após a expulsão do volante, Eraldo teve a oportunidade de marcar um gol, porém, bateu para fora, ao tentar deslocar do goleiro.

Aos gritos de “olé”, quando o Grêmio Prudente pegava na bola, os jogadores do Atlético-MG demonstravam enorme nervosismo e não conseguiam chegar ao gol de Márcio.

O Atlético-MG até conseguiu colocar a bola no fundo da rede do Grêmio Prudente. Após um cruzamento de Fillipe Soutto, o zagueiro Réver cabeceou para o gol. No entanto, o árbitro Pathrice Wallace Correa Maia anulou.

Rhayner ainda ameaçou o gol atleticano. Aos 45 minutos, o time do interior paulista acabou perdendo a chance de marcar ao chegar pelo lado esquerdo do ataque prudentino.

Depois de boa jogada do Grêmio Prudente, o centroavante Eraldo teve a oportunidade de decidir o confronto. Contudo, finalizou para fora. Logo depois, foi a vez do Galo. Mancini ficou de frente para o gol, mas não conseguiu marcar.

FICHA TÉCNICA

ATLÉTICO-MG 0 X 0 GRÊMIO PRUDENTE

Estádio: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG)
Data/hora: 6/4/2011 – 21h50
Público/renda: 6.968 pessoas/R$33.925,00
Árbitro: Pathrice Wallace Correa Maia (RJ)
Auxiliares: Eduardo de Souza Couto (RJ) e Francisco Pereira de Souza (RJ)
Cartão amarelo: Leonardo Silva, Réver, Guilherme Santos (CAM)
Cartão vermelho: Leonardo Silva, Serginho (CAM) Douglas (GPR)

ATLÉTICO-MG: Renan Ribeiro; Rafael Cruz (Patric – intervalo), Réver, Leonardo Silva e Guilherme Santos; Serginho, Fillipe Soutto, Jackson e Renan Oliveira (Neto Berola – intervalo); Magno Alves e Ricardo Bueno (Mancini – 10′ do 2T). Técnico: Dorival Júnior.

GRÊMIO PRUDENTE: Márcio; Wanderson Cafu, Douglas, Edinei e Rai; Anderson Pedra, Daniel, Saldanha (Alceu – 28′ do 2T) e Elivélton (Rhayner – 23′ do 2T); Eraldo e Juan (Alex Maranhão – 11′ do 2T). Técnico: Márcio Goiano.

abril 7, 2011 Posted by | Atlético-MG | | Deixe um comentário

Botafogo bate Paraná e está classificado às oitavas

Loco Abreu marca dois gols, Caio mais um e equipe alvinegra vai enfrentar o Avaí na próxima fase da Copa do Brasil

O Botafogo recebeu o Paraná no Engenhão, na noite desta quarta-feira, pela partida de volta da segunda fase da Copa do Brasil. Com a vitória por 3 a 0, o time carioca – que já havia vencido o primeiro jogo por 2 a 1 – garantiu a classificação para as oitavas de final da competição.

Receba primeiro as notícias do Fogão no seu celular!

A dupla Herrera e Loco Abreu voltou a funcionar e, com os gringos do ataque, a equipe alvinegra chegou ao triunfo em casa. Agora, a equipe alvinegra enfrentará o Avaí na próxima fase.

Assista aos gols da vitória do Botafogo sobre o Paraná

PRESSÃO E GOL DE LOCO ABREU

Apesar da vantagem de se classificar com um empate sem gols, o Botafogo começou a partida indo ao ataque. Logo no primeiro minuto de bola rolando, Herrera rola para Bruno Tiago finalizar de primeira, mas a bola subiu demais e saiu por cima do travessão.

A equipe alvinegra continuou pressionando e, na maioria das vezes, utilizava as jogadas pela lateral direita. Aos dez minutos, os torcedores presentes ao Engenhão chegaram a ficar com o grito de “gol” preso na garganta. Após cobrança de falta ensaiada, o zagueiro Antônio Carlos ajeitou de cabeça para dentro da área e Herrera, sem marcação, bateu na saída do goleiro Thiago, mas mandou por cima do gol.

(Herrera se lamenta após perder gol no Engenhão – Crédito: Cleber Mendes)

Pouco efetivo no ataque, o Paraná fazia a bola girar, mas não chegava a assustar o goleiro Jefferson. Aos 27 minutos, Everton recebeu de Marcio Azevedo em profundidade na área e tocou na saída do goleiro: mais um tentativa que foi para fora. Porém, o gol não demorou a sair. Dois minutos depois, Herrera, que não vinha tendo uma boa atuação, foi à linha de fundo e cruzou para Loco Abreu abrir o placar de cabeça.

Pouco tempo após o gol, o Paraná conseguiu encaixar um bom contra-ataque e Diguinho chutou cruzado, mas Jefferson fez a defesa.

Assim , o primeiro tempo terminou com a vitória simples do Botafogo.

MAIS UM DE LOCO, E CAIO FECHA A CONTA

A equipe alvinegra voltou para a etapa final com Lucas no lugar de Bruno Tiago. Porém, o Paraná pareceu voltar mais empolgado e logo aos oito minutos quase chegou ao empate quando Dieguinho fez boa jogada pela direita e cruzou para Léo finalizar, mas Jefferson, à queima roupa, conseguiu fazer a defesa. A resposta do Botafogo não tardou e, no minuto seguinte, Herrera avançou e rolou para Loco Abreu, sozinho, completar e ampliar a vantagem: 2 a 0.

Aos 23 minutos, Everton conseguiu redefinir o que é perder um gol sem goleiro. O argentino Herrera avançou e deu um passe para o companheiro com o gol aberto, porém, o camisa 10 acertou o travessão.

