Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Grêmio vence primeira fora e acaba com os 100% do Timão em casa

Corinthians joga boa parte do segundo tempo com um a mais, pressiona, perde pênalti, mas não marca. Tricolor sobe quatro posições e é o décimo

Num jogo dramático no Pacaembu, o Grêmio mostrou a sua velha garra e provou ser “imortal”, como canta a sua torcida, ganhando seu primeiro duelo fora de casa neste Campeonato Brasileiro. Venceu o Corinthians por 1 a 0, mesmo jogando com um jogador a menos desde os 12 minutos do segundo tempo, e, com um golaço de Douglas, acabou com a sequência de vitórias alvinegras em casa. Até então, o Timão havia vencido todos os seus dez compromissos como mandante no torneio nacional. Aliás, a equipe corintiana, que perdeu um pênalti com Iarley no segundo tempo, não era derrotada no Pacaembu desde novembro do ano passado, quando foi batida pelo Náutico. Eram 23 jogos de invencibilidade.

O Grêmio uniu força com criatividade. Enquanto os volantes Adílson e Ferdinando anulavam Bruno César e Elias, os homens de armação do Corinthians, Douglas e Souza tinham espaço para dominar, pensar na melhor alternativa, lançar seus companheiros. Os dois meias gremistas contavam ainda com a ajuda de Gabriel, lateral que caía pelo meio, se revezando com Souza, confundindo a marcação alvinegra, que perdeu Ralf aos 13 minutos. Ele foi calçado por Douglas e torceu o tornozelo. Tentou voltar, não aguentou e foi chorando para o banco. Boquita entrou em seu lugar.

Com seus armadores anulados, o Corinthians dependia das raras subidas de Jucilei. Iarley e Jorge Henrique, isolados na frente, passarem a voltar para buscar o jogo. Então, o Timão embolou, perdeu senso tático e deu a bola para o Grêmio jogar com tranquilidade. Douglas comandava as ações no meio de campo. Aos 28 minutos, ele cobrou escanteio da esquerda. A bola foi rebatida e sobrou para Gabriel emendar de primeira, de pé esquerdo, que não é o seu forte. O tiro, que saiu forte, rasteiro, entraria no canto esquerdo, mas Julio Cesar se atirou e defendeu.

O Grêmio rondava a área corintiana com cada vez mais frequência. Aos 34, aconteceu o que parecia inevitável. Douglas recebeu pela esquerda, avançou, colocou a bola entre as pernas do zagueiro corintiano Paulo André e encheu a canhota, acertando o ângulo. Um golaço, que não foi comemorado pelo camisa 10. Campeão paulista e da Copa do Brasil no ano passado, pelo Timão, ele preferiu apenas abraçar os companheiros, sem festejar.

O Corinthians, acuado, só conseguia chegar em tiros de longe, sempre de Bruno César, que não acertou o alvo. O Grêmio estava mais perto de marcar o segundo do que levar o empate.

Pressão total  do Timão

O segundo tempo mudou completamente. O técnico do Corinthians, Adílson Batista, fez uma alteração importante. Tirou o lateral-direito Moacir, que não estava funcionando, e colocou o meia Danilo. O Timão, assim, passava a ter uma presença maior no meio-campo. Bruno César ganhou companhia, a bola passou a ser corintiana. E o jogo também.

Agora, o Grêmio não avançava. Limitava-se a afastar a bola de sua área em desesperados chutões. Aos 12 minutos, Bruno César arrancou pela esquerda e foi deslocado por Vilson, num golpe de ombro, na área. Pênalti. O zagueiro gremista, que já tinha amarelo, levou o vermelho. O Corinthians estava com a faca e o queijo na mão. Um pênalti para bater, um jogador a mais em campo. Mas todo o corintiano sabe: as coisas para o Timão nunca são fáceis. Iarley executou a cobrança. Tentava acertar o canto direito. O chute saiu fraco. Victor adivinhou e espalmou. Desespero nas arquibancadas do Pacaembu. Em seguida, Elias recebeu de Bruno César e cruzou. Iarley estava na pequena área. Finalizou, mas Rafael Marques, em cima da linha, salvou.

A pressão corintiana era impressionante – foram 23 finalizações alvinegras contra seis do Tricolor -, e o técnico gremista Renato Gaúcho trancou o seu time. A ordem era afastar a bola da área. Chutão sem pudor. À medida que o tempo passava, os corintianos iam ficando cada vez mais nervosos. A bola parecia queimar. Os cruzamentos na área se intensificaram. Já não havia mais jogada trabalhada. Era pressão por todos os lados. Mas a pressa é inimiga da perfeição.

A noite corintiana só não foi pior graças ao Fluminense. O líder do Campeonato Brasileiro e próximo adversário perdeu para o Atlético-GO, por 2 a 1 em Goiânia, e se manteve três pontos à frente, mas com um jogo a mais. Na quarta-feira, Corinthians e Fluminense se enfrentarão no Rio de Janeiro. Já o Grêmio, com a vitória, escalou quatro posições na tabela e, com 26 pontos, é o décimo colocado – podendo ser ultrapassado no domingo com o complemento da rodada.

CORINTHIANS 0 X 1 GRÊMIO
Júlio Cesar; Moacir (Danilo), Paulo André. William (Defederico) e Leandro Castán; Ralf (Boquita), Jucilei, Elias e Bruno César; Jorge Henrique e Iarley. Victor, Gabriel, Vilson, Rafael Marques e Fábio Santos; Ferdinando, Adílson, Souza e Douglas (Paulão); Jonas (Roberton) e Borges (Lúcio).
Técnico: Adílson Baptista Técnico: Renato Gaúcho
Gol: Douglas, aos 34 minutos do primeiro tempo
Renda e público: R$ 966.465,00 / 29.533 pagantes
Cartões amarelos: Ferdinando, Rafael Marques, Victor, Vilson, Borges (Grêmio), Boquita (Corinthians). Cartão vermelho: Vilson (Grêmio)
Estádio: Pacaembu, em São Paulo. Data: 11/09/2010. Árbitro: Francisco Carlos Nascimento (AL). Assistentes: Pedro Jorge Santos de Araújo (AL) e Guilherme Dias Camilo (MG).

setembro 11, 2010 Posted by | Corinthians, Grêmio | | Deixe um comentário

Fluminense vacila no fim, é castigado e perde de virada para o Atlético-GO

Tricolor sai na frente no primeiro tempo, permite o empate, pressiona na etapa final com um jogador a mais, mas é derrotado no Serra Dourada: 2 a 1

Foram dois dias de turbulência no Fluminense. De discussão pública entre o atacante Fred e o coordenador médico Michael Simoni, que pediu demissão. De clima tenso no vestiário das Laranjeiras entre o goleiro titular Fernando Henrique e o reserva Rafael. Não dá para dizer que a crise entrou em campo, já que o time não jogou mal, mas a vitória não veio. Neste sábado, o líder do Brasileirão foi derrotado pelo Atlético-GO, no Serra Dourada, de virada, por 2 a 1, na 21ª rodada. O resultado mantém os cariocas com 41 pontos, três a mais que o Corinthians,derrotado pelo Grêmio no Pacaembu.

