Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Em aperitivo para Libertadores, São Paulo bate o Inter no Beira-Rio: 2 a 0

Fernandão marca o primeiro pelo Tricolor justamente contra o ex-clube

Internacional e São Paulo, que se enfrentarão nas semifinais da Libertadores após a Copa do Mundo, tiveram uma prévia  do que poderá ser o confronto. Um aperitivo saboroso para os tricolores e amargo para os colorados. Pelo Brasileiro, as duas equipes duelaram na tarde deste domingo, no Beira-Rio, e o visitante levou a melhor, vencendo por 2 a 0, com um gol curioso de Hernanes e outro de Fernandão, que já foi campeão da Libertadores e do Mundial pelo Colorado em 2006. Foi o primeiro gol do jogador pelo São Paulo

A vitória foi a primeira do Tricolor na competição. O time tem agora quatro pontos, na 11ª posição. Já o Inter está com três pontos e vem logo atrás, em 13º. Na próxima rodada, o São Paulo encara o clássico contra o Palmeiras, na quarta-feira, no Morumbi, às 21h. O Colorado enfrenta o Vasco na quinta-feira, em São Januário, no mesmo horário.

Tricolor abre o placar em lance curioso

Pelo menos no encontro válido pelo Brasileiro, Fernandão foi bem recebido no Beira-Rio. A torcida aplaudiu o atacante e cantou a música que era dele na época colorada. Mas quando a bola rolou o jogador não teve a mesma recepção amigável dos atletas do Inter. Bastante marcado, ele tinha dificuldade para encontrar espaços.

Aliás, o jogo era bastante truncado, com as duas equipes apertando a marcação e inibindo as boas jogadas. Miranda logo foi baixa no São Paulo. Em uma disputa de bola, sentiu dores na panturrilha aos 19 minutos e precisou ser substituído por Xandão.

Com tanta marcação, as melhores chances só começaram a sair depois dos 30 minutos. E foram do anfitrião. Everton obrigou Ceni a fazer uma defesa de soco. No rebote, o goleiro tricolor salvou o time com um toque típico de jogador de vôlei, afastando o perigo. O torcedor colorado vibrou muito com as oportunidades.

O Inter acordou, mas quem marcou foi o São Paulo, de forma bastante inusitada. Em uma cobrança de falta perto da grande área, Hernanes chutou e a bola bateu na barreira. Só que ela voltou para o pé do volante, que completou despretensiosamente. Toda da defesa colorada ficou parada e viu a bola entrar no cantinho de Abbondanzieri, que já estava afastado e não conseguiu voltar para defender: 1 a 0 para o Tricolor, aos 37 minutos. O dono da casa não reagiu e foi para o vestiário com a derrota parcial.

Fernandão desencanta pelo Tricolor justamente contra o Inter

Precisando se recuperar, o Inter voltou para a segunda etapa mais ofensivo, mesmo sem mexer na escalação. Walter obrigou Ceni a trabalhar logo no primeiro minuto. Aos oito, Guiñazu poderia ter chutado direto para o gol, mas passou para Kleber, que não foi feliz na conclusão. Aos 12, foi a vez de Sandro soltar uma bomba pela direita, para mais uma defesa do camisa 1 são-paulino.

INTERNACIONAL 0 X 2 SÃO PAULO
Abbondanzieri, Bolívar, Sorondo e Fabiano Eller (Fabiano Eller); Glaydson, Sandro (Alecsandro), Guiñazu, Giuliano e Kleber; Walter (D’Alessandro) e Everton. Rogério Ceni, Alex Silva, Miranda (Xandão) e Richarlyson; Cicinho, Rodrigo Souto (Jean), Hernanes, Marlos (Jorge Wagner) e Junior Cesar; Fernandão e Dagoberto.
Técnico: Jorge Fossati Técnico: Ricardo Gomes
Gols: Hernanes, aos 37 minutos do primeiro tempo; Fernandão, aos 17 minutos do segundo tempo.
Cartão amarelo: Bolívar (Internacional); Richarlyson (São Paulo).
Estádio: Beira-Rio, em Porto Alegre (RS). Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa/RJ)
. Auxiliares: Hilton Moutinho Rodrigues (Fifa/RJ) e Dilbert Pedrosa Moisés (Fifa/RJ). Público: 25.185 Renda: R$ 441.055,00

maio 23, 2010 Posted by | Internacional, São Paulo | , , | Deixe um comentário

Arretado, Ceará martela até o fim e vence o Vitória em duelo nordestino

Gol de Washington aos 47 minutos do segundo tempo garante triunfo e coloca time da casa no quinto lugar do Brasileirão

Perseverança. Essa é a palavra que resume a vitória do Ceará sobre o Vitória, por 1 a 0, neste domingo, no Castelão, pela terceira rodada do Brasileirão. Com a experiência de quem esperou 17 anos para voltar à elite do futebol nacional, não foi difícil para o Vovô aguardar pacientemente 92 minutos para balançar as redes com Washington e levar a melhor no encontro das duas equipes nordestinas da Série A.

