Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Palmeiras vence Atlético-PR e acaba com jejum de Felipão: 2 a 0

Mesmo jogando com um a mais durante todo o segundo tempo, Furacão não consegue se impor. Zona de rebaixamento se aproxima

Acabou o jejum. Sete jogos após a estreia do técnico Luiz Felipe Scolari, o Palmeiras finalmente consegue uma vitória. Azar do Atlético-PR, que, mesmo com um jogador a mais durante quase todo o segundo tempo, perdeu por 2 a 0, neste sábado, no Pacaembu, e vê a zona de rebaixamento se aproximar.

Na próxima rodada,  o Palmeiras enfrenta o Guarani, domingo, às 16h, fora de casa. O Atlético-PR recebe o Flamengo, no mesmo horário.

Em uma das cabines do Pacaembu, o técnico Mano Menezes viu o técnico Luiz Felipe Scolari fazer mudanças – guardadas as devidas proporções – tão radicais quanto as que o técnico da Seleção promoveu no amistoso contra os EUA. Felipão cumpriu o que prometeu durante a semana e fez várias trocas na equipe. O lateral-direito Vitor, o volante Pierre e o atacante Ewerthon foram barrados. Na vaga de Pierre, entrou o zagueiro Fabrício e o Palmeiras entrou em campo no 3-5-2 pela primeira vez desde que Felipão assumiu. Foi com esse esquema que o treinador levou o Brasil ao pentacampeonato mundial, em 2002. O volante Márcio Araújo foi para a ala direita e Luan ocupou o lugar de Ewerthon. Outra novidade foi a escalação do volante Tinga,que atuou mais adiantado.

Foi uma verdadeira revolução na equipe. O resultado foi quase instantâneo. Marcando forte as saídas de bola do Atlético-PR, o Verdão abriu o placar logo aos três minutos de jogo. Marcos Assunção cobrou falta e a zaga rebateu. A bola sobrou para Tinga, que bancou o ponta direita, foi à linha de fundo e cruzou na cabeça do zagueiro Danilo, que subiu e escorou de cabeça, estufando a rede (veja o vídeo).

A torcida palmeirense pulou para comemorar o gol e espantar o frio. A temperatura em São Paulo despencou neste sábado e atingiu os 11ºC durante o jogo.

O técnico do Atlético, Paulo César Carpegiani, foi rápido ao perceber que seu time tinha dificuldades para sair. Sacou o lateral-esquerdo Bruno Costa, que é mais marcador e estava sem função na equipe, pois o palmeirense Márcio Araújo não subia. Entrou o meia Branquinho, que assumiu a função de armar a equipe, empurrando Paulo Baier mais para a frente. Paulo saiu do meio para cobrar a lateral.

Com essas mudanças, o Furacão passou a ter o domínio da bola e a rondar a área palmeirense. No entanto, não chegou a criar jogadas muito perigosas, a não ser em lances de bola parada. Paulo Baier chegou a arriscar algumas faltas, mas todas pararam nas mãos do goleiro Marcos.

O segundo tempo começou complicado para o Palmeiras. Logo aos três minutos,  Tadeu disputou bola no meio de campo com Deivid e seu braço atingiu o rosto do adversário. O palmeirense levou o segundo amarelo (ele já havia recebido um no início da partida, por retardar uma cobrança de falta) e, conseqüentemente, o vermelho.

Imediatamente, Carpegiani mexeu no time, tirando o próprio Deivid, um volante, para a entrada do atacante Mithyê. Com esse novo jogador e mais o rápido atacante Maikon Leite,que havia entrado no intervalo, na vaga de Guerrón, o Furacão se tornou muito perigoso, sobretudo nas jogadas pela direita. Aos 10, Maikon fez fila, foi à linha de fundo e cruzou para atrás, na direção de Mithyê, que cabeceou firme, obrigando Marcos a fazer ótima defesa.

As mudanças deixaram o time paranaense com apenas um volante, Chico, dois meias, Branquinho e Paulo Bayer e dois atacantes, Maikon Leite e Bruno Mineiro. Se por um lado o gol de Marcos era mais ameaçado, por outro havia espaços para o Palmeiras contra-atacar.

E foi assim que o Verdão matou o jogo. Aos 17, Edinho arrancou livre pelo meio e avançou em direção à área até ser brecado com falta. Na cobrança, Marcos Assunção acertou o travessão. Aos 31, Tinga acertou um precioso passe para Ewerthon, que havia entrado há poucos minutos, no lugar de Luan. O atacante recebeu sozinho, já dentro da área, e chutou forte, de pé direito, ampliando o placar.

PALMEIRAS X ATLÉTICO-PR
Marcos, Maurício Ramos, Danilo e Fabrício; Márcio Araújo, Edinho, Marcos Assunção, Tinga e Rivaldo; Tadeu e Luan (Ewerthon) Neto; Leandro, Gustavo Lazzaretti, Rhodolfo e Bruno Costa (Branquinho); David (Mithyuê), Chico, Paulo Baier e Paulinho; Guerrón (Maikon Leite) e Bruno Mineiro
Técnico: Luiz Felipe Scolari Técnico: Paulo César Carpegiani
Gols: Danilo, 3 minutos do primeiro tempo; Ewerthon, aos 31.
Cartões amarelos: Paulo Bayer, Maikon Leite (Atlético-PR), Tadeu, Maurício Ramos (Palmeiras). Cartão vermelho: Tadeu (Palmeiras)
Renda e público: R$ 350.520,00/9.400 pagantes
Local: Pacaembu, em São Paulo. Data: 14/8/2010. Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (DF). Auxiliares: Hilton M. Rodrigues (RJ) e César Augusto de Oliveira Vaz (DF).

agosto 14, 2010 Posted by | Atlético-PR, Palmeiras | | Deixe um comentário

Diego Tardelli brilha, e Atlético-MG supera o Guarani em Ipatinga: 3 a 1

Atacante marca duas vezes e chega à artilharia do Campeonato Brasileiro

Com grande atuação no segundo tempo, Diego Tardelli foi o grande responsável pela vitória do Atlético-MG por 3 a 1 sobre o Guarani. O artilheiro marcou os dois primeiros gols, e Obina fez o terceiro, ambos no segundo tempo. Com os dois gols, Tardelli chegou à artilharia da competição, com seis gols, ao lado de Alecsandro, do Internacional, e de Roger, que já deixou o Guarani.

Mesmo com o resultado, o Atlético-MG não deixou a zona de rebaixamento. O time mineiro chegou aos 13 pontos e ainda está entre os quatro últimos. O Guarani, por sua vez, permaneceu com 18 pontos.

O Atlético-MG voltará a jogar pelo Campeonato Brasileiro no próximo domingo, às 16h (de Brasília), contra o Santos, na Vila Belmiro. No mesmo dia e horário, o Guarani encara o Palmeiras, no Brinco de Ouro, em Campinas.

Equilíbrio e justiça no placar

O Atlético-MG começou estudando o Guarani, que saía mais para o jogo. Porém, aos poucos, o Galo começou a dar trabalho para o goleiro Douglas, principalmente com Diego Souza. Aos 9 minutos, o camisa 1 alvinegro chutou forte, da entrada da área, e a bola, caprichosamente, explodiu na trave do Bugre. O ataque do Atlético-MG funcionava bem, com boas tabelas entre Diego Souza e Neto Berola.

O Guarani, por sua vez, respondeu à altura. O time paulista adiantou um pouco a marcação e complicou bastante a saída de bola atleticana. Os três zagueiros, Werley, Lima e Cáceres, tinham problemas para ligar o contra-ataque.

Assim, sempre com Mazola, o Guarani tentava o gol. Em uma saída errada de João Pedro, o atacante campinense chutou forte, mas para fora, assustando o goleiro Fábio Costa. O Guarani chegou a acertar uma bola na trave do Galo, mas o auxiliar já havia marcado posição de impedimento.

Outro que incomodava bastante era Ricardo Xavier. O atacante do Guarani chutou com perigo em duas oportunidades, quase surpreendendo Fábio Costa. O resultado de empate fez justiça às duas equipes.

Diego Tardelli está de volta

O segundo tempo foi completamente diferente. O Galo voltou mais ligado, com Rafael Jataí no lugar de João Pedro, que não vinha bem. E quase abriu o placar logo de cara, com Diego Tardelli, que pegou de voleio um belo cruzamento de Neto Berola. O goleiro Douglas fez uma defesa espetacular ao espalmar para a linha de fundo.

Mas aos 20 minutos, o torcedor soltou o grito de gol da garganta. Após vários jogos sem marcar, Diego Tardelli, impedido, recebeu belo passe do estreante Rafael Cruz, e chutou por baixo do goleiro Douglas.

Logo depois, aos 25, Tardelli fez o segundo. Ricardinho pegou a defesa bugrina de surpresa na cobrança rápida de falta. O meia achou o atacante na área, que driblou o marcador e tocou na saída do goleiro para ampliar o placar.

Os jogadores do Guarani se irritaram bastante, já que em ambos os gols, Diego Tardelli estava em situação irregular de impedimento. Os bugrinos reclamaram com veemência, e o zagueiro Fabão foi expulso.

