Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Zé Love faz dois e anima Carnaval do Santos

Com dois gols do camisa 9, Peixe vence Oeste em Itápolis e vai comemorar o Carnaval garantido entre os quatro primeiros do Paulistão

Carnaval, folia, amor…ninguém melhor do que Zé Love para dar início ao Carnaval santista em grande estilo! O camisa 9 marcou duas vezes e o Santos venceu o Oeste por 2 a 0 na noite deste sábado em Itápolis, em partida válida pela 11ª rodada do Campeonato Paulista.

Assim, o Peixe é mais um a passar o Verdão e assumir um lugar entre os quatro primeiros colocados no Estadual. O Oeste se mantém em sétimo na tabela, mesmo com a derrota.

O JOGO

Sem Neymar, Léo e Elano poupados, o Santos começou a partida de maneira dispersa, sem concentração. A equipe de Marcelo Martelotte acabou sucumbindo diante da força do time da casa no início de partida.

Em três oportunidades nos primeiros dez minutos, Rafael só assistiu a zaga santista ser envolvida pela rapidez dos alas. Fernandinho, pela esquerda, e Dedê, pela direita, ditavam o ritmo do jogo.

Mas a melhor chance acabou sendo do Peixe: aos 17, Maikon Leite aproveitou bobeira da zaga e viu Zé Eduardo completar o lance, na cara do gol, para fora.

Aos 28 minutos, o Oeste assustou de novo, com Fernandinho entrando pela direita. Mas foi o último lance do time do interior antes de sofrer um grande baque: Fábio Santos, artilheiro da equipe no Paulista com quatro gols, acertou a canela de Adriano em cheio e foi expulso – para ele, o Carnaval começou mais cedo!

Assim, o Peixe passou a dominar a partida, mas sem chegar ao gol de Fábio com eficiência.

Um pênalti duvidoso em Diogo, aos 45, esquentou ainda mais o clima da noite. O camisa 7 do Santos desabou após passar por Paulo Miranda dentro da pequena área. Pênalti marcado, Zé Eduardo na bola e gol: 1 a 0 Peixe.

Na segunda etapa, Roger não se intimidou com o placar desfavoravél e a expulsão no time da casa e foi logo colocando Fernandinho na cara do gol. Mas o camisa 6 parou nas mãos de Rafael, logo a 2 minutos.

Aos 14, o Peixe voltou a atacar com Maikon Leite, soltando uma bomba que Fábio defendeu. Pouco depois, Felipe Anderson recebeu na área e foi travado na hora H.

Era sinal de que o segundo gol do Santos estava maturando. E, justo em sábado de Carnaval, nenhum nome parecia mais adequado para marcar do que Zé Love. O camisa 9 recebeu de Róbson na área, deslocou Fábio e caiu na folia, aos 25 minutos.

Com o placar assegurado, o Santos recuou e assistiu a Mazinho, do Oeste, carimbar o travessão de Rafael aos 32.

Mas nada parecia deter o Carnaval Alvinegro naquele momento. Fim de jogo e o Peixe vai passar o feriado prolongado em quarto colocado no Paulista.

O Santos só volta à campo na quarta-feira de cinzas (9), dia em que recebe a Portuguesa na Vila Belmiro. Um dia depois, o Oeste vai à Jundiaí enfrentar o Paulista no estádio Jaime Cintra.

FICHA TÉCNICA
OESTE 0X2 SANTOS

Estádio: dos Amaros, em Itápolis (SP)
Data/hora: 05/03/11, às 21h
Árbitro: José Cláudio Rocha Filho
Auxiliares: Marco Antonio Monteiro Bagatella e Mauro André de Freitas
Renda/público: R$ 61.685,00 / 2.213 pagantes
Cartões amarelos: Paulo Miranda, Dedê, Cris (OES); Adriano, Rodrigo Possebon (SAN)
Cartões vermelhos: Fábio Santos, 31’/1ºT (OES)
GOLS: Zé Eduardo (pênalti), 48’/1ºT (0-1); Zé Eduardo, 25’/2T (0-2)

OESTE: Fábio; Adriano, Cris (Mazinho, 28’/2ºT) e Paulo Miranda; Dedê (Reinaldo, 15’/2ºT), Dionísio, Márcio Passos, Roger e Fernandinho; Anselmo Ramon (Léo Salino, intervalo) e Fábio Santos. Técnico: Luiz Carlos Martins

SANTOS: Rafael, Jonathan, Edu Dracena, Durval e Alex Sandro; Adriano (Rodrigo Possebon, intervalo), Danilo, Felipe Anderson (Robson, 21’/2ºT) e Diogo (Pará, 37’/2ºT); Maikon Leite e Zé Eduardo. Técnico: Marcelo Martelotte

março 5, 2011 Posted by | Santos | | Deixe um comentário

Econômico, São Paulo vence Azulão e é terceiro

Marcando duas vezes no fim do jogo, São Paulo bate o São Caetano fora de casa e passa Palmeiras no Paulista

Decisivo e deixando o melhor para os momentos finais, o São Paulo passou pelo São Caetano por 2 a 0 na noite deste sábado, jogando no Anacleto Campanella, no ABC.

Os gols de Rhodolfo e Jean colocam o Tricolor na terceira posição do Campeonato Paulista, na frente do arquirrival Palmeiras, que só empatou com o Santo André em casa. Já o Azulão perdeu uma posição na zona intermediária: caiu de 12º para 13º.

