Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

TREM-BALA DA COLINA PASSA POR CIMA DO BOTAFOGO


Diego Souza estreia com gol, e Vasco vence Botafogo

Na estreia de Diego Souza, o Vasco venceu o Botafogo por 2 a 0, e chegou à liderança do Grupo A da Taça Rio. O próprio Diego Souza e Eder Luis foram os autores dos gols, que só saíram no segundo tempo. O Vasco tem agora nove pontos, mesma pontuação do Boavista. No entanto, o Cruz-Maltino leva vantagem no número de gols marcados.

O JOGO
O primeiro lance de perigo dos vascaínos aconteceu aos dois minutos: Felipe cobrou falta da direita, Jéfferson saiu mal do gol, e Eder Luis cabeceou para fora. Pouco depois, o Vasco esteve perto de marcar: Bernardo deu um lindo passe em profundidade para Eder Luis, que chutou, mas Jéfferson fechou bem o ângulo e defendeu.

Na jogada seguinte, foi a vez do Botafogo assustar: o volante Arévalo Rios chutou de longe, e a bola passou perto a trave esquerda de Fernando Prass. O Vasco voltou a criar uma oportunidade aos 22 minutos, quando Eduardo Costa chutou torto, e Diego Souza se atirou na bola para desviar, mas a bola passou à direita da trave.

Ainda no primeiro tempo, o goleiro alvinegro teve que trabalhar. Jéfferson apareceu bem em pelo menos duas oportunidades. A primeira foi aos 34, quando o vascaíno Jéferson tocou para Eder Luis, que tocou com categoria, mas o arqueiro do Botafogo fez ótima defesa. Depois, Bernardo cobrou escanteio da esquerda, Anderson Martins desviou de cabeça na primeira trave, mas novamente Jéfferson defendeu no reflexo. No rebote, Dedé quase completou para o gol, mas Arévalo cortou na hora certa.

Aos 37, o Bota teve um gol anulado. Abreu cabeceou para dentro da grande área, Herrera recebeu na frente e tocou na saída de Fernando Prass. No entanto, o assistente Jackson Lourenço dos Santos marcou impedimento. No finzinho da primeira etapa, os vascaínos reclamaram de pênalti sobre Eder Luis, em jogada com Márcio Rosário. A infração não foi marcada, e o vascaíno saiu de campo, no intervalo, reclamando da rispidez do árbitro assistente, quando cobrado pela jogada.

VASCO MELHORA E MARCA
A segunda etapa começou morna, com os dois times arriscando pouco. O Botafogo tentava em chutes de fora da área, com Lucas e Somália. Fernando Prass apareceu bem nas duas ocasiões. Com a mesma ideia, o vascaíno Bernardo também chutou de média distância, mas Jéfferson defendeu com tranquilidade.

O Vasco era a equipe mais perigosa nos primeiros minutos, e conseguiu chegar ao gol aos 14 minutos. Bernardo, ainda no campo
de defesa, lançou para Diego Souza. O estreante ganhou de João Filipe e Márcio Rosário, driblou o goleiro Jéfferson e tocou para as redes, para fazer seu primeiro gol com a camisa vascaína.

A partir daí, o Botafogo não conseguiu mais produzir como antes. Rodrigo Mancha e João Filipe levaram amarelos em sequência. E o Vasco se aproveitou disso: aos 25, Bernardo cobrou escanteio da direita e, após um desvio, Eder Luis emendou de meia-bicicleta, fazendo um golaço. Na comemoração, os jogadores fizeram o ‘trenzinho’, simbolizando o ‘Trem-Bala da Colina’.

O resultado só não foi mais dilatado porque Jéfferson voltou a intervir bem, em uma finalização de Diego Souza, que bateu cruzado para boa defesa do goleiro. Minutos mais tarde, o Botafogo perdeu o técnico Joel Santana, que já vinha sendo hostilizado pela torcida. Ele foi expulso pelo árbitro Péricles Bassols, atitude que foi aplaudida pela torcida.

Em campo, Somália ainda perdeu uma boa chance aos 40 minutos. Pelo lado do Vasco, Felipe saiu na cara de Jéfferson, mas bateu em cima do goleiro. Mesmo assim, a vitória e a festa já eram do Vasco. O ‘Trem-Bala da Colina’ parece ter entrado nos trilhos.

