Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Vascão vence e confirma 100% de aproveitamento

Time cruzmaltino passa pelo Bangu e entra com moral elevadíssima na semifinal da Taça Rio

Paulo Sérgio e Elton disputam jogada. O vascaíno passeou em São Januário

Paulo Sérgio e Elton disputam jogada. O vascaíno passeou em São Januário (Crédito: Cleber Mendes)

LANCEPRESS!

Em tarde inspirada da dupla de ataque Rodrigo Pimpão e Alan Kardec, o Vasco goleou o Bangu por 4 a 0, neste domingo, e confirmou a campanha irretocável na Taça Rio – oito vitórias em oito jogos. O camisa 11 (duas vezes), o goleiro Tiago, em cobrança de pênalti, e o atacante “espírita” marcaram os gols que fizeram a alegria dos torcedores presentes em bom número em São Januário.

Confira os gols da partida

No embalo da boa fase, o Gigante da Colina enfrenta o Botafogo na semifinal de sábado, por ter realizado a melhor campanha do segundo turno. Já o Bangu, que chegou à última rodada com chances de alcançar a fase decisiva, deixa o Campeonato Carioca com a sensação de dever cumprido, por conta da boa campanha no ano em que retornou para a Primeira Divisão – o time foi rebaixado no Carioca de 2004.

Logo no início do jogo, o Vasco não deu chances a qualquer zebra dentro da Colina Histórica. O time comandado por Dorival Júnior tomou a iniciativa e nos primeiros minutos criou duas boas chances para marcar. Aos 12 minutos, a dupla de ataque Rodrigo Pimpão/Alan Kardec começou a funcionar. O camisa 31 encontrou o ex-estudante de Odontologia livre. Pimpão driblou o goleiro e marcou: 1 a 0 Vasco.

O Bangu ainda conseguiu ameaçar o time da casa em bolas chutadas de fora da área. Foram três finalizações que explodiram na trave do goleiro Tiago, duas no primeiro tempo, uma no segundo. Os sustos não chegaram a abalar a confiança do Cruzmaltino, que no fim do primeiro tempo marcou o segundo. Alan Kardec foi puxado na área e o árbitro Wagner do Nascimento Magalhães apontou o pênalti. O goleiro Tiago cobrou com categoria e marcou o quarto gol dele pelo Gigante da Colina: 2 a 0 Vasco.

No segundo tempo, o Vasco voltou ainda melhor. O Bangu, com a vitória garantida do Botafogo sobre o Resende, retornou para o gramado sem forças para atacar. Logo aos sete minutos, contra-ataque fulminante, Pimpão rolou para Alan Kardec, que só teve o trabalho de chutar cruzado: 3 a 0 Vasco.

O técnico Dorival Júnior realizou logo as três alterações, mas o ritmo da equipe não diminuiu. Aos 32 minutos, Jeferson lançou Rodrigo Pimpão, que entrou em velocidade e tocou na saída do goleiro: 4 a 0 Vasco e vitória convincente. Mais uma.

FICHA TÉCNICA:
VASCO 4 X 0 BANGU

Estádio: São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 5/4/2009 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)
Auxiliares: Vinicius Barone Pampurre (RJ) e Michael Correia (RJ)
Renda/Público: R$95.750,00/7.014 presentes
Cartões amarelos: Jeferson, Nilton, Paulinho, Ramon, Leonardo (VAS); Edinho, André Oliveira (BAN)
Cartão vermelho: André Oliveira, 10’/2ºT (BAN)

GOLS: Rodrigo Pimpão, 12’/1ºT (1-0); Tiago, 38’/1ºT (2-0); Alan Kardec, 7’/2ºT (3-0); Rodrigo Pimpão, 32’/2ºT (4-0)

VASCO: Tiago, Paulo Sérgio, Leonardo, Gian e Ramon (Léo Lima – intervalo); Nilton (Paulinho – 42’/1ºT), Mateus (Alex Teixeira – 11’/2ºT), Enrico e Jeferson; Rodrigo Pimpão e Alan Kardec. Técnico: Dorival Júnior.