BRILHA A ESTRELA DE LUCAS

Na primeira etapa, o São Paulo esteve melhor em campo. Mas se o bom futebol tricolor teve algum responsável, este é Lucas, que brilhou em sua primeira partida após a convocação para Seleção Brasileira.

O jogador protagonizou alguns dos melhores lances da equipe: aos 17, ele passou por dois adversários, se levantou após escorregão dentro da área mas finalizou em cima da zaga; pouco depois, ele puxou contra-ataque rápido para o São Paulo e tocou para Dagoberto, livre, que perdeu o lance.

A melhor chance, porém, veio aos 34: Lucas aproveitou falta de Dagoberto e exigiu boa defesa do goleiro Luiz. Se não era Lucas, era Willian José quem ameaçava o gol do Azulão, como aos 18 e aos 40.

O Azulão chegou pouco, e só ameaçou em tabelas da dupla Aílton e Vandinho.

Sem muitos sustos na defesa, Carpegiani aproveitou para realizar algumas alternâncias táticas na equipe, ora trazendo o versátil Luiz Eduardo para a direita, ora ordenando que o menino, como é chamado pelo treinador, ocupasse o lado esquerdo. Assim, Juan tinha mais liberdado para atacar.

E foi pelos flancos que o São Paulo voltou a sufocar na segunda etapa. Se a estrela de Lucas esteve apagada na segunda etapa, a de Marlos, que entrara no lugar de Casemiro, começou a brilhar. Em três lances, o camisa 11 recolocou o Tricolor na partida. E justamente num cruzamento dele, aos 29, Rhodolfo desviou de cabeça para abrir o placar: 1 a 0 São Paulo.

Mas o Azulão não desistiu e Eduardo, aos 35, cabeceou à queima-roupa para grande defesa de Rogério. Em seguida, Dagoberto desperdiçou chance cara a cara com Luiz.

Faltava, claro, a cereja do bolo. Quando Jean Rolt cometeu falta na entrada da área, a torcida tricolor já esfregava as mãos, ansiosa pelo gol de Rogério Ceni, aos 46 minutos. O ídolo não fez feio, carimbou o travessão e a bola sobrou para Jean dar números finais. Por pouco não sai o gol número 99 de Ceni!

Mas a vitória do Tricolor saiu, e com autoridade: 2 a 0!

Agora, o Azulão visita o Botafogo em Ribeirão Preto, na quarta-feira (9), enquanto o Tricolor recebe o Ituano no Morumbi, na quinta-feira (10).

FICHA TÉCNICA:
SÃO CAETANO 0X2 SÃO PAULO

Estádio: Anacleto Campanella, São Caetano do Sul (SP)
Data/hora: 5/3/2011 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho
Auxiliares: Daniel Luis Marques e Gustavo Rodrigues de Oliveira
Renda/público: R$ 169.285,00/ 5.744 pagantes
Cartões amarelos: Ricardo Conceição, Aílton, Erandir, Bruno Recife, Jean (SCA); Casemiro, Rhodolfo, Ilsinho, Lucas (SPO)
GOLS: Rhodolfo, 29’/2ºT (0-1); Jean, 46’/2ºT (0-2)

SÃO CAETANO: Luiz; Artur, Jean, Anderson Marques e Bruno Recife; Erandir, Souza (Kléber, 25’/2ºT), Ricardo Conceição e Ailton (Walter Minhoca, 31’/2ºT); Luciano Mandi (Eduardo, 31’/2ºT) e Vandinho. Técnico: Ademir Fonseca

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Luiz Eduardo, Xandão, Rhodolfo e Juan (Ilsinho, 18’/2ºT); Rodrigo Souto (Wellington, 39’/2ºT), Casemiro (Marlos, 8’/2ºT), Jean e Lucas; Dagoberto e Willian. Técnico: Paulo César Carpegiani

março 5, 2011 Posted by | São Paulo | , | Deixe um comentário

Mesmo com um a mais, Palmeiras fica no empate com o Santo André


Equipes empataram em 0 a 0. Ramalhão teve um jogador expulso ainda no primeiro tempo

Neste sábado de Carnaval, o Palmeiras apenas empatou em 0 a 0 com o Santo André e deixou a pequena torcida que prestigiou o jogo no Pacaembu cabisbaixa. Sem grandes emoções e com um jogador a mais – Gilberto foi expulso ainda no primeiro tempo após receber o segundo cartão amarelo-, o Verdão não chegou nem perto da vitória.

O Ramalhão, por sua vez, teve apenas uma chance real de gol. No fim do jogo, aos 45 do segundo tempo, Deola fez a única defesa da partida em chute de Richely.

Com o empate, o Palmeiras chegou aos 22 pontos e caiu para a quarta colocação. O Santo André se manteve na penúltima posição, com sete pontos.

Na próxima quarta-feira, o Verdão encara o Noroeste, às 19h30, no interior. E o Ramalhão recebe, no mesmo dia, o Americana, às 17h.

O Jogo

O Palmeiras começou buscando a alegria da torcida no sábado de carnaval. Logo no primeiro minuto, Marcos Assunção, que não está bem no quesito falta nesta temporada, assustou o Santo André. O meia bateu por cima do gol, com muito perigo para Neneca.

Em ritmo de carnaval, Adriano Michael Jackson, um dançarino nato, colocou a defesa do Santo André para dançar. Pela esquerda, o atacante passou por três marcadores e tocou para trás. Patrik, livre, conseguiu o arremate, mas Victor Hugo se jogou na frente da bola e impediu o gol do Palmeiras, que perdeu a chance de abrir o placar aos 19 minutos.