FICHA TÉCNICA
VASCO 2X0 BOTAFOGO
Data/horário: 20/3/2011 – 18h30min
Local: Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ)
Renda e público: R$ 724.360,00 / 26.520 pagantes
Árbitro: Péricles Bassols Cortez (RJ)

Vasco: Fernando Prass; Allan, Dedé, Anderson Martins e Ramon; Eduardo Costa, Rômulo, Felipe e Diego Souza; Bernardo e Eder Luis (Leandro, 29’/2ºT). Técnico: Ricardo Gomes.
Botafogo: Jéfferson; Lucas (Caio, 16’/2ºT), João Filipe, Márcio Rosário e Marcio Azevedo (Marcelo Mattos, 16’/2ºT); Rodrigo Mancha, Arévalo, Somália e Everton (Alex, 29’/2ºT); Abreu e Herrera. Técnico: Joel Santana.

Gols:
Diego Souza (14’/2ºT) (1-0), Eder Luis (25’/2ºT) (2-0)

Cartões amarelos:
Vasco – Eduardo Costa, Diego Souza, Bernardo, Ramon e Leandro.
Botafogo – Abreu, Rodrigo Mancha, Everton, João Filipe e Herrera.

março 20, 2011 Posted by | Botafogo, Vasco da Gama | | Deixe um comentário

Reservas do Grêmio vencem duelo em gramado sintético

Time de Renato Gaúcho derrotou facilmente o Porto Alegre

Jogando com os reservas, com exceção do goleiro Victor, o Grêmio não teve dificuldades para vencer o Porto Alegre, por 3 a 0 neste domingo, pela terceira rodada do Segundo Turno do Gauchão.

Receba primeiro as notícias do Grêmio no seu celular!

Com o resultado, o time de Ranato Gaúcho se recuperou da derrota para o Cruzeiro e marcou os primeiros três pontos no turno. O Grêmio é o quarto colocadodo Grupo 2 da competição. O Santa Cruz lidera com sete pontos. O próximo compromisso do Tricolor é o Grenal, só que o Inter é o de Santa Maria, quinta-feira, às 19h30, no Olímpico. Já o Porto Alegre visita o Pelotas, no mesmo dia, mas às 20h.

No gramado sintético do Estádio Passo D’Areia, o Grêmio começou com tudo. Logo aos quatro minutos o Tricolor saiu na frente com um golaço do argentino Escudero. O meia-atacante pegou de primeira o cruzamento de Mithyuê e a bola foi no ângulo.

Mesmo com as dificuldades impostas pelo gramado, o Grêmio manteve o ritmo e aos 27 ampliou. Júnio Viçosa mostrou oportunismo ao escorar de cabeça a bola que veio dos pés de Pessali. Festa da torcida gremista, que foi maioria esmagadora no estádio.

O placar poderia ter sido ampliado ainda no fim do primeiro tempo, quando Escudero perdeu um gol feito. O argentino recebeu dentro da área, mas parou em uma bela defesa do goleiro Giovani.

Na etapa final, o Grêmio continuou controlando as ações. Mas sem a mesma agressividade ofensiva do primeiro tempo.

Somente no fim a emoção reapareceu. Aos 45 minutos, Vinícius Pacheco recebeu de Leandro, driblou o goleiro e sacramentou a vitória tricolor.

Resultados da rodada deste domingo do Gauchão-2011:

Veranópolis 2 x 2 Pelotas
Porto Alegre 0 x 3 Grêmio
18h30 – Lajeadense x Caxias
19h30 – São Luiz x São José

março 20, 2011 Posted by | Grêmio | | Deixe um comentário

Liedson faz a sua parte e Corinthians bate o Americana

Atacante retorna ao time com gol e Timão se isola na segunda colocação do Paulistão

E o Levezinho voltou… Depois de desfalcar o Corinthians na semana passada (vitória por 3 a 2 sobre o Mirassol), Liedson retornou ao time neste domingo e marcou o gol da vitória do Timão por 1 a 0 sobre o Americana, no Pacaembu. Triunfo que isolou o Alvinegro na segunda colocação do Paulistão.

O Timão entrou em campo com uma camisa com detalhes em homenagem ao Japão, devastado por um terremoto e um tsunami há quase dez dias. Os jogadores entraram com uma bandeira do país.

O Corinthians pelo menos se distanciou um pouco dos rivais Palmeiras e Santos, que não venceram na rodada. O Verdão ficou no 1 a 1 com o São Caetano e o Peixe perdeu para o Bragantino, por 2 a 1, ambos fora de suas casas.

O torcedor que não não pôde acompanhar o primeiro tempo da partida, não perdeu muito. O Americana até começou bem, criou duas chances de gol, mas não conseguiu ser efetivo.