A partir daí, o Guarani se tornou uma presa fácil. Tanto que Obina, mesmo fora de ritmo de jogo, marcou o seu. Aos 32 minutos, Diego Souza cruzou na cabeça do atacante, que só escorou para fazer o terceiro.

O Guarani ainda fez o gol de honra, aos 48 minutos, com Mazola, que recebeu bola em profundidade e tocou na saída de Fábio Costa.

ATLÉTICO-MG 3 X 1 GUARANI
Fábio Costa; Lima, Cáceres e Werley; Rafael Cruz, Serginho (Fabiano), João Pedro (Rafael Jataí), Ricardinho e Diego Souza; Diego Tardelli e Neto Berola (Obina). Douglas; Rodrigo Heffner, Fabão, Ailson e Márcio Careca (Apodi); Renan, Paulo Roberto, Preto (Diogo) e Mário Lúcio; Ricardo Xavier (Rodrigão) e Mazola.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo. Técnico: Vagner Mancini.
Estádio: Ipatingão, em Ipatinga (MG). Data: 14/8/2010. Horário:18h30m (de Brasília). Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa/RJ).Auxiliares: Márcia Lopes Caetano (Fifa/RJ) e Ediney Guerreiro Mascarenhas (RJ).
Público: 5.748 pagantes. Renda: R$ 89.010,00. Cartões amarelos:Cáceres, Diego Souza, Serginho (Atlético-MG); Fabão (Guarani).Cartões vermelhos: Fabão (Guarani).
Gols: Diego Tardelli (Atlético-MG), aos 20 minutos, Diego Tardelli (Atlético-MG), aos 25 minutos, Obina (Atlético-MG), aos 32 minutos, e Mazola (Guarani), aos 48 minutos do segundo tempo.

agosto 14, 2010 Posted by | Atlético-MG, Guarani | , | Deixe um comentário

Sob a batuta de Jobson, Botafogo bate o Atlético-GO e dorme no G-4

Cariocas alcançam terceira vitória consecutiva e após três triunfos deixam a zona da degola para a terceira posição. Equipe Goiana está no Z-4

O Botafogo confirmou a boa fase ao bater o Atlético-GO por 2 a 0, na noite deste sábado, no Serra Dourada, em Goiânia. Com o resultado, o Alvinegro chegou a sua terceira vitória consecutiva e vai dormir no G-4 do Brasileirão. O Glorioso, que tem o melhor ataque do campeonato, com 25 gols, assumiu a terceira colocação, com 21 pontos. Os donos da casa permaneceram na lanterna da competição, com apenas nove. Somália e Jobson, o melhor em campo, balançaram a rede dos goianos.

A equipe de Joel Santana recuperou o rumo na competição após ficar oito jogos sem vitória. Esse é o segundo triunfo dos cariocas fora de seus domínios. Além disso, em três rodadas, o time comandado pelo técnico Joel Santana deixou as últimas colocações no Brasileirão para o G-4. Já os goianos, que conseguiram chegar à elite em 2010, seguem na zona de rebaixamento.

No próximo sábado, o Botafogo vai enfrentar o Avaí, no Engenhão. Já o Atlético-GO encara o Internacional, no domingo, no Beira-Rio, em Porto Alegre.

Em jogo morno na etapa inicial, cariocas e goianos não saem do zero

Mesmo como visitante, o Botafogo começou melhor a partida. Logo aos três minutos, Herrera cruzou da direita, e o goleiro Márcio foi obrigado a se esticar todo para evitar que a bola chegasse na cabeça de Marcelo Cordeiro. Livre, o lateral-esquerdo tinha totais condições de abrir o marcador.

Cinco minutos depois, os donos da casa responderam. Carlinhos Bala arriscou de fora da área e Jefferson defendeu com segurança, sem dar rebote. O Botafogo voltou a assustar o Atlético-GO aos 11. Alessandro aproveitou um passe errado do time goiano, avançou até a entrada da área e chutou. O goleiro Márcio defendeu no meio do gol.

A partir daí, os cariocas deram uma relaxada e os goianos passaram ter um domínio territorial, mas sem assustar o gol de Jefferson. Os destaques da partida eram os atacantes Jobson, do lado alvinegro, e Carlinhos Bala, no Rubro-Negro. Os dois criavam os lances mais perigosos das duas equipes.

E foi justamente dos pés de Jobson que o Botafogo quase abriu o marcador aos 27. O atacante passou por um defensor pelo lado direito e cruzou na cabeça de Herrera. Sozinho, o argentino pegou mal e a bola passou por cima do gol do Atlético-GO. Aos 41, Maicosuel cobrou falta da entrada da área, e o goleiro Márcio defendeu com tranqüilidade no meio do gol.