Na sequência, Miguel recuperou a bola e cruzou para o Michael Jackson. O dançarino tentou de carrinho, mas não alcançou e a bola saiu pela linha de fundo.

Com nota alta no quesito a harmonia, o Verdão dominava o jogo pelo meio. O time do técnico Felipão não deixou o Santo André jogar. O Ramalhão, por outro lado, só estava em com nota dez no quesito cartões amarelos. Foram quatro em menos de 25 minutos. Um deles, por sinal, se transformou no vermelho de Gilberto.

Mesmo com um a mais em campo, o Palmeiras não conseguiu aproveitar no primeiro tempo. O clube da capital abusava dos cruzamentos para a área, que ficavam, na maioria das vezes, nas mãos do goleiro Neneca. E o Santo André pouco criou. A única oportunidades chegou apenas aos 30 minutos, em um chute sem direção de Borebi.

O Palmeiras seguia tentando de longe. Aos 41, Marcos Assunção tentou mais uma, mas, novamente, Neneca conseguiu segurar o chute do capitão do Verdão.

No intervalo do jogo, os dois treinadores tentaram mudar a cara do jogo. Que mesmo em um sábado carnavalesco, estava deixando a pequena torcida que comparecia ao Pacaembu triste. Felipão colocou Luan e Vinícius, nos lugares de Gabriel Silva e Miguel. Já no Santo André, Edilson deu lugar a Mika.

E o segundo tempo começou da mesma forma que o primeiro. Com chutes de fora da área de Marcos Assunção, que continuava assustando o goleiro Neneca. Mas a melhor oportunidade veio com Adriano Michael Jackson. Após saída errada de bola do goleiro do Santo André, Márcio Araújo recuperou e deixou com o atacante, que deixou o zagueiro no chão e bateu por cima do gol.

A resposta do Ramalhão só veio aos 19. Desta vez foi Richely que mandou para fora, sem assustar o goleiro Deola. Para não deixar o Santo André crescer no jogo, Felipão fez a última mudança aos 23 do segundo tempo. João Victor, volante, entrou no lugar do lateral Cicinho.

Para piorar a situação do Santo André, Allan, que era um dos mais criativos do time, sentiu dores e saiu de campo. Foi a vez de Altair entrar. E o Palmeiras continuou dando trabalho. Após jogada de João Vitor, Márcio Araújo ajeitou para Marcos Assunção, que, novamente, bateu forte. Bem posicionado, Neneca conseguiu outra defesa.

Quem quase saiu da partida com a vitória foi o Santo André. Após chutão de Neneca, Richely ganhou da defesa, invadiu a área e bateu forte. Mas Deola salvou o Verdão e deixou a pequena torcida que tava um pouco mais contente para a sequência do carnaval.

E a emoção ficou guardada para o fim da partida. Danilo recebeu, em posição irregular, cruzamento e cabeceou para o gol. Mas o árbitro pegou o impedimento e anulou o gol.

FICHA TÉCNICA:
PALMEIRAS 0 X 0 SANTO ANDRÉ

Estádio: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 5/3/2011 – 18h40 (de Brasília)
Árbitro: Rodrigo Braghetto
Auxiliares: Mario Nogueira da Cruz e Carlos Augusto Nogueira Junior

Renda/público: R$ 198.700,00 / 6.370 pagantes
Cartões amarelos: Gabriel Silva, Patrik (PAL); Victor Hugo, Magno, Gilberto (SAN)
Cartões vermelhos: Gilberto, 24’/1ºT (SAN)

PALMEIRAS: Deola; Cicinho (João Victor, 23’/2ºT), Danilo, Thiago Heleno e Gabriel Silva (Luan, Intervalo); Márcio Araújo, Marcos Assunção, Tinga e Patrik; Miguel (Vinícius, Intervalo) e Adriano Michael Jackson. Técnico: Luiz Felipe Scolari

SANTO ANDRÉ: Neneca, Anderson, Márcio Godri e Vitor Hugo; Iran, Magno, Allan (Altair, 27’/2ºT) , Edilson (Mika, Intervalo) e Gilberto; Borebi (Igor, 40’/2ºT) e Rychely. Técnico: Sandro Gaúcho.

março 5, 2011 Posted by | Palmeiras | , | Deixe um comentário

Flu sofre, mas bate o Resende na estreia

Na volta de Emerson, Tricolor sua para vencer o Resende e espata a crise, por hora, das Laranjeiras

No fim de semana de Carnaval, o Tricolor apostou no “Bloco do Mistão” para encarar o Resende, neste sábado, pela Taça Rio. Preocupado com o desgaste físico do grupo, Muricy Ramalho preservou cinco titulares e não se arrependeu. Julio Cesar, Souza, Araújo… Todos aproveitaram a oportunidade na sofrida e suada vitória de 2 a 1 sobre Resende, em São Januário.

Para espantar a crise que ronda o clube desde a eliminação para o Boavista, na semifinal da Taça Guanabara, o Tricolor entrou em campo determinador a mudar esse panorama. Logo nos primeiros minutos a equipe tomou a inciativa e criou chances reais com Araújo, Rafael Moura e Souza. Faltou capricho em alguns lances, como na tentativa de Souza de encobrir o goleiro Eduardo. Em outros, foi a bola que caprichou, exemplificado na cabeça de Rafael Moura na trave.