Pouco tempo após o segundo gol, a dupla Loco Abre e Herrera deu espaço aos jovens Caio e Willian. Assim, o time de Caio Junior passou a apostar nas jogadas em velocidade. Mas sem muito sucesso.

Com o tempo se acabando, o Paraná partiu para o tudo ou nada e umas das principais armas da equipe tricolor eram os chutes de longa distância que não preocuparam o goleiro Jefferson.

Quando o placar já parecia definido, Caio sofreu pênalti. O próprio Talismã cobrou, aos 43 minutos, e deu números finais ao placar no Engenhão.

Com a vitória, o Botafogo está classificado para as oitavas de final da Copa do Brasil e vai enfrentar o Avaí.

FICHA TÉCNICA:
BOTAFOGO 3 X 0 PARANÁ

Estádio: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 6/4/2011 – 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Cléber Wellington Abade (SP)
Auxiliares: Vicente Romano Neto (SP) e João Nobre Chaves (SP)

Renda e público: R$75.645,00 / 4.962 pagantes
Cartões amarelos: Serginho (PAR)
Cartões vermelhos: Não houve
Gols: Loco Abreu, 29’/2ºT (1-0); Loco Abreu, 9’/2ºT (2-0); Caio, 43’/2ºT (3-0)_

BOTAFOGO: Jefferson, Alessandro, Antônio Carlos, João Filipe e Marcio Azevedo; Arévalo, Marcelo Mattos, Bruno (Lucas – Intervalo) e Everton; Herrera (Willian – 31’/2ºT) e Loco Abreu (Caio – 16’/2ºT). Técnico: Caio Junior

PARANÁ: Thiago Rodrigues, Paulo Henrique, Luciano Castán, Rodrigo Defendi e Lima; Serginho, Javier Méndez (Tainan – 36’/2ºT) , Douglas Packer (Vinícius – 29’/2ºT) e Diego; Kelvin e Léo (Renato – 24’/2ºT). Técnico: Ricardo Pinto.

abril 7, 2011 Posted by | Botafogo | | Deixe um comentário

Jaguares cumpre promessa de vingança e vence o Inter

Com gol de Hulk, time mexicano devolve derrota no jogo de ida e ainda evita classificação antecipada do Colorado

O Jaguares prometeu revanche e conseguiu. O time mexicano venceu o Internacional por 1 a 0, nesta quarta-feira, em Tuxtla Gutiérrez, e se vingou da goleada de 4 a 0 do jogo de ida. E, de quebra, ainda impediu que o Colorado garantisse vaga nas oitavas de final da Copa Santander Libertadores com antecedência.

SIMULADOR: Faça as suas apostas e veja quem avança na Libertadores

Apesar de jogar fora de casa, foi o Internacional que teve o domínio da posse de bola no primeiro tempo, tocando bem a mesma de pé em pé. Já o Jaguares, com uma postura recuada, apostava nos contra-ataques.

Com mais qualidade técnica, o Colorado, sempre que quis, acelerou o jogo, criando as melhores chances. Porém, mesmo dominando a etapa inicial, o Inter levou um enorme susto. Em chute de Andrade, Lauro acabou sendo encoberto. Mas, por capricho, a bola carimbou o travessão. Foi a primeira chance efetiva do time mexicano.

Perto do intervalo, o time colorado diminuiu o ritmo e, em um descuido da defesa, pricipalmente do lateral-esquerdo Kleber, o Jaguares assustou novamente. Torres pegou o corredor e avançou na área pelo lado direito, batendo cruzado para defesa de Lauro.

Assim que a bola voltou a rolar, o Inter foi castigado com um gol de Hulk. Mas não o atacante do Porto, campeão português esta semana. Nei perdeu a bola na defesa, Duran cruzou rasteiro e Salazar, apelidado de Hulk, recebeu na pequena área, girou em cima de Índio e balançou a rede.

O empate quase saiu no lance seguinte. Guiñazu desarmou na saída de bola, entrou na área e chutou fortemente. O goleiro espalmou e, no rebote, o argentino foi derrubado, mas o árbitro mandou seguir.

Foi a entrada de Andrezinho que deu esperança aos colorados. Isso porque o meia quase marcou duas vezes. Na primeira, ele quase fez o o gol que Andrade não fez. Mas, ao invés de a bola bater no travessão, ela foi espalmada para fora por Villaseñor. Depois, em cobrança de falta pela esquerda, Andrezinho obrigou o goleiro do Jaguares a outra ótima defesa.

Mas a noite não foi mesmo do Internacional, que, agora, vai para a última rodada com a obrigação de conseguir a vaga nas oitavas. O adversário é o Emelec, dia 19, no Beira-Rio.

FICHA TÉCNICA:
JAGUARES 1 X 0 INTERNACIONAL

Local: Estádio Victor Manuel Reyna, em Tuxtla Gutiérrez (MEX)
Data/hora: 6/4/11 – 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Wilmar Roldán
Auxiliares: Humberto Clavijo (COL) e Javier Camargo (COL)
Cartões amarelos: Bolatti, Leandro Damião (INT); Villaseñor (JAG)
Cartões vermelhos: não houve

GOL: Salazar, 9’/2T (1-0)

Jaguares: Villaseñor, Martínez, Flores, Razo, Durán; Zamora (Mansur, intervalo), Torres (Valdéz, 21’/2T), Ruiz, Andrade e Hernández (Salazar, intervalo); Rodríguez. Técnico: José Guadalupe Cruz.

Internacional: Lauro, Nei, Bolívar, Índio e Kleber; Bolatti (Wilson Matias, 30’/2T), Guiñazu, D’Alessandro e Oscar (Rafael Sobis, 13’/2T); Zé Roberto (Andrezinho, 24’/2T) e Leandro Damião. Técnico: Celso Roth.

abril 7, 2011 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário