Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Com direito a olé, Timão vence rival São Paulo e assume a liderança

Elias e Dentinho marcaram os gols da vitória alvinegra. Derrota complica o Tricolor na briga por uma vaga na Libertadores da América

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O “olé” da torcida no final da partida foi o resumo da euforia do Corinthians. Na tarde deste domingo, com uma vitória incontestável por 2 a 0 sobre o São Paulo, no estádio do Morumbi, o Timão reassumiu a liderança do Campeonato Brasileiro (mesmo que temporariamente). Mas tem mais do que isso a comemorar. Até porque frustrou os planos do rival em relação à vaga na Libertadores e aumentou para 11 o número de jogos sem perder do Tricolor (sete vitórias e quatro empates). Elias e Dentinho foram os heróis.

Os destaques do clássico deste domingo não são novidade para os corintianos. Nem para os são-paulinos. Autor do primeiro gol do triunfo alvinegro, Elias costuma se dar bem contra o rival do Morumbi. Em sete jogos foram cinco gols. Média impressionante. Já Dentinho, que fez o segundo, jamais perdeu para o Tricolor.

A vitória no clássico colocou o Corinthians temporariamente na liderança do Brasileirão com 60 pontos. Agora, a equipe do Parque São Jorge torce por empate ou derrota do Fluminense no duelo com o Vasco, às 19h30m. Já o São Paulo, com os mesmos 50 de antes, não consegue se aproximar do G-4 e ainda pode perder a oitava colocação para o Atlético-PR, que encara o Flamengo esta noite.

Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, a de número 35, o São Paulo joga contra o Vasco, domingo, dia 14, às 17h, no estádio de São Januário, no Rio de Janeiro. O Corinthians, por sua vez, tem um confronto direto na briga pelo título. Recebe o Cruzeiro, no estádio do Pacaembu, às 19h30 do sábado, dia 13.

Era uma decisão. Tanto para o Corinthians, que busca o título, quanto para o São Paulo, na briga por uma vaga na Libertadores. E nos primeiros minutos, as duas equipes mostraram bem a “cara” dos seus treinadores. Do lado de Carpegiani, ataque atrás de ataque. Do lado de Tite, cautela defensiva.

Apesar de a postura tricolor ser mais ofensiva, os donos da casa demoraram a encontrar espaço para finalizar. Quando arriscavam de longe, o goleiro Julio Cesar não tinha com o que se preocupar. Enquanto isso, o Corinthians, que começou com Dentinho na vaga de Iarley, buscava os contra-ataques.

Ajudado pelo São Paulo, que abusava dos erros de passe, o Timão conseguiu criar alguns contragolpes, mas parou nas defesas de Rogério Ceni, como em chute de Dentinho aos 16 minutos. Aliás, os goleiros roubavam a cena no jogo. Julio Cesar, por sinal, salvou o Corinthians em boa finalização de Lucas, o melhor do Tricolor.

Os são-paulinos poderiam até achar que, pelo volume, o time estava melhor em campo. Mas o Corinthians, quando encaixa uma jogada, é muito mais perigoso. Na realidade, fatal. Foi assim aos 30 minutos. Jucilei deu ótimo passe em profundidade para Elias chutar cruzado da direita da grande área, sem chances para Ceni.

O gol marcado pelo volante evitou que os goleiros fossem os únicos protagonistas do primeiro tempo. E mais: mostrou ao Timão que o melhor caminho era mesmo pela direita, nas costas de Diogo, escolhido por Carpegiani para o lugar do titular Richarlyson, suspenso pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva.

Para tentar acabar com a “Avenida Diogo”, o técnico Paulo César Carpegiani mudou o São Paulo. Colocou o experiente Jorge Wagner no lugar do garoto. Mudou também na contenção do meio-campo. Sacou Casemiro e escalou Ilsinho, que assumiu a lateral direita e mandou Jean para ser volante. O Timão não mudou.

Com Jorge Wagner e Ilsinho em campo, o São Paulo passou a aproveitar melhor as jogadas pelas laterais. Uma saída contra a boa marcação dos volantes alvinegros. A mudança promovida por Carpegiani deixou o Tricolor mais rápido também. Melhor para Ricardo Oliveira, que passou a ser mais servido pelos companheiros.

A pressão tricolor em busca do empate foi grande. Mas o Corinthians, quando tinha a bola, se mostrava perigoso. Faltava apenas melhorar a finalização. Em relação ao primeiro tempo, o jogo melhorou. O torcedor pode ver muito mais chances de gol e uma movimentação intensa de todos os setores das duas equipes.

Aos poucos, porém, o Corinthians conseguiu esfriar o jogo e conter a pressão. Perdeu, por outro lado, mobilidade no meio-campo após Tite sacar Bruno César para a entrada de Danilo. Mas o São Paulo só não empatou aos 35 minutos porque do outro lado estava Julio Cesar, que fez linda defesa em chute de Jorge Wagner.

Mas quem conseguiu marcar foi o Timão. Mais eficiente, o time aproveitou o jogo aberto do São Paulo e dez 2 a 0 aos 39 minutos. Alessandro entrou em velocidade pela direita da grande área e cruzou para Dentinho completar: 2 a 0. Em seu segundo jogo após cinco lesões seguidas, o atacante se emocionou com o feito.

No final, a Fiel ainda calou os tricolores com um sonoro “olé”.

SÃO PAULO 0X2 CORINTHIANS
Rogério Ceni, Jean, Alex Silva, Miranda e Diogo (Jorge Wagner); Rodrigo Souto, Casemiro (Ilsinho), Lucas e Fernandão (Marlos); Dagoberto e Ricardo Oliveira. Julio Cesar; Alessandro, Chicão, William e Roberto Carlos; Ralf, Jucilei, Elias (Paulinho) e Bruno César (Danilo); Dentinho (Iarley) e Ronaldo.
Técnico: Paulo César Carpegiani. Técnico: Tite.
Gols: Elias, aos 39 minutos do primeiro tempo.
Cartões amarelos: Alex Silva, Dagoberto, Ilsinho (SPO); Roberto Carlos, Ronaldo, William (COR).
Público: 42.667 pagantes. Renda: R$ 1.262.401,59.
Local: Morumbi, em São Paulo (SP). Data: 07/11/2010. Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS). Auxiliares: Altemir Hausmann (FIFA-RS) e Carlos Berkenbrock (FIFA-SC).

novembro 7, 2010 Posted by | Corinthians, São Paulo | , | Deixe um comentário

Reservas levam Verdão à vitória e complicam a vida do Guarani

Sem ter o que fazer no Brasileirão, Palmeiras joga com time alternativo e complica o Bugre, que segue sem conseguir deixar a zona de rebaixamento

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Mesmo com um time reserva e sem nenhuma ambição no Campeonato Brasileiro, o Palmeiras venceu o Guarani, por 1 a 0, neste domingo à noite, na Arena Barueri, pela 34ª rodada da competição, e complicou ainda mais a situação da equipe campineira, que precisava de pelo menos um ponto para sair da zona de rebaixamento. Não deu para o Bugre, que segue na 17ª posição, com 36 pontos. Já o Verdão vai a 50, em décimo lugar.

O Palmeiras está mais interessado na Copa Sul-Americana. Na próxima quarta-feira, às 21h50m (horário de Brasília), no Pacaembu, disputará uma vaga na semifinal com o Atlético-MG. Pelo Brasileirão, o time do Palestra Itália, joga domingo, às 17h, contra o Atlético-GO, em Goiânia. Já o Guarani, no mesmo dia e horário, vai tentar se recuperar contra o Vitória, em Campinas.

Bugre tem iniciativa, mas quem marca é o Verdão

O jogo só valia alguma coisa para o Guarani. Por isso, a pressão bugrina no início da partida era esperada. Apertando as saídas de bola do Palmeiras, a equipe campineira tentava encurralar o adversário. O Verdão começou a fazer faltas (Pierre, principalmente) na entrada de sua área e quase foi castigado logo aos seis minutos, quando Baiano, numa cobrança, até acertou o alvo, o ângulo direito, mas Bruno voou e espalmou.

Ewerthon e Leandro Amaro comemoram o gol da vitória palmeirense (Foto: César Greco / Agência Estado)

O Palmeiras, sem ter o que fazer no Brasileirão a não ser cumprir tabela, entrou em campo com um time quase todo reserva. Oito jogadores foram poupados: o goleiro Deola, o zagueiro Danilo, os volantes Edinho, Márcio Araújo e Marcos Assunção, o meia Lincoln e os atacantes Luan e Kleber. Sem contar o goleiro Marcos e o meia Valdívia, que estão em fase final de recuperção física. O técnico Luiz Felipe Scolari optou por escalar três zagueiros e liberou seus dois laterais. E foi pelos lados do campo que o Verdão tentou chegar. Vítor, pela direita, e Gabriel Silva, pela esquerda, escapavam com velocidade. Gabriel principalmente. Faltava, porém, maior capricho no passe final.

Bruno ainda salvaria outro chute de Baiano, aos 35. Mas a partir daí, o Palmeiras começou a controlar o ímpeto do Guarani. Passou a ficar mais bom a bola e a virar o jogo, buscando uma brecha para invadir a área. Só que tocando estava difícil, pois o Bugre conseguia cortar bem os passes. Quando o primeiro tempo se encaminhava para o 0 a 0, pintou uma falta pelo lado direito do ataque palmeirense. Vítor cobrou com capricho, na cabeça de Leandro Amaro. O zagueiro subiu mais alto que todo mundo e escorou bem, colocando o Verdão na frente.

