Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Vasco recebe o Ceará, no Maracanã

Jogo envolve times que brigam na topo da tabela

LANCEPRESS!

Após um jogo conturbado e disputado em Taguatinga, contra o Brasiliense, o Vasco trouxe na mala problemas para o técnico Dorival Júnior. Aloísio, que substituiu Elton na terça-feira, sofreu um traumatismo craniano, seguido de interrupção das vias respiratórias – causada por um chiclete -, não joga. O atacante passa bem, mas fica fora por uma semana. Carlos Alberto, com uma entorse no tornozelo direito, também desfalca o time. É assim, modificado, que o Vasco enfrenta o Ceará, nesta sexta-feira, às 21h, no Maracanã.

O Gigante da Colina continua na liderança da Série B, com 42 pontos, três a mais que o Atlético-GO, e firme no caminho do acesso à Primeira Divisão. Embalado também está o Ceará. No G4, o time do técnico PC Gusmão, tem 34 pontos, na quarta colocação.

Montar a equipe que entra em campo a cada rodada não tem sido tarefa fácil para Dorival Júnior. Agora, como se não bastasse a ausência de Elton, que recebeu um pisão no pé direito, na partida contra o Ipatinga, o treinador não conta com o substituto imediato, Aloísio. Carlos Alberto, rotineiramente caçado pelos marcadores, emfim sucumbiu à uma lesão. Em vista da situação do setor ofensivo, Adriano começa jogando e, pela primeira vez, será o protagonista do ataque cruzmaltino. Em nove jogos pelo Vasco, ele já marcou quatro gols. Ao seu lado, entra Alan Kardec, que volta de três jogos preparatórios da Seleção Brasileira sub-20, visando ao Mundial do Egito.

– Teremos um jogo dificílimo, daqueles que valem seis pontos para buscarmos a classificação. Espero que o nosso torcedor compareça, acredite e, acima de tudo, apoie – pediu o comandante Dorival Júnior.

Problemas na frente, mudança na defesa. Ramon, que voltou a ser o jogador importante do começo do ano, marcando inclusive o gol da vitória contra o Brasiliense, dá luga a Ernani.

O Ceará vai ao Maracanã tentar defender sua posição no G4 e, apesar de pegar o líder da competição, o técnico PC Gusmão não se intimida com o palco do jogo.

– Sabemos da nossa qualidade e temos condições de nos manter no G-4, por isso o time está focado no nosso objetivo, que é chegar no Maracanã e conseguir um resultado positivo. Estamos acostumados a enfrentar grandes jogos e o objetivo das duas equipes será o mesmo, que é a vitória – disse o técnico do Vovô, ao site oficial do clube.

Vindo de um empate ruim em casa com o Juventude, o Ceará contará com a volta de Lopes e Careca, que cumpriram suspensão automática na rodada passada. Já Michel segue em tratamento no departamento médico.

FICHA TÉCNICA:
VASCO x CEARÁ


Estádio: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 28/8/2009 – 21h (horário de Brasília)
Árbitro: Devarly Lira do Rosário (ES)
Auxiliares: Katiuscia Mayer Berger Mendonça (FIFA – ES)
Antônio Carlos de Oliveira (ES)

VASCO: Fernando Prass, Paulo Sérgio, Vilson, Gian e Ernani; Mateus, Souza, Enrico e Alex Teixeira; Adriano e Alan Kardec. Técnico: Dorival Júnior.

CEARÁ: Lopes, Boiadeiro, Erivelton, Anderson e Fábio Vidal; João Marcos, Jorge Henrique, Careca e Geraldo; Wellington Amorim e Mota. Técnico: PC Gusmão

agosto 27, 2009 Posted by | Ceará, Vasco da Gama | , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Botafogo e Cruzeiro empatam no Engenhão

Em jogo sem emoção, equipes não passam de um simples 1 a 1

Botafogo e Cruzeiro fizeram uma partida com poucas chances de gol no Engenhão (Crédito: Cleber Mendes)

Botafogo e Cruzeiro fizeram uma partida com poucas chances de gol no Engenhão

LANCEPRESS!

No duelo atrasado da 11ª rodada do Campeonato Brasileiro, Cruzeiro e Botafogo se enfrentaram nesta quinta-feira, no Engenhão e não conseguiram sair de um empate em 1 a 1. A partida teve poucas jogadas de perigo e os poucos torcedores que foram ao estádio acabaram saindo desapontados. Os gols do jogo foram marcados por Lucio Flavio para o Alvinegro e por Thiago Ribeiro para a equipe mineira.

Desde o início do jogo, os dois times mostraram muita vontade de vencer a partida. O Cruzeiro apostava em jogadas pela ala direita, principalmente com Guerrón, mas um pouco apagado, pouco ameaçou a equipe do Botafogo, tanto, que foi substituído no intervalo. Pelo lado alvinegro, as chances eram sempre criadas por enfiadas de bola nas costas dos zagueiros do adversário. Por diversas vezes, os atacantes do Glorioso acabaram na cara do goleiro Fábio, mas não conseguiam abrir o placar.

Aos 32 minutos, após inúmeras tentativas, Michael acertou um belo passe para Lucio Flavio. O Maestro recebeu sozinho na área driblou o goleiro e abriu o placar para o Botafogo.

Mesmo atrás no marcador, o Cruzeiro não conseguia assustar. O panorama do jogo só começou a mudar, quando o volante Fahel, que entrou na equipe barrando Jônatas, que vinha sendo titular, cometeu uma falta boba na entrada da área e acabou sendo expulso, após receber o segundo cartão amarelo.

Com um a mais em campo, a Raposa começou a dominar a partida, trocando passes e envolvendo a defesa alvinegra. O Botafogo tentava aumentar o placar nos contra-ataques. Aos 22 minutos da segunda etapa, Gilberto cobrou escanteio pela direita e Thiago Ribeiro, de cabeça, empatou a partida. O gol foi uma punição ao técnico Estevam Soares por ter escalado Fahel. Após o gol de empate, o Cruzeiro continuou pressionando, mas a partida acabou mesmo 1 a 1.


Neste domingo, o Botafogo volta a jogar no Engenhão, desta vez contra o Grêmio, pela 22ª rodada do Brasileiro. Já o Cruzeiro, vai até Salvador encarar o Vitória.

FICHA TÉCNICA:
BOTAFOGO 1 X 1 CRUZEIRO

Estádio: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 27/08/09 – 21h
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa/PR)
Auxiliares: Gilson Bento Coutinho (PR) e Ivan Carlos Bohn (PR)
Público/Renda: 6.472 pagantes / R$ 78.092,00
Cartões amarelos: – (BOT); Fabrício, Jancarlos, Elicarlos e Marquinhos Paraná (CRU)
Cartão vermelho: Fahel , 3’/2ºT (BOT)

GOLS: Lucio Flavio, 32’/1°T (1-0); Thiago Ribeiro, 22’/2°T (1-1)

BOTAFOGO: Castillo, Alessandro, Juninho, Emerson e Thiaguinho (Jônatas, 44’/2ºT). ; Leandro Guerreiro, Fahel, Michael (Batista, 16’/2ºT) e Lucio Flavio; Victor Simões e André Lima (Reinaldo, 24’/2ºT). Técnico: Estevam Soares.

CRUZEIRO: Fábio, Jancarlos (Elicarlos, 13’/2ºT), Leonardo Silva, Thiago Heleno e Diego Renan; Fabricio, Marquinhos Paraná, Henrique, Gilberto e Guerrón (Soares, intervalo); Thiago Ribeiro. Técnico: Adilson Batista.

agosto 27, 2009 Posted by | Botafogo, Cruzeiro | , , , , , | Deixe um comentário

Botafogo encara Cruzeiro no Engenhão

Equipes vivem momentos distintos no Campeonato Brasileiro

LANCEPRESS!

Em duelo atrasado da 11ª rodada do primeiro turno, Botafogo e Cruzeiro se enfrentam nesta quinta-feira, às 21h, no Engenhão, lutando por objetivos distintos. Enquanto o Glorioso luta para fugir da zona do rebaixamento, o time mineiro quer provar que tem força e elenco para subir na tabela e lutar pelo menos por uma vaga na Libertadores do ano que vem.

No Botafogo, o técnico Estevam Soares sabe que a força de seu time, que vem atuando bem fora de casa, mas vacilando em seus domínios, continua no ataque e por isso chegou a cogitar a possibilidade de atuar com três atacantes. Porém, o treinador deve mesmo montar a equipe em um 4-4-2 com Michael na lateral e Batista no meio de campo. Reinaldo, que chegou a treinar como titular deve começar no banco.

Estevam Soares lembrou que sempre respeitou o Botafogo no Engenhão e que se o time estiver bem, pode acabar vencendo o Cruzeiro.

– Sempre respeitei o Botafogo nas vezes que vim jogar aqui e não acho que o Cruzeiro pense diferente. Eles pensam que será um jogo difícil. Há partidas que o Botafogo não joga bem no Engenhão, mas quando você joga fortalecido, você começa a jogar bem. Pode jogar no Engenhão, Maracanã, em Wembley, você irá jogar bem e terá chances de vencer. Quando o time está forte, acaba vencendo – disse Estevam.

Pelo lado do Cruzeiro, após uma semana de grande mistério em relação a saída ou não do Gladiador Kléber, o time mineiro volta as suas atenções para manter o bom momento no Brasileirão, com a presença do camisa 30.

A missão celeste é conquistar a terceira vitória seguida na competição para continuar mirando os primeiros lugares. Para isso, Adilson contará com um velho conhecido do Engenhão no ataque, Wellington Paulista, e uma defesa precavida. O capitão Leonardo Silva está em alerta para as bolas paradas do time carioca.

– A gente tem que ficar sempre atento, sempre próximo, para roubar a bola sem falta, porque eles têm jogadores que têm uma excelente cobrança de falta e levam perigo sempre, em qualquer cobrança. Temos que estar sempre preparados e espertos para não cometer essas faltas – afirma Leonardo Silva.

Adilson Batista tem o desfalque de Gil na zaga. Thiago Heleno retorna ao time titular. O volante Fabinho, com uma virose, também ficou em Belo Horizonte. Jonathan segue machucado e Jancarlos veste novamente a camisa 2.

FICHA TÉCNICA:
BOTAFOGO X CRUZEIRO

Estádio: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 27/08/09 – 21h
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa/PR)
Auxiliares: Gilson Bento Coutinho (PR) e Ivan Carlos Bohn (PR)

BOTAFOGO: Castillo, Alessandro, Juninho, Emerson e Michael; Leandro Guerreiro, Fahel, Batista e Lucio Flavio; Victor Simões e André Lima. Técnico: Estevam Soares.

CRUZEIRO: Fábio, Jancarlos, Leonardo Silva, Thiago Heleno e Diego Renan; Fabricio, Marquinhos Paraná, Henrique e Gilberto; Kléber e Wellington Paulista. Técnico: Adilson Batista.

agosto 27, 2009 Posted by | Botafogo, Cruzeiro | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Com empate, Flu faz o mínimo para tirar Fla da Sul-Americana

Clássico é ruim de novo, mas Roni e Denis Marques garantem golzinhos

Empatados em erros, Flamengo e Fluminense também ficaram na igualdade em gols, na noite desta quarta-feira, no Maracanã. Melhor para o time dirigido por Renato Gaúcho, que fez um de pênalti, com Roni, e passou a ter o regulamento debaixo do braço por, teoricamente, estar fora de casa. Com isso, eliminou o rival e, mesmo aos trancos, classificou-se para as oitavas-de-final da Copa Sul-Americana.

Dado o desdém do treinador dispensado à competição anteriormente, não se sabe se é ruim ou bom, já que as atenções ficarão divididas com o Campeonato Brasileiro, prioridade. Ao menos, os sorrisos voltaram aos tricolores e a motivação pode servir como um alento. Já o Rubro-Negro amarga o quarto jogo sem vitória.

Na próxima fase, o Tricolor das Laranjeiras encara quem passar de Alianza Atlético (PER) e Deportivo Anzoátegui (VEN), que só se enfrentam pelo segundo jogo no dia 15. Na ida, acabou 0 a 0.

1º TEMPO

Não bastaram os apelos da crítica e até dos próprios comandantes, que escalaram os titulares disponíveis. O segundo Fla-Flu internacional oficial foi mesmo uma decepção. Bem parecida com o “jogo de ida”. Entre aspas porque o palco era o mesmo. O Maracanã, de tantas histórias e clássicos, foi maltratado. Para se ter uma ideia só depois dos 15 minutos é que saiu o chute inaugural do duelo.

Na realidade, o que se viu foi um festival de erros. Com raras cabeças pensantes – Petkovic, mesmo em noite abaixo da média, se destacava pela categoria -, a disputa se tornou ainda mais ríspida e de bolas rifadas. Como o 0 a 0 levava para os pênaltis, ninguém parecia querer se arriscar.

Se o Rubro-Negro tinha esperanças, elas estavam depositadas em Emerson. Só que o Sheik, como havia avisado, não tinha condições físicas. Com dores fortes na coxa direita, saiu para a entrada de Zé Roberto. A rigor, o Flu era um pouquinho mais objetivo. Na base da correria, acionava Kieza e Conca, que tentavam bater em gol.

Como prêmio, em jogada polêmica Angelim derrubou o K-9 tricolor na linha da área. Carlos Chandía acertou em marcar o pênalti, cobrado por Roni, sem chances para Bruno, já nos acréscimos. No intervalo, uma visão meio distorcida de Pet chamou a atenção. Segundo ele, o time de Andrade fazia um partidaço, principalmente pela atuação de Fierro. Hein?

2º TEMPO

Sem mexidas, os rivais voltaram para o segundo tempo mais animados. Claramente, o Fluminense adotou postura mais cautelosa, já que estar em vantagem em um confronto é algo que não acontecia há tempos. Mas até que para quem se desacostumou a vencer, a estratégia foi certinha. Embora lentos, os contragolpes perturbavam a defesa rubro-negra.

Mas a sorte virou de lado. Ao menos no fugaz minuto 15. Desconcertado, Denis Marques lutou contra os zagueiros e conseguiu, depois de chutar completamente errado, acertar o gol. A bola desviou em João Paulo e em Zé Roberto antes de encobrir Rafael, que já vinha mostrando insegurança em lances anteriores.

O gol não mudou muito o clássico. Até porque Pet, cansado, pediu para sair. Renato Gaúcho preferia esperar para ver no que ia dar, e Andrade só pôs Camacho, na vaga do ídolo. Só depois é que Marquinho e Alan foram lançados.

Com sangue novo, o Flu atrasava a reação do adversário. E até animou a tímida torcida quando Kieza escapou em direção ao gol e foi puxado por David, que foi expulso. O mesmo aconteceria com Fierro pouco tempo depois.

A partir daí, o Flamengo nem mesmo ameaçou o gol de Rafael e mostrou que a situação, sem Emerson e Adriano, deve ficar bem pior em breve. A péssima partida ainda perdurou por 51 minutos na etapa final, com os incríveis acréscimos do chileno de tanta cera que fez o Tricolor, e judiou os 10 mil presentes ao Maracanã.

FICHA TÉCNICA:
FLAMENGO 1 X 1 FLUMINENSE

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data/Hora: 25/8/2009 às 21h50
Árbitro: Carlos Chandía (CHI)
Assistentes: Lorenzo Acuña (CHI) e Cristian Julio (CHI)
Renda/público: R$ 133.228,00/10.539 pagantes
Cartões amarelos: Willians, Aírton e David (FLA); João Paulo e Luiz Alberto (FLU)
Cartões vermelhos: David, 37’/2ºT (FLA); Fierro, 46’/2ºT (FLA)
GOLS: Roni, 47’/1ºT (0-1)

FLAMENGO: Bruno, David, Aírton e Ronaldo Angelim; Fierro, Willians, Lenon, Pekovic (Camacho, 28’/2ºT) e Everton; Emerson (Zé Roberto, 25’/1ºT) e Denis Marques – Técnico: Andrade.

FLUMINENSE: Rafael, Ruy, Cássio, Luiz Alberto e João Paulo; Fabinho, Diogo, Diguinho (Marquinho, 34’/2ºT) e Conca (Maicon, 40’/2ºT); Roni e Kieza – Técnico: Renato Gaúcho.

agosto 27, 2009 Posted by | Flamengo, Fluminense | , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Timão estreia camisa e empata com o Barueri

Corinthians leva gol relâmpago, reage, mas não consegue segurar a vantagem e a vaga no G4

Jorge Henrique tenta escapar da marcação de Ralf, no empate do Corinthians (Crédito: Ari Ferreira)

Jorge Henrique tenta escapar da marcação de Ralf, no empate do Corinthians

Bruno Caetano

Na estreia da sua nova camisa, o Corinthians levou um gol aos 20 segundo de jogo, conseguiu a virada mas não segurou a vantagem no segundo tempo e acabou empatando com o Barueri por 2 a 2, nesta quarta-feira, na Arena Barueri. Com o resultado, as duas equipes estão empatadas na tabela com 33 pontos e perderam a chance de entrar no G4.

O Barueri abriu o placar com um gol relâmpago de Flavinho. No segundo tempo, o Timão chegou a virar o jogo com Marcinho e Elias, mas Val Baiano empatou para os donos da casa.

Quem chegou um minuto atrasado ao estádio perdeu o principal lance da primeira etapa, o gol do Barueri. Com menos de 30 segundos de bola rolando, Flavinho marcou de cabeça. Marcos Pimentel cruzou da direita, Márcio Careca escorou e o atacante apareceu para marcar.

O Timão sentiu o golpe e teve dificuldades para trocar três passes seguidos. Em todo o primeiro tempo, a equipe do Parque São Jorge não ameaçou o goleiro Renê. Com um time totalmente diferente do que conquistou os títulos do Campeonato Paulista e da Copa do Brasil, o Alvinegro foi dominado pelo time da casa na primeira metade do jogo.

Um dos desfalques foi o goleiro Felipe, e Rafael Santos, seu substituto, deixou a torcida corintiana aflita aos 34 minutos. Val Baiano cabeçeou fraco e o terceiro goleiro do Timão viu a bola passar por entre suas mãos. Ele se recuperou e salvou o segundo gol do Barueri em cima da linha.

No intervalo, Mano Menezes deu uma sacudida no seu time e trocou Henrique por Souza. A mudança deu certo, os jogadores voltaram muito mais ligados e as jogadas começaram a aparecer. Aos 6, Souza sofreu pênalti polêmico de Márcio Careca. Marcinho bateu e converteu para o Timão.

O Corinthians era bem melhor e foi para a pressão. Elias acertou um raro chute de fora da área e fez um golaço. A bola entrou no ângulo de Renê, aos 13 minutos.

Mas a vantagem corintiana acabou aos 18, Márcio Careca cruzou na medida para Val Baiano cabeçear e empatar a partida novamente. O gol colocou o camisa 9 do Barueri como artilheiro isolado do campeonato, com 11 tentos marcados.

O time da casa sentiu que dava para buscar a vitória e foi para cima. Aos 36, após cobrança de falta, Leandro Castan marcou de cabeça. No lance, o assistente Ednilson Corona assinalou impedimento.

No fim, Xandão levou o segundo amarelo e foi expulso, mas o Timão não conseguiu pressionar para chegar ao terceiro gol.

As duas equipes não jogarão no próximo fim de semana. O Corinthians só voltará à campo na próxima quarta-feira para enfrentar o Santos, no Pacaembu. Já o Barueri, pegará nopróximo compromisso dia 5 de setembro o líder Palmeiras, no Palestra Itália.

FICHA TÉCNICA:
BARUERI 2 X 2 CORINTHIANS

Estádio: Arena Barueri, Barueri (SP)
Data/hora: 26/08/2009 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Salvio Espinola Fagundes (Fifa-SP)
Auxiliares: Ednilson Corona (Fifa-SP) e Roberto Braatz (Fifa-PR)
Renda/público: Não disponíveis
Cartões amarelos: Leandro Castan, Márcio Careca (BAR); Moradei, Paulo André, Elias, Souza, Morais, Marcelo Oliveira (COR)
Cartões vermelhos: Xandão, 40’/2ºT (BAR)
GOLS: Flavinho, 1’/1ºT (1-0); Marcinho, 7’/2ºT (1-1); Elias, 13’/2ºT (1-2);
Val Baiano, 18’/2ºT (2-2)

BARUERI: Renê; Xandão, Daniel Marques e Leandro Castan; Marcos Pimentel, Ralf, Everton (Marcio Hahn, 33’/2ºT), Thiago Humberto e Márcio Careca; Flavinho (Basílio, 38’/2ºT) e Val Baiano (Luís, 41’/2ºT). Técnico: Diego Cerri

CORINTHIANS: Rafael Santos; Balbuena, Paulo André, Jean e Marcinho (Marcelo Oliveira, 27’/2ºT); Moradei, Elias e Morais; Jorge Henrique, Henrique (Souza, intervalo) e Bill (Jadson, 34’/2ºT). Técnico: Mano Menezes

agosto 27, 2009 Posted by | Corinthians, Grêmio Prudente | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Em jogo emocionante, Santos e Inter empatam na Vila

Alecsandro marcou três, Kléber Pereira dois e jogo termina igual; Colorado ainda pode levar o Osmarzão

Andrezinho e Ganso disputam bola no meio-de-campo (Crédito: Reginaldo Castro)

Andrezinho e Ganso disputam bola no meio-de-campo

FABRICIO CREPALDI

Em partida cheia de gols, Santos e Internacional empataram em 3 a 3 na Vila Belmiro, na noite desta quarta-feira, em jogo atrasado da 16ª rodada do Campeonato Brasileiro. E os camisas 9 brilharam: Kléber Pereira, marcou duas vezes para o time da casa, enquanto Alecsandro fez os três do Colorado. Madson fez o outro do Peixe.

Com o resultado, o Peixe chegou a 29 pontos, ná décima posição. Já o Inter, com 34, é o quarto colocado. O Colorado ainda sonha com a conquista do Troféu Osmar Santos, oferecido pelo LANCE! ao campeão do primeiro turno. Para isso, o time gaúcho precisa vencer o Atlético-MG, no Beira-Rio.

A partida começou com as duas equipes buscando o gol e quem chegou mais próximo foi o clube gaúcho. Logo aos 4 minutos, Andrezinho apareceu livre na frente de Felipe e chutou de esquerda. O goleiro santista fez linda defesa.

O time da casa respondeu pouco depois. O zagueiro Fabão recebeu na intermediária e bateu com força. Lauro defendeu com segurança. O Santos ficava a maior parte do tempo com o domínio da bola, mas o Inter assustava nos contra-ataques, principalmente com o garoto Taison.

Porém, aos 13, o Alvinegro abriu o placar. O zagueiro Bolívar tentou fazer um recuo e errou. Madson foi mais rápido que a zaga, roubou a bola e na frente de Lauro tocou no canto, rasteiro, sem chances para o arqueiro.

O gol parece que desestabilizou o Colorado. Apenas dois minutos depois, o Peixe aumentou. Kléber Pereira recebeu passe dentro da área, deu lindo drible em Danilo e chutou de esquerda, no canto. Lauro ainda tentou chegar, mas a bola estufou a rede, fazendo a festa da torcida santista.

E no ataque seguinte quase o time da casa fez mais um. Novamente Madson recebeu sozinho na área e tentou encobrir o goleiro, que conseguiu desviar e mandou para escanteio.

Com a vantagem no placar, o Santos parou de jogar. E o Internacional se aproveitou. Aos 24, Taison fez linda jogada pelo lado esquerdo e cruzou rasteiro. A bola atravessou toda a área e encontrou Alecsandro livre, dentro da pequena área. O atacante só teve o trabalho de empurrar e diminuir a diferença.

Assim como o adversário, o segundo gol do Inter veio dois minutos depois do primeiro. Kléber cobrou falta na cabeça de Alecsandro, que subiu mais que o goleiro Felipe e empatou a partida na Vila.

A resposta do Peixe veio com Paulo Henrique Ganso, que arriscou da intermediária e assustou Lauro. Antes do fim do primeiro tempo, o Alvinegro passou a pressionar mais. Novamente Ganso apareceu livre, na entrada da área e chutou com força. A bola passou raspando a trave. Em seguida, Léo cruzou da esquerda, Kléber Pereira cabeceou e Lauro fez linda defesa. Mesmo com a pressão santista, os times foram para o vestiário com a partida empatada.

A segunda etapa começou e logo no primeiro ataque, o Inter conseguiu a virada. Andrezinho fez linda jogada pelo meio-de-campo e lançou Alecsandro, que estava em posição legal. O atacante recebeu e tocou por cima de Felipe, marcando um lindo gol, o seu terceiro no jogo.

Quando parecia que o time da casa estava perdido em campo, errando muitos passes, veio o gol de empate, mais uma vez, com Kléber Pereira. George Lucas cruzou da direita e o centroavante chegou antes de Bolívar, cabeceando no ângulo de Lauro, igualando o marcador.

Após o gol, o jogo perdeu um pouco de sua emoção e as equipes pararam de atacar. O Santos se resumia a tentar algo por meio dos cruzamentos e o Colorado não conseguia segurar o jogo no campo de ataque. Em dois lances, a torcida santista pediu pênalti. No primeiro, Kléber Pereira caiu na área após cruzamento. No segundo, Madson dividiu com Daniel, mas em ambos o árbitro mandou seguir.

Aos 32, Kléber Pereira e Sorondo se desentenderam na área. O árbitro não viu e foi alertado pelo bandeira. Em seguida, os dois foram expulsos de campo. Na sequencia, Madson cruzou da esquerda, Bolívar tentou cortar e quase marcou contra.

Depois das expulsões, o Peixe passou a pressionar o adversário, principalmente com jogadas individuais de Madson pelo lado esquerdo, mas sem objetividade. Em cabeçada após cobrança de escanteio, Fabão chegou a assustar Lauro. Na última chance do jogo, Kléber cobrou falta na barreira. Ainda deu tempo do lateral Daniel ser expulso por fazer cera e a partida terminou mesmo empatada.

Na próxima rodada, o Santos recebe o Fluminense na Vila Belmiro, domingo, às 16h. Já o Internacional joga no mesmo dia, às 18h30, contra o Internacional, no Beira-Rio.


FICHA TÉCNICA:

SANTOS 3 X 3 INTERNACIONAL

Estádio: Vila Belmiro, Santos (SP)
Data/hora: 26/08/2009 – 21H (de Brasília)
Árbitro: Luiz Antônio dos Santos (RJ)
Auxiliares: Marco Aurélio dos Santos Pessanha (RJ) e Wagner de Almeida do Santos (RJ).
Renda/público: Não disponíveis
Cartões amarelos: Rodrigo Mancha, George Lucas, Fabão (SAN); Sandro, Guiñazú, Daniel (INT)
Cartões vermelhos: Kléber Pereira, 32’/2ºT (SAN); Sorondo, 32’/2ºT; Daniel, 49’/2ºT (INT)
GOLS: Madson, 13’/1ºT (1-0); Kléber Pereira, 15’/1ºT (2-0); Alecsandro, 24’/1ºT (2-1);
Alecsandro, 26’/1ºT (2-2); Alecsandro, 05’/2ºT (2-3); Kléber Pereira, 13’/2ºT (3-3)

SANTOS: Felipe; George Lucas, Fabão, Eli Sabiá e Léo; Rodrigo Mancha (Germano, intervalo), Rodrigo Souto (André, 39’/2ºT), Róbson (Neymar, 12’/2ºT), Paulo Henrique Ganso e Madson; Kléber Pereira. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

INTERNACIONAL: Lauro; Daniel, Bolívar, Sorondo e Kleber; Sandro, Guiñazú, Giuliano (Danny Morais, 33’/2ºT) e Andrezinho (Marcelo Cordeiro, 21’/2ºT); Alecsandro (Magrão, 26’/2ºT) e Taison. Técnico: Tite.

agosto 27, 2009 Posted by | Internacional, Santos | , , , , , , , , , | Deixe um comentário