Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Verdão bate Goiás fora de casa e fica perto da final

Marcos Assunção, sempre ele, faz um golaço de fora da área, e garante o 1 a 0 do Palmeiras, que agora joga pelo empate

Com um golaço de Marcos Assunção de fora da área, o Palmeiras venceu o Goiás no Serra Dourada por 1 a 0. Mais: o time paulista deu um grande passo para chegar às finais da Copa Sul-Americana, já que joga apenas por um empate em casa.

Não é exagero dizer que Marcos Assunção carrega o time do Palmeiras nas costas. Do meio para frente, Lincoln, o substituto de Valdivia – que não atuou, machucado – não conseguiu ainda se achar no Verdão. Tinga, por sua vez, é um bom jogador mas tem suas limitações e não pode ser o armador da equipe.

Kleber e Luan, a dupla ofensiva, também ainda não “deu liga” e não enche os olhos da torcida alviverde. Mas, com certeza, os palmeirenses que lotaram sua parte no Serra Dourada tinham convicção de que, a qualquer instante, dos pés de Marcos Assunção poderia sair o gol da vitória.

Na primeira etapa, Assunção começou mal. Aos quatro minutos deu seu primeiro chute, que passou muito longe de meta de Harlei, que teria seu único momento de sossego com os petardos desferidos pelo volante. A partir daí, o que se viu foram tentativas sucesssivas de um jogador que parecia ciente das limitações de criação que o Palmeiras apresentou durante todo o jogo.

O Goiás também se mostrou inofensivo, já que não criava, e não assustou Deola, que pouco trabalhou. O Palmeiras, por outro lado, se não conseguia ter oportunidades de marcar, mostrava que queria cumprir o que havia prometido Assunção um dia antes: fazer ao menos um gol fora de casa, o que é importantíssimo em competições em que o tento fora tem peso diferenciado.

Por três vezes, o volante chegou perto a abrir o placar. Duas em cobranças de falta, aos 20 e 29 minutos, além de um chute aos seis minutos de jogo que passou próximo e assustou Harlei. Entretanto, se na primeira etapa o Esmeraldino escapou, no segundo não houve como fugir da artilharia pesada de Marcos Assunção.

Logo aos dois minutos, ele arriscou de muito longe, e acertou a gaveta do goleirão do Goiás. Curiosamente, este foi o segundo gol de bola rolando que Assunção fez na temporada de um total de dez gols com a camisa do Alviverde. Desta forma, fora premiada a ousadia do time de Felipão, que por muitas vezes foi acusado de colocar o time com muitos volantes em campo, mas que, em momento algum, abdicou de ir à frente e buscar a vantagem fora de casa.

O Goiás, se vendo em situação adversa logo de cara na segunda metade do jogo, ensaiou pressionar o Palmeiras. Entretanto, a única porta aberta pelo time paulista surgiu apenas aos 29 minutos, quando Felipe invadiu a área com liberdade e chutou rasteiro. Deola defendeu e garantiu o resultado para o Verdão, que foi eficiente em conter os chuveiros os quais o time do Centro-Oeste abusou na parte final do jogo.

Aos 47 minutos, o torcedor palmeirense levou um grande susto, quando em cobrança de falta de Marcelo Costa, Otacílio Neto, em posição irregular desviou para o gol. O auxiliar prontamente anotou a infração, o que revoltou a torcida do Goiás, que passou a atirar objetos no gramado do Serra Dourada.

No jogo de volta, a ser realizado daqui uma semana, no Pacaembu, o Palmeiras joga com a vantagem de poder empatar e, mesmo assim, ir à próxima fase. Vitória do Goiás por 1 a 0 leva o jogo para os pênaltis. Qualquer outro resultado favorável aos goianos faz com que eles que avancem à decisão.