A derrota mantinha o Guarani na zona de rebaixamento. A pressão enervou a equipe de Campinas. Tanto que o lateral-direito Apodi e o atacante Mazola bateram boca, porque o ala optou pelo drible em vez de passar a bola num lance de contra-ataque logo após o gol. Tiveram de ser contidos pela arbitragem.

Guarani para, Verdão só administra

Quem precisava vencer era o Guarani, mas foi o Palmeiras quem mandou no segundo tempo. Nervosa, a equipe de Campinas errava passes demais, entregava a bola de graça para o adversário. Ainda por cima, dava espaços para o Palmeiras contra-atacar. O atacante Vinícius, que entrou no lugar de Ewerthon, jogou aberto pelo lado direito e levou o Verdão à frente, com velocidade. Faltavam, porém, algum para tabelar com o garoto.

O melhor jogador do Guarani, Mazola, resolveu jogar sozinho. Habilidoso, ele tentava passar por toda a defesa palmeirense, mas sem sucesso. Depois da áspera discussão com Apodi, ele passou a ignorar o companheiro. Não passou nenhuma bola para o ala. Com isso, o ataque campineiro, mais uma vez, se mostrava inoperante. Já são seis jogos consecutivos sem gols.

A partida, então, tornou monótono, com o Bugre sem conseguir furar o bloqueio palmeirense e o Verdão, não demonstrando muita vontade de explorar os espaços que tinha, só esperando o tempo passar.

PALMEIRAS 1 X 0 GUARANI
Bruno, Leandro Amaro, Maurício Ramos e Fabrício; Vitor (Luis Felipe), Pierre, Rivaldo (Tinga), Patrick e Gabriel Silva; Ewerthon (Vinícius) e Dinei. Émerson, Apodi, Aislan, Aílson e Moreno (Diego Barbosa); Baiano, Paulo Roberto, Renan (Geovane) e Preto; Mazola e Reinaldo (Diogo)
Técnico: Luiz Felipe Scolari Técnico: Vagner Mancini
Gols: Leandro Amaro, aos 41 minutos do primeiro tempo
Cartões amarelos: Maurício Ramos, Patrick, Vinícius (Palmeiras)
Público e renda: 3.154 pagantes -R$ 72.882,00
Local: Arena Barueri, em Barueri (SP). Data: 07/11/2010. Árbitro: Guilherme Cereta de Lima (SP). Auxiliares: Rogério Zanardo (SP) Junivan Rodrigues de Souza (SP)

novembro 7, 2010 Posted by | Guarani, Palmeiras | | Deixe um comentário

Com aplicação, Flu resiste à pressão do Vasco, vence e continua líder

Time mantém vantagem de um ponto sobre Corinthians e Cruzeiro com o triunfo por 1 a 0. Gol da vitória, de Tartá, surgiu com três minutos de jogo

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Antes, o Corinthians havia feito a sua parte, ao derrotar o São Paulo por 2 a 0 no Morumbi. O Cruzeiro também. Venceu o Vitória no Barradão. Restava ao Fluminense derrotar o Vasco no Engenhão, neste domingo, para não deixar escapar a liderança do Brasileirão. E o triunfo ocorreu graças à aplicação tática, aliada à luta e à sorte que costuma acompanhar os campeões. O time resistiu à forte pressão do Vasco no fim. O gol de Tartá, com apenas três minutos de jogo, garantiu o 1 a 0 que leva a equipe aos 61 pontos, um ponto à frente dos outros candidatos ao título, a quatro rodadas do fim do Brasileirão 2010.

A torcida respondeu nas arquibancadas com a costumeira empolgação. A notícia ruim para o tricolor que viu pela TV ou esteve presente ao Engenhão na noite deste domingo – o público, de pouco mais de 16 mil pagantes, com mais de 20 mil presentes, voltou a decepcionar – é que o meia Marquinho, numa trombada com o próprio colega de time, o zagueiro Leandro Euzébio, deixou o campo com suspeita de fratura no braço.

Tartá corre para o abraço: gol logo aos três minutos garante liderança para o Flu (Foto: Photocamera)

Houve também tumulto no fim da partida. Do lado do Vasco, não faltaram reclamações contra o árbitro Péricles Bassols, que foi cercado pelos jogadores. A maior queixa foi pela forma como terminou a partida. A bola havia sido alçada na área para Fumagalli cabecear. Fernando Prass, Fágner e Nunes foram os que mais reclamaram. O atacante, inconformado também com Leandro Euzébio, chegou a esperar o zagueiro tricolor descer no túnel para o vestiário com intenção de agredi-lo. Acabou contido  pelo zagueiro Dedé e o técnico PC Gusmão.

Na briga pelo título,  o Fluminense receberá o Goiás também no Engenhão, no próximo domingo, pela 35ª rodada. No mesmo dia, em São Januário, o Vasco vai encarar o São Paulo.

Gol no começo do Flu

No primeiro tempo, o Tricolor aproveitou-se dos erros de marcação e da lentidão do Vasco para obter com justiça a vantagem no marcador,  ainda que nos minutos finais tenha levado uma pressão do adversário, que acertou principalmente o buraco criado entre os seus setores

O jogo já começou com muita emoção. O técnico PC Gusmão surpreendeu ao escalar o Vasco no 4-3-3. Em vez de começar com o volante Jumar, optou por Jonathan na frente fazendo companhia a Eder Luis e Nunes. E logo no primeiro minuto, o camisa 15, pela direita, tratou de aproveitar bem a chance de começar como titular. Pela direita, centrou na medida para Nunes. O centroavante bateu pelo alto e perdeu uma grande oportunidade de abrir o placar.

O susto não abalou o Fluminense, mais interessado em campo por uma vitória. Num contra-ataque iniciado por uma “pipocada” de Felipe, que perdeu a bola, Tartá dominou a bola e serviu Washington pela meia esquerda. O atacante cortou Cesinha para o meio e bateu cruzado. Fernando Prass espalmou nos pés de Tartá, que se antecipou à defesa cruzmaltina e escorou para as redes, aos três minutos, abrindo o placar para o Tricolor.

Erros cruzmaltinos

Com a desvantagem no placar logo no início, o Vasco se viu obrigado a sair mais ainda para o jogo. Só que a saída de bola era lenta para servir Felipe. Com isso, o ataque, apesar de contar com três jogadores, pouco rendia porque não era municiado. E o meio-campo, com menos um na marcação, perdia a maioria das jogadas e deixava buracos na defesa, que errava na saída de bola.

Leandro Euzébio, de atadura, e Eder Luis travam
grande duelo no clássico. Tricolor leva a melhor
(Foto: Marcelo Sadio / Site Oficial do Vasco)

Numa delas, Washington, livre no meio, serviu Conca na esquerda. O camisa 11, que andava marcado ora por Romulo ora pelo camisa 8 Rafael Carioca, dessa vez não tomou conhecimento e bateu cruzado. Prass foi bem na bola e espalmou para escanteio. Logo depois, Carlinhos, também pela esquerda, teve chance semelhante, mas bateu fraco.

Se o esquema defensivo cruzmaltino mostrava falhas de marcação e erros na saída de bola, além da lentidão, o ferrolho montado por Muricy dava poucas chances ao adversário de criar. Favorecida pela boa marcação do meio-campo, que fechava bem os lados para evitar os avanços dos laterais Fágner e Max, a zaga tomava conta da área.  Leandro Euzébio, com atadura após uma contusão na cabeça, ditava a disposição. No meio, Valencia, Fernando Bob e Marquinhos lutavam pela bola. Tartá e Washington, bem, se movimentavam na frente e criavam.

Vasco quase empata

A partir dos 33 minutos, após Mariano arrancar pela direita e bater para Dedé desviar a bola para escanteio e assustar Fernando Prass, o panorama mudou. A marcação vascaína adiantou, aproximando o meio do ataque. Com menos buracos, o toque de bola melhorou. Nunes teve boa chance mas foi travado por Gum. Eder Luis e Jonathan se mexiam mais, abrindo espaços e chamando os laterais. Numa falta cobrada pela esquerda, Eder Luis cabeceou de costas para o gol. Ricardo Berna espalmou para escanteio.

Outro que passou a participar melhor do jogo foi Felipe. O camisa 6 vascaíno fez sua melhor jogada pela meia direita, quando ajeitou a bola e bateu de canhota, rente à trave. E no fim do primeiro tempo, a oportunidade do empate ocorreu do outro lado do campo. Mariano errou saída de bola. Max a tomou e deu um tirambaço de canhota, mas a bola perdeu a direção.

Segundo tempo

PC Gusmão reclamou da falha nas finalizações. E mandou o Vasco continuar no ataque. O Flu, com a vantagem no placar, esperava o adversário e buscava explorar os contra-ataques, principalmente com a velocidade dos laterais Mariano e Carlinhos.

Aos sete minutos, numa confusão na área, com a bola parada, Cesinha deu uma cotovelada em Conca que o árbitro Péricles Bassols não puniu. Apagado no primeiro tempo, o camisa 11 argentino pelo menos buscava mais se livrar da marcação. Do outro lado, Felipe, apesar de vigiado por Fernando Bob, crescia na armação das jogadas. Numa delas, arriscou de perna direita, que não é seu forte. Bola fora. Pouco depois, iniciou outra na medida para Jonathan, da meia-lua, mandar uma bomba que Berna salvou para escanteio, na melhor defesa do jogo.

Lento no início, Felipe cresce com o Vasco na 2ª
etapa (Foto: Marcelo Sadio / Site Oficial do Vasco)

O Vasco avançava os laterais – PC Gusmão lançou Irrazábal no lugar de Max pela esquerda. Mas foi pelo lado direito que surgiu outra grande oportunidade de empate. Mas Eder Luis bateu cruzado, à direita de Ricardo Berna, com perigo. Na jogada seguinte, Fágner tropeçou em Marquinhos, que vinha por trás e tomou a bola em condições de marcar. Demorou a cortar Prass e bater. Fágner se recuperou e salvou o Vasco de sofrer o segundo gol.

Eder Luis cansou e deu vez a Jefferson Silva. Felipe e Irrazábal trocavam de posição para aumentar o gás no meio-campo. Do lado tricolor, Tartá, cansado, sumiu. Quem apareceu bem novamente foi Mariano, que centrou na medida, mas Washington não alcançou a bola.  O que aumentou o drama tricolor.

PC Gusmão arriscou com Fumagalli no lugar de Rafael Carioca. Mais ofensivo, o Vasco insistia e Nunes por pouco não empatou. O atacante recebeu de Fágner e chutou na trave. Muricy respondeu no Flu com Thiaguinho no lugar de Tartá, cansado. Quando ia lançar Rodriguinho no de Washington, Marquinho se chocou com Leandro Euzébio e saiu com suspeita de fratura no braço.

No contra-ataque, no fim, Conca fez sua melhor jogada na partida e serviu Washington, que perdeu nova chance e irritou a torcida, tensa com a pressão do Vasco e o jejum do atacante de 12 partidas sem marcar. No apito final do árbitro, confusão. Fernando Prass e Fágner, além do resto do time do Vasco, reclamaram da forma como Péricles Bassols terminou a partida, com a equipe no ataque.  Apesar de todo o sofrimento, a festa foi tricolor no fim.

FLUMINENSE 1 X 0 VASCO
Ricardo Berna, Mariano, Leandro Euzébio, Gum e Carlinhos; Valencia, Fernando Bob, Marquinho (Júlio César) e Conca; Tartá (Thiaguinho) e Washington. Fernando Prass, Fagner, Cesinha, Dedé e Max (Irrazábal); Romulo, Rafael Carioca (Fumagalli) e Felipe; Eder Luis (Jefferson Silva), Jonathan e  Nunes.
Técnico: Muricy Ramalho Técnico: PC Gusmão
Gols: Tartá, aos três minutos do primeiro tempo.
Cartões amarelos: Gum, Conta, Tartá (Flu); Fágner, Rafael Carioca, Jonathan e Nunes (Vasco).
Estádio: Engenhão. Data: 07/11/2010. Árbitro: Péricles Bassols Cortez (Fifa/RJ). Auxiliares: Rodrigo Pereira Joia (RJ) e Ricardo de Almeida (RJ). Renda: R$ 428.265,00. Público: 16.263 pagantes.

novembro 7, 2010 Posted by | Fluminense, Vasco da Gama | , , | Deixe um comentário

Atlético-PR vence o Fla, cola no G-4 e quebra a invencibilidade de Luxa

Furacão fica a dois pontos do Botafogo e continua na batalha pela Libertadores 2011. Cariocas não se afastam da zona de rebaixamento

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

A eficiência superou a vontade e a persistência. Neste domingo, o Atlético-PR provou que continua firme na briga por uma vaga na Libertadores da América. Aplicado em sua proposta, o time do técnico Sérgio Soares soube suportar a pressão do Flamengo, fora de casa, e conquistou uma vitória que o consolida como postulante ao G-4 do Brasileirão. No estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, distante 120 km do Rio, o Furacão derrotou os cariocas por 1 a 0, gol de Paulo Baier, de pênalti. Placar simples, magro, mas com sabor de goleada. Na 34ª rodada, a equipe paranaense assume a quinta posição e chega a 53 pontos, dois a menos que o Botafogo, que é o quarto.

Vanderlei Luxemburgo conhece a primeira derrota dele no comando do Rubro-Negro. Antes, havia conquistado duas vitórias e empatado quatro vezes. Sorte dos cariocas que os adversários que o perseguem tropeçaram na rodada. O rebaixamento ainda ronda o Fla. A equipe não consegue se afastar do Z-4. Continua em 13º, com 40 pontos, quatro a mais que o Guarani, o 17º.

O Flamengo volta a jogar no próximo sábado, contra o Atlético-MG, às 19h30m, em Sete Lagoas. No dia seguinte, o Atlético-PR recebe o Grêmio Prudente, no mesmo horário, na Arena da Baixada.

Foi quase uma briga de foices. Os jogadores de Flamengo e Atlético-PR por pouco não trocaram mordidas no campo do Raulino de Oliveira. Partida de muito contato físico e vontade que às vezes passava da conta. Mas também houve futebol. Futebol com cara nova. O técnico Vanderlei Luxemburgo apostou em Guilherme Negueba, 18 anos, para mexer com o time dele. O garoto, descoberto chutando latinhas em Piedade, Zona Norte do Rio, se apresentou aos rubro-negros. Veloz, arisco, abusado. No primeiro lance dele como profissional, chutou a bola longe do gol, mas pediu o apoio da torcida. Sinal de personalidade. Deu boas arrancadas, encarou a marcação, fez Luxa sorrir no bando de reservas.

O time do técnico Sérgio Soares investiu nos contra-ataques. O quarteto ofensivo do Furacão deu trabalho. Paulo Baier, sempre perigoso na bola parada, Ivan González, Guerrón e o grandalhão Nieto incomodaram. Aos 7, Nieto recebeu cruzamento na área, cabeceou de peixinho, mas Marcelo Lomba fez boa defesa. Em ótima jogada de Vitor, aos 16, o goleiro teve de trabalhar novamente. O volante invadiu a área pela direita e disparou. Lomba pegou.

A bola aérea foi uma das melhores alternativas dos cariocas. A equipe teve mais volume de jogo, Léo Moura e Juan buscaram Val Baiano, que tentou algumas cabeçadas. Na melhor delas, aos 20, parou no goleiro Neto. Distante da área, aberto pela ponta direita, Deivid novamente não esteve bem. Se esforçou, mas abusou dos erros de passe.

Negueba tornou o Flamengo mais veloz, se movimentou por todo o campo, mas a zaga paranaense esteve segura e bem postada para conter as investidas do camisa 36, que caíra de rendimento. Renato brigou muito no meio-campo, mas esteve apagado. Os torcedores de Volta Redonda tentaram ajudar o time, incentivaram, mas o clima foi de frustração ao fim do primeiro tempo. Em nova jogada do Atlético pela direita, Maldonado derrubou Nieto na área, e o árbitro José Henrique de Carvalho, alvo de muitas reclamações dos torcedores, jogadores do Fla e de Luxemburgo, acertou e marcou pênalti. Na cobrança, Paulo Baier deslocou Lomba e abriu o placar: 1 a 0. Fla melhor, e Furacão eficiente.

Fla martela, mas Atlético-PR se segura

Luxemburgo fez duas mudanças no intervalo. Tirou Willians e Deivid e lançou Correa e Diego Maurício, respectivamente. O Flamengo foi todo ataque, mas deu murro em ponta de faca. Cada investida era prontamente bloqueada pela defesa do Furacão. Sérgio Soares trancou a retaguarda e jogou a chave fora. Luxa deu mais 13 minutos a Guilherme Negueba, que não conseguia mais empolgar. Marquinhos foi chamado.

Sem conseguir invadir a área adversária, o Flamengo começou a chutar. Renato tentou, aos 17, e assustou Neto. Correa arriscou, mas esbarrou na zaga do Furacão. Pela direita, o volante, Léo Moura e Marquinhos se apresentaram bem. Num bom cruzamento, Léo achou Renato na área, mas a cabeçada tocou na trave, aos 24.

Diego e Val Baiano encontraram muitas dificuldades, tocaram pouco na bola. Quando foram acionados, erraram. Sérgio Soares lançou o ataque Bruno Mineiro para tentar prender a bola no ataque. Paulo Baier usou a experiência para fazer o jogo girar. O tempo passava rápido para os torcedores rubro-negros. Ainda assim, empurraram, tentaram jogar com a equipe. Fizeram isso até perder a paciência. Nos dez minutos finais, pediram raça.

O Flamengo ainda tentou. Aos 40, Diego Maurício bateu quase da pequena área, mas o goleirão Neto fez belíssima defesa. Pouco depois, o atacante cabeceou bem perto do gol. Pela esquerda, Marquinhos deu boas arrancadas, encarou a marcação, mas foi sempre travado pelos zagueiros Manoel e Rafael Santos. No duelo de rubro-negros, o de Curitiba foi mais eficiente. A torcida que apoiou quase todo o tempo, também soube vaiar no fim.