O Dragão ganha fôlego e assume o 17º lugar, com 20 pontos. Continua ameaçado pelo rebaixamento, mas está a três do Flamengo, primeiro fora do Z-4.

As duas equipes voltam a jogar na próxima quarta-feira. O Fluminense enfrenta o Corinthians, no Engenhão, às 22h. Líder e vice-líder farão um jogo com cara de decisão. O Atlético-GO será visitante na 22ª rodada. Enfrenta o Santos, na Vila Belmiro, às 19h30m.

No esquema 3-6-1 do Fluminense de Muricy Ramalho, não há espaço para dois volantes fixos. Sem Fernando Bob, suspenso, o técnico optou por escalar Julio Cesar na função, e Carlinhos assumiu a ala esquerda. A nova formação demorou a funcionar, assim como toda a equipe tricolor, assim como o Atlético-GO inteirinho. Foram 20 minutos monótonos. Supermarcação, aplicação tática e erros de passe de sobra.

Feliz é o torcedor do Fluminense, que pode ter Deco, Darío Conca e Washington. A trinca ofensiva do líder do Brasileirão vive dias muito felizes. Consegue se achar, ainda que os espaços no campo sejam mínimos. E fica tudo mais fácil se Deco gastar a bola como fez no primeiro tempo em Goiânia. Cabeça sempre erguida, passes de primeira e precisos. Foi assim que ele começou a construir o gol tricolor, aos 22. Pela direita, fez lançamento para Conca dentro da área. Com um único toque, o argentino bom de bola tirou o goleiro Márcio da jogada e deixou Washington de frente para o gol. O Coração Valente só completou. Nono dele na competição, artilheiro ao lado de Bruno César (Corinthians) e Elias (Atlético-GO). Décima quarta assistência de um impressionante Conca, líder disparado do quesito no Nacional. O gol fez o jogo começar. Deco para Conca, Conca para Washington, Washington nas mãos de Márcio. Tudo de primeira, e o goleirão tirou com a ponta dos dedos.

René Simões também escalou só um atacante. O estreante Josiel, ex-Flamengo, mexeu mais nos cabelos do que tocou na bola. Elias, não. Quando o Fluminense era melhor, o camisa 10 deu as caras e achou William na entrada da área. Sem tocar na bola, o meia fugiu do cerco frágil de Julio Cesar e Valencia e bateu cruzado para empatar, aos 29.

O vacilo defensivo fez o trio de ataque do Flu reaparecer. Numa cobrança de falta da entrada da área, Deco ajeitou para cobrar. Conca chegou e também namorou a bola. Mas foi Washington quem bateu. Ela viajou, sem escalas, mas errou o pouso e parou no travessão de Márcio. A segunda na trave foi de Gum, aos 38. Deco recebeu passe na entrada da área e deu um lindo toque de letra para o zagueiro. Coisa de cinema. O chute cruzado parou no poste. Em resposta imediata do Dragão, Fernando Henrique pegou.

Pressão tricolor termina em vitória rubro-negra

Josiel. A torcida do Flamengo lembra bem dele e não sente a menor falta dos tempos de gols perdidos, entre 2008 e 2009. Os torcedores do Paraná têm saudade. Em 2007, ele fez 20 e foi goleador do Brasileirão. Contra o Fluminense, lembrou a época em que esteve na Gávea. Robston invadiu a área pela direita e bateu cruzado. O camisa 99 até chegou na bola, de carrinho, mas a jogou por cima do gol vazio. Saiu pouco depois para a entrada de Diogo.

O rendimento do Fluminense caiu, apesar de o volume tricolor ser bem maior. Em mais uma chance de Washington, o zagueiro Daniel Marques se enrolou com o goleiro Márcio, a bola sobrou para o atacante, mas o camisa 1 conseguiu se recuperar. O Dragão preferiu os contra-ataques, e Muricy Ramalho decidiu mudar. Julio Cesar não rendeu bem no meio e deu lugar a Belletti. No primeiro lance do pentacampeão, um chute no cantinho que Márcio pegou.

O Atlético já estava atrás e teve de se encolher quando o zagueiro Gilson foi expulso após receber o segundo amarelo, aos 29 minutos. Muricy mudou o time outra vez. Tirou o zagueiro André Luis e colocou o meia Marquinho. Com mais força ofensiva, o Tricolor se lançou em busca da vitória, mas com um paredão para derrubar. O time tentou por cima, pelo meio, pelas pontas, com chutes de longe. Falhou na pontaria e esbarrou no goleiro Márcio.

O empate parecia persistente, mas não chegaria ao apito final. Aos 46, num contra-ataque mortal, Anaílson lançou Diogo na área, o atacante cruzou para trás e achou Juninho, livre de marcação. O chute venceu Fernando Henrique, que saíra do gol para fechar o ângulo. Nem o céu para o Flu, nem o inferno para o Dragão.


ATLÉTICO-GO 2 X 1 FLUMINENSE
Márcio, Dida, Daniel Marques, Gilson e Thiago Feltri; Agenor, Ramalho, Robston e William (Juninho); Elias (Anaílson) e Josiel (Diogo). Fernando Henrique, Gum, André Luis (Marquinho), Leandro Euzébio; Mariano, Valencia, Julio Cesar (Belletti), Deco e Carlinhos; Washington.
Técnico: René Simões. Técnico: Muricy Ramalho.
Gols: Washington, aos 22, e William, aos 29 do segundo tempo. Juninho, aos 46 do segundo tempo.
Cartões amarelos: Gilson e Juninho (Atlético-GO). Cartão vermelho:Gilson (Atlético-GO)
Estádio: Serra Dourada, em Goiânia. Data: 11/09/2010. Árbitro:Wallace Nascimento Valente/ES. Assistentes: José Ricardo Maciel Linhares/ES e Thiago Gomes Brigido/ES.

setembro 11, 2010 Posted by | Fluminense | , | Deixe um comentário

Kleberson evita vexame no fim, e Fla empata por 2 a 2 com o Vitória

Atual campeão brasileiro chega a sete jogos sem vencer. Time baiano também está mal na tabela do Brasileirão

Dois times rubro-negros que, juntos, não venciam há 11 jogos. Diante de tantas fraquezas e poucas virtudes, Flamengo e Vitória conseguiram, pelo menos, emoção e empataram por 2 a 2 na noite deste sábado, em Volta Redonda. Mas para a tabela do Campeonato Brasileiro o resultado foi desastroso para ambos. O atual campeão chega a sete jogos sem vencer, pula para 23 pontos e segue em 16º, ‘flertando’ com a zona de rebaixamento. Um ponto e uma posição acima está o Leão.

Os dois gols do time da casa foram de Kleberson, o que prolongou o jejum dos atacantes para 1.100 minutos. Junior e Schwenck fizeram para os baianos.

No dia seguinte ao aniversário de 38 anos, Petkovic ganhou carinho da torcida, mas respondeu com uma péssima atuação e falta de educação. Ao ser substituído por Galhardo, saiu reclamando, mesmo após não ter acertado quase nada que tentou durante o jogo. Insatisfeita com mais um resultado decepcionante, a torcida do Flamengo deixou o Raulino de Oliveira aos gritos de “time sem vergonha”. Comemoração? Só com a derrota do Fluminense para o Atlético-GO por 2 a 1, em Goiânia. Ainda sem treinador, o Vitória foi comandado por seu ex e agora interino Ricardo Silva e esteve perto da vitória por duas vezes, com gols de Júnior e Schwenck. Mas as falhas defensivas impediram o triunfo.

A adesão à causa Flamengo não foi grande em Volta Redonda. A redondeza do estádio transformou-se em palanque eleitoral para distribuição de material de campanha de incontáveis candidatos. Mas faltava público. Os quase quatro mil pagantes contaminaram-se desde o início com o ranço do Maracanã. Na escalação dada pelo placar eletrônico, vaias para Val Baiano e euforia com o nome de Petkovic. Apesar de ídolo, o sérvio está tão mal quanto os companheiros na fraca campanha no Brasileiro.

O aspecto de “final” também chegou à diretoria. A presidente Patrícia Amorim participou da preleção no hotel e incentivou o grupo. Com três zagueiros e Val Baiano ao lado de Deivid no ataque, o Flamengo forçou as jogadas pelo lado direito, com boa participação de Correa.

Pressionado pelo mau momento, os primeiros dois toques de Val foram constrangedores. Mão na bola e domínio de tornozelo. A situação do Vitória não era tranquila. O meio-campo com o experiente Ramon, também de 38 anos, e o espevitado Elkeson sofreu até encaixar a primeira troca de passes produtiva.

O azar, ou coisa parecida, de Val Baiano persistiu. Correa fez bom cruzamento da direita, a zaga falhou, mas o camisa 9 não conseguiu esticar a perna e abrir o placar. Deivid não estava em caminho muito diferente. Bola para ele na entrada da área e… chute quase fora do estádio. O camisa 9 do Vitória teve pontaria melhor, aos 27 minutos. Júnior tabelou com Elkeson, bateu rasteiro e só não comemorou porque Marcelo Lomba se esticou e defendeu em dois tempos.

Foi a senha para a impaciente torcida do Fla começar a pedir raça. E pressão atualmente rima com desatenção. Afoitos, os jogadores passaram a precipitar ainda mais os passes e trocar o posicionamento. O Vitória se aproveitou. Aos 37, Ramon dominou da entrada da área e chutou no canto. Lomba espalmou. No rebote, Junior recebeu livre, mas o goleiro salvou com mais uma excelente defesa.

Os visitantes tiveram outras duas chances antes do fim do primeiro tempo e deixaram o gramado lamentando o empate. Já o Flamengo… bom, novamente sem fazer gol, o time recebeu vaias da torcida e deixou o campo procurando explicações para mais uma atuação lamentável.

Fim de jogo repleto de gols

No intervalo, Ronaldo Angelim pediu para sair, e o esquema com três zagueiros virou pó. Entrou Kleberson. A torcida não gostou e chamou Silas de “burro”. Não adiantou. Aos quatro minutos, Júnior só não marcou porque a perna esquerda de Marcelo Lomba salvou.

A insatisfação era tão grande que até o jovem Galhardo, de 18 anos, virou solução e teve o nome pedido pela torcida. No lance seguinte, por acaso, Everton Silva cruzou, Kleberson desviou e o zagueiro Anderson quase fez contra. O Vitória também não parecia muito disposto a tirar o zero do placar e acompanhou os minutos passarem tranquilamente. Do outro lado, Petkovic não gostou quando a placa subiu com seu número.

– Eu? – disse, antes de sair lentamente e sem cumprimentar Galhardo.

O que era ruim para o Flamengo ficou pior. Bem pior. Após cobrança de falta lateral, aos 25, Junior aproveitou indecisão da zaga e de Marcelo Lomba e desviou para as redes. O caos só não foi maior porque Elkeson perdeu chance pouco depois.

Os reservas deram um alento. Aos 33, Diego Maurício fez ótima jogada na esquerda, cruzou rasteiro, e Kleberson tocou à esquerda de Viáfara para empatar. A comemoração parecia final de Copa do Mundo. Silas socou o ar em direção à torcida e recebeu um abraço apertado do autor do gol.

Mas a bagunça persistiu, e o Vitória se aproveitou. Aos 38, Schwenck acertou um chute lindo de sem-pulo de fora da área, no canto direito de Marcelo Lomba. Porém, de novo nem deu tempo de comemorar. Um minuto depois, Galhardo entrou na área, foi derrubado, mas a bola sobrou para Val Baiano sem goleiro. Era a chance de o atacante pôr fim ao jejum. Ele errou, acertou a trave. Sorte que Kleberson, bem posicionado, aproveitou o rebote e fez 2 a 2.

Kleberson quase transformou-se em herói ao acertar uma linda finalização no travessão, aos 45. Ficou no quase, e os dois times saíram de campo lamentando mais dois pontos perdidos.

FLAMENGO 2 X 2 VITÓRIA
Marcelo Lomba; Jean, David Braz e Ronaldo Angelim (Kleberson); Everton Silva (Diego Maurício), Toró, Correa, Petkovic (Rafael Galhardo) e Juan; Deivid e Val Baiano. Viáfara, Léo, Wallace, Anderson Martins e Eduardo; Vanderson, Ricardo Conceição, Bida e Ramon Menezes (Renato); Elkeson (Schwenck) e Júnior.
Técnico: Silas Técnico: Ricardo Silva
Gol: Junior, aos 25, Kleberson, aos 33, Schwenck, aos 38, e Kleberson, aos 39 minutos do segundo tempo
Cartões amarelos: Val Baiano (FLA), Léo e Vanderson (VIT) Renda: R$ 92.420,00 e Público: 3.895 pagantes
Estádio: Raulino de Oliveira, em Volta Redonda (RJ). Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira (SP). Auxiliares: Ednilson Corona (Fifa-SP) e João Nobre Chaves (SP).

setembro 11, 2010 Posted by | Flamengo, Vitória | , | Deixe um comentário

Duelo de rubro-negros desesperados em Volta Redonda

Flamengo e Vitória se enfrentam neste sábado na Cidade do Aço

Sem quatro jogadores titulares, o Flamengo recebe o Vitória neste sábado, às 18h30, no Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda (RJ), pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro. Sem vencer há seis partidas e com o pior ataque da competição, o time carioca tem de vencer para afastar a crise que ronda a Gávea.

O Rubro-Negro baiano também não fica atrás. Demitiu recentemente o técnico Toninho Cecílio e não vence há cinco jogos. Não é à toa que a partida será de “seis pontos” para os dois times. Somente um ponto separam os dois rivais, que estão à beira da zona de rebaixamento.

No Fla, o técnico Silas além de ter pouco tempo para treinar o grupo, não contará com Renato, Diogo, Léo Moura e Willians, . Os dois últimos, aliás, foram os grandes destaques do Rubro-Negro nas últimas partidas, apesar dos resultados adversos.

– Estamos a uma posição da zona de rebaixamento, então, isso não pode passar despercebido. Mas temos um bom grupo e quando a vitória aparecer, vamos conseguir engrenar – disse o lateral-direito, que recebeu o terceirão cartão amarelo, na última quarta-feira, e deverá dar lugar ao jovem Rafael Galhardo.

Outros dois desfalques certos para sábado é Renato e Diogo. O apoiador nem viajou para Volta Redonda para fazer um trabalho de recondicionamento físico. O atacante, por sua vez, acabou sendo expulso infantilmente após simular um pênalti e tomar cartão vermelho.

A tendência é a de que no meio de campo, Silas volte com Petkovic e no ataque, ponha Diego Maurício ou Val Baiano. Insatisfeito com a posição de risco do Fla, Val espera reencontrar o caminho do gol e vencer o Vitória para afastar a pressão.

– Pelo grupo que temos, não era para estarmos falando sobre rebaixamento, mas não tem como ignorar quando olhamos para a tabela. Não estava aqui no ano passado, não posso saber o que mudou. Acredito que o que precisamos é de uma vitória para podermos sair dessa situação. E também falta um pouco de sorte – Val Baiano

Artilheiro Schwenck volta ao time titular

Com a demissão do técnico Toninho Cecílio, o Vitória será comandado por Ricardo Silva, que foi chamado de volta pelo presidente rubro-negro, Alexi Portela, e reassume o cargo, pelo menos, no jogo deste sábado contra o Flamengo, em Volta Redonda.

A primeira atitude de Ricardo depois de aceitar o convite de Portela foi convocar o atacante Schwenck para a partida contra o Flamengo. Artilheiro rubro-negro no Brasileirão com seis gols, o atacante não vinha sendo aproveitado.

– Confio muito no Schwenck. Ele deu muita alegria aos torcedores. Só não trago o Egídio de volta, pois ele é do Flamengo e não pode estar no grupo – comentou, admitindo que dará uma chance para o jovem lateral-direito Léo, de 21 anos, jogador das categorias de base:

– Vou observar o Léo. É um jogador do juniores e jogadores que trabalham na base do Vitória sempre têm que jogar no profissional.

O Vitória não poderá contar com o zagueiro Anderson Martins, suspenso por 30 dias pelo STJD por conta da expulsão na partida contra o Cruzeiro, dia 22 de agosto, no Ipatingão (o clube vai recorrer da decisão). Assim, Reniê deve ser o companheiro de Wallace na zaga. No lugar de Egídio, Eduardo é a única opção para a posição.

FICHA TÉCNICA

FLAMENGO X VITÓRIA

Local: Raulino de Oliveira, Volta Redonda (RJ)
Data e hora: 11/09/2010; 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)
Auxiliares: Ednilson Corona (SP) e Joao Bourgalber Chaves (SP)


FLAMENGO: Marcelo Lomba; Léo Moura, Jean, Ronaldo Angelim e Juan; Toró, Correa, Kleberson e Petkovic; Diego Maurício (Val Baiano) e Deivid; Técnico: Silas

VITÓRIA: Viáfara, Léo, Wallace, Reniê, Eduardo; Vanderson, Ricardo Conceição, Bida e Ramon; Elkeson e Júnior. Técnico: Ricardo Silva (interino).

Fonte: LanceNet

setembro 11, 2010 Posted by | Flamengo, Vitória | , | Deixe um comentário

Em meio às polêmicas, Fluminense encara o Atlético-GO, em Goiânia

Mesmo líder do Brasileiro, Tricolor vive semana conturbada

Neste sábado, o Fluminense vai até Goiânia para encarar o Atlético-GO, às 18h30 (de Brasília), no Serra Dourada. Apesar de viverem situações completamente diferentes no Brasileiro, fora de campo os dois times invertem os papéis.

O Fluminense. líder, vive uma semana conturbada, após algumas declarações de Fred, que culminaram na saída do coordenador médico do clube, Michael Simoni. Já o Atlético-GO, que vem de duas derrotas, tem crescido no Campeonato e está confiante em deixar a zona de rebaixamento.

No Fluminense, Muricy tem apenas uma dúvida para escalar o time. Sem Fernando Bob, suspenso, e com Diguinho, Diogo, Fred e Emerson lesionados, a vaga fica entre Marquinho e Belletti. O treinador não deu pistas.

– Eu gosto de definir o time nos treinamentos. Como o intervalo dos jogos está cada vez mais curto, vou levar a dúvida até a hora do jogo. Ainda não defini quem começa jogando – afirmou o comandante.

ATLÉTICO VAI AO ATAQUE

A derrota para o Grêmio não alterou os planos do Atlético na Série A, que é reagir o mais rápido possível e sair da zona de rebaixamento. Por isso, para a partida deste sábado, a ordem é atacar o adversário, mesmo ele sendo o Fluminense, líder isolado da competição e que é o time que mais fez gols fora de casa. Mesmo assim, para o técnico René Simões, a melhor defesa é o ataque e o por isso, o Dragão tem que explorar o fator casa.

– O Fluminense, se você não atacá-lo, perde o jogo, é impressionante. Não pode pensar só em defender, até porque um dos pontos frágeis do Fluminense seja, talvez, o sistema defensivo. Eles tem uma bela equipe, jogadores decisivos, mas tem que atacar ou senão não iremos conseguir nada – afirmou o treinador.

Elias, artilheiro do campeonato com nove gols, retorna após cumprir suspensão automática na quarta-feira, e terá um estreante ao lado. É Josiel, que teve o contrato rescindido com seu ex-clube e deve ser inscrito no BID até o fim do dia. O atacante admite que espera a oportunidade a muito tempo e que estrear contra o líder pode ser uma boa.

FICHA TÉCNICA:
ATLÉTICO-GO X FLUMINENSE

Estádio: Serra Dourada, Goiânia (GO)
Data/hora: 10/9/2010 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Wallace Nascimento Valente (ES)
Auxiliares: José Ricardo Maciel (ES) e Thiago Gomes Brigido (CE)

ATLÉTICO-GO: Márcio; Dida, Gílson, Daniel Marques e Thiago Feltri; Agenor, Ramalho, Robston, e William; Elias e Josiel. Técnico: René Simões.

FLUMINENSE:
Fernando Henrique; André Luis, Gum e Leandro Euzébio; Mariano, Valencia, Belletti (Marquinho), Deco, Conca e Julio Cesar; Washington. Técnico: Muricy Ramalho.

setembro 11, 2010 Posted by | Fluminense | , , , | Deixe um comentário

Imbatível no Pacaembu, Timão pega o Grêmio

Corinthians pode chegar à segunda maior sequência de invencibilidade mandando jogos no estádio

Além de perseguir a liderança do Brasileirão, o Corinthians também busca alcançar um recorde neste sábado, contra o Grêmio, no Pacaembu. Se não for derrotada na partida, a equipe de Adilson Batista irá atingir a segunda maior sequência sem perder atuando no estádio, com 24 jogos. O maior período que já ficou sem derrotas foi entre 2 de agosto de 2008 e 6 de maio de 2009, quando, sob comando de Mano Menezes, o Timão ficou 26 partidas sem saber o que era derrota.

No primeiro turno deste Brasileirão, o Corinthians venceu todas as partidas em que foi mandante, algo inédito na História da competição disputada por pontos corridos. Na última partida, massacrou o Goiás com uma vitória por 5 a 1 no estádio.

Até mesmo Adilson Batista tenta entender o motivo de tamanha força corintiana atuando no Pacaembu.

– No Pacaembu, não sei se é a força da torcida, o conhecimento do campo ou o ambiente. Mas os jogadores se sentem melhor – disse o treinador, durante a entrevista coletiva na última sexta-feira, no Parque São Jorge.

Para conseguir atingir esse objetivo, Adilson mantém o mistério para escalar a equipe. Sem Dentinho e Chicão, machucados, e Alessandro, suspenso, Adilson manteve o suspense sobre Roberto Carlos e Ronaldo.

– Isso a gente tem conversado com o departamento médico, com os fisiologistas, os preparadores e também com os atletas. Ainda temos um tempo hábil para decidir se vão jogar ou não – afirmou Adilson ontem.

Mesmo na lista dos relacionados para a partida, a dupla ainda tem presença duvidosa. Ronaldo esteve me campo no ontem, no Parque São Jorge, mas Roberto Carlos apenas trabalhou na academia do clube.

Se o Grêmio derrotar o Corinthians, se livrará de mais uma gozação dos colorados: a de que estaria completando um ano sem vencer fora de casa no Brasileirão. A última vitória aconteceu em 13 de setembro de 2009: 2 a 0 sobre o Náutico, nos Aflitos, com gols de Souza e Jonas.

Os dois estarão em campo no Pacaembu. No caso de Souza, não se sabe qual será sua função – se a de meia, dividindo a armação com Douglas, ou a de segundo-volante, ajudando Adilson a carregar o piano.

– Só vou revelar o time pouco antes da partida – desconversou o técnico Renato Gaúcho na entrevista coletiva que se seguiu ao rachão da sexta-feira.

Souza,que gosta de jogar solto, foi volante na vitória de 2 a 0 sobre o Atético-GO, quarta-feira, no Olímpico. E se comportou com invejável disciplina tática: ficou recuado, fechando espaços. Depois, aprovou a ousadia de Renato, dizendo que é hora do sacrifício para tomar distância da zona de degola.

Todas essas dúvidas se devem ao desfalque de Fábio Rochemback, volante titular, com lesão no tornozelo esquerdo. Outros meio-campistas freqüentam o departamento médico: Willian Magrão, com lesão muscular, e Leandro, cortado da viagem para São Paulo devido a dores ciáticas.

O Grêmio está invicto há quatro partidas: empates com Atlético-PR e Botafogo fora de casa e vitórias sobre Guarani e Atlético-GO no Olímpico. Ocupa a 14ª posição, com 23 pontos.


FICHA TÉCNICA:
CORINTHIANS X GRÊMIO

Estádio: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 10/9/2010 – 18h30
Árbitro: Francisco Carlos Nascimento (AL)
Auxiliares: Pedro Jorge Santos de Araújo (AL) e Guilherme Dias Camilo (MG).

CORINTHIANS: Julio Cesar, Moacir, Paulo André, William e Roberto Carlos (Leandro Castán); Ralf, Jucilei, Elias e Bruno César; Jorge Henrique e Ronaldo. Técnico: Adilson Batista.

GRÊMIO: Victor, Gabriel, Vilson, Rafael Marques e Fábio Santos; Adilson, Souza, Douglas e Roberson; Jonas e Borges. Técnico: Renato Gaúcho.

setembro 11, 2010 Posted by | Corinthians, Grêmio | , , | Deixe um comentário

Irritado, Felipão faz desabafo e prega ‘escolinha’ no Palmeiras

Treinador Alviverde revela chateação com comentários sobre sua declaração de que equipe parecia ‘time de várzea’ contra o Vitória

O técnico Luiz Felipe Scolari mostrou-se irritado com a repercussão de suas últimas declarações sobre a postura do Palmeiras no empate em 1 a 1 com o Vitória, na última quarta-feira, em Salvador. Antes de iniciar a entrevista coletiva nesta sexta-feira, na Academia de Futebol, o treinador revelou a sua insatisfação com a proporção que alguns comentários ganharam depois de suas palavras no Barradão.

