Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Kleber brilha em seu clássico ‘favorito’ e Palmeiras bate o Santos

Verdão mantém escrita de dois anos, vence na Vila Belmiro e fica na liderança do Paulistão

Conhecido pelo apelido de Gladiador por seu estilo brigador dentro de campo, o atacante Kleber não foge de um clássico. E o seu favorito pelo Palmeiras é contra o Santos. Neste domingo, o camisa 30 brilhou e fez o gol da vitória do Verdão por 1 a 0 sobre o Peixe, na Vila Belmiro, que garante o Alviverde na liderança do Paulistão.

Desde sua volta, no meio do ano passado, este foi o primeiro clássico vencido pelo técnico Luiz Felipe Scolari. Curiosamente, o primeiro jogo do técnico do seu retorno foi justamente contra o Peixe. Mas foi o auxiliar-técnico, Murtosa, quem comandou o time na vitória por 2 a 1, no Pacaembu, pelo Brasileirão.

De quebra, o Verdão mateve uma escrita: não perde do rival há seis partida, quase três anos. Foram quatro vitória e dois empates nesta sequência.

O jogo deste domingo começou mais do que nervoso. De lado a lado, reclamações e faltas duras. Neymar levou um amarelo depois de entrada dura de Kleber, que acertou o rosto do atacante santista em um lance anterior.

Na parte das reclamações, o Santos saiu na frente. Reclamou de dois pênaltis não marcados e Neymar também não gostou da atitude dos palmeirenses.

– Não me estranhei com o Kleber, ele me deu uma cotovelada ali, mas é normal. Falei: “P***, Cicinho você está dando cotovelada, está de sacanagem?” Mas é do jogo – garantiu o atacante santista.

O Peixe foi melhor durante o primeiro tempo. Principalmente com a bola nos pés. Tocando bem a bola, conseguiu inverter bem o jogo e dificultar o trabalho da defesa palmeirense, a melhor do Paulistão até agora. Na melhor chance do time no primeiro tempo, Ganso desperdiçou cabeçada, dentro da pequena área, sem marcação.

Mesmo com dois meias, Lincoln e Patrik, o Verdão pouco conseguiu criar. Nitidamente postado no contra-ataque, o time também não conseguiu assustar muito o goleiro Rafael. Mas assustou, em chute de muito longe de Marcos Assunção, que pegou no travessão.

Na etepa final, o panorama da partida pouco mudou. O Santos com a bola e o Palmeiras buscando um contra-ataque. E o Verdão teve uma boa chance logo no começo, em falta cobrada por Marcos Assunção, que bateu na trave de Rafael.

E o equilíbrio continuou. Aos 16 minutos, Danilo marcou para o Santos, mas o árbitro Vinicius Furlan anulou por impedimento. Logo depois, foi a torcida palmeirense comemorar, mas não levar: Thiago Heleno fez, mas também estava fora de jogo.

O Peixe continuou melhor, mais consciente com a bola. O Palmeiras conseguiu fazer o que pretendia. Chegou em uma boa trama, que Rivaldo finalizou nas mãos de Rafael. Mas aos 33 minutos, não teve jeito: Patrik deu ótimo passe por cobertura para Kleber, que só tocou para as redes e fez seu ótimo gol no Paulistão. Nenhum rival paulista levou mais gols do Gladiador pelo Alviverde, já foram três.

Com a vantagem, o Alviverde aumentou ainda mais sua marcação. O Peixe, diferentemente do que fez no jogo, não conseguiu criar boas chances e não teve chances de empatar.

Agora, o Santos volta às suas atenções para a Copa Santander Libertadores. Na próxima quarta-feira o time enfrentará o Colo Colo (CHI), em duelo decisivo, precisando da vitória para manter suas chances de classsificação para as oitavas de final da competição.

O Verdão só voltará a jogar no próximo sábado, quando pegará o Grêmio Prudente, no Canindé.

FICHA TÉCNICA:
SANTOS 0 X 1 PALMEIRAS

Estádio: Vila Belmiro, Santos (SP)
Data/hora: 3/4/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Vinicius Furlan
Auxiliares: Giulliano Neri Colisse e Fabio Rogerio Baesteiro

Renda e público: R$ 447.102,00 / 10.719 pagantes
Cartões amarelos: Neymar, Durval e Elano (SAN); Danilo, Patrik, Kleber, Cicinho e Rivaldo (PAL)
Cartão vermelho:
GOLS: Kleber, 33’/2ºT (0-1)

SANTOS: Rafael, Pará (35’/2ºT – Felipe Anderson), Edu Dracena, Durval e Léo; Adriano, Danilo, Elano e Paulo Henrique Ganso; Neymar e Zé Eduardo (15’/2ºT – Keirrison). Técnico: Marcelo Martellote.

PALMEIRAS: Deola, Cicinho (40’/2ºT – Chico), Danilo, Thiago Heleno e Rivaldo; Márcio Araújo, Marcos Assunção, Patrik e Lincoln (21’/2ºT – João Vitor); Adriano (37’/1ºT – Luan) e Kleber. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

abril 3, 2011 Posted by | Palmeiras, Santos | | Deixe um comentário

Com show do maestro Felipe, Trem-Bala da Colina atropela o Bangu

Em grande dia de Felipe, o Vasco, que entrou em campo com sua nova terceira camisa, goleou o Bangu por 4 a 0, neste domingo, em São Januário. O maestro deu duas assistências para gols e ainda marcou o tento que sacramentou a vitória cruz-maltina nesta tarde.

Com a vitória, o Gigante da Colina voltou à liderança do Grupo A com 13 pontos e está com um pé nas semifinais da Taça Rio. O Bangu, com seis pontos, está mais distante da classificação.

Na próxima rodada, o Vasco pegará a desesperada Cabofriense, às 18h30, em São Januário. O time alvirrubro enfrentará o Nova Iguaçu, às 15h30, no Laranjão.

