Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

São Paulo reforça reação e afunda o Atlético-MG com vitória de virada

Com boa atuação do jovem Marcelinho, Tricolor faz 3 a 2 sobre o Galo em Ipatinga e alcança segundo triunfo seguido no Brasileirão


Dois gigantes do futebol nacional fecharam suas participações no primeiro turno em rumos opostos. Com a vitória por 3 a 2 de virada em Ipatinga, neste domingo, o São Paulo reforçou sua reação no Campeonato Brasileiro, conquistando o segundo triunfo consecutivo – e completando quatro jogos sem derrota. O destaque foi o jovem Marcelinho, autor de um gol, uma assistência e boas jogadas. Já o Atlético-MG se afundou na classificação. Além de não conseguir deixar a zona de rebaixamento, ocupando o 17º lugar, está agora a três pontos do Grêmio, primeiro time fora da área de risco.

Ainda com 17 pontos, o time inicia a segunda metade do Brasileirão enfrentando o Vasco em São Januário, na próxima quinta-feira, às 21h. Um dia antes, o São Paulo – que chegou aos 25 e está em décimo lugar – recebe o Flamengo no Morumbi, às 22h.

Obina marca duas vezes de pênalti

Em situações complicadas no Campeonato Brasileiro, Atlético e São Paulo não perderam tempo e, logo que a bola rolou, partiram para o ataque. O Galo levava perigo principalmente no lado esquerdo, onde Eron e Neto Berola levavam a melhor sobre Jean. Já o São Paulo usava a velocidade, mas abriu o placar usando os chutes de efeito.

O aviso foi dado quando Dagoberto arriscou de fora da área, e Fábio Costa espalmou para escanteio. Na cobrança, Junior Cesar acertou um chute venenoso, que o goleiro atleticano rebateu para a frente. A bola caiu no pé direito de Casemiro, que apenas completou para o gol, fazendo 1 a 0 aos dez minutos.

Apesar da desvantagem, o Atlético continuou a buscar o ataque e não demorou muito para chegar ao empate. O árbitro viu pênalti de Miranda em Obina numa bola levantada na área, e próprio atacante cobrou no canto superior direito de Rogério Ceni aos 17 minutos, fazendo 1 a 1.

A partir de então, o time mineiro ganhou moral e chegou perto da virada aos 24, quando Obina recebeu cruzamento e cabeceou uma bola que passou rente à trave direita do goleiro são-paulino. Com a pressão do Galo, os visitantes encontraram espaços e quase retomaram a liderança do placar aos 29. Marcelinho recebeu livre e ficou frente a frente com Fábio Costa, que defendeu o chute com a perna direita.

No entanto, o Atlético fez valer sua superioridade e chegou à virada em novo gol de pênalti de Obina, cobrado aos 38 minutos, depois que Serginho foi derrubado por Casemiro dentro da área. O atacante, que cobrou novamente no canto direito de Rogério, mas desta vez rasteiro, marcou seu quinto gol no Brasileiro, o quarto em penalidade máxima.

São Paulo acorda no segundo tempo e alcança virada

Com a vantagem nas mãos, o Atlético voltou para o segundo tempo disposto a deixar o tempo correr para segurar o ímpeto do São Paulo. Mas a segurança deu lugar à acomodação, a qual o Tricolor aproveitou para empatar a partida logo aos dez minutos. Richarlyson avançou pela esquerda e cruzou rasteiro para Marcelinho. Mesmo marcado por dois adversários, o meia de 18 anos conseguiu tocar e marcar seu primeiro gol como profissional.

O empate abalou a estrutura emocional do Atlético, que piorou seu posicionamento e mostrou-se ainda mais desatento. O São Paulo se aproveitou disso para virar o placar, aos 15 minutos. Marcelinho fez grande jogada pelo lado direito e tocou para trás. Rafael Jataí tentou dominar, mas deixou a bola para Fernandão, que tocou para fazer o terceiro.

Com a vantagem no placar, o São Paulo decidiu se fechar na defesa e tentar explorar os contra-ataques. Apesar de não mostrar competência nas conclusões, contou com a má pontaria do Atlético e da competência de Rogério Ceni, que aos 43 minutos fez boa defesa em chute de
Serginho.

ATLÉTICO-MG 2 X 3 SÃO PAULO
Fábio Costa, Diego Macedo, Réver, Werley e Eron; Rafael Jataí (Jackson), Serginho, Ricardinho (Mendez) e Fabiano; Obina e Neto Berola (Ricardo Bueno). Rogério Ceni, Jean, Renato Silva, Miranda e Junior Cesar (Cléber Santana); Rodrigo Souto, Richarlyson, Casemiro e Marcelinho (Samuel); Dagoberto (Jorge Wagner) e Fernandão.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo. Técnico: Sérgio Baresi.
Gols: Casemiro, aos 10, Obina, aos 17 e aos 38 minutos do primeiro tempo; Marcelinho, aos 10, Fernandão, aos 15 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Eron, Neto Berola, Obina (Atlético-MG); Miranda, Renato Silva, Dagoberto, Casemiro (São Paulo).
Estádio: Ipatingão, em Ipatinga (MG). Data: 05/09/2010. Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO). Auxiliares: Alessandro Álvaro Rocha de Matos (Fifa/BA) e Fabrício Vilarinho da Silva (GO).

setembro 5, 2010 Posted by | Atlético-MG, São Paulo | , | Deixe um comentário

Atlético-GO goleia o Vitória e retoma a recuperação no Brasileirão

Ex-lanterna da competição chega à 18ª colocação. Elias, com dois gols e duas assistências, comanda nova vitória dos goianos: 4 a 1


Se a derrota para o São Paulo freou a recuperação do Atlético-GO no Brasileirão, o Dragão tratou de retomar a arrancada com uma goleada de 4 a 1 sobre o Vitória, neste domingo, no Serra Dourada. Elias, com dois gols e duas assistências, comandou o time goiano na soma de mais de três pontos com ajuda oportuna de Juninho, que também fez dois. Pelo lado dos baianos, Elkeson marcou.

O resultado impulsiona o Atlético para os 17 pontos, agora em 18º, ganhando uma posição com a derrota do Grêmio Prudente (16) para o Inter. Já o Leão caiu para a 15ª, com 22. Na próxima rodada, os goianos vão até Porto Alegre encarar o Grêmio às 19h30m da próxima quarta-feira. Os baianos, por sua vez, recebem o Palmeiras às 22h do mesmo dia.

O jogo

Atlético e Vitória fizeram um primeiro tempo de poucas chances de gol, principalmente por causa de seus próprios erros no ataque. Os donos da casa pecavam no último passe, enquanto os visitantes não conseguiam acertar o gol.

Em uma das poucas jogadas em que teve êxito na construção da jogada até o fim, o Dragão quase marcou. Aos 15 minutos, Pituca roubou bola no campo de defesa e partiu em disparada para o contra-ataque. Tabelou com Elias e deixou o companheiro na cara do gol, mas o camisa 10 chutou para fora.

O Vitória, que já havia dado dois chutes tortos com Júnior, respondeu aos 28, de novo com o Diabo Louro. Com 28 de jogo, Elkeson deu passe para o camisa 9 na área, a defesa atleticana parou pedindo impedimento, mas o atacante chutou no travessão.

A equipe baiana ameaçou de novo aos 42, através da bola parada. Pela esquerda, Bida bateu falta para a área, Gabriel subiu mais do que todo mundo e cabeceou à esquerda, com muito perigo.

Dois minutos depois, o gol do Atlético. Em mais um contra-ataque, agora foi a vez de William deixar Elias em boas condições na grande área. Ele fingiu que ia bater com o pé esquerdo, driblou um marcador e com o direito bateu rasteiro no canto oposto.

Substituições mudam a partida

O técnico Toninho Cecílio fez uma substituição no intervalo que mudou alguns jogadores de posição. Ele colocou o meia Thiago Humberto no lugar do lateral-esquerdo Egídio. Gabriel, que estava na direita, foi jogar na posição do camisa 6. E Ricardo Conceição passou a atuar na lateral pelo outro lado.

Com um armador a mais, o Vitória iniciou uma pressão e quase chegou ao empate. Júnior recebeu na área, pelo lado esquerdo, e mandou uma bomba dali mesmo. Márcio espalmou para escanteio.

Mas foi o Atlético-GO quem marcou. René Simões também promoveu uma alteração aos seis. Tirou Pedro Paulo para a entrada de Juninho. E cinco minutos depois, o atacante recebeu de Elias na área e tocou na saída de Viáfara para fazer 2 a 0.

O Dragão ainda teve a chance de ampliar, mais uma vez com a dupla Elias-Juninho. Aos 23, o camisa 10 recebeu passe do atacante e bateu rasteiro. Viáfara defendeu com os pés.

O Vitória não desistiu e conseguiu diminuir a vantagem aproveitando uma coincidência em mais uma substituição. Elkeson seria substituído por Evandro, mas Soares se machucou e teve que deixar o jogo. O camisa 10 do time baiano ficou em campo e, aos 28 minutos, cobrou falta com perfeição, no ângulo direito de Márcio.

A noite, entretanto, era do outro camisa 10, Elias. O armador do time goiano participou de mais dois gols que transformaram a vitória em goleada. Aos 38 minutos, ele bateu pênalti sofrido por Diguinho no meio de gol. E aos 42, deu belo passe para Juninho entrar na área e marcar o quarto.

ATLÉTICO-GO 4 X 1 VITÓRIA
Marcio, Vitor Ferraz (Erandir), Welton Felipe (Jairo), Gilson e Thiago Feltri; Agenor, Pituca, William, Elias e Diguinho; Pedro Paulo (Juninho). Viáfara, Gabriel, Wallace, Anderson Martins e Egídio (Thiago Humberto); Vanderson, Ricardo Conceição, Bida (Kleber Pereira) e Elkeson, Soares (Evandro) e Júnior.
Técnico: René Simões. Técnico: Toninho Cecílio.
Gols: Elias, aos 44 minutos do primeiro tempo; Juninho, aos 11, Elkeson, aos 28 minutos, Elias, aos 38, Juninho, aos 42 do segundo tempo
Cartões amarelos: Vitor Ferraz, Elias, William (Atlético-GO); Wallace, Thiago Humberto (Vitória).
Local: Serra Dourada, em Goiânia (GO). Data: 05/09/2010. Árbitro:Antônio Hora Filho (SE) . Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho (Fifa/SP) e Guilherme Dias Camilo (MG).

setembro 5, 2010 Posted by | Vitória | , | Deixe um comentário

Aproximação vermelha: Inter bate o Prudente e aumenta caça aos líderes

Colorado vence por 2 a 0 no Beira-Rio, com gols de Sobis e Damião, e diminui para sete pontos a distância para o Fluminense


A caça continua. E um bocado mais forte. O Inter venceu o Grêmio Prudente por 2 a 0 na noite deste domingo, no Beira-Rio, e atalhou em três pontos o caminho que o distancia do Fluminense, líder do Campeonato Brasileiro. Rafael Sobis e Leandro Damião, em cruzamentos preciosos de Kleber, fizeram os gols que levaram o Colorado a 31 pontos, na quarta colocação. O resultado fez o time paulista mergulhar um pouco mais na zona de rebaixamento. É o penúltimo, com 16 pontos, quatro atrás do Grêmio, o primeiro clube fora do grupo da queda.

Como o Fluminense perdeu para o Guarani horas antes, o Inter conseguiu diminuir para sete pontos o afastamento do líder. E tem um jogo a menos. O Corinthians, seis pontos à frente, também está na alça de mira vermelha. O terceiro colocado é o Santos, com os mesmos 31 pontos dos gaúchos.

O Colorado tenta colar de vez nos líderes na próxima quarta-feira, quando visita o Cruzeiro em Minas Gerais. O Prudente, um dia depois, busca recuperação em casa, contra o Avaí.

Bocejos. O primeiro tempo no Beira-Rio teve aquele jeitão de jogo marcado por atuações que nem fedem, nem cheiram. Não que Inter e Grêmio Prudente tenham jogado mal: não é isso. A questão é que produziram qualquer coisa, menos emoção em grande dose. Em 45 minutos chochos, restaram alguns chutes de longe, outros cabeceios aleatórios e uma bola no travessão

O Inter foi mais pragmático do que o normal. O Prudente foi ousado no máximo que pode, o que não é lá grande coisa. Foi uma etapa inicial de troca de passes na intermediária, de ocupação de espaços, de tentativas pouco animadoras. O Colorado, mesmo que tenha Giuliano como uma opção de causar inveja em qualquer time brasileiro, sente falta da canhotinha de D’Alessandro, a serviço da seleção argentina.

O negócio foi chutar de longe. O Prudente tentou com Marcelo Oliveira e João Vítor. Nada. O Inter arriscou com Rafael Sobis e Giuliano. Nada. Do lado vermelho, a melhor chance foi com Leandro Damião. Aos 11 minutos, ele cabeceou dentro da área, alto. A bola viajou e quase encobriu o goleiro Giovanni, que esticou músculos e ossos para espalmar a escanteio.

Mas o grande lance da etapa inicial foi justamente o último, e a favor do Prudente. Marcelo Oliveira mandou uma pancada cruzada da esquerda e acertou o travessão de Renan. Foi uma questão de centímetros…

O Inter ainda lamentou um pênalti não-marcado em Leandro Damião. Giuliano fez linda jogada na esquerda e mandou o cruzamento. A bola atravessou a área e ficou com o centroavante, que foi derrubado por João Vítor. O árbitro Cláudio Mercante mandou o jogo seguir

Veio o segundo tempo, veio mais um cruzamento daqueles que só Kleber tira da chuteira esquerda, veio o cabeceio de Rafael Sobis, veio o gol. Veio o alívio para o Inter. Se o primeiro tempo foi insosso, o segundo começou com aquilo que o Colorado mais precisava: o gol, o resultado, os três pontos para aumentar a caça aos líderes.

O Prudente não é sensível a mudanças. Antes e depois do gol, foi o mesmo: bom toque no meio, algumas triangulações, mas pouca chance efetiva de gol. Quanto mais o time paulista tentava o empate, mais o Inter dava sinais de que aumentaria. Não fosse a coragem de Anderson Luiz, seria com Leandro Damião (no fim, acabou sendo mesmo), que mandou uma pancada no rosto do defensor. Maldade foi Tinga, no rebote, fazer o mesmo. Que noite para o zagueirão…

O segundo gol vermelho se confirmou. Kleber (como cruza!) mandou na cabeça de Leandro Damião, que subiu alto, aos 28 minutos, para confirmar a vitória vermelha, a perseguição aos líderes, a aproximação ao sonho do tetracampeonato nacional. A caça continua. E ela está um bocado mais forte…

INTERNACIONAL 2 X 0 GRÊMIO PRUDENTE
Renan, Nei, Bolívar, Índio e Kleber (Leonardo); Wilson Matias, Guiñazu, Tinga (Andrezinho), Giuliano e Rafael Sobis (Marquinhos); Leandro Damião. Giovanni (Sidnei), Paulo César, Anderson Luiz, Flávio e Diego (Rafael Martins); Marcelo Oliveira, Rodrigo Mancha, João Vitor, Adriano Pimenta (Robson) e Eduardo Ramos; Henrique Dias.
T: Celso Roth T: Antônio Carlos Zago
Local: Beira-Rio, em Porto Alegre (RS). Data: 5 de setembro. Árbitro:Cláudio Mercante (PE). Auxiliares: Ubirajara Ferraz (PE) e José Pedro Wanderlei da Silva (PE).
Cartões amarelos: Diego, Rodrigo Mancha, Flávio (Prudente); Bolívar, Índio (Inter).
Gols: Rafael Sobis, aos cinco, e Leandro Damião, aos 28 minutos do segundo tempo.
Público: 17.811. Renda: R$ 254.290,00.

setembro 5, 2010 Posted by | Grêmio Prudente, Internacional | , | Deixe um comentário

Palmeiras vacila em casa, e Cruzeiro consegue grande virada

Time alviverde abre 2 a 0 no placar, mas acaba levando virada de 3 a 2. Raposa chega aos 29 pontos e cola no G-4 do Campeonato Brasileiro


Foi uma partida com um tempo para cada equipe. Se no início o Palmeiras abriu boa vantagem e fez 2 a 0, na segunda etapa foi a vez do Cruzeiro dominar a disputa e arrancar uma vitória maiúscula na fria tarde deste domingo, no Pacaembu. Os 3 a 2 para o time mineiro, combinada com os resultados da rodada, alçaram a equipe na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro.

A Raposa fareja o G-4 do Nacional bem de pertinho – é o quinto colocado, com 31 pontos. E se a equipe mineira agora consegue ver o seleto grupo de mais perto, isso muito se deve ao desempenho de Roger, que entrou no segundo tempo para fazer um gol e dar um passe preciso para Montillo. E ao argentino Farías, que fez o gol derradeiro da partida e sacramentou o 3 a 2 para o time celeste.

Ao Palmeiras resta a queda na tabela. A derrota frente aos seus torcedores – foram pouco mais de 21 mil pessoas – fez a equipe cair da nona para a 12ª posição, com 24 pontos. E leva mais dificuldades ao técnico Luiz Felipe Scolari, que viu seu esquema com três zagueiros e três volantes – Rivaldo ainda atuva improvisadamente na lateral esquerda – desmoronar. E ouviu vaias em casa, assim como aconteceu na derrota por 3 a 0 para o Atlético-GO, há três rodadas, no Pacaembu.

Na próxima rodada, quando ocorre a abertura do returno do Nacional, o Palmeiras visita o Vitória, às 22h desta quarta-feira, no Barradão. Já o Cruzeiro recebeu o Internacional, às 19h30m também de quarta-feira, no Parque do Sabiá.

Depois de conquistar quatro pontos em duas partidas fora de casa, o Palmeiras sentia que precisava de uma boa apresentação frente ao seu torcedor. E, justamente por isso, tomou a iniciativa do jogo. Ao Cruzeiro, restavam os contra-ataques, armados quase sempre por Montillo, habilidoso camisa 10 do time Celeste. Foi ele que, em cobrança de falta, aos 12 minutos, levou perigo ao gol de Marcos, que precisou se esticar para tirar para a linha de fundo.

Apesar de ter maior posse de bola, o Palmeiras não conseguia encaixar uma jogada para o atacante Kleber, único homem de frente do time. A alternativa foi apostar em lances de bola parada. Marcos Assunção, batedor oficial das faltas palmeirenses, teve duas oportunidades, aos 11 e aos 29 minutos. Ambos pararam com tranqüilidade nas mãos do goleiro Fábio.

Mas foi de uma cobrança de falta que o Palmeiras chegou ao primeiro gol. Indiretamente pelos pés de Asssunção. Na bola alçada na área, Fabrício teve sua camisa segurada pelo atacante Wellington Paulista dentro da área. O pênalti foi cobrado por Kleber, que teve pela frente Fábio, goleiro que até poucos meses atrás era seu companheiro de treinos na Toca da Raposa. Mas não houve chance para o arqueiro celeste na batida precisa do Gladiador. O 1 a 0 aos 35 minutos não teve uma comemoração efusiva do camisa 30, em respeito ao seu ex-clube. No entanto, o amor pelo alviverde, exaltado durante a última semana, não foi esquecido. Apareceu em forma de um beijo no escudo.

Três minutos depois, o Palmeiras voltou a ampliar, novamente em jogada de bola parada. Após cobrança de escanteio, Maurício Ramos acertou as redes de Fábio outra vez: 2 a 0. O resultado satisfazia os torcedores que compareceram ao Pacaembu nesta fria tarde de domingo. E colocava o alviverde ainda mais na cola do Cruzeiro, ainda mais próximo do desejado G-4 do Brasileiro.

Sem conseguir assustar muito Marcos no primeiro tempo, Cuca resolver mexer para a segunda etapa na equipe, com jogadores do meio para frente. O treinador celeste se desfez do confuso trio de defensores – Gil foi o escolhido para dar vaga ao argentino Farías – e trocou Wellington Paulista por Roger. As mudanças melhoraram o time mineiro, que aparecia a todo instante bem perto do goleiro Marcos.

Em uma das jogadas, aos oito minutos, o arqueiro palmeirense levou a pior na hora de afastar o perigo. Para evitar o gol de Farías, após lançamento de Thiago Ribeiro, Marcos acabou se chocando com o atacante argentino. Sentiu o joelho esquerdo, que já havia lhe incomodado na primeira etapa. E acabou sendo substituído por Deola aos nove minutos por não suportar as dores – o local foi o mesmo em que o atleta passou por uma artroscopia, em julho passado.

Do banco de reservas, Marcos viu o Palmeiras ceder à insistência do Cruzeiro. Maurício Ramos foi afastar a bola da área, mas acabou errando e cedeu o rebote ao meia Roger. O camisa 17 bateu e contou com um desvio na trajetória da bola para acertar as redes de Deola, que caiu para o lado contrário e sofreu um gol sem ter ao menos tocado na redonda, aos 14 minutos.

Roger mudou o comportamento do Cruzeiro no Pacaembu. Mesmo tendo pela frente um Palmeiras mais fechado – era três zagueiros e três volantes – , o meia não se intimidou com a marcação. Encontrou uma brecha entre tantos alviverdes e deu um passe perfeito para Montillo entrar na área e empatar a disputa, aos 20 minutos.

