Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Inter faz 3 a 0 no Guarani e encurta distância para o Fluminense

Colorado vence no Beira-Rio, com gols de Daniel, Glaydson e Giuliano, e agora está oito pontos afastado do líder do Brasileirão

O Fluminense empatou. O Corinthians empatou. O Cruzeiro empatou. E o Inter venceu. Pouco importa que a atuação não tenha sido das melhores. O que o Colorado tira deste sábado, com a vitória de 3 a 0 sobre o Guarani no Beira-Rio, é a visão de uma distância mais curta para o líder do Campeonato Brasileiro. Agora, são oito pontos de afastamento.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O Inter, nos primeiros 45 minutos, foi controlado pelo Guarani, errou muito e chegou a ser vaiado pela torcida. Na etapa final, com as entradas de Daniel e Glaydson, melhorou. Os dois jogadores abriram o placar, complementado depois por Giuliano. O Bugre acertou o travessão do Inter duas vezes. Sofreu com a falta de eficiência.

Com o resultado, o time de Celso Roth subiu para 44 pontos, na quarta colocação. O Fluminense soma 52, mas o Inter tem um jogo a mais para disputar. O Colorado volta a campo na quarta-feira, em Fortaleza, contra o Ceará. O Guarani, no mesmo dia, recebe o Botafogo.

O Guarani amarrou o sistema de criação do Inter no primeiro tempo, deu um nó nele, o guardou dentro de um cofre e jogou a chave fora. Com marcação e posse de bola, o time visitante foi superior ao Colorado na etapa inicial. Só não saiu na frente porque errou quando menos poderia errar: no último toque.

O Inter foi um time adormecido. Nem D’Alessandro conseguiu render. Com o trio de criação colorado dominado, a equipe de Campinas também conseguiu incomodar. Teve duas grandes chances. Em ambas, Baiano esteve envolvido. Primeiro, ele cruzou para Ricardo Xavier cabecear com muito perigo, a milímetros da trave esquerda de Renan. Depois, ele apareceu na pequena área, após cruzamento de Márcio Careca, e desperdiçou o gol mais feito da vida dele. Era só encostar na bola. Mas Baiano chegou com tudo, exagerou na força e acertou o travessão de Renan. Incrível.

A pobreza colorada foi de dar pena: um chute fraco de D’Alessandro, outro igualmente anêmico de Alecsandro, mas nada muito animador. Chance real, clara, daquelas de dar esperança à torcida, só uma: Giuliano acionou D’Alessandro pelo meio, e o argentino, já dentro da área, preferiu rolar para Alecsandro, que dividiu com Fabão e perdeu o gol. A melhor alternativa para o camisa 10 seria já ter emendado o chute.

Wilson Matias e Sorondo, lesionados, deixaram o time do Inter no intervalo. Parecia má notícia, mas não era. Os dois jogadores escolhidos por Celso Roth para entrar no time fizeram os gols que abriram a vitória colorada: Daniel primeiro, Glaydson depois.

Antes que o Guarani pudesse avisar que repetiria a armadura do primeiro tempo, o Inter marcou. Aos seis minutos, Giuliano acionou Daniel na direita. Entre cruzar e mandar o chute, ele optou pela segunda alternativa. Fez bem. A pancada cruzada beijou a rede defendida por Douglas: 1 a 0.

A vitória estava encaminhada. E virou certeza logo depois. D’Alessandro cruzou da direita, a zaga do Guarani se embananou ao tentar fazer a linha de impedimento e Glaydson, livre do outro lado, desviou para o gol. O Beira-Rio soltou um respiro de alívio coletivo.

Mário Lúcio, do Guarani, ainda mandaria uma bola no travessão de Renan. Mas travessão não é gol. Gol é o que Giuliano fez aos 35 minutos. O prodígio colorado recebeu pela esquerda, se livrou da zaga e mandou o chute colocado, com precisão. Estava encerrado o papo. Estava intensificada a perseguição aos líderes. Se Fluminense, Corinthians e Cruzeiro empataram, azar deles: o Inter venceu.

INTERNACIONAL 3 X 0 GUARANI
Renan, Nei, Bolívar, Sorondo (Daniel) e Juan; Wilson Matias (Glaydson), Guiñazu, Giuliano, Edu (Andrezinho) e D’Alessandro; Alecsandro. Douglas, Rodrigo Heffner, Fabão, Ailson (Aislan) e Márcio Careca; Renan, Paulo Roberto, Baiano (Diego Barboza) e Mário Lúcio; Mazola e Ricardo Xavier (Rômulo).
T: Celso Roth T: Vágner Mancini
Estádio: Beira-Rio, em Porto Alegre (RS). Data: 2 de outubro. Árbitro:Edivaldo Elias da Silva (PR). Auxiliares: José Amilton Pontarolo (PR) e Moisés Aparecido de Souza (PR).
Gols: Daniel, aos seis, e Glaydson, aos 18, e Giuliano, aos 35 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Nei, D’Alessandro (Inter); Paulo Roberto (Guarani).Cartão vermelho: Mário Lúcio (Guarani).
Público: 10.819. Renda: R$ 129.040,00.

outubro 2, 2010 Posted by | Guarani, Internacional | | Deixe um comentário

Na volta de Renato à Bahia, Grêmio bate Vitória e confirma ponta no returno

Com sete desfalques, Tricolor gaúcho aproveita erros do Rubro-Negro baiano e consegue o quarto triunfo seguido fora de casa: 3 a 0

Na volta de Renato Gaúcho a Salvador, onde treinou o Bahia até ser convocado a dirigir o clube onde é o ídolo maior, o Grêmio reforçou, neste sábado, o seu título de melhor time do returno do Campeonato Brasileiro. Apesar de sete desfalques, o Tricolor gaúcho aproveitou erros do adversário e derrotou o Vitória por 3 a 0, no Barradão, em jogo pela 27ª rodada do Nacional.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Os gols da partida foram marcados por Maylson, aos 20 minutos do primeiro tempo, aproveitando uma falha do zagueiro Wallace na saída de bola, Diego e Edílson, aos 45 e 47 da etapa final, respectivamente.

Com a quarta vitória seguida fora de casa, o atual campeão gaúcho ganhou mais uma posição na classificação, subindo para o oitavo lugar, com 39 pontos. Já o campeão baiano vive uma situação díficil. Com três derrotas consecutivas, o Vitória é o 14º colocado, com 31 pontos, cinco a mais que o Atlético-GO, que iniciou a rodada no Z-4.

Os dois times voltam a atuar na quarta-feira. O Grêmio recebe o lanterna Prudente no Olímpico, às 19h30m (de Brasília). O Vitória enfrenta o São Paulo, no Morumbi, às 21h50m.

As duas equipes entraram em campo com desfalques de última hora. No Vitória, o lateral Jonas sentiu uma indisposição estomacal, e o treinador Ricardo Silva precisou improvisar o volante Ricardo Conceição no lado direito. Do lado do Grêmio, Adílson foi liberado para voltar a Porto Alegre devido ao falecimento de um amigo muito próximo. Foi a sexta mudança que Renato Gaúcho precisou fazer no time que iniciou a partida contra o São Paulo, na quarta-feira. Também não puderam atuar Vilson, Rafael Marques, Douglas, André Lima e Paulão, todos suspensos. E Fábio Rochemback não pôde retornar à equipe devido a uma distensão na coxa direita.

Diante de tantos problemas, o treinador gremista decidiu escalar o time com Jonas como único atacante de ofício; fez improvisações, com o jovem zagueiro Simon atuando como volante, e o lateral Lúcio como meia; e mandou a campo garotos como Neuton, Roberson e Maylson. No Rubro-Negro baiano, Ricardo Silva promoveu o retorno do experiente meia Ramon, responsável pela armação de jogadas junto da revelação Elkeson.

Apesar dos problemas, o Grêmio assustou o adversário com um minuto. Após cobrança de escanteio, Neuton ficou livre na área, mas cabeceou por cima, perdendo ótima chance. Diante de um rival com cinco homens no meio-campo, o Vitória enfrentou muitas dificuldades para superar a defensiva gremista, que marcava até a saída de bola. E em um lance de marcação-pressão saiu o primeiro gol da partida. Aos 20 minutos, o zagueiro Wallace saiu jogando errado e chutou em cima de Roberson. A bola sobrou limpa para Maylson, que, livre na entrada da área, chutou forte para abrir o placar.

O gol acordou o Vitória, que teve criou duas boas oportunidades aos 23 e 26 minutos. Na primeira, Henrique deu ótimo passe para Ricardo Conceição, que dominou na área e obrigou Victor a fazer uma ótima intervenção (no vídeo acima). Em seguida, Júnior acionou Ramon, que, da entrada da área, chutou rente à trave direita.

Para o segundo tempo, apesar das dificuldades enfrentadas pela equipe e das atuações apagadas de Júnior e Elkeson, o treinador do Vitória, Ricardo Silva, não mexeu no time. Mas nos primeiros dez minutos, o time baiano seguiu com muitos erros de passes e não conseguindo superar o bloqueio na entrada da área. Nos dez minutos iniciais, o Rubro-Negro só conseguiu ameaçar em uma falta cobrada por Bida, que Victor espalmou para escanteio.

A paciência do treinador do Vitória com Júnior acabou aos 14 minutos. Ao ser substituído por Schwenk, o camisa 9 saiu falando palavrões (assista no vídeo acima). E o técnico também tentou dar mais fôlego ao time, trocando Ramon por Thiago Humberto.

Mas a situação não melhorou para o time da casa. O Leão recorria a cruzamentos para a área, rebatidos na grande maioria pela defesa do Grêmio. O que causou perigo só gerou risco devido a uma falha de Victor, que rebateu mal um centro aos 25. A bola sobrou para Thiago Humberto, que chutou forte, mas o goleiro se recuperou e defendeu.

Aos 32, Ricardo Silva queimou seu último cartucho, colocando Kléber Pereira em campo no lugar do volante Vanderson.

A equipe baiana tentou atacar, mas de forma desordenada. E foi o Grêmio que chegou ao gol. Não apenas uma vez. Mas duas. Aos 45, Diego aproveitou uma bola rebatida pelo goleiro Lee e ampliou. E dois minutos depois, com o Vitória já entregue, Gabriel passou para Edílson, que acertou um belo chute, definindo o marcador e mais três pontos para o melhor time do segundo turno do Brasileirão.

VITÓRIA 0 X 3 GRÊMIO
Lee; Ricardo Conceição, Wallace, Thiago Martinelli e Egídio; Vanderson (Kléber Pereira), Bida, Ramon (Thiago Humberto) e Elkeson; Júnior (Schwenk) e Henrique. Victor; Gabriel, Ozéia, Neuton e Fábio Santos; Saimon (Edílson), Fernando (William Magrão), Roberson, Maylson (Diego) e Lúcio; Jonas.
Técnico: Ricardo Silva. Técnico: Renato Gaúcho.
Gols: Maylson, aos 20 minutos do primeiro tempo, Diego, aos 45 do segundo e Edílson, aos 47.
Cartões amarelos: Elkeson, Ricardo Conceição (VIT), Lúcio, Ozéia e Victor (GRE)
Local: Barradão, em Salvador. Data: 02/10/2010. Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá (RJ). Auxiliares: Luiz Moreira de Oliveira (RJ) e Arnaldo Rodrigues de Souza (CE).

outubro 2, 2010 Posted by | Grêmio, Vitória | , | Deixe um comentário

Vasco fica atrás no placar duas vezes, mas bate o Goiás de virada por 3 a 2

Equipe cruzmaltina vence com um gol de Zé Roberto aos 36 minutos da segunda etapa em São Januário e deixa adversário na degola

Depois da boa vitória sobre o Santos na última rodada, os vascaínos foram animados para São Januário e, mesmo após um susto, comemoraram novamente nesta sexta-feira. A equipe da Colina fez 3 a 2 no Goiás, chegou a 36 pontos e assumiu a décima posição na 27ª rodada – tem um jogo a menos – do Campeonato Brasileiro. O time esmeraldino, que chegou a ficar na frente do placar por duas vezes, segue com 25, na zona de rebaixamento, em 18º.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O resultado da partida foi bom para o arquirrival Flamengo, já que o Esmeraldino é rival direto na luta contra o rebaixamento. Os gols vascaínos foram marcados por Eder Luis, Max e Zé Roberto. Felipe e Jones descontaram para os goianos. A notícia ruim para os donos da casa foi Felipe, que deixou o campo ainda no primeiro tempo com uma entorse no joelho esquerdo.

Goiás não se intimida e fica em vantagem

A chuvinha fina que caiu em São Januário no início da noite parece ter deixado o time do Vasco um pouco sonolento, especialmente o zagueiro Titi. No primeiro ataque da equipe esmeraldina, aos sete minutos, em uma jogada aparentemente sem perigo, Marcão lançou uma bola longa, o defensor cruzmaltino cochilou e deixou Felipe sozinho. O atacante teve tempo de dominar e fuzilou na saída de Fernando Prass: 1 a 0. A partir daí, Titi, que já havia falhado contra o Santos, passou a ser vaiado pela torcida a cada vez que encostava na bola.