COM UM A MAIS, VASCO PRESSIONA E ABRE O PLACAR

No início da partida, os times se estudavam bastante e trocavam muitos passes sem objetividade. O primeiro lance de perigo do jogo aconteceu numa falha de Fernando Prass. Pipico, que voltava ao time do Bangu, cobrou falta de muito longe, o goleiro vascaíno não segurou firme e a bola bateu no travessão, na trave e saiu.

Depois do susto, o Vasco acordou. O time respondeu bem em quatro jogadas. Duas com Fellipe Bastos, que obrigou o goleiro a fazer uma difícil defesa e na chance seguinte colocou no canto do goleiro, mas a bola caprichosamente saiu pela linha de fundo. As outras oportunidades foram com Felipe. Arisco, em ambos os lances, o meia entrou driblando na área mas não finalizou bem.

Se o jogo começava a ficar complicado para o Bangu, ficou pior aos 19 minutos, quando Rafael foi expulso após receber o segundo amarelo ao dar uma cotovelada em Fellipe Bastos. Com a vantagem numérica, o Cruz-Maltino deu início à uma pressão incrível sobre o adversário.

Eder Luis, que ainda não tinha aparecido na partida, invadiu a área pela linha de fundo e rolou para Alecsandro chutar. O goleiro Thiago Leal espalmou e a bola sobrou para Diego Souza pegar o rebote. A redonda desviou na zaga e saiu. No lance seguinte, Felipe deixou Eder Luis na cara do gol, mas, mais uma vez, a bola não entrou. O atacante colocou com categoria no canto, o goleiro desviou com a ponta dos dedos, a bola bateu na trave e voltou para as mãos do arqueiro banguense.

O Bangu ainda tentou mostrar que estava vivo na partida, com um chute perigoso de Somália, de fora da área. Mas Eder Luis tratou de mostrar ao Alvirrubro quem tinha o domínio da partida. O camisa 7 fez fila na zaga do adversário, entrou na área, mas na hora de finalizar, chutou em cima do goleiro.

Aos 40 minutos, o Vasco transformou a superioridade em gol. Muito bem no jogo, Felipe lançou o zagueiro Dedé em posição legal, que dominou e, caindo, chutou no cantou de Thiago Leal. O zagueiro fez o caldeirão de São Januário ferver e ouviu das arquibancadas o grito de que é o melhor zagueiro do Brasil.

FELIPE DÁ SHOW E VASCO FAZ MAIS TRÊS GOLS

O Vasco não deixou o ritmo do primeiro tempo cair e logo aos 2 minutos do segundo tempo, aumentou a vantagem sobre o Bangu. O maestro Felipe deu nova assistência, dessa vez para Eder Luis, que encheu o pé direito e acertou o canto do goleiro alvirrubro: 2 a 0.

Aos 12 minutos, o técnico Ricardo Gomes colocou Leandro no lugar do autor do segundo gol da partida Eder Luis, que teve seu nome gritado pela torcida ao deixar o campo. Já as alterações de Marcão não surtiam efeito, e o Bangu, com um a menos desde os 19 da primeira etapa, errava muitos passes e não conseguia dar prosseguimento a uma jogada.

O jogo deu uma esfriada, e Ricardo Gomes colocou Bernardo no lugar de Diego Souza para tentar incendiar novamente a partida. E as alterções do treinador de novo fizeram efeito. Felipe lançou Bernardo em profundidade, o camisa 31 rolou para Alecsandro na saída do goleiro. O atacante vascaíno só teve o trabalho de empurrar para o fundo das redes, aos 24 minutos do segundo tempo.

Aos 29, o quarto gol do Vasco veio para coroar a grande atuação de Felipe, o nome do jogo. Foi dele o gol que decretou a vitória do Cruz-Maltino sobre o Bangu. O camisa 6 recebeu a bola na entrada da área e bateu colocado no cantinho, indefensável para o goleiro banguense.

A pressão continuou nos minutos finais da partida. Leandro, Ramon e Bernardo ainda tiveram suas chances de aumentar, mas o goleiro Thiago Leal teve de fazer boas defesas para não deixar o Vasco chegar ao quinto gol. O juiz apitou o fim de jogo e ficou nisso. Quatro a zero para o Vasco.

FICHA TÉCNICA:
VASCO 4 X 0 BANGU

Estádio: São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 3/4/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Eduardo Cordeiro Guimarães (RJ)
Auxiliares: Flavio Manoel da Silva (RJ) e Sergio Waldman (RJ)
Cartões Vermelhos: Rafael (19’/1ºT)
Gols: Dedé 1-0 (40’/1ºT), Eder Luis 2-0 (2’/2ºT), Alecsandro 3-0 (24’/2ºT) e Felipe 4-0 (29’/2ºT)
Renda/Público: R$ 200.470/ 16.330 presentes e 12.797 pagantes

VASCO: Fernando Prass, Allan, Dedé, Anderson Martins e Ramon, Fellipe Bastos (Jumar 28’/2ºT), Rômulo, Felipe e Diego Souza (Bernardo 21’/2ºT); Eder Luis (Leandro 12’/2ºT) e Alecsandro. Técnico: Ricardo Gomes

BANGU: Thiago Leal, Gedeilson, Abílio, Diego Padilha e fabiano; Rafael, Josiel, Tiano ( Possato – intervalo) e Ricardinho (Thiago Galhardo 24’/1ºT); Somália e Pipico (esquerdinha 22’/2ºT). Técnico: Marcão

abril 3, 2011 Posted by | Vasco da Gama | , | Deixe um comentário

Travado, Corinthians fica apenas no 0 a 0 com o Botafogo-SP

Ausências de Dentinho e Jorge Henrique atrapalharam a vida do Timão em Ribeirão Preto

Parece que o Corinthians ainda não se recuperou do baque sofrido pelo Majestoso do último domingo, quando perdeu para o rival São Paulo (2 a 1). Sem criatividade, o Corinthians esbarrou na boa defesa do Botafogo-SP e empatou em 0 a 0, na noite deste domingo, jogando no Estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto.

Seja o primeiro a saber as notícias do Timão!

