Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Peixe vira sobre o Dragão em noite de discussão entre Neymar e Dorival

Jovem atacante passou a se recusar a cumprir ordens depois que o chefe não o deixou cobrar pênalti. Dupla trocou xingamentos após apito final

O Santos venceu o Atlético-GO por 4 a 2, nesta quarta-feira à noite, na Vila Belmiro, pela 22ª rodada do Brasileirão. Quem lê essa frase sem ter visto o jogo pode pensar: ok, o Peixe não teve dificuldade e despachou o Dragão sem se esforçar muito. Nada disso. Na verdade, a equipe goiana, na zona de rebaixamento, deu o maior sufoco no campeão da Copa do Brasil, fez 2 a 0, e só levou a virada a partir dos seis minutos do segundo tempo. Mas além de encerrar um jejum de vitórias do campeão paulista que já durava três jogos, a partida ficou marcada por forte discussão e troca de xingamentos entre Neymar e Dorival Júnior.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Rebelde, o garoto se recusou a cumprir as ordens do chefe na reta final da partida. Ficou revoltado por não ter batido o pênalti que resultou no quarto gol santista aos 39 minutos do segundo tempo (o treinador determinou que Marcel seria o cobrador) e passou a rebolar quando pegava a bola. Não queria passar para ninguém, muito menos para Marcel. Dorival se esgoelava à beira do gramado, pedindo para o prodígio soltar a bola. Não foi atendido. E respondeu ofensivamente às broncas do treinador.

Com o triunfo, o Santos chegou a 34 pontos no Nacional, ocupando o quinto lugar. O Atlético-GO é o antepenúltimo (20). As duas equipes voltam a campo no fim de semana. O Peixe enfrenta o Guarani, domingo, às 16h (de Brasília), no Brinco de Ouro. No sábado, o Dragão recebe o Atlético-PR no Serra Dourada, às 18h30m.

Dragão segura o Peixe e surpreende

O Santos provou no primeiro tempo aquilo que o seu técnico vem falando há algum tempo: os dias de show e magia ficaram para trás. Neymar, que não tem mais a companhia de Ganso, Robinho e André, tentou o drible, se esforçou, buscou a tabela. Não foi correspondido. Seu companheiro de ataque, Keirrison, apresentava dificuldades até para dominar a bola. Desolado, o menino santista corria de um lado para o outro. Chegou a voltar até a intermediária para buscar jogo, mas em vão. O Peixe entrou em campo com Roberto Brum, Danilo e Alex Sandro como volantes. Os dois últimos, que são laterais de origem, tinham a missão de empurrar o time para a frente, saindo pelos lados com velocidade. Não acrescentaram nada.

O Atlético-GO, com uma linha de cinco jogadores no meio de campo, marcava implacavelmente. Não era muito veloz para contra-atacar, mas chegou ao gol aos 13 minutos, aproveitando-se de uma bobeira de marcação santista. Robston chutou na saída do goleiro Rafael. A bola carimbou a trave direita e sobrou para Josiel, que dominou e estufou a rede. Foi o único bom lance do atacante do Dragão na partida. Sentindo dores musculares, ele deixou o gramado aos 36 minutos.

Sabe aquelas jogadas rápidas, aqueles toques de primeira, a velocidade avassaladora que o time alvinegro apresentou nas campanhas vitoriosas do Paulistão e da Copa do Brasil? Não houve nada disso. O Santos tentou ir para o abafa, mas sem qualquer criatividade. Errou até passes laterais.

A etapa final começou com o time goiano assustando a equipe da casa mais uma vez. Ainda não havia tempo para o time da casa se adaptar à mudança feita pelo seu treinador, que tirou o lateral-direito Pará para colocar o meia Alan Patrick. Aos cinco minutos, William recebeu a bola na altura da meia-lua, após cobrança de escanteio, e acertou um chute forte. A bola entrou no canto esquerdo de Rafael.

Mas dessa vez, o Santos não demorou para reagir. No minuto seguinte, Neymar cobrou falta na cabeça de Edu Dracena, que se aproveitou de um vacilo da marcação e escorou livre, diminuindo o prejuízo alvinegro. O Peixe acordou e foi para o tudo ou nada. Ainda que aos trancos e barrancos, o time da casa tinha mais volume, rondava mais a área adversária e criava chances. Aos 26, Marcel, que havia entrado no lugar de Keirrison, machucado, acertou uma bomba em cobrança de falta. O goleiro Márcio espalmou, como já havia espalmado um chute de Neymar, minutos antes. Aos 30, porém, não houve como o camisa 1 salvar. Madson recebeu no bico da grande área, pelo lado direito, cortou para o meio e acertou um belo chute colocado de canhota, empatando a partida.

O Peixe continuou em cima, e o Dragão se encolheu. Em nove minutos, o Santos liquidou o jogo. A entrada de Madson acrescentou a velocidade que faltava à equipe. Aos 35, em contra-ataque, a bola sobrou para Alan Patrick, que recebeu e chutou de pé direito, virando o jogo. O Atlético-GO desanimou, e o Alvinegro Praiano seguiu no ataque. Aos 39, Neymar tentou aplicar um chapéu dentro da área e foi derrubado por Daniel Marques. Pênalti. O garoto quis bater, mas Dorival determinou, após erros recentes do camisa 11 em penalidades, que Marcel executasse a cobrança. O atacante encheu o pé direito e ampliou. Na comemoração, Neymar começou a discutir com o chefe. Xingamentos de um lado e do outro.

Irritado, o garoto deixou o gramado sem falar nada e ainda ouviu a torcida gritar o nome do técnico santista. Desfecho tenso para um triunfo com uma bela reação da equipe.

SANTOS 4 X 2 ATLÉTICO-GO
Rafael, Pará (Alan Patrick), Edu Dracena, Bruno Aguiar e Léo; Roberto Brum, Danilo, Alex Sandro e Marquinhos (Madson); Neymar e Keirrison (Marcel). Márcio, Victor Ferraz, Daniel Marques, Jairo e Thiago Feltri; Robston, Ramalho, Pituca (Willliam), Diguinho (Juninho) e Elias; Josiel (Diogo Galvão).
Técnico: Dorival Júnior Técnico: René Simões
Gols: Josiel, aos 13 minutos do primeiro tempo; William, aos 5, Edu Dracena, 6, Madson, 30, Alan Patrick, 35, Marcel, 39 minutos do segundo tempo
Cartões amarelos: Pituca, William, Victor Ferraz (Atlético-GO), Edu Dracena (Santos)
Renda e público: R$ 99.315,00/3.873 pagantes
Estádio: Vila Belmiro, em Santos. Data: 15/09/2010. Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS). Assistentes: Alexandre Kleiniche (RS) e Carlos Henrique Selbach (RS).

setembro 15, 2010 Posted by | Santos | | Deixe um comentário

Goiás goleia o desfalcado Botafogo e segue em recuperação: 4 a 1

Time goiano ignora a boa fase do adversário, vence por 4 a 1 no Serra Dourada e conquista mais uma vitória sob o comando de Jorginho

Empolgada com a boa fase, a torcida do Botafogo marcou presença no Serra Dourada e empurrou o time. Mas foi o Goiás quem jogou com autoridade e confirmou sua fase de recuperação, vencendo por 4 a 1, nesta quarta-feira, pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro. O resultado tirou momentaneamente o time esmeraldino da lanterna da competição, enquanto o Alvinegro caiu do terceiro para o quarto lugar.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Na próxima rodada, o Botafogo, que soma 37 pontos, faz um duelo direto na parte de cima da tabela contra o Cruzeiro (40), sábado, no Engenhão. Já o Goiás, que chegou aos 20 pontos e a três rodadas de invencibilidade sob o comando de Jorginho, vai a Fortaleza enfrentar o Ceará no domingo.

O Botafogo começou a partida sem poder dizer que sofria pressão da torcida. O número de alvinegros no estádio era apenas um pouco inferior ao dos donos da casa, e o barulho era equivalente. Mas quando a bola rolou, a impressão era de que o Esmeraldino estava na frente da tabela, tamanha a superioridade em termos de marcação e domínio.

Com muitas dificuldades para sair jogando e encaixar a troca de passes em velocidade, restou ao Botafogo apelar para as bolas aéreas. Mas a falta de pontaria daqueles que procuravam Loco Abreu na área fazia com que o Alvinegro pouco ameaçasse. Sentindo a falta de cinco titulares, o time de Joel Santana estava perdido na marcação, com Renato Cajá e Edno perdidos em suas funções. Portanto, não havia ala pela esquerda.

O Goiás, sim, usava as laterais com eficiência. Principalmente Júnior, que combinava bons avanços com Felipe. E foi exatamente por este lado que o time esmeraldino abriu o placar, aos 15 minutos. O atacante iniciou a jogada e ficou com a bola depois que Leandro Guerreiro se atrapalhou no combate a Rafael Moura. Ele tocou para trás, e Wellington Monteiro chutou. A bola desviou em Fahel, enganou Jefferson e entrou: 1 a 0

A desvantagem fez o Botafogo se precipitar ainda mais. Em vez de buscar a velocidade e o toque de bola, a equipe se mandou ao ataque sem organização, insistindo nas jogadas aéreas, e ofereceu espaço ao Goiás. Maicosuel não conseguia transformar sua habilidade em algo produtivo; Edno ficava escondido na defesa; Renato Cajá não avançava, e restava a Loco Abreu reclamar dos passes que não chegavam com qualidade.

O time da casa, que não tinha nada com isso, conseguiu ampliar a vantagem aos 31 minutos, depois que Wellington Monteiro arriscou de fora da área. Jefferson espalmou, a bola tocou na trave e sobrou para Rafael Moura, que apenas empurrou para a rede, fazendo 2 a 0.

Somente a partir de então, o Botafogo parou e pensou: o negócio era colocar a bola no chão e usar a velocidade pelas pontas. E foi exatamente assim que conseguiu diminuir a diferença. Edno partiu como uma flecha pelo lado esquerdo e cruzou para Loco Abreu, que, depois de desperdiçar duas oportunidades, finalmente marcou seu gol aos 43 minutos. No terceiro jogo consecutivo e pela terceira vez com os pés.

Botafogo pressiona no início do segundo tempo

Apostando na velocidade, Joel Santana colocou Caio no lugar de Lucio Flavio após o intervalo. Edno passou a exercer uma função mais próxima à de ala-esquerdo, criando uma boa alternativa para o Botafogo. No entanto, o Goiás mostrava-se firme na defesa, se fechando à frente de sua área à espera de espaço para sair nos contra-ataques.

Aos poucos, o Botafogo foi tomando conta da partida. O Goiás renunciou ao ataque e deu campo para o Alvinegro atacar. Mas a equipe carioca se precipitava e, apesar de levar perigo em alguns lances, desperdiçava muitas oportunidades por nervosismo. Por falar em nervosismo, Joel Santana mostrava-se revoltado com o que julgava ser excesso de faltas em Edno. O treinador também ficou na bronca com um gandula que demorou a repor uma bola.

Mas o plano de reação do Botafogo foi por água abaixo quando, num de seus poucos contra-ataques, o Goiás achou um pênalti cometido por causa de uma nova desatenção da defesa alvinegra. Rafael Moura foi derrubado na área por Alessandro e cobrou aos 36 minutos, fazendo 3 a 1.

Nos acréscimos, em novo contra-ataque, Rafael Moura saiu do campo de defesa com a bola dominada e tocou para Douglas, que serviu Felipe. O atacante chutou, Jefferson espalmou, e Bernardo completou para a rede, após rebote do travessão, fechando a conta no Serra Dourada.

GOIÁS 4 X 1 BOTAFOGO
Harlei, Walmir Lucas, Rafael Tolói e Marcão (Rithelly); Wendel Santos, Amaral (Carlos Alberto), Wellington Monteiro, Bernardo e Júnior (Douglas); Felipe e Rafael Moura. Jefferson, Antônio Carlos, Leandro Guerreiro e Fábio Ferreira; Alessandro, Fahel (Túlio Souza), Lucio Flavio (Caio), Renato Cajá (Bruno) e Edno; Maicosuel e Loco Abreu.
Técnico: Jorginho. Técnico: Joel Santana.
Gols: Wellington Monteiro, aos 15, Rafael Moura, aos 31, Loco Abreu, aos 43 minutos do primeiro tempo; Rafael Moura, aos 36 minutos do segundo tempo; Bernardo aos 46
Cartões amarelos: Júnior, Marcão (Goiás); Fahel (Botafogo). Público:12.480 pagantes. Renda: 161.797,50.
Estádio: Serra Dourada, em Goiânia (GO). Data: 15/09/2010. Árbitro:Francisco Carlos Nascimento (AL). Assistentes: Carlos Berkenbrock (Fifa/SC) e Pedro Jorge Santos de Araújo (AL).

setembro 15, 2010 Posted by | Botafogo, Goiás | | Deixe um comentário

Felipão estraga bolo de aniversário gremista: 2 a 1 para o Palmeiras

Com gols de Marcos Assunção e Ewerthon, Alviverde cresce na tabela. Felipão é aplaudido no milésimo jogo gremista no Brasileirão

Lá no fundo, bem lá no fundo, talvez Felipão não tenha ficado tão feliz por colocar o dedo no bolo de aniversário do Grêmio. No dia em que completou 107 anos de vida, o time gaúcho reencontrou um de seus maiores ídolos. E viu o convidado estragar a festa. O Palmeiras, com a eficiência que marcou os tempos de Luiz Felipe Scolari no Olímpico, bateu o Tricolor por 2 a 1 na noite desta quarta-feira, em Porto Alegre, e manteve a esperança de engrenar no Brasileirão. Foi o milésimo jogo gremista na história da competição.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Os gols de Marcos Assunção e Ewerthon alimentam o sonho palmeirense de alcançar uma vaga na Libertadores. E amortecem a recuperação do Grêmio, que não perdia há cinco jogos – Jonas marcou para o time da casa. Com o resultado, o Palmeiras subiu para 29 pontos, consolidado na zona de classificação para a Sul-Americana, em nono lugar, momentaneamente. O Tricolor, com 26, sente a reaproximação do grupo de rebaixamento, e está 13º.

Felipão volta, e “representante” põe Palmeiras na frente

Há dez anos, era ele quem mandava no Olímpico. À frente do Grêmio, foi o comandante em conquistas importantes durante os anos 90 – a Libertadores (1995), o Brasileiro (1996), a Recopa Sul-Americana (1996), só para citar alguns. Mas no retorno ao estádio gremista, Luiz Felipe Scolari deixou o sentimento pelo Tricolor de lado e fez valer sua estima pelo Palmeiras. Ele abriu mão dos três zagueiros e colocou Ewerthon para compor o ataque ao lado de Kleber. E sofreu, como previsto, durante o primeiro tempo.