No prejuízo, restou ao Vasco tentar se recompor. Coube ao experiente Felipe tomar as rédeas e fazer o time jogar. Se estava difícil entrar na área do Goiás, o camisa 6 deu o exemplo e, em duas jogadas individuais, finalizou duas vezes de fora da área e obrigou Harlei a trabalhar. E foi do lado direito, principal arma da equipe, que o Gigante da Colina conseguiu empatar. Aos 25, Zé Roberto conduziu a bola e deu um passe milimétrico para Eder Luis, que, dentro da área, só tocou na saída do goleiro: 1 a 1.

Novamente confiante e com o apoio dos torcedores, o Vasco foi para cima e até criou boas chances de virar. Mas os donos da casa levaram um banho de água fria aos 34. Valmir Lucas arrancou pelo meio da zaga e achou Jones Carioca, que chutou colocado e acertou o cantinho de Prass: 2 a 1. Quando levou o gol, o Vasco estava com um a menos, já que Felipe estava sendo atendido pelo departamento médico. O meia se machucou e precisou ser substituído por Jonathan, aos 36 minutos, mas a lesão parece não ser grave.

Antes do fim do primeiro tempo, aos 44 minutos, a equipe da Colina ainda teve uma ótima oportunidade de igualar o placar. Rafael Carioca deu ótimo passe para Max, que finalizou e Harlei salvou.

Zé Roberto vira o herói

No segundo tempo, o que se viu foi um ataque contra defesa, já que o Goiás, satisfeito com o resultado, se fechou inteiro em seu campo. Para satisfação dos torcedores, o técnico PC Gusmão resolveu colocar no lugar do vaiado Titi o zagueiro Cesinha. O alvo da torcida, então, passou a ser Rafael Coelho, outro que não está em boa fase e atrapalhou alguns ataques. Mas ele só ficou em campo até os 17 minutos, quando foi substítuído por Allan.

A tentativa de pressão surtiu efeito, e o Vasco conseguiu empatar aos 18 minutos. Fagner cruzou, a zaga cortou mal e a bola chegou até Max, que mandou uma bomba no canto de Harlei: 2 a 2. E não foi um gol qualquer. Além de ter sido o primeiro do atleta no profissional, foi o de número 1.500 do clube em Brasileiros. Com a igualdade, o Goiás adiantou mais sua marcação e passou a dar mais espaço.

E um rápido contra-ataque com Eder Luis, o Vasco quase virou. No melhor do seu estilo, ele arrancou e levou a bola até dentro da área, onde passou pelo goleiro mas, na hora de finalizar, errou o alvo. Minutos depois, Zé Roberto também perdeu uma boa chance ao receber dentro da área e chutar por cima.

O alívio para a torcida veio aos 36 minutos. Pela direita, Fagner tocou para Eder Luis, que rolou para o meio da área na direção de Zé Roberto. No domínio, o camisa 10 girou e, com a perna esquerda, chutou para o fundo da rede do Goiás: 3 a 2. Após o gol, festa nas arquibancadas e gritos de “O Vasco é o time da virada”. Era só esperar o apito final e comemorar a segunda vitória seguida. Os jogadores deixaram o campo abraçados e agradeceram o apoio.

Na próxima quarta-feira, às 22h (de Brasília), na Arena da Baixada, o Vasco enfrenta o Atlético-PR. Na quinta, às 21h, no Serra Dourada, o Goiás recebe o Cruzeiro.

VASCO 3 X 2 GOIÁS
Fernando Prass, Fagner, Titi (Cesinha), Dedé e Max; Rafael Carioca, Rômulo (Jonathan), Felipe e Zé Roberto; Eder Luis e Rafael Coelho (Allan). Harlei, Valmir Lucas, Ernando e Marcão; Wendel (Rithiely), Amaral, Jonílson, Wellington Monteiro, Jones e Júnior; Felipe (Everton).
Técnico: PC Gusmão Técnico: Jorginho
Gols:Felipe, aos sete, Eder Luis, aos 25, e Jones, aos 34 minutos do primeiro tempo. Max, aos 18 , e Zé Roberto aos 36 da segunda etapa.
Cartão amarelo: Rithiely (GOI)
Estádio: São Januário, no Rio de Janeiro. Data: 01/10/2010. Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS). Assistentes: Wilson Gonçalves de Aquino (RO) e Tatiana de Freitas (RS).
Público: 6.805 pagantes     Renda: R$ 109.330,00

outubro 2, 2010 Posted by | Goiás, Vasco da Gama | , | Deixe um comentário

Com gol à la Zico, Bota sai na frente mas cede empate ao Fla, que evita Z-4

Quinto empate seguido impede que alvinegros se aproximem do G-3. Gol do Fla, que sai de rebote de pênalti mal marcado, evita ida à zona da degola

O Botafogo fez um gol à la Zico. Parecia ironia do destino, no dia seguinte à saída do ídolo do Flamengo. Mas o empate com o Botafogo veio à base de sofrimento, em rebote de pênalti inexistente. O resultado de 1 a 1 na noite deste sábado, no Engenhão, não ajudou as equipes na tabela. O quinto empate seguido impede que os alvinegros se aproximem dos times do G-3 (Flu, Corinthians e Cruzeiro) e os leva aos 43 pontos. A grande surpresa da partida foi a ausência de Jobson. Perseguido pela torcida em boa parte da temporada, Lucio Flavio foi o autor do belo chute que abriu o placar.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O adversário segue mergulhado na crise. Sem comandante no futebol após a saída de Zico e provavelmente sem treinador. A presidente Patrícia Amorim não planeja manter Silas no comando. O treinador fez dez jogos e tem apenas uma vitória. A luta contra o rebaixamento continua quente. O time chega aos 30 pontos e fica nas cercanias da zona de rebaixamento. Mas não pode cair mais para o Z-4 nesta rodada.

Mais uma vez o estádio, principal palco do futebol carioca até o retorno do Maracanã, em 2013, não teve grande público. Apenas 13 mil pagaram ingresso na chuvosa noite de sábado.

Gritos para Zico

Magoada e revoltada com a saída de Zico, a torcida do Flamengo chegou ao Engenhão gritando que o ex-diretor é o “nosso rei”. Havia boatos de que as principais torcidas do clube entrariam em conflito. O grande pivô da demissão do Galinho, o presidente do Conselho Fiscal, Leonardo Ribeiro, não foi ao estádio como prometera na véspera.

Os botafoguenses aproveitaram-se da crise do rival com galhofa: “Até o Zico roubou…”. Mas também tiveram uma surpresa desagradável. Jobson foi vetado, e Joel escalou Edno para substituí-lo. A versão oficial é de que ele reclamou de dores no joelho na manhã de sábado. Recentemente, o atacante ficou quase um mês fora por causa de um problema muscular na coxa. Ele atuou contra o Atlético-PR, foi suspenso e não participou do empate por 1 a 1 com o Corinthians, na última quarta.

O Rubro-Negro foi escalado com três zagueiros (David Braz, Ronaldo Angelim e Jean) e Renato na ala esquerda. O time teve mais posse de bola nos primeiros 15 minutos. Mas novamente a estrutura do ataque, com Deivid e Diogo recuando para buscar a bola, atrapalhou a criação de oportunidades. A primeira foi de um meia. Kleberson aproveitou cruzamento de Léo Moura e cabeceou com perigo, aos 18.

Gol alvinegro

O Botafogo insistiu em jogadas pela direita, mas os erros de passe atrapalharam. A partida ficou arrastada, monótona. A apatia também transferiu-se para as torcidas, que pouco se manifestavam.

Aos 32, Diogo pedalou foi à linha de fundo e cruzou rasteiro. A bola passou por Deivid e Willians. No lance seguinte, Kleberson arriscou de longe, e Jefferson defendeu com um soco.

Renato, com cartão amarelo, insistiu em cometer faltas próximas à área. Em uma delas, Lucio Flavio cobrou com perfeição, no ângulo esquerdo de Marcelo Lomba: 1 a 0, aos 35. Foi o primeiro chute do Botafogo no jogo.

O Flamengo tentou manter a calma e se reorganizar. Afinal, estava melhor desde o primeiro minuto. Teve alguns espasmos de bom futebol ofensivo, mas Jefferson os repeliu bem. E o primeiro tempo terminou com gritos de “silêncio na favela” da ala botafoguense e revolta dos jogadores rubro-negros. Eles reclamaram com o árbitro Gutemberg de Paula, e Diogo recebeu o cartão amarelo mesmo após o apito final.

Empate rubro-negro

O Flamengo, em desvantagem, começou a segunda etapa tomando a iniciativa e insistindo em cruzamentos inofensivos. O Botafogo respondeu agredindo e quase levando o adversário ao nocaute. Primeiro, Loco Abreu cabeceou com perigo. Depois, foi a vez de Alessandro puxar contra-ataque, driblar Willians e chutar rente ao ângulo direito.

Silas tentou mudar o panorama monocórdio de apenas bolas altas e colocou Petkovic em busca de criatividade. Ele errou tudo. Mas uma falha de Alessandro recolocou o time no jogo. Ele perdeu a bola para Ronaldo Angelim na área se enrolou com o rubro-negro. O árbitro Gutemberg de Paula marcou pênalti que não existiu e deu o segundo cartão amarelo para o botafoguense, aos 29.

A torcida pediu, e Petkovic foi para a cobrança. O sérvio bateu mal, Jefferson pegou. Mas Léo Moura aproveitou o rebote e bateu forte e rasteiro para empatar, aos 31.

O Flamengo perdeu a vantagem numérica um minuto depois. Renato deu carrinho em Túlio Souza e também foi expulso. A partida ficou emocionante e aberta. Loco Abreu chutou no alto aos 43 e Marcelo Lomba fez linda defesa. Mas o jogo não saiu do empate.

Ficha técnica:

BOTAFOGO 1 X 1 FLAMENGO
Jefferson, Danny Morais, Leandro Guerreiro e Fábio Ferreira (Márcio Rozário); Alessandro, Somália, Túlio Souza (Caio), Lucio Flavio e Marcelo Cordeiro; Loco Abreu e Edno. Marcelo Lomba, David Braz, Jean e Ronaldo Angelim; Léo Moura, Maldonado, Willians (Correa), Kleberson (Petkovic) e Renato; Diogo (Diego Maurício) e Deivid.
Técnico: Joel Santana. Técnico: Silas.
Gols: no primeiro tempo, Lucio Flavio, aos 35 minutos. No segundo, Léo Moura, aos 30 minutos
Cartões amarelos: Renato, Jean, Diogo e Willians (Fla); Marcelo Cordeiro e Alessandro e Márcio Rozário (Botafogo). Cartão vermelho: Alessandro (Botafogo) e Renato (Flamengo)
Estádio: Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ). Data: 02/10/2010. Árbitro:Ricardo Gutemberg de Paula Fonseca (RJ). Assistentes: Dibert Pedrosa Moisés (Fifa-RJ) e Rodrigo Pereira Joia. Público: 13.182 pagantes

. Renda: R$ 329.330

outubro 2, 2010 Posted by | Botafogo, Flamengo | , , | Deixe um comentário

No embalo dos rivais na briga pelo título, Raposa só empata com Furacão

Cruzeiro poderia terminar a rodada em segundo, dois pontos atrás do
líder Fluminense, mas times ficam no 0 a 0 em Sete Lagoas

O Cruzeiro desperdiçou a chance de encostar de vez nos líderes, e assim como seus concorrentes diretos apenas empatou na rodada. O Atlético-PR foi competente em sua proposta de segurar a Raposa e saiu da Arena do Jacaré comemorando o 0 a 0, mas por pouco não saiu com a vitória nos minutos finais. Com o empate, o Cruzeiro chegou aos 48 pontos, se manteve em terceiro, quatro pontos atrás do Fluminense. Já o Furacão chegou aos 42 pontos, na quinta posição.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Na próxima quarta-feira o Atlético-PR recebe o Vasco, na Arena da Baixada, às 22h (de Brasília), e a Raposa vai até Goiânia enfrentar o Goiás, na quinta-feira, às 21h.

Nada de gols em Sete Lagoas

O primeiro lance de perigo da partida veio dos pés da grande sensação do Cruzeiro no campeonato. Montillo cobrou falta da entrada da área e o goleiro Neto espalmou.
E o segundo lance também foi oriundo de uma bola parada. O meia Paulo Baier cobrou falta da intermediária e Chico, livre, cabeceou para fora, com perigo.
Enquanto o Cruzeiro exercia uma pequena pressão por ter maior posse de bola, o Atlético-PR apostava nos contra-ataques com Branquinho, Bruno Mineiro e Paulo Baier.
Aos 20, Farías quase abriu o placar para a Raposa, após boa cabeçada que o jovem goleiro Neto agarrou firme.
E foi Montillo quem agitou as arquibancadas novamente, cinco minutos depois, com um chute rasteiro forte para boa defesa do arqueiro paranaense.
O Furacão conseguia impor uma forte marcação sobre o meio-campo celeste, o que dificultava a criatividade dos donos da casa. Apenas Bruno Mineiro ficava no ataque. Com cinco jogadores no meio-campo, o técnico Paulo César Carpegiani conseguiu segurar o ímpeto celeste na primeira etapa.

