Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Goiás ignora estreia de Renato Gaúcho, vence o Grêmio e avança

No Olímpico, Esmeraldino faz 2 a 0 sobre o Tricolor e vai às oitavas da Sul-Americana. Técnico gremista terá trabalho árduo pela frente

Na cabeça dos tricolores, era para ser noite de Grêmio. Renato Gaúcho, símbolo das maiores glórias do clube, estreava como técnico. O Olímpico era todo clima de recomeço e expectativa pelo fim da má fase. Para o Goiás, nada a favor. O empate por 1 a 1 no Serra Dourada, semana passada, dava aos gaúchos o direito de empatar sem gols para chegar às oitavas de final da Copa Sul-Americana. O jogo começava com o adversário em vantagem.

Apesar de toda a atmosfera desfavorável, o time do técnico Emerson Leão foi frio, fez o suficiente para garantir a vaga e vai continuar na disputa continental. A vitória por 2 a 0, gols de Amaral e Everton Santos, dá ânimo para a recuperação do time no Campeonato Brasileiro e fôlego para fugir da zona de rebaixamento. O Esmeraldino terá pela frente o classificado do duelo entre Peñarol-URU e o vencedor da chave C (Univ. César Vallejo–PER x Barcelona-EQU).

Os gremistas, que não vencem há nove jogos (sete pelo Brasileiro e dois pela Sul-Americana), reclamaram muito da arbitragem de Paulo César Oliveira, que anulou um gol legal de André Lima quando o placar apontava 1 a 0 para os visitantes. Renato Gaúcho vai ter de trabalhar duro. Ele mesmo reconheceu que o caminho é longo, que a recuperação do time vai ser difícil e que conta com o apoio da torcida, tão apaixonada por ele, para brilhar como técnico do clube que o revelou.

Os times voltam a se enfrentar em Porto Alegre neste domingo, só que pelo Brasileirão. A partida ser às 18h30m (de Brasília). Ambos estão no Z-4. O Goiás é o 17º, enquanto o Grêmio é o 18º.

Todos os olhos do Olímpico sobre Renato Gaúcho. O ídolo máximo do Grêmio pisou pela primeira vez na área técnica do Monumental como treinador do time. Dia histórico para o clube, mas longe de ser perfeito. O Tricolor anda perdido em campo e isso ficou claro desde os primeiros minutos do primeiro tempo contra o Goiás. Nem mesmo toda a energia positiva criada para receber o comandante surtiu efeito. Faltou tudo. Sobrou nervosismo.

A vantagem de jogar por um empate sem gols durou oito minutos. Em uma das primeiras tentativas goianas na bola aérea, Wendel Santos cruzou da direita, e Amaral, livre de marcação, cabeceou para abrir o placar: 1 a 0, resultado que classificaria o Goiás. Empolgada por ver Renato no banco, a torcida tricolor não se abateu. Tratou de berrar forte para acordar os atletas.

O time gaúcho foi montado pelo interino Andrey Lopes com a ajuda de Renato via telefone. O esquema 4-5-1 prejudicou Jonas. Isolado, o atacante tentou um chute cruzado, trombou algumas vezes com os zagueiros, mas se viu obrigado a buscar jogo. Douglas, muito vaiado, e Souza pouco fizeram. Passes de lado e quase nada de criatividade. Desatenta, a defesa cansou de bater cabeça. Aos 37, o goleiro Marcelo Grohe, substituto de Victor, que voltou da Seleção Brasileira nesta quinta, não se entendeu com Neuton. O zagueiro recuou de cabeça, e a bola quase entrou.

Emerson Leão organizou o Goiás para jogar nos erros do Grêmio. O Esmeraldino investiu forte na jogada aérea e nos contra-ataques. Bernardo, Everson Santos e Rafael Moura foram sempre perigosos. Aos 43, Grohe deu novo susto. O goleiro deixou a bola para os zagueiros, os zagueiros deixaram para o goleiro, e Rafael Marques teve de afastar o perigo antes que um adversário completasse.

Do banco, não era o que Renato gostaria de ver. Ora de braços cruzados, ora com as mãos na cintura, o treinador orientava jogadores que ainda não conhece. Ele chegou a Porto Alegre no início da tarde e mal teve tempo de se apresentar.

O Goiás poderia ter ampliado a vantagem. Aos 45, o zagueiro Rafael Toloi ficou sozinho na área, bateu bonito para o gol, mas errou o alvo por muito pouco. Sob vaias, os gremistas deixaram o gramado rumo ao vestiário. Renato foi aplaudido.

O Grêmio não pode ter perdido completamente o bom futebol que demonstrou no primeiro semestre. Prova disso foi o bom início de segundo tempo. Em cinco minutos, Jonas e Maylson, duas vezes cada, quase empataram. Se não era brilhante, o time ao menos se mostrava aguerrido, corria muito mais. Aos nove, o volante Ferdinando brigou pela bola na entrada da área adversária, bateu cruzado, mas o chute saiu torno. Um gol do Grêmio levaria a decisão para os pênaltis.

O Goiás pareceu assustado, se encolheu no campo de defesa e em alguns momentos fez de tudo para ganhar tempo. Aos 15, Renato decidiu mudar. Chamou Hugo para ocupar o lugar de Maylson, que vinha sendo uma boa opção. Souza ficou em campo porque melhorou muito. Com a braçadeira de capitão, chamou o jogo, caiu pela esquerda, pela direita, chutou para o gol. Aos 19, quase empatou. O bomba de pé direito desviou na defesa verde antes de sair.

À procura de gols, Renato Gaúcho tirou Douglas e colocou André Lima na frente. Leão também mudou. Bernardo saiu para a entrada de Rithely, e Marcão entrou no lugar de Júnior, machucado. A mexida do gremista funcionou melhor, e a equipe ganhou força ofensiva. Aos 30, um fio de esperança tricolor. Edilson cruzou para a área, Jonas chutou, e o goleiro Harlei abafou. No rebote, André Lima cabeceou para o gol vazio. Houve um momento de dúvida da arbitragem, o auxiliar Ednilson Corona chegou a correr para o meio-campo, mas o árbitro Paulo César Oliveira anulou o lance alegando impedido de André. O jogador estava em condição legal.

No desespero, o Grêmio tentou, mas faltou força. O Goiás tirou proveito da situação para definir. Aos 44, Everton Santos bateu cruzado, de dentro da área, e venceu Marcelo Grohe. “Tem de melhorar muito”. Foi como resumiu Renato Gaúcho ao deixar o gramado do Olímpico

GRÊMIO 0 X 2 GOIÁS
Marcelo Grohe, Edilson, Rafael Marques, Neuton e Fábio Santos; Willian Magrão, Ferdinando, Maylson (Hugo), Douglas (André Lima) e Souza (Roberson); Jonas. Harlei, Wendel Santos, Ernando, Rafael Toloi e Júnior (Marcão); Amaral, Jonilson, Wellington Monteiro e Bernardo (Rithely); Everton Santos e Rafael Moura.
Técnico: Renato Gaúcho. Técnico: Emerson Leão.
Gols: Amaral, aos oito do primeiro tempo. Everton Santos, aos 44 do segundo tempo.
Cartões amarelos: Willian Magrão, Neuton e Edilson (Grêmio); Rafael Moura e Wendel Santos (Goiás).
Estádio: Olímpico, em Porto Alegre. Data: 12/08/2010. Árbitro: Paulo César Oliveira. Auxiliares: Ednilson Corona e Emerson Augusto de Carvalho.

agosto 12, 2010 Posted by | Goiás, Grêmio | , | Deixe um comentário

Contra o Avaí, Santos inicia nova caminhada

Peixe busca seu terceiro título no ano, mas, agora, sem a formação original do Quarteto Santástico

O Santos faz, nesta quinta-feira, sua estreia na Copa Sul-Americana. Competição que agora dá a seu campeão, vaga para Libertadores. Por já estar classificado, se o Peixe chegar lá, cede sua vaga ao Vitória (vice-campeão da Copa do Brasil).