O Botafogo iniciou a etapa final como começou a partida. Com menos de um minuto de jogo, Alessandro deu um ótimo passe para Somália pelo lado direito da grande área. O jogador cruzou na medida para Herrera, que se antecipou aos defensores, mas chutou para fora, perdendo uma chance clara para o Alvinegro.

Aos seis minutos, a dupla Somália e Herrera entrou em ação novamente. O argentino aproveitou cruzamento da direita e ajeitou para o camisa 10, que chutou para abrir o marcador para os cariocas. Curiosamente, em dois jogos utilizando o número, o jogador balançou a rede em duas oportunidades.

Após a abertura do placar pelos cariocas, o Atlético-GO até que tentou chegar ao gol de empate, mas arriscava pouco. Aos 21, o Botafogo foi quem perdeu uma chance clara. Maicosuel chutou cruzado e Edno desviou para marcar. No meio do caminho, Antônio Carlos, impedido, tocou para as redes. O árbitro Carlos Eugênio Simon anulou corretamente o lance.

Aos 26, Edno teve uma chance ainda mais clara de ampliar o marcador após cruzamento de Jobson da direita. Completamente sozinho, ele soltou a bomba e o goleiro Márcio defendeu. Jobson ainda teve uma boa chance de ampliar. O jogador passou por dois adversários e chutou para outra boa defesa do camisa 1 goiano.

Aos 37 não teve jeito. Jobson recebeu um ótimo passe de Maicosuel, passou pelo goleiro e chutou para marcar o segundo, coroando a sua bela atuação.

ATLÉTICO-GO 0 X 2 BOTAFOGO
Márcio; Victor Ferraz, Daniel Marques, Welton Felipe e Thiago Feltri (Chiquinho); Pituca, Ramalho, William (Marcão), Anailson (Pedro Paulo) e Carlinhos Bala; Rodrigo Tiuí. Jefferson, Antônio Carlos, Leandro Guerreiro e Fábio Ferreira; Alessandro, Somália (Fahel), Marcelo Mattos (Caio), Maicosuel e Marcelo Cordeiro; Herrera (Edno) e Jobson.
Técnico: Renê Simões Técnico: Joel Santana
Gols: Somália, aos seis minutos, Jobson, aos 37 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Daniel Marques (Atlético-GO); Alessandro, Marcelo Mattos (Botafogo)
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Auxiliares: Autemir Hausmann (Fifa-RS) e Marcelo Bertanha Barison (RS)
Local: Serra Dourada, em Goiânia (GO). Público: . Renda: .

agosto 14, 2010 Posted by | Botafogo | , | Deixe um comentário

Petkovic, de pênalti, dá vitória ao Fla sobre Ceará em dia de fracas estreias

Time põe fim a jejum de três jogos sem vencer, mas Leandro Amaral e Renato Abreu têm atuações apagadas na primeira partida na equipe

Num dia de estreias apagadas e atuação fraca do time, a torcida do Flamengo pôde comemorar pelo menos o fim do jejum de três jogos sem vitória. Num gol de pênali marcado por Petkovic no fim do primeiro tempo, o Rubro-Negro derrotou o Ceará por 1 a 0, neste sábado, no Maracanã. A equipe com defesa menos vazada do Brasileirão 2010 foi superior na maior parte do primeiro tempo e no fim da segunda etapa, mas saiu com outro resultado negativo e já acumula sete partidas sem vencer.

A grande expectativa era pelas estreias de Leandro Amaral e Renato Abreu. O primeiro teve atuação muito fraca, com pouca movimentação e receio de fazer as jogadas – não atuava há mais de um ano. O meia, que veio do futebol árabe, mostrou estar sem ritmo de jogo, mas ao menos repetiu a boa pontaria dos velhos tempos em bela cobrança de falta, no segundo tempo

Na 15ª rodada, o Flamengo, que com a vitória pulou para 20 pontos ganhos e está, provisoriamente, na sétima posição, irá à Arena da Baixada encarar o Atlético-PR, no próximo domingo. O Ceará, que por enquanto caiu para o quarto lugar, receberá no Castelão, no próximo sábado, o Grêmio.

Ceará melhor

Apesar da empolgação dos rubro-negros presentes ao Maracanã – foram pouco mais de 20 mil pagantes – com as estreias de Renato Abreu e Leandro Amaral, o primeiro tempo, não fosse o gol de pênalti de Petkovic,  teria sido um dos piores do Flamengo neste Brasileirão. Enfrentando a competente e menos vazada defesa do campeonato, com até então seis gols sofridos, o time praticamente não criou chances. Esbarrou, principalmente, na pouquíssima mobilidade dos estreantes, de Val Baiano, que sequer era notado em campo, e do próprio Petkovic, que começou totalmente apático.