Alguma emoção só nos minutos finais

O empate deixava a torcida cruzeirense impaciente, já que Corinthians e Fluminense, concorrentes diretos pelas primeiras colocações, empataram na rodada. A cada jogada desperdiçada, passe errado ou chute para fora, a torcida reclamava bastante.
Mas aos 8 minutos, um lance sem perigo de gol quase calou toda a Arena do Jacaré. O atacante Ivan González chocou-se com Fábio e caiu sobre a perna do arqueiro cruzeirense. Mas para a alegria dos mineiros a contusão não passou de um susto, já que o camisa 1 se levantou após atendimento médico.
O Cruzeiro seguia buscando o ataque a todo momento mas esbarrava na defesa paranaense. Thiago Ribeiro não conseguia dar sequência às jogadas. O tempo ia passando e das arquibancadas se ouvia gritos de ‘raça, raça’.
Como a pressão não era tanta grande, o Atlético-PR se arriscou no ataque e quase marcou em cobrança de falta de Paulinho, que bateu no travessáo, aos 38 minutos.

Como o empate não era bom para nenhum dos lados, o jogo ganhou em emoção nos minutos finais. Mais uma vez o ídolo celeste fez a diferença e impediu gol certo de Maikon Leite. E no finalzinho, o goleiro Neto justificou a sua convocação para a seleção brasileira. Em cruzamento direita, Robert subiu livre e com estilo, mas o arqueiro paranaense fez uma linda ponte para evitar o gol celeste.

Com a falta de inspiração dos meias Montillo e Paulo Baier, o placar foi mesmo o de 0 a 0.

CRUZEIRO 0 X 0 ATLÉTICO-PR
Fábio; Rômulo (Jonathan), Caçapa, Edcarlos e Pablo; Fabinho, Henrique, Everton (Roger) e Montillo; Farías (Robert) e Thiago Ribeiro. Neto; Elder Granja, Manoel, Rhodolfo e Paulinho; Chico, David, Branquinho, Ivan González (Guerrón) e Paulo Baier (Nieto); Bruno Mineiro (Maikon Leite).
Técnico: Cuca Técnico: Paulo César Carpegiani
Cartões amarelos: Caçapa e Jonathan (Cruzeiro); Bruno Mineiro, Chico e Guerrón (Atlético-PR)
Local: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas. Data: 2/10/2010. Arbitragem:Paulo Henrique Godoy Bezerra (SC) Auxiliares: Kléber Lúcio Gil e Luiz Alberto Kallenberger (SC)

outubro 2, 2010 Posted by | Atlético-PR, Cruzeiro | , | Deixe um comentário

Com um a menos e em jogo ‘gelado’, São Paulo fica no zero com o Avaí

Time catarinense só não fica na zona de rebaixamento porque Atlético-GO foi derrotado. Tricolor já enfrenta jejum de três jogos sem vencer

A noite de sábado oferece muitas opções de entretenimento. Em Florianópolis, o futebol foi uma delas, mas não deu tanta satisfação ao espectador quanto uma sessão de cinema ou teatro, por exemplo. Neste sábado, quem escolheu ir à Ressacada não se deu bem. Passando muito frio e jogando com pouca qualidade, Avaí e São Paulo ficaram no 0 a 0 e pouco evoluíram na tabela após a 26ª rodada do Campeonato Brasileiro. Em partida fraca tecnicamente, as duas equipes tiveram algumas chances, mas sequer levaram perigo.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Após o jogo, iniciado às 21h, o Avaí foi a 29 pontos e se manteve fora da zona de rebaixamento, também beneficiado pela vitória do Atlético-MG sobre o Atlético-GO, por 3 a 2. Já o São Paulo se mantém na zona intermediária, com 35 pontos, e já está há três partidas sem vencer – conquistou apenas um ponto dos últimos nove disputados.

Só dá Leão

O Avaí teve um primeiro tempo muito mais equilibrado e só não chegou ao gol por erros nas finalizações e defesas de Rogério Ceni. Edson dos Santos ousou ao escalar Roberto no ataque ao lado de Robinho, já que o camisa 9 ainda busca a melhor forma física após passar longo tempo machucado. Ainda assim, ele mostrou muita movimentação e foi um dos responsáveis pelo toque de bola que envolveu o Tricolor.

Os primeiros 30 minutos foram todos do Leão, tanto que o primeiro chute a gol do São Paulo só veio aos 33 minutos, com Lucas. Antes disso, só o Avaí jogava. Com jogadores leves na frente, o time ganhava todas do rival em velocidade, principalmente por meio das rápidas inversões de bola que pegavam a zaga desprevenida. E ainda aproveitava os erros de passe do São Paulo para armar contra-ataques perigosos.

Em dois desses equívocos da equipe visitante, o Leão quase abriu o placar. Primeiro, Cléber Santana perdeu a bola na intermediária e, em apenas três toques, a bola já estava nos pés de Roberto, que chutou cruzado e exigiu grande defesa de Rogério Ceni, com os pés. Depois, foi a vez de Jéferson receber passe de calcanhar do próprio Roberto e acertar o travessão são-paulino.

Sergio Baresi optou por escalar Marlos em vez de Dagoberto e acabou deixando Ricardo Oliveira isolado no meio dos zagueiros. O meia, que deveria se aproximar mais de Ricardo, teve de buscar o jogo no meio de campo a todo momento, dificultando as investidas do Tricolor.

O panorama piorou para o São Paulo aos 38 minutos. Após ter sofrido falta não marcada pelo árbitro Alício Pena Júnior, Richarlyson protestou demais, xingou Alício e acabou levando o cartão vermelho. Com um a menos, o time passou o restante da etapa inicial apenas se defendendo.

Do outro lado, Edson dos Santos queria logo aproveitar a vantagem numérica. Tirou o zagueiro Émerson no intervalo e lançou o atacante Marcelinho. A tendência era que o Avaí fosse só pressão, mas Baresi colocou Carlinhos Paraíba e o meia soube segurar a bola na frente, com Ricardo Oliveira.

O panorama se voltou a favor do São Paulo, que, mesmo com dez em campo, conseguiu controlar bem o rival. O Avaí só chegou perto do gol uma vez, e em outro contra-ataque. Roberto recebeu passe da esquerda, invadiu a área, e Rogério teve dificuldades para defender. O Leão criou demais, mas sem finalizar com tanto perigo.

Baresi ainda tentou uma última cartada ao colocar Dagoberto. Pouco inspirado, porém, o camisa 25 não conseguiu dar mais dinâmica ao ataque tricolor. A jornada do atacante começou mal antes mesmo de ele entrar, já que levou cartão amarelo após discutir com o quarto árbitro. Mesmo assim, teve a última chance em um chute de longe aos 48, que exigiu difícil defesa de Zé Carlos. Sem gols e com muito frio, a torcida deixou a Ressacada vaiando não só o Avaí, mas o espetáculo abaixo da média promovido pelas duas equipes.

AVAÍ 0 X 0 SÃO PAULO
Zé Carlos, Patric, Gabriel, Émerson (Marcelinho) e Pará (Laércio); Bruno Silva, Diogo Orlando, Jéferson e Davi (Sandro Silva); Roberto e Robinho Rogério Ceni, Jean, Renato Silva, Miranda e Richarlyson; Rodrigo Souto, Cléber Santana (Zé Vitor), Jorge Wagner e Lucas (Dagoberto); Marlos (Carlinhos Paraíba) e Ricardo Oliveira
Técnico: Edson dos Santos Técnico: Sergio Baresi
Cartões amarelos: Robinho, Jéferson, Bruno Silva (AVA); Jorge Wagner, Carlinhos Paraíba, Dagoberto, Ricardo Oliveira (SPO). Cartão vermelho: Richarlyson (SPO)
Estádio: Ressacada, em Florianópolis (SC). Data: 2/10/2010. Árbitro:Alício Pena Júnior (MG). Auxiliares: Márcio Eustáquio Santiago e Guilherme Dias Camilo (ambos de MG)

outubro 2, 2010 Posted by | Avaí, São Paulo | , | Deixe um comentário

Atlético-MG derrota xará goiano com gol espírita nos acréscimos

Time mineiro faz 3 a 2 aos 47 minutos do segundo tempo, em lance em que a bola de Ricardo Bueno tocou no zagueiro e no goleiro antes de entrar

A partida no Serra Dourada entre os Atléticos de Goiás e de Minas Gerais se encaminhava para um fim melancólico para os dois lados, com um empate que complicaria um pouco mais a vida de ambos no Brasileirão.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

No entanto, aos 47 minutos da etapa final, dois jogadores que o técnico Dorival Júnior colocou no decorrer da partida, Renan Oliveira e Ricardo Bueno, mudaram a sorte dos mineiros.

O primeiro fez a jogada e o segundo marcou o gol da vitória, em lance em que a bola tocou em zagueiro e no goleiro rival antes de entrar. Com 3 a 2 no placar, o Atlético-MG chegou aos 25 pontos, na 18ª posição, enquanto os goianos somam 26 pontos, em 17º lugar. (Veja os gols no vídeo acima)

Jogo em alta velocidade

A situação difícil dos dois times na tabela fez com que o jogo começasse aberto. Tanto o Dragão como o Galo buscaram o ataque nos minutos iniciais. Mas os mineiros esbarraram num obstáculo que vem se tornando comum ao longo do campeonato, os erros de passes. Como o Atlético-MG não conseguia concatenar seus ataques, os goianos foram tomando as rédeas do jogo para si e criando jogadas de perigo.

A constante presença no campo ofensivo fez com que o Atlético-GO abrisse o marcador, logo aos dez minutos. Robston cobrou falta com violência, sem chances de defesa para Renan Ribeiro, e colocou o Dragão na frente do placar.

O gol obrigou que o Galo saísse mais para o jogo, pois o resultado em nada lhe interessava. O esforço do Atlético-MG foi premiado dez minutos depois de sofrer o gol. Obina acionou Serginho na direita. O volante fez cruzamento perfeito para Diego Souza, que, de cabeça, deixou tudo igual no Serra Dourada.

A igualdade no placar deixou o jogo equilibrado, porém muito concentrado no meio-campo. E justamente quando o Galo ficou ligeiramente melhor na partida, o Dragão fez seu segundo gol. Aos 39 minutos, Anaílson enfiou linda bola para William, que invadiu a área e bateu na saída de Renan Ribeiro, para fazer 2 a 1 para o Atlético-GO.

O primeiro tempo terminou com a vitória dos goianos, num jogo que foi movimentado e jogado em alta velocidade.

O resultado negativo da etapa inicial fez com que o Atlético-MG voltasse com mudanças e mais aberto. Saíram Fillipe Soutto e Obina, e entraram Fernandinho e Ricardo Bueno. As mudanças do técnico Dorival Júnior não surtiram efeito prático. Se Ricardo Bueno não participava do jogo, Fernandinho conseguia ser ainda pior, errando muitos passes e não sendo eficiente na marcação.

O Atlético-GO, que não tem culpa dos problemas do adversário, tocava a bola, de forma cadenciada, e cozinhava o jogo. Até que foi penalizado por sua falta de objetividade. Aos 30 minutos, Diego Macedo cruzou na área e Réver acertou uma bicicleta fazendo um gol maravilhoso no Serra Dourada: 2 a 2

Os minutos finais foram marcados pela busca incessante do gol pelos dois times, e os mineiros acabaram recompensados aos 47. Ricardo Bueno, que fazia partida ruim, virou herói, mas antes viu o renegado Renan Oliveira fazer quase toda a jogada.

Num passe em profundidade, o meia recebeu na cara de Márcio, conseguiu driblá-lo, mas perdeu o ângulo. No cruzamento, Diego Souza deu um peixinho e não achou nada, mas Ricardo Bueno bateu de chapa, de direita. A bola ia entrando, mas, para aumentar o drama, o beque conseguiu tirar em cima da linha. Por pura infelicidade de Márcio, a bola ricocheteou em suas pernas e entrou, decretando o 3 a 2 que renova o ânimo dos mineiros, que já estavam moribundos no Brasileirão.

