Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

André Lima perde até pênalti e dá brecha à volta do Furacão

Time de Antonio Lopes emplaca terceira vitória seguida e complica o rival

O Fogão errou muito e decepcionou diante do Furacão (Crédito: Julio Cesar Guimarães)

O Fogão errou muito e decepcionou diante do Furacão

Há exatamente uma semana, André Lima deixava o Engenhão, palco do duelo com o Atlético Paranaense, neste sábado, como heroi, após marcar duas vezes na vitória sobre o Barueri. Desta vez, no entanto, o atacante saiu de campo chorando de tristeza. Além de perder um pênalti, furou duas vezes a conclusão e viu seu time ser derrotado por 1 a 0, gol de Patrick.

O Furacão, que nada tem a ver com isso tudo, voltou a sorrir, decolou sob o comando de Antonio Lopes e emplacou a terceira vitória consecutiva no Campeonato Brasileiro, o que o alçou à 13ª posição, com 21 pontos. Já o Alvinegro parou nos 19, agora em 14º.

Vamos pular os 12 minutos inciais da partida, que em nada acrescentaram a esse relato. Como registro, vale apenas situar que o Botafogo teve mais posse de bola, no campo do adversário, mas não assustava. A partir daí, Lucio Flavio começou a criar algum perigo com bons cruzamentos. A pontaria dos atacantes, no entanto, não ajudava muito.

Razoável no meio, mas vulnerável atrás, o Atlético Paranaense contava com os habilidosos Wesley e Paulo Baier para reter a bola. Só que aos 18, depois de um escanteio, o zagueirão Chico puxou André Lima e cometeu pênalti claro. E, por mais curioso que pareça, foi quando a noite da equipe de Ney Franco começou a desandar, com uma dose danada de azar.

O camisa 9 pediu a bola a Lucio Flavio, cobrador oficial, que cedeu, sob pressão. A cobrança foi na trave e gerou críticas de Ney Franco. Logo em seguida, sem esmorecer com o erro, o Alvinegro ainda teve nova chance, com Victor Simões, que chutou duas vezes, mas só conseguiu acertar… a mesma trave!

Tudo isso deu brecha para que o Furacão crescesse no duelo da metade da etapa em diante. Quase sempre pelo lado direito, trocava passes e, vez por outra, até envolveu os cariocas. Mas nada que Castillo não afastasse da área. O grande problema do Botafogo, até neste mesmo setor, era a ineficiência de Batista, que não marcava tampouco apoiava.

Atento, o treinador alvinegro corrigiu o detalhe no intervalo ao tirar seu ala para pôr Léo Silva. Com isso, Eduardo foi adiantado e o volante compos o meio. O que deu muito certo. Em dez minutos, o time mostrou-se mais vibrante e recheado de opções, já que Jônatas, então sumido, também ganhou companhia.

Em contrapartida, o time dirigido por Antonio Lopes também soltou-se mais, e Marcinho se tornou o destaque ofensivo. Saindo com frequência e coragem, os espaços cresceram atrás. O jogo ficou bom e André Lima se consolidou como o personagem principal. Só que negativamente. Duas vezes ele furou em claríssimas chances de abrir o placar, irritando a torcida.

Poucas vezes, então, o velho jargão “quem não faz, leva” se aplicou tão bem. Em bola alçada na área, na primeira jogada de Flávio, que entrara na vaga do uruguaio, lesionado, saiu o gol paranaense, por meio de Patrick, com oportunismo, porém impedido. Sem alternativa, o Botafogo teve de ir para cima com tudo. Ney mandou Tony a campo, tirando Fahel.

Como de costume, o abafa desorganizado não funcionou. Tanto que nos 15 minutos finais, o Furacão foi até mais perigoso que o rival, em contragolpes rápidos. O tempo corria, os alvinegros ficavam impacientes e gritavam a plenos pulmões “time de m…”, encerrando a lua-de-mel com o grupo.

Antonio Lopes deixou para queimar suas mexidas perto do fim, atrasando os comandados de Ney Franco, que nada mais puderam fazer.


FICHA TÉCNICA

BOTAFOGO 0 x 1 ATLÉTICO-PR

Local: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 8/8/2009 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Francisco de Assis Almeida Filho (CE)
Auxiliares: Ednilson Corona (Fifa-SP) e Manuel Marcio Bezerra Torres (CE)
Renda/público: R$ 133,891,50/11.454 pagantes
Cartões amarelos: Jônatas, Wellington, Victor Simões, Alessandro e Léo Silva (BOT); Chico, Wesley e Galatto (ATL-PR)
Cartões vermelhos: –
GOLS: Patrick, 24’/2ºT (0-1)

BOTAFOGO: Castillo (Flávio, 22’/2ºT), Wellington, Leandro Guerreiro e Eduardo; Alessandro, Fahel (Tony, 18’/2ºT), Jônatas, Lucio Flavio e Batista (Léo Silva, intervalo); Victor Simões e André Lima. Técnico: Ney Franco.

ATLÉTICO-PR: Galatto, Nei, Chico e Manoel; Wesley, Rafael Miranda, Valencia, Paulo Baier (Raul, 42’/2ºT) e Márcio Azevedo (Renan, 38’/2ºT); Marcinho (Gabriel Pimba, 43’/2ºT) e Patrick – Técnico: Antonio Lopes.

agosto 8, 2009 Posted by | Atlético-PR, Botafogo | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Santos vacila e cede empate à sensação Avaí

Peixe abre 2 a 0 mas acaba cedendo o empate na Vila; Catarinenses perdem a chance de chegar ao G4

Santos abre boa vantagem mas acaba vacilando e cedendo empate (Foto: Ivan Storchi)

Santos abre boa vantagem mas acaba vacilando e cedendo empate (Foto: Ivan Storchi)

Bruno Uliana

O Santos, que vive bom momento no campeonato, desperdiçou ótima oportunidade de se aproximar dos primeiros colocados, nesta sábado, na Vila Belmiro. O Peixe, que chegou a abrir dois gols de vantagem, cedeu o empate ao Avaí no segundo tempo e só chegou a 24 pontos. O Avaí, que atingiu a marca de oito jogos sem derrotas, perdeu a oportunidade de entrar pela primeira vez no G4.

Para entrar na zona de classificação para a Libertadores, o time de Florianópolis precisava da vitória. Para isso, o técnico Silas contava com a ótima fase do goleiro Eduardo Martini, que aos cinco minutos do primeiro tempo completou 300 minutos sem sofrer gols na competição.

Porém, a invencibilidade do arqueiro catarinense não durou muito tempo. Aos 9 minutos, o incansável Madson, que participou de 43 dos 44 jogos do Santos na temporada, recebeu passe em profundidade de Paulo Henrique e chutou no canto, abrindo o placar para o Peixe.

No lance seguinte, o camisa 10 deu um chute cruzado assustando novamente Martini. Mas, desta vez, o goleiro se deu melhor e evitou o segundo gol.

A equipe do técnico Silas não sentiu o gol santista e começou a dominar as ações. Porém, só conseguiu ameaçar efetivamente o goleiro Felipe aos 25. No lance, o meia Marquinhos acertou belo chute de fora da área, mas a bola saiu por cima. Dois minutos depois, o centroavante William desperdiçou chance inacreditável: ao receber dentro da área e, mesmo livre de marcação, dominou e chutou rasteiro, mas a bola saiu fraca e Felipe defendeu.

No segundo tempo, o Avaí voltou decidido a empatar a partida. Porém, aos 5 minutos, o lateral Léo fez ótima jogada individual e encontrou Kléber Pereira. O artilheiro, livre de marcação, tocou na saída de Eduardo Martini e ampliou a vantagem santista. O camisa 9 não marcava na Vila Belmiro há mais de três meses. O último tento anotado pelo camisa 9 na casa santista havia sido no empate frente ao Goiás, na primeira partida do Peixe em seu estádio no campeonato (empate em 3 a 3).

Porém, com a vantagem no placar, o Peixe relaxou e aos 20 minutos o ex-santista William recebeu passe dentro da área de Muriqui e bateu cruzado, diminuindo para o Avaí.

E a o gol avaiano colocou fogo no jogo. Aos 24, após bate e rebate dentro da área, a bola sobrou para Emerson, que só escorou para o gol, empatando a partida.

Na próxima rodada, o Santos vai ao Mineirão enfrentar o Cruzeiro, enquanto o, ainda embalado, Avaí recebe o Náutico na Ressacada.

SANTOS 2 X 2 AVAÍ

Estádio: Vila Belmiro, Santos (SP)
Data/hora: 08/08/2009 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Wallace Nascimento Valente (ES)
Auxiliares: Antônio Carlos de Oliveira (MG) e Adailson Alves Pereira (MG)

Renda/público: R$ 200.840,00 / 12.074 pagantes
Cartões amarelos: Madson, Rodrigo Mancha, Fabão (SAN); Augusto, William, Léo Gago, Rafael (AVA)
Cartões vermelhos: Fulano, 12’/1ºT (SAN); Fulano, 29’/2ºT (AVA)
GOLS: Madson, 9’/1ºT (1-0); Kleber Pereira, 05’/2ºT (2-0); William, 20’/2ºT (1-2); Emerson, 24’/2ºT (2-2)

SANTOS: Felipe; Pará, Fabão, Eli Sabiá e Léo; Rodrigo Mancha, Germano(Felipe Azevedo, 20’/1ºT)(Tiago Luís, 41’/2ºT), Rodrigo Souto, Madson e Paulo Henrique Lima (Neymar, 27’/2ºT); Kléber Pereira. Técnico: Vanderlei Luxemburgo

AVAÍ: Eduardo Martini; Rafael, Augusto e Emerson; Luís Ricardo, Marcus Winícius, Léo Gago, Marquinhos (Anderson, 46’/2ºT) e Eltinho; Muriqui e William(Caio, 40’/2ºT). Técnico: Silas

agosto 8, 2009 Posted by | Avaí, Santos | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Náutico vence o Santo André no Lacerdão

Atacante marca os dois gols da partida, que teve muitas chances criadas

Partidas com muitas chances de gol entre Náutico e Santo André (Crédito: Antonio Carneiro)

Partidas com muitas chances de gol entre Náutico e Santo André

LANCEPRESS!

O Náutico venceu o Santo André por 2 a 1 neste sábado, no Lacerdão, em um jogo marcado por chances de gols criadas. Ao contrário de Marcelinho Carioca, que perdeu um pênalti, Carlinhos Bala marcou os dois gols do Timbu e foi o destaque da partida.

Asprilla assustou a torcida da casa ao derrubar Nunes na área com menos de três minutos. Mas o goleiro Gledson acertou o canto da penalidade cobrada por Marcelinho Carioca e fez a defesa para alívio dos alvirrubros no Lacerdão – o Náutico não jogou nos Aflitos, pois perdeu um mando de campo após uma garrafa ter sido atirada por um torcedor em um repórter baiano na partida com o Vitória, dia 16 de julho.

A segunda chance de gol para o Santo André saiu mais uma vez dos pés de Marcelinho Carioca. O meia cobrou escanteio pela direita e carimbou a trave do Náutico. O Timbu só ameaçou após os 30 minutos, quando Carlinhos Bala começou a apresentar seu melhor futebol. E já era possível notar que ele seria o destaque do duelo.

Foi o atacante do Timbu que acertou dois excelentes chutes de fora da área para boas defesas de Neneca. Pressionando, o Náutico buscou o gol. Depois do bate e rebate, a bola sobrou para Márcio Barros, que completou para a rede. Porém, o árbitro anulou corretamente o lance, já que o atacante alvirrubro estava impedido.

O primeiro tempo terminou sem gols apesar das chances criadas. Mas diferentemente da primeira etapa, quando a primeira oportunidade de gol foi criada, mas não aproveitada, o segundo tempo começou com gol. Aos três minutos, Anderson Santana fez boa jogada pela esquerda, cruzou e a bola passou por toda a área até chegar aos pés de Carlinhos Bala, que, sozinho, balançou a rede.

Em vantagem, o Náutico passou a atuar mais recuado para garantir a vitória. O técnico Geninho até tirou um atacante e viu em um rápido contra-ataque o Timbu ampliar o placar. Gilmar puxou a jogada do meio-de-campo e deu ótimo passe para Carlinhos Bala, que chutou no ângulo esquerdo de Neneca e saiu para comemorar.

O Santo André tentou diminuir a vantagem, viu o Náutico perder Vágner expulso e chegou ao primeiro gol com o lateral Gustavo Nery. Nas não foi o suficiente. E a partida ficou assim: 2 a 1 para o Náutico.

FICHA TÉCNICA

NÁUTICO 2 X 1 SANTO ANDRÉ

Estádio: Lacerdão, Caruaru (PE)
Data/hora: 08/8/2009 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Auxiliares: Roberto Braatz (Fifa-PR) e Luiz Carlos Camara Bezerra (RN)
Cartões Amarelos: Asprilla, Onildo, Vágner (NAU); Neneca, Vinícus, Marcel, Júnior Dutra, Ricardo Conceição, Marcelinho Carioca (STA)
Cartões Vermelhos: Vágner (NAU)

GOLS: Carlinhos Bala (3’/2T e 26’/2T), Gustavo Nery (47’/2T)

NÁUTICO: Gledson, Patrick, Vágner, Asprilla e Michel; Anderson Santana, Rudnei (Onildo, 37’/2T), Juliano e Carlinhos Bala; Márcio Barros (Aílton, 14’/2T) e Gilmar (Galliardo, 33’/2T). Técnico: Geninho

SANTO ANDRÉ: Neneca, Rômulo, Vinícius, Marcel; Arthur (Élvis, 14’/2T), Fernando, Ricardo Conceição, Marcelinho Carioca (Bruno Moraes, 33’/2T), Gustavo Nery; Júnior Dutra (Pablo Escobar, 39’/2T) e Nunes. Técnico: Alexandre Gallo

agosto 8, 2009 Posted by | Náutico, Santo André | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Vasco vence facilmente na estreia de Aloísio

Atacante entra e participa de dois gols na vitória cruzmaltina

Aloísio entrou no intervalo e quase marcou um gol no fim do jogo. (Crédito: Gilvan de Souza)

Aloísio entrou no intervalo e quase marcou um gol no fim do jogo.

LANCEPRESS!

A torcida fez a sua parte e lotou São Januário para prestigiar a estreia de Aloísio com a camisa vascaína. O time correspondeu em campo e Dorival foi generoso: lançou o atacante logo na volta para o segundo tempo e deu 45 minutos para ele participar da festa preparada para esta tarde, na Colina. Aloísio não balançou a rede, mas participou de dois dos três gols da vitória por 3 a 0 sobre o Campinense e agora pode ajudar, efetivamente, na caminhada da Série B.

O time do Vasco, jogando com Alex Teixeira improvisado na lateral-direita, começou dando muitos espaços ao Campinense, principalmente nos contra-ataques. Washington pela esquerda e Fábio Santana pela direita, levavam perigo à defesa cruzmaltina, que mostrava-se perdida com as inversões de bola da equipe paraibana. Em uma dessas investidas, logo aos cinco minutos, Fernandes apareceu sozinho pela direita da zaga vascaína. Ele bateu cruzado, porém fraco, nas mãos de Fernando Prass.

Quando o Vasco começou a se acertar em campo, aos nove minutos, Enrico quase marcou um gol olímpico. No ataque seguinte, Adriano recebeu na área, fez o pivô e foi derrubado por Márcio Paraíba. Pênalti que o capitão Carlos Alberto cobrou com categoria, no canto inferior direito do goleiro Fabiano. O gol animou o time da casa, que quase ampliou em belo chute de Enrico, da entrada da área. A bola explodiu no travessão.

Aos 17, o jogo sofreu interferência externa. Os jogadores sentiram a presença de gás de pimenta e a partida foi paralisada por quatro minutos, enquanto todos se protegiam com as camisas.

A partir daí, o Vasco seguiu tentando pressionar o Campinense, principalmente em jogadas armadas por Carlos Alberto. A essa altura, Dorival poderia tirar qualquer um dos dois atacante para promover a estreia tão aguardada de Aloísio. Tanto Adriano quanto Elton desperdiçaram boas chances na primeira etapa.

O Campinense passou a ameaçar em chutes de longa distância. No entanto, nenhum deles levou real perigo ao gol de Fernando Prass. No fim do primeiro tempo, Carlos Alberto não conseguiu completar rebote de chute de Elton e Adriano ainda conseguiu protagonizar um lance bizarro. Dominou uma bola no peito e entrou livre na área. Quando todos esperavam uma finalização, ele pisou na bola e se enrolou, até ser desarmado. Foi a deixa para que o atacante não voltasse para a segunda parte do jogo.

O segundo tempo começou como toda a torcida que lotava Sâo Januário esperava. Com Aloísio em campo. E não demorou para que o estreante participasse desse seu cartão de visitas. Em jogada tumultuada de Carlos Alberto pela esquerda, Aloísio usou bem o corpo para atrapalhar a defesa campinense e o capitão rolou para Elton completar de esquerda, no meio da área, aos quatro minutos. O gol acalmou o time e inflamou a torcida, que em jogada individual de Carlos Alberto, driblando desde o meio-campo até a área adversário, iniciou a festa na arquibancada.

O Vasco passou então a tocar mais a bola e investir com Aloísio como pivô no ataque. Em uma dessas tentativas, o atacante sofreu falta, cobrada com violência por Gian, para fazer o terceiro gol do Gigante da Colina. O Campinense não ameaçava, a essa altura da partida. Até mesmo a primeira defesa de Fernando Prass, na segunda etapa, foi invalidada por um impedimento do meia Fernandes.

O jogo ficou morno, a partir do terceiro gol, e Dorival começou a mexer mais no time. Colocou Phillipe Coutinho e Matheus. A calmaria só foi quebrada com o lance que colocaria a cereja no bolo da festa vascaína. Carlos Alberto fez jogada individual pela direita, foi ao fundo e cruzou alto, para o meio da pequena área. Aloísio subiu e cabeceou no travessão do goleiro Fabiano. Fim de festa em São Januário.

FICHA TÉCNICA:
VASCO 3 X 0 CAMPINENSE

Estádio: São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 08/08/2009 – 16h10
Árbitro: Renato Cardoso da Conceição (MG)
Auxiliares: Helberth Costa Andrade (MG) e Janette Mara Arcanjo (MG)
Renda/público: R$ 322.234,00 / 15.280 pagantes e 17.998 presentes
Cartões amarelos: Adriano 15’/1ºT (VAS) Henrique 10’/1ºT, Márcio Paraíba 11’/1T, Charles Vagner 35/1ºT, Márcio Bahia 2’/2ºT, Almir 16’/2ºT, Fábio Santana 36’/2ºT(CMP)
Cartões vermelhos:

GOLS: Carlos Alberto 12’/1ºT (1-0), Elton 4’/2ºT (2-0), Gian 26’/2ºT (3-0)

VASCO: Fernando Prass, Vilson, Amaral e Gian; Alex Teixeira (Matheus 37’/2ºT), Souza, Enrico, Carlos Alberto e Ramon, Adriano (Aloísio, intervalo) e Elton (Phillipe Coutinho 26’/2ºT) Técnico: Dorival Júnior.

CAMPINENSE: Fabiano, Fábio Santana, Márcio Bahia, Márcio Paraíba (Nino 7’/2ºT) e Buick (Almir, intervalo); Charles Vagner, Henrique, Giuliano (Edmundo 23’/2ºT), Fernandes e Washington; Anderson Oliveira. Técnico: Freitas Nascimento.

agosto 8, 2009 Posted by | Vasco da Gama | , , , , , , , | Deixe um comentário

De olho no G4, Santos recebe o Avaí na Vila

As duas equipes estão em ascensão e tentam se aproximar do G-4. Time catarinense pode até ingressar no seleto grupo

Ampliar Foto GLOBOESPORTE.COM

Peixe encara adversário como rival direto na briga por uma vaga na Libertadores

LANCEPRESS!

Disposto a manter a ascensão da equipe no Campeonato Brasileiro, o Santos recebe o Avaí neste sábado, às 18h30, na Vila Belmiro, em busca de sua terceira vitória consecutiva no torneio. Já o time catarinense quer confirmar o bom momento e sustentar a invencibilidade da equipe que já dura quase um mês.

– As chances estão aumentando agora. A cada jogo que vencemos ficamos mais perto do G-4. O Avaí esta na nossa frente. Precisamos vencer porque o jogo será dentro da nossa casa. Mais duas vitórias e poderemos encostar no pelotão da frente – disse o meia Paulo Henrique Ganso.

Para o duelo, o técnico Vanderlei Luxemburgo deverá manter a mesma equipe que venceu o Coritiba. O único desfalque da equipe santista é o meia Róbson, suspenso. Por outro lado, Germano retorna à equipe após cumprir suspensão.

O Peixe ocupa a 12ª colocação, com 23 pontos, quatro a menos do que o quarto colocado, o Internacional. Por outro lado, o Alviceleste está na sexta posição, com 26 pontos, e é uma das sensações do campeonato.

O aproveitamento do Avaí nas últimas sete partidas é espetacular: seis vitórias e um empate, totalizando mais de 90% dos pontos conquistados. Além disso, o rival do Peixe tem a segunda melhor defesa do torneio ao lado do Atlético-MG, com apenas 19 gols sofridos.

Para manter a grande sequência, o técnico Silas repetirá a escalação da boa vitória sobre o Santo André. A exceção fica por conta de Ferdinando que, suspenso, dará lugar a Marcus Winicius na cabeça-de-área. O volante, aliás, fica de fora do time até o fim do primeiro turno, já que pegou pena de três partidas. O Avaí não recorreu da decisão do STJD.

No ataque, Muriqui – que voltou de suspensão na última partida, tendo sido o melhor em campo -, e Willian, que marcou contra o Santo André, são as maiores esperanças de gol do time catarinense, que também tem no ala-direito Luís Ricardo uma poderosa arma ofensiva.

FICHA TÉCNICA:
SANTOS X AVAÍ

Estádio: Vila Belmiro, Santos (SP)
Data/hora: 08/08/2009 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Wallace Nascimento Valente (ES)
Auxiliares: Antônio Carlos de Oliveira (MG) e Adailson Alves Pereira (MG).

SANTOS: Felipe; Pará, Fabão, Eli Sabiá e Léo; Rodrigo Souto, Rodrigo Mancha, Madson e Paulo Henrique Ganso; Felipe Azevedo e Kléber Pereira. Técnico: Vanderlei Luxemburgo

AVAÍ: Eduardo Martini; Rafael, Augusto e Emerson; Luís Ricardo, Marcus Winícius, Léo Gago, Marquinhos e Eltinho; Muriqui e William. Técnico: Silas

agosto 8, 2009 Posted by | Avaí, Santos | , , , , , , , , | 1 Comentário

Bota e Furacão brigam para fugir da degola

Alvinegro está em 13º enquanto paranenses estão em 14º. Diferença entre os dois é de apenas um ponto

LANCEPRESS!

Botafogo e Atlético-PR se enfrentam neste sábado, ás 18h30, no Engenhão, para tentar se afastar ainda mais da incômoda zona de rebaixamento. Tanto os cariocas quanto os paranaenses estão em boa fase e saíram das últimas posições do Campeonato Brasileiro. Por isso, um resultado negativo de qualquer uma das equipes irá reacender o sinal de alerta nos clubes.

O Botafogo estava há sete jogos sem saber o que é perder, mas uma derrota para o São Paulo no meio de semana acabou com essa sequência. Além disso, o cartão amarelo recebido pelo capitão Juninho deixa a principal peça do Alvinegro fora dessa partida.

O técnico Ney Franco tem outros problemas. O lateral-esquerdo Michael e o atacante Reinaldo ficam fora da partida por estarem lesionados. Além deles, o meia Renato está praticamente vetado pelo departamento médico por problemas musculares.

O treinador alvinegro tem algumas dúvidas para montar a equipe. Na zaga, Emerson é o favorito para ficar com a vaga, mas Fahel corre por fora. Se Ney Franco optar pelo volante, Leandro Guerreiro será recuado para a zaga para fazer a função de Juninho. No meio de campo, Jônatas ganha a vaga de Renato enquanto Batista é deslocado novamente para a ala esquerda.

A única boa notícia no Alvinegro é no ataque, com o retorno de André Lima.

– É uma opção ofensiva que a equipe ganha. O atleta tem crescido, aprimorado a parte física e foi determinante na vitória contra o Barueri – admitiu o treinador.

Embalado com duas vitórias consecutivas e fora da zona do rebaixamento pela primeira vez desde a nona rodada, o Atlético-PR espera dar continuidade à boa sequência no Campeonato Brasileiro. Além disso, se vencer o Botafogo, o clube passará o adversário na tabela.

E para esse jogo, o técnico Antonio Lopes poderá contar com o retorno do lateral-direito Raul, que cumpriu suspensão na última rodada. Porém, o jogador deve ficar no banco de reservas. A única alteração será na defesa. O zagueiro Bruno Costa, expulso na vitória por 2 a 0 sobre o Cruzeiro, desfalca a equipe e dará lugar a Manoel. Dessa forma, o treinador irá armar o Furacão no 3-5-2, com Nei novamente fazendo a função de zagueiro.

Mas a principal arma do Furacão é a confiança. Para o comandante rubro-negro, o triunfo sobre o Cruzeiro mostrou para os jogadores que é possível conquistar mais pontos em cima do Alvinegro carioca.