FICHA TÉCNICA:
GOIÁS 0 X 1 PALMEIRAS

Estádio: Serra Dourada, Goiânia (GO)
Data/hora: 17/11/2010 – 22h (de Brasília)
Árbitro: Evandro Rogério Roman (Fifa-BRA)
Auxiliares: Roberto Braatz (Fifa-Bra) e Márcio Santiago (Fifa-BRA)
Renda/público: R$: 274.480,00 / 14.129 pagantes
Cartões amarelos: Douglas e Carlos Alberto (GO); Gabriel Silva e Edinho (PAL)
GOLS: Marcos Assunção, 2’/2ºT (0-1)

PALMEIRAS: Deola, Márcio Araújo, Maurício Ramos, Danilo e Gabriel Silva; Marcos Assunção, Edinho, Tinga (Leandro Amaro, 39’/2ºT) e Lincoln (Pierre, 34’/2ºT); Luan e Kleber. Téc: Luiz Felipe Scolari.

GOIÁS: Harlei, Douglas, Rafael Tolói, Ernando, Marcão e Wellington Saci; Carlos Alberto, Amaral e Marcelo Costa; Felipe (Otacílio Neto, 26’/2ºT) e Rafael Moura. Téc: Artur Neto.

novembro 17, 2010 Posted by | Goiás, Palmeiras | | Deixe um comentário

Rafael Coelho quebra jejum, e Vasco vence Santos em amistoso no Piauí

Atacate marca depois de cinco meses e garante vitória do time carioca sobre o Peixe em Teresina

Sem grandes ambições no Campeonato Brasileiro, Santos e Vasco aproveitaram a quarta-feira de folga para disputar um amistoso em Teresina. E o time carioca levou a melhor na capital do Piauí. Graças a um gol de Rafael Coelho, que não balançava a rede há cinco meses, a equipe de São Januário venceu por 1 a 0 no estádio Albertão. 

Com uma formação mesclada de reservas e jogadores que costumam ser titulares – como Rafael, Danilo e Keirrison – O Santos começou a partida pressionando, mas sofreu uma baixa logo com três minutos de jogo. Alan Patrick sentiu um problema muscular e teve que deixar o campo, substituído por Breitner. O incidente com uma das revelações da Vila fez o time do Santos reduzir o ritmo. Diante da lentidão do Vasco, vaias foram ouvidas com apenas dez minutos de jogo.

O protesto dos torcedores acordou os atletas. Duas boas chances ocorreram em sequência. Aos 14, Tiago defendeu um chute de Breitner. O Vasco respondeu imediatamente, com um chute de longe de Carlinhos. Rafael espalmou para escanteio.

E apesar de atuar com um time formado completamente por reservas, ao contrário do adversário, o time carioca foi para o intervalo em vantagem. Aos 39, Nunes dominou mal um lançamento para área, mas a bola sobrou para Rafael Coelho. O atacante concluiu sem defesa para o goleiro Rafael. Foi o terceiro gol no ano do jogador, que não marcava desde junho, quando fez um na vitória sobre o Avaí (3 a 1) pelo Torneio de Florianópolis. Gol que não deverá ser suficiente para garantir a permanência do jogador em São Januário.

No segundo tempo, o treinador Marcelo Martelotte fez duas alterações no Peixe (Maranhão e Zezinho nos lugares de Alex Sandro e Rodrigo Possebon), mas o Santos teve muitas dificuldades para criar chances de gol.

E a forte chuva que atingiu o estádio a partir da metade do segundo tempo dificultou ainda mais a reação do time paulista. E o esforço santista ficou ainda mais prejudicado aos 39 minutos, quando Zezinho foi expulso por falta violenta.

Com vários garotos em campo (Caíque, Diego Rosa e Douglas), o time carioca soube segurar o adversário e garantir a vitória.

SANTOS: Rafael; Danilo, Vinicius Simon, Bruno Aguiar e Alex Sandro (Maranhão); Roberto Brum, Rodrigo Possebon (Zezinho), Felipe Anderson e Alan Patrick (Breitner); Madson e Keirrison. Treinador: Marcelo Martelotte

VASCO: Tiago; Jadson Viera, Fernando (Douglas) e Titi; Ari, Romulo, Allan, Fumagalli (Caíque) e Carlinhos; Rafael Coelho (Diego Rosa) e Nunes. Treinador: Acácio

Arbitragem: Afonso Amorim de Sousa auxiliares serão Francisco Pereira de Lima Júnior e Rogério de Oliveira Braga.