FLAMENGO 0 X 1 ATLÉTICO-PR
Marcelo Lomba, Léo Moura, Welinton, Ronaldo Angelim e Juan; Maldonado, Willians (Correa), Renato e Guilherme Negueba (Marquinhos); Deivid (Diego Maurício) e Val Baiano. Neto, Wagner Diniz, Manoel, Rafael Santos e Paulinho; Deivid (Olberdam), Vitor, Paulo Baier e Ivan González (Bruno Miniero); Guerrón (Márcio Azevedo) e Nieto.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo. Técnico: Sérgio Soares.
Gols: Paulo Baier, aos 39 do primeiro tempo.
Cartões amarelos: Guilherme Negueba, Maldonado e Deivid (Flamengo); Paulinho, Deivid, Nieto e Ivan González (Atlético-PR).
Estádio: Raulino de Oliveira, em Volta Redonda/RJ. Data: 07/11/2010.Árbitro: José Henrique de Carvalho (SP). Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (SP) e Márcia Lopes Caetano (RO).
Renda: RS: 151.680,00 Público: 6.585 (presentes: 9.026)

novembro 7, 2010 Posted by | Atlético-PR, Flamengo | Deixe um comentário

Cruzeiro vence o Vitória por 1 a 0 e volta à vice-liderança do Brasileirão

Time mineiro empata com o Corinthians em 60 pontos, mas perde no saldo de gols. Raposa ainda aguarda o resultado de Fluminense e Vasco no Engenhão

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Após perder em casa para o São Paulo, o Cruzeiro precisava de um grande resultado para se recuperar no Campeonato Brasileiro. E o adversário da hora era o Vitória, em pleno Barradão, com uma ótima presença do torcedor rubro-negro. As dificuldades eram evidentes, mas, mesmo com todo o ambiente desfavorável, o time mineiro conquistou importantes três pontos, ao vencer por 1 a 0. O gol foi contra, do zagueiro Jonas, ainda no primeiro tempo. Porém, o árbitro catarinense Paulo Godoy anotou na súmula como sendo do atacante Thiago Ribeiro.

O resultado devolveu ao Cruzeiro a vice-liderança da competição, mesmo que provisória, já que o Fluminense ainda enfrentará, às 19h30m (de Brasília), o Vasco, no Engenhão. Se o Tricolor vencer, voltará à primeira posição, e os mineiros, ao terceiro lugar. A Raposa chegou aos 60 pontos, empatado com o Corinthians, mas perde no saldo de gols: 21 a 12. Já o Vitória, que tentava se livrar da região da zona de rebaixamento, permaneceu com 38 pontos, na 14ª colocação. Porém, o time baiano ainda poderá perder mais uma posição, caso o Guarani vença o Palmeiras, no Pacaembu, às 19h30m|.

Agora, na próxima rodada, o Cruzeiro enfrentará o Corinthians, em uma partida que tem tudo para ser sensacional, já que se trata de um confronto direto na luta pelo título. O duelo está marcado para o sábado, às 19h30m, no Pacaembu. O Vitória terá mais uma chance para se recuperar, também em um jogo dramático, na luta para fugir das últimas posições, contra o Guarani, domingo, às 17h, no Brinco de Ouro, em Campinas.

Raposa na frente

A torcida do Vitória lotou o Barradão e, nem mesmo o forte calor foi capaz de diminuir a empolgação dos baianos, que cantavam sem parar. A pequena torcida do Cruzeiro presente no estádio era mais discreta e apenas se manifestava quando havia um lance de perigo em favor da Raposa.

Com três zagueiros, o Cruzeiro reforçou a marcação no setor defensivo e preencheu os espaços vazios deixados pelo meio-campo em jogos anteriores. O Vitória, por sua vez, tinha dificuldades de chegar ao ataque, devido a boa postura da marcação celeste. Da mesma forma, o Cruzeiro tinha muitas dificuldades na criação das jogadas. Com Montillo mais adiantado ao lado de Thiago Ribeiro, e com Gilberto pouco inspirado, o time de Cuca chegava pouco ao gol de Viáfara.

Mas, mesmo não jogando uma partida excepcional, o Cruzeiro chegou ao gol, aos 35 minutos. Thiago Ribeiro recebeu uma bola rápida pela direita e cruzou forte para Diego Renan, que estava dentro da área, como um verdadeiro atacante. No meio do caminho, o zagueiro Jonas tentou cortar e mandou para o fundo das próprias redes, surpreendendo o goleiro Viáfara. Festa na pequena parte azul do Barradão.

Os rubro-negros sentiram a pressão e se descontrolaram um pouco em campo. O Cruzeiro mostrou mais presença no ataque, mas não conseguiu transformar a superioridade em mais gols.

Pressão rubro-negra

O técnico Antônio Lopes resolveu mudar todo o ataque do Vitória de uma só vez. O comandante rubro-negro sacou Kleber Pereira e Adailton e colocou Schwenck e Henrique, respectivamente. Já Cuca tirou Rômulo, que já estava amarelado, e colocou Jonathan.

Com as alterações, o Vitória cresceu de produção e foi para cima do Cruzeiro. O time baiano, com muito mais presença no ataque, assustou o goleiro Fábio em várias oportunidades. O time mineiro ficou acuado em sua defesa, sofrendo grande pressão, principalmente por causa do apoio que vinha da arquibancada.

A arbitragem da partida desagradava o torcedor baiano. A cada falta marcada contra o Vitória, o Barradão ia à loucura. O ápice veio quando o Vitória armava um perigoso contra-ataque, e a bola bateu no calcanhar do árbitro e sobrou para a defesa cruzeirense. Com o passar do tempo, o time mineiro foi ganhando espaço para contra-atacar, já que o Vitória se mandou todo em busca do empate.

O lance mais perigoso contra o gol de Fábio foi aos 21 minutos, depois de um autêntico bombardeio, Uelliton cabeceou no travessão e quase empatou partida. Mas o Cruzeiro, com muita raça e vontade, conquistou um grande resultado, que o devolve à luta pelo título brasileiro.

VITÓRIA 0 X 1 CRUZEIRO
Viáfara; Nino, Gabriel, Jonas e Egídio (Elkeson); Ricardo Conceição, Ueliton, Bida e Ramon; Kleber Pereira (Schwenck) e Adailton (Henrique). Fábio; Edcarlos, Gil e Léo; Rômulo (Jonathan), Henrique, Marquinhos Paraná, Gilberto (Roger) e Diego Renan (Everton); Montillo e Thiago Ribeiro.
Técnico: Antônio Lopes. Técnico: Cuca.
Estádio: Barradão, em Salvador (BA). Data: 7/11/2010. Horário: 17h (de Brasília). Árbitro: Paulo Godoy (SC). Auxiliares: Kleber Lúcio Gil (SC) e Marco Antonio Martins (SC).
Cartões amarelos: Rômulo, Gil, Diego Renan, Gilberto e Roger (Cruzeiro); Ramon e Schwenck (Vitória).
Gol: Thiago Ribeiro (Cruzeiro), aos 29 minutos do primeiro tempo.

novembro 7, 2010 Posted by | Cruzeiro, Vitória | | Deixe um comentário

Em jogo de muita tensão e pouca técnica, Avaí e Botafogo empatam

Resultado de 0 a 0 na Ressacada complica a vida dos dois times em suas lutas em pontas opostas da tabela do Brasileirão

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Em pontas opostas da tabela, mas igualmente pressionados, Avaí e Botafogo fizeram um jogo de muita tensão e pouca técnica. Assim, só poderia terminar empatada em 0 a 0 a partida realizada neste domingo, no Estádio da Ressacada, em Florianópolis, pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro. O resultado não foi bom para nenhum dos times em suas brigas contra o rebaixamento (caso do time catarinense) e por uma vaga na Libertadores e pelo título (situação do Alvinegro).

Na próxima rodada o Botafogo, que permaneceu no quarto lugar, com 55 pontos, enfrenta o Ceará em Fortaleza, em jogo antecipado para a quarta-feira. Já o Avaí, que chegou a 34 pontos e segue em 18º, vai a Porto Alegre jogar contra o Internacional, domingo. Apesar de seguir no G-4, o Alvinegro se vê ameaçado por causa das vitórias de Corinthians e Cruzeiro, adversários diretos.

Desde o início da partida ficou claro que o Avaí seria o responsável por pressionar, enquanto o Botafogo se recuaria para explorar os contra-ataques. Empurrado por sua torcida, o time da casa pressionava a saída de bola e induzia o Alvinegro aos erros de passe. Assim, a equipe de Joel Santana tinha dificuldades em sair jogando, tendo que apelar para os chutões.

Embora chegasse constantemente ao ataque, o Avaí não conseguia produzir jogadas de perigo. Perto da área, a equipe tinha dificuldades de penetrar na muralha defensiva do Botafogo. À frente da área, Danny Morais, Leandro Guerreiro, Antônio Carlos e Fahel impediam a progressão. Restava aos catarinense os chutes de fora, mas que não assustavam o goleiro Jefferson.

Com o passar do tempo, os erros do Avaí irritaram a torcida, e o Botafogo começou a se arriscar mais no ataque. Não precisaram de muitas tentativas para que o Alvinegro criasse as melhores chances do primeiro tempo, com Jobson, sempre pela ponta direita. Numa delas, Loco Abreu chutou para fora, dentro da área, e na segunda, ele próprio arriscou, obrigando Zé Carlos a espalmar.

Se no primeiro tempo houve muitos erros, principalmente de passe, a segunda etapa teve ainda pior nível técnico de ambas as partes. Nenhuma das duas equipes conseguia se articular para chegar ao gol adversário. O Avaí, entretanto, levava vantagem por estar diante de sua torcida, que empurrava a equipe. Do outro lado, o Botafogo não mostrava o poder de marcação de sempre e deixava espaços nas laterais, pouco aproveitados pelo adversário.

Joel Santana, então, tentou sua última cartada. Buscando dar mais velocidade ao time, tirou de campo Lucio Flavio e Alessansdro, substituindo por Renato Cajá e Caio, respectivamente. O objetivo era reforçar os contra-ataques, única saída que parecia possível para o Botafogo vencer.

