Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Grêmio vence no sufoco e segue na briga pela taça

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.Time gaúcho vence o Coritiba em casa por 2 a 1, gols de Tcheco e Alê (contra), e segue a dois pontos do líder São Paulo, a três rodadas do desfecho do Campeonato Brasileiro

novembro 16, 2008 Posted by | Coritiba, Grêmio | , , , , , , , | Deixe um comentário

Flamengo goleia o Palmeiras e segue na briga

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.O grande destaque do confronto foi o meio-campo Ibson, com três gols. O resultado foi péssimo para o Palmeiras, que ficou sete pontos atrás do líder São Paulo

novembro 16, 2008 Posted by | Flamengo, Palmeiras | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

São Paulo vence Figueirense e se mantém na ponta do BR

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.Com dois gols de Borges e um de Hugo, o São Paulo venceu o Figueirense no Morumbi e chegou aos 68 pontos na competição. Cleiton Xavier diminuiu o marcador para os catarinenses

novembro 16, 2008 Posted by | Figueirense, São Paulo | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Caça ao líder continua: Grêmio vence o Coritiba no Estádio Olímpico

Com um gol em cada tempo, Tricolor faz 2 a 1 em Porto Alegre

O Grêmio manteve aberta a disputa pelo título do Campeonato Brasileiro ao derrotar o Coritiba por 2 a 1, neste domingo, no Olímpico. Tcheco e Alê (contra) mantiveram o Tricolor gaúcho a dois pontos do São Paulo (68 a 66), que mais cedo superou o Figueirense por 3 a 1, no Morumbi.

Agora o time do técnico Celso Roth tem uma seqüência de dois jogos fora de casa, contra Vitória e Ipatinga, encerrando a participação no campeonato contra o Atlético-MG, no Olímpico. O Alviverde ainda tem pela frente Santos e Vasco em casa e Sport fora.

Pressão desde o primeiro minuto

Foi bem cedo que o goleiro Vanderlei percebeu que teria bastante trabalho no jogo. Principalmente naqueles 15 minutos iniciais, em que os time da casa costumam exercer pressão maior. Aos dois, Tcheco obrigou o camisa 1 a fazer a primeira defesa. No ataque seguinte do Tricolor foi a vez de William Magrão bater de fora da área. Nova intervenção do goleiro.

Com 12 minutos, mais uma chance do Grêmio. Desta vez, no entanto, Vanderlei não precisou se esforçar muito. O cruzamento da direita de Reinaldo encontrou Hélder quase na pequena área. O ala, livre, pegou fraco na bola, que foi direto para os braços do goleiro.

Passado o susto do começo, o Coritiba foi se achando aos poucos no jogo. Aos 22 minutos, Keirrison pegou de primeira de fora da área, no canto direito. Victor se esticou e colocou para escanteio. Cinco minutos depois, a melhor chance do Alviverde na primeira etapa. Hugo lançou Keirrison pela direita. O atacante entrou na área em boas condições, mas bateu torto, à esquerda de Victor.

Quando o visitante apresentava as melhores jogadas da partida, o Grêmio mais uma vez contou com a sorte, como aconteceu no jogo contra o Palmeiras, na última rodada. Sorte aliada à técnica de Tcheco. Ele recebeu na meia direita, avançou e chutou cruzado. A bola desviou na zaga e enganou Vanderlei. Tricolor 1 a 0 para delírio dos mais de 40 mil torcedores no Olímpico.

O gol deu tranqüilidade ao Grêmio, que voltou a comandar a partida. Os donos da casa tiveram mais uma chance antes do intervalo. Com 35, Reinaldo fez jogada individual pela direita e cruzou na medida para Marcel. A cabeçada do camisa 9 foi em cima de Vanderlei. Defesa em dois tempos.

Segundo tempo continua com pressão gremista

O Grêmio seguiu o seu bombardeio no segundo tempo. O início foi praticamente igual ao primeiro. De uma jogada ensaiada no minuto inicial quase deu o segundo gol ao time da casa. Tcheco lançou Reinaldo na área, pelo lado esquerdo. O atacante bateu rasteiro, mas Vanderlei fez a defesa. Aos dois, Reinaldo driblou Felipe, agora pela direita da área, e bateu forte. O camisa 1 do Coxa desviou para escanteio. Cinco minutos depois, Rafael Carioca roubou bola de Ricardinho, avançou até a entrada da área e chutou forte. Vanderlei espalmou para frente.