ATLÉTICO-GO 2 X 3 ATLÉTICO-MG
Márcio; Adriano, Jairo, Agenor e Thiago Feltri; Robston, Pituca (Erandir), Juninho e Anaílson (Keninha); William e Diogo Galvão (Diogo Campos). Renan Ribeiro; Diego Macedo, Réver, Werley e Fillipe Soutto (Fernandinho); Alê (Renan Oliveira), Zé Luís, Serginho e Ricardinho; Diego Souza e Obina (Ricardo Bueno).
Técnico: Renê Simões Técnico: Dorival Júnior
Gols: Robston, aos 10; Diego Souza, aos 20; Juninho, aos 39 minutos do primeiro tempo; Réver, aos 30 e Ricardo Bueno aos 47 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: William, Thiago Feltri e Adriano (Atlético-GO) e Werley, Serginho, Réver e Renan Oliveira (Atlético-MG)
Data: 02/10/2010 Local: Serra Dourada, em Goiânia (GO) Árbitro:Wilton Pereira Sampaio (DF)
Auxiliares: Alessandro Alvaro Rocha de Matos (BA) e Carlos Berkenbrock (SC)
Público: 3.183 (pagantes) Renda: R$ 50.260

outubro 2, 2010 Posted by | Atlético-MG | | Deixe um comentário

Santos e Palmeiras lutam até o fim, mas clássico termina empatado: 1 a 1

Kleber marca para o time do Palestra Itália no primeiro tempo, e Alan Patrick deixa tudo igual na segunda etapa

Apesar do jogo bastante movimentado e com muitas chances de gol, Santos e Palmeiras ficaram apenas em um empate em 1 a 1 neste sábado, na Vila Belmiro. Com o resultado, as duas equipes seguem com campanhas semelhantes no Campeonato Brasileiro: ambos têm 39 pontos. Os santistas estão em sétimo e os palmeirenses na nona posição.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O Peixe, que vinha de derrota para o Vasco, não conseguiu sua reabilitação, e o Palmeiras, que havia vencido os últimos três jogos, não fez a quadra. Os gols do duelo deste sábado foram marcados por Kleber e Alan Patrick.

O atacante Neymar, que completou 100 jogos pelo Peixe no jogo contra o Vasco, na última rodada, entrou em campo neste sábado com uma camisa comemorativa com este número. Ele também recebeu das mãos do presidente Luis Álvaro uma placa.

Eficiente, Palmeiras sai na frente com o Gladiador

As equipes iniciaram a partida em alta velocidade, com muita luta e postura ofensiva. Com mais posse de bola e presença no campo adversário, o Peixe logo tomou a iniciativa do jogo. Na maioria das vezes pelo lado esquerdo, onde normalmente encontra Neymar, o time da Vila começou a ameaçar. A primeira boa oportunidade aconteceu aos sete minutos, quando Léo recebeu livre dentro da área e bateu cruzado. O chute foi para fora.

Neymar deu seu cartão de boas vindas para o Palmeiras aos 12 minutos. Na base do drible, o atacante levou até a linha de funda pela direita e chutou cruzado. A bola passou à frente de Marcel, que, com o gol aberto, não chegou em tempo de empurrar para a rede. Se o Peixe era mais presente, o Verdão sua eficiência.

Aos vinte minutos, Márcio Araújo encontrou Valdivia dentro da área. O meia girou e tocou para Kleber que, com a perna esquerda, acertou o ângulo direito do goleiro Rafael: 1 a 0. Foi a primeira boa trama ofensiva do time do Palestra, que atuava apenas com o Gladiador isolado na frente. Atrás no placar, só restou ao Santos se lançar ao ataque para tentar igualar o marcador.

E o Peixe chegou perto novamente do gol aos 26 minutos. Alan Patrick, que havia entrado no lugar do machucado Marquinhos, arriscou de fora da área e acertou o canto esquerdo de Deola, que se esticou e fez ótima defesa. Se estava complicado furar o bloqueio verde, Neymar, aos 38 minutos, tentou resolver em jogada individual e, após de chocar com uma marcador dentro da área, se jogou dentro da área para tentar um pênalti. O árbitro, apesar de muito longe do lance, acertou ao mandar o lance seguir.

Após a tentativa de pressão, o Santos ainda levou um grande susto antes de ir para o intervalo. Aos 45 minutos, Vitor mandou um míssil de longe e acertou o travessão de Rafael, que voou mas não encontrou a bola.

A insistência do Santos, que voltou do vestiário com Zé Eduardo no lugar de Pará, foi premiada logo no início da segunda etapa. Aos seis minutos, Neymar deu um drible desconcertante na ponta direita e cruzou para a área, mas a zaga conseguiu o corte. No lance seguinte, Alan Patrick recebeu dentro da área pela esquerda, driblou dois marcadores e finalizou. A bola desviou no pé de Danilo e matou o goleiro Deola: 1 a 1.

Empolgado com o bom momento, o Santos tentou uma pressão em busca da virada. Mas em uma de suas principais armas, o Palmeiras assustou novamente. Aos 15 minutos, Marcos Assunção cobrou uma falta de longe e Rafael defendeu com dificuldade. Com o jogo mais aberto, logo depois o Peixe chegou bem novamente, quando Neymar cobrou falta na cabeça de Dracena e o zagueiro desviou rente ao travessão verde.

A partida caiu um pouco de ritmo, e as boas chances de gol começaram a ficar mais raras. Em uma delas, aos 38 minutos, Neymar fez boa jogada individual e, da entrada da área, chutou colocado de perna esquerda. Deola pulou e defendeu sem dar rebote. Apesar de o Peixe ter tentado até o fim, a partida terminou mesmo no empate.

O chileno Valdivia foi substituído por Lincoln aos 41 minutos e saiu com cara de poucos amigos, sem cumprimentar o técnico Felipão.

Na próxima quarta-feira, às 19h30m (de Brasília), no Engenhão, o Santos encara o líder Fluminense. Na quinta, às 21h, o Palmeiras recebe o Avaí no Pacaembu.

SANTOS 1 X 1 PALMEIRAS
Rafael, Pará (Zé Eduardo), Edu Dracena, Durval e Léo; Roberto Brum, Arouca, Danilo e Marquinhos (Alan Patrick), Marcel e Neymar
Deola, Vitor, Maurício Ramos, Danilo e Gabriel Silva; Edinho, Marcos Assunção, Márcio Araújo, Rivaldo (Patrik) e Valdivia (Lincoln); Kleber.
Técnico: Marcelo Martelotte Técnico: Luiz Felipe Scolari
Gols: Kleber, aos 19 minutos do primeiro tempo. Alan Patrick, aos sete minutos da segunda etapa.
Cartões amarelos: Pará (SAN); Kleber, Danilo, Marcos Assunção (PAL)
Estádio: Vila Belmiro, em Santos. Data: 02/10/2010. Árbitro: Lúcio Flávio de Oliveira (SP). Auxiliares: Vicente Romano Neto (SP) e Rogério Pablos Zanardo (SP).
Público: 8.900 pagantes   Renda: R$ 309.860,00

outubro 2, 2010 Posted by | Palmeiras, Santos | , | Deixe um comentário

Defederico salva o Corinthians da derrota para o Ceará no Pacaembu

Depois de estar perdendo por 2 a 0, Timão busca igualdade com gol do argentino, mas chega ao terceiro jogo sem vencer no Brasileirão 2010

O resultado não foi dos melhores, mas o Corinthians somou neste sábado um ponto importante na briga pelo título do Campeonato Brasileiro. Depois de estar perdendo por dois gols de diferença, o Timão suou a camisa para empatar por 2 a 2 com o Ceará, no Pacaembu, e seguir vivo na competição. Marcelo Nicácio e Magno Alves marcaram para o Vovô, mas Paulinho e Defederico, que saiu do banco de reservas, deixaram tudo igual.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

A festa da Fiel pela reação da equipe camufla o momento instável vivido pelo Alvinegro paulista no torneio. Foi o terceiro tropeço consecutivo – antes, perdeu para o Inter e empatou com o Botafogo. A diferença para o líder Fluminense segue de três pontos graças ao empate dos cariocas com o lanterna Grêmio Prudente, no interior de São Paulo. O Corinthians tem ainda um jogo a menos, a ser disputado em 13 de outubro, contra o Vasco, em São Januário.

Já o Ceará segue em situação perigosa. O Vovô sobe para 32 pontos, mas acumula agora seis rodadas sem vencer. De quebra, se aproxima perigosamente da zona do rebaixamento

O Corinthians volta a campo na próxima quarta-feira para enfrentar o Atlético-MG, às 22h, na Arena Jacaré, em Sete Lagoas-MG. No mesmo dia e horário, o Ceará recebe o Internacional, no Castelão, em Fortaleza.

Timão joga mal, e Nicácio coloca o Ceará em vantagem

A retranca esperada pelo Corinthians aconteceu. Desde o primeiro minuto, o Ceará recuou todos os seus jogadores para trás da linha do meio de campo. Coube ao Timão procurar espaços em jogadas individuais. Jorge Henrique, aos sete, foi o primeiro a arriscar. Ele aplicou lindo drible sobre um marcador e serviu Bruno César livre na área. O chute, porém, saiu fraco e Michel Alves pegou no canto direito.

Elias fez muita falta. A rápida ligação do meio para o ataque não apareceu nos pés de Paulinho. Jucilei atuou aberto pela direita, enquanto Edu fez a função de cabeça de área e rendeu muito pouco. O Alvinegro também sentiu a ausência de Ralf, cão de guarda da defesa. Prova disso foi o gol do Ceará, aos 16. Em contra-ataque, Mago Alves disparou e esperou o momento certo para encontrar no meio o centroavante Marcelo Nicácio, que só tocou na saída de Julio Cesar.

A má atuação irritou a torcida, presente em grande número ao Pacaembu. Edu era o principal alvo das vaias. Lento, não conseguiu encaixar a marcação sobre Geraldo, Magno Alves e Marcelo Nicácio. O último, aliás, quase fez um golaço, aos 30, ao driblar dois adversários e da entrada da área bater com muito perigo no canto direito. A resposta veio aos 33, com Iarley chutando fraco sem marcação na área.

Corinthians sufoca e chega ao empate
No segundo tempo, Adilson Batista tentou dar mais criatividade ao Corinthians. Edu saiu para a entrada de Danilo. Jucilei passou a fazer a função de primeiro volante, com Paulinho um pouco mais avançado. Apesar da troca, o Timão continuou sem força no meio. Fechado, o Ceará construiu uma barreira em sua intermediária e não permitiu que Iarley fosse acionado na área.

Com a dificuldade, o Corinthians passou a procurar o jogo pelos lados. Thiago Heleno, aos 13, obrigou Michel Alves a fazer linda defesa após cabeçada em cobrança de escanteio. Logo em seguida, foi a vez de Jucilei assustar. Ele disparou de trás, passou por dois adversários e cruzou ao invés de chutar. Ninguém apareceu para completar.

O desespero fez o Corinthians cometer os mesmos erros defensivos da rodada passada. A equipe se abriu e deu espaços para o Ceará levar perigo. Assim, aos 20, Magno Alves recebeu pela esquerda, encarou a marcação e bateu com precisão no canto direito: 2 a 0. E poderia ter sido mais. Logo em seguida, Vicente perdeu gol certo de frente para Julio Cesar.

Apesar do duro golpe, o Timão respondeu imediatamente, aos 25, enchendo o Pacaembu de esperança outra vez. Bruno César fez bela jogada pelo meio e lançou para Paulinho dar um belo toque por cobertura, sem chances para Michel Alves. Aos 33, os corintianos reclamaram de um puxão de Heleno em Iarley na área. Heber Roberto Lopes nada marcou.

O empate corintiano veio aos 37. Defederico cobrou falta direta para a área e a bola entrou no canto direito de Michel Alves. Delírio da Fiel no Pacaembu. A partir disso, o Corinthians arriscou tudo para buscar a virada, que não veio. O Ceará também teve sua chance, aos 43, com Jean Carlos chutando para o alto de frente para Julio Cesar. Moacir, no lance seguinte, quase marcou no ângulo direito de Michel Alves.

CORINTHIANS 2 X 2 CEARÁ
Julio Cesar, Alessandro (Defederico), Thiago Heleno, Paulo André e Roberto Carlos; Edu (Danilo), Jucilei, Paulinho e Bruno César; Jorge Henrique (Moacir) e Iarley. Michel Alves, Boiadeiro, Anderson, Fabrício e Vicente; Michel, Heleno, João Marcos e Geraldo (Careca); Magno Alves (Misael) e Marcelo Nicácio (Jean Carlos).
Técnico: Adilson Batista. Técnico: Dimas Filgueiras.
Gols: Marcelo Nicácio, aos 16 minutos do primeiro tempo. Magno Alves, aos 20, e Paulinho, aos 25, e Defederico, aos 37 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Geraldo (Ceará).
Local: Pacaembu, em São Paulo. Data: 02/10/2010. Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa-PR). Auxiliares: Gilson Bento Coutinho (PR) e Bruno Boschilia (PR).

outubro 2, 2010 Posted by | Ceará, Corinthians | | Deixe um comentário

Lanterna Prudente arranca empate contra o líder Fluminense

Tricolor fica no 1 a 1 com o Grêmio Prudente, mas segue com três pontos de vantagem para o Corinthians. Abelha continua em último na tabela

O Fluminense voltou a tropeçar no lanterna do Brasileiro, mas manteve a diferença de três pontos para o segundo colocado, o Corinthians, já que o Timão empatou com o Ceará (2 a 2). Assim como aconteceu contra o Atlético-GO (na época, o último colocado do torneio), quando perdeu por 2 a 1, o Tricolor perdeu pontos para a equipe com pior classificação da competição. O empate por 1 a 1 contra o Grêmio Prudente deixou o time das Laranjeiras com 52 pontos. Para o Abelha, que atuava em casa, o resultado deste sábado também não foi bom. Com 21 pontos, a equipe segue em último na tabela.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Em determinado momento da partida, o Fluminense chegou a estar abrindo seis pontos de vantagem sobre o Corinthians. Isso porque o Tricolor saiu na frente do placar, enquanto o Timão perdia por 2 a 0. Mas tanto o Corinthians quanto o Prudente buscaram o empate e fizeram com que a diferença entre os dois primeiros colocados não fosse alterada.

