Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Renato Gaúcho assume o Grêmio sem medo de arranhar o passado

Maior ídolo do Tricolor agora tem a missão de devolver os títulos ao clube: ‘Gosto de desafios’. Ele estreia nesta quinta-feira, na Copa Sul-Americana

Na história vitoriosa e centenária do Grêmio, Renato Gaúcho tem lugar privilegiado. Habilidoso, atrevido e polêmico, Renato Portaluppi, como é chamado pelos gremistas, sempre foi um jogador de dribles fantásticos e temperamento forte. Na memória dos tricolores, está guardado como o camisa 7, o herói do Campeonato Mundial, quando foi responsável pelos dois gols da vitória na decisão contra o Hamburgo, da Alemanha, por 2 a 1. Aquele 11 de dezembro de 1983, no Estádio Nacional de Tóquio, no Japão, cravou de vez o nome do ponta-direita entre os maiores do clube. Antes, naquele mesmo ano, contribuiu para a conquista da primeira das duas Libertadores da América dos azuis.

Renato está de volta. Não mais para superar adversários em campo. Na tarde desta quinta-feira, ele foi recebido no Aeroporto Salgado Filho por centenas de pessoas e apresentado como novo técnico do Grêmio. Aos 47 anos, chega para começar uma nova era. Desembarca em Porto Alegre cercado por desafios. O clube tenta voltar a ganhar títulos nacionais e internacionais e precisa sair da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Na entrevista coletiva, já vestido com o uniforme tricolor, confessou ter ficado emocionado com a recepção e deixou claro que volta ao Olímpico como técnico e não como ídolo.

– Sem dúvida alguma. Lógico que fico feliz por ser ídolo de um grande clube como o Grêmio, mas a diretoria pensa da mesma forma. Fui contratado como técnico. Sei que não tem como escapar da história, mas dentro do possível vamos trabalhar rápido para sairmos desta situação. É sempre bom ser recebido assim, principalmente por uma torcida que eu sempre tive no coração, uma torcida apaixonada. Fiquei muito feliz. Voltei a me emocionar e bastante  – comentou.

Na apresentação, Renato estava acompanhado pelo auxiliar dele, Alexandre Mendes, pelo diretor de futebol, Alberto Guerra, e o assessor de futebol Rui Costa. Acostumado a fazer promessas nos clubes por onde passa, o treinador adotou um tom cauteloso. Ainda assim, assegurou que o time vai recuperar o bom futebol do primeiro semestre, quando foi campeão gaúcho e semifinailista da Copa do Brasil.

– Tenho acompanhado o Grêmio sempre, até por ser gremista. O grupo do Grêmio é muito bom, tem jogadores diferenciados. Conversei algumas coisas com a diretoria e podem ter certeza que os jogadores vão ter alegria de jogar futebol e muita confiança. E que a torcida volte a apoiar a equipe durante todos os jogos. Podem ter certeza que em breve o Grêmio vai sair desta situação – avisou.

O novo comandante, que tem contrato até o fim do ano, diz que acumulou bagagem suficiente para o momento que considera especial. Voltar ao clube que o projetou mexe com o ídolo. Ele não tem qualquer receio de que um fracasso possa arranhar o que construiu como atleta.

– Não temo, ou não estaria aqui. Gosto de desafios, conversei bastante com o Alberto (Guerra, diretor de futebol), confio bastante no meu trabalho, na diretoria do Grêmio, no presidente do Grêmio. A energia é muito positiva, a massa vai nos apoiar com certeza. Pode ter certeza de que as coisas vão começar a dar certo. Não adianta falar do meu trabalho, como vai ser. Somente com o desempenho do time, nos treinos, nos jogos, o torcedor vai poder ver o nosso trabalho. O mais importante é ver os números por onde passei como treinador. Sou exigente, procuro sempre o melhor – explicou.

Renato vai estrear pelo Grêmio na Copa Sul-Americana. O time enfrenta o Goiás, no Olímpico, às 19h30m (de Brasília), nesta quinta. Está em jogo uma vaga na segunda fase da competição, que a partir deste ano dá ao campeão um lugar na Libertadores 2011. Na semana passada, em Goiânia, empate por 1 a 1. Por ter feito um gol na casa do adversário, o Tricolor gaúcho joga pelo 0 a 0.

– A prioridade é o jogo de hoje, contra o Goiás, que não é fácil, apesar do resultado conquistado lá. Os jogadores podem ter certeza de que vão estar mais confiantes e vão ter o apoio da torcida. A partir de amanhã, pensaremos no Goiás novamente, mas pelo Brasileiro (os times jogam no domingo, também no Olímpico). O que importa é a classificação. O 0 a 0 é do Grêmio. Se puder vencer, melhor. Mas o tempo para trabalhar é praticamente zero, vou conversar um pouco com os jogadores, e o objetivo maior é a nossa classificação. O grêmio vai ter uma crescente na Sul-Americana e no Brasileiro – frisou.

O treinador participou da montagem do time do Grêmio para a partida em conversas por telefone com o interino Andrey Lopes.

Histórico do treinador

A primeira experiência de Renato como treinador ocorreu em 1996, quando ainda era jogador do Fluminense. Na luta contra o rebaixamento, o Tricolor carioca, por duas vezes, chegou a usar Renato como treinador interino. Mais tarde, após sua retirada dos gramados, Renato iniciou a carreira de técnico no Madureira, também no Rio. Ficou no clube por dois anos.

Em setembro de 2002, teve outra oportunidade, quando voltou a exercer o comando da equipe do Fluminense. Deixou o cargo quase um ano depois, em julho de 2003. Porém, poucos meses mais tarde, entre outubro e dezembro daquele ano, teve nova passagem pelas Laranjeiras.

Ao sair do Fluminense, Renato ficou desempregado durante o ano de 2004. Em 2005, o Vasco, único dos tradicionais times cariocas que ele não defendeu como jogador, o contratou. Em São Januário, levou a equipe ao vice-campeonato da Copa do Brasil de 2006 e ao sexto lugar do Campeonato Brasileiro do mesmo ano. Contudo, como não conseguir chegar às finais do Campeonato Carioca de 2007, foi demitido e regressou ao Fluminense.

Na nova passagem pelo Tricolor carioca, chegou novamente às finais da Copa do Brasil e foi campeão, seu primeiro título na carreira de treinador. Com a conquista, garantiu uma vaga na Libertadores de 2008, seu melhor momento até então. Os tricolores chegaram à decisão contra a LDU, do Equador, mas foram derrotados nos pênaltis. Em agosto daquele ano, diante dos resultados ruins no Brasileirão, foi demitido.

Em setembro, acertou o retorno ao Vasco. A campanha não foi boa, e o clube acabou rebaixado para a Série B. Em julho de 2009, Renato foi chamado outra vez pelo Fluminense. Ficou até setembro, quando acabou dispensado.

Em dezembro do ano passado, foi anunciado como comandante do Bahia para a temporada de 2010. Ao aceitar o convite do Grêmio, no início deste mês, deixou os baianos na sexta posição da Segundona.

agosto 12, 2010 - Posted by | Grêmio | ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s