Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Peixe passa sufoco contra o Avaí, mas Neymar resolve e garante quadra

Alvinegro alcança quarta vitória consecutiva no Brasileirão e volta à terceira colocação. Time catarinense perde duas posições e cai para 10º

Não foi fácil para o Santos. Na verdade, o time da Vila Belmiro passou sufoco, pois o Avaí teve boas chances no segundo tempo. Mas quem tem Neymar está mais perto das vitórias. Em duas jogadas inspiradas, uma com menos de um minuto de jogo e outra perto do final da partida, o garoto resolveu a parada e deu ao Peixe sua quarta vitória seguida no Campeonato Brasileiro. Os 2 a 1 sobre a equipe catarinense nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, levam o time paulista de volta à terceira posição do Nacional, com 30 pontos, oito atrás do líder Fluminense. No início da rodada, a diferença era dez pontos. O Alvinegro Praiano ainda tem um jogo a menos que o rival carioca. Já o Avaí segue em queda livre: caiu para da 8ª para a 10ª posição, com 23.

O Santos volta a campo no próximo domingo, quando enfrenta o Flamengo, no Maracanã. Quando não poderá contar com Neymar, que recebeu o terceiro cartão amarelo. Já o Avaí, também no domingo, recebe o Atlético-PR, na Ressacada. Os dois jogos serão às 16h (horário de Brasília).

Parecia que seria de goleada. É como se aquelas grandes atuações do Santos no primeiro semestre tivessem voltado. Neymar, endiabrado. Pobre Marcos. O lateral-direito do Avaí dançava à frente do camisa 11 do Peixe, que fingia ir para um lado, ia para o outro. Deixou o adversário tonto. Logo aos 50 segundos de jogo, Neymar deixou a ponta esquerda, cortou para o meio. Recebeu de Pará e, num lindo passe de primeira, achou Danilo na direita. Tudo rápido. O volante santista cruzou, a zaga do Avaí afastou, e a bola caiu nos pés dele. Neymar, de primeira, mandou uma bomba de pé direito e estufou a rede de Renan, convocado, como o santista, por Mano Menezes para o amistoso contra os Estados Unidos no mês passado.

O Avaí, desfalcado, sem Robinho e Caio, dois de seus principais jogadores, estava acuado. Limitando-se apenas a jogar a bola o mais longe possível de sua área. Aos 13 minutos, mais uma linda jogada santista. Neymar veio tabelando com Keirrison. A bola vinha ziguezaguando à frente da defesa catarinense, que não conseguia acompanhar. Na entrada da área, K9 rolou para Zé Eduardo, que entrava livre pela direita. Aí faltou sorte. Ou talvez um bocadinho de capricho. O camisa 7 nem ajeitou e mandou de esquerda. Errou o alvo por pouco.

Mas, após o ótimo início, o Santos deixou de tocar de primeira. Passou a dar chutões. Marquinhos, que deveria prender a bola no meio de campo, distribuir o jogo, acionar os atacantes, foi omisso. Só tocou para trás. Isso quando deixou seu esconderijo, atrás dos marcadores adversários. Saudosos de Paulo Henrique Ganso, que operou o joelho esquerdo no último sábado e só volta em 2011, torcedores do time da casa se impacientaram. Cobrou uma rapidez que não vinha. Inspiração só quando Neymar pegava na bola. Mas o garoto era caçado em campo. Levou tanta pancada que passou boa parte do segundo tempo mancando. Marcos teve até de ser substituído aos 39 para não ser expulso.

O Avaí, então, passou a frequentar a área santista. Faltava poder de fogo, é verdade. Era mais na base da empolgação. A bola passou a ser cruzada na área santista, mas a zaga, mesmo com dificuldades, conseguiu se livrar. O primeiro tempo terminou sem que Rafael fosse muito exigido.

O segundo tempo começou sofrível tecnicamente. O Avaí continuava recuado, esperando o Santos, que não chegava. O Peixe errava muitos passes. Marquinhos atrasava o jogo alvinegro. Zé Eduardo apresentava muitas dificuldades com a bola. Keirrison, por sua vez, não foi visto em campo. Vendo que o bicho não era tão feio assim, a equipe catarinense se assanhou. Aos 11 minutos, após uma cobrança de escanteio pela esquerda, o zagueiro Rafael subiu livre e cabeceou firme. Seu xará santista fez um milagre, mandando para fora, com a ponta dos dedos, a bola, que entraria no ângulo (no vídeo acima).

O Peixe tinha a bola, mas não sabia o que fazer com ela. Entregava a redonda de graça para o Avaí. A zaga alvinegra se atrapalhava para sair jogando. Aos 18, em uma dessas bobeiras, a bola sobrou para Vandinho, que acertou a trave (abaixo).

Vendo que a vitória estava ameaçada, o técnico Dorival Júnior resolveu mexer no Santos. Tirou Keirrison, Marquinhos e Zé Eduardo. Entraram Alan Patrick, Zezinho e Marcel. Com as mudanças, o campeão paulista e da Copa do Brasil passou a acertar mais passes, mas não conseguia completar jogadas e seguia correndo riscos. Aos 32, mais uma chance desperdiçada pelo Avaí. Leandro Bonfim acertou ótimo passe para Valber, que entrou livre e tentou encobrir Rafael, que saía desesperado. O goleiro deu sorte, pois o rival errou o alvo. A essa altura, o placar de 1 a 0 para o Peixe era injusto. O visitante merecia, no mínimo, o empate.

O Santos, quando teve chance, também mostrou má pontaria. Aos 34, Alan Patrick fez bom lançamento para Danilo, que entrou livre pela direita, invadiu a área, mas chutou torto.

Foi então que Neymar provou que é um jogador diferente, especial. Aos 38, o garoto recebeu pela meia esquerda, livrou-se de dois marcadores, com dribles desconcertantes, e jogou para Durval, que bancou o ponta esquerda, ganhou no marcador e cruzou para Marcel, que emendou de primeira, de canhota, ampliando o placar. Um suspiro de alívio percorreu a Vila Belmiro.

Alívio, porém, que não durou muito. Aos 43, o time catarinense acabou diminuindo o placar, com Válber, que recebeu pela esquerda e, de direita, chutou colocado, no canto esquerdo de Rafael. O Avaí continuou em cima, chutando bolas ao gol do goleiro santista, que só respirou quando o árbitro apitou o fim do jogo.

SANTOS 2 X 1 AVAÍ
Rafael, Pará, Edu Dracena, Durval e Alex Sandro; Arouca, Danilo e Marquinhos (Zezinho); Zé Eduardo (Marcel), Keirrison (Alan Patrick) e Neymar. Renan; Marcos (Émerson Nunes), Rafael, Emerson e Eltinho; Marcinho Guerreiro, Rudnei, Válber e Jeferson (Leandro Bonfim); Vandinho e Cristian (Laércio).
Técnico: Dorival Júnior Técnico: Antonio Lopes
Gols: Neymar, aos 50 segundos do primeiro tempo, Marcel, aos 38 minutos do segundo, e Válber, aos 43
Cartões amarelos: Jeferson, Marcos, Émerson Nunes (Avaí); Neymar (Santos)
Renda e público: R$ 171.835,00 / 7.141 pagantes
Estádio: Vila Belmiro, em Santos (SP). Data: 2/9/2010. Árbitro: Carlos Eugênio Símon (Fifa/RS). Auxiliares: José Javel Silveira (RS) e Alexandre Kleiniche (RS)

setembro 2, 2010 Posted by | Avaí, Santos | , | Deixe um comentário

Dagoberto conserta erro de Baresi, e São Paulo faz as pazes com a vitória

Treinador erra na escalação no início da partida contra o Atlético-GO, mas camisa 25 marca e faz o time voltar a vencer após cinco jogos no Nacional

Um dos ditados mais antigos do futebol diz que, quando as coisas não estão dando certo, a simplicidade é a arma para o início da reação. Mas o técnico Sérgio Baresi não é adepto dessa filosofia. Com cinco escalações diferentes em cinco jogos e várias improvisações, o São Paulo parecia que seguiria sua rotina de insucessos. Até que Dagoberto, que havia sido deixado no banco para que o meia Marlos fosse improvisado no ataque, entrou no segundo tempo e, de cabeça, garantiu a vitória que faz o Tricolor voltar a sorrir. Exatos 32 dias após Ricardo Oliveira e Fernandão garantirem o triunfo sobre o Ceará, o time do Morumbi marcou 2 a 1 no Atlético-GO e fez as pazes com a vitória.