A partir daí o Tricolor passou a administrar o resultado, tocar a bola para fazer o tempo passar. E aos 31 conseguiu ampliar. Réver tocou de calcanhar para Heverton na esquerda. O zagueiro bateu cruzado, Alê tentou cortar e jogou para o fundo do gol, marcando contra.

A reação do Coritiba ficou mais difícil ainda quando o Marcos Tamandaré acertou cotovelada em Tcheco e foi expulso. Mesmo com um a menos, Ariel pegou sobra de Victor aos 46 minutos e descontou para o Coxa. Nada que mudasse o resultado.

Ficha técnica:

GRÊMIO 2 x 1 CORITIBA
Victor, Amaral, Réver e Heverton; Souza, Rafael Carioca (Adílson), Willian Magrão, Tcheco e Hélder; Reinaldo (André Luís) e Marcel (Morales). Vanderlei, Maurício, Rodrigo Mancha e Felipe; Marcos Tamandaré, Alê, Leandro Donizete (Carlinhos Paraíba), Marlos e Ricardinho; Hugo (Jaílson) e Keirrison (Ariel).
Técnico: Celso Roth. Técnico: Dorival Júnior.
Gols: Tcheco, aos 28 minutos do primeiro tempo; Alê, contra, aos 31, Ariel, aos 46 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Adílson (Grêmio); Hugo, Maurício, Leandro Donizete (Coritiba). Cartão vermelho: Marcos Tamandaré (Coritiba).
Estádio: Olímpico. Data: 16/11/2008. Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa/RJ). Auxiliares: Dilbert Pedrosa Moisés (Fifa/RJ) e Hilton Moutinho Rodrigues (Fifa/RJ).

novembro 16, 2008 Posted by | Coritiba, Grêmio | , , | Deixe um comentário

São Paulo bate Figueira e segue na ponta

Em jogo difícil no Morumbi, Borges e Hugo fizeram os gols da vitória do Tricolor

Em clima de festa, o São Paulo começou esmagando o Figueirense no Morumbi e Borges deu o cartão de visitas logo aos 8 minutos, antecipando cruzamento da direita e abrindo o placar para o delírio da multidão que lotou o Morumbi, no recorde de público no estádio neste Brasileirão. Embalado, o Tricolor bateu o Figueira por 3 a 1 e continua na liderança do Campeonato.

Borges ainda perdeu um rebote incrível depois de roubada de bola de Joilson na entrada da área, logo após o primeiro gol, dando a impressão que um massacre estava por vir.

Hugo, porém, destoou do time e não conseguiu produzir rigorosamente nada.

O Figueirense apenas olhou e tentou jogar, mas o São Paulo foi o dono das ações em todos os setores do campo. Naquele momento dava a impressão de que o segundo gol era questão de tempo. E foi. Em outro lançamento para a área, Borges aproveitou furada bisonha de Asprilla para, com muita categoria, dominar a bola e dar um tapa para o fundo do gol, aos 27 minutos.

Ao invés de inspirar, a vantagem criou uma pane no Tricolor, que viu o Figueira melhorar e passar a dominar o jogo. Na única jogada dos visitantes, Cleiton Xavier aproveitou cochilo da zaga para descontar. 2 a 1 e cheiro de pressão no segundo tempo.

Durante 27 minutos, o Figueirense encurralou o Tricolor na defesa e, mesmo sem concluir em gol, preocupou – e muito – os são-paulinos, que apenas assistiram ao rival. Nas poucas tentativas de contra-ataque, o Sampa esbarrou na apatia de Hugo, que se embananava com a bola.

Mas Hugo pode. Ele sabe fazer.

Quando resolveu jogar, o Sampa encontrou Joilson livre na direita. Com calma, o camisa 12 cruzou para Hugo marcar o terceiro e aliviar a tensão que dominava o Morumbi.

A partir daí foi só administrar o resultado, que deixa o Sampa na liderança isolada, pelo menos até a próxima rodada, com 68 pontos. Já o Figueira, na vice-lanterna, com 35 pontos, dá mais um passo no que parece ser um caminho sem volta rumo à série B em 2009.

Sorte do São Paulo que tem Hugo.

Porque Hugo pode. Ele sabe fazer.

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO 3 X 1 FIGUEIRENSE

Estádio: Morumbi, São Paulo (SP)
Data/hora: 16/11/2005 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Auxiliares: Altemir Hausman (Fifa-RS) e José Javel Silveira (RS)
Renda/Público: 58,518 pagantes/ R$1.224.735
Cartões Amarelos: Rodrigo (SPO); Asprilla, Rafael Lima (FIG)
GOLS: Borges, 8’/1ºT (1-0); Borges, 24’/1ºT (2-0); Cleiton Xavier, 43’/1ºT (2-1); Hugo
SÃO PAULO: Rogério Ceni, Anderson, Rodrigo e Miranda; Joilson, Jean, Hernanes (Jancarlos, 45’/2ºT), Hugo e Jorge Wagner; Borges (Richarlyson, 41’/2ºT) e Dagoberto (Éder Luis, 42’/2ºT) Técnico: Muricy Ramalho.

FIGUEIRENSE: Wilson, Gomes, Asprilla, Rafael Lima; Diogo, Roger (Anderson Luís, 1’/2ºT), Cleiton Xavier, Ramon e William Matheus (Bruno Santos, 26’/2ºT); Lima (Tadeu, 1’/2ºT) e Rafael Coelho. Técnico Mário Sérgio.

novembro 16, 2008 Posted by | Figueirense, São Paulo | , , , , | Deixe um comentário

Gol de sorte de Michael Jackson dá a vitória ao Santos sobre o Internacional

Quiñonez erra chuta, mas acerta Gustavo Nery e deixa o Peixe em situação cômoda na luta para fugir do rebaixamento no Brasileirão.

A sorte praticamente garantiu a permanência do Santos na elite do Campeonato Brasileiro em 2009. Com um gol mais do que estranho do equatoriano Michael ‘Jackson’ Quiñonez, o Peixe derrotou os reservas do Internacional por 1 a 0, na Vila Belmiro, e respirou aliviado na briga para fugir da zona do rebaixamento.

Com o resultado, o Alvinegro quebra a série de duas derrotas consecutivas, sobe para a 13ª colocação, com 43 pntos, seis acima do grupo dos quatro piores, restando apenas três rodadas para o término da competição nacional. Já o Inter cai para sétimo, com 51 pontos.

Na próxima rodada, o Santos enfrenta o Coritiba, domingo, às 17h, no estádio Couto Pereira. O Internacional, com os titulares, encara o Chivas-MEX, quarta-feira, às 22h, no Beira-Rio, pela segunda partida das semifinais da Copa Sul-Americana. Pelo Brasileirão, o time joga contra o Fluminense, domingo, às 19h10m, também em Porto Alegre.

A necessidade de buscar mais uma vitória para escapar definitivamente da briga contra o rebaixamento fez o Santos começar o jogo pressionando. Com amplo domínio, o Peixe encurralou a garotada colorada, mas sem levar grande perigo ao gol de Lauro, principalmente pelo excesso de erros de passe nas proximidades da grande área. Kléber Pereira, como sempre, não teve muito espaço.

Mas, com o passar do tempo, o Inter passou a se arriscar. Aproveitando o espaço na intermediária alvinegra, os gaúchos só não ficaram em vantagem no placar por um erro da arbitragem, aos 15. Guto, que havia perdido uma oportunidade cara-a-cara no minuto anterior, recebeu de Daniel Carvalho em condição legal, fez o gol, mas Héber Roberto Lopes marcou impedimento. O jogador estava em condição legal.

Os passes preciosos de Daniel Carvalho continuaram dando trabalho aos paulistas. Aos 18, foi a vez do zagueiro Orozco perder ótima chance. O atacante bateu falta para a área, Douglas rebateu e o defensor chutou por cima com muito perigo. A resposta do Santos veio aos 29, quando Kléber Pereira recebeu livre na área, mas Lauro fechou bem o ângulo e defendeu.

O Inter, contudo, continuou melhor. Aos 34, Taison por pouco não marcou um golaço ao bater de fora da área e quase acertar o ângulo esquerdo. Três minutos mais tarde, Daniel Carvalho bateu escanteio, Gustavo Nery cabeceou sem marcação e Bida salvou no canto esquerdo sofre a linha.

No segundo tempo, o Santos conseguiu corrigir algumas falhas na defesa e reapareceu mais ligado, mas sem criar. Molina, a esperança da torcida, pouco produziu e esteve bem abaixo. Assim, o técnico Márcio Fernandes sacou o colombiano para a entrada de Quiñonez e colocou Michael no lugar de Cuevas.

Michael Jackson dá vitória ao Santos

E, no primeiro lance, Michael quase colocou o Peixe na frente, aos 15, em uma rápida troca de bola na entrada da área. Ele recebeu lindo passe de cabeça de Kléber Pereira pelo lado esquerdo e chutou. Com o braço esquerdo, Lauro desviou e evitou o gol.

Se o futebol não estava ajudando, o Santos chegou ao gol contando com a sorte. Aos 24 minutos, Quiñonez arriscou de fora da área sem a pontaria de sempre. A bola sairia pela lateral, mas desviou em Gustavo Nery no meio do caminho e entrou no canto esquerdo de Lauro, que nada pôde fazer.

O gol fez o Internacional diminuir o ritmo e praticamente não levar mais perigo ao gol de Douglas. Tanto que o Santos continuou com o domínio do jogo, mas sem incomodar, principalmente pela baixa produção do artilheiro Kléber Pereira, sempre preso na marcação.

Ficha técnica:

SANTOS 1 x 0 INTERNACIONAL
Douglas; Wendel, Domingos, Adaílton e Kleber (Adriano); Roberto Brum, Bida, Pará e Molina (Quiñonez); Cuevas (Michael) e Kleber Pereira. Lauro, Bustos, Danny, Orozco e Gustavo Nery; Maycon, Sandro, Rosinei e Taison (Walter); Daniel Carvalho (Rodrigo Paulista) e Guto (Luiz Carlos).
Técnico: Márcio Fernandes. Técnico: Tite.
Gols: Quiñonez, aos 24 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Wendel, Roberto Brum, Kléber (Santos);Bustos, Taison, Orozco (Inter)
Estádio: Vila Belmiro. Data: 16/11/2008. Árbitro: Héber Roberto Lopes (Fifa/PR). Auxiliares: José Amilton Pontarolo(PR) e José Carlos Dias Passos (PR).

novembro 16, 2008 Posted by | Internacional, Santos | , , | Deixe um comentário

Ibson faz três e Fla goleia o Palmeiras: 5 a 2

Resultado faz com que Rubro-Negro continue sonhando com o hexa e volte ao G-4 no lugar do Alviverde, que cai para o quinto

Com uma atuação de gala de Ibson, o Flamengo se impôs em casa e goleou o Palmeiras por 5 a 2, neste domingo, no Maracanã. O jogador anotou três gols (sendo dois golaços) e foi ovacionado pelos mais de 60 mil torcedores que compareceram ao estádio. Marcelinho Paraíba e Kleberson também fizeram para o Rubro-Negro enquanto Alex Mineiro, de pênalti, e Kléber descontaram para o clube paulista.

Com a goleada, o Rubro-Negro chegou aos 63 pontos e voltou ao G-4. Além disso, a equipe carioca continuou na cola do São Paulo e manteve o sonho do hexacampeonato aceso. Já a situação do Alviverde complicou muito nesta reta final. A equipe permaneceu com 61 pontos e, além de sair da zona de classificação para a Copa Libertadores, ficou praticamente sem chances de chegar ao título.

O Flamengo começou o jogo na pressão e, logo com dois minutos, abriu o placar. Kleberson recebeu na ponta esquerda e cruzou na área. Marcelinho Paraíba apareceu sozinho atrás da zaga palmeirense, chutou de primeira e marcou um golaço, sem chance para Marcos: Flamengo 1 a 0.

O Palmeiras nem deixou a torcida do Flamengo comemorar direito porque, aos 12 minutos, o clube paulista empatou. Kléber dominou a bola do lado direito da área e foi derrubado por Jaílton. Alex Mineiro partiu para a cobrança e tocou no canto esquerdo do goleiro Bruno, que caiu para o outro lado: 1 a 1.

O jogo continuou movimentado e, graças a malandragem de Obina, o Flamengo voltou a ficar em vantagem. O atacante cobrou rapidamente uma falta no meio-de-campo para Fábio Luciano. Sozinho, o zagueiro avançou pelo lado esquerdo e rolou na área para Marcelinho Paraíba. O atacante tocou para Ibson dentro da área, o volante deu um corte no zagueiro e bateu para o fundo da rede: Flamengo 2 a 1.

O segundo tempo começou da mesma forma que o primeiro: com o Flamengo na pressão. E o atacante Obina teve três oportunidades em menos de seis minutos. No entanto, quem ampliou a contagem foi Ibson. Aos 10, Kleberson avançou pelo centro e rolou para Ibson na entrada da área. O volante acertou um chute colocado no ângulo. Um golaço, sem chance para Marcos: Flamengo 3 a 1.

O Palmeiras foi bem mais eficiente quando chegou ao ataque. Na primeira chance de perigo que teve, aos 15, o Alviverde diminuiu. Martinez dominou na intermediária e cruzou na área. Kléber subiu sozinho e não teve trabalho para desviar de cabeça para o fundo da rede: Flamengo 3 a 2.

Mas Ibson coroou sua atuação de gala com outro golaço. Aos 19, o volante recebeu na intermediária e tocou na área para Kleberson. Ele tocou novamente para Ibson no meio da área que, de letra, tocou para o fundo da rede. Era seu terceiro gol na partida: Flamengo 4 a 2.

E o Flamengo logo transformou o placar em goleada aos 24. Ibson puxou contra-ataque pela esquerda e rolou na área para Fábio Luciano. O zagueiro cruzou na área e Kleberson, sozinho na pequena área, tocou de cabeça para marcar o quinto da equipe: Flamengo 5 a 2.

Depois disso, o Palmeiras tentou diminuir, mas só conseguia chegar perto nas cobranças de falta. Com o domínio no placar, os jogadores do Flamengo trocaram passes até o fim da partida para a festa dos mais de 60 mil pessoas presentes no estádio.

O Flamengo tem agora uma outra decisão contra outro concorrente direto no próximo domingo. Agora, a equipe rubro-negra terá de ir até Belo Horizonte para pegar o Cruzeiro, que também sonha com o título e com uma vaga na Libertadores do ano que vem. Já o Palmeiras terá que se recuperar, em casa, contra o Ipatinga, também no próximo domingo.

FICHA TÉCNICA:
FLAMENGO 5 X 2 PALMEIRAS

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 16/11/2008 – 17h (de Brasília)
Árbitro: Leonardo Gaciba (Fifa – RS)
Renda/público: R$ 1.166.807,00 / 59.678 pag.
Cartões amarelos: Aírton, Obina (FLA); e Gustavo (PAL)

GOLS: Marcelinho Paraíba, 2’/1ºT (1-0); Alex Mineiro (pênalti), 12’/1ºT (1-1); Ibson, 21’/1ºT (2-1); Ibson, 10’/2ºT (3-1); Kléber, 15’/2ºT (3-2); Ibson, 19’/2ºT (4-2); e Kleberson, 24’/2ºT (5-2).

FLAMENGO: Bruno, Jaílton, Fábio Luciano e Ronaldo Angelim; Léo Moura, Aírton, Ibson (Maxi, 37’/2ºT), Kleberson e Juan (Everton, intervalo); Marcelinho Paraíba (Toró, 18’/2ºT) e Obina. Técnico: Caio Júnior.

PALMEIRAS: Marcos, Gustavo, Roque Júnior e Martinez (Sandro Silva, 23’/2ºT); Fabinho Capixaba (Evandro, 17’/2ºT), Jumar (Maicossuel, 11’/2ºT), Pierre, Diego Souza e Leandro; Kléber e Alex Mineiro. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

novembro 16, 2008 Posted by | Flamengo, Palmeiras | , , , | 1 Comentário

Goiás bate Botafogo com show de Paulo Baier

Equipe alviverde faz 3 a 1 com todos os gols do veterano meia. Lucio Flavio desconta de pênalti

Em dia de vestibular no Botafogo, o único aprovado com méritos foi Paulo Baier. Com três belos gols de seu camisa 10, o Goiás derrotou o Alvinegro por 3 a 1, em Itumbiara, e se garantiu na Copa-Sul-Americana de 2009. Ao time dirigido por Ney Franco, que sofreu a quarta derrota consecutiva no Brasileiro e caiu para nono, resta contar os dias para o fim da temporada.

Se dois jogadores do setor ofensivo do Botafogo – Lucas Silva e Fábio -tinham motivos de sobra para encarar a partida contra o Goiás como uma decisão, afinal precisam mostrar serviço para renovarem seus contratos, a defesa, por sua vez, cochilou em boa parte dos 45 minutos iniciais.

O primeiro erro aconteceu logo aos oito, quando Iarley rolou de calcanhar para Júlio César, que cruzou na medida para Paulo Baier, livre, emendar de primeira por debaixo das pernas de Renan.

A desvantagem, no entanto, parece ter feito bem ao Alvinegro, que utilizou-se da mesma arma que o adversário para chegar com perigo: as bolas enfiadas em profundidade nas costas da zaga. Jorge Henrique e, na mesma jogada, Triguinho, além de Lucas Silva desperdiçaram oportunidades cara a cara com Harley.

Como Túlio já havia antecipado, o calor intenso em Itumbiara poderia complicar a qualidade do jogo. Por essa razão, a pedido de Lucio Flavio, o árbitro resolveu conceder um rápido intervalo aos 30 minutos para que os jogadores se reidratassem. Após o retorno, o time dirigido por Hélio dos Anjos passou a dominar as ações de vez.

Tanto que, aos 36, novamente o veterano camisa 10 alviverde balançou a rede ao deslocar Renan na entrada da área, já sem marcação. A partir daí, o Botafogo se abateu definitivamente e não conseguiu reagir até o fim da etapa.

O técnico Ney Franco, então, resolveu acuar o Goiás, que jogava com uma linha de três zagueiros muito pouco incomodados até então. Diguinho, que recebera cartão que inclusive o suspendeu para o próximo jogo, deu lugar a Zárate, que entrou com a missão de encorpar o ataque e atrapalhar a saída de bola adversária.

Na prática, a alteração surtiu efeito de imediato. Em jogada pela esquerda, Fábio sofreu pênalti de Rafael Marques. Porém, como uma prova de que a situação é grave, Lucio Flavio, exímio cobrador, chutou na trave a chance de reduzir o vantagem do Goiás.

Apesar do desânimo, o Botafogo teve posse de bola muito maior durante todo o segundo tempo. Mas não conseguia traduzi-la em boas chances de marcar. Emerson passou a jogar como lateral, enquanto Guerreiro ocupou sua posição na zaga. Com isso, Túlio e, depois, Túlio Souza, povoaram o meio-de-campo alvinegro de modo a diminuir o espaço entre o setor e os atacantes.

A iniciativa até deu certo, mas o time de Ney Franco tornou a sofrer com o descontrole emocional. Por incrível que pareça, Andre Luis foi expulso outra vez, Túlio não resistiu e seguiu o mesmo caminho, ambos por entradas violentas. Assim, o caminho ficou aberto para que o endiabrado Paulo Baier marcasse o terceiro gol, de fora da área.

Pouco antes do fim, o capitão Lucio Flavio ainda teve tempo de se redimir de seu erro, bateu bem o pênalti sofrido por Túlio Souza e deu números finais à partida. Na próxima rodada, o Goiás vai até São Paulo encarar a Portuguesa, enquanto o Botafogo recebe o Atlético Paranaense.
FICHA TÉCNICA:
GOIÁS 3 X 1 BOTAFOGO

Estádio: Juscelino Kubitschek, Itumbiara (GO)
Data/Hora: 16/11/2008 – 17h
Árbitro: Paulo Cesar Oliveira (Fifa-SP)
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Evandro Luis Silveira (SP)
Renda e público: Não divulgados
Cartões amarelos: Fahel e Ramalho (GOI); Triguinho, Diguinho, Jorge Henrique e Túlio (BOT)
Cartões vermelhos: Andre Luis, 25’/2ºT e Túlio, 30’/2ºT
GOLS: Paulo Baier, 8’/1ºT (1-0), 36’/1ºT (2-0), 27’/2ºt (3-0) e Lucio Flavio, 34’/2ºT (3-1)

GOIÁS: Harlei, Henrique, Ernando e Rafael Marques (João Paulo, 46’/2ºT); Vítor, Fahel, Ramalho, Romerito (Fausto, 31’/2ºT), Paulo Baier e Júlio César; Iarley (Felipe, 38’/2ºT). Técnico: Hélio dos Anjos.