Embalado por uma série de cinco jogos sem derrotas, o Grêmio procurou tomar a iniciativa. Apoiado por quase 40 mil torcedores que lotaram e chacoalharam o Olímpico, o time de Renato Gaúcho assustou o Alviverde a todo instante. André Lima e Jonas fizeram com que a defesa se desesperasse e tentasse afastar a bola a qualquer custo. Gabriel, pelo lado direito, também deu trabalho, já que Rivaldo, lateral-esquerdo improvisado, não deu conta da marcação. O Grêmio, que já foi de Felipão, dominou seu ex-treinador.

O contragolpe foi a arma palmeirense. Virou a alternativa para conter a euforia que dominava o Olímpico. E foi nele que o time paulista conseguiu abrir o marcador. Com velocidade, Ewerthon se lançou ao ataque e foi derrubado por Neuton. Uma faltinha perto da área era tudo o que Felipão queria para poder acionar um de seus representantes em campo. O pé direito de Marcos Assunção foi preciso pela segunda vez neste Campeonato Brasileiro. Com carinho, o camisa 28 ajeitou a bola e bateu, aos 14 minutos, sem chances para Victor. No ângulo direito, com perfeição. Alívio para Scolari.

Mas o Imortal não se rendeu. Persistiu nas investidas contra Deola. Sempre com Jonas e André Lima. Já o Palmeiras, quando tinha a bola, tentava esfriar a partida e pensar mais as jogadas. Em um lance de velocidade, o Alviverde quase ampliou. Ewerthon novamente arrancou e chutou contra Victor, obrigando o gremista a fazer bela defesa para afastar o perigo, aos 24 minutos.

A resposta tricolor veio logo em seguida. Percebendo o goleiro Deola um pouco adiantado, André Lima cabeceou firme. Mas o arqueiro palmeirense conseguiu dar um passo para trás e rivalizar com Victor em uma defesa igualmente bonita – que garantiu a vantagem aos paulistas durante o primeiro tempo.

Eficiência no estilo Felipão: 2 a 1

A bola passeou pelos pés dos gremistas durante quase todo o segundo tempo. E foi o Palmeiras que fez o gol. A típica eficiência de Felipão teve novo episódio aos dois minutos da etapa final. O Alviverde trocou passes no campo de ataque até a bola ficar com Marcos Assunção. O cruzamento foi fabricado sob medida para Ewerthon subir bonito e, de cabeça, causar dois efeitos psicológicos ao jogo: tranquilidade para o Palmeiras, descrença para o Grêmio.

O gol transformou a missão azul em sonho quase impossível. Não faltaram tentativas. André Lima tentou, Souza tentou. Teve cruzamento, escanteio e chute de longe. E nada de a bola entrar. Jonas, de cabeça, acertou a trave do goleiro Deola. E nada…

Conforme corriam os ponteiros do relógio tricolor, o time ia ficando mais ofensivo. Lúcio entrou no lugar de Fábio Santos, Roberson pegou a vaga de Adílson, Maylson ocupou o espaço de Souza. E nada…

O Palmeiras se defendeu de mãos dadas e atacou com pernas livres. Teve solidez na zaga e velocidade no ataque. Produziu na medida para avisar ao Grêmio que deixar espaços lá atrás poderia não ser uma boa ideia. Os gaúchos atacaram, mas não pressionaram; avançaram, mas não apavoraram. Mesmo assim, marcaram.

Foi com Jonas. A bola ficou viva na área palmeirense até o atacante emendar o chute. O azar do Grêmio foi o gol ter saído aos 46 minutos, tarde demais para a reação gremista. O jogo terminou com esperança renovada para o Palmeiras de Felipão.

As duas equipes voltam a campo no domingo. O Palmeiras tem clássico contra o São Paulo no Pacaembu. O Grêmio visita o Avaí em Florianópolis.

GRÊMIO 1 X 2 PALMEIRAS
Victor, Gabriel, Paulão, Neuton e Fábio Santos (Lúcio); Adílson (Roberson), Fábio Rochemback, Souza (Maylson) e Douglas; Jonas e André Lima. Deola; Vitor, Danilo, Maurício Ramos e Rivaldo; Edinho, Márcio Araújo, Marcos Assunção e Tinga (Pierre); Kleber e Ewerthon (Valdivia).
Técnico: Renato Gaúcho. Técnico: Luiz Felipe Scolari.
Gols: Marcos Assunção, aos 14 minutos do primeiro tempo; Ewerthon, aos dois, e Jonas, aos 46 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Souza, Lúcio, André Lima (Grêmio); Kleber, Márcio Araújo, Valdivia, Edinho (Palmeiras).
Estádio: Olímpico, em Porto Alegre. Data: 15/09/2010. Árbitro:Gutemberg de Paula Fonseca (RJ). Assistentes: Ricardo de Almeida e Guilherme Dias Camilo.

setembro 15, 2010 Posted by | Grêmio, Palmeiras | | Deixe um comentário

Ivan González dá vitória ao Furacão e mantém Galo na zona da degola

Paraguaio faz o gol da vitória do Atlético-PR aos 43 do segundo tempo. Time rubro-negro havia cedido o empate, após início arrasador

O início foi promissor, mas a confirmação só veio nos momentos finais. Após abrir o placar com apenas dois minutos de bola rolando, o Atlético-PR cedeu o empate e só garantiu a vitória, por 2 a 1, sobre o Atlético-MG no fim do duelo na Arena da Baixada, na noite desta quarta-feira, pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro. Bruno Mineiro abriu o placar para os paranaenses, que dominavam a partida, quando Obina, ainda na primeira etapa, igualou. No segundo tempo, Ivan González saiu do banco de reservas para garantir o triunfo dos anfitriões, aos 43.

Com o resultado, o Furacão chega a 31 pontos, e ocupa a sétima colocação da tabela. O Galo, com 21, segue na zona de rebaixamento, em 17º.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O Atlético-PR volta a campo no sábado, às 18h30m (de Brasília), quando enfrenta outro xará, o Atlético-GO, no Serra Dourada. Os atleticanos de Minas Gerais, por sua vez, recebem o Vitória, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, no domingo, às 16h.

Furacão tem começo arrasador, mas cede empate

Não é de se estranhar que o Atlético-MG parecesse atordoado na maior parte da etapa inicial. Os paranaenses deixaram a hospitalidade fora de campo e, já no primeiro minuto de jogo, Maikon Leite partiu para o ataque, pela esquerda, deu um drible desconcertante em Diego Macedo e conseguiu o escanteio para os donos da casa. Na cobrança, o especialista Paulo Baier botou a bola na cabeça de Bruno Mineiro, que desviou para o fundo das redes: 1 a 0 no placar.

Apesar de a pressão inicial indicar um massacre, o que se viu foi um Furacão organizado, mas ineficiente. Além da categoria de Paulo Baier e da ousadia de Maikon Leite, os anfitriões incomodavam com a velocidade de Branquinho, só que os erros sucessivos no último passe e duas boas intervenções do goleiro Fábio Costa impediram que o time do técnico Paulo César Carpegiani ampliasse.

Dominado, o Galo, que não deu qualquer trabalho ao goleiro Neto até os 32, conseguiu voltar à partida em uma jogada isolada. Da intermediária, pela direita, Daniel Carvalho viu Obina livre na área, e o atacante subiu de cabeça para igualar.

Vitória do Furacão nos minutos finais

O Furacão quase repetiu o feito do início do jogo e, aos dois do segundo tempo, Paulinho carimbou o travessão de Fábio Costa, em cobrança de falta. Mas era a ausência de criatividade que dava o tom da etapa complementar. Tanto que o técnico Vanderlei Luxemburgo decidiu mandar o meia Diego Souza para campo, e tirou o decisivo Obina – que reclamou de dores – aos 10.