Após a ótima atuação da dupla Neymar e Ganso pela Seleção Brasileira, os dois estão confirmados para o banco e, segundo Dorival Júnior, podem até entrar em um dos tempos do jogo.

– O Neymar e o Paulo estarão no grupo amanhã, e o Keirrison ainda é cedo. Queremos dar um pouco mais de ritmo a ele. Provavelmente, ainda leve mais uns 10 a 15 dias para que esteja em condições. Fisicamente, está bem melhor, mas demora um tempo a mais, e não queremos queimá-lo, principalmente agora, já que temos esse tempo que nos dá a possibilidade de recuperação do atleta – ponderou Dorival Junior, que ainda completou, se referindo aos selecionáveis.

– Provavelmente (no banco, Neymar e Ganso), até pela viagem e cansaço. Provavelmente, estarão em condições de atuar um tempo da partida. Sendo assim é normal que os tenhamos como opções para que possamos modificar, de repente, a própria estrutura de uma partida. É importante que participem.

Essa partida marcará também o primeiro jogo após o título da Copa do Brasil e, consequentemente, sem André e Robinho. O primeiro, vendido, o segundo, que teve seu contrato com o Peixe terminado logo após a conquista do título e retorna ao Manchester City.

O Peixe não terá o Quarteto Santástico, mas terá a volta do lateral-esquerdo Léo, que sofreu contusão no ombro direito e desfalcou o time na final da Copa do Brasil.

Já o Avaí, modificado em relação ao time que foi goleado pelo Guarani na última rodada do Campeonato Brasileiro, volta as suas atenções para a Copa Sul-Americana, onde encara o Santos, na Vila Belmiro, em sua estreia em competições internacionais. As mudanças realizadas por Antônio Lopes são na defesa e no ataque: o zagueiro Rafael entra na vaga de Gabriel, enquanto Vandinho ocupa a posição de Roberto na frente.

– Acho que temos de melhorar bastante, não podemos ter o mesmo comportamento que tivemos. Abordamos esse assunto logo que terminou o jogo (contra o Guarani). A postura tem de ser mudada e o comportamento tem de ser outro para que a equipe possa fazer uma boa apresentação contra o Santos – pediu Lopes.

Na defesa, a opção por Rafael, que recentemente foi cogitado como novo reforço do Flamengo, no lugar de Gabriel, foi técnica. Já a volta de Vandinho ao time titular se deve a lesão no púbis do artilheiro Roberto, que já marcou cinco gols no Brasileirão e para por cerca de dez dias.

– O Rafael é um zagueiro muito bom e está vivendo melhor momento do que o Gabriel. Futebol é momento. Já o Vandinho, que vem há algum tempo brigando pela posição e tem entrado no decorrer das partidas, ficará no time até que o Roberto se recupere – explicou o técnico avaiano.


FICHA TÉCNICA:
SANTOS X AVAÍ

Estádio: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 12/8/2010 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Ricardo Marques
Auxiliares: Santiago Marcia e Dibert Pedrosa

SANTOS: Rafael, Pará, Edu Dracena, Durval e Léo; Arouca, Wesley e Marquinhos; Madson, Zé Eduardo e Marcel. Técnico: Dorival Junior.

AVAÍ: Zé Carlos, Patric, Emerson, Rafael e Eltinho; Marcinho Guerreiro, Rudnei, Davi e Caio; Robinho e Vandinho. Técnico: Antonio Lopes.

agosto 12, 2010 Posted by | Avaí, Santos | , , | Deixe um comentário

Na estreia de Renato Gaúcho, Grêmio recebe o Goiás

Clubes brasileiros se enfrentam por uma vaga na segunda fase da Copa Sul-Americana de 2010

Grêmio e Goiás se enfrentam nesta quinta-feira, no Olímpico, pelo segundo jogo da fase brasileira da Copa Sul-Americana. E o novo Tricolor estreia esta noite no Olímpico.

Empurrado por uma numerosa torcida, e tendo no comando Renato Portaluppi, ou Renato Gaúcho, como é chamado fora do Rio Grande do Sul, o Grêmio joga por um empate sem gols, já que na partida de ida, no Serra Dourada, houve empate em 1 a 1.

O Grêmio de Silas ficou no passado. Definido como um líder brando, o antigo comandante foi demitido no último domingo, dando lugar ao maior ídolo da história do clube, considerado capaz de incendiar o vestiário.

Renato, que deixou o Bahia para trás, desembarca nos braços da torcida, no aeroporto Salgado Filho, e horas depois fica à beira do gramado estimulando o time à sua moda. Essa equipe já não contará com o zagueiro Rodrigo, mandado embora nesta quarta-feira, por indisciplina.

Por outro lado, o Grêmio já poderá contar com o novo goleiro da Seleção Brasileira. Com chegada marcada para esta quinta-feira, Victor se colocou à disposição para o jogo da noite.

Tudo isso somado, dá a ideia de que vem mesmo aí um novo Tricolor. O objetivo: embalar e crescer no Brasileirão, para sair da zona de rebaixamento.

O volante Adilson e o atacante Lopes, com dores musculares, serão os desfalques. Com isso, Ferdinando deve ser o protetor da zaga e Jonas, que cumpriu suspensão pelo Brasileiro, será o parceiro de André Lima.

A escalação é um mistério. O interino Andrey Lopes conversou muito com Renato pelo telefone. Nos treinos, Souza foi segundo atacante, ao lado de Jonas. Mas, como não tem ainda condições físicas para 90 minutos, é provável que fique na reserva. Há dúvidas, também, sobre o ocupante do gol e os da função de articulação de jogadas.

Goiás

Já o Goiás, que vive má fase e que ainda não venceu uma partida pós-Copa, precisa vencer por um placar simples para avançar para a próxima fase. O apoiador Bernardo destaca que não há qualquer raxa dentro do grupo e que a união faz a força.

– O grupo está muito unido. São todos amigos, todos precisam da ajuda de cada um. A situação é ruim, nosso torcedor fica chateado e nós do elenco ficamos tristes. Por isso, temos de vencer, pois com uma vitória o time vai melhorar – explicou o meia.

O jogador reconheceu que depois da Copa do Mundo o rendimento dele mesmo caiu bastante, mas que o momento é de ter tranquilidade e prestar atenção nas orientações do técnico Emerson Leão para voltar a atuar como nos primeiros jogos. Substituído nos últimos dois jogos, Bernardo confessou que jogou um pouco debilitado pela gripe, mas que já esta melhor.

– Fiquei gripado de sexta pra sábado, muito ruim mesmo. No jogo de domingo, naquele sol quente, não estava conseguindo correr, acabei errando muitos lances, coisa que não acontece normalmente comigo. Aconteceu, o professor percebeu que eu não estava bem, mas agora já estou pronto, 100% pra jogar – afirmou o camisa 10.

Bernardo terá ao seu lado no trio ofensivo mais uma vez Everton Santos, mesmo bastante criticado pelos últimos jogos, e Rafael Moura, que pode jogar a Sul-Americana, mas está suspenso para domingo.

Outro que ganha chance é o volante Wendel Santos, que vai novamente ser improvisado na lateral direita, já que Douglas e Carlos Alberto não aproveitaram as chances.

– Ele (Leão) me deu nova oportunidade e agradeço bastante por isso. É frustante não ser convocado para jogar, mas agora estou pronto para aproveitar essa nova chance na equipe – concluiu Wendel.

FICHA TÉCNICA:
GRÊMIO X GOIÁS

Estádio: Olímpico, em Porto Alegre (RS).
Data/hora: 12/8/2010, às 19h30 (de Brasília).
Árbitro: Paulo César Oliveira (SP).
Auxiliares: Ednílson Corona (SP) e Emerson Augusto de Carvalho (SP).

GRÊMIO: Victor (Marcelo Grohe), Edilson, Rafael Marques, Neuton e Fábio Santos; Ferdinando, Willian Magrão, Maylson (Hugo) e Douglas (Souza); Jonas e André Lima.
Técnico: Renato Gaúcho.

