Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Outubro mais ‘tranquilo’ pode decidir sorte do Corinthians no Brasileirão

Em sete jogos no mês que vem, Timão enfrentará seis adversários da parte de baixo da tabela. Flu, rival direto, tem sequência teoricamente mais difícil

O mês de outubro, pelo menos em teoria, pode servir para o Corinthians dar uma arrancada decisiva rumo ao título brasileiro. A três pontos do líder Fluminense (48 a 51), o Timão terá uma sequência de sete jogos em que em seis o adversário é um clube que está na parte de baixo da tabela. Apenas o Palmeiras, oitavo colocado, está entre os dez primeiros no Brasileirão. O primeiro duelo é contra o Ceará, neste sábado, às 16h (de Brasília), no Pacaembu.

Dois dos rivais corintianos nesta série estão na zona de rebaixamento: Atlético-MG e Atlético-GO. Já Ceará e Flamengo estão um pouco acima. Enquanto isso, Vasco e Guarani se encontram na zona intermediária da tabela, brigando por vaga na Sul-Americana, mas ainda em situações que inspiram cuidado. O Timão, porém, não vê qualquer vantagem ao enfrentar adversários que correm perigo.

– Acho que o único que não tem tanta responsabilidade é alguém que não esteja almejando nada na competição. Pegar alguém na zona de rebaixamento e no desespero é muito difícil. Os caras vão correr muito, mesmo que não estejam organizados. Vamos viver isso daqui até a metade de novembro, jogando contra equipes que vão estar tentando alguma coisa lá em cima ou fugindo daquela zona desconfortável – ressaltou o lateral-direito Alessandro.

O Fluminense, rival direto na luta pelo título, terá uma sequência, teoricamente, bem mais difícil pela frente. Tirando o jogo contra o lanterna Grêmio Prudente, neste sábado, o clube carioca terá um mês de outubro duro: em cinco jogos, só equipes da parte de cima ou que estão subindo. Na ordem, a equipe de Muricy Ramalho pega Santos, Cruzeiro, Botafogo, Atlético-PR e Grêmio. São três partidas em casa e duas fora.

– Passamos por um momento que é muito decisivo. Você nunca entra para empatar. Empatamos contra o Botafogo e nem pensávamos nessa hipótese, por termos um retrospecto muito bom em casa. Estamos vivendo o momento que talvez seja o mais importante. Jogando quarta e domingo, com muitos pontos sendo disputados, então vamos tentar somá-los o mais rápido possível. A diferença é de três pontos, mas temos de ter calma e paciência – pediu Alessandro.

Em setembro, Fluminense e Corinthians tiveram desempenho idêntico: somaram 14 pontos. O Timão, porém, disputou um jogo a menos, que deveria ter sido realizado no dia 1º, justamente o do centenário do clube. Esse duelo, contra o Vasco, será realizado no próximo dia 13. No confronto direto entre os líderes, o Corinthians venceu por 2 a 1 no Engenhão.

Outubro corintiano

2/10 – Ceará (14º) – Pacaembu
6/10 – Atlético-MG (19º) – Arena do Jacaré
10/10 – Atlético-GO (17º) – Pacaembu
13/10 – Vasco (12º) – São Januário
17/10 – Guarani (11º) – Brinco de Ouro
24/10 – Palmeiras (8º) – Pacaembu
27/10 – Flamengo (15º) – Engenhão

Outubro tricolor

2/10 – Grêmio Prudente (20º) – Prudentão
6/10 – Santos (7º) – Engenhão
10/10 – Cruzeiro (3º) – Arena do Jacaré
17/10 – Botafogo (6º) – Engenhão
24/10 – Atlético-PR (5º) – Arena da Baixada
28/10 – Grêmio (9º) – Engenhão

setembro 30, 2010 Posted by | Corinthians | | Deixe um comentário

Homem de confiança de Muricy, Marquinho diz se sentir titular do Flu

Presente em 22 dos 26 jogos do time no Brasileirão, apoiador está prestes a completar 100 partidas pelo clube e quer entrar para a história com títulos

No Fluminense desde o início de 2009, Marquinho raramente foi titular. Nada, no entanto, que diminua a importância de sua passagem com a camisa tricolor. Visto como 12º jogador por quase todos os treinadores que estiveram no clube neste período, o apoiador é o terceiro atleta que mais vezes defendeu o clube no elenco atual – atrás apenas de Conca e Fernando Henrique – e, com 98 jogos, já está na contagem regressiva para atingir a marca centenária.

Com a concorrência galáctica de Conca e Deco, Marquinho sabe das dificuldades para conquistar efetivamente uma vaga entre os 11 que iniciam as partidas. O apoiador, por sua vez, se mostra tranquilo sobre seu valor para o Tricolor e disse que, mesmo que inicie os jogos no banco, se considera um titular.

– Me sinto um jogador integrado ao time titular. Sempre que é preciso mudar um pouco o jogo ou ganhar tempo, o Muricy me coloca. Sou a primeira opção, e isso é legal. Conquistei a confiança dele com trabalho, nos jogos e ajudando a equipe a vencer.

E a confiança não vem somente do treinador. As boas exibições nas últimas rodadas transformaram Marquinho em uma espécie de xodó do torcedor, ao ponto de ser ovacionado pelas arquibancadas do Raulino de Oliveira ao ser chamado por Muricy para entrar na partida contra o Avaí.

– Esse carinho eu ainda não tinha sentido. No outro jogo já tinha ouvido o torcedor gritar e agora foi mais nítido. Fico muito feliz e é algo que me motiva ainda mais. É legal ver que a torcida está do nosso lado. É o que nos dá força para se superar.

A reação da torcida foi recompensada dentro de campo. Foi do pé esquerdo do apoiador que saiu o cruzamento que resultou no gol salvador de Conca. Do mesmo pé esquerdo saiu o chute certeiro que evitou o rebaixamento do Tricolor no Brasileirão de 2009, no empate por 1 a 1 com o Coritiba, fora de casa, na última rodada. Entrar para história do clube somente por isso, porém, não satisfaz Marquinho, que sonha alto.

– Minha intenção é entrar na história, não passar em branco. Quero deixar meu nome marcado como o jogador que ajudou o clube a ficar na primeira divisão e no ano seguinte a ser campeão. Não são muitos que conseguem escrever este tipo de história e vou tentar alcançar esse marco, aproveitar a oportunidade.

Presente em 22 dos 26 jogos do Flu no Brasileirão, o apoiador está prestes a completar 100 jogos com a camisa tricolor. Caso continue sendo utilizado com frequência, a marca será alcançada contra o Santos, daqui a duas rodadas, e Marquinho não esconde a ansiedade.

– Fui na casa do Conca e vi a camisa dele dos 100 jogos. Daqui a pouco serei eu. Fico feliz com isso. Vai ser importante para minha vida.

No Brasileirão deste ano, Marquinho já fez três gols e deu duas assistências. Com 51 pontos, o Flu é o primeiro colocado, seguido pelo Corinthians, que tem 48 e um jogo a menos.

setembro 30, 2010 Posted by | Fluminense | , | Deixe um comentário

Felipe considera que encarar o Goiás é mais difícil do que Neymar & Cia

Meia lembra que o time da Vila não ficou fechado no campo de defesa em São Januário, o que deve acontecer com a equipe esmeraldina

Adversário do Vasco na próxima sexta-feira, às 21h (de Brasília), em São Januário, o Goiás está na zona de rebaixamento e luta para não ir para a Série B em 2010. Rival da última rodada, o Santos é a equipe da moda no Brasil em 2010, mas o time da Colina se impôs em casa e fez 3 a 1. Mas quem pensa que depois do bom resultado os cruzmaltinos esperavam vida fácil contra os goianos, se engana.

Para o meia Felipe, o duelo com o Esmeraldino será mais difícil do que enfrentar Neymar & Cia. Ele prevê um Goiás bastante fechado nesta sexta.

– Acho que deve ser um jogo mais difícil do que o contra o Santos, que sai para o jogo mesmo fora de casa. Já o Goiás deve se fechar mais. O Jorginho vem fazendo um bom trabalho, prova disso é que bateu o São Paulo por 3 a 0 – disse o camisa 6.

Felipe comentou sobre a união da equipe, que ficou retratada após o apito final após a vitória contra o Peixe, quando todo os jogadores se abraçaram em campo. O meia acredita que PC Gusmão tem participação fundamental neste clima favorável.

– O PC uniu o grupo. Ele é uma das peças fundamentais para o grupo ter voltado a ter alegria e jogar novamente deste jeito. Todos estão com o PC, que sempre confiou no nosso trabalho.

O Vasco é o 12º colocado do Brasileirão com 33 pontos.

setembro 30, 2010 Posted by | Vasco da Gama | | Deixe um comentário

Ceni reconhece que irregularidade complica a situação de Baresi

Incomodado com a campanha do time no Brasileirão, capitão tricolor diz que resultados negativos podem afetar na continuidade do técnico interino

O desempenho instável do São Paulo no Campeonato Brasileiro tem feito a pressão sobre o técnico Sérgio Baresi ficar grande. Depois de duas derrotas seguidas, para Goiás e Grêmio, a diretoria mudou de ideia quanto à permanência do interino e já busca um novo nome para o comando. Apesar de demonstrar apoio a Baresi, o goleiro Rogério Ceni reconheceu que a situação do atual treinador não é fácil.

– Essa falta de regularidade nossa logicamente afeta a condição de qualquer treinador, seja ele inciante ou veterano na profissão. Resultados bons ou ruins abalam ou trazem confiança para qualquer profissional, seja ele consagrado ou um que está começando na carreira – afirmou o capitão, nesta quinta-feira, durante o desembarque do time no aeroporto de Congonhas.

Baresi assumiu o Tricolor após a eliminação da Taça Libertadores, quando Ricardo Gomes foi demitido. Em 14 partidas à frente do time no Brasileirão, o técnico ainda não conseguiu embalar. Foram cinco vitórias, três empates e cinco derrotas, com aproveitamento de 46,1% dos pontos disputados. Para Rogério Ceni, a instabilidade do time está diretamente ligada ao futuro de Baresi,

– Essa instabilidade é natural, é o que reflete o time. Nós não estamos conseguindo fazer quatro, cinco, seis jogos com resultados positivos. Ganhamos dois, três, depois perdemos dois, três.

Longe da disputa pelo título, no momento com poucas chances de ir à Libertadores e alerta quanto à aproximação da zona do rebaixamento, o São Paulo vive situação bem diferente das últimas temporadas. A fraca campanha no campeonato de 2010 está incomodando o capitão são-paulino.

– É difícil você se encontrar em uma posição que não é de costume para um time vencedor. Nos últimos cinco anos o São Paulo sempre esteve ganhando ou muito próximo de ganhar, e hoje o time não se encontra nessa posição. É uma coisa que incomoda – admitiu Ceni.

setembro 30, 2010 Posted by | São Paulo | | Deixe um comentário

Fla ‘zera’ problemas e Silas comanda o time no clássico com o Botafogo

Técnico e Zico não dão entrevistas, mas vice Vinícius França confirma permanência. Renato diz que crise com zagueiro Jean é ‘página virada’

Antes de comandar o treino na manhã desta quinta-feira, no Ninho do Urubu, o técnico Silas reuniu o elenco do Flamengo para tentar amenizar a crise de relacionamento com os atletas, que explodiu após o comandante entrar em polêmica com o zagueiro Jean . Zico, diretor de futebol, e outros integrantes da comissão técnica também participaram do encontro. Se a ferida não cicatrizou totalmente, ao que parece, deu uma amenizada. E Silas foi mantido no cargo, pelo menos por enquanto.

Após a atividade, o encarregado de dar entrevistas sobre a conversa com o treinador foi o experiente Renato. Sem entrar em detalhes, o meia avisou que após a reunião tudo voltou ao normal, está “zerado”. Ele lembrou que o Fla não pode baixar a cabeça, pois tem um compromisso importantíssimo no próximo sábado, o clássico com o Botafogo, no Engenhão, às 18h30m.