Momentaneamente, a zona do rebaixamento ficou mais longe. O time subiu para a 13ª colocação, com 22 pontos, oito a mais que o Atlético-GO, que vinha de três jogos sem derrota na competição. O time comandado por Renê Simões ocupa a vice-lanterna da competição.

Tricolor confuso no início da partida

Sem ter uma referência na frente, já que Fernandão e Ricardo Oliveira foram vetados pelo departamento médico, o técnico Sérgio Baresi apostou na velocidade. A tarefa, a princípio, parecia complicada, já que o desempenho dos três homens de frente não era nada animador: Marcelinho (cinco jogos e nenhum gol), Fernandinho (cinco gols em 32 jogos) e Marlos (dois gols em 62 partidas).

Quando a bola rolou, ficou clara a postura das duas equipes. O São Paulo, no 4-3-3, tomou a iniciativa. Baresi abriu Marlos na direita, Fernandinho na esquerda e colocou Marcelinho pelo meio, com a obrigação de chegar na área. Eles tinham o apoio de Jorge Wagner, que surgiu no meio-campo e dos laterais Jean e Junior Cesar, que tinham liberdade total para apoiar. Do lado contrário, o técnico Renê Simões repetiu o que havia feito na vitória por 3 a 0 sobre o Palmeiras e escalou o time no 4-5-1. A ideia era povoar o meio-campo e buscar um contra-ataque para surpreender.

A primeira chegada de perigo na partida foi do time goiano. Aos nove, Marcão desceu nas costas de Junior Cesar e cruzou na medida para Wesley, que dominou errado dentro da área e facilitou as coisas para Rogério Ceni.

O São Paulo, apesar de ter a maior posse de bola, pecava pela previsibilidade. Como os laterais Vítor Ferraz e Thiago Feltri não subiam, Marlos e Fernandinho eram bem vigiados pelas pontas. Jean e Junior Cesar, quando avançavam eram acompanhados pelos volantes adversários. Com isso, para mudar o panorama da partida, ou aparecia uma jogada individual ou um lance de bola parada. Ambas aconteceram e o Tricolor abriu o marcador.

Aos 22, Xandão deu um bico despretensioso para o ataque. A zaga goiana marcou bobeira, Fernandinho avançou, driblou Márcio e só não marcou porque Welton Felipe salvou em cima da linha. Na cobrança curta, Jean cruzou na cabeça de Xandão, que testou no canto esquerdo de Márcio e marcou seu primeiro gol com a camisa tricolor: São Paulo 1 a 0

A partir daí, a partida mudou. O Atlético-GO, que até então se defendia, foi obrigado a buscar o ataque. E com isso, deixou espaços para os contra-ataques do Tricolor. Com liberdade, os homens de frente começaram a se destacar e passaram a desperdiçar oportunidades. Aos 38, Marcelinho fez belíssima jogada, passou por três marcadores, invadiu a área e bateu errado, por cima do gol. Três minutos depois, Fernandinho foi lançado pela esquerda, invadiu a área e, na hora do chute, foi travado por Daniel Marques. No lance, o camisa 12 são-paulino torceu o joelho direito. Ele tentou voltar a campo, mas com muitas dores, caiu no gramado tão logo Paulo Henrique Godoy Bezerra apitou o final do primeiro tempo.

Os dois times voltaram com alterações para o segundo tempo. No São Paulo, Dagoberto ocupou a vaga de Fernandinho. No Atlético-GO, Renê Simões mudou um marcador no meio-campo (trocou Wesley por Agenor) e na frente, trocou Marcão, que joga fixo na área, por Juninho, que se movimenta pelos lados. Além disso, adiantou o posicionamento de Elias. Na primeira jogada da dupla, aos seis, o Dragão deixou tudo igual no marcador. Elias fez lançamento primoroso para Juninho, que avançou nas costas de Miranda, driblou Rogério Ceni e rolou a bola para o gol vazio: 1 a 1 no marcador.

A igualdade no marcador transformou o Morumbi em um caldeirão. Aos sete, Jorge Wagner disparou uma bomba da intermediária e Márcio fez grande defesa. Com um time leve em campo, não restava outra alternativa ao São Paulo a não ser jogar por baixo. O problema é que seus homens de frente eram individualistas, o que facilitava a marcação adversária. Aos 18, Marcelinho recebeu na entrada da área de Jean e mandou por cima do gol. O Atlético-GO respondeu dois minutos depois: como se fosse uma reprise do gol, Elias lançou Juninho, que desta vez dominou no peito e bateu de primeira por cima do gol.

O maior erro do Tricolor era afunilar o jogo pelo meio. Como o Atlético-GO, em alguns lances, se defendia com todos os seus dez homens de linha, faltava espaço. A única alternativa seria abrir o jogo pelas pontas. E foi o que aconteceu aos 24 minutos. Marlos, num raro lance de lucidez, avançou pela direita e cruzou na medida para Dagoberto, que testou no canto direito de Márcio. Festa no Morumbi. Na comemoração, Dagoberto arrancou a camisa e correu para o símbolo do Tricolor que fica no meio do gramado. Ajoelhado, foi ovacionado pela torcida.

Daí para a frente, o jogo ganhou em emoção. O Atlético-GO até tentou esboçar nova reação, mas pregou fisicamente e facilitou as coisas para o Tricolor que, nos contra-ataques, poderia até ter conquistado uma vitória mais tranquila. A melhor chance foi aos 33, quando Marlos fez excelente jogada individual, invadiu a área e, cara a cara com Márcio, tentou dar a cavadinha para marcar um golaço e recuou para o goleiro do Dragão. Quando surgiu o apito final, festa e alívio tomaram conta do estádio do Morumbi.

SÃO PAULO 2 X 1 ATLÉTICO-GO
Rogério Ceni; Jean (Samuel), Xandão, Miranda e Junior Cesar; Casemiro, Rodrigo Souto, Jorge Wagner e Marcelinho (Cleber Santana); Marlos e Fernandinho (Dagoberto). Marcio; Vitor Ferraz, Welton Felipe, Daniel Marques e Thiago Feltri; Ramalho, Pituca, Wesley (Agenor) e Diguinho (Anaílson); Elias e Marcão (Juninho).
Técnico: Sérgio Baresi. Técnico: Renê Simões.
Gols: Xandão, aos 24min do 1º tempo. Juninho, aos 6min e Dagoberto, aos 24min do 2º tempo
Cartão amarelo: Casemiro, Dagoberto e Xandão (São Paulo); Daniel Marques, Ramalho e Welton Felipe (Atlético-GO)
Estádio: Morumbi, em São Paulo (SP). Árbitro: Paulo Henrique Godoy Bezerra (SC). Auxiliares: Fernando Lopes (SC) e Luis Alberto Kallenberger (SC). Renda e Público: R$ 165.493,59 / 9.364 pagantes

setembro 2, 2010 Posted by | São Paulo | , | Deixe um comentário

São Paulo busca recuperação contra o Atlético-GO

Empate fora de casa deu confiança ao Tricolor, mas goianos querem fazer mais uma vítima paulista

Buscando se recuperar da má fase que enfrenta desde a eliminação da Libertadores, o São Paulo recebe o Atlético-GO nesta quinta-feira, às 21h, no Morumbi. O empate com o Fluminense, líder do Brasileirão, fora de casa, na última rodada, deu confiança para a equipe, que acredita em uma vitória no Morumbi para afastar a crise.

O principal adversário que o clube paulista enfrentará na partida de quinta é o atacante Elias, que fez cinco gols nas últimas duas rodadas do Brasileirão. Uma das vítimas do camisa 10 do Dragão foi o Palmeiras. Jogando no Palestra Itália, o atacante fez os três gols da goleada do Atlético-GO por 3 a 0.

Para não ser surpreendido pelo atacante, o técnico do Tricolor, Sérgio Baresi, preparou um esquema de marcação especial para Elias, mas espera que o São Paulo fique com mais posse de bola e dê poucas chances para o Atletico-GO.

– É dificil jogar contra eles, eles esperam um erro, e as equipes geralmente erram. Vai ter marcação especial (no Elias) quando ele estiver com a bola. Eu penso que os nosso meias e volantes tem de estar com a bola no pé. Assim, os jogadores deles é que tem de marcar os nossos – afirmou.

A ansiedade por sair da incômoda 15ª posição na tabela já atinge os jogadores. Mas Baresi conta com uma vitória nesta quinta para embalar a equipe na competição e superar a má fase.

– A parte psicologica é a mais difícil (de superar), porque não tem um botão que você aperta. É um trabalho a longo prazo. Nós estamos tentando atingir isso. Em alguns momentos conseguimos, em outros não. É difícil. Porque os resultados não estão vindo. Quinta-feira tenho certeza que o resultado será diferente e dará mais confiança para a sequência – disse.

Para a partida, o São Paulo ainda não poderá contar com Ricardo Oliveira, que se recupera de uma tendinite no joelho esquerdo. Fernandão, com uma entorse no tornozelo direito, é dúvida para a partida. Com isso, o São Paulo pode começar o jogo contra o Atlético-GO com Fernandinho e Dagoberto no ataque. Outra dúvida que Baresi deixa no ar está no meio-de-campo, onde Carlinhos pode entrar no lugar de Jorge Wagner.

O Atlético-GO estava praticamente definido por René Simões, mas sofreu uma modificação após o treino desta quarta-feira. O meia William, vetado pelo Departamento Médico por dores no ombro direito, lesão que o persegue desde a época em que estava no Goiás, não enfrentará o time paulista. Quem ganha a oportunidade é Wesley.

– Meu último jogo no Atlético foi há cinco meses, ainda pelo Campeonato Goiano, mas nunca deixei de trabalhar em busca de uma oportunidade para entrar no time. Se tiver a oportunidade de jogar, espero aproveitar bem a chance – afirmou o meia.

Outro jogador que retorna ao time titular é o zagueiro Welton Felipe, que substitui Jairo, também vetado pelo Departamento Médico. Welton não enfrentou o Avaí no último domingo, após sentir uma lesão no vestiário, mas está recuperado e acredita que o jogo será muito complicado. Mesmo assim, acredita que pode o time voltar a surpreender um paulista, a exemplo do que fez contra Corinthians e Palmeiras.

– Vai ser muito difícil, o São Paulo é um time muito cobrado e creio que vão jogar no limite em busca um resultado melhor pra eles. Nossa situação também é delicada, mas acredito que temos atuado bem, estamos conseguindo bons resultados nas últimas rodadas e isso é um ponto positivo para a gente buscar somar pontos – afirmou o zagueiro.

O Atlético não contará mais com o atacante Diogo Galvão, que nem chegou a estrear pelo clube. O jogador, que impressionou a comissão técnica nos treinamentos, terá de retornar ao Goiás após um empréstimo mal sucedido, que foi cancelado pelo Conselho Deliberativo do Goiás. Em contrapartida, o clube assinou contrato com o zagueiro Teco, que treinava a parte no clube, além de contratar o meia Adriano, que atuou pelo Coritiba na última temporada com René Simões.

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO X ATLÉTICO-GO

Estádio: Morumbi, São Paulo (SP)
Data/hora: 2/9/2010 – 21h (de Brasília)
Árbitro: Paulo H. Godoy Bezerra (CBF-SC)
Auxiliares: Fernando Lopes (SC) e Luis Alberto Kallenberger (SC)

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Jean, Xandão, Miranda e Junior Cesar; Casemiro, Jorge Wagner (Carlinhos), Rodrigo Souto e Marcelinho; Fernandinho e Fernandão (Dagoberto). Técnico: Sérgio Baresi.

ATLÉTICO-GO: Márcio; Victor Ferraz, Daniel Marques, Welton Felipe e Thiago Feltri; Pituca, Ramalho, Diguinho e Weslley; Elias e Marcão. Técnico: René Simões.

setembro 2, 2010 Posted by | São Paulo | , | Deixe um comentário

Santos luta por sonho do título contra Avaí

Dorival jogará com três no ataque contra algoz na Sul-Americana

O Santos entra em campo contra o Avaí, nesta quinta-feira, às 21h, na Vila Belmiro, pela 18ª rodada do Brasileirão, tentando encurtar a distância para o líder Fluminense. Atualmente, o Peixe tem 27 pontos e está a dez de distância do time carioca, mas tem um jogo a menos.

E o confronto diante do time catarinense, que completa 87 anos nesta quarta-feira, traz um ingrediente de revanche, já que o Alvinegro acaba de ser eliminado pelo Avaí na primeira fase da Copa Sul-Americana.

– Não conseguimos uma vitória na Sul-Americana. Vou me comportar como jogador do Santos e esquecer o lado torcedor, vai entrar o profissional. Temos que aproveitar a oportunidade para sair com o resultado positivo – disse Marquinhos, ídolo do Avaí.

Tentando engatar a quarta vitória seguida no Brasileirão, o técnico Dorival Júnior escalou o time de forma ofensiva, no 4-3-3, com Neymar, Zé Eduardo e Keirrison formando o trio ofensivo.

– É uma opção que nós estamos usando, vamos ver se a equipe vai continuar correspondendo. Espero reencontrar um equilíbrio dentro da equipe e esses próximos dias serão necessários para a equipe voltar a atuar com naturalidade – explicou o treinador.

Para a partida, o treinador terá as voltas do zagueiro Edu Dracena e do lateral-esquerdo Alex Sandro, que estavam suspensos, mas não conta com Léo, que recebeu o terceiro cartão amarelo e fica fora.

Um dia após o clube completar 87 anos de existência, a torcida do Avaí espera uma grande vitória como presente.

Do lado do Avaí, o técnico Antônio Lopes tem alguns desfalques para montar sua equipe titular. Suspensos, o lateral-direito Patric e o meia Robinho não jogam. Os apoiadores Davi e Caio ainda não foram liberados pelo departamento médico, mas podem jogar, e o atacante Roberto segue com lesão no púbis.

No lugar de Patric, o técnico promove a entrada de Bruno, enquanto Cristian joga na vaga de Robinho.

– Vamos procurar implantar a mesma filosofia de jogo que temos apresentado nas últimas partidas. Apesar deles terem perdido alguns jogadores, vamos enfrentar um adversário muito difícil – analisou Lopes.