A escalação não foi a única mudança do Fluminense. A equipe teve uma postura mais agressiva, porém, organizada. Assim, conseguiu superar a marcação do Resende, com três volantes à frente da defesa. Pela mudança de postura, o Tricolor merecia sorte melhor. Araújo, que entrou bem contra o América (MEX), estava motivado na busca pelo primeiro gol. No entanto, apenas aos 40′ do primeiro tempo conseguiu vencer a disputa com o goleiro Eduardo.

Mariano roubou a bola de Kim e cruzou. O camisa 10, livre, tocou por cima do goleiro. Mas o lance causou uma certa polêmica. Os jogadores do Resende reclaram de uma falta cometida por Mariano na jogada que originou o gol, mas nada foi marcado pelo árbitro Rodrigo Nunes de Sá, que pouco depois do gol expulsou Fernando Bob em outro lance muito questionado. Ele, que já tinha amarelo, dividiu uma bola com Gabriel e acabou sendo expulso. Com um a menos, o Fluminense segurou a vantagem até o apito final.

Mas a vantagem do Fluminense duraria muito pouco. Exatamente, mais dois minutos. Foi o tempo que o Resende precisou para empatar o jogo no segundo tempo. Edinho cortou mal o cruzamento na área, Léo Silva ajeitou a bola no rebote para Kim acertar um belo chute. O susto, entretanto, não desequilibrou a equipe.

Muricy Ramalho recorreu ao banco de reservas para corrigir os problemas causados pela expulsão de Bob. Com isso, Souza acabou sacado para a entrada de Diogo, que entrou para reforçar a marcação e liberar Marquinho. Emerson também entrou, no lugar de He-Man e fez a tão esperada estreia em 2011, depois de uma grave torção no tornozelo esquerdo.

Dois minutos depois, o Fluminense marcou o segundo gol. Marquinho cobrou falta da esquerda na cabeça de Leandro Euzébio, que acertou o canto esquerdo de Eduardo. O Tricolor era mais perigoso, mas o Resende não havia desistido do jogo. Aos 25′, Elias arriscou de longe, Berna desviou, mas a bola ainda tocou na trave. No rebote, Fábio insistiu, mas o goleiro tricolor voltou a fazer outra boa defesa na sequência.

A equipe de Muricy Ramalho, com um jogador a menos, perdeu um pouco de fôlego. No entanto, o teste serviu para Emerson, peça-chave no processo de recuperação da equipe na Libertadores, ganhar ritmo e confiança. O Sheik correu, acertou bons passes e arriscou seus dribles.

Quando o Resende decidiu partir para cima do Fluminense com repertório de chutes de longa distância e tabelas, Ricardo Berna apareceu bem e fez ótimas defesas. Mas a tal falada falta de sorte que estava prejudicando o Tricolor, segundo os jogadores, parece ter mudado. Haja visto, as bolas que passaram rente à trave de Berna. Fechado, o Fluminense conseguiu segurar a pressão do Resende e garantir sua primeira vitória na Taça Rio.

FICHA TÉCNICA
RESENDE X FLUMINENSE

Local: São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 5/3/2010 – 18h30 (de Brasilia)
Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá (RJ)
Cartões amarelos: Léo Silva, Ramon (Resende) e Souza, Emerson e Edinho (Fluminense)
Cartao vermelho: Fernando Bob (Fluminense)
Gols: Araújo 40′ (1º T); Kim 2′ (2º T), Leandro Euzébio 7′ (2º T)
Renda e público: R$ 12.165,00 e 508 torcedores pagantes
Resende: Eduardo, Wellington, Anderson, Rogério (Fábio – intervalo) e Kim; Ramon, Léo Silva (Fábio Azevedo 27′ 2/T), Gabriel e Léo (Elias 20′ 2/T); Marcel e Alexandro
Técnico: Paulo Campos
Fluminense: Ricardo Berna, Mariano, Gum, Leandro Euzébio e Julio Cesar; Edinho, Fernando Bob, Marquinho e Souza (Diogo 5′ 2/T); Araújo (Tartá 20′ 2/T) e Rafael Moura (Emerson 5′ 2/T)
Técnico: Muricy Ramalho

março 5, 2011 Posted by | Fluminense | , | Deixe um comentário

Timão ‘dá samba’ e assume a liderança do Paulista

Com gols de Bruno Quadros (contra) e Liedson, Corinthians venceu o Linense, por 2 a 0, e vai pular carnaval na ponta da tabela

“Ô abre alas, que o Timão quer passar!”. Em ritmo de marchinha de Carnaval, o Corinthians superou o gramado encharcado e “sambou” para cima do Linense neste sábado. Com gols de Bruno Quadros (contra) e Liedson, o Timão venceu por 2 a 0, ultrapassou o Mirassol e assumiu a liderança do Paulistão, com 25 pontos.

Receba os gols do Corinthians em tempo real no seu celular!

“Daqui não saio, daqui ninguém me tira!.” O segundo melhor ataque da competição fez a diferença sobre a pior defesa. Até o fim da rodada, ninguém alcança mais o Timão na ponta da tabela. Com oito gols marcados, Liedson marcou seu primeiro tento fora do Pacaembu e empatou com Elano na artilharia do Estadual. O primeiro gol do jogo saiu após jogada infeliz do zagueiro Bruno Quadros, que mandou contra o próprio gol.

“Mas já dizem por aí, que a vida vai melhorar”. Com o resultado, o Corinthians quebrou o jejum de cinco meses e 11 jogos sem vencer fora de casa. A última vitória havia sido contra o Santos, na Vila Belmiro, em setembro do ano passado: o primeiro triunfo “forasteiro” do técnico Tite. Já o Linense, com somente seis pontos, segue em situação delicada e na zona do rebaixamento. Deu samba para o Timão!