– Tivemos uma conversa. Houve um mal-entendido, mas isto agora já é página virada. Todos estão sujeitos a erros. Não vou falar o que conversamos, são coisas que precisamos resolver internamente. Vamos esquecer isso, porque temos um clássico importante no sábado e precisamos vencer. O grupo é maduro e sabe o que quer. Quando tem coisa errada, temos que resolver. Agora está tudo zerado – disse o jogador.

Renato garantiu que os atletas ainda confiam no comando de Silas. O meia disse que todos vão respeitar as decisões do técnico sem reclamar.

– Ainda temos confiança no Silas, que é uma pessoa transparente. Não adianta alimentarmos mais este assunto. Às vezes as escalações não dão certo, mas ele vai sempre tentar escolher o que é melhor para o Flamengo. Nós temos que acatar.

Silas e Zico preferiram não conversar com os jornalistas. O único dirigente que deu entrevista foi o vice de futebol Vinícius França, que garantiu o técnico contra o Botafogo. Ele não quis comentar sobre a possibilidade de uma demissão em caso de derrota no clássico.

– O que aconteceu não foi uma coisa boa, mas houve essa conversa e tudo ficou resolvido. Está tudo zerado. Ele será o técnico contra o Botafogo. Não falamos sobre hipóteses (Silas ser demitido em caso de derrota). Acreditamos que vamos vencer este jogo – disse o dirigente.

Apesar dos panos quentes, a situação do técnico continua muito complicada. Vanderlei Luxemburgo, que recentemente saiu do Atlético-MG, é o nome mais cotado para o cargo em caso de demissão.

setembro 30, 2010 Posted by | Flamengo | | Deixe um comentário

Tinga sofre entorse no joelho e desfalca Palmeiras por duas semanas

Meia se torna mais uma dor de cabeça para Felipão

Em meio a um momento turbulento na administração do clube, Luiz Felipe Scolari ganhou mais uma preocupação. O meia Tinga sofreu uma leve entorse no joelho direito durante o jogo contra o Internacional, na quarta-feira, e vai desfalcar o Palmeiras por cerca de duas semanas.

Além do jovem jogador, Scolari ainda não pode contar com o atacante Ewerthon, que ficará afastado dos gramados até o final da temporada devido a uma lesão no joelho, e nem com o goleiro Marcos, que sente dores no joelho esquerdo.

Após três vitórias consecutivas (diante de Grêmio Prudente, Flamengo e Inter), o Palmeiras volta a campo neste sábado, quando enfrenta o Santos, na Vila Belmiro, às 16h (de Brasília).

setembro 30, 2010 Posted by | Palmeiras | | Deixe um comentário

Peixe x Verdão: Arouca aposta em clássico aberto e com muitos gols

Santos e Palmeiras se enfrentam sábado, na Vila Belmiro. Ingressos para santistas estão à venda nas bilheterias do estádio e em postos de venda

O volante Arouca, do Santos, aposta num clássico contra o Palmeiras bem aberto, com muitos gols, no próximo sábado, às 16h (horário de Brasília), na Vila Belmiro, pela 27ª rodada do Brasileirão. Peixe e Verdão têm o mesmo número de pontos, 38. No entanto, o Alvinegro leva vantagem no número de vitórias (11 a 9). Por isso, está em sétimo lugar. A equipe do Palestra Itália vem em oitavo.

O Palmeiras tenta de aproximar do G-3. A terceira colocação atualmente é ocupada pelo Cruzeiro, que tem 47. Já o Santos, com vaga assegurada na Taça Libertadores por ser campeão da Copa do Brasil, segue sonhando com o título, muito embora reconheça que se trata de uma missão quase impossível. O Fluminense, líder da competição, tem 51 pontos, 13 à frente do Peixe.

– Nossa responsabilidade é maior por jogar em casa, mas é um clássico e os dois times têm a pressão para vencer. Acredito que o Palmeiras venha para cima e nós também vamos buscar atacar. Por isso, espero que seja um jogo aberto, bom de assistir – afirma Arouca.

Sobre as chances de título, o volante, mesmo reconhecendo que o Santos está muito distante, diz que não se pode desistir.

– Enquanto houver chances, vamos buscar. Temos 14 jogos ainda e, considerando a qualidade no nosso elenco, temos de acreditar.

Os ingressos para santistas estão à venda. Já os bilhetes destinados à torcida visitante foram encaminhados à direção do clube alviverde

setembro 30, 2010 Posted by | Santos | | Deixe um comentário

Maicosuel chora ao falar de lesão e se declara: ‘Amo esse clube’

Em lançamento da sua miniatura, meia do Botafogo se diz pronto para a Libertadores de 2011 e avisa: ‘Se depender de mim, fico aqui para sempre’

Era para ser uma manhã de alegria em General Severiano, mas a apresentação do boneco de Maicosuel foi repleta de lágrimas e emoção. Antes do anúncio de sua miniatura, o meia alvinegro deu sua primeira entrevista após a lesão no joelho esquerdo que o tirou dos gramados até o fim desta temporada. Mostrou-se abatido, mas encontrou no apoio do clube força para seguir em frente. E, como exemplo de sua afinidade com o Botafogo, encerrou a coletiva com juras de amor eterno.

– Eu amo esse clube. Se depender de mim, fico aqui para sempre – declarou o meia, prontamente atendido pelo presidente Maurício Assumpção:

Mas, antes de dizer que pretende vestir a camisa alvinegra até o fim da carreira, Maicosuel foi às lágrimas logo na primeira pergunta. Triste por ficar fora da reta final do Campeonato Brasileiro, ele mostrou otimismo e se disse pronto para a Libertadores de 2011.

– É difícil saber que você é a maior aposta de um clube e acontece algo que ninguém esperava. Estou triste, chateado, como todo mundo. Mas Deus dá o frio conforme o cobertor. Preciso encarar tudo de cara limpa. Volto no ano que vem para disputar a Libertadores. Tenho que enfrentar isso como fatalidade que faz parte do futebol – disse o jogador, que teve o apoio dos companheiros Léo Silva e Lucio Flavio, que já passaram pelo mesmo problema.

Maicosuel será operado nesta sexta-feira e acredita que o mais difícil será ver o time entrar em campo sem poder dar sua contribuição. Mas o presidente Maurício Assumpção prometeu tornar os dias sem bola do jogador menos angustiantes.

– Ele sabe que o carinho que ele tem pelo Botafogo é recíproco. A torcida também tem dado apoio por meio de mensagens. Maicosuel sabe como será tratado aqui. Terá respaldo. Sabe que os planos do clube são ambiciosos e faz parte desses planos. Ano que vem, daqui a pouco, está aí – comentou o dirigente.

Após tantas demonstrações de carinho, o lançamento do boneco ficou em segundo plano. Mesmo assim, foi apresentado e já está disponível para pré-venda no site do Glorioso. O lote inicial terá cinco mil itens ao preço de R$ 49,90. A partir desta sexta-feira, a miniatura de Maicosuel poderá ser encontrada nas lojas de todo o país.

– Ficou mais bonito do que eu, só falta a muleta – brincou o jogador.

setembro 30, 2010 Posted by | Botafogo | | Deixe um comentário

Alecsandro deve retomar camisa 9 contra o Guarani

Centroavante, desde que voltou de lesão, ficou duas vezes no banco. Time tem três retornos

O treinamento da tarde desta quinta-feira, no Beira-Rio, focado nos jogadores que não enfrentaram o Palmeiras, não deu indícios de formação para o duelo com o Guarani, sábado, em Porto Alegre. A definição da equipe do Inter sairá na manhã desta sexta-feira. Alecsandro tem boas chances de começar a partida.

O centroavante passou um mês e meio se recuperando de lesão muscular. Desde que voltou, ficou no banco, como reserva de Leandro Damião, duas vezes. Agora, deve retomar uma posição que, conforme disse o técnico Celso Roth, jamais deixou de ser sua.

O Inter tem três retornos. Nei, Índio e D’Alessandro, que cumpriram suspensão na última rodada, começarão o duelo com o Bugre. Por outro lado, o lateral-esquerdo Kleber é ausência. Se o reserva imediato dele, Leonardo, que se recupera de dores no tornozelo, não puder jogar, a alternativa é Juan.

Time provável: Renan; Nei, Bolívar, Índio e Leonardo (Juan); Wilson Matias, Guiñazu, Andrezinho, Giuliano e D’Alessandro; Alecsandro.

setembro 30, 2010 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário

Victor ainda acredita em classificação à Libertadores

Goleiro do Grêmio, no entanto, reconhece que sonho está distante

Antes de se apresentar à Seleção Brasileira, o goleiro Victor defende o Grêmio contra o Vitória, às 16h deste sábado, em Salvador. Com 36 pontos, o tricolor gaúcho é o nono colocado do Brasileirão 2010, após 26 rodadas.

A diferença para o Cruzeiro, que abre o grupo dos clubes que hoje estariam na Taça Libertadores, é de 11 pontos. Embora reconheça que o sonho é distante, Victor ainda acredita em classificação à competição continental.

– Temos de começar a projetar coisas boas. Libertadores é distante, mas precisamos acreditar.

Na Bahia, o Grêmio apresenta como credencial mais forte o retrospecto de três vitórias consecutivas fora de casa – sobre Corinthians, Avaí e Atlético-MG. Segundo Victor, desempenho amparado no padrão de jogo obtido a partir da chegada de Renato Gaúcho:

– Mostramos que temos um grupo forte. Agora encontramos um padrão de jogo.

Victor encontra-se com os selecionados de Mano Menezes no início da semana. Ele desfalca a equipe em duas rodadas, contra Grêmio Prudente e Vasco, reassumindo a camisa 1 gremista no dia 17 de outubro, contra o Cruzeiro, no Estádio Olímpico.

setembro 30, 2010 Posted by | Grêmio | | Deixe um comentário

Jonathan e Diego Renan são as novas dores de cabeça de Cuca

Laterais já estão vetados pelo departamento médico para o jogo de sábado

Os laterais titulares do Cruzeiro não vivem seus melhores dias. Jonathan e Diego Renan vão desfalcar a Raposa nas próximas semanas.

Diego Renan deixou o campo durante a partida contra o Atlético-GO, nessa quarta-feira,  com fortes dores no ombro esquerdo. Ele levou uma entrada dura do zagueiro Gilson e caiu sobre o braço. A radiografia feita na tarde desta quinta mostrou que o lateral-esquerdo sofreu um pequeno deslocamento da clavícula esquerda. A previsão do departamento médico celeste é de que o jogador fique de fora por duas semanas.

Diego Renan ainda sente muita dor no local e está em tratamento intensivo no Centro Avançado de Reabilitação Esportiva (CARE). Se a previsão se confirmar, o jogador não defenderá o Cruzeiro nos jogos contra Atlético-PR, Goiás e Fluminense.

Já o lateral-direito Jonathan teve diagnosticada uma inflamação no púbis e está fora da partida contra o Atlético-PR, sábado, às 18h30m (de Brasília), na Arena do Jacaré. O jogador pode ficar de fora dos próximos jogos, mas será reavaliado no início da próxima semana para saber se houve evolução no quadro.

Para as laterais, o técnico Cuca conta com Rômulo e Pablo, que terminaram o jogo contra o Atlético-GO em campo.

setembro 30, 2010 Posted by | Cruzeiro | | Deixe um comentário

Psicólogo Dorival diz que o principal problema do Galo é a falta de tempo

Treinador teve poucas oportunidades de trabalho com os jogadores
em campo desde que chegou ao clube

O técnico Dorival Júnior já comandou o Atlético-MG em duas partidas e ainda não venceu. Sob seu comando, o time perdeu para o Grêmio, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, e empatou com o Ceará, no Castelão, em Fortaleza. O treinador chegou ao clube no último sábado, dirigiu a equipe no domingo e viajou para o Ceará na segunda-feira.

O time atuou novamente na quarta e na quinta embarcou para Goiânia, onde enfrenta o Atlético-GO, no sábado, às 21h (de Brasília), no Serra Dourada. Como está tendo pouco tempo para trabalhar com os jogadores nos gramados, Dorival Júnior está tendo que exercer outra função, a de psicólogo.

