Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Fábio garante total apoio do elenco a Adilson Batista

Goleiro do Cruzeiro diz que grupo está fechado com o treinador e vai pressionar a diretoria a mantê-lo no cargo

O goleiro Fábio, uma das lideranças do grupo do Cruzeiro, disse que todos os jogadores do elenco estão empenhados em pressionar a diretoria do clube mineiro a manter o técnico Adilson Batista no cargo. Para o atleta, o treinador celeste é o menos culpado pela eliminação da Taça Libertadores, nessa quarta-feira, no Morumbi.

Fábio está ciente da pressão que o time vai sofrer do torcedor e também de parcela da imprensa. Porém, o goleiro entende que o time tem totais condições de se recuperar na temporada, com uma grande campanha no Campeonato Brasileiro.

– Não tem outro foco. Agora, o foco é pontuar o máximo nesse Brasileiro até a parada da Copa e buscar o título. Sabemos que a pressão existe, mas também não podemos ser radicais. Todos têm que ver o trabalho do Adilson e não cobrar somente dele. Todos têm responsabilidade de buscar, dentro do Brasileiro, grandes vitórias.

Fábio admitiu que se reuniu com os demais atletas do Cruzeiro, antes mesmo da partida contra o São Paulo. A intenção era entender o desejo do elenco em relação ao trabalho de Adilson Batista. O goleiro afirmou que o grupo está fechado com o comandante.

– Eu conversei com a maioria dos jogadores antes da partida contra o São Paulo. Todos eles pediram que, mesmo que não nos classificássemos, o Adilson ficasse. O pensamento é esse. O trabalho tem que ser até o fim da temporada, para a gente colher os frutos. Não foi agora, por questão de detalhes.

A princípio, Adilson Batista continuará no cargo. A delegação cruzeirense já seguiu para a cidade de Atibaia, para se concentrar para a partida de domingo, diante do Guarani, em Campinas, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro. O treinador celeste já disse que a cabeça está inteiramente virada para esta partida.

– Temos que ser inteligentes. A comissão fez um ótimo trabalho ao longo desses anos. Temos um grupo. Não adianta mudar tudo, tentando trazer um treinador e achando que vai resolver. Com certeza, não vai resolver. A situação vai ficar mais complicada, porque a gente sabe que mudanças, não somente de treinador, mas também de esquema tático, não são simples. A gente confia no Adilson e tem certeza de que a diretoria não vai fazer nada para prejudicar esse trabalho. Se ele continuar, com certeza, pelo empenho dos jogadores, a gente tem condição de chegar bem no Brasileiro e ser campeão – garantiu o goleiro Fábio.

maio 20, 2010 Posted by | Cruzeiro | | Deixe um comentário

Luxemburgo repete escalação no coletivo do Atlético-MG

Galo volta a treinar com Marcelo e João Pedro nas vagas de Aranha e Correa. Werley retorna às atividades

O técnico Vanderlei Luxemburgo parece ter decidido mesmo pela troca de Aranha e Correa por Marcelo e João Pedro. No coletivo desta quinta o treinador do Atlético-MG fez apenas uma mudança com relação a escalação que havia usado na quarta: Werley, poupado, voltou a treinar.

Com o retorno de Werley, o jovem Sidimar foi para a reserva. O time titular treinou com Marcelo; Coelho, Jairo Campos, Werley e Leandro; Zé Luis, Fabiano, Ricardinho e João Pedro; Muriqui e Diego Tardelli.

Luxemburgo comanda nesta sexta-feira, às 16h, o penúltimo treino antes da partida contra o Atlético-PR. Galo e Furacão se enfrentam neste domingo, no Mineirão, às 16h, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro.

maio 20, 2010 Posted by | Atlético-MG | | Deixe um comentário

Grêmio estuda contratação de lateral e atacante para o Brasileiro

Elenco tricolor será reavaliado para o segundo semestre. Rochemback e Leandro, caros e sem vaga garantida, podem ser negociados

Eliminado pelo Santos na semifinal da Copa do Brasil, o Grêmio já estuda mudanças no grupo para o segundo semestre. O departamento de futebol tricolor tenta contratar um lateral-esquerdo, e um atacante de velocidade para lutar pelo título brasileiro e da Copa Sul-Americana.

Jogadores caros que não deram a resposta esperada em campo podem ser liberados. Entre eles estariam o volante Fábio Rochemback e o meia-atacante Leandro.

– Já estávamos conversando sobre isso e agora temos o Brasileiro. Precisamos nos reforçar em alguns setores, como a lateral esquerda. Tivemos azar nessa posição, com vários jogadores lesionados. Talvez mais um atacante também – destacou o presidente Duda Kroeff nesta quinta-feira.

O Grêmio treina na tarde desta quinta em um hotel na cidade de São Paulo. O Tricolor se prepara para encarar o Palmeiras, às 18h30min deste sábado, no Palestra Itália, pela terceira rodada do Nacional.

Na saída de Santos, os jogadores ouviram brincadeiras de alguns torcedores do Peixe, mas não houve qualquer tipo de violência.

maio 20, 2010 Posted by | Grêmio | | Deixe um comentário

Robinho lembra apagões e espera Peixe encurralando Leão na Vila

Atacante analisa final da Copa do Brasil, contra o Vitória. Primeiro jogo será em Santos e atacante diz que time precisa tentar resolver logo para não sofrer lá

A CBF sorteou nesta quinta-feira os mandos de campo das finais da Copa do Brasil. Santos e Vitória disputam o título e o primeiro jogo, dia 28 de julho, seria disputado na Vila Belmiro. A decisão, dia 4 de agosto, será no Barradão, em Salvador. Para o atacante Robinho, seria melhor decidir em casa. Mas como não tem jeito, ele diz que o Alvinegro tem de partir para cima do time baiano em casa para não depender de resultado na casa do adversário.