À medida que o tempo passava, o Avaí se lançava mais ao ataque, diante da necessidade de vencer para se livrar do rebaixamento. Então os espaços ficaram maiores e mais claros para o Botafogo, que não conseguia aproveitá-los por incompetência nos passes e conclusões. E de erros em erros, a partida chegou ao fim com um resultado que os traduziram com perfeição.

AVAÍ 0 X 0 BOTAFOGO
Zé Carlos, Rafael, Emerson Nunes e Bruno (Jéferson); Patric, Diogo Orlando, Rudnei (Davi), Caio e Eltinho; Válber (Daniel Thiago) e Roberto. Jefferson, Danny Morais, Leandro Guerreiro e Antônio Carlos; Alessandro (Caio), Fahel, Marcelo Mattos, Lucio Flavio (Renato Cajá) e Edno; Jobson e Loco Abreu.
Técnico: Vagner Benazzi. Técnico: Joel Santana.
Cartões amarelos: Rafael (Avaí); Danny Morais, Antônio Carlos, Marcelo Mattos (Botafogo).
Local: Estádio da Ressacada, em Florianópolis (SC). Data:07/11/2010. Árbitro: Sálvio Spinola Fagundes Filho (Fifa/SP).Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Vicente Romano Neto (SP). Público: 14.538 presentes. Renda: R$ 40.150.

novembro 7, 2010 Posted by | Avaí, Botafogo | , | Deixe um comentário

Prudente goleia Goiás, segue na lanterna, mas afunda mais o rival

Sem dificuldades, último colocado do Brasileirão faz 4 a 1 no penúltimo. Ambos estão cada vez mais próximos do rebaixamento para a Série B

O Grêmio Prudente está muito próximo de cair para a Série B e já até fala como se estivesse lá, mas mostrou neste domingo que não se entregará tão facilmente assim. Mesmo saindo atrás no placar contra o Goiás, o time teve tranquilidade, virou e poderia ter aplicado uma goleada histórica no Esmeraldino, em jogo válido pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro. No fim, o 4 a 1 manteve a equipe da casa na lanterna, bem longe dos outros, mas fez os goianos ficarem em situação ainda mais desesperadora na tabela.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O Prudente já não tem tantas pretensões no campeonato. Com a vitória, subiu para 27 pontos, a quatro do próprio Goiás, que permanece na vice-lanterna com 31, a cinco do Atlético-MG, primeiro fora da zona de rebaixamento. A equipe de Jorginho aumenta sua crise, que explodiu após a derrota para o Grêmio e as fortes declarações de Rafael Moura na rodada passada.
Na próxima rodada, o Esmeraldino enfrenta o Fluminense no domingo, às 19h30, no Engenhão. Na mesma data e horário, o Prudente pega o Atlético-PR, na Arena da Baixada.
Surpresas dos dois lados…

O Goiás começou com uma escalação bem diferente daquela que foi derrotada pelo Grêmio, na quarta-feira. O atacante Felipe, que teria sido alvo das críticas de Rafael Moura na última quarta-feira, ficou fora do jogo. A justificativa oficial é de que o jogador seria poupado para o duelo contra o Avaí, pela Copa Sul-Americana. No meio, Jorginho surpreendeu e lançou Marcelo Costa na armação, numa tentativa de deixar o time mais agressivo.
A tentativa deu certo logo no início, com o Esmeraldino sufocando o rival e imprimindo ritmo intenso de jogo, mesmo com o calor intenso em Presidente Prudente. Logo aos 7 minutos, o prenúncio de um jogo fácil: Marcelo Costa cobrou falta na cabeça de Rafael Moura, que subiu mais do que seu marcador e finalizou com perfeição. Para dar fim às polêmicas, o camisa 9 correu em direção a Jorginho e abraçou o treinador na comemoração.
Praticamente rebaixado, o Prudente tinha tudo para desanimar de vez e “entregar” o jogo para o adversário. No entanto, jogadores com algum talento como Wesley e Willian José tiraram forças sabe se lá de onde para manter a equipe respirando. Aos 21, Willian fez boa jogada e rolou para João Vitor, que bateu seco na bola. Ela foi reta, no ângulo direito de Harlei: 1 a 1 no placar.
O gol só fez animar ainda mais os comandados de Fábio Giuntini, que por pouco não conseguiram a virada. No melhor lance, Willian foi lançado em velocidade e tocou na saída de Harlei. o goleiro se recuperou e fez excelente defesa. Do outro lado, apenas Rafael Moura levava perigo, muito isolado na frente. Nos acréscimos, ele recebeu a bola sozinho dentro da área, teve tempo de ajeitar e pensar, mas chutou nas arquibancadas do Prudentão.
Desequilíbrio total

O Prudente voltou para o segundo tempo com pouca pressão dos menos de 700 pagantes que compareceram ao estádio. E isso fez bem à equipe, que se aproveitou do desespero do Goiás para achar espaços na defesa e buscar os gols. Logo aos 7, em bela trama do trio ofensivo, Wesley rolou para Adriano Pimenta, e este cruzou na cabeça de Willian José. Sozinho entre os zagueiros, o centroavante finalizou com perfeição para virar o jogo: 2 a 1 Prudente.
Logo na sequência, Jorginho tentou uma cartada ao lançar o habilidoso Bernardo no lugar do lateral Wendel. A teoria era boa, mas o técnico do Goiás não contava com o destempero de um de seus jogadores. Depois de uma falta de Diego Giaretta em Carlos Alberto, o zagueiro Rafael Tolói deixou o campo de defesa para esbravejar contra o árbitro Pablo dos Santos Alves. Levou cartão amarelo. Reclamou ainda mais e acabou expulso, praticamente enterrando as chances do Esmeraldino no jogo.
Jorginho teve de rearrumar o sistema defensivo e praticamente abdicou do ataque. Mesmo assim, o Goiás conseguiu tomar o terceiro gol em um contra-ataque fulminante. Aos 21, Willian José disparou pela direita e chutou rasteiro. Harlei espalmou no pé esquerdo de Wesley, que só empurrou para as redes. E aos 43, ainda deu tempo de Rhayner fazer um golaço, após driblar dois e chutar no ângulo. Um 4 a 1 justíssimo, e que ainda mantém o Prudente respirando por aparelhos na Série A.
GRÊMIO PRUDENTE 4 X 1 GOIÁS
Sidnei, Bruno Ribeiro, Anderson Luís, Diego Giaretta e Cleidson (Saldanha); Anderson Pedra, Roberto, João Vitor (Rhayner) e Adriano Pimenta (Renan); Wesley e Willian José. Harlei, Wendel Santos (Bernardo), Rafael Tolói, Ernando e Wellington Saci; Carlos Alberto, Wellington Monteiro, Marcelo Costa (Valmir Lucas) e Jones; Rafael Moura e Éverton Santos (Wendell Lira).
Técnico: Fábio Giuntini Técnico: Jorginho
Gols: Rafael Moura, aos 7, João Vitor, aos 21 do primeiro tempo; Willian José, aos 7, Wesley, aos 21, e Rhayner, aos 43 do segundo tempo.
Cartões amarelos: Adriano Pimenta (GPR); Rafael Tolói (GOI). Cartão vermelho: Rafael Tolói (GOI)
Estádio: Prudentão, em Presidente Prudente (SP). Data: 7/11/2010. Árbitro: Pablo dos Santos Alves (ES). Auxiliares: José Ricardo Maciel Linhares e Adaílson Alves Pereira (ambos do ES). Público: 674 pagantes.

novembro 7, 2010 Posted by | Goiás, Grêmio Prudente | , , | Deixe um comentário

Embalados, São Paulo e Corinthians prometem grande Majestoso

Após bons resultados na última rodada, Tricolor e Timão ainda têm muito emjogo no Campeonato Brasileiro

Na última semana, os resultados de São Paulo e Corinthians contribuíram para uma grande expectativa para o Majestoso. O clássico deste domingo, no Morumbi, tem muita coisa em jogo para ambos os time. O Timão briga título enquanto o Tricolor ainda sonha com a Libertadores.

Com a vitória contra o Cruzeiro, o São Paulo entrou de vez na briga por uma vaga na competição sul-americana e vem para o seu segundo duelo decisivo da semana. Com 50 pontos, são apenas quatro de diferença para o quarto colocado Botafogo e a vitória é praticamente uma obrigação para os tricolores.

Mesmo sabendo que se trata de um clássico, o Sampa quer fazer valer o seu mando de jogo com a força da torcida. Com apenas 5% de corintianos, a promessa é de que os são-paulinos lotem o Morumbi. Para Carpegiani agora não é mais hora para errar, já que a medida que o campeonato vai acabando, mais difícil fica chegar no G4.

– Pode ocorrer (tropeço), como ocorreu contra o Ceará, é natural de jogo. A margem de erro se estreitou, não temos escolha ao não ser buscar a vitória. O Corinthians não é nosso adversário direto, mas estamos buscando a Libertadores. São três times que estão lá em cima, estamos brigando um pouco mais com o Cruzeiro, mas até o empate fica ruim, todo mundo está em situação incômoda – analisou.

Para o Majestoso, o treinador do Sampa terá problemas para escalar sua equipe. Carlinhos Paraíba e Richarlyson estão suspensos e Carpegiani ainda não decidiu seus substitutos. Durante o treino fechado desta sexta-feira, o técnico experimentou algumas opções, mas não gostou do que viu. A tendência é que Carpegiani mantenha a dúvida até o domingo.

Pelo lado alvinegro, apesar de toda a rivalidade e a importância da partida, a o discurso é de evitar polêmicas. Após Tite, Ronaldo e William classificarem o jogo apenas como mais um no campeonato, Roberto Carlos também evitou provocações.

– Que seja um grande jogo, que não tenha violência e que o melhor saia vitorioso. Não temos de entrar em polêmica agora. Teve época que eu era de entrar nessa de briguinha, provocação, mas hoje não sou mais disso. Espero que o clássico tenha muitos gols, porque é disso que o torcedor gosta – disse veterano lateral.

Com dez partidas de invencibilidade ante o rival, o Corinthians chega embalado, liderado por Ronaldo. Na vitória por 4 a 0 sobre o Avaí, o Fenômeno balançou as redes duas vezes e já garantiu que vai para o “sacríficio”, em sua quinta partida consecutiva.

Outro corintiano muito querido pela torcida que deve aparecer na partida é Dentinho. Mesmo que não inicie o Majestoso, o jovem atacante deve entrar no decorrer do jogo, assim como aconteceu diante do Avaí e os corintianos foram ao delírio.

Embalados, Corinthians e São Paulo prometem um Majestoso de arrepiar neste domingo!

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO X CORINTHIANS

Estádio: Morumbi, São Paulo (SP)
Data/hora: 7/11/2010 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Auxiliares: Altemir Hausmann (Fifa-RS) e Carlos Berkenbrock (Fifa-SC)

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Renato Silva, Miranda, Alex Silva e Diogo; Rodrigo Souto, Jean (Cleber Santana), Fernandão e Lucas; Dagoberto e Ricardo Oliveira. Técnico: Paulo César Carpegiani.

CORINTHIANS: Julio Cesar, Alessandro, Chicão, William e Roberto Carlos; Ralf, Jucilei, Elias e Bruno César, Iarley e Ronaldo. Técnico: Tite.

novembro 7, 2010 Posted by | Corinthians, São Paulo | , , | Deixe um comentário

Fluminense e Vasco: jogo para dar passo a frente

Tricolor busca triunfo para se mater na liderança. Já o cruz-maltino, se afastar da degola e se garantir na Sul-americana

Vasco e Fluminense se enfrentam neste domingo, às 19h30, no Engenhão. Para o time das Laranjeiras, vencer o clássico se torna essencial para permanecer no topo da tabela e ainda mais próximo do título. Já para a equipe de São Januário, o triunfo representa se distanciar da zona de rebaixamento e dar mais um passo para a Sul-americana do ano que vem.

Para a partida, o técnico Muricy Ramalho não poderá contar com o volante Diguinho, suspenso após receber o terceiro cartão amarelo. Em sua vaga, o treinador deve optar pelo colombiano Valência, que jogará ao lado de Fernando Bob.

– O Valencia é muito forte na marcação e conhece bem a posição. Já o Diguinho também tem essa marcação, mas gosta mais de sair para o jogo. Os dois gostam de jogar nesta posição e sabem muito – analisou Muricy.

A presença de Fred continua sendo uma incógnita. A comissão técnica do clube não se entende quando o assunto é o camisa 9, que vem treinando em dois turnos e trabalhará este sábado para tentar participar do clássico.

– Ele fez um forte treinamento na piscina nesta sexta-feira e, neste sábado, estará treinando – concluiu.

Problemas no ataque de um lado, problema no outro. O Vasco não terá Zé Roberto, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, e a participação de Eder Luis ainda é incerta. O camisa 7 deixou o jogo contra o Grêmio Prudente com dores na coxa direita e as dores no local permanecem.Assim, a dupla Jonathan e Nunes, titular no retorno do Campeonato Brasileiro após a Copa do Mundo, pode ser a solução para domingo.

O volante Rômulo, autor dos dois gols da vitória sobre o time do Grêmio Prudente, sabe que enfrentar o Fluminense não será fácil e exalta a força do elenco tricolor.

– O Fluminense tem o Mariano, que é ótimo jogador, de Seleção Brasileira. E tem o Conca, um jogador que tem de ser marcado de perto, pois se tiver espaço, vai fazer a diferença – afirmou.

Para o capitão Felipe, conquistar os três pontos em um clássico é importante para o restante da competição:

– Vencer um clássico é sempre bom e, temos de almejar os três pontos sempre. Se possível, temos de vencer os próximo cinco jogos para deixarmos o Vasco em uma situação mais confortável e honrosa.

FICHA TÉCNICA
FLUMINENSE X VASCO

Estádio: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 6/11/2010 – 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Péricles Bassols Pegado Cortez (RJ – Fifa)
Auxiliares: Rodrigo Pereira Joia (RJ) e Ricardo M. F. de Almeida (RJ)

FLUMINENSE: Ricardo Berna, Mariano, Gum, Leandro Euzébio e Carlinhos; Valencia, Fernando Bob, Marquinho e Conca; Tartá (Rodriguinho) e Washington. Técnico: Muricy Ramalho

VASCO: Fernando Prass, Fagner, Cesinha, Dedé e Max; Rafael Carioca, Jumar, Rômulo e Felipe; Eder Luis (Jonathan) e Nunes. Técnico: PC Gusmão

novembro 7, 2010 Posted by | Fluminense, Vasco da Gama | | Deixe um comentário

Fla e Atlético-PR duelam por objetivos opostos

Cariocas querem vitória para se ver livre da degola e paranaenses esperam continuar na luta pela Liberta

Quando Flamengo e Atlético-PR entrarem no Estádio Raulino de Oliveira, neste domingo, às 19h30, as duas equipes lutarão em busca de objetivos opostos. Enquanto os cariocas precisam da vitória para afastar o perigo do rebaixamento, os paranenses esperam o triunfo para dar continuidade à boa campanha no Brasileiro, que possibilita o Furacão estar na briga por uma vaga na Libertadores.

Apesar do bom início sob o comando do técnico Vanderlei Luxemburgo, o Clube da Gávea não vem de bons resultados e não vence há três partidas. Ainda ameaçado pela degola, o Fla ainda precisa somar no mínimo quatro pontos para afastar de vez a possibilidade. Prova da insatisfação do desempenho do time foi a barração do ataque 3D, formado por Deivid, Diogo e Diego Maurício.

No coletivo da manhã deste sábado, véspera do confronto, o treinador sacou Diogo e Diego Maurício do time titular e promoveu o retorno de Val Baiano e do jovem Guilherme Negueba, tido como o grande talento da base do clube. Surpreso com a oportunidade repentina, o apoiador de 18 anos explica o porquê da chance dada diante do Atlético-PR.

– Fiz um bom treino contra o profissional, e o Luxemburgo me deu a oportunidade. Ele está me dando muita força, está falando para eu ir com calma, minha hora vai chegar, sou muito novo ainda. Os companheiros me ajudam bastante – disse.

Humilde, Negueba, que atuará ao lado de Renato no meio de campo, reconhece que não esperava pela chance tão rapidamente. Apesar disso, o prata da casa se diz pronto para fazer a sua estreia pelo time profissional do Rubro-Negro.

– Estou pronto. Não esperava porque estava há pouco tempo nos juniores, jogando a OPG – explicou.

Empenho para seguir na luta da Libertadores

A vitória por 1 a 0 sobre o Palmeiras na última quinta-feira, manteve o Atlético Paranaense na briga por uma vaga na Libertadores. Com 50 pontos, o Furacão ocupa a oitava colocação, com quatro pontos a menos que o Botafogo, que fecha o G-4.

Porém, para seguir nesta briga, é preciso vencer também fora de casa, o que vem sendo uma árdua tarefa para a equipe. Em 16 partidas neste Campeonato Brasileiro como visitante, o Atlético-PR obteve quatro vitórias, dois empates e dez derrotas.

Para complicar ainda mais a situação, o técnico Sérgio Soares segue sem poder contar com o lateral-direito Elder Granja, o zagueiro Rhodolfo, o armador Branquinho e o atacante Maikon Leite, todos por lesão muscular.

Entretanto, o treinador contará com o retorno do atacante Guerrón, que cumpriu suspensão na rodada passada. E o equatoriano, que volta animado, não mostra preocupação com o mau retrospecto fora de casa e quer o Furacão partindo para cima, buscando a vitória.

– O Atlético está lutando por uma classificação para a Libertadores e precisa vencer essa partida. Não importa se jogaremos dentro ou fora de casa e qual seja o adversário. Precisamos entrar em campo para vencer e, por isso, será necessário muito empenho e dedicação para sairmos com os três pontos da partida de domingo – afirmou Guerrón.

FICHA TÉCNICA

FLAMENGO X ATLÉTICO-PR

Estádio: Raulino de Oliveira, Volta Redonda (RJ)
Data/hora: 7/11/2010 – 19h30h (de Brasília)
Árbitro: Jose Henrique de Carvalho (SP)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (SP) e Marcia Lopes (RO)

FLAMENGO: Marcelo Lomba; Léo Moura, Welinton, Ronaldo Angelim e Juan; Maldonado, Willians, Renato e Guilherme Negueba; Deivid e Val Baiano. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

ATLÉTICO-PR: Neto, Wagner Diniz, Manoel, Rafael Santos e Paulinho; Chico, Vitor, Paulo Baier e Iván González; Guerrón e Nieto. Técnico: Sérgio Soares.

novembro 7, 2010 Posted by | Atlético-PR, Flamengo | , | Deixe um comentário

Avaí e Botafogo se enfrentam na ‘Batalha da Ressacada’

Catarinenses precisam da vitória para manter vivo sonho de continuar na elite, enquanto Fogão quer continuar arrancada para brigar pelo título

A batalha na Ressacada, neste domingo, às 17h (de Brasília) é de dois extremos. De um lado, os donos da casa, o Avaí, na luta desesperada para fugir do rebaixamento contra o Botafogo, equipe que segue sonhando com um título. Por isso, a promessa é de um duelo com muitas emoções, em Florianópolis.