Após a partida com o Vitória, o treinador criticou o comportamento da equipe em campo, dizendo que ocorreram “erros absurdos, infantis, típicos de futebol de várzea”. Apesar da declaração forte, o treinador afirmou que não tem encontrado problemas na convivência com seus jogadores.

– A torcida do Palmeiras vai ter sempre em mim alguém que diz o que acontece. Não vou passar mel no que está errado. Infelizmente, por ser sincero, transparente e dizer a verdade de cara, eu sou mal-interpretado. Não vou fazer mais isso. Só vou responder o trivial porque aí ninguém vai saber o que estou pensando ou como vou agir. A torcida será atendida em todos os momentos do nosso trabalho, ainda mais nas dificuldades. Esse momento difícil eu quero superar com trabalho – afirmou o treinador, antes de abrir para as questões.

Para melhorar a equipe, Felipão prometeu se empenhar nos fundamentos básicos com os jogadores. O treinador afirmou também que não deixará de passar aos seus atletas coisas que eles já deveriam saber desde a base do futebol e citou o lateral-esquerdo Júnior, com quem trabalhou no Palmeiras (em sua primeira passagem) e na Seleção Brasileira, e que atualmente está no Goiás.

– Algumas vezes (o problema) é falta de qualidade, mas o mundo não pode cair em cima de mim. Você aprende determinadas coisas desde a escolinha, eu estou tentado fazer isso agora. Provavelmente, quem vier depois de mim, vai encontrar alguns com melhor posicionamento. O Júnior, quando o conheci, nem pisava com o pé direito e agora faz até gol – recordou-se Felipão
Atualmente o Palmeiras ocupa a 12ª posição no Brasileiro, com 25 pontos. A equipe tentará melhorar sua posição na tabela neste domingo, contra o Vasco, no Pacaembu.

setembro 11, 2010 Posted by | Palmeiras | , | Deixe um comentário

Ganso se livra de uma das muletas e já apoia a perna esquerda no chão

Jogador não precisa mais de apoio para o lado do joelho operado. Até o fim do mês, o camisa 10 voltará a caminhar sem amparo

O meia Paulo Henrique Ganso, do Santos, já começa a apoiar a perna esquerda no chão. Nesta sexta-feira, ele deixou de usar a muleta esquerda, que servia para amparar o joelho que operou no dia 27 de agosto. Ele teve de passar por um procedimento para reconstrução do ligamento cruzado anterior, que rompeu durante confronto contra o Grêmio, em Porto Alegre, no dia 25 de agosto. Ganso seguirá usando muleta do lado direito, para ajudar na locomoção, até o fim do mês, quando voltará a caminhar normalmente, sem nenhum amparo.

De acordo com relato da assessoria de imprensa do clube, Ganso apareceu na sala dos jornalistas que trabalham a serviço do Peixe bastante sorridente, mostrando que não estava mais usando uma das muletas e que já começava a apoiar a perna operada no chão.

A partir do terceiro mês, Ganso inicia corridas na esteira. Entre o quarto e quinto mês, o camisa 10 começa a correr com mudanças de direção. E só por volta do sexto vai ao gramado. Ele só deverá voltar a jogar futebol no fim de fevereiro de 2011.

setembro 11, 2010 Posted by | Santos | | Deixe um comentário

Fernandão credita melhora individual à aproximação do Tricolor em campo

Atacante diz que jogo mais importate é sempre o próximo. São Paulo encara o Botafogo neste domingo, no Engenhão, pelo Campeonato Brasileiro

Fernandão chegou ao São Paulo nas quartas de final da Libertadores. Estreou contra o Cruzeiro e foi importante para que o time passasse às semifinais. Mas após a eliminação diante do Internacional, o Tricolor amargou uma crise. As vitórias não apareciam, muito menos os gols. Aos poucos, Sérgio Baresi conseguiu arrumar a equipe, que agora vem de três triunfos seguidos e busca o quarto contra o Botafogo, neste domingo, no Engenhão, pelo Brasileiro. O atacante também subiu de produção. Contra o Flamengo, foi um dos destaques, marcando seu sétimo gol na competição e se firmando como artilheiro do time no campeonato. Ele explica o motivo do crescimento: a aproximação do time em campo.

– A minha subida de produção tem a ver com o grupo, que começou a jogar mais próximo. O aproveitamento melhorou, mas isso só vem com o coletivo. Quando cheguei jogavam Marlos e Dagoberto, que também são rápidos, e a formação tática era praticamente a mesma de hoje. O que mudou foi que crescemos mais na compactação, chegando com mais gente no ataque e marcando o adversário de forma mais adiantada.Quando você é pivô precisa dessa aproximação não só de atacantes mais rápidos, mas de todos, para tentar o gol em uma tabela – explicou o camisa 15.

O São Paulo está em oitavo lugar na tabela do Brasileiro, com 28 pontos, a seis de distância do G-4. O Botafogo está em terceiro, com 34 pontos, joga em casa e vem de uma vitória importante sobre o Santos. É o adversário mais difícil do Tricolor até agora? Fernandão diz que o próximo é sempre o mais complicado.

– Independentemente do adversário, precisamos de uma sequência, é o mais importante neste campeonato, e a partir do momento que o time encaminha três, quatro vitórias, passa a brigar por outros objetivos. O próximo adversário sempre será o mais difícil, e temos que viver cada jogo intensamente. Um vitória sobre quem está em cima reforça o grupo e impede que o oponente se distancie mais – acrescentou o atacante.

setembro 11, 2010 Posted by | São Paulo | | Deixe um comentário

Jogadores do Vasco revelam que árbitro falou ‘gracinhas’ durante duelo

Cléber Abade virou alvo de polêmica após supostos erros apontados pelos cruzmaltinos, contra o Galo, e relatar na súmula ameaças sofridas no fim

A atuação do árbitro Cléber Wellington Abade (SP) no empate entre Vasco e Atlético-MG, na última quinta-feira, seguiu repercutindo em São Januário após o treino desta sexta. Questionado sobre a recorrente impunidade aos juizes, enquantos jogadores e treinadores sofrem sanções do STJD com frequência, Zé Roberto disse que soube que seus companheiros ouviram “gracinhas”.

– Desde que comecei, já escutei muitas besteiras de árbitro, e é difícil falar que a, b ou c foi dito, pois não tem como provar. Alguns por aí realmente tem um comportamento ruim. Se nós perdermos a cabeça, somos punidos, já que eles têm o poder. Então, é melhor focar só no futebol, por mais difícil que seja às vezes – avaliou o meia-atacante, que não atuou na última rodada, e ouviu os relatos revelados pelo elenco antes da atividade.