BOTAFOGO:Renan, Túlio, Renato Silva (Emerson, 14’/1ºT), Andre Luis e Triguinho; Leandro Guerreiro, Diguinho (Zárate, intervalo), Lucas Silva e Lucio Flavio; Jorge Henrique e Fábio (Túlio Souza, 20’/2ºT) – Técnico: Ney Franco.

novembro 16, 2008 Posted by | Botafogo, Goiás | , , | Deixe um comentário

Atlético-PR vence o Vitória e respira um pouco na luta contra o rebaixamento

Furacão começou perdendo, mas conseguiu virar o jogo no 2° tempo

O Atlético-PR sofreu, mas conseguiu o que queria na partida contra o Vitória na noite deste domingo, na Arena da Baixada: venceu por 2 a 1 e se afastou um pouco da zona do rebaixamento do Campeonato Brasileiro. O jogo foi muito disputado e os paranaenses, que sairam perdendo, virou no segundo tempo com um gol de Alan Bahia. Com o resultado, o time chegou aos 41 pontos e está na 14° posição. O Leão permaneceu com 45 no 11° lugar. O próximo jogo do Furacão será contra o Botafogo, no sábado, às 18h30m, no Rio de Janeiro. Já a equipe baiana recebe o Grêmio, às 17h, de domingo, no Barradão.

O jogo

Precisando da vitória para tentar fugir de perto da zona rebaixamento, o Atlético-PR começou a partida com muita força. Logo aos 11 minutos, Netinho fez boa jogada pela esquerda e cruzopu para o baixinho Ferreira, mas a zaga baiana chegou rápido e afastou o perigo. A torcida, que compareceu em bom número na Arena da Baixada, se empolgou e fez muito barulho no estádio.

Aos 17 minutos, o Furacão teve um gol anulado. Rhodolfo recebeu cruzamento pela esquerda e marcou de cabeça, mas o bandeirinha assinalou impedimento. A equipe continuou pressionando e quase marcou com Rafael Moura. Alan Bahia tentou um lance no meio, driblou o marcador e finalizou. A bola passou por toda a área e o atacante tentou o carrinho, mas não alcançou.

O Vitória, que estava com um volume menor de jogo, abriu o placar aos 32. Robert aproveitou a bola, sobrada na jogada de Leandro Domingues, e chutou forte no canto direito do goleiro Galatto calando os torcedores atleticanos. Mas o Furacão não se abalou e conseguiu o empate 11 minutos depois. Na cobrança de escanteio, Rafael Moura subiu mais que a zaga e finalizou de cabeça.

Vitória fica com um a menos no início do 2° tempo

Os times voltaram para o segundo tempo sem nenhuma substituição. O jogo continuou pegado e o Vitória ficou com um jogador a menos aos nove minutos. Numa disputa de bola, o atacante Robert deu uma cotovelada no zagueiro Antônio Carlos e foi expulso.

Mesmo com um jogador a mais o Atlético-PR não teve grandes chances na etapa final. O melhor momento foi aos 23 e Alan Bahia conseguiu aproveitar para desempatar o jogo. Ele fez boa jogada pela direita, ganhou do marcador e chutou cruzado no canto do goleiro Gléguer que não alcançou a bola.

Depois do lance e com um jogador a mais em campo, o time do Atlético-PR recuou e esperou um erro do Vitória para sair no contra-ataque. O último lance de perigo aconteceu com Geílson aos 48 minutos. Ele entrou sozinho pela direita, mas perdeu uma grande chance de ampliar.

Ficha técnica:

ATLÉTICO-PR 2 x 1 VITÓRIA
Galatto, Rhodolfo, Antônio Carlos e Chico(Geílson); Zé Antônio, Valência, Alan Bahia (Gustavo), Ferreira e Netinho; Júlio César(Fernando) e Rafael Moura Gléguer, Marco Aurélio, Marcelo Batatais, Thiago Gomes e Vitor Ramos; Renan(Muriqui), Wallace, Jackson(Adriano) e Leandro Domingues; Daniel(Willians)e Robert
Técnico: Geninho Técnico: Vagner Mancini.
Gols: Robert aos 32 e Rafael Moura aos 41 do primeiro tempo. Alan Bahia aos 23 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Daniel (V), Victor Ramos (V), Chico (A) e Leandro Domingues (V).

Cartão vermelho: Robert (V)

Estádio: Arena da Baixada. Data: 16/11/2008. Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (asp. Fifa/MG). Auxiliares: Márcio Eustáquio Santiago (MG) e Flávio Gilberto Kanitz (GO).

novembro 16, 2008 Posted by | Atlético-PR, Vitória | | Deixe um comentário