FICHA TÉCNICA
SANTOS X AVAÍ

Estádio: Vila Belmiro, Santos (SP)
Data/hora: 02/09/2010, às 21 horas
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Assistentes: Paulo Cesar Silva Faria (MT) e Pablo Rodrigo Rubinho (MT)

SANTOS: Rafael, Pará, Edu Dracena, Durval e Alex Sandro; Arouca, Danilo e Marquinhos; Neymar, Zé Eduardo e Keirrison. Técnico: Dorival Júnior

AVAÍ: Renan, Bruno, Rafael, Emerson e Eltinho; Marcinho Guerreiro, Rudnei, Valber e Jéferson (Leandro Bonfim); Cristian e Vandinho.Técnico: Antônio Lopes

setembro 2, 2010 Posted by | Avaí, Santos | , | Deixe um comentário

De volta ao time, Romulo não quer mais dar bobeira para concorrência

Suspenso na última rodada, volante não atuou na partida contra o Cruzeiro

Para o duelo com o Ceará, sábado, às 18h30m (de Brasília), em Fortaleza, o técnico Paulo César Gusmão terá novamente à disposição o volante Romulo, que deverá ser titular após cumprir suspensão. Cheio de moral com o treinador, ele não quer mais dar brecha para a concorrência. Com a suspensão de Nilton, é provável que o atleta, de 19 anos, tenha que ficar mais preso na marcação ao lado de Rafael Carioca.

– Ficar fora é sempre ruim. Espero ter a oportunidade novamente e fazer um bom jogo. Não sei se meu posicionamento vai mudar com a ausência do Nilton. O que o PC orientar para eu fazer, vou tentar fazer da melhor forma – afirmou o volante.

Titular absoluto do Vasco desde o reinício do Brasileiro após a Copa, Romulo contou que sua vida ainda não mudou muito após se firmar no profissional. O jogador segue morando perto do clube, no bairro de São Cristóvão.

– Minha rotina não muito, mas algumas pessoas que me reconhecem vêm falar comigo na rua.

O Vasco é o décimo colocado do Campeonato Brasileiro com 23 pontos.

setembro 2, 2010 Posted by | Vasco da Gama | , | Deixe um comentário

Felipe completa 33 anos e ‘vibra’ com possível comemoração em família

Lesionado, apoiador não viajará para enfrentar o Ceará, neste sábado, pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro

O meia Felipe, do Vasco, completa 33 anos nesta quinta-feira e, de certa forma, está festejando a possibilidade de passar o dia do aniversário com seus familiares. O jogador tem uma lesão de grau 1 na coxa direita e está fora da partida do próximo sábado, contra o Ceará, às 18h30m, no Castelão.

– Não queria desfalcar o time, mas o lado bom é que vou poder passar meu aniversário com a família. Se eu tivesse que jogar sábado, viajaria nesta quinta e não teria comemoração com a família. Há cinco anos não passo aniversário com meus pais, minha esposa e filhos. Fico feliz que neste ano vai ser diferente e devo sair para jantar – disse ao site oficial do Vasco.

setembro 2, 2010 Posted by | Vasco da Gama | | Deixe um comentário

‘Tenho carinho pelo Cruzeiro, mas eu amo o Palmeiras’, afirma Kleber

Gladiador se prepara para reencontrar ex-clube neste domingo, no Pacaembu, e quer vitória para encostar nos líderes do Brasileirão

dolo no Palmeiras e xodó da torcida pela garra e disposição que apresenta em campo, o atacante Kleber se prepara para enfrentar o clube que defendeu até poucos meses atrás, antes de voltar para o Palestra Itália. Neste domingo, às 16h, no Pacaembu, ele atuará contra o Cruzeiro pela primeira vez desde que deixou o clube, no meio desta temporada.

Kleber jogou pelo time mineiro durante um ano e meio. Com a camisa celeste, ele realizou 58 jogos e marcou 38 gols, vencendo o Campeonato Mineiro de 2009 e sendo vice da Taça Libertadores no mesmo ano.

– Será difícil porque tenho um carinho muito grande pelo time, mas hoje defendo o Palmeiras, clube que torço e amo. Nunca escondi isso. Mas aprendi a gostar do Cruzeiro. Será difícil pelos companheiros que tenho lá e pelas amizades que fiz, mas espero poder vencer para  que o Palmeiras possa encostar nos líderes do Brasileiro. Tem muita gente da torcida que diz que eu não deveria ter saído de lá e que pede para eu voltar, ainda mais depois do gol contra o Atlético-MG (vitória por 2 a 1, há duas rodadas) – disse o camisa 30 , no desembarque palmeirense em São Paulo, na manhã desta quinta.

Na noite da última quarta-feira, no Maracanã, o Palmeiras empatou com o Fluminense em 1 a 1 nos minutos finais do confronto. Apesar de não ter marcado pelo time paulista, onde tem 58 jogos e 15 gols, o atacante foi um dos melhores em campo. Com o resultado, o Alviverde se manteve na nona posição, agora com 24 pontos – quatro a menos que o Cruzeiro, quinto colocado.

– Sabíamos que seria um jogo para a afirmação. Jogamos bem e fomos premiados com o gol no final, jogando fora de casa, com o líder do Brasileiro. Acho que estamos no caminho certo para melhorar no campeonato. Agora temos essa partida de seis pontos com o Cruzeiro pela frente, pois é um time que também briga pelo G-4. É um jogo-chave para nós talvez encostarmos nos primeiros colocados – disse.

setembro 2, 2010 Posted by | Palmeiras | Deixe um comentário

Inter volta para casa e recebe carinho da torcida

Titulares são liberados de treinamento depois do empate por 0 a 0 com o Vitória em Salvador

O Inter voltou para casa no início da tarde desta quinta-feira. Às 14h15m, a delegação colorada desembarcou no aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, o ponto final da viagem iniciada em Salvador pela manhã. Na chegada, o elenco recebeu o carinho habitual dos torcedores que estavam por ali. Atletas como Tinga e Rafael Sobis deram autógrafos, posaram para fotos, chegaram a ser aplaudidos.

Os colorados retornaram ao Rio Grande do Sul satisfeitos com o empate por 0 a 0 com o Vitória. Assim, foi mantida a distância de dez pontos para o líder Fluminense, mas o Inter tem um jogo a mais a disputar.

– Foi um ponto ganho. Sabemos como é difícil enfrentar o Vitória lá no Barradão – disse o meia Giuliano.

Os jogadores que começaram o jogo contra o Vitória foram liberados do treinamento da tarde desta quinta-feira. Puderam entrar em táxis e ir para casa. Já os reservas tiveram que rumar ao Beira-Rio para mais um treino, o primeiro como preparação para o jogo de domingo, contra o Grêmio Barueri, no Beira-Rio.

setembro 2, 2010 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário

Grêmio embarca para o Rio com apoio de torcedores a Renato

Jogadores também recebem mensagens de apoio antes do jogo contra o Botafogo. Elenco deixa Porto Alegre com atraso

Não esmorece o apoio da torcida do Grêmio a Renato Gaúcho. No início da tarde desta quinta-feira, ao colocar os pés no aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, para embarcar ao Rio de Janeiro, o treinador recebeu mensagens de incentivo de tricolores que passavam por ali. Uma mulher se aproximou, tirou fotos com ele, pediu autógrafos e afirmou:

– O Renato é gremista. Eu confio muito no trabalho dele.

O treinador agradeceu. Outros jogadores, caso do volante Fábio Rochemback, também receberam mensagens de incentivo de torcedores. É uma espécie de continuação daquilo que aconteceu um dia antes, quando 30 mil torcedores foram ao Olímpico apoiar o time na vitória de 1 a 0 sobre o Guarani. O resultado tirou o Tricolor da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro.