Abade, inclusive, expulsou PC Gusmão no fim do jogo, marcou um pênalti constestado pelos cruzmaltinos – teria havido falta em Jonathan no início do lance – e relatou na súmula que foi ameaçado por dois homens não identificados ao fim do confronto, na Colina.

O volante Jumar, improvisado na lateral esquerda mais uma vez diante do Galo, prefere deixar o caso com a diretoria, para que providência sejam tomadas. Mas acha que o Vasco poderia ter tido outro destino na partida.

– Não tive nenhum problema com o árbitro, mas soube que aconteceu algo assim no jogo. Cabe à diretoria ver o que está acontecendo, porque isso pode atrapalhar em campo. Acho que o resultado foi injusto, fomos prejudicados. Mas não dá para definir a postura do árbitro.

setembro 11, 2010 Posted by | Vasco da Gama | | Deixe um comentário

Roth indica time com Giuliano como substituto de Sobis

Antes do treino, técnico conversa com 11 jogadores, os prováveis titulares para o jogo contra o Goiás

A saída de Rafael Sobis implica na entrada de Giuliano no time titular do Inter. Foi o que indicou o técnico Celso Roth na tarde desta sexta-feira, no Beira-Rio. Antes do treinamento, o comandante colorado reuniu 11 atletas para uma conversa. São os prováveis escolhidos para a partida de domingo, contra o Goiás.

Sobis sofreu lesão muscular na partida contra o Cruzeiro. Ele ficará um mês parado. Giuliano já estava no time, mas como substituto de D’Alessandro, que estava a serviço da seleção argentina e agora volta ao time. Faltava definir se Roth manteria Giuliano ou escolheria outro atleta para a vaga de Sobis. Ele preferiu a primeira opção.

Com isso, o Inter deve ir a campo contra o Goiás com Renan, Nei, Bolívar, Índio e Kleber; Wilson Matias, Guiñazu, Tinga, Giuliano e D’Alessandro; Leandro Damião.

setembro 11, 2010 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário

Renato é vítima da caixinha que ele mesmo instituiu: R$ 500,00

Jogadores cobram técnico do Grêmio depois de telefone celular tocar durante preleção. Renato brinca que é 25% do salário dele

Feitiço contra o feiticeiro. O técnico do Grêmio, Renato Gaúcho, impôs uma série de regras quando colocou os pés no Olímpico. Para cada infração, uma multa. A famosa “caixinha” recebeu dinheiro de atletas acima do peso, de profissionais que chegaram atrasados e até por toque de celular em horário indevido. O problema é que, no último caso, o multado foi o próprio Renato.

O treinador revelou, na manhã desta sexta-feira, que o elenco cobrou dele uma multa pelo toque de celular durante a preleção para o jogo contra o Atlético-GO. O jeito foi aceitar.

– Eles me cobraram uma multa de R$ 500 porque meu celular tocou na preleção passada. O grupo se reuniu, pediu minha presença e me comunicou a multa. Tudo bem: se eu multo, tenho que ser multado também – disse o treinador, rindo da própria situação.

Renato brincou que a multa é muito pesada. Disse que ela equivale a 25% do salário dele. É longe, bem longe disso, mas fica visível que o treinador coloca o bom humor como estratégia de trabalho. Os treinos no Grêmio são descontraídos, com os jogadores brincando entre si e tendo liberdade para tirar onda com o próprio chefe.

– A alegria é sempre importante. Gosto de trabalhar assim. Falo isso para o grupo. Em qualquer profissão, trabalhando com alegria, rende mais. Meu grupo está confiante e animado, mas com responsabilidade – afirmou Renato.

O Grêmio não perde há quatro rodadas. Neste sábado, visita o Corinthians às 18h30m. Uma vitória afasta de vez o Tricolor da zona de rebaixamento do Brasileirão e o coloca na área de classificação para a Sul-Americana.

Com informações do ClicRBS.

setembro 11, 2010 Posted by | Grêmio | , | Deixe um comentário

Muricy Ramalho exalta Conca: ‘O que se paga para ele é até pouco’

Técnico destaca a importância do meia para o Fluminense. Camisa 11 é líder disparado de assistências do Campeonato Brasileiro

Muricy Ramalho vê em Conca um exemplo de jogador. Participativo, talentoso, aguerrido. Não é para menos. O argentino bom de bola é o destaque do time no Campeonato Brasileiro. Os números não mentem: dos 35 gols marcados pelo líder da competição, 13 saíram de assistências do camisa 11. É o melhor do quesito e com folga. Os segundos colocados, Thiago Ribeiro (atacante do Cruzeiro) e Marcelo Cordeiro (lateral-esquerdo do Botafogo), têm seis cada.

Para o técnico tricolor, nenhuma novidade. Muricy é fã de Conca há tempos e demonstrou interesse no jogador na época em que trabalhou no São Paulo. Nesta sexta-feira, em entrevista coletiva nas Laranjeiras, elogiou tanto o meia que até o indicou para a folha de aumento.

– A fase dele é boa faz tempo. Não sei há quantos anos ele está no Fluminense, mas vejo ele bem há quatro anos, desde os tempos de Vasco. Está sempre atento no jogo. O mais importante dele é isso. É um jogador que quer todo dia, argentino, de espírito guerreiro, briga o tempo todo, mesmo sem o porte físico ideal. Joga todas, o custo-benefício dele é muito alto. É o tipo de jogador que para um time de futebol é superimportante. É um atleta que, por estar sempre jogando, o que se paga para ele é até pouco – disse.

Conca chegou ao Fluminense em 2008 e tem contrato até dezembro de 2011. O argentino foi o único jogador do grupo a disputar as 20 partidas que a equipe fez até agora no Nacional. Neste sábado, ele estará em campo mais uma vez, contra o Atlético-GO, no Serra Dourada, em Goiânia. A partida será às 18h30m. O Tricolor tem 41 pontos e está três à frente do vice-líder Corinthians.

setembro 11, 2010 Posted by | Fluminense | | Deixe um comentário

Fla abre treino, torcida ironiza, e Deivid reclama

Val Baiano é principal alvo dos rubro-negros em Volta Redonda, e companheiro de ataque o defende: ‘É falta de respeito’

O Flamengo foi simpático à torcida, em sua nova casa, e abriu os portões do estádio da Cidadania, no treino desta sexta-feira. Parte dos 60 torcedores que estiveram no local não entenderam a gentileza e passaram quase todo o tempo ofendendo e ironizando os jogadores, principalmente Val Baiano.