Logo na sequência, a torcida rubro-negra teve que engolir o grito de gol, depois que Paulo Baier, livre, debaixo da trave, recebeu cruzamento preciso de Wagner Diniz e cabeceou pela linha de fundo. Em busca de mais poder de fogo, o técnico Carpegiani fez o movimento oposto ao de Luxemburgo e trocou um homem de meio-campo por um atacante: saiu Vitor, e entrou o equatoriano Guerrón.

Mas foi outra substituição que acabou fazendo a diferença. Aos 43, depois do levantamento na área de Paulo Baier, da cabeçada de Rhodolfo e da bela defesa de Fábio Costa, o paraguaio Ivan González – que havia entrado na vaga de Branquinho – aproveitou o rebote e transformou o domínio rubro-negro em campo em mais três pontos na tabela.

ATLÉTICO-PR 2 X 1 ATLETICO-MG
Neto; Wagner Diniz, Manoel, Rhodolfo e Paulinho; Chico, Branquinho (Ivan González), Vitor (Guerrón) e Paulo Baier (Olberdam); Bruno Mineiro e Maikon Leite. Fábio Costa; Diego Macedo, Werley, Jairo Campos e Leandro; Alê, Mendez (Joedson), Ricardinho e Daniel Carvalho; Obina (Diego Souza) e Neto Berola (Jackson).
Técnico: Paulo César Carpegiani Técnico: Vanderlei Luxemburgo.
Gols: Bruno Mineiro, aos dois, Obina, aos 32 minutos do primeiro tempo. Ivan González, aos 43 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Manoel, Rhodolfo, Paulo Baier, Ivan González e Paulinho (Atlético-PR); Leandro, Joedson, Daniel Carvalho e Diego Macedo (Atlético-MG).
Estádio: Arena da Baixada, em Curitiba (PR). Data: 15/9/2010. Horário:19h30m (de Brasília). Árbitro: Paulo César Oliveira (Fifa-SP).Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Rodrigo Pereira Joia (RJ).

setembro 15, 2010 Posted by | Atlético-MG, Atlético-PR | | Deixe um comentário

Em jogo confuso e de muitos gols, Cruzeiro vence Guarani por 4 a 2

Foi a quinta vitória consecutiva da equipe mineira, que assume, mesmo que provisoriamente, a vice-liderança do Brasileirão. Bugre cai para oitavo

Em um jogo cheio de alternativas, muito confuso, com gols aos montes e expulsão, o Cruzeiro chegou à sua quinta vitória consecutiva no Brasileirão ao derrotar o Guarani, por 4 a 2, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas.  O resultado leva a equipe comandada por Cuca à vice-liderança, com 40 pontos, um a menos que o Fluminense.

A partida dava mostras de que seria fácil para os cruzeirenses, que abriram 2 a 0 no placar, com Rômulo e Wallyson. Porém, mesmo com um jogador a mais no gramado, a Raposa permitiu o empate da equipe campineira, que marcou com Geovane e Paulo Roberto. No fim, Fabinho e Farías, ambos de cabeça, garantiram a vitória celeste.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

A torcida cruzeirense, que compareceu em bom número ao estádio, viveu um misto de alegria e ansiedade. Ninguém entendeu ao certo como o time caiu de produção, mesmo com a vitória praticamente assegurada.

Na próxima rodada, o Cruzeiro enfrentará o Botafogo, no sábado, às 18h30m (de Brasília), no Engenhão, no Rio de Janeiro. O Bugre, que caiu para o oitavo lugar com 29 pontos, terá o Santos pela frente, no domingo, às 16h, no Brinco de Ouro, em Campinas.

Antes de a bola rolar, o torcedor do Cruzeiro levou uma ducha de água fria com o veto do goleiro Fábio, por conta da lesão no dedo mínimo da mão esquerda. Mas quando fez sua primeira intervenção na partida, ao cortar um escanteio, Rafael – o substituto – devolveu a confiança às arquibancadas.

E parecia que a noite não seria de boas notícias. No lance seguinte, uma nova baixa. Aos nove minutos, Wellington Paulista driblou o zagueiro e perdeu grande chance ao chutar cruzado, para fora. O atacante deixou o campo logo em seguida sentindo a mesma lesão que o havia tirado das últimas duas rodadas: estiramento no músculo anterior da coxa esquerda. Wallyson foi para o jogo.

Rafael continuou mostrando segurança ao fazer boas defesas. O goleiro evitou que o Guarani marcaasse em pelo menos mais duas ocasiões. A propósito, o técnico Cuca tem valorizado os jogadores que normalmente ficam no banco de reservas. O jogador que entra tem conseguido conviver com as dificuldades e resolver as situações mais difíceis. Já havia sido assim com Roger, contra o Palmeiras, com Robert, contra o Flamengo, e Everton, contra o Internacional.

Nesta quarta-feira, não foi diferente. Aos 26 minutos, Thiago Ribeiro cruzou da esquerda e Rômulo – que substituía Jonathan – cabeceou livre para abrir o placar. Os “reservas” continuaram a mostrar que querem um lugar na equipe e, aos 39 minutos, Wallyson – livre na grande área – teve apenas o trabalho de empurrar para o gol o passe açucarado do argentino Montillo.

Em desvantagem no placar, o Guarani perdeu a cabeça. Mazola revidou com um chute uma bolada do zagueiro Léo e foi expulso pelo árbitro Wallace Valente. O primeiro tempo terminou com a torcida celeste aos gritos de “timinho” para os adversários, que deixaram o campo cabisbaixos.

Show de gols

O Cruzeiro começou o segundo tempo com muita força no ataque, chegando com facilidade ao gol de Douglas. Porém, os atacantes perderam várias chances de aumentar o placar, esbarrando quase sempre na grande atuação do arqueiro campineiro.

Cuca, técnico do Cruzeiro, fez uma alteração ousada: tirou o volante Henrique e colocou em campo o atacante argentino Farías. O que parecia um acerto acabou dando errado. O time mineiro ficou vulnerável e o Guarani, mesmo com um jogador a menos, cresceu na partida e igualou o placar, com gols de Geovane e Paulo Roberto, aos 24 e 29 minutos, respectivamente.

A resposta celeste veio no lance seguinte. Em um escanteio pela esquerda, Montillo colocou a bola na cabeça de Fabinho, qua havia falhado no primeiro gol do Guarani. O gol acalmou novamente os jogadores do Cruzeiro, que reassumiram o comando da partida. E ainda houve tempo para mais um gol, de Farías, de cabeça, dando números finais ao placar: 4 a 2

CRUZEIRO 4 X 2 GUARANI
Rafael; Rômulo, Edcarlos, Léo e Pablo; Fabrício (Fabinho), Henrique (Farías), Everton e Montillo; Wellington Paulista (Wallyson)e Thiago Ribeiro. Douglas; Aislan (Fabiano), Fabão e Aílson; Apodi, Renan, Paulo Roberto, Mário Lúcio, Baiano (Geovane) e Márcio Careca; Mazola.
Técnico: Cuca. Técnico: Vágner Mancini.
Estádio: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG). Data: 15/9/2010.Horário: 19h30m (de Brasília). Árbitro: Wallace Nascimento Valente (ES). Auxiliares: José Ricardo Maciel Linhares (ES) e Fabiano da Silva Ramires (ES).
Público: 14.428 pagantes. Renda: R$ 187.060,00. Cartões amarelos:Pablo (Cruzeiro). Cartão vermelho: Mazola (Guarani).
Gols: Rômulo (Cruzeiro), aos 26 minutos, e Wallyson (Cruzeiro), aos 39 minutos do primeiro tempo; Geovane (Guarani), aos 24 minutos, Paulo Roberto (Guarani), aos 29 minutos, Fabinho (Cruzeiro), aos 30 minutos, e Farías (Cruzeiro), aos 40 minutos do segundo tempo.

setembro 15, 2010 Posted by | Cruzeiro, Guarani | , | Deixe um comentário

Fluminense e Corinthians travam batalha pela liderança

Duelo entre artilheiros Washington e Bruno César é um ingrediente a mais para o clássico desta quarta

LANCEPRESS!