– O trabalho do treinador não foge muito do de psicólogo. Durante o dia a dia, os trabalhos de campo são mais do que necessários, mas psicologicamente é necessário que você tenha que intervir a todo instante.

Para o comandante atleticano, o que está faltando para o time no momento é tempo para trabalhar em campo e acertar jogadas e posicionamentos.

– O principal problema é a falta de tempo para treinar a equipe, sinceramente. Muitos jogadores estão afastados, estamos perdendo um a cada rodada, fora os que estão à margem por cartões. Mas o principal, pra mim, seria ter um período maior para que pudéssemos trabalhar com a equipe e buscar as correções dentro do que estamos olhando.

Dorival Júnior acredita que a falta de treinamentos gera outro problema: a falta de segurança. Mas o treinador não lamenta e diz que o time corre contra o tempo para se acertar.

– Faltou segurança para jogar, já houve uma evolução, mas abaixo do necessário. Quando você não tem a segurança pra fazer uma ultrapassagem, para que confie num passe dado, para que o companheiro te coloque na frente do goleiro, é natural que as coisas se tornem muito mais difíceis e morosas. Eu acho que nós estamos caminhando. Sei que o tempo neste momento seria fundamental e importantíssimo e não temos. Agora temos que tentar acelerar este processo, o quanto antes, para que voltemos a ter bons resultados.

setembro 30, 2010 Posted by | Atlético-MG | | Deixe um comentário

Iluminado, Conca decide, Flu derrota o Avaí e continua soberano na ponta

Em jogo difícil, Tricolor derrota os catarinenses por 1 a 0 e segue forte na primeira posição. Avaianos estão próximos do Z-4

Difícil imaginar como tanto talento cabe em 1,67m e 58kg. A boa fase de Conca é tão evidente que mesmo quando não é brilhante o argentino consegue decidir. Nesta quarta-feira, em jogo complicado contra o Avaí, o capitão, o craque do time, mais uma vez apareceu. Não foi com uma de suas espetaculares assistências, mas com um gol salvador, aos 37 do segundo tempo. Gol para manter a liderança na 26ª rodada do Brasileirão. A vitória por 1 a 0 deixa o Fluminense com 51 pontos, firme na primeira posição.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

A cidade de Volta Redonda, distante cerca de 120 km do Rio, acolheu o time de Muricy Ramalho. Fez a equipe não sentir falta do Maracanã, que está fechado para as obras da Copa do Mundo de 2014. Ao contrário do Engenhão, local onde Flu tem mandado seus jogos, os jogadores foram abraçados por quase 12 mil pessoas. Apoio reconhecido. No fim do jogo, Muricy pediu ao grupo que fosse ao meio-campo para agradecer.

O Avaí continua ameaçado pelo rebaixamento. Precisa correr, apressar o passo. Os catarinenses têm 28 pontos, estão em 16º, apenas uma posição à frente da zona de rebaixamento.

As duas equipes voltam a  jogar no próximo sábado. O Fluminense visita o Grêmio Prudente, no Prudentão, às 16h. Às 21h, o Avaí recebe o São Paulo, na Ressacada.

Flu pena contra um Avaí à vontade

Soberano, mas vulnerável. Agressivo e ao mesmo tempo pressionado. Foi um Fluminense com duas caras. Uma cheia de iniciativa, que praticou o jogo ofensivo, com apetite. A outra acanhada, instável na hora de defender, até certo ponto displicente. O torcedor de Volta Redonda que saiu de casa para apoiar gostou muito da primeira. Aplaudiu a categoria de Deco, os passes de primeira, a maneira como ele aconchega a bola nos pés em vez de dominá-la. Agitou-se com as cobranças de falta de Conca para a área. Logo na primeira, aos três minutos, o grito de gol quase pulou da garganta. Pelo lado direito, o argentino alçou na segunda trave, e o zagueiro Leandro Euzébio escorou de cabeça. A bola passou por Washington e Rodriguinho, na boca do gol, e se perdeu pelo lado direito.

O Avaí fez os tricolores se calarem por mais de uma vez. Davi, Jeferson, Robinho e Marcelinho se multiplicaram em campo, correram muito e foram perigosos nos contra-ataques. Aos sete, Julio Cesar afastou mal de cabeça e armou o ataque dos catarinenses. Marcelinho recebeu na frente e arriscou, à direita do gol de Rafael.

A torcida não gostou do lado esquerdo da defesa. Nem Muricy. Por mais de uma vez, o treinador chamou Julio Cesar, substituto do supenso Carlinhos, e Fernando Bob para uma bronca ao pé do ouvido. Gesticulou indignado. Também falou com Darío Conca e Deco. O luso-brasileiro orientou o lateral-esquerdo e o volante e também teve de voltar para ajudar a fechar espaços naquele setor. Conca tentou algumas arrancadas, caiu pela direita, acionou Mariano, mas continuava perigoso na bola parada. Aos 13, cobrou falta cheia de veneno, Washington raspou de cabeça, e Zé Carlos salvou o Avaí com os pés.

Os avaianos respondiam com velocidade, em subidas que perturbavam a defesa do Fluminense. Novamente pela direita, Marcelinho tabelou com Robinho e cruzou rasteiro. Davi pegou de primeira, mas Gum desviou. Os visitantes perderam o volante Rudnei, machucado. O técnico Édson Santos colocou Marcos.

O goleiro Rafael deu dois sustos nos companheiros e no público: uma saída estranha com as mãos e uma reposição errada com os pés. Mas ele também foi importante. No momento em que o Tricolor pouco passava da linha que divide o gramado, conseguiu evitar o pior. Após falha de Leandro Euzébio na entrada da área, Marcelinho (ele outra vez!) pegou de primeira, rasteiro. O camisa 1 salvou no reflexo, aos 20. Mais tarde, Marcos recebeu pela direita, invadiu a área sem problemas e bateu cruzado. Rafael espalmou novamente.

Bem marcado, o meio-campo de Muricy Ramalho esteve sem criatividade, desequilibrado. O time só conseguiu ser perigoso outra vez em uma cobrança de escanteio, aos 34. Conca cobrou, o zagueiro Gum escorou de cabeça, e Zé Carlos, no canto, defendeu. Foi lucro para o Fluminense ir para o intervalo com o empate. No último lance de perigo da primeira etapa, já nos acréscimos, Marcelinho recebeu em posição legal pela esquerda e chutou rente à trave de Rafael. A arbitragem marcara impedimento.

Quem tem Conca, tem tudo

Enquanto subiam cada degrau da escada de acesso ao campo, os jogadores do Fluminense ouviram a todo volume pelo sistema de som do Raulino de Oliveira que o Corinthians marcara um gol sobre o Botafogo, no Pacaembu, logo aos três minutos de jogo. O Tricolor começava o segundo tempo como vice-líder do Brasileirão. O time voltou com Valencia no lugar de Fernando Bob, que não fez um bom primeiro tempo, e renovou o ímpeto. Voltou a buscar os avanços dos laterais. Ora com Mariano pela direita, ora com Julio Cesar pela esquerda. Os cruzamentos quase sempre passavam por Washington ou eram afastados pela zaga avaiana. Aos nove, Deco cobrou escanteio, e Leandro Euzébio, que já fez cinco gols no campeonato, cabeceou para a defesa de Zé Carlos.

O Avaí continuou apostando nos contra-ataques, mas não conseguia mais ter tantos espaços. Marcelinho, aberto pela esquerda, era a melhor opção. Apesar de não ser muito alto, é forte, faz bem o jogo de corpo e incomoda os defensores.

Discretos, Conca e Deco tentaram despertar. Em bonita tabela na entrada da área, o argentino devolveu para o camisa 20, que mirou Washington. A zaga não deixou a bola chegar e afastou. Na cobrança de escanteio, Leandro Euzébio subiu sozinho, mas cabeceou pra fora. Era a hora de a torcida começar a jogar. Primeiro foram os gritos de “time de guerreiros”, depois pedidos pela entrada do meia Marquinho e por último a aplicação de um cartão amarelo. Pois é. Torcida também aplica cartão. Quando o goleiro Zé Carlos demorou nas reposições de bola, os tricolores chiaram, e o árbitro Luiz Flávio de Oliveira concordou. Se não dava para vibrar com um gol do Flu, que fosse com um do Botafogo. No Pacaembu, o empate do Alvinegro com o Corinthians, ainda no primeiro tempo, devolvia a liderança ao time das Laranjeiras.

Assim como o árbitro, Muricy ouviu os torcedores. Aos 23, chamou Marquinho para o lugar de Deco, que deixou o campo aplaudidíssimo. O Avaí também mudou. Jeferson deu lugar a Roberto. Os catarinenses chegaram na bola parada. Pará cobrou rente à trave, aos 29. O Fluminense só voltou a criar depois dos 30 minutos. Conca fez o corta-luz, e a bola sobrou para Mariano. O lateral soltou a bomba e assustou Zé Carlos.

Mesmo no dia em que não é brilhante, o argentino consegue decidir. Difícil dizer o quanto brilha a estrela de Conca, o quanto este jogador é importante para o Fluminense. No segundo tempo, o camisa 11 deixou as cobranças de escanteio para Deco e depois para Marquinho. Talvez para se poupar, ou quem sabe para surpreender. Aos 37, Marquinho cobrou, Gum escorou de cabeça, na primeira trave, e o argentino, livre na segunda, bateu de esquerda para decidir o jogo. O rei das assistências do Brasileirão (tem 16) também é matador: 1 a 0. O jogo do Corinthians não importava mais. O Fluminense continua firme na ponta.

FLUMINENSE 1 X 0 AVAÍ
Rafael, Mariano, Gum, Leandro Euzébio e Julio Cesar; Diogo, Fernando Bob (Valencia), Deco (Marquinho) e Conca; Rodriguinho (André Luis) e Washington. Zé Carlos; Patric, Émerson Nunes, Emerson e Pará; Diogo Orlando, Rudnei (Marcos), Davi (Batista) e Jeferson (Roberto); Robinho e Marcelinho.
Técnico: Muricy Ramalho. Técnico: Édson Santos.
Gols: Conca, aos 37 do segundo tempo.
Cartões amarelos: Leandro Euzébio (Fluminense); Zé Carlos, Pará e Marcos (Avaí).
Estádio: Raulino de Oliveira, em Volta Redonda/RJ. Data: 29/09/10.Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP). Auxiliares: João Bourgalber Nobre Chaves (SP) e Danilo Ricardo Simon Manis (SP). Público pagante:8.923. Presente: 11.533. Renda: R$ 170.715,00

setembro 30, 2010 Posted by | Avaí, Fluminense | , , | Deixe um comentário

Com erro da arbitragem, Corinthians e Botafogo empatam no Pacaembu

Leandro Vuaden anula gol legal de Herrera no segundo tempo. Placar de 1 a 1 deixa Timão e Glorioso mais distantes do Flu na briga pelo título nacional

Corinthians e Botafogo fizeram nesta quarta-feira um jogo digno de dois candidatos ao título do Campeonato Brasileiro. O resultado, porém, não agradou aos dois. Com gols de Bruno César, o centésimo do Timão na temporada, e Loco Abreu, o sexto em seis jogos, as equipes empataram por 1 a 1, no Pacaembu, e ficaram mais distantes do líder Fluminense. Os cariocas deixam São Paulo reclamando de um gol de Herrera anulado erradamente pelo árbitro Leandro Vuaden no segundo tempo sob a alegação de impedimento.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O Corinthians apostava tudo no Pacaembu para voltar a vencer depois da derrota para o Internacional. O clube do Parque São Jorge tem agora 48 pontos, na segunda posição. O triunfo sobre o Avaí colocou o Fluminense com 51. A equipe dirigida por Adilson Batista tem um jogo a menos – dia 13 de outubro, pega o Vasco, em São Januário, em partida atrasada do primeiro turno.

Apesar de somar um ponto fora de casa, o placar também não é bom para o Botafogo. Os cariocas chegam ao quinto jogo consecutivo sem vencer e atingem a marca dos 41 pontos, caindo para o sexto lugar. A desvantagem para o rival Flu subiu para dez pontos. O mesmo aconteceu na briga com o Cruzeiro por uma vaga na Libertadores. São seis abaixo dos mineiros.

Na próxima rodada, o Corinthians recebe o Ceará, sábado, às 16h, no Pacaembu. Já o Botafogo faz o clássico contra o Flamengo, no mesmo dia, às 18h30m, no Engenhão.

Timão começa melhor, mas Loco Abreu brilha

O Corinthians precisou de pouco tempo para mostrar novamente o quanto é difícil superá-lo no Pacaembu. Com suas peças bastante avançadas e abusando da velocidade, o Timão bloqueou a saída e encurralou o Botafogo no campo defensivo. O gol não demorou a sair. E um golaço! Bruno César, aos dois minutos, acertou um lindo chute com efeito no ângulo esquerdo, indefensável para Jefferson. Foi o 11º dele no Brasileirão.

A desvantagem fez o Botafogo acordar. O Corinthians reduziu a pressão, os cariocas melhoraram os passes e saíram de trás, com Lúcio Flávio, Marcelo Cordeiro e Herrera jogando pelo lado esquerdo, nas costas de Alessandro. Loco Abreu perdeu a chance de empatar, aos 11, ao carimbar o travessão em chute forte após cobrança de escanteio.

O Botafogo continuou melhor. Fahel grudou em Jorge Henrique, Leandro Guerreiro encostou em Elias, e os visitantes atrapalharam toda a criação corintiana. Bruno César, aberto pela direita como um atacante, e Iarley ficaram presos na boa marcação rival. Para piorar, a zaga paulista decidiu dormir, aos 26. Melhor para Loco Abreu, que não perdoou e marcou de cabeça em cruzamento de Herrera, que Alessandro não subiu para cortar.

Depois do empate, o Corinthians não conseguiu voltar a pressionar. O meio de campo, coração da equipe de Adilson Batista, pouco funcionou. Nas poucas vezes que inverteu posições, o Timão quase marcou, aos 34, com Iarley acertando a trave após desvio de cabeça de Elias. Aos 46, o mesmo Elias subiu entre os zagueiros e quase acertou o canto direito de Jefferson.

O segundo tempo começou movimentado. Ralf voltou a sentir a lesão no tornozelo esquerdo e deu lugar a Paulinho. O Corinthians ganhou mais qualidade nos passes, mas perdeu poder de marcação. Assim, o Botafogo só não virou o jogo, aos quatro, por um impedimento marcado erradamente. Herrera recebeu de Marcelo Cordeiro em posição legal na área, fez o gol, mas a arbitragem já havia parado o lance. Em seguida, aos sete, o mesmo Herrera, de cabeça, parou em ótima defesa de Julio Cesar.

Joel Santana, porém, errou ao trocar Herrera por Renato. O Botafogo perdeu força ofensiva, e o  Corinthians passou a pressionar. Paulinho, aos 15, se apresentou no ataque, recebeu livre na área e chutou mal. Jefferson fez a defesa, a bola escapou e Leandro Guerreiro afastou antes que ela entrasse. Aos 26, Jucilei errou cabeçada de frente para o gol depois de cruzamento de Jorge Henrique.

O Timão, entretanto, não conseguiu manter o ritmo. Adilson Batista trocou Iarley pelo argentino Defederico para dar mais mobilidade ao ataque. Não deu certo. O Corinthians seguiu em cima do adversário, mas abusando dos cruzamentos para a área. Todos com pouco perigo para o goleiro Jefferson.

Aos 47, Somália perdeu a chance de marcar para o Botafogo. Ele pegou passe errado de William, avançou livre pelo meio, mas chutou fraco para Julio Cesar defender com facilidade. Caio, aos 48, também perdeu. Esperto, Loco Abreu achou o garoto em rápida cobrança de falta. O talismã de Joel arrancou, se livrou do goleiro e – com o uruguaio totalmente livre ao seu lado – chutou por cobertura, errando o alvo, para desespero dos companheiros.

CORINTHIANS 1 X 1  BOTAFOGO
Julio Cesar, Alessandro, Thiago Heleno, William e Roberto Carlos (Danilo); Ralf (Paulinho), Jucilei, Elias e Bruno César; Jorge Henrique e Iarley (Defederico). Jefferson, Antônio Carlos (Danny Morais), Leandro Guerreiro e Fábio Ferreira; Alessandro, Fahel, Somália, Lucio Flavio (Caio) e Marcelo Cordeiro; Herrera (Renato) e Loco Abreu.
Técnico: Adilson Batista. Técnico: Joel Santana.
Gols: Bruno César, aos dois, e Loco Abreu, aos 26 minutos do primeiro tempo.
Cartões amarelos: Elias (Corinthians); Fahel, Herrera (Botafogo)
Local: Pacaembu, em São Paulo. Data: 29/09/2010. Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS). Auxiliares: Alessandro Alvaro Rocha de matos (Fifa-BA) e Erich Bandeira (Fifa-PE). Público: 24.001 pagantes. Renda: R$ 770.449,50

setembro 30, 2010 Posted by | Botafogo, Corinthians | , | Deixe um comentário

Assunção brilha com chutes certeiros, e Palmeiras bate o Inter em Barueri

Volante acerta duas cobranças de faltas e faz o 2 a 0 do Alviverde sobre o Colorado, que perde a chance de encostar nos líderes do Brasileiro

Não foi a noite de um artilheiro comum, daqueles que vestem a camisa 9 e vivem sob os olhares atentos dos torcedores. Não foi nem sequer uma noite na sua casa emprestada (Pacaembu), enquanto o verdadeiro lar (Palestra Itália) está em reformas. Mas a quarta-feira na Arena Barueri foi perfeita para o Palmeiras, que venceu o Internacional por 2 a 0 e fez a sua primeira trinca neste Brasileiro. E foi certeira para Marcos Assunção, que incorporou o espírito goleador.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

A cobrança de falta, que na última rodada foi a alegria do Internacional – o time bateu o Corinthians por 3 a 2 nos minutos finais, com Andrezinho, desta maneira – , virou o pesadelo dos Colorados em Barueri. Assunção foi praticamente perfeito nas batidas, acertando duas de quatro tentativas.

O resultado fez o Alviverde alcançar 38 pontos, na oitava posição do Brasileiro. Fez Luiz Felipe Scolari conseguir sua primeira trinca à frente do Palmeiras – venceu anteriormente Grêmio Prudente e Flamengo. E fez a galera sorrir com o desempenho do time.

Já o Internacional se mantém na quarta posição, com 41 pontos. E torce para que os líderes Fluminense e Corinthians não se distanciem ainda mais na frente.

No próximo sábado, às 18h30, o Palmeiras desce a serra para encarar o Santos, na Vila Belmiro. Já o Internacional recebe o Guarani, no mesmo dia, mas às 18h30, no Beira-Rio.

O confronto entre paulistas e gaúchos começou com o time visitante se lançando mais ao ataque. Na caça aos primeiros colocados do Brasileiro, o Internacional, que não teve Celso Roth, suspenso, no banco de reservas, levou perigo ao gol palmeirense logo aos 10 minutos. Da direita, Daniel cruzou na cabeça de Edu, que obrigou Deola a fazer bonita defesa para livrar o Alviverde.

Onze minutos depois, o Colorado voltou a rondar a área palmeirense. Leandro Damião deu belo giro de corpo para se livrar da marcação de Danilo, mas o chute cruzado do atacante grandalhão acabou saindo pela linha de fundo. Enquanto o Inter se mostrava mais perigoso com a bola rolando, o Palmeiras aparecia nas bolas paradas.

Durante a primeira etapa, foram duas chances neste tipo de jogada, sempre com Marcos Assunção. Na primeira tentativa, aos 15 minutos, a bola foi parar direto nas mãos de Renan. Parecia o aquecimento para o que estava por vir, como se os pés do volante estivessem sendo calibrados na partida.

Na segunda vez em que se apresentou para uma cobrança, pelo lado esquerdo do campo, ele não perdoou. Quando todos esperavam um cruzamento para a área, Assunção surpreendeu e arriscou direto, sem chances para Renan. A bola foi certeira no cantinho direto do gol colorado. Festas nas arquibancadas da Arena Barueri para o quarto gol do volante de falta no ano – o quinto do atleta pelo time na temporada. E chuva, muita chuva!

O gramado escorregadio prejudicava o andamento do bom futebol. Nas arrancadas, os jogadores caíam a todo instante. No último lance de perigo, Kleber partiu em velocidade e conseguiu disparar contra Renan, mas o goleiro do Inter conseguiu evitar o segundo gol palmeirense.

Não tinha para ninguém. Por mais que Valdivia tentasse armar para um chute de Kleber, por mais que o Internacional tenha tentado dar mais agilidade ao ataque com a entrada de Alecsandro na vaga de Damião, a partida parecia ter sido programada sob medida para um volante. Um homem de contenção com um quê de artilheiro.

Não adiantava Andrezinho insistir pelo meio ou Giuliano se arriscar pelas pontas. Não era uma noite para Kleber, que se viu cara a cara com Renan e errou o chute, deixar a sua marca. O Palmeiras x Internacional foi desenhado caprichosamente para Marcos Assunção. Para os seus chutes precisos de falta.

E foi desta maneira que ele voltou a marcar. Aos 13 minutos, depois de amarrar a chuteira do pé direito, colocar o bico da bola para baixo e orientar o posicionamento dos companheiros, Assunção acertou a segunda da noite. Renan foi traído pela presença de Valdivia à sua frente. Eram os 2 a 0 do Palmeiras na Arena Barueri.

O Palmeiras ainda teve a chance de ampliar com Kleber, que perdeu pelo menos duas oportunidades claras. Mas não adiantava teimar. No Inter, Deola aparecia como uma muralha na frente de Alecsandro. Não tinha jeito. A noite era de outro artilheiro. Era de Assunção.

PALMEIRAS 2X0 INTERNACIONAL
Deola, Vitor, Maurício Ramos, Danilo e Gabriel Silva; Edinho, Márcio Araújo, Marcos Assunção, Tinga (Rivaldo) e Valdivia (Pierre); Kleber Renan, Daniel, Bolívar, Sorondo e Kleber; Wilson Matias, Guiñazu, Andrezinho, Giuliano (Glaydson) e Edu; Leandro Damião (Alecsandro).
Técnico: Luiz Felipe Scolari. Técnico: Celso Roth
Gols: Marcos Assunção, aos 31 minutos do primeiro tempo, e aos 13 do segundo tempo.
Cartões amarelos: Edu e Giuliano (Internacional). Edinho e Kleber (Palmeiras).
Local: Arena Barueri, em Barueri. Data: 29/09/2010. Árbitro: Evandro Rogério Roman (Fifa-PR). Auxiliares: José Amilton Pontarolo e José Carlos Dias Passos (ambos do PR).

setembro 30, 2010 Posted by | Internacional, Palmeiras | , | Deixe um comentário

Melhor do returno, Grêmio faz 4 a 2 no São Paulo e rouba a 9ª colocação

No Estádio Olímpico, Imortal vence por 4 a 2 e ultrapassa rival paulista

Em alta velocidade, o Grêmio confirmou nesta noite de quarta-feira a melhor campanha do segundo turno do Brasileirão 2010 – são 16 pontos em sete jogos. Apesar da extensa lista de desfalques, a equipe treinada por Renato Gaúcho bateu o São Paulo por 4 a 2, em jogo emocionante disputado no Estádio Olímpico, pela 26ª rodada.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Com o resultado, os tricolores invertem as posições. O Grêmio ultrapassa o próprio adversário, e assume a 9ª colocação, com 36 pontos; o São Paulo cai para 10º, com 34.

André Lima – duas vezes – Jonas (de pênalti) e Diego marcaram os gols do Grêmio. Rogério Ceni, também em cobrança de pênalti, e Marlos fizeram para o São Paulo.