A saída do Grêmio rumo ao Rio de Janeiro estava prevista para 12h40m, mas houve atraso, já que choveu forte em Porto Alegre pela manhã. O embarque foi reprogramado para as 13h50m. A delegação viaja com 20 atletas.

Douglas, com dores pubianas, é desfalque. Leandro deve entrar na vaga dele. Com isso, o Grêmio provavelmente atuará com Victor, Gabriel, Vilson, Rafael Marques e Fábio Santos; Adílson, Fábio Rochemback, Souza e Leandro; Jonas e Borges. O goleiro Marcelo Grohe, os zagueiros Neuton e Paulão, o lateral-direito Edílson, o lateral-esquerdo Lúcio, o volante Gilson, o meia Maylson e os atacantes André Lima e Roberson completam o elenco gaúcho no Rio.

setembro 2, 2010 Posted by | Grêmio | | Deixe um comentário

‘Gramado não tem culpa se Flu leva gol no fim do jogo’, diz engenheiro

Paulo Azeredo, da empresa responsável pelo piso do Maracanã, responde às críticas de Muricy Ramalho sobre o estado da grama do estádio

Após o terceiro tropeço seguido no Marcanã, desta vez contra o Palmeiras, nesta quarta-feira, quando o Fluminense empatou em 1 a 1, o técnico Muricy Ramalho criticou as condições do campo na entrevista coletiva. Um dia depois, Paulo Azeredo, responsável pelo gramado do Maracanã e do Engenhão, respondeu ao treinador do Tricolor das Laranjeiras:

– Não concordo com ele (Muricy), pois o gramado não está irregular. O sereno que caiu deu um aspecto de que o campo estava ruim. Se o Fluminense toma um gol no fim do jogo o problema não é do gramado – disse à Rádio Brasil.

Azeredo aproveitou a ocasião para falar também das condições do gramado do estádio João Havelange:

– Quanto ao Engenhão, estamos tentando evitar os jogos do Duque de Caxias no estádio. Estamos entrando na primavera e a grama reage melhor com essa estação. No próximo jogo do Botafogo já terá uma diferença visível – completou.

setembro 2, 2010 Posted by | Fluminense | , | Deixe um comentário

Rebaixamento entra em pauta, e Correa cobra vitória: ‘Passou da hora’

Rubro-Negro está perto do Z-4 e não vence há quatro rodadas. Volante vê o grupo pressionado para enfrentar o Santos, neste domingo

Quatro jogos sem vitória, pior ataque do Campeonato Brasileiro (14 gols) e apenas o 14º lugar na tabela. A crise bate à porta e preocupa o Flamengo. Após a derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro, nesta quarta-feira, a necessidade de recuperação dobrou de tamanho. Nesta quinta, a delegação voltou ao Rio e iniciou a preparação para enfrentar o Santos, domingo, no Maracanã. Apenas quatro pontos separam a equipe do Z-4. O tema rebaixamento entrou em pauta na Gávea e incomoda.

– O Campeonato Brasileiro é equilibrado, vemos times grandes, de qualidade, que estão na zona de rebaixamento e não conseguem sair. É um campeonato muito difícil. Hoje, as equipes aprenderam a disputar o campeonato. Existe uma conta para ficar livre da zona de rebaixamento e esse é o primeiro objetivo. Claro que as equipes grandes, como o Flamengo, entram pensando em título. Mas esta preocupação tem de ser para todo mundo. Não podemos deixar o tempo passar, já passou da hora. Temos time para brigar lá em cima. É preciso continuar trabalhando – disse o volante Correa.

O camisa 7 reconhece que o Flamengo irá a campo pressionado na próxima rodada. O Peixe é um adversário difícil, que briga por um lugar no G-4.

– A nossa responsabilidade aumenta por estarmos há tanto tempo sem vencer. Estamos todos chateados, mas não há tempo para lamentar. O Santos é um adversário difícil, mas temos de tirar a má impressão. Precisamos subir na tabela e voltar a vencer. Vemos a classificação e a parte negativa incomoda. Mas duas vitórias podem nos colocar numa condição melhor – frisou.

A falta de tempo é um dos maiores problemas. O técnico Silas chegou na última segunda-feira e quase não teve tempo de preparar o time para jogar em Uberlândia. Antes do jogo de domingo, serão só duas atividades com o grupo completo.

– Temos de ser inteligentes. Não podemos esconder os erros, fingir que eles não existem. O tempo é curto, o professor está chegando e colocando a filosofia dele – destacou.

Aqueles que começaram a partida em Minas, com exceção de Val Baiano e Willians, fizeram um treino regenerativo na piscina. O restante do grupo foi a campo para enfrentar o SEC, da Segunda Divisão do Rio, num jogo-treino.

setembro 2, 2010 Posted by | Flamengo | , | Deixe um comentário

Contundidos, Cláudio Caçapa e Robert já são dúvidas para domingo

Jogadores deixaram a partida diante do Flamengo sentindo lesões

Se o Cruzeiro comemora o fato de, na próxima partida, contra o Palmeiras, no domingo, contar com os retornos do zagueiro Gil e do atacante Wellington Paulista, já que cumpriram suspensão diante do Flamengo, já contabiliza duas baixas para o fim de semana. O zagueiro Cláudio Caçapa e o atacante Robert deixaram o gramado do Parque do Sabiá com suspeitas de torção no tornozelo esquerdo. De acordo com o departamento médico da Raposa, os dois iniciarão tratamento nesta quinta-feira e farão exames para saber a gravidade das lesões.

O técnico Cuca preferiu não lamentar as ausências e olhou a situação pelo lado positivo.

– A gente está tendo uma pitada de sorte. Perdemos o Caçapa, mas temos o retorno do Gil. Perdemos o Robert, mas temos o retorno do Wellington.

Programação

A delegação do Cruzeiro retornará a Belo Horizonte nesta quinta-feira. E os jogadores não terão folga. A delegação seguirá do aeroporto de Confins direto para a Toca da Raposa II, onde farão treino regenerativo. Já os atletas que não atuaram contra o Flamengo realizarão treino técnico e tático.

setembro 2, 2010 Posted by | Cruzeiro | Deixe um comentário

Estádio ‘virgem’ faz Timão prever obra mais rápida e lucrativa que Palmeiras

Diretor de marketing entende que localização beneficia Corinthians para inaugurar sua arena antes do que o Verdão

Rivais dentro de campo, Corinthians e Palmeiras começam agora a duelar nos bastidores sobre quem inaugurará primeiro suas novas arenas. Para o diretor de marketing do Timão, Luiz Paulo Rosenberg, o clube do Parque São Jorge leva vantagem por conta da localização do estádio e aposta ainda que conseguirá arrecadar mais dinheiro que o rival na venda do nome (naming rights).

– Se tivéssemos conquistado a concessão do Pacaembu, eu diria que teríamos mais dificuldades para aprovar do que o Palmeiras. Mas estamos saindo para construir um estádio em um terreno que há 30 anos foi programado para ser um estádio, na beira de uma marginal, em uma região que precisa ser desenvolvida e não tem problema de trânsito. O problema lá é falta de trânsito. Eu digo que vou ganhar do Palmeiras. É trivial isso – afirmou.

A diretoria do Palmeiras vai reclamando constantemente das exigências para a liberação do início das obras. A maior bronca do clube é sobre o barulho que a nova arena trará à região, cercada de prédios residenciais. Os estudos querem saber até qual será a intensidade dos ruídos em caso de pneus de carros cantando e de vuvuzelas serem levadas ao estádio. A previsão do clube é inaugurar a arena no fim de 2012.