Mais do que uma simples vitória, o gol aos 47 do segundo tempo colocou os cearenses no quinto lugar da competição. Invicto e com sete pontos, a equipe fica atrás apenas dos gigantes Corinthians, Botafogo e Palmeiras, e do surpreendente Avaí. Já o Vitória vive situação oposta. Classificada para a final da Copa do Brasil, a equipe finalmente voltou suas atenções exclusivamente para o Brasileirão e a realidade encontrada não é nada agradável: com apenas um ponto, está em 17ª, na zona de rebaixamento.

Na próxima rodada, os baianos reencontram o torcedor e recebem o Atlético-MG, quarta-feira, às 19h30m (de Brasília), no Barradão. Já o Ceará encara o Goiás, no dia seguinte, às 21h, no Serra Dourada.

Muita disposição e pouca qualidade. Empurrado pelo torcedor, que compareceu novamente em bom número no Castelão, o Ceará bem que tentou se impor diante do coirmão nordestino, mas só a vontade não bastou. Com imensa superioridade na posse de bola, o Vovô se manteve no campo de ataque por quase toda a etapa inicial. Entretanto, o goleiro Vinícius pouco trabalhou.

Ainda no embalo da classificação para a semifinal da Copa do Brasil, o Vitória parecia jogar com preguiça e assustou somente na primeira conclusão da partida. Aos quatro minutos, o cearense Júnior, conhecido como Pipoca em sua terra natal, concluiu de fora da área por cima do gol. Depois disso, o que se viu foi apenas ataque do lado preto e branco.

Aos sete, Ernandes tocou para Misael, que chutou forte e parou em Vinícius. Dois minutos depois, o lateral-esquerdo mais uma vez armou a jogada e serviu Washington. O atacante fez o trabalho de pivô, girou e concluiu para fora. Apesar de tomar a iniciativa do jogo, o Ceará ficava muito refém de seus laterais e apelava para o chuveirinho, quase sempre cortado pela defesa baiana.

Cansado de tanto levantar a bola na área, o lateral-direito Diogo resolveu chamar para si a responsabilidade. Aos 23, ele gingou para cima de Maurim, cortou para dentro, cortou para fora, e soltou chutou forte e cruzado. Vinícius espalmou para fora. Sonolento, o Vitória tinha ações ofensivas restritas aos lances individuais ou de bola parada do jovem Elkesson. Nada digno de registro.

O marasmo da partida deu um tempo aos 32. Mas não por qualquer grande jogada. Após falta no meio-campo, Heleno e Júnior se enroscaram e receberam o cartão vermelho. Foi a segunda expulsão do volante cearense em duas partidas no Brasileirão. Com mais espaço em campo, o Vovô seguia dono da bola, mas errava muitos passes.

Diante de tanta falta de criatividade, a jogadinha com Ernandes avançando pela esquerda e centrando para o trabalho de pivô de Washington se repetiu aos 44. Mais uma vez sem sucesso. Foi o lance final de um primeiro tempo muito corrido e pouco jogado.

Segundo tempo sonolento

Como se seguissem um roteiro, Vitória e Ceará voltaram para a segunda etapa da mesma maneira que foram para o intervalo. O time da casa tinha posse de bola e pouco criava. Os visitantes não faziam questão de jogar e apenas marcavam. Dos dois lados, os goleiros somente observavam.

Pelos cearenses, Washington era o único que conseguiu arrancar o “uh” da arquibancada. Aos dois, ele emendou bonito após cobrança de escanteio e a bola passou perto do travessão. Desorganizado, o Vitória errava muitos passes e até os 10 praticamente não tinha passado do meio-campo. Neste período, Geraldo desperdiçou duas boas oportunidades em cobranças de faltas pela lateral.