novembro 17, 2010 Posted by | Santos, Vasco da Gama | , | Deixe um comentário

Lionel Messi marca, quebra tabu, e Argentina bate Seleção em Doha

Craque do Barcelona balança a rede e conquista primeira vitória diante dos brasileiros atuando nos profissionais. Ronaldinho tem atuação razoável

A fera acordou. Com um golaço de Lionel Messi aos 46 minutos do segundo tempo, a Argentina derrotou a Seleção por 1 a 0, no Khalifa International Stadium, em Doha, no Qatar, e acabou com um jejum de cinco anos sem triunfos sobre o arquirrival. Além disso, “La Pulga” acabou com o tabu de nunca ter vencido o time canarinho atuando pela equipe principal dos hermanos. Pelo lado brasileiro, Ronaldinho foi o destaque, mas foi substituído no segundo tempo (assista ao gol no vídeo ao lado).

O tabu de Messi já durava quatro partidas. Foram três derrotas e um empate com o time canarinho. Ele também nunca havia marcado um gol na Seleção Brasileira. E justamente no primeiro jogo de Sergio Batista como técnico efetivo da Argentina, “La Pulga” fez a diferença.

Com o resultado, a Seleção Brasileira perdeu a invencibilidade sob o comando de Mano Menezes. Eram três vitórias em três jogos e nenhum gol sofrido. O setor defensivo, formado por Victor, Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e André Santos, não sabia o que era buscar a bola na rede há 451 minutos.

O Brasil volta a campo apenas no ano que vem. A equipe de Mano Menezes vai enfrentar a França, no dia 2 de fevereiro, em Paris. Já os hermanos devem voltar a atuar na mesma data, contra a Inglaterra, em Wembley. O amistoso será confirmado nos próximos dias pela Associação de Futebol Argentina (AFA).

Primeiro tempo morno em Doha. Messi e Ronaldinho comandam as ações

Ronaldinho tem atuação destacada no primeiro
tempo do jogo desta quarta (Foto: Mowa Press)

Os olhos do planeta estavam voltados para os donos da camisa 10 de Brasil e Argentina. De um lado Ronaldinho Gaúcho, do outro Lionel Messi. E a primeira chance foi do brasileiro. Aos quatro minutos, Neymar deu um corte em Pareja e sofreu falta na entrada da área. Na cobrança, Ronaldinho acertou a barreira. Na sobra, André Santos pegou o rebote e chutou à esquerda do goleiro Romero. Os hermanos responderam um minuto depois. Zanetti recebeu pelo lado direito, entrou na área e chutou de canhota. Victor caiu com segurança para defender.

Ronaldinho seguiu se movimentando, bem diferente do que costuma fazer no Milan, quando atua mais pelo lado esquerdo. O brasileiro carimbava todos os lances do meio-campo da Seleção, tentando criar os lances para Neymar e Robinho, que jogaram mais avançados. Aos 18, Daniel Alves tabelou com David Luiz e chutou de primeira. A bola estourou no travessão de Romero. Quase o primeiro gol do Brasil.

E tudo sob o olhar atento do francês Zinedine Zidane, embaixador do Qatar na disputa para ser sede da Copa do Mundo de 2022. Além do ex-jogador, o holandês Ronald De Boer, os pilotos de Fórmula-1 Rubens Barrichello e Felipe Massa e o tetracampeão do mundo Bebeto estavam presente no Khalifa International Stadium.

Três minutos, Neymar bateu escanteio da esquerda e no bate-rebate, a bola sobrou para Ronaldinho na entrada da pequena área. Sem muitas opções, o atacante deu um lindo toque de calcanhar e quase marcou. O goleiro Romero fez a defesa. No intervalo, o brasileiro aproveitou para explicar o lance.

– Pena que eu estava de costas, não vi se tinha marcador e tentei o gol daquela maneira. É maravilhoso retornar à Seleção. Temos mais 45 minutos para tentar a vitória – disse o camisa 10 da Seleção Brasileira.

