Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Soberano, Timão vence Atlético-MG e agora lidera isolado o Brasileirão

Gol de Bruno César deu triunfo ao Corinthians, que jogou muito bem na tarde deste domingo, no Pacaembu. Galo ronda a zona de rebaixamento

A liderança do Campeonato Brasileiro continua com o Corinthians. Agora de maneira isolada. Na tarde deste domingo, no estádio do Pacaembu, a equipe paulista dominou o Atlético-MG com bom toque de bola, bastante velocidade e venceu por 1 a 0, gol de Bruno César, em jogo válido pela nona rodada.

Agora com 21 pontos, o Timão se distancia do Ceará, que vinha na cola da equipe do Parque São Jorge. O Galo, por sua vez, ficou em situação complicada. Com nove pontos, o time de Belo Horizonte está próxima da zona de rebaixamento.

Com o triunfo desta tarde, o Corinthians não só se manteve como único invicto (o Ceará perdeu do Internacional neste domingo), como também segue 100% como mandante no Nacional. Em cinco jogos, cinco vitórias. Já o Atlético-MG, segue 100% de maneira negativa. Perdeu todas as quatro partidas como visitante.

Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, o Corinthians joga em Goiânia, no estádio Serra Dourada, contra o Atlético-GO, às 21h50m. O Atlético-MG, por sua vez, joga no mesmo dia, só que às 19h30m. Na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, o Galo recebe a visita do Internacional, pela décima etapa da competição.

Só deu Corinthians no primeiro tempo. A equipe paulista dominou a etapa de ponta a ponta e deu pouco espaço para o Atlético-MG. A pressão alvinegra começou logo no primeiro minuto e só não virou gol porque Chicão errou a cobrança de pênalti. Werley havia derrubado Dentinho, que recebera ótimo passe de Alessandro.

O lance não abalou o Timão. Com bom toque de bola e rapidez, os anfitriões infernizaram os mineiros. Até os 10 minutos, uma série de tentativas. Aos três, Elias chutou cruzado. Fábio Costa salvou. Aos quatro, Bruno César arriscou. O goleiro novamente apareceu. Aos nove, o chute foi de Roberto Carlos. Pra fora.

Assustado e sem conseguir se organizar em campo, o Galo não conseguia se livrar da pressão corintiana, embora ela tenha diminuído com o passar do tempo. A equipe de Belo Horizonte só conseguiu criar uma boa chance aos 23 minutos. E com a ajuda do Corinthians, já que Ralf errou passe no meio campo.

Neto Berola, então, aproveitou o vacilo do adversário, avançou em direção ao gol, mas pecou na hora da finalização, mandando longe do gol de Julio Cesar. O lance acordou novamente o Timão. E junto disso, mais pressão. Aos 26 e aos 27, Bruno César deu dois chutes de fora da área. Fábio Costa defendeu ambos.

Foi de Bruno César, aliás, a melhor chance depois do pênalti desperdiçado por Chicão. Aos 33 minutos, Roberto Carlos levantou a bola na área e o meia, livre de marcação, da pequena área, mandou para fora. Dominando o rival, mas sem conseguir marcar, o Corinthians quase foi surpreendido no final da etapa.

Aos 46 minutos, o lateral-esquerdo Leandro avançou bem e cruzou na cabeça de Neto Berola, que acertou o travessão do goleiro Julio Cesar. Foi por pouco.

Mano Menezes e Vanderlei Luxemburgo resolveram mudar suas equipes no retorno para o segundo tempo. No Corinthians, o treinador sacou Iarley para a entrada de Jorge Henrique. Já no Atlético-MG, o comandante mexeu no meio de campo. Tirou João Pedro e escalou Fabiano.

O Timão, por sinal, quase abriu o marcador com Jorge Henrique no primeiro minuto da etapa complementar. Chicão fez bom lançamento para Dentinho, que dominou nas costas da zaga adversário e rolou para o meio da área. Jorge Henrique disputou com a marcação, mas não conseguiu concluir a gol.

Aos quatro, o atacante teve outra boa chance ao receber passe em profundidade. Mas seu chute parou no goleiro Fábio Costa. O Atlético-MG respondeu dois minutos depois, quando Ricardo Bueno girou em cima da zaga corintiano e bateu de perna esquerda, obrigando o goleiro Julio Cesar a importante defesa.

Não com a mesma intensidade do primeiro tempo, o Corinthians continuava dominando a partida diante do Atlético-MG. Luxemburgo, então, resolveu colocar Diego Souza no lugar de Neto Berola. Mano também fez outra alteração. Sacou o atacante Dentinho e mandou a campo o jovem William Morais.

Mais efetivo, o Timão perdeu chance aos 17. Jorge Henrique iniciou jogada e virou para Bruno César. O meia cortou o zagueiro e mandou por cima. O Galo só voltou a ter um ataque bom aos 21. Leandro cruzou, e Ricardo Bueno cabeceou para fora. Logo depois, Leandro recebeu de Ricardinho e quase fez, não fosse William.

Com o jogo mais aberto, por conta da pressão corintiana, o Galo se arriscou mais no ataque, mas não conseguia chegar com perigo ao gol de Julio Cesar. O Corinthians, então, foi premiado aos 35 minutos pela ótima atuação. Bruno César recebeu na área e chutou colocado. A bola desviou em Jairo Campos e entrou. O lance assegurou a vitória ao Timão.

Mas aos 43 minutos, o goleiro Julio Cesar precisou entrar em ação para que os planos do Corinthians não fossem por água abaixo. Ele fez linda defesa em cabeçada de Ricardo Bueno.

CORINTHIANS 1X0 ATLÉTICO-MG
Julio Cesar; Alessandro, Chicão, William e Roberto Carlos; Ralf (Jucilei), Elias, Bruno César e Danilo; Dentinho (William Morais) e Iarley (Jorge Henrique). Fábio Costa; Diego Macedo, Jairo Campos, Werley e Leandro; Zé Luís, Serginho, João Pedro (Fabiano) e Ricardinho (Fernandinho); Ricardo Bueno e Neto Berola (Diego Souza).
Técnico: Mano Menezes. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.
Gols: Bruno César, aos 35 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: William, Danilo, Jorge Henrique (COR); Werley, Diego Macedo, Leandro (ATL)
Público: 22163 pagantes. Renda: R$ 675.393,50.
Estádio: Pacaembu (SP). Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (DF)Auxiliares: Enio Ferreira de Carvalho e Marrubson Melo Freitas (DF)

julho 18, 2010 Posted by | Atlético-MG, Corinthians | , | Deixe um comentário

Na volta de Robinho, Fluminense bate o Santos na Vila e é vice-líder

Tricolor vence por 1 a 0, gol de Alan, e fica apenas atrás do Corinthians. Peixe perde terreno e cai para a nona posição no Campeonato Brasileiro

Com Robinho de volta, o Santos parecia impossível. Neymar correndo sem parar, e Ganso como sempre distribuindo bons passes. No Fluminense, Diguinho não dava espaços, e Conca e Fred não deixavam de lutar na frente. Pelo estilo agressivo e ofensivo, o Peixe parecia mais perto da vitória e realmente esteve. Mas no duelo de muita correria e alternativas, o Tricolor, guerreiro que foi, deixou o gramado da Vila Belmiro vitorioso e vice-líder do Brasileirão: 1 a 0, gol de Alan. O time cada vez mais tem a cara e o espírito do técnico Muricy Ramalho e termina a nona rodada com 19 pontos, dois a menos que o Corinthians. O Peixe sofre a segunda derrota seguida, perde terreno e cai da quarta para a nona posição, com 12.

Na próxima quarta-feira, o Santos visita o Atlético-PR, na Arena da Baixada, às 21h50m. Na quinta, o Fluminense recebe o Cruzeiro, no Maracanã, às 21h.

Foram dois meses longe. Robinho não pisava no gramado da Vila Belmiro desde o dia 19 de maio, quando o Santos venceu o Grêmio pela semifinal da Copa do Brasil. Dali em diante, o craque apresentou-se à Seleção Brasileira, jogou a Copa do Mundo da África do Sul e foi eliminado nas quartas de final. De volta, o atacante entrou em campo com o filho Robson Júnior no colo. O garotinho agarrou o pescoço do pai e quando a bola rolou Diguinho assumiu o posto. O volante do Fluminense não desgrudou do camisa 7. Não importava em que parte do campo ele estivesse.

Não era permitido cochilar. Aos quatro minutos, após cobrança rápida de falta de Paulo Henrique Ganso, Robinho avançou pela direita, invadiu a área e bateu à esquerda de Fernando Henrique. Parecia que o Peixe dominaria as ações, mas o Tricolor manteve a calma e se organizou. Muricy Ramalho deixou Gum, André Luis e Leandro Euzébio na marcação de Neymar e André, que não assustaram tanto. Além de marcar bem, o Flu também atacou. Conca lutou no meio e foi perigoso na bola parada. Fred buscou jogo e tentou de longe, aos 16. O chute foi defendido pelo goleiro Rafael.

Para tentar escapar da marcação, Dorival Júnior pediu que Neymar abrisse pelas pontas e criasse alternativas. Foi assim que ele teve liberdade, tentou invadir a área e foi derrubado por Diguinho quase sobre a linha. Na cobrança, Ganso buscou o ângulo esquerdo do goleiro e errou por muito pouco, aos 28. Era a terceira boa participação do camisa 10, que antes havia deixado Robinho em boas condições de marcar. Novamente o chute se perdeu pela linha de fundo.

Da metade do primeiro tempo em diante, o Santos foi superior, especialmente com Robinho pela direita. Neymar e André se movimentavam mais, e o Fluminense limitou-se a defender. O time não conseguia ter posse de bola e nem puxar contra-ataques. Só depois de muito tempo voltou a assustar, aos 42. Mariano partiu desde o meio-campo pela direita, tabelou com Fred e bateu sobre o gol de Rafael. Na resposta, André chutou colocado, e Fernando Henrique espalmou. Jogo corrido, de variações táticas, mas com placar em branco.

Santos martela, mas quem carimba é o Tricolor

Deixar o time do Santos trocar passes foi um risco que o Fluminense decidiu correr. Em poucos toques e com agilidade, a molecada chegava na cara do gol. Foi assim que André quase abriu o placar no início do segundo tempo. Após receber cruzamento da ponta direita, o atacante desviou de primeira, mas errou o alvo. Neymar foi perigoso pela esquerda. Aos oito, um chute cruzado assustou Fernando Henrique.

Além de ter de marcar, Diguinho e Diogo, principais destruidores do time, se preocuparam em evitar as faltas. Ambos receberam cartão amarelo e estavam pendurados. O Fluminense não conseguiu repetir os bons momentos do primeiro tempo, e Muricy decidiu mudar. Rodriguinho deu lugar a Alan, na tentativa de dar mais velocidade ao ataque tricolor. Quem apareceu primeiro foi Carlinhos. Aos 13, o lateral-esquerdo apresentou-se para tabelar com Fred, recebeu de volta e bateu para fora. Um minuto depois, Conca deu um lindo passe de calcanhar, Carlinhos chutou forte, e Rafael pegou.

Dorival também trocou peças na frente. André, até então apagado, saiu para a entrada de Marcel. Em seu primeiro lance, o atacante grandalhão fez o travessão de Fernando Henrique tremer. Um chute forte, de fora da área, assustou o goleiro. A partida ficou mais franca, e o Santos voltou a crescer, principalmente em jogadas de Robinho e Ganso. A equipe tricolor passou a ter mais espaços para contra-atacar. Na melhor chance que teve, o golpe foi fatal. Aos 32, Alan recebeu passe preciso de Mariano em liberdade e bateu na saída de Rafael: 1 a 0.

Se a pressão santista era grande, triplicou. Dois minutos depois de sofrer o gol, o time quase empatou. Wesley aproveitou o rebote de uma cobrança de falta e bateu de primeira. Fernando Henrique caiu para fazer linda defesa. Insatisfeito, Dorival tirou Neymar e Wesley e colocou Zé Eduardo e Madson. O empate quase saiu aos 38. Em jogada rápida, Zé Eduardo recebeu livre na direita e bateu cruzado. Robinho ainda apareceu na segunda trave para tentar aproveitar, mas mandou para fora. Na base do tudo ou nada, o Peixe martelou, mas não o suficiente para empatar. Guerreiro, o Flu se mantém firme no G-4 e de olho na liderança.

SANTOS 0 X 1 FLUMINENSE
Rafael, Maranhão, Edu Dracena, Durval e Pará; Arouca, Wesley (Madson), Paulo Henrique Ganso e Robinho; Neymar (Zé Eduardo) e André (Marcel). Fernando Henrique, Gum, André Luis e Leandro Euzébio; Mariano, Diogo (Marquinho), Diguinho, Darío Conca (Júlio César) e Carlinhos; Rodriguinho (Alan) e Fred.
Técnico: Dorival Júnior. Técnico: Muricy Ramalho.
Gols: Alan, aos 32 do segundo tempo.
Cartões amarelos: Arouca, Ganso e Druval (Santos); Diogo, Diguinho e Marquinho (Fluminense).
Estádio: Vila Belmiro, em Santos. Data: 18/07/2010. Árbitro: Cléber Welington Abade (CBF-SP)
Auxiliares: Ednilson Corona (SP) e Roberto Braatz (SP). Público:9.193. Renda: R$ 245.095,00.

julho 18, 2010 Posted by | Fluminense, Santos | , | Deixe um comentário

Botafogo empata com o Guarani em casa e segue com jejum de vitórias

Alvinegros não aproveitam mando de campo, chegam ao 6º jogo sem um triunfo e se aproximam da zona da degola. Bugre sobe na tabela

Sob vaias e protestos dos torcedores no Engenhão, o Botafogo empatou por 1 a 1 com o Guarani, na noite deste domingo, pela nona rodada do Campeonato Brasileiro. Com o resultado, o Glorioso chegou ao seu sexto jogo sem vitória e está ameaçado pelos clubes que estão na zona de rebaixamento da competição. O Bugre chegou aos 13 pontos e subiu três posições na tabela de classificação. Os gols foram marcados no primeiro tempo: Ricardo Xavier, para os paulistas, e Danny Morais, o dos cariocas. Na segunda etapa, o árbitro Célio Amorim ignorou um pênalti em Jobson.

Na próxima rodada, o Botafogo vai encarar o Palmeiras, no Pacaembu. Já o Guarani pega o Ceará, no Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas. Os dois confrontos vão ocorrer na próxima quinta-feira, às 21h (de Brasília).

Bugre abre o marcador, mas Bota empata sob vaias e xingamentos

O Botafogo começou a partida tentando tomar a iniciativa do jogo. O Guarani, por sua vez, esperava os donos da casa avançarem para procurar o gol nos contra-ataques. Mas logo aos dez minutos, uma falta não marcada pelo árbitro catarinense Célio Amorim sobre o volante Somália tirou os poucos botafoguenses que foram ao Engenhão do sério. Vaias e xingamentos ao juiz da partida.

A falta de paciência do torcedor não se manifestou apenas com o árbitro. A falta de vitórias do Botafogo fez com que os alvinegros começassem a vaiar alguns jogadores a partir dos 15 minutos. O primeiro lance que incomodou foi em uma bola recuada por Fábio Ferreira para o goleiro Jefferson. Os mais hostilizados eram os laterais Alessandro e Marcelo Cordeiro e o meia Lucio Flavio.

E as vaias do torcedor pareciam afetar os jogadores em campo, que erravam mais do que acertavam. Aos 23, Preto recebeu um belo passe de Ricardo Xavier, invadiu a área e chutou para ótima defesa de Jefferson. Dois minutos depois, Caio lançou Herrera, que tentou driblar Douglas, mas acabou desarmado pelo arqueiro do Bugre.

Nos poucos lances que acertava, o Botafogo parava na boa atuação de Douglas. Aos 32, após cobrança de escanteio, Danny Morais subiu mais do que a zaga e testou com força. O camisa 1 do Guarani saltou e fez uma linda defesa no Engenhão. Seis minutos depois, uma nova intervenção. Lucio Flavio tentou cruzamento de fora da área, a bola passou por toda a área e o arqueiro foi obrigado a se esticar todo para evitar o gol alvinegro.

Aos 41, um erro da defesa alvinegra complicou o Botafogo e tirou a torcida do sério. Mazola passou por Danny Morais como quis, foi à linha de fundo e cruzou para a área. Ricardo Xavier aproveitou bobeada de Fábio Ferreira e tocou para abrir o placar: Guarani 1 a 0. A partir daí, as vaias e a hostilidade dos botafoguenses falaram mais alto. Porém, em uma cobrança de escanteio, aos 48, Danny Morais subiu mais do que os zagueiros rivais para cabecear e empatar a partida.

Mesmo com o empate, logo após o apito final, misto de vaias e aplausos para os jogadores que deixaram o gramado. O técnico Joel Santana, ao descer para o vestiário, ouviu alguns lamentos e pedidos de alterações no time, mas pediu calma aos torcedores mais exaltados.

Jobson entra e põe fogo

Na volta para a etapa final, o treinador ouviu os pedidos dos torcedores e mexeu na equipe. Joel Santana sacou Fahel e apostou na entrada de Jobson. A alteração surtiu efeito. O Botafogo voltou mais ligado para o confronto e bem mais perigoso. Logo aos três minutos, após confusão na área do Guarani, Herrera quase desempatou o jogo.

Dois minutos depois, o árbitro Célio Amorim errou feio. Jobson, que incendiou a partida com a sua velocidade, arrancou pela direita, driblou o lateral Rodrigo Heffner e foi derrubado dentro da área. O juiz marcou falta, ignorando a reclamação dos jogadores do Botafogo, que pediam pênalti. Aos 11, o mesmo Jobson entrou na área e chutou na rede pelo lado de fora.

Após o início de pressão do Botafogo, o Guarani teve a primeira oportunidade de voltar a ficar à frente no placar. Apodi, que entrou na vaga de Rodrigo Heffner no segundo tempo, arriscou de fora da área e Jefferson defendeu com tranqüilidade. A qualidade técnica da partida caiu, e as duas equipes passaram a errar muitos passes.

Aos 39, Herrera fez uma ótima jogada e deu um passe açucarado para Somália. O volante entrou na área e chutou por cima do gol do Bugre. Já nos acréscimos, o Botafogo aproveitou um descuido de Douglas e cobrou rápido o escanteio na cabeça de Jobson. O atacante testou fraco, e o goleiro do time paulista teve tempo de se recuperar.

Com o fim do jogo, os jogadores do Botafogo deixaram o campo sob vaias e protestos dos torcedores. Já são seis partidas sem vitória no Campeonato Brasileiro.

BOTAFOGO 1 X 1 GUARANI
Jefferson, Fahel (Jobson), Fábio Ferreira e Danny Morais; Alessandro, Leandro Guerreiro, Somália, Lucio Flavio (Edno) e Marcelo Cordeiro; Herrera e Caio (Renato Cajá). Douglas; Rodrigo Heffner (Apodi), Fabão, Ailson e Fabiano; Renan, Paulo Roberto, Preto (Baiano) e Mário Lúcio; Mazola e Ricardo Xavier (Diogo).
Técnico: Joel Santana Técnico: Vagner Mancini
Gols: Ricardo Xavier, aos 41 minutos, Danny Morais, aos 48 minutos do segundo tempo;
Cartões amarelos: Herrera, Fahel, Lucio Flavio, Alessandro (Botafogo); Baiano, Renan, Apodi, Diogo (Guarani)
Árbitro: Célio Amorim (SC)
Auxiliares: Carlos BerkenBrock (SC) e Claudemir Maffessoni (SC)
Local: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ). Público: 5.522 pagantes.Renda: R$ 81.090,00

julho 18, 2010 Posted by | Botafogo | | Deixe um comentário

Graças a Gilberto, Cruzeiro derrota o Goiás e fica colado no G-4

Time celeste estreia com vitória por 1 a 0 na Arena do Jacaré

O placar foi mínimo, mas o Cruzeiro estreou com vitória por 1 a 0 na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas. O gol de Gilberto no início do jogo quase fez com que a Raposa conquistasse seu principal objetivo antes da nona rodada do Brasileirão: chegar ao G-4. Por causa de um cartão vermelho (critério de desempate), o time fica em quinto, logo atrás do Flamengo, com 15 pontos.

O duelo foi o primeiro encontro oficialmente do time mineiro com o estádio onde irá mandar a maioria dos seus jogos em casa por causa das obras no Mineirão visando à Copa do Mundo de 2014. A partida também marcou o encontro do técnico Cuca com a torcida celeste.

Os mineiros mereceram a vitória por terem aproveitado a chance que tiveram, uma vez que o time comandado pelo técnico Emerson Leão desperdiçou as que apareceram. A equipe esmeraldina até teve mais volume de jogo na segunda etapa, mas não traduziu a ligeira superioridade em gols.

O Cruzeiro volta suas atenções para o duelo contra o Fluminense, na próxima quinta-feira, às 21h (de Brasília), no Maracanã. Já o Goiás encara o Vitória, na quarta, às 19h30, no Barradão.

Pressão celeste

O Cruzeiro precisou de apenas 11 minutos para abrir o placar. Gilberto tabelou com Wellington Paulista, a zaga rebateu errado e a bola sobrou para o meia, que só teve o trabalho de escolher o canto.

O Goiás assustou a torcida cruzeirense com Rafael Moura marcando de cabeça após cobrança de falta de Otacílio Neto. Mas o atacante estava impedido, e o árbitro anulou o gol. A equipe do Centro-Oeste igualou as ações e por pouco não empatou o jogo no fim da etapa. Everton Santos penetrou livre na grande área e bateu para fora.

O Goiás voltou com mais vontade no segundo tempo, mas pecava no passe final. Já a Raposa não conseguia sair da marcação. O volante Everton fez sua estreia com a camisa celeste ao entrar no lugar de Roger, que deixou o gramado sentindo dores no joelho direito.

Com boa atuação, Gilberto teve uma grande chance de ampliar. Ele conduziu a bola do meio-campo, penetrou na área, mas chutou fraco, nas mãos do goleiro Calaça. Assim como no primeiro tempo, o Goiás teve outro gol anulado. Dessa vez, o zagueiro Rafael Tolói cabeceou para as redes após cobrança de escanteio. Mas ele se apoiou em Caçapa. E, aos 48, no último lance, os goianos tiveram mais uma chance clara, com Romerito, que, livre na pequena área, cabeceou para fora.


CRUZEIRO 1 X 0 GOIÁS
Fábio; Jonathan, Caçapa, Gil e Diego Renan (Fabinho); Fabrício, Henrique, Gilberto e Roger (Everton); Wellington Paulista e Thiago Ribeiro (Robert). Rodrigo Calaça; Carlos Alberto, Rafael Tolói, Ernando e Wellington Saci; Amaral, Jonílson, Wellington Monteiro (Douglas) e Romerito; Everton Santos e Otacílio Neto (Romerito).
Técnico: Cuca Técnico: Emerson Leão
Gol: Gilberto, aos 11 minutos do primeiro tempo
Cartões amarelos: Jonathan, Wellington Paulista e Gil (CRU) Cartões vermelhos:
Estádio: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG). Data: 18/7/2010.Horário: 18h30m (de Brasília). Árbitro: Sálvio Espínola Fagundes Filho (Fifa/SP). Auxiliares: Ednílson Corona (Fifa/SP) e Marcelo Carvalho Van Gasse (SP).
Renda: não divulgada Público pagante: não divulgado

julho 18, 2010 Posted by | Cruzeiro, Goiás | , | Deixe um comentário

Grêmio Prudente vence por 2 a 0 e deixa ‘primo rico’ na zona da degola

No primeiro gol, Victor é traído pela ‘barreira amiga’ de Edílson e Douglas em cobrança de Paulo César. Wanderley marca o segundo

No duelo de ‘grêmios’, o ‘caçula’ levou a melhor. Diante de um Tricolor gaúcho instável, errando jogadas simples, o Prudente fez 1 a 0 no primeiro tempo, ampliou nos acréscimos do segundo, e só não fez mais porque Victor estava em noite inspirada.

Com a vitória por 2 a 0, o Prudente chegou aos 12 pontos, passou para o 12º lugar, e jogou os gaúchos para o Z-4, na 17ª colocação. Na próxima rodada, o Grêmio enfrenta o Vasco, quarta-feira, 21h50m, no Olímpico. O Prudente pega o São Paulo, no mesmo dia, às 19h30m, no Morumbi.

Buraco na barreira, o pecado fatal

Com os dois times lutando contra as últimas colocações, o jogo começou cercado de tensão, truncado, com muitas faltas. Aos poucos, porém, o Prudente foi tomando conta do campo. Sem a pressão de ter de ir muito bem na competição, o time controlou os nervos, enquanto o Grêmio afundava psicologicamente.

Com exceção de uma cobrança de falta de Edílson, espalmada para escanteio pelo goleiro Giovanni aos sete minutos, os ataques do Grêmio eram anulados com tranquilidade pela defesa do Prudente. Borges insistia em tentar ganhar as jogadas fazendo falta. Jonas errava passes curtos. Hugo e Douglas quase não tocavam na bola.

Enquanto isso, do outro lado, o Prudente tocava a bola com velocidade, criado dificuldade para os defensores gaúchos. Em uma jogada pela esqueda, Edílson fez falta em Marcelo Oliveira e recebeu o terceiro cartão amarelo, virando desfalque para o jogo contra o Vasco. Mas o pecado maior do lateral ainda estava por vir. Na cobrança, mesmo sem muito ângulo para bater direto, Paulo César decidiu chutar para o gol. Edilson, 50% da barreira, temeu a bomba e virou as costas. Outra metade do ‘muro amigo’, Douglas também colaborou e pulou no momento da cobrança. Resultado: chute certeiro no canto e 1 a 0 Prudente, aos 19 minutos.

– Decidi arriscar e a barreira ajudou – resumiu Paulo César.

O gol deixou o Grêmio ainda mais atrapalhado em campo. E o Prudente só não foi para o intervalo com vantagem ainda maior porque Victor cresceu na frente dos atacantes. Aos 30, Wanderley chutou da entrada da área e o goleiro fez importante defesa. Um minuto depois, João Vitor fez excelente jogada individual e rolou com perfeição para Wesley, que chutou rasteiro. Victor pegou mais uma.

Logo na primeira jogada do segundo tempo, Wanderley arrancou pela direita e tocou entre as pernas de Rodrigo. O zagueiro deixou o corpo no caminho e derrubou o atacante na área. Paulo César cobrou o pênalti e Victor foi heroico mais uma vez, pulando no canto certo e motivando o time aos dois minutos da segunda etapa.

Mesmo com a injeção de ânimo do pênalti defendido, o Grêmio não conseguia se encontrar. A única chance real, com boa troca de passes, surgiu aos 14 minutos, quando Douglas tentou finalizar colocado e Giovanni defendeu com firmeza. O desespero era tanto que Neuton arriscou um chute quase do meio de campo, mandando nas alturas.

O cenário melhorou para os gaúchos aos 20, quando João Vítor colocou a mão na bola para interceptar um passe e foi expulso, pois já tinha o amarelo. Toninho Cecílio  tirou Deyvid Sacconi e colocou Anderson Trindade, para fechar o time e jogar apenas nos contra-ataques. Mesmo assim, o Prudente continuava mais perigoso. Como em uma bomba de Wesley, mais uma vez bem defendida por Victor, aos 27.

Aos 32, Silas decidiu mudar dois de uma vez só. Sacou Edílson e Borges para as entradas de Maylson e André Lima. Por pouco as alterações não deram resultado logo na primeira jogada. Hugo cruzou na área, André Lima desviou de letra e Maylson foi travado pela zaga no momento do chute, aos 33.

O Grêmio tentava o empate no final na base das bolas alçadas na área, e o Prudente começou a ter certa dificuldade. Toninho Cecílio passou a se desesperar à beira do campo, reclamando muito com a arbitragem, e acabou expulso.

Mas o final seria feliz para o treinador. Aos 46 minutos, Flavinho deu passe açucarado para Wanderley, que tocou por cima de Victor. Desta vez, não dava para o goleiro.

GRÊMIO PRUDENTE 2 X 0 GRÊMIO
Giovanni, Paulo César, Anderson Luis, Leonardo e Marcelo Oliveira; João Vítor, Rodrigo Mancha, Carlos Eduardo (Diego) e Deyvid Sacconi (Anderson Trindade); Wanderley e Wesley (Flavinho).
Victor, Edilson (Maylson), Rafael Marques, Rodrigo e Neuton; Adilson, Fábio Rochemback, Douglas (Roberson) e Hugo; Jonas e Borges (André Lima).
Técnico: Toninho Cecílio. Técnico: Silas.
Estádio: Prudentão, em Presidente Prudente.
Árbitro: Arilson Bispo da Anunciação/BA. Auxiliares: Alessandro Álvaro Rocha de Matos/BA e Adailton José de Jesus Silva/BA.
Cartões amarelos: Edílson, Rodrigo (Grêmio), Anderson Luis, João Vítor (Prudente). Cartão vermelho: João Vítor (Prudente)
Gols: Paulo César, aos 22 minutos do primeiro tempo. Wanderley, aos 46 do segundo.

julho 18, 2010 Posted by | Grêmio, Grêmio Prudente | | Deixe um comentário

Com um a menos, Avaí bate Palmeiras e frustra estreia de Felipão

Catarinenses fazem grande jogo no segundo tempo, mesmo após expulsão de Pará. Verdão erra muito e acaba derrotado na estreia do técnico

Não foi a estreia que Felipão queria. Após ver uma boa apresentação do Palmeiras diante do Santos, das arquibancadas, o técnico foi ao banco de reservas pela primeira vez neste domingo. Na Ressacada, porém, é o Avaí quem manda. Mesmo com um a menos durante toda a segunda etapa, a equipe catarinense venceu por 4 a 2, com sobras e exibindo belo futebol nos minutos finais. O Verdão foi castigado pela falta de ousadia, mesmo quando teve vantagem numérica em campo.

