Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Timão empata com o Peixe, termina invicto e é campeão paulista pela 26ª vez

Após tomar sufoco e começar perdendo no Pacaembu, Corinthians equilibra o jogo e consegue a igualdade com gol de André Santos

O que já estava praticamente certo desde o fim de semana passado foi confirmado neste domingo. Após ter construído uma larga vantagem com a vitória de 3 a 1 na Vila Belmiro, o Corinthians poderia até perder por dois gols de diferença que ainda seria campeão. O Santos ameaçou, é verdade, saiu na frente do placar, mas não teve forças para ir além disso. O empate de 1 a 1 – gols de Kléber Pereira (pênalti) e André Santos – deu ao Timão o seu 26º título do Campeonato Paulista.

O Santos, precisando de três gols, partiu com tudo para cima. E assustou o Corinthians. A torcida do Timão, em esmagadora maioria no estádio do Pacaembu, chegou a ter momentos de aflição, apesar da enorme vantagem conseguida no primeiro jogo. Logo com 1 minuto de jogo, a bola caiu nos pés de Kléber Pereira, dentro da área. O atacante finalizou, mas foi travado pelo lateral Alessandro, que se atirou na sua frente.

O Corinthians, encurralado no seu campo, tinha dificuldade de conseguir ir ao ataque. A bola não saía do domínio santista e as investidas contra o gol de Felipe não paravam: de todos os lados, com quase todos os meias e atacantes. Aos 13, Paulo Henrique pegou rebote de escanteio, rolou para Germano que cruzou. Dois jogadores do Peixe estavam só esperando para concluir quando Alessandro, de novo, afastou o perigo logo depois de uma defesa parcial de Felipe.

GALERIA DE TÍTULOS PAULISTAS

26

Corinthians

22

Palmeiras

20

São Paulo

17

Santos

11

Paulistano

4

São Paulo Athletic

3

Portuguesa e A.A. das Palmeiras

2

Internacional, A.A. São Bento, Germânia e S.C. Americano

1

São Cateano, Ituano, Bragantino, Inter de Limeira e São Paulo da Floresta

O goleiro corintiano voltou a trabalhar aos 14 e aos 17. O Santos era pressão total. Aos 18, Madson invadiu a área e cruzou forte. Kléber Pereira se atirou no lance, tentando alcançar, mas chegou alguns centímetros atrasado. A pequena torcida do Peixe se animava. Aos 22, Kléber acertou a finalização, mas Felipe defendeu. Quatro minutos depois, eles se encontrariam novamente. Lançado, o atacante tentou driblar o arqueiro e foi derrubado: pênalti.Neste instante, o técnico da seleção brasileira, Dunga, que era esperado desde o início do jogo, acabava de chegar à tribuna de honra da Prefeitura. E ele teve tempo de assistir Kléber Pereira ajeitar a bola, tomar distancia, correr e estufar a rede do Timão aos 28 minutos.

O 1 a 0 no placar – aliado ao melhor futebol – fez alguns torcedores do Peixe buscarem forças no passado. Em 1995, quando precisou fazer uma diferença de três gols no Fluminense para ir à decisão do Campeonato Brasileiro, aquele time liderado por Giovanni começou a goleada de 5 a 2 exatamente num pênalti cobrado pelo então camisa 10 no mesmo gol do portão de entrada do Pacaembu. Será?

Só esqueceram de avisar André Santos. Numa das primeiras investidas do Corinthians, aos 33, Dentinho rolou para o lateral-esquerdo que encheu o pé e empatou o jogo. A Fiel, que parecia assustada, respirou aliviada.

Durante o primeiro tempo, o árbitro Sálvio Spinola Fagundes Filho teve de pedir para a bola ser trocada duas vezes. Na primeira, ele interrompeu um ataque do Timão. Na segunda, acabou gerando um princípio de confusão entre Domingos e Ronaldo. O Fenômeno tocou a bola para fora, para a substituição, e queria que o Santos devolvesse. Como não houve a devolução, ele reclamou. Na saída para o intervalo, o zagueiro e o atacante bateram boca. Domingos reclamou de ter sido chamado de “mau-caráter” e foi cobrar o Fenômeno:

– Pode falar comigo, mas não encosta em mim – esquivou-se Ronaldo.

