Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Embalado, Peixe deixa Furacão para trás e segue sonhando com o título

Santos venceu o Atlético-PR, neste sábado, na Vila Belmiro, e agora torce por tropeços dos primeiros colocados. Furacão cai para o sexto lugar

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O Atlético-PR não conseguiu brecar o embalo do Santos. Após atropelar o líder Fluminense na última quarta-feira, vencendo por 3 a 0, no Rio, o Peixe bateu mais um concorrente direto na briga pelo título do Brasileirão. Fez 2 a 0 no Furacão, neste sábado à noite, na Vila Belmiro, pela 29ª rodada da competição, e mantém vivo o sonho da Tríplice Coroa). A diferença para o time carioca caiu momentaneamente para sete pontos (52 a 45). O time santista, que subiu para o quarto lugar, tem um jogo a mais para cumprir que o rival das Laranjeiras. Já o Atlético cai para o sexto lugar, com 43.

Os dois times entraram em campo sonhando encostar nos ponteiros do Brasileirão, mas tiveram dificuldades para criar jogadas. O Santos dependia de algum lampejo de Neymar, que até criou jogadas interessantes, como no lance em que tabelou com Alex Sandro, recebeu na frente, passou no meio de dois zagueiros com rapidez estonteante e chutou. João Carlos defendeu com o pé esquerdo, aos 27 minutos. O problema do Peixe é que os outros jogadores não acompanhavam o camisa 11. Alan Patrick não acertou nenhum passe na primeira etapa. Zé Eduardo ficou mais preocupado em reclamar da arbitragem do que em jogar futebol. Ele deixou o gramado, no intervalo, reclamando que foi derrubado por Paulinho na área aos dez minutos de jogo. O juiz ignorou.

Pelo lado do Furacão, jogadas de perigo só quando Branquinho aparecia. O meia, muito liso, conseguiu levar vantagem sobre a marcação na maioria dos lances. Só que, assim como Neymar, o meia do Atlético não tinha com quem jogar. Ivan Gonzalez não conseguia concluir as jogadas e Nieto apresentava sérios problemas de relacionamento com a bola. Nem as jogadas de falta, que costumam ser armas importantes, sempre com as batidas precisas de Paulo Bayer, saíram com correção. Dessa forma, restou a Branquinho tentar resolver sozinho, principalmente em chutes de fora, como aos 26 minutos, quando ele quase surpreendeu o goleiro Rafael.

O Santos começou melhor o segundo tempo. Teve mais a posse, cercou o Atlético-PR, mas começou a bater no paredão rubro-negro. A equipe paranaense se segurava bem lá atrás, brecando as investidas santistas. Aos 16 minutos, o técnico Marcelo Martelotte resolveu mexer na equipe. Ele já havia tirado Danilo no primeiro tempo, por problema médico. Agora, era uma questão tática. Maranhão entrou no lugar de Pará. A esperança do treinador era tornar as saídas pelo lado direito mais velozes, uma tentativa de surpreender a boa defesa adversária. O que talvez Martelotte não esperasse era que a mudança desse resultado tão rápido.

Em seu primeiro lance, aos 17, Maranhão arrancou pela direita, tabelou com Neymar, recebeu na frente e chutou cruzado, abrindo o placar. A bola ainda bateu na trave antes de morrer na rede. O gol deixou o Atlético atordoado. Quando ainda tentava entender o que estava acontecendo, o Furacão levou o segundo, aos 20. Neymar recebeu de Maranhão e partiu em velocidade pela direita. O camisa 11 invadiu a área e foi derrubado por Paulinho. Pênalti, que Zé Eduardo bateu e converteu.

Após levar o segundo gol, o Atlético parou. Não chegou mais perto do gol do Santos, que passou a gastar o tempo, segurando o resultado.

O Santos volta a campo na próxima quarta-feira, quando enfrenterá o Internacional, mais um confronto direto, às 22h, na Vila Belmiro. Trata-se de um jogo atrasado da 13ª rodada, adiado a pedido do Colorado. Já o Furacão, pela 30ª rodada, recebe o Goiás, sábado, às 18h30m, na Arena da Baixada.

SANTOS X ATLÉTICO-PR
Rafael, Pará (Maranhão), Vinícius, Durval e Léo; Arouca, Danilo (Alex Sandro), Roberto Brum e Alan Patrick (Breitner); Zé Eduardo e Neymar João Carlos; Elder Granja, Rhodolfo, Manoel e Paulinho; Chico, Olberdan (Claiton), Paulo Baier (Thiago Santos)  e Branquinho, Ivan Gonzalez e Nieto (Netinho).
Técnico: Marcelo Martelotte Técnico: Sérgio Soares
Gols: Maranhão, aos 17, Zé Eduardo, 20
Cartões amarelos: Rhodolfo (Atlético-PR), Neymar, Maranhão, Arouca (Santos)
Renda e público: R$ 230.165,00/8.417 pagantes
Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos (SP). Data: 09/10/2010. Árbitro: Felipe Gomes da Silva (RJ). Auxiliares: Rodrigo Pereira Joia (RJ) e Ediney Guerreiro Mascarenhas (RJ)

outubro 9, 2010 Posted by | Atlético-PR, Santos | , | Deixe um comentário

Com três gols de Oliveira, Tricolor vence a segunda com Carpegiani

Em duelo apertado, São Paulo faz 3 a 2 no lanterna Grêmio Prudente, fora de casa, com três gols do atacante e bela atuação do meia Lucas

A fase do São Paulo definitivamente melhorou após a chegada do técnico Paulo César Carpegiani ao clube. Neste sábado, em Presidente Prudente, o Tricolor conseguiu a segunda vitória em duas partidas com o novo comandante. Mais uma vez escalado com um quarteto ofensivo, o time visitante mostrou ter entendido os pedidos do treinador e pressionou a saída de bola adversária desde o ataque, o que resultou em dois gols no primeiro tempo. No entanto, o duelo não foi fácil. O lanterna Grêmio Prudente também buscou o ataque, chegou a desperdiçar um pênalti e vendeu caro a derrota. No final, a melhor qualidade são-paulina e a eficiência e Ricardo Oliveira definiram o placar de 3 a 2.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Com a vitória, o Tricolor vai a 41 pontos e se mantém na décima posição, já o Prudente segue na última colocação com 21 pontos. Na próxima rodada, o São Paulo faz o clássico com o Santos, no Morumbi, enquanto o time do interior paulista vai a Salvador enfrentar o Vitória.

Marcação desde o ataque decide

Assim como já havia acontecido diante do Vitória, na última quarta-feira, os quatro jogadores de frente do Tricolor foram fundamentais. Mas não só pelo desempenho ofensivo e, sim, principalmente pela ajuda na marcação, que começou desde o campo de ataque. Foi assim que surgiram os dois gols são-paulinos na etapa incial. Desta vez, os meias Marlos e Lucas e os atacantes Fernandinho e Ricardo Oliveira tiveram essa responsabilidade. Precisando desesperadamente de um resultado positivo, o Grêmio Prudente demonstrou uma postura corajosa, não se encolheu lá atrás e até levou certos problemas para a defesa dos visitantes. Mas a maior qualidade do São Paulo fez a diferença.

O jogo começou em ritmo acelerado e, antes de a rede balançar, cada time teve uma oportunidade, com Lucas por um lado e Willian pelo outro. Mas aos 7min não teve jeito. Marlos brigou pela bola no meio-campo, abriu na esquerda para Fernandinho, que tocou para Ricardo Oliveira. O camisa 99 sofreu falta e ele mesmo cobrou com categoria, no ângulo, fazendo 1 a 0 para o Tricolor.

Apesar da boa postura em campo e de um início animador, o São Paulo deu uma cochilada nos minutos seguintes. O Prudente passou a acreditar e teve certa liberdade para tocar a bola no meio-campo. Aos 33min, Adriano Pimenta encontou espaço na área pela direita e chutou forte. Rogério Ceni espalmou e, no rebote, Wesley igualou o marcador: 1 a 1.

Mas os donos da casa não tiveram tempo para comemorar. Aos 34min, um minuto depois, mais um desarme são-paulino no campo de ataque deu origem ao segundo gol. Rodrigo Souto e Ricardo Oliveira brigaram pela bola, que chegou até Lucas na ala direita. O meia deu ótimo passe para Ricardo Oliveira, que só tocou na saída do goleiro, fazendo 2 a 1.

Antes do intervalo, o Prudente ainda perdeu o lateral-esquerdo Alex Oliveira, que saiu machucado e deu lugar a Arthur Henrique.

Segunda etapa

O Tricolor não voltou bem nos minutos iniciais do segundo tempo e o Prudente se aproveitou dos espaços. Em um chute de longe de Wesley, Rogério Ceni defendeu em dois tempos. Richarlyson e Fernandinho encontravam dificuldades para apoiar pela esquerda e, mesmo pela direita, que vinha sendo a melhor opção ofensiva, as jogadas ficaram emperradas. Mesmo assim, em um contragolpe Ricardo Oliveira desperdiçou a oportunidade de ampliar.

Percebendo o mau momento da equipe, Carpegiani trocou Marlos e Fernandinho por Carlinhos Paraíba e Fernandão. Deu certo. Logo depois, aos 12min, Lucas fez belo lance individual e Ricardo Oliveira encheu o pé para marcar o seu terceiro gol no jogo: 3 a 1.

O Prudente teve a chance de voltar para a partida quando Roberto foi derrubado por Carlinhos Paraíba dentro da área. Porém, aos19min, Willian isolou a bola na cobrança do pênalti e a equipe da casa parece ter sentido o golpe. O confronto esfriou e os dois lados diminuíram o ritmo. Carpegiani ainda colocou o volante Zé Vitor no lugar de Casimiro, mas o panorama seguiu inalterado. Já nos acréscimos, aos 46min, Wesley foi mais esperto que a zaga tricolor em jogada pela esquerda e diminuiu para 3 a 2.

Mas o gol saiu tarde e o São Paulo pôde comemorar em Presidente Prudente a segunda vitória com Carpegiani no comando.

GRÊMIO PRUDENTE 2 X 3 SÃO PAULO
Giovanni; Bruno Ribeiro (Wanderley), Anderson Luís, Diego Giaretta e Marcelo Oliveira (Arthur Henrique); Anderson Pedra, João Vitor, Roberto e Adriano Pimenta; Willian (Araújo) e Wesley Rogério Ceni; Jean, Alex Silva, Miranda e Richarlyson; Rodrigo Souto, Casemiro (Zé Vitor), Marlos (Carlinhos Paraíba) e Lucas; Fernandinho (Fernandão) e Ricardo Oliveira
Técnico: Fábio Giuntini Técnico: Paulo César Carpegiani
Gols: Ricardo Oliveira, aos7min e aos 34min do 1º tempo, e aos 12min do 2º tempo. Wesley, aos 33min e aos 46min do 2º tempo
Cartões amarelos: Diego Giaretta (Prudente). Cartão vermelho: Não houve.
Estádio: Prudentão, em Presidente Prudente (SP). Árbitro: Rodrigo Martins Cintra (SP). Auxiliares: Dante Mesquita Júnior (SP) e Osny Antonio Silveira (SP)

outubro 9, 2010 Posted by | Grêmio Prudente, São Paulo | , | Deixe um comentário

Vasco abre vantagem, mas permite o empate do Grêmio no final

Após estar vencendo por 3 a 1, time carioca recua e vê o rival gaúcho empatar a partida aos 43 minutos do segundo tempo em São Januário

Em um jogo muito movimentado e aberto, o Vasco permitiu o empate do Grêmio após ter dois gols de vantagem no segundo tempo. Gabriel, aos 43 minutos da etapa final, deixou tudo igual: 3 a 3, neste sábado, em São Januário, pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro. Éder Luís, Cesinha e Felipe Bastos marcaram para o time carioca. Jonas, duas vezes, tinha feito os outros gols dos gaúchos.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Foi o sétimo empate em casa do Vasco neste Brasileirão. O 14º em 28 jogos no campeonato. Já o Grêmio provou mais uma vez estar em franca ascensão após a chegada de Renato Gaúcho. São sete jogos sem perder. Atualmente está na sétima posição com 43 pontos. O Vasco segue no grupo intermediário. É o 11º colocado com 38 pontos.

Na próxima quarta-feira, o Vasco enfrenta o Corinthians, em São Januário, em jogo adiado do primeiro turno do Campeonato Brasileiro. Já o Grêmio só volta a campo no domingo, dia 17, para encarar o Cruzeiro, no Olímpico, em Porto Alegre.

A chuva fina não afastou o público de São Januário, que compareceu de forma razoável em São Januário. O Vasco começou tentando pressionar o Grêmio. Tinha mais a posse de bola e até chegava bem pela direita com Fagner. Mas não assustava. Felipe, que voltava ao time após se recuperar de lesão, estava preso na marcação e era lento na movimentação. E as tentativas nos chutes de fora da área eram lamentáveis. Sem qualquer direção… Enquanto isso, o time gaúcho sabia atacar com perigo. A preocupação dos defensores vascaínos era com Jonas, artilheiro do Brasileirão. Mas foi o meia Lucio quem entrou na área, deixou Cesinha na saudade e chutou rasteiro. A bola bateu na rede pelo lado de fora. Alguns gremistas gritaram gol pensando que a bola havia entrado.

O Vasco parecia depender da inspiração de Eder Luis. E o atacante, em boa fase, resolveu aparecer. Primeiro, fez um giro em cima de Rafael Marques e soltou a bomba de fora da área. A bola explodiu no travessão. No minuto seguinte, Zé Roberto deu um ótimo passe para o jogador, que apareceu livre à frente do goleiro Marcelo Grohe. Um toque sutil foi o suficiente para enganar o camisa 1 e marcar o primeiro gol cruzmaltino. Vasco 1 a 0. Foi o sétimo gol de Eder Luis no Campeonato Brasileiro.

O gol não desanimou o Grêmio, que tocava melhor a bola. Sempre com Douglas, que jogava com liberdade, comandando o time. E após uma triangulação pela direita, Gabriel cruzou e Jonas desviou para o gol antes da chegada de Fernando Prass. O atacante saiu comemorando, mas o árbitro Alício Pena Júnior anulou o lance marcando impedimento.

Para tentar anular o ataque gremista, o Vasco buscava congestionar a intermediária com muitos jogadores. E passou a jogar no contra-ataque explorando principalmente a velocidade de Eder Luis pelo lado esquerdo em cima do lento zagueiro Paulão. Mas era pouco. O Grêmio foi, aos poucos, dominando a partida.

Durante o primeiro tempo, o time carioca perdeu o lateral-direito Fagner, que saiu de campo com um problema muscular na parte posterior da coxa direita. O paraguaio Irrazábal entrou. Aproveitando a mudança, o Grêmio passou a explorar mais o setor. Foi por ali que André Lima recebeu livre e chutou cruzado. Fernando Prass, em grande defesa, evitou o empate.

O jogo era bom. O Vasco tinha lampejos de criatividade. Principalmente quando a bola parava nos pés de Zé Roberto. O meia, mais uma vez, conseguiu deixar Eder Luis na cara do gol. Só que o chute saiu fraco e o goleiro Marcelo Grohe defendeu. Do outro lado, Jonas não quis saber de toquinho. Soltou a bomba da entrada da área após dar um drible de corpo em Rafael Carioca. Fernando Prass se esticou, mas não tinha como defender o chute. Bola na rede. Tudo igual: 1 a 1. Foi o 18º gol do atacante no Brasileirão.