Conca foi o grande nome do jogo. O meia argentino criou três chances claras para Rodriguinho, que conseguiu aproveitar uma delas e fez o tento tricolor. Willian marcou para a equipe da casa. Deco, que fazia boa partida, deixou o gramado no início do segundo tempo porque sentiu uma fisgada na coxa. O meia será avaliado pelo departamento médico para saber se tem alguma lesão.

Na próxima rodada, as duas equipes jogam na quarta-feira, às 19h30m (horário de Brasília). O Fluminense recebe o Santos, no Engenhão, enquanto o Prudente vai até Porto Alegre encarar o Grêmio.

Poças, poucos chutes e a habilidade de Conca

A chuva que caíu em Presidente Pruidente castigou o gramado. E o espetáculo. Nenhuma das equipes conseguia armar muitas jogadas de perigo e a primeira etapa não teve muitas emoções. O Flu sofria um pouco mais com isso, já que Conca e Deco não conseguiam trabalhar a bola como de costume. Mas a fase do argentino é tão boa, que até quando a jogada tem tudo para dar errado, ela dá certo. E foi assim que o Tricolor teve sua primeira chance de gol.

O meia tentava armar jogada pela esquerda, quando foi desarmado por Bruno Ribeiro. Contudo, o corte do jogador do Prudente acabou acertando Anderson Luis e sobrou para Rodriguinho. Porém, o atacante, na cara do gol, chutou para fora, aos 14.

Mas Rodriguinho teve a chance de se redimir ainda no primeiro tempo. E quem criou essa chance foi Conca, claro. O jogador fez boa jogada pela esquerda, aos 33, e cruzou para a entrada da área, no pé do atacante. Dessa vez, o jogador não desperdiçou e acertou um chute muito forte, no ângulo de Giovanni. Fluminense 1 a 0. Segundos antes do gol, Conca havia cabeceado uma bola perigosa, mas o goleiro do Prudente fez boa defesa.

Para deixar os tricolores ainda mais felizes, o sistema de som do Prudentão anunciou o gol do Ceará sobre o Corinthians, adversário direto do Fluminense na luta pelo título brasileiro.

Apesar da vantagem do Tricolor na primeira etapa, o Prudente teve mais posse de bola. O time da casa tentava chegar aos gols com bolas cruzadas na área ou chutes de longe. Mas nenhum remate levou perigo a Rafael.

Prudente melhora e marca

Precisando do resultado, o Prudente voltou mais ofensivo no segundo tempo. Fábio Giuntini trocou Wesley por Wanderley e o time melhorou. Mas o que preocupou mesmo o torcedor do Fluminense no início da etapa final não foi a ofensividade do rival. Aos 6, Deco sentiu uma fisgada na coxa e achou melhor sair. Marquinho entrou em seu lugar.

O Prudente continuou pressionando, mas sem objetividade. O time não conseguia levar perigo claro ao gol de Rafael. O Flu, por sua vez, parecia ter sentido a saída de Deco, já que não armava nenhuma chance. Até a bola cair no pé de Conca. O meia deu um lindo passe da intermediária, que deixou Rodriguinho, pela terceira vez na partida, na cara do gol. O atacante chutou forte e rasteiro, mas Fábio Giuntini fez boa defesa e evitou o segundo tento tricolor. Mesmo assim, o torcedor do Flu comemorou. No Pacaembu, o Ceará aumentou o placar contra o Corinthians.

O lance de Rodriguinho parece ter acordado as duas equipes, que passaram a fazer um jogo mais franco. Era uma chance de um lado, outra de outro. Diego, após cobrança de escanteio, mandou bem perto da trave. Carlinhos respondeu com um chute cruzado. Pouco depois, o lateral voltou a avançar e cruzou para a área. Washington escorou para Marquinhos que, na frente do gol, chutou em cima de Giovanni. A resposta veio com Anderson, que cabeceou tirando tinta do poste.

Com as chances sendo criadas por ambos os times, uma hora o gol iria sair. E foi o que aconteceu aos 27. O Prudente roubou a bola no meio campo e Willian recebeu na entrada da área. Com um chute cruzado, o atacante deixou tudo igual. Para piorar a situação tricolor, no Pacaembu, o Corinthians igualou o placar contra o Ceará. A vantagem que chegou a ser de seis pontos, voltou a cair para três.

O Fluminense ainda tentou chegar ao gol da vitória na base do abafa, mas a zaga do Prudente conseguiu se segurar e impediu que o Tricolor disparasse na liderança.

GRÊMIO PRUDENT1 X 1 FLUMINENSE
Giovanni, Bruno Ribeiro, Anderson Luís, Diego Giaretta e Arthur Henrique; Anderson Pedra, Carlos Eduardo (Marcelo Oliveira), Roberto (Rafael Martins) e Adriano Pimenta; Willian e Wesley (Wanderley). Rafael, Mariano, Gum, André Luis e Carlinhos; Diogo, Valencia, Deco (Marquinhos) e Conca; Rodriguinho (Julio Cesar) e Washington.
Técnico: Fábio Giuntini Técnico: Muricy Ramalho
Gols: Rodriguinho, para o Fluminense, aos 33 do primeiro tempo. Willian, para o Prudente, aos 27 do segundo tempo.
Cartões amarelos: Roberto e Anderson (Prudente)
Estádio: Data:02/10/2010. Árbitro: Rogério Roman (Fifa/PR) Auxiliares: Roberto Braatz (Fifa/PR) e Pedro Martinelli Christino (PR)

outubro 2, 2010 Posted by | Fluminense, Grêmio Prudente | | Deixe um comentário

Em meio ao caos rubro-negro, Botafogo e Flamengo duelam

Vitória alvinegra pode afundar o rival, que precisa triunfar para respirar

LANCEPRESS!

Sem vencer há cinco jogos, o Botafogo está bem. Parece estranho, mas a frase ganha sentido em uma comparação com a atual situação do Flamengo, rival do Glorioso em partida neste sábado, às 18h30, no Engenhão. Às vésperas do clássico válido pela 27ª rodada do Brasileiro, o Rubro-Negro passa por uma enorme crise. Zico, o maior ídolo do Fla, deixou o cargo de diretor executivo do clube após reclamar de pressões internas e o técnico Silas vive dias de incerteza com relação ao emprego.

Além da situação complicada nos bastidores, a fase do Mais Querido também é dramática na tabela. Apenas três pontos separam o Fla da zona de rebaixamento. Enquanto isso em General Severiano, o confronto pode servir de alavanca para a Estrela Solitária voltar a lutar pela Libertadores, pois o limite do G3 da competição continental já abriu seis pontos na frente.

ENLOUQUECE O RIVAL

Se o momento na Gávea dá a impressão de terra arrasada, a primeira pá de cal foi colocada em abril, por um lance que, literalmente, justifica a ação. A cavadinha de Loco Abreu na final da Taça Rio deu ao Botafogo o título estadual e mandou o Rubro-Negro ao buraco. Coincidência ou não, Abreu pode mais uma vez ser o carrasco do Flamengo. A diferença é que Jobson vai acompanhar El Loco no ataque, já que Herrera está suspenso pelo terceiro amarelo.

Outros alvinegros fora do jogo por causa de cartões, Antônio Carlos e Fahel devem ser substituídos por Danny Morais e Tulio Souza. Tudo certo e pronto para o Botafogo, mas o técnico Joel Santana pede atenção total para superar o aparentemente atordoado adversário.

– Já trabalhei no Flamengo e sei como o clube é capaz de superar qualquer tipo de problema, mas é nossa chance. Nosso rival está em situação parecida com a do primeiro turno, cheio de problemas. Lá entramos relaxados e levamos prejuízo, o que não podemos ter agora – comentou, ao recordar o 1 a 0 para o Fla, que convivia com o Caso Bruno, após o goleiro ser acusado de matar a modelo Eliza Samudio.

ESQUECE A CRISE!

Entre a tempestade política que atingiu a Gávea, o treino rubro-negro desta sexta foi fechado à imprensa, mas acredita-se que o técnico Silas, apesar do desgaste após a partida contra o Goiás, mantenha o zagueiro Jean na equipe titular. O treinador disse que não marcava gols contra, quando o defensor havia acabado de fazer.

Ainda no setor defensivo, Rodrigo Alvin deve ocupar a ala esquerda, já que Juan está suspenso por ter recebido o terceiro cartão amarelo e Ronaldo Angelim, que ficou fora dos dois últimos jogos, pode ser opção no banco de reservas.

No meio de campo, Toró, segue com uma lesão muscular na coxa direita. Com isso, Maldonado, Willians e Kleberson formam o trio de volantes. A novidade pode ficar por conta do ataque, que poderá ter o retorno de Diogo, barrado anteriormente.

– Cada jogo é fundamental neste momento. Ainda mais um clássico, que a gente sabe que tem uma motivação a mais para a torcida e que dá até mais moral para nós mesmos. É a hora de a equipe estar unida, focada e buscar esse resultado como sempre é no Flamengo, com muita vontade – destacou Willians, em resumo ao espírito do elenco.

FICHA TÉCNICA:
BOTAFOGO X FLAMENGO

Estádio: Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 2/10/2010 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Gutemberg de Paula Fonseca (RJ)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moisés (Fifa-RJ) e Rodrigo Pereira Jóia (RJ)

BOTAFOGO: Jefferson, Danny Morais, Leandro Guerreiro e Fábio Ferreira; Alessandro, Tulio Souza, Somália, Lucio Flavio e Marcelo Cordeiro; Jobson e Loco Abreu. Técnico: Joel Santana.

FLAMENGO: Marcelo Lomba, Leonardo Moura, Jean, David (Ronaldo Angelim) e Rodrigo Alvim; Maldonado, Willians, Kleberson e Renato; Diogo e Deivid. Técnico: Silas.

outubro 2, 2010 Posted by | Botafogo, Flamengo | , , | Deixe um comentário

Santos e Palmeiras se enfrentam com mudanças táticas

As duas equipes mudaram sua forma tradicional de jogar para o clássico de sábado

LANCEPRESS!

Santos e Palmeiras se enfrentam neste sábado, às 16h, na Vila Belmiro. O clássico vale muito para as duas equipes, afinal ambas tem 38 pontos no campeonato. Para o Verdão uma vitória pode aproximar a equipe ainda mais do G3 da Libertadores. Para o Peixe os três pontos são importantes para manter viva a esperança pela conquista da triplice coroa.

Marcelo Martelotte chegou o Santos e retomou o esquema com três atacantes. Mas para enfrentar o Palmeiras pode voltar ao tradicional 4-4-2. No último treino antes do clássico ele treinou duas formações e prometeu divulgar a escolhida apenas no sábado.

– Já defini, mas só vou divulgar amanhã (sábado). Essas duas opções já foram utilizadas, uma contra Cruzeiro e outra no segundo tempo do jogo contra o Vasco. Ao meu ver, as duas funcionaram, por isso deixei essa dúvida no treinamento de ontem (quinta) para poder observar mais as duas maneiras de jogar – disse o treinador.

A primeira opção é colocar Zé Eduardo para jogar ao lado da dupla Neymar e Marcel. A segunda é colocar Pará no lugar do atacante e posicioná-lo na lateral direita, empurrando Danilo para o meio de campo. Assim, a equipe jogará com três volantes.

O departamento médico tirou alguns jogadores da partida. Bruno Aguiar, Rodriguinho, Madson e Keirrison estão lesionados e não jogam. Destes, Keirrison e Rodriguinho têm um pouco mais de chance de jogar na rodada seguinte.

O Palmeiras, embalado pelas vitórias nas duas últimas rodadas, sobre Flamengo e Internacional, confia no seu bom retrospecto na Vila Belmiro contra o Santos para conquistar mais uma vitória. Em 93 jogos, são 41 vitórias do Verdão, 16 empates e 36 vitórias do Peixe.

A equipe não poderá contar com o volante Tinga, que sofreu lesão no joelho direito e fica longe dos gramados por pelo menos duas semanas. Para o seu lugar, Felipão colocará o atacante Luan, mudando o esquema do time para um 4-4-2 tradicional, recuando Valdivia para o meio-de campo.