O Timão aproveitou a fragilidade do adversário e marcou. Aos 9 minutos, Paulinho chutou de fora da área, o goleiro Jaílson espalmou para frente e Liedson abriu o placar. Este foi o oitavo gol do Levezinho no Pacaembu desde a sua volta ao clube, no começo desta temporada. O atacante é o artilheiro do Paulistão, ao lado de Elano, do Santos, com nove gols.

Com a vantagem no placar, o Corinthians se acomodou. “Cozinhou” o jogo e quase não teve chances para fazer o segundo. O Americana, que no começo do Paulistão chegou a figurar entre os líderes, também não fez nada digno de nota.

No segundo tempo, o Timão melhorou. Foi para cima e, antes dos 20 minutos, criou quatro boas chances de ampliar o placar. Na melhor delas, Paulinho pegou um rebote em escanteio, emendou um voleio e a bola passou perto do gol de Jaílson.

A pressão inicial diminuiu, mas o Alvinegro continuou muito melhor. O Americana, mesmo em desvantagem, e tentando voltar a se aproximar do G8, quase não chegou e não criou nenhuma boa chance de empatar.

As duas equipes voltam a campo na próxima quarta-feira. O Corinthians encara o Oeste, mais uma vez no Pacaembu. Já o Americana viajará até Mirassol para encarar o time da casa.

FICHA TÉCNICA:

CORINTHIANS 1 X 0 AMERICANA

Estádio: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 20/03/2011 – 16h
Árbitro: Cleber Wellington Abade
Auxiliares: Rogerio Pablos Zanardo e Fausto Augusto Viana Moretti

Renda e público: R$ 530.979,00 /16.673 pagantes
Cartões amarelos: Morais (COR); Jackson e Jorge Luiz (AME)
Cartão vermelho:
GOLS: Liedson, 9’/1ºT (1-0)

CORINTHIANS: Julio Cesar, Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Morais (39’/2ºT – Danilo) e Bruno César (26’/2ºT – Ramírez); Dentinho (35’/2ºT – Willian) e Liedson. Técnico: Tite.

AMERICANA: Jaílson, Júlio César (39’/2ºT – Carlinhos), Jorge Luís e Thiago Gomes; Luiz Felipe, Léo Silva, Jackson, Sandro (25’/2ºT – Rafinha) e Magal; Fumagalli e Lúcio Flávio (25’/2ºT – John). Técnico: Toninho Cecílio.

março 20, 2011 Posted by | Corinthians | | Deixe um comentário

Em jogo amarrado, São Paulo espanta zebra e segue líder

Equipes marcam bem, mas Henrique sai do banco e faz o gol da vitória tricolor, que deixa o lanterna ainda mais no desespero

O São Paulo conseguiu furar a forte defesa do Grêmio Prudente e, com gol salvador de Henrique, se manteve na liderança do Campeonato Paulista ao vencer o lanterna por 1 a 0, em Presidente Prudente, neste domingo. Mas o jogo foi mais equilibrado do que se esperava e quase acabou sem gols. Esta foi a quarta vitória seguida do Tricolor, que completou o oitavo jogo sem derrotas.

Para manter a liderança mesmo jogando longe de casa, o Tricolor contou com a segurança dos seus três zagueiros titulares. Após uma fase de testes nos últimos dois jogos, imposta pelo técnico Paulo César Carpegiani, Rhodolfo, Alex Silva e Miranda voltavam a atuar juntos. Por outro lado, o Grêmio Prudente, apesar de ser lanterna, não jogou fechado e tentou surpreender o líder.

Nem parecia que estavam em campo o líder e o lanterna. O domínio natural são-paulino não foi absoluto. Apesar de algumas chances a mais de gol, também levou sustos. O maior foi uma arrancada de Saldanha, que colocou Eraldo na frente de Rogério Ceni. O chute, sem direção, explicou o mau momento prudentino.

Já o São Paulo teve dificuldades para furar a defesa, mas nem por isso foi menos perigoso. Lucas acertou a trave em uma das tentativas.

O segundo tempo seguiu no mesmo tom do primeiro. O domínio foi são-paulino, mas o Prudente não abdicou do ataque. No entanto, os três zagueiros do Tricolor conseguiram conter os avanços do time da casa, que conseguiu finalizar só em lances isolados, ou quando a bola rebatieu e sobrou para os atacantes.

O São Paulo também esbarrou na defesa, assim como na arbitragem. Juan invadiu a área e foi derrubado claramente por Saldanha, mas Marcelo Rogério mandou seguir, para a irritação do lateral.

A liderança estava em jogo e Henrique, que acabara de entrar, manteve o São Paulo na ponta. Marlos fez grandes pela esquerda, tocou rasteiro para o meio, onde estava Henrique, que só tirou do alcance de Márcio: 1 a 0.

Depois do gol tricolor, o Prudente foi com mais intensidade ao ataque, mas não conseguiu diminuir. O São Paulo, nos contra-ataques, perdeu duas grandes de aumentar, mas garantiu, por mais uma rodada, a liderança.

Agora na próxima rodada o São Paulo vai até Jundiaí enfrentar o Paulista, na próxima quarta-feira, às 21h50. Já o Grêmio Prudente voltará a jogar pelo Paulistão no mesmo dia, fora de casa contra o Noroeste.

FICHA TÉCNICA:
GRÊMIO PRUDENTE 0 X 1 SÃO PAULO

Estádio: Eduardo José Farah (Prudentão) Presidente Prudente (SP)
Data/hora: 20/1/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Marcelo Rogério (SP)
Auxiliares: Herman Brumel Vani (SP) e Renata Ruel Xavier de Brito (SP)

Público: 10.948 pagantes
Cartões amarelos: Douglas, César Santiago, Saldanha, Anderson Pedra e Alex Maranhão (Grêmio Prudente); Lucas e Rhodolfo (São Paulo)
Cartões vermelhos: Não houve
GOLS: Henrique, 29’/2ºT (0-1)

GRÊMIO PRUDENTE: Márcio; Angelo, Douglas, Edinei e Jadílson (Matheus, 37’/2ºT); Anderson Pedra, César Santiago (Adriano Silva, 30’/2ºT), Saldanha e Alex Maranhão; Rhayner e Eraldo (Léo, 16’/2ºT). Técnico: Fábio Giuntini

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Rhodolfo, Alex Silva e Miranda; Jean, Casemiro (Henrique, 26’/2ºT), Carlinhos Paraíba, Lucas e Juan (Junior César, 41’/2ºT); Marlos e Willian (Rodrigo Souto, 38’/2T). Técnico: Paulo César Carpegiani.

março 20, 2011 Posted by | São Paulo | , | Deixe um comentário

Palmeiras sai na frente, mas fica no empate com o Azulão


Em jogo marcado por expulsões e muitas chances desperdiçadas dos dois lados, Verdão apenas empata com o São Caetano

O Palmeiras jogou bem, saiu na frente do placar e pressionou o São Caetano a maior parte do jogo. Porém, nada disso foi suficiente para vencer, e o Verdão não saiu do empate com o Azulão, por 1 a 1, neste domingo, no Anacleto Campanella.

O jogo foi muito movimentado, com boas chances para ambos os lados, lances de perigo e expulsões. Kleber abriu o placar para o Palmeiras logo aos cinco minutos de jogo, mas Artur, ainda no primeiro tempo, empatou para a equipe do ABC.

Com o resultado, o Palmeiras aumenta para 10 o número de jogos sem perder e ultrapassa o Santos na classificação, mas se afasta de São Paulo e Corinthians, que venceram seus jogos e seguem na ponta do Campeonato Paulista. Já o Azulão vai à 17 pontos e fica ainda mais distante do G8.

O JOGO

Com o estádio Anacleto Campanella recebendo um bom público – quase todo palmeirense – o jogo começou em ritmo alucinante. O Palmeiras logo no início partiu para cima, marcando o São Caetano sob pressão e levando perigo ao gol de Luiz em diversas oportunidades.

A blitz surtiu efeito e aos cinco minutos, Kleber foi empurrado dentro da área por Artur e o árbitro marcou o pênalti. O próprio Gladiador bateu, marcando o seu sexto gol no Paulistão e o primeiro do Verdão na partida.

Em desvantagem, o Azulão se lançou ao ataque, tentando responder imediatamente ao gol sofrido. A equipe até conseguia criar boas jogadas, mas pecava nas finalizações.

O jogo tinha um bom ritmo, com as duas equipes criando boas oportunidades e buscando o ataque incessantemente. Aos 14 minutos, quase que o Alviverde amplia o placar. Adriano, pelo lado direito, rolou para Marcos Assunção, que, de muito longe, chegou batendo no ângulo. O goleiro Luiz voou e fez uma excelente defesa, evitando o segundo do Palmeiras.

O time do ABC também assustava e, aos 17 minutos, exigiu um milagre de Deola. Walter Minhoca cruzou, o lateral Artur desviou, de cabeça, e o zagueiro Jean Rolt apareceu entre os zagueiros palmeirenses para cabecear firme. Deola se esticou todo e salvou o que seria o gol de empate.

Sem dar tempo para o adversário respirar, o Verdão respondeu aos 21, com Adriano Michael Jackson. O “astro pop” recebeu de Gabriel Silva dentro da área e chegou batendo, mas mandou sem direção, por cima da meta de Luiz.

Precisando do resultado para manter as suas chances de classificação para a próxima fase, o São Caetano continuou pressionando, enquanto o Verdão, na frente do marcador, diminuiu o ritmo e passou a trocar passes.

O empate do Azulão foi amadurecendo e quase saiu aos 35 minutos. Depois de cruzamento na área, Thiago Martinelli ajeitou, de cabeça, e Eduardo mandou de voleio na trave de Deola.

Na sequência do lance a bola foi para escanteio e, após a cobrança de Walter Minhoca, o lateral Artur se antecipou à zaga e cabeceou firme, sem chances de defesa para o goleiro alviverde, igualando o placar.

Com o empate, Felipão decidiu modificar a equipe no intervalo e abriu mão do esquema com três atacantes. O treinador tirou Adriano Michael Jackson e colocou Tinga em seu lugar.

Mas, apesar da mudança, o Verdão não conseguiu manter o mesmo ritmo do primeiro tempo e passou a levar perigo ao gol de Luiz apenas nas bolas cruzadas na área por Marcos Assunção. O São Caetano também decaiu e quase não assustava Deola.

Porém, o clima morno não persistiu por muito tempo. Aos 16 minutos, Kleber sofreu falta na meia-lua da área. Enquanto Marcos Assunção se preparava para bater, Thiago Heleno e Anderson Marques se desentenderam na barreira e o árbitro não hesitou: expulsou os dois.

Na cobrança da falta, Assunção ainda quase marcou. O volante quis surpreender e chutou rasteiro. A bola passou tirando tinta da trave direita de Luiz.

Com os dois times com um jogador a menos o jogo voltou a ficar aberto e as duas equipes criaram boas oportunidades e perderam chances incríveis.

Aos 23, o Azulão quase passou à frente do marcador. Eduardo mandou de cabeça a bola para dentro da área e o lateral Artur, sozinho, cara a cara com Deola, chutou cruzado para fora, perdendo um gol impressionante.

Três minutos depois, foi a vez da torcida palmeirense gritar “uh”. Kleber foi à linha de fundo e cruzou para a área. A bola passou por toda a zaga do São Caetano e sobrou para Gabriel Silva, que chegou batendo, mandando a bola ao lado da trave.

E a pressão prosseguiu. Aos 29, outra boa chance desperdiçada, dessa vez com Marcos Assunção, que cobrou falta na entrada da área e mandou a bola na rede pelo lado de fora.

Os times não cansavam de perder gols e, aos 40 e 42 minutos, o Azulão ainda desperdiçou ótimas chances com Bruno e Luciano Mandi, que cara a cara com Deola, desperdiçaram.

A falta de pontaria dos ataques, fez com que o placar ficasse mesmo no 1 a 1, não agradando a nenhuma das equipes.

Na próxima rodada, quarta-feira, o Palmeiras encara o Linense, às 19h30, na Arena Barueri. Já o São Caetano recebe no mesmo dia o Bragantino, às 17h, no Anacleto Campanella.

FICHA TÉCNICA
SÃO CAETANO 1 X 1 PALMEIRAS

Estádio: Anacleto Campanella, São Caetano (SP)
Data/hora: 20/3/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Guilherme Ceretta de Lima (SP)
Auxiliares: Carlos Barbosa de Oliveira (SP) e Carlos Alberto Funari (SP)
Renda e público: R$275.800,00 / 9.527 pagantes
Cartões Amarelos: Thiago Martinelli, Augusto Recife, Henrique Dias (SCA); Luan (PAL)
Cartões Vermelhos: Anderson Marques, 18’/2ºT (SCA); Thiago Heleno, 18’/2ºT (PAL)
Gols: Kleber, 6’/1ºT; Artur, 36’/1ºT

SÃO CAETANO: Luiz; Jean Rolt, Anderson Marques e Thiago Martinelli; Artur, Augusto Recife, Walter Minhoca (Kléber, 24’/2ºT), Aílton (Henrique Dias, 32’/2ºT) e Bruno; Eduardo e Antonio Flávio (Luciano Mandi, 12’/2ºT). Técnico: Ademir Fonseca.

PALMEIRAS: Deola, Cicinho (Chico, 22’/2ºT), Danilo, Thiago Heleno e Gabriel Silva; Márcio Araújo, Marcos Assunção, e Patrik; Adriano (Tinga, Intervalo) Luan (Max Santos, 36’/2ºT) e Kleber. Técnico: Felipão.

março 20, 2011 Posted by | Palmeiras | , | Deixe um comentário

Atlético-MG sofre, mas vence o Villa Nova pelo Mineiro

Triunfo na Arena do Jacaré veio apenas com um gol contra de Uchoa, aos 47 minutos da segunda etapa

O Atlético-MG sofreu, mas venceu o Villa Nova por 2 a 1, na Arena do Jacaré, neste domingo, pela sétima rodada do Campeonato Mineiro. Com o resultado, o Galo, chega aos 16 pontos, mas permanece na terceira colocação. O Leão está em quinto, com 11 pontos.

Próximos compromissos:

Na próxima quarta-feira, 23, o Atlético encara o Uberaba, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas. O Villa Nova recebe o Ipatinga no Castor Cifuentes no próximo domingo, 27.

O jogo:

A partida começou meio lenta. Surpreendentemente, o Villa Nova tomou conta das ações ofensivas da partida e deixava os contragolpes para o time mandante. O Atlético tentava chegar em jogadas de velocidade com Wesley e Jobson, mas os erros de passe prejudicaram a concatenação de jogadas certeiras.

A primeira jogada de perigo ocorreu aos sete minutos. Após boa tabela entre Marinho e Ricardo Bóvio, o volante chutou para o gol, a bola desviou em Réver e saiu em escanteio. Na jogada seguinte, no contra-ataque, Wesley sofre falta na entrada da área. Mas Richarlyson cobra mal e a chance para na barreira. Aos 11 minutos, desatenção total da defensiva atleticana. O goleiro Vagner, após cobrança de falta, achou Palermo livre. O argentino avançou sozinho e, de canhota, tocou na saída do goleiro Renan Ribeiro: 1 a 0 para o time visitante.

O gol diminuiu o ímpeto ofensivo do Leão do Bonfim. A equipe preferiu ter mais cautela e esperar o Galo vir para cima. E o Atlético resolveu correr atrás de melhor sorte. Eron, aos 13, recebeu boa bola na ponta esquerda e cruzou para Ricardo Bueno. O centroavante cabeceou bonito, mas no meio do gol para fácil defesa de Vagner.

O Villa Nova abusava das faltas, mas o Atlético pecava nas cobranças e não assustava ao goleiro Vagner. O Alvinegro também tinha dificuldade para dar sequência as jogadas. Os erros de passes e a insistência nas jogadas pelo meio prejudicavam a equipe de Belo Horizonte.

Nas jogadas pelos flancos, o Leão seguia incomodando. Aos 33, Alex Santos passou por Eron e cruzou para o centro da área. Leonardo Silva se antecipou a Marinho e afastou o perigo. Aos 35 minutos, Allan lançou Marinho, que avançou livre pela grande área, mas finalizou em cima de Renan Ribeiro, perdendo a oportunidade de ampliar o marcador. Ricardo Bueno teve a oportunidade de empatar a partida, aos 45 minutos, mas, na cara do gol, isolou a bola para fora. O Galo deixou o campo vaiado

Segundo tempo:

Dorival Júnior, no intervalo, sacou o meia Wesley e colocou Neto Berola no jogo, procurando dar mais ofensividade ao time. Logo com um minuto, a velocidade de Berola incomodou a defesa do Leão, que cometeu falta na entrada da área. Richarlyson levantou a bola, a zaga afastou e, no rebote, Toró finalizou por cima da meta.

O Galo montou uma verdadeira blitz na intermediária do Leão do Bonfim. Contudo, o time alvinegro esbarrava nos passes equivocados. Aos 11 minutos, no entanto, o volante Richarlyson cruzou na pequena área, Ricardo Bueno não chegou a tempo e a bola passou na frente do gol do Leão.

Mancini, aos 16 da etapa final, entrou no lugar do lateral-esquerdo Eron. Richarlyson cobriu a lateral-esquerda e apenas Toró ficou com funções de marcação. Três minutos depois a ousadia de Dorival Júnior trouxe resultados. Mancini aproveitou bobeada de Carciano e cruzou para Ricardo Bueno, testar de cabeça para o fundo das redes.

Aos 24 minutos, Palermo recebeu bom lançamento de Ricardo Bóvio e chutou com violência para o fundo das redes. No entanto, o árbitro Renato Cardoso Conceição invalidou o lance por causa de uma falta do argentino em Toró. Aos 26, Renan Oliveira lançou Ricardo Bueno, que dominou para Mancini finalizar e virar o marcador. Mas Bueno estava impedido e o gol foi invalidado.

Faltando 10 minutos para o final da partida, Mancini recebeu pela ponta esquerda, limpou o marcador e levantou a bola na área. Ricardo Bueno cabeceou a bola na pequena área, mas não conseguiu direcionar a bola para o gol. Aos 43, m uma falta de longa distância, Alex Santos soltou uma bomba, Renan Ribeiro já estava vencido, mas a bola subiu demais.

Aos 47 minutos, o Atlético encontrou o gol da virada. Magno Alves fez fila pela esquerda e chutou cruzado, o goleiro rebateu, a bola bateu em Felipe e morreu no fundo das redes. Aos 50 minutos, Jackson fez falta dura em Palermo e foi expulso.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG 2 X 1 VILLA NOVA

Local: Arena do Jacaré, Sete Lagoas (MG)
Data/horário: 20/3/2011, às 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Renato Cardoso Conceição (MG)
Auxiliares: Jair Albano Félix e Pablo Almeida Costa. (MG)
Renda/Público: R$ 47.847,50 / 9.745 pagantes.

Cartões amarelos: Gedeon, Marinho, Uchoa, Carciano, Palermo e Bruno Lourenço (VIL), Jackson e Toró (ATL).
Cartões vermelhos: Jackson (ATL).

Gols: Palermo, aos 15’1T (0-1), Ricardo Bueno, aos 19’2T (1-1) e Uchoa, contra, aos 47’2T.

ATLÉTICO-MG: Renan Ribeiro; Jackson, Leonardo Silva, Réver e Eron (Mancini, 16’2T) ; Toró, Richarlyson, Wesley (Neto Berola, intervalo) e Renan Oliveira; Jobson (Magno Alves, 26’2T) e Ricardo Bueno Técnico: Dorival Júnior.

VILLA NOVA: Vagner; Alex Santos, Bruno Lourenço, Carciano e Raniery; Uchoa, Ricardo Bóvio (Marquinhos, 38’2T), Gedeon (Felipe, 31’2T) e Palermo; Marinho (Edmílson, 31’2T) e Allan. Técnico: Wilson Gottardo.

março 20, 2011 Posted by | Atlético-MG | , | Deixe um comentário

Sem Ronaldinho, Flamengo só empata com a Cabofriense

Com o resultado, o Rubro-negro perdeu a liderança do grupo A e o Tricolor da Região dos Lagos deixou a lanterna do grupo B

Sem os suspensos Ronaldinho Gaúcho e Thiago Neves, o Flamengo esbarrou na trave e empatou com a Cabofriense neste domingo em 0 a 0. O Rubro-Negro perdeu a liderança do Grupo A da Taça Rio para o Boavista, que no sábado derrotou o Fluminense. Já a Cabofriense deixou a laterna do grupo B. Em um jogo bastante equilibrado e com muitos cartões amarelos, as equipes não conseguiram movimentar o placar.

O Rubro Negro na próxima rodada da competição pegará o Madureira, às 16h, no Moacyrzão. O tricolor da Região dos Lagos, por sua vez, enfrentará o Americano, às 15h30, no Correão, em Cabo Frio.

JOGO COMEÇA EQUILIBRADO, MAS SEM GOLS

O primeiro tempo começou com um leve predomínio do Flamengo. Mas nada que chegasse a assustar o time da Cabofriense, que estava bem na marcação. Com as ausências de Ronaldinho e Thiago Neves, o Rubro-Negro não conseguia chegar ao ataque com perigo, então coube a Renato a responsabilidade na armação das jogadas.

Ambos os times estavam bem postados atrás, o que dificultava as tentativas ofensivas. Tanto que os primeiros chutes a gol da partida saíram de dois chutões de fora da área. O primeiro foi de Renato, do Fla, aos nove minutos, que passou por cima da meta do goleiro Flávio. O segundo foi de Everton, da Cabofriense, aos 13, e que obrigou o arqueiro Felipe a se esticar para espalmar a bola pela linha de fundo.

Aos 19 minutos de jogo, o time da Região dos Lagos assustou os flamenguistas presentes no Moacyrzão. Arílson fez boa jogada pela direita, foi à linha de fundo e cruzou rasteiro para o meio da área. Diego Sales, que vinha de trás, pegou de primeira, mas a bola bateu em Egídio. Na sequência, Diego Sales de novo encheu o pé, mas Felipe conseguiu fazer a defesa.