BANGU: Diogo Silva, Uillian (Marcio Cleick – 21/2ºT), Edinho, Abílio e Elton (Paulo Roberto – 14’/2ºT); Marcão, André Oliveira, Douglas Silva e Tiano (Sassá – 28’/2ºT); Bruno Luiz e Somália. Técnico: Mazolinha.

abril 6, 2009 Posted by | Vasco da Gama | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Fogão goleia Resende outra vez e se classifica

Com o empate no Fla-Flu, time de Ney Franco vai pegar o Vasco na semi

Maicosuel avança para mais um ataque na goleada do Fogão

Maicosuel avança para mais um ataque na goleada do Fogão (Crédito: Paulo Sérgio)

A força do trio ofensivo do Botafogo, literalmente, voltou a atacar. Com um gol e um passe decisivo de cada, Reinaldo, Victor Simões e Maicosuel foram os principais responsáveis pela nova goleada sobre o Resende, neste domingo, em Edson Passos, agora por 4 a 0. No finzinho, Jean Carioca ainda fechou o caixão.

Veja os gols da partida na TV L!

O saldo de gols construído com o triunfo faria com que o Glorioso encarasse o Fluminense na próxima fase, já que o Tricolor vencia o clássico até os acréscimos, quando o Fla empatou, por meio de Emerson. Com isso, o Alvinegro pegará o Vasco no próximo domingo.

Desde o começo do jogo, o Botafogo manteve o Resende sob controle, ocupando o campo de ataque, sem dar chances ao adversário. Bem postado, logo criou as primeiras chances, esbarrando somente na falta de precisão para concluir. Detalhe que foi resolvido nos pés de Reinaldo, que deslocou Cléber com categoria, aos 17 minutos, depois de bela jogada de Victor Simões.

Com a vantagem, o time de Ney Franco diminuiu o ritmo e permitiu ao Resende se aproximar do gol de empate. Tanto que Renan teve de fazer defesa de muito reflexo de Márcio Gomes. Virtualmente garantido, por conta até da vitória do Vasco sobre o Bangu e do até então empate do Friburguense com o Madureira, o Botafogo perdeu um pouquinho do interesse na partida.

Até o fim da primeira etapa, um show de lesões atrapalhou o andamento do jogo. Quando Fabiano já entrara na vaga de Hiroshi, o goleiro Cléber deu lugar a Márcio. No Botafogo, Gabriel, após sofrer uma pancada no abdômen, saiu e Batista entrou, o que fez Thiaguinho virar ala outra vez.

Sem motivação na competição, para sua equipe já muito próxima do fim, o time do técnico Roy entregou-se aos poucos, o que facilitou o Alvinegro. De cabeça, Victor Simões marcou o seu, aproveitando-se de escanteio batido por Maicosuel. Em seguida, foi a vez do camisa 10 concluir, de frente para o goleiro, um bom lançamento de Reinaldo.

O Botafogo continuou tocando a bola com espaço, esperando que a partida terminasse. Ney Franco ainda contou com a ajuda de seus curingas, que novamente inverteram as posições. É só ver reparar que Batista terminou na ala esquerda e Fahel fez as vezes de zagueiro.

Com vontade de mostrar serviço, Jean Carioca entrou com disposição e, após pegar o rebote de uma cabeçada sua, fechou o placar.

FICHA TÉCNICA:
RESENDE 0 X 4 BOTAFOGO

Estádio: Giulite Coutinho, Mesquita (RJ)
Data/hora: 5/4/2009 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá (RJ)
Auxiliares: Cláudio José de Oliveira Soares (RJ) Marcos Antonio Bastos Junior (RJ)
Renda/público: –
Cartões amarelos: Nailton, Márcio Gomes, Fred e Breno (RES); Wellington (BOT)
Cartões vermelhos: Bruno Leite, 34’/2ºT (RES)
GOLS: Reinaldo, 19’/1ºT (0-1); Victor Simões, 2’/2ºT (0-2); Maicosuel, 10’/2ºT (0-3), Jean Carioca, 38’/2ºT (0-4)

RESENDE: Cleber (Márcio, 41’/1ºT), Bruno Leite, Breno, Nailton e Marquinhos; Márcio Gomes, Fred (Bruno Reis, 23’/2ºT), Fabio Azevedo e Léo; Bruno Meneghel e Hiroshi (Fabiano, 15’/1ºT) – Tecnico: Antonio Carlos Roy.

BOTAFOGO: Renan, Emerson, Leandro Guerreiro e Wellington; Alessandro, Fahel, Thiaguinho (Túlio Souza, 17’/2ºT), Maicosuel (Jean Carioca, 10’/2ºT) e Gabriel (Batista 35’/1ºT); Reinaldo e Victor Simões – Técnico: Ney Franco

abril 6, 2009 Posted by | Botafogo | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Palmeiras sofre, mas vira e garante liderança

Verdão encara o Santos na semifinal do Campeonato Paulista

Ortigoza fez o primeiro e abriu caminho para a virada. (Foto: Eduardo Viana)

Ortigoza fez o primeiro e abriu caminho para a virada. (Foto: Eduardo Viana)

O Palmeiras sofreu, não jogou bem, mas venceu o Botafogo de virada por 2 a 1 e garantiu a liderança do Campeonato Paulista. Ortigoza e Diego Souza marcaram para o Verdão.