Até então terceiro na tabela, o Ceará não tinha nada a ver com isso. Começou a primeira etapa superior em campo e a dominou na maior parte do tempo. Em dois minutos, o goleiro Marcelo Lomba apareceu em duas intervenções. Na primeira, saiu para socar uma bola na área. Na segunda, defendeu um tiro de Michel na entrada da meia-lua. Além de marcar bem, o Vovô tocava melhor a bola e dava mostras de que ia explorar o lado esquerdo rubro-negro. Isso porque, momentos antes de a partida começar, o Flamengo perdeu Juan, com problemas intestinais. O técnico Rogério Lourenço foi obrigado a devolver Michael à sua posição de origem, a lateral esquerda. Só que o agora meia mostrava total desconforto na posição.

Melhor para Oziel. O lateral-direito do Vovô subia com disposição e criava por ali as melhores jogadas. Numa delas, tentou bater cruzado, mas o tirou saiu torto e encontrou a cabeça de Washington, seu colega de time. Mas a bola foi para fora.

A equipe cearense, que se aproveitava da pouca mobilidade do ataque rubro-negro e dos erros de passe do meio-campo, tinha a iniciativa do ataque. Camilo, João Marcos e Washington se movimentavam bem e mostravam bom toque de bola. Numa cobrança de falta aos 14 minutos, Michel fez Marcelo Lomba trabalhar novamente. O tiro saiu com força mas no meio do gol, e o goleiro espalmou para escanteio.

Gol de Petkovic

O grande erro da equipe cearense foi ter começado a recuar um pouco a partir dos 20 minutos. Foi quando o Flamengo começou a aparecer melhor pelo lado direito, ora com Willians, ora com Léo Moura, que aos 21 minutos partiu em velocidade para a área, mas desperdiçou a jogada ao tentar cavar um pênalti – o árbitro Wagner Reway não caiu na conversa.

Com Leandro Amaral visivelmente com medo de arriscar mais jogadas e com Val Baiano sem qualquer mobilidade, o jeito era apostar na bola parada. E servia até escanteio. Ainda mais com Petkovic, que aos 31 minutos obrigou Diego a tocar para córner, quase levando gol olímpico do meia sérvio rubro-negro.

De volta ao Maracanã, o goleiro enfrentava o time que o revelou para o futebol. E aos 44 minutos sentiu pela primeira vez, do lado contrário, a torcida que sempre esteve a seu favor comemorar um gol. Numa jogada pela direita, aos 42 minutos, Willians arrancou, pedalou e levou vantagem sobre Fabrício. Na corrida, caiu na área após um choque com Anderson, que usou o braço na jogada. O árbitro interpretou como um empurrão do zagueiro e marcou pênalti. Petkovic bateu com categoria. Goleiro para um lado, bola para o outro, à esquerda. O Flamengo terminava o primeiro tempo com vantagem de 1 a 0.

Sai Leandro Amaral

Os dois times começaram a segunda etapa em busca do gol. O Vovô novamente se aproveitava da péssima saída de jogo da defesa, dos constantes erros de passe no meio-campo e da má forma física do time rubro-negro. Camilo, Tony e Oziel ditavam o ritmo. Mas a primeira jogada perigosa foi do Fla, novamente em bola parada. Dessa vez, Renato Abreu levou perigo, num petardo de longe, relembrando os velhos tempos. Diego fez a melhor defesa da partida, tocando para escanteio.

No minuto seguinte, aos 20, o Ceará deu o troco. Em bola lançada por Oziel, Washington aproveitou a falha de Welinton e girou sobre o zagueiro, mas o tiro foi para fora. Logo em seguida, o técnico interino alvinegro, Sérgio Araújo – Mário Sérgio, recém-contratado, acompanhou a parttida pela TV, em São Paulo -, trocou João Marcos pelo experiente Geraldo. Rogério Lourenço resolveu sacar Leandro Amaral, que saiu aplaudido, mas não conseguiu sequer chutar a gol. Entrou em seu lugar Vinícius Pacheco, para aumentar a movimentação.

Aos 24, Tony tentou fazer gol olímpico, mas Marcelo Lomba salvou, tocando para córner. O Vovô continuou melhor na partida. Pet tentava armar o Flamengo, que esbarrava em atuações apagadíssimas, como a de Michael, muito vaiado pela torcida.

No fim, o Ceará quase chegou ao empate. Washington, aquele mesmo que jogou no Americano, de Campos, só não marcou aos 43 após passe de Geraldo porque Welinton travou o chute no momento certo. O dia não era mesmo do Vovô.

FLAMENGO 1 X 0 CEARÁ
Marcelo Lomba, Léo Moura, Wellinton, Ronaldo Angelim e Michael (David); Correa, Willians, Renato Abreu e  Petkovic; Leandro Amaral (Vinicius Pacheco) e Val Baiano (Rafael Galhardo). Diego, Oziel (Diogo), Anderson, Fabrício e Ernandes; Heleno, Michel, João Marcos (Geraldo) e Camilo; Tony (Wellington Amorim) e Washington.
Técnico: Rogério Lourenço Técnico: Sérgio Araújo
Gols: no primeiro tempo, Petkovic, de pênalti, aos 44 minutos. Cartões amarelos: Correa, Willians, Renato Abreu e Petkovic (Flamengo); Michel e Anderson (Ceará)
Local: Maracanã, no Rio de Janeiro. Data: 14/08/2010. Árbitro: Wagner Reway-MT. Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho-SP (Fifa) e Carlos Berkenbrock-SC (Fifa).  Renda: R$ 559.875,00 . Público: 20.696 pagantes

agosto 14, 2010 Posted by | Ceará, Flamengo | , , | Deixe um comentário

Para fugir da má fase, Fla encara o Ceará

Rogério Lourenço aposta em Leandro Amaral e Val Baiano para resolver o problema do ataque

Sem conquistar uma vitória há quatro partidas, o Flamengo vai encarar o Ceará, que também não vive sua melhor fase, no Maracanã, neste sábado, às 18h30, no Maracanã. Para isso, o técnico Rogério Lourenço vai escalar os dois novos reforços, Renato Abreu e Leandro Amaral. Já o Ceará, que já foi líder do Brasileiro, não vence há seis jogos, quer aproveitar a estreia de seu novo treinador, Mario Sérgio, para conquistar três pontos no Maior do Mundo.

Lutando contra a má fase, o técnico Rogério Lourenço espera que a nova dupla de ataque resolva o problema da falta de gols do Flamengo. Para a partida, o treinador vai lançar ao ataque Leandro Amaral e Val Baiano. Para auxiliar a criação das jogadas, mais uma estreia, Renato Abreu. O apoiador jogará ao lado de Petkovic. Confiante no poder de finalização do novo sistema ofensivo, Rogério acredita que a nova dupla de ataque tem tudo para dar certo.

– Temos o Val Baiano que joga centralizado, é bom no jogo aéreo, finaliza bem e é um homem de área. O Leandro Amaral é mais de movimentação, com mais habilidade e de mais velocidade. Eles se completam. Não é à toa que o Val Baiano foi um dos artilheiros do último Brasileiro. O importante é que eles querem muito jogar, trabalham forte, pedem trabalhos complementares e estão se doando ao máximo – afirmou o técnico.

Consciente que a paciência da torcida não está em alta, ele pede aos torcedores que fiquem ao lado do time o tempo todo. Dessa forma, Rogério Lourenço pediu calma aos torcedores e lembrou que a partida contra o Ceará será de muita paciência.

– Acho que a torcida acaba sendo o termômetro do que o time mostra dentro de campo. A gente sabe que nosso torcedor sempre foi o 12º jogador. A torcida tem que saber que estamos buscando a vitória, honrando a camisa e precisamos que ela veja isso. Eles podem ter certeza que verão um jogo diferente neste sábado. Precisamos de calma e é isso que peço aos jogadores, além de tranquilidade e equilíbrio. Espero que o torcedor tenha essa paciência, porque não será um jogo fácil. Seremos uma equipe buscando o resultado o tempo inteiro, mas sabendo que não será fácil – concluiu.

Pelo Ceará, além da expectativa da estreia do terceiro técnico durante a competição, quem vive a ansiedade de enfrentar o ex-time é o goleiro Diego. Destaque do Ceará na temporada, Diego sabe do poder do Flamengo jogando em casa e não se ilude com o atual momento do rubro-negro

– Passei 13 anos no Flamengo e sei bem como as coisas funcionam no clube. O time e a torcida crescem nos momentos ruins e isso precisa servir de alerta para nossa equipe. O fato de eles não vencerem há quatro jogos não muda em nada o respeito que precisamos ter na partida, mas temos condições de sair do Maracanã com um bom resultado. Agradeço muito ao Flamengo por tudo que fez por mim na minha vida, mas hoje defendo o Ceará e vou honrar sempre a camisa do clube – afirmou o camisa 1.

Para o duelo contra o Flamengo, o Ceará não contará com o atacante Misael, com dores no joelho direito. Já o volante Careca está suspenso, enquanto o apoiador Erick Flores não poderá entrar em campo por ainda ter vínculo com o time carioca. O recém-contratado Magno Alves segue apurando a forma e não viajou com a delegação para o Rio de Janeiro. O ex-jogador do Fluminense deverá estrear na próxima rodada.