Na visão dos corintianos, a obra em Itaquera não terá tantas restrições por se tratar de um terreno isolado, ao lado do centro de treinamentos das categorias de base. A ideia é abrir a casa alvinegra no início de 2013 para ser utilizada na Copa das Confederações.

Rosenberg, aliás, aposta que o retorno financeiro do estádio corintiano será maior que o da arena palmeirense por se tratar de uma nova obra. O clube pretende vender o nome para arrecadar ainda mais fundos. O Alviverde tem o mesmo desejo, mas até agora não encontrou parceiros.

– Duvido que consigam vender adequadamente Palestra Itália, Pacaembu, Morumbi e Parque São Jorge porque são estádios que já têm um nome. Como vou vender? Agora, nós vamos pegar um estádio virgem, que vai crescer com essa beleza e modernidade. Por isso, temos muita esperança – completou.

setembro 2, 2010 Posted by | Corinthians | | Deixe um comentário

De olho no líder Flu, Joel Santana sonha com título do Brasileiro

Treinador do Botafogo afirma que sua equipe está na briga pelo caneco

Terceiro colocado do Campeonato Brasileiro, o Botafogo de Joel Santana está de olho nos rivais que terá pela frente e no Fluminense, líder da competição com 38 pontos. Apesar dos oito pontos que separam Alvinegros de Tricolores, o treinador do Glorioso acredita que é possível chegar mais perto do topo e tentar beliscar o título do Nacional.

– Estamos trabalhando para isso. Jogaremos com o Grêmio na última rodada e depois teremos um turno inteiro pela frente. O Fluminense está na frente, mas nós estamos logo ali, procurando nosso espaço. Temos de fazer um trabalho bem feito. Estamos em uma boa colocação, mas não é excelente ainda. Pretendemos ser campeões. O Botafogo é campeão carioca e se foi do Rio, pode ser do Brasileiro temos time para isso – disse Joel Santana.

Apesar de acreditar que sua equipe tem chances de brigar pelo título do Nacional, competição que não conquista desde 1995, Joel não gostou do que viu na noite da última quarta-feira. Embora tenha conseguido vencer o Grêmio Prudente por 1 a 0, em Presidente Prudente – Maicosuel foi o autor do gol solitário (reveja no vídeo acima) – o treinador reconheceu que o Botafogo não teve uma boa atuação.

– Foi um jogo muito difícil e, apesar de o time não ter agradado o público nem a mim, conseguimos melhorar no segundo tempo e, por isso, merecemos a vitória. Mas no primeiro tempo jogamos mal. Melhoramos a nossa marcação porque eles estavam finalizando demais. Depois procuramos matar o jogo e conseguimos com um passe preciso do Renato Cajá para o Maicosuel, que finalizou muito bem – avaliou.

O Botafogo treina durante a manhã desta quinta-feira ainda em Presidente Prudente e retorna para o Rio de Janeiro no fim da tarde. No sábado, a equipe recebe o Grêmio, no Engenhão.

setembro 2, 2010 Posted by | Botafogo | , | Deixe um comentário

Alexandre Kalil dispara: ‘Alguém vai ter que pagar essa conta’

Presidente afirma que clube vai acumular cerca de R$ 6 milhões de prejuízo

Longe do Mineirão, o Atlético-MG deve ter um prejuízo em torno de R$ 6 milhões, em 2010, com a queda nas bilheterias. Essa é a avaliação do presidente do clube, Alexandre Kalil, que garante: ‘alguém vai ter que acertar essa conta com o Atlético’.

O principal estádio de Minas Gerais está interditado para as obras da Copa do Mundo de 2014. Com o atraso na reforma do outro estádio da capital, o Independência, os times de Belo Horizonte ficaram sem casa neste Brasileirão. Por isso, Atlético-MG e Cruzeiro estão mandando seus jogos no interior de Minas. Sete Lagoas e Ipatinga já receberam jogos do Galo nesta série A.

Alexandre Kalil admitiu que a mudança traz um prejuízo técnico e financeiro para o time.

– É claro que é um prejuízo técnico e financeiro muito grande. O tempo em que as arrecadações não valiam nada no futebol brasileiro já passou há muito tempo. No ano passado, nós arrecadamos R$16 milhões em bilheteria. Essa é uma conta que nós vamos compensar. Já entramos em contato com o governador, e vão ter que acertar essa conta com o Atlético-MG, disse o dirigente em entrevista ao programa Arena Sportv, nesta quinta-feira.

Para reduzir esse prejuízo, Kalil disse que o clube vai contar com apoio de torcedores especiais.

– Este ano, estamos atrás de patrocínio. Vamos conseguir salvar um pouco essa receita porque tem atleticanos querendo subsidiar essa despesa.

O dirigente também explicou o retorno para Sete Lagoas, após mandar jogos em Ipatinga.

– Voltamos para Sete Lagoas até por uma questão de lógica. Nós já temos o melhor CT do Brasil. Então, quando você sai para jogar no interior, você passa a não usar essa estrutura, porque usa os hotéis do interior. Quando a gente joga em Sete Lagoas usa nossa estrutura.

setembro 2, 2010 Posted by | Atlético-MG | | Deixe um comentário

Palmeiras empata no fim, e Flu tem terceiro tropeço seguido no Maraca

No ‘até logo’ tricolor ao estádio, Ewerthon aos 48 minutos do segundo tempo decreta o 1 a 1. Diferença para o Corinthians é de quatro pontos

O Fluminense luta para manter o Maracanã aberto, mas a julgar pelos últimos resultados a diretoria deve repensar a decisão. Pela terceira vez consecutiva, o Tricolor tropeçou em seu palco principal. Em partida truncada e com pouquíssimas chances de gol, o Palmeiras repetiu os feitos de Vasco e São Paulo e segurou o líder do Brasileirão nesta quarta-feira com o empate por 1 a 1, pela 18ª rodada.

Com um gol de Emerson, o sexto em sete partidas do Sheik pelo clube, o Flu até parecia que ia se despedir do Maracanã, que fechará para obras para a Copa de 2014, com vitória. Entretanto, Ewerthon, aos 48 do segundo tempo, aproveitou buraco na defesa adversária e decretou a igualdade no placar.

Com o resultado, o Tricolor permanece na primeira posição, com 38 pontos, enquanto o Corinthians, que teve a partida contra o Vasco adiada para o dia 13 de outubro por conta das comemorações do centenário, tem 34. Já o Palmeiras de Felipão foi a 24 e pulou para a nona colocação.

No próximo domingo, o Tricolor encerra o primeiro turno contra o Guarani, às 16h (de Brasília), no Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas, enquanto o Verdão recebe o Palmeiras, no mesmo dia e horário, no Pacaembu.

Preocupado em espantar de vez os tropeços dentro de casa e em se despedir com vitória do Maracanã, o Fluminense começou a partida imponente, tomando conta do meio-campo e com Deco e Conca em noite inspirada. O problema, no entanto, é que encontrou do outro lado um adversário quase todo atrás da linha da bola. Bem postado na defesa, o Palmeiras preocupava-se em marcar e apostar na velocidade de Valdivia e Kleber.

E a estratégia só não deu certo pelos inúmeros passes errados do chileno nos minutos iniciais. Sem espaço a partir da intermediária ofensiva, o Tricolor apelava para chutes de longe, como os de Thiaguinho e Emerson, aos seis e aos 11, e pouco assustava. Tanto que a primeira grande chance foi alviverde, aos 13.

Após colocar a bola entre as pernas de Edinho no meio-campo, Deco foi desarmado por Pierre e deu espaço para o contragolpe paulista. Marcos Assunção foi lançado com liberdade pela direita e cruzou na medida para Rivaldo cabecear com perigo. Fernando Henrique se recuperou da falha no fim de semana e fez boa defesa.

O susto, por sua vez, fez com que o Fluminense acordasse e jogasse com mais velocidade. Foi o suficiente para abrir o placar. Aos 15, Diogo encontrou Washington em boa condição na área. Livre para marcar, o Coração Valente se enrolou todo e foi desarmado. Mas a bola sobrou limpa para Conca, que chutou cruzado com força. No meio do caminho, Emerson dominou e chutou para fazer seu sexto gol em sete jogos pelo clube.

Mal no jogo, Valdivia tentou dar o troco dois minutos depois, mas parou em FH. Se o chileno jogava mal, o “português” do Flu fazia sua melhor exibição desde o retorno ao Brasil. Aos 23, Deco descolou bom passe para Conca, que bateu com força para defesa de Marcos. Com o luso-brasileiro ditando o ritmo do jogo, o Tricolor fazia a bola girar e dava poucos espaços na defesa.

Quando o Palmeiras conseguiu penetrar na área, Kleber até marcou o gol, aos 32, mas estava em impedimento. Foi um raro lance de perigo na primeira etapa onde Gum e Leandro Euzébio se destacaram. O segundo, por sinal, até se aventurou no ataque e deu início a boa jogada aos 46.

Depois de desarmar Kleber, Euzébio serviu Julio Cesar, que cruzou com precisão para Emerson. Da marca do pênalti, o Sheik dominou e concluiu rápido para tirar tinta da trave direita do Verdão no último bom lance do primeiro tempo.

Flu recua demais e sofre castigo no minuto final

Se no primeiro tempo as chances de gol foram raras, na volta do intervalo jogadas ofensivas se tornaram ainda mais escassas. Com maior volume de jogo, o Palmeiras esbarrava na própria ineficiência. A equipe paulista até chegava próximo da área, mas Kleber tentava resolver sozinho e desperdiçava a maioria dos lances.

Situação similar acontecia com o Fluminense, que mais uma vez não teve Washington em boa noite. Sendo assim, restavam as bolas paradas para as duas equipes. E neste quesito o Palmeiras tem um especialista de respeito: Marcos Assunção. Aos 16 e 22, o volante cobrou falta com perigo para boas defesas de Fernando Henrique.

Do lado tricolor, Conca foi o responsável por colocar a bola na cabeça de Washington, que desviou para fora. Foi quando o Palmeiras partiu para o tudo ou nada. Felipão trocou o sonolento Valdivia por Ewerthon, e tirou o zagueiro Fabrício para colocar o Luan, deixando a equipe com três atacantes.

A mudança fez efeito e o Palmeiras pressionou nos minutos finais. Na base do abafa, a equipe facilitou as ações de Fernando Henrique até os 45, com cruzamentos interceptados pelo goleiro. Mas um lance no minuto seguinte fez a diferença. Após saída de bola errada de Gum, Luan partiu em velocidade e foi parado com falta por Leandro Euzébio, que foi expulso.

Marcos Assunção cobrou falta na barreira, Washington desperdiçou excelente contra-ataque, e no último lance da partida Ewerthon aproveitou o espaço na defesa tricolor. Após lançamento longo, Edinho cabeceou para o meio da área, e o atacante empurrou para o fundo das redes: 1 a 1. Placar final.

FLUMINENSE 1 X 1 PALMEIRAS
Fernando Henrique, Thiaguinho, Gum, Leandro Euzébio e Julio Cesar; Diogo (Belletti), Fernando Bob, Conca e Deco; Emerson (André Luis) e Washington. Marcos, Maurício Ramos, Danilo e Fabrício (Luan); Márcio Araújo, Pierre (Tinga), Edinho, Marcos Assunção e Rivaldo; Valdivia (Ewerthon) e Kleber.
Técnico: Muricy Ramalho. Técnico: Luiz Felipe Scolari.
Gols: Emerson, aos 15 minutos do primeiro tempo. Ewerthon, aos 48 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Belletti e Leandro Euzébio (FLU) Edinho, Marcos Assunção e Pierre (PAL). Cartão vermelho: Leandro Euzébio (Flu).
Local: Maracanã, Rio de Janeiro. Data: 29/08/2010 Horário: 22h (de Brasília) Árbitro: Marcio Chagas da Silva (RS) Assistentes: Paulo Ricardo Silva Conceição (RS) e Rodrigo Carvalhares de Miranda (RJ)

setembro 2, 2010 Posted by | Fluminense, Palmeiras | , | Deixe um comentário

Cruzeiro despacha o Flamengo por 1 a 0 e segue firme na luta pelo G-4

Atacante Robert, que substituiu Wellington Paulista, fez o gol ainda no primeiro tempo e garantiu a vitória mineira no estádio Parque do Sabiá, em Uberlândia

O Cruzeiro não tomou conhecimento da estreia do técnico Silas e nem perdoou o mau momento do Flamengo no Campeonato Brasileiro. O time mineiro venceu o rival flamenguista por 1 a 0, no Parque do Sabiá, em Uberlândia, e subiu uma posição na tabela de classificação. O Flamengo, por sua vez, segue em situação difícil na competição.

Mesmo com o resultado, a Raposa não entrou no G-4, mas segue colado, com a mesma pontuação do Internacional – quarto colocado – com 28 pontos. Já o rubro-negro segue sem vencer há quatro rodadas e segue na 14ª posição, com apenas 21.

Na próxima rodada, Cruzeiro e Flamengo jogarão no domingo, às 16h (de Brasília). O time mineiro terá o Palmeiras pela frente, no Palestra Itália, em São Paulo. Já os cariocas enfrentarão o Santos, no Maracanã.

Apesar de visitante, foi o Flamengo que começou pressionando e teve a primeira chance, com o atacante Val Baiano, em uma grande arrancada do time carioca. O atacante driblou Edcarlos e chutou cruzado, rasteiro, para boa defesa do goleiro Fábio.

Mas, ao mesmo tempo em que quase marcou, o a defesa rubro-negra fez uma lambança e quase entregou um gol para o Cruzeiro. Após recuo de bola, o goleiro Marcelo Lomba rebateu no pé de Thiago Ribeiro que chutou em cima do goleiro flamenguista.

A partir daí, o Cruzeiro não demorou muito a abrir o placar. Assim como aconteceu contra o Corinthians, o time mineiro marcou antes dos dez minutos do primeiro tempo. Aos 9 minutos, o meia Montillo roubou a bola na intermediária e cruzou para Thiago Ribeiro, que chutou em cima da zaga. No rebote, Fabrício chutou errado, e a bola sobrou para Robert, que escorou para o gol sem goleiro.

O Cruzeiro continuou no ataque, e Montillo quase ampliou ao receber na área e bater em cima de Marcelo Lomba. No lance seguinte, Robert também perdeu grande chance de fazer seu segundo gol, ao ‘furar’ um cruzamento de Montillo. A ‘blitz’ cruzeirense era tamanha que Montillo perdeu outra incrível chance. Em rápido contra-ataque, Thiago Ribeiro cruzou da direita, Correa ajeitou para o meia argentino, que novamente chutou em cima do goleiro do Flamengo.

O Flamengo também teve suas chances, e o volante Correa empata. Porém, o volante chutou para fora, mesmo sozinho diante de Fábio. A vitória por 1 a 0 foi justa para a equipe que mais buscou o ataque e levou perigo ao adversário.

Segurança na defesa

O zagueiro Léo, contratado junto ao Palmeiras, fez sua estreia com a camisa do Cruzeiro, ao entrar na vaga de Cláudio Caçapa, que torceu tornozelo esquerdo no fim do primeiro tempo. O Flamengo não quis saber disso e quase empatou no início da etapa com Renato. O meia tentou cruzar para a área e quase encobriu o goleiro Fábio, que espalmou para a linha de fundo.

Em vantagem no placar, o Cruzeiro passou a jogar apenas nos contra-ataques. E quase matou o jogo com Wallyson, que havia entrado no lugar do artilheiro da noite, Robert, que torceu o tornozelo esquerdo. Wallyson chutou por cima ao penetrar livre na grande área.

A situação do Cruzeiro ficou ainda mais tranquila quando o árbitro paulista Guilherme Cereta expulsou o zagueiro Jean após marcar falta inexistente do defensor sobre Thiago Ribeiro.
A partir daí, o que se viu foi uma sucessão de chances para os donos da casa. Na maior delas, Diego Renan, a dois metros do gol, chutou por cima.

O Cruzeiro segurou o marcador até o fim e conquistou três pontos importantes para a sequência da equipe no Campeonato Brasileiro.

CRUZEIRO 1 X 0 FLAMENGO
Fábio; Jonathan, Edcarlos, Caçapa (Léo) e Diego Renan; Fabrício, Henrique, Marquinhos Paraná e Montillo (Roger); Robert (Wallyson) e Thiago Ribeiro. Marcelo Lomba; Léo Moura, Jean, Ronaldo Angelim e Juan; Willians, Correa, Renato e Petkovic (Leandro Amaral); Val Baiano (Fernando) e Diego Maurício (Cristian Borja).
Técnico: Cuca. Técnico: Silas.
Estádio: Parque do Sabiá, em Uberlândia (MG). Data: 1/9/2010. Horário: 22h (de Brasília). Árbitro: Guilherme Cereta de Lima (SP). Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis (SP) e Márcio Luiz Augusto (SP).
Público: pagantes. Renda: R$ Cartões amarelos: Diego Renan, Jonathan, Fabrício (Cruzeiro); Correa, Fernando (Flamengo). Cartões vermelhos: Jean (Flamengo).
Gols: Robert (Cruzeiro), aos 9 minutos do primeiro tempo.

setembro 2, 2010 Posted by | Cruzeiro, Flamengo | | Deixe um comentário

Atlético-PR parte para o ataque no segundo tempo e vence o Ceará

Furacão derrota o Vovô por 2 a 1, com gols de Branquinho e Chico, e aparece no oitavo lugar do campeonato, posição que não alcança desde 2008

Há mais de dois anos, a torcida do Atlético-PR olhava a tabela e não gostava do que via. Desde julho de 2008, o time não ultrapassava a barreira da 11ª posição do Brasileirão. Na noite desta quinta-feira, porém, ele conseguiu. Com o ataque mais aberto no segundo tempo, o Furacão venceu o Ceará por 2 a 1 e vai dormir como o oitavo colocado do campeonato.

A vitória na Arena da Baixada levou o Atlético-PR a 25 pontos. Com a ajuda da derrota do Guarani e o empate do Palmeiras, o Furacão alcançou a nona posição. O Avaí ainda joga pela 18ª rodada nesta quinta-feira contra o Santos. Se vencer, passa o time paranaense.

O Furacão volta ao campo no domingo para enfrentar o Avaí, às 16h, na Ressacada. Já o Ceará, que somou a sexta derrota consecutiva fora de casa – não vence desde a volta do campeonato após a Copa do Mundo -, receberá o Vasco no sábado, às 18h30m, no Castelão.

Branquinho puxa o ataque e marca para o Furacão

O Furacão começou marcando a saída de bola do Ceará. Encontrou a defesa menos vazada do campeonato e não teve muitas chances para tentar o contra-ataque. O primeiro lance de perigo saiu dos pés do visitante. Kempes, estreante da noite, ajeitou para Camilo, que mandou por cima do gol paranaense, aos oito.

Ansiosos, os donos da casa contavam apenas com as boas jogadas pela esquerda de Branquinho. Em uma delas, Manoel sofreu falta na entrada da área. Paulo Baier cobrou, mas chutou longe da meta de Michel Alves, que substituiu Diego nesta quarta-feira. Bruno Mineiro também tentou abrir o placar na Arena da Baixada, mas parou nas mãos do goleiro do time cearense.

Os escanteios continuavam a sair pela esquerda do ataque paranaense, mas a bola não chegava para Bruno Mineiro, atacante do Furacão que não marca há seis partidas. Aos 31, Paulo Baier cobrou pela esquerda, e Branquinho pegou o rebote para driblar o marcador e chutar rente à trave direita de Michel Alves. Mas foi do lado cearense que apareceu a melhor chance do primeiro tempo.Oziel cruzou da direita e Kempes, sem marcação, quase na marca do pênalti, cabeceou fraco no meio do gol, facilitando o trabalho do goleiro Neto, aos 42.

Paulo Baier ainda tentou acertar mais uma cobrança de falta aos 45, mas não era o seu dia. O Furacão foi para o vestiário sob vaias da torcida, e o camisa 10, que reclamou por ter jogado como segundo volante, não voltou mais para o gramado.

Furacão avança e pressiona no segundo tempo

O Atlético-PR voltou melhor na etapa complementar. Guerrón entrou no lugar de Paulo Baier, e Federico Nieto substituiu Bruno Mineiro. Os estrangeiros de Carpegiani abriram o ataque do Furacão. Mais solto, o time avançou e pressionou o Ceará no início do segundo tempo.

Aos 14, Maikon Leite tocou para Branquinho soltar a bomba. Michel Alves, bem na partida, defendeu e mandou a bola pela linha de fundo. Em seguida, foi a vez de Nieto também tentar colocar o Furacão na frente do marcador. A marcação cearense parou a jogada do argentino.

Aos 17, saiu o grito de gol na Arena da Baixada. Guerrón cruzou na direira e Branquinhou dominou para passar pelo marcador e chutar cruzado. Gol do Atlético-PR, e comemoração com dancinha na linha de fundo.

O Furacão continuou melhor no jogo, com o Ceará recuado tentando se defender. Conseguiu por mais 12. Aos 29, Branquinho cobrou escanteio, Manoel desviou com a cabeça e Chico, que quase deixou o Atlético-PR na última semana para ir para o futebol espanhol, virou na pequena área para acertar um forte chute e ampliar para a vitória paranaense para 2 a 0.

Aos 43, Magno Alves recebeu bom passe de Geraldo, entrou na área e chutou no canto esquerdo de Neto para diminuir para o Vovô. O Ceará continuou insistindo no ataque, mas não deu. A vitória era do Furacão.

ATLÉTICO-PR 2 X 1 CEARÁ
Neto, Wagner Diniz, Manoel, Rhodolfo e Paulinho; Deivid, Chico (Olberdam),  Branquinho e Paulo Baier (Guerrón); Maikon Leite e Bruno Mineiro (Federico Nieto) Michel Alves; Anderson, Fabrício e Diego Sacoman (Wellington Amorim); Oziel, Michel, Heleno, Camilo, e Vicente; Magno Alves e Kempes (Geraldo)
Técnico: Paulo César Carpegiani. Técnico: Mário Sérgio
Gols: Branquinho, aos 17 do segundo tempo; Chico, aos 29m; Magno Alves, aos 43m
Cartões Amarelo: Kempes, Anderson, Michel, Heleno e Diego Sacoman
Local: Arena da Baixada, em Curitiba. Horário: 22h. Ábitro: Felipe Gomes da Silva/RJ. Auxiliares: Ediney Guerreiro Mascarenha/RJ e  Luiz Antônio Muniz de Oliveira/RJ

setembro 2, 2010 Posted by | Atlético-PR, Ceará | | Deixe um comentário