Preocupado com a falha defensiva, Felipão lançou mão de mais um volante. Apostou em Tinga na vaga de Valdivia, que saiu de campo visivelmente contrariado, arremeçando um copo de água no chão. E o sufoco palmeirense seguia.

Aos 40 minutos, Thiago Ribeiro arrancou pelo lado direito e rolou na área, onde estava Farías. O argentino não teve dificuldades para empurrar a bola para o fundo do gol e fazer 3 a 2 no Pacaembu. O Palmeiras, que chegou a ver o G-4 mais de perto, no final viu o Cruzeiro encontrar no grupo.

PALMEIRAS 2X3 CRUZEIRO
Marcos (Deola); Maurício Ramos, Danilo e Fabrício; Márcio Araújo, Edinho, Pierre, Marcos Assunção e Rivaldo (Ewerthon); Valdivia (Tinga) e Kleber. Fábio; Gil (Roger), Edcarlos e Léo; Jonathan,  Diego Renan; Henrique, Marquinhos Paraná e Montillo; Wellington Paulista (Farías) e Thiago Ribeiro.
Técnico: Luiz Felipe Scolari. Técnico: Cuca.
Gols: Kleber, aos 35, e Maurício Ramos, aos 38 mintuos do primeiro tempo. Roger, aos 14, e Montillo, aos 20, e Farías, aos 40 minutos do segundo tempo
Cartões: Jonathan, Diego Renan e Gil (Cruzeiro). Rivaldo e Kleber (Palmeiras).
Local: Pacaembu, em São Paulo. Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa/PR). Auxiliares:Roberto Braatz (Fifa/PR) e Rodrigo Pereira Joia (RJ). Público: 21.560 pagantes. Renda: R$620.526,00

setembro 5, 2010 Posted by | Cruzeiro, Palmeiras | , , , | Deixe um comentário

Novo ataque não faz a diferença, e Fla empata com o Santos no Maracanã

Na primeira partida de Deivid e Diogo juntos, Rubro-Negro desperdiça muitas oportunidades no primeiro tempo e fica no 0 a 0 com o Peixe

Nem Deivid nem Diogo. Na despedida do Maracanã – que fecha para obras para a Copa de 2014 -, o único capaz de fazer a torcida do Flamengo vibrar foi o Guarani, com os gols na vitória por 2 a 1 sobre o Fluminense. Na estreia do badalado ataque “D2”, o Rubro-Negro voltou a decepcionar ofensivamente e não passou de um 0 a 0 com o Santos, neste domingo, em partida válida pela 19ª rodada do Brasileirão.

Após massacrar e desperdiçar inúmeras oportunidades nos 45 minutos iniciais, o Fla perdeu fôlego na etapa seguinte e completou cinco jogos sem vitórias. Já os atacantes não fazem gols desde o dia 21 de julho. O resultado? A equipe encerra o primeiro turno com apenas 22 pontos, na 15ª colocação. O Santos, por sua vez, superou a ausência de Neymar, suspenso, e permanece no G-4, em terceiro, com 31.

Na próxima rodada, o Flamengo vai até o Morumbi encarar o São Paulo, quarta-feira, às 22h (de Brasília), enquanto o Peixe recebe o Botafogo, quinta-feira, às 21h, no Pacaembu.

Bastou o apito inicial Leandro Vuaden para a torcida do Flamengo dar a ordem: vai para cima deles. E o time foi. Com Deivid e Diogo cheios de vontade no ataque, e Petkovic no banco de reservas, o Rubro-Negro se mostrou um time mais veloz do que nas últimas rodadas e sufocou o Santos nos primeiro 45 minutos. A superioridade ficou evidente nas finalizações: 9 a 1. No placar, no entanto, a seca de gols continuou e as equipes desceram para o vestiário com o 0 a 0.

Bem postado em campo e com imensa tranquilidade, o Santos até parecia não sentir falta de Neymar, suspenso, e tocava a bola pacientemente de um lado para o outro. Em menos de dois minutos, foram dois escanteios. Nada, porém, que assustasse Marcelo Lomba. Já o Flamengo levou perigo logo em seu primeiro ataque.

Aos cinco, Juan tabelou bonito com Renato, recebeu passe de calcanhar, mas viu a bola cair em seu pé direito e, na entrada da área, chutou para fora. Disposto a voltar a usar mais ofensivamente os laterais do que nos tempos de Rogério Lourenço, Silas plantou Toró e Corrêa na frente da zaga e mandou Léo Moura e Juan para o ataque. A estratégia, somada à disposição de Deivid e Diogo, deu certo. Principalmente pelo lado direito.

Aos 20, Leonardo Moura fez linda jogada, partiu em disparada da intermediária, driblou quatro adversários e tocou para trás. Deivid emendou para fora e desperdiçou gol feito. Três minutos depois, a mesma dupla entrou em ação. O lateral rolou para o companheiro, que foi atrapalhado por Edu Dracena no momento da conclusão.

Em sua estreia, o ex-jogador do Fenerbahçe fazia questão de ser participativo, e levou perigo em novo chute aos 29. E o lado direito de ataque continuava como a melhor opção rubro-negra. Quando não era Léo Moura, Willians aparecia bem, como aos 30. O volante partiu em velocidade e cruzou para Diogo escorar na pequena área. Rafael salvou o Santos.

Bem avançado e com menos obrigações defensivas, Renato Abreu apareceu bem aos 33, em cobrança de falta. O chute forte passou perto da trave esquerda do goleiro santista. assim como o chute de Willians, sete minutos depois, após bonito drible em Alex Sandro. Nada, porém, foi capaz de fazer o Fla, enfim, tirar o zero do placar.

Na volta para o segundo tempo, Dorival Júnior trocou a dupla de ataque e equilibrou as ações. Com Breitner e Madson bem mais participativos que Keirrison e Zezinho, o Peixe passou a povoar mais o campo ofensivo e dificultou a saída de bola rubro-negra. Logo aos três minutos, Marquinhos levantou a bola na área e contou com a indecisão de Juan e Marcelo Lomba para fazê-la chegar a Madson. O baixinho chutou duas vezes, mas não venceu o goleiro do Flamengo.

Em ritmo mais lento do que na primeira etapa, os donos da casa custavam a chegar ao ataque. Na primeira vez, aos nove, Deivid não teve tranquilidade para aproveitar bom passe de Willians e chutou em cima da zaga. Se o Deivid do ataque não resolvia, o David zagueiro por muito pouco não fez o primeiro aos 11, em cabeçada que acertou o travessão.

Três minutos depois, a prova definitiva de que a sorte não está do lado rubro-negro. Juan cruzou da esquerda, Rafael fez o corte com um tapa e Léo Moura concluiu por cima do goleiro santista. Em cima da linha, Arouca tirou de cabeça e ainda viu a bola carimbar o travessão novamente antes da zaga afastar o perigo.

Ansioso para balançar as redes, o Flamengo se mandou para o ataque e deu espaços na defesa. O Santos, por sua vez, não aproveitava os contragolpes. Aos 18, Madson recebeu com liberdade dentro da área e chutou nas nuvens. A esta altura, a torcida presente no Maracanã já mostrava impaciência e passou a gritar o nome de Pet. Pedido feito e atendido por Silas, que colocou o sérvio em campo no lugar de Renato. No primeiro lance, ele roubou a bola na intermediária e chutou fraco de canhota para defesa de Rafael.

A partir deste lance, o que se viu foi um Flamengo desesperado e desorganizado no ataque diante de um Santos que, em ritmo lento, ainda desperdiçou bons contra-ataques. No “até 2013” do Maracanã, as redes permaneceram intactas, e os rubro-negros saíram frustrados.

FLAMENGO X SANTOS
Marcelo Lomba, Léo Moura, David, Ronaldo Angelim e Juan; Corrêa, Toró, Willians (Kleberson) e Renato (Petkovic); Deivid (Diego Maurício) e Diogo. Rafael, Pará, Edu Dracena, Durval e Alex Sandro; Arouca, Zé Eduardo, Danilo e Marquinhos (Marcel); Zezinho (Madson) e Keirrison (Breitner).
Técnico: Silas. Técnico: Dorival Jr.
Cartões amarelos: Ronaldo Angelim (FLA) Durval (SAN)
Local: Maracanã (RJ). Data: 5 de setembro. Árbitro: Leandro Vuaden (Fifa-RS). Auxiliares: Carlos Berkenbrock (Fifa-SC) e Thiago Brigido (CE).

setembro 5, 2010 Posted by | Flamengo, Santos | , | Deixe um comentário

Líder em queda, Fluminense perde para o Guarani de virada

Após derrota por 2 a 1 em Campinas, Tricolor chega ao terceiro jogo sem vitória e vê liderança ameaçada pelo Corinthians


Aquele que era a sensação do Campeonato Brasileiro terminou de forma frustrante a sua participação no primeiro turno. Após dois empates em casa (contra São Paulo e Palmeiras), o Fluminense perdeu por 2 a 1 para o Guarani, de virada, neste domingo, em Campinas. O resultado fez crescer a ameaça da perda do título simbólico da primeira metade da competição. Agora, a diferença para o segundo colocado Corinthians é de um ponto (38 a 37), e a equipe paulista, que tem um jogo a menos, vai definir o turno enfrentando o Vasco no dia 13 de outubro.

Além disso, o Guarani reforçou sua superioridade diante do Tricolor no Brinco de Ouro, onde não perde para este adversário desde 1980, ou 16 partidas (11 vitórias e cinco empates). As duas equipes inciam o segundo turno entrando em campo na próxima quarta-feira. O Fluminense recebe o Ceará no Engenhão, e o Guarani vai ao Serra Dourada enfrentar o lanterna Goiás.

Apesar de ocupar uma posição na tabela inferior à do adversário, o Guarani começou disposto a fazer valer o mando de campo e foi para cima do Fluminense logo que a partida começou. No entanto, não mostrava competência, errando muitas conclusões. Além disso, se descuidava na defesa, e foi assim que o Tricolor construiu a jogada de seu primeiro gol, aos 12 minutos.

Após um erro ofensivo do Guarani, o Fluminense partiu em velocidade pelo lado direito, pegando a defesa adversária desguarnecida. Mariano cruzou pelo alto na cabeça de Washington, que ajeitou para o meio da área. Emerson aparececeu para completar e marcar seu oitavo gol no Campeonato Brasileiro.

Mas o panorama do Fluminense, que parecia favorável, mudou pouco tempo depois. Aos poucos o Guarani equilibrou a partida e foi beneficiado quando, aos 29 minutos, Emerson saiu de campo sentindo dores na coxa esquerda. Sem o seu artilheiro, substituído por Rodriguinho, o Tricolor perdeu força ofensiva e passou a ser pressionado pelo Bugre, que empatou aos 33 minutos. Em sua especialidade, Baiano cobrou falta e fez 1 a 1. Embora a bola não tenha entrado no canto, Fernando Henrique sequer pulou para tentar a defesa.

Com Mazola levando perigo pelo lado esquerdo, aplicando dribles em Mariano e Valencia, o Guarani se empolgou e buscou a virada, mas deixou espaços. Assim, o Fluminense quase marcou seu segundo gol pouco antes do intervalo, depois que o goleiro Emerson rebateu mal uma bola de Julio Cesar. Rodriguinho ficou com a sobra e chutou, mas Ailson tirou em cima da linha.

O segundo tempo inciou em ritmo mais lento. O Fluminense tinha Conca apagado, devido à força da marcação sofrida e, assim, não conseguia articular jogadas de ataque. Do outro lado, os jogadores do Guarani brigavam com a bola, sem conseguir dar sequência às oportunidades criadas.

A melhor chance do time de Campinas no segundo tempo apareceu aos 21 minutos, quando Ricardo Xavier recebeu lançamento e conseguiu ganhar de André Luis e driblar Gum. No entanto, quando ficou frente a frente com Fernando Henrique, concluiu mal, e o goleiro tricolor fez a defesa.

Mas foi num lance teoricamente de menor risco que o Fluminense sofreu a virada, novamente na bola parada. Aos 31 minutos, Fabão cobrou falta de longe e sem muita força. Mas a bola passou no meio da barreira, entre Gum e Washington, e prejudicou Fernando Henrique, que não alcançou a bola que foi em seu canto esquerdo.

Entretanto, o Fluminense não poderia deixar o campo sem assistir ao inacreditável lance protagonizado por Conca, que até então vinha sendo o principal jogador do time no Brasileiro. Após receber cruzamento rasteiro, aos 41 minutos, o argentino perdeu um gol incrível de dentro da área, chutando por cima do travessão.

GUARANI 2 X 1 FLUMINENSE
Emerson, Rodrigo Heffner, Fabão, Ailson e Márcio Careca; Renan, Paulo Roberto e Baiano (Diogo) e Geovane (Aislan); Mazola e Rômulo (Ricardo Xavier). Fernando Henrique, Mariano, Gum, André Luis e Julio Cesar; Valencia, Fernando Bob (Marquinho), Deco e Conca; Emerson (Rodriguinho) e Washington.
Técnico: Vagner Mancini. Técnico: Muricy Ramalho.
Gols: Emerson, aos 12, e Baiano, aos 33 minutos do primeiro tempo; Fabão, aos 31 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Rodrigo Heffner (Guarani); Valencia e Fernando Bob (Fluminense). Público: 9.962 pagantes. Renda: R$ 198.694.
Estádio: Brinco de Ouro, em Campinas (SP). Data: 05/09/2010. Árbitro:Carlos Eugênio Simon (Fifa/RS). Auxiliares: Marcelo Bertanha Barison (RS) e Cleriston Cley Barreto Rios (SE).

setembro 5, 2010 Posted by | Fluminense, Guarani | , , , , | Deixe um comentário

Com um a menos, Atlético-PR bate Avaí no último lance e cola no G-4

Maikon Leite marca aos 49 da segunda etapa e impõe quinto jogo sem vitórias ao rival. Furacão fica em ótima situação no fim do primeiro turno


O Atlético-PR mostrou poder de superação e muita garra na Ressacada. Aos 49 do segundo tempo, quando Avaí e Furacão pareciam satisfeitos com o empate sem gols, o atacante Maikon Leite marcou e deu a vitória por 1 a 0 aos paranaenses, em jogo válido pela 19ª rodada do Brasileirão. O Atlético tinha um jogador a menos desde a metade do segundo tempo, quando Leandro foi expulso.

Em franca ascensão, o time de Paulo César Carpegiani foi a 27 pontos na tabela do Campeonato Brasileiro e encerra o primeiro turno pouco abaixo do G-4, a quatro pontos do Cruzeiro, último que se classificaria para a Libertadores.

Já o Avaí, em queda livre, fica com 23 pontos. Nos últimos 5 jogos, foram quatro derrotas e um empate para o Leão, que sofre para sair da má fase.

Jogo fraco

Os primeiros minutos não tiveram grandes emoções. Tímidos, os times se limitavam a trocar bolas entre as intermediárias. Tanto que o que mais chamou a atenção foi o choque entre Guerrón e Válber, de cabeça. Enquanto o atleticano colocou uma faixa para estancar o sangramento, o atleta do Avaí utilizou uma touca de natação.

Não era o dia de Válber. Poucos minutos depois, ele deixou o campo sentindo dores na coxa e deu lugar a Davi, ex-titular que está voltando de lesão. Logo no primeiro lance, o meia participou de uma jogada perigosa. Ele lançou Robinho, que encontrou Vandinho na pequena área. O centroavante chutou prensado e Neto fez grande defesa.

O primeiro tempo foi favorável ao Avaí, mas o time da casa não conseguiu chegar ao gol. Sentindo o domínio do rival, o Atlético ficou preso na defesa e apenas apostava na velocidade de Branquinho e Guerrón para tentar algo no setor ofensivo.

No último lance do primeiro tempo, nova chance para o Leão. Caio, que também voltou ao time depois de tratar uma amigdalite, tabelou com Davi e o meia chutou sem direção. O Furacão procurou apenas se defender.

Furacão no ataque e gol salvador

O técnico Paulo César Carpegiani percebeu a retranca de seu time e ordenou maior volume de jogo no setor ofensivo. Assim, o Atlético começou o segundo tempo pressionando e quase chegou ao gol aos 7 minutos. Guerrón subiu pela direita e cruzou rasteiro para Nieto. O camisa 9 escorou e Renan fez ótima defesa, salvando em cima da linha.

O camisa 1 do Avaí quase entregou no lance seguinte, ao rebater uma falta nos pés de Nieto, que acabou sendo travado pela defesa. O Leão devolveu com Robinho, que recebeu bola na área e chutou com força. Neto salvou com a ponta dos dedos.

Com o jogo morno, os dois times procuraram o ataque somente depois dos 30 minutos, quando Leandro Bonfim entrou pelo Avaí e Bruno Mineiro foi lançado para comandar o lado ofensivo do Furacão. Algum resultado, mesmo, só com a entrada do experiente Sávio.

Logo em seu primeiro lance, o camisa 10 quase fez a diferença. Deu passe inteligente de cabeça para Davi, que avançou livre para a área, mas deixou a marcação chegar a tempo de desarmá-lo. Com a expulsão de Leandro, o Furacão ficou com um a menos e se fixou na defesa.

Quando ninguém esperava, veio o gol. Aos 49, Maikon Leite recebeu lançamento da intermediária, invadiu a área e finalizou na saída de Renan. Estrela de quem vê seu time chegando, quietinho, na parte de cima da tabela.

AVAÍ 0 X 1 ATLÉTICO-PR
Renan, Patric, Rafael, Emerson e Eltinho; Marcinho Guerreiro, Rudnei (Leandro Bonfim), Válber (Davi) e Caio (Sávio); Robinho e Vandinho Neto, Wagner Diniz, Manoel, Rhodolfo e Paulinho; Chico, Deivid (Olberdam), Branquinho e Guerrón (Bruno Mineiro); Maikon Leite e Nieto (Leandro)
Técnico: Antônio Lopes Técnico: Paulo César Carpegiani
Gol: Maikon Leite, aos 49 do segundo tempo
Cartões amarelos: Marcinho Guerreiro (AVA); Deivid, Guerrón, Leandro (CAP). Cartão vermelho: Leandro (CAP)
Estádio: Ressacada, em Florianópolis (SC). Data: 5/9/2010. Árbitro:Paulo Cesar Oliveira (Fifa-SP). Assistentes: Ednilson Corona (Fifa-SP) e Fábio Pereira (TO).

setembro 5, 2010 Posted by | Atlético-PR, Avaí | , , | Deixe um comentário

Para engatar a sexta vitória, Flu encara o Bugre em Campinas

Tricolor venceu os últimos cinco jogos fora de casa e empatou três em casa

Guarani e Fluminense se enfrentam neste domingo, no Brinco de Ouro, em Campinas às 16h, O Tricolor quer engatar a sexta vitória seguida jogando fora de casa. Já o Bugre quer manter a invencibilidade contra os cariocas neste Brasileiro.

Para esta partida, Muricy Ramalho conta com cinco desfalques para esta partida: Leandro Euzébio e Belletti, suspensos, Diguinho e Diogo machucados e Fred que ainda se recupera de lesão. Em contra partida, o volante Valencia finalmente foi regularizado e pode começar jogando.

O problema mais sério é no meio de campo. Contratamos volante, mas esse campeonato é tão complicado que perdemos quatro de vez. Parece que tem muito, mas na verdade não temos nada. Estamos aguardando a recuperação do Diguinho, o Valencia também está apto para jogar, mas preciso sentir a parte física – disse o treinador.

BUGRE INVICTO CONTRA OS CARIOCAS

Antes visto como um dos candidatos ao rebaixamento, o Guarani desponta bem no Brasileiro e aparece na 12ª colocação. Além disso, o clube campineiro não sabe o que perder para os cariocas. Em três jogos, sendo dois fora de casa, a equipe soma duas vitórias (Vasco e Flamengo) e um empate.

O companheiro de Mazola no ataque Bugrino é a grande dúvida do técnico Vagner Mancini. Após a saída de Roger para o futebol japonês, Ricardo Xavier não teve uma boa sequência e acabou sendo substituído por Rômulo, contratado do Atlas (MEX).

Mas o centroavante também não correspondeu às expectativas de Vagner Mancini. Reinaldo, recém contratado, entrou nos últimos minutos contra o Flamengo no último domingo (29) e fez o gol da vitória.

O jogador Mario Lucio levou o terceiro cartão amarelo e está fora da partida contra o tricolor carioca. Em seu lugar deve entrar Giovane. Já o meia Preto está machucado e Baiano está confirmado em seu lugar. O goleiro titular Douglas já está recuperado de uma lesão, mas segundo a assessoria de imprensa do Bugre, ele ainda não será relacionado.

FICHA TÉCNICA:
GUARANI X FLUMINENSE

Estádio: Brinco de Ouro, Campinas (SP)
Data/hora: 5/9/2010 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Auxiliares: Marcelo Bertanha Barison (RS) e Cleriston Cley Barreto (SE)

GUARANI: Emerson; Rodrigo Heffner, Fabão, Ailson e Márcio Careca; Renan, Paulo Roberto, Baiano e Maycon; Giovane e Rômulo. Técnico: Vagner Mancini.