Na próxima quarta-feira o Corinthians recebe a Ponte Preta, às 21h50, no Pacaembu. No mesmo dia, o Linense enfrenta o Mogi Mirim, às 17h, no Romildo Ferreira.

SAMBA ALVINEGRO!

O feriado de Carnaval é só na próxima terça-feira, mas o começo da partida foi em clima de ressaca… o gramado pesado dificultou o toque de bola das duas equipes e a armação mais “leve” do Timão, com Bruno César e Morais, rolou com dificuldade.

De volta ao time depois de ter sido barrado por Tite, Bruno César ainda conseguiu ser o atleta mais inspirado do Timão. “Porta-bandeiras” da equipe, criou as melhores chances e carregou o Timão no primeiro tempo. Ainda assustou numa cobrança de falta, aos 18 minutos.

Apesar disso, exceto alguns poucos sustos no goleiro Paulo Musse, boas oportunidades foram raras. “Sambando” no gramado encharcado, o Corinthians pressionou a saída de bola do Linense e esperou por um erro do adversário para abrir o placar.

Até que aos 35 minutos, finalmente deu samba para o Timão! Alessandro arrancou pelo lado direito, cruzou no meio da área e o zagueiro Bruno Quadros cabeçeou contra o próprio gol! Azar do zagueiro, sorte da Fiel, que encontrou motivos para comemorar apesar do fraco futebol na primeira etapa.

Na segunda etapa, a chuva não deu trégua e o panorama do jogo seguiu o mesmo. Aproveitando-se das péssimas condições do gramado, o Linense passou a arriscar de fora área apostando em uma falha do goleiro Julio Cesar. A pontaria, no entanto, não ajudou…

Aos 10, Alessandro cruzou e Lenadro Castán quase ampliou numa forte cabeçada. Paulo Musse fez milagre para não ver a desvantagem no placar aumentar. Sete minutos depois, Paulinho chutou forte, a bola passou pelo goleiro e explodiu na trave. No rebote, Bruno Cesar chutou para fora!

Até então apagado, o atacante Liedson também queria comemorar o Carnaval no futebol brasileiro depois de sete anos na Europa. Na melhor chance que teve, não perdeu a oportunidade de deixar o seu. Em cruzamento de Morais, aos 20 minutos, subiu mais que os zagueiros e cabeçeou para marcar seu primeiro gol fora de casa pelo Timão.

Muito aplaudido, o Levezinho foi substituído e deu lugar para Willian. Já no fim, a chuva deu uma trégua e o Linense até tentou uma reação. Tarde demais. Mais feliz do que antes, a torcida do Timão pode cair na farra e cantar a marchinha: “Doutor, eu não me engano, o primeiro lugar é corintiano!”.

FICHA TÉCNICA

LINENSE 0 X 2 CORINTHIANS

Estádio: Gilberto Siqueira Lopes, em Lins (SP)
Data/hora: 5/3/11 às 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Antonio Rogério Batista do Prado
Auxiliares: Rafael Ferreira da Silva e Maiza Teles Paiva
Renda e público: R% 270.000,00 / 6,289 pagantes
Cartões amarelos: Júnior Paulista (LIN)
Cartões vermelhos: Não houve
GOLS: Bruno Quadros (contra), 35’/2°T (0-1); Liedson, 20’/2°T (0-2)

LINENSE: Paulo Musse; Éric, André Turatto, Bruno Quadros e Junior Paulista; Marcus Vinícius, Wellington Monteiro (Éder, Intervalo), André Bilinha e Gilsinho (Rocha, 30’/2°T); Pedrão e André Luiz (Leandro Love, 23’/2°T). Técnico: Pintado.

CORINTHIANS: Júlio César; Alessandro, Wallace, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Morais e Bruno César; Dentinho (Edno, 39’/2°T) e Liedson (Willian, 36’/2°T). Técnico: Tite.

março 5, 2011 Posted by | Corinthians | | Deixe um comentário

Mesmo sem convencer, Botafogo vence na estreia


Glorioso sofre apagão na segunda metade do primeiro tempo, permite empate, mas recupera vantagem

Em sua estreia na Taça Rio, o Botafogo venceu o Volta Redonda por 4 a 2 na tarde deste sábado, no Engenhão. Herrera – de pênalti -, Caio, Rodrigo Mancha e Alex marcaram os gols do triunfo alvinegro.

O Glorioso começou partindo com tudo para o ataque. Logo aos três minutos, Lucas foi derrubado por Fabinho na entrada da área pelo lado direito. Na cobrança, Herrera abriu o placar.

Apostando na velocidade do lateral Fabinho, o Voltaço tentava, após o gol, equilibrar as ações e aventurar-se no ataque. O Bota pouco conseguia manter a posse de bola no campo ofensivo. Nas poucas chances da equipe do interior, o goleiro Jefferson, animado com a nova chance na Seleção, mostrava segurança.

Aos 19, Éverton – em uma de suas raras aparições pelo lado direito – recebeu passe de Lucas e cruzou com precisão na cabeça de Caio, que ampliou o marcador. Três minutos depois, no entanto, Jhonnattann pegou rebote dado por Jefferson após chute de Serginho e diminuiu. Porém, o gol foi creditado a Gláuber.

Aos 34, o lateral-direito Léo Gonçalves foi expulso após atingir o rosto de Herrera com o cotovelo. Curiosamente, no entanto, o Volta Redonda seguiu mais presente no campo ofensivo. Tanto que, aos 41 minutos, Jefferson fez grande defesa em cobrança de falta de Padovani.