– Claro que time que quer ser campeão, tem de jogar bem dentro e fora de casa. Mas é bom fazer um bom resultado na Vila Belmiro. Temos condição de fazer um grande jogo aqui para decidir lá – afirmou o Rei das Pedaladas.

Robinho afirma que o Peixe até tem feito bons jogos fora de casa, mas tem sofrido com alguns lapsos. Ele lembra dos jogos contra o Atlético-MG, no Mineirão, pelas quartas de final, e contra o Grêmio, no Olímpico, nas semi. No primeiro, o Peixe perdeu por 3 a 2, levando o primeiro gol logo aos dois minutos. No segundo, foi para o intervalo vencendo por 2 a 0, mas levou a virada em 20 minutos.

– Nós conseguimos chegar à final graças aos resultados em casa. Até estamos jogando bem fora, mas o time tem sofrido uns apagões.

Bom duelo

O Santos, melhor ataque do Brasil, já marcou 113 gols na temporada. Na Copa do Brasil, são 36 em apenas nove jogos, média de quatro por jogo. O Alvinegro enfrenta o Vitória, que ainda não levou nenhum gol atuando no Barradão na competição nacional.

– Vai ser um duelo bastante difícil. Jogar lá no Barradão sempre é complicado. Por isso mesmo, temos de tentar fazer um bom resultado aqui.

maio 20, 2010 Posted by | Santos | | Deixe um comentário

Destaque do semestre, Dentinho quer ficar: ‘Não está no momento de sair’

Atacante é um dos jogadores do Timão mais observados por clubes do exterior, mas pretende continuar para buscar a conquista do Brasileirão

Em um elenco com Ronaldo, Roberto Carlos e outros jogadores de destaque, Dentinho foi quem mais brilhou no primeiro semestre. De reserva no final do ano passado a titular absoluto em 2010, o atacante se firmou como a principal revelação das categorias de base do Corinthians nos últimos anos e virou alvo da cobiça de clubes europeus. Mas, apesar de todo o sucesso, o atacante garante que não pensa em deixar o Timão na reabertura do mercado internacional.

– Não está na hora de sair. Estou muito feliz no Corinthians. Tenho um carinho muito grande pela equipe, sou corintiano desde pequeno. Não penso em sair – afirmou.

Dentinho, porém, reconhece que o destino dele dependerá muito das propostas que chegarem ao Parque São Jorge. Ele entende que a vinda de uma quantia rentável para o Corinthians dificilmente o impedirá de sair, até mesmo para fazer sua independência financeira.No ano passado, ele teve ofertas do mundo árabe, mas recusou todas.

– Eu sou funcionário do clube. Se chegar uma proposta boa, que agrade o presidente, minha família e for ajudar o Corinthians, então, fica difícil. Mas estou pensando só no Corinthians – acrescentou.

Com Ronaldo em baixa, Dentinho se transformou na principal opção ofensiva do Corinthians na temporada. Ele é o artilheiro alvinegro no ano, com nove gols, dois a mais que o Fenômeno – Elias e Souza aparecem logo abaixo, com seis. Desde que chegou ao elenco profissional, na trágica campanha do rebaixamento para a Série B em 2007, o atacante disputou 153 jogos e anotou 50 gols.

– Estou em um momento muito bom, fazendo gols e dando passes. Estou muito feliz no Corinthians – completou o garoto, de 21 anos.

maio 20, 2010 Posted by | Corinthians | , | Deixe um comentário

Hernanes comemora volta por cima e diz que recuperou seu melhor futebol

Jogador, que foi um dos destaques nas partidas contra o Cruzeiro, pela Libertadores, lembrou das críticas que sofreu após a eliminação em 2009

No dia 19 de junho de 2009, o São Paulo perdeu por 2 a 0 para o Cruzeiro, no Morumbi, e acabou eliminado da Taça Libertadores da América. E o volante Hernanes foi considerado um dos principais culpados pelo fiasco da equipe no torneio sul-americano. Muitos achavam que seu ciclo havia se encerrado e pediram sua saída do time do Morumbi.

O tempo passou e, quase um ano depois, o camisa 10 deu a volta por cima. Com gols nas duas partidas contra o Cruzeiro, ele foi um dos principais destaques e saiu aplaudido de campo.

– Para mim, tem um sabor especial. No ano passado, quando fomos eliminados para o Cruzeiro, eu saí de campo frustrado. Tinha ido para o banco e a torcida vaiou apenas eu e o Washington. Sou um cara esforçado e consegui dar a volta por cima. A vida é ótima porque sempre te permite reviravoltas – comemorou o jogador.

Nesta quinta-feira, o jogador participou do programa Arena Sportv e lembrou que seu futebol voltou a crescer a partir do momento em que ele voltou a atuar como segundo volante. No início da temporada 2010, ele jogou como meia em algumas partidas.

– A vida é muito engraçada. Quando fazemos algo certo, você pensa que está no caminho. Quando joguei bem como meia no começo ano, falei para mim mesmo: acho que sou meia. Depois caí na real. O Ricardo me colocou como volante e foi a partir daí que comecei a me encontrar. A entrada do Marlos me ajudou demais. Agora posso dizer que recuperei o meu futebol – disse o camisa 10.

maio 20, 2010 Posted by | São Paulo | | Deixe um comentário

Diretoria elogia Gomes, mas vai aguardar para resolver a renovação

Diretor de futebol João Paulo de Jesus Lopes afirma que o assunto só será resolvido durante o recesso provocado pela Copa do Mundo

Mesmo satisfeita com a performance e a classificação do São Paulo na Taça Libertadores da América, a diretoria tricolor não tem pressa para definir o futuro do técnico Ricardo Gomes, cujo contrato se encerrará no final do próximo mês. Segundo o diretor de futebol, João Paulo de Jesus Lopes, o clube só iniciará conversas com o treinador na segunda quinzena de junho.

– A avaliação sobre o Ricardo é a melhor possível. No Campeonato Brasileiro, o time saiu da 16ª colocação e quase venceu. O São Paulo foi o único time da capital que se classificou para as finais do Paulista e agora está na semifinal Libertadores jogando um grande futebol. Mas vamos aguardar. Teremos o recesso da Copa e vamos poder nos reunir com ele e com o resto da comissão para tratar desse assunto – afirmou o dirigente.

Jesus Lopes deixa claro que não acredita que essa indefinição irá afetar o trabalho de Ricardo Gomes.

– O sistema de trabalho no São Paulo dá toda a tranqüilidade ao técnico, não temos multas contratuais. O contrato de dez anos não aumenta em nada a segurança do treinador. Não há nenhuma pressão sobre ele. O Ricardo é diferenciado do ponto de vista cultural e sabe que o clube é sério e trata essas questões com extrema competência – concluiu.

maio 20, 2010 Posted by | São Paulo | , | Deixe um comentário

Assunção diz que jogadores devem desculpas a Zago por demissão

Jogador afirma que grupo gostava do treinador e também negou ter visto agressões físicas em discussão no ônibus alviverde, no Rio de Janeiro

Um dos atletas mais experientes do elenco alviverde, o volante Marcos Assunção saiu em defesa do técnico Antônio Carlos, demitido na terça-feira, por causa de um desentendimento com o atacante Robert, no Rio de Janeiro, no dia seguinte ao empate sem gols com o Vasco, domingo, pelo Brasileirão. Por causa do mesmo episódio, o ex-titular do ataque palmeirense também teve o contrato rescindido pela diretoria alviverde.

-O Antônio Carlos é legal, bacana, tinha o carinho e respeito do grupo. Sempre conversou, nunca nos desrespeitou. O máximo que a gente pode fazer é pedir desculpas. Tivemos esse erro que custou o trabalho dele, que é profissional. Trabalha para sustentar a família, assim como é o caso do próprio Robert

A confusão ocorreu por causa do atraso de alguns jogadores na reapresentação no hotel, marcado para as quatro horas da manhã do domingo, e posteriormente no embarque, marcado para as 9h, no ônibus que levou o grupo do hotel ao aeroporto. Segundo Assunção, no entanto, não houve agressão física.

– Liberar jogador após os jogos é normal em tudo que é clube. O que não pode fazer é não cumprir horário. Mas quanto a discussão, posso dizer que não houve briga. Vimos que alguns da imprensa colocaram que houve agressões físicas, mas é mentira. Eu estava no fundo do ônibus e vi tudo.

Para o meio-campista, o problema não foi nem mesmo o desentendimento do técnico e o atacante, que não teria sido um acontecimento anormal no meio futebolístico, mas sim o fato dele ter se tornado pública.

– As discussões são coisas que acontecem no grupo, e a imprensa fica sabendo dentro de minutos ou horas. Isso é ruim. Eu já briguei de socos e pontapés, mas é tudo para o bem do grupo, do time, para que nós possamos fazer as coisas certas.

Com a opinião de que a diretoria não deve punir mais jogadores que chegaram fora do horário (o atacante Ewerthon recebeu multa por ter se atrasado junto com Robert), Assunção também não acredita que o “dedo duro” alviverde seja um atleta.

– Os jogadores tinham esse carinho pelo Antônio Carlos, tinham esse respeito. Acho que não partiu de jogador ligar para a imprensa ou qualquer outra pessoa.

maio 20, 2010 Posted by | Palmeiras | | Deixe um comentário

Muricy escala dupla ex-Santo André no Flu para enfrentar o Corinthians

Carlinhos e Rodriguinho levam a melhor nas disputas com Julio Cesar e Alan. Fred, recuperado de lesão, participa normalmente de coletivo

Reforços prestigiados no Fluminense. Com quase todo o elenco à disposição – apenas Gum se recupera de lesão -, Muricy Ramalho escalou Rodriguinho e Carlinhos entre os titulares nesta quinta-feira, no primeiro coletivo para a partida contra o Corinthians, às 16h de domingo, no Pacaembu, pela terceira rodada do Brasileirão.

Fred, recuperado da cirurgia de apendicite realizada há três semanas, também participou da atividade. Com a entrada da dupla que chegou do Santo André, Alan e Julio Cesar ficam fora da equipe. Diogo, que já havia sido titular na vitória por 1 a 0 sobre o Atlético-GO, no último sábado, permanece na equipe, que treinou no 4-4-2.

O coletivo durou cerca de uma hora com a equipe principal – depois muitas mudanças foram feitas –  diante da equipe juvenil do Tricolor. Apesar da diferença de idade, os titulares não conseguiram tirar o zero do placar e passaram alguns riscos em jogadas individuais da garotada.

Assim como na partida contra os goianos, o Fluminense apresentou bastante volume de jogo, mostrou-se presente no campo de ataque, mas finalizou pouco. O lateral-direito Mariano admitiu o problema.

– Sabemos da dificuldade que estamos tendo para finalizar e estamos pecando um pouco no toque final, mas só com treinamentos é que vamos melhorar.

Os titulares treinaram com Rafael, Mariano, Digão, Leandro Euzébio e Carlinhos (Julio Cesar); Diogo, Diguinho, Marquinho e Conca; Fred e Rodriguinho (Alan). Com três pontos, o Flu é o nono colocado no Brasileirão.

maio 20, 2010 Posted by | Fluminense | | Deixe um comentário

No coletivo, Joel repete mais uma vez o time que venceu o São Paulo

No fim da atividade, treinador testou a equipe com as entradas de Marcelo Cordeiro, Edno e Renato Cajá

O técnico Joel Santana comandou um treino coletivo na tarde desta quinta-feira, no Engenhão, e repetiu a equipe que venceu o São Paulo por 2 a 1, no Morumbi, na última rodada. O volante Fahel, que tem atuado como zagueiro, desta vez ficou no meio de campo. Perto do fim da atividade, Alessandro, Lucio Flavio e Sandro Silva saíram para as entradas de Marcelo Cordeiro, Edno e Renato Cajá.

No treino tático de quarta, ele já havia escalado o time que venceu o time paulista. Desta forma, o Botafogo deve enfrentar o Goiás, sábado, às 16h (de Brasília), no Engenhão, com: Jefferson; Fahel, Antônio Carlos e Fábio Ferreira; Alessandro, Leandro Guerreiro, Sandro Silva, Lucio Flavio e Somália; Caio e Herrera.

maio 20, 2010 Posted by | Botafogo | , | Deixe um comentário

Roth prioriza marcação e faz atacante lembrar os tempos de volante

Elton conta que já atuou no meio de campo e aprova estilo do novo técnico

Nos dois primeiros treinos de Celso Roth no comando do Vasco, o que se percebeu foi uma grande preocupação com a marcação. Na atividade com bola de quarta-feira, dividiu os jogadores em dois times e cobrou que os atacantes desarmassem os zagueiros já no campo de ataque. Nesta quinta, em São Januário, um trabalho técnico que priorizava também os desarmes.

Os jogadores foram divididos em pequenas faixas no campo e, enquanto quatro atletas tocavam a bola, dois marcavam. A mentalidade do técnico já foi assimilada pelos atletas. Tem até centroavante se esforçando para fazer bem a função exigida. Elton, por exemplo, lembra que o pedido do técnico não será problema, já que, inclusive, atuou mais recuado na época do Santo André.

– Eu jogava de meia e volante. Aí, teve um jogo que o Luiz Carlos Ferreira (treinador) acabou me colocando como atacante titular e vi que era a posição que quero – lembrou o jogador.

A partida a que se refere Elton aconteceu no dia 18 de março de 2006, pelo Campeonato Paulista. O Santo André empatou em 2 a 2 com a Portuguesa Santista e o “volante-atacante” marcou um dos gols da partida. Certo que a sua posição deve ser o ataque, ele garante que não terá problema em ajudar na marcação, e elogia o trabalho do novo chefe.

– Hoje em dia tem que ser dessa forma. O atacante tem que marcar, senão sobrecarrega os volantes. Tem que ir no limite, sem fugir das características e dando apoio a quem esta ali – completou.

maio 20, 2010 Posted by | Vasco da Gama | | Deixe um comentário

Um ano depois, São Paulo se vinga do Cruzeiro e chega à semifinal

Agora é ver a Copa e esperar pela semi (Marcos  Ribolli/Globoesporte.com)

Com um a mais desde o minuto inicial, Tricolor Paulista elimina a Raposa da Libertadores e pode enfrentar outro brasileiro na próxima fase do torneio

Há quase um ano, o Cruzeiro foi ao Morumbi, derrotou o São Paulo e eliminou o adversário nas quartas de final da Taça Libertadores. Na noite desta quarta-feira, os personagens e o palco eram os mesmos, mas o final foi diferente. Com vantagem de ter vencido o jogo de ida ampliada com a expulsão de Kleber com apenas um minuto de jogo, o Tricolor Paulista garantiu presença na fase semifinal da competição ao derrotar a Raposa com o mesmo placar do Mineirão há uma semana e que o rival obteve ano passado no Morumbi: 2 a 0.

O São Paulo vai conhecer nesta quinta-feira o adversário na disputa por uma vaga na decisão do torneio que é sempre a prioridade do clube. Se o Flamengo não passar pelo Universidad de Chile, o Tricolor vai enfrentar o ganhador da disputa entre Estudiantes e Internacional. Se o Fla avançar, e o Inter não, haverá um duelo entre cariocas e paulistas nas semifinais, marcadas para os dias 28 de julho e 4 de agosto, depois da Copa do Mundo. Se os dois brasileiros se classificarem, o duelo nacional será entre o time paulista e o Colorado gaúcho.

Expulsão com um minuto de jogo

O Cruzeiro chegou ao Morumbi com a necessidade de vencer por três gols de diferença. Mas as aspirações celestes ficaram seriamente abaladas com apenas um minuto de jogo. E após um lance de ataque. Kleber arrancou pela direita e abriu o braço esquerdo, aparentemente para se proteger. E atingiu o rosto de Richarlyson em frente ao banco de reservas do São Paulo. O árbitro uruguaio Jorge Larrionda interpretou que o atacante teve a intenção de agredir o são-paulino e expulsou a principal esperança de gols do time mineiro. Para revolta dos cruzeirenses.

kleber e richarlyson, cruzeiro x são pauloKleber atinge Richarlyson com um minuto de jogo. Lance que gerou a expulsão do atacante (Foto: AFP)

O cartão vermelho abalou o time azul e fez o São Paulo trocar uma postura que poderia ser cautelosa por outra mais ofensiva. Escalado inicialmente como zagueiro, Richarlyson voltou a desempenhar a função de volante, liberando mais Hernanes. E o Tricolor teve duas chances seguidas. Aos cinco, Henrique perdeu a bola na entrada da área para Marlos, que invadiu e concluiu forte. Fábio salvou. Dois minutos depois, o goleiro voltou a ser exigido em um chute rasteiro de Fernandão.

Após os dez minutos, o Cruzeiro pareceu se recuperar do impacto da saída de seu principal jogador e passou a buscar o ataque. Especialmente pela direita, com os avanços de Jonathan, que era dúvida para o jogo devido a um problema muscular. Mas sem Kleber, Thiago Ribeiro ficou isolado no meio da zaga adversária. Apenas aos 22 minutos, o visitante conseguiu dar a primeira conclusão a gol: um chute fraco de Fabrício. Rogério Ceni apenas acompanhou a bola sair à direita da meta.

E a situação celeste ficou ainda mais difícil no minuto seguinte. Junior Cesar fez linda jogada pela esquerda, colocando a bola por baixo das pernas de Henrique, e cruzou para trás. Hernanes,  mesmo pressionado, acertou um belo chute de canhota, vencendo Fábio.

hernanes, comemora o primeiro gol do são paulo contra o  cruzeiroHernanes (à direita) comemora o primeiro gol do
São Paulo diante do Cruzeiro (Foto: AFP)

O gol desencadeou um verdadeiro bombardeio do time da casa. Aos 25, Dagoberto rolou para Fernandão. Diante de Fábio, o atacante chutou, e Leonardo Silva se esticou, salvando com ponta do pé direito e depois com a mão. O atacante pediu pênalti, mas Larrionda mandou o jogo seguir. E o São Paulo cumpriu a ‘ordem’ e continuou pressionando. Na cobrança do escanteio, Miranda cabeceou forte, e Fábio fez linda defesa. Na sequência da jogada, Marlos arriscou de fora da área, e a bola passou raspando à trave direita. Neste momento, o coro de “o campeão voltou” sacudiu o Morumbi.

Diante do sufoco, o treinador Adilson Batista decidiu reforçar a defesa, colocando o zagueiro Thiago Heleno no lugar do lateral Jonathan. O remédio não conseguiu diminuir o ímpeto do adversário. Fábio salvou um gol de Marlos aos 33, saindo aos pés do meia. E teve como efeito colateral reduzir o poder ofensivo celeste. Bem marcado, Gilberto, principal responsável pela armação do Cruzeiro, pouco pegou na bola na etapa inicial.

Nos cinco minutos finais, Fábio voltou a ter trabalho. Aos 40, o goleiro se antecipou a Dagoberto e despachou a bola para o meio-campo. Richarlyson dominou e arriscou do círculo central, encobrindo a meta, com perigo. Três minutos depois, Cicinho recebeu pela direita e chegou a dar um chapéu no arqueiro. Mas este conseguiu se recuperar, dificultando a conclusão do lateral-direito. E aos 44, Fábio defendeu um chute de longe de Marlos. O apito que encerrou o primeiro tempo foi um som de alívio para o Cruzeiro.

Tricolor confirma vaga no início do segundo tempo

dagoberto comemora com cicinho, são paulo x cruzeiroDagoberto comemora com Cicinho o 2º gol tricolor
(Foto: Marcos Ribolli/Globoesporte.com)

Para a segunda etapa, Adilson Batista, consciente de que o time precisava marcar três gols em 45 minutos – algo que o São Paulo não permitiu um vez sequer nos seus nove jogos anteriores na Libertadores 2010 -, tirou o volante Fabrício e escalou o atacante Wellington Paulista. O Cruzeiro deu a impressão de que poderia reagir. Com um minuto, Leonardo Silva cabeceou por cima do gol, com perigo.

Mas a equipe da casa confirmou a classificação aos oito minutos. Junior Cesar lançou para a área. Fernandão escorou de cabeça para Dagoberto. O atacante dominou no peito e tocou por cobertura diante da saída de Fábio. O zagueiro Gil ainda tentou salvar, mas só conseguiu ir parar dentro da rede.

E poderia ter sido mais. Aos dez, em nova jogada pela esquerda, por onde saíram os dois gols, Hernanes passou para Marlos, que driblou Fábio e rolou para Dagoberto na pequena área. O atacante foi desarmado antes de concluir.

Nessa altura, o visitante precisava de quatro gols. E os gritos de ‘olé’ ecoavam pelo estádio aos 17 minutos, enquanto os jogadores do São Paulo trocavam uma longa sequência de passes. No último deles, Marlos, um dos melhores em campo, recebeu de Dagoberto, invadiu a área, mas caiu diante da marcação de Gilberto, sem conseguir arrematar ao gol.

Enquanto torcedores tricolores faziam uma ‘ola’ na arquibancada, Marlos mostrava habilidade. O meia driblou dois marcadores e chutou da entrada da área aos 20. Fábio defendeu no centro do gol.

Apesar do claro abatimento pela virtual eliminação, o Cruzeiro ainda tentou diminuir a desvantagem. Mas só conseguiu criar uma oportunidade: uma cabeçada de Wellington Paulista para fora, aos 35. O São Paulo esteve mais perto de ampliar. Aos 25. Hernanes roubou a bola, avançou e passou para Dagoberto na esquerda. O atacante chutou à esquerda do gol, assustando Fábio. E deixou o campo aplaudido aos 31 minutos, para a entrada de Fernandinho. Assim como Miranda, substituído por Xandão aos 40.

Aplausos que refletiram a satisfação dos torcedores do Tricolor Paulista com uma das melhores atuações do time no ano. E o aumento da confiança no sonhado quarto título da Libertadores.

SÃO PAULO 2 x 0 CRUZEIRO
Rogério Ceni; Alex Silva, Miranda (Xandão) e Richarlyson (Jean); Cicinho, Rodrigo Souto, Hernanes, Marlos e Junior Cesar; Dagoberto (Fernandinho) e Fernandão. Fábio; Jonathan (Thiago Heleno), Gil, Leonardo Silva e Diego Renan (Elicarlos); Fabrício (Wellington Paulista), Henrique, Marquinhos Paraná e Gilberto; Kleber e Thiago Ribeiro.
Técnico: Ricardo Gomes. Técnico: Adilson Batista.
Gol:.Hernanes, aos 23 minutos do primeiro tempo; Dagoberto, aos oito do segundo.
Cartões amarelos: Richarlyson, Dagoberto, Alex Silva, Rodrigo Souto (SP), Marquinhos Paraná (CRU) . Cartão vermelho: Kleber. Renda: 2.871.619,25. Público: 52.196 pagantes
Estádio: Morumbi, em São Paulo (RJ). Árbitro: Jorge Larrionda (URU). Auxiliares: Pablo Fandiño (URU) e Mauricio Espinosa (URU).

maio 20, 2010 Posted by | Cruzeiro, São Paulo | , | Deixe um comentário

Craques acordam, derrubam Grêmio e levam o Santos à final: 3 a 1

Três golaços e uma vaga na final (Gustavo Tilio /  Globoesporte.com)

Após primeiro tempo apático, Ganso, Robinho e companhia acabam com a imortalidade da equipe tricolor. Santos chega a uma decisão inédita

Foi duro, sofrido, mas os craques fizeram a diferença. Após um primeiro tempo dominado pelo Grêmio, os meninos do Santos acordaram na etapa final. Ganso, Robinho, Wesley:  três gols ao melhor ao estilo santista de jogar futebol nesta temporada. No embalo desse trio, o time da Vila Belmiro fez um segundo tempo impecável e acabou com a imortalidade gremista: 3 a 1 (assista aos gols no vídeo ao lado). O Peixe vence quando é preciso. Após três jogos sem um triunfo, o time mostrou maturidade e levou o Alvinegro Praiano à sua primeira final de Copa do Brasil. Já está fazendo história.

O adversário será o Vitória, que derrubou o Atlético-GO (4 a 0) em Salvador. As duas partidas decisivas só serão disputadas depois da Copa do Mundo, nos dias 28 de julho e 4 de agosto. A ordem dos confrontos será definida em sorteio na CBF, nesta quinta-feira, às 14h.

Grêmio assusta os meninos

O Grêmio entrou marcando forte, mas saindo rápido, criando chances, controlando o jogo e enervando o Santos. Adílson colou em Paulo Henrique Ganso. Ozeia grudou em Neymar. Rodriguinho, que entrou no lugar de Arouca, suspenso, é apenas marcador. Não sai para o jogo. Aí, pronto. O Peixe parou e começou a tentar a ligação direta, o que, definitivamente, não é o seu jogo. Ficou claro que Arouca faz muita falta ao time santista. Sem ele, o time alvinegro não soube sair de trás.

O Grêmio, que não tem nada com isso, já havia criado as melhores chances de gol até os 30 minutos. A principal delas, aos 22, quando Ganso perdeu a bola no meio. Borges se lançou pela ponta esquerda, ganhou de Pará na corrida e chutou cruzado. A bola bateu na rede pelo lado de fora.

O Santos voltou a tentar sair no toque, mas estava difícil. Primeiro porque errava demais. Até Ganso, que costuma acertar passes improváveis, desperdiçava as bolas mais banais. Segundo porque o Grêmio fechava muito bem a entrada da sua área. Na única vez que conseguiu a tabela, o Peixe quase marcou. Rodriguinho apareceu vindo de trás, invadiu a área. Na rebatida, a bola sobrou para Neymar, que chutou à queima roupa, obrigando Victor a fazer grande defesa.

Esse foi o único lance de mais perigo do Peixe. O Grêmio marcava implacavelmente. Adilson e William Magrão dominavam a entrada da área. Ganso, lento, apagado, parecia não ter entrado em campo. Ele foi a medida do fraco futebol santista no primeiro tempo. Foi engolido por Adílson. O jogo era todo dos gaúchos, que se lançavam em contra-ataques, encurralando o Santos e cavando faltas perto da área. Se Ganso dormiu, Douglas estava muito bem acordado. Tomou posse do meio de campo e ditou o ritmo.

Perdidos, os meninos da Vila batiam cabeça e o Tricolor, melhor postado em campo, se multiplicava em campo. Para onde se olhasse no gramado da Vila Belmiro, havia um jogador de azul.

Ao fim do primeiro tempo, a Vila Belmiro respirava um ar pesado, um murmúrio preocupado, só quebrado pelos cantos otimistas do pequeno grupo de torcedores gremistas.


Jogo dramático

Ganso voltou ao normal logo aos 6 minutos do segundo tempo. Provou que craque, mesmo não estando bem, resolve num lance. O time alvinegro voltou aceso para o segundo tempo, adiantou sua marcação e encurralou o Grêmio. Ainda assim, a defesa gremista estava bem fechada. Eis que o camisa 10 recebe na meia esquerda e manda uma bomba de canhota. Ela viajou e morreu no ângulo esquerdo de Victor. Um golaço, que fez explodir a Vila Belmiro.

Com a vantagem, o Santos colocou os nervos no lugar, passou a controlar a bola. O Grêmio, na tentativa de sair em busca do empate, abriu espaços. Era tudo o que o Peixe queria. Dessa vez, a multiplicação foi de camisas brancas. O segundo gol era questão de tempo. Aos 25, André foi lançado e tocou de lado para Robinho, que entrava livre. O Rei das Pedaladas teve a calma para esperar Victor sair. Com um lindo toque, o camisa 7 encobriu o goleiro. Outro golaço.

Mas jogo do Santos é sempre emocionante. Mesmo com 2 a 0, o time alvinegro continuou indo para cima, dando espaços. O técnico Silas colocou mais dois atacante sem campo, William e Leandro, nos lugares de William Magrão e Hugo, respectivamente, e o jogo se tornou totalmente aberto. Aos 30 minutos, falta na meia direita. Douglas cobrou, Jonas cabeceou livre. Felipe espalmou no pé de Rafael Marques, que impedido, empurrou para o gol. Ecos de imortalidade no ar.

O jogo se tornou dramático. O santista Dorival Júnior não quis saber de se precaver. Quando André e Neymar saíram, o treinador não quis saber de volantes ou zagueiros. Entraram o atacante Marcel e o meia ofensivo Madson. A pressão do Grêmio era intensa, mas os espaços para o Peixe contra-atacar, eram enormes. E foi assim que, aos 40, Wesley, o talismã alvivnegro, tirou a equipe do sufoco. Ele recebeu de Marcel, sozinho, avancou, deu o drible da vaga em Adilson, passou por Victor, que saía desesperado, e, de pé esquerdo, só rolou. Enfim, os meninos estavam em campo.

Perto do jogo, mais momentos tensos. Jonas se desentendeu com Edu Dracena. Ambos foram expulsos. Já nos acréscimos. Rafael Marques fez falta dura em Marcel e também levou o vermelho. Com um a menos, o Tricolor, cansado, já nao podia fazer nada. Pelo contrário, estava mais perto de levar. E quase levou o quarto, quando Wesley apareceu livre pela direita e cruzou para Marcel. Sozinho, debaixo da trave, o atacante conseguiu mandar a bola no travessão.

Mas não houve tempo para lamentação. Aos gritos de “olé, olé”, o Peixe garantiu sua primeira final de Copa do Brasil.

Os meninos da Vila continuam dando as cartas.

SANTOS X GRÊMIO
Felipe, Pará, Edu Dracena, Durval e Léo; Rodriguinho, Wesley e Paulo Henrique Ganso; Robinho (Bruno Aguiar), André (Marcel) e Neymar (Madson) Victor, Edílson, Ozeia, Rafael Marques e Joílson; Adilson, Willian Magrão (William), Hugo (Leandro) e Douglas; Jonas e Borges.
Técnico: Dorival Júnior Técnico: Silas
Gols: Paulo Henrique Ganso, aos 6, Robinho, aos 25, Rafael Marques, aos 30, Wesley, 40
Cartões amarelos: Ozeia, Hugo, Victor, Edílson. William Magrão, William (Grêmio); Léo, Rodriguinho, Neymar (Santos). Cartões vermelhos: Jonas, Dracena, Rafael Marques
Estádio: Vila Belmiro, Santos. Data: 19/05/201. Árbitro: Marcelo de Lima Henrique/RJ (FIFA). Auxiliares: Hilton Moutinho Rodrigues/RJ (FIFA) e Dilbert Pedrosa Moises/RJ (FIFA)

maio 20, 2010 Posted by | Grêmio, Santos | , , | Deixe um comentário

Vitória mostra a força do Barradão e está na final da Copa do Brasil

Leão mostra força em casa e está na final (Agência Estado)

Leão bate o Atlético-GO por 4 a 0, supera vantagem do rival e chega à sua primeira decisão da competição. Aniversariante, Viáfara marca de pênalti

O Vitória entrou em campo pressionado, precisando vencer o Atlético-GO por dois gols de diferença para se classificar à final da Copa do Brasil. Mas assim que pisaram o gramado, os jogadores sentiram o apoio de que tanto necessitavam. Aos gritos de “vamos ganhar nego” e “time de guerreiros”, a torcida do Leão fez uma linda festa e deu um show à parte no Barradão. Com isso, ajudou o Leão a bater o rival por 4 a 0, gols de Uelliton e Júnior (2) e Viáfara. É a primeira vez na história que o time baiano chega à decisão do torneio.

Ao Atlético-GO, resta o lamento por ter chegado duas vezes com muito perigo à área rival, mas em ambas nenhum jogador ter apenas empurrado para o fundo do gol vazio. O time goiano se despede da Copa do Brasil sem ter perdido nenhum jogo em casa e tendo feito sua melhor participação na competição.

O Vitória irá decidir o título da competição, e consequentemente uma vaga na Libertadores, contra o Santos, que eliminou o Grêmio na outra semifinal. Porém, a torcida terá que segurar a empolgação, já que as partidas decisivas só serão disputadas após a Copa do Mundo, nos dias 28 de julho e 4 de agosto.

Para chegar à final, o Leão quebrou um tabu de nunca ter vencido o rival em jogos oficias. Aliás, a equipe baiana sequer havia conseguido balançar as redes do Dragão nas partidas entre ambos.

A classificaçãoepara a decisão e o gol marcado foram presentes de aniversário para o goleiro Viáfara, que completou 32 anos nesta quarta-feira, data da partida. Ídolo da torcida, o jogador ouviu o Barradão em coro gritar “parabéns”, além de ganhar uma faixa em sua homenagem.

Os dois times voltam a campo no fim de semana em jogos do Campeonato Brasileiro. O Atlético-GO recebe o Santos, em Goiânia, no sábado, às 18h30m. No dia seguinte, o Vitória viaja até Fortaleza para enfrentar o Ceará, às 16h.

Bola pelo alto resolve para o Vitória

O clima de decisão era claro e a partida começou quase dez minutos atrasada porque a torcida jogava papel higiênico sobre o gol de Márcio, revelado no arquirrival Bahia. Ídolo do Vitória, Ramon precisou pedir que os torcedores parassem para o jogo ter início. A proposta das equipes também era bem definida. O Vitória tomava a iniciativa e ia para o ataque, empurrado pela torcida que não parava de cantar. O Atlético-GO apostava nos contra-ataques.

Apesar de ir para cima, o Leão só criou seu primeiro lance de perigo aos 13 minutos. Na cobrança de falta, Uelliton rolou para Bida, que chutou forte, mas Márcio espalmou. Do lado do Dragão, as chegadas ao gol de Viáfara eram raras. Aos 19, o goleiro colombiano defendeu com tranquilidade a cabeçada prensada de Agenor.

A formação defensiva do Atlético, com quatro volantes, dava pouco espaço ao Vitória, mas caiu por terra em cinco minutos. Aos 29 minutos, Ramon cobrou falta para a área e Uelliton ganhou no alto para abrir o placar. O gol abalou o time goiano e encheu os mandantes de ânimo. Aos 34, Elkeson avançou pela direita e cruzou para Bida, que escorou para o meio da área e Júnior chegou para completar para o fundo do gol. Muita festa na arquibancada: “Oooo Diabo Loiro, faz um gol aí de novo”.

Foi o suficiente para Geninho desistir do quatro volantes, colocando o meia Weslley no lugar de Erandir aos 37. Mas foi o Vitória que quase voltou a marcar, aos 43. Ramon cobrou a falta na cabeça de Uelliton, mas Márcio fez uma grande defesa.

Dois times no ataque

O Vitória voltou melhor para a segunda etapa e deu trabalho para o goleiro do Atlético-GO. Logo aos cinco, Egídio arriscou de fora da área, mas Márcio espalmou. No minuto seguinte, Ramon cobrou falta para a área, a bola passou por todo mundo, e o camisa 1 teve que se esforçar mais uma vez para evitar o terceiro.

Mas o time goiano acordou. O Dragão passou a ir para o ataque, primeiro de forma desorganizada, mas depois dando trabalho para a defesa baiana. Aos 18, Pituca cruzou para Marcão, que, de cabeça, tentou encobrir Viáfara, mas acertou no travessão. No minuto seguinte, foi a vez de Juninho completar de cabeça o cruzamento de Thiago Feltri, mas o goleiro do Vitória fez a defesa.

A partida, então, ficou aberta. O Atlético-GO tentava o gol da classificação, e o Vitória tentava o terceiro para definir a classificação. Nas arquibancadas, muita tensão: apreensão a cada ataque goiano e lamentações a cada chance perdida pelos baianos. O Leão tentou aos 27, em chute forte de Elkeson que parou em mais uma boa defesa de Márcio. O Dragão tentou responder aos 33, em uma batida de fora da área de Wesley, mas Viáfara também voltou a aparecer bem.

O Atlético-GO esteve muito perto de acabar com a festa do rival aos 44. Thiago Feltri cruzou, Marcão dominou na pequena área, mas se enrolou e perdeu a chance. O atacante ainda pediu pênalti, mas Heber Roberto Lopes não marcou nada.  Quem não faz, leva. No contra-ataque, Neto Berola driblou o goleiro Mário, fora da área, e cruzou para Júnior empurrar para o gol aberto.

Ainda teve espaço para mais um. Júnior foi derrubado por Agenor e o árbitro marcou o pênalti. Na bola, o aniversariante Viáfara. Primeiro, uma cobrança com paradinha, que Heber Roberto Lopes equivocadamente mandou repetir (a nova regra vale apenas a partir de 1º de junho). Na segunda vez, batida no canto direito de Márcio e o gol da classificação aos 49 minutos.

VITÓRIA 4 X 0 ATLÉTICO-GO
Viáfara, Nino Wallace, Reniê e Egídio; Vanderson, Uellinton, Ramon (Neto Berola) e Bida (Neto Coruja); Elkesson (Renato) e Júnior. Márcio, Márcio Gabriel, Jairo, Gilson e Thiago Feltri; Pituca (Anaílson), Agenor, Ramalho e Erandir (Weslley); Marcão e Juninho (Diogo).
Técnico: Ricardo Silva. Técnico: Geninho
Gols: Uelliton, aos 29, Júnior, aos 34 minutos do primeiro tempo; Júnior, aos 45, Viáfara, aos 49 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Ramon, Uelliton, Viáfara (Vitória) Márcio Gabriel, Jairo, Agenor, Juninho (Atlético-GO). Cartão Vermelho: Márcio Gabriel. Renda: R$ 617. 610, 00. Público: 35.086 pessoas.
Local: Estádio Barradão, em Salvador. Horário: 21h50m (de Brasília) Data: 19/05/2010
Árbitro: Heber Roberto Lopes (PR)
Auxiliares: Roberto Braatz (PR) e Carlos Berkenbrock (SC)

maio 20, 2010 Posted by | Vitória | | Deixe um comentário

Luxemburgo não aceita renovação de Marques, e atacante se aposenta

Jogador e ídolo da torcida queria continuar no Atlético-MG e parar somente no fim da temporada. Por isso, revela mágoa com o treinador

Marques, Atlético-MG

O atacante Marques, de 37 anos, teve que antecipar a sua aposentadoria. Não por vontade própria, mas por decisão do técnico Vanderlei Luxemburgo, do Atlético-MG. O treinador não quer mais trabalhar com o jogador e pediu para o clube não renovar o contrato do ídolo da massa atleticana.

– O treinador não quis que eu renovasse. Meu pensamento era continuar, me aposentar só em dezembro, mas o Vanderlei não quis. Meu procurador veio a Belo Horizonte para tratar da negociação, mas foi informado pelo Kalil (presidente do clube) que o Vanderlei não queria.

Vencedor de três títulos mineiros (1999, 2000 e 2010) e uma Conmebol (1997) com a camisa atleticana, o atleta não quer vestir a camisa de outro clube. Apesar da decepção, Marques afirma que não tem qualquer mágoa com o Galo.

– Meu negócio era o Atlético, ainda mais pelo compromisso que eu tenho com o clube e com a torcida. Não jogo mais em lugar algum. Não tenho mágoa com o Atlético, mas um ressentimento com o treinador. Eu queria continuar.

Marques teve três passagens pelo Atlético. A primeira foi de 1997 a 2002, quando construiu sua história no clube. A segunda foi de 2005 a 2006 e a última de 2008 a 2010.

maio 20, 2010 Posted by | Atlético-MG | , , | Deixe um comentário