FLUMINENSE: Fernando Henrique; Mariano, André Luis, Gum e Julio Cesar; Valencia (Thiaguinho), Fernando Bob, Deco e Conca; Emerson e Washington. Técnico: Muricy Ramalho

setembro 5, 2010 Posted by | Fluminense, Guarani | , , | Deixe um comentário

Fla x Santos na despedida do Maracanã

Rubro-Negro usa boas recordações para afastar crise

Um quer se despedir de casa com uma vitória, algo que não vê há quatro rodadas. O outro quer colocar água no chope do anfitrião e chegar ao sexto triunfo consecutivo (o quinto no Brasileirão). Flamengo e Santos se enfrentam neste domingo, às 16h, no último jogo do Maracanã antes do fechamento para as obras da Copa do Mundo de 2014. Empurrado pelas boas recordações de outrora no estádio, como o pentatri estadual e o Brasileiro de 2009, e pela estreia da dupla Diogo e Deivid, o Rubro-Negro sonha em deixar a crise de lado. Motivado após boa sequência na competição, o Peixe, por sua vez, quer seguir subindo na tabela do Brasileiro.

Com 30 pontos, a equipe da Vila Belmiro está na terceira colocação e quer encurtar e distância para o líder Fluminense, que tem 38. Já o time da Gávea, com 21 pontos, na 15ª posição, conta com sua nova dupla de ataque para arrancar no Brasileiro.

– É verdade que tivemos pouco tempo para treinar, mas, como ele está sem carro, estou praticamente de motorista dele (risos), e a gente vem tentando se conhecer na base da conversa – comentou Diogo, revelando o que tem feito para se entrosar com Deivid.

Outra novidade na equipe é que haverá mudança no meio de campo. Com o preparo físico comprometido para atuar durante os 90 minutos, Petkovic e Renato estão ameaçados. Um dos dois sairá para dar a Toró ou Maldonado. Na zaga, David foi confirmado para o lugar de Jean, suspenso por ter sido expulso contra o Cruzeiro.

Também suspenso está Neymar, e o técnico Dorival Júnior, mais do que nunca, terá de contar com a força da equipe – a qual agora classifica como brigadora – para obter um novo triunfo.

– A gente sabe da dificuldade que vamos enfrentar lá, mas vamos em busca da vitória para encostar cada vez mais no Corinthians e no Fluminense – promete o polivalente Pará.

Para completar, o jogo terá ainda o duelo entreo zagueiro Edu Dracena e o ex-companheiro de Cruzeiro e Fenerbahçe (TUR), Deivid.

– Sei da qualidade dele. Não estava sendo bem aproveitado na Turquia, mas, pela capacidade e experiência que adquiriu na Europa, vai ser uma peça importante para o Flamengo. Só espero que isso aconteça depois do jogo contra o Santos – disse Dracena, em entrevista à Rádio Brasil.

FICHA TÉCNICA:
FLAMENGO x SANTOS

Estádio: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 5/9/2010 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden/RS (FIFA)
Auxiliares: Carlos Berkenbrock/SC e Thiago Gomes Brigido/CE (FIFA)

FLAMENGO: Marcelo Lomba, Leonardo Moura, David, Ronaldo Angelim e Juan; Toró (Maldonado) Correa, Willians, Renato (Petkovic); Diogo e Deivid. Técnico: Silas

SANTOS: Rafael, Pará, Edu Dracena, Durval e Léo; Arouca, Danilo, Zezinho e Marquinhos; Zé Eduardo e Keirrison. Técnico: Dorival Júnior

setembro 5, 2010 Posted by | Flamengo, Santos | , | Deixe um comentário

No reencontro de Kleber, Palmeiras enfrenta o Cruzeiro

Gladiador estará de novo frente a frente com o seu segundo time: a Raposa

Um reencontro marcará a partida entre Palmeiras e Cruzeiro, no próximo domingo, às 16h, no estádio do Pacaembu, em jogo válido pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro. O atacante Kleber, ídolo do Verdão, irá estar novamente frente a frente com a Raposa, clube que defendeu durante quase dois anos e admitiu ter um carinho enorme.

– Será difícil porque tenho um carinho grande, mas hoje defendo o Palmeiras, clube que torço e amo e que nunca escondi meu carinho. Mas aprendi a gostar do Cruzeiro. Será um jogo difícil pelos coompanheiros que tenho lá e pelas amizades que fiz, mas espero poder vencer e enconstar nos líderes – disse o atacante.

E para, enfim, dar início à recuperação no Campeonato Brasileiro, o técnico Luiz Felipe Scolari tem uma boa notícia: ele não tem nenhum jogador suspenso para a partida desta domingo.

Lincoln, que recentemente enviou uma carta à diretoria do Palmeiras cobrando alguns valores que ficaram pendentes no momento em que assinou com o clube, ainda está se recuperando de lesão na coxa e segue desfalcando o Verdão.

Sendo assim, a equipe de Felipão deve seguir com o esquema de três zagueiros. O próprio técnico, após a partida contra o Fluminense, disse que não iria mais “inventar” na escalação do Alviverde, já que quando ele mudou a formação, o Palmeiras sofreu uma goleada para o Atlético Goianiense por 3 a 0, no Pacaembu.

Pelo lado cruzeirense, um jogador em especial também poderá jogar contra o ex-clube. Recém contratado pela Raposa, o zagueiro Léo vive a expectativa de poder fazer sua primeira partida como titular. Embora não tenha sido confirmado pelo técnico Cuca, o ex-palmeirense já se prontifica para ajudar de uma outra maneira.

– Eu conheço muito as características dos jogadores. Vou tentar passar tudo, para que possamos enfrentá-los de frente. Vamos focados, motivados, sabemos que é um jogo muito importante para nós – avisou Léo.

Para o compromisso em São Paulo, o Cruzeiro terá os retornos do zagueiro Gil e do atacante Wellington Paulista. Caçapa e Robert, por sua vez, dependem de uma reavaliação do departamento médico. Eles substituíram Gil e Paulista contra o Flamengo, na quarta-feira, mas sofreram uma torção no tornozelo esquerdo.

Cuca poderá manter o sistema com três volantes e um meia ou promover o retorno do 3-5-2, formação na qual a Raposa ainda não foi derrotada.


FICHA TÉCNICA:
PALMEIRAS X CRUZEIRO

Estádio: Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data/hora: 5/9/2010 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa-PR)
Auxiliares: Roberto Braatz (PR) e Rodrigo Pereira Joia (RJ)

PALMEIRAS: Marcos, Maurício Ramos, Danilo e Fabrício; Márcio Araújo, Pierre, Edinho, Marcos Assunção e Rivaldo; Valdivia e Kleber. Técnico: Felipão.

CRUZEIRO: Fábio, Jonathan, Gil, Edcarlos, Diego Renan; Marquinhos Paraná (Léo), Fabrício, Henrique, Montillo; Thiago Ribeiro e Wellington Paulista. Técnico: Cuca.

setembro 5, 2010 Posted by | Cruzeiro, Palmeiras | , , | Deixe um comentário

Reforçado, Inter recebe o Grêmio Prudente

Colorado conta com os retornos de Bolívar e Guinãzu no duelo deste domingo, no Beira-Rio

Com a volta confirmada de Bolívar e de Guiñazu, a escalação do Internacional se aproxima da ideal para enfrentar o Grêmio Prudente, neste domingo, às 18h30, no Beira-Rio, com transmissão em tempo real no LANCENET!.