Porém, nem a boa fase do goleiro foi suficiente para evitar o empate do time do sul fluminense: Ávalos subiu mais que a zaga e igualou o marcador após cruzamento de Serginho aos 42 minutos.

Bota recupera a vantagem em doze minutos

Joel Santana não poupou esforços para colocar seu time para a frente, trocando o meia Renato Cajá pelo atacante Alex. Consequentemente, o Botafogo voltou do intervalo disposto a recuperar a vantagem no placar. Logo no primeiro minuto de jogo, Rodrigo Mancha cabeceou nas costas de Padovani. Ele mesmo aproveitou a sobra e deixou o seu.

Aos 12, Alex ampliou após grande jogada. Márcio Azevedo lançou Lucas em profundidade pela direita. O lateral cruzou rasteiro para trás e Alex, que entrou no intervalo.

Construída a vantagem, o Alvinegro tirou mais uma vez o pé do acelerador e o Voltaço cresceu mais uma vez. Joel perdeu a paciência com Caio e o trocou por Fabrício. Aos 23, com Jefferson caído após uma defesa, Gláuber cabeceou para fora, perdendo chance incrível.

O jogo, então, perdeu em emoção. O Bota não conseguia encaixar ataques perigosos, enquanto os visitantes já não surpreendiam como nos primeiros 45 minutos. Menos ainda depois que Gláuber recebeu o segundo amarelo e também deixou o campo mais cedo, a cinco minutos do fim.

FICHA TÉCNICA:
BOTAFOGO 4X2 VOLTA REDONDA

Estádio: João Havelange (Engenhão), Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 5/3/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Felipe Gomes da Silva (RJ)
Auxiliares: Wagner de Almeida Santos e Jackson Lourenço Massarra dos Santos (RJ)
Renda/público: R$ 67.700,00 / 2.520 pagantes
Cartões amarelos: Márcio Avezedo, Rodrigo Mancha, Éverton, Caio (BOT); Jhonnattann, Gláuber, Jonilson (VRE)
Cartões vermelhos: Léo Gonçalves, Gláuber (VRE)
Gols: Herrera 3’/1°T (1-0), Caio 19’/1°T (2-0), Jhonnattan 22’/1°T (2-1), Ávalos 42’/1°T (2-2), Rodrigo Mancha 1’/2°T (3-2), Alex 11’/2°T (4-2)

BOTAFOGO: Jefferson, Lucas, Antônio Carlos, Márcio Rosário e Marcio Azevedo; Rodrigo Mancha, Bruno, Renato Cajá (Alex, intervalo) e Éverton (Arévalo, 31’/2°T); Caio (Fabrício, 19’/2°T) e Herrera. Técnico: Joel Santana.

VOLTA REDONDA: Mauro; Serginho, Ávalos, Padovani e Fabinho (Tiago Costa, 14’/2°T); Jonilson, Léo Gonçalves, Jhonnattan e Gláuber; Pedro Henrique (Arthur 22’/2°T) e Jean (Bruno Lança, 12’/2°T). Técnico: Dário Lourenço.

março 5, 2011 Posted by | Botafogo | , | Deixe um comentário

Com mais um do ‘passista’ R10, Fla bate o Olaria e pula o carnaval em paz


Fantasiado’ de centroavante, camisa 10 faz o gol da virada no 3 a 2 em Volta Redonda. Passe é de Thiago Neves, que marca dois e sai aplaudido

No terceiro mês da temporada, o campeão da Taça Guanabara ainda parece um time em formação. Egídio não consegue transmitir confiança na esquerda. Renato ainda busca o melhor posicionamento. Bottinelli foi mais uma vez substituído. Mas Vanderlei Luxemburgo ganhou neste sábado um argumento para insistir com Ronaldinho Gaúcho como dublê de camisa 9. Na vitória por 3 a 2 sobre o Olaria, o astro vestiu bem a fantasia de centroavante no gol da virada (veja o vídeo).
O gol aos três do segundo tempo foi o quarto de Ronaldinho com a camisa rubro-negra. Ele já havia marcado de pênalti, de cabeça e de falta. Desta vez, marcou recebendo a bola dominada dentro da área. Depois do passe de Thiago Neves – com uma boa dose de contribuição da zaga – o astro escolheu o canto e tocou com simplicidade. Comemorou repetindo o bonde sem freio da final da Taça Guanabara. No rosto, o sorriso de quem sabe que poderá pular o carnaval à vontade, sem qualquer pressão (clique e veja o roteiro do craque na folia). Os outros dois gols foram de Thiago Neves, que saiu bastante aplaudido.
O Flamengo volta a campo na próxima quinta-feira, contra o Bangu, às 19h30m, no Engenhão.
Confira a classificação atualizada da Taça Rio
Susto logo no começo
O cenário era festivo para o Flamengo. Apesar da chuva, a torcida mostrava animação no Raulino de Oliveira. Aos dois minutos, Ronaldinho tocou a bola entre as pernas de um adversário e levantou a galera. Símbolo da confiança de quem conquistou a Taça Guanabara com oito vitórias e um empate. Mas a invencibilidade ficou ameaçada logo aos cinco minutos de jogo. Renan Silva arriscou um chute de longe. O goleiro Felipe falhou e soltou a bola nos pés de seu xará adversário, que completou para a rede: 1 a 0.
– Está chovendo, o gramado está irregular, não vi a saída da bola… Mas Tenho que assumir, não podia dar aquele rebote ali – comentou o goleiro no intervalo.
De uniforme novo, o caítão Ronaldinho Gaúcho também voltou para armar jogadas (Foto: Vipcom)

