Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Liedson marca dois em sua reestreia e Corinthians goleia o Ituano

Timão bateu o Galo por 4 a 0, no Pacaembu, e voltou a entrar no G8

O Corinthians venceu o Ituano, com facilidade, por 4 a 0, nesta quarta-feira, no Pacaembu, e vai, aos poucos, afastando a crise pela eliminação precoce na Taça Libertadores. Embalado pela vitória no dérbi contra o Palmeiras, o Timão não tomou conhecimento do Galo e, com gols de Ramírez, Chicão e Liedson, conquistou a sua terceira vitória no Campeonato Paulista.

A partida marcou a reestreia do atacante Liedson no Corinthians, que retornou ao clube depois de oito anos. Apresentado nesta terça-feira, o jogador fez apenas um treino e já foi utilizado pelo técnico Tite. Apesar da falta de entrosamento, o atacante esteve os 90 minutos em campo, jogou bem e deixou a sua marca, anotando dois gols.

Com o resultado o Alvinegro foi a 12 pontos e assumiu a sexta posição do torneio, com um jogo a menos. Já o Ituano permanece com oito pontos, na décima primeira colocação.

Na próxima rodada o Timão visita o Paulista, domingo, às 17h. No mesmo dia o Ituano pega o Bragantino, às 19h30.

O JOGO

Apesar da estreia de Liedson, o Corinthians foi a campo sem os seus principais astros. Roberto Carlos, com uma lesão na coxa direita e Ronaldo, que segue em recuperação de um problema muscular na coxa esquerda, desfalcaram a equipe.

Outra importante ausência foi Dentinho, que ficou de fora da partida devido a problemas estomacais em decorrência de nervosismo depois da morte do amigo e ex-companheiro de clube Willian Morais.

Jogando para um público muito aquém do que o Pacaembu costuma receber em jogos da equipe, o Corinthians começou de maneira fulminante. Com apenas dois minutos a equipe abriu o placar com Ramirez. Danilo rolou para Alessandro, que foi à linha de fundo e cruzou para trás. O meia peruano chegou batendo, de primeira, e anotou o seu segundo gol no Paulistão.

Após o gol o time diminuiu o ritmo e passou a trocar passes. O Ituano até que tentava chegar ao empate, mas esbarrava nos erros de passe.

Mesmo não jogando bem o Corinthians ampliou a sua vantagem, aos 21 minutos, com Chicão. Liedson fez boa jogada e sofreu falta, quase dentro da área. Na cobrança Chicão chutou na barreira e, no rebote, bateu forte, no meio do gol. A bola ainda desviou em Liedson, matando o goleiro Éder na jogada.

O estreante da noite jogava bem. Apesar de usar a camisa nove, o atacante não jogou fixo dentro da área e por diversas vezes voltou até a intermediária em busca de jogo, tentando tabelar com seus companheiros. Aos 29 minutos, ele tentou marcar um golaço, de voleio, mas acabou furando. Na sequência da jogada, Jorge Henrique chutou forte e o goleiro defendeu.

O Timão continuava não jogando bem, mas se aproveita da fragilidade do Ituano. A equipe visitante teve apenas uma única chance de perigo no primeiro tempo, aos 40 minutos. Jefferson recebeu do lado direito do ataque e encheu o pé, de fora da área, obrigando o goleiro Julio Cesar a fazer grande defesa.

Na segunda etapa, o Corinthians puxou freio de mão e o nível da partida, que já era baixo, caiu ainda mais. O time de Itu ficava mais tempo com a bola nos pés, mas quase não levava perigo ao gol de Julio Cesar.

Porém, o grande momento da noite ficou guardado para o final. O personagem do jogo, Liedson, marcou dois logo em estreia. Aos 30 minutos, Morais roubou a bola e deu ótima assistência para o camisa 9, que dominou e chutou rasteiro, anotando o seu primeiro gol na volta ao Timão.

E no final do jogo, o Levezinho, como Liedson era chamado em Portugal, ainda teve tempo para mais. Em um rápido contra-ataque, pela direita, Morais cruzou, César Gaúcho furou e a bola sobrou para Liedson, que bateu, de primeira, para fechar a goleada.

CORINTHIANS 4 X 0 ITUANO

Estádio: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 9/2/2011 – 22h (de Brasília)
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira
Auxiliares: David Botelho Barbosa e Tatiane Sacilloti dos Santos Camargo
Renda e público: R$170.751,00 / 6587 pagantes
Cartões amarelos: Jorge Henrique (COR); Jefferson e Anderson Ataíde (ITU)
Gols: Ramírez, 2’/1ºT (1-0); Chicão, 21’/1ºT (2-0); Liedson, 30’/2ºT (3-0); Liedson, 46’/2ºT (4-0)

CORINTHIANS: Julio Cesar, Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Marcelo Oliveira; Ralf, Jucilei (Paulinho, 35’/2ºT), Ramírez (Morais, 17’/2ºT e Danilo (Edno, 27’/2ºT); Jorge Henrique e Liedson. Técnico: Tite.

ITUANO: Éder; Eder Sciola, César Gaúcho, Jackson e Esquerdinha (Daniel, Intervalo); Adoniran (Anderson Ataíde, 20’/2ºT), Anderson Salles, Júnior Urso e Oliveira (Leomir, 27’/2ºT); Jefferson e Malaquias. Técnico: Sérgio Ramirez.

fevereiro 9, 2011 Posted by | Corinthians | | Deixe um comentário

Grêmio bate São Luiz e confirma melhor campanha

Clube gaúcho terá vantagem nas próximas fases do Gauchão

O Grêmio venceu mais uma batalha no Campeonato Gaúcho. Dessa vez bateu o São Luiz, por 1 a 0, e confirmou a melhor campanha do Regional. Com a vitória, chegou a 17 pontos e garantiu a primeira colocação da chave 2. Nas próximas fases, o Tricolor agora tem a vantagem de jogar no Estádio Olímpico. O São Luiz continua com sete pontos, em último lugar na chave 1, e não tem mais chances de classificação. No fim de semana, o time gremista encara o Novo Hamburgo, fora de casa, enquanto o time de Ijuí recebe o Cruzeiro, em casa.

O jogo iniciou morno. A melhor jogada do começo da partida foi o próprio gol gremista. Vindo de trás, Adilson aciona Borges no pivô, e a bola vai para Mário Fernandes, ao lado da área. O lateral-direito driblou o marcador com facilidade e coloca na cabeça de Maylson. Vanderlei fez milagre, mas a bola voltou nos pés do jogador do Grêmio e o placar foi aberto logo aos oito minutos.

Como o jogo era importante também para o São Luiz, o time do interior gaúcho também se jogou a frente. Aos 15, Fernando foi à linha de fundo e cruzou. Sharlei errou o tempo de bola e Alexandre bateu de canhota. Mário Fernandes se jogou na frente da bola e cedeu escanteio.

Aos 17, o São Luiz levou perigo ao gol de Marcelo Grohe outra vez com Alexandre. Depois de passe de Jean Paulo, o camisa 11 do time de Ijuí bateu forte sobre a meta gremista.

No entanto, o time de Beto Campos dava liberdade ao Grêmio. Sem marcar de forma mais forte, o São Luiz facilitava o objetivo do Tricolor. A equipe de Porto Alegre dominou a partida e perdeu mais algumas chances.

Aos 30 minutos, Roberson perdeu grande chance de ampliar o placar e facilitar ainda mais o jogo para o Grêmio. Depois de Clementino driblar três e escorregar, Maylson acionou Mário Fernandes na direita. O lateral cruzou, a zaga tirou e Roberson aparou a sobra, da marca do pênalti, por cima do gol. Depois, ao tentar se redimir, bateu forte da intermediária e obrigou Vanderlei a se esticar todo e jogar para escanteio.

Apesar de não ter grande atuação, o Grêmio contava com uma frouxidão na marcação por parte do São Luiz. O primeiro tempo acabou com o time de Ijuí sem conseguir nem atacar, nem defender com qualidade.

Só aos cinco minutos do segundo tempo o São Luiz fez Marcelo Grohe participar da partida. Negueti olhou para área aos 5 e onde viu Sharlei, colocou a bola. Marcelo voou e tirou a bola da cabeça do atacante do São Luiz. Na sequencia, interceptou outro cruzamento, dessa vez de Fernando.

Com a vantagem, o Grêmio voltou sem grande ímpeto no início do segundo tempo. Os garotos gremistas até tentavam jogadas de ataque, mas faltava maior capricho no último passe. Borges se mostrou ainda fora de ritmo, apesar de participativo. Diego Clementino era o melhor jogador gremista na partida, mas também faltava o último passe. Aos 12, Maylson cobrou falta da intermediária e deu o primeiro chute do Grêmio na segunda etapa.

Ainda que tenha levado perigo em boa trama de Vinícius Pacheco e Mário Fernandes, o Grêmio passou sufoco aos 15. Na primeira oportunidade, Sharlei levantou do lado esquerdo de ataque e Marcelo e Rafael Marques se atrapalharam. A bola passou por toda a área e Bruno Collaço tirou. Aos poucos, a pressão do time de Ijuí aumentava.

Imediatamente Renato chamou Mithyuê e trocou os meias. Com mais gás no meio campo, o Tricolor emparelho o confronto. As chances do São Luiz escacearam. Os chutes de fora da área – o Grêmio com Mithyuê e o São Luiz com Jean Paul – viraram alternativa aos 25, mas nenhuma das equipes obteve melhor sucesso.

Quando aos 35 minutos Bronzati pegou Borges por trás e foi expulso, o jogo se desenhou a favor do Grêmio. Sem sofrer mais perigos, o Grêmio tocou mais a bola e cozinhou o jogo até o final da partida.

Aos 45, Borges poderia ter voltado em alto nível. Vinícius Pacheco passou por dois marcadores na entrada da área e lançou Borges, no pivô. O centroavante girou sobre a marcação, driblou o goleiro e quando bateu, Glauber deu um carrinho e salvou o que seria o gol da volta de Borges

FICHA TÉCNICA:

SÃO LUIZ 0 X 1 GRÊMIO

Data/hora: 09/02, às 22h

Local: Estádio 19 de Outubro, em Ijuí

Árbitro: Fabrício Corrêa, auxiliado por Paulo Conceição e Edemar Palmeira

Gols: Maylson, aos oito minutos do primeiro tempo.

Cartões amarelos: Neguete, Baiano, Bronzati, Glauber, Daril(SL) Mateus Magro, Mário Fernandes(G)

Grêmio: Marcelo Grohe; Mário Fernandes, Paulão, Rafael Marques e Bruno Collaço; Adilson, Mateus Magro, Roberson(Mithyuê) e Maylson(Vinícius Pacheco); Diego Clementino(Wesley) e Borges. Técnico: Renato Gaúcho.

São Luiz: Vanderlei; Bronzati, Glauber e Faccin(William); Fernando(Anderson), Daril, Baiano, Jean Paulo(André Luis) e Negueti; Alexandre e Sharlei. Técnico: Beto Campos.

fevereiro 9, 2011 Posted by | Grêmio | | Deixe um comentário

Flu empata em estreia marcada por duelo entre He-Man e o baixinho Niell

Tricolor, de 1,89m, faz dois, assim como o atacante do Argentinos Juniors, com 1,60m. Resultado é ruim para os cariocas na Libertadores

A estreia do Fluminense na Libertadores 2011 pode ser resumida em um duelo: Rafael Moura x Niell. O grandalhão tricolor, de 1,89m fez os gols tricolores, enquanto o baixinho de 1,60m do Argentinos Juniors fez, de cabeça, os dois de seu time no empate por 2 a 2, válido pelo Grupo 3 da competição, nesta quarta-feira, no Engenhão.

Mesmo com o time sendo o atual campeão brasileiro, entre os favoritos ao título deste ano e com a melhora na organização das vendas dos ingressos, o público presente foi decepcionante, pouco menos de 16 mil torcedores.

Argentinos mais eficientes
O jogo começou quente, com dois lances de perigo em menos de dois minutos, um para cada lado. No primeiro, Oberman recebeu lançamento dentro da área e só foi desarmado por Edinho quando se preparava para chutar. Em seguida, Willians arriscou de longe, dando trabalho para Navarro.
Com o passar do tempo, a tática dos visitantes ficou clara: deixar o tempo passar. O goleiro Navarro chegou a ser punido com cartão amarelo por retardar a reposição de bola algumas vezes. Ansioso, o Tricolor errava muitos passes. Perto dos 20 minutos, os torcedores já demonstravam impaciência, principalmente com Willians, que parecia nervoso. As principais jogadas de ataque surgiam com tabelas entre Souza e Conca e algumas vezes pelas laterais. Aos 21, Mariano arrancou e tocou para Rafael Moura na entrada da área. O atacante chutou bem, mas Navarro defendeu. Pouco depois, Souza tentou de longe, e a bola passou raspando o travessão.
Aos trancos e barrancos, o Flu ia à luta. Os argentinos, de seu jeito, conseguiam deixar o jogo mais parelho. O volante Basualdo se destacava pela marcação e pela qualidade no passe e alguns belos dribles até se arriscando no ataque.Enquanto isso, Rafael Moura interrompia vários ataques tricolores por estar em posição de impedimento.
Até que aos 36, polêmica do Engenhão: contra-ataque do Argentinos Juniors, Salcedo cruzou para Niell, que dividiu com Gum. A bola passou por Diego Cavalieri, mas André Luis se esticou e chutou para longe. Para a arbitragem paraguaia, comandada por Carlos Torres, a bola não ultrapassou toda a linha do gol.
Mas, aos 43, não teve jeito: silêncio da maioria e festa dos poucos argentinos presentes ao estádio. Após escanteio da direita, Niell subiu, cabeceou forte, a bola ainda desviou em Diguinho e enganou Cavalieri. 1 a 0 para os visitantes. Das arquibancadas soaram alguns gritos de incentivo, como ‘vamos virar, nense’, mas o primeiro tempo terminou com o Flu em desvantagem.

He-Man x Neill: o grandão contra o baixinho

O Flu voltou do vestiário com Rodriguinho na vaga do vaiado Willians. E logo no primeiro ataque, uma ótima chance para empatar. Souza cobrou falta da esquerda, a bola desviou na zaga e quase enganou Navarro, que ainda teve reflexo para espalmar a bola para fora da área, aos dois minutos.

E, na pressão, o time das Laranjeiras chegou ao empate. Aos 12, Carlinhos cruzou da esquerda, Rafael Moura tocou de cabeça, Navarro colaborou, a bola passou por baixo dele e beijou as redes. 1 a 1 e empolgação dos tricolores no campo e nas arquibancadas.

Aos 25, o baixinho de 1,60m apareceu de novo. Salcedo fez bela jogada pela direita, cruzou, Cavalieri saiu mal, Gum também falhou, e Niell, mais uma vez de cabeça, fez o segundo dos argentinos. No mesmo momento, parte da torcida tricolor passou a gritar ‘Berna, Berna’, pedindo a entrada do goleiro reserva. Mas Muricy preferiu arriscar e tirou André Luis, que também não fez um bom jogo, para colocar o meia Marquinho. E deu certo.

O He-Man, que tem 1,89m, também estava com a força, e voltou a deixar tudo igual aos 28. Conca cruzou da direita, Marquinho cabeceou, a bola passou em frente ao gol e sobrou para Mariano que tocou para o meio da pequena área. Rafael Moura, de cabeça, desviou de Navarro para colocar 2 a 2 no placar. Foi o quarto gol dele em dois jogos pelo Flu este ano – fez os dois da derrota por 3 a 2 para o Botafogo, domingo.

Aos 38, o grito de ‘uhh’ no Engenhão. Souza cruzou da direita, Conca desviou de cabeça, e a bola passou perto da trave direita de Navarro. O Flu ainda tentou a virada no abafa, mas tropeçou no cansaço e na boa defesa argetina. Fim de jogo, e decepção tricolor. Melhor para o baixinho Neill, que ajudou seu time a conquistar um ponto fora de casa.

Próximos jogos

Na segunda rodada da Libertadores, o Flu enfrenta o Nacional-URU, de novo no Engenhão, no dia 23, às 21h50m (de Brasília). Os argentinos encaram o América do México no dia seguinte, às 21h30m (de Brasília), em Buenos Aires.

No domingo, pela última rodada do Grupo B da Taça Guanabara, o Tricolor (15 pontos) encara o Madureira, às 17h (de Brasília), em Volta Redonda, e precisa vencer e torcer contra o Botafogo (16 pontos), que pega o Macaé, para terminar em primeiro.
FLUMINENSE 2 X 2 ARGENTINOS JUNIORS
Diego Cavalieri, Mariano, Gum, André Luis (Marquinho) e Carlinhos; Edinho, Diguinho, Souza (Valencia) e Conca; Rafael Moura e Willians (Rodriguinho). Navarro; Sabia, Torren e Gentiletti; Prósperi, Mercier, Basualdo (Bogado) e Escudero (Berardo); Oberman (Hernández), Salcedo e Niell
Técnico: Muricy Ramalho. Técnico: Pedro Troglio
Gols: Niell, aos 43 minutos do primeiro tempo; Rafael Moura, aos 12, Niell, aos 26, Rafael Moura, aos minutos do segundo tempo
Cartões amarelos: Oberman, Torren, Navarro (ARG); Rafael Moura (FLU)
Local: Engenhão, Rio de Janeiro Data: 09/02/2011. Árbitro: Carlos Torres (PAR). Auxiliares: Nicolás Yegros e César Franco (PAR)
Renda: R$ 681.050 Público pagante: 14.031 (15.939 presentes

fevereiro 9, 2011 Posted by | Fluminense | | Deixe um comentário