Com os resultados da rodada, o Alviverde pega o Santos na semifinal e joga pela vantagem do empate.

Luxemburgo decidiu não poupar todos os titulares para garantir a liderança. Contudo, o que se viu em campo foi um time apático e desorganizado. O Alviverde praticamente não chegou ao gol do Botafogo e acabou castigado.

Betão, aos 43 minutos, bateu falta fechada para a área. Bruno se adiantou demais e a bola acabou entrando direto no gol palmeirense.

– Eu estava posicionado na linha da pequena área e ele bateu direto. Mérito pra ele – declarou o goleiro do Verdão.

O Palmeiras voltou com uma mudança para o segundo tempo. Ortigoza entrou no lugar de Lenny e não decepcionou. O paraguaio recebeu boa bola de Cleiton Xavier na área, se esticou todo e com um carrinho de raça tocou na saída de Everton. O camisa 30 empatou aos 13 minutos.

O Alviverde renasceu e, um minuto depois Diego Souza virou a partida. O camisa 7 entrou na área aos trancos e barrancos e bateu forte no canto direito de Everton.

– É quarta! É quarta! – disparou Diego Souza na comemoração. Lembrando a torcida do confronto decisivo contra o Sport, na próxima quarta-feira.

O Palmeiras conseguiu administrar o resultado e, mesmo sem jogar seu melhor futebol, se garantiu na liderança do Campeonato Paulista. Agora, o Verdão enfrenta o Santos na semifinal com a vantagem do empate. A outra semi será entre São Paulo e Corinthians.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 2 X 1 BOTAFOGO

Estádio: Palestra Itália, São Paulo
Data/hora: 05/04/2009 – 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Phillippe Lombard
Auxiliares: Luiz Quirino da Costa e Mario Nogueira da Cruz
Público pagante e renda: 12.653 / R$ 332.807,97
Cartões amarelos: Jumar e Evandro (PAL); Júlio César, André Neles, Jonílson e Adriano (BOT)
Gols: Betão, 43’/1ºT (0-1); Ortigoza, 13’2º/T (1-1); Diego Souza, 14’/2ºT (2-1)

PALMEIRAS: Bruno, Fabinho Capixaba, Danilo, Marcão e Jefferson (Armero, 33’/2ºT); Edmílson, Jumar (Evandro, 31’/1ºT), Cleiton Xavier e Diego Souza; Lenny (Ortigoza / intervalo) e Keirrison. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

BOTAFOGO: Everton, Everton Luiz, Júlio César e Rafael Pedro; Paulo Santos (Fernando, 28’/2ºT), Augusto Recife, Jonilson, Rudnei (Adriano, 15’/2ºT) e Betão; Fabinho e André Neles (Branquinho, 20’/2ºT). Técnico: Roberto Fonseca

abril 6, 2009 Posted by | Palmeiras | , , , , , | Deixe um comentário

Santos garante vaga em jogo dramático

Kléber Pereira salva fraca atuação do time com três gols e Peixe pega o Palmeiras nas semis

Herói, Kléber Pereira busca a bola após o primeiro dos seus três gols (Foto:

Herói, Kléber Pereira busca a bola após o primeiro dos seus três gols (Foto:

Quem criou o ditado futebolístico que diz que quem não faz toma sabia do que estava falando. Neste domingo, a Ponte Preta massacrou o Santos, fez o goleiro Fábio Costa fazer valer o seu trabalho, bombardeou a meta do Peixe e viu a vitória ficar com o adversário, que aproveitou a única chance que teve no primeiro tempo e garantiu o triunfo no Moisés Lucarelli.

Benja: ‘Uma classificação S-E-N-S-A-C-I-O-N-AL!’ Clique e leia!

A impressão do primeiro tempo era que era a Macaca que buscava uma vaga para a próxima fase da competição. Incisivo, o time do técnico Marco Aurélio sufocou o Peixe em seu campo de defesa e fustigou o goleiro Fábio Costa, que salvou a nação santista em pelo menos três oportunidades – duas delas em defesas espetaculares – e garantiu que o Peixe não desse adeus à disputa logo na primeira etapa.

Enquanto isso, o alvinegro praiano parecia mais preocupado em torcer contra a Portuguesa do que em jogar futebol. Fã de Robinho, o garoto Neymar parecia seu ídolo nos piores momentos, sem inspiração e objetividade. Kléber Pereira ficava sumido no meio da zaga ponte-pretana, mas ainda assim conseguiu uma grande oportunidade de abrir o marcador, salva pelo goleiro Aranha.

Mas aí o faro do artilheiro apareceu. Na única jogada realmente bem construída pelo ataque santista, Pará foi bem acionado e achou Kléber Pereira, que só teve o trabalho de tocar para o fundo das redes e correr para o abraço, aos 42 minutos do primeiro tempo.

Só que quem criou o ditado que diz que a justiça tarda, mas não falha, pelo jeito também sabia muito o que falava, porque a Ponte Preta demorou apenas quatro minutos para virar o placar. Primeiro com o jovem Dayvid, que recuperou a bola em saída grotesca do ataque santista, aos 9 segundos de bola rolando; e depois com Gum, que aproveitou cruzamento e cabeceou sozinho para fazer a festa da torcida da casa.

Daí em diante, o Santos, que já estava perdido em campo, degringolou na partida. Com a Lusa fazendo o seu dever de casa, os alvinegros começaram a se afobar e deixaram muito espaço para os ponte-pretanos utilizarem o contra-ataque. Fábio Costa voltou a ser acionado e correspondeu bem quando foi exigido. Parecia que tudo estava perdido. Parecia.

Mas quem parece que sabe mesmo das coisas é quem disse que a esperança é a última que morre. Sem forças, a equipe de Vagner Mancini não conseguia buscar a vantagem. Aí Kléber Pereira apareceu novamente e, na segunda boa jogada da equipe no jogo, o artilheiro recebeu sozinho e fuzilou de dentro da área para empatar.

Aos 43, o Peixe encontrou o gol salvador em um pênalti depois de toque de mão do zagueiro Jean. Kléber Pereira, sempre ele, bateu com categoria e colocou o Santos nas semifinais, mesmo depois de uma fraca apresentação. O alvinegro, quarto colocado, enfrenta o Palmeiras na fase mata-mata.

FICHA TÉCNICA:
PONTE PRETA 2 X 3 SANTOS

Estádio: Moisés Lucarelli, Campinas (SP)
Data/hora: 5/4/2009 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Rodrigo Braghetto (SP)
Auxiliares: Marcio Luiz Augusto e Marcos Joel Alves
Renda/público: R$ 160.851,00 / 8.316 pagantes
Cartões amarelos: William, Deda, Tinga (PON); Luizinho, Domingos, Kléber Pereira, Pará, Rodrigo Souto (SAN)
Cartões vermelhos: Marinho, 44’/2ºT(PON) e Fabiano Eller 44’/2ºT(SAN)
GOLS: Kléber Pereira, 39’/1ºT (0-1); Dayvid, 1’2ºT (1-1); Gum, 4’/2ºT (2-1); Kléber Pereira, 37’/2ºT (2-2) e Kléber Pereira, 43’/2ºT.

SANTOS: Fábio Costa, Luizinho, Domingos, Fabiano Eller e Pará; Roberto Brum, Rodrigo Souto, Paulo Henrique (Molina, 38’/2ºT) e Madson; Neymar (Róbson, 30’/2ºT) e Kléber Pereira. Técnico: Vágner Mancini

PONTE PRETA: Aranha, Edilson, Gum (Marinho, 26’/2ºT), Jean e Alessandro; Deda, Tinga, André (Gercimar, 27’/2ºT) e William; Danilo Neco e Márcio Mixirica (Dayvid, 1’/2ºT). Técnico: Marco Aurélio

abril 6, 2009 Posted by | Santos | , | Deixe um comentário

Timão se assusta, mas vai à semi invicto

Mirassol faz dois, mas Corinthians consegue o empate a tempo e vai pegar o São Paulo nas semifinais

Corinthians empata com o Mirassol fora de casa

Corinthians empata com o Mirassol fora de casa

O Timão levou um susto, quase perdeu a invencibilidade, mas conseguiu o empate por 2 a 2 contra o Mirassol, no interior paulista, neste domingo. Com parte dos titulares poupados, o Corinthians apenas se manteve na terceira posição e vai enfrentar o São Paulo nas semifinais do torneio.

