Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Nem Fred nem Neymar: Zé Love brilha, faz três, e Santos bate o Flu

Com direito a gol até de meia-bicicleta, atacante rouba a cena no triunfo do Peixe por 3 a 0 no Engenhão. Cariocas têm liderança ameaçada

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

A festa estava preparada para o retorno de Fred após 71 dias de inatividade, os holofotes estavam divididos com Neymar, mas quem assumiu o papel de protagonista na noite desta quarta-feira, no Engenhão, foi o “patinho feio” Zé Love. Com três gols, um deles de meia-bicicleta, o camisa 9 do Santos foi o responsável direto pela vitória por 3 a 0 do atual campeão paulista e da Copa do Brasil sobre o líder Fluminense, em partida válida pela 28ª rodada do Brasileirão.

Com o resultado, o Tricolor carioca vê sua liderança ameaçada pelo Corinthians ainda nesta rodada. A equipe de Muricy Ramalho tem 52 pontos, 15 vitórias e saldo 19, enquanto o Timão encara o Atlético-MG ainda nesta quarta, tem 49 pontos, 14 vitórias e saldo 18. O Santos, que foi descartado por Washington da briga pelo título antes da partida, chegou aos 42 pontos e ocupa a sexta posição, com um jogo a menos.

Na próxima rodada, o Flu vai até Uberlândia encarar o Cruzeiro, terceiro colocado, no Parque do Sabiá, domingo, às 16h (de Brasília), enquanto o Peixe recebe o Atlético-PR, sábado, às 18h30m (de Brasília), na Vila Belmiro.

Sem Mariano, na Seleção, e Deco, machucado, e com um Carlinhos pouco inspirado, o Fluminense passou a depender muito de Conca para furar o bloqueio imposto pelo Santos na entrada da área no primeiro tempo. E não foi feliz. Apesar de o torcedor tricolor, que mais uma vez não apareceu em grande número no Engenhão, apoiar durante todos os 45 minutos iniciais, a inoperância de Washington e os inúmeros passes errados de Marquinho atrapalharam o andamento da equipe regida pelo argentino, e o 0 a 0 acabou sendo de bom tamanho diante do bom volume de jogo apresentado pelo Peixe.

Muito vaiado pela torcida tricolor, o volante santista Arouca, revelado no clube carioca, foi o primeiro a arriscar para o gol, aos quatro, em jogada que se tornou rotineira para o time paulista: os chutes de fora da área. A conclusão, no entanto, saiu fraca e parou em Rafael. Marcado por Diogo, Neymar desperdiçou boa chance aos sete, ao receber bom passe de Danilo e perder disputa com Gum.

No minuto seguinte, a primeira oportunidade do Flu. Rodriguinho recebeu passe em velocidade e chutou cruzado. Rafael impediu o gol (no vídeo acima). Mesmo fora de casa, o Santos tentava sair para o jogo e não permitia o domínio territorial tricolor. Aos 11, Marquinho levantou o torcedor em boa cobrança de falta, mas o goleiro do Peixe, mais uma vez, apareceu bem. No contra-ataque, Neymar driblou dois adversários e tocou para Alan Patrick chutar mal.

E o jogo seguia lá e cá, com o Santos, mesmo com dez desfalques, sem medo do líder. Com maior posse de bola, o Flu era pouco incisivo e apelava, sem sucesso, para bolas aéreas. A jogada só deu certo uma vez, aos 28, quando Marquinho cobrou escanteio e encontrou Conca, livre, no segundo pau. O meia emendou de primeira e errou o alvo.

Apagado, Neymar tentou a sorte em chute do bico da área, aos 36, e assustou. Zé Eduardo e Danilo, na sequência, também levaram perigo do mesmo jeito. A esta altura, a vantagem do Flu na posse de bola já não existia mais, a torcida já não cantava e só o Peixe atacava. Nada, porém, capaz de impedir que a partida fosse para o intervalo com o placar inalterado.

A volta do Fluminense para o segundo tempo causou frisson nas arquibancadas. No lugar da camisa 99 de Washington, Fred, com a 9, subiu o túnel do Engenhão ajeitando o calção e entrou em campo dando um pique. Era o retorno do atacante após 71 dias e 16 rodadas de ausência. André Luis na vaga de Marquinho foi a outra novidade, com a mudança para o esquema com três zagueiros.

Nos minutos iniciais, a estratégia até parecia que ia dar certo. Logo aos três, Fred recebeu na entrada da área e fez o pivô tocando de calcanhar para chute forte de Conca. Rafael defendeu, e a torcida fez festa. O lance, no entanto, foi isolado, e o atacante passou a alongar e saltar constantemente, dando indícios de que voltara a sentir a lesão na panturrilha esquerda. Em determinado momento da segunda etapa, o lateral Marquinhos foi junto ao banco e disse a Muricy que o camisa 9 não estava 100%.

Para piorar para o anfitrião, o Santos manteve o ritmo da etapa inicial e continuou atacando. E conseguiu abrir o placar aos 11. Após belo passe de Alan Patrick, Neymar invadiu a área e tocou na saída de Rafael. A bola caprichosamente bateu na trave direita e voltou para o jovem, que concluiu novamente. A bola ira para fora, mas Marquinhos esticou a perna e desviou a redonda, que tocou no travessão. No rebote, Zé Eduardo deu uma meia-bicicleta e fez 1 a 0.

O lance abateu o Flu, que se mandou de forma desesperada para o ataque. Aos 14, Carlinhos fez boa jogada pela esquerda e cruzou na medida para Rodriguinho pegar de primeira. A bola tirou tinta da trave e frustrou o atacante, que já corria para comemorar. No minuto seguinte, o lance se desenhou pela direita. Marquinhos cruzou, e André Luis cabeceou em cima da zaga.

Aos 17, até saiu o gol de empate, com Rodriguinho, mas a arbitragem marcou corretamente impedimento de Leandro Euzébio no início da jogada e anulou o lance (no vídeo acima). A pressão tricolor continuava, e Fred sequer tocava na bola. Aos 20, Carlinhos dominou na entrada da área, cortou para o meio e chutou de direita para carimbar a trave esquerda de Rafael.

Diante da pressão, o Santos passou a fazer cera e segurar o ímpeto ofensivo tricolor. Deu certo, e o jogo ficou morno. Até que, aos 29, depois de um chutão da zaga, Zé Eduardo contou com a desatenção de Leandro Euzébio para dominar dentro da área e concluir com estilo para o fundo das redes: 2 a 0 no placar e silêncio no Engenhão. Antes de entrar, a bola ainda bateu na trave. Golaço.

O Flu ainda tentou reagir. Em cobrança de falta, Conca fez Rafael trabalhar, espalmando para córner. André Luis chegou a balançar a rede, mas o lance já estava parado por impedimento.

E foi o Santos que voltou a comemorar. Aos 42, Alex Sandro fez ótima jogada pela esquerda, deixou Digo para trás e cruzou na medida para Zé Eduardo fazer seu terceiro gol no jogo, seu sétimo no Brasileirão.

Apesar da grande desvantagem, torcedores do Flu não desanimaram e o entoaram o coro de “seremos campeões”. Mas não perdoou o goleiro Rafael, que foi vaiado. A festa coube ao Santos de Neymar. Que nesta quarta-feira, foi o Santos de Zé Eduardo.