Na volta do intervalo, Kléber Pereira e Neymar subiram dos vestiários com chuteiras novas. Mas a pontaria não melhorou e os dois atacantes continuaram devendo. O camisa 9 perdeu mais um gol, quando demorou para concluir e deixou Alessandro o desarmar. O camisa 7, completamente apagado na decisão, acabaria substituído aos 15 minutos por Maikon Leite.

O Santos não conseguiu repetir o ritmo do começo do jogo. A posse de bola, que antes era só do Peixe, já ficava mais dividida. Com ela nos pés, os jogadores do Timão arrancavam gritos de olé das arquibancadas. Aos poucos, os torcedores começavam a acreditar que o título já tinha dono. Aos 34, os primeiros gritos de “é campeão”.

As alterações de Vagner Mancini não surtiram efeito. Além de Molina, entraram Róbson e Molina. O Peixe estava entregue. Nos minutos finais, praticamente nenhuma chance de gol dos dois lados. O Corinthians tocava a bola, fazia o tempo passar e irritava o adversário. Domingos, que de tanto bater já poderia ter sido expulso, foi receber o cartão vermelho nos minutos finais, ao derrubar Ronaldo.

Em reconhecimento, a torcida do Santos gritava o nome do time. E a do Corinthians explodia com gritos de “é festa, é festa na favela” e “ôôô, o Coringão voltou”. Há 37 anos que o Paulistão não tinha um campeão invicto. Desde 1972, quando o Palmeiras levantou a taça sem perder um jogo, ninguém mais tinha conseguido isso. O Timão conseguiu – e pela quinta vez em sua história: 23 partidas, 13 vitórias e dez empates.

Gustavo Tilio/GLOBOESPORTE.COM

Os jogadores do Corinthians comemoram mais uma conquista de Campeonato Paulista

FICHA TÉCNICA

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)

CORINTHIANS 1 x 1 SANTOS

Felipe; Alessandro, William, Diego e André Santos (Welington Saci); Cristian, Elias e Douglas (Fabinho); Dentinho (Morais), Ronaldo e Jorge Henrique

Fábio Costa, Luizinho (Molina), Domingos, Fabiano Eller e Triguinho; Roberto Brum, Germano e Paulo Henrique (Róbson); Neymar (Maikon Leite), Kléber Pereira e Madson

Técnico: Mano Menezes

Técnico: Vagner Mancini

Gols: Kléber Pereira (pênalti) aos 28 e André Santos aos 33 minuntos do primeiro tempo

Cartões amarelos: Felipe, Elias, Cristian, Dentinho e Douglas (C); Neymar, Fabiano Eller, Roberto Brum  Germano (S). Cartões vermelho: Domingos (S)

Público: 35.175  pagantes. Renda: R$ 1.894.376,00

Estádio: Pacaembu, São Paulo. Data: 3/5/2009. Árbitro: Salvio Spinola Fagundes Filho. Auxiliares: Vicente Romano Neto e Giovani Cesar Canzian.

maio 3, 2009 Posted by | Corinthians, Santos | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Bruno brilha novamente nos pênaltis, e o Flamengo é tricampeão carioca

Bruno brilha novamente nos pênaltis, e o Flamengo é tricampeão carioca

Assim como em 2007, goleiro garante o título rubro-negro nas penalidades

Parecia um replay de 2007, onde a história do tricampeonato começou. E antes mesmo de a bola rolar, a torcida rubro-negra já anunciava o que iria acontecer na tarde deste domingo: “Vamos ser campeões, vamos Flamengo”, cantava confiante. Só não espera sofrer tanto. O título teve, novamente, um herói: o goleiro Bruno, que defendeu três pênaltis (um de Victor Simões no tempo normal e outros dois, de Juninho e Leandro Guerreiro, na decisão por pênaltis). O Flamengo chegou a abrir 2 a 0 no primeiro tempo com gols de Kleberson, mas permitiu a reação alvinegra no segundo tempo. Assim como no primeiro duelo, a partida terminou empatada por 2 a 2. Mas aí o camisa 1 rubro-negro fez a diferença na disputa por pênalti, pegou duas cobranças e o Flamengo garantiu o quinto tricampeonato de sua história ao vencer por 4 a 2.

