Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

São Paulo vence o Goiás e conquista o título brasileiro pela terceira vez consecutiva, a sexta em sua história

dezembro 7, 2008 Posted by | São Paulo | Deixe um comentário

São Paulo lança novas camisas comemorativas

Marketing do São Paulo volta a relacionar produto com título recente

A comemoração do hexacampeonato apresentou à torcida a nova camiseta comemorativa do clube. A tão esperada 6-3-3 foi vestida após a vitória por 1 a 0 contra o Goiás, que deu mais um título ao São Paulo.

Outra camiseta comemorativa é a Hexa Code, que contém um código de barras com os números que simbolizam as seis conquistas nacionais (77, 86, 91, 06, 07 e 08).

O departamento de marketing do São Paulo costuma aproveitar seus triunfos para lançar novos produtos. Nos últimos dois títulos o torcedor são-paulino já pôde encontrar novos materiais com a marca do seu clube.

As camisas estarão nas lojas a partir de 12 de dezembro em seis tamanhos. O preço sugerido é de R$99,90.

CLIQUE NA CAMISA E COMPRE A SUA AGORA!!!

COMPRE AGORA!!!!!! CLIQUE NA IMAGEM

dezembro 7, 2008 Posted by | São Paulo | , , , , , , | 6 Comentários

CAMISA SÃO PAULO HEXA OFICIAL

CAMISA SÃO PAULO HEXA OFICIAL

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)


A CAMISA OFICIAL DO HEXACAMPEONATO EM 10X SEM JUROS!

CLIQUE NA CAMISA E COMPRE A SUA AGORA!!!

10x R$9,99
ou R$99,90
 

CLIQUE NA IMAGEM E COMPRE AGORA!!!!!!!!

Sport West - Loja do Grupo Esportes Oeste (Loja Credenciada da Nike.com)


dezembro 7, 2008 Posted by | São Paulo | , , | Deixe um comentário

Rogério Ceni projeta Libertadores e quer reforços

Goleiro e capitão do São Paulo espera grupo ainda mais forte em 2009

Tom Dib)

Rogério celebra hexa no fim do jogo contrá o Goiás, mas já quer Libertadores (Foto: Tom Dib)

O goleiro Rogério Ceni fez muita festa ao final do jogo contra o
Goiás, neste domingo. Viu seu time vencer por 1 a 0, comemorou o
hexacampeonato nacional e levantou a taça (não a oficial) do
Brasileiro. Depois, porém, tratou de projetar 2009 e pedir um esforço
da diretoria no sentido de contratar bons reforços para a disputa
internacional.

– Espero que o São Paulo possa investir, ainda não
nos associamos a investidores ou empresas de grande porte. O clube
caminha com as próprias pernas, e por isso tenho certeza de que a
diretoria está estudando contratações em posições carentes. Torço para
que, dentro dos planos possíveis, a diretoria possa contratar as
melhores opções para nós – ressaltou o camisa 1 e capitão são-paulino.

Na
metade do ano, quando o São Paulo tinha dificuldades de chegar ao G4, o
goleiro deu uma declaração polêmica. Na ocasião, Ceni disse que não
queria disputar a Copa do Brasil e jogar em estádios no Norte do país.
Neste domingo, o goleiro fez questão de relembrar o que disse e
explicou os motivos de o clube não poder ficar fora da Libertadores.


As pessoas tentam encarar isso como um desprezo à Copa do Brasil. É um
campeonato ótimo de se jogar, mas pelo investimento e estrutura do São
Paulo é inviável ficar fora da Libertadores. Isso seria sentido por
cada atleta, pelo torcedor. Por tudo que é oferecido para a gente, não
temos o direito de ficar fora da maior competição da América do Sul –
disse Rogério Ceni, lembrando também a superação da equipe neste
Nacional:

– Todos diziam que, dos três títulos, esse foi o que
teve a equipe menos técnica, que dá menos espetáculo. Mesmo assim
buscamos e por isso acredito que já temos um grupo forte.

dezembro 7, 2008 Posted by | São Paulo | | Deixe um comentário

Jogadores do São Paulo relembram pedreiras

Conquista foi a mais comemorada por elenco pelas dificuldades encontradas

Eduardo Viana

Jorge agradece apoio e confiança da diretoria nos momentos difíceis Foto: Eduardo Viana

Depois de vencer o Brasileiro com folgas em 2006 e 2007, o
São Paulo viveu situação diferente em 2008 e só faturou o caneco na
última rodada e graças a um segundo turno impecável, onde acumulou uma
invencibilidade de 18 partidas que levaram o time do limbo ao título.

Mas
o ano não foi apenas de flores no Morumbi. Eliminado do Paulistão e da
Libertadores, o elenco ficou sob forte pressão pelo mau rendimento em
campo e chegou até mesmo a ser dado como carta fora do baralho na
disputa pelo título. Mas a diretoria, na figura do presidente Juvenal
Juvêncio, entrou em cena e acalmou o ambiente para que o Sampa
retomasse o rumo.

– A diretoria dá todo respaldo pra trabalhar
com tranqüilidade. Passamos um momento difícil depois da libertadores e
a diretoria nos deu a calma necessária para darmos a volta por cima –
revelou o meia Jorge Wagner.

Podendo jogar por um empate contra o
Goiás para levantar o troféu pela sexta vez na história, os
são-paulinos fizeram melhor e bateram os adversários por 1 a 0, gol de
Borges, fechando o ano – e o campeonato – com chave de ouro.


Tínhamos que fechar esse campeonato com uma vitória depois da arrancada
que demos a partir da derrota contra o Grêmio, foi pra encerrar com
chave de ouro – analisou o zagueiro Rodrigo.

Empolgado pela conquista, o camisa 44 não se conteve e mandou um recado aos corneteiros de plantão que torciam contra o hexa.


Ouvimos durante muito tempo quietos que não iríamos chegar, que éramos
cavalos paraguaios, coisas assim. Mas agora tá aí, chegamos e somos
hexa pra calarmos a boca de todo mundo – finalizou, com muita ironia.

dezembro 7, 2008 Posted by | São Paulo | | Deixe um comentário

São-paulinos elegem Hernanes craque do Brasileirão

Para Miranda, meia foi decisivo. Hernanes adota humildade

Tom Dib)Para elenco tricolor, Hernanes foi o grande craque do Brasileirão (Foto: Tom Dib)

Sem dúvida, o meia Hernanes teve seu grande ano no São Paulo. Jogando mais avançado, fazendo gols e chegando à Seleção brasileira, o camisa 15 é candidato ao título de melhor jogador do Brasileirão. Após a conquista do hexacampeonato nacional neste domingo, com a vitória de 1 a 0 sobre o Goiás, Hernanes rechaçou o título de craque do campeonato.

– Minha parte eu fiz, de ajudar o São Paulo a ser tricampeão. Era o que eu mais queria. Me sinto com o dever cumprido, sinto que fui importante, mas todos foram – explicou o camisa 15, feliz com a indicação para a premiação da CBF:

– Já é uma honra estar participando desse prêmio, e se vier vai coroar ainda mais este ano, que já é o melhor da minha vida.

A competência de Hernanes também é reconhecida pelo grupo. Afinal, sem o camisa 15, na Olimpíada, o São Paulo viveu momentos difíceis e só reagiu após o retorno dele e a formação da dupla com Jean.

– Hernanes é um grande um jogador, facilita muito a vida do nosso time. Mas claro que o título não foi só por conta dele. Essa é uma equipe que sempre buscou as vitórias, com ou sem o Hernanes. Mas o craque do campeonato é ele – definiu o zagueiro Miranda.

dezembro 7, 2008 Posted by | São Paulo | | Deixe um comentário

Às lágrimas, Muricy agradece apoio da torcida

Treinador se emociona com hexa e relembra dificuldades do ano

Tom DibMuricy, o rei da galera Tricolor Foto: Tom Dib

Mais uma vez ovacionado pela torcida, o técnico do São Paulo, Muricy Ramalho, não agüentou a emoção e foi às lágrimas com a confirmação do hexacampeonato nacional. Debaixo de chuva, o técnico fez questão de correr em direção aos são-paulinos e agradecer todo o apoio durante o difícil ano para o Sampa.

Realmente o ano passou longe de águas calmas no Morumbi. Após as quedas na Libertadores e no Paulista, o treinador teve mais uma vez o seu trabalho questionado pela diretoria. A diferença para os anos anteriores é que o time não conseguia emplacar e deu a impressão de que não reagiria a tempo de brigar para o título.

– Agradeço muito ao Juvenal, que me deu força na hora em que mais precisei, e à torcida, que nunca deixou de me apoiar e reconhecer o meu trabalho – desabafou o treinador.

Muricy reconheceu que 2008 foi o ano em que mais teve que trabalhar no clube, mas a persistência do treinador, muitas vezes questionado por seu jeito algumas vezes áspero no trato com a imprensa, foi decisiva para tirar o São Paulo da modesta 6ª colocação e levá-lo a mais um título, o mais difícil de todos.

– Preciso descansar um pouco, estou muito cansado, muito mesmo. Esse ano foi muito difícil, muito duro. Fui macho pra caramba, meu irmão! – comemorou, ao lembrar das dificuldades enfrentadas.

Com o hexa garantido, Muricy iguala-se ao treinador Rubens Minelli como tricampeão consecutivo (75 e 76 com o Inter e 77 com o São Paulo) e leva o Sampa pela primeira vez a três conquistas seguidas em sua história.

dezembro 7, 2008 Posted by | São Paulo | , | Deixe um comentário

Símbolo do hexa, Borges celebra melhor ano

Atacante fez 26 gols e foi titular até quando Adriano estava no clube

Tom Dib/Lancepress!)Borges faz a merecida festa após a conquista do hexa (Foto: Tom Dib/Lancepress!)

Borges é o símbolo da superação são-paulina na temporada 2008. Goleador nato, mas desacreditado no início do ano, o camisa 17 deu a volta por cima e foi decisivo para o hexacampeonato nacional do Sampa. Neste domingo, foi dele o gol da vitória de 1 a 0 sobre o Goiás. Consagração plena para o artilheiro tricolor no ano: 26 gols.

– Acabou, acabou! E com gol meu! – gritava um Borges em êxtase, logo após o apito final, para depois falar com mais calma:

– No início do ano, eu estava de férias e o São Paulo contratou o Adriano. Ninguém falava mais em Borges, por isso conversei com minha mulher e pensei em sair. Achava que não valeria a pena passar por tudo de novo. Mas dentro da igreja, um irmão falou que este seria o meu ano. Disse que eu só tinha de trabalhar. E se cumpriu. Foi o melhor ano da minha carreira.

Foi mesmo. Além dos 26 gols, dobro do que havia conseguido no ano anterior, o atacante conseguiu se firmar como titular em meio a várias contratações para a linha de frente tricolor. Além de Adriano, chegaram Éder Luis e André Lima. Nenhum conseguiu tomar a vaga do ‘Trabalhador’, como ele mesmo se apelidou nos tempos de Adriano ‘Imperador’. Com uma temporada tão boa, o atacante já pensa na valorização dentro do clube.

– Eu tenho contrato até 2009, mas quando a gente conquista um título acontece a valorização dos atletas. Não sei se eu continuo no ano que vem, mas fico se Deus quiser – explicou o atacante, que mandou mensagem até para quem secou o clube na campanha deste ano:

– Era muita gente torcendo contra, mas quem falou, falou. Vão ter de aplaudir mais uma vez o São Paulo.

dezembro 7, 2008 Posted by | São Paulo | , | Deixe um comentário

Diretor do São Paulo anuncia Wagner Diniz

Tricolor quer reeditar esquema de 2005. Lateral deve ser apresentado em janeiro, com o restante do elenco

Paulo Sergio)Wagner Diniz é o primeiro reforço do São Paulo para 2009 (Foto: Paulo Sergio)

– Agora, sim, eu posso confirmar. Ele é nosso!

A frase do diretor de futebol João Paulo de Jesus Lopes anuncia que Wagner Diniz é o primeiro reforço do São Paulo para 2009. O acerto foi feito em setembro, mas a diretoria tricolor temia por retaliações da torcida vascaína ao jogador, caso vazasse, uma vez que o clube carioca já passava por um mau momento.

Na época, Wagner Diniz também despistou, mas admitiu o sonho de vestir a camisa são-paulina ao fim do seu contrato, que se encerra no próximo 31 de dezembro. A diretoria espera que o lateral preencha uma posição carente desde que Cicinho deixou o clube, no fim de 2005.

Desde então, o lado direito foi palco de alguns sucessos – Souza e Ilsinho, improvisos – Breno e André Dias, e muitos fracassos: Éder, Jancarlos, Reasco, entre outros.

Wagner Diniz deve se apresentar dia 10 de janeiro, data inicialmente marcada para que o grupo reinicie atividades visando ao Paulista e à Libertadores. Ele chega da mesma maneira que tem marcado as contratações nos últimos anos: no fim de seu contrato, sem que o presidente Juvenal Juvêncio precise desembolsar valores financeiros para contratá-lo (a não ser os salários).

A intenção é reeditar taticamente o time que conquistou a Libertadores e o Mundial em 2005, com dois alas rápidos, um meia que sirva os companheiros e um centroavante goleador. Por isso, o São Paulo corre atrás da versão canhota de Wagner Diniz. Júnior César, do Fluminense, é um dos cotados, mas divide opiniões entre diretoria e comissão técnica. Seu contrato também está por terminar.

Para o meio-de-campo e ataque, apesar do sucesso de Hugo e Borges, artilheiros da equipe no Brasileirão, o clube procura opções. O argentino Conca, do Fluminense, é o favorito a atuar na armação.

dezembro 7, 2008 Posted by | São Paulo, Vasco da Gama | , | Deixe um comentário

São Paulo bate Goiás e fatura o hexa do BR-08

Resultado garante sexto título e confirma dinastia Tricolor no país

Tom DibJogadores comemoram o gol de Borges. Sampa é Hexa! Foto: Tom Dib

Foram 38 rodadas de expectativa, mas este domingo foi dia do torcedor são-paulino finalmente soltar o grito de campeão brasileiro. A vitória sobre o Goiás garantiu o terceiro troféu consecutivo ao clube do Morumbi e o sexto da história do clube, aumentando a dinastia paulista no cenário nacional.

Além da dura trajetória até a conquista, o São Paulo precisou exorcizar seus fantasmas do primeiro semestre, quando caiu na Libertadores e no Paulista e quase viu seu reinado nos pontos corridos ruir ante os rivais. Foi necessária muita paciência para acreditar que os comandados de Muricy Ramalho dariam a volta por cima, mas valeu a pena acreditar.

Mas hoje é dia de festa no Morumbi e os são-paulinos já esqueceram das frustrações que levaram os torcedores às lágrimas, porque neste domingo as lágrimas que escorrem da nação tricolor são de alegria e redenção. O sexto título nacional dá à massa vermelha, preta e branca a certeza de que, no momento, não existe clube maior e mais vencedor que o São Paulo.

As cores da conquista ganharam tons mais vivos quando Borges abriu o marcador, em impedimento, após cobrança de falta de Rogério Ceni. O gol ajudou a acalmar o time, que mostrou postura mais firme em campo do que a apresentada no frustrante empate contra o Fluminense, no Morumbi. Mesmo sem jogar um grande futebol, o Sampa foi impecável na marcação e não deu qualquer chance do Goiás criar perigo à meta de Rogério Ceni.

Após do gol solitário, foi só o hexacampeão administrar a partida e correr para o abraço. Agora, os são-paulinos curtem a merecida festa e esperam ansiosamente pelo próximo ano, porque Muricy Ramalho, Borges, Rogério Ceni e cia transformaram a massa Tricolor em uma torcida sedenta por títulos.

Será que vem hepta por aí?

Que ninguém seja louco de duvidar.
FICHA TÉCNICA:
GOIÁS 0 X 1 SÃO PAULO

Estádio: Bezerrão, Gama (DF)
Data/hora: 07/12/2009 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Jaílson Macedo Freitas (Fifa-SC)
Auxiliares: Milton Otaviano dos Santos (Fifa-RN) e Alessandro Rocha de Matos (Fifa-BA).
Renda/público: não divulgados
Cartões amarelos: Rodrigo (SPO); Paulo Baier, Vítor, Henrique, Rafael Marques (GOI)
GOLS: Borges, 22’/1ºT (0-1)

GOIÁS: Harlei, Ernando, Henrique e Rafael Marques; Vitor, Ramalho, Fahel (Romerito, 28’/2ºT), Paulo Baier, Júlio César (Adriano Gabiru, 1’/2ºT) e Thiago Feltri; Fausto (Alex Terra, 18’/2ºT). Técnico: Hélio dos Anjos.

SÃO PAULO: Rogério Ceni, André Dias, Rodrigo e Miranda; Joilson (Jancarlos, 36’/2ºT), Richarlyson, Hernanes, Hugo e Jorge Wagner; Dagoberto (Bruno, 39’/2ºT) e Borges. Técnico: Muricy Ramalho.

dezembro 7, 2008 Posted by | Goiás, São Paulo | , | Deixe um comentário

Grêmio vence Galo, mas fica com o vice

Tricolor faz o dever de casa, porém, vê São Paulo levantar mais um título

(Crédito: Ricardo Rimoli)

Não foi dessa vez que a mística do Imortal Tricolor entrou em campo. O Grêmio fez sua parte e venceu o Atlético-MG por 2 a 0 neste domingo, no Olímpico, mas acabou ficando com o vice-campeonato brasileiro, já que no Bezerrão, o São Paulo derrotou o Goiás e ficou com o caneco.

O Grêmio começou a partida marcando pouco e deixando o Atlético jogar. A torcida tricolor só se levantou quando Souza recebeu na direita e arriscou para Édson pegar em dois tempos. O Tricolor gaúcho não ditava o ritmo da partida como geralmente faz quando joga no Olímpico.

O placar do Olímpico não anunciou, mas o gol do São Paulo foi uma ducha de água fria na torcida tricolor. O Grêmio começou a errar passes e o Galo foi ganhando campo e começou a incomodar o time da casa. No entanto, Souza, o melhor do Grêmio no primeiro tempo, buscava o jogo o tempo todo, criava as melhores jogadas dos anfitriões e tentava dar um alento para os gaúchos.

O título ficava distante e o Grêmio não fazia o dever de casa. Para piorar, o Atlético-MG ainda esteve mais perto do primeiro gol. Castillo obrigou Victor a salvar o Tricolor.

Tcheco, sumido no primeiro tempo, tentou assumir o papel de capitão e chamar a responsabilidade. Mas quem tocava a bola com tranqüilidade era o time visitante.

Precisando do gol, Roth não teve opção: colocou Mattioni e André Luis. E em sua primeira jogada, o primeiro foi derrubado por César Prates na área.Pênalti convertido por Tcheco.

O gol acordou o Tricolor, que precisava de um milagre para ficar com o título brasileiro. O Atlético passou a chegar menos e quase não incomodou a meta do goleiro Victor na etapa complementar. Um minuto depois de um avião sobrevoar o Olímpico com uma faixa “Inter, campeão de tudo”, Souza colocou na área e Soares desviou de cabeça para o gol.

O título não veio, mas a vitória sobre o Galo pode significar uma boa campanha na Libertadores do ano que vem. Já o Atlético-MG se despede do ano de seu centenário com alguns sustos, mas com vaga na Sul-Americana.
FICHA TÉCNICA

GRÊMIO 2 X 0 ATLÉTICO-MG

Local: Olímpico, Porto Alegre (RS)
Data: 07/12/2008 às 17h(de Brasília)
Árbitro: Luis Antônio Silva Santos (RJ)
Auxiliares: Hilton Moutinho Rodrigues (RJ) e Dibert Pedrosa Moisés (RJ)
Cartão Amarelo: Willian Magrão (GRE); Leandro Almeida, Nen, Édson (ATL)
Cartão Vermelho: Não houve
Gols: Tcheco, 17’/2ºT (1-0); Soares, 37’/2ºT (2-0)

GRÊMIO: Victor, Leo, Jean e Réver; Souza, Rafael Carioca (Felipe Mattioni, 12’/2ºT) , William Magrão, Tcheco e Hélder (André Luis, 15’/2ºT); Perea e Marcel (Soares, 36’/2ºT). Técnico: Celso Roth

ATLÉTICO-MG: Édson, Sheslon, Welton Felipe, Leandro Almeida e César Prates; Nen, Elton (Beto, 31’/2ºT), Marcio Araujo e Renan Oliveira; Castillo (Jael, 22’/2ºT) e Pedro Paulo. Técnico: Marcelo Oliveira

dezembro 7, 2008 Posted by | Atlético-MG, Grêmio | , , | Deixe um comentário

Flu empata com Ipatinga no adeus do Monstro

No entanto, Tricolor conquista vaga na Sul-Americana e Washington é artilheiro com Kléber Pereira e Keirrison

Conca arranca um contra-ataque do Fluminense

Conca arranca um contra-ataque do Fluminense (Crédito: Ricardo Cassiano)


Mariana Mastrangelo

RIO DE JANEIRO


Entre em contato

No jogo da despedida de Thiago Silva, a torcida do Fluminense que
praticamente lotou o Maracanã na tarde deste domingo, teve que se
contentar com um empate em 1 a 1 com o já rebaixado Ipatinga. O gol
tricolor foi marcado por Washington, que chegou empatado na artilharia,
com Kléber Pereira e Keirrison, todos com 21 gols. Além disso, o Flu
está na Sul-Americana 2009.

O primeiro a chegar com perigo foi
o Ipatinga, numa falha da zaga tricolor. O atacante Müller chutou e o
goleiro Fernando Henrique salvou o Flu. Foi a primeira e uma das únicas
participações dele no jogo. Uma dividida de bola deixou o jogador de
fora do último jogo do Flu no ano. Fernando Henrique sentiu a parte de
trás da coxa esquerda e pouco tempo depois, não aguentou a dor e pediu
para ser substituído.

Enquanto o Tricolor só chegou com perigo
uma vez, num chute certeiro de Romeu e defendido pelo goleiro Fred, o
Ipatinga deu um susto nos torcedores no Maracanã. Em nova falha de
posicionamento da zaga do Fluminense, Müller invadiu a área e a bola só
parou no goleiro Diego.

Ainda ao fim do primeiro tempo,
Washington foi derrubado na área por Patrick e a torcida pediu pênalti.
O árbitro mandou seguir a jogada e deixou o atacante muito irritado com
o lance duvidoso.

Na volta do intervalo, o técnico René Simões
tirou Maicon e colocou Tartá na esperança de impor mais velocidade ao
jogo. No entanto, quem se saiu melhor mesmo foi o Ipatinga. Aos 14
minutos, o atacante Adeílson acertou uma bomba de fora da área no canto
direito do gol de Diego e abriu o placar no Maracanã.

A postura
do Ipatinga após sair na frente é que não foi das mais inteligentes.
Recuando totalmente e só se defendendo, o time mineiro abriu espaços
para o Fluminense atacar. Não demorou muito e o inevitável aconteceu:
em cruzamento de Tartá da esquerda, Somália fez o passe para
Washington, que deixou tudo igual no Maracanã.

Aos 43 minutos,
Adeílton ainda explodiu uma bola na travessão e quase fez o segundo
gol. Com este resultado e a soma de todos os outros resultados da
última rodada do Campeonato Brasileiro, o Fluminense terminou em 14º
lugar e conquistou uma vaga na Sul-Americana 2009. Já o Ipatinga, não
mudou em nada sua situação e vai jogar a Série B no ano que vem.

FICHA TÉCNICA:
FLUMINENSE 1 X 1 IPATINGA

Estádio: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 07/12/2008 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Auxiliares: Katiuscia Mayer Berger Mendonça(Fifa-ES) e Marcelino Tomaz de Brito Neto (SP)

Renda/público: R$ 929.647,00 / 49.178 pagantes

Cartões amarelos: Júlio, Pablo (IPA)
Cartões vermelhos: não houve.

GOLS: Adeílson, 14’/2ºT (0-1); Washington, 25’/2ºT (1-1)

FLUMINENSE:
Fernando Henrique (Diego, 13’/1ºT), Wellington Monteiro, Thiago Silva,
Luiz Alberto e Junior Cesar; Ygor (Somália, 18’/2ºT), Romeu, Arouca e
Conca; Maicon (Tartá, intervalo) e Washington. Técnico: René Simões.

IPATINGA:
Fred, Gian, Léo Oliveira, Patrick; Afonso, Augusto Recife, Júlio, Pablo
(Luiz Fernando, 35’/2ºT) e Baroni (Anderson, 15’/2ºT); Adeílson e
Müller. Técnico: Enderson Moreira.

dezembro 7, 2008 Posted by | Fluminense | , | Deixe um comentário

Verdão perde, mas vai à Libertadores

Palmeiras leva 1 a 0 do Botafogo, no Palestra, mas conta com tropeço do Flamengo e fica com vaga

Eduardo Viana/Lancepress!)Kléber supera marcação de Edson durante a partida no Palestra (Foto: Eduardo Viana/Lancepress!)

O Palmeiras voltará a disputar a Copa Libertadores, em 2009. O Alviverde garantiu a sua vaga mesmo perdendo para o Botafogo por 1 a 0, neste domingo, no Palestra Itália, em São Paulo.

O clube paulista só se deu bem por conta da derrota do Flamengo para o Atlético-PR. O tropeço carioca deixou o Verdão na quarta colocação do Campeonato Brasileiro, com 65 pontos, dois a menos que o terceiro, Cruzeiro. Assim, o Palestra levou a última vaga brasileira para a mais importante competição continental. Mas com a posição,o time treinado por Vanderlei Luxemburgo terá de disputar a Pré-Libertadores, em duas partidas contra o terceiro time indicado pela Bolívia, ainda não determinado.

Já o Botafogo fecha com vitória a temporada e encerra o ano na sétima colocação, com 53 pontos. O time vai disputar a Copa Sul-Americana, em 2009.

Nos primeiros momentos da partida, o Alviverde centralizava suas ações no meia Diego Souza, que criava boas jogadas, mas achava apenas Kléber, isolado no ataque. O Gladiador não conseguia concluir bem. A maior chance do time foi logo aos 8. De cara com o goleiro Renan, Kléber chuou no canto e obrigou o arqueiro a se esticar todo para evitar o gol.

A partir dos 30 minutos de partida, o time carioca passou a levar perigo ao gol palmeirense com chutes de fora da área. Aos 36, Alessandro arriscou e a bola passou rente à trave direita de Marcos. Três minutos depois, após rebatida da zaga, Lúcio Flávio pegou de primeira um belo chute e acertou o travessão de Marcos.

Quando o Bota exercia um ligeiro domínio, no último minuto do primeiro tempo, o zagueiro Jéci desviou cruzamento de Leandro e testou por cima do gol, rente ao travessão, deixando a impressão de que o Verdão voltaria mais forte após o intervalo.

No entanto, assim que os times voltaram ao gramado, o Fogão começou a se impor e abriu o placar, aos 4 minutos. Alessandro desceu livre pela direita e cruzou na medida para Wellington Paulista cabecear sem chances para Marcos.

Para melhorar a produção ofensiva do Palmeiras, Luxemburgo sacou Jéci, um dos seus três zagueiros, e colocou Denílson em campo. A medida surtiu efeito e Diego Souza tinha com quem dividir a responsabilidade na armação das jogas. Entretanto, o Bota armou uma boa retaguardada e dificultava a chegada de bola nos pés de Kléber.

O tornou-se fraco tecnicamente e o Alviverde, parecia receber instruções de Luxa no sentido de que, mesmo com a derrota o objetivo de se classificar para a Libertadores estava sendo alcançado. Os atletas passaram a pegar pesado e tiveram duas expulsões, uma para cada lado. Alexandre acertou cotovelada em Maurício e levou o cartão vermelho. Depois, foi a vez de o zagueiro ficar nervoso e derrubar Jougle para também ser expulso.

Após comemoração da torcida palmeirense e nenhuma grande jogada, a partida acabou e o Palmeiras conseguiu a sua desejada vaga para a Libertadores.

FICHA TÉCNICA:
PALMEIRAS 0 X 1 BOTAFOGO

Estádio: Palestra Itália, São Paulo (SP)
Data/hora: 7/12/2008 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa-PR)
Auxiliares: Roberto Braatz (Fifa-PR) e Gilson Coutinho (PR)

Público e renda: 21.639 pagantes/R$ 581.567,50
Cartões vermelhos: Maurício (PAL); Alexandro (BOT)
Cartões amarelos: Pierre (PAL); Edson, Jougle, Luciano Almeida e André Luis (BOT)
GOL: Wellington Paulista, 4’/2ºT (0-1)

PALMEIRAS: Marcos, Gustavo, Jéci (7’/2ºT – Denílson) e Maurício; Fabinho Capixaba, Pierre, Sandro Silva (26’/2ºT – Jumar), Evandro (13’/2ºT – Thiago Cunha), Diego Souza e Leandro; Kléber. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

BOTAFOGO:Renan, Emerson, Edson (7’/2ºT – Luciano Almeida) e Andre Luis; Alessandro, Leandro Guerreiro, Túlio Souza, Lucio Flavio, Lucas Silva (21’/2ºT – Jougle)e Triguinho; Wellington Paulista (27’/2ºT – Alexandro). Técnico: Ney Franco

dezembro 7, 2008 Posted by | Botafogo, Palmeiras | , , | Deixe um comentário

Fim melancólico: Fla perde para o Atlético-PR

Rubro-Negro está fora da Libertadores e paranaenses seguem na Série A com vitória por 5 a 3 na Arena da Baixada

Toró disputa bola com Júlio dos SantosToró disputa bola com Júlio dos Santos (Crédito: Felipe Gabriel)

O final já era esperado e foi melancólico. O mais diícil aconteceu: o Palmeiras perdeu, mas o Flamengo não fez a sua parte e não se classificou para a Libertadores. O péssimo retrospecto jogando na Arena da Baixada foi mantido e o Rubro-Negro perdeu mais uma para o Atlético-PR. Desta vez, a derrota por 5 a 3 deixou os cariocas na quinta colocação do Campeonato Brasileiro e salvou os paranaenses do rebaixamento.

Os desfalques fizeram falta. O Flamengo esteve completamente desarrumado em campo, principalmente a defesa, que teve atuação horrorosa no primeiro tempo. Na primeira cena de horrores defensivo, Toró cabeceou para o próprio gol cruzamento de Netinho e abriu o placar para o Atlético-PR. Aos 26 minutos, a defesa bateu cabeça mais uma vez e Rafael Moura precisou de duas tentativas para ampliar.

A esta altura, a Portuguesa vencia o Cruzeiro. Mas, da forma que jogava, era difícil o Flamengo reagir para virar. Até que a pane passou para o zagueiro Chico, que fez pênalti infantil em Vandinho. Marcelinho Paraíba deu o primeiro chute perigoso do time e diminuiu. Mas a defesa estava “inspirada”. Deixou Júlio César carregar a bola sozinho e chutar da entrada da área no canto de Bruno: 3 a 1.

O único a se salvar da atuação ruim foi Marcelinho Paraíba. Se não foi brilhante no meio-de-campo, posição que prefere jogar, pelo menos se salvou com os dois gols. O segundo em uma bomba de fora da área que manteve o Flamengo vivo no jogo.

Na volta para o segundo tempo, os jogadores do Flamengo já sabiam que os resultados dos adversários eram favoráveis e entraram mais ligados e com mais vontade. Mas com o atacantes apanhando da bola e a defesa facilitando a vida dos adversários, a reação não aconteceu.

O Cruzeiro virou o seu jogo, o Palmeiras continuou perdendo, mas parecia que o Flamengo não queria a Libertadores. Em momento algum incomodou o Atlético-PR, que marcou o quarto com Zé Antônio, um minuto depois de ter entrado no jogo. Só assim os cariocas acordaram. Fernandão, que estreou na última rodada, perdeu um gol incrível na pequena área.

Para completar a péssima atuação defensiva, Ronaldo Angelim fez falta fora da área em Geílson e Leonardo Gaciba marcou pênalti. Alan Bahia cobrou e fez o quinto. No último minuto, mais um pênalti, agora para o Flamengo. Marcelinho Paraíba bateu bem e fez o seu terceiro gol no jogo.

Se o fim foi melancólico para a torcida do Flamengo, que teve que se contentar com a Sul-Americana, pelo menos os rubro-negros puderam comemorar o rebaixamento do rival Vasco. Mas é muito pouco para um clube que liderou o Brasileiro por nove rodadas e esteve sempre entre os primeiros.
FICHA TÉCNICA:

ATLÉTICO-PR 5 X 3 FLAMENGO

Local: Arena da Baixada, Curitiba (PR)
Data/Hora: 7/12/2008 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Leonardo Gaciba(Fifa-RS)
Auxiliares: Altemir Hausmanm (Fifa-RS) e José Antônio Chaves (RS)

Renda/público: R$ 375.280,00/ 22.019 pagantes
Cartões amarelos: Netinho, Alberto, Zé Antônio (APR); Toró (FLA)
GOLS: Toró (contra), 12’/1ºT (1-0); Rafael Moura, 26’/1ºT (2-0); Marcelinho Paraíba, 35’/1ºT (2-1); Julio César, 39’/1ºT (3-1); Marcelinho Paraíba, 42’/1ºT (3-2); Zé Antônio, 27’/2ºT (4-2); Alan Bahia, 42’/2ºT (5-2); Marcelinho Paraíba, 48’/2ºT (5-3).
ATLÉTICO-PR: Galatto, Antônio Carlos, Chico e Rhodolfo; Alberto (Zé Antônio, 26’/2ºT), Valencia, Alan Bahia, Júlio dos Santos (Kelly, 32’/2ºT) e Netinho; Julio César (Geílson, 13’/2ºT) e Rafael Moura. Técnico Geninho.

FLAMENGO: Bruno, Jaílton, Fábio Luciano, Ronaldo Angelim; Léo Moura, Aírton, Toró (Everton, 14’/2ºT), Marcelinho Paraíba e Juan; Diego Tardelli (Maxi, 31’/2ºT) e Vandinho (Fernandão, 18’/2ºT). Técnico: Caio Júnior.

dezembro 7, 2008 Posted by | Atlético-PR, Flamengo | , | Deixe um comentário

Vasco perde em casa e está rebaixado à B

Equipe perde para o Vitória em São Januário e termina o Brasileiro em 18º lugar; trsiteza toma conta da Colina

Vasco perde em casa e está rebaixado à Segunda DivisãoVasco perde em casa e está rebaixado à Segunda Divisão (Crédito: Cléber Mendes)

A tragédia se consumou de maneira melancólica e previsível. O Vasco precisa de muita coisa para não ser rebaixado nesta última rodada do Campeonato Brasileiro. Faltou aquilo que o time cruzmaltino não teve durante toda competição: competência para, ao menos, cumprir sua obrigação atuando diante de sua torcida.

Diante de mais de 25 mil pessoas presentes em São Januário, a equipe cruzmaltina foi derrotada pelo Vitória por 2 a 0 e deixa a elite do futebol nacional: um dos únicos quatro clubes (com Cruzeiro, Flamengo e Internacional) que disputou todas as 39 edições da Primeira Divisão, a equipe da cruz de malta está na Série B. Terminou em 18º lugar, com 40 pontos.

Mais do que nervoso, como era natural esperar, o Vasco entrou em campo com um formação supostamente ofensiva (4-4-2), mas que, de fato, deixou a defesa exposta aos rápidos contra-ataques do Vitória, que aproveitou-se disso para abrir o placar aos 24 minutos, com Leandro Domingues.

Também impaciente à beira do campo, o técnico vascaíno, Renato Gaúcho, ao escalar Leandro Amaral e Edmundo, não construiu um meio-de-campo capaz de municiar seus avantes: sem armação, Alex Teixeira e Madson, velocistas atuando pelos lados, chegavam à frente apenas na base da vontade.
Os torcedores cruzmaltinos, da esperança com que chegaram ao estádio, passaram à apreensão devido ao que viam – os outro resultados da rodada, do qual a equipe também dependia, já não faziam diferença. E se o Vasco não fez a sua própria sorte, a jornada também lhe foi desfavorável.

No segundo tempo o time de São Januário foi para cima, mas esbarrou na consistência defensiva do oponente e na boa atuação do goleiro rubro-negro Gléguer. Vontade não faltou aos jogadores vascaínos, mas sem tranqüilidade e recursos técnicos e táticos, esbarrou em seu próprio desespero.

Aos 29 minutos, Adriano aproveitou rebote do goleiro Rafael após chute cruzado de Ricardinho e sacramentou o resultado, nada que fizesse diferença em campo, mas atiçou o clima fora, com lágrimas de torcedores e do meia Pedrinho no banco de reservas; briga na arquibancada; e protestos na social.

“Azar! A esperança equilibrista, sabe que o show de todo artista tem que continuar” compuseram o rubro-negro João Bosco e o vascaíno Aldir Blanc. E o Vasco, agora, precisa olhar para o seu futuro, reorganizar sua realidade para que o sofrimento não se transforme em perdição.

No fim do jogo, a torcida vascaína grita o nome de Edmundo, que faz seu último jogo como profissional, protesta contra o ex-presidente Eurico Miranda e canta o hino do clube.

FICHA TÉCNICA:
VASCO 0 X 2 VITÓRIA

Estádio: São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 7/12/2008 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Alício Pena Júnior (Fifa-MG)
Auxiliares: Márcio Eustáquio Santiago (MG) e Helberth Costa Andrade (MG)
Renda / público: não disponibilizado
Cartões amarelos: Odvan e Madson (VAS); Marcelo Batatais (VIT)

GOLS: Leandro Domingues, 23’/1ºT (0-1); Adriano, 29’/2ºT (0-2).

VASCO: Rafael, Wagner Diniz, Jorge Luiz, Odvan e Johnny (Leandro Bomfim, 11’/2ºT); Jonílson, Mateus (Faiolli, 24’/2ºT), Madson e Alex Teixeira; Leandro Amaral e Edmundo. Técnico: Renato Gaúcho.

VITÓRIA: Gléguer, Wallace, Leonardo Silva, Marcelo Batatais e Marcelo Cordeiro; Vanderson, Renan, Willians (Ricardinho, 27’/2ºT) e Jackson (Kleiton Domingues, 40’/2ºT); Leandro Domingues e Marquinhos (Adriano, 22’/2ºT). Técnico: Vágner Mancini.

dezembro 7, 2008 Posted by | Vasco da Gama, Vitória | , | Deixe um comentário

Cruzeiro goleia a Lusa e está na Libertadores

De virada, Raposa faz 4 a 1 e conquista vaga na competição internacional

Cruzeiro reagiu no segundo tempo e consolidou vaga na LibertadoresCruzeiro reagiu no segundo tempo e consolidou vaga na Libertadores (Crédito: Gil Leonardi)

Empurrado por 40 mil torcedores, o Cruzeiro goleou a Portuguesa por 4 a 1, no Mineirão, e está na Libertadores de 2009. Apesar de ter sofrido o primeiro gol, feito por Athirson, o time comandado por Adilson Batista reagiu no segundo tempo e fez quatro gols. Thiago Ribeiro, Wanderley e Fernandinho, duas vezes, fizeram para os mineiros.

Como precisava da vitória para garantir a classificação, o Cruzeiro começou em cima da Lusa. Aos 7, os celestes chegaram com perigo pela primeira vez. Ramires tocou para Wagner, que devolveu para o polivalente celeste na área. O volante dominou frente ao goleiro André Luís, mas finalizou mal.

A blitz inicial durou pouco tempo, e o time paulista começou a aparecer no jogo. A Raposa começou a ficar nervosa, e errou muitos passes, principalmente no meio-de-campo e ataque. Apesar de arriscar menos, a Portuguesa jogava de forma mais tranqüila.

Depois dos 20 minutos, o Cruzeiro voltou a pressionar a Lusa, e tudo dava a entender que o gol estava por sair. No entanto, quem abriu o placar foi a Portuguesa. O ex-cruzeirense Athirson recebeu passe de Héverton dentro da área e fuzilou de esquerda: 1 a 0 para Portuguesa.

O gol deixou a equipe celeste ainda mais nervosa. Até o fim do primeiro tempo, a Raposa não conseguiu criar mais nenhuma chance. Já os paulistas tocavam a bola despreocupados.

O segundo tempo começou e os torcedores do Cruzeiro presentes no Mineirão estavam com o coração na boca, já que o Flamengo perdia por 3 a 2 para o Atlético-PR, e um gol dos cariocas colocaria o Rubro-Negro na Libertadores.

Sem pensar no jogo do Fla, a Raposa tratou em 15 minutos de tirar a preocupação dos cruzeirenses. Aos 12, Fabrício levantou na área com precisão e Thiago Ribeiro cabeceou no cantinho esquerdo, para empatar o jogo. Dois minutos depois, o atacante Wanderley, que tinha acabado de entrar no lugar de Guilherme, fez boa jogada individual e chutou com força no canto direito de André Luís, para virar a partida.

A virada deu tranqüilidade ao time e à torcida. A Portuguesa, já rebaixada, não mudou seu estilo de jogo, e se limitava a tocar a bola sem muita objetividade.

O jogo esfriou, e com a vaga na Libertadores garantida no momento, a Raposa tirou o pé do acelerador. Aos 29, a Lusa deu um susto nos mineiros. Em contra-ataque, a bola sobrou para Ralph, que perdeu em cima da linha.

Quem voltou a balançar as redes, no entanto, foi o Cruzeiro. Aos 35, Wagner escapou em liberdade pela esquerda e sofreu pênalti. Fernandinho encheu o pé e marcou o terceiro. Justamente ele voltaria a fazer mais um. Ramires sofreu penalidade aos 39 e o lateral fez mais um, para fechar o placar, e garantir a vaga na Copa Libertadores de 2009. Como o Palmeiras perdeu para o Botafogo, o time mineiro terminou o Brasileirão de 2008 na 3ª colocação, com 67 pontos, e estára na fase de grupos da competição continental do próximo ano. Já a Portuguesa termina o Brasileiro na penúltima posição, e vai disputar a Série B em 2009.

FICHA TÉCNICA:
CRUZEIRO 4 X 1 PORTUGUESA

Local: Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Data: 07/12/2008 às 17h(de Brasília)
Árbitro: Evandro Rogério Roman (PR)
Auxiliares: Ivan Carlos Bohn (PR) e Flávio Gilberto Kanitz (GO)
Renda/Público: R$ 369.647,50 / 39.369 pagantes
Cartões Amarelos: Patrício, Athirson e Rai (POR)
GOLS: Athirson, 35’/1°T (0-1); Thiago Ribeiro, 12’/2°T (1-1); Wanderley, 14’/2°T (2-1); Fernandinho, 37’/2°T (3-1); Fernandinho, 40’/2°T (4-1)

CRUZEIRO: Fábio, Marquinhos Paraná, Thiago Heleno, Léo Fortunato e Fernandinho; Fabrício, Henrique (Zé Eduardo, 42’/2°T), Ramires e Wagner; Thiago Ribeiro (Elicarlos, 28’/2°T) e Guilherme (Wanderley, 10’/2°T). Técnico: Adilson Batista

PORTUGUESA: André Luís, Ediglê, Bruno Rodrigo e Erick; Patrício, Rai, Wilton Goiano (Ralph, 24’/2°T), Héverton (Fellype Gabriel, 18’/2°T) e Athirson; Jonas e Edno. Técnico: Estevam Soares

dezembro 7, 2008 Posted by | Cruzeiro, Portuguesa | , | Deixe um comentário

Santos e Timbu se despedem sem gol

Náutico não é rebaixado para a Série B e Santos não se classifica para a Copa Sul-Americana do ano que vem

Kléber Pereira tenta o dominio da bola na VilaKléber Pereira tenta o domínio da bola na Vila (Crédito: Ivan Storti)

Santos e Náutico empataram sem gols e se despedem sem se classificar e nem cair para a Série B. Em jogo discreto, com apenas alguns lampejos de Kleber Pereira, o Peixe não conseguiu vaga na Sul-Americana e o Timbu se manteve na Série A de 2009.

O Santos entrou em campo tranqüilo, como em poucas vezes no campeonato. Perto da vaga na Copa Sul-Americana, se deparou com um Náutico nervoso e assombrado pelo rebaixamento.

O time da Vila entrou em campo classificado parcialmente para o torneio e quase confirmou o lugar em jogada de Kleber dentro da área. O jogador recebeu passe de Pará, limpou a marcação e obrigou Eduardo a grande defesa.

Mas o Atlético-PR vencia o Flamengo na Arena e fazia o Santos ganhar para ir ao torneio continental. Felipe, em bela jogada pelo Náutico, quase atrapalhou as pretensões do Alvinegro, mas não converteu em gol. No final do primeiro tempo, Ticão por pouco não marcou para o Timbu.

No segundo tempo, Pará quase abriu o placar aos sete minutos. A bola foi para fora, mas a vaga na Sul-Americana voltou. Isso porque ao mesmo tempo, o Ipatinga abriu o placar contra o Fluminense, que perdeu uma posição.

E logo depois não faltaram chances para o Santos fazer o seu. Só Kleber Pereira arrematou na área duas vezes, ambas sem direção. Pouco inspirado, o artilheiro foi alcançado por Keirrison e Washington, que igualaram a marca de 21 gols no campeonato.

O drama passou para o lado do Náutico aos 17 minutos, quando o Figueirense virou contra o Internacional e deixou os pernambucanos perto da degola, mas o empate ainda o tirava da Série B. Em seguida, o Flu empatou no Rio e tirou o Santos novamente da Sul-Americana.

O técnico Roberto Fernandes foi expulso no final por reclamar do árbitro, que deu cinco minutos de acréscimo, mas o placar ficou inalterado até o final.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 0 X 0 NÁUTICO

Estádio: Vila Belmiro, Santos (SP)
Data/hora: 07/12/2008, às 17 horas
Árbitro: Sérgio da Silva Carvalho (Especial/DF)
Assistentes: Marrubson Melo de Freitas (DF) e César Augusto Vaz (DF)

Gols: não houve
Cartões amarelos: Kleber Pereira (Santos); Titi, Ticão, e Adriano (Náutico)
Cartões vermelhos: não houve

SANTOS: Fábio Costa, Pará, Domingos, Adaílton e Kleber (Quiñonez, 41’/2ºT); Rodrigo Souto, Roberto Brum, Bida e Molina (Fábio Santos, 33’/2ºT); Robinho (Lima, 21’/2ºT) e Kléber Pereira. Técnico: Márcio Fernandes

NÁUTICO: Eduardo, Adriano (Everaldo, 32’/1ºT), Vágner e Titi; Ruy, Derley, Geraldo, William (Erê, 31’/2ºT) e Anderson Santana; Felipe e Clodoaldo. Técnico: Roberto Fernandes.

dezembro 7, 2008 Posted by | Náutico, Santos | , | Deixe um comentário

Sport bate o Coritiba em jogo movimentado

Leão venceu por 4 a 3 em partida que valia para cumprir tabela

Partida entre Sport e Coritiba foi cheia de emoçõesPartida entre Sport e Coritiba foi cheia de emoções (Crédito: Otavio de Souza)

Em um jogo que valia apenas para cumprir tabela no Campeonato Brasileiro, o Sport venceu o Coritiba por 4 a 3 em uma partida cheia de emoções. Wilson (três vezes) e Durval marcaram para o time pernambucano. Marlos, Keirrison e Rodrigo Mancha descontaram para os paranaenses. Com o resultado, o Leão terminou em 11º lugar com 52 pontos. O Coxa ficou em nono com um ponto a mais.

Para uma partida que não influenciaria muito na tabela até que o início foi bem movimentado, com leve superioridade do Coritiba. No entanto, o Sport abriu o marcador logo em sua primeira oportunidade com Wilson. Não demorou e Wilson, novamente, fez 2 a 0.

Atrás no marcador, o Coxa acordou e descontou com Marlos. O gol deu moral ao time paranaense que passou a tomar o controle das ações. Melhor em campo, o Coritiba chegou ao empate com Keirrison, chegando ao seu 21º gol no Campeonato Brasileiro.

A partida começou a mudar de figura quando o zagueiro Bernardi, que já tinha cartão amarelo, fez falta infantil e foi expulso. Com um a mais, o Sport fez o terceiro pouco antes do fim do primeiro tempo, novamente com o inspirado Wilson.

Mal começou o segundo tempo, e o Sport perdeu a sua superioridade numérica. O atacante Ciro deu um carrinho desleal em Rodrigo Mancha e recebeu o cartão vermelho. A expulsão deu novo ânimo ao Coritiba, que passou a pressionar em busca do gol de empate.

Melhor em campo, o Coritiba conseguiu chegar à igualdade com o zagueiro Rodrigo Mancha aproveitando cobrança de escanteio de Carlinhos Paraíba. Em lance parecido, Durval fez o gol da vitória do Sport no fim do jogo.
FICHA TÉCNICA:

SPORT 4 X 3 CORITIBA

Estádio: Ilha do Retiro, Recife (PE)
Data/hora: 07/12/08 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Mauricio Aparecido de Siqueira (MT)
Assistentes: Alécio Aparecido Lezo (MS) e Carlos Lustosa Filho (PI)

Renda/público: Não disponíveis
Cartões amarelos: Kássio, Júnior Maranhão, Andrade (SPT); Bernardi, Alê (CTB)
Cartões vermelhos: Bernardi (CTB), 44’/1ºT; Ciro (SPT), 6’/2ºT
GOLS: Wilson, 6’/1ºT (1-0); Wilson, 13’/1°T (2-0); Marlos, 16’/1ºT (2-1); Keirrison, 31’/1ºT (2-2), Wilson, 47’/1ºT (3-2), Rodrigo Mancha, 32’/2ºT (3-3); Durval, 42’/2ºT (4-3).

SPORT: Cléber, Sidny, César, Durval e Márcio Goiano; Andrade (Dudé, 25’/2ºT), Júnior Maranhão, Moacir (Juninho, intervalo) e Kássio; Wilson e Ciro. Técnico: Nelsinho Baptista.

CORITIBA: Vanderlei, Maurício, Rodrigo Mancha e Bernardi; Arilton (Marcos Tamandaré, intervalo), Alê, Rubens Cardoso (Henrique Dias, 22’/2ºT) Guaru (Carlinhos Paraíba, 11’/2ºT) e Ricardinho; Marlos e Keirrison. Técnico Dorival Júnior.

dezembro 7, 2008 Posted by | Coritiba, Sport | , | Deixe um comentário

São Paulo tenta o hexa para coroar o ano mais difícil

Goiás jura que vai dificultar um pouco mais a vida do São Paulo

Tornar-se hexacampeão brasileiro e tri inéditos parece a coisa mais fácil que o São Paulo tem a fazer neste domingo, às 17h, quando enfrenta o Goiás, no Bezerrão. Basta um empate para o Tricolor levantar a taça.

Mas há de se lembrar que, ainda na 20ª rodada, o título parecia impossível após uma derrota por 1 a 0 para o Grêmio, no Olímpico, que fez os gaúchos abrirem 11 pontos de vantagem sobre o Tricolor paulista.

Naquela altura, ninguém, ou quase ninguém, acreditava no São Paulo. Até mesmo a conquista por uma vaga na Libertadores era uma incógnita. E, para o São Paulo, que não passa um ano sem títulos desde 2005, o ano seria uma tragédia: basta lembrar a eliminação no Paulistão para o Palmeiras, e na Libertadores para o Fluminense.

Quando o São Paulo parecia morto, Muricy pressionado, e a torcida já estava desacreditada, a equipe mostrou que tem chegada. Deixou todos os concorrentes para trás, não perde há 17 jogos no Brasileirão, e agora só depende das próprias forças para conquistar o terceiro título nacional consecutivo.

– Com certeza, esse campeonato foi o que mais tive dificuldade. Por vários motivos, que são coisas nossas. Foi o que deu mais trabalho para montar o time, tivemos de segurar um pouco os ânimos depois da eliminação da Libertadores, que era um campeonato importante para o clube. Este ano, dos três últimos, foi o que tive mais trabalho – disse o técnico Muricy Ramalho.

No que depender do Goiás, o São Paulo não terá jogo fácil. O presidente esmeraldino, Pedro Goulart, disse ao LANCENET! durante a semana que será difícil o Tricolor paulista sair do Bezerrão com a vitória.

– Sei das dificuldades de se jogar contra o São Paulo, mas acho muito difícil o Goiás perder. Precisamos dessa vitória para terminar o campeonato numa posição melhor e queremos vencer a qualquer custo – avisou.

Além disso, a principal estrela do time, Paulo Baier, já revelou ser torcedor do Grêmio e prometeu ajudar a levar o título para o Olímpico. Sem contar, ainda, com a possível mala branca do Tricolor gaúcho para os esmeraldinos. Especula-se em até R$ 1 milhão em caso de vitória sobre o Sampa.

O fato é que alguns terminarão os brasileiros mais ricos, mais pobres ou mais felizes. Resta saber se será no Bezerrão, ou no Olímpico.
FICHA TÉCNICA:
GOIÁS X SÃO PAULO

Estádio: Bezerrão, Gama (DF)
Data/hora: 07/12/2009 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Jaílson Macedo Freitas (Fifa-SC)
Auxiliares: Milton Otaviano dos Santos (Fifa-RN) e Alessandro Rocha de Matos (Fifa-BA).

GOIÁS: Harlei, Ernando, Henrique e Rafael Marques; Vitor, Ramalho, Fahel, Paulo Baier, Júlio César e Thiago Feltri; Fausto. Técnico: Hélio dos Anjos.

SÃO PAULO: Rogério Ceni, André Dias, Rodrigo e Miranda; Joílson, Richarlyson, Hernanes, Hugo e Jorge Wagner; Dagoberto e Borges. Técnico: Muricy Ramalho.

dezembro 7, 2008 Posted by | Goiás, São Paulo | , , , | Deixe um comentário

Vasco decide seu ano de 2009 contra o Vitória

Drama vascaíno: equipe precisa vencer e torcer por resultados para não cair; time baiano quer fechar Brasileiro da volta em alta

Vasco recebe o Vitória para permanecer na Primeira Divisão do BrasileiroVasco recebe o Vitória para permanecer na Primeira Divisão do Brasileiro (Crédito: Arte: Luiz Cláudio Dionysio)

A última rodada do Campeonato Brasileiro, neste domingo, às 17h, em São Januário, coloca em lados opostos Vasco, diante de sua história, e Vitória, finalizando sua boa campanha na competição.

A equipe cruzmaltina precisa vencer e torcer pelo tropeço de ao menos dois dos seus três concorrentes diretos (Figueirense – no máximo empate -, Atlético-PR – no máximo empate – e Náutico – derrota) para evitar o rebaixamento – o time disputou todas as edições da competição, ao lado de Flamengo, Internacional e Cruzeiro.

Para vencer, o técnico do Vasco, Renato Gaúcho, trocou o 3-6-1 pelo 4-4-2, apostando na dupla de ataque Leandro Amaral e Edmundo. O Animal, aos 37 anos, se despede do futebol (pelo menos do brasileiro).

– O Vitória é um time forte, teremos diversas dificuldades. Será um jogo complicado. Conto com o Edmundo, que inspira respeito. Vou mesclar juventude e experiência – explicou o técnico vascaíno.

O rubro-negro baiano, por sua vez, virá ao Rio de Janeiro com força máxima, para encerrar sua campanha de retorno à Primeira Divisão. Devido a importância do confronto para outros clubes, descartou-se a hipótese de utilizar um time misto ou mesmo reserva.

– Há muita coisa em jogo, não seria justo liberar aluns atletas e não ir com força máxima – declarou o técnico do Vitória, Vagner Mancini, à Rádio Manchete.

O Vasco entra em campo em 18º lugar, com 40 pontos, na pior situação entre as quatro equipes que ainda lutam contra o descenso. Os desfalques são os zagueiros Eduardo Luiz e Vilson, suspensos.

Já o Vitória é o décimo colocado do Brasileiro, com 49 pontos, classificado para a Copa Sul-Americana 2009. Os dois problema para montar a equipe foram o goleiro Viáfara e o zagueiro Anderson Martins, ambos lesionados.

FICHA TÉCNICA:
VASCO X VITÓRIA

Estádio: São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 7/12/2008 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Alício Pena Júnior (Fifa-MG)
Auxiliares: Márcio Eustáquio Santiago (MG) e Helberth Costa Andrade (MG)

VASCO: Rafael, Wagner Diniz, Jorge Luiz, Odvan e Johnny; Jonílson, Mateus, Madson e Alex Teixeira; Leandro Amaral e Edmundo. Técnico: Renato Gaúcho.