A atuação do chileno nas últimas rodadas foi muito elogiada por Felipão, que confia que o meia ainda vai evolir nos próximos jogos. A única coisa que falta ao jogador é marcar um gol, o que não aconteceu desde seu retorno ao futebol brasileiro.

– Quero um Valdivia participativo, com vontade. Se ele não fizer gol, não estou preocupado. Se tiver a atitude que teve nos últimos jogos, está ótimo para mim. Não precisa de mais nada. Se fizer algum gol, melhor para nós. Mas ele tem sido fantástico – elogiou o treinador, que conta com mais uma boa atuação do atleta neste sábado.

O jogador também sentiu uma melhora no seu futebol e no que o Verdão vem apresentando em campo, mas mantem os pés no chão e reconhece que a equipe ainda tem um longo caminho pela frente.

– Treinava sempre em dois períodos e sabia que, mais cedo ou mais tarde, a fase iria mudar para mim e o time. Contra o Flamengo, já me senti mais tranquilo e preparado, e contra o Inter também. Todos vinham se esforçando e faltava eu dar um algo a mais. Mentalizei e me preparei para voltar a jogar bem e fico feliz que isso tenha acontecido. Mas ainda é cedo para comemorar. Faltam muitos jogos e a gente tem consciência das dificuldades – afirmou Valdivia.

Outro desfalque é o goleiro Marcos que ainda não se recuperou totalmente de lesão no joelho esquerdo. Edinho também é dúvida para a partida. O Palmeiras não tem nenhum jogador suspenso para o clássico.

FICHA TÉCNICA:
SANTOS X PALMEIRAS

Estádio: Vila Belmiro, Santos (SP)
Data/hora: 2/10/2010 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (CBF-SP)
Auxiliares: Vicente Romano Neto (SP) e Rogério Pablos Zanardo (SP)

SANTOS: Rafael; Danilo, Edu Dracena, Durval e Léo; Arouca, Roberto Brum e Marquinhos; Zé Eduardo (Pará), Neymar e Marcel. Técnico: Marcelo Martelotte.

PALMEIRAS: Deola; Vitor, Maurício Ramos, Danilo e Gabriel Silva; Edinho (Pierre), Marcos Assunção, Márcio Araújo e Valdivia; Luan e Kleber. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

outubro 2, 2010 Posted by | Palmeiras, Santos | , | Deixe um comentário

Flu busca esticar liderança diante do Prudente

Tricolor não quer dar trégua ao lanterna do Campeonato Brasileiro

LANCEPRESS!

Três pontos na frente do segundo colocado Corinthians (que tem um jogo a menos), o Fluminense vai à Prudente, enfrentar o Grêmio, neste sábado, às 16h, buscando esticar ainda mais a vantagem para o rival paulista.

Embalado pela vitória por 1 a 0 sobre o Avaí, na última rodada, em Volta Redonda, o grupo tricolor treinou na manhã desta sexta-feira nas Laranjeiras e, logo em seguida, rumou para a cidade do interior de São Paulo.

Do time que vem jogando, o único desfalque é o zagueiro Leandro Euzébio, que recebeu o terceiro cartão amarelo e está suspenso. Em seu lugar André Luis deve atuar. Em compensação, Carlinhos retorna de suspensão na lateral-esquerda.

O técnico Muricy Ramalho ainda pode fazer uma modificação e escalar o colombiano Valencia na vaga do volante Fernando Bob.

– É um jogo como se fosse contra o Corinthians. Não faz diferença. O trabalho e o respeito são iguais. O Prudente é um time perigoso em casa. Será um jogo difícil como qualquer outro – salientou o treinador.

Na lanterna do Campeonato Brasileiro, o Grêmio Prudente tenta se reerguer após a vitória de 4 a 2 sobre o Guarani na última
rodada. Antes, a equipe vinha de uma sequência de cinco derrotas consecutivas. Motivados, os jogadores do Abelha querem surpreender novamente com uma vitória sobre o Tricolor.

– Todos estarão de olho neste jogo. Nós, jogadores, sabemos disso. Precisamos impôr o nosso jogo, como foi contra o Guarani, e tentar sair com a vitória, que é de extrema importância para nós – disse o atacante Wanderley.

O jogador, que era titular da equipe quando sofreu lesão que o afastou dos gramados por mais de um mês, garante que está pronto para ajudar.

– Estou me sentindo bem. Já era programada a entrada no segundo tempo contra o Guarani para pegar ritmo. Mas agora estou à disposição do nosso treinador. Independentemente se for começando a partida ou entrando depois, estou pensando apenas em
somar – afirmou Wanderley.

O Grêmio Prudente deve levar a campo a mesma equipe que começou o jogo contra o Guarani.

GRÊMIO PRUDENTE X FLUMINENSE

Estádio: Prudentão, Prudente (SP)
Data/hora: 2/10/2010 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Evandro Rogério Roman (Fifa-PR)
Auxiliares: Roberto Braatz (Fifa-PR) e Pedro Martinelli (PR)

GRÊMIO PRUDENTE: Giovanni; Bruno Ribeiro, Anderson Luis, Diego e Artur; Anderson, João Vitor, Roberto e Adriano Pimenta; William (Wanderley) e Wesley. Técnico: Fábio Giuntini.

FLUMINENSE: Rafael, Mariano, Gum, André Luis e Carlinhos; Diogo, Fernando Bob (Valencia), Deco e Conca; Rodriguinho e Washington. Técnico: Muricy Ramalho.

outubro 2, 2010 Posted by | Fluminense, Grêmio Prudente | , | Deixe um comentário

Para seguir na briga, Timão pega o Ceará

Após empatar em cara e ver o Fluminense na liderança, Corinthians quer retomar a ponta

LANCEPRESS!

Para provar que continua firme como um dos favoritos ao título do Campeonato Brasileiro, o Corinthians enfrenta nesta sábado o Ceará, no Pacaembu.

Após perder para o Internacional no Beira-Rio e não conseguir sair do empate diante do Botafogo no Pacaembu, a equipe de Adilson Batista viu o Fluminense retomar a ponta da competição. Apesar de ainda ter um jogo a menos no Brasileirão, o Corinthians deseja voltar à primeira colocação.

Mesmo com a colocação do adversário em uma posição não muito confortável na tabela – o Ceará é o 14º colocado – Adilson Batista quer a partida encara com respeito, já que é uma oportunidade de encostar no líder.

– (O campeonato) Está afunilando, não dá pra perder ponto contra esse ou aquele. Existe o respeito pelo Ceará, temos de jogar concentrados. Temos de igualar, encostar no Fluminense e, nas últimas rodadas, temos de ter atenção – disse o comandante Adilson Batista.

Além dos desfalques certos como Dentinho, Chicão e Ronaldo, paaara compor sua equipe, o treinador terá mais duas ausências: Elias, recebeu o terceiro cartão amarelo, cumpre suspensão e só volta ao time quando retornar da Seleção Brasileira e Ralf voltou a sentir dores no tornozelo e ficará ao menso 30 dias sem atuar pelo Timão.

Na mesma linha que mantém desde que chegou ao Corinthians, Adilson Batista segue com o mistério da escalação da equipe até a hora da partida.

– Eu tenho opções, mas já decidi. Amanhã vocês (jornalistas) vão saber quem joga. Pode ser dois meias, a mesma trinca de volantes… Eu já sei – limitou-se.

– Os jogadores sabem quem vai jogar. A ideia é deixar o outro lado sem saber. É uma coisa interna, não pode dar mastigado. Já sei o que vou fazer para a gente ter um equilíbrio e força – explicou.

Se fosse só por enfrentar o vice-líder do Campeonato, o desafio já seria considerado enorme. Mas o Ceará tem pela frente bem mais do que um adversário brigando pelo título do Brasileiro.

Em 14º lugar com 31 pontos, os cearenses estão a cinco partidas sem vencer, e olhe que nessas partidas só marcaram um gol, diante do até então vice-lanterna Goiás. Se não bastasse, nas últimas 18 partidas saiu de campo apenas com dois triunfos. Além disso, não vence um jogo fora de casa desde o período pré-copa, em 6 de junho, quando bateu o Atlético-MG, no Mineirão por 1 a 0. Para piorar a situação, nunca na história dos confrontos contra o Corinthians conseguiu ganhar dentro de São Paulo.

Mesmo assim, o elenco do Vozão embarcou esperançoso e confiante de que pode surpreender o time do lateral-esquerdo Roberto Carlos.

– No Brasileirão é assim. Estamos sempre encarando jogos difíceis a cada rodada. Vamos enfrentar o vice-líder da competição, mas sabemos da nossa qualidade e acreditamos em um bom resultado – declarou o goleiro Michel Alves, que não descartou o empate um mau negócio.

Para o duelo, o técnico interino Dimas Filgueiras pode contar com o retorno do seu xerife da zaga, Fabrício. Recuperado de uma contusão no tornozelo, o camisa 3 alvinegro é a principal novidade entre os titulares, depois de cinco jogos ausente. Entre as opções do banco, o treinador do Vovô ainda pode promover a estréia de dois atletas: o meia Javier Reina e o atacante Jean Carlos.

O colombiano, apresentado como reforço do clube há mais de dois meses, enfim foi regularizado e tem grandes chances de entrar logo de início. Enquanto Jean Carlos, que chega do futebol russo e também há um bom tempo esperava a primeira chance, deve ser opção para o segundo tempo. Já o zagueiro Diego Sacoman está fora do jogo, devido a uma clausula que o impede de enfrentar o Timão, dono dos seus direitos federativos.

FICHA-TÉCNICA
CORINTHIANS X CEARÁ

Local: Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data e hora: 2/10/2010, 16h
Árbitro: Heber Roberto Lopes (PR)
Assistentes: Gilson Bento Coutinho (PR) e Bruno Boschilia (PR)

CORINTHIANS: Julio Cesar, Alessandro, Paulo André, William e Roberto Carlos; Boquita (Edu), Jucilei, Paulinho e Bruno César; Jorge Henrique e Iarley. Técnico: Adilson Batista.

CEARÁ: Michel Alves; Boiadeiro, Fabrício, Anderson e Vicente; Michel, João Marcos, Heleno e Geraldo; Marcelo Nicácio (Reina) e Magno Alves. Técnico: Dimas Filgueiras.

outubro 2, 2010 Posted by | Ceará, Corinthians | , , | Deixe um comentário

Cruzeiro recebe o Atlético-PR de olho nos líderes

Raposa aposta em seu desempenho na Arena do Jacaré

LANCEPRESS!

Consolidado no G3 do Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro recebe o Atlético-PR, neste sábado, na Arena do Jacaré, às 18h30.

O objetivo celeste é atacar os dois líderes Fluminense e Corinthians e mostrar que tem força para levantar o caneco no fim da temporada.

Um dos trunfos da Raposa é o ótimo desempenho no estádio de Sete Lagoas-MG. São cinco jogos disputados pelo Brasileirão, com quatro vitórias e um empate. Na rodada passada, teve bom futebol e vitória convincente por 3 a 0 ante o Atlético-GO.

Para seguir embalado, o técnico Cuca volta a contar com o zagueiro Léo, recuperado de lesão na coxa direita. Por outro lado, Diego Renan, está no departamento médico. Pablo deve assumir a camisa 6. No meio de campo, sem Fabrício, suspenso, a opção principal é por Fabinho, que espera um jogo duro diante do Furacão.

Já na lateral direita, Jonathan, que foi dado como desfalque por conta de uma dor no púbis, acabou sendo relacionado para o jogo. Ele disputa uma vaga com Rômulo.

– O Cruzeiro teve uma retomada fantástica e o Atlético-PR também cresceu, encontrou o caminho das vitórias, então será um grande jogo, um dos mais difíceis dos 13 que faltam e nós temos que ter atenção – analisa Fabinho.

Furacão não teme a Raposa em Sete Lagoas:

Com quatro vitórias e um empate nos últimos cinco jogos, o Atlético Paranaense decolou na tabela e já está em quinto lugar, com 41 pontos, seis atrás do G-3, que é justamente o Cruzeiro. Por isto, o pensamento no Furacão é de um confrono de seis pontos.

Segundo o técnico Paulo César Carpegiani, o time não pode temer a Raposa, apesar do respeito, e tem que entrar em campo pensando exclusavamente na vitória, mesmo sendo fora de casa, se quer manter vivo o objetivo de chegar à Libertadores.

– É um inimigo direto, um jogo de seis pontos. Vamos nos preparar para buscar a vitória na casa do adversário. Respeitamos o Cruzeiro, que é um candidato ao título, mas não o tememos. Já tenho em mente o que vou fazer e posso fazer algumas mudanças – disse o treinador, que acenou com uma alteração em relação à equipe que derrotou o Vitória por 1 a 0.

Carpegiani deve abrir mão do ofensivo 4-3-3 para volta ao tradicional 4-4-2. Como perdeu o volante Vitor, com uma entorse no tornozelo, a tendência é que o também volante Deivid entre no time, com os atacantes Bruno Mineiro e Maikon Leite brigando por uma vaga ao lado de Guerrón.

FICHA TÉCNICA:
CRUZEIRO X ATLÉTICO-PR

Local: Estádio Arena do Jacaré, Sete Lagoas (MG)
Data/Hora: 2/10/2010 às 18h30
Árbitro: Paulo H. Godoy Bezerra (SC)
Auxiliares: Kléber Lúcio Gil (SC) e Luis Alberto Kallenberg (SC)

CRUZEIRO: Fábio, Rômulo (Jonathan), Léo (Caçapa), Edcarlos e Pablo; Fabinho, Henrique, Everton e Montillo; Thiago Ribeiro e Farías. Técnico: Cuca

ATLÉTICO-PR: Neto, Elder Granja, Manoel, Rhodolfo e Paulinho; Chico, Deivid, Branquinho e Paulo Baier; Guerrón e Maikon Leite (Bruno Mineiro). Técnico: Paulo César Carpegiani

outubro 2, 2010 Posted by | Atlético-PR, Cruzeiro | , | Deixe um comentário

Inter aposta em Alecsandro contra o Guarani

Centroavante vai começar jogando pela primeira vez desde a lesão na Libertadores; Bugre tem estreia

LANCEPRESS!

Às 18h30 deste sábado, o Internacional recebe o Guarani no Beira-Rio. Para o Colorado, a partida serve para definir se o time brigará ou não pelo título brasileiro. Para o Guarani, que ocupa o meio da tabela, a meta é seguir somando pontos para garantir a permanência na Série A.

O técnico do Inter, Celso Roth, terá um grande problema para a parida: o lateral-esquerdo Kleber, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Em seu lugar, o treinador campeão da Libertadores vai improvisar o zagueiro Juan, já que Leonardo, substituto imediato que veio do Olympiacos (GRE) está com um problema no tornozelo.

– Nos preocupa o fato de não ter um reserva da posição, infelizmente. É uma improvisação. Não temos o Kleber, suspenso. E o Leonardo teve um problema. Espero que o Juan tenha uma boa atuação – afirmou um apreensivo Celso Roth.

Por outro lado, o centroavante Alecsandro está confirmado no ataque. O jogador, que havia sofrido uma séria lesão ainda na primeira partida da final da Libertadores, contra o Chivas (MEX), vai sair jogando pela primeira vez desde que voltou aos campos. Sendo assim, Leandro Damião, que vinha sendo titular, fica no banco.

– O Alecsandro vai iniciar o jogo. Com isso, ganharemos experiência e qualidade técnica. É o momento de voltar ao time. Um jogador como ele precisa ganhar ritmo de jogo – afirma.

Guarani

Depois da péssima atuação contra o lanterna Grêmio Prudente na última quarta-feira, quando foi derrotado por 4 a 2, o Guarani apostará em um novato, o recém-contratado Barboza, para tentar a reabilitação contra o Internacional em Porto Alegre.

Aos 21 anos, Barboza foi apresentado oficialmente pela diretoria bugrina na última quinta-feira como a solução para o setor de criação bugrino, uma das principais carências do time desde o início do Campeonato Brasileiro. Apesar do currículo modesto – ele disputava a Copa Paulista pelo Paulista, de Jundiaí -, Barboza chegou com um discurso otimista.

– O Mancini (Vagner, treinador do Guarani) procurava um camisa 10 que jogue solto e se aproxime do ataque para finalizar. Esse jogador chegou – disse Barboza, que viajou com a delegação bugrina para Porto Alegre e deverá ser confirmada como titular.

Além de Barboza, outra novidade no Guarani, que ocupa a 11ª posição na tabela, com 33 pontos, será o atacante Ricardo Xavier, que ganha nova oportunidade entre os titulares porque Reinaldo recebeu o terceiro cartão amarelo na derrota para o Grêmio Prudente e cumprirá suspensão.

Já no meio-de-campo bugrino, o volante Paulo Roberto ainda é dúvida. Ele recebeu uma forte pancada no tornozelo direito na última rodada e não tem presença garantida. Se não puder atuar, seu substituto será o também volante Maycon.

– Independentemente de quem jogar, temos que iniciar a partida mais atentos. Não podemos ser presa fácil para o adversário, como aconteceu em Prudente – disse o técnico Vagner Mancini.

FICHA TÉCNICA:
INTERNACIONAL X GUARANI

Estádio: Beira-Rio, em Porto Alegre (RS).
Data/hora: 2/10/2010, às 18h30 (de Brasília).
Árbitro: Edivaldo Elias da Silva (PR).
Auxiliares: José Amilton Pontarolo (PR) e Moisés Aparecido de Souza (PR).

INTERNACIONAL: Renan, Nei, Bolívar (Sorondo), Índio e Juan; Guiñazu, Wilson Matias, D’Alessandro, Giuliano e Edu; Alecsandro.
Técnico: Celso Roth.

GUARANI: Douglas, Rodrigo Heffner, Fabão, Ailson e Márcio Careca; Renan, Paulo Roberto (Maycon), Baiano e Barboza; Ricardo Xavier e Mazola.
Técnico: Vagner Mancini.

outubro 2, 2010 Posted by | Guarani, Internacional | , | Deixe um comentário

Renato Gaúcho e goleada motivam Grêmio contra o Vitória

Em boa fase, Tricolor gaúcho segue na busca por vaga no G3. Rubro-Negro terá o retorno de Ramon

LANCEPRESS!

O técnico Renato Gaúcho chegou a Porto Alegre no dia 12 de agosto. De lá para cá, foram sete vitórias, três empates e três derrotas no comando do Grêmio, que ocupava a penúltima posição na tabela e, hoje, já se encontra na nona, sonhando com a Libertadores.

Além da boa campanha do treinador, o último triunfo do Tricolor gaúcho, a goleada para o São Paulo, quarta-feira passada, é mais uma motivação para o duelo contra o Vitória, neste sábado, às 16h, no Barradão.

Treinando no CT do Bahia, Renato Gaúcho não deu nenhum indicativo de qual equipe será usada na capital baiana. Assim, fica a dúvida com relação aos substitutos dos cinco jogadores suspensos pelo terceiro cartão amarelo: Vilson, Rafael Marques, Paulão, Douglas e André Lima. Além deles, Fábio Rochemback, lesionado, não poderá atuar.

Com a dupla de zagueiros fora de combate, o Grêmio pode ter Ozéia e Neuton como substitutos. Lúcio segue improvisado no meio de campo e Saimon forma dupla com Adilson, que foi poupado no treino de quinta.

No Vitória

O meia Ramon está de volta ao time do Vitória. O técnico Ricardo Silva relacionou o veteranos, que não atuou diante do Atlético-PR, rodada passada, quando os baianos foram derrotados na Arena da Baixada. Além de Ramon, Jonas está confirmado como titular na lateral direita, já que Eduardo, suspenso, não poderá atuar.

FICHA TÉCNICA:

VITÓRIA X GRÊMIO

Local: Barradão, em Salvador (BA)
Data/Hora: 2/10/2010 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá (RJ)
Auxiliares: Luiz A. Muniz de Oliveira (RJ) e Arnaldo Rodrigues de Souza (CE)

VITÓRIA: Lee, Jonas, Wallace, Anderson Martins e Egídio; Vanderson, Ricardo Conceição, Elkeson e Ramon; Júnior e Henrique.
Técnico: Ricardo Silva.

GRÊMIO: Victor, Gabriel, Ozéia, Neuton e Fábio Santos; Saimon, Adilson, Lúcio e Roberson; Jonas e Diego. Técnico: Renato Gaúcho.

outubro 2, 2010 Posted by | Grêmio, Vitória | | Deixe um comentário

Em baixa, São Paulo enfrenta o Avaí fora de casa

Tricolor paulista vem de duas derrotas. No Leão catarinense, clima é bem melhor

LANCEPRESS!

Com o moral baixo. É assim que o São Paulo viaja para Florianópolis, onde enfrenta o Avaí, neste sábado, às 21h. Depois de perder para Goiás e Grêmio, o Tricolor luta para, pela primeira vez no ano, não atingir a marca de três derrotas seguidas.

Na 10ª colocação, a equipe de Sérgio Baresi está mais próxima da zona de rebaixamento (oito pontos) que da Libertadores (treze pontos). No entanto, o treinador acredita que o time lutará pelo topo da tabela. Já entre os jogadores, o discurso é diferente.

– É muito difícil, porque não estamos conseguindo bons jogos e essas equipes (que estão na ponta) estão conseguindo, com um padrão definido. Então, dificilmente vamos conseguir – afirmou Jorge Wagner, que volta ao time após cumprir suspensão.

Além do camisa 7, Fernandinho é outro que retorna. Ele ficou quase todo o mês de setembro se tratando de uma lesão muscular na perna direita, e será opção no banco de reservas. Jean, que não enfrentou o Grêmio devido à uma amigdalite, também está confirmado.

No entanto, Baresi também tem muitos desfalques. Xandão sentiu uma lesão no músculo adutor da coxa esquerda na última quarta-feira e está fora. Alex Silva e Casemiro estão suspensos. Fernandão (edema na panturrilha esquerda), Ilsinho (entorse no tornozelo esquerdo) e Junior Cesar, que só volta no ano que vem, são as outras baixas.

A confiança voltou ao Avaí. É engraçado afirmar isso após uma derrota (para o Fluminense, por 1 a 0), mas o sentimento de todos no clube é mesmo esse. A troca de comando com a saída de Antônio Lopes e a entrada de Edson dos Santos melhorou o clima em Florianópolis.

As atuações nas duas últimas rodadas deixaram todos do elenco animados: o Leão aplicou uma sonora goleada sobre o Ceará por 5 a 0 e atuou muito bem contra o líder Fluminense. Antes há dez jogos sem vencer, a esperança é a de que a equipe consiga os três pontos.

– O time reagiu bem ao comando do Neguinho (Edson dos Santos). Percebemos no vestiário que há uma grande interatividade e empatia do grupo com o treinador. Isso, sem dúvida, tem sido fundamental para a recuperação do Avaí – afirmou o coordenador de futebol do clube, Moisés Cândido.

Dentro de campo, a dúvida fica por conta do volante Rudnei, que deixou o jogo contra o Flu com dores musculares. Caso ele seja vetado, Marcos será seu substituto. No ataque, Roberto, que se recuperou de uma lesão no púbis e entrou no segundo tempo contra o Fluminense, deve começar a partida.

FICHA TÉCNICA:
AVAÍ X SÃO PAULO

Estádio: Ressacada, Florianópolis (SC)
Data/hora: 2/10/2010 – 21h (de Brasília)
Árbitro: Alicio Pena Junior (MG)
Auxiliares: Marcio Eustaquio Santiago (Fifa-MG) e Guilherme Dias Camilo (MG)

AVAÍ: Zé Carlos, Patric, Émerson Nunes, Emerson e Pará; Diogo Orlando, Rudnei (Marcos), Davi e Jéferson; Robinho e Roberto. Técnico: Edson dos Santos.

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Jean, Renato Silva, Miranda e Carleto; Rodrigo Souto, Richarlyson, Jorge Wagner e Lucas; Marlos e Ricardo Oliveira. Técnico: Sérgio Baresi.

outubro 2, 2010 Posted by | Avaí, São Paulo | , , | Deixe um comentário

Atlético-GO recebe o Atlético-MG no Serra

Dragão terá novidades. Já o Galo tem boas recordações do estádio

LANCEPRESS!

Integrantes da zona do rebaixamento, Atlético-GO e Atlético-MG se enfrentam neste sábado, às 21h, no Serra Dourada, em partida válida pela 27ª rodada do Brasileirão, com um único objetivo: vencer.

No caso do time goiano, uma vitória diante do xará mineiro pode significar a saída da temida zona do rebaixamento. Já para o Galo, uma vitória pode ser o início de uma possível reação para deixar em breve, a zona do rebaixamento da Série A do Brasileirão.

Em caso de vitória, o Atlético-GO pode deixar a zona do rebaixamento caso Avaí ou Flamengo sejam derrotados. Para isso, o técnico René Simões resolveu sair da postura mais defensiva e adota um novo esquema para a partida contra os mineiros.

O atacante Juninho ganha uma chance entre os titulares no lugar de Diguinho, que sequer foi relacionado pelo treinador e parece perder espaço. Juninho só não será atacante de oficio, pois atuará no lado do campo, ainda dentro do esquema 4-5-1.

Além de Juninho, René promove também a volta do lateral Thiago Feltri, recuperado de dores musculares, e a provável estreia do zagueiro Wellington, que foi apresentado na quinta-feira e só treinou com o time titular nesta sexta-feira, e por isso, disputa a posição com Agenor, improvisado.

A equipe não poderá contar com Daniel Marques e Gílson, ambos suspensos, além de Teco e Paulo Henrique, ainda sem condicionamento físico. Outro suspenso é Marcão, que cede a vaga a Diogo Galvão, “único” atacante da equipe.