Após a parada técnica, o Flamengo voltou com maior volume de jogo e as chegadas à frente se tornaram mais frequentes. Em uma das investidas rubro-negras, Renato foi a linha de fundo e cruzou para a área. Wanderley subiu mais que o zagueiro e cabeceou a bola, que saiu raspando na trave.

Com 34 minutos de primeiro tempo, o Flamengo quase abriu o placar em Macaé. O volante Willians, que já havia isolado a bola em outras duas oportunidades, acertou um chute de esquerda na pequena área. Porém, o goleiro Flávio realizou uma defesa milagrosa. Três minutos depois, Wanderley foi derrubado próximo à área e o juiz marcou falta, que Renato cobrou. A bola foi com tanta força que, mesmo no meio do gol, o arqueiro não conseguiu segurar a bola e teve que fazer a defesa em dois tempos.

A partir dai o jogo se tornou mais equilibrado e um tanto quanto pegado. Muitas faltas foram cometidas nos minutos finais da primeira etapa, que terminou com o placar em branco.

SEGUNDO TEMPO COM MUITAS FALTAS E NOVE CARTÕES AMARELOS

O Flamengo voltou a campo com mais disposição que o adversário, porém sem eficiência nas finalizações. Nos primeiros minutos de segundo tempo, o Flamengo teve três chutes a gol e nas três oportunidades, duas com Bottinelli e uma com Léo Moura, a bola foi isolada.

Já a bola da Cabofriense passou mais perto do gol, aos 12 minutos. Diego Sales partiu em contra-ataque, tabelou com Léo Itaperuna e chutou para o gol. A bola chegou até a balançar a rede, mas pelo lado de fora, chegando a assustar os torcedores que estavam posicionados do outro lado do campo.

Mas foi o Rubro-Negro que quase abriu o placar aos 19 minutos de partida com Diego Maurício, que havia entrado no lugar de Negueba no intervalo. Egídio avançou pela esquerda e tocou para o atacante, que chutou de fora da área e a bola bateu no pé da trave do Tricolor da Região dos Lagos.

A bronca que Vanderlei Luxemburgo deu no time durante a parada técnica parece não ter surtido muito efeito. Tanto que a equipe só foi ter sua outra chance de marcar aos 28 minutos. Fierro cobrou falta para a área, a zaga da Cabofriense conseguiu afastar, mas a bola sobrou para Renato, que chutou e bola foi na rede pelo lado de fora.

Deivid, que entrou no lugar de Wanderley, recebeu cruzamento perfeito de Egídio e cabeceou sozinho por cima da meta do goleiro Flávio. Na jogada seguinte, Renato lançou Diego Maurício, que dominou, limpou dois marcadores e bateu para o gol. Porém, a bola caprichosamente bateu no travessão e saiu.

Assim como durante todo o segundo tempo, os minutos finais de partida foram de muitas faltas e cartões amarelos. No total foram nove, na etapa derradeira. Os times não conseguiram armar mais nenhuma jogada de perigo ao adversário e nenhuma das equipes inaugurou o placar, que ficou mesmo em 0 a 0.

FICHA TÉCNICA
CABOFRIENSE 0 X 0 FLAMENGO

Local: Moacyrzão, em Macaé (RJ)
Data-Hora: 20/3/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá (RJ)
Auxiliares: Lilian Fernandes Bruno (RJ) e Andréa Marcelino de Sá (RJ)
Cartões amarelos: Everton, Luciano Totó, Léo Itaperuna, Assumpção e Allan (CAB); Léo Moura, Welinton, David Braz, Egídio, Fierro, Renato, Bottinelli e Willians (FLA)
Cartões vermelhos: –
Gols: –

CABOFRIENSE: Flávio, Arílson, Zé Carlos, André Paulino e Everton; Marcelo Cardoso, Luciano Totó, Zotti (Jajá 35’/2ºT), Diego Sales (Café 17’/2ºT); Léo Itaperuna e Assumpção (Allan 28’/2ºT) – Técnico: Lucho Nizzo.

FLAMENGO: Felipe, Léo Moura, Welinton, David Braz e Egídio; Maldonado (Fierro – Intervalo), Willians, Bottinelli (Deivid 14’/2ºT) e Renato; Negueba (Diego Maurício – Intervalo) e Wanderley – Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

março 20, 2011 Posted by | Flamengo | , | Deixe um comentário