O resultado levou o Leão aos 11 pontos, mais longe das últimas posições. As duas vitórias após o retorno do Brasileirão, contra São Paulo e Palmeiras, deram novo ânimo ao time comandado por Antônio Lopes. Já os alviverdes estacionaram nos 12, mais longe do G4.

O excelente primeiro tempo começou de forma esquisita. As duas equipes pareciam exaltadas e apresentaram entradas fortes e divididas perigosas como cartão de visitas. Percebendo que o jogo poderia se tornar violento, o árbitro Leonardo Gaciba distribuiu cartões amarelos logo no início. No primeiro, para Pierre, ele colocou a mão no bolso e não achou nada. O cartão estava no chão e foi devidamente resgatado por um jogador do Avaí.

O Palmeiras já começou a ter a cara de Felipão, com uma defesa sólida. Quem se deu bem foi Edinho. A suspensão de Danilo fez com que o volante entrasse na zaga e ainda ganhasse a faixa de capitão. O Avaí imprimia melhor ritmo de jogo, mas parava na marcação exemplar do Verdão.

O ponto forte do time paulista estava na bola parada, com Marcos Assunção. Logo aos 11min, em cobrança de falta, o volante soltou a bomba da intermediária e o goleiro Renan rebateu. Na sobra, Gabriel Silva mostrou tranquilidade e tocou na saída do camisa 1 do Avaí. Foi o primeiro gol do lateral esquerdo desde que subiu aos profissionais do Palmeiras. Na beira do gramado, Felipão comemorou como se fosse gol de título.

No entanto, o Avaí não faz boa campanha no Brasileirão à toa. Com calma, a equipe começou a tocar a bola no campo de ataque e girar bastante o jogo, com a intenção de abrir a defesa palmeirense. O resultado veio rapidamente. Aos 24min, Caio avançou livre pela intermediária, ajeitou e acertou um belo chute de pé esquerdo. Deola ainda tentou desviar, mas não a ponto de evitar o empate.

O time catarinense dominava o jogo, mas sofria com os contragolpes do Verdão. O principal deles terminou de forma inacreditável. Após passe em profundidade, Lincoln recebeu na área, viu a saída de Renan e rolou para Kleber completar para o gol vazio. O Gladiador só não contava com o pé salvador de Patric, que desviou o chute do atacante palmeirense.

No minuto seguinte desse lance, o Avaí provou que estava mais equilibrado na Ressacada. Em bela triangulação dos três principais nomes ofensivos, Caio lançou Roberto, e o camisa 9 serviu a Robinho. De frente para Deola, ele só teve o trabalho de deslocar o goleiro para virar o jogo

Expulsão e pressão palmeirense

Os planos do Avaí iam bem até o fim do primeiro tempo. O lateral Pará, que já tinha cartão amarelo, aplicou um carrinho mais forte em Márcio Araújo e acabou expulso. Assim, Antônio Lopes teve de sacrificar Robinho para recompor o setor com Marcos. Do outro lado, Felipão resolveu mandar o Palmeiras ao ataque e aproveitar a vantagem numérica, lançando o centroavante Tadeu.

No começo, até que deu resultado. Mais presente no campo do adversário, o Verdão buscou o jogo e conseguiu chegar ao empate em um pênalti. Sim, em um pênalti. O time havia perdido oito das últimas dez cobranças, mas dessa vez Kleber bateu no meio do gol, com segurança, para espantar a sina das penalidades erradas. Foi o primeiro tento do Gladiador desde que voltou ao Verdão. Isso porque ele já havia errado um pênalti em sua estreia, no amistoso contra o XV de Piracicaba.

O melhor lance veio dos pés de Marcos Assunção – sempre na bola parada. Em outra boa cobrança de falta, ele quase fez um golaço. No entanto, Renan conseguiu voar na bola e fazer bela defesa.

A pressão palmeirense esfriou depois que o jogo ficou paralisado por cinco minutos. O motivo? A fumaça causada por sinalizadores acesos por torcedores do próprio Palmeiras. A “neblina” impediu que se praticasse futebol no gramado da Ressacada.

No retorno, parecia que era o Avaí o time com 11 jogadores em campo. Sem medo de arriscar, o time foi para cima, acertou bola na trave com Roberto e foi premiado já nos acréscimos. Aos 45min, o próprio Roberto sofreu pênalti e cavou a expulsão de Léo. Caio bateu, Deola defendeu, mas o meia pegou o rebote e finalizou com tranquilidade.

Dois minutos depois, o Verdão foi para o desespero e acabou levando o quarto gol em um contragolpe. Com Deola fora do gol, Roberto chutou de muito longe e acertou a meta vazia, para alegria do ilustre torcedor Gustavo Kuerten. O ex-tenista estava nas arquibancadas da Ressacada e saiu feliz com mais uma vitória do Leão.

AVAÍ 4 X 2 PALMEIRAS
Renan, Patric, Gabriel, Emerson e Pará; Marcinho Guerreiro, Rudnei (Diogo Orlando), Rivaldo e Caio (Émerson Nunes); Robinho (Marcos) e Roberto Deola, Vitor, Léo, Edinho e Gabriel Silva; Pierre (Tinga), Márcio Araújo (Tadeu), Marcos Assunção e Lincoln (Vinícius); Kleber e Ewerthon
Técnico: Antônio Lopes Técnico: Luiz Felipe Scolari
Gols: Gabriel Silva, aos 11min, Caio, aos 24min, Robinho, aos 40min do primeiro tempo; Kleber, aos 9min, Caio, aos 45min , e Roberto, aos 47min do segundo tempo
Cartões amarelos: Pierre, Ewerthon, Edinho, Léo (PAL); Pará, Emerson (AVA). Cartões vermelhos: Léo (PAL) e Pará (AVA)
Estádio: Ressacada, em Florianópolis (SC). Árbitro: Leonardo Gaciba (RS).
Auxiliares:
Paulo Ricardo Silva Conceição (RS) e Júlio Cesar Rodrigues Santos (RS)

julho 18, 2010 Posted by | Avaí, Palmeiras | , | Deixe um comentário

Inter não respeita o Vozão, derruba muralha e quebra invencibilidade

No Beira-Rio, Colorado faz 2 a 1 e se aproxima do G-4. Ceará perde pela primeira vez no Campeonato Brasileiro e vê a vice-liderança ameaçada

ntransponível, muralha, imbatível. Antes de enfrentar o Internacional, a defesa do Ceará foi coberta por merecidos elogios. Havia sofrido apenas um gol em oito rodadas do Brasileirão, o goleiro Diego não sofria gols há mais de 600 minutos, e a equipe estava invicta na competição. Se tabu existe para ser quebrado, o Colorado tratou de comprovar. Na tarde deste domingo, no Beira-Rio, o time de Celso Roth não foi brilhante, mas fez o que muita gente não conseguiu. Eficientes e aplicados no objetivo de chegar ao G-4, os vermelhos venceram por 2 a 1, gols de Alecsandro e Kleber, e têm 13 pontos, na sexta posição. Michel descontou para o Vozão. Se serve de consolo, a zaga comandada pelo técnico Estevam Soares ainda é a menos vazada da competição, com três gols sofridos. O time, que tentava assumir a liderança, continua com 18 pontos, mas vê a segunda posição ameaçada pelo Fluminense, que vai enfrentar o Santos.

O Inter volta a jogar na próxima quarta-feira, às 19h30m, contra o Atlético-MG, em Sete Lagoas, na Arena do Jacaré. O Ceará entra em campo na quinta, às 21h, contra o Guarani, em Campinas, no estádio Brinco de Ouro da Princesa.

O Ceará é forte candidato ao posto de time mais unido do Brasileirão. Os jogadores entram em campo de mãos dadas, fazem aquela rodinha da corrente positiva no gramado pouco antes de a bola rolar e, sobretudo, marcam o adversário em bloco. Naquele estilo unidos venceremos, todo mundo marca, inclusive os atacantes Washington e Misael, que muitas vezes recuam para dar uma força. No meio, Michel, Careca e João Marcos mordem, apertam, fungam no cangote mesmo. Só Geraldo joga um pouco mais solto. Mas o ferrolho é a defesa, com Oziel, Anderson, Jorge Luís e Ernandes. Sólida e sem vergonha de jogar para o mato.

No esquema 4-2-3-1 de Celso Roth, o Inter ganha agilidade e leveza no meio. Taison, D’Alessandro e Giuliano não guardam posição e se mexem muito. Os laterais Nei e Kleber não apoiam tanto. Talvez por isso a equipe tenha encontrado dificuldades para entrar na defesa do Vozão. Com exceção de uma chance de D’Ale, lançado por Sandro na área aos dez minutos, o Colorado produziu pouco. No lance, o argentino ficou livre, mas foi cercado pelo goleiro Diego na hora do chute.

Faltou espaço, faltou criatividade, mas sobrou paciência ao Inter. Em uma das trocas de posição dos meias, D’Alessandro caiu pela esquerda e acionou Giuliano na entrada da área. Esperto, o garoto tocou na frente para se livrar de dois marcadores e foi derrubado pouco depois da linha, aos 15. O árbitro Alício Pena Júnior marcou pênalti. Na cobrança, Alecsandro fez o quarto gol dele no Brasileiro e derrubou uma invencibilidade de 608 minutos (pouco mais de dez horas) do goleiro Diego, que não sofria gol no campeonato desde de o dia 16 de maio, no empate com o Santos. Aliás, último e único até então.