Atlético-MG tenta reação no Serra Dourada:

O Atlético-MG tenta iniciar no Serra Dourada, a reação no Campeonato Brasileiro, que nesta reta final pode até ser considerada um milagre. Para isso, joga todas as suas fichas no confronto direto contra o Atlético-GO.

O palco da “decisão” traz boas recordações recentes. Foi justamente no estádio do confronto deste sábado que o time mineiro bateu o Goiás pelo placar de 3 a 1, em 1º de setembro, pela 18ª rodada.

No meio de semana o Galo foi ao Castelão, empatou por 0 a 0 com o Ceará, numa partida que poderia até ter vencido se o capricho nas finalizações tivesse sido maior. De qualquer forma o técnico Dorival Júnior já viu evolução na equipe.

Com apenas dois jogos no comando do Alvinegro, o novo treinador já deu uma boa consistência ao setor defensivo, postando melhor em campo os volantes Zé Luis e Alê. A prova disso é que a defesa maiz vazada do campeonato passou em branco.

A lamentação ficou por conta da perda de Daniel Carvalho, que sofreu lesão no joelho esquerdo. Além dele, Dorival não poderá contar com o lateral-esquerdo Eron e o atacante Neto Berola, já que ambos receberam o terceiro cartão amarelo.

Apesar dos desfalques, o time também terá reforços. O volante Serginho retorna de suspensão e o meia-atacante Renan Oliveira está de volta ao Galo depois de empréstimo ao Vitória-BA. O avançado Jheimy vai compor o banco de reservas.

FICHA TÉCNICA:
ATLÉTICO-GO X ATLÉTICO-MG

Local: Estádio Serra Dourada, Goiânia (GO)
Data/Hora: 2/10/2010 às 21h (horário de Brasília)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (DF)
Auxiliares: Alessandro Álvaro de Matos (BA) e Carlos Berkenbrocker (Fifa-SC)

ATLÉTICO-GO: Márcio, Victor Ferraz, Jairo, Agenor (Wellington) e Thiago Feltri; Pituca, Robston, Anaílson e William; Juninho e Diogo Galvão. Técnico: René Simões.

ATLÉTICO-MG: Renan Ribeiro, Diego Macedo, Réver, Werley e Fillipe Soutto; Zé Luis, Alê, Serginho e Ricardinho; Diego Souza e Obina. Técnico: Dorival Júnior.

outubro 2, 2010 Posted by | Atlético-MG | , | Deixe um comentário

FOTOS – Musas da Copa: Larissa Riquelme do Paraguai

CLIQUE NA FOTO E VEJA O ENSAIO COMPLETO

outubro 2, 2010 Posted by | ABC de Natal, America-RN, Atlético-MG, Atlético-PR, Avaí, Bahia, Botafogo, Canais em espanhol, Ceará, Classificação Serie A, classificação serie b, Corinthians, Coritiba, CRB, Criciuma, Cruzeiro, Figueirense, Flamengo, Fluminense, Fortaleza, Futebol Europeu, Futebol Sulamericano, Goiás, Grêmio, Grêmio Prudente, Guarani, Internacional, Juventude, Náutico, Outros Esportes, Palmeiras, Paraná, Ponte Preta, Portuguesa, Radio ao vivo, Santo André, Santos, São Caetano, São Paulo, Seleção brasileira., Sport, TV ao Vivo, Vasco da Gama, Vila Nova, Vitória | , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Sem repetir escalação em nenhuma rodada, Tricolor despenca na tabela

Em alguns jogos, Sérgio Baresi chegou a ficar impossibilitado de escalar nove peças do elenco

No futebol, um dos fatores que mais contribui para o sucesso de uma equipe é o entrosamento. E, curiosamente, no São Paulo, em nenhuma das 26 rodadas do Campeonato Brasileiro a equipe entrou com a mesma formação. Seja por contusões ou suspensões, os técnicos Ricardo Gomes e Sérgio Baresi sofrem por não conseguirem dar um padrão de jogo ao time do Morumbi, que faz fraca campanha no Brasileirão 2010. Atualmente, o Tricolor ocupa a décima colocação na tabela, com 34 pontos, 13 a menos que o Cruzeiro, que hoje seria o último time classificado para a taça Libertadores de 2011.

Em algumas rodadas por exemplo, o treinador sofreu para conseguir montar o time e o banco de reservas. Na 14ª rodada, contra o Cruzeiro, Sérgio Baresi teve nove desfalques no total. A situação se repetiu contra o Flamengo (20ª rodada) e Botafogo (21ª rodada). No primeiro turno, Ricardo Gomes, contra o Goiás, na sexta rodada, não teve dois zagueiros para escalar e formou a dupla com Xandão e o improvisado Richarlyson.

– No Campeonato Brasileiro, a regularidade faz a diferença. Quando você não consegue repetir o time, dificulta muito o trabalho. Tivemos muitos problemas e não conseguimos manter o padrão de jogo – afirmou o meia Jorge Wagner, que concedeu entrevista coletiva nesta sexta-feira.

O técnico Sérgio Baresi, no último jogo contra o Grêmio, foi obrigado a fazer improvisações, já que não tinha quem escalar na lateral-direita. Jean, que já é um volante que atua de maneira adaptada, estava com amidalite e, vetado pelo departamento médico, foi substituído por outro volante, Rodrigo Souto.

– Na última partida, perdi o Jean na noite anterior e não tinha outra opção a não ser deslocar o Souto. Eu não gosto de improvisar, ainda mais num momento que estamos vivendo. Eu sou inteligente o suficiente para perceber isso – ressaltou.

A situação se repetirá neste sábado, contra o Avaí. Em relação ao jogo da última quarta-feira, contra o Grêmio, serão três desfalques: Alex Silva e Casemiro (suspensos), além de Xandão (machucado).

outubro 2, 2010 Posted by | São Paulo | , | Deixe um comentário

Interino santista se prepara para sua quarta ‘pedreira’ consecutiva

Desde que assumiu o comando da equipe, após demissão de Dorival Júnior, Marcelo Martelotte não teve moleza: neste sábado encara mais um clássico

A vida do técnico interino do Santos, Marcelo Martelotte, não tem sido fácil. Coube a ele a missão de assumir o comando do time após a demissão de Dorival Júnior, que caiu depois de se desentender com a diretoria por causa de Neymar. Dorival saiu na madrugada do dia 22 de setembro. Horas depois, o Peixe enfrentaria o Corinthians, já com o interino no banco. Derrota por 3 a 2, na Vila Belmiro.

Em seguida, o Santos teve Cruzeiro, na Arena Barueri (vitória por 4 a 1), e Vasco, em São Januário (derrota, 3 a 1). Agora, Martelotte se prepara para mais uma pedreira. Dessa vez, clássico contra o Palmeiras, na Vila Belmiro.

– Não fui eu quem escolheu essa sequência. Na verdade, (a saída de Dorival Júnior) pegou todo mundo de surpresa. Contra o Corinthians, não tive tempo nenhum para trabalhar. Depois veio Cruzeiro, Vasco e, agora, Palmeiras. São jogos bem complicados – afirma.

Martelotte, porém, garante que não é queixa. Pelo contrário. Ele diz que está gostando da experiência.

– Quem se sujeita a trabalhar em equipe grande como o Santos, não pode escolher adversários. Trabalhar em clássicos, com grande rivalidade, é sempre um prazer.

outubro 2, 2010 Posted by | Santos | | Deixe um comentário

Para evitar expulsão, Felipão promete ficar em seu ‘cantinho’ na Vila

Treinador do Palmeiras, que irá a julgamento nesta segunda por expulsão contra o São Paulo, garante que não irá se expor contra o Santos

Próximo de ser julgado mais uma vez por suas reclamações contra um árbitro e com duas expulsões do banco de reservas no Brasileirão, Luiz Felipe Scolari garante que não vai se exaltar neste sábado, durante o confronto do Palmeiras diante do Santos, na Vila Belmiro, às 16h (de Brasília).

– Eu vou ficar na minha, no meu cantinho, e o Murtosa (auxiliar técnico) vai trabalhar mais que eu. Se não, vou ser expulso de novo – declarou Scolari.

Após receber o ‘vermelho’ no clássico com o São Paulo, há duas semanas, o treinador foi denunciado pela Procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva e será julgado na próxima segunda-feira, no Rio de Janeiro. De acordo com a denúncia, baseada na súmula do árbitro José Henrique de Carvalho, o treinador ofendeu o juiz, referindo-se a ele como “árbitro de m…, não consegue colocar a barreira no lugar”. E ainda demorou quatro minutos para deixar a área técnica.

Esta é a segunda vez que Felipão vai a julgamento desde que voltou ao futebol brasileiro. No dia 25 de agosto, ele foi ao Tribunal por ter sido expulso contra o Atlético-PR, mas acabou absolvido.

outubro 2, 2010 Posted by | Palmeiras | , | Deixe um comentário

Inter conta os dias para os retornos de Tinga e Sobis

Roth espera ter meio-campista à disposição na semana que vem. Atacante levará mais 15 dias para jogar

O Inter não vê a hora de contar com o retorno de dois bicampeões da América. O meia Paulo César Tinga e o atacante Rafael Sobis, em processo de recuperação de lesões musculares, ficarão à disposição de Celso Roth em breve. O primeiro, segundo o técnico, está em estágio mais avançado.

O curioso é que a lesão de Tinga, ocorrida no último domingo, é posterior à de Sobis. A previsão inicial do departamento médico era de um mês de inatividade. A recuperação do jogador foi muito rápida. Roth se mostra otimista.

– O Sobis, na quarta-feira, deve passar pelo primeiro estágio com o Elio Carraveta (coordenador da preparação física). O Tinga, nesta sexta, começa a fazer trabalhos físicos. Pela metade da semana que vem, talvez esteja à disposição para fazer um trabalho normal – disse o treinador.

O retorno deles será importante para o treinador. Depois do jogo contra o Guarani, o Inter ficará sem os meias Giuliano e D’Alessandro, convocados para defender as seleções de Brasil e Argentina, respectivamente.

– O prejuízo é enorme (pela ausência de Giuliano e D’Alessandro). Isso sempre tem aspectos positivos e negativos. O positivo é eles estarem nas seleções brasileira e argentina, as melhores do mundo, junto com umas outras três da Europa. Mas sempre tem o prejuízo. Eles são selecionados e ficam uma semana, dez dias fora. E é em um momento importante da competição, com a parte final dos jogos no meio e no final de semana. É o ônus de uma equipe de qualidade. Temos que passar por cima disso – disse Roth.

outubro 2, 2010 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário

Candidatos à presidência do Grêmio inscrevem chapas

Eleição no Conselho Deliberativo tricolor será na próxima quinta-feira

Airton Ruschel e Paulo Odone, candidatos à presidência do Grêmio, apresentaram oficialmente nesta sexta-feira os nomes que integram suas chapas, respectivamente de situação e de oposição. A eleição está marcada para as 20h do dia 07 de outubro, próxima quinta-feira.

Primeiro, ambos disputam a preferência do Conselho Deliberativo. É preciso obter apoio mínimo de 30% dos 300 conselheiros (90 votos) para se chegar à segunda etapa da eleição – aberta aos sócios.

Se apenas um candidato atender à esta cláusula de barreira no Conselho, será declarado vitorioso sem necessidade de nova disputa. Caso Airton Ruschel e Paulo Odone obtenham, cada, ao menos 30% dos votos, os sócios gremistas escolherão nas urnas o novo presidente do clube no dia 16 de outubro.

A apresentação das chapas com seis vice-presidentes – denominadas ‘Conselho de Administração’ – é obrigatória. Airton Ruschel inscreveu Ben-Hur Marchiori, César Augusto Peixoto, Denis Abrahão, João Lauro Noguez, Jorge Santana e Sergei Ignácio da Costa; Paulo Odone apresentou-se com Antônio Vicente Martins, Eduardo Antonini, Carlos Tadeu Vianna, Ricardo Vontobel, Francisco Rocha dos Santos e Alfredo Ferreira de Oliveira.

Ruschel, apoiado pelo presidente Duda Kroeff, tem como desafio chegar à votação popular. Em setembro os correligionários de Paulo Odone conquistaram as 150 cadeiras ofertadas na renovação do Conselho Deliberativo.

O próprio Paulo Odone estima que pelo menos mais 75 pessoas entre os conselheiros remanescentes devem apoiá-lo, totalizando 225 votos – o que deixaria Airton Ruschel abaixo da cláusula de barreira de 30%.

Para conquistar os eleitores, Ruschel promete manter Renato Gaúcho no cargo de treinador. Odone prefere falar sobre renovações de contrato apenas após a disputa, mas também anuncia um nome forte entre os gremistas: quer repatriar Rodrigo Caetano, hoje no Vasco, para o cargo de diretor-executivo remunerado.

outubro 2, 2010 Posted by | Grêmio | | Deixe um comentário