Diante da inoperância do meio-campo, a torcida presente no Castelão pediu a entrada do jovem Erick Flores. PC Gusmão acatou e o colocou no lugar de Geraldo. Pouco adiantou e a melhor oportunidade surgiu nos pés de um volante. Aos 19, Michel encheu o pé de muito longe e obrigou Vinícius a fazer defesa complicada. No rebote, Misael se enrolou todo e perdeu boa chance.

Como quem não quer nada, a equipe baiana começou a se aventurar no ataque. Porém, bastava chegar na intermediária para arriscar cruzamentos longos. Em um deles, aos 23, Diego se atrapalhou, mas foi salvo pela zaga.

Com o Vitória praticamente não assustava, Michel voltou a abandonar suas funções defensivas e se mandou para o ataque. Aos 37, o volante apareceu como um raio após cobrança de escanteio e cabeceou firme no primeiro pau. A bola balançou as redes, mas do lado de fora. Faltava cacoete de atacante.

Sendo assim, coube ao “matador” da equipe resolver a questão. De tanto insistir, o Ceará foi premiado no minuto final. Aos 47, após contra-ataque desperdiçado pelo Vitória, Misael partiu para cima da zaga baiana, pedalou, foi ao fundo e cruzou rasteiro. Livre na pequena área, Washington escorou de perna direita e marcou seu segundo gol em dois jogos pelo Vovô. No Castelão não há espaço para o axé, o som predominante é o forró.

CEARÁ 1 X 0 VITÓRIA
Diego; Diogo (Oziel), Anderson, Fabrício e Ernandes (Eusébio); Michel, Heleno, João Marcos e Geraldo (Erick Flores); Misael e Washington Viáfara; Nino Wallace, Reniê e Maurim; Vanderson, Ricardo Conceição (Neto), Renato (Jacson) e Wellington; Elkesson (Schewenk) e Júnior.
Técnico: PC Gusmão Técnico: Ricardo Silva
Gols: Washington, aos 47 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Heleno e João Marcos (Ceará) Elkesson (Vitória)Cartões vermelhos: Heleno (Ceará) Júnior (Vitória)
Estádio: Castelão, em Fortaleza. Dia: 23/05/2010. Horário: 16h (de Brasília). Árbitro: Sandro Meira Ricci (DF). Assistentes: Enio Ferreira de Carvalho (DF) e César Augusto de Oliveira Vaz (DF).

maio 23, 2010 Posted by | Ceará, Vitória | , , | Deixe um comentário

Menos de 4 mil pagam para ver Fla vencer o Prudente no Maracanã

Primeiro triunfo rubro-negro no Brasileirão 2010 chega após sufoco, graças a dois gols no fim. Love faz dois de pênalti e Juan marca ao tentar cruzar

Não foi fácil, mas o atual campeão brasileiro conseguiu a primeira vitória na competição nacional deste ano. Em um jogo cujos problemas do ano se repetiram, o Flamengo sofreu, mas venceu o Grêmio Prudente por 3 a 1, no Maracanã. O público foi muito reduzido: 7.747 pessoas, sendo apenas 3.978 pagantes. Vagner Love, duas vezes de pênalti, e Juan fizeram os gols. Após três rodadas, O Flamengo pulou para cinco pontos e está na sétima posição. Os paulistas ficam com três, em 14º. O próximo jogo será contra o Fluminense, quarta-feira, também no Maracanã, às 19h30m.

Assim como na maioria dos duelos do ano, o ataque teve chances. Muitas. Sobretudo, no primeiro tempo. Mas as finalizações, como de costume, foram para fora ou nas mãos do goleiro adversário. Os gols saíram em cobranças de pênalti e em um cruzamento “sortudo” de Juan. Vale lembrar que, alegando dores na coxa, Adriano ficou fora da partida.

E a defesa? Depois de levar 15 gols em dez jogos na Libertadores,  a “peneira” rubro-negra falhou feio e entregou um gol ao Prudente. E só não foi pior porque Bruno, criticado ultimamente pela torcida, apareceu duas vezes. Depois de ser goleado (6 a 1 pelo Avaí) e golear (4 a 0 no Atlético-MG), o Grêmio Prudente teve uma partida mais normal, mas teve a retranca castigada.

‘Treino’ de ataque contra defesa
Rogério Lourenço surpreendeu e escalou o jovem Camacho, de 20 anos, na vaga de Kleberson, que está com a seleção brasileira. A equipe teve problemas até se acertar, mas dominou o primeiro tempo e terminou com dez chutes a gol. A primeira chance aconteceu aos 14, justamente com a “surpresa” na escalação. Camacho fez ótima jogada, tabelou com Léo Moura, mas chutou nas pernas de Marcio.