Zidane, embaixador da candidatura do Qatar a sede da Copa de 2022, assistiu ao jogo desta quarta (AFP)

Mas a etapa inicial não ficou só por aí. Aos 28, a Argentina foi quem assustou. Aos 28, após cobrança de escanteio, Higuaín cabeceou e Victor fez uma linda defesa. Na sobra, o atacante do Real Madrid chutou e o goleiro voltou a salvar a Seleção. O árbitro, porém, parou o lance e assinalou impedimento do ataque hermano.

E Ronaldinho seguiu tentando deixar a sua marca em seu retorno ao time canarinho. Aos 37, ele voltou a assustar Romero. O jogador cobrou falta do bico da grande área e o goleiro argentino espalmou para fora.

Um minuto depois, Messi, que vinha sendo bem marcado por David Luiz, assutou a Seleção. O jogador do Barça recebeu na intermediária e arriscou da entrada área. A bola passou à direita de Victor, que voou para tentar a defesa. Aos 43, Neymar deu um drible com um quê de Ronaldinho. O atacante do Santos deu um corte em Zanetti, que ficou caído no chão, e cruzou. A zaga argentina afastou o perigo antes da chegada de Robinho. Fim de papo no primeiro tempo.

Messi marca um golaço, e Argentina bate o Brasil após cinco anos

O segundo tempo começou como o primeiro. Aos sete, Ronaldinho cobrou falta da esquerda buscando um dos zagueiros brasileiros. Porém, a bola passou à esquerda do gol de Romero. Três minutos depois, Lavezzi, que entrou na vaga de Higuaín no intervalo, fez ótima jogada pela direita e cruzou. Victor se esticou todo para a bola não chegar a Pastore. Na sobra, Messi chutou em cima da defesa e perdeu a chance de abrir o marcador.

Aos 17, David Luiz, que estava bem na marcação de Messi, exagerou na dose e acertou duas vezes o camisa 10 argentino. Falta marcada pelo árbitro. Enquanto o zagueiro retornava ao setor defensivo canarinho, Ronaldinho pedia desculpas ao adversário e o recolocava de pé. No lance seguinte, Ramires e Banega se estranharam após uma dividida no meio-campo.

O Brasil voltou a assustar em uma cobrança de falta aos 21. Mais uma vez com Ronaldinho Gaúcho. O camisa 10 cobrou da intermediária e o goleiro Romero defendeu no meio do gol. A partir dos 22 minutos, a Seleção perdeu o meio-campo, e a Argentina passou a dominar o jogo, mas sem levar perigo ao gol de Victor.

Aos 27, Ronaldinho deixou o gramado aplaudido pelos torcedores que estavam no Khalifa International Stadium. O jogador deu lugar a Douglas, do Grêmio. Quatro minutos depois, Neymar saiu para a entrada de André, ex-Santos e atualmente no Dínamo de Kiev. Nada mudou, e a Seleção seguiu sem posse de bola, virtude cobrada por Mano.

O jogo caiu muito de produção, mas no fim um lampejo decidiu o clássico. Douglas perdeu a bola no meio campo para Banega, que tocou para Lavezzi. O jogador do Napoli rolou para Messi, que tabelou duas vezes com o companheiro e recebeu na intermediária. Com um pique, o craque passou por David Luiz e Lucas. Já dentro da área e pressionado por Thiago Silva, o argentino chutou cruzado para marcar o gol da vitória dos hermanos, que não venciam a Seleção há cinco anos.

BRASIL0  X 1 ARGENTINA
Victor, Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e André Santos; Lucas, Ramires (Jucilei) e Elias; Robinho, Neymar (André) e Ronaldinho Gaúcho (Douglas). Romero, Zanetti, Burdisso, Pareja e Heinze; Banega, Mascherano e Pastore (D´Alessandro); Dí Maria, Messi e Higuaín (Lavezzi).
Técnico: Mano Menezes Técnico: Sergio Batista
Gols: Messi, aos 46 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Mascherano (Argentina)
Árbitro: Abdalá Balideh (Qatar)
Local: Khalifa International Stadium, em Doha, no Qatar

novembro 17, 2010 Posted by | Futebol Sulamericano, Seleção brasileira. | , , | Deixe um comentário