MUITOS PROBLEMAS NO AVAÍ

Ao contrário do time carioca, que briga pelo título do Brasileirão, o Leão Catarinense convive com inúmeros problemas dentro e fora de campo. Não bastasse a pressão por estar na zona de rebaixamento a cinco rodadas do término do Campeonato Brasileiro, o Avaí não consegue repetir a escalação sequer por duas partidas seguidas. O técnico Vagner Benazzi tem sofrido para colocar o mesmo time em campo, já que seu elenco está repleto de jogadores contundidos e suspensos.

E contra o Botafogo não será diferente. Nesse jogo, o treinador não contará com Vandinho, suspenso por ter levado o terceiro cartão amarelo, e com Robinho e Emerson, que foram expulsos na derrota para o Corinthians. Roberto e Marcelinho disputam uma vaga no ataque. Já, no lugar de Robinho, Benazzi está em dúvida entre Valber e Davi.

Para o lugar de Emerson, o técnico deve optar por Rafael, que está fora do time há três meses se recuperando de uma contusão no pé direito. Caso o zagueiro não tenha condições, Gabriel assume a posição. A boa notícia para torcida é que o lateral-esquerdo Eltinho retorna ao time após cumprir suspensão.

Outro que segue em franca recuperação e pode figurar entre os reservas contra o Botafogo, o meia Rodrigo Thiesen. O jogador garante que o grupo está empenhado para evitar o rebaixamento do Avaí.

– Todo mundo fica triste porque estão todos no mesmo barco. Aqui ninguém jogou a toalha ainda, temos chances de nos livrar dessa e com certeza vamos conseguir – afirmou o meia.

NEM TANTOS ASSIM NO BOTAFOGO

O técnico Joel Santana pode ter o retorno de seus dois laterais neste domingo. O de Alessandro, na ala-direita, é certo, já que ele retorna de suspensão. Do outro lado, já fica a dúvida. Marcelo Cordeiro vinha em fase de recuperação quando voltou a sentir um incômodo na coxa esquerda na última quinta-feira. O jogador fez tratamento intensivo para poder entrar em campo e o treinador conta com este retorno.

No entanto, as escalações de Márcio Rosário e Somália já não estão tão certas assim. O volante ainda sente uma lesão na coxa direita e é dúvida. Já o zagueiro sente o mesmo, mas na perna esquerda. Como sua recuperação tem sido lenta, dificilmente o xerife alvinegro entrará em campo. Danny Morais assumirá seu posto.

Apesar dos desfalques, o ânimo no Botafogo não poderia estar melhor. A possibilidade real de chegar ao título tem animado a torcida e os jogadores, que esperam dar uma arrancada final nestes últimos cinco jogos do Brasileiro para, quem sabe, sonhar com a conquista.

– Queremos terminar com honra, como começamos. Temos nossos objetivos. O primeiro era a Libertadores, pois temos mais oportunidades de chegar. Isso que visamos. Estamos trabalhando para isso – disse o técnico Joel Santana.

FICHA TÉCNICA
AVAÍ X BOTAFOGO

Local: Ressacada, Florianópolis (SC)
Data-Hora: 7/11/2010 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Salvio Spinola Fagundes Filho (Fifa/SP)
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Vicente Romano Neto (SP)

AVAÍ: Zé Carlos, Emerson Nunes, Rafael (Gabriel) e Bruno; Patric, Rudnei, Diogo Orlando, Caio (Jeferson) e Pará; Roberto (Marcelinho) e Valber (Davi) – Técnico: Vagner Benazzi.

BOTAFOGO: Jefferson, Danny Morais, Leandro Guerreiro e Antônio Carlos; Alessandro, Marcelo Mattos, Fahel (Somália), Lucio Flavio e Marcelo Cordeiro; Jobson e Loco Abreu – Técnico: Joel Santana.

novembro 7, 2010 Posted by | Avaí, Botafogo | , | Deixe um comentário

‘Desfocado’, Palmeiras recebe o Guarani em Barueri

Visando a Copa Sul-Americana, Verdão deve poupar jogadores na partida contra o Bugre

Praticamente sem chances de título e com o foco virado para a disputa da Copa Sul-Americana, o desinteressado Palmeiras enfrenta o Guarani, no próximo domingo, às 19h30, na Arena Barueri, em partida válida pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro, apenas para cumprir tabela na competição nacional.

E a falta de motivação na disputa do Brasileirão do Palmeiras é tão grande, que o técnico Luiz Felipe Scolari admitiu que não deve colocar a equipe titular na partida. Alguns jogadores serão poupados para o duelo contra o Atlético Mineiro, no próximo dia 10, contra o Atlético Mineiro, pela Sul-Americana.

O Gladiador Kleber deve ser um deles. Em seu lugar, Dinei e Tadeu disputam a vaga. O primeiro, no entanto, é o favorito para a disputa. Valdivia, se recuperando de uma fibrose na coxa esquerda, também é ausência. Outros deve apenas ser poupados pelos desgaste, como Danilo, Gabriel Silva, Lincoln e Luan.

Dois que estão praticamente confirmados pelo técnico palmeirense são Maurício Ramos e Vitor, que recuperados de lesão, estão novamente à disposição e devem voltar contra o Bugre. Bruno Turco, volante de 19 anos da categoria de base, deve ser relacionado mas não atuar como titular.

No ataque, Ewerthon e Vinícius disputam uma vaga ao lado de Dinei. O primeiro, retornando de lesão, pode ainda não ter condições de atuar por 90 minutos. Neste caso, o segundo, de apenas 17 anos, ganha força na briga.

Sem vencer há oito rodadas e cada vez mais próximo da zona de rebaixamento, o Guarani tentará quebrar o jejum de vitórias na Série A do Brasileiro contra o Palmeiras, no próximo domingo, na Arena Barueri, em Barueri, para respirar no campeonato.

Na avaliação da comissão técnica bugrina, o Guarani ainda precisa de nove pontos nas últimas cinco rodadas do campeonato para se livrar da ameaça de rebaixamento sem depender dos tropeços de adversários diretos na briga, como Atlético-MG, Atlético-GO e Vitória. O Bugre ocupa atualmente a 16ª posição no campeonato, com 36 pontos em 33 rodadas.

O problema para Mancini é que, além do jejum de vitórias, seu time lutará contra o péssimo retrospecto fora de casa. Até o momento, o Guarani venceu apenas um dos 16 jogos disputados longe do Brinco de Ouro – 1 a 0 contra o Vasco, em São Januário, pela sexta rodada. Nas últimas oito partidas fora de Campinas, foram oito derrotas. Apesar do retrospecto desolador, o treinador bugrino tenta se animar.

– Teremos um jogo difícil fora de casa, mas Barueri também não é a casa do Palmeiras. Tivemos uma boa atuação na última rodada (empate sem gols contra o Atlético-MG, no Brinco) e isso nos dá mais motivação para acreditar na vitória – disse Mancini.

Nesta partida, o treinador bugrino não poderá contar com o volante Maycon e com o lateral-esquerdo Márcio Careca, suspensos. O capitão Renan e o lateral Moreno serão os substitutos. Mas a principal novidade estará no ataque. Recuperado de uma lesão na coxa, o rápido Mazola volta ao time depois de três partidas de ausência e deverá formar a dupla de ataque bugrina com Reinaldo.

FICHA TÉCNICA:
PALMEIRAS X GUARANI

Estádio: Arena Barueri, em Barueri (SP)
Data/hora: 7/11/2010 – 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Guilherme Cereta de Lima (SP)
Auxiliares: Rogério Pablos Zanardo (SP) e Junivan Rodrigues de Souza (SP)

PALMEIRAS: Deola, Vitor, Maurício Ramos, Fabrício (Leandro Amaro) e Rivaldo; Pierre, Marcos Assunção, Tinga e Patrik; Ewerthon (Vinícius) e Dinei. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

GUARANI: Emerson; Apodi, Aislan, Ailson e Moreno; Renan, Paulo Roberto, Baiano e Preto; Mazola e Reinaldo. Técnico: Vágner Mancini.

novembro 7, 2010 Posted by | Guarani, Palmeiras | , , | Deixe um comentário

Grêmio Prudente x Goiás no ‘duelo dos desesperados’

Em Presidente Prudente, só a vitória interessa para as duas equipes

Grêmio Prudente e Goiás se encontram neste domingo, às 17h, em Presidente Prudente, pela 34ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro, precisando com urgência de uma vitória, já que ambas as equipes se encontram na zona de rebaixamento.

A situação é alarmante para o time da casa, que está em último na classificação, com 24 pontos ganhos, 12 a menos que o Guarani, primeira equipe fora do grupo da degola. Já os esmeraldinos ocupam a 19ª posição e necessitam de um bom resultado para continuar sonhando em permanecer na elite do futebol brasileiro.

Em busca de cinco milagres nas cinco últimas partidas de 2010, o técnico Fábio Giuntini escala sua equipe de forma muito parecida com a que entrou em campo na derrota para o Vasco, por 2 a 1, no Rio de Janeiro. Uma mudança em relação a última escalação fica por conta do retorno do volante Anderson Pedra, que cumpriu suspensão em São Januário, e agora está pronto para ocupar seu lugar na cabeça de área ao lado de Sasha, outro a voltar.