O clássico entre Fluminense e Corinthians não será marcado apenas pela rivalidade entre Rio e São Paulo. Nesta quarta-feira, às 22h, no Engenhão, estarão frente e frente o líder e o vice-líder do Campeonato Brasileiro, que rivalizam, desde a primeira rodada, pela ponta na competição. O Timão, com um jogo a menos, quer encostar no Tricolor, que mantém diferença de três pontos na tabela de classificação.

Ainda sem poder contar com Fred, o técnico Muricy Ramalho deposita, mais uma vez, suas fichas em Washington. O atacante vai travar um duelo particular com o apoiador Bruno César, artilheiro, ao seu lado, do Brasileirão, com nove gols. Com o time organizado no esquema 3-6-1, a tendência é que o argentino Conca continue jogando mais adiantado para auxiliar na frente. O Coração Valente, porém, não quer saber de ser goleador. Seu interesse principal é nos três pontos.

– O Bruno César é um grande jogador. Somos os artilheiros ao lado de Elias, do Atlético-GO, mas vejo como melhor o duelo entre os líderes, que é de extrema importância nesse ponto do campeonato, pois pode valer o primeiro lugar. A questão da artilharia ficará mais para frente. Ainda há muitas rodadas pela frente – disse.

Com a ausência dos volantes Diogo e Diguinho, Valencia e Fernando Bob, que cumpriu suspensão na última rodada, voltam ao time. O colombiano acredita que o duelo desta quarta pode sim ser considerado uma decisão.

– Todos os jogos são decisões para uma equipe que quer ser campeã. Temos que tomar cuidado com o Bruno César e os demais jogadores do Corinthians. Uma vitória pode dar mais tranquilidade para a sequência da competição. As duas equipes têm jogadores que podem decidir do meio para a frente. A vitória é ainda mais fundamental pelo fato de o Corinthians ter um jogo a menos – afirmou.

Para o Corinthians manter viva a pretensão de conquistar o título do Campeonato Brasileiro no ano de seu centenário, uma vitória contra o Fluminense é fundamental. Um resultado positivo pode colocar o Timão com o mesmo número de pontos que o rival. Em caso de derrota, a aproximação de Santos e Cruzeiro pode ser inevitável.

No entanto, o time precisará ultrapassar barreiras que até aqui parecem difíceis de superar. A primeira delas é vencer fora de casa. Em todo o campeonato, o time só conseguiu vencer uma vez longe de São Paulo, contra o Grêmio, no Olímpico. A segunda é achar um substituto para Ronaldo. O atacante ainda se recupera de uma lesão na panturrilha e foi vetado (novamente) para o jogo decisivo contra o Flu.

Mas o técnico Adílson Batista tem mais notícias boas do que más. Roberto Carlos, que estava lesionado, volta ao time. Ralf, que assustou a fiel contra os gremistas, ao sair de campo logo no início da partida, já treinou esta semana e também tem seu retorno garantido. Alessandro, que estava suspenso, e Dentinho, também machucado, estão prontos. O único problema ainda é Chicão, que se recupera de um estiramento no joelho direito e tem poucas chances de entrar em campo.

No Parque São Jorge, o discurso é de favoritismo total do Fluminense para o duelo decisivo da noite desta quarta-feira.

– Nesse momento o Fluminense passa por um momento melhor. Quem tem mais elenco é difícil falar, o momento deles pode ser melhor, estão na primeira colocação e tem de se respeitar muito isso – disse Roberto Carlos.

FICHA TÉCNICA
FLUMINENSE X CORINTHIANS

Local: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data e Hora: 15/09/2010, às 22h (de Brasília)
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Auxiliares: Roberto Braatz (Fifa-PR) e Alessandro Álvaro Rocha de Matos (Fifa-BA)

FLUMINENSE: Fernando Henrique; Gum, Leandro Euzébio e André Luis; Mariano, Valencia, Fernando Bob, Deco, Conca e Julio César; Washington. Técnico: Muricy Ramalho

CORINTHIANS: Julio Cesar; Alessandro, William, Paulo André, Roberto Carlos; Ralf, Jucilei, Elias e Bruno César; Jorge Henrique e Iarley (Dentinho). Técnico:Adílson Batista

setembro 15, 2010 Posted by | Corinthians, Fluminense | , | Deixe um comentário

Grêmio enfrenta Palmeiras em noite histórica

Clube gaúcho completa 107 anos e revê Felipão e Renato Gaúcho juntos

LANCEPRESS!

O Grêmio recebe o Palmeiras na noite desta quarta-feira, às 19h30, no Olímpico, em uma noite que promete ser histórica para a torcida tricolor. Além de comemorar o aniversário de 107 anos do clube, que se completam nesta quarta, os gremistas deverão se emocionar com a seguinte cena. Dois dos maiores ídolos da História do Grêmio estarão no mesmo gramado: Renato Gaúcho e Felipão.

O primeiro fez História como jogador e atualmente é o treinador gremista, e o segundo conquistou sete títulos comandando o Tricolor Gaúcho. Entre eles, a Copa Libertadores de 1995.

Até por isso, Renato Gaúcho pediu para que a torcida homenageasse Luiz Felipe Scolari assim que ele entrasse em campo nesta quarta.

E para a comemoração, o técnico do time da casa ganhou alguns problemas. O atacante Borges e os zagueiros Vilson e Rafael Marques suspensos, não enfrentam o Verdão. Em seus lugares, entrarão André Lima, Paulão e Neuton, respectivamente. Os dois últimos, defensores, estarão juntos pela primeira vez na equipe do Grêmio. Paulão, inclusive, fez a sua estreia com a camisa tricolor na partida contra o Corinthians, no último sábado.

E a vitória contra o Timão, que até então estava invicto em seus domínios, deu um ânimo extra. Dos últimos 15 pontos disputados, o Grêmio conquistou 11 e, hoje, já ocupa a 12 posição do Brasileirão.

No Palmeiras, o mistério reina para definir a escalação da equipe que enfrenta o Grêmio. Após mudar o que considerava a formação ideal, com três zagueiros, Felipão parece ter se arrependido de utilizar o esquema com três atacantes e não deve repetir a formação que não saiu do zero contra o Vasco.

Sendo assim, o Verdão deve ser escalado no tradicional 4-4-2, com Ewerthon e Kleber formando a dupla de ataque, já que Luan, após entrar mal, segue desprestigiado. Márcio Araújo, que segue na equipe titular, garantiu que o grupo está motivado.

– O clima aqui não é ruim. O Felipão sempre nos lembra da importância de vestir a camisa do Palmeiras e nós estamos conscientes disso, com o desejo de acertar, de melhorar. Sempre sonhamos em ser jogador de futebol, e estar realizando esse sonho em um clube como o Palmeiras é a nossa grande motivação – disse.

Luiz Felipe Scolari irá ter as voltas dos volantes Pierre e Marcos Assunção. Com isso, os dois devem formar o meio de campo com Edinho e Tinga. No gol, Deola segue como titular, já que Marcos ainda não se recuperou das dores no joelho esquerdo.