Improvisações
Renato Gaúcho e Sérgio Baresi surpreenderam nas escalações. O técnico gremista não deu lugar ao meia Roberson, chamando ao jogo o zagueiro Paulão; o treinador são-paulino mais uma vez manteve Dagoberto entre os suplentes.

Nas duas equipes também foi preciso improvisar. O lateral-esquerdo Lúcio iniciou como articulador no Grêmio, e o zagueiro Vilson foi volante. Já Rodrigo Souto deixou o meio-campo rumo à ala-direita do São Paulo, substituindo Jean – ausente devido a uma amigdalite, ele sequer ficou no banco.

Desacerto inicial
Tamanho número de peças deslocadas de suas funções originais comprometeu o desempenho do 4-4-2 gremista no início. Vilson corria de lado a outro sem saber quem exatamente ele deveria marcar. Lúcio abria pela esquerda mesmo não sendo mais um lateral.

Mas o desacerto durou 15 minutos. A despretensão do São Paulo, no ortodoxo 3-5-2 sem apego à posse de bola, encorajou os anfitriões. E assim Rogério Ceni abriu os trabalhos, espalmando em sequência dois violentos chutes de Lúcio.

Dez minutos para André Lima

Sem Rochemback, lesionado, Douglas recebeu de Renato a capitania do Tricolor gaúcho. E aquela faixa amarela atada a seu braço esquerdo fez dele um interessado e participativo organizador, percorrendo o campo todo, driblando, arriscando lançamentos precisos.

Este predomínio foi recompensado aos 29 minutos, com dois ex-jogadores do São Paulo. Lúcio cobrou escanteio do lado direito, e André Lima, que nos questionários do Censo responde ‘centroavante’ no item ‘profissão’, atirou-se para marcar de carrinho: Grêmio 1 a 0. Ele, que entre 2008 e 2009 disputou 28 jogos pelo São Paulo, sendo em boa parte da temporada um mero reserva no Morumbi, fez mais um. Desta vez de cabeça, dez minutos depois, André Lima escorou cruzamento de Edilson, para ampliar.

Mas não houve tempo para muita comemoração. Logo em seguida, Marlos deixou o próprio corpo cair na área gremista, cavando pênalti cuja marcação do árbitro mineiro Ricardo Marques Ribeiro enfureceu os torcedores.

Os gremistas xingaram o juiz, incentivaram Victor, mas não adiantou. Com imensa categoria, Rogério Ceni venceu o colega de profissão e arrefeceu as manifestações das arquibancadas, aos 42, marcando o gol derradeiro do primeiro tempo.

Empate e desempate
Com Cléber Santana em lugar de Carleto, o São Paulo não alterou a estrutura tática no segundo tempo. Richarlyson passou para a ala-esquerda, e o trio de zagueiros persistiu.

Não houve, entretanto, claro esboço de reação. O Grêmio, apesar da vitória parcial, seguiu pressionando. As melhores combinações partiram dos canhotos Lúcio e Douglas, sobre o improvisado Rodrigo Souto.

Mas uma conhecida história dos gremistas nos jogos recentes em Porto Alegre se repetiu. Ansioso pela marcação de um terceiro gol, o Grêmio abriu-se ao contra-ataque. Foi desta forma que, aos seis, Marlos recebeu de Cléber Santana e disparou o gol de empate do São Paulo, no canto direito.

O mesmo Cléber Santana da assistência a Marlos atrapalhou-se na área são-paulina. Deixou a bola bater em sua mão, e mais um pênalti foi marcado na partida, desta vez para o Grêmio.

Aos 23, Jonas cobrou forte, e recolocou o Grêmio em vantagem. Foi o 14º gol do artilheiro do Brasileirão 2010. No total, Jonas soma 66 gols pelo Tricolor gaúcho, igualando-se ao ponta-esquerda Éder como o 10º maior goleador da história do clube.

Raridade no Olímpico
Sofrer o terceiro gol logo após tanto esforço pelo empate desnorteou o São Paulo. O baque foi tão grande que os torcedores presentes assistiram a uma cena rara: Rogério Ceni falhou, aos 28. O canhoto Lúcio cortou para a direita, bateu fraco, e o goleiro são-paulino ofereceu o rebote deixando a bola escapar por entre as luvas.

Quem aproveitou foi o estreante Diego. O atacante recém substituíra André Lima. Egresso do América-MG, ele precisou de poucos minutos em campo para fazer do erro de Ceni o gol definitivo da vitória gremista por 4 a 2. Nas arquibancadas, irrompeu o coro ‘frangueiro, frangueiro’.

Diego ainda teve tempo para provocar a expulsão de Alex Silva, por falta violenta. Depois de três vitórias consecutivas longe do Olímpico, e de frustrantes resultados em casa, o Grêmio voltou a fazer a festa, comemorando com a torcida a melhor campanha do returno aos gritos de ‘olé, olé’ em troca de passes qualificada, que teve até toque de calcanhar.

Próximos Jogos
Pela 27ª rodada do Brasileirão 2010, os dois tricolores voltam a jogar no sábado. Às 16h, o Grêmio visita o Vitória, em Salvador; e às 21h o São Paulo emenda mais uma partida fora de casa, contra o Avaí, em Florianópolis.

GRÊMIO 4 X 2 SÃO PAULO
Victor; Edilson, Paulão, Rafael Marques e Gilson; Vilson, Adilson (Willian Magrão), Lúcio e Douglas (Maylson); Jonas e André Lima (Diego). Rogério Ceni; Xandão (Bruno), Alex Silva e Miranda; Rodrigo Souto, Casemiro, Richarlyson, Marlos e Carleto (Cléber Santana); Lucas e Ricardo Oliveira.
Técnico: Renato Gaúcho. Técnico: Sérgio Baresi.
Estádio: Olímpico, em Porto Alegre. Data: 29/09/2010Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa/MG). Auxiliares: Helberth Costa Andrade (MG) e Jair Albano Felix (MG).
Gols: André Lima (Grêmio), aos 29m e aos 39m; Rogério Ceni (São Paulo), aos 42m, todos no 1º tempo Marlos (São Paulo), aos 6m; Jonas (Grêmio), aos 23m, e Diego (Grêmio), aos 28m, no 2º tempo.
Cartões Amarelos: Paulão, André Lima, Douglas, Vilson e Rafael Marques (Grêmio); Alex Silva, Xandão, Cléber Santana e Casemiro (São Paulo). Cartão vermelho: Alex Silva (São Paulo).
Público total: 25.322 torcedores. Renda: R$ 317.277,50

setembro 30, 2010 Posted by | Grêmio, São Paulo | , | Deixe um comentário

Com autoridade, Cruzeiro emperra a evolução do Atlético-GO: 3 a 0

Raposa domina do início ao fim e mantém goianos na zona de rebaixamento

O Cruzeiro não tomou conhecimento da evolução do Atlético-GO, que vinha de duas vitórias seguidas, e se recuperou da derrota sofrida para o Santos, ao vencer por 3 a 0, na Arena do Jacaré.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

A diferença entre as duas equipes na tabela de classificação se refletiu em campo. A maior qualidade do Cruzeiro contrastou com o fraco futebol do Dragão, que se preocupou apenas em se defender.

A Raposa chegou aos 47 pontos e encostou nos líderes. Já o Atlético-GO permanece na zona de rebaixamento, na 17ª colocação, com 26 pontos.

Vantagem mineira sem dificuldades

O Cruzeiro começou em cima do Atlético-GO e, logo aos cinco minutos, o lateral Rômulo, escalado pelo fato de Jonathan ter sido poupado por conta de dores musculares, chutou da entrada da área. A bola bateu na rede pelo lado de fora. A torcida que estava do lado oposto chegou a comemorar. Thiago Ribeiro foi outro que ficou no “quase”. Aos dez, ele pegou rebote do goleiro Márcio, e chutou por cima com o gol vazio.

Os olhos da torcida se voltavam para o meia argentino Montillo, novo ídolo celeste. A cada toque na bola se ouviam palmas e gritos. Quando sofreu a primeira falta, a Arena do Jacaré veio abaixo pedindo cartão para o adversário.

Minutos depois, o Cruzeiro perdeu Diego Renan por conta de uma entrada violenta de Gilson. O lateral caiu sobre o braço esquerdo e deixou o campo com dores para a entrada de Pablo.
O Atlético-GO só conseguiu assustar aos 28, em cobrança de falta da intermediária. O goleiro Fábio fez boa defesa e desviou para escanteio.

Mas o Cruzeiro aliviou a torcida aos 30, com Cláudio Caçapa. O zagueiro pegou rebote do goleiro Márcio e da trave, após chute de Farías, e empurrou de carrinho para o fundo das redes.

O gol desnorteou o Atlético-GO. Thiago Ribeiro quase ampliou após driblar o zagueiro duas vezes e chutar em cima de Márcio. Os goianos não tinham criatividade e eram neutralizados pela marcação celeste.

No último minuto do primeiro tempo, Montillo soltou mais um grito de gol da torcida, após receber cruzamento rasteiro de Thiago Ribeiro na grande área. Em grande estilo, o meia tirou o zagueiro da jogada sem tocar na bola e mandou para o gol. Festa nas arquibancadas e a tradicional comemoração de ‘cowboy’ no gramado.

E quase a Raposa ampliou nos acréscimos. Thiago Ribeiro invadiu a área, driblou o goleiro Márcio, mas se jogou pedindo pênalti, que o árbitro Wilson Luiz Seneme não marcou.

Pressão goiana e gol… mineiro

O técnico René Simões resolveu mudar para tentar buscar pelo menos o empate. O treinador colocou Juninho e Anailson nos lugares de Pituca e Diguinho, respectivamente. Com isso, o Atlético-GO passou a atacar mais.

O volante Robston levou perigo aos cinco minutos, em chute rasteiro da entrada da área que o goleiro Fábio defendeu. Os goianos levavam perigo nas bolas paradas. Em uma cobrança de escanteio, Agenor subiu livre e cabeceou rente à trave, com perigo. Aos 16, Marcão girou em cima de Edcarlos e chutou em cima de Fábio que tirou com a perna.

O Dragão continuava a pressionar, mas aos 25 minutos, o zagueiro Daniel Marques facilitou a vida cruzeirense ao fazer falta em Farías e ser expulso.  Com isso, a Raposa passou a pressionar pelo terceiro gol.

Montillo deixou o campo ovacionado pela torcida ao ser substituído por Roger, aos 27.

Nos minutos finais, o goleiro Fábio roubou a cena. Ele fez brilhante defesa no chute de Victor Ferraz. Na sequência, a torcida cantou ‘parabéns ‘ para o goleiro, que faz 30 anos nesta quinta-feira.

O atacante Wallyson, que entrou na vaga de Thiago Ribeiro, teve tempo de perder uma chance incrível ao chutar em cima do goleiro Márcio, depois de invadir a área livre. Mas, no finzinho, ele não perdeu a nova oportunidade. Após receber lançamento de Fabrício, invadiu a área e bateu na saída de Márcio para fazer 3 a 0. Aí, foi só esperar o apito final.