GOIÁS: Harlei, Wendel Santos, Rafael Toloi, Ernando e Júnior; Jonílson, Amaral, Wellington Monteiro e Bernardo; Everton Santos e Rafael Moura
Técnico: Emerson Leão.

agosto 12, 2010 Posted by | Goiás, Grêmio | , , | Deixe um comentário

Eder Luís comemora titularidade

Atacante vai começar jogando pela primeira vez neste domingo, contra o Grêmio Prudente. Ansioso pelo primeiro gol, ele promete não ser ‘fominha’

Depois de entrar durante os jogos contra Flamengo (0 a 0) e Vitória (1 a 0), o atacante Eder Luís terá a primeira chance como titular do Vasco no próximo domingo, contra o Grêmio Prudente. O jogador foi confirmado pelo técnico PC Gusmão ao lado de Zé Roberto, substituindo Carlos Alberto, suspenso. Informado durante a coletiva sobre a novidade, o atleta comemorou a oportunidade.

– É diferente começar jogando. Nesse dois jogos que eu entrei, da maneira que foi, não é fácil. Você acaba demorando um pouco a se adaptar. Contra o Flamengo, foi um clássico, estava muito corrido. No último também (contra o Vitória). Ganhando e com um homem a menos, tivemos que correr o dobro. Entrando fresquinho é melhor – disse.

Com o Vasco invicto desde a retomada do Brasileiro após a Copa do Mundo, ele afirma que o peso da responsabilidade não é tão grande, mas garante que vai mostrar serviço para se firmar entre os onze. Eder Luís, inclusive, vai em breve trocar a camisa 32 pela 7.

– É a boa, pois estamos em um bom momento. Venho buscando esse objetivo como todo mundo aqui. É uma disputa sadia, e quem ganha com isso é o Vasco. O PC é quem decide. E eu quero mostrar que tenho condição de ser titular – comentou.

Apesar de estar ansioso pelo gol, o atacante promete não ser “fominha” contra o Prudente:

– O importante da estreia como titular não é o gol, mas vencer. Lógico que como atacante, quero sempre fazer gol. Mas não vou ser fominha. O pensamento é a vitória para o grupo.

O jogo contra o Grêmio Prudente é neste domingo, às 16h, em Presidente Prudente.

agosto 12, 2010 Posted by | Vasco da Gama | | Deixe um comentário

Ricardo Oliveira esquece Libertadores e diz que time vai crescer no Nacional

Atacante diz que não acompanhou a decisão entre Chivas e Internacional para não ficar remoendo o que aconteceu na última quinta, no Morumbi

Há uma semana, o São Paulo se despediu da Taça Libertadores. A vitória por 2 a 1 sobre o Internacional não foi suficiente para colocar o time na decisão da competição sul-americana e transformou o sonho do tetracampeonato em pesadelo. E o atacante Ricardo Oliveira fez questão de virar o chip. Botando fé na reação do time no Campeonato Brasileiro, ele deixou claro que ignorou a decisão da última quarta-feira, entre Chivas e Internacional, que terminou com a vitória do time gaúcho por 2 a 1.

– Sinceramente, nem assisti o jogo. Para mim acabou. Não vou ficar me martirizando por uma coisa que não deu. Acabou a Libertadores. É trocar o chip e pensar no Brasileiro para disputar a Libertadores novamente. Gostaria de ter jogado a final ontem [quarta-feira], mas acabou. A meta é subir no Brasileiro, e acredito que o São Paulo vai ganhar força. Não descarto disputar o título, porque o elenco é bom – afirmou o camisa 99.

O atacante acredita que o São Paulo tem tudo para se reencontrar na temporada 2010. E, para isso, ele aposta nos próximos três jogos da equipe, que serão na capital paulista, contra Cruzeiro, Vasco e Corinthians. Os dois primeiros serão no Morumbi e o terceiro no estádio do Pacaembu.

– Tivemos pouquíssimo tempo de recuperação do jogo de quinta para o de domingo e fomos bem contra o Atlético-PR, não é fácil jogar lá. O time é forte e vai crescer. Nossos três próximos jogos são contra equipes que estão na nossa frente na tabela e temos de buscar as vitórias, principalmente nos jogos que serão no Morumbi. Dentro da nossa casa, não podemos nem pensar em perder pontos – afirmou o goleador.

agosto 12, 2010 Posted by | São Paulo | | Deixe um comentário

Santos ameaça ir à Fifa contra o Chelsea por aliciamento a Neymar

Departamento Jurídico do Peixe já tem até a minuta do processo pronta. Para presidente Luis Alvaro Ribeiro, atitude do clube inglês é antiética

O presidente do Santos, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, ameaça ir à Fifa para denunciar o Chelsea por assédio a Neymar. Já há inclusive uma minuta do processo pronta para ser encaminhada ao órgão que comanda o futebol mundial. O dirigente diz que a postura do clube inglês (acertar bases de um contrato com o jogador antes de apresentar uma proposta ao Peixe) é intolerável.

O clube nos apresentou uma proposta formal, que foi recusada liminarmente. Mas o assédio continuou. À luz de posturas éticas que devem reger a relação entre clubes isso é totalmente intolerável e o Santos irá defender seus interesses junto à Fifa – afirmou o dirigente, em entrevista coletiva nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, durante cerimônia em que recebeu a visita do presidente do Benfica-POR, Luís Filipi Vieira.

Representantes do Chelsea jantaram com o empresário do jogador, Wagner Ribeiro, na última segunda-feira, em Nova York, onde Neymar estava concentrado com a Seleção Brasileira para amistoso contra os Estados Unidos. A família de Neymar já aceitou a oferta salarial do clube inglês, mas ainda não há acordo entre os clubes.

Na próxima segunda-feira, chegará uma nova oferta oficial ao Santos: € 30 milhões (R$ 68,1 milhões). Mas Ribeiro avisa que não tem acordo. É a multa ou nada. A cláusula para quebra de contrato prevê o pagamento de € 35 milhões (R$ 79,9 milhões).

– Ontem (quarta-feira), houve uma sondagem telefônica. Eles (Chelsea) entraram em contato com a minha secretária e pediram o número do nosso fax. Isso não significa a abertura de negociação. O Santos não tem interesse em negociar Neymar por dinheiro nenhum. Agora, o contrato de trabalho entre jogador e clube prevê uma cláusula, que é uma indenização paga à outra parte em caso de descumprimento do que foi acordado. Isso vale para qualquer jogador, qualquer trabalhador. Se a cláusula for cumprida, não podemos fazer nada – admitiu o dirigente.

Por fim, Luis Alvaro negou a hipótese de o Santos receber apenas a parte que lhe cabe dos direitos econômicos do jogador. Embora a multa custe R$ 79,9 milhões, o Chelsea poderia pagar os 60% ao Santos (R$ 47,9 milhões) e negociaria o restante com o grupo de investimento DIS, que detém os outros 40% (R$ 32 milhões). Isso, no entanto, não existe, segundo o dirigente santista.

– O Santos detém os direitos desportivos do jogador e só libera se receber a multa. A multa é 35 milhões de euros e é isso que deve ser pago. Ponto final.

Na visão do clube, o Peixe deve receber o valor total e, depois, repassaria a parte que cabe ao investidor. Ou seja, para o Alvinegro, não há duas negociações (Santos/Chelsea e DIS/Chelsea).

agosto 12, 2010 Posted by | Santos | | Deixe um comentário

De volta, Valdivia almeja ser ídolo como Marcos e Ademir da Guia

Sonho da torcida, meia chileno é apresentado pelo Alviverde novamente, mas só deve exibir magias que encantaram palmeirense no fim do mês

Apesar da má fase do time, a torcida palmeirense encontrou uma brecha no rosto para sorrir e ter esperança. Depois de dois anos de separação, o Alviverde volta a ter o meia Valdivia no seu elenco. O atleta chileno foi apresentado oficialmente à imprensa na manhã desta quinta-feira, no salão nobre do Palestra Itália. O encontro com os palmeirenses que tanto sonharam o seu retorno já está marcado. Será neste sábado, por volta das 17h40m, no Pacaembu, quando o camisa 10 subirá ao gramado para ser saudado antes de a bola rolar para Palmeiras e Atlético-PR, pelo Brasileiro. A comissão técnica avaliou que o atleta ainda não tem condições de atuar em alto nível e só deve reestrear pelo clube no dia 29, contra o Atlético-MG, no Mineirão. Mas o próprio jogador tenta mostrar que tem chances de jogar contra o Guarani, no dia 22, em Campinas.

Mas o regresso de Valdivia, como quase tudo no Palmeiras, chegou a ser uma novela. Durante a Copa do Mundo, o clube paulistano se articulava nos bastidores para conseguir ter o chileno novamente. Somente no dia 27 do último mês a contratação foi confirmada pelo presidente palmeirense Luiz Gonzaga Belluzzo. O acordo é de cinco anos e só foi selado definitivamente no último domingo, na casa do mandatário alviverde. Na apresentação, Valdivia recebeu a camisa 10 das mãos de Salvador Hugo Palaia, que já foi da diretoria de futebol e apostou na contratação do Mago em sua primeira passagem pelo clube.

– Quero agradecer aos torcedores pelo carinho, pois sem eles não estaria aqui, aos responsáveis pela minha volta e aos companheiros que vão me ajudar. Como eu já disse uma vez, o Palmeiras é a minha casa. O filho retornou. Espero que seja uma volta de ainda mais sucesso. Tenho um contrato por cinco anos e quero ser como o Marcos e o Ademir da Guia, os dois maiores ídolos do clube – ressaltou o meia, bastante emocionado.

Especula-se que o clube tenha desembolsado cerca de 6 milhões de euros (aproximadamente R$ 13,7 milhões). Essa verba foi conseguida graças aos patrocínios exibidos na camisa do clube e do grupo de sócios investidores, chamado “Eternos Palestrinos”, que ajudaram na contratação e, teoricamente, reaverão o dinheiro com certa margem de lucro no futuro. Confira os principais trechos da entrevista coletiva de Valdivia no retorno ao Verdão.

Busca por títulos

“Time grande como o Palmeiras tem de brigar pelo que tiver na frente, e para ganhar, pois tem história. Se não der, não deu, mas tem de lutar. Não adianta acordar cedo pra treinar se não tem na cabeça o objetivo de ser campeão”.

Trabalhar com Felipão

“É um prazer. Sempre queremos os melhores treinadores do mundo e hoje o Palmeiras tem. Só tenho de aprender com ele, treinar muito, trabalhar, ganhar”.

Passagem pelos Emirados Árabes

“Fiquei fora só de cabeça, mas o coração estava aqui. Nunca deixei de treinar porque sabia que mais cedo voltaria para o Palmeiras. Estava disputando a Copa do Mundo e não poderia relaxar. Pode perguntar para o preparador físico do Palmeiras em que nível cheguei. Estou bem e pronto para jogar”.

Magias em campo

“Vocês querem que eu fale o quê? Vou ter de fazer o meu trabalho, dar o melhor pelo time que amo (aplausos). Vou trabalhar do mesmo jeito que sempre fiz, não tem como não perceber o peso que significa. Com todos vocês aqui já dá para sentir. Quando cheguei ninguém me conhecia, só meus parentes. Essa volta significa muito. Vou batalhar para corresponder o carinho que o torcedor tem por mim”.

Pressão por resultados

“Que pressão? (mais aplausos vindos de torcedores e do presidente). Não é pressão, mas ter todos vocês aqui me dá força extra para buscar a condição de ídolo no Palmeiras. Essa é a minha meta pela frente”.

agosto 12, 2010 Posted by | Palmeiras | , , | Deixe um comentário

Tinga ou Giuliano: nasce o melhor problema para o técnico Celso Roth

O herói do título de 2006, ídolo da torcida, ou o garoto-Libertadores, autor de cinco gols na competição: só um jogará a finalíssima

Paulo César Tinga: típico jogador que arruma o meio-campo, exemplo de vigor, herói do título continental de 2006, ídolo da torcida. Giuliano: o futuro em carne e osso, jogador de chute forte, técnico, e dono de uma estrela danada, autor de cinco gols na Libertadores. Azar do técnico Celso Roth, o responsável por escolher apenas um deles para a finalíssima da Libertadores da América. Melhor: sorte do técnico Celso Roth, privilegiado por poder escolher entre um e outro em um momento tão decisivo.

Tinga, expulso contra o São Paulo, não jogou a primeira partida da final. Foi substituído justamente por Giuliano, que não tinha sido titular em nenhum dos jogos das semifinais da Libertadores. Lá foi o garoto, predestinado, para o duelo contra o Chivas. E ele fez mais um gol. Impressionante.

Impressionante porque Giuliano, sem ser titular absoluto, comanda o time vermelho na Libertadores. Ele fez o gol que tirou o Inter do caminho do Cruzeiro e colocou o Colorado na trilha do Banfield, bem menos complicado; fez o gol que classificou o time gaúcho contra o Estudiantes, na Argentina; fez o gol da vitória de 1 a 0 sobre o São Paulo no Beira-Rio; e agora o mesmo contra o Chivas.

A grande questão é que Tinga é Tinga. E ser Tinga, para os colorados, não é pouco. Neste sábado, o treinador começará a definir a questão. Na quarta, mostrará qual foi a escolha para o jogo que, se tudo der certo, tornará o Inter bicampeão da Libertadores.

agosto 12, 2010 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário

Renato Gaúcho assume o Grêmio sem medo de arranhar o passado

Maior ídolo do Tricolor agora tem a missão de devolver os títulos ao clube: ‘Gosto de desafios’. Ele estreia nesta quinta-feira, na Copa Sul-Americana

Na história vitoriosa e centenária do Grêmio, Renato Gaúcho tem lugar privilegiado. Habilidoso, atrevido e polêmico, Renato Portaluppi, como é chamado pelos gremistas, sempre foi um jogador de dribles fantásticos e temperamento forte. Na memória dos tricolores, está guardado como o camisa 7, o herói do Campeonato Mundial, quando foi responsável pelos dois gols da vitória na decisão contra o Hamburgo, da Alemanha, por 2 a 1. Aquele 11 de dezembro de 1983, no Estádio Nacional de Tóquio, no Japão, cravou de vez o nome do ponta-direita entre os maiores do clube. Antes, naquele mesmo ano, contribuiu para a conquista da primeira das duas Libertadores da América dos azuis.

Renato está de volta. Não mais para superar adversários em campo. Na tarde desta quinta-feira, ele foi recebido no Aeroporto Salgado Filho por centenas de pessoas e apresentado como novo técnico do Grêmio. Aos 47 anos, chega para começar uma nova era. Desembarca em Porto Alegre cercado por desafios. O clube tenta voltar a ganhar títulos nacionais e internacionais e precisa sair da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Na entrevista coletiva, já vestido com o uniforme tricolor, confessou ter ficado emocionado com a recepção e deixou claro que volta ao Olímpico como técnico e não como ídolo.

– Sem dúvida alguma. Lógico que fico feliz por ser ídolo de um grande clube como o Grêmio, mas a diretoria pensa da mesma forma. Fui contratado como técnico. Sei que não tem como escapar da história, mas dentro do possível vamos trabalhar rápido para sairmos desta situação. É sempre bom ser recebido assim, principalmente por uma torcida que eu sempre tive no coração, uma torcida apaixonada. Fiquei muito feliz. Voltei a me emocionar e bastante  – comentou.

Na apresentação, Renato estava acompanhado pelo auxiliar dele, Alexandre Mendes, pelo diretor de futebol, Alberto Guerra, e o assessor de futebol Rui Costa. Acostumado a fazer promessas nos clubes por onde passa, o treinador adotou um tom cauteloso. Ainda assim, assegurou que o time vai recuperar o bom futebol do primeiro semestre, quando foi campeão gaúcho e semifinailista da Copa do Brasil.

– Tenho acompanhado o Grêmio sempre, até por ser gremista. O grupo do Grêmio é muito bom, tem jogadores diferenciados. Conversei algumas coisas com a diretoria e podem ter certeza que os jogadores vão ter alegria de jogar futebol e muita confiança. E que a torcida volte a apoiar a equipe durante todos os jogos. Podem ter certeza que em breve o Grêmio vai sair desta situação – avisou.

O novo comandante, que tem contrato até o fim do ano, diz que acumulou bagagem suficiente para o momento que considera especial. Voltar ao clube que o projetou mexe com o ídolo. Ele não tem qualquer receio de que um fracasso possa arranhar o que construiu como atleta.

– Não temo, ou não estaria aqui. Gosto de desafios, conversei bastante com o Alberto (Guerra, diretor de futebol), confio bastante no meu trabalho, na diretoria do Grêmio, no presidente do Grêmio. A energia é muito positiva, a massa vai nos apoiar com certeza. Pode ter certeza de que as coisas vão começar a dar certo. Não adianta falar do meu trabalho, como vai ser. Somente com o desempenho do time, nos treinos, nos jogos, o torcedor vai poder ver o nosso trabalho. O mais importante é ver os números por onde passei como treinador. Sou exigente, procuro sempre o melhor – explicou.

Renato vai estrear pelo Grêmio na Copa Sul-Americana. O time enfrenta o Goiás, no Olímpico, às 19h30m (de Brasília), nesta quinta. Está em jogo uma vaga na segunda fase da competição, que a partir deste ano dá ao campeão um lugar na Libertadores 2011. Na semana passada, em Goiânia, empate por 1 a 1. Por ter feito um gol na casa do adversário, o Tricolor gaúcho joga pelo 0 a 0.

– A prioridade é o jogo de hoje, contra o Goiás, que não é fácil, apesar do resultado conquistado lá. Os jogadores podem ter certeza de que vão estar mais confiantes e vão ter o apoio da torcida. A partir de amanhã, pensaremos no Goiás novamente, mas pelo Brasileiro (os times jogam no domingo, também no Olímpico). O que importa é a classificação. O 0 a 0 é do Grêmio. Se puder vencer, melhor. Mas o tempo para trabalhar é praticamente zero, vou conversar um pouco com os jogadores, e o objetivo maior é a nossa classificação. O grêmio vai ter uma crescente na Sul-Americana e no Brasileiro – frisou.

O treinador participou da montagem do time do Grêmio para a partida em conversas por telefone com o interino Andrey Lopes.

Histórico do treinador

A primeira experiência de Renato como treinador ocorreu em 1996, quando ainda era jogador do Fluminense. Na luta contra o rebaixamento, o Tricolor carioca, por duas vezes, chegou a usar Renato como treinador interino. Mais tarde, após sua retirada dos gramados, Renato iniciou a carreira de técnico no Madureira, também no Rio. Ficou no clube por dois anos.

Em setembro de 2002, teve outra oportunidade, quando voltou a exercer o comando da equipe do Fluminense. Deixou o cargo quase um ano depois, em julho de 2003. Porém, poucos meses mais tarde, entre outubro e dezembro daquele ano, teve nova passagem pelas Laranjeiras.

Ao sair do Fluminense, Renato ficou desempregado durante o ano de 2004. Em 2005, o Vasco, único dos tradicionais times cariocas que ele não defendeu como jogador, o contratou. Em São Januário, levou a equipe ao vice-campeonato da Copa do Brasil de 2006 e ao sexto lugar do Campeonato Brasileiro do mesmo ano. Contudo, como não conseguir chegar às finais do Campeonato Carioca de 2007, foi demitido e regressou ao Fluminense.

Na nova passagem pelo Tricolor carioca, chegou novamente às finais da Copa do Brasil e foi campeão, seu primeiro título na carreira de treinador. Com a conquista, garantiu uma vaga na Libertadores de 2008, seu melhor momento até então. Os tricolores chegaram à decisão contra a LDU, do Equador, mas foram derrotados nos pênaltis. Em agosto daquele ano, diante dos resultados ruins no Brasileirão, foi demitido.

Em setembro, acertou o retorno ao Vasco. A campanha não foi boa, e o clube acabou rebaixado para a Série B. Em julho de 2009, Renato foi chamado outra vez pelo Fluminense. Ficou até setembro, quando acabou dispensado.

Em dezembro do ano passado, foi anunciado como comandante do Bahia para a temporada de 2010. Ao aceitar o convite do Grêmio, no início deste mês, deixou os baianos na sexta posição da Segundona.

agosto 12, 2010 Posted by | Grêmio | , | Deixe um comentário

De Barcelona às Laranjeiras: os inseparáveis Deco e Belletti

Dupla, que joga junta desde 2004, não se desgruda na primeira semana do luso-brasileiro no Fluminense

Belletti tratou a parceria como uma “feliz coincidência” e tem exercido bem o papel de cicerone de Deco no Fluminense. De Barcelona às Laranjeiras, com passagem de dois anos por Londres, no Chelsea, o volante e o meia têm sido quase inseparáveis desde 2004, quando chegaram juntos ao time à Catalunha – a única exceção foi em 2007, quando Belletti esteve sozinho no clube inglês. E a história tem se repetido na primeira semana do luso-brasileiro noTricolor carioca.

Quis o destino preparar mais uma coincidência para que o volante retornasse de lesão recentemente e fizesse parte justamente do mesmo programa de recondicionamento físico do companheiro. Assim, as resenhas se tornam mais frequentes e facilitam a adaptação de Deco ao novo ambiente, como aconteceu nesta quinta-feira.

Acompanhados de Carlinhos, os dois não se desgrudaram durante todo o treinamento, realizaram exercícios sob o comando do preparador físico Ronaldo Torres e deram voltas no gramado. Ao término da atividade, sentaram próximos no banco ao lado do campo e se divertiram com o restante do grupo.

A programação física passada para Deco e Belletti vai até o próximo domingo, quando serão liberados para trabalharem em conjunto com os companheiros a partir de terça-feira. A tendência é que os dois estejam aptos a jogar no clássico contra o Vasco, dia 22, no Maracanã, pela 15ª rodada do Brasileirão.

Juntos, os dois conquistaram nove títulos: duas vezes o Campeonato Espanhol, duas Supercopas da Espanha e uma Champions League, pelo Barcelona, um Campeonato Inglês, uma Supercopa e uma Copa da Inglaterra, pelo Chelsea.

agosto 12, 2010 Posted by | Fluminense | | Deixe um comentário

Felipe Melo foge de provocações na internet e revela convite do Flamengo

Criticado contra a Holanda, volante conversa com torcedores pela ‘Twitcam’ e lamenta não ser liberado pelo Juventus para voltar ao time carioca

Criticado pela expulsão e “gol contra” (na súmula o gol foi para o holandês Sneijder) na eliminação do Brasil na Copa do Mundo, o volante Felipe Melo não ficou com medo de provocações dos torcedores e conversou com fãs pela internet, usando a “Twitcam”, nesta quinta-feira. De bom humor, o jogador fugiu de recados ofensivos, respondeu com piadas e revelou que recebeu ofertas para sair do Juventus. Até uma do Flamengo.

– Recebi um convite da presidente Patricia Amorim, mas agora, infelizmente, o Juventus não libera – disse o volante ao ser perguntado sobre qual clube gostaria de defender em uma possível volta ao futebol brasileiro.

Cerca de 2.500 pessoas acompanharam a “transmissão” de Felipe Melo, que estava em sua casa em Turim e ficou 30 minutos com a câmera ligada. Algumas aproveitaram para provocar o volante, que preferiu evitar brigas. Na semana passada, atletas do Santos ficaram irritados com torcedores na “Twitcam” e criaram polêmica.

– Valeu, Diogo. Um dia você vai ficar famoso – afirmou Felipe quando um usuário perguntou “Qual é o próximo cara que você vai dar um pisão?”

Pouco depois, uma internauta mandou nova provocação sobre a fama de violento do volante: “Felipe Melo não é bom de matemática, mas gosta de dividir sem deixar restos”.

– Ela contou uma piada boa, tem que ir par ao “Se vira nos 30” do Faustão – brincou o ex-jogador de Flamengo, Grêmio e Cruzeiro.

Além do convite de Patrícia Amorim para voltar à Gávea, Felipe afirmou ter propostas de clubes da Inglaterra e Espanha, mas que sua intenção é continuar na Juventus.

– Tenho quatro anos de contrato. Quero ficar aqui e ganhar alguma coisa.

agosto 12, 2010 Posted by | Flamengo | | Deixe um comentário

Recuperado de lesão, Roger quer retomar condição de titular com Cuca

Parado há quase um mês, meia está à disposição para enfrentar o São Paulo

O meia Roger, afastado dos gramados desde o dia 18 de julho, poderá ser mais uma novidade do Cruzeiro, na partida contra o São Paulo, domingo, às 16h (de Brasília), no Morumbi. O jogador está recuperado de um estiramento na coxa direita e participou normalmente dos últimos treinamentos.

– Estou 100%, já venho treinado fisicamente desde segunda-feira passada e, nesta semana, com bola. Liberado pra participar do jogo normalmente.

Roger ainda não se considera titular do time no domingo, mas espera começar jogando.

– Eu não sei quais são as intenções do Cuca. Eu saí do time por lesão, vindo de uma boa fase e fazendo grandes jogos. Infelizmente, uma lesão interrompeu a boa fase. Estou pronto pra jogar, mas vou respeitar a decisão do treinador e tentar recuperar o tempo perdido.

Com a chegada do argentino Montillo, que poderá estrear no domingo, a disputa pelas vagas no meio-campo fica ainda mais acirrada.

– É difícil falar em disputa com companheiros. Existe, mas é saudável, é uma disputa que o treinador gosta. Somos jogadores com características semelhantes, isso é uma decisão para o treinador. Montillo, Gilberto e eu podemos até jogar juntos, tudo depende do Cuca.

agosto 12, 2010 Posted by | Cruzeiro | , | Deixe um comentário

Corinthians mantém cautela para anunciar o zagueiro Thiago Heleno

Mário Gobbi confirma acerto com jogador e espera documentação para o anuncio oficial

O Corinthians está próximo de anunciar a contratação do zagueiro Thiago Heleno, que deixou o Cruzeiro. Segundo Mário Gobbi, diretor de futebol do clube, as negociações com o jogador já foram finalizadas e o Timão só está esperando a documentação para oficializar o acerto.

– Nós acertamos com o jogador um contrato por dois anos, por empréstimo. Aguardamos a chegada dos documentos e, tão logo isso ocorra, vamos assinar com o jogador. Estamos cautelosos para não acontecer erros para o clube, quanto para o jogador – disse à Rádio Jovem Pan.

Em relação ao grupo HAZ, dono dos direitos do zagueiro e que teria ligação com a MSI, o dirigente disse que não vê problemas na negociação com a empresa.

– Acho que não foi só esse grupo (HAZ), mas outros, agentes, investidores, que fizeram negócio com a MSI. Estamos pregando a pena perpétua em casos passados. E este grupo, especificamente, tem conversas com outros clubes do Brasil. Portanto, não há a mínima razão para que o Corinthians não faça algo. Até porque o negócio deles foi com o Cruzeiro e com o clube do Uruguai. Ele (Thiago Heleno) sendo vendido, o Corinthians ganhará uma participação – lembrou.

agosto 12, 2010 Posted by | Corinthians | | Deixe um comentário

Após atuação convincente, Neto Berola quer ter sequência de jogos

Atacante do Galo foi fundamental na classificação na Copa Sul-Americana

A boa atuação diante do Grêmio Prudente, pela Copa Sul-Americana, deu esperanças ao atacante Neto Berola de conquistar uma vaga no ataque titular do Atlético-MG. O jogador vive a expectativa de atuar no duelo contra o Guarani, sábado, às 18h30m (de Brasília), pelo Campeonato Brasileiro.

O jogador vinha de suspensão pela expulsão contra o Avaí e ficou de fora do clássico contra o Cruzeiro e do jogo contra o Botafogo. Livre das punições, Berola acredita que a sequência de jogos poderá o credenciar à condição de titular da equipe do técnico Vanderlei Luxemburgo.

– Venho trabalhando para isso. Sempre para buscar minha vaga na equipe. Espero que com essa sequência eu possa conseguir. Jogar todo mundo quer. Mas quem vai escolher é o professor Vanderlei.

Tímido nas entrevistas, o atacante se transforma dentro de campo, com jogadas bastante ofensivas. Seu estilo de jogo caiu no gosto dos torcedores que compareceram ao Ipatingão. E Neto Berola tem a consciência de que agradou.

– Tem que ir para cima dos zagueiros para criar dificuldades para eles e sempre criar opções para fazermos gols. Graças a Deus, consegui jogar bem, mas a equipe toda está de parabéns.

Para o duelo contra o Guarani, a receita de Berola é ataque total, já que o Galo precisa voltar a conquistar os três pontos no Brasileirão.

– Vai ser mais um jogo difícil, mas temos que ir com tudo para buscar a vitória. Nossa situação não é boa, e temos que conquistar os três pontos a todo custo – concluiu Berola, que ainda não fez gol com a camisa alvinegra.

Para o jogo contra o Bugre, o Atlético-MG terá o retorno de Diego Tardelli, que estava servindo à Seleção Brasileira. Além dele, o ataque atleticano ainda conta com Obina e Ricardo Bueno.

agosto 12, 2010 Posted by | Atlético-MG | , | Deixe um comentário

Gols de talismã e capitão deixam Inter a um passo do bi da Libertadores

Colorado sofre gol no fim do primeiro tempo, mas mostra força na etapa final, bate o Chivas e se aproxima da conquista do título continental

No futebol, é importante o respeito ao adversário, o protocolo, a diplomacia. Mas a torcida do Inter tem motivos de sobra para ficar otimista. O Colorado está a um passo de mais um título. Não de um qualquer. Mas do bicampeonato da América. O gramado sintético era uma preocupação. O Chivas, que eliminou o Universidad do Chile em Santiago, também. A inflamada torcida mexicana, idem. Mas nada parou o toque de bola do time colorado em Guadalajara. Após um injusto castigo nos acréscimos do primeiro tempo, o Inter venceu o Chivas por 2 a 1, de virada, na noite desta quarta-feira, no campo sintético do Estádio Omnilife, e deu um passo de gigante rumo a mais uma conquista de Libertadores. Falta agora um empate!

Predestinado Giuliano. General Bolívar. Os gols do talismã e do capitão no segundo tempo transformaram a derrota em vitória, a decepção em esperança, a dor em euforia. Eles abafaram, cada qual com seu lance, mais uma falha de Renan, encoberto por Bautista no gol do Chivas.

O duelo da volta é na próxima quarta-feira, em um Beira-Rio já com todos os ingressos vendidos. O Chivas, para evitar a festa colorada, precisa vencer por dois gols de diferença. Um triunfo mexicano por um gol, com qualquer placar, leva a decisão para os pênaltis.

Centímetros mexicanos. Erros colorados

Malditos centímetros mexicanos! Malditos detalhes que pareceram vestir a camisa do Chivas para tirar do Inter a alegria no primeiro tempo. Futebol, o Colorado teve. De sobra. Tocou a bola, triangulou, mostrou aproximação. Só não fez o gol. Culpa de quem? Dos malditos centímetros mexicanos. Duas bolas, dois lances que traçam o destino de um clube, duas jogadas que morreram no quase: um centímetro a mais para o lado, um centímetro a mais para baixo. Não custava nada! Não deu. Ambas na trave.