O atacante, no entanto, não se abateu e foi o último a deixar o gramado. A cada finalização errada, ele ouviu gracinhas e termos pejorativos.

Mas houve quem se incomodasse. Deivid lamentou a falta de respeito com o companheiro e disse que no exterior os torcedores não têm esse comportamento nos treinos.

– Acho besteira, lá fora não se vê isso. Tem que incentivar porque está todo mundo em um lado só. É uma falta de respeito. Quando abre o portão acontece isso, quando fecha reclamam – desabafou o camisa 99.

O técnico Silas também pediu apoio a Val Baiano, que em oito jogos pelo Flamengo não balançou as redes.

– Ele não esqueceu. A torcida tem que dar carinho que ele vai dar o retorno – declarou o treinador.

Sem o Maracanã, o Flamengo – que não vence há seis partidas e não balança as redes há três – vai mandar o jogo contra o Vitória, neste sábado, em Volta Redonda. A expectativa é de pouco mais de 5 mil torcedores no estádio. A partida começa às 18h30m (de Brasília), e o GLOBOESPORTE.COM acompanha em Tempo Real, com vídeos.

As manifestações da torcida:

“Val Baiano, você é um m… mesmo”
“Val Baiano, nem em rachão você faz gol”
“Que saudade do Adriano, meu Deus”
‘Maldonado titular”
“Val Baiano é melhor que Pelé”
“Diego Maurício, ensina para o Baiano como se chuta a gol”
“Aqui em Volta Redonda a pressão é essa. Vão ouvir muito no jogo”
“Vinícius Pacheco nunca mais”

setembro 11, 2010 Posted by | Flamengo | , , | Deixe um comentário

Cuca muda a equipe para encarar o Avaí, neste domingo, na Ressacada

Técnico tem vários desfalques, mas também tem alguns reforços no elenco

O técnico Cuca comandou coletivo na Toca da Raposa II e deu mostras de que mexerá na equipe que venceu o Internacional, na última quarta-feira, em Uberlândia. O treinador terá vários desfalques, mas contará com alguns reforços para encarar o Avaí, no domingo, às 16h (de Brasília), em Florianópolis.

O volante Fabrício, recuperado das dores musculares na coxa direita, treinou no meio-campo e voltará ao time na vaga de Everton, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Já o zagueiro Edcarlos, que cumpriu suspensão diante do Inter, entrará na zaga. A surpresa ficou por conta da saída de Gil da equipe, um dos destaques contra o Colorado. A defesa ficará a cargo de Léo e Edcarlos.

Sem Montillo e Wellington Paulista, que deverão voltar apenas contra o Guarani, na próxima semana, o ataque foi formado por Wallyson e Ernesto Farías. Com isso, a Raposa deverá encarar o Avaí, na Ressacada, com Fábio; Jonathan, Edcarlos, Léo e Diego Renan; Fabrício, Henrique, Marquinhos Paraná e Roger; Farías e Wallyson.

setembro 11, 2010 Posted by | Cruzeiro | , , | Deixe um comentário

De olho na ‘final’ contra o Flu, Adilson foge de polêmica com a arbitragem

Treinador lembra julgamento de Felipão, mostra opinião diferente do presidente Andrés Sanches e diz que categoria carece de maior investimento

Irritado com o pênalti marcado contra o Corinthians na partida da última quarta-feira, contra o Atlético-PR, em Curitiba, o presidente alvinegro, Andrés Sanches, disse na quinta que acha muito estranho que erros não aconteçam contra o Fluminense, rival da equipe do Parque São Jorge na briga pelo título. Os dois times disputam a liderança rodada a rodada e se enfrentam na próxima quarta-feira, no Engenhão.

– Não acredito (em favorecimento). Mas, contra o Fluminense, nunca tem erro – reclamou.

Questionado sobre o assunto na coletiva desta sexta-feira, o técnico Adilson Batista disse que respeita a opinião do dirigente corintiano, mas deixou claro que tem um pensamento um pouco diferente.

– Estou preocupado apenas com o Corinthians. Não vou ficar brigando com a arbitragem. Prefiro ficar trabalhando aqui na segunda-feira do que ter de ir ao Rio me explicar no STJD – afirmou o treinador.

A situação mencionada acima pelo comandante corintiano aconteceu com o colega Luiz Felipe Scolari, do Palmeiras. Expulso na partida contra o Atlético-PR, ele teve de ir ao Rio para se defender no julgamento e evitar uma punição que poderia chegar a 12 partidas. Para isso, ele não pode comandar um treino na Academia de Futebol.

Adilson Batista disse que, antes de ficar questionando a arbitragem no futebol brasileiro, é preciso dar condições de trabalho a esses profissionais.

– Eles (árbitros) precisam desenvolver o trabalho. Recentemente, fiz um jogo no Mineirão e, na volta, numa segunda, fui até Curitiba. No voo, encontrei o Braatz (Roberto Braatz, auxiliar). Ele iria descer em Curitiba e viajar mais uma 1h10m de carro até a sua cidade. No dia seguinte, ele já estava bandeirando em um jogo da Libertadores. Cadê o tempo de preparação? É preciso investir, pagar melhor, dar condição a eles. Eu não vou ficar brigando com a arbitragem não – ressaltou o treinador.

setembro 11, 2010 Posted by | Corinthians, Figueirense | , | Deixe um comentário

Botafogo lançará card do Loco Abreu ensinando a fazer a cavadinha

Imagem do atacante também será exibida no telão antes do jogo de domingo

O Botafogo quer aproveitar o bom momento de Loco Abreu com a torcida após o gol da vitória sobre o Santos. No domingo, o departamento de marketing do clube irá lançar um card do atacante antes da partida contra o São Paulo, no Engenhão. Quarenta crianças de uma escola pública serão as primeiras presenteadas com o card do jogador.

– As crianças receberão um card do Loco ensinando a cobrar o pênalti com a cavadinha, uma marca do jogador – contou o diretor de marketing do clube, Marcelo Guimarães.

A diretoria do Glorioso ainda afirma que terá surpresas antes do início do jogo de domingo. A imagem de Loco Abreu será exibida no telão do Engenhão e precederá a atração, que está sendo tratada com sigilo.

– A ideia é transformarmos cada vez mais a nossa arena no centro de divulgação dos nossos novos projetos – afirmou o presidente do clube, Mauricio Assumpção.

setembro 11, 2010 Posted by | Botafogo | | Deixe um comentário