André Durão /GLOBOESPORTE.COM

Jogadores do Flamengo comemoram o tricampeonato após a vitória em cima do Botafogo nos pênaltis

Curiosamente, em 2007, o título em cima do Botafogo também veio nas penalidades após dois empates por 2 a 2. E a decisão por pênaltis também terminou 4 a 2, após o goleiro Bruno defender as cobranças de Juninho – que voltou a falhar neste domingo – e Lucio Flavio. Com o título, o Flamengo assumiu a hegemonia do futebol carioca. Com 31 conquistas, o Rubro-negro passou o Fluminense, que segue com 30, pela primeira vez na história. E se em 1999-2000-2001, a vítima foi o Vasco, desta vez será o Botafogo quem vai ficar com a sina de ter perdido as três finais seguidas.

O técnico Cuca se livrou do estigma de nunca ter conquistado um título importante na carreira. Em 2007 e 2008, o treinador foi vice-campeão com o Botafogo e após a conquista da Taça Guanabara escutou a antiga torcida gritar “Vice é o Cuca”. Por outro lado, Ney Franco permanece com o incômodo tabu de jamais ter vencido o Flamengo em dez jogos disputados.

A partida deste domingo também foi a última da carreira do capitão rubro-negro Fábio Luciano. O zagueiro, que completou 34 anos na última quarta-feira e levantou a taça, prometeu encerrar a carreira após a decisão do Campeonato Carioca.

Kleberson, o senhor do primeiro tempo

Ampliar Foto Agência/Reuters Agência/Reuters

Kleberson comemora o primeiro gol do Fla

Parecendo não acreditar no time, a torcida alvinegra, mais uma vez, decepcionou. O setor amarelo da arquibancada estava completamente vazio. Por isso, a festa era rubro-negra, que gritava o nome de Adriano antes da partida. O Imperador acertou a volta ao clube esta semana.

Moeda para o alto e Juninho ganhou a disputa com Fábio Luciano. Parecia ser um bom sinal. O capitão alvinegro escolheu o campo do lado direito das cabines de rádio. E a partida começou com 12 minutos de atraso.

No Flamengo, Cuca surpreendeu ao barrar Zé Roberto e escalar o jovem Erick Flores no ataque ao lado de Emerson. Sem Maicosuel e Reinaldo, machucados, Ney Franco precisou mudar bastante o esquema do Botafogo. O treinador apostou no 3-6-1, com Victor Simões isolado no ataque. No início, a tática até deu certo. E nos primeiro 15 minutos, o Alvinegro chegava com mais perigo ao ataque. Leandro Guerreiro recebeu bom passe pela direita, entrou na área e chutou cruzado. Para a sorte rubro-negra, a bola explodiu em Fábio Luciano e foi para fora.

Botafogo também arriscava com a chegada surpresa do zagueiro Juninho ao ataque. Nos primeiro minutos, o capitão alvinegro deu dois chutes contra o gol de Bruno da intermediária, mas sem direção. Nas cadeiras especiais, Reinaldo sofria.

– É muito ruim ficar fora do jogo. Mas tenho que passar força aos meus companheiros – disse o atacante alvinegro.

E o desespero aumentou quando Emerson errou uma cabeçada e permitiu um escanteio para o Flamengo. Justamente o zagueiro, que nos últimos dois jogos participou decisivamente de dois gols para o adversário. Na cobrança, Juan cruzou para a área e Renan saiu mal do gol. Leandro Guerreiro tocou de cabeça para o alto. A bola sobrou para Kleberson, que cabeceou encobrindo o goleiro. E Ronaldo Angelim deu um carrinho para completar para o fundo da rede. Flamengo 1 a 0.

Na comemoração, os jogadores correram para abraçar Kleberson. O juiz Péricles Bassols também apontou para o quatro árbitro creditar o gol para o meia. Mas o verdadeiro autor foi o zagueiro, que tocou na bola antes de ela entrar. E Angelim voltou para a defesa correndo sozinho, de braços abertos, em uma comemoração particular. Até o placar eletrônico anunciava o gol para Kleberson.

Após o gol, o Botafogo tentou buscar mais o ataque. Mas, desorganizado, não levava muito perigo. Aos 31 minutos, Tulio Souza cobrou uma falta de muito longe. Mas o goleiro Bruno estava antecipado pensando que a bola seria cruzada para a área e foi surpreendido. A bola encobriu o camisa 1 e bateu no travessão.

Mas o Alvinegro insistia cometer um erro fatal: fazer muitas faltas na entrada da área. Em uma delas, cobrada por Juan, Emerson quase desviou e o goleiro Renan espalmou no susto. Na segunda, não teve jeito. Em jogada ensaiada, Ibson rolou, Juan abriu as pernas para a bola passar e Kleberson apareceu soltando a bomba. A bola desviou em Alessandro, que saiu da barreira, e encobriu o goleiro Renan. Flamengo 2 a 0.

O clima esquentou. Nas cadeiras inferiores, policiais batiam covardemente em torcedores alvinegros. E o primeiro tempo terminou com o Flamengo com a taça na mão.

Victor Simões perde pênalti, mas o Botafogo reage

Editoria de Arte / GLOBOESPORTE.COM

Túlio Souza comemora o gol de empate

Para o segundo tempo, o técnico Ney Franco arriscou tudo. Tirou o zagueiro Emerson e colocou o meia-atacante Jean Carioca. E a sorte parecia mudar. Logo no primeiro minuto, Victor Simões chutou e Juan colocou a mão na bola dentro da área. O árbitro Péricles Bassols corretamente marcou pênalti.

O atacante pegou a bola para bater. Mas o chute foi fraco, no canto esquerdo. Bruno foi bem e defendeu. Os jogadores do Flamengo correram para abraçar o goleiro, que em 2007 brilhou na decisão de pênaltis contra o Botafogo. Na arquibancada, a torcida homenageava e gritava “Bruno é o melhor goleiro do Brasil”.

O Botafogo não desanimou e partiu para o desespero. Victor Simões perdeu outra oportunidade dentro da área. Chute por cima do travessão. Aos 11 minutos, Cuca tirou Erick Flores e colocou Obina. Mas o Flamengo não melhorou.

E o que parecia improvável aconteceu. O Botafogo empatou em três minutos. Aos 16 minutos, falta na entrada da área do Flamengo. Juninho foi perfeito. Em vez da força, a categoria. Cobrança no ângulo direito de Bruno, que se esticou todo e não conseguiu tocar na bola. Um lindo gol. Aos 19, Leandro Guerreiro afastou um bola da defesa, Alessandro desviou e Túlio Souza surgiu livre na frente de Bruno. O meia tocou por cima do goleiro e empatou a partida: 2 a 2.

A pequena torcida alvinegra explodiu de alegria. Ney Franco pulou como um louco na área técnica. Já do outro lado, Cuca passava a mão na cabeça, reclamava, parecia não acreditar no que acontecia.

Após o gol, o Flamengo acordou. E usava a bola parada para pressionar. Toda falta perto da área era um desespero para a defesa alvinegra. Ibson chutou forte e Renan fez uma difícil defesa espalmando para fora.

O Botafogo passou, então, a segurar mais a bola e deixar o tempo passar. A pressão rubro-negra aumentou nos últimos cinco minutos. Ibson quase marcou em um chute da entrada da área. Depois, Josiel partiu livre pela esquerda e cruzou para Obina. Juninho cortou antes da conclusão. Aos 46, Juan cobrou falta. Dezessete jogadores na área. Renan espalmou para escanteio.

Aos 48 minutos, o zagueiro Fábio Luciano tentou concluir para o gol com a mão. Acabou expulso. E o jogo terminou. A decisão iria para os pênaltis.

Bruno brilha e defende dois pênaltis

Com o fim da partida, o zagueiro Fábio Luciano voltou para o gramado e passou a dar força aos companheiros. A arbitragem errou feio ao permitir ao zagueiro, que foi expulso, ficar em campo. O capitão ficava ao lado de Cuca para escolher os cobradores. E participava ativamente da conversa com os jogadores. Sem ser incomodado por ninguém.

Os cinco cobradores do Flamengo foram escolhidos por Cuca:  Kleberson, Juan, Aírton, Léo Moura e Ibson. Já Ney Franco optou por Léo Silva, Juninho, Gabriel, Leandro Guerreiro e Victor Simões.

O Flamengo começou a série. Kleberson chutou forte no canto direito de Renan, que ainda tocou na bola. Mas não defendeu: 1 a 0.  Léo Silva veio em seguida e deslocou Bruno. Bola na esquerda, goleiro na direita: 1 a 1.

Juan foi o segundo rubro-negro. Boa cobrança no canto esquerdo: 2 a 1 Flamengo. Chegou a vez, então, do capitão Juninho. E o zagueiro, assim como na decisão por pênalti do Carioca de 2007, decepcionou. Uma bomba no meio, que o goleiro Bruno defendeu. O Rubro-negro ficava em vantagem.

Ampliar Foto Pedro Veríssimo/GLOBOESPORTE.COM

Aírton aumentou o placar ao cobrar bem o terceiro pênalti. O garoto Gabriel diminuiu: 3 a 2.. O Botafogo dependia de um erro do Flamengo para seguir vivo na disputa. Mas Léo Moura bateu bem no ângulo: 4 a 2. Se Leandro Guerreiro perdesse a quarta cobrança, o título era do Flamengo. E o volante não suportou a pressão. Bateu mal, no canto direito, e Bruno defendeu. O Flamengo era tricampeão!!! Todos os jogadores correm para abraçar o camisa 1. E a torcida rubro-negra não perdoou: “Vice de novo!” gritou para os alvinegros, que saíam tristes do Maracanã. E anunciava orgulhosa com uma faixa na arquibancada: a hegemonia é nossa!


Ficha técnica:

FLAMENGO 2 (4) x 2 (2) BOTAFOGO

Bruno; Aírton, Fábio Luciano e Ronaldo Angelim; Léo Moura, Willians, Ibson, Kleberson e Juan; Erick Flores (Obina) e Emerson (Josiel).

Renan; Leandro Guerreiro, Juninho e Emerson (Jean Carioca); Alessandro, Fahel, Léo Silva, Túlio Souza (Rodrigo Dantas), Eduardo e Thiaguinho (Gabriel); Victor Simões.

Técnico: Cuca.

Técnico: Ney Franco.

Gols: Ronaldo Angelim aos 20; Kleberson aos 38  minutos do primeiro tempo; Juninho aos 16; Tulio Souza aos 19 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos: Emerson, Leandro Guerreiro, Túlio Souza (Botafogo); Willians, Ibson, Aírton, Fabio Luciano (Flamengo)

Cartão vermelho: Fábio Luciano (Flamengo).

Público presente: 84.027 pessoas

Estádio: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ).

Data: 03/05/2009.

Árbitro: Péricles Bassols.

Auxiliares: Vagner Santos e Vinícius Almeida.

maio 3, 2009 Posted by | Botafogo, Flamengo | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Cruzeiro contém valentia do Atlético-MG e é campeão invicto pela décima vez

No Mineirão, Galo e Raposa ficam no 1 a 1, e a torcida celeste faz a festa com o bicampeonato

Ampliar Foto Washington Alves/GLOBOESPORTE.COM Washington Alves/GLOBOESPORTE.COM

Vai que a festa é sua, Gladiador!

Não faltou luta ao Atlético-MG, mas a superioridade celeste e a vantagem conquistada no primeiro jogo fizeram a diferença na decisão. O Cruzeiro é bicampeão mineiro invicto. Pela décima vez na história do clube fica com o título sem que ninguém o derrote no estadual. Conquista de número 36 do time da Toca da Raposa.

Neste domingo, empate de 1 a 1 com um rival valente e que soube valorizar a vitória adversária. Fabiano fez para o Galo, e Kléber deixou tudo igual.

Na próxima quarta-feira, o Atlético-MG terá mais um jogo decisivo. Na partida de volta das oitavas-de-final da Copa do Brasil, contra o Vitória, o time precisa fazer três gols para levar aos pênaltis. Do lado celeste, o assunto é a Taça Libertadores. Na quinta-feira, o Cruzeiro enfrenta o Universidad de Chile, em Santiago, no primeiro jogo das oitavas.

Os primeiros minutos do jogo foram de muita correria no gramado do Mineirão, e festa celeste nas arquibancadas. Mas foi o Galo quem chegou mais forte. Afinal, o time precisava fazer cinco gols para ser campeão. Aos cinco minutos, Tardelli roubou a bola do zagueiro Gustavo, achou Éder Luís, mas o atacante foi travado na hora do chute. Três minutos depois, a Raposa errou na saída de bola, Éder ficou com ela dentro da área, demorou demais para concluir a jogada, e novamente foi desarmado.

Aos 12, a zaga atleticana quase fez besteira. Rafael Miranda recuou mal para o goleiro Juninho, e o atacante Soares tentou aproveitar. O Galo chegava de forma aguda. Aos 15, Marcos Rocha avançou pela direita, cruzou rasteiro, o goleirão Fábio espalmou, e os atacantes alvinegros por pouco não aproveitaram o rebote.


Aos 16, festa da minoria no Mineirão e com direito a gol de estreante. Éder Luís, insistente, avançou pela esquerda, foi até a linha de fundo e encontrou Fabiano, livre para marcar: 1 a 0. Primeiro jogo do camisa 10, e primeiro go

A festa alvinegra durou pouco. Aos 20, Soares foi lançado na área, encarou a marcação de Marcos Rocha e acabou derrubado. Um minuto depois, Kléber cobrou rasteiro, no meio do gol, e empatou: 1 a 1. Décimo terceiro do Gladiador no Estadual. Ao contrário do domingo passado, quando imitou um galo, o camisa 30 comemorou de forma discreta (assista ao vídeo).

Mas o Galo não desanimou. Aos 24, Tardelli, artilheiro do Estadual com 16 gols, encarou a marcação dentro da área e bateu forte. A bola assustou Fábio, mas foi pela linha de fundo.

Aos 27, Wagner recebeu passe na área, tentou se livrar da marcação de Carlos Alberto com um corte seco e caiu. O árbitro Leonardo Gaciba, perto do lance, considerou que houve simulação e puniu o meia com cartão amarelo.

Depois deste lance, o jogo ficou truncado por dez minutos. Até que, aos 37, Júnior fez a ultrapassagem pela esquerda, buscou Fabiano na área com o cruzamento, só que Marquinhos Paraná evitou que ela chegasse ao atleticano.


Aos 43, o Galo fez o segundo gol, mas não valeu. Diego Tardelli recebeu cruzamento na área em posição de impedimento, e a arbitragem marcou a irregularidade. Fim de primeiro tempo. O Atlético-MG jogou melhor, mas não conseguiu ficar em vantagem.

Na saída para o vestiário, o técnico Emerson Leão, o zagueiro Marcos e o atacante Diego Tardelli foram reclamar com o árbitro Leonardo Gaciba. O treinador se queixou da auxiliar Katiuscia Mendonça, que trabalhou no jogo entre Guaratinguetá e Atético-MG, pela segunda fase da Copa do Brasil.