VITÓRIA: Gléguer, Marco Aurélio, Leonardo Silva, Marcelo Batatais e Marcelo; Vanderson, Renan, Willians e Jackson; Leandro Domingues e Marquinhos. Técnico: Vágner Mancini.

dezembro 7, 2008 Posted by | Vasco da Gama, Vitória | , , , | Deixe um comentário

Grêmio x Atlético-MG: decisão no Olímpico

Duelo entre gaúchos e mineiros poderá definir o campeão nacional

O Grêmio enfrentará neste domingo sua mais dura prova depois da Batalha dos Aflitos. Com o vice-campeonato garantido, o Grêmio poderá se tornar campeão brasileiro se vencer o Atlético-MG no Olímpico, mas só se, ao mesmo tempo, o São Paulo perder para o Goiás no Bezerrão. Já o Galo, garantido na Sul-Americana, entra em campo como franco-atirador e espera atrapalhar os planos do time gaúcho.

O Olímpico estará superlotado por 47 mil torcedores à espera do milagre, olhando um jogo e secando o concorrente pelo ouvido. Desde quinta-feira não há mais ingressos à venda. Diante da expectativa geral por Goiás x São Paulo, comissão técnica e jogadores do Grêmio passaram a semana chamando a atenção para o óbvio: o Grêmio tem de se concentrar no seu jogo.

– Já pensou que vexame seria o São Paulo perder e nós não cumprirmos o dever? – observou o meia Tcheco, capitão do time.

Ao contrário do restante do ano, dessa vez Celso Roth abriu os portões para o coletivo final. Se não houver surpresa de última hora, a escalação dever ser bem parecida com a dos melhores momentos do time no primeiro turno.

Na zaga, Réver volta após se recuperar de uma amigdalite. Com isso, Pereira retorna para a reserva. Souza, que atuou na ala-esquerda contra o Ipatinga, volta à direita, no lugar de Felipe Mattioni, deixando a esquerda para Hélder, que volta ao time para dar mais ofensividade às jogadas por aquele setor.

O meio-campo é onde Roth menos costuma mexer: o trio Rafael Carioca, William Magrão e Tcheco está mantido. Já a dupla de ataque deve ser formada por Perea e Marcel.

Pelo lado atleticano, o técnico Marcelo Oliveira terá três importantes ausências: Marcos, Petkovic e Marques. Marcos voltou a sentir uma lesão durante a semana e foi vetado da partida, com o mesmo acontecendo com o atacante Marques. O xodó da massa alvinegra sentiu a mesma lesão que o tirou da partida contra o Sport, na 36ª rodada. Já o meia sérvio Petkovic, chegou a iniciar o treinamento de quinta-feira, mas queixou-se de dores e abandonou o treinamento.

Por outro lado, o Galo terá o retorno do zagueiro Nen, que vem atuando como volante e tem agradado ao técnico Marcelo Oliveira. Outro que irá reforçar o time atleticano é o lateral César Prates, que volta a vestir a camisa 6. Sendo assim, Raphael Aguiar volta ao banco de reservas. No mais, a única alteração será feita no ataque, onde Pedro Paulo atuará ao lado de Castillo.

Garantido na Copa Sul-Americana, o Atlético promete endurecer a partida contra o Tricolor Gaúcho. Uma das motivações do elenco alvinegro é a possibilidade de vingança, já que no primeiro turno o Grêmio goleou o Galo por 4 a 0 em pleno Mineirão. O Grêmio, por sua vez, será empurrado por quase 50 mil torcedores ruma à vitória e ao título nacional, que poderá ser conquistado com uma vitória sobre o time mineiro combinado à uma derrota do São Paulo diante do Goiás.
FICHA TÉCNICA
GRÊMIO X ATLÉTICO-MG

Local: Olímpico, Porto Alegre (RS)
Data: 07/12/2008 às 17h(de Brasília)
Árbitro: Luis Antônio Silva Santos (RJ)
Auxiliares: Hilton Moutinho Rodrigues (RJ) e Dibert Pedrosa Moisés (RJ)

GRÊMIO: Victor, Leo, Jean e Réver; Souza, Rafael Carioca, William Magrão, Tcheco e Hélder; Perea e Marcel. Técnico: Celso Roth

ATLÉTICO-MG: Édson, Sheslon, Welton Felipe, Leandro Almeida e César Prates; Nen, Elton, Marcio Araujo e Renan Oliveira; Castillo e Pedro Paulo. Técnico: Marcelo Oliveira

dezembro 7, 2008 Posted by | Atlético-MG, Grêmio | , , , | Deixe um comentário

Fla e Atlético-PR: duelo decisivo para ambos

Rubros-Negros se enfrentam em situações opostas, mas precisando da vitória


A última rodada do Campeonato Brasileiro será de tensão para dois rubro-negros. O Flamengo enfrenta o Atlético-PR neste domingo, na Arena da Baixada, precisando superar um retrospecto completamente desfavorável no estádio e torcer por tropeços dos rivais para se classificar para a Libertadores de 2009. Do outro lado, os paranaenses contarão com a força da torcida para fugir do rebaixamento.

A vida do Flamengo não será fácil neste domingo. Primeiro, o Rubro-Negro terá que conquistar a primeira vitória da história na Arena da Baixada (até agora foram sete derrotas e um empate). Depois, precisa secar Cruzeiro ou Palmeiras para voltar ao G-4 e terminar o ano com a vaga para a Libertadores assegurada.

E o time virá muito modificado para a partida decisiva. Sem poder contar com Kleberson, Ibson e Obina, suspensos pelo terceiro cartão amarelo, Caio Júnior escalou nova formação. Diego Tardelli e Vandinho farão a dupla de ataque do Flamengo e serão municiados por Marcelinho Paraíba, que foi recuado para o meio-de-campo. Toró segue no time.

– Fizemos apenas um treino, mas valeu a pena. Com Ibson e Kleberson não dava para fazer este desenho. Temos agora dois volantes de marcação e dois atacantes rápidos. Gostei e agora quero ver no jogo, porque o Atlético-PR tem um bom sistema defensivo – analisou Caio Júnior.

Diante de 25 mil torcedores, o Atlético Paranaense definirá o seu destino no Brasileirão na partida deste domingo, às 17h (de Brasília), contra o Flamengo, na Arena da Baixada. Só que o fato de decidir em casa, pelo menos na atual temporada, não vem trazendo boas recordações para o Furacão.

Pelo lado do Atlético-PR, a equipe espera não dar mais uma decepção em 2008 à sua torcida. A primeira foi na Copa do Brasil. Após empatar em 1 a 1 com o Corinthians-AL, em Maceió, o rubro-negro acabou eliminado na primeira fase numa decisão nos pênaltis. Logo em seguida, a perda do título do Paranaense para o maior rival, o Coritiba.

A mais recente decepção foi contra o Chivas, pela Copa Sul-Americana. Com o 2 a 2 conquistado no México com um mistão, o Furacão entrou em campo certo de que avançaria para as quartas-de-final. Triste engano. Foi derrotado por 4 a 3 e eliminado.

Contra o Flamengo, o Furacão precisa de uma simples vitória para permanecer na Primeira Divisão em 2009. E para o volante Chico, o time precisa se focar apenas em fazer a lição de casa.

– Há dois, três meses nossa equipe era dada como uma das prováveis rebaixadas à Série B. Mas, se fizermos nossa lição de casa, nos mantemos na Primeira divisão e pronto – disse o jogador.

FICHA TÉCNICA:
ATLÉTICO-PR x FLAMENGO

Local: Arena da Baixada, Curitiba (PR)
Data/Hora: 7/12/2008 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Leonardo Gaciba(Fifa-RS)
Auxiliares: Altemir Hausmanm (Fifa-RS) e José Antônio Chaves (RS)

ATLÉTICO-PR: Galatto, Antônio Carlos, Chico e Rhodolfo; Zé Antônio, Fernando, Valencia, Alan Bahia, Julio dos Santos e Netinho; Rafael Moura. Técnico Geninho.

FLAMENGO: Bruno, Jaílton, Fábio Luciano, Ronaldo Angelim; Léo Moura, Aírton, Toró, Marcelinho Paraíba e Juan; Diego Tardelli e Vandinho. Técnico: Caio Júnior.

dezembro 7, 2008 Posted by | Atlético-PR, Flamengo | , , , | Deixe um comentário

Em casa, Verdão decide vaga contra o Botafogo

Ney Franco nega ‘corpo mole’ para eliminar o Flamengo da Libertadores


A vaga na Copa Libertadores está próxima e vai ser decidida casa, onde o Palmeiras fez a diferença no Campeonato Brasileiro. Disposto a salvar o segundo semestre, o Verdão recebe o Botafogo neste domingo, às 17h, no Palestra Itália, dependendo de uma vitória para chegar ao torneio continental. Já o Alvinegro está garantido na Copa Sul-Americana e quer encerrar o Brasileiro com moral.

A vaga poderia ser conquistada na Bahia, mas como a campanha não é das melhores fora de casa, ficou apenas no empate com o Vitória. Resultado que mostra as discretas atuações longe de seu domínio. Em 19 jogos, foram cinco vitórias, seis empates e oito derrotas.

Mas ao lado da torcida o quadro é diferente. Das 18 partidas, foram 14 vitórias, dois empates e duas derrotas, sofridas por Grêmio e Sport.

Para o jogo decisivo, o técnico Vanderlei Luxemburgo tem as voltas de Leandro e Pierre, que estavam suspensos. Por outro lado, Martinez e Alex Mineiro, com três cartões amarelos, não jogam.

No Botafogo, para Ney Franco, a partida deste domingo vale não somente para definir o futuro do arqui-rival Flamengo, o que deve ser tratado de maneira respeitosa. O técnico garante que irá em busca da vitória para evitar fechar a temporada com uma seqüência negativa de oito jogos sem vencer, a pior do clube em 2008.

– Não quero iniciar o próximo ano com a pressão de que não vencemos há tantos (oito) jogos. Vamos procurar nos aproveitar da pressão de ter que conquistar a vaga que o Palmeias sofrerá e surpreender – imagina Ney, que lembrou da partida no Engenhão, quando seu time bateu o de Vanderlei Luxemburgo por 1 a 0, no fechamento do primeiro turno.

Por outro lado, com a debandada de jogadores já anunciada, alguns parecem desconfortáveis em falar sobre entregar ou não a partida para o rival.

– Não tem essa. Aliás, se tiver alguém sem vontade, que fique no Rio. Não iremos lá passar vergonha – disse, firme, o zagueiro Andre Luis, um dos poucos titulares que seguirá na próxima temporada.

Já sem Túlio, que rescindiu contrato e acertou com o Corinthians, o Fogão não terá Renato Silva e Jorge Henrique também. De malas prontas para dar adeus à General Severiano, o zagueiro apareceu no clube apenas para se exercitar essa semana, e o atacante sofreu com uma gripe. Com isso, ambos não farão nem mesmo uma despedida com a camisa alvinegra.

Despedida que vai dar o tom do momento de Triguinho e, muito provavelmente, de Lucio Flavio nesta tarde de domingo no Parque Antartica. Recuperado de lesão na clavícula, Wellington Paulista jogará isolado no ataque, já que Ney optou por escalar três zagueiros e seis homens no meio-de-campo.
FICHA TÉCNICA:
PALMEIRAS X BOTAFOGO

Estádio: Palestra Itália, São Paulo (SP)
Data/hora: 07/12/2008, às 17 horas
Árbitro: Heber Roberto Lopes (FIFA/MG)
Assistentes: Roberto Braatz (FIFA/PR) e Gilson Bento Coutinho (PR)

PALMEIRAS: Marcos, Gustavo, Jéci e Maurício; Fabinho Capixaba, Pierre, Sandro Silva, Evandro, Diego Souza e Leandro; Kléber.

BOTAFOGO: Renan, Emerson, Edson e Andre Luis; Alessandro, Leandro Guerreiro, Túlio Souza, Lucio Flavio, Lucas Silva e Triguinho; Wellington Paulista – Técnico: Ney Franco

dezembro 7, 2008 Posted by | Botafogo, Palmeiras | , , , , | Deixe um comentário

Cruzeiro encara a Portuguesa de olho na Libertadores

Se a Raposa vencer a já rebaixada Lusa, garantirá vaga na competição

(Crédito: Arte: Luiz C. Dionysio)

Cruzeiro e Portuguesa se enfrentam domingo, no Mineirão, às 17h, pela última rodada do Brasileiro, com objetivos em jogo apenas para um dos lados. Na 4ª colocação com 64 pontos, o time celeste briga pela vaga na Libertadores, e uma vitória sobre a Lusa já classificaria a Raposa para a competição continental.

Do lado do time paulista, já rebaixado para a Série B do ano que vem, não há o que disputar. Uma despedida vitoriosa no ano, e com gosto muito amargo para os mineiros, seria o objetivo maior da equipe do treinador Estevam Soares.

Na Toca da Raposa, a renovação de contrato do treinador Adilson Batista deu mais tranqüilidade ao elenco. Com sondagens de Coritiba e de clubes estrangeiros, o comandante azul preferiu pôr um ponto final nas especulações, e prolongou seu vínculo por mais uma temporada.

Acostumado a realizar treinos fechados para imprensa, o técnico preferiu nessa semana decisiva deixar os jornalistas acompanharem os treinamentos em tempo integral. Com a suspensão de Jonathan, o técnico testou Marquinhos Paraná na lateral-direita. No ataque, a volta do artilheiro Guilherme é o maior trunfo. Recuperado de um edema na parte posterior da coxa direita, o jogador é opção para o setor ofensivo.

O duelo contra a Lusa será especial para o zagueiro Thiago Heleno. O defensor completará 100 jogos com a camisa celeste, e espera ganhar a vaga Copa Libertadores de 2009 como “presente” de fim de ano..

– Fico feliz por estar completando essa marca e poder ajudar o Cruzeiro. O time se classificando para a Libertadores será o mais importante – disse.

Do lado da Lusa, o técnico Estevam Soares já tem o time praticamente fechado. O goleiro André Luís ganha chance no time, já que Gottardi encerrou seu contrato com o clube. Já Edno, que é dúvida para a partida, devido a uma lesão na panturrilha esquerda, não deve começar atuando. O treinador Estevam Soares deverá usar Rogério como substituto, e escalá-lo no ataque ao lado de Jonas. Fellype Gabriel seria, então, o único apoiador.

– Vai ser um jogo difícil, porque o Cruzeiro busca a Libertadores, mas a gente quer fechar o ano com uma vitória – disse o treinador Estevam Soares.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO X PORTUGUESA

Local: Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Data: 07/12/2008 às 17h(de Brasília)
Árbitro: Evandro Rogério Roman (PR)
Auxiliares: Ivan Carlos Bohn (PR) e Flávio Gilberto Kanitz (GO)

CRUZEIRO: Fábio, Marquinhos Paraná, Thiago Heleno, Léo Fortunato e Fernandinho; Fabrício, Henrique, Ramires e Wagner; Thiago Ribeiro e Guilherme. Técnico: Adilson Batista

PORTUGUESA: André Luís, Patrício, Bruno Rodrigo, Ediglê e Athirson; Rai, Wilton Goiano, Erick e Fellype Gabriel; Rogério e Jonas. Técnico: Estevam Soares

dezembro 7, 2008 Posted by | Cruzeiro, Portuguesa | , , , | Deixe um comentário

Figueirense recebe Inter para ficar na elite

Catarinenses precisam secar Náutico e Furacão para não cair

(Crédito: Arte: Luiz Cláudio Dionysio)

A missão não é fácil. Além de ter que derrotar o Internacional, que vem embalado pelo título da Copa Sul-Americana, o Figueirense precisará torcer contra Atlético-PR ou Náutico para permanecer na Série A. O jogo acontece neste domingo, às 17h, no Orlando Scarpelli.

No clube, o otimismo prevalece. O time vem de duas vitórias consecutivas – contra Náutico e Botafogo – e terá o seu principal jogador. O meia Cleiton Xavier, que deve ir para o Palmeiras no ano que vem – foi liberado pelo Inter, que detém os seus direitos federativos, e estará em campo. A quantia paga pela liberação ainda não foi definida, porém, o Figueira está disposto a dar o que for preciso para ter o jogador. Pode ser também que os catarinenses não precisem pagar nada.

No time, as novidades ficam por conta do retorno do volante Gomes, que mais uma vez será improvisado na zaga. Com isso, Asprilla continua no banco e Leandro Carvalho volta a atuar em sua posição de origem, a cabeça-de-área. No mais, o time é o mesmo que derrotou o Botafogo na última rodada. Toda atenção é necessária, por um pequeno deslize pode decretar o rebaixamento do Figueirense para a Série B.

O Figueirense gostaria que o Internacional entrasse com a fraca formação da derrota para o Fluminense por 2 a 0, duas rodadas atrás; e o Vasco, que o time fosse o da vitória sobre o Cruzeiro, domingo passado. Está feita a vontade do Vasco.

O Inter até já deu férias para alguns jogadores que conquistaram a Copa Sul-Americana. Porém, outros que estiveram presentes contra o Estudiantes vão reforçar o misto colorado no Orlando Scarpelli.

Tite dispensou os que estavam mais desgastados e gostou de ouvir de outros o pedido para irem a campo. Casos de Bolívar e Álvaro. O primeiro voltará à zaga, depois de atuar na lateral-direita nos jogos da Sul-Americana a pedido do técnico. Será uma retaguarda forte, uma vez que eles se juntarão a Lauro e Guiñazú, que já reforçavam o misto, e Gustavo Nery.

Os desfalques serão o zagueiro Danny Morais e os atacantes Taison e Daniel Carvalho, suspensos pelo terceiro cartão amarelo, e o lateral-direito Bustos, com lesão muscular.

Sem muitas opções para o ataque, pois Alex e Nilmar estão de férias e Taison e Daniel Carvalho suspensos, o técnico Tite só pode formar a dupla de frente com Guto e Walter, que atuavam juntos nos juniores. Mas pode inovar e utilizar o meia Talles Cunha como parceiro de Walter. Talles é considerado sucessor de Nilmar.

FICHA TÉCNICA

FIGUEIRENSE X INTERNACIONAL

Local: Orlando Scarpelli, Florianópolis (SC)
Data/Hora: 7/12/2008 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Wilson Luiz Seneme (SP)
Auxiliares: Ednilson Corona (SP) e Émerson Carvalho (SP)

FIGUEIRENSE: Wilson; Gomes, Alex e Bruno Perone; Anderson Luís, Leandro Carvalho, Marquinho, Cleiton Xavier, William Matheus; Tadeu e Rafael Coelho. Técnico: Pintado

INTERNACIONAL: Lauro; Ricardo Lopes, Bolívar, Álvaro e Gustavo Nery; Sandro, Guiñazú, Rosinei e Andrezinho; Guto (Talles Cunha) e Walter. Técnico: Tite.

dezembro 7, 2008 Posted by | Figueirense, Internacional | , , , , , , | Deixe um comentário