Ao confessar seu erro, o camisa 1 já tinha uma ponta de alívio pelo empate obtido no último lance da etapa inicial. Um gol que surgiu meio sem querer. Aos 46, da entrada da área, Bottinelli arriscou o chute e pegou mal na bola. O efeito acabou se transformando em lançamento para Thiago Neves, livre na pequena área. O camisa 7 só teve o trabalho de tocar para o gol e correr para comemorar, com a defesa do Olaria reclamando de impedimento inexistente.
O gol de Thiago Neves fez justiça a um primeiro tempo em que o Flamengo esteve longe de ser envolvente, mas incomodou o goleiro Henrique várias vezes. Foram 13 finalizações rubro-negras. Numa delas, Ronaldinho Gaúcho tentou de bicicleta e pegou mal.
A maioria das tentativas foi de fora da área. Thiago Neves acertou o pé da trave. Bottinelli também arriscou duas vezes. Mas o time era mais perigoso quando conseguia colocar seus homens de frente para trocar passes. Na jogada mais bonita da primeira etapa, Ronaldinho levantou na área para Renato, que ajeitou no peito e devolveu. Ronaldinho Gaúcho chegou chutando de chapa e deslocou o goleiro. A bola só não entrou porque pegou no cotovelo do zagueiro.
O Olaria teve duas chances de ampliar em contra-ataques. Aos 33, foram quatro jogadores de azul contra apenas dois rubro-negros. Mas Renan Silva, fominha, preferiu o chute de longe em vez da troca de passes, facilitando o trabalho de Felipe.
Expulsão preocupa, mas contra-ataque salva
O gol de empate aos 46 mexeu com o Olaria e levantou o Flamengo, que voltou para a segunda etapa pressionando desde o começo. Aos dois, Ronaldinho chutou da entrada da área e obrigou Henrique a fazer importante defesa. Na jogada seguinte, não deu para o goleiro. Thiago Neves rolou para o camisa 10, que, livre na área, tocou com estilo, no canto, aos três.
O gol acalmou o Flamengo e esfriou de vez o Olaria. Até que o juiz expulsou David numa jogada em que o zagueiro não fez falta. Renan Silva tentou um drible, adiantou demais a bola e se jogou. David já tinha cartão amarelo e levou o segundo. O panorama tranquilo para os rubro-negros ficava ameaçado.
Vanderlei Luxemburgo mandou Willians para a zaga. E o volante conseguiu êxito na primeira jogada como zagueiro, evitando de carrinho um chute de Waldir de dentro da área. Logo depois, o juiz errou ao marcar falta de Thiago Neves na intermediária. Luxemburgo ficou uma fera. Mal sabia que a jogada seria benéfica. Na cobrança, a defesa rebateu e a bola sobrou para Léo Moura. Inteligente, o lateral viu Fierro escapando pela direita e fez ótimo lançamento. O chileno levantou a cabeça, percebeu Thiago Neves arrancando pelo lado oposto, e cruzou na área. Thiago dominou e tocou por cima do goleiro, com categoria: 3 a 1, aos 25, em contra-ataque de almanaque.
Na arquibancada, estava antecipado o início do Baile do Vermelho e Preto. Qualquer coisa era motivo para festa. Um simples carrinho foi o estopim para gritos de “Ronaldinho é Seleção”. Pouco depois, Thiago Neves foi substituído por Jean e saiu sob aplausos. O mesmo aconteceu com Renato, que deu lugar a Negueba.
Mas ainda havia tempo para sustos. Aos 43, Nicolas cobrou falta e Rafael subiu livre para cabecear: 3 a 2. O Flamengo, no entanto, não atravessou. Tocou a bola e esperou o apito final.

FLAMENGO 3 X 2 OLARIA
Felipe, Léo Moura, Welinton, David Braz e Egídio; Maldonado, Willians, Renato (Negueba), Botinelli (Fierro) e Thiago Neves (Jean); Ronaldinho Henrique, Ivan, Thiago Eleutério, Rafael e Calisto (Gonzalo Gil); David, Danilo, Victor e Renan Silva (Nicolas); Waldir e Felipe Silva (Renato Valpaços)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo Técnico: Luiz Antônio Ferreira
Gols: No primeiro tempo, Danilo, aos 5, e Thiago Neves, aos 46. No segundo, Ronaldinho Gaúcho, aos 3, e Thiago Neves, aos 25, e Rafael, aos 43.
Cartões amarelos: David, Thiago Neves (Flamengo) e Henrique (Olaria). Cartão vermelho: David
Data: 5/3/2011. Estádio: Raulino de Oliveira, em Volta Redonda
Árbitro: Rodrigo Cavalhães de Miranda apita o jogo, auxiliado por Michel Correia e Luis Felippe Costa

março 5, 2011 Posted by | Flamengo | , | Deixe um comentário

Vasco dá vexame e perde na estreia na Taça Rio

Cruz-maltinos mostram os mesmos erros cometidos no primeiro turno e são derrotados pelo Macaé fora de casa

Estreia na Taça Rio e a esperança de uma campanha diferente da que foi realizada na Taça Guanabara após os últimos bons resultados. No entanto, o filme foi o mesmo. Derrota para uma equipe pequena, desorganização e descontrole emocional. Aquilo tudo que os torcedores já viram no primeiro turno.