A primeira foi de Kleber, logo com cinco minutos. O Inter colocava o Chivas na roda, fazia da grama sintética do Omnilife seu salão de festas, quando Taison passou reto por metade da defesa adversária e acionou o lateral-esquerdo. Ele bateu rasteiro, em diagonal. Alecsandro se esticou todo em um carrinho. Não alcançou. A bola passou pelo camisa 9, bateu na trave esquerda e saiu. Faltou um centímetro.

A segunda foi de Alecsandro. E de novo em lance criado por Taison. Ele sofreu falta na beirada da área, quase na fronteira com o espaço onde nascem os pênaltis. Alecsandro e D’Alessandro se posicionaram. Eram 29 minutos. O camisa 9 (que depois, machucado, daria lugar a Everton) partiu para a cobrança, encobriu a barreira e o goleiro. Mas viu a bola bater no travessão. Ah, esses centímetros…

O que o Inter fez nos primeiros dez minutos de jogo não se faz com um anfitrião cordial como o Chivas. Beirou a humilhação. Os mexicanos viram a bola rolar de um lado para o outro sem jamais encontrá-la. Mas faltou o mais importante ao time de Celso Roth: transformar a posse em gol. Time habilidoso por natureza, o Colorado por vezes parece girar o tempo todo para lugar nenhum.

E com apenas três minutos em campo, Sobis pôde comemorar. Graças ao talismã colorado na Libertadores. Aos 28, Kleber cruzou da esquerda e encontrou Giuliano na marca do pênalti. O meia subiu e cabeceou com estilo, no canto esquerdo, longe do alcance do goleiro. Após marcar diante do Estudiantes o tento que classificou o time para as semifinais e o da vitória sobre o São Paulo no Beira-Rio, o garoto, titular no lugar de Tinga, suspenso, mostrou que é um predestinado.

Mais três minutos, e nova festa colorada. Desta vez, o centro veio da direita, de D’Alessandro. E coube à dupla colorada de zagueiros completar a jogada na área adversária. Índio cabeceou para o meio e encontrou o capitão Bolívar, que, também de cabeça, tirour a bola do alcance de Michel: 2 a 1.

A virada do time brasileiro calou a torcida no Omnilife. E os mexicanos seguiram quietos diante da troca de passes dos jogadores do Inter, que não demonstravam qualquer dificuldade no gramado artificial. O Chivas não mostrou forças para reagir. E não ‘achou’ um gol como no fim da etapa inicial. Antes do apito final, boa parte dos torcedores já havia deixado o estádio. Mas não os colorados que viajaram para Guadalajara, que vibravam. E esperam comemorar ainda mais na próxima quarta-feira.

CHIVAS 1 X 2 INTERNACIONAL
Michel, De Luna, Magallon, Reynoso e Ponce; Mejía, Báez (Dávila), Fabián (Escalante) e Bautista; Bravo e Arellano (Araujo). Renan, Nei, Bolívar, Índio e Kleber; Sandro, Guiñazu, Giuliano, D’Alessandro e Taison (Wilson Matias); Alecsandro (Everton) (Rafael Sobis).
Técnico: Jose Luis Real Técnico: Celso Roth
Gols: Bautista, aos 46 minutos do primeiro tempo; Giuliano, aos 28 do segundo tempo, e Bolívar, aos 31
Cartões amarelos: Ponce (CHI) e Sandro (INT)
Estádio: Omnilife (Guadalajara). Data: 11/08/2010. Árbitro: Hector Baldassi (Argentina). Assistentes: Ricardo Casas (Argentina) e Hernan Maidana (Argentina).

agosto 12, 2010 Posted by | Internacional | | Deixe um comentário

Vitória supera o Palmeiras e abre boa vantagem na Sul-Americana

Em jogadas de bola parada, time do estreante Toninho Cecílio faz 2 a 0 no Barradão, amplia o jejum de Felipão e complica a vida da equipe alviverde

O campo não era dos melhores – esburacado e cheio de lama. O jogo também não foi um espetáculo. Mas o Vitória deu um passo importante para conseguir uma vaga à segunda fase da  Copa Sul-Americana. Na busca por um lugarzinho na Libertadores de 2011, o time baiano venceu o Palmeiras por 2 a 0 e tem agora boa vantagem para a partida seguinte do confronto, marcada para a próxima quinta-feira, no Pacaembu. O Rubro-negro, que na última semana perdeu a Copa do Brasil para o Santos, ainda prolongou o jejum de Luiz Felipe Scolari à frente do Alviverde.

Errando muitos passes e abusando das faltas, o Palmeiras chegou ao sexto jogo sem vencer. Somando as partidas do Campeonato Brasileiro, Felipão coleciona agora com o Alviverde duas derrotas (havia perdido também para o Avaí) e quatro empates (Botafogo, Ceará, Corinthians e Goiás).

Os gols de Ramon e Neto Coruja, ambos oriundos de jogadas de bola parada, deixam o Vitória em uma situação confortável para o confronto em São Paulo. Agora, para ficar com a vaga, o Alviverde precisa vencer por três gols, sem sofrer nenhum.

Antes de se enfrentarem novamente pela Sul-Americana, as equipes fazem duelos pelo Nacional. O Palmeiras recebe o Atlético-PR, sábado, no Pacaembu, enquanto que o Vitória revive a decisão da Copa do Brasil com o Santos, no Barradão.

Emoção só com bola parada

Depois de ter treinado um esquema com três zagueiros na Academia de Futebol, Luiz Felipe Scolari acabou optando no tradicional 4-4-2. Estreante da noite, Rivaldo foi deslocado da contenção para a armação das jogadas, tendo atrás um trio de volantes: Edinho, Pierre e Márcio Araújo. A marcação mais cerrada, aliada ao gramado ruim, ajudaram o Palmeiras a contar o ímpeto do Vitória.

Ainda de ressacada pela perda da Copa do Brasil, o time baiano armou um jogo truncado com o rival paulista. Foram poucos os momentos com lances emocionantes da disputa. Mas nas poucas vezes em que eles ocorrem, a bola parada foi o que levou perigo aos goleiros Deola e Lee.

O primeiro a arriscar foi o Vitória. A batida de falta de Ramon, aos 23 minutos, obrigou o arqueiro alviverde a fazer boa defesa. A resposta palmeirense veio dois minutos depois, também em jogada de bola parada. Rivaldo cobrou falta pelo lado esquerdo da defesa baiana, e Danilo subiu mais alto que toda a zaga. Para sorte do Rubro-negro, Lee estava bem colocado e conseguiu tirar para a linha de fundo.

Em um raro momento de perigo com a bola rolando, Schwenck e Ramon fizeram bela tabela na entrada da área palmeirense, mas Danilo conseguiu salvar o perigoso chute do camisa 10 do Vitória, principal articulador das jogadas.

Percebendo que o Palmeiras estava perdendo as jogadas, principalmente pelo lado esquerdo, Felipão não hesitou em fazer uma mudança logo na primeira etapa. Irritado com as faltas de Armero, o treinador, aos 42 minutos, sacou o colombiano e pôs o atacante Luan em seu lugar, passando Rivaldo para a lateral esquerda. Mas a eficácia ou não da alteração ficaria para a segunda etapa…

Bolas paradas e gols do Vitória

O veneno da batida na primeira etapa apareceu novamente no segundo tempo. Mas, desta vez, o chute de Ramon foi preciso, sem chances para Deola. Logo aos 2 minutos, Pierre cometeu falta boba e Elkeson, esquecendo-se que uma cobrança de falta na entrada da área poderia ser fatal. E o veterano meia de 38 anos não desperdiçou a chance que teve e abriu o marcador para o time da casa: 1 a 0 Vitória.

A perfeição de Ramon levou Felipão ao desespero. O técnico palmeirense parecia não acreditar que seu jejum seria prolongado – já são seis jogos sem vitórias. Toninho Cecílio, por outro lado, celebrava a primeira conquista logo na estreia como treinador dos baianos um dia depois da sua chegada a Salvador.