FICHA TÉCNICA:
FLAMENGO X CEARA

Estádio: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 14/8/2010 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Wagner Reway/MT
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalo/ SP (FIFA) e Carlos Berkenbrock /SC (FIFA)

FLAMENGO:Marcelo Lomba; Leonardo Moura, Wellinton, Ronaldo Angelim, Juan; Correa, Williams, Petkovic e Renato Abreu; Leandro Amaral e Val Baiano. Técnico: Rogério Lourenço.

CEARÁ: Diego; Oziel, Anderson, Fabrício e Ernandes; Heleno, Michel, João Marcos e Geraldo; Washington e Tony. Técnico: Sérgio Araújo.

agosto 14, 2010 Posted by | Ceará, Flamengo | , , | Deixe um comentário

Palmeiras recebe o Atlético-PR para fugir da crise

Sob os olhares de Valdivia, que será apresentado à torcida, Verdão busca encerrar série negativa

Seis jogos consecutivos sem vencer, na 13ª posição no Campeonato Brasileiro e após uma derrota por 2 a 0 para o Vitória, pela Sul-Americana, no meio da semana. É nessa situação que o Palmeiras recebe o Atlético-PR neste sábado, às 18h30, no Pacaembu.

Apesar da péssima fase que o time atravessa, os torcedores terão um motivo para comemorar no estádio: o chileno Valdivia, principal reforço do Verdão, será apresentado antes da partida. E os palmeirenses esperam que ele traga sorte à equipe.

Após a derrota para o Vitória, na última quarta-feira, o técnico Luiz Felipe Scolari, que ainda não ganhou desde que retornou ao Palmeiras, prometeu pelo menos quatro mudanças no time titular. Porém, o treinador faz mistério e fechou o último treino antes do duelo, sem dar pistas da escalação.

Felipão terá vários problemas para montar a equipe. Ele não contará com o atacante Kleber e com o lateral-esquerdo Armero, suspensos por terem tomado o terceiro cartão amarelo. Já o goleiro Marcos, que se recupera de uma artroscopia no joelho esquerdo, e o meia Lincoln, com uma lesão na coxa direita, também desfalcam o Verdão.

Com isso, Deola deve continuar como titular no gol. No ataque, Tadeu deve ser o substituto do Gladiador e Patrik e Tinga lutam pela vaga de Lincoln. Já Gabriel Silva deve voltar ao time na lateral esquerda.

Já O Atlético Paranaense viajou para Sâo Paulo sem saber qual será sua escalação. Insatisfeito com o rendimento nos treinamentos, o técnico Paulo César Carpegiani disse ter dúvidas quanto à formação do time. E elas não são poucas.

O treinador escalou a equipe com Leandro na lateral direita, Gustavo Lazaretti na defesa e Paulinho na esquerda. Depois, passou Leandro para a posição de Gustavo, que deu lugar a Wagner Diniz. Já Paulinho atuou no meio-campo, ao lado de Paulo Baier, com Bruno Costa entrando na esquerda. Além disso, Deivid e Olberdam disputam a vaga do volante Vitor, vetado com dores musculares.

Porém, apesar de todas as dúvidas, Carpegiani acredita que o Furacão vai a campo para buscar os três pontos, uma vez que o clube ocupa a desconfortável 15ª posição, com apenas 14 pontos. Entretanto, o treinador não acredita que a má fase do Palmeiras, que ainda não venceu sob o comando de Luiz Felipe Scolari, possa ajudar.

– Não podemos nos preocupar com o adversário, que apesar de não passar por uma boa fase, tem um grande elenco e uma grande tradição. Temos que ir para lá para buscar os três pontos. Um empate não vai nos ajudar. Mesmo jogando fora temos que ter esta ambição. Nossa proposta de jogo será igual à do Palmeiras, porque vamos atrás do resultado – afirmou o técnico.

FICHA TÉCNICA:
PALMEIRAS X ATLÉTICO-PR

Estádio: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 14/8/2010 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (DF)
Auxiliares: Hilton Moutinho Rodrigues (RJ) e Cesar Augusto de Oliveira Vaz (DF)

PALMEIRAS: Deola, Vitor, Maurício Ramos, Danilo e Gabriel Silva; Pierre, Edinho, Márcio Araújo e Patrik (Tinga); Ewerthon e Tadeu. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

ATLÉTICO-PR: Neto, Wagner Diniz (Leandro), Leandro (Gustavo), Rhodolfo e Bruno Costa (Mithyuê ou Maikon Leite); Chico, Deivid (Olberdam), Paulo Baier e Paulinho; Guerrón e Bruno Mineiro. Técnico: Paulo César Carpegiani.

agosto 14, 2010 Posted by | Atlético-PR, Palmeiras | , | Deixe um comentário

Com Libertadores na mira, Botafogo encara Atlético-GO

Três pontos podem deixar Alvinegro em posição destacada no Brasileiro

Um é bom, dois fica melhor ainda, mas três não é demais. Em busca de continuar a sequência de triunfos no Brasileiro, o Botafogo vai até Goiás para encarar o Atlético Goianiense neste sábado, às 18h30 (de Brasília), no Serra Dourada, pela 14a rodada do Brasileiro. Na oitava posição da competição e embalado, o Glorioso vai encarar o lanterna, que só ganhou em casa.

A partida, com transmissão em tempo real pelo LANCENET! , pode valer para o Bota até mesmo uma posição no grupo de classificação para a Libertadores de 2011. Para o Alvinegro, resta vencer e torcer contra Ceará, Internacional, Cruzeiro, Avaí e Santos.

REAÇÃO, ANTES QUE SEJA TARDE

Há menos de duas semanas à frente da equipe goiana, o técnico René Simões começa a fazer observações no time para tentar evitar o desastre do rebaixamento à Segunda Divisão. A primeira medida foi manter o esquema 4-5-1, com Rodrigo Tiuí isolado no ataque. Na última partida, contra o Ceará, a formação funcionou bem. Mesmo não tendo vencido, já que o jogo acabou empatado, a defesa atleticana sofreu poucos sustos.

A única mudança será a entrada de Carlinhos Bala no lugar do volante Ramalho, que levou o terceiro cartão amarelo contra o Ceará e cumprirá suspensão automática. Apesar de ser atacante, Bala atuará improvisado no meio de campo para se enquadrar no esquema montado por René.

O zagueiro Daniel Marques, que também chegou ao clube há pouco tempo, discorda de quem acredite que a formação do Atlético Goianiense seja muito defensiva. Segundo ele, se o time souber atuar de maneira inteligente, levará perigo à defesa do Botafogo.

– Se defender bem não quer dizer que o time seja retranqueiro. É até melhor, pois daremos mais segurança ao ataque. Precisamos jogar com inteligência, sem dar chutões para a frente. Se soubermos tocar a bola, podemos surpreender o Botafogo – destacou o defensor.

VITÓRIA NA BASE DO RESPEITO

A distância de nove pontos mostra que Bota e Atlético vivem situações opostas, mas a diferença na tabela não significa facilidade para os alvinegros, assim pensa o grupo. Peça importante do time, Jefferson voltou do amistoso entre Brasil e Estados Unidos, disputado na última terça-feira, e já está pronto para defender o Glorioso. Na visão do goleiro, todo esforço é válido para manter a boa fase.

– A gente sabe que o campeonato é longo e tem altos e baixos, mas precisamos manter a seriedade e continuar trabalhando para dar sequencia nas vitórias. Não tem jogo fácil. Sabemos que aqui será um jogo dificil. Vamos enfrentar dificuldades, mas temos consciência de que podemos conquistar os três pontos – disse.

Com o retorno de Antônio Carlos ao time, após se recuperar de uma fratura no nariz, a única baixa é Loco Abreu, que atuou quarta no amistoso entre Uruguai e Angola, em Portugal, e por isso foi poupado pela comissão técnica do Bota. A maré está favorável, porém o técnico Joel Santana prega respeito em busca dos três pontos.

– Precisamos procurar a vitória dentro da partida e jogar de igual para igual com o adversário. Sem isso, dificilmente vamos conseguir alguma coisa e não queremos tropeçar. Nem o empate satisfaz – afirmou.

FICHA TÉCNICA:
ATLÉTICO GOIANIENSE X BOTAFOGO

Estádio: Serra Dourada, Goiânia (GO)
Data/hora: 14/8/2010 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Auxiliares: Autemir Hausmann (Fifa-RS) e Marcelo Bertanha Barison (RS)

ATLÉTICO GOIANIENSE: Márcio, Victor Ferraz, Daniel Marques, Welton Felipe e Thiago Feltri; Pituca, Ramalho, Carlinhos Bala, Anailson e William; Rodrigo Tiuí. Técnico: René Simões.

BOTAFOGO: Jefferson, Leandro Guerreiro, Antônio Carlos e Fábio Ferreira; Alessandro, Somália, Marcelo Mattos, Maicosuel e Marcelo Cordeiro; Jobson e Herrera. Técnico: Joel Santana.

agosto 14, 2010 Posted by | Botafogo | , , | Deixe um comentário