CRUZEIRO 3 X 0 ATLÉTICO-GO
Fábio; Rômulo, Edcarlos, Caçapa e Diego Renan; Fabrício, Henrique, Everton e Montillo; Ernesto Farías e Thiago Ribeiro. Márcio; Victor Ferraz, Gilson, Daniel Marques e Chiquinho; Agenor, Pituca, Robston e Diguinho; Willian e Marcão.
Técnico: Cuca Técnico: René Simões
Gols: Caçapa, aos 30 e Montillo, aos 44 minutos do primeiro tempo, e Wallyson aos 42 do segundo tempo
Cartões amarelos: Marcão, Gilson, Daniel Marques (Atlético-GO), e Fabrício (Cruzeiro). Cartão vermelho: Daniel Marques, Atlético-GO
Local: Arena do Jacaré, Sete Lagoas. Data: 29/09/2010. Árbitro:Wilson Luiz Seneme/SP (FIFA)
Auxiliares: Herman Brumel Vani/SP e Dante Mesquita Júnior/SP

setembro 30, 2010 Posted by | Cruzeiro | , | Deixe um comentário

Atlético-PR passa pelo Vitória e vive sonho de uma vaga na Libertadores

Sem perder há cinco rodadas, Furacão consegue mais um bom resultado e se aproxima dos primeiros colocados do Campeonato Brasileiro

Do risco de um possível rebaixamento ao sonho de uma das vagas na Taça Libertadores da América. Essa é a vida do Atlético-PR, que segue surpreendendo muita gente e não sabe o que ser derrotado há cinco rodadas no Campeonato Brasileiro. Na noite desta quarta-feira, a equipe conquistou mais um importante resultado superando o Vitória por 1 a 0 , na Arena da Baixada. O bom retrospecto em casa (venceu oito vezes em 14 jogos) ajudou os paranaenses a ficarem ainda mais próximos dos primeiros colocados na tabela de classificação.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Como mandante, o Furacão venceu oito vezes, empatou quatro e perdeu apenas uma vez. Com o resultado, o time chegou aos 41 pontos na classificação ficando seis atrás do G-3 na 5ª colocação. Já a equipe do Vitória, em 13°, se manteve com 31 e volta a se preocupar com a zona do rebaixamento.

Furacão domina a etapa inicial

Para tentar manter os bons resultados, o técnico PC Carpegiani, do Atlético-PR, colocou uma equipe bem ofensiva em campo. Paulo Baier, Guerrón, Branquinho, Maikon Leite e Bruno Mineiro começaram como titulares, e o resultado pôde ser percebido já nos primeiros minutos. Os atacantes se movimentavam bastante, e o time baiano tinha dificuldades na marcação.

Com muitos jogadores ofensivos, o Furacão dava espaços ao adversário, que buscava os contra-ataques. Aos 11 minutos, o atacante Júnior recebeu um bom lançamento, entrou na área e chutou forte. Neto mostrou o motivo de ter sido convocado para a Seleção Brasileira e fez a defesa. Após o lance, a torcida começou a incentivar o Furacão, que chegou com perigo logo em seguida. Branquinho avançou pela esquerda, cortou para o meio e arriscou de fora da área. A bola passou raspando a trave de Lee.

O jogo estava aberto, mas as equipes não conseguiram criar muitas jogadas de perigo, pois erravam muitos passes. Paulo Baier era o principal articulador do Furacão. Aos 22, ele tocou para Guerrón, que chegou na linha de fundo e cruzou na área. Maikon Leite chegou atrasado e perdeu uma boa oportunidade. O Atlético-PR era melhor e deixava o técnico do Vitória, Ricardo Silva, muito nervoso na beira do campo. O comandante do time baiano reclamava da falta de marcação nas avançadas do lateral Elder Granja pela direita.

De tanto pressionar, o Furacão chegou ao gol aos 36. Paulo Baier cobrou falta na área, e Rhodolfo subiu mais que todo mundo: 1 a 0.

Bruno Mineiro perde um gol inacreditável

Tal como no fim do primeiro tempo, o início do segundo foi do Atlético-PR. O time voltou com a mesma determinação e era mais presente em campo. Aos dez minutos, Bruno Mineiro perdeu um gol inacreditável. Guerrón entrou na área e cruzou para o companheiro, que finalizou na cara de Lee, mas o goleiro fez grande defesa. Veloz e forte, Guerrón, o nome da partida, era responsável pelas principais jogadas do Furacão.

O técnico Ricardo Silva perdeu a paciência com o sistema ofensivo do Vitória e chamou o atacante Kleber Pereira para entrar em campo. Carpegiani, que já tinha 1 a 0 no placar, tirou Maikon Leite e colocou Vitor para reforçar a marcação no meio.

Aos 23, Henrique recebeu cruzamento de Eduardo e cabeceou sozinho. A bola passou raspando a trave esquerda de Neto, que só ficou observando. A torcida do Atlético-PR ficou tensa com o lance e cobrou mais empenho dos jogadores temendo o empate.

Ricardo Silva tentou a última alternativa e colocou Schwenck no lugar do meia Elkeson. O Vitória melhorou consideravelmente. O jogo ficou emocionante e as duas equipes tinham chance de marcar. A torcida do Atlético-PR estava em silêncio. O Leão quase empatou aos 38. Depois de um escanteio, a bola passou pela pequena área, e o meia Bida acabou furando e perdendo uma ótima oportunidade. O Furacão recuou muito e conseguiu segurar o placar até o apito final do juiz, para alívio e comemoração da torcida.

ATLÉTICO-PR 1 X 0 VITÓTIA
Neto, Élder Granja, Manoel, Rhodolfo e Paulinho; Chico, Paulo Baier(Ivan Gonzales), Guerrón e Branquinho; Maikon Leite(Vitor)(Olberdan) e Bruno Mineiro. Lee, Eduardo, Wallace, Anderson Martins e Egídio; Vanderson, Ricardo Conceição(Thiago Humberto), Bida e Elkeson(Schwenck); Henrique e Júnior(Kleber Pereira)
Técnico: PC Carpegiani Técnico: Ricardo Silva
Gols: Rhodolfo, aos 36 minutos do primeiro tempo
Cartões amarelos: Eduardo, Wallace e Ricardo Conceição (Vitória)
Estádio: Arena da Baixada, em Curitiba (PR). Data: 29/09/2010. Árbitro:Marcelo de Lima Henrique (Fifa-RJ) Auxiliares: Hausmann (Fifa-RS) e Lilian da Silva Fernandes Bruno (RJ).

setembro 30, 2010 Posted by | Atlético-PR, Vitória | | Deixe um comentário

Ceará e Atlético-MG ‘queimam o filme’ no Castelão e empatam sem gols

Resultado foi ruim para as duas equipes, mas especialmente para o Galo, que segue muito ameaçado de rebaixamento para a Série B em 2011

Ceará e Atlético-MG protagonizaram um drama no Castelão, em Fortaleza, nesta quarta-feira, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro. O jogo, que teve roteiro com toques de crueldade para os corações das duas torcidas, terminou em um melancólico 0 a 0, o que não resolve a situação de nenhum dos dois times na competição. O pobre futebol apresentado não dá mostras que as próximas produções possam ser ‘hollywoodianas’ ou que, pelo menos, tenham um final feliz.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Com o empate, o Ceará é o 14º colocado da competição, com 31 pontos, enquanto o Atlético-MG permanece na vice-lanterna, com apenas 22. Na próxima rodada, o Vovô enfrentará o Corinthians, no Pacaembu, no sábado, às 16h (de Brasília). Já o Galo viajará a Goiânia, onde encarar o seu xará goianiense, também no sábado, só que às 21h.

Ceará melhor, mas inoperante

A situação ruim dos times na tabela de classificação e a sequência de maus resultados de ambos os lados fizeram com que o jogo já começasse com um roteiro dramático. Prova disso é que, já com dois minutos de bola rolando, cada time já tinha perdido uma boa chance de gol, com Marcelo Nicácio, pelo Ceará, e Obina, pelo Atlético-MG.

As cenas da primeira metade do primeiro tempo mostraram o Ceará com mais posse de bola e presença no campo de ataque. Porém, nenhuma jogada do Vovô mereceu o título de campeã de bilheteria. Todas elas pararam na zaga do Galo ou nas boas intervenções do jovem goleiro Renan Ribeiro.

E se o drama era a tônica do jogo, ele se fez ainda mais presente na vida do Atlético-MG. Aos 16 minutos, Daniel Carvalho, que vinha sendo um dos atores principais do time nas últimas partidas, sentiu uma contusão no joelho esquerdo e foi substituído pelo atacante Ricardo Bueno.

Com o passar do tempo, o Ceará diminuiu o ímpeto inicial, e o jogo teve momentos de comédia pastelão, com muitos erros de passes, jogadas concentradas no meio-campo e lentidão na saída de bola. Com todos estes argumentos, o placar não saiu de um 0 a 0 que não fez o mínimo sucesso com a galera.

Empate ruim para os dois lados

O time cearense voltou com ânimo renovado para o segundo tempo, fazendo uma verdadeira blitz sobre o Atlético-MG. O Vovô perdeu boas chances de gol, principalmente com Geraldo, Marcelo Nicácio e Vicente. Já o Galo tentava criar jogadas de ataque mais efetivas, mas parecia uma “Missão Impossível” para o time acertar o gol de Michel Alves. Diego Souza e Diego Macedo foram exemplos disso.

As tomadas finais da partida foram cenas repetidas de sequências já filmadas: o Ceará era insistente no ataque, e o Atlético-MG vivia de seus esporádicos contragolpes. Mas nenhum dos times teve competência e sorte para afundar de vez o adversário, e o 0 a 0 acabou sendo o retrato fiel do que foi o jogo, com muito mais momentos de comédia do que de um belo musical.

A partir de agora, o Ceará terá que fazer de cada jogo um filme de luta. O time só venceu duas das 19 partidas que disputou depois da Copa do Mundo e vê a zona de rebaixamento chegar perto do retrovisor, como em “Velozes e furiosos”. Ao Atlético-MG, que já trocou atores principais, coadjuvantes, roteiristas e diretores neste Campeonato Brasileiro, fica o alerta: o drama está se tornando um filme de terror. E pior, repetido para a torcida atleticana.

setembro 30, 2010 Posted by | Atlético-MG, Ceará | | Deixe um comentário

Prudente dá show, vence Guarani e ganha fôlego na luta contra degola

Lanterna do Brasileirão faz grande jogo e bate rival do interior por 4 a 2. Time ainda está em último, mas respira e ganha ânimo com novo técnico

Nem parecia que o time de uniforme vermelho em campo era o lanterna – disparado – do Campeonato Brasileiro e não vencia há dez rodadas na competição. Nesta quarta-feira, o Grêmio Prudente deu um tempo na crise, jogou futebol de encher os olhos e fez 4 a 2 no Guarani, com facilidade impressionante para um time que estava completamente perdido até o último fim de semana. Na 26ª rodada da competição, a equipe se agarra a um fio de esperança para se salvar do rebaixamento.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

O resultado mantém o time na lanterna, mas agora com 20 pontos e já um pouco mais próximo dos rivais. O técnico interino Fábio Giuntini estreou com o pé direito em meio a uma turbulência marcada pelo pedido de demissão de Marcelo Rospide. A última vitória havia sido contra o Goiás, em 21 de agosto.

O Guarani, que venceu o Vasco na rodada passada, deu uma freada em sua reação e permanece com 33 pontos na tabela. A equipe não vence longe do Brinco de Ouro há dez jogos.

Wesley brilha

O Prudente mostrou que estava querendo jogo já no primeiro lance, quando Adriano Pimenta exigiu grande defesa de Douglas em um chute de longe. O interino Fábio Giuntini deu liberdade a Wesley e Willian José para que eles flutuassem pelos dois lados do campo. Além disso, deixou medalhões como Fabiano Gadelha no banco de reservas e deu mais velocidade à equipe.

O Bugre, com pouca imaginação, forçou demais as jogadas pela esquerda, até porque Vágner Mancini escalou o time com dois laterais-esquerdos: Fabiano e Márcio Careca. Ambos se revezavam pela ponta e davam auxílio a Mazola, muito bem marcado pela defesa do time da casa.

Apesar de algumas tentativas do Guarani, o Prudente dominou completamente o meio de campo. Com isso, os gols eram questão de tempo. E a estrela de Wesley começou a brilhar. Aos 21, ele invadiu a área e foi puxado por Fabão. Pênalti incontestável e muito bem cobrado por Willian José: 1 a 0.

Com um grande repertório de jogadas, o Prudente confundiu a defesa adversária, ora pelo chão, ora pelo alto, em tabelas ou intervenções individuais. E numa dessas individualidades, Wesley fez um golaço. Aos 40 da primeira etapa, ele saiu da marcação de dois bugrinos e avançou livre, por 20 ou 30 metros, e chutou de esquerda, sem chances para Douglas: 2 a 0.