Se tem facilidade para destruir jogadas, o Ceará constrói quase nada. Apesar da desvantagem, a equipe de Estevam Soares só conseguiu fazer o goleiro Pato Abbondanzieri se mexer aos 22. Careca recebeu passe com liberdade na área vermelha, dominou bonito no peito e disparou. Pato espalmou pela linha de fundo. O Inter também diminiu o ritmo. O lance mais perigoso depois do gol foi uma cabeçada para fora de Sandro, nos acréscimos.

Se até então a defesa do Ceará havia sido vencida apenas em duas cobranças de pênalti, o Inter tratou de derrubar mais esta estatística. No primeiro minuto do segundo tempo, a união que marca o estilo de jogo do Vozão contaminou o Colorado. Jogo coletivo, bonito e veloz. Aberto pela esquerda, Taison viu D’Alessandro disparar para receber na área e passou por entre as pernas de Jorge Luís. O argentino rolou para trás, e Kleber encheu a canhota para fazer o segundo.

O Inter também é um time que sabe marcar com consistência e dá poucos espaços. Na velocidade, sai para o contra-ataque às vezes com quatro ou cindo jogadores. O Colorado quase ampliou, aos 11. Giuliano aproveitou uma sobra de bola na entrada da área, se aproximou do gol e bateu rasteiro, na trave direita de Diego.

O sistema ofensivo dos cearenses continuava limitado. Estevam Soares fez duas mudanças. Machucado, Misael deu lugar a Tony, enquanto Erick Flores substituiu um apagado Geraldo. Quem deu conta do recado mesmo foi Michel. Aos 17, o volante chutou de fora da área, a bola desviou no meio do caminho e enganou Pato: 2 a 1.

O gol recolocava o Ceará no jogo, que finalmente se lançou mais ao ataque. Faltava força e criatividade. Na frente, Washington foi pouco acionado e não teve chances. Com pleno domínio, o Colorado se preveniu na defesa, controlou a posse de bola e viu o tempo passar. O G-4 é logo ali.

INTERNACIONAL 2 X 1 CEARÁ
Pato Abbondanzieri, Nei, Bolívar, Índio e Kleber; Sandro, Wilson Matias (Glaydson), Giuliano (Andrezinho), D’Alessandro e Taison (Éverton); Alecsandro. Diego, Oziel, Anderson, Jorge Luís e Ernandes; Michel (Camilo), Careca, João Marcos e Geraldo (Erick Flores); Misael (Tony) e Washington.
Técnico: Celso Roth. Técnico: Estevam Soares.
Gols: Alecsandro, aos 16 minutos do primeiro tempo. Kleber, a um minuto, Michel, aos 17 do egundo tempo.
Cartões amarelos: Alecsandro, Wilson Matias, Sandro e Éverton (Inter); Michel e Washington (Ceará)
Estádio: Beira-Rio, em Porto Alegre. Data: 18/07/2010. Árbitro: Alício Pena Júnior/MG. Auxiliares: Guilherme Dias Camilo/MG e Jair Albano Felix/MG.

julho 18, 2010 Posted by | Ceará, Internacional | , | Deixe um comentário

Com gol de Petkovic, Fla vence o Atlético-GO no Serra Dourada

De pênalti, sérvio marca o gol da vitória e deixa o rubro-negro carioca na zona da Libertadores. Donos da casa seguem na lanterna

Pintado de rubro-negro, o Serra Dourada foi palco de um jogo aberto e com muitas chances de gols. Mas quem deixou o estádio satisfeito e motivado foi o Flamengo, que apesar de ter sido pressionado no fim do jogo, venceu o Atlético-GO por 1 a 0 na tarde deste domingo. O único gol do jogo foi marcado por Petkovic, em pênalti sofrido pelo jovem Diego Maurício.

Com o resultado, o Flamengo conseguiu sua segunda vitória seguida após a paralisação do Brasileiro por causa da Copa do Mundo. O time passou a somar 15 pontos e está na parte de cima da tabela, podendo acabar a rodada no G-4. Já o Atlético-GO segue sendo o lanterna da competição com apenas 4 pontos somados.

Na próxima rodada, o Flamengo enfrenta o Avaí, às 21h (horário de Braspilia), quarta-feira, no Maracanã. Já o Atlético-GO recebe o Corinthians, também na quarta-feira, no Serra Dourada.

Petkovic abre o placar de pênalti

O céu azul, temperatura agradável em pleno inverno e um campo de grandes dimensões sinalizavam que o jogo tinha tudo para ser bom. E foi isso que aconteceu no primeiro tempo. Os dois times procuraram jogar futebol e criaram inúmeras chances desde que a bola rolou.

Logo nos primeiros minutos, Flamengo e Atlético-GO tiveram faltas para bater perto da área. Mas as duas cobranças acabaram não levando tanto perigo. A primeira grande chance de gol mesmo aconteceu num lance inusitado, quando Dida foi realizar um cruzamento pela direita. A bola pegou uma curva diferente e obrigou a Marcelo Lomba fazer uma defesa improvisada.

Após esta chance, os dois times passaram a oscilar no ataque, sempre chegando sem maiores dificuldades. Afinal, o jogo esteve aberto e concentrado pelo lado esquerdo do Flamengo, onde Dida e Juan travaram bom duelo. Foi por ali que, após boa triangulação ofensiva aos 19 minutos, o lateral do rubro-negro carioca rolou a bola para Petkovic chutar forte por cima do gol.

A resposta do Atlético-GO veio em uma cobrança de falta de Robston, que obrigou Marcelo Lomba a fazer nova boa defesa, espalmando a bola para fora. No contra-ataque, o Flamengo quase abriu o placar. Vinícius Pacheco arrancou pela direita e cruzou na medida para Juan, que mesmo livre de marcação errou a cabeçada na pequena área.

A partir daí, o ritmo do jogo deixou de ser acelerado e os times passaram a cadenciar mais suas ações. Mas aos 30, o Atlético-GO assustou. Em cruzamento na área, Rodrigo Tiuí girou em cima de Angelim e finalizou rasteiro no meio do gol. Bem posicionado, Lomba evitou o gol. Cinco minutos depois, foi a vez do Flamengo responder. Diego Maurício recebeu a bola na ponta esquerda, passou por Dida, invadiu a área e foi derrubado por Gilson: pênalti. Na cobrança, Petkovic bateu com categoria: 1 a 0 Flamengo.

Com a vantagem o placar, o time carioca passou a valorizar um pouco mais a posse de bola até o fim do primeiro tempo.

Atlético-GO volta do intervalo mais ofensivo

Satisfeito com a postura do seu time, Rogério Lourenço não fez mudanças no intervalo. O mesmo não aconteceu com Roberto Fernandes, que fez duas substituições para deixar seu time mais ofensivo. O técnico do Atlético-GO tirou o volante Pituca para colocar o apoiador William, e Rodrigo Tiuí, com dores musculares, foi substituído por Juninho. O efeito das modificações foi logo percebido, já que os donos da casa começaram pressionando. O único susto até os primeiros 10 minutos só aconteceu num chutão errado de Welton Felipe, que quase marcou gol contra e obrigou o goleiro Marcio a fazer defesa.

Mais recuado por conta da pressão do adversário, o Flamengo passou a explorar os contra-ataques. Ao mesmo tempo, porém, não conseguia valorizar a posse de bola, nem prender o jogo no seu ataque ou até mesmo no campo do adversário. Talvez por isso Rogério Lourenço resolveu fazer sua primeira substituição justamente no setor. Aos 20, ele tirou Diego Maurício e promoveu a estréia do colombiano Cristian Borja.

No minuto seguinte, o Atlético-GO quase empatou o jogo num chute de Pedro Paulo. Marcelo Lomba teve de se esticar todo para espalmar a bola, que sobrou para Elias. Mas Léo Moura salvou o rebote. Depois disso, o jogo deu uma acalmada e as chances de gol passaram a ser mais escassas. Só aos 33 que os donos da casa tiveram uma chance melhor, quando Anaílson cruzou pela esquerda. Sem marcação, Juninho cabeceou para fora, por cima do gol.

Com a entrada de Rômulo no lugar de Kleberson, o Flamengo passou a segura mais a bola no ataque, mesmo sem criar boas oportunidades. Ao mesmo tempo, porém, passou a dar mais brechas na defesa. Talvez por isso, Rogério resolveu segurar o placar colocando mais um zagueiro em campo. Após boa estreia, Correa foi substituído por Fabrício.

No fim do jogo, a pressão dos donos da casa foi constante. A bola passou a cruzar a área flamenguista, gerando grande apreensão. Aos 43, Juninho tabelou com Anaílson e só não marcou porque a bola desviou em Ronaldo Angelim. Mas o Flamengo, que poderia ampliar com Cristian Borja nos acréscimos, conseguiu segurar o placar e deixou o Serra Dourada com os três pontos.

ATLÉTICO-GO X FLAMENGO
Márcio, Dida, Gilson, Welton Felipe e Chiquinho; Agenor, Pituca (William) (Anaílson), Robston e Elias; Pedro Paulo e Tiuí (Juninho).
Marcelo Lomba, Leonardo Moura, Welinton, Ronaldo Angelim e Juan; Willians, Correa (Fabrício), Kleberson (Kleberson) e Petkovic; Diego Mauricio (Cristian Borja) e Vinícius Pacheco
Técnio: Roberto Fernandes Técnico: Rogério Lourenço
Local: Serra Dourada, em Goiânia (GO). Horário: 16h (de Brasília)
Gols: Petkovic, aos 36 min do primeiro tempo. Léo Gago, aos 18 min do segundo tempo
Cartões amarelos: Pituca, Welton Felipe (Atlético-GO), Juan e Welinton (Flamengo). Cartões vermelhos: Chico e Eli Sabiá.
Árbitro: Paulo Cesar Oliveira (FIFA/SP)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (FIFA/SP) e Carlos Augusto Júnior (SP)
Público: 4530 pagantes Renda: R$ 72.930,00

julho 18, 2010 Posted by | Flamengo | , | Deixe um comentário

De volta ao Pacaembu, Corinthians pega o Galo

Depois de 45 dias, Timão volta ao seu estádio preferido e enfrenta o Atlético Mineiro pelo Brasileirão

Neste domingo, o Corinthians joga no Pacaembu pela primeira vez depois da parada da Copa do Mundo para enfrentar o Atlético-MG, às 16h. O Timão pode contar com o retorno de Dentinho e Jorge Herique, que voltaram a treinaram com bola na última sexta-feira e podem entrar em campo. Já o Galo terá que se virar sem Diego Tardelli, que tomou o terceiro cartão amarelo na partida contra o Atlético-GO e defalca o time mineiro.

Foram 45 dias longe do Pacaembu. A última partida do Timão no estádio aconteceu no dia 3 de junho, na vitória sobre o Internacional, por 2 a 0. Iarley e Roberto Carlos fizeram os gols do Alvinegro.

Apesar de ter mantido a liderança com o empate com o Ceará na última rodada, o Timão viu seus adversários se aproximarem e precisa de uma vitória para abrir distância das outras equipes. Mas, para isso, seus atacantes terão que se apresentar melhor do que na partida contra a equipe cearense.

Defederico, um dos responsáveis pelo ataque corintiano na última partida reconheceu que não apresentou um bom futebol. Mesmo assim, o jogador recebeu o apoio do treinador Mano Menezes:

– Se ele continuar trabalhando e se empenhando assim, vai ter mais chances e vai entrar. Ele fez algumas jogadas, foi para cima. Mas, às vezes, ainda erra muito. Precisamos melhorar isso – disse.

Mesmo confiando em Defederico, Mano Menezes pode achar a solução para o ataque do Corithians com o retorno de Jorge Henrique e Dentinho. Os dois jogadores se recuperaram de lesão e já treinaram com o resto do grupo. Porém, Mano pode resolver não utilizar os jogadores e esperar que eles adquiram uma melhor forma física.

Quem continua fora do time é Ronaldo, que faz trabalhos físicos para recuperar sua condição de jogo. O consultor médico, Joaquim Grava, chegou a dizer durante a semana que Fenômeno não está recuperado fisicamente e, por isso, não jogará a próxima partida do Corinthians.

Mano Menezes comentou a situação de Ronaldo e disse não ter pressa ara o retorno do camisa 9:

– Dentinho talvez volte no domingo, talvez na quarta-feira. Assim como o Jorge Henrique. Já o Ronaldo, vamos esperar mais um pouco. Não podemos antecipar algo que não precisa ser antecipado – afirmou.

Já o Galo vai para o duelo sem seu principal jogador. Autor de dois gols na vitória sobre o Atlético-GO na última quarta-feira, o atacante Diego Tardelli acabou recebendo o terceiro cartão amarelo e com isso está fora do duelo deste domingo. O técnico Vanderlei Luxemburgo deve aproveitar a ausência do capitão para voltar com o 4-4-2.

A grande novidade fica por conta da possível entrada do armador Diego Souza, que jogou apenas 21 minutos na vitória sobre o Dragão. Recém-contratado pelo Atlético, ele tem grandes chances de começar a partida jogando embora ainda não tenha sido confirmado no time titular por Luxa.

Os atleticanos não escondem que a grande preocupação está no setor defensivo. Com 18 gols sofridos, o Galo tem a pior defesa da competição e levou gols nas oito rodadas da competição.

– Tem que respeitar o Corinthians, mas eles também têm que nos respeitar porque também somos um time forte. Vamos a São Paulo para buscar os três pontos – declara o lateral-esquerdo Leandro.

FICHA TÉCNICA:
CORINTHIANS X ATLÉTICO-MG

Estádio: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 18/7/2010 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (CBF-DF)
Auxiliares: Enio Ferreira de Carvalho (DF) e Marrubson Melo Freitas (DF)

CORINTHIANS: Julio Cesar; Alessandro, Chicão, William e Roberto Carlos; Ralf, Elias, Bruno César e Danilo; Defederico (Jorge Henrique) e Iarley (Dentinho).Técnico: Mano Menezes.

ATLÉTICO-MG: Fábio Costa, Diego Macedo, Campos, Werley e Leandro, Zé Luis, Serginho, Fabiano (Diego Souza) e Ricardinho; Neto Berola e Ricardo Bueno.Técnico: Vanderlei Luxemburgo. .

julho 18, 2010 Posted by | Atlético-MG, Corinthians | , , | Deixe um comentário

Inter busca embalar diante do vice-líder Ceará

Colorado quer a segunda vitória sob o comando de Roth

Com o moral inflado pelos 3 a 0 que aplicou no Guarani no Brinco de Ouro, na última rodada, o Internacional recebe o vice-líder Ceará no Beira-Rio, neste domingo, às 16h, pensando em continuar sua recuperação.

Nas sete rodadas anteriores ao recesso, o Colorado fez uma campanha lamentável: perdeu quatro jogos, sendo dois em casa, e venceu apenas dois. O ataque não funcionou (11 gols), e a defesa foi uma peneira (13). Eram os tempos do técnico uruguaio Jorge Fossati e, nos últimos três jogos, do interino Enderson Moreira. Com Celso Roth, tudo mudou.

Depois de um mês de pauleira nos treinos, o Inter reapareceu mordendo – isto é, a marcação ficou mais forte. Uma de suas antigas qualidades, a posse de bola, que Fossati não apreciava tanto, ressurgiu. E o esquema tático foi simplificado. Voltou a ser o bom e velho 4-4-2, embora Roth fale em 4-5-1 com variação para o 4-3-3.

Tudo isso funcionou contra o Guarani. Resta saber como serão as coisas contra o fantasma chamado Ceará, vice-líder do campeonato.

No próximo duelo, o Inter deve repetir a formação inicial do Brinco de Ouro. Embora esteja praticamente recuperado da pancada que levou na perna esquerda, Guiñazú deve continuar de fora, sendo substituído por Wilson Mathias. E Andrezinho, apesar do grande segundo tempo contra o Guarani, seguirá como alternativa.

Roth encara essa partida como um teste muito importante. O Ceará tem o sistema defensivo mais eficiente do campeonato, apenas um gol sofrido em oito rodadas, e utiliza as mesmas armas que o Colorado usou para abater o Guarani: defesa fechada e contragolpes em velocidade.

– Esqueçam o jogo de Campinas. Este será mais difícil, apesar de ser em casa – alertou o técnico.

– Acho que devemos usar a paciência e o toque de bola em vez de explorar a bola longa – sugeriu o ágil Taison, destaque na vitória de quarta-feira justamente pelas disparadas sobre a frágil defesa do Bugre.

Ceará tem a volta de Anderson e Heleno para duelo com Internacional

Com a melhor defesa da competição, o time do técnico Estevam Soares terá a volta do zagueiro Anderson, um dos destaques do setor defensivo da equipe. O jogador cumpriu suspensão no empate com o Corinthians e está à disposição do treinador para o próximo jogo.

– Nunca é bom ficar fora do time, pois a gente não pode fazer muita coisa a não ser torcer bastante. A equipe teve uma boa atuação contra o Corinthians e poderia ter saído do Castelão com a vitória. Infelizmente, cumpri suspensão, mas estou de volta e feliz por ver que o Ceará tem hoje um elenco forte, com jogadores capazes de suprir ausências em jogos importantes. Nosso sistema defensivo está tão sólido que funciona bem mesmo quando algum jogador está ausente – declarou Anderson.

Além do zagueiro, Estevam Soares poderá contar ainda com o volante Heleno, que também cumpriu suspensão no último compromisso da equipe alvinegra no Campeonato Brasileiro. Em contrapartida, o zagueiro Fabrício recebeu o terceiro cartão amarelo e desfalcará o time. Com isso, a tendência é que Jorge Luiz e Anderson formem a dupla de zaga titular.

Como a equipe do Ceará sairá direto de Porto Alegre para Campinas, onde se concentra para o jogo contra o Guarani na quinta-feira, Estevam Soares relacionou 20 atletas para a viagem, incluindo o zagueiro Fabrício, que deverá voltar ao time contra a equipe de Campinas.

FICHA TÉCNICA

INTERNACIONAL X CEARÁ

Local: Beira-Rio, Porto Alegra (RS)
Data e Hora: 18/7/2010 – 16h
Árbitro: Alício Pena Junior (MG)
Auxiliares: Guilherme Dias Camilo (MG) e Jair Albano Félix (MG)

INTERNACIONAL: Abbondanzieri; Nei, Bolívar, Indio e Kleber; Sandro, Wilson Mathias, Giuliano e D’Alessandro; Taison e Alecsandro. Técnico: Celso Roth.

CEARÁ: Diego; Oziel, Jorge Luiz, Anderson e Ernandes; Michel, Heleno, João Marcos e Geraldo; Misael e Washington. Técnico: Estevam Soares

julho 18, 2010 Posted by | Ceará, Internacional | , | Deixe um comentário

Grêmio visita Prudente em busca de reação

Equipe de Porto Alegre quer afastar-se da zona de rebaixamento, onde se encontra rival deste domingo

O Grêmio Prudente recebe neste domingo, às 18h30, o seu xará, Grêmio de Porto Alegre, no Estádio Prudentão. As duas equipes passam por um mal momento no Brasileirão e precisam da vitória para terem um pouco de paz nas próximas rodadas

No Grêmio Prudente, o desgaste físico é a maior preocupação do técnico Toninho Cecílio para a partida. O elenco do Abelha desembarcou em Prudente na tarde de quinta e fez na sexta-feira, no local da partida, o único treino para o jogo. Foi um trabalho de movimentação e depois o tradicional rachão.

O goleiro Marcio, que saiu lesionado no empate contra o Fluminense, na rodada passada, será substituído por Giovani. O zagueiro Diego cumpriu suspensão automática pelo terceiro cartão amarelo e fica a disposição do treinador.

Já o Grêmio de Porto Alegre precisa da vitória sobre o Grêmio Prudente para afastar a ameaça de crise. Uma derrota pode empurrar o time para a zona de rebaixamento e aí tudo pode acontecer. Inclusive a queda da direção de futebol e do técnico Silas.

A contestação ao treinador, que sempre existiu, se intensificou depois do empate em casa com o Vitória, na quarta-feira. Nem tanto pelo resultado de 1 a 1, mas sim pela atuação do time, que jogou muito mal. Em parte por culpa do técnico, que não aproveitou a pré-temporada para aprimorar o entrosamento de um time-base.

Mas o Tricolor pode muito bem reverter a situação. O meio-campo terá o retorno de dois jogadores fundamentais: Rochemback e Douglas. O primeiro cumpriu suspensão e o segundo não atuou porque estava gripado.

Rochemback é o segundo-volante que dá qualidade à saída de jogo. Além disso, faz cobranças de faltas laterais com muito veneno.

Douglas, o maior talento individual do elenco (apesar dos períodos de apatia), é o homem dos lançamentos e das chegadas surpreendentes. Com ele, os atacantes Jonas e Borges crescem de produção e ganham um parceiro na área.

Em relação à equipe que Silas considera titular, há dois desfalques: o lateral-esquerdo Fábio Santos e o meia Leandro, ambos com lesão muscular. O zagueiro Neuton continuará improvisado na lateral-esquerda. Na volta de Douglas, Hugo deveria sair. Mas, devido à lesão de Leandro, ele vai ficar.

FICHA TÉCNICA:
GRÊMIO PRUDENTE X GRÊMIO

Estádio: Prudentão, Presidente Prudente (SP)
Data/hora: 18/7/2010 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Arilson Bispo da Anunciação (CBF-BA)
Auxiliares: Alessandro Álvaro Rocha de Matos (BA) e Adaílton José de Jesus Silva (BA)

GRÊMIO PRUDENTE: Giovanni; Paulo César, Anderson Luis, Leonardo e Diego (Marcelo Oliveira); Rodrigo Mancha, João Vitor, Marcelo Oliveira (Deyvid Sacconi) e Wesley; Araújo e Wanderley. Técnico: Toninho Cecílio.

GRÊMIO: Victor; Edilson, Rafael Marques, Rodrigo e Neuton; Adilson, Rochemback, Hugo e Douglas; Jonas e Borges. Técnico: Silas.

julho 18, 2010 Posted by | Grêmio, Grêmio Prudente | , | Deixe um comentário

Palmeiras visita o Avaí na reestreia do técnico Felipão

Verdão tenta manter boa fase após vitória sobre o Santos, quinta-feira

Depois da excelente vitória no clássico contra o Santos, no retorno do Campeonato Brasileiro após a pausa para a Copa do Mundo, o Palmeiras já vai em busca da sua segunda vitória seguida na competição, desta vez contra o Avaí, neste domingo, às 16h, na Ressacada, em Florianópolis.

O jogo deverá marcar a reestreia do técnico Luiz Felipe Scolari no comando do Verdão. O treinador, que foi apresentado na última quinta-feira, jáobservou o time no clássico contra o Peixe no Pacaembu , e deverá estar na beira do gramado pela primeira vez desde que retornou ao clube.

Por outro lado, o Verdão terá um importante desfalque. O goleiro Marcos, que ainda não se recuperou de uma cirurgia no joelho esquerdo, ficará fora e deve voltar ao time na próxima semana. Já o zagueiro Danilo, suspenso por nove jogos pelo STJD pela confusão com o zagueiro Manoel, do Atlético-PR, em jogo da Copa do Brasil, também não joga.

A boa notícia é o retorno do volante Pierre, que se recuperou de uma inflamação da planta do pé direito e foi relacionado para o jogo por Felipão.

Já o Avaí está embalado depois da vitória por 2 a 1 sobre o São Paulo, e para o jogo diante do Verdão, o técnico Antônio Lopes, que estreou no Morumbi, pretende repetir a formação que conseguiu os três pontos diante do Tricolor.

No dia anterior ao triunfo contra o São Paulo, Antônio Lopes destacou a organização, a postura e a movimentação defensiva como os pontos fortes da equipe de Florianópolis.

Contra o Verdão, a esperança de gols dos catarinenses está nos pés de Roberto, artilheiro do time na temporada com 13 gols. O atacante classificou a próxima partida como ainda mais difícil do que o jogo anterior.

– Eu estou muito feliz pelo momento e espero ajudar o Avaí marcando muitos gols – destacou o atacante Roberto.

FICHA TÉCNICA
AVAÍ X PALMEIRAS

Estádio: Ressacada, Florianópolis (SC)
Data e Hora: 18/7/2010 – 16h
Árbitro: Leonardo Gaciba da Silva (RS)
Auxiliares: Paulo Ricardo Silva Conceição e Júlio César Rodrigues Santos (ambos RS)

AVAÍ: Renan; Patric, Gabriel, Emerson e Eltinho; Marcinho Guerreiro, Rudnei, Rivaldo e Caio; Robinho e Roberto. Técnico: Antônio Lopes.

PALMEIRAS: Deola; Vitor, Léo, Mauricio Ramos e Gabriel Silva; Edinho, Pierre, Marcos Assunção e Lincoln; Ewerthon e Kleber. Técnico: Luiz Felipe Scolari

julho 18, 2010 Posted by | Avaí, Palmeiras | , | Deixe um comentário

Para esquecer tropeços, Santos e Fluminense se encaram na Vila

Peixe foi derrotado pelo Palmeiras, enquanto Tricolor empatou com o Prudente

Santos e Fluminense se encaram neste domingo, às 18h30 (de Brasília), na Vila Belmiro, com transmissão em tempo real do LANCENET!, querendo esquecer os resultados ruins que amargaram na última rodada.

O Peixe foi derrotado no clássico diante do Palmeiras, no Pacaembú, por 2 a 1 e acabou ficando na quarta colocação com 12 pontos. Já o empate do Tricolor diante do Grêmio Prudente no Maracanã teve um amargo.

O Fluminense precisava apenas de uma vitória para assumir liderança do Brasileiro, porém acabou decepcionando os torcedores que compareceram em bom número ao Maracanã.

VITÓRIA PARA SUBIR NA TABELA

Na última partida, contra o Verdão, no Pacaembu, Dorival Júnior viu sua equipe fazer um jogo pouco produtivo. Sem Paulo Henrique Ganso podendo atuar durante os 90 minutos, pois ainda se recupera de cirurgia no joelho, o Peixe sofreu para criar boas jogadas. Com Alan Patrick e Madson sobrecarregados, poucas bolas chegaram para o centroavante André. Além deles, Neymar também não produziu seu melhor futebol.

Para o confronto, Marquinhos e Léo continuam fora. O meia, com lesão na coxa direita, permanece sem atuar. Já o experiente lateral, teve um retrocesso em sua recuperação no estiramento na coxa esquerda e permanece ausente por mais duas semanas.

Por outro lado, Robinho já está liberado pelo departamento médico e depende da avaliação de Dorival Júnior para ir para o jogo. Com o setor ofensivo pouco produtivo contra o Palmeiras, o craque que participou da Copa do Mundo deve ser titular. Além dele, Paulo Henrique Ganso já se diz pronto para atuar os 90 minutos e deve começar como titular.

VENCER PARA BUSCAR A LIDERANÇA

O Fluminense entra em campo precisando da vitória para buscar a liderança. Para esta partida, o time que empatou diante do Grêmio Prudente, deverá ser o mesmo time. A única dúvida fica por conta da zaga que terá volta de Leandro Euzébio, suspenso. Com isso André Luis pode voltar para o banco.

Para o lateral-direito Mariano, apesar do Santos possuir um bom time, não é impossível o Tricolor sair com um bom resultado da Vila Belmiro.

– A equipe do Santos jogando na Vila é dito imbatível. Todo time que vai lá luta bastante. Com a gente não vai ser diferente. Sabemos da dificuldade que vai ser e temos que estar bastante ligados. Sabemos que estamos numa fase boa e esperamos continuar assim – disse.

FICHA TÉCNICA:
SANTOS X FLUMINENSE

Estádio: Vila Belmiro, Santos (SP)
Data/hora: 18/7/2010 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Edílson Pereira de Carvalho (Fifa-SP)
Auxiliares: José Antônio das Couves (SP) e Marco Antônio Abade (SP)

SANTOS: Rafael, Maranhão, Edu Dracena, Durval e Pará; Arouca, Wesley e Paulo Henrique; Neymar, Robinho (Madson) e André Técnico: Dorival Júnior.

FLUMINENSE: Fernando Henrique; Mariano, Gum, André Luis (Leandro Euzébio) e Carlinhos; Diogo, Diguinho, Marquinho e Conca; Alan e Fred. Técnico: Muricy Ramalho.

julho 18, 2010 Posted by | Fluminense, Santos | , , | Deixe um comentário

Atlético-GO e Flamengo se enfrentam em momentos diferentes

Goianos tentam se livrar da zona do rebaixamento e cariocas miram o G-4

Lutando para sair da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, o Atlético Goianiense recebe o Flamengo no Serra Dourada, neste domingo, às 16h (de Brasília). O Rubro-Negro, com 12 pontos e ânimo renovado após a vitória no clássico contra o Botafogo, busca uma vaga no G4. Os goianos querem se recuperar da derrota na última rodada para o xará mineiro.

Correa estreia e Rogério quer aproveitar a oportunidade

Na equipe carioca, a novidade é a estreia do volante Correa, que já tem seu nome registrado na CBF e está liberado para atuar. O jogador prega respeito ao adversário, mas quer repetir o resultado da última quarta-feira.

– O Atlético não vem em um bom momento e precisa da vitória, vai estar em casa, e temos que ter toda a atenção. Estamos pensando grande. Ganhamos um clássico, mas o campeonato é muito equilibrado e precisamos manter uma sequência e procuramos fazer mais um grande jogo. A cobrança vai existir e temos que entrar forte neste jogo para conseguirmos mais três pontos – disse.

O técnico rubro-negro, Rogério Lourenço, usa o mesmo discurso do volante, e quer aproveitar a oportunidade para subir na tabela.

– É uma partida importante. Temos todas as possibilidades de sair de lá no G4. Futebol é oportunidade. Cada jogo é uma decisão e temos que tratar um jogo de cada vez, mas é uma grande chance. Temos um adversário em situação complicada. Não pode haver menosprezo e achar que vai ser fácil. Procurei conversar isso com os jogadores – afirmou.

Três modificações e atenção redobrada

No Atlético Goianiense, três alterações em relação ao time que perdeu por 3 a 2 para o Atlético-MG. Uma técnica e duas por causa de suspensões. Welton Felipe assumirá a vaga de Jairo, expulso contra o Galo. Marcão, suspenso pelo acúmulo de amarelos, cede a vaga para Juninho e Elias – que entrou no segundo tempo contra o Atlético-MG e foi bem – ganhou a posição de Ramalho na meia cancha.

Destaque do Atlético e principal referência ofensiva, Rodrigo Tiuí disse que o Atlético precisa ter atenção para não voltar a perder na Série A.

– Somos os lanternas e precisamos jogar fechados, buscando contra-ataques, principalmente nesta sequência de jogos muito complicados contra grandes clubes como Atlético e Flamengo. Mas não podemos vacilar. Contra o Galo levamos três gols. Aí fica difícil de recuperar – alertou.


FICHA TÉCNICA
FLAMENGO X ATLÉTICO-GO

Estádio: Serra Dourada, Goiânia (GO)
Data/hora: 18/7, 16h (de Brasília)
Árbitro: Paulo Cesar de Oliveira (FIFA/SP)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (FIFA/SP) e Carlos Augusto Júnior (SP)

ATLÉTICO-GO: Marcio, Dida, Gilson, Welton Felipe e Chiquinho; Agenor, Pituca, Robston e Elias; Juninho e Tiuí
Técnico: Roberto Fernandes

FLAMENGO: Marcelo Lomba, Léo Moura, Welinton, Ronaldo Angelim e Juan; Willians, Correa, Kleberson e Petkovic; Vinícius Pacheco e Diego Mauricio
Técnico: Rogério Lourenço

julho 18, 2010 Posted by | Flamengo | , | Deixe um comentário

Botafogo e Guarani jogam em busca de reabilitação imediata

Partida no Engenhão une adversários em objetivo pelos três pontos

Recuperação. Antes de qualquer outra apresentação do duelo entre Botafogo e Guarani, próximo domingo, às 18h30, no Engenhão, vale destacar que a partida válida pela nona rodada do Brasileiro envolve dois clubes que necessitam com urgência de uma vitória. Para o Alvinegro, que joga em casa, o confronto é visto como a oportunidade de ouro para encerrar a escrita de cinco jogos sem vitória na competição.

Já pelo lado do clube de Campinas, os três pontos serviriam para a torcida esquecer a derrota em casa por 3 a 0 para o Internacional na última rodada do Brasileirão. Além de apagar a lembrança ruim, um triunfo no Rio de Janeiro deixaria o Guarani mais perto dos líderes da competição e empurraria o Glorioso até mesmo para a zona de rebaixamento.

HORA DA MUDANÇA ALVINEGRA

O clima de tristeza no Botafogo após a derrota por 1 a 0 diante do Flamengo, na última quarta-feira, precisou ficar de lado para que o foco no Guarani não fosse colocado em segundo plano. Joel Santana precisou arregaçar as mangas com rapidez e prometeu mudanças na equipe. Nesta sexta-feira o técnico promoveu algumas alterações na equipe durante a parte final do treino e justificou a afirmação.

Com Antônio Carlos suspenso pelo terceiro cartão amarelo, Danny Morais e Edson disputam vaga na defesa ou podem até mesmo entrar juntos no esquema com três zagueiros, já que uma das surpresas na atividade de sexta foi a entrada de Edson no lugar de Fábio Ferreira. De garantida, somente a volta de Somália, que já foi confirmada por Joel e provavelmente será no lugar de Sandro Silva, negociado com o Málaga (ESP).

Outro que está pronto para o duelo é Jefferson. Um dos líderes do grupo, o goleiro classificou a vitória como fundamental. Segundo o arqueiro, os jogadores estão cientes da responsabilidade para este confronto.

– Para o grupo não existe essa desculpa de que o campeonato ainda está esquentando. Queremos fazer do Engenhão um caldeirão e ganhar do Guarani. Este jogo é fundamental – afirmou o camisa 1.

MISTÉRIO DO BUGRE

Após a derrota pesada por 3 a 0, contra o Internacional, na quarta-feira, o Guarani busca a reabilitação no Brasileirão. Para o confronto contra o Botafogo, o Bugre não contará com o lateral-esquerdo Márcio Careca, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Para substituí-lo, Fabiano deve ser o escolhido.

Entretanto, o técnico Vágner Mancini pode promover mais alterações na equipe. Disposto a continuar a surpreendente campanha no Brasileirão, construída antes da parada para a Copa do Mundo, o treinador deve trocar outros dois ou três atletas, em relação ao time que enfrentou o Internacional. Porém, Mancini confirma que só divulga o time minutos antes do confronto.

Recém-contratados, o apoiador Vitor Júnior e o atacante Rômulo ainda não participarão da partida. Além deles, o lateral direito Apodi, que também chegou durante a pausa para a Copa do Mundo, fica como opção no banco de reservas.

FICHA TÉCNICA:
BOTAFOGO X GUARANI

Estádio: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 18/7/2010 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Célio Amorim (SC)
Auxiliares: Carlos Berkenbrock (Fifa-SC) e Claudemir Maffessoni (SC)

BOTAFOGO: Jefferson, Fahel, Danny Morais e Edson; Alessandro, Leandro Guerreiro, Somália, Lucio Flavio e Marcelo Cordeiro; Caio e Herrera. Técnico: Joel Santana.

GUARANI: Douglas, Rodrigo, Sabão, Ailson e Fabiano; Renan, Paulo Roberto, Preto e Baiano; Mazola e Ricardo Xavier. Técnico: Vágner Mancini.

julho 18, 2010 Posted by | Botafogo | , | Deixe um comentário

Cruzeiro e Goiás se enfrentam de olho em um lugar no G4 do Brasileirão

Quem vencer o confronto direto entre as equipes – dependendo de outros resultados – poderá garantir a vaga no grupo dos quatro primeiros colocados

O Cruzeiro estreará oficialmente na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, estádio que será palco da maioria de suas partidas no restante do Brasileirão. Com 12 pontos, a Raposa ocupa a quinta colocação e tentará chegar ao grupo dos que estariam classificados para a disputa da Taça Libertadores do ano que vem. Já o Goiás vem um pouco abaixo na tabela, na 11ª posição. Porém, a equipe esmeraldina tem apenas um ponto a menos que os celestes.

Além de buscar os três pontos, os dois times ainda torcerão por outros resultados que lhes permitam sonhar com uma vaga no grupo dos quatro primeiros. O confronto está marcado para as 18h30m (de Brasília).

De volta à ‘Lagoa Azul’

O técnico Cuca deverá mandar a campo a mesma equipe que venceu o Atlético-PR por 2 a 0, em Curitiba. Com dois meias – Gilberto e Roger –, a Raposa buscará um melhor retrospecto dentro de casa. Atualmente, o Cruzeiro é o 16º como mandante, com apenas cinco pontos nos três jogos.

Durante a intertemporada, o time mineiro atuou na Arena do Jacaré, diante do Tupi, e venceu por 3 a 0. O técnico Cuca – empolgado pela vitória na estreia, convocou a torcida para lotar a ‘Lagoa Azul’, apelido carinhoso criado pelo treinador, em uma referência à cidade de Sete Lagoas, local da partida.

– Aproveito para chamar o torcedor para o domingo, lá na nossa ‘Lagoa Azul’, que a gente tem chamado carinhosamente. É a nossa casa, a 70 quilômetros. Dá para ir tranquilo com a família. O torcedor vai ver de novo o Cruzeiro com muita vontade de vencer e, se Deus quiser, buscando mais uma vitória, quem sabe entrando no G-4.

Com problemas no meio-campo e no ataque, o técnico Emerson Leão ainda não definiu o time que enfrentará o Cruzeiro. O jovem Bernardo não poderá entrar em campo contra o ex-clube, por questões contratuais, e o meia Hugo, gravemente lesionado, poderá ser devolvido ao Atlético-MG. Assim, o treinador estuda duas possíveis formações.

Em uma delas, o experiente Romerito faria a ligação entre o meio-campo e o ataque. Nesse caso, Otacílio Neto ganharia uma vaga. Outra alternativa seria a entrada de Rafael Moura no ataque, com Otacílio recuado, e Romerito sacado.

O Esmeraldino está fortalecido pela sequência de cinco partidas sem derrotas no Campeonato Brasileiro (dois empates e três vitórias) – uma delas fora de casa, contra o São Paulo.

CRUZEIRO X GOIÁS
Fábio; Jonathan, Caçapa, Gil e Diego Renan; Fabrício, Henrique, Gilberto e Roger; Wellington Paulista e Thiago Ribeiro. Rodrigo Calaça; Carlos Alberto, Rafael Tolói, Ernando e Wellington Saci; Amaral, Jonílson, Wellington Monteiro e Romerito; Everton Santos e Otacílio Neto.
Técnico: Cuca Técnico: Emerson Leão
Estádio: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG). Data: 18/7/2010.Horário: 18h30m (de Brasília). Árbitro: Sálvio Espínola Fagundes Filho (Fifa/SP). Auxiliares: Ednílson Corona (Fifa/SP) e Marcelo Carvalho Van Gasse (SP).
Transmissão: O PFC, pelo sistema pay-per-view, exibe a partida para todo o país.
Tempo Real: O GLOBOESPORTE.COM acompanha, a partir das 18h30m.

julho 18, 2010 Posted by | Cruzeiro, Goiás | , | Deixe um comentário