O Timão é apenas o terceiro colocado com 35 pontos e se distancia dos rivais São Paulo (37 pontos e uma vitória a mais) e Palmeiras (38), o líder do Campeonato Paulista.

Já o Botafogo continua com o sinal amarelo na tabela. A equipe do técnico Argel está fora da zona de rebaixamento, em 14º, mas a apenas dois pontos do Linense, primeiro clube na situação de degola.

PLÁSTICO, MAS INEFICIENTE

Sem Dentinho, Alessandro e Jorge Henrique, todos suspensos, o Corinthians entrou em campo com Willian, Moradei e Ramírez, apostando na velocidade dos “novos” homens de frente.

Logo no começo da partida, um lance plástico: Liedson deu o ar da graça com uma bonita bicicleta na área. A bola, no entanto, passou à esquerda do goleiro Júlio César.

Em seguida, o Timão chegou com perigo de novo, desta vez em contra-ataque. Willian foi acionado na esquerda e cruzou para Morais cabecear, dentro da pequena área, para fora.

Aos 30 minutos, o momento mais incisivo: Chicão cobrou falta para fora e o árbitro Leonardo Ferreira Lima mandou voltar, alegando que a barreira se adiantou. Na segunda cobrança, o zagueirão corintiano deixou a responsabilidade para Fábio Santos, que carimbou o travessão do Pantera.

O Botafogo, sem chances por baixo, apostou suas fichas nas bolas paradas. A cargo dos laterais Dida e Andrezinho, o Pantera assustou por quatro vezes pelo alto. Em uma delas, o time da casa até marcou um gol, aos 17 minutos, mas a jogada foi irregular: Gabriel e Leandro Carvalho chegaram com o pé alto.

No começo da segunda etapa, o Corinthians sabia que precisava se manter próximo aos líderes, os rivais Palmeiras e São Paulo, e, para isso, teria que intensificar suas investidas ao ataque. Willian, o Seiya de “Cavaleiros do Zodíaco”, chutou de fora da área e acordou o Timão de novo na partida.

Mas foi a partir da entrada do meia Bruno César, já negociado com o Benfica (POR), no lugar de um sumido Ramírez que o Corinthians voltou a levar perigo. Em seu primeiro lance no jogo, Bruno César foi lançado por Willian e, no mano a mano com o zagueiro, abriu espaço para chutar em cima de Júlio César.

Aos 36, o meia-armador mostrou que pode fazer falta ao Timão a partir do meio do ano, quando deixa a equipe e se transfere para a equipe portuguesa. Bruno César recebeu na área, cortou e finalizou para defesa do goleiro do Pantera.

A entrada do camisa 17 pode ter instigado o Timão a marcar o gol da vitória, que ficou mais ofensivo, mas, se ressentindo das ausências de Dentinho e Jorge Henrique, o Corinthians pareceu “travado”, sem criatividade e não furou o bloqueio do Botafogo.

Na próxima rodada, a antepenúltima da primeira fase do Campeonato Paulista, o Timão recebe o São Caetano no Pacaembu, no domingo. Um dia antes, o Pantera de Ribeirão Preto visita o Mogi Mirim, para tentar se safar do rebaixamento.

FICHA TÉCNICA:
BOTAFOGO 0X0 CORINTHIANS

Estádio: Santa Cruz, Ribeirão Preto (SP)
Data/hora: 3/4/2011 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Leonardo Ferreira Lima (SP)
Auxiliares: Luiz Quirino da Costa (SP) e Marcio Luiz Augusto (SP)

Renda/público: R$ 614.140,00 / 15.446 pagantes
Cartões amarelos: Rodrigo Soares, Gabriel (BOT); Leandro Castán, Julio Cesar, Moradei (COR)
Cartões vermelhos: –
GOLS: –

BOTAFOGO: Júlio César; Dida, Demerson, Gabriel e Andrezinho (Chicão, 15’/2ºT); Leandro Carvalho, Rodrigo Soares, João Victor e João Henrique (Moacir, 23’/2ºT); Anselmo e Assisinho. Técnico: Argel Fucks.

CORINTHIANS: Julio Cesar, Moradei, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Morais e Ramírez (Bruno César, 25’/2ºT); Willian (Edno, 35’/2ºT) e Liedson. Técnico: Tite.

abril 3, 2011 Posted by | Corinthians | , | Deixe um comentário

Lucas resolve e São Paulo vence o Mirassol

Golaço do meia aos 26 minutos da primeira etapa garante a vitória ao Tricolor: 1 a 0

Lucas marcou e o Tricolor venceu. Parece reedição de outras partidas, mas, no reencontro de Rogério Ceni com a Arena Barueri, onde marcou seu 100º gol uma semana antes, o São Paulo venceu o Mirassol por 1 a 0, com golaço de Lucas na tarde deste domingo.

A vitória magra só não dá a liderança ao Tricolor porque o Palmeiras venceu o Santos na Vila Belmiro (1 a 0). Mas a vice-liderança está assegurada não importando o resultado de Botafogo-SP e Corinthians, que jogam às 18h30, em Ribeirão Preto. É que o Tricolor tem uma vitória a mais e, assim, não pode ser superado pelo Timão.

Seja o primeiro a saber as notícias do São Paulo!

O Mirassol, que ainda não venceu contra os grandes paulistas na competição (perdera para Palmeiras (1 a 0), Corinthians (3 a 2) e Santos (3 a 0)), perdeu oportunidade de carimbar a classificação para a segunda fase do Campeonato Paulista. A equipe de amarelo continua em 6º (segue precisando de um pouco para garantir-se).

BARUERI: A CIDADE DAS PLACAS

Antes da partida, Rogério Ceni foi homenageado com uma placa comemorativa referente ao feito (100º gol) no jogo contra o Corinthians, no último domingo. Mas, dessa vez, quem mereceu as honras foi Lucas, autor de um golaço.

O meia escapou de Magal aos 26 minutos, driblou mais dois marcadores e o goleiro Fernando Silva antes de tocar para a rede do Mirassol. Que golaço na Arena Barueri! Vem mais placa por aí!