FLUMINENSE 0 X 3 SANTOS
Rafael, Marquinhos, Gum, Leandro Euzébio e Carlinhos; Diogo, Valencia, Marquinho (Andre Luis) e Conca; Rodriguinho e Washington (Fred). Rafael, Pará, Vinícius Simon, Durval e Léo; Arouca, Danilo, Roberto Brum e Alan Patrick (Alex Sandro); Zé Eduardo (Felipe Anderson) e Neymar.
Treinador: Muricy Ramalho Treinador: Marcelo Martellote
Estádio: Engenhão (Rio de Janeiro). Data: 6 de outubro. Árbitro:Sandro Meira Ricci (Fifa/DF). Auxiliares: Ênio Ferreira de Carvalho (DF) e Marrubson Melo Freitas (DF).
Gols: Zé Eduardo, aos 11 minutos, 29 e 42 do segundo tempo.
Cartões amarelos: Valencia, Andre Luis, Rodriguinho (FLU), Vinícius Simon, Léo, Roberto Brum (SAN)
Público: 11.723 pagantes / 14.385 presentes Renda: R$ 313.515,00

outubro 6, 2010 Posted by | Fluminense, Santos | , , | Deixe um comentário

Grêmio goleia o Prudente no Olímpico e segue à caça do G-3

Com três gols de Jonas, artilheiro do Brasileirão, tricolor chegou fácil ao 4 a 0

Quatro vitórias consecutivas, melhor campanha do segundo turno e artilheiro isolado. Essas são as credenciais que o Grêmio apresenta aos torcedores para seguir sonhando com a classificação à Taça Libertadores. No início da noite desta quarta-feira o tricolor gaúcho vitimou o Prudente, com fácil vitória por 4 a 0, no Estádio Olímpico, pela 28ª rodada do Brasileirão.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Jonas – três vezes – e André Lima fizeram os gols do Grêmio, oitavo colocado com 42 pontos. O Prudente continua proprietário da lanterna, com a metade – apenas 21.

Avassalador em segundos

Pela décima vez na competição, o Grêmio marcou um gol nos primeiros 15 minutos de partida. Dessa vez, porém, exagerou na dose. André Lima mal deixou o cronômetro do árbitro Péricles Bassols disparar e saiu comemorando.

Foi um lance de futebol dominical, solteiros contra casados antecedendo o churrasco. Anderson Luís desarmou Fábio Santos, mas errou na saída, chutando sobre o jogador gremista. Jonas recuperou a bola, invadiu a área e cruzou para o centroavante, que atirou-se e justificou o número 9 que carrega às costas. Aos 44 segundos já estava Grêmio 1 a 0 Prudente. Desde a lesão do titular Borges, que passou por uma cirurgia na tíbia da perna direita e não atua mais nesta temporada, André Lima soma quatro gols em seis jogos.

Solidariedade no ataque

André, entretanto, não é daqueles centroavantes fominhas. Teve a chance de fazer mais um. Abdicou da autoria para ajudar o companheiro de ataque a consolidar a liderança na lista de artilheiros. Toda a jogada poderia ser usada como exemplo em palestras de treinadores quando o assunto é organização coletiva. Douglas lançou Fábio Santos, que cruzou para André Lima. O centroavante ameaçou concluir, mas deixou passar, e Jonas bateu de primeira: 2 a 0, aos 24.

Artilheiro dispara

Oito minutos depois, Jonas voltou a marcar. Recebeu lançamento longo de Lúcio, dominou no peito, e emendou com a canhota. De fora da área. A bola encobriu o adiantado goleiro Giovanni e quase perfurou a rede, à altura do ângulo direito. Atordoado, ainda antes do intervalo, o técnico Fábio Giuntini fez duas trocas no Prudente.

Entraram Marcelo Oliveira e Wanderley, para as saídas dos laterais Bruno Ribeiro e Arthur Henrique.

Ritmo de treino

Vencendo por 3 a 0, o Grêmio arrefeceu o ímpeto no segundo tempo. Recuou, trouxe o Prudente para o próprio campo, apostando nos contra-ataques para ampliar. Os visitantes, entretanto, gostaram da proposta e criaram boas chances, com o trio W-3: Wesley, Willian e Wanderley.

Pelo menos em quatro delas o goleiro Marcelo Grohe, substituto de Victor – que serve à Seleção Brasileira – fez belas defesas. Mas a torcida gostou mesmo foi das intervenções do zagueiro Paulão, que a cada lance arrisca a integridade dos satélites em órbita. A cada bico na bola, uma festa:

– Paulão! Paulão! Paulão!

Fechando a conta

Os gremistas também se empolgaram quando Renato convocou Diego, o Clementino, que havia marcado dois gols em duas curtas participações a partir da recente estreia. Mas desta vez o atacante pé-quente não contribuiu com o placar vitorioso.

Coube a Jonas encerrar a noite. Ele sofreu pênalti, cobrou para pedir música no Fantástico, e aos 39 finalizou os 4 a 0 do Grêmio sobre o Prudente. Na comemoração, chamou os companheiros para vibrar em frente à torcida Geral. E sob os cânticos inspirados nas hinchadas sul-americanas, celebrou seu 17º gol no Brasileirão. Artilheiro absoluto.

Próximos jogos

Ambos voltam a jogar, pela 29ª rodada do Brasileirão 2010, às 18h30m de sábado. O Grêmio enfrenta o Vasco no Estádio São Januário. E o Prudente recebe o São Paulo, no Prudentão.

GRÊMIO 4 X 0 PRUDENTE
Marcelo Grohe; Gabriel, Paulão, Rafael Marques e Fábio Santos (Gilson); Vilson, Willian Magrão (Leandro), Lúcio (Diego) e Douglas; Jonas e André Lima. Giovanni; Bruno Ribeiro (Wanderley), Anderson Luís, Diego Giaretta e Arthur Henrique (Marcelo Oliveira); Anderson Pedra, João Vitor, Roberto e Adriano Pimenta (Fabiano Gadelha); Willian e Wesley.
Técnico: Renato Gaúcho. Técnico: Fábio Giuntini.
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre. Data: 06/10/2010. Árbitro: Péricles Bassols (Fifa/RJ). Auxiliares: Rodrigo Pereira Jóia (RJ) e Ricardo de Almeida (RJ).
Gols: André Lima (Grêmio), aos 44seg; Jonas (Grêmio) aos 24m e aos 32m, no 1º tempo. Jonas (Grêmio), aos 39m, no 2º tempo.
Cartões amarelos: Leandro (Grêmio); Diego Giaretta, Wesley, Anderson Pedra e Giovanni (Prudente)
Público: 18.198 torcedores. Renda: R$ 280.494,50

outubro 6, 2010 Posted by | Grêmio, Grêmio Prudente | | Deixe um comentário

Ruim para os dois, empate frustra Guarani e Botafogo no Brasileirão

Diego Barboza marcou para os campineiros, e Loco Abreu salvou o Fogão da derrota em Campinas. Jejum de ambos aumenta no Nacional

O empate por 1 a 1 foi justo, mas não serviu para ninguém. Guarani e Botafogo fizeram um jogo nada empolgante na noite desta quarta-feira, no estádio Brinco de Ouro, em Campinas, pela 28ª rodada do Campeonato Brasileiro. E o que segue nada empolgante também são os ânimos de bugrinos e alvinegros. Ambos com jejum de vitória.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

A equipe campineira, agora com 34 pontos, na 12ª colo, soma três rodadas sem um triunfo. Pior ainda é a situação do Botafogo, que vinha forte na briga para permanecer no G-3 do Nacional. Com o empate desta noite, o time comandado por Joel Santana chega a sete partidas sem vencer (uma derrota e seis empates). O Fogão é quinto, com 43.

O retorno de ambas as equipes a campo será no próximo domingo, pela 29ª rodada do Brasileirão. O Guarani dessa vez joga fora de casa, contra o Ceará, em Fortaleza, às 18h30m. No Rio de Janeiro, às 16h, o Botafogo recebe o Palmeiras, no Engenhão.

Para tentar fazer valer seu bom desempenho como mandante, o Guarani partiu para cima do Botafogo desde o primeiro minuto. Nada muito intenso, mas o suficiente para tirar os espaços do rival. Apesar da iniciativa campineira, as chances de gol eram escassas. Até por isso em algumas oportunidades a bola ia de um lado para o outro, sem objetividade.

Diante da postura tomada pelo Bugre, o Fogão demorou a se achar em campo. Errou passes e se mostrou desorganizado em campo. Quando teve mais posse de bola, os cariocas optaram pelas bolas alçadas na área. Sem sucesso. A zaga adversária levou a melhor em todas, e o goleiro Douglas não teve trabalho algum.

Do outro lado, Renan, que havia salvado chute perigoso de Márcio Careca aos dois minutos, não conseguiu impedir o gol do Guarani aos 26 minutos. Logo depois de o técnico Vagner Mancini reclamar de displicência dos seus comandados, Reinaldo recebeu na esquerda da grande área e fez cruzamento certeiro para Diego Barboza marcar de cabeça.

Insatisfeito, Joel Santana fez uma alteração. Sacou Túlio Souza e escalou Edno. Somália, então, foi deslocado para a lateral direita. Edno, caindo pela esquerda, não resolveu muito, mas lá no meio da área teve quem achasse solução. E o nome dele é Loco Abreu. Aos 45, após cruzamento de Herrera da direita, o uruguaio empatou o jogo para o Botafogo (veja no vídeo acima).

No retorno para o segundo tempo, o técnico do Guarani, Vagner Mancini, lamentou o vacilo da sua equipe no finalzinho da etapa inicial. Especialmente porque ele tinha avisado sobre os perigos de Loco Abreu na bola aérea. Não à toa, a marcação sobre o sistema ofensivo do alvinegro de General Severiano aumentou.

Até por essa preocupação mais defensiva do Bugre, o jogo ficou truncado demais. Aos poucos, porém, o Botafogo passou a controlar mais as ações e explorar as jogadas pelas pontas. Mas ainda faltava melhorar a finalização. Ou melhor, criar jogadas que permitissem aos atacantes dar trabalho ao goleiro adversário.

Apesar do melhor momento dos cariocas, o Guarani por muito pouco não reeditou o gol do primeiro tempo. Aos 14 minutos, Reinaldo recebeu bom passe na área, dessa vez na direita, e cruzou para Barboza cabecear. A bola raspou o travessão. A resposta carioca foi rápida, e não fosse o goleiro Douglas, Herrera teria colocado o Fogão em vantagem. Logo depois, aos 19, o argentino sentiu o ombro esquerdo em disputa com o goleiro, e deu lugar a Caio.

Foi dele, aliás, a melhor chance do Fogão no segundo tempo até então. Aos 28 minutos, ele entrou bem na área, após passe de Loco Abreu, cortou um marcador e chutou rasteiro, acertando a trave (veja no vídeo acima). O lance animou o time visitante, que não desistiu. O Bota tentou com Loco Abreu, com Edno, com Caio de novo…  E o Bugre apostou  nas faltas de Baiano. Mas o placar seguiu no 1 a 1. Ruim para todos.

GUARANI 1X1 BOTAFOGO
Douglas; Rodrigo Heffner (Apodi), Fabão, Aílson e Márcio Careca; Renan, Paulo Roberto, Fabiano (Geovane) e Diego Barboza (Baiano); Rômulo e Reinaldo. Renan; Túlio Souza (Edno), Antônio Carlos, Danny Morais e Márcio Rozário; Somália, Leandro Guerreiro, Fahel e Lucio Flavio (Renato Cajá); Herrera (Caio) e Loco Abreu.
Técnico: Vagner Mancini. Técnico: Joel Santana.
Gols: Diego Barboza, aos 26, e Loco Abreu, aos 45 minutos do primeiro tempo.
Cartão amarelo: Leandro Guerreiro (BOT).
Público: 3.601 pagantes. Renda: R$ 53.783,00.
Local: Brinco de Ouro, em Campinas (SP). Data: 06/10/2010. Árbitro:Carlos Eugênio Simon (Fifa/RS) . Auxiliares: Julio César Rodrigues Santos (RS) e José Javel Silveira (RS).

outubro 6, 2010 Posted by | Botafogo, Guarani | , | Deixe um comentário