– Cada jogo é uma história. É um confronto direto, ganhamos o primeiro jogo e vamos tentar ganhar este também. Até para dar uma moral a mais para o nosso grupo – disse o camisa 5 do Abelha.

Outro ajuste será o deslocamento de João Vitor do meio-campo para a lateral direita, no espaço que foi ocupado anteriormente por Bruno Ribeiro.

O lateral-esquerdo Marcelo Oliveira e o volante Rodrigo Mancha estão liberados pelo departamento médico e já treinaram com bola. Embora ainda não tenham condições de jogo contra o Goiás, ambos foram reintegrados o elenco e, inclusive, participaram do treino recreativo.

Ainda em renegociação contratual, o goleiro Giovanni não participará da partida. A camisa 1 será de  Sidney.

Goiás acredita que a reação é possível:

Duas derrotas consecutivas não foram suficientes para desanimar os jogadores do Goiás, que acreditam que o time irá se salvar da Série B e que pode começar uma arrancada já contra o Grêmio Prudente neste domingo, fora de casa. Depois das declarações polêmicas de Rafael Moura, os jogadores se mostraram unidos e não houve qualquer retaliação ao jogador. Muito pelo contrário, a confiança é de que o time irá conseguir as vitórias que precisa na reta final.

– Eu não acho que estamos perto da Série B. Nós acreditamos e vamos buscar os resultados até a última rodada. Ainda temos cinco jogos pela frente e vamos ganhar os cinco para sair dessa situação. Eu prometo – garantiu Carlos Alberto.

O time que enfrenta o Grêmio Prudente terá duas alterações em relação ao que foi derrotado na quarta-feira para o Grêmio. O zagueiro Marcão e o volante Amaral estão suspensos e não enfrentam o time paulista. Em compensação, Rafael Toloi e Jonílson voltam a ser opções. O Segundo será reserva.

Um dos mais experientes da equipe, o goleiro Harlei, também garantiu que o time está empenhado e não vê a falta de comprometimento de alguns jogadores, como citou Rafael Moura após o jogo contra o Grêmio. O goleiro acredita que o atacante não vai ser isolado pelo grupo e que vale mais lutar pela grandeza do Goiás no cenário nacional

– A situação não envolve o Harlei e o Rafael Moura, mas sim um clube do tamanho do Goiás e os milhares de torcedores esmeraldinos no país. A rapazeada treina sempre forte, mesmo após algumas derrotas doloridas. Não vejo nenhuma falta de comprometimento, mas é normal ficar fragilizado em alguns momentos – apontou Harlei.

Goiás e Grêmio Prudente se encontraram no dia 21 de agosto, em Goiânia. A partida foi vencida pelo Prudente, que fez 2 a 1.

FICHA TÉCNICA:
GRÊMIO PRUDENTE X GOIÁS

Estádio: Eduardo José Farah, Presidente Prudente (SP)
Data/hora: 7/11/2010 às 17h (horário de Brasília)
Árbitro: Pablo dos Santos Alves (ES)
Auxiliares: José Ricardo Maciel Linhares (ES) e Adaílson Alves Pereira (ES)

GRÊMIO PRUDENTE: Sidney; João Vitor, Anderson Luis, Flávio e Diego Giaretta; Anderson Pedra, Sasha Adriano Pimenta e Rhayner; Willian e Wesley. Técnico: Fábio Giuntini.

GOIÁS: Hareli; Ernando, Rafael Toloi, Valmir Lucas; Douglas, Wellington Monteiro, Carlos Alberto, Jones e Wellington Saci; Everton Santos e Rafael Moura. Técnico: Jorginho.

novembro 7, 2010 Posted by | Goiás, Grêmio Prudente | , | Deixe um comentário

Embalado, Vitória recebe o Cruzeiro para respirar e afastar rival do título

Em má fase, Raposa pode ir ao céu ou ao inferno ao fim da rodada, e terá de encarar a empolgada torcida rubro-negra, neste domingo

Vitória e Cruzeiro fazem um duelo de alta tensão neste domingo, às 17h, no Barradão, e que pode definir os rumos na reta final do Campeonato Brasileiro. Mas os rivais não miram o mesmoobjetivo. A luta baiana é para evitar a qualquer custo uma nova aproximação da zona de rebaixamento e, para isso, contará com o apoio maciço de sua torcida que lotará o estádio. Além disso, está embalado. Já a Raposa capenga e precisa pontuar para não sair do bolo da ponta.
Para se ter uma ideia do momento inverso de ambos, a diferença chegou a estar em 25 pontos e, hoje, é de 19. O time de Cuca ganhou uma vez só em quatro partidas, está em terceiro e ameaçado até de perder uma vaga na Libertadores. Já o Rubro-Negro perdeu uma em quatro.
A partida terá a arbitragem de Paulo Godoy (SC), assistido por Kleber Lúcio Gil (SC) e Marco Antonio Martins (SC), e será transmitida pelo canal PFC, além do Tempo Real do GLOBOESPORTE.COM, com vídeos.

Vitória: se triunfar, os comandandos de Antônio Lopes consolidarão a arrancada e poderão terminar a rodada até em 13º, cinco pontos acima da zona e praticamente livres da degola. Por isso, o trato do duelo como uma final. Caso contrário, pode ser ultrapassado pelo Guarani e ficaria obrigado a se esforçar mais. Por sorte, os dois Atléticos não venceram neste sábado.
Cruzeiro: Com 57 pontos, a Raposa quer aproveitar o fato de seus concorrentes diretos ao título (Fluminense, com 58 pontos, e Corinthians, com 57) terem clássicos regionais na rodada para tentar retomar a liderança perdida. Apesar de encarar um Barradão lotado, o time celeste não pensa em outro resultado que não seja a vitória para apagar a impressão deixada nos últimos quatro jogos, quando perdeu três e venceu apenas um.

Vitória: Desfalcada na defesa, a equipe baiana terá até improvisações. Ricardo Conceição, que é volante, será zagueiro. Ao mesmo tempo, Lopes verá o retorno de Vanderson, Schwenck e Ramon, que cumpria gancho. Provável escalação: Viafara; Nino, Gabriel Paulista, Ricardo Conceição e Egídio; Uelliton, Vanderson, Bida e Ramon; Schwenck e Adailton.
Cruzeiro: O técnico Cuca testou várias formações nos treinamentos que antecederam a partida. O treinador usou o esquema com três zagueiros, dando mais liberdade para o argentino Montillo atuar mais à frente, ao lado de Thiago Ribeiro. Outra mudança foi a utilização de Rômulo na vaga de Jonathan, já que Cuca quer que o lado direito avance mais. O provável time para pegar o Vitória será formado por Fábio; Gil, Léo e Edcarlos; Rômulo (Jonathan), Henrique, Marquinhos Paraná, Gilberto e Diego Renan; Montillo e Thiago Ribeiro.

Vitória: Thiago Martinelli, expulso no empate com o Santos, e Anderson Martins, com três cartões amarelos, estão fora. Neto Coruja e Júnior estão suspensos.
Cruzeiro: O volante Fabrício recebeu o terceiro cartão amarelo diante do São Paulo, em Uberlândia, e desfalcará a equipe. Quem também não poderá enfrentar o Vitória são os zagueiros Cláudio Caçapa e Leonardo Silva, que ainda se recuperam de cirurgia nos joelhos. O atacante Wellington Paulista, com entorse no joelho direito, é outro que fica de fora.

Vitória: Thiago Humberto.

Cruzeiro: Fábio, Cláudio Caçapa, Leonardo Silva, Jonathan, Rômulo, Fabinho, Montillo e Farías.

Vitória: Schwenck está de volta e com a responsabilidade de ser o goleador que a equipe ainda precisa, sobretudo após os quatro feitos no Vasco, semana passada. Júnior, em boa fase, está fora, o que cresce o olhar sobre o artilheiro do Vitória na temporada.
Cruzeiro: o atacante Thiago Ribeiro é vice-artilheiro da equipe no Campeonato Brasileiro, com seis gols. O jogador marcou duas vezes contra o Atlético-MG e passou em branco nas duas últimas rodadas. Como deverá ser o único atacante da equipe titular, Thiago carrega a esperança de gols da torcida celeste.
Antônio Lopes (técnico do Vitória): “Vai jogar o Gabriel (Paulista) e vou ter que fazer uma adaptação ali. Acho temerário colocar mais um garoto, embora Gabriel sempre que entrou tenha jogado bem. Neto (Coruja) poderia ser adaptado, mas recebeu cartão amarelo e também está fora”
Cuca, técnico do Cruzeiro: “Conheço o Antônio Lopes, já foi meu treinador e sabe arrumar bons times. Será um jogo muito difícil porque teremos campo lotado, com torcida contra, o calor. Não será fácil. Eles brigam para sair lá de baixo, e nós, pela liderança. Estamos a um ponto apenas do líder, e espero que a gente consiga um bom resultado”

– Cruzeiro e Vitória se enfrentaram 27 vezes pelo Campeonato Brasileiro. Foram 15 vitórias do Cruzeiro, cinco empates e sete derrotas. O Cruzeiro marcou 55 gols e sofreu 33.

No primeiro turno, ainda sob o comando do técnico Toninho Cecílio, o Vitória surpreendeu o Cruzeiro e venceu o rival por 1 a 0, em pleno Ipatingão. O atacante Júnior marcou o gol da vitória baiana em um belo chute da entrada da área, sem chances para o goleiro Fábio (veja no vídeo ao lado os melhores momentos).

novembro 7, 2010 Posted by | Cruzeiro, Vitória | , , | Deixe um comentário