Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Thiago Heleno faz dois, Verdão goleia e dorme líder

Curtindo dia de artilheiro, zagueiro marca dois gols na vitória do Palmeiras por 3 a 0 sobre o Bragantino

O Palmeiras jogava mal e não vivia um dia inspirado. Sem Valdivia ao seu lado, Kleber também pouco fez para salvar o Verdão. O dia acabou sendo de… Thiago Heleno! Com dois gols do zagueiro-artilheiro, o Palmeiras goleou o Bragantino por 3 a 0, na noite deste sábado, jogando no Canindé, assegurou classificação para a próxima fase do Paulista e chegou à liderança. João Vítor marcou o terceiro gol.

A vitória dá ao Verdão a primeira posição até a partida do Corinthians, que, neste domingo, encara o São Paulo na Arena Barueri, às 16h.

Já o Bragantino se mantém na 11ª colocação, mas pode perder o posto para o Botafogo (que joga neste domingo contra o Linense) e para o Americana (que encara o São Bernardo).

VERDÃO MARCA RAPIDAMENTE E RECUA

Jogando no estádio do Canindé numa tentativa de atrair a torcida e lotar a casa (mais de 10 mil torcedores compareceram à partida), o Verdão entrou em campo com uma zaga ‘diferente’. Danilo, suspenso, deu lugar a Leandro Amaro, que atuou ao lado de Thiago Heleno.

E foi justamente Heleno quem põs fogo na partida logo a 2 minutos de jogo. O camisa 4 cobrou falta com violência e marcou o primeiro gol da partida.

O lance escancarou o nervosismo do time de Bragança Paulista, que passou a cometer muitas faltas na sequência. O mais exaltado era o zagueiro Everaldo. Depois de tomar o cartão amarelo e cometer mais duas faltas em seguida, o técnico Marcelo Veiga realizou uma substituição precoce e preservou o atleta, em vias de ser expulso na partida.

Sem criatividade para assustar o Braga de novo, o Palmeiras, a exemplo do rival, foi precoce, mas em outro aspecto. A equipe de Felipão se posicionou para aproveitar os contra-ataques e passou a jogar defensivamente ainda na segunda metade do primeiro tempo.

Muito acuado, como o próprio treinador diagnosticou, o Verdão viu o Bragantino se lançar à frente e arriscar bons lances. Cristian, aos 30, Carlinhos, aos 31 e aos 41 e Léo Jaime, aos 35, deram trabalho ao goleiro Deola.

Em um última tentativa de ataque na primeira etapa, o Verdão avançou em bela troca de passes aos 39 minutos. Depois do corta-luz de Lincoln, Kleber tentou ajeitar para trás, mas a zaga afastou. Na sobra, Chico soltou a bomba, a bola desviou e foi para fora.

Na segunda etapa, o Verdão não mudou, mas passou a se apoiar nas jogadas de Cicinho para chegar ao ataque.

Se o Palmeiras tinha Cicinho pelo lado direito, o lado esquerdo passou a ser suprido a partir da entrada de Luan, no lugar de um apagado Adriano Michael Jackson – que não marca desde os 5 a 1 da vitória sobre o Comercial-PI, na Copa do Brasil.

Com o camisa 21, o time de verde, renovado, bem que emplacou algumas jogadas pelos lados do campo. Na melhor delas, Luan serviu Kléber, que, em posição irregular, tirou tinta da trave direita de Gilvan.

Sem grandes lances na segunda etapa, sobrou para o juiz Magno de Sousa Lima Neto protagonizar lance bizarro. O árbitro se posicionou na meia-lua em cobrança ensaiada do Bragantino e atrapalhou a jogada da equipe, que buscava o empate.

Sem repetir as boas atuações que teve até aqui, o Palmeiras chegou ao segundo gol usando a bola aérea. O herói, de novo, foi Thiago Heleno. O camisa 4 aproveitou cobrança de falta de Lincoln e marcou seu segundo gol na partida, e o segundo do Verdão, aos 35 minutos.

Seis minutos depois, o gran finale alviverde, Patrik dividiu na área e a bola sobrou livre para o novato João Vítor, que marcou seu primeiro gol com a camisa do Verdão e o terceiro e derradeiro tento da partida deste sábado.

Contando com trapalhadas do árbitro e dois gols de um zagueiro, o dia não poderia terminar mais atípico para o Verdão. 3 a 0 e, de quebra, liderança do Paulista até este domingo.

Na próxima rodada, o Palmeiras tem o clássico contra o Santos pela frente, no domingo. Já o Braga recebe a Ponte Preta no mesmo dia.

FICHA TÉCNICA:
PALMEIRAS 3X0 BRAGANTINO

Estádio: Canindé, São Paulo (SP)
Data/hora: 26/3/2011- às 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Magno de Sousa Lima Neto
Auxiliares: João Edilson de Andrade e Claudenir Donizeti Gonçalves da Silva
Renda/público: R$ 272.631,00 / 10.460 pagantes
Cartões amarelos: Cicinho, Rivaldo, Patrik (PAL); Everaldo, Cristian, Júnior Lopes, Carlinhos (BRA)
Cartões vermelhos: Não houve
GOLS: Thiago Heleno, 2’/1ºT (1-0); Thiago Heleno, 35’/2ºT (2-0); João Vítor, 41’/2ºT (3-0)

PALMEIRAS: Deola, Cicinho (João Vítor, 24’/2ºT), Leandro Amaro, Thiago Heleno e Rivaldo; Márcio Araújo, Chico, Patrik e Lincoln; Kleber (Mauricio Ramos, 38’/2ºT) e Adriano (Luan, 13’/2ºT). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

BRAGANTINO: Gilvan; Murilo, Carlinhos e Everaldo (Júnior Lopes, 22’/1ºT); Nêgo, Éder, Marcos Aurélio (Fabricio Carvalho, 35’/2ºT), Cristian (Paulo Roberto, 13’/2ºT) e Rodriguinho; Marcelinho e Léo Jaime. Técnico: Marcelo Veiga.

março 26, 2011 Posted by | Palmeiras | , | Deixe um comentário

Inter empata com São Luiz na volta de D’ale no Gauchão

Meia argentino retorna aos gramados mas não impede resultado ruim

A volta de D’alessandro não foi como o torcedor queria. Em uma tarde chuvosa, o Inter não saiu do 0 a 0 com o São Luiz com um a menos, e perdeu chance de se isolar na liderança do grupo 1. Com o empate, o Colorado chega a nove pontos e pode ser ultrapassado pelo Lajeadense, que joga neste domingo com o Ypiranga, no Estádio Florestal, e tem sete pontos. Já o time de Ijuí ganhou duas posições e agora é terceiro na chave 1, com seis pontos.

Receba primeiro pelo celular as notícias do Colorado!

As primeiras impressões do jogo para a torcida não foram boas. O Inter iniciou com a mesma formação de cinco jogadores no meio-campo, mas em um ritmo lento. O São Luiz, pelo contrário, começou em alta voltagem. Aos dois minutos, Baiano roubou bola e tocou em Nicolas. O atacante encontrou Sharlei no meio da área, e o centroavante parou em grande defesa de Lauro. A resposta colorada chegaria apenas dez minutos depois, em mais um gol perdido por Cavenaghi dentro da área.

Focado, o time de Ijuí marcava com 10 jogadores atrás da linha da bola, o que complicou bastante as ações do Inter. Como os laterais não passavam – Kleber ficou mais preso, e Nei era bloqueado com frequência, o jogo ficou engessado pelo meio. De boa atuação, Oscar assustou em dois chutes de fora da área. Andrezinho também tentou em falta, assim como Xaro também obrigou Lauro a trabalhar.

Além dos lançamentos às costas da zaga, o Colorado se mostrou viciado em Leandro Damião. Isso mesmo. Kleber, em diversas oportunidades, levantou bola na intermediária, como se o centroavante estivesse em Porto Alegre e não em Londres. Bem no final do primeiro tempo, ainda que não criasse chances claras, o Inter ganhou um presente: Márcio Chagas advertiu Daril com o segundo amarelo, e expulsou o volante.

No intervalo, Celso Roth promoveu a volta tão esperada de D’alessandro. O argentino substituiu Andrezinho, assim como Rafael Sobis entrou no lugar de Zé Roberto. A tão aclamada dupla de Cabezón com Oscar estava em campo, e começou muito bem. Com intensa movimentação, os meias participavam de todas as jogadas ofensivas coloradas.

Depois de muito tempo, um lance que agitou a tarde e carimbou a volta de D’alessandro. Alex fez boa jogada pela direita e achou o argentino na intermediária. Com um toque, levantou a bola, e no movimento seguinte, bateu no gol. A bola explodiu no travessão, tocou nas costas de Vanderlei, e depois Alex cabeceou para fora. Em seguida, Cavenaghi abusou e desperdiçou de letra.

A pressão seguiu até os instantes finais do duelo. Com um a menos, o São Luiz apenas se defendia, sem nenhuma pretensão de atacar. Até Sharlei, o centroavante, ajudava atrás. Já nos acréscimos, Alex perdeu a última oportunidade, de dentro da pequena área, após cruzamento de Oscar.

FICHA TÉCNICA:

INTER 0 X 0 SÃO LUIZ

Data/hora: 26/03, às 16h

Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre

Árbitro: Márcio Chagas, auxiliado por João Lúcio Júnior e Marcelo Oliveira e Silva

Gols:

Cartões amarelo: Danilo, Daril, Carlos(SL) Nei(I)

Cartões vermelhos: Daril

Público pagante: 4.407

Público total: 5.396

Renda: R$ 52.250

Inter: Lauro; Nei, Índio, Rodrigo e Kleber; Wilson Matias(Alex 29’/2ºT), Guiñazu, Andrezinho(D’alessandro, Intervalo), Oscar e Zé Roberto(Rafael Sobis, Intervalo); Leandro Damião. Técnico: Celso Roth.

São Luiz: Vanderlei; Danilo(Bronzatti 32’/2ºT), Jésum, Neguetti e Xáro; Daril, Glauber, Baiano e Alexandre; Nícolas(Carlos, Intervalo) e Sharlei. Técnico Paulo Porto

março 26, 2011 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário

Em jogo fraco, Botafogo e Boavista não saem do zero


Glorioso esbarra na falta de criatividade. De um camarote, Caio Junior dá instruções a interino e vê que terá muito trabalho

Um verdadeiro marasmo. Assim podemos definir o confronto entre Boavista e o desmantelado Botafogo, que com 10 desfalques teve atuação fraca. O empate sem gols, foi com certeza o resultado mais justo para a partida deste sábado, no Moacyrzão. Como o Olaria venceu o Nova Iguacu, o Glorioso perdeu a primeira colocação para o time azul e branco.

O JOGO

O início do duelo foi muito truncado no meio de campo, mas aos poucos as jogadas de ataque foram saindo. O volante Júlio César errou um passe bobo, dando no pé de Somália. O volante bateu de fora da área e caprichosamente a bola não entrou, passando pertinho da trave. André Luís responderia em bela jogada individual em cima de Marcio Azevedo, mas na finalização, acabou desperdiçando, chutando para fora.

Com a parada técnica habitual aos 20 minutos, o Botafogo acertou o posicionamento e passou a mandar no jogo. Somália cruzou após bom passe de Alessandro, mas nenhum jogador alvinegro finalizou. O Glorioso apostou na velocidade de Caio, que conseguia fazer boas jogadas, mas pecava na hora de arrematar. O apoiador Fabrício, sentindo o fato de não iniciar uma partida há mais de um ano, não conseguiu criar boas oportunidades para o ataque, mas Somália, mesmo esbarrando em suas limitações, demonstrava muito empenho e ajudou o companheiro na criação. No fim da primeira parte do jogo, Caio fez belo lance, após roubada de bola de Fabrício, invadiu a área e foi derrubado por Joílson. No entanto, o árbitro não marcou. O lance foi duvidoso. Logo depois, o atacante alvinegro Willian ainda teria boa chance, não fosse um impedimento mal marcado pelo bandeirinha.

SEGUNDO TEMPO SONOLENTO

Na segunda etapa, o Botafogo parecia que encontraria facilidades na defesa do Boavista, mas apesar do esforço de alguns jogadores, sobretudo Somália e Caio, o time esbarrou em sua falta de criatividade. Pela equipe de Saquarema, o ex-rubro-negro Erick Flores também não ajudou muito e acabou substituído. O mesmo ocorreu com Willian e Fabrício, que pela primeira vez começou um jogo pelo Alvinegro. O novato Jairo e o lateral-esquerdo de origem Guilherme entraram, este último jogando como apoiador.

Em um camarote do Moacyrzão, o novo técnico Caio Junior passou instruções durante o jogo para o preparador de goleiros Flávio Tenius, que interinamente, comandou o time à beira do campo. Todavia, o segundo tempo só foi interessante nos últimos 10 minutos, quando as duas equipes acordaram, após um jogo que se arrastou devido a pouca atitude de ambos o times.

Sempre com Somália e Caio, o Botafogo chegou criou mais uma vez. O volante assumiu o papel de armador e colocou o Talismã mano a mano com o zagueiro. O camisa 9 passou por dois marcadores em bela jogada individual e bateu, mas Thiago fez grande defesa e impediu um golaço. O Glorioso ainda reclamou um pênalti de Gustavo, que teria usado a mão para tirar uma bola, mas não houve intenção do zagueiro do Boavista. O placar óbvio acabou acontecendo. Renan ainda faria algumas intervenções antes do término, mas o 0 a 0 era iminente. É… Caio Junior observou e deve ter constatado que terá muito trabalho pela frente.

FICHA TÉCNICA:
BOAVISTA 0 X 0 BOTAFOGO

Estádio: Claudio Moacyr, Macaé (RJ)
Data/hora: 26/3/2011 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: William Marcelo de Souza Nery (RJ)
Auxiliares: Ralph Coutinho Carneiro (RJ) e Ricardo Nogueira da Silva (RJ)
Renda/Público pagantes: R$ 18.870,00 /2.108
Gols:
Cartões Amarelos: Antônio Carlos, Fahel(BOT); André Luís, Paulo Rodrigues, Gustavo(BOA)
Cartõs Vermelhos: Não houve.

BOAVISTA: Thiago, Éverton Silva, Gustavo , Bruno Costa e Paulo Rodrigues (Roberto Lopes, 24/2°T); Júlio César, Joílson, Leandro Chaves (Raphael Augusto, 31’/2°T) e Erick Flores (Fábio Fidélis, 12/2°T); Frontini e Andre Luís. Técnico: Alfredo Sampaio.

BOTAFOGO: Renan; Alessandro, Antônio Carlos, Márcio Rosário e Marcio Azevedo; Fahel, Marcelo Mattos, Somália e Fabrício (Guilherme, 21’/2°T); Caio (Cidinho, 41’/2°T) e Willian (Jairo, 20’/2°T). Técnico: Flávio Tênius (Interino)

março 26, 2011 Posted by | Botafogo | , | Deixe um comentário

Vasco bate Sporting e é o primeiro campeão mundial de futebol de areia


Com apoio da torcida e diante do presidente Roberto Dinamite, o time cruz-maltino vence a final na manhã deste sábado por 4 a 2, de virada

Sol, torcida apoiando, o presidente do clube, Roberto Dinamite, prestigiando. Num cenário perfeito, o Vasco conquistou o título do I Mundialito de Clubes de Futebol de Areia ao bater o Sporting por 4 a 2, na final disputada na arena montada na Represa de Guarapiranga, em São Paulo.
– Diziam que éramos favoritos, mas não começamos bem o campeonato. Fomos subindo de produção nas fases finais até conquistarmos o título contra o Sporting, que é uma grande equipe – analisou Betinho.
Mas o início foi complicado para o time da Colina. Com apenas 27 segundos de bola rolando, Leghissa cobrou falta do campo de defesa e Fernando DDI desviou: 1 a 0 Sporting. O gol deixou os jogadores do Vasco nervosos, Jorginho reclamou e levou cartão amarelo.
Mas aos poucos o time cruz-maltino colocou a cabeça no lugar e chegou à virada ainda no primeiro tempo. A quatro minutos do fim da etapa, Bruno Xavier empatou batendo no ângulo. Rafinha, pegando rebote do goleiro Paulo Graça a pouco mais de dois minutos do encerramento, fez o segundo.

Betinho disputa a bola com Belchior durante a decisão do Mundialito (Foto: Deco Pires / Divulgação)
O forte calor na manhã deste sábado em São Paulo fez com que os jogadores se poupassem. Poucas chances de gol foram criadas nos 12 minutos do segundo tempo e o placar de 2 a 1 para o Vasco não foi alterado.
No terceiro tempo, o Vasco sacramentou a vitória. Faltando 8m30s, Rafinha levantou para o uruguaio Pampero, de cabeça, encobrir o goleiro Graça e fazer um bonito gol. Um minuto depois, numa falta na entrada da área, Belchior diminuiu para o Sporting: 3 a 2.
Confiante na vitória, a torcida do Vasco começou a gritar olé a cinco minutos do fim da partida. Restando 1m45s, Belchior assustou ao acertar a trave do goleiro Salgueiro, mas no ataque seguinte Jorginho deixou Betinho na cara do gol para marcar o quarto e escrever o nome do Vasco na história como o primeiro campeão mundial de futebol de areia.
Pampero é eleito o craque do Mundialito
Após a final, a organização entregou os prêmios individuais da competição: o potiguar André (Flamengo) foi o ‘Artilheiro’ com 15 gols, o português Graça, do Sporting, recebeu o troféu de ‘Melhor Goleiro’ e o uruguaio Pampero, do Vasco, foi eleito o ‘Melhor Jogador’ do campeonato.

março 26, 2011 Posted by | Vasco da Gama | | Deixe um comentário