Para quem beira o G4 (é quinto com 28 pontos) e aspira ao título, é uma boa notícia: depois da Libertadores, o Inter não se deu bem quando usou time reserva ou misto (empates com Atlético-GO e Vitória) e ganhou com grande autoridade ao usar a máxima força possível (Avaí e Botafogo).

O zagueiro Bolívar cumpriu suspensão contra o Vitória, quarta-feira. Guiñazu, que jogou no sacrifício a partida final da Libertadores (torção no tornozelo esquerdo), só agora foi liberado.

Mas faltam ainda o meia-armador D’Alessandro e o centroavante Alecsandro. O argentino está na seleção para o amistoso com a Espanha, nesta terça-feira. Giuliano, o substituto, jogou mal contra o Vitória: é mais meia-atacante do que meia-armador. E Alecsandro, com distensão muscular desde o jogo de ida contra o Chivas, ficará de fora por mais três semanas.

Não há controvérsias quanto ao rendimento da linha de quatro defensiva nem a Renan – o goleiro teve ótimas atuações nos últimos três jogos, recuperando-se de falhas passadas. O problema está na substituição ao primeiro-volante Sandro, vendido ao Tottenham. O preferido, Wilson Matias, ainda não deslanchou, e vive sendo punido com cartões. Glaydson e Derley, os outros concorrentes, estão melhor, mas ainda distantes do ex-titular. É uma posição em aberto.

Na frente, Rafael Sobis parece absoluto como substituto de Taison, vendido para o futebol ucraniano. A briga é pela outra posição: Leandro Damião veste a camisa 9 até Alecsandro voltar. Mas atenção: Ilan, que está de volta do futebol europeu, já ficará à disposição para o jogo contra o Goiás, dia 12. Será outra briga bonita.

No Prudente…

Depois de perder para o Botafogo jogando em casa, o Grêmio Prudente tenta a recuperação e a saída da zona de rebaixamento. No entanto, a tarefa não será das mais fáceis. Um dos destaques do time, o atacante Wesley, não se recuperou de dores na panturrilha, pode desfalcar a Abelha no jogo contra os colorados.

– Ele ainda está em tratamento através de fisioterapia e por enquanto está afastado até melhorar – disse o médico do clube, André Casadei.

Ainda no ataque, o técnico Antônio Carlos Zago também não poderá contar com o atacante Wanderley, que sofreu uma lesão no ligamento do tornozelo e está vetado. O mais provável é que Rafael Martins e Henrique Dias formem a dupla ofensiva do time.

Apresentados nesta sexta-feira, o atacante Gilmar e o meia Eduardo Ramos ainda não jogam. O primeiro realizou uma cirurgia no coração e só deve voltar daqui um mês. Já o segundo ainda está aprimorando a forma física e pode surgir como surpresa no banco de reservas.

FICHA TÉCNICA:
INTERNACIONAL X GRÊMIO PRUDENTE

Local: Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)
Data/Hora: 5/9/2010 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Cláudio Mercante (PE)
Auxiliares: Ubirajara Ferraz Jota (PE) e José Pedro Wanderlei da Silva (PE)

INTERNACIONAL: Renan, Nei, Bolívar, Indio e Kleber; Wilson Matias, Guiñazú (Glaydson), Tinga e Giuliano; Leandro Damião e Rafael Sobis. Técnico: Celso Roth.

GRÊMIO-PP: Giovanni, Paulo César, Anderson Luis, Leonardo e Marcelo Oliveira; Rodrigo Mancha, João Vítor, Carlos Eduardo e Adriano Pimenta; Wesley (Rafael Martins) e Henrique Dias. Técnico: Antônio Carlos Zago.

setembro 5, 2010 Posted by | Grêmio Prudente, Internacional | , , | Deixe um comentário

São Paulo e Atlético-MG se encontram em busca de recuperação

Tricolor busca segunda vitória seguida; Galo quer sair da degola

Atlético-MG e São Paulo se enfrentam neste domingo, às 18h30, no Ipatingão, em uma situação pouco comum. Ambas acostumadas a disputar títulos, as duas equipes estão na parte inferior da tabela. O Tricolor tem 22 pontos e começou a rodada na 13ª colocação. Já o Galo, com 17 pontos, está na zona de rebaixamento.

Pelo lado do São Paulo, o objetivo é sacramentar a recuperação da equipe no campeonato. Na última quinta, a equipe conseguiu a primeira vitória na era Sérgio Baresi. A zona de rebaixamento ficou distante, mas uma derrota para o Galo pode trazer de volta esse fantasma.

E o treinador mais uma vez não poderá repetir a escalação. Titular no último jogo, Fernandinho está vetado devido a dores na panturrilha direita. Em compensação, Fernandão se recuperou de uma entorse no tornozelo esquerdo e está liberado para o confronto.

Na zaga, mais problemas. Xandão levou o terceiro cartão amarelo e está suspenso. Alex Silva, se recuperando de uma artroscopia no joelho direito, ainda está longe de retornar. Com isso, Baresi terá de escolher entre Samuel e Renato Silva para compor a defesa com Miranda.

De olho fora da zona de rebaixamento o Atlético recebe o São Paulo, no Ipatingão. Motivado pela vitória sobre o Goiás o Galo vai contar com o apoio da torcida para bater o tricolor paulista. Todos os 11 mil ingressos foram vendidos no primeiro dia de venda antecipada.

Entretanto uma viitória simples não deixa o Galo fora da zona de rebaixamento ao final da rodada. Além de passar pelo São Paulo o time de Luxemburgo precisa de uma ajudar do Botafogo, que enfrenta o Grêmio. Para os mineiros deixarem a zona de rebaixamento os gaúchos não podem vencer.

Para superar o São Paulo e não vacilar dentro de casa como aconteceu contra o Palmeiras, o zagueiro Réver pede o Atlético numa postura diferente.

– O Atlético é um clube de grandeza, que não está passando por um bom momento devido a seus resultados. Temos que simplificar, jogar como time pequeno, fechado e procurar o contra-ataque para fazer o gol. Isso não é feio. Feio é tentar jogar bonito e sair com o resultado negativo

Diferente do que aconteceu nas rodadas anteriores, quando sempre era obrigado a mexer no time, agora o técnico Vanderlei Luxemburgo poderá repetir a escalação. No entanto o meia Ricardinho, que entrou muito bem diante do Goiás, deverá voltar ao time titular, na vaga de Jackson, que não foi bem na última quarta-feira.

O atacante Diego Tardelli, com dores na coxa esquerda, continua fora do time.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG X SÃO PAULO

Local: Ipatingão, Ipatinga (MG)
Data e Hora: 5/9/2010 – 18h30
Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)
Auxiliares: Alessandro Álvaro Rocha de Matos (Fifa-BA) e Fabrício Vilarinho da Silva (GO)

ATLÉTICO-MG: Fábio Costa, Rafael Cruz, Werley, Réver e Eron; Jataí, Serginho, Fabiano e Ricardinho; Neto Berola e Obina. Técnico: Vanderlei Luxemburgo

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Jean, Miranda, Samuel (Renato Silva) e Junior Cesaar; Casemiro, Rodrigo Souto, Richarlyson e Marcelinho; Marlos (Dagoberto) e Fernandão. Técnico: Sérgio Baresi.

setembro 5, 2010 Posted by | Atlético-MG, São Paulo | , | Deixe um comentário