O Corinthians sentiu o perigo no começo do jogo. Aos quatro minutos, a defesa deu bobeira e permitiu que Éder recebesse passe, invadisse a área e abrisse o placar a favor do Mirassol.

Com a invencibilidade arriscada, o Timão foi ainda mais ofensivo, mas apesar de dominar a partida, não conseguia furar o forte bloqueio adversário. Ao time da casa restou aproveitar os contra-ataques, que levaram perigo.

No primeiro chute de Roger, Felipe fez grande defesa, mas no segundo, não impediu que o Mirassol marcasse outro gol para castigar o Corinthians, melhor em campo até então. Mas antes do apito do árbitro, Jorge Henrique sofreu pênalti de Mauro, que Chicão converteu e diminuiu a desvantagem antes do intervalo.

O bloqueio do Mirassol ficou frágil no começo da segunda etapa, quando Dão puxou Jorge Henrique pela camisa e foi expulso. O jogo passou a ser de ataque contra defesa, mas uma defesa bem postada, mesmo incompleta.

Só que a fortaleza do técnico Pintado não durou muito tempo. Mano Menezes colocou Lulinha e deixou o ataque mais rápido. O efeito foi imediato. O Corinthians achou vários espaços e em um deles, Dentinho escorou de cabeça para empatar o jogo.

O Timão poderia ter virado instantes depois se Lulinha, Dentinho e Jorge Henrique não desperdiçassem tantas oportunidades. O Mirassol ainda pode sair com a vitória, mas as equipes se despedem da primeira fase com mais um ponto ganho.

FICHA TÉCNICA
MIRASSOL 2 X 2 CORINTHIANS

Estádio: José Maria de Campos Mais, Mirassol (SP)
Data: 05/4/2009, às 16 horas
Árbitro: Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza (SP)
Assistentes: Aline Lambert (SP) e Luiz Alexandre Nilsen (SP)
Gols: Éder, 4’/1ºT (1-0), Roger, 37’/1ºT (2-0), Chicão, 44’/1ºT (2-1), Dentinho, 24’/2ºT (2-2)
Cartões amarelos: Mauro, Anderson Paim, Acleisson e Luís Ricardo (Mirassol); Chicão e Jorge Henrique (Corinthians)
Cartão vermelho: Dão (Mirassol) e Diego (Corinthians)

MIRASSOL: Mauro, Alex Silva, Bruno Aguiar, Dão e Anderson Paim; Acleisson, Júnior Maranhão, Roger (Rodriguinho, intervalo) e Éder (Luciano Sorriso, 18,/2ºT); Luís Ricardo e Leandro Fonseca (Márcio Santos, 6’/2ºT). Técnico: Pintado

CORINTHIANS: Felipe, Fabinho, Diego, Chicão e André Santos; Cristian, Wellington Saci (Diogo, 19’/2ºT) e Boquita; Jorge Henrique (Marcelinho, 42’/2ºT), Dentinho e Otacílio Neto (Lulinha, intervalo)

abril 6, 2009 Posted by | Corinthians | , , , , , , , | Deixe um comentário

Fla-Flu: o primeiro foi empate, agora vem a semifinal

Alan brilha e marca para o Tricolor, mas estreante Emerson empata aos 48 minutos do segundo tempo

(Crédito: Júlio César Guimarães)

Os rubro-negros e tricolores que acompanharam o Fla-Flu deste domingo já puderam ter um belo aperitivo do que virá pela frente. Como manda o script do clássico, o jogo foi repleto de emoção e acabou empatado. Alan mais uma vez brilhou e marcou para o time das Laranjeiras e o estreante Emerson, aos 48 minutos do segundo tempo, empatou o placar para a equipe da Gávea. Agora, o confronto valerá pelas semifinais.

O jogo começou bastante movimentado. Pelos pés de Jônatas o Flamengo oferecia perigo. O camisa 5 rubro-negro acertava bons passes e lançamentos, que não eram bem aproveitados pelos homens de frente, principalmente Josiel. Já o Fluminense explorava a velocidade de Everton Santos e Thiago Neves em cima do lateral-direito Egídio, que estava completamente perdido.

De oportunidades claras, cada um teve uma. O chileno Fierro teve a maior delas, quando saiu cara-a-cara com Fernando Henrique, mas o chute não saiu bom e foi para a linha de fundo. Em compensação, o Tricolor deu a resposta com Thiago Neves, que chutou de dentro da área e Ronaldo Angelim fez um leve e providencial desvio.

O equilíbrio se manteve até o fim e o empate no primeiro tempo acabou sendo justo.