A oportunidade acendeu os anfitriões. Michael bateu com perigo aos 15. Pouco depois, Juan cabeceou por cima. A melhor delas, porém, foi desperdiçada por Vagner Love. Ele recebeu na intermediária, ganhou de um zagueiro e, cara a cara, chutou rasteiro à direita da trave.

Acuado, o Prudente tinha dificuldade para chegar à intermediária ofensiva. E agradeceu à inoperância do Flamengo nas finalizações. Após troca de passes entre Juan e Michael, Mezenga e Love se enrolaram na pequena área e não conseguiram empurrar a bola para o gol.

Mezenga, aliás, não foi bem na sua provável despedida – ele tem proposta de um clube da Polônia. Aos 43, Ronaldo Angelim cruzou e o “Rei do Gado” acertou uma canelada por cima do gol.

No último lance antes do intervalo, Camacho entrou na área, driblou Anderson e foi derrubado por Diego. Pênalti. Na cobrança, Vagner Love converteu rasteiro no canto esquerdo. Ele comemorou beijando o escudo do clube.

Defesa do Fla quase entrega, mas gols no fim dão primeira vitória

Mas a defesa do Flamengo mostrou sua faceta na temporada. Bastou o Prudente atacar, aos três minutos, para David cortar mal, na cabeça de Henrique Dias. Ele ajeitou, Wanderley entrou na área e tocou na saída de Bruno, que caiu antes mesmo do chute, para empatar.

FLAMENGO  3 X 1 GRÊMIO PRUDENTE
Bruno; Léo Moura, David, Ronaldo Angelim e Juan; Toró, Willians, Guilherme Camacho (Fernando) e Michael (Vinícius Pacheco); Vagner Love e Mezenga (Diego Maurício) Marcio, Sasha, Diego (Carlos Eduardo), Leonardo e Marcelo Oliveira; Anderson (Paulão), Denis, Flavinho (Wesley), João Vitor; Henrique Dias e Wanderley
Técnico: Rogério Lourenço Técnico: Toninho Cecílio
Gols: Vagner Love, aos 47 minutos do primeiro tempo; Wanderley, aos três minutos, Juan, aos 41 e Vagner Love aos 43 minutos do segundo tempo
Cartões amarelos: David, Camacho (Flamengo) Paulão, Denis, João Vitor,  Anderson, Marcelo Oliveira (Prudente)
Estádio: Maracanã, no Rio de Janeiro. Data: 22/05/2010. Árbitro:Francisco Carlos Nascimento (AL). Auxiliares: Alessandro de Matos (Fifa-BA) e Pedro Jorge de Araújo (AL). Renda: 11.7675. Pagantes: 3.978 (7.747 presentes)

maio 23, 2010 Posted by | Flamengo, Grêmio Prudente | , | Deixe um comentário

Guarani abre dois de vantagem, mas Cruzeiro reage e empata o jogo

Bugre joga melhor no primeiro tempo e sai para o intervalo na frente do placar. Na segunda etapa, Raposa melhora e deixa tudo igual

O Guarani jogou muito bem o primeiro tempo, mas parou no segundo. O Cruzeiro fez o inverso. Por isso, o empate por 2 a 2 acabou sendo o reflexo dos times na partida deste domingo, no Brinco de Ouro da Princesa. Com o resultado, as duas equipes estão com cinco pontos no Campeonato Brasileiro, após três rodada do torneio. A Raposa ocupa a oitava colocação e o Bugre, a décima.

Com dois de Roger, o Bugre saiu para o intervalo em vantagem no placar. Mas Adilson Batista mexeu no time para a segunda etapa e o Cruzeiro reagiu, chegando ao empate com gols de Guerrón e Gil.

O Cruzeiro volta a campo na próxima quarta-feira, contra o Botafogo, no Mineirão. No mesmo dia, o Guarani viaja para Santos, para enfrentar os “Meninos da Vila”.

Bugre começa bem, e Roger brilha

O Guarani começou o jogo com tudo. O time de Campinas dominava as ações e se aproveitava das falhas da defesa do Cruzeiro para tentar chegar ao gol. A dupla de ataque, Roger e Mazola, constantemente chegava com perigo na área celeste.

Logo aos 7, Roger recebeu na área, tirou Gil, mas chutou em cima de Fábio. Quatro minutos depois, o atacante teve mais uma chance. E dessa vez não desperdiçou. Após confusão da defesa da Raposa, o jogador recebeu livre na entrada da área e mandou para o fundo do gol.