FICHA TÉCNICA:
GRÊMIO X PALMEIRAS

Estádio: Olímpico, Porto Alegre (RS)
Data/hora: 14/10/2010 – 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Gutemberg de Paula Fonseca (RJ)
Auxiliares: Ricardo M. F. De Almeida (RJ) e Guilherme Dias Camilo (MG)

GRÊMIO: Victor, Gabriel, Paulão, Neuton e Fábio Santos; Fábio Rochemback (Ferdinando), Adilson, Souza e Douglas; Jonas e André Lima. Técnico: Renato Gaúcho.

PALMEIRAS: Marcos, Márcio Araújo, Maurício Ramos, Danilo e Rivaldo; Edinho, Pierre, Marcos Assunção e Tinga; Ewerthon e Kleber. Técnico: Felipão.

setembro 15, 2010 Posted by | Grêmio, Palmeiras | , | Deixe um comentário

Cruzeiro quer fazer a quina pela liderança

Raposa busca novo triunfo, desta vez na Arena do Jacaré

O Cruzeiro buscará a quinta vitória consecutiva no Campeonato Brasileiro no duelo desta quarta-feira, às 19h30, contra o Guarani, na Arena do Jacaré. A Raposa poderá terminar a rodada na vice liderança da competição.

Para que o segundo lugar seja confirmado ao fim dos jogos desta quarta-feira, o encontro entre Fluminense e Corinthians precisará terminar empatado ou ter vitória do Tricolor. Em Goiânia, o Botafogo também não poderá derrotar o Goiás.

A despeito dos quatro desfalques – Jonathan, Diego Renan, Marquinhos Paraná e Roger, todos em função de suspensão – o técnico Cuca terá os retornos do meia Montillo e do atacante Wellington Paulista. O volante Everton também estará disponível após cumprir suspensão na rodada passada.

Ausente dos dois últimos jogos da Raposa, Paulista quer que o Cruzeiro repita o bom aproveitamento fora de casa nos duelos em que o time for mandante. Longe de Belo Horizonte, o time conquistou 18 pontos e é o melhor visitante do Brasileirão. No estado de Minas, por sua vez, os cruzeirenses ganharam um ponto a mais.

– Estamos conseguindo somar pontos fora de casa e isso é importante para quem sonha com o título brasileiro. Agora temos que continuar fazendo o dever de casa. Encostamos nos primeiros colocados na tabela de classificação e vamos em busca da liderança aos poucos – comentou o camisa 9 da Raposa.

Guarani completo para buscar novo triunfo:

Nesta terça-feira pela manhã o técnico Vagner Mancini comandou o último treinamento da equipe. No CT alviverde, os atletas participaram de um trabalho técnico, seguido de um descontraído rachão.

Sem nenhum desfalque por suspensão, o Bugre conta com o retorno do zagueiro Fabão e do lateral Apodi, que cumpriram suspensão automática diante do Atlético-PR. Fabão, entretanto, ainda será julgado nesta terça à noite pelo STJD pela expulsão na partida contra o Atlético-MG realizada no dia 14 de agosto.

No gol, Douglas volta a ficar a disposição após recuperar-se de lesão e disputa a posição ocupada pelo goleiro Emerson nas últimas sete rodadas.

Com dúvidas na formação da equipe e também no sistema tático que deverá utilizar, Mancini ainda não definiu o time que entrará em campo na Arena do Jacaré.

– Tenho uma série de opções baseadas em quem entraria na zaga. Treinamos algumas situações, mas só vou definir a equipe momentos antes do jogo – explica o treinador.

FICHA TÉCNICA:

CRUZEIRO X GUARANI

Local: Estádio Arena do Jacaré, Sete Lagoas (MG)
Data/Hora: 15/9/2010 às 19h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Wallace Nascimento Valente (ES)
Auxiliares: José Ricardo Maciel Linhares (ES) e Fabiano da Silva Ramires (ES)

CRUZEIRO: Fábio; Rômulo, Léo, Edcarlos, Pablo; Fabrício, Henrique, Everton (Gil), Montillo; Thiago Ribeiro e Wellington Paulista. Técnico:Cuca.

GUARANI: Douglas; Rodrigo Heffener, Apodi, Fabão e Márcio Careca; Renan, Paulo Roberto, Baiano (Preto) e Mário Lúcio; Ricardo Xavier e Mazola. Técnico: Vagner Mancini.

setembro 15, 2010 Posted by | Cruzeiro, Guarani | , | Deixe um comentário

Goiás e Botafogo fazem duelo dos opostos no Serra Dourada

Porém motivação de ambos está em alta na busca pelos três pontos

Cada um com seu objetivo no Brasileiro, Goiás e Botafogo duelam nesta quarta-feira, às 19h30, no Serra Dourada, pela 22ª rodada da competição. Lanterna, o Esmeraldino tem apenas 17 pontos, mas está invicto a dois jogos e quer surpreender a Estrela Solitária. Por sua vez, o terceiro colocado deseja continuar a impressionante arrancada na tabela com mais três pontos para até quem sabe, ultrapassar o vice-líder Corinthians.

Enquanto o Timão, parado nos 38 pontos, encara no Engenhão o líder Fluminense, com 41, o Glorioso vê o confronto no Centro-Oeste como um momento chave para se colocar de vez entre os candidatos ao título, ao transformar os próprios 37 pontos em 40. O Serra Dourada, cenário do duelo, traz boas ao Alvinegro, pois o clube já se deu bem no estádio nesta temporada ao vencer o Atlético-GO por 2 a 0.

ACREDITAR É A PALAVRA

Para sair do sufoco, o técnico Jorginho mostra confiança, permanece com o esquema de três zagueiros, mas tem duas novidades no time titular. A equipe não terá Ernando e Romerito, suspensos pelo terceiro cartão amarelo.

Por isso, Jorginho aposta em dois jogadores que eram considerados titulares absolutos: Rafael Tolói e Amaral. O primeiro ficou barrado por uma semana para se condicionar fisicamente. Já Amaral havia perdido espaço após a expulsão contra o Corinthians.

SUPERAÇÃO ALVINEGRA

Nos últimos dez jogos, o Botafogo triunfou oito vezes e foi derrotado em apenas uma. Só que agora o técnico Joel Santana terá ainda mais trabalho de olho em ampliar a marca positiva. Cinco jogadores estão vetados da partida por lesão. Jobson, Herrera, Marcelo Cordeiro e Somália seguem em tratamento na coxa direita. Já Marcelo Mattos cuida de problema no joelho esquerdo.

Dadas as baixas, a escalação deverá ter uma série de improvisos. Renato Cajá pode ajudar na ala esquerda, ao lado de Edno. Já Túlio Souza ficaria na posição de origem, como volante, ao lado de Fahel. O comandante alvinegro sabe das muitas dificuldades que terá em busca da vitória.

– Jogar fora de casa é difícil. O deslocamento é complicado. Temos lesões. Vamos tentar os três pontos, mas não pegaremos mamão com açúcar. Existe um bom trabalho no Goiás e precisamos ter cuidado – disse.

FICHA TÉCNICA:
GOIÁS X BOTAFOGO

Estádio: Serra Dourada, Goiânia (GO)
Data/hora: 15/9/2010 – 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Francisco Carlos Nascimento (AL)
Auxiliares: Carlos Berkenbrock (Fifa-SC) e Pedro Jorge Santos de Araujo (AL)

GOIÁS: Harlei, Valmir Lucas, Rafael Toloi e Marcão; Wendel Santos, Amaral, Wellington Monteiro, Bernardo e Júnior; Rafael Moura e Felipe. Técnico: Jorginho.