Na segunda etapa, Cuca tentou corrigir os erros de marcação tirando Egídio e colocando o jovem volante Lenon. Jônatas, machucado, deu lugar a Emerson, que fez sua estreia pelo Flamengo. No entanto, tais modificações não surtiram efeito e o Fluminense passou a comandar as ações.

Parreira acertou ao tirar Maurício, que não vinha bem, para a entrada de Romeu. O Tricolor passou a ganhar o meio-de-campo e, a partir disso, as oportunidades começaram a ser criadas. Fred aguentou apenas 15 minutos do segundo tempo e deu vaga a Alan. O menino de Xerém mais uma vez mostrou ter estrela e, na primeira oportunidade, colocou para o fundo da rede após cruzamento de Mariano.

Após o gol, o Fluminense passou a administrar o resultado. Desorganizado, o Flamengo mal conseguia ameaçar. Porém, no apagar das luzes, e quando a torcida tricolor já começava a sair em festa do Maracanã, Emerson, que estreava justamente neste domingo, empatou, de cabeça, aos 48 minutos do segundo tempo, deixando assim, uma prévia do que será o clássico nas semifinais da Taça Rio.

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data/Hora: 4/4/2009 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Marcelo Venito Pacheco(RJ)
Assistentes: Dibert Moisés(RJ) e Hilton Moutinho (RJ)
Renda/público: R$ 490.795,00 / 29.406 pagantes
Cartões amarelos: Welinton, Fierro, Everton Silva, Toró (FLA); Conca, Wellington Monteiro (FLU)
Cartões vermelhos: Não houve.
GOLS: Alan, 32’/2ºT (0-1); Emerson, 48’/2ºT (1-1)

FLAMENGO: Diego, Everton Silva, Welinton, Ronaldo Angelim e Egídio (Emerson, intervalo); Toró, Jônatas (Lenon, intervalo), Kleberson e Fierro (Maxi, 34’/2ºT); Erick Flores e Josiel. Técnico: Cuca.

FLUMINENSE: Fernando Henrique, Mariano, Cássio, Luiz Alberto e Leandro (Marquinho, 19’/2ºT); Wellington Monteiro, Maurício (Romeu, 19’/2ºT), Conca e Thiago Neves; Everton Santos e Fred (Alan, 16’/2ºT). Técnico: Parreira.

abril 6, 2009 Posted by | Flamengo, Fluminense | , , , , , , | Deixe um comentário

Inter festeja centenário eliminando o Grêmio

Colorado vira o jogo e garante vaga nas semifinais do Gauchão

LANCEPRESS!

O Internacional realizou na tarde deste domingo, no Beira-Rio, o evento mais importante de todos que produziu desde sexta-feira, para celebrar o Centenário: ganhou do Grêmio. Por 2 a 1, e de virada. Foi a terceira no Gauchão sobre o rival – e a mais importante do ano, como salientou D’Alessandro, que entrou faltando 26 minutos e foi decisivo.

Confira a opinião de Benja sobre o Gre-Nal

Com o triunfo, o Colorado enfrentará no próximo domingo, pela semifinal, o vencedor de Ulbra x Inter-SM, jogo desta segunda-feira em Canoas. Mais de 40 mil colorados cantaram o “Parabéns a Você” e gritaram “é campeão, é campeão”.

Foi justo. O Grêmio entrou muito bem armado, marcou muito forte e acertou duas bolas na trave. Mas foi o Inter que sempre tentou botar a bola no chão e construiu sua vitória na base do talento.

Celso Roth surpreendeu com uma mexida geral no sistema defensivo do Grêmio: o zagueiro Réver cedeu o lugar a Thiego e foi atuar de volante, ao lado de Adilson; Souza saiu do meio-campo e foi ser ala-direita, quando todos esperavam Makelelê pelo lado do campo.

Com isso, o Tricolor povoou sua intermediária e impediu que o Inter pusesse em prática o que tem de melhor – o toque de bola envolvente pelo meio, pelo menos no primeiro tempo. E Souza, pelo lado, impediu os avanços de Kleber. Roth deixou espaço para Bolívar, cujo forte não é o apoio.

Em termos ofensivos, Roth, como sempre, concebeu o trivial: bola alta para a área adversária. Em dois momentos, conseguiu criar perigo. Aos 10, num entrevero que se seguiu a um escanteio, Leo foi derrubado por Sandro. Gaciba não marcou o pênalti, preferindo compensar num lance discutível, aos 19: Fábio Santos cruzou da esquerda e, Tcheco, ao disputar com Kleber, caiu na área. O próprio Tcheco bateu, no canto direito, deslocando Lauro.

Depois disso, o Inter pressionou mais forte. Aos 26, Guiñazú arriscou de fora da área e a bola raspou o poste direito. Aos 31, pressionado na defesa, Indio chutou para a frente. Havia espaço para a corrida de Nilmar. Thiego se precipitou e, no carrinho, derrubou o atacante. Andrezinho bateu mal, no canto direito. Victor tocou na bola. Mas ela passou por baixo de seu corpo.

Um duelo interessante envolveu Magrão e Tcheco. Aos 3, o colorado levou vantagem, entrou livre pela esquerda e, em vez de bater rasteiro para Nilmar, cruzou alto. Mas, no geral, no primeiro tempo o gremista levou vantagem: marcou bem e conseguiu espaço para armar.

Mas no segundo tempo o panorama mudou. O Inter colocou os nervos no lugar e tratou de valorizar a posse de bola. Na base do toque, manteve-se quase sempre no ataque, até conseguir o seu gol, aos 32.

O Grêmio nunca se entregou. Mas criou suas chances apostando na cavação de faltas e em bolas alçadas.

Aos 8, quando só o Colorado jogava, Nilmar ganhou de Thiego na corrida e perdeu gol feito: precipitou-se e chutou fraco, para defesa de Victor. O Grêmio reagiu com cobrança de falta de Souza no travessão, aos 12. Este, já atuando pelo meio, enquanto Adilson ia para a ala, até que tentava tabelas com Tcheco. Mas o meio-campo colorado, com Sandro e Guiñazú em alto nível, bloqueava e saía armando.

Aos 17, Victor saiu mal e Magrão quase desempatou. O Grêmio criou duas chances magníficas em seqüência, aos 23 e aos 24, e aparando de cabeça duas cobranças de falta por Tcheco. Na primeira, Jonas cabeceou no poste esquerdo; na segunda, Réver cabeceou e Guiñazú tirou em cima da linha.

D’Alessandro, que substituíra Andrezinho aos 19, foi centro de um rolo aos 27. Caiu, foi agredido por Rafael Marques, e Taison reagiu por ele. O zagueiro e o atacante foram expulsos, mas D’Alessandro continuou em campo para, junto com Indio, decidir o clássico. Aos 32, o argentino fez uma cavadinha brilhante por cima do paredão de zagueiros: Indio partiu de trás. Victor saiu do gol esperando ser encoberto e saltando na frente do colorado; mas Indio bateu pelo lado.

O zagueiro mostrou categoria de atacante. E não por acaso. Foi seu quinto gol nos últimos sete clássicos, de um ano para cá.

Depois, foi defender o resultado – bloqueando na entrada da área e saindo em toques.

O Grêmio ainda criaria a chance que, se convertida, levaria a decisão para os pênaltis. Tcheco cobrou nova falta, da direita. Lauro saiu mal. O ala Fábio Santos, livre, mas sem a categoria de Indio, chutou para fora.

FICHA TÉCNICA

INTERNACIONAL 2 X 1 GRÊMIO

Estádio: Beira-Rio (Porto Alegre, RS)
Data-hora: 05/04/2009 – 17h (horário de Brasília)
Árbitro: Leonardo Gaciba
Auxiliares: Altemir Hausmann e Júlio César dos Santos
Renda e público: R$ 535.444,00 e 44.590 (público total)
Cartão amarelo: Álvaro, Kleber (I), Thiego (G)
Cartão vermelho: Taison (I) e Rafael Marques (G) 27 do segundo tempo
Gols: Tcheco (G) 19, Andrezinho (I) 33 do primeiro tempo; Indio 32 do segundo.

INTERNACIONAL: Lauro; Bolívar, Indio, Álvaro e Kleber; Sandro, Magrão (Marcelo Cordeiro 46/2T), Guiñazú e Andrezinho (D’Alessandro 19/2T); Taison e Nilmar (Alecsandro 41/2T). Técnico: Tite

GRÊMIO: Victor; Leo, Rafael Marques e Thiego; Souza, Réver, Adilson (Makelelê 22/2T), Tcheco e Fábio Santos; Herrera (Reinaldo 22/2T) e Jonas (Maxi López 37/2T). Técnico: Celso Roth.

if (!(dominioparceiro)){OAS_AD(‘x10’);}

abril 6, 2009 Posted by | Grêmio, Internacional | , | Deixe um comentário

Cruzeiro atropela o Tupi e está na semifinal

Kléber faz três e Raposa faz 7 a 2 na equipe de Juiz de Fora

LANCEPRESS!

Em partida com nove gols, o Cruzeiro atropelou o Tupi neste domingo, por 7 a 2, e garantiu vaga na semifinal do Campeonato Mineiro. Com mais um show de Kléber, que marcou três gols, a Raposa jogou muito bem e despachou o adversário alvinegro.

Com os gols feitos, Kléber chegou aos nove no campeonato e colou em Diego Tardelli, do Atlético-MG, que tem onze. Ramires, com dois gols, Fabrício e Marquinhos Paraná completaram a goleada. Fabrício, contra, e Hugo diminuíram para os donos da casa.

Com vantagem de poder perder por um gol de diferença, o Cruzeiro começou o jogo mais fechado no campo defensivo, contendo a pouca pressão inicial exercida pelos donos da casa. Muito superior tecnicamente, o Cruzeiro mostrou logo no primeiro tempo que a tarde seria de vitória celeste. Aos 32 minutos, Marquinhos Paraná sofreu pênalti e Kléber abriu o placar.

Atuando com soberania, a Raposa chegava com facilidade ao ataque. No segundo tempo, bastaram nove minutos para o Gladiador fazer mais um. Marquinhos Paraná chegou pela direita e cruzou. O camisa 30 completou o cruzamento e mandou no cantinho: 2 a 0.

O segundo tento marcado por Kléber celeste abriu de vez a porteira dos gols. Aos 18, Ramires fez o terceiro. Três minutos, depois, Fabrício arriscou de longe e fez mais um. O mesmo Fabrício marcou mais um, só que contra. Aos 25, após cruzamento na área, o volante desviou de cabeça para seu próprio gol.

O gol deu um último gás à equipe da casa. Aos 28, Hugo cobrou falta de longe e fez um golaço. No entanto, o dia era de goleada celeste e a vantagem no placar viria a aumentar dois minutos depois. Ramires cruzou pela esquerda, Kléber dominou dentro da área e marcou seu terceiro gol. no jogo.

O baile celeste em campo continou. Desanimado, o Tupi desistiu de buscar a reação e ainda levou mais dois gols. Aos 42, Marquinhos Paraná cruzou de cabeça pela direita, Kléber tentou finalizar no meio da área mas errou. Ramires chutou na segunda trave e fez seu segundo na partida. Aos 46, Marquinhos Paraná fechou a ampla goleada.

Na semifinal, a Raposa enfrentará o vencedor de Democrata-GV e Ituiutaba.

FICHA TÉCNICA:
TUPI 2 X 7 CRUZEIRO

Local: Radialista Mário Helênio, em Juiz de Fora (MG)
Data/hora: 6/04/2009, às 16h
Árbitro: José Henrique de Carvalho (SP) – Asp. FIFA
Auxiliares: Anderson José de M. Coelho (SP) e Vicente Romano Neto (SP)
Renda/Público: R$ 88.015,00/ 10.671 pagantes
Cartões amarelos: Gonçalves, Reginaldo, Bruno Ramos e Noel (TUP); Jancarlos, Léo Fortunato, Thiago Heleno, Fabrício, Henrique e Kléber (CRU)
Cartões vermelhos: Não houve

GOLS: Kléber, 32’/1°T (0-1); Kléber, 9’/2°T (0-2); Ramires, 18’/2°T (0-3); Fabrício, 21’/2°T (0-4); Fabrício (contra), 25’/2°T (1-4); Hugo, 28’/2°T (2-4); Kléber, 30’/2°T (2-5); Ramires, 42’/2°T (2-6); Marquinhos Paraná, 46’/2°T (2-7).

TUPI: Gonçalves; Serginho, Reginaldo, Rodrigão e Michel; Bruno Ramos, Robson (Rodrigo Mucarbel, 29’/2°T), Darlan (Noel, intervalo) e Hugo; Márcio Carioca (Carlão, 26’/2°T) e Ademílson. Técnico: Leonardo Condé.

CRUZEIRO: Fábio, Jancarlos, Thiago Heleno, Gustavo (Léo Fortunato, 38’/1°T) e Gerson Magrão; Fabrício (Elicarlos, 31’/2°T) Marquinhos Paraná, Henrique e Ramires; Soares (Bernardo, 12’/2°T) e Kléber. Técnico: Adilson Batista.

abril 6, 2009 Posted by | Cruzeiro | , , , , , , , | Deixe um comentário