Como um filme de terror repetido, em um final mais uma vez trágico, o Vasco foi derrotado por 3 a 1 pelo Macaé, no Claudio Moacyr. Esta foi a primeira vitória do time da Região dos Lagos jogando em casa contra uma equipe grande.

Macaé vence o Vasco na estreia da Taça Rio

O JOGO

Logo no início, o Macaé já fazia jogo duro, e assustava em bom chute do lateral-esquerdo veterano Bill, de fora da área em que Fernando Prass fez boa defesa. Fagner responde na mesma moeda, em finalização que quase surpreendeu o goleiro Lugão. Aos 12 minutos, Ramon fez grande jogada, aplicando uma caneta em Marcos Tamandaré, mas ao invés de cruzar, bateu de perna direita para fora. Fellipe Bastos também daria um susto no goleiro do Macaé em chute forte, através de cobrança de falta. Aos 23, o mesmo Fellipe Bastos levanta na área e Marcel desvia de cabeça, para a grande defesa de Lugão. No rebolte Felipe bate forte, mas vai para fora.
Entretanto, o Macaé jogava de igual para igual com a equipe cruz-maltina. Em cobrança de escanteio, Dedé alivia, e no rebote, na entrada da área, André Gomes bate forte, mas Fernando Prass, muito bem posicionado, defende. Em seguida, Marcos Tamandaré tem gol anulado. De fato, Siston acabou tocando na bola, deixando o lateral-direito do impedido. Mas, aos 30 minutos, Bill coloca a bola na cabeça de Luís Mário, que cabeceia sem chances para Prass. Bela finalização e 1 a 0 Macaé.

GOL DO MACAÉ ASSUSTA O VASCO

O gol assustou o Vasco, que pareceu ter lembrado dos tropeços da Taça Guanabara contra as equipes pequenas. Com isso, Siston, ex-Vasco aumentou, em chute por cobertura. Mais um belo gol. O Gigante da Colina iria para o vestiário incomodado e deixando a torcida temerosa e desconfiada com o resultado adverso.

Em desvantagem, o técnico cruz-maltino Ricardo Gomes resolveu fazer duas substituições. Bernardo e Elton entraram nos lugares de Jéferson e Marcel, respectivamente. Em pouco tempo, Bernardo já tinha feito mais que o apático Jéferson. O apoiador chutou de longe, mas bem colocado, Lugão fez a defesa. Logo após, Eder Luis faz boa jogada em velocidade e dá bom passe para Elton. O atacante pega de primeira e solta uma bomba, na gaveta, sem chances para Lugão. 2 a 1.

RAMON FREIA REAÇÃO COM EXPULSÃO INFANTIL

Quando parecia que o Vasco iria com tudo para cima do Macaé, o lateral-esquerdo Ramon colocou tudo a perder. Descontrolado, exagerou na marcação em Luís Mário, o empurrou e ainda deixou a perna no atacante do time da casa. No momento, em que seu time mais precisava, o camisa 33 acabou atrapalhando e mostrando total descontrole emocional.

Todavia, o Vasco não desistiu e foi à frente. Bernardo comandava o meio campo e quase fez gol após boa jogada individual. Logo depois, ele de novo enfiou linda bola para Eder Luis, que cortou o zagueiro e bateu de canhota. A bola passou pertinho, à esquerda do gol de Lugão, não entrando caprichosamente.

Não restava outra opção à equipe vascaína. Precisava continuar no campo de ataque. E mesmo com um a menos e com a forte chuva que castigava o gramado do Moacyrzão naquele momento, a equipe avançou. Bernardo e Eder Luis comandavam as ações, mas de forma desorganizada, na base da vontade. Aos 41 minutos, Fagner chuta rasteiro. A bola tira tinta da trave e sai à esquerda do gol de Lugão.

Desdenfreadamente ofensivo, a equipe de Ricardo Gomes acabou dando espaços ao Macaé, que jogava com um a mais. Mesmo assim, quando parecia que os vascaínos conseguiriam o empate na base da raça, foi o Macaé que acabou fechando o caixão. Em boa arrancada, o veterano Bill colocou a bola por cobertura, com muita categoria, sem chances para Prass. Um golaço, que deu números finais ao jogo. O Vasco começa a Taça Rio igualzinho como iniciou a Taça Guanabara: envergonhando a torcida. Só que agora, na véspera do carnaval.

FICHA TÉCNICA:
MACAÉ 3 X 1 VASCO

Estádio: Cláudio Moacyr, em Macaé (RJ)
Data/hora: 4/3/2011 – 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Péricles Bassols Pegado Cortez (RJ)
Auxiliares: Lilian da Silva Fernandes Bruno (RJ) e Eduardo de Souza Couto (RJ)
Cartões amarelos: Dedé, Fagner, Fernando Prass (VAS); Marcos Tamandaré, André Gomes, Siston, Lugão, Ciro (MAC)
Cartões vermelhos: Ramon (VAS)
Gols: Luís Mário (30’/1°T), Siston (39’/1°T)

MACAÉ: Lugão, Marcos Tamandaré, Eduardo Luiz, Ciro e Bill; Gedeil, Osmar, André Gomes e Siston (Romário); Luis Mário e Marcelo. Técnico: Marcelo Buarque.

VASCO: Fernando Prass, Fagner, Dedé, Anderson Martins e Ramon; Fellipe Bastos, Rômulo, Felipe (Márcio Careca) e Jéferson (Bernardo); Eder Luis e Marcel (Elton). Técnico: Ricardo Gomes.

março 5, 2011 Posted by | Vasco da Gama | | Deixe um comentário