O Cruzeiro tentou responder, mas não conseguia armar boas jogadas ofensivas. No único lance de perigo, aos 29, parou nas mãos do goleiro Douglas. Fernandinho cobrou falta com categoria, mas o arqueiro bugrino fez defesa espetacular.

Na resposta, aos 31, mais um gol do Guarani. E outro de Roger. Moreno deu lindo passe para Mazola na esquerda, que tocou para Roger apenas empurrar para as redes. O jogador poderia ter feito o terceiro, aos 36, quando Preto deu um lindo lançamento para ele. Mas o chute fraco deu a chance de Fábio defender e impedir que o atacante pedisse música no “Fantástico”.

Adilson mexe no time, e Raposa volta melhor

O Cruzeiro voltou para o segundo tempo com outra escalação. Pedro Ken e Fernandinho deixaram o campo para as entradas de Guerrón e Jonathan. E as mudanças mexeram com o time celeste, que passou a ameaçar mais a meta do Guarani.

GUARANI 2 X 2 CRUZEIRO
Douglas; Rodrigo Heffner, Fabão, Ailson e Márcio Careca; Renan, Paulo Roberto, Preto (Mário Lúcio) e Moreno (Baiano); Mazola e Roger. Fábio; Elicarlos (Fabinho), Gil, Thiago Heleno e Diego Renan; Pedro Ken (Jonathan), Henrique, Marquinhos Paraná e Fernandinho (Guerrón); Kleber e Thiago Ribeiro.
Técnico: Vagner Mancini Técnico: Adilson Batista
Gols: Roger (Guarani), aos 11e aos 31 do primeiro tempo. Gil, aos 6, e Guerrón, aos 30, do segundo tempo para o Cruzeiro.
Cartões amarelos: Thiago Riberio, Thiago Heleno, Henrique (Cruzeiro). Paulo Roberto (Guarani)
Local: Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas (SP). Data:23/5/2010. Horário: 18h30m (de Brasília). Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS). Auxiliares: Paulo Ricardo Silva Conceição (RS) e Júlio César Rodrigues Santos (RS)

maio 23, 2010 Posted by | Cruzeiro | , , | Deixe um comentário

Timão passa sufoco, mas segura pressão do Flu e se mantém 100%

Tricolor pressiona durante a maior parte do tempo. Corinthians chega à sua terceira vitória em três jogos no Brasileiro

Não foi fácil para o Corinthians. Pressionado pelo Fluminense durante grande parte do jogo, o Timão conseguiu segurar a vitória por 1 a 0, gol de Chicão logo no início da partida. O Tricolor pressionou demais, teve um lance real de gol legal anulado e não conseguiu acabar com o embalo do Timão, que chegou à sua terceira vitória consecutiva e manteve os 100% de aproveitamento após três rodadas do Brasileirão. A equipe alvinegra segue na liderança com nove pontos, e o Flu fica em 12º, com três.

O Corinthians volta a campo na próxima quarta-feira para enfrentar o Grêmio Prudente, às 21h50m, em Presidente Prudente. Já o Fluminense, também quarta-feira, mas às 19h30m, encara o clássico contra o Flamengo, no Maracanã.

Timão sai na frente e para; Flu pressiona, mas nao marca

Marcando forte no meio de campo, sem deixar Conca dominar a bola e isolando Fred lá na frente, o Corinthians tinha a bola sob seu controle. Logo aos 11 minutos, chegou a seu gol. Carlinhos, que começou muito mal o jogo, cochilando demais na marcação, derrubou Dentinho na meia direita. Na cobrança da falta, Chicão e Roberto Carlos. O goleiro Rafael armou a barreira para proteger uma batida forte, por dentro, do ala. Mas quem cobrou foi Chicão. De pé direito, por fora da barreira, o zagueiro do Timão enganou o goleiro e acertou o canto direito.

O Timão, porém, parou por aí. O Fluminense adiantou sua marcação. Diguinho passou a proteger melhor o lado esquerdo da defesa, já que Carlinhos era presa fácil para as ultrapassagens de Dentinho. Atacando, o lateral do Flu ia bem e acabou se transformando em boa opção de saída. Conca conseguiu achar espaços e a bola passou a chegar para Rodriguinho e Fred.

Com isso, o Fluminense encurralou o Corinthians. Aos 16, Conca acertou ótimo passe para Fred, que entrou pela esquerda e chutou de bico, com o pé esquerdo. Felipe espalmou. O Timão passou a ter dificuldades até para passar do meio de campo, setor controlado pelo time carioca. Aos 37, Rodriguinho recebeu livre, em posição legal, e empurrou para as redes. Mas a arbitragem errou ao invalidar o lance, alegando impedimento do camisa 10 do Tricolor.

Aos 40, outra ótima chance para o Flu. Conca cobrou escanteio, a zaga corintiana afastou mal e a bola sobrou para Carlinhos que cruzou na cabeça de Fred. Os corintianos saíam da área, após o escanteio. Por isso, o artilheiro tricolor entrava livre. Ele fez até pose para cabecear com estilo. Mas pegou mal e mandou para fora. Uma chance incrível desperdiçada.

O Timão só voltou a dar sinal de vida aos 45, quando Moacir recebeu de Dentinho, invadiu a área e bateu cruzado. A bola passou em frente à linha fatal, mas não apareceu ninguém para empurrar para as redes.

Flu domina, mas não consegue o gol

O segundo tempo foi todo do Fluminense. O time carioca, marcando muito bem as saídas de bola do Corinthians, prendeu o adversário. No entanto, esse domínio não significou gols. Primeiro porque, logo aos quatro minutos, Fred não deu sorte quando se esticou todo para escorar, de carrinho, um cruzamento de Diguinho. A bola passou à direita de Felipe.

O Corinthians se defendia como podia. William, Chicão e Roberto Carlos limpavam a área, chutando para frente. O problema é que a bola voltava muito rápido, pois o Timão não conseguia segurar a bola. Souza parecia uma parede, Tcheco entrou mais para defender, Jorge Henrique, perdido em campo.

CORINTHIANS 1 X 0 FLUMINENSE
Felipe, Moacir, Chicão, William e Roberto Carlos; Ralf, Jucilei (Tcheco) Elias; Jorge Henrique, Souza (Paulo André) e Dentinho (Defederico). Rafael, Mariano, Gum, Leandro Euzébio e Carlinhos (Alan); Diogo, Diguinho (André Lima), Conca e Marquinho; Rodriguinho e Fred.
Técnico: Mano Menezes Técnico: Muricy Ramalho
Gol: Chicão, aos 11 minutos do primeiro tempo
Cartões amarelos: Leandro Euzébio, Diguinho, Conca (Fluminense), Jucilei, Felipe, Jorge Henrique, Jorge Henrique (Corinthians)
Renda e público: R$ 904.013,50/28.190 pagantes
Estádio: Pacaembu, em São Paulo (SP). Data: 23/05/2010. Árbitro:Leonardo Gaciba da Silva (RS). Assistentes: Marcelo Bertanha Barison (RS) e João Monteiro de Souza Júnior (RS).

maio 23, 2010 Posted by | Corinthians, Fluminense | , , | Deixe um comentário

Vice-líder, Avaí frustra estreia de Celso Roth e vence Vasco na Ressacada

Goleiro Renan, má pontaria de Élton e eficiência no ataque garantem vitória por 2 a 0 ao time catarinense na Ressacada

Na Ressacada, ninguém fala mais alto que o Leão. Celso Roth assumiu o Vasco durante a semana, impôs linha dura nos treinamentos, gritou com os jogadores, mas sucumbiu diante do Avaí em sua estreia: 2 a 0, neste domingo, em jogo válido pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro.

Jogando com inteligência, contado com um goleiro inspirado e a péssima pontaria do principal atacante adversário, os catarinenses souberam aproveitar as poucas oportunidades no ataque e fizeram o placar com gols de Roberto e Róbson, garantindo mais uma rodada de festa da torcida em Florianópolis. O resultado coloca a equipe na segunda colocação, com sete pontos. Seis a mais que os vascaínos, penúltimo.

Na próxima rodada, o Avaí vai até Porto Alegre encarar o Grêmio, no Olímpico, quarta-feira, às 19h30m (de Brasília). O Vasco, por sua vez, joga em casa, conta o Internacional, quinta, às 21h.

Vasco pressiona, Avaí abre o placar

Um time com cinco volantes em campo é obrigatoriamente defensivo? O Vasco mostrou no primeiro tempo da partida contra o Avaí que pode não ser. Pelo contrário, foi justamente na marcação que o time carioca falhou e, mesmo apresentando maior volume de jogo, desceu para o vestiário em desvantagem.

Com domínio do meio de campo, o Vasco foi senhor dos primeiros 45 minutos na Ressacada. Dono de quase todas as segundas bolas, o time de Celso Roth contava com um Phillipe Coutinho inspirado, e chegava com facilidade ao gol de Renan. Faltava, no entanto, qualidade na finalização.

Foram seis oportunidades claras desperdiçadas na frente do goleiro catarinense, quase todas com Élton. Na maioria delas, Renan fechou o gol. Sempre contando com a ajuda da má pontaria do camisa 9, diga-se de passagem. Quando abriu mão da armação, Coutinho protagonizou o lance de maior perigo, ao acertar o travessão aos 17.

O Avaí, por sua vez, não se desesperou e aguardou o momento certo para ensinar aos vascaínos como se faz. Trocando passes de forma tranquila, o Leão da Ilha dava a nítida impressão de esperar um erro do adversário para mostrar suas garras. E foi o que aconteceu aos 27.

Patric avançou pela direita e tentou passe no meio da área. A jogada parecia fácil para a defesa cruzmaltina, mas uma pixotada de Nilton mudou tudo. A bola bateu em Rafael Carioca e sobrou para Roberto, que girou rápido e acertou o canto direito de Fernando Prass: 1 a 0.

A desvantagem não desestabilizou o Vasco, nem Philippe Coutinho. Oito minutos depois do gol avaiano, o meia presenteou Élton mais uma vez. E novamente o atacante consagrou Renan. Seguro em suas ações, o time da casa passou a administrar o resultado e por muito pouco não ampliou, aos 40, em chute de Rudnei defendido por Prass.

Avaí se segura e amplia no fim

Atrás no placar, Celso Roth abriu mão do esquema com três zagueiros no intervalo e colocou Rafael Coelho no lugar de Léo Gago. O treinador não contava, no entanto, com a chuva e a profusão de passes errados de seus comandados. Tanto que a primeira boa oportunidade da segunda etapa foi do Avaí: em velocidade, Caio aproveitou contra-ataque, invadiu a área e chutou para a defesa de Fernando Prass.

O Vasco apareceu bem quatro minutos depois. Ramon fez o cruzamento sob medida e Nilton, sozinho, na marca do pênalti, furou. A presença dos catarinenses no campo de ataque era menos constante, mas mais efetiva. Aos 15, Roberto forçou boa defesa de Prass em bonito lance.

Sumido, Élton voltou a desperdiçar boa oportunidade aos 23. O atacante chamava a atenção pelo número de gols perdidos, mas conseguiu ser superado por Rafael Coelho em lance digno de “Inacreditável Futebol Clube”. Aos 25, o ex-jogador do Figueirense ficou com rebote após chute do próprio Élton. Na pequena área, com o gol aberto, Coelho acertou a trave.

O time não se abateu com o erro e seguiu pressionando. Ramon, aos 28, acertou a rede pelo lado de fora, deixando a impressão de que, independentemente do que fosse feito, o gol dos cariocas não iria acontecer. Realmente não aconteceu.

O Vasco não somente não marcou como sofreu o golpe final. Aos 46, Robson tabelou com Anselmo, recebeu passe de calcanhar no bico da pequena área, e deslocou Fernando Prass: 2 a 0 no placar e vitória de quem criou pouco, mas foi eficiente.

AVAÍ 2 X 0 VASCO
Renan, Emerson Nunes, Emerson, Rafael e Patric; Marcinho Guerreiro, Rudnei, Caio e Pará (Léo San); Davi (Anselmo) e Roberto (Róbson). Fernando Prass; Thiago Martinelli, Dedé e Nilton; Jumar (Élder Granja), Rafael Carioca, Léo Gago (Rafael Coelho), Souza (Dodô) e Ramon; Philippe Coutinho e Élton
Técnico: Péricles Chamusca Técnico: Celso Roth
Gols: Roberto, aos 27 minutos do primeiro tempo. Róbson, aos 46 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Léo Gago, Rafael Coelho, Thiago Martinelli e Ramon (Vasco) Rafael, Roberto e Caio (Avaí)
Local: Ressacada, Florianópolis (SC). Data: 23/05/2010.
Arbitragem: Wilson Luiz Seneme (SP-Fifa) Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (SP) e Dante Mesquita Júnior (SP).

maio 23, 2010 Posted by | Avaí, Vasco da Gama | , , | Deixe um comentário

Galo faz 3 a 1 sobre o Furacão, e atletas fazem homenagem a Marques

Vitória do Galo é importante para recuperar a equipe da goleada sofrida para o Grêmio Prudente, no fim de semana passado

Na primeira partida do Atlético-MG sem a presença do artilheiro Marques – que anunciou a aposentadoria nessa sexta-feira –, o Galo proporcionou ao torcedor uma chuva de gols. O time mineiro venceu o Atlético-PR por 3 a 1, com gols de Muriqui, Diego Tardelli e Ricardinho, todos no segundo tempo. Bruno Mineiro descontou para o Furacão.