BOTAFOGO: Jefferson, Fábio Ferreira, Leandro Guerreiro e Antônio Carlos; Alessandro, Fahel, Túlio Souza, Renato Cajá, Maicosuel e Edno; Loco Abreu. Técnico: Joel Santana.

mbos está em alta na busca pelos três pontos

setembro 15, 2010 Posted by | Botafogo, Goiás | , | Deixe um comentário

Santos busca recuperação contra o Atlético-GO

Há três jogos sem vitória, Peixe quer voltar a vencer no Campeonato Brasileiro

Sem vencer há três jogos, mas ainda próximo dos primeiros colocados do Campeonato Brasileiro, o Santos busca a recuperação nesta quarta-feira, às 19h30, quando enfrenta o Atlético-GO na Vila Belmiro.

No entanto, o técnico Dorival Júnior terá que quebrar a cabeça para montar o time. Dois pilares da equipe nas conquistas do Campeonato Paulista e da Copa do Brasil deste ano, o volante Arouca e o zagueiro Durval estão suspensos pelo terceiro cartão amarelo e não jogam. Bruno Aguiar deve entrar na zaga. Quem também está fora da partida é o meia Zezinho. O jogador sentiu uma entorse no tornozelo e foi vetado pelo departamento médico do clube.

Mas nem só notícias ruins cercam o treinador do Peixe. O meia Danilo, que cumpriu suspensão contra o Ceará, está de volta ao time, no lugar de Arouca. No ataque, o técnico manterá o garoto Neymar ao lado de Keirrison, autor do gol santista no jogo contra os cearenses, na última rodada.

A principal novidade, no entanto, é a volta do lateral Léo. Recuperando a forma física depois de algumas lesões, o camisa 3 conversou com Dorival nesta semana e deve marcar presença na lateral esquerda do Santos.

Após a vitória diante do líder Fluminense, o Atlético-GO quer manter o embalo e alcançar mais um resultado positivo no Brasileirão. Dos últimos 18 pontos disputados, o time goiano conquistou dez. Em caso de nova vitória, o Atlético pode até deixar a zona do descenso, embora não dependa de suas próprias forças para que isso aconteça.

Apesar do clima de confiança que paira no clube, a notícia do interesse do Al Ain, dos Emirados Árabes Unidos, no futebol de Elias – um dos artilheiros do Brasileirão com nove gols – gera preocupação. Como está emprestado pela Ability ao Atlético, o time goiano pode perder o jogador para a sequência da competição, caso seja ressarcido financeiramente. Adson Batista, diretor de futebol do clube, garantiu que Elias não vai deixar o Atlético e que não recebeu qualquer tipo de proposta do Al Ain, que busca um substituto para a vaga, que antes era ocupada por Valdivia.

Com relação ao time que enfrentará o Santos, quatro mudanças são certas. O lateral-direito Victor Ferraz, o volante Pituca e apoiador Diguinho voltam a ser titulares após cumprirem suspensão automática. Já o zagueiro Gilson, expulso contra o Fluminense, será susbtituído por Jairo.

FICHA TÉCNICA
SANTOS X ATLÉTICO-GO

Local: Vila Belmiro, Santos (SP)
Data e Hora: 15/09/2010 – 19:30
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS)
Auxiliares: Alexandre Kleiniche e Carlos Henrique Selbach (ambos RS)

SANTOS: Rafael; Pará, Edu Dracena, Bruno Aguiar e Léo; Danilo, Roberto Brum, Alex Sandro e Marquinhos; Neymar e Keirrison. Técnico: Dorival Júnior.

ATLÉTICO-GO: Márcio; Victor Ferraz, Daniel Marques, Jairo e Thiago Feltri; Pituca, Ramalho, Robston e Diguinho; Elias e Josiel. Técnico: René Simões.

setembro 15, 2010 Posted by | Santos | , | Deixe um comentário

Desesperados, Prudente e Fla se enfrentam

Clubes lutam para deixar as últimas colocações

Duas equipes desesperadas por melhores colocações no Campeonato Brasileiro. Assim será o duelo entre Grêmio Prudente e Flamengo nesta quarta-feira, às 22h, no Prudentão, em Presidente Prudente. Com apenas 17 pontos, o time da casa é o vice-lanterna da competição e já está há seis rodadas sem vencer. A situação do Rubro-Negro também é bastante delicada. Há sete jogos sem saber o que é uma vitória, o time carioca é o 16º na tabela, à beira da zona de rebaixamento.

– É preocupante, já estamos em uma zona perigosa. Mas temos jogadores experientes e vamos dar a volta por cima – comentou o confiante Diogo. O atacante volta à equipe após cumprir suspensão automática contra o Vitória, e, ao lado de Deivid, segue como maior esperança de gols da torcida rubro negra.

Porém, Diogo não será a única mudança na equipe com relação ao último confronto. Com uma entorse no tornozelo, o lateral-esquerdo Juan está fora. Rodrigo Alvim atuará em seu lugar. O volante Willians, que já havia sido vetado contra o Vitória, segue com dores na coxa direita e volta a ser desfalque para o técnico Silas.

O treinador deve promover Kleberson à equipe titular, já que o jogador teve grande atuação na última rodada, marcando os dois gols do empate em 2 a 2 com o Rubro-Negro baiano. Ainda no meio, Renato, barrado do último jogo para trabalhar a parte física, também deve voltar ao time titular, com Petkovic ficando como opção no banco.

No Prudente, uma derrota pode significar a queda para a última colocação. Por isso, o técnico Marcelo Rospide está determinado a dificultar as coisas para a equipe visitante.

As únicas dúvidas do treinador estão no setor defensivo: Paulo César, lateral, além de Leonardo, zagueiro, saíram de campo contra o Atlético-MG sentindo dores e não estão confirmados. Porém, devem ir para o sacrifício.

FICHA TÉCNICA

GRÊMIO PRUDENTE X FLAMENGO

Local: Eduardo José Farah (Prudentão)/SP
Data e Hora: 15/09/2010, às 22h
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro/MG (FIFA)
Assistentes: Gilson Bento Coutinho/PR e Jose Amilton Pontarolo/PR

GRÊMIO-PP: Giovanni, Paulo Cesar, Anderson Luis, Leonardo e Diego; R. Mancha, Joao Vitor, Marcelo Oliveira, Adriano Pimenta; Eduardo Ramos e Hugo. Técnico: Marcelo Rospide

FLAMENGO: Marcelo Lomba; Léo Moura, Jean, Ronaldo Angelim e Rodrigo Alvim; Toró, Correa, Kleberson e Renato; Diogo e Deivid. Técnico: Silas

setembro 15, 2010 Posted by | Flamengo, Grêmio Prudente | , , | Deixe um comentário

Clássico de Atléticos na Arena da Baixada

O Paranaense busca pela a reação. Já o mineiro quer novo triunfo no Brasileirão

LANCEPRESS!

Por objetivos distintos no Campeonato Brasileiro, Atlético Paranaense e Atlético Mineiro duelam nesta quarta-feira, às 19h30, na Arena da Baixada. Por um lado, o Furacão tenta se recuperar da derrota sofrida para o Guarani, na última rodada, para voltar a se aproximar de uma vaga na Libertadores. Já o Galo busca se afastar o mais rápido possível da zona de rebaixamento.

O técnico Carpegiani, do Atlético-PR, admitiu estar preocupado com a má atuação do time contra o Guarani, no último domingo. Mas para ele, o time terá outra postura diante do Galo, jogando ao lado da torcida.