– Essas duas vitórias serviram para levantar o astral do grupo. A parte motivacional nossa melhorou sem dúvida, pois ganhar do Cruzeiro não é fácil e conseguimos vencer. E o nosso time viu que pode chegar no Rio de Janeiro e pontuar em cima do Botafogo. Temos tudo para fazer um bom jogo e quem sabe sair com um resultado positivo – afirmou Lopes.

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO x ATLÉTICO-PR


Local: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 8/8/2009 – 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Francisco de Assis Almeida Filho (CE)
Auxiliares: Ednilson Corona (Fifa – SP) e Manuel Marcio Bezerra Torres (CE)

BOTAFOGO: Castillo, Wellington, Emerson (Fahel) e Eduardo; Alessandro, Leandro Guerreiro, Jônatas (Renato), Lucio Flavio e Batista; Victor Simões e André Lima. Técnico: Ney Franco.

ATLÉTICO-PR: Galatto, Nei, Rhodolfo e Manoel; Raul, Valencia, Paulo Baier, Wésley e Márcio Azevedo; Marcinho e Wallyson. Técnico: Antonio Lopes.

agosto 8, 2009 Posted by | Atlético-PR, Botafogo | , , , , , , | Deixe um comentário

Vasco, com a estreia de Aloísio, recebe lanterna Campinense

O Vasco, vice-líder da Série B do Campeonato Brasileiro, recebe o Campinense, lanterna da competição (Crédito: LANCENET!)

O Vasco, vice-líder da Série B do Campeonato Brasileiro, recebe o Campinense, lanterna da competição

LANCEPRESS!

O Vasco enfrenta o Campinense, neste sábado, às 16h10, pela 16ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, e a grande atração da partida é a estreia do atacante Aloísio, 34 anos, com a camisa cruzmaltina. O atleta, há três meses apenas treinando no clube, vai iniciar o jogo no banco de reservas.

O Gigante da Colina é o segundo colocado da competição, com 29 pontos, três a menos que o líder Atlético-GO, enquanto o time paraibano é o lanterna da disputa, com apenas nove pontos – a primeira equipe fora da zona de rebaixamento, o Vila Nova-GO, tem o dobro de pontos.

Para este confronto, o técnico Dorival Júnior segue sem poder contar com um lateral-direito (Paulo Sérgio e Fágner continuam lesionados) e por isso muda o esquema do seu time. Ele optou por deslocar o meia Alex Teixeira para função e, assim, sai do 4-4-2 para o 3-5-2.

Com a alteração e sem poder contar com o volante Nilton, suspenso, e com o zagueiro Titi, lesionado, outros três atletas entram na equipe: o defensor Gian na zaga; o meia Enrico ganha uma vaga no meio-de-campo; e o atacante Adriano formará dupla de ataque com Elton, com Carlos Alberto sendo recuado.

– A ansiedade é grande. Qual jogador que não quer ver logo a hora de jogar, de estar dentro de campo? É ruim demais ficar fora de campo. Tenho de estar preparado tanto para se começar como para ficar no banco. É estar preparado para ajudar o grupo – destacou Aloísio.

O Campinense, por sua vez, vem de vitória por 4 a 2 sobre o Figueirense – atualmente quinto colocado da Série B -, conquista após uma sequência de quatro derrotas consecutivas na competição. A campanha desequilibrada se mostra ainda no fato de que a equipe não empatou nenhuma partida, assim como o América-RN.

Para o jogo no Rio de Janeiro (RJ) o técnico Freitas Nascimento tem todo o elenco da equipe de Campina Grande (PB), que subiu da Terceira Divisão no Brasileiro passado, disponível.

FICHA TÉCNICA:
VASCO X CAMPINENSE

Estádio: São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 8/8/2009 – 16h10
Árbitro: Renato Cardoso da Conceição (MG)
Auxiliares: Helberth Costa Andrade (MG) e Janette Mara Arcanjo (MG)

VASCO: Fernando Prass, Vilson, Amaral e Gian; Alex Teixeira, Souza, Enrico, Carlos Alberto e Ramon; Adriano e Elton. Técnico: Dorival Júnior.

CAMPINENSE: Fabiano, Fábio Santana, Márcio Bahia, Márcio Paraíba e Buick; Charles Vagner, Henrique, Giuliano, Fernandes e Washington; Anderson Oliveira. Técnico: Freitas Nascimento.

agosto 8, 2009 Posted by | Vasco da Gama | , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário