Portal Futebol

Tudo sobre o futebol Brasileiro e Internacional

Inter quer quebrar escrita contra o Boca

Gaúchos nunca venceram o rival na Bombonera pela Copa Sul-Americana

Nas duas vezes em que atuou no La Bombonera, ambas pela Sul-Americana, o Internacional levou quatro gols do Boca Juniors. Se for para manter a tabela negativa, nesta quinta-feira, que seja a de 2004, quando perdeu de 4 a 2, pois esse placar garantiria sua ida para a semifinal.

Já a repetição do placar de 2005, derrota por 4 a 1, eliminaria a equipe de Tite, pois ela venceu o jogo de ida por 2 a 0. Se o Boca vencer pela mesma contagem, a decisão será nos pênaltis.

O Inter aposta todas as suas fichas na competição. No embarque em Porto Alegre, os jogadores exibiam confiança. Não apenas pela vantagem construída no Beira-Rio, mas porque a equipe irá completa e possui vários jogadores experientes como os argentinos Guiñazú e D’Alessandro. Nilmar, que era dúvida, garantiu que não sente mais a lesão na coxa direita.

No entanto, se o time parece confiante, o técnico Tite não escondia sua preocupação.

– A conquista da Sul-Americana é fundamental para minha permanência em 2009 – admitiu.

Motivados com a idéia de que o Inter dá como garantida a vaga para a próxima fase, o Boca, que colocou o campeonato argentino como prioridade, juntará aos jovens jogadores os experientes Riquelme e Viatri, que, a princípio, ficarão no banco de reservas.

Para Leandro Gracián, a chance dos jogadores mais jovens em atuar nessa partida deve ser aproveitada por todos e o pensamento deve ser um só: que a equipe tem condições de se classificar.

– Para nós, é importante ter continuidade e mostrar ao treinador que estamos bem. Não temos que dizer por todos os lados que a classificação já está garantida, mas que temos que pensar que somos capazes de conseguí-la – ressaltou em entrevista ao Diário Olé.

FICHA TÉCNICA:

BOCA JUNIORS X INTERNACIONAL

Local: La Bombonera (Argentina)
Data/Hora: 06/11/08 – 21h (de Brasília)
Árbitro: Óscar Ruiz (COL)

BOCA JUNIORS: García, Barroso, Roncaglia, Forlín e Calvo; Chávez (Cardozo), González, Gaitán e Gracián (Riquelme); Mouche e Figueroa. Técnico: Carlos Ischia

INTERNACIONAL: Lauro, Ângelo (Álvaro), Indio, Bolívar e Marcão; Edinho, Magrão, Guiñazú e D’Alessandro; Nilmar e Alex. Técnico: Tite.

novembro 5, 2008 Posted by | Internacional | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Palmeiras perde e deixa a Copa Sul-Americana

Com auxiliar técnico no comando, equipe foi eliminada da Copa Sul-Americana. Pela televisão, Luxemburgo deu pitaco

O Palmeiras perdeu por 2 a 0 para o Argentinos Juniors, no estádio Diego Armando Maradona e deixou a Copa Sul-Americana. Nei Pandolfo, auxiliar-técnico de Vanderlei Luxemburgo, viu seu time sucumbir diante da ousada equipe do Argentinos Juniors. Apático, o substituto do treinador titular, não conseguiu organizar a equipe em campo. Não foi por falta de ordens da chefia, que reveza entre seu aparelho celular e comentários na cabine de transmissão da Rede Globo.

De treinador a comentarista eliminado, Luxa analisou os principais lances da derrota palmeirense. Vamos a eles:

Formação do Palmeiras

O Palmeiras entrou em campo com três zagueiros. O titular Martinez – como de costume – fez a função de terceiro defensor. O camisa 11 teve dificuldade na marcação e na cobertura das falhas de seus companheiros Paulo Miranda e Maurício. Com Denílson e Maicosuel na armação, o Palmeiras não conseguiu criar boas chances de ataque, o que deixou o atacante Kléber sem opções na frente.

– Conversei com meus jogadores ontem. Deixei o Maicosuel e o Denílson para armar. No ataque, o Kléber não pipoca e vai pra cima dos adversários – disse Luxa.

O Maicosuel jogou? E o Denílson, armou? Tenho minhas dúvidas.

Primeiro gol do Argentinos

Aos nove minutos, após cobrança de escanteio, Scotti entrou sozinho na defesa alviverde e cabaceou para abrir o placar no Diego Maradona. Perdida em campo, a defesa do Palmeiras não conseguiu acompanhar a jogada. Pior para o Verdão. Mas Luxa não achou defeito.

– A qualidade do batedor faz a diferença no escanteio. Essa jogada é muito treinada por eles, por isso é muito difícil de ser marcada – esclareceu.

Segundo gol do Argentinos

Em descida pela direita do ataque, a equipe argentina achou o segundo gol. O camisa 9 Pavlovich completou cruzamento pela direita para ampliar o marcador. Mais uma vez falha da defesa. Dessa vez, Paulo Miranda deixou o atacante cabecear sozinho. Da cabine de transmissão, Luxa elogiou os “hermanos”.

– Com o segundo gol muda muita coisa. O atacante deles foi rápido demais, conseguiu se antecipar e cabecear sozinho – afirmou.

A segunda etapa

O Palmeiras mudou para o segundo tempo. Luxemburgo ordenou e Nei Pandolfo obedeceu. O atacante Lenny entrou no lugar de Maicousuel. Com a mudança, o Verdão ocupou mais o campo adversário, mas abriu muito espaço para o contra-ataque argentino. Hauche e Quiroga levaram muito perigo nas investidas sobre a defesa palmeirense.

– Esse era o meu maior medo. Eles levam muito perigo nos contragolpes. A defesa precisará de muita atenção – observou.

Fim de jogo

Sem contra-ataques argentinos ou qualquer reação palmeirense, os dois times seguiram acomodados com o resultado. Bom para o Argentinos que priorizam a competição e conveniente para o Palmeiras que desprezou-a, podendo assim se dedicar somente no Brasileiro, onde busca o penta.

Pitacos

Após tantos pitacos, dois devem ser destacados. De personagens diferentes, mas igualmente sensatos na hora dos comentários.

Luxa foi conivente com o resultado, e explicou de uma vez por todas o descaso do Verdão com a competição.

– Essa competição não tem atrativos. Se valesse uma vaga para a Libertadores os clubes estariam mais interessados. Mudaria todo o contexto – admitiu.

Mas o mais inteligente comentário veio das arquibancadas do Diego Maradona. Ao presenciar o auxiliar palmeirense Nei Pandolfo falando no celular com Luxemburgo, o torcedor argentino cornetou.

– Ei! Pandolfo! Tá falando com quem?! É com o Luxemburgo no rádio?! Fique à vontade, não vai adiantar nada – profetizou.

Com o resultado, o Palmeiras se despede da Copa Sul-Americana. No domingo enfrenta o Grêmio pelo Campeonato Brasileiro, no Palestra Itália. O Argentinos Juniors encara o Estudiantes no clássico argentino, pelas semifinais da competição sul-americana.

FICHA TÉCNICA:

ARGENTINOS JUNIORS 2 X 0 PALMEIRAS

Estádio: Diego Armando Maradona, Buenos Aires (ARG)
Data/hora: 5/11/2008 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Carlos Amarilla (PAR)
Auxiliares: Manuel Bernal (PAR) e Emigdio Ruiz (PAR)
Renda/público: Não disponível.
Cartões amarelos: Kléber, Léo Lima (PAL)
GOLS: Scotti, 9’/1ºT (1-0); Pavlovich, 17’/1ºT (2-0)

PALMEIRAS: Bruno, Paulo Miranda, Maurício e Martinez; Fabinho Capixaba, Léo Lima, Sandro Silva, Maicosuel (Lenny, Intervalo) e Jefferson; Denílson, Kléber (Thiago Cunha, 25’/2ºT). Técnico: Nei Pandolfo

ARGENTINOS JUNIORS: Torrico; Scotti, Caruzzo, Sabia e Escudero; Bogado, Ortigoza, Quiroga e Mercier; Hauche e Pavlovich. Técnico: Néstor Gorosito.

novembro 5, 2008 Posted by | Palmeiras | , | Deixe um comentário

Flu segura o Figueira e mantém a vitória

Campo alagado impede boa atuação das equipes e Tricolor carioca sai da zona de rebaixamento

Nesta quarta-feira, o Figueirense recebeu o Fluminense, às 20h, no Orlando Scarpelli na continuação do jogo válido pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro, interrompido na quinta-feira passada por falta de energia elétrica no estádio em Florianópolis. Em uma noite chuvosa, o Tricolor carioca conseguiu manter a vantagem e bateu o Figueira por 1 a 0, que continua sem vencer dentro de casa.

Chovia forte desde o início da tarde em Florianópolis e na hora do jogo, o estádio Orlando Scarpelli se encontrava praticamente alagado e com muitas poças ao longo do campo. Começando a partir dos 15 minutos do primeiro tempo (tempo em que o jogo foi paralisado na semana passada), o juiz deu bola ao chão e Fabinho chutou para o lado, cedendo o lateral para a equipe do Figueirense.

Com uma postura muito diferente da que iniciou a partida na semana passada, o Figueira entrou em campo nesta quarta-feira decidido e disposto a correr atrás do prejuízo, já que o Tricolor entrou em campo com a vantagem de 1 a 0 (gol de Arouca). O time de Mário Sérgio se impôs e vez ou outra até mesmo fazia pressão para cima do Fluminense.

O jogo seguiu com um nível técnico muito ruim, já que as poças no campo atrasavam as bolas e faziam os jogadores escorregarem demais. O Fluminense acabou tendo uma pior atuação no primeiro tempo de “30 minutos”, já que a água não permitia que a equipe tricolor usasse os contra-ataques, umas de suas principais armas.

Na volta do intervalo, a tônica do jogo permaneceu sendo os esbarrões e chutões para frente. Mas ao contrário do que vinha se desenhando, quem chegou com muito perigo aos 20 minutos da segunda etapa, foi o Fluminense. Washington dominou sozinho na área, girou e fez o passe para Junior Cesar, que soltou a bomba e arrancou tinta do travessão do goleiro Wilson.

Pouco depois, o Figueirense praticamente ficou com um jogador a menos em campo, já que o zagueiro Asprilla sentiu o tornozelo e o técnico Mário Sérgio já havia queimado as três alterações. O resto do segundo tempo seguiu uma série de tentativas frustradas de ambas as equipes de fazerem um gol. Aos 48 minutos, um susto para o Fluminense: o Figueira faz um gol, mas o juiz anula alegando impedimento.

Com este resultado, o Fluminense soma 37 pontos e comemora a saída da zona de rebaixamento, ficando na 14ª colocação. Já o Figueirense permanece com 35 pontos e na porta da zona da degola.

FICHA TÉCNICA:

FIGUEIRENSE 0 X 1 FLUMINENSE

Estádio: Orlando Scarpelli, Florianópolis (SC)
Data/hora: 05/11/2008 – 20h (de Brasília)
Árbitro: Wilson Luiz Seneme(Asp.Fifa-SP)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (Fifa-SP) e Marcio Luiz Augusto (SP)

Renda / público: R$ 87.512,50 / 9.739 pagantes

Cartões amarelos: Jackson, Bruno Santos, Bruno Perone (FIG); Conca, Junior Cesar, Fernando Henrique (FLU)
Cartões vermelhos: não houve.

GOL: Arouca, 12’/1ºT (0-1)

FLUMINENSE: Fernando Henrique, Carlinhos (Ygor, 24’/2ºT), Thiago Silva, Luiz Alberto e Junior Cesar; Fabinho, Wellington Monteiro, Arouca e Conca (Edcarlos, intervalo); Everton Santos e Washington (Somália, 47’/2ºT). Técnico: René Simões.

FIGUEIRENSE: Wilson, Gomes, Asprilla e Bruno Perone; Diogo, William Matheus, Jackson (Anderson Luiz, 15’/1ºT) e (Lima, 13’/2ºT), Cleiton Xavier e Marquinho; Tadeu e Ramón (Bruno Santos, 15’/1ºT). Técnico Mário Sérgio.

novembro 5, 2008 Posted by | Fluminense | , | Deixe um comentário

Fogão apenas empata e dá adeus à temporada

Time reage, chega aos 2 a 2 com o Estudiantes, mas descontrole põe tudo a perder

Não deu. Após um péssimo início, sobretudo defensivo, o Botafogo apenas empatou com o Estudiantes por 2 a 2, nesta quarta, no Engenhão e deu adeus não somente à Copa Sul-Americana, como também a qualquer chance de levantar uma taça em 2008. Apesar da reação, por intermédio de Lucio Flavio, de pênalti, e Andre Luis, o próprio xerifão pôs tudo a perder ao ser expulso e protagonizar lance inacreditável com o árbitro.

O resultado classificou o time de La Plata para as semifinais da competição, na qual enfrentará o Argentino Juniors, que passou pelo Palmeiras na outra chave.

Antes mesmo de poder esboçar uma pressão, após dois bons ataques que mostravam um Fogão turbinado, em um contra-golpe, o lateral Angeleri recebeu nas costas de Triguinho e Guerreiro e bateu cruzado. Enganado pelo quique da bola, Renan aceitou. Era o começo do fim.

A partir daí, em menos de cinco minutos, dentre os 90 que teria para salvar a temporada, o Botafogo já se viu no desespero, pois, à aquela altura, teria de marcar quatro gols. Por mais que movimentasse a bola com rapidez e certa qualidade de um lado para o outro, o time de Ney Franco esbarrava na dificuldade de penetrar na defesa argentina. Com isso, Wellington Paulista quase não foi acionado.

Por essa razão, também, a principal jogada alvinegra – quem diria! – era o “chuveirinho”, com as cobranças de falta de Lucio Flavio por ambos os lados. Em duas delas, Carlos Alberto esteve perto de marcar, de cabeça. Tranqüilo, o Estudiantes, sempre comandado por Verón, rodava a bola com segurança no meio-de-campo e nem sequer recorria à famosa catimba para esfriar o jogo.

Para efeito de comparação, em dado momento, a equipe dirigida por Leonardo Astrada havia roubado nove bolas dos botafoguenses, enquanto os cariocas ainda viam sua estatística nesse quesito zerada. A maior dificuldade, aliás, e que encorpava os números dos argentinos, era o sofrimento dos laterais Triguinho e Thiaguinho para dominar a bola e, por conseqüência, dar continuidade às jogadas.

Como quem não faz, leva, bastou Verón ter espaço para olhar adiante e deixar Salgueiro na meia-lua, entre Thiaguinho e Renato Silva, na boa para chutar. Com categoria, o uruguaio somente teve o trabalho de deslocar Renan, aos 33, e ampliar o marcador.

Logo no intervalo, o técnico Ney Franco resolveu ir ao trabalho e mexeu na equipe. Tirou justamente os dois laterais e pôs Lucas Silva, para jogar como ala, e Luciano Almeida. As alterações fizeram o Alvinegro melhorar sensivelmente e passar a criar mais alternativas ofensivas.

Como elemento-surpresa, Renato Silva deu um pique pela ponta direita, recebeu a bola e sofreu pênalti. Com raça, bateu no peito e logo ganhou a torcida, que se empolgou. Como sempre, Lucio Flavio guardou em sua cobrança e reduziu o placar.

Animado, lá foi o Fogão novamente para cima do Estudiantes, que já não retia mais a posse com aquela tranqüilidade. A partida se tornou, com o tempo, ataque contra defesa. De tanto insistir, no rebote de um escanteio, Andre Luis soltou a bomba e empatou. Restavam 25 minutos e três gols para a clasificação.

Mas o ímpeto alvinegro se transformou em decontrole total. Carlos Alberto deu entrada dura em Boselli, que foi defendido por Verón e companhia. Aparentando ainda estar envolvido pela emoção do gol marcado, Andre Luis se meteu no tumulto. O que não se imaginava era o que viria a seguir: o xerifão tomou o cartão amarelo da mão do árbitro e, furioso, pareceu também lhe advertir. Como segurava o vermelho na outra mão, o juiz só precisou erguê-la para expulsá-lo.

Com um a menos e entregando-se à catimba hermana, o Botafogo, já exausto, sucumbiu à qualidade do rival, que tornou a controlar o jogo e a administrar a vantagem. Boselli, livre, ainda perdeu chance incrível e Jorge Henrique e Carlos Alberto pediram, porém não conseguiram ser expulsos pelo chileno Carlos Chandía, ambos por entradas violentas em Verón.

Triste fim para mais um ano que prometia ser, sobretudo, glorioso…
FICHA TÉCNICA:
BOTAFOGO 2 X 2 ESTUDIANTES

Estádio: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 04/11/2008 – 21h50h (de Brasília)
Árbitro: Carlos Chandía (Fifa-CHI)
Auxiliares: Cristian Julio (CHI) e Sergio Román (CHI)
Renda/público: R$ 99.649 / 13.517 pagantes
Cartões amarelos: Renato Silva, Triguinho, Andre Luis e Jorge Henrique (BOT); Salgueiro, Juan Díaz, Verón e Cellay (EST)
Cartão vermelho: Andre Luis, 23’/2ºT (BOT)
GOLS: Angeleri, 3’/1ºT (0-1); Salgueiro, 33’/1ºT (0-2); Lucio Flavio, 13’/2ºT (1-2); Andre Luis, 20’/2ºT (2-2)

BOTAFOGO: Renan, Thiaguinho (Lucas Silva, intervalo), Renato Silva, Andre Luis e Triguinho (Luciano Almeida, intervalo); Leandro Guerreiro, Diguinho, Lucio Flavio e Carlos Alberto; Jorge Henrique e Wellington Paulista (Fábio, 27’/2ºT) – Técnico: Ney Franco

ESTUDIANTES: Andújar, Angeleri, Cellay, Desábato e Díaz; Galván (Sánchez, 21’/2ºT), Braña, Benítez e Verón (Moreno y Fabianesi, 42’/2ºT); Salgueiro (Calderón, 9’/2ºT) e Boselli – Técnico: Leonardo Astrada

novembro 5, 2008 Posted by | Botafogo | , | Deixe um comentário

Vasco sonha com vaga na Sul-Americana 2009

Na luta contra o rebaixamento, equipe tem ambições no Brasileiro

O Vasco está no U4, lutando contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro, mas tem pretensões mais altas até o fim da competição: conquistar uma vaga na Copa Sul-Americana 2009.

Em 18º lugar, com 34 pontos, a equipe cruzmaltina enfrenta o Santos, no próximo sábado, às 18h30, em São Januário, almejando não somente sair da zona da degola.

– Temos que vencer os próximos jogos, pois ainda podemos sonhar com a Sul-Americana. Basta conseguirmos os resultados positivos. Espero que conseguir nossos objetivos – afirmou Madson à Rádio Brasil.

Para alcançar este objetivo, o Vasco precisa terminar a competição entre a quinta e a 12ª posição – no atual Brasileiro, como o Sport, campeão da Copa do Brasil de 2008 e com vaga na Libertadores 2008, está neste grupo, o 13º colocado, atualmente o Santos (40 pontos), tem a última vaga.

A participação do Vasco na Sul-Americana deste ano durou apenas uma fase. O time enfrentou o Palmeiras, venceu no Rio de Janeiro por 3 a 1 e foi eliminado em São Paulo ao perder por 3 a 0 – o que culminou na saída do técnico Tita, substituído pelo atual, Renato Gaúcho.

novembro 5, 2008 Posted by | Vasco da Gama | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Torcida do Vasco faz fila por ingressos

Apesar de policiamento, cambistas seguem agindo em São Januário

A torcida do Vasco mostra-se alinhada ao time na luta para escapar da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro e, no primeiro dia de venda, faz fila em São Januário para comprar ingressos para o confronto de sábado, contra o Santos.

A diretoria cruzmaltina colocou 23.300 ingressos à disposição dos torcedores e, caso a procura se mantenha no ritmo atual, prevê-se que até a sexta-feira todas as entradas estejam esgotadas.

Na tarde desta quarta-feira, viu-se uma fila de cerca de 200 metros (estendendo-se do portão da garagem principal do estádio até a esquina da rua General Almério de Moura com a rua Dom Carlos) de torcedores em São Januário em busca de ingressos.

Apesar do policiamento no local, foi possível detectar a movimentação de cambistas no local e o esquema de compra de ingressos de meia-entrada por estudantes com uniforme de escolas públicas que, após adquiri-los, os repassavam a terceiros fora da fila.

Vasco e Santos se enfrentam no próximo sábado, às 18h30, em São Januário, pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Nos últimos dois jogos em seu estádio – derrota por 4 a 2 para o Figueirense e empate por 2 a 2 com o Atlético-PR -, a equipe contou com público de mais de 20 mil pessoas.

novembro 5, 2008 Posted by | Vasco da Gama | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Acerto entre Vasco e Reebok é adiado

Clube negocia renovação com fornecedora de material esportivo

Como programado, a diretoria do Vasco recebeu nesta terça-feira a resposta da Reebok em relação à proposta de renovação do contrato da empresa de material esportivo com o clube. Entretanto, ao contrário do que era esperado, o acerto não foi possível, já que a Reebok ainda não aceitou as condições vascaínas.

Segundo a diretoria, as partes seguem conversando e o próximo passo é uma nova investida por parte do clube. Porém, o prazo para o acerto está acabando. Existem duas hipóteses: ou haverá um aumento no valor do patrocínio, ou a procura por um novo fornecedor de uniforme. A previsão é de que o impasse acabe na semana que vem.

novembro 5, 2008 Posted by | Vasco da Gama | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Dagoberto comemora boa fase no São Paulo

Atacante passou de opção no banco para titularidade indiscutível na equipe

A arrancada do São Paulo nesta reta final de Brasileirão tem muito a ver com a mudança de postura do time. Os jogadores passaram a se desdobrar em campo e, coincidência ou não, os resultados passaram a aparecer. Um dos atletas que melhor simbolizam essa virada é o atacante Dagoberto. Além de infernizar a vida dos zagueiros com suas arrancadas pelas pontas, o jogador caiu nas graças da torcida ao se esforçar na marcação e atrapalhar a saída de bola dos adversários.

Em alta no Tricolor, Dagol confessa que teve que se adaptar a um novo estilo de jogo para voltar a se destacar. Após um primeiro semestre difícil, onde assistiu a diversas partidas do banco de reservas, o camisa 25 confessou que precisou sentar com o treinador Muricy Ramalho para redefinir sua maneira de jogar.

– Minha jogada mais forte sempre foi essa arrancada em velocidade, mas o futebol de hoje exige mais. Parei para rever alguns conceitos, fiz uma auto-análise, conversei com o Muricy e coloquei na minha cabeça que precisava aprender a marcar, ajudar o time. Hoje todos reconhecem meu empenho – comemora o jogador.

O golaço que marcou no último domingo contra o Internacional prova a mudança no jogo do atacante, que parece mais completo. Após aproveitar um cochilo da zaga colorada, Dagoberto roubou a bola no meio de campo, deu um desconcertante drible da vaca em Bolívar e concluiu com estilo para marcar o segundo gol do Tricolor no confronto. Além da melhora técnica, o jogador conta que sua parte muscular também está sendo trabalhada no Morumbi.

– Tenho feito um trabalho de fortalecimento muscular a parte. Porque só assim consigo ter força para marcar e depois ter resistência para chegar com velocidade na frente – revela.

Quem ri à toa com a melhora do atacante é o técnico Muricy Ramalho, que confirmou o encontro reservado com Dagol e lembra que só o cobra tanto por acreditar muito em seu potencial.

– Ele é cobrado porque tem algo a mais. Trabalhamos juntos, conversamos e o Dagoberto entendeu que a parte coletiva é muito importante para a equipe – afirma Muricy.

novembro 5, 2008 Posted by | São Paulo | , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Contrato de Borges acaba em 2009

Atacante são-paulino poderá assinar pré-contrato com outra equipe no próximo ano

O contrato do atacante Borges com o São Paulo chegará ao fim em dezembro de 2009. O jogador, que chegou ao Morumbi depois de uma disputa do Sampa com o Corinthians, no início de 2007, poderá assinar um pré-contrato com uma nova equipe a partir de meados do ano que vem, caso a diretoria são-paulina não prorrogue o compromisso até lá.

Até hoje, o jogador já foi sondado por equipes do leste europeu, mas não ficou seduzido pelas propostas. Fora do Brasil, o camisa 17 já defendeu o Vengalta Sendai, do Japão, em 2006. Em janeiro, caso a diretoria tricolor receba uma boa proposta, ela pode liberar o atleta para fazer um bom negócio, como costuma fazer.

Aos 28 anos, Borges foi o goleador máximo do Tricolor nas duas últimas temporadas até o momento. Fez 32 gols no período, superando todos os outros atletas que defenderam o São Paulo.

novembro 5, 2008 Posted by | São Paulo | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Luxemburgo brinca: ‘Sou melhor que Muricy Ramalho’

Em clima descontraído, técnico do Verdão afirma ser o melhor do Brasil

Cada um com seu estilo, Vanderlei Luxemburgo e Muricy Ramalho possuem apenas uma coisa em comum: são técnicos vencedores. Os dois times sob seus comandos não se firmaram logo de cara no Campeonato Brasileiro, mas faltando apenas cinco rodadas para a final do torneio, ocupam os dois principais postos.

São Paulo, que está no G-4 apenas cinco rodadas consecutivas, conseguiu ultrupassar seus oponentes e, até o momento, é o campeão brasileiro.

Se fosse depender do técnico Luxemburgo para explicar essa virada tricolor, certamente Muricy Ramalho não teria toda culpa no cartório. Em clima de brincadeira, o comandante alviverde afirma ser o melhor do Brasil e que, definitivamente, deixa Muricy no chinelo.

– Depois de mim, o Muricy é o maior técnico do Brasil. Eu sou melhor que Muricy porque o próprio Muricy fala que eu sou melhor. Ele diz que eu estou em um estágio maior que ele porque tenho mais bagagem. Ele fala que é sempre difícil jogar contra o meu time – brinca Luxa, que não deixa de citar sua experiência na Seleção Brasileira:

– Eu sou preparado para ser técnico da Seleção Brasileira ou qualquer outro lugar. O Muricy é muito bom, sabe fazer o negócio funcionar, aproveitar o momento. O futebol é muito dessa forma.

Na era dos pontos corridos, tanto Luxemburgo quanto Muricy são bicampeões brasileiros. Mas, no histórico geral do Brasileirão, Luxa ultrapassa o técnico tricolor por ser pentacampeão. Falta pouco para saber quem será o vitorioso na temporada de 2008.

novembro 5, 2008 Posted by | Palmeiras, São Paulo | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comentário

Palmeiras de olho no desconhecido Argentinos Juniors

Para o rival, é hora decisiva para se destacar em um torneio continental

Se os times brasileiros pouco ligam para a Copa Sul-Americana, o Argentinos Juniors (ARG) aposta na competição para não ter uma temporada decepcionante. Apenas na 17ª colocação do Campeonato Argentino, a equipe luta para fugir das últimas colocações. Em 13 partidas, são três vitórias, cinco empates e outras cinco derrotas.

Se depender do último resultado no torneio Apertura, os torcedores podem ganhar mais animação. No fim de semana, o Argentinos bateu o Tigre por 2 a 0. O adversário é um dos líderes do torneio, ao lado de San Lorenzo e Boca Juniors.

Se na competição nacional o time não está bem, o duelo contra o Palmeiras é uma final, como o próprio site oficial do time diz.

Para o duelo da noite desta quarta-feira, o técnico Néstor Gorosito deve contar com a volta de Franco Quiroga. O jogador tinha se lesionado no duelo de ida contra o Palmeiras e, desde então, estava em tratamento médico. Ele até foi relacionado. Caso ele não tenha condições de jogo, Carlos Recalde será o titular.

novembro 5, 2008 Posted by | Palmeiras | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Inter preparado para os perigos da Bombonera

Time aposta na experiência dos argentinos D’Alessandro e Guiñazú

O Internacional conta com a experiência dos gringos Guiñazú e D’Alessandro para suportar a pressão da Bombonera no jogo desta quinta-feira contra o Boca Juniors, pela Copa Sul-Americana.

Criado no River Plate, D’Alessandro se criou em um ambiente onde o Boca sempre foi considerado o grandre adversário a ser batido. E Guiñazú, que jogou no Independiente e no Newell´s Old Boys, fala da importância de saber enfrentar um time que nunca se entrega.

– Temos que ser competitivos o tempo todo, senão não vamos ganhar. O Boca não vai dar moleza. Eles tentam intimidar o tempo todo – afirmou o volante.

Outro volante, Edinho, é um dos poucos remanescentes do time do Internacional que perdeu duas vezes na Bombonera. Ele esteve presente em 2004, quando o time perdeu por 4 a 2, e na derrota de 4 a 1, em 2005.

– Admito que na primeira vez que pisei lá, fiquei assustado. Mas isso faz tempo. Agora a história é outra. Temos que jogar com equilíbrio e saber atacar e defender os momentos certo – afirmou.

novembro 5, 2008 Posted by | Internacional | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Agora, Grêmio precisa torcer por algozes

Gaúchos poderão ultrapassar o Palmeiras no confronto direto. Porém, para desbancar o São Paulo, precisarão de ajuda

Após perder a liderança do Brasileirão na rodada passada, no empate em 1 a 1 com o Figueirense, em pleno Olímpico, o Grêmio foi obrigado a adotar uma nova estratégia: secar o líder São Paulo. E a ajuda poderá vir de quem atrapalhou os planos de título dos gaúchos.

Nas últimas cinco rodadas, o Tricolor Paulista enfrentará quatro equipes que tiraram pontos do Grêmio no returno do Brasileirão (Portuguesa, Figueirense, Fluminense e Goiás). Em terceiro lugar (60 pontos), o time do técnico Celso Roth poderá ultrapassar o Palmeiras (2º com 61), pois ainda o enfrentará na capital paulista.

Mas como não jogará mais contra o São Paulo (62 pontos), apesar de ter vencido os dois confrontos, precisará da ajuda dos algozes do returno que ainda pegarão o time paulista.

O Grêmio perdeu dez pontos para esses adversários. Foi derrotado pela Lusa no Canindé e pelo Goiás no Olímpico e empatou com Figueira (em casa) e Fluminense (Maracanã).

Porém, essa torcida pelos algozes só fará sentido se o time gaúcho vencer seus rivais. E para cumprir esse objetivo, será preciso que Celso Roth consiga motivar seus jogadores, tarefa que não será fácil. Antes do empate com o Figueira, no domingo passado, houve uma palestra especial.

– Saímos muito motivados da palestra. Mas, no dia seguinte, as coisas não aconteceram tão bem como desejávamos – admitiu um atleta, que não quis se identificar.

novembro 5, 2008 Posted by | Grêmio | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Invasão gera perda de mando ao Goiás

Clube não poderá receber o Botafogo, dia 16 de novembro, em seu estádio

A invasão de campo de um torcedor do Goiás na derrota de 4 a 2 para o Vasco, dia 22 de outubro, pela 31ª rodada do Campeonato Brasileirão, custou caro ao clube goiano. Nesta terça-feira, após julgamento no STJD, o Goiás foi punido com a perda de um mando de campo, além de multa de R$ 10 mil.

Assim, o clube esmeraldino não poderá atuar no Serra Dourada na partida contra o Botafogo, no dia 16 de novembro. Além disso, terá de atuar em um estádio a pelo menos 100 quilômetros de distância de Goiânia.

novembro 5, 2008 Posted by | Goiás | | Deixe um comentário

Sambueza treina entre os titulares do Fla

Caio Jr. saca Kleberson e escala argentino. Maxi entra no lugar de Obina

Caio Júnior começou a montar a equipe do Flamengo para o clássico deste domingo contra o Botafogo, no Maracanã. Sem poder contar com Obina, suspenso, o treinador optou por Maxi no ataque. A novidade foi o aproveitamento de Sambueza no meio-de-campo no lugar de Kleberson.

Toró, com dores na coxa esquerda, não treinou e ficou fazendo fisioterapia. Aírton ganhou uma chance entre os titulares em seu lugar. O chileno Fierro, que tem agradado Caio Júnior, ficou no time reserva.

Os titulares do Fla foram: Bruno, Jaílton, Fábio Luciano e Ronaldo Angelim; Léo Moura, Aírton, Ibson, Sambueza e Juan; Marcelinho Paraíba e Maxi.

novembro 5, 2008 Posted by | Flamengo | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Caio Jr. vê queda de produção de Marcelinho

Técnico acredita que jogador ainda está se adaptando ao Brasil

As constantes substituições de Marcelinho Paraíba criou um certo mal-estar entre o jogador e Caio Júnior. No empate de 0 a 0 com o Vitória, o jogador mostrou claramente sua insatisfação ao tirar a camisa e ir direto para o vestiário. Na partida seguinte, o atacante voltou a ser substituído mas, diferentemente da partida na Bahia, ele não reclamou.

O técnico rubro-negro explicou que as constantes saídas de Marcelinho aconteceram porque o jogador teve uma queda de rendimento. Apesar disso, Caio Júnior descartou colocá-lo no banco de reservas.

– Marcelinho Paraíba caiu de produção, pois está passando por uma adaptação do futebol brasileiro. Ele fez bons jogos e vamos encontrar a solução, pois já mostrou que está em condições de ser titular – disse à Rádio Brasil.

Caio Júnior descartou que a queda de rendimento de Marcelinho Paraíba e da equipe rubro-negra tenha a ver com os salários atrasados. Os ordenados de setembro não foram pagos aos jogadores. Para o treinador, isso não tem influenciado em campo.

– A questão dos salários atrasados não está influenciando os jogadores. Nem na parte técnica, quanto na parte física. Mas é difícil saber o que se passa na cabeça de cada um, no aspecto psicológico. Principalmente quando sabemos que os times adversários não estão passando por isso. Quero tirar o máximo dos jogadores, para eles renderem até o final – garantiu.

novembro 5, 2008 Posted by | Flamengo | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Fla precisa vencer e secar para chegar ao hexa

São Paulo e Palmeiras seriam os principais rivais do clube nesta reta final.

Caso o Flamengo consiga as cinco vitórias até o fim do Campeonato Brasileiro, o hexacampeonato não é garantido. Isso porque ele ainda precisa torcer contra outros adversários para conquistar o título. O clube da Gávea ocupa a quinta colocação atrás de São Paulo, Palmeiras, Grêmio e Cruzeiro.

De acordo com o matemático Tristão Garcia, caso o Rubro-Negro vença os cinco jogos, ele teria que secar São Paulo e Palmeiras apenas, mesmo com quatro clubes na sua frente. Segundo explica, os paulistas teriam de tropeçar em, pelo menos, dois jogos das últimas cinco rodadas.

– O risco do Fla é se os paulistas vencerem fora de casa. O campeão vai ser o time que vencer fora de casa nesta reta final do Campeonato Brasileiro – afirmou o especialista.

O caso do Palmeiras é diferente. Isso porque o Flamengo enfrenta o Alviverde, no Maracanã, daqui a duas rodadas. E como a projeção rubro-negra é de vencer este jogo, o clube paulista teria de perder outra partida. Dos quatro jogos que restaria, três seriam no Palestra Itália (contra Grêmio, Ipatinga e Botafogo) e um fora de casa (contra o Vitória). Se o Palmeiras vencer todos estes jogos, o Flamengo não teria chance de ser campeão mesmo vencendo os cinco jogos.

Outro adversário que o Rubro-Negro da Gávea teria de se preocupar é o São Paulo. A vantagem do Tricolor paulista é que o clube não tem nenhum confronto contra adversários que lutam pelo título até o fim do Brasileirão. No entanto, a equipe de Muricy Ramalho tem três jogos fora de casa (Portuguesa, Vasco e Goiás) nos cinco que restam. Se o São Paulo vencer os dois confrontos no Morumbi (Figueirense e Fluminense) e um na casa do adversário, o Tricolor precisaria de mais dois pontos nos seis que restariam.

No caso do Grêmio, a diferença para o Flamengo é de apenas três pontos. Mas como a atual fase do Tricolor gaúcho não é das melhores, o matemático Tristão Garcia acredita que o clube gaúcho não teria condição de chegar até o fim do Brasileiro na disputa do título, até porque, seu próximo jogo é contra um adversário direto (Palmeiras), fora de casa.

O Cruzeiro não seria preocupação para o Flamengo já que o clube da Gávea ultrapassaria o rival caso vencesse a Raposa no duelo da 36ª rodada, no Mineirão.

novembro 5, 2008 Posted by | Flamengo | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Flamengo projeta cinco vitórias para o título

Para sonhar com hexa, Fla terá de repetir o que fez em três anos e vencer cinco jogos seguidos no Campeonato Brasileiro

Na Gávea ninguém se conforma com a idéia de que não dá mais para conquistar o título. Mas para que isso aconteça será fundamental o Flamengo repetir um cenário que aconteceu apenas três vezes em sua história: vencer cinco partidas seguidas no Campeonato Brasileiro.

Em 1978 foi a primeira, mas os rivais não intimidavam como os atuais. Em 1982, o time comandado pelo ídolo Zico foi além e venceu seis consecutivas, novamente contra rivais sem grande expressão, com exceção do São Paulo, que abriu a seqüência. A última veio em 2007 como parte da incrível arrancada que culminou com a conquista da vaga na Liber tadores.

O volante Ibson não só estava, como foi peça fundamental nas vitórias do ano passado. E os rivais eram de respeito. O Flamengo enfrentou Corinthians, Grêmio e Vasco. Para o camisa 7, é hora de muita concentração para o time conseguir a tão sonhada quina de vitórias.

– Claro que ficou mais difícil a luta pelo título, mas não impossível. Temos de fazer a nossa parte e torcer por tropeço dos rivais. O São Paulo, por exemplo, pegará três times que lutam para não cair. São jogos complicados. Estamos todos focados no objetivo – afirmou.

Ibson ainda lembrou a cobrança da torcida, que pendura em todos os jogos uma faixa com os dizeres “O Brasileiro é obrigação”. Segundo o volante, os torcedores nem precisam lembrar isso, pois a frase está na cabeça do grupo desde a primeira rodada do campeonato.

– Para quem joga aqui o Brasileiro sempre é obrigação. Estamos em uma competição extremamente disputada e nunca deixamos de brigar pela liderança. E vamos continuar assim, buscando o título e as vitórias até o fim – explicou Ibson.

O argentino Maxi também foi direto. Para ele, a motivação para buscar o topo da tabela é simplesmente estar no Flamengo. E ele quer iniciar a caminhada rumo ao título com uma vitória no clássico contra o Botafogo, no domingo.

– Sabemos que todos os jogos serão muito difíceis. Mas o pensamento é único. Queremos muito vencer e buscar a nossa recuperação. Aqui no Flamengo não se pode pensar em outra palavra sem ser título e todos entenderam isso – finalizou.

novembro 5, 2008 Posted by | Flamengo | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Flamengo, São Paulo e Santos querem Conca

Clubes manifestam interesse mas precisam aguardar desfecho do jogador com o Fluminense

De acordo com apurações feitas pelo PORTAL FUTEBOL!, São Paulo, Santos e até o Flamengo manifestam interesse em Conca. Da Europa, o Hertha Berlin, da Alemanha, aparece como candidato a ficar com o apoiador argentino. Todos, porém, precisam aguardar o término do prazo de pagamento do Fluminense (que vai até 1º de dezembro) para fazerem suas propostas oficiais.

Segundo uma fonte ligada ao jogador, que preferiu não se identificar, o que pode dificultar as negociações para o Rubro-Negro são os problemas com relação a salário, já que atualmente o clube deve dois meses aos jogadores.

Porém, tanto o Tricolor carioca quanto os clubes interessados precisam pagar os US$ 2,8 milhões à vista, já que o River Plate (ARG), dono de seus direitos federativos, adiantou que não aceitará financiamentos.

novembro 5, 2008 Posted by | Flamengo, Fluminense, Santos, São Paulo | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Árabes estão de olho em comandante do Cruzeiro

Adilson está valorizado pelo bom trabalho à frente da Raposa

Zezé Perrella, candidato à presidência do Cruzeiro, confirmou o técnico Adilson Batista para 2009. O clube, porém, terá concorrência para acertar a renovação do contrato do treinador, que se encerra no fim deste ano.

O PORTAL! apurou que ele recebeu sondagens dos Emirados Árabes e do futebol do Qatar. Adilson, por sua vez, mantém o foco na reta final do Campeonato Brasileiro e não fala ainda sobre seu futuro no clube.

Em breve, os interessados deverão formalizar uma boa proposta e enviá-la ao treinador cruzeirense.

Além dos clubes estrangeiros, na semana passada pessoas ligadas ao Santos também fizeram uma consulta sobre Adilson Batista, mas a conversa não evoluiu.

Recentemente, Kléber Leite, vice de futebol do Flamengo, apesar de negar o interesse, levantou informações com os seus pares no Clube dos 13 sobre o comandante da Raposa. A permanência de Caio Júnior à frente do Flamengo ainda é incerta para a próxima temporada.

novembro 5, 2008 Posted by | Cruzeiro | , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Auto-confiante, elenco do Corinthians espera por 2009

Capitão considera que ataque não deve nada para os futuros adversários

Se existe algo que não falta ao elenco do Corinthians é auto-confiança. Disputar uma Série B foi motivo de orgulho pelo menos para a maioria. Eles sentem-se tão valorizados quanto qualquer outro jogador do cenário nacional e têm a certeza que não devem nada para ninguém. Os adversários do Timão em 2009, podem esperar por um adversário duro, no que depender do discurso dos atletas.

– Nosso ataque não fica devendo em nada (para os da Série A). Mas vale ressaltar que o nosso sistema defensivo ajuda. Todos os jogadores que jogam do meio para trás já jogaram em Série A e jogaram bem. Por isso eu coloco que o Corinthians não teria dificuldades em disputar a Série A, me refiro às dificuldades defensivas que estas que outras equipes têm – determinou o capitão William.

No entanto, na eleição popular que premiará os melhores jogadores da Série B, apenas dois corintianos estão na disputa. Tratam-se do meia Douglas e do lateral-esquerdo André Santos. William não achou justo e elogiou seu companheiro de zaga, Chicão, que marcou nove gols no Campeonato e é o zagueiro com maior número de gols da temporada nacional.

– Facilita muito jogar do lado dele. É um grande jogar e espero continuar jogando com ele. E espero que ele continue ajudando tanto na defesa quanto no ataque. Pelo campeonato que o Chicão fez merecia estar entre os melhores zagueiros – salienta.