– É a mesma de Guaratinguetá (citando a bandeirinha), e é o mesmo Gaciba de sempre, que quer aparecer mais do que o jogador – reclamou.

Galo pressiona, mas Cruzeiro equilibra

Ampliar Foto Agência/VIPCOMM Agência/VIPCOMM

Fabiano e Marquinhos Paraná duelam

Na volta do intervalo, o técnico Emerson Leão foi informado pelo quarto árbitro sobre sua expulsão. Insatisfeito, ele voltou a procurar Leonardo Gaciba para conversar. O árbitro disse que ele foi excluído por ter invadido o campo.

No gramado, o Galo voltou com a mesma disposição da etapa inicial e logo tudo ficou mais difícil. Aos seis minutos, Carlos Alberto fez falta dura em Wagner, recebeu o segundo cartão amarelo e acabou expulso. A vantagem numérica em campo inflamou a torcida celeste, que começou a gritar “Bicampeão!”.

O time também se animou. Aos 11, Kléber invadiu a área, bateu forte de perna esquerda, mas a bola subiu muito. Dois minutos depois, o Gladiador quase virou o jogo. Ele foi lançado, ganhou na corrida de Welton Felipe, se livrou da marcação e tocou para trás. Wellington Paulista não conseguiu acertar o chute. Aos 17, Wellington devolveu a gentileza, achou Kléber na área, mas o camisa 30 bateu para fora.

Aos 26, Tardelli foi lançado na esquerda, tentou driblar o goleiro Fábio, mas caiu sozinho. O goleador ainda teve que ouvir gritos de “Pipoqueiro!” da torcida cruzeirense.  Três minutos depois, Marquinhos Paraná fez jogada de craque, invadiu a área e cruzou na pequena área. Wellington Paulista dividiu com a zaga, mas não conseguiu marcar.

O gol da virada quase veio em forma de golaço. Aos 35, a zaga atleticana afastou um cruzamento, e Wagner emendou de primeira, bonito. Só que a bola foi pela linha de fundo. Aos 38, Adilson Batista deu um presente para a torcida. Ele tirou o volante Fabrício, que reclamava de dores, e lançou o ídolo Sorín. O Mineirão quase veio abaixo.

Aos 44, a festa ficou feia. Welton Felipe, Wellington Paulista e Kléber se envolveram em confusão, e os dois primeiros foram expulsos. Só que a felicidade celeste era maior. Cruzeiro, bicampeão mineiro de 2009!

Ficha técnica:

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)


ATLÉTICO-MG 1 x 1 CRUZEIRO

Juninho, Marcos Rocha, Marcos, Welton Felipe e Júnior; Carlos Alberto, Rafael Miranda. Márcio Araújo e Fabiano (Júnior Carioca); Éder Luís e Diego Tardelli.

Fábio, Jancarlos (Elicarlos), Léo Fortunato, Gustavo e Gerson Magrão; Fabrício (Sorín), Marquinhos Paraná, Henrique e Wagner; Kléber e Soares (Wellington Paulista).

Técnico: Emerson Leão.

Técnico: Adilson Batista.

Gols: Fabiano, aos 16, Kléber, aos 21 minutos do primeiro tempo.

Cartões amarelos: Carlos Alberto, Rafael Miranda, Marcos Rocha (Atlético-MG); Wagner, Henrique, Jancarlos, Gustavo (Cruzeiro). Cartão vermelho: Carlos Alberto e Welton Felipe (Atlético-MG); Wellington Paulista (Cruzeiro).

Estádio: Mineirão, Belo Horizonte. Data: 03/05/2009. Árbitro: Leonardo Gaciba (RS). Auxiliares: Carlos Berkenbrock (SC) e Katiuscia Mendonça (ES).

maio 3, 2009 Posted by | Atlético-MG, Cruzeiro | , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário