Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Dorival Júnior pode igualar pontuação de Luxa com metade das partidas

Enquanto Vanderlei Luxemburgo fez 21 pontos em 24 jogos, atual
treinador do Atlético-MG pode atingir a mesma marca com apenas 12

Dorival Júnior completará, neste domingo, diante do Palmeiras, o 12º jogo à frente do Atlético-MG no Campeonato Brasileiro. Em caso de vitória, o Galo somará 21 pontos sob seu comando. O interessante neste dado é que Vanderlei Luxemburgo também fez 21 pontos quando treinava o time mineiro. O detalhe é que Luxa comandou o Galo em 24 jogos, o dobro da marca que seu substituto completará no fim de semana.

Com Dorival, o Galo disputou 11 jogos no Brasileirão. Foram cinco vitórias, três empates e três derrotas, o que representa um aproveitamento de 54,54%.

Esperança frustrada

Vanderlei Luxemburgo chegou ao Atlético-MG com ares de salvador. Foi recebido com festa pela torcida e prometeu conquistar títulos. Até começou bem. Venceu o Campeonato Mineiro ao bater o Ipatinga na decisão, mas fracassou na Copa do Brasil, ao ser eliminado nas quartas de final pelo Santos, de Dorival.

No Campeonato Brasileiro, competição da qual é o técnico com mais títulos na história (cinco), o barco de Luxemburgo naufragou de vez. Das 24 rodadas em que comandou o Atlético-MG, o time esteve na zona de rebaixamento em 17, sendo 15 consecutivas, e sofreu goleadas para Fluminense (5 a 1) e para o lanterna Grêmio Prudente (4 a 0). O aproveitamento de Luxa foi pífio: apenas 29,16%.

A cada derrota, o treinador vinha com explicações que desagradavam o torcedor e não abrandavam o fato de o time estar de mal a pior na tabela. Após perder para o Internacional, por 2 a 1, na Arena do Jacaré, na décima rodada, Luxemburgo soltou uma frase que repetiria várias vezes até deixar o Galo.

– Nós estamos no caminho certo. Eu entendo a pressão da imprensa e da torcida, mas nós temos que ter calma e tranquilidade para sair dessa situação.

Outra frase marcante de Luxa durante sua passagem pelo Atlético-MG foi dita antes da derrota para o Botafogo, no Rio de Janeiro.

– O pão só tem caído com o lado da manteiga para baixo. Falta a bola bater na bunda e entrar. Ela bate na bunda do adversário e entra. É isso que precisa acontecer.

Gota d’água

A paciência do presidente Alexandre Kalil acabou quando a torcida já havia desistido há muito tempo. Após a derrota para o Fluminense, por 5 a 1, no Engenhão, Kalil demitiu o ‘professor’, que saiu agradecido à diretoria do clube e à torcida, dizendo que iria se reciclar antes de voltar ao mercado de trabalho. Porém, 11 dias depois, foi contratado pelo Flamengo.

Para o lugar de Luxemburgo, o Atlético-MG trouxe Dorival Júnior, que havia deixado o Santos, após se desentender com o atacante Neymar.

Nova era

Dorival Júnior comanda treino no Atlético-MG
(Foto: Valeska Silva / Globoesporte.com)

Dorival Júnior chegou ao Galo sem prometer milagres. Admitiu que a luta contra o rebaixamento era muito difícil, mas não impossível. Naquele momento, o Atlético-MG ocupava a 19ª colocação e era o time com mais derrotas, além de ter a pior defesa e o pior saldo de gols.

Mas com muito trabalho e paciência, o novo comandante deu padrão de jogo ao time e, aos poucos, conquistou os resultados que tiraram o time da zona de rebaixamento. O preço para isso foi caro. O Atlético-MG se viu obrigado a abrir mão da Copa Sul-Americana, que, neste ano, pela primeira vez, dará vaga na Libertadores do ano seguinte. Para se ter uma ideia, o Galo foi a Bogotá, encarar o Santa Fé, com apenas 14 jogadores na delegação e, mesmo assim, voltou da Colômbia classificado. Depois, o time reserva não resistiu ao Palmeiras e deu adeus à competição.

O treinador conquistou a confiança dos jogadores que assimilaram seu esquema de jogo e passaram a demonstrar muito mais garra e valentia em campo que nos tempos de Luxemburgo. E também ganhou a torcida, ao vencer o clássico com o Cruzeiro, por 4 a 3, em Uberlândia, quando a maioria da imprensa colocava o rival como franco favorito.

Confiança e admiração

Os jogadores do Atlético-MG confiam e acreditam no trabalho de Dorival Júnior. A maioria deles deixa isso claro nas entrevistas, quando o treinador sempre é lembrado. O volante Zé Luís, um dos líderes do grupo, é um deles.

– O Dorival é um cara que tem uma maneira de trabalhar muito tranquila. Ele consegue fazer com que os jogadores o respeitem sem falar um palavrão, sem xingar ninguém. Isso é importante, saber que tem uma parceria. Os atletas gostam da maneira que ele trabalha. É um estudioso do futebol. As conquistas recentes dele mostram isso, dois títulos nos últimos seis meses. Trabalha muito bem a parte tática, dá moral para o grupo e para o time. Hoje nós temos um time considerado titular. Coisa que há pouco tempo não tinha. Depois de uma derrota, mudava três ou quatro jogadores, e isso acabava dificultando muito. É bom demais o atleta dormir e saber que, no dia seguinte, vai jogar. Saber que é titular é importante.

O jovem Renan Oliveira é outro fã confesso de Dorival. Vivendo a melhor fase de sua carreira, o meia atleticano não esconde que boa parte de seu sucesso se deve à chegada de Dorival.

– Ele tem sido muito importante para nós. É um treinador que todo dia está conversando com um, com outro, separadamente. Está sempre apoiando, sempre incentivando.

Próximos passos

A luta do Atlético-MG para se livrar definitivamente da degola ainda não terminou. O time terá pela frente, nas rodadas finais do Brasileirão, Palmeiras, Goiás e São Paulo. O Galo depende somente de suas próprias forças para não cair. O treinador, porém, mantém os pés no chão e pediu que o time mantenha a postura dos últimos jogos.

– O Atlético-MG não cairá caso essa integração continue entre jogadores, comissão e torcedor. Vamos continuar trabalhando forte e com o pensamento na próxima partida. É difícil. Já vi muito matemático errando. Temos que buscar as vitórias para sair dessa situação que incomoda demais e desequilibra qualquer equipe no ambiente de trabalho.

Se depender da confiança da torcida e dos jogadores no trabalho do técnico, o Galo já pode planejar 2011 na elite do futebol nacional.

novembro 18, 2010 - Posted by | Atlético-MG |

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s