E quando o primeiro tempo parecia terminar com um justo empate, o Vasco achou um gol em cobrança de escanteio. Após a bola ser cruzada para a área, Dedé subiu mais alto do que a marcação e tocou de cabeça para Cesinha, entre três gremistas, desviar para o gol e deixar o time carioca novamente em vantagem: 2 a 1.

O segundo tempo começou sem mudanças nos times. O Vasco voltou com uma outra postura e, mesmo em vantagem, tentava marcar sob pressão a saída de bola do Grêmio. Com isso, o jogo ficou equilibrado, com boas chances dos dois lados.

Felipe passou a jogar mais perto dos atacantes vascaínos. E cresceu de rendimento. Colocou uma bola entre as pernas de Vilson. Depois, o meia dominou na entrada da área e chutou forte. A bola saiu com muito perigo. André Lima fez o mesmo logo em seguida para o Grêmio. A bola tinha endereço certo, mas Fernando Prass se esticou todo e tocou com as pontas dos dedos para escanteio.

Paulo César Gusmão passou a colocar o lateral-esquerdo Ernani como um terceiro zagueiro para reforçar a marcação em Jonas. Com isso, conseguiu dificultar as ações do atacante gremista. E o terceiro gol surgiu em uma jogada curiosa. Felipe receberia bola de Éder Luís, mas deixou a bola passar após escutar Lúcio gritar “deixa!”. O árbitro, em cima do lance, percebeu e marcou falta técnica a favor do Vasco. Na cobrança, Felipe rolou para Felipe Bastos, que soltou a bomba. A bola desviou na barreira e enganou o goleiro Marcelo Grohe. Festa na Colina. Vasco 3 a 1.

O jogo parecia decidido. A torcida vascaína fazia festa. Mera impressão. Ainda no calor da euforia do terceiro gol, o Grêmio aproveitou uma bobeira da defesa vascaína e diminuiu. Jonas recebeu ótimo passe de André Lima e mandou para a rede de Fernando Prass. Mais um bonito gol do artilheiro do Brasileirão: 3 a 2.

A poucos metros do lance, o técnico Paulo César Gusmão ficou muito irritado com o erro da defesa vascaína. Resolveu tirar Rafael Carioca e colocar Rômulo para reforçar a marcação. O Grêmio foi para o tudo ou nada. E levava muito perigo nos cruzamentos para a área. Em um deles, Lucio conseguiu cabecear bem no canto esquerdo. Fernando Prass salvou o Vasco. Mas no abafa, o time gaúcho chegou ao empate. Aos 43 minutos, a bola parou nos pés de Gabriel após ótima tabela pela direita, que chutou forte. Um belo gol. Decepção carioca, festa gremista.  Tudo igual em São Januário: 3 a 3.

VASCO 3 X 3 GRÊMIO
Fernando Prass, Fagner (Irrazábal), Dedé, Cesinha e Ernani; Jumar, Rafael Carioca (Rômulo), Fellipe Bastos e Felipe (Allan); Zé Roberto e Éder Luís. Marcelo Grohe; Paulão; Rafael Marques e Vilson; Gabriel, Ferdinando (Diego Clementino), Lúcio (Edilson), Douglas e Fábio Santos (Gilson); Jonas e André Lima
Técnico: PC Gusmão Técnico: Renato Gaúcho
Gols: Eder Luis aos 15, Jonas aos 41 e Cesinha aos 47 minutos do primeiro tempo; Felipe Bastos aos 24, Jonas aos 28 e Gabriel aos 43 minutos do segundo tempo
Cartões amarelos: Fábio Santos, Rafael Marques, Gilson, Paulão (Grêmio); Dedé, Jumar (Vasco)
Estádio: São Januário, no Rio de Janeiro
Público: 13.651 presentes / 10.743 pagantes
Renda: R$ 242.135,00
Árbitro: Alício Pena Junior (MG)
Auxiliares: Helberth Costa Andrade (MG) e Guilherme Dias Camilo (MG).

outubro 9, 2010 Posted by | Grêmio, Vasco da Gama | , | Deixe um comentário