– Fiquei preocupado com a atuação da equipe contra o Guarani, pois fomos muito abaixo do que estamos acostumados a produzir. Mas os jogadores estão conscientes disso, e vamos tomar cuidado para que isso não se repita na quarta-feira, contra o Atlético Mineiro. Tenho certeza de que, na Arena, isso não voltará acontecer – revelou o treinador.

Diante do xará mineiro, Carpegiani contará com a volta do lateral-direito Wagner Diniz, que cumpriu suspensão diante do Guarani. Mais uma vez vetado pelo departamento médico, o volante Deivid deverá dar lugar para Vitor ou Oberdam. No setor de criação, o meia Paulo Baier, poupado diante do Bugre, deverá voltar ao time no lugar de Netinho.

No ataque, Carpegiani ainda espera por uma definição do departamento médico para definir o companheiro de Bruno Mineiro. Maikon Leite, com uma lesão no tornozelo, segue sob tratamento intensivo de fisioterapia para enfrentar o Galo. Nieto, também no departamento médico, está fora do jogo. Assim, Thiago Santos pode ser novamente a novidade no setor ofensivo do Fuarcão.

Atlético-MG joga para deixar a zona do descenso:

O Atlético tem uma tarefa difícil nesta rodada ao enfrentar o Atlético-PR na Arena da Baixada. Mas um triunfo fora de casa pode tirar o Galo da zona de rebaixamento, o que não acontece desde a nona rodada.

Entretanto, não basta a vitória na capital paranaense. O Galo precisa superar o rival e secar Vitória, Avaí e Flamengo. Para deixar a zona da degola o Atlético precisa que um deles seja derrotado, ou que o Flamengo não vença o Grêmio Prudente. As outras partidas que terão atenção dos atleticanos serão Vitória x Ceará e Vasco x Avaí. O Galo tem 21 pontos, enquanto Flamento está com 23 e Vitória e Avaí estão com 24.

Dentro de campo o técnico Vanderlei Luxemburgo perdeu três titulares em relação ao time que bateu o Grêmio Prudente, no último domingo. O zagueiro Réver e os volantes Jataí e Méndez estão vetados. Serginho, que entrou no decorrer da partida contra o Prudente, está suspenso.

Sem poder contar com tantos jogadores, o treinador volta a colocar o Atlético com três zagueiros. No meio-de-campo o Atlético volta a ter o equatoriano Méndez ao time titular. Contratado como uma grande estrela, ele ainda não conseguiu brilhar. Para jogar Méndez, Luxa optou pela saída de Diego Souza.

Mas a grande novidade ficar por conta da entrada de Alê. O volante de 24 anos foi apresentado, treinou, concentrou e vai jogar como titular.

– Nunca tinha passado por isso, mas o jogador tem que estar preparado para, quando tiver a oportunidade, agarrar com as duas mãos. Tenho certeza que não vou ter dificuldade nenhuma e vou ajudar o Atlético – explicou o jogador.

Já o atacante Diego Tardelli foi liberado pelo departamento médico, mas ficará em Belo Horizonte para aprimorar a parte física. Ele retonará ao time somente contra o Vitória. Por isso a expectativa de gols fica com Obina, que marcou cinco nas últimas três partidas em que esteve em campo.

FICHA TÉCNICA.

ATLÉTICO-PR X ATLÉTICO-MG

Local: Estádio Arena da Baixada, Curitiba (PR)
Data/Hora; 15/9/2010 às 19h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Paulo César de Oliveira (Fifa-SP)
Auxiliares: Marcelo Carvalho Vab Gasse (SP) e Rodrigo Pereira Joia (RJ)

ATLÉTICO-PR: Neto, Wagner Diniz, Manoel, Rhodolfo e Paulinho; Chico, Vitor (Oberdam), Branquinho e Paulo Baier; Bruno Mineiro e Maikon Leite (Thiago Santos). Técnico: Paulo César Carpegiani

ATLÉTICO-MG: Fábio Costa, Jairo Campos, Cáceres e Werley; Diego Macedo, Alê, Méndez, Ricardinho e Leandro; Daniel Carvalho e Obina. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

setembro 15, 2010 Posted by | Atlético-MG, Atlético-PR | , | Deixe um comentário

Contra o Vitória, Ceará tenta acabar com jejum

Depois do triunfo sobre o Santos, Vovô quer voltar a vencer fora de casa após três meses

Depois de cinco jogos sem vencer, o Ceará conseguiu de uma só vez ganhar uma partida, recuperar a paz que faltava ao elenco e retomar a autoestima. Por isso, a equipe está confiante para o duelo desta quarta-feira, diante do Vitória, às 22h, no Barradão.

A confiança dos jogadores do Vozão é também para acabar com o incômodo tabu de não vencer um jogo longe de casa desde junho, quando bateu o Atlético-MG, no Mineirão, por 1 a 0. De lá para cá, já são sete confrontos – seis derrotas e apenas um empate. No último compromisso, diante do Fluminense, no Rio, caiu por 3 a 1, e o técnico Mário Sérgio deu adeus.

Por outro lado, foi a queda do treinador que fez o grupo se reanimar, principalmente com a chegada de Dimas Filgueiras. O interino, que é funcionário do clube há mais de 30 anos, injetou animo novo no grupo, que respondeu com uma vitória sobre o Santos por 2 a 1, domingo passado.

Para pegar o Rubro-Negro baiano, acabar o jejum e manter o embalo, Dimas, no entanto, tem dois desfalques. O volante Heleno e o atacante Everton Kempes, suspensos por terem recebido o terceiro cartão amarelo. Careca reassume a posição no meio de campo.

Já na frente, o treinador alvinegro, que tinha declarado usar o atacante Misael, pode recuar da decisão e utilizar o meia Luizinho, principal novidade na lista dos relacionados. No restante, o time será o mesmo da rodada anterior.

– Não tem essa de jogo fácil em Campeonato Brasileiro. O que temos de fazer é continuar jogando da forma como atuamos contra o Santos. Com pegada, com garra e disposição. Sabemos da qualidade do Vitória, mas vamos em busca de sairmos de campo com o resultado positivo – afirmou o meia Geraldo, autor do gol que garantiu o triunfo alvinegro sobre o Peixe.

No Vitória

Apesar de não terem participado do treino desta teraça-feira, Júnior e Elkeson estão confirmado na equipe que encara o Ceará. O primeiro sentiu dores no joelho direito, enquanto o segundo acusou dores na coxa direita.

Assim, a equipe para o jogo da noite desta quarta-feira é a mesma que encarou o Flamengo, sábado passado, em Volta Redonda. A única mudança é a volta de Egídio ao lado esquerdo, já que o mesmo não pôde atuar contra o Rubro-Negro carioca.

FICHA TÉCNICA:
VITÓRIA X CEARÁ

Local: Barradão, em Salvador (BA)
Data e hora: 15/9/2010 – 22h (horário de Brasília)
Árbitro: Sálvio Spínola Fagundes Filho (SP)
Assistentes Ednilson Corona (SP) e Carlos Jorge Titara da Rocha (AL)

VITÓRIA: Viáfara, Eduardo, Wallace, Anderson Martins, Egídio; Vanderson, Ricardo Conceição, Bida e Ramon; Elkeson e Júnior. Técnico: Ricardo Silva.

CEARÁ: Michel Alves, Oziel, Fabrício, Anderson e Ernandes; Michel, Careca, João Marcos e Geraldo; Misael (Luizinho) e Magno Alves. Técnico: Dimas Filgueiras.

setembro 15, 2010 Posted by | Ceará, Vitória | , , | Deixe um comentário