O desespero palmeirense se refletia nos números. Aos 15 minutos de jogo, o time de Felipão já havia cometido 19 faltas, nove a mais que o rival baiano. Na frente, o trio Tadeu, Ewerthon e Luan não conseguia acertar as jogadas para chegar ao gol de Lee. E Scolari esgoelava no banco de reservas por causa dos erros de passes.

Com o gramado ruim, Felipão apostou em Max, atleta que estava encostado na Academia de Futebol, para arriscar na bola aérea. Mas o sistema ofensivo palmeirense seguia desorganizado e errando passes no meio-campo.

Enquanto isso, Toninho Cecílio sacou Schwenck, que não aparecia bem no jogo, para a entrada de Júnior. Além do experiente atacante de 34 anos, o treinador baiano ainda contava com o jovem Elkeson, que dava trabalho aos defensores do time paulista. Mas foi a bola parada que novamente levou perigo ao gol de Deola. Egídio encontrou Neto Coruja na área, que cabeceou bem e fez o arqueiro alviverde se esticar todo para evitar o 2 a 0, aos 37 minutos.

Aos 43, a bola parada deu números finais ao jogo. Em cobrança de Egídio, Neto Coruja acertou a cabeçada que deu boa vantagem ao Vitória para o duelo em São Paulo: 2 a 0. E Felipão segue penando para acertar as coisas com o Palmeiras…

VITÓRIA 2X0 PALMEIRAS
Lee, Eduardo, Wallace, Anderson Martins e Egidio; Vanderson, Ricardo Conceição, Renato (Neto Coruja) e Ramon (Bida); Schwenck (Júnior) e Elkeson
Deola; Vítor, Danilo, Maurício Ramos e Armero (Luan); Edinho, Pierre, Márcio Araújo (Tinga) e Rivaldo; Tadeu (Max) e Ewerthon.
Técnico: Toninho Cecílio. Técnico: Luiz Felipe Scolari.
Gol: Ramon, aos 2 minutos do primeiro tempo.Neto Coruja, aos 43 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Edinho, Maurício Ramos e Vitor (Palmeiras). Renato e Schwenck (Vitória).
Local: Barradão, em Salvador. Árbitro: Leandro Vuaden. Auxiliares:Altemir Hausmann e Carlos Berkenbrock.

agosto 12, 2010 Posted by | Palmeiras, Vitória | | Deixe um comentário

No último lance, Ricardinho dá a vaga ao Atlético-MG diante do Prudente

Meia alvinegro fez o gol da vitória aos 47 minutos do segundo tempo

Em um jogo emocionante, o Galo chegou à vitória sobre o Grêmio Prudente, com um gol de Ricardinho, aos 47 minutos do segundo tempo. No último lance da partida, o meia alvinegro – que estava mal na partida – tirou um nó da garganta de cada torcedor atleticano presente no Ipatingão. A vitória classificou o time para a segunda rodada da Copa Sul-Americana.

Para conhecer seu adversário na próxima fase, o Galo terá que esperar dois confrontos. O Deportivo Lara, da Venezuela, encara o Independiente Santa Fé, da Colômbia, na próxima terça-feira, na Venezuela. O jogo de volta está marcado para o próximo dia 26. O vencedor deste duelo pega o Caracas, da Venezuela.

Pelo Brasileirão, o Atlético-MG enfrentará o Guarani, no sábado, às 18h30m (de Brasília), novamente no Ipatingão. Já o Grêmio Prudente receberá o Vasco, no domingo, às 16h, em Presidente Prudente.

Galo melhor em jogo morno

O jogo começou morno, refletindo o baixo público que foi ao estádio. Sem o atacante Diego Tardelli, o time alvinegro agredia pouco e sofria com a boa marcação da equipe paulista. Tanto que o Grêmio Prudente foi quem chegou com perigo pela primeira vez. Aos 7 minutos, o atacante Wanderley recebeu lançamento, driblou o goleiro Fábio Costa e chutou para o gol vazio. Porém, a jogada havia sido anulada, já que o auxiliar assinalou impedimento.

No minuto seguinte, o Galo quase abriu o placar com Ricardo Bueno, que aproveitou um rebote na grande área. O goleiro Giovanni fez grande defesa, no mais puro reflexo.

Como o jogo não encaixava, o técnico Vanderlei Luxemburgo fez uma alteração tática. O zagueiro Jairo Campos deixou o campo para a entrada do atacante Neto Berola, que deu novo ânimo ao setor ofensivo alvinegro.

Logo na primeira jogada de Berola, quase o Atlético-MG chegou ao gol. Aos 33 minutos, o atacante lançou Fernandinho, que cruzou rasteiro para Diego Souza. O meia teve o gol livre à sua frente, mas mandou por cima, raspando o travessão.

No fim da primeira etapa, o Atlético-MG ainda teve mais uma chance, na cabeçada de Diego Souza, após cobrança de escanteio de Fernandinho. A bola passou perto, mas não balançou as redes do Grêmio Prudente.

No último minuto

No segundo tempo os times voltaram com mais velocidade. Neto Berola e Diego Macedo, com boas descidas pela direita, chegaram a acenar para a torcida, que passou a apoiar mais a equipe.

E foi com Neto Berola que o Atlético-MG quase marcou em duas oportunidades. Na primeira, o atacante invadiu a área, chutou cruzado, e a bola quase passou por baixo do goleiro Giovanni, que conseguiu se recuperar e fez a defesa. Na segunda chance, Berola chutou cruzado, no ângulo, e Giovani fez brilhante defesa.

O segundo tempo foi marcado por uma pressão incrível do Galo, mas sem nenhuma obejtividade. O time rodada a bola na intermediária de ataque, mas não conseguia finalizar. O Grêmio Prudente, por sua vez, tocava e tentava chegar ao gol de Fábio Costa em contra-ataques isolados.

A partida ficou emocionante, não pela qualidade e pelo jogo bonito, mas pela temeridade de se levar um gol e ser eliminado da Copa Sul-Americana. O Prudente se mostrava satisfeito em levar a decisão para os pênaltis, diferentemente do Galo, que buscava o gol, mesmo que desorganizadamente.

No fim da partida quem quase marcou foi o time paulista. Deivyd Sacconi, que entrou na vaga de Rafael Martins, entrou sozinho na área do Atlético-MG. O jogador bateu cruzado, mas Fábio Costa fez grande defesa e evitou a derrota alvinegra.

Quando todos já esperavam a decisão nos pênaltis, o Galo chegou à vitória. Ricardinho recebeu a bola na entrada da área, após grande jogada de Diego Souza. De perna esquerda, rasteiro, o meia atleticano tirou um nó da garganta do torcedor atleticano. Aos 47 minutos do segundo tempo, o Galo fez o gol e chegou à segunda fase da Copa Sul-Americana.

ATLÉTICO-MG 1 X 0 GRÊMIO PRUDENTE
Fábio Costa, Jairo Campos (Neto Berola), Werley e Lima; Diego Macedo, Serginho, João Pedro, Ricardinho e Fernandinho (Leandro); Diego Souza e Ricardo Bueno (Obina). Giovanni; Paulo César, Leonardo, Anderson Luis, Marcelo Oliveira; Rodrigo Mancha, João Victor, Anderson Pedra; Rafael Martins (Deivyd Sacconi), Wesley (Carlos Eduardo) e Wanderley (Willian).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo. Técnico: Márcio Barros.
Estádio: Ipatingão, em Ipatinga (MG). Data: 10/8/2010. Horário:21h50m (de Brasília). Árbitro: Héber Roberto Lopes (Fifa/PR).Auxiliares: Alessandro Rocha (Fifa/BA) e Hilton Moutinho Rodrigues (Fifa/RJ).
Público: 3.658 pagantes. Renda: R$ 57.170,00. Cartões amarelos:Rodrigo Mancha e Marcelo Oliveira (Grêmio Prudente).
Gol: Ricardinho (Atlético-MG), aos 47 minutos do segundo tempo.



agosto 12, 2010 Posted by | Atlético-MG, Grêmio Prudente | , | Deixe um comentário