William também fala da perspectiva de, enfim, voltar a bater de frente com os principais rivais, além das equipes que, de forma generalizada, são consideradas as melhores do país. Ele só não fala se o Timão estaria disputando o título da Série A caso estivesse na elite.

– É difícil analisar duas equipes que disputam competições diferentes. Ano que vem teremos a real noção da força que temos para comparação com os outros times. Não vai ser só a marca Corinthians que fará o Campeonato eletrizante. Mas a melhor condição do Corinthians disputar títulos. Não será o nome Corinthians que nos fará forte.

novembro 5, 2008 Posted by | Corinthians | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Piadas com 2ª Divisão é passado para corintiano

E ele ainda ouvia as mesmas coisas quando defendia o Palmeiras, em 2003.

Um ano na Segunda Divisão não é fácil. Tudo quanto é amigo tira sarro e não faltam piadas com o clube do coração. Enquanto o Corinthians não conquistava o acesso, palmeirenses, santistas e são-paulinos puderam abusar das gracinhas. Mas tem um jogador no elenco do Timão que teve que aguentar piadinhas até da Fiel. Só que em 2003. Foi nesse ano, quando o volante Elias defendia sa categorias de base do Verdão, que torcedores do Corinthians não o deixavam em paz. Entre as temporadas de 2003 e 2008, dá até para eleger o grito mais odiado:

– Quando eu estava na base do Palmeiras, em 2003, já tinha ouvido o “Ãoãoão, Segunda Divisão”. Aqui no Corinthians eu ouvi de novo, essa é a pior de todas.

– Os adversários não têm o que falar da gente porque conquistamos o acesso da melhor maneira possível. Superamos e agora piadinha nunca mais! A gente é que vai fazer piadinha deles – brincou.

O camisa 7, porém, que declara ser corintiano desde pequeno, já sabe o que quer ouvir no sábado, em Santa Catarina, quando o Timão enfrenta o Criciúma. Nessa partida o título pode ser, enfim, consolidado, dependendo somente de um tropeço do Avaí diante do CRB-AL.

– O Corinthians é diferente. Quem sabe agora a gente grita “Ãoãoão, Corinthians campeão”! – brincou Elias.

novembro 5, 2008 Posted by | Corinthians | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comentário

Corinthians de olho em zagueiro do Atlético

Leandro Almeida pode substituir Fábio Ferreira, que não fica em 2009

O Corinthians já procura um substituto para Fábio Ferreira, que acertou a sua saída do clube ao final da temporada. Quem está na mira da diretoria corintiana é o zagueiro Leandro Almeida, do Atlético-MG, explica o empresário do jogador, Renato Moura.

– Houve um interesse, que partiu de uma pessoa ligada ao Andrés Sanchez – garante o procurador.

Com a saída de Fábio Ferreira, poucas são as opções do técnico Mano Menezes para a defesa. Além dos titulares William e Chicão, restam o recém-contratado Alves, além de Diego e Renato, formados nas categorias de base. No entanto, todos tiveram pouquíssimas oportunidades no time principal.

novembro 5, 2008 Posted by | Corinthians | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 2 Comentários

Carlos Alberto pode voltar ao Fluminense

Jogador do Tricolor informou ao PORTAL FUTEBOL! que apoiador disse ter sido procurado por representantes do clube

Jogador do Werder Bremen (ALE), Carlos Alberto tem contrato de empréstimo com o Botafogo até o meio do ano que vem. Entretanto, ele deve deixar o clube alvinegro logo após o Campeonato Brasileiro. E o destino pode ser um velho conhecido do apoiador: as Laranjeiras.

Um jogador do Fluminense confirmou ao PORTAL! que recentemente, em um churrasco, Carlos Alberto teria dito a amigos que fora procurado por representantes do Tricolor. O objetivo seria o de acertar a volta do apoiador ao clube que o revelou.

A negociação, entretanto, não é simples. Para Carlos Alberto voltar às Laranjeiras, primeiro seria necessário convencer o Werder Bremen, detentor dos direitos do apoiador, a aceitar um novo empréstimo.

A intenção do clube alemão é reaver a quantia gasta para adquirir o jogador, contratado em 2007 por 8,5 milhões de euros (R$ 23,2 milhões).

Esta foi a transação mais cara da história do Werder, superando a de Diego, ex-Santos, em 2006, que custou 6 milhões de euros (R$ 16,3 milhões).

Como o Flu ainda não pagou os 2,8 milhões de dólares para adquirir os direitos de Conca junto ao River Plate (ARG), a camisa 10 poderá estar vaga em breve. Ou apenas esperando a volta de um velho conhecido.

novembro 5, 2008 Posted by | Botafogo, Fluminense | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Figueirense x Atlético-PR: ingressos à venda

Torcedor do Furacão já esgotou as 400 entradas disponíveis pela Internet

A torcida do Atlético Paranaense esgotou os 400 ingressos que estavam à venda pela Internet para o jogo contra o Figueirense, sábado, às 18h30 (de Brasília), no Estádio Orlando Scarpelli. Os ingressos disponíveis para a torcida do Furacão agora só poderão ser comprados nas bilheterias do estádio.

Com a vitória sobre o Sport na última rodada, a torcida rubro-negra deverá comparecer em peso ao estádio do Figueira, em Florianópolis. Confira os setores e os valores dos ingressos para o confronto:

SETOR B (Cadeira Descoberta – Arquibancada Tobogã) – 3.600 ingressos – R$ 30 /R$ 15
SETOR C (Cadeira Descoberta – Arquibancada Central) – 1.500 ingressos – R$ 30 /R$ 15
SETOR D (Cadeira Descoberta – Arquibancada Curva) – 1.900 ingressos – R$ 30 /R$ 15
SETOR E (Cadeira Descoberta – Arquibancada Fundo) – 2.000 ingressos – R$ 30 /R$ 15

LOCALIZAÇÃO DOS SETORES:

Setor B: Avenida Santa Catarina, próximo ao portão 6.
Setor C e D: Rua Humaitá, próximo ao portão 5.
Setor E: Avenida Santa Catarina, próximo ao portão 16.

novembro 5, 2008 Posted by | Atlético-PR, Figueirense | | Deixe um comentário