Show prudentino e esboço de reação verde

O técnico Vágner Mancini resolveu radicalizar. Promoveu logo no intervalo as três substituições de direito do Guarani e optou por dar mais dinamismo à equipe com a entrada de Apodi. As boas jogadas do lateral no início do segundo tempo foram apenas ilusão para o torcedor bugrino. Em poucos minutos, o Prudente voltou a tomar conta das ações.

Aos 17, em um contra-ataque, o time da casa teve pouco trabalho para fazer o terceiro gol. Entre cinco defensores, Adriano Pimenta e Wesley tabelaram e não tomaram conhecimento dos rivais. No fim, Wesley finalizou com força na saída de Douglas e fez outro belo tento.

A noite para o Prudente foi daquelas em que tudo dá certo. Já satisfeito com o placar elástico, Fábio Giuntini lançou Marcelo Oliveira e Wanderley para aproveitarem as jogadas rápidas. E aos 29, a dupla armou o quarto gol – e que golaço! Oliveira rolou para o atacante, que só esperou a saída de Douglas e deu um lindo toque por cima do camisa 1, a famosa cavadinha.

A essa altura, a torcida prudentina – pequena, é verdade – já comemorava e ironizava o Bugre. Aí, um pequeno susto deixou o Grêmio um pouco perdido. Em dois minutos, aos 33 e aos 35, Mazola, de pênalti, e Reinaldo, em lindo voleio, diminuíram o placar e deram esperança ao time alviverde. No entanto, a reação parou por aí e o Prudente pôde comemorar sua quinta vitória no Brasileirão.

GRÊMIO PRUDENTE 4 X 2 GUARANI
Giovanni, Bruno Ribeiro, Anderson Luís, Diego Giaretta e Arthur Henrique; Anderson Pedra, João Vitor (Sasha), Roberto e Ardiano Pimenta (Marcelo Oliveira); Willian José (Wanderley) e Wesley Douglas, Rodrigo Heffner (Apodi), Fabão, Ailson e Marcio Careca; Renan, Paulo Roberto, Fabiano (Maycon) e Geovane (Mário Lucio); Mazola e Reinaldo
Técnico: Fábio Giuntini Técnico: Vágner Mancini
Gols: Willian José, aos 21, e Wesley, aos 40 do primeiro tempo. Wesley, aos 17, Wanderley, aos 29, Mazola, aos 33, e Reinaldo, aos 35 do segundo tempo.
Cartões amarelos: João Vitor, Anderson Luís, Willian José (GPR); Paulo Roberto, Reinaldo (GUA)
Estádio: Prudentão, em Presidente Prudente (SP). Data: 29/9/2010.Árbitro: Guilherme Cereta de Lima (SP). Auxiliares: Márcio Luiz Augusto e Anderson José de Moraes Coelho (ambos de SP)

setembro 30, 2010 Posted by | Grêmio Prudente, Guarani | , | Deixe um comentário

Corinthians e Botafogo disputam para chegar com fôlego ao topo

Na caça ao líder Fluminense, rivais duelam por vitória para mostrar força

LANCEPRESS!

Dá para ser campeão brasileiro? De olho em responder a pergunta com um sim, Corinthians e Botafogo duelam pela vitória nesta quarta-feira para comprovar as chances de título. Com o foco de ambos os clubes no líder Fluminense, o confronto no Pacaembu, às 22h, comtransmissão em tempo real pelo LANCENET! promete ser aberto e repleto de emoção em busca dos três pontos.

Pelo Timão, a meta é recuperar a ponta na tabela, perdida na rodada anterior após tropeço por 3 a 2 diante do Internacional, no Beira-Rio. Para isso só o triunfo interessa, além de precisar torcer pelo Avaí contra o Flu. Já para o Glorioso, a tarefa é voltar aos poucos à luta pelo troféu, pois o clube está a oito pontos do Tricolor Carioca.

CLIMA DE FINAL

O Corinthians continua a sua sequência de “decisões” no Campeonato Brasileiro. Depois de vencer Fluminense e Santos, fora de casa, e perder para o Internacional, no domingo, o Timão se volta para o Botafogo. E para a partida contra os cariocas, o técnico Adilson Batista deve ter novidades.

Apesar de Ronaldo, Dentinho e Chicão, que se recuperam de lesão, continuarem de fora da equipe, o volante Ralf está praticamente recuperado de uma lesão no tornozelo esquerdo e tem chances de voltar ao meio campo corintiano.

O maior problema, no entanto, está na zaga. Sem poder contar também com Paulo André, suspenso por ter sido expulso contra o Inter, o recém-contratado Thiago Heleno pode ocupar a vaga na defesa. Leandro Castán também briga pela posição. O lateral-esquerdo Roberto Carlos, que foi substituído no último jogo, não é problema e está garantido no time titular.

– Temos que ter os devidos cuidados (com o Botafogo). Eles perderam alguns jogadores importantes em termos de velocidade. O Jobson, o Maicosuel, o Edno… Vamos ter que trabalhar com mais inteligência – afirmou o técnico Adilson Batista.

REFERÊNCIA PARA NÃO VACILAR

Sem vencer há quatro jogos, o Botafogo busca inspiração no próprio passado durante a temporada para reencontrar o caminho da glória. O Glorioso ainda não perdeu para clubes paulistas no Brasileiro. Foram quatro triunfos e quatro empates.

De volta ao Pacaembu, onde ganhou o Santos por 2 a 1, o Alvinegro de General Severiano terá desfalques. Maicosuel e Marcelo Mattos estão fora por lesão no joelho esquerdo. Por sua vez, Jobson foi suspenso pelo terceiro cartão amarelo, assim como Edno, que já não poderia atuar por ser emprestado pelo Timão.

Por outro lado, Antônio Carlos, Loco Abreu e Herrera voltam ao time depois de cumprir afastamento por cartões. Ex-jogador do Corinthians, Herrera não vê diferença em encarar o antigo clube e minimizou toda pressão por isso.

– Tive uma boa passagem pelo Corinthians, mas agora estou no Botafogo e luto por onde atuo. É um jogo muito importante para o Glorioso, que representa um desafio. Não podemos mais tropeçar – destacou.

FICHA TÉCNICA:
CORINTHIANS X BOTAFOGO

Estádio: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 29/9/2010 – 22h (de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS)
Auxiliares: Alessandro Álvaro Rocha de Matos (Fifa-BA) e Erich Bandeira (Fifa-PE)

CORINTHIANS: Julio Cesar, Alessandro, William, Thiago Heleno (Leandro Castán), Roberto Carlos; Ralf, Jucilei, Elias, Bruno César; Jorge Henrique e Iarley. Técnico: Adilson Batista.

BOTAFOGO: Jefferson, Antônio Carlos, Leandro Guerreiro e Fábio Ferreira; Alessandro, Fahel, Somália, Lucio Flavio e Marcelo Cordeiro; Herrera e Loco Abreu. Técnico: Joel Santana.

setembro 29, 2010 Posted by | Botafogo, Corinthians | | Deixe um comentário

Grêmio e São Paulo fazem ‘duelo de Libertadores’

Com tradição na competição continental, equipes lutam para se aproximar do G-3

LANCEPRESS!

Assim como o São Paulo, o Grêmio se considera especialista em Libertadores: disputou doze e venceu duas. E, assim como o adversário desta quarta no Olímpico, entrará em campo, às 22h, fazendo cálculos sobre as possibilidades de terminar o Brasileirão dentro do G-3. As chances são pequenas, segundo o matemático Tristão Garcia: 2% para ambos.

Mas, apesar de precisar de 33 pontos nos 39 a disputar, o Tricolor gaúcho não abre mão do sonho. Está animado pela campanha do técnico Renato Gaúcho, que, em 45 dias como sucessor de Silas, alçou o time da zona de rebaixamento para o 10º lugar.

O desafio imediato é acabar com uma curiosa inversão: vencedor dos três últimos jogos como visitante (sobre Corinthians, Avaí e Atlético-MG), o Tricolor gaúcho intercalou os sucessos com dois fracassos no antes inexpugnável Olímpico (derrota para o Palmeiras e empate com o Flamengo).

O Grêmio terá três desfalques: o volante Fábio Rochemback, lesionado, e os laterais Gabriel e Fábio Santos suspensos pelo terceiro cartão amarelo. Há uma perda técnica com a entrada de Edilson na direita e Gilson na esquerda. Gabriel e Fábio Santos vinham fazendo bom trabalho, sobretudo no apoio, embora o segundo não seja muito querido pela torcida.

Outra ausência importante é a de Souza, que torceu o tornozelo direito contra o Flamengo, há uma semana, e já não enfrentou o Galo, domingo. Mas, além de Roberson ter substituído o titular com vantagem, o setor do meio-campo conta com Douglas em grande fase.

Na frente, o desfalque permanente é Borges, que operou a canela direita e só voltará em 2011. André Lima, agora titular, tem atuado bem. Mas o grande destaque é o seu parceiro, Jonas, artilheiro do campeonato com 13 gols.

No São Paulo, Sérgio Baresi fez mistério e disse ainda ter dúvidas sobre quem escalar para o confronto entre tricolores. Questionado sobre a permanência de Carleto na lateral esquerda, com Richarlyson, que volta de suspensão, no meio de campo o treinador respondeu:

– Testei esta formação e uma outra também, mas não tenho definido ainda. Vou pensar um pouco hoje (terça-feira) para amanhã (quarta-feira) decidir a melhor.

Mesmo após a surpreendente derrota para o Goiás, em casa, por 3 a 0, na última rodada, Baresi não pretende fazer mudanças drásticas e promete apenas algumas correções.

– Não vou mudar a forma de jogar. Este último jogo foi atípico. Vamos jogar com dois ou três atacantes, mesmo atuando fora de casa. Talvez vamos corrigir o posicionamento com uma linha com Lucas e Marlos – finalizou o comandante.

Quem está confirmado é o atacante Ricardo Oliveira, que fará dupla de ataque com Dagoberto ou Marlos.

– Testamos uma formação também com o Cleber Santana, mas mais no fim do treino. Foi outra que me agradou e até amanhã (quarta-feira) devemos definir o homem, que pode ser o Cleber Santana, Dagoberto, Marlos, então depende do que vou decidir – completou Baresi.

A opção pelo camisa 8, apesar de testada, é mais remota, já que, com ele, Carleto voltaria para o banco de reservas. A tendência é que Marlos ou Dagoberto ganhem a vaga.

FICHA TÉCNICA:

GRÊMIO X SÃO PAULO

Estádio: Olímpico, Porto Alegre (RS)

Data/hora: 29/9/2010 – 22h (de Brasília)

Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa-MG)

Auxiliares: Helberth Costa Andrade (MG) e Jair Albano Felix (MG)

GRÊMIO: Victor; Edilson, Vilson, Rafael Marques e Lúcio; Fábio Rochemback, Adilson, Roberson e Douglas; Jonas e André Lima. Técnico: Renato Gaúcho.

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Rodrigo Souto, Alex Silva e Miranda; Jean, Casemiro, Richarlyson, Lucas e Carleto; Dagoberto (Marlos) e Ricardo Oliveira. Técnico:Sérgio Baresi.

setembro 29, 2010 Posted by | Grêmio, São Paulo | , | Deixe um comentário

Ceará x Atlético-MG: duelo pela reação

Vovô foi goleado na última rodada. Já o Galo quer respirar

LANCEPRESS!

Jejum de vitórias, desespero, pressão e o risco do rebaixamento a cada rodada rondando o clima dos dois clubes, é assim o ambiente para o duelo entre Ceará e Atlético-MG que acontece nesta quarta-feira, às 22h, no Castelão, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Pelo lado cearense, a goleada sofrida para o Avaí por 5 a 0, no domingo passado, causou alvoroço e preocupação entre os torcedores. Afinal, o time, que havia dividido a liderança do Brasileiro nas primeiras oito rodadas com o Corinthians e tinha a melhor defesa, está a apenas quatro pontos do 17º colocado e sua zaga sofreu oito gols em três partidas.

Por isso, o técnico interino Dimas Filgueiras, que, com um novo revés, deve dar adeus ao cargo, vai promover várias mudanças. A primeira delas, claro, na defesa. O zagueiro Diego Sacoman retorna após cumprir suspensão. Nas laterais, Boiadeiro, eu fará sua reestréia com a camisa alvinegra, e Vicente devem entrar nos lugares de Oziel e Ernandes, respectivamente.

Com isso, Heleno, que atuou na zaga diante do Avaí, volta a sua função de origem com volante, formando o trio de defensores com João Marcos e Michel. No ataque, mais modificações. Magno Alves liberado pelo departamento médico, após 12 dias se recuperando de uma lesão muscular deve formar dupla com Marcelo Nicácio. Assim, Kempes e Wellington Amorim ficam na reserva.

O zagueiro Fabrício, ainda se recuperando de uma pancada no tornozelo direito foi vetado, já o meia colombiano Reina só deve fazer sua estreia na partida ante o Corinthians, no próximo sábado

– Não conseguimos somar pontos nas duas partidas fora de casa que fizemos, então temos de recuperar esses pontos dentro de casa. Não podemos deixar escapar essa vitória, ainda mais porque é uma partida de seis pontos – comentou Dimas Filgueiras, lembrando das derrotas para Cruzeiro e Avaí, nas duas rodadas passadas.

Atlético-MG: vencer ou vencer

A partida diante do Ceará é considerada de fundamental importância para o Galo, que luta desesperadamente para não ser rebaixado mais uma vez para a Série B.

Na penúltima colocação com apenas 21 pontos conquistados em 25 partidas disputadas, o time mineiro terá pela segunda vez o técnico Dorival Júnior no comando. Na estreia, sem nenhum tempo para treinar, derrota para o Grêmio por 2 a 1, em Sete Lagoas-MG.

Apesar de saber das dificuldades para alcançar o objetivo, o comandante alvinegro mantém o discurso de confiança em seus jogadores para o quadro negativo venha a ser invertido até o final da competição nacional. E números adversos não faltam.

O Atlético-MG é o time que mais perdeu no torneio (16), possui a pior defesa (47), tem o saldo de gols mais negativo (-17) e é o visitante menos venceu (1). Ou seja, o trabalho será árduo e uma vitória em Fortaleza cairia do céu para o clube mineiro.

Apesar de atualmente ter nove pontos a mais na tabela, o Vovô é considerado um adversário direto do Galo, uma vez que vem em queda livre no segundo turno. Para derrotar o rival, cinco mudanças vão acontecer na equipe em relação à última rodada.

No treinamento realizado nesta terça-feira, Dorival Júnior trouxe de volta para o time titular Diego Macedo, Eron, Alê e Diego Souza. Mas a grande novidade ficou por conta da presença do jovem Fillipe Soutto, que vinha defendendo o sub-23 no Brasileirão da categoria.

FICHA-TÉCNICA
CEARÁ X ATLÉTICO-MG

Local: Castelão, em Fortaleza (CE)
Data/hora: 29/9/2010 – 22h (horário de Brasília)
Árbitro: Sandro Meira Ricci (DF)
Assistentes: Ednílson Corona (SP) e Fabio Pereira (TO)

CEARÁ: Michel Alves; Boiadeiro, Anderson, Diego Sacoman e Vicente; Michel, João Marcos, Heleno e Geraldo; Marcelo Nicácio e Magno Alves. Técnico: Dimas Filgueiras.

ATLÉTICO-MG: Renan Ribeiro, Diego Macedo, Réver eWerley; Eron, Alê, Zé Luis, Fillipe Soutto, Daniel Carvalho e Diego Souza; Obina. Técnico: Dorival Júnior.

setembro 29, 2010 Posted by | Atlético-MG, Ceará | , | Deixe um comentário

Para se manter na ponta, Flu encara o Avaí em Volta Redonda

Tricolor quer manter a boa sequência dos últimos jogos

LANCEPRESS!

Fluminense e Avaí se encaram nesta quarta-feira, às 21h, com transmissão em tempo real do LANCENET !, em Volta Redonda, com objetivos distintos. O Tricolor busca a manutenção na ponta da tabela e manter a boa sequência de vitórias. Já o Avaí, que aparece próximo da zobna de rebaixamento, vem embalado após a goleada por 5 a 0 sobre o Ceará na última rodada.

Para esta partida, o Tricolor terá apenas um desfalque (além dos lesionados), o lateral-esquerdo Carlinhos, que recebeu o terceiro cartão amarelo contra o Vitória e será substituído por Julio Cesar.

Além disso, esta será a primeira partida que o Flu mandará em Volta Redonda. Fato que foi lamentado por Julio Cesar.

– Essas mudanças de estádio são ruins porque o jogador perde o território. E a torcida desanima. Volta Redonda fica a duas horas do Rio, apesar de o estádio ser maravilhoso. Mas o momento tricolor favorece e é um campo que conhecemos. Jogamos muitos jogos do Estadual lá – lamentou.

O goleiro Rafael, que vem sendo muito criticado, segue na equipe titular. Mariano fará o último jogo pelo Tricolor antes se apresentar à Seleção Brasileira e desfalcará a equipe em jogos importantes, diante do Santos e do Cruzeiro. Rodriguinho segue no ataque ao lado de Washington.

AVAÍ QUER SURPREENDER

Embalado após a bela goleada por 5 a 0 em cima do Ceará, o Avaí tem um desafio para lá de complicado nesta quarta-feira: tentar bater o líder do Campeonato Brasileiro, Fluminense, no Raulino de Oliveira. O local do confronto talvez seja o grande trunfo do time catarinense, já que os jogos no Engenhão, estádio que vinha sendo utilizado pelo Flu, serão reduzidos para que o gramado seja preservado.

Além de servir como uma injenção de ânimo, a goleada do último domingo pode assegurar a vaga de Edson dos Santos à frente da comissão técnica do Avaí até o fim do Campeonato Brasileiro. O treinador substituiu Antônio Lopes, que foi demitido do clube na semana passada. Mesmo assim, Edson garante não saber se será efetivado no cargo.

– Não me considero efetivado, só quero fazer o meu melhor trabalho e acho que tenho condições. Logicamente que a situação em que a gente se encontra não é a mais confortável – disse o técnico.

Contra o Fluminense, o técnico não contará com o volante Marcinho Guerreiro, que segue se recuperando de lesões no tornozelo e na tíbia. Assim, Diogo Orlando segue como titular. Na zaga, Émerson Nunes entra no lugar de Gabriel, que cumpre suspensão automática, por ter recebido o terceiro cartão amarelo diante do Ceará.

FICHA TÉCNICA:
FLUMINENSE X AVAÍ

Estádio: Raulino de Oliveira, Volta Redonda (RJ)
Data/hora: 29/9/2010 – 21h (de Brasília)
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)
Auxiliares: João Bourgalber N. Chaves (SP) e Danilo Ricardo Simon Manis (SP)

FLUMINENSE: Rafael; Mariano, Leandro Euzébio, Gum e Carlinhos; Diogo, Fernando Bob, Deco e Conca; Rodriguinho e Washington. Técnico: Muricy Ramalho.

AVAÍ: Zé Carlos; Patric, Émerson Nunes, Emerson e Pará; Diogo Orlando, Rudnei, Davi e Jéferson; Robinho e Marcelinho. Técnico: Édson Santos.

setembro 29, 2010 Posted by | Avaí, Fluminense | , , | Deixe um comentário

Palmeiras e Inter se enfrentam para embalar no Brasileirão

Palmeiras pode se aproximar do pelotão da frente. Já o Colorado ainda acredita no título

LANCEPRESS!

Palmeiras e Internacional se enfrentam nesta quarta-feira, na Arena Barueri, às 19h30, com o mesmo intuíto: embalar no Campeonato Brasileiro. As duas equipes vem de vitórias na última rodada e agora querem subir de vez na tabela do Brasileirão. Enquanto o Verdão ainda sonha com uma vaga na Libertadores, os Colorados ainda acreditam no título. No jogo do primeiro turno as equipes ficaram no 1 a 1 no Beira-Rio.

Depois de vencer os dois últimos jogos fora de casa, contra Prudente e Flamengo, respectivamente, o Verdão quer continuar embalado no Campeonato Brasileiro. O problema é que o jogo é em casa. Problema? Sim, o Palmeiras vem se dando melhor como visitante do que como mandante no Brasileirão. Dos 35 pontos conquistados até então, 19 deles foram conquistados fora de casa. Aproveitamento que só perde para o líder da competição Fluminense, que como visitante conquistou 21 pontos.

Para tentar a vitória dentro de casa, o Verdão até trocou de ares. Mandando seus últimos jogos Pacaembu, o Palmeiras jogará desta vez na Arena Barueri, casa que costuma dar sorte. Lá dentro, jamais os palestrinos saíram derrotados. Ao todo foram seis jogos desde 2008: três vitórias e três empates.

No duelo contra os gaúchos, o técnico Luis Felipe Scolari deverá escalar a mesma equipe que enfrentou o Flamengo no último jogo. Depois da boa vitória por 3 a 1, o comandante se mostrou feliz com o rendimento da sua equipe e tem em Valdivia as esperanças de enfim voltar a vencer em casa. Depois do duelo de sábado o treinador elogiou o chileno e preferiu ter cautela ao escalar Lincoln.

– Este foi o primeiro grande jogo do Valdivia em forma. O Lincoln também está voltando agora e só poderei utilizar os dois juntos quando o time puder treinar. Por enquanto, com esta rotina de jogos toda quarta e domingo, não estamos tendo tempo para isso – disse Felipão.

No Inter…


Quarto colocado e ainda com esperanças de conquistar o título, o Inter vai para um grande desafio: vencer o Palmeiras fora de casa sem contar com quatro titulares. Dois são insubstituíveis: D’Alessandro, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, e Tinga, lesionado. São eles que tornam o meio-campo colorado especial – o argentino, pelo dom de maestro, o brasileiro, pela movimentação constante. Serão substituídos por Edu e Andrezinho.

Os outros dois desfalques: o zagueiro Indio, também pelo terceiro cartão amarelo, e o lateral-direito Nei, que recebeu o vermelho contra o Corinthians. Com o retorno de Bolívar, Sorondo continuará na zaga. E, com a volta do volante Wilson Mathias, Glaydson, que o substituiu domingo, será deslocado para a lateral.

No treino desta terça-feira, no Beira-Rio, o lateral-esquerdo Kleber foi poupado, mas apenas para evitar desgaste. O técnico Celso Roth confirmou que Leandro Damião iniciará a partida, apesar de o titular, Alecsandro, ter sido decisivo em seu retorno.

— Estamos administrando o Alecsandro com muito cuidado. Não podemos esquecer que ele ficou um mês e meio fora – ponderou Roth, que pretende utilizar o seu centroavante preferido no segundo tempo.

Roth enfatizou a ausência de Nei, que segundo ele é injustiçado pela imprensa.

— Ninguém fala do Nei, que mantém um equilíbrio na lateral-direita. Ninguém reconhece. É um absurdo isso – protestou.

O volante Wilson Mathias seria julgado na noite desta terça, pela expulsão contra o Avaí. Roth adiantou que, em caso de suspensão, Glaydson permaneceria no meio-campo e Daniel entraria na lateral. Mas a confiança na liberação do titular era tão grande, que ele levou apenas 18 jogadores para São Paulo.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS X INTERNACIONAL

Local: Arena Barueri, Barueri (SP)
Data e Hora: 29/9/2010 – 19h30
Árbitro: Evandro Rogério Roman (Fifa-PR)
Auxiliares: José Amilton Portarolo e José Carlos Dias Passos (ambos PR)

PALMEIRAS: Deola, Vitor, Danilo, Fabrício e Gabriel Silva, Edinho, Marcos Assunção, Márcio Araújo e Tinga; Valdivia e Kleber. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

INTERNACIONAL: Renan; Glaydson, Bolívar, Sorondo e Kleber; Wilson Mathias, Guiñazú, Andrezinho e Giuliano; Edu e Leandro Damião. Técnico: Celso Roth.

setembro 29, 2010 Posted by | Internacional, Palmeiras | , | Deixe um comentário