Mas o dia não era só flores para o lado do Tricolor. Antes do tento de Lucas, o São Paulo pouco chegara ao gol de Fernando Silva (o goleiro Fernando Leal, um dos destaques do Mirassol, não jogou, suspenso). É que os dois times demoraram a engatar a primeira marcha.

Do lado do time do interior, pouca ousadia para penetrar na área tricolor. Já o São Paulo também não atravessava tarde inspirada. A não ser, claro, por Lucas, que se apresentou o tempo todo como boa opção pelo lado direito. Sem a sombra de um Everton Sena (volante que marcou o meia tricolor de forma implacável na derrota para o Santa Cruz, na última quarta-feia) por perto, Lucas teve liberdade, mas não viu a mesma disposição por parte dos companheiros no primeiro tempo de jogo.

Depois do gol, o Tricolor se retraiu no campo de defesa, acomodado. Foi a chance que o Mirassol precisava para atacar. E, aos 43, Samuel chutou torto e Wellington Amorim ajeitou com estilo antes de acertar a trave direita de Rogério Ceni. Susto na Arena Barueri!

Na segunda etapa, o Leão da Araraquarense, enfim, proporcionou a primeira intervenção de Rogério na partida, após chute de Xuxa. Aos dois minutos do segundo tempo!

Em seguida, o Tricolor entrou na área como quis, esbanjando categoria, mas a tabela de Fernandinho e Juan por pouco não terminou em bola na rede.

Se o time não mostrava tanta vocação ofensiva, Fernandinho passou a se apresentar como uma opção mais interessante pela esquerda. Pelos pés dele, explorando a linha de fundo, Jean recebeu livre antes de perder gol na cara de Fernando Silva, aos 8 minutos. Cinco minutos depois, o camisa 12 rolou para Casemiro tirar tinta da trave.

Aos 20 minutos, foi a vez de Renato Peixe errar e Willian, livre, tocar a trave adversária.

Só que o Mirassol respondeu: Wellington Amorim, aos 14, e Diego, aos 17, mostraram que o Leão da Araraquarense não estava morto e queria o gol de empate. Aos 34, Marcelinho quase marcou. A pressão do time de amarelo culminou em bate-rebate na área aos 41, que Dezinho desperdiçou chance após rebote de Rogério dentro da área.

Mas o Tricolor suportou as investidas do Leão da Araraquarense e pode respirar aliviado. Ufa! Foi a 12ª vitória tricolor na competição, mais uma vez com show de Lucas.

O São Paulo agora duela com o Noroeste, no estádio Dr. Alfredo de Castilho, em Bauru, no próximo domingo. Já o Mirassol tenta assegurar a classificação contra o Ituano, no estádio José de Campos Maria Maia, no sábado.

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO 1X0 MIRASSOL

Estádio: Arena Barueri, Barueri (SP)
Data/hora: 3/4/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Paulo Cesar de Oliveira (SP)
Auxiliares: Vicente Romano Neto (SP) e Alex Alexandrino (SP)
Renda/público: R$ 122.941,00 / 5.912 pagantes
Cartões amarelos: Lucas, Carlinhos (SPO); Jairo (MIR)
Cartões vermelhos: Não houve
GOL: Lucas, 26’/1ºT (1-0)

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Xandão, Alex Silva, Miranda e Juan; Casemiro, Jean, Carlinhos Paraíba e Lucas; Fernandinho (Henrique, 40’/2ºT) e Willian (Rivaldo, 24’/2ºT). Técnico: Paulo César Carpegiani

MIRASSOL: Fernando Silva; Samuel (Fabinho Capixaba, 28’/2ºT), Leandro Almeida, Dezinho e Renato Peixe (Marcelinho, 28’/2ºT); Jairo, Otacílio (Reinaldo Alagoano, 38’/2ºT), Magal, Diego e Xuxa; Wellington Amorin. Técnico: Ivan Baitelo

abril 3, 2011 Posted by | São Paulo | | Deixe um comentário

Botafogo joga mal e apenas empata com o Resende

Visitantes abrem o placar com Rogério e Glorioso empata com Antônio Carlos na segunda etapa

O retorno do atacante Loco Abreu não trouxe muita inspiração ao Botafogo. Após primeiro tempo completamente apagado, no qual saiu atrás, o Glorioso não saiu do empate na noite deste domingo, diante do Resende, no Engenhão. Quem não gostou da igualdade por 1 a 1 no placar foi a torcida, que vaiou bastante. Rogério, para o time do interior do estado, e o alvinegro Antônio Carlos marcaram.

Resende domina o jogo e marca no fim

No primeiro tempo, o que se viu foi o domínio do Resende, que teve algumas oportunidades de marcar. Faltas em excesso dos dois lados também dificultavam as ações e cada erro de passe do Botafogo liquidava a paciência da torcida. O volante Somália foi o primeiro a receber sonoras vaias após lançamento errado para o ataque.

O Resende, que nada tinha a ver com isso, tratou de atacar. Aos 36, após falha de Márcio Rozário, Marcelo Régis passou da bola,mas mesmo assim conseguiu chutar. Se não fosse Jefferson, que tratou de crescer para cima do atacante e fechar o ângulo, o placar já teria sido aberto.

Receba primeiro as notícias do Fogão no seu celular!

Pouco depois, foi a vez de Alexandro perder a melhor chance da primeira etapa. Após cruzamento da esquerda, o atacante tinha o trabalho só de empurrar a bola para o gol, que nem goleiro tinha mais. Porém, ele não conseguiu encostar na bola.

Mas o gol dos visitantes, melhores em campo, não demorou a sair. Aos 44, o zagueiro Rogério subiu mais do que todo mundo após cobrança de escanteio e colocou o Resende merecidamente na frente.

Botafogo volta melhor, cria, mas consegue só o empate

A conversa com Caio Junior nos vestiários parece ter surtido efeito. Pelo menos em partes. O Botafogo voltou do intervalo menos sonolento e comandou as ações no ataque. A entrada de Bruno Tiago, além de melhorar muito o meio, deslocou Somália para a lateral direita. O camisa 7 produziu bastante.