Os jogadores do Atlético-MG não se esqueceram de Marques. Após o primeiro gol, o de Muriqui, os atletas mostraram uma faixa com os seguintes dizeres: ‘Olê Marques, obrigado’. Foi uma justa homenagem, em uma partida com um final feliz para o torcedor do Galo.

Com o resultado, o time mineiro chegou aos seis pontos e se reabilitou da derrota por 4 a 1, sofrida na última rodada, diante do Grêmio Prudente. O Atlético-PR segue com uma péssima campanha. Até agora, em três jogos, foram duas derrotas e um empate.

Na próxima rodada, o Atlético-MG enfrentará o Vitória, nesta quarta-feira, às 19h30m, no Barradão, em Salvador. O Atlético-PR, por sua vez, encara o Atlético-GO, nesta quinta-feira, às 21h, na Arena da Baixada, em Curitiba.

Equilíbrio e muito calor

Os primeiros minutos da partida foram de muita velocidade, mesmo com o forte calor que castigava os jogadores no gramado. Entretanto, de maneira surpreendente, os visitantes tomaram a iniciativa das jogadas de ataque.

Com grande participação de Alex Mineiro, Paulo Baier e Branquinho, o Atlético-PR chegava com frequência ao gol de Marcelo, que fazia sua estreia com a camisa do Galo. O Furacão girava a bola na intermediária de ataque, em busca de uma falta que originasse um lance de bola parada, ponto forte dos paranaenses.

Mas mesmo com a maior posse de bola, quem teve as melhores chances de marcar foi o Atlético-MG. Muriqui e Diego Tardelli, em dois momentos diferentes, tiveram condições de abrir o placar, mas falharam nas finalizações.

Aos poucos, o time da casa começou a dominar, e o Atlético-PR buscava apenas os contra-ataques. Quando trocava passes, o Galo conseguia penetrar na defesa rubro-negra e levava muito perigo. O goleiro Neto começou a se destacar, com grandes defesas.

Aos 27 minutos, o Atlético-MG sofreu uma baixa. Zé Luís se contundiu – sentiu uma lesão na região lombar, na base da coluna – e foi substituído por Júnior. Com isso, Fabiano e Correa ficaram mais recuados, exercendo a marcação no meio-campo.

Júnior, mais avançado, deu mais força ao ataque alvinegro. O time mineiro ganhou qualidade ofensiva, e as tabelas entre Júnior, Ricardinho, Diego Tardelli e Muriqui ficaram cada vez mais frequentes.

No fim da primeira etapa, o ritmo caiu um pouco, talvez por causa da alta temperatura e do desgaste dos atletas, que correram muito e fizeram um bom jogo, apesar do empate sem gols.

ATLÉTICO-MG 3  X 1 ATLÉTICO-PR
Marcelo; Coelho, Werley, Jairo Campos e Leandro; Zé Luís (Junior), Correa (João Pedro), Fabiano e Ricardinho (Benitez); Diego Tardelli e Muriqui. Neto; Rhodolfo, Manoel e Chico; Vagner Diniz, Valência, Alan Bahia (Netinho); Paulo Baier (Javier Toledo) e Márcio Azevedo; Branquinho e Alex Mineiro (Bruno Mineiro)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo. Técnico: Leandro Niehues.
Gols: Muriqui, aos 11, Diego Tardelli, aos 13, e Ricardinho, aos 27, do segundo tempo, para o Atlético-MG.  Bruno Mineiro, aos 38 do segundo tempo, para o Atlético-PR
Cartões amarelos: Diego Tardelli, Jairo Campos e Correa (Atlético-MG)
Renda: R$ 251.262,50. Público: 13.464 pagantes
Estádio: Mineirão, em Belo Horizonte (MG). Dia: 23/05/2010. Horário: 16h. Árbitro: Sálvio Spínola Fagundes Filho (Fifa/SP). Auxiliares: Carlos Augusto Nogueira Júnior (SP) e João Bourgalber Nobre Chaves (SP).

maio 23, 2010 Posted by | Atlético-MG, Atlético-PR | , , | Deixe um comentário