Em sua primeira boa jogada, aos 15, ele colocou a bola na cabeça de Loco Abreu. O uruguaio cabeceou livre, mas esbarrou na ótima defesa do goleiro Eduardo, bem ligado no lance. Pouco depois, após mais uma trama do lateral/volante, a bola sobrou para Marcelo Mattos dentro da área. Mattos improvisou um voleio e a bola acabou acertando o travessão. Quase!

Mas o Resende não estava morto e, com vantagem no placar, passou a explorar os contra-ataques. Em um deles, Marcel e Alexandro tabelaram e o primeiro bateu cruzado. A bola passou por Jefferson e saiu caprichosamente pela linha de fundo.

Logo depois, Caio Junior resolveu partir para cima. Com Caio no lugar de Rodrigo Mancha a partir dos 26 minutos, ele abriu o time em busca do empate. Em resposta ao técnico do Bota, Paulo Campos fechou completamente sua equipe. Dois minutos após a entrada do talismã no Glorioso, ele colocou o zagueiro Ramon no lugar do atacante Marcelo Régis.

O Resende não teve tempo de reorganizar seu esquema defensivo. Um minuto após a entrada de Ramon, o Botafogo empatou depois de cobrança de falta da intermediária com o zagueiro Antônio Carlos, de cabeça.

A igualdade no placar animou o Glorioso, que passou a buscar a vitória na velocidade. Mesmo com o time mais recuado após a entrada de Arévalo no lugar de Everton, o time não desanimou e, aos 37, quase o segundo. Após mais uma jogada de Somália, Bruno Tiago cabeceou, o goleiro Eduardo fez grande defesa e, na volta, Caio tentou meia bicicleta, que raspou o travessão.

As tentativas não tiveram sucesso e o jogo terminou mesmo empatado. Com um ponto a mais, o Botafogo se mantém como vice-líder do Grupo B da Taça Rio, com 12 pontos, atrás do Olaria, que tem 13. Já o Resende, chega aos oito e mantém a quinta colocação da chave A.

FICHA TÉCNICA:
BOTAFOGO 1 X 1 RESENDE

Estádio: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 3/4/2011 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Wágner dos Santos Rosa (RJ)
Auxiliares: João Luiz de Albuquerque (RJ) e Andréa Izaura de Sá (RJ)
Cartões amarelos: Alessandro e Márcio Azevedo (BOT); Léo Silva (RES)
Renda e público: R$ 61.015,00 / 3.434 pagantes / 4.733 presentes

GOLS: Rogério, 44’/1ºT (0-1); Antônio Carlos, 30’/2ºT (1-1)

BOTAFOGO: Jefferson, Alessandro (Bruno Tiago, intervalo), Antônio Carlos, Márcio Rosário e Marcio Azevedo; Rodrigo Mancha (Caio, 26’/2ºT), Marcelo Mattos, Somália e Everton (Arévalo, 33’/2°T). Herrera e Loco Abreu. Técnico: Caio Junior.

RESENDE: Eduardo, Thiago Bastos, Rogério, Anderson e Jefferson; Gabriel, Leo Silva, Marcel (Léo, 36’/2ºT) e Valdeir; Alexandro (Elias, 36’/2ºT) e Marcelo Régis (Ramon, 28’/2ºT). Técnico: Paulo Campos.

abril 3, 2011 Posted by | Botafogo | | Deixe um comentário

‘Neymarzinho’ mostra serviço e Grêmio vence

Vitória faz Tricolor dividir a liderança do Grupo 2

Seis jogos com a camisa do Grêmio e cinco gols. Neste domingo, o garoto Leandro mais uma vez justificou a preferência do técnico Renato Gaúcho, que pela primeira vez o escalou como titular no time principal em um duelo realizado no Estádio Olímpico. Foi dele o gol que abriu o placar na vitória por 2 a 1 sobre o Veranópolis. O resultado levou o Grêmio aos 12 pontos, dividindo a liderança do Grupo 2 com o Cruzeiro (venceu o ex-líder Santa Cruz, que parou nos 11 pontos). O outro gol gremista foi de Borges. O VEC descontou com Renan.

O Grêmio começou fazendo pressão e marcando o Veranópolis no campo do rival, o que fez o time visitante mal conseguir sair da sua defesa nos primeiros cinco minutos. Acuado, o VEC precisou fazer muitas faltas para evitar a blitz inicial do Grêmio: foram seis em seis minutos. Não por acaso, logo de cara o volante Sananduva já tinha levado um cartão amarelo. Mas o time gremista era muito econômico nos arremates. E isso foi determinante para o Tricolor sair para o intervalo amargando o 0 a 0 contra um rival nitidamente inferior. Para se ter ideia: somente duas finalizações, de Rochemback e do zagueiro Rodolfo, aos 23 e 28 minutos, ofereceram perigo ao gol de Luiz Müller.

– Ou jogamos pelas laterais, onde estão os espaços, ou não ganhamos este jogo. Pelo meio está embolado demais – disse o volante Fabio Rochemback na saída para o intervalo

Renato manteve a escalação dos 45 minutos iniciais , mas fez uma alteração importante: deixou Borges mais centralizado no ataque e pediu para Leandro flutuar pelos flancos, procurando buscar o jogo. O Veranópolis percebeu que começava a perder espaços, o que fez o treinador Dal Pozzo realizar duas mudanças antes dos 12 minutos. Mas não teve jeito. Aos 13, após uma cobrança de falta de Rochemback, a bola desviou na barreira e sobrou para Leandro. Desmarcado, a revelação gremista bateu e abriu o placar.

O Veranópolis se abriu. Aos 16 quase saiu o segundo gol gremista. Leandro tocou para Douglas perder grande chance pois ocorreu um desvio. No escanteio, Rafael Marques concluiu e a bola passou raspando.

Leandro seguiu atazanando a defesa do Veranópolis, que perdeu a cabeça de vez aos 21 minutos. Num ataque, o garoto chegou atrasado na bola e atingiu Luiz Muller. A falta foi marcada e o atacante levou o amarelo. Mas o goleiro Luiz Müller, revoltado, revidou a falta com uma agressão e acabou levando o cartão vermelho ao camisa 1 do VEC.

– Leandro me pisou maldosamente e as imagens vão mostrar. Só olharam um lado – resmungou o goleiro.

O segundo gol era questão de tempo e ele acabou saindo aos 38 minutos. Pessali, que havia acabado de entrar, aproveitou um cochilo da marcação de Sananduva, que acabou comentendo um pênalti infantil. Borges cobrou, o goleiro reserva Rodrigo Rocha defendeu parcialmente, mas o mesmo Borges pegou o rebote e marcou.

Nos acréscimos, aos 48, Renan cobrou uma falta do meio da rua, mas Victor foi muito mal na bola e o Veranópolis conseguiu diminuir.

FICHA TÉCNICA:
GRÊMIO 2X1 VERANÓPOLIS

Local: Olímpico, em Porto Alegre (RS)
Data/hora: 3/4/11 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Anderson Daronco,
Auxiliares: José Franco Filho e Rafael da Silva Alves
Cartões amarelos: Rafael Marques (GRE); Sananduva, Naves (VEC)
cartões vermelhos: Luiz Müller, aos 21′ 2ºT (VEC)

GOL: Leandro, 13’/2T (1-0); Borges, pên, 38’/2T (2-0); Renan, 48′ 2T (2-1)

GRÊMIO: Victor; Gabriel, Rafael Marques, Rodolfo e Bruno Collaço; Fábio Rochemback, Willian Magrão (Passale, 36’/2T) , Lúcio (Diego Clementino, 40’/2T) e Douglas (Carlos Alberto, 29’/2T); Leandro e Borges. Técnico: Renato

VERANÓPOLIS: Luiz Müller; Fininho, Anderson Bill, Juliano e Fred; Sananduva, Naves, Alê (Rodrigo Rocha, 28’/2T) e Raullen; Luiz Carlos Bahia (Edinho, 11’/2T) e Fábio Oliveira (Renan, 9’/2T) Técnico: Gilmar Dal Pozzo.

Público: 9943 pagantes (12047 presentes)
Renda: R$ 153.916,00

abril 3, 2011 Posted by | Grêmio | | Deixe um comentário

Inter empata com Lajeadense e adia classificação

Leandro Damião e Ramos marcaram os gols da partida, que foi disputada no Estádio Florestal, que teve superlotação

O Internacional perdeu a chance de assegurar antecipadamente a classificação para as quartas-de-final do Gauchão ao apenas empatar em 1 a 1 com o Lajeadense, neste sábado, no Estádio Florestal, em Lajeado. Damião e Ramos foram os autores dos gols. O estádio em Lajeado teve superlotação.

Nos primeiros minutos da partida, o Inter, por pouco, não foi surpreendido com gol. Paulo Rangel recebeu com liberdade após escorregão do zagueiro Rodrigo. O atacante chutou rasteiro, mas ao lado do gol, desperdiçando ótima chance.

Antes de outras jogadas de perigo, Bolatti levou uma batida no rosto, não gostou e revidou. Quando a bola parou, foi outro argentino, D’Alessandro, que cobrou veementemente uma atitude do áribitro Fabrício Neves Correa.

Após a confusão, o Inter balançou a rede. A bola sobrou na frente da grande área e Leandro Damião matou no peito, deixando dois marcados para trás. Ao se livrar do goleiro, o atacante chutou de esquerda. A bola ainda bateu na trave antes de morrer no fundo da rede.

O desempenho colorado caiu e, ao não aproveitar as chances que teve, o time de Celso Roth foi castigado. Depois de Saleti salvar em cima da linha o que seria o segundo gol de Damião, Marquinhos cobrou falta para a área. A defesa do Inter bobeou e Ramos completou de cabeça.

Depois do intervalo, o Inter não conseguiu se impor, principalmente nas chegadas ao ataque e nas finalizações. E ainda viu Oscar receber uma pancada forte no quadril e deixar o campo chorando, precisando ser carregado para o vestiário. Preocupação colorada.

Percebendo que poderia ser mais ousado, o Lajeadense foi para o ataque. Paulo Rangel chutou da entrada da área buscando o canto esquerdo, mas a bola saiu pela linha de fundo em ótima chegada.

Sem gols para os dois lados, o que mais chamou a atenção foi a torcida do time da casa que não parou de reclamar do argentino D’Alessandro, que, constantemente, chamou a responsabilidade para si, reclamando até mesmo do trio de arbitragem.

Agora, o Inter viaja para o México, onde enfrenta o Jaguares, quarta-feira, e só retorna a Porto Alegre na sexta-feira, dois dias antes da última rodada da primeira fase Campeonato Gaúcho.

FICHA TÉCNICA:

LAJEADENSE 1 X 1 INTERNACIONAL

Local: Estádio Florestal, em Lajeado (RS)
Data/hora: 2/4/11 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Fabrício Neves Corrêa
Auxiliares: Alexandre Kleiniche e Carlos Henrique Selbach
Cartões amarelos: Daniel, D’Alessandro (INT); Tiago Saletti, Bindé (LAJ)
cartões vermelhos:

GOLS: Leandro Damião, 13’/1T (0-1); Ramos, 38’/1T (1-1)

LAJEADENSE: Fernando, Bindé, Tiago Saletti, Gabriel e Baroni; Rudiero, Ramos, William (Serginho, 33’/2T) e Marquinhos (Bruninho, intervalo); Ronaldo Capixaba (Maicon, 23’/2T) e Paulo Rangel. Técnico: Benhur Pereira.

INTER: Lauro, Daniel, Bolívar, Rodrigo e Juan; Bolatti, Wilson Matias, Oscar (Andrezinho, 18’/2T), D’Alessandro e Zé Roberto (Sobis, 27’/2T); Leandro Damião. Técnico: Celso Roth.

abril 3, 2011 Posted by | Internacional | Deixe um comentário

Atlético-MG vence e vira o vice-líder do Mineiro

Após superar o Democrata-GV, Galo está muito próximo de garantir a sua presença nas semifinais da competição

Não foi fácil, mas o Atlético-MG superou o Democrata, penúltimo colocado no Campeonato Mineiro, por 3 a 1, neste domingo, no Mamudão, em Governador Valdares e assumiu a vice-liderança da competição.

Com a vitória, Atlético foi aos 20 pontos e precisa de apenas mais um ponto para se garantir nas semifinais da competição. Já o Democrata segue na penúltima posição do Mineiro-2011, com apenas quatro pontos.

Próximos jogos:

Pela Copa do Brasil, o Atlético volta à campo nesta quarta-feira, para enfrentar o Grêmio Prudente. Já pelo Mineiro, no próximo domingo (10), o Galo enfrenta a Caldense, fora de casa, no Estádio Ronaldão, às 16h. Já o Democrata enfrenta o América-MG, no mesmo dia e horário e também fora dos seus domínios. O confronto será na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas.

O jogo:

O Democrata começou a partida com uma boa marcação e uma postura ofensiva. Amilton, Vander e Fernandão deram certo trabalho à marcação do Atlético, que tinha dificuldades para deixar o seu campo de defesa. No entanto, bastou o Galo trabalhar a bola para o seu jogo fluir com naturalidade, uma vez que o Democrata se mostrou nervoso em campo. Com menos de dez minutos, Vander e Fernandão já haviam sido amarelados.

Galo na frente:

Após esfriar o ímpeto da Pantera, o Atlético mostrou a sua superioridade. Aos dez minutos, Renan Oliveira – agora sem a companhia do experiente Ricardinho – deu passe preciso para Magno Alves finalizar na saída de Vilar, que nada pode fazer. Atlético 1 a 0 em Valadares.

A partir do gol atleticano, o confronto ficou mais aberto. Aos 17 minutos, Fillipe Soutto fez lançamento milimétrico para Renan Oliveira finalizar de primeira. Por muito pouco não veio o segundo do Galo. Já aos 19, o estreante Guilherme Santos arriscou finalização de longe.

Mas a Pantera estava viva em campo. Aos 24 minutos Vander deixou Amilton cara a cara com Amilton que finalizou sem força e Renan Ribeiro fez a defesa e garantiu a tranquilidade para o Atlético seguir atacando. Aos 29 minutos, Magno Alves cobrou falta e Vilar fez grande defesa. Dois minutos depois foi a vez de Jackson desperdiçar boa oportunidade de gol.

Melhor em campo, não tardou para o Atlético ampliar. Aos 35 minutos, Serginho cobrou falta e após Magno Alves cabecear e Vilar proporcionar o rebote, o zagueiro e capitão Réver só teve o trabalho de completar. Atlético 2 a 0.

Pantera reage:

A tranquilidade dos comandados de Dorival Júnior durou pouco. Assim como nas onze partidas anteriores, o Galo voltou a sofrer ao menos um gol. Aos 40 minutos, Cláudio cobrou falta e após desvio de Silvio, Renan Ribeiro deu rebote e Fernandão completou. Democrata 1 x 2 Atlético.

Segundo tempo:

As duas equipes voltaram para a segunda etapa com as mesmas escalações e com a mesma disposição do primeiro tempo. Aos seis minutos, Fernandão recebeu na direita da defesa do Atlético e tentou o passe ao invés de finalizar. No minuto seguinte veio a resposta do Galo: Fillipe Souto cobrou falta e a bola passou muito próxima ao gol de Renan Ribeiro.

Toma lá dá cá:

A partida seguia aberta e com chances para as duas equipes. Aos 15 minutos, após cobrança de falta, Silvio – de ombro – quase empatou para o Democrata. Renan Oliveira, atrasado, nada poderia fazer. No minuto seguinte vieram os dois milagres de ‘São Vilar’. Primeiro veio a finalização do estreante Guilherme e a grande defesa do camisa 1 da Pantera e no rebote, nova defesa de Vilar em cabeçada de Neto Berola.

Expulsão e gol de Neto Berola:

O equilíbrio que exista em campo se desfez após a expulsão do zagueiro Marden, do Democrata. Após cometer falta em Renan Oliveira, o camisa 5 da Pantera, que já tinha o cartão amarelo, deixou a partida. Pouco depois, aos 33 minutos, Neto Berola sofreu pênalti de Ely Tadeu. O próprio camisa 17 cobrou e marcou. Atlético 3 a 1.

Renan Oliveira ainda desperdiçaria grande oportunidade após passe de Magno Alves, aos 41 minutos. Sorte que o gol perdido não fez falta e a vitória foi do Atlético.

FICHA TÉCNICA:
DEMOCRATA-GV 1 X 3 ATLÉTICO-MG

Local: Estádio Mamudão, Governador Valdares (MG)
Data/Hora: 3/4/2011 às 18h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Emérson de Almeida Ferreira (MG)
Auxiliares: Pablo Almeida Costa (MG) e Breno Rodrigues (MG)
Renda/Público: Não divulgados.

Cartões amarelos: Vander, Fernandão, Marden, Renê, Serginho, Ernani e Ely Tadeu (DEM); Magno Alves, Fillipe Soutto, Renan Oliveira, Patrick e Neto Berola (ATL)
Cartões vermelhos: Marden (DEM), aos 22’2T.

Gols: Magno Alves, aos 10’1T(0-1); Réver, aos 35’1T(0-2); Fernandão, aos 40’1T(1-2) e Neto Berola, aos 33’2T(1-3).

DEMOCRATA-GV: Vilar, Lúcio, Marden e Silvio; Cláudio, Rogério, Renê (Ely Tadeu, aos 18’2T), Vander (Serginho, aos 35’2T) e Ernani; Amilton e Fernandão (Adriano, aos 34’2T). Técnico: José Maria Pena.

ATLÉTICO-MG: Renan Ribeiro, Rafael Cruz (Patrick, aos 25’2T), Réver, Leonardo Silva e Guilherme Santos; Fillipe Soutto (Wendel, aos 29’2T), Serginho, Renan Oliveira e Jackson; Magno Alves e Ricardo Bueno (Neto Berola, aos 12’2T). Técnico: Dorival Júnior.

abril 3, 2011 Posted by | Atlético-MG | Deixe um comentário

Botafogo joga mal e apenas empata com o Resende

Visitantes abrem o placar com Rogério e Glorioso empata com Antônio Carlos na segunda etapa

O retorno do atacante Loco Abreu não trouxe muita inspiração ao Botafogo. Após primeiro tempo completamente apagado, no qual saiu atrás, o Glorioso não saiu do empate na noite deste domingo, diante do Resende, no Engenhão. Quem não gostou da igualdade por 1 a 1 no placar foi a torcida, que vaiou bastante. Rogério, para o time do interior do estado, e o alvinegro Antônio Carlos marcaram.

Resende domina o jogo e marca no fim

No primeiro tempo, o que se viu foi o domínio do Resende, que teve algumas oportunidades de marcar. Faltas em excesso dos dois lados também dificultavam as ações e cada erro de passe do Botafogo liquidava a paciência da torcida. O volante Somália foi o primeiro a receber sonoras vaias após lançamento errado para o ataque.

O Resende, que nada tinha a ver com isso, tratou de atacar. Aos 36, após falha de Márcio Rozário, Marcelo Régis passou da bola,mas mesmo assim conseguiu chutar. Se não fosse Jefferson, que tratou de crescer para cima do atacante e fechar o ângulo, o placar já teria sido aberto.

Receba primeiro as notícias do Fogão no seu celular!

Pouco depois, foi a vez de Alexandro perder a melhor chance da primeira etapa. Após cruzamento da esquerda, o atacante tinha o trabalho só de empurrar a bola para o gol, que nem goleiro tinha mais. Porém, ele não conseguiu encostar na bola.

Mas o gol dos visitantes, melhores em campo, não demorou a sair. Aos 44, o zagueiro Rogério subiu mais do que todo mundo após cobrança de escanteio e colocou o Resende merecidamente na frente.

Botafogo volta melhor, cria, mas consegue só o empate

A conversa com Caio Junior nos vestiários parece ter surtido efeito. Pelo menos em partes. O Botafogo voltou do intervalo menos sonolento e comandou as ações no ataque. A entrada de Bruno Tiago, além de melhorar muito o meio, deslocou Somália para a lateral direita. O camisa 7 produziu bastante.

Em sua primeira boa jogada, aos 15, ele colocou a bola na cabeça de Loco Abreu. O uruguaio cabeceou livre, mas esbarrou na ótima defesa do goleiro Eduardo, bem ligado no lance. Pouco depois, após mais uma trama do lateral/volante, a bola sobrou para Marcelo Mattos dentro da área. Mattos improvisou um voleio e a bola acabou acertando o travessão. Quase!

Mas o Resende não estava morto e, com vantagem no placar, passou a explorar os contra-ataques. Em um deles, Marcel e Alexandro tabelaram e o primeiro bateu cruzado. A bola passou por Jefferson e saiu caprichosamente pela linha de fundo.

Logo depois, Caio Junior resolveu partir para cima. Com Caio no lugar de Rodrigo Mancha a partir dos 26 minutos, ele abriu o time em busca do empate. Em resposta ao técnico do Bota, Paulo Campos fechou completamente sua equipe. Dois minutos após a entrada do talismã no Glorioso, ele colocou o zagueiro Ramon no lugar do atacante Marcelo Régis.

O Resende não teve tempo de reorganizar seu esquema defensivo. Um minuto após a entrada de Ramon, o Botafogo empatou depois de cobrança de falta da intermediária com o zagueiro Antônio Carlos, de cabeça.

A igualdade no placar animou o Glorioso, que passou a buscar a vitória na velocidade. Mesmo com o time mais recuado após a entrada de Arévalo no lugar de Everton, o time não desanimou e, aos 37, quase o segundo. Após mais uma jogada de Somália, Bruno Tiago cabeceou, o goleiro Eduardo fez grande defesa e, na volta, Caio tentou meia bicicleta, que raspou o travessão.

As tentativas não tiveram sucesso e o jogo terminou mesmo empatado. Com um ponto a mais, o Botafogo se mantém como vice-líder do Grupo B da Taça Rio, com 12 pontos, atrás do Olaria, que tem 13. Já o Resende, chega aos oito e mantém a quinta colocação da chave A.

FICHA TÉCNICA:
BOTAFOGO 1 X 1 RESENDE

Estádio: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 3/4/2011 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Wágner dos Santos Rosa (RJ)
Auxiliares: João Luiz de Albuquerque (RJ) e Andréa Izaura de Sá (RJ)
Cartões amarelos: Alessandro e Márcio Azevedo (BOT); Léo Silva (RES)
Renda e público: R$ 61.015,00 / 3.434 pagantes / 4.733 presentes

GOLS: Rogério, 44’/1ºT (0-1); Antônio Carlos, 30’/2ºT (1-1)

BOTAFOGO: Jefferson, Alessandro (Bruno Tiago, intervalo), Antônio Carlos, Márcio Rosário e Marcio Azevedo; Rodrigo Mancha (Caio, 26’/2ºT), Marcelo Mattos, Somália e Everton (Arévalo, 33’/2°T). Herrera e Loco Abreu. Técnico: Caio Junior.

RESENDE: Eduardo, Thiago Bastos, Rogério, Anderson e Jefferson; Gabriel, Leo Silva, Marcel (Léo, 36’/2ºT) e Valdeir; Alexandro (Elias, 36’/2ºT) e Marcelo Régis (Ramon, 28’/2ºT). Técnico: Paulo Campos.

abril 3, 